Você está na página 1de 1

Texto 3

A intencionalidade da conscincia
De modo especial no 14 de suas meditaes, Husserl apresenta a corrente das cogitationes e sua importncia diante da compreenso da estrutura da conscincia.

Tendo por base a estrutura da conscincia, ego-cogito-cogitatum, podemos concluir que a conscincia sempre conscincia de algo. Diante desse carter bipolar, a saber, o fato de a conscincia ser sempre conscincia de um objeto, o processo de intencionalidade torna-se o condutor fundamental para todos os atos da conscincia em sua atitude de visar. No se trata, portanto, de um eu que reflete de modo isolado dos objetos do mundo e nem mesmo de que os objetos simplesmente se encontrem como produtos duma conscincia unilateral. Ora, a conscincia sempre conscincia de algo. Segundo Husserl, quando penso, penso sobre alguma coisa. No h um pensamento desprovido de alguma relao com o objeto. Na verdade, o prprio eu que pensa se constitui a partir da relao com os objetos . Desse modo, segundo Dartigues, o resultado da epoch fenomenolgica no somente o eu penso, mas tambm o seu objeto de pensamento, ou seja, no s o ego cogito, mas o cogito cogitatum. Disso se constitui a estrutura da conscincia, ego-cogito-cogitatum, que no indica para um solipsismo do cogito, mas, de modo distinto, para uma correlao entre o prprio cogito e cogitatum.

MARTINS FILHO, J.R.F. Duelo de gigantes: o confronto entre trabalho e globalizao. Revista virtual Partes, Setembro de 2010.