Você está na página 1de 4

UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE - UNINORTE

FACULDADE BARÃO DO RIO BRANCO - FAB


CURSO DE DIREITO

TRABALHO DE DIREITO CIVIL II


EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO - DOLO

Rosiane Resende dos Anjos


Vanessa dos Santos Oliveira

Rio Branco
2009
TRABALHO DE DIREITO CIVIL II
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO - DOLO

Trabalho apresentado como requisito


parcial (total) da disciplina de Direito
Civil, 2º período, turno Vespertino, do
Curso de Direito da Faculdade Barão
do Rio Branco – FAB sob a orientação
da Prof.ª Cleunice.

Rio Branco
2009
QUESTÕES

1. Quais os vícios de consentimento previstos no Código Civil?

Os cinco vícios de consentimento previstos no Código Civil de 2002 são:


Erro ou Ignorância, Dolo, Coação, Estado de Perigo e Lesão. Todos estes
estão dispostos dos artigos 138 ao 165.

2. Quais as conseqüências do Erro para o Negócio Jurídico?

O erro, só é considerado como causa de anulabilidade do negócio se for


essencial, escusável e prejudicar real e efetivamente o declarante da
vontade. O Erro Essencial ou Substancial é capaz de viciar o consentimento
do agente, tornando o negócio por ele praticado anulável. Já o Erro
Acidental não é suficiente para anular o negócio. Necessário se faz o
exame do caso concreto feito pelo Juiz na busca da intenção das partes.

3. Em que consiste o Dolo Civil?


O dolo civil é o artifício enganoso, malicioso, de má-fé, utilizado por uma
pessoa para induzir alguém à prática de um ato em seu prejuízo, que jamais
seria praticado caso a realidade fosse de seu pleno conhecimento1.

4. O que vem a ser Dolus Malus e Dolus Bônus?

Dolus bonus seria um dolo menos intenso, contrapondo-se ao dolus malus


que seria um dolo mais grave. No dolo, deve haver a vontade de enganar.
No dolus bonus não é observada esta vontade. Este seria um dolo tolerável,
já esperado. A doutrina defende que quem incorre nesta forma de dolo o faz
por conta própria por não observar cuidados. Já o dolus malus é formado
pelo emprego de manobras astuciosas com intenção de prejudicar alguém.
Segundo Diniz, “é desse dolo que trata nosso Código Civil, erigindo-o em
defeito do ato jurídico, idôneo a provocar sua anulabilidade, dado que tal

1
O planejamento tributário e a multa do fisco federal. Disponível em:
http://www.innocenti.com.br/materia.aspx?id=4527. Acesso em: 20/10/09.
artifício consegue ludibriar pessoas sensatas e atentas” (2004, p. 417 e
418) 2.

5. Quais as conseqüências, para o negócio jurídico, do Dolo Causal


(principal) e quais as do Dolo Acidental?
No dolo essencial há vício do consentimento e isso torna o ato anulável, como
previsto no art. 145 do Código Civil.

Por outro lado, de acordo como o artigo 146 do atual Código Civil, “dolo
acidental só obriga a satisfação das perdas e danos e é acidental quando a
seu despeito o negócio seria realizado, embora de outro modo.” Assim
pode-se dizer que dolo acidental é aquele que, mesmo que não tivesse
ocorrido, o negócio teria se realizado, embora por outro modo. O dolo
acidental não invalida o negócio; apenas obriga a satisfação das perdas e
danos.

6. Qual a diferença do Dolo para o Erro?


A diferença reside no ponto que no erro o vício da vontade decorre de
íntima convicção do agente, enquanto no dolo há o induzimento ao erro
por parte do declaratário ou de terceiro. Como costumeiramente diz a
doutrina: o dolo surge provocado, o erro é espontâneo (RT 557/161).
O dolo, na verdade, é tomado em consideração pela lei, em virtude do
erro que provoca na mente do agente.

2
O Dolo no Direito Civil. Revista Âmbito Jurídico. Disponível em: http://www.ambito-
juridico.com.br/pdfsGerados/artigos/6243.pdf. Acesso em: 20/10/09.

Você também pode gostar