Você está na página 1de 13

Turma: EMR 361 Prof.

: Janaina

Fagner Casagrande de Abreu Giovane Kniess Lucas Duarte

Um termopar com emissividade 0,5 utilizado para medir a temperatura de um gs transparente que escoa em um grande duto, cujas as paredes esto temperatura de 533 K. A temperatura indicada pelo termopar 1100 K. Se o coeficiente de transferncia de calor por conveco entre a superfcie do par e o gs, hc, for 115W/mK, calcule a temperatura real do gs.

Anlise do problema
A temperatura do termopar est abaixo da temperatura real do gs, pois perde calor por radiao para a parede. Em condies do estado estacionrio: = . . = . ..( 4 4 )

Radiao

Conveco

. . = . ..( 4 4 ) Isolando : . ..( 4 4 ) = + . Substituindo os valores numricos: . 0,5 . 5,67108 (11004 5334 ) = + 1100 115. A temperatura real do gs : = 1441 Diferena de 341 K.

Com o objetivo de diminuir essa diferena, proposto proteger o termopar por uma fina blindagem cilndrica contra radiao, com um dimetro interno quatro vezes maior que o dimetro externo do termopar. Suponha que o coeficiente de transferncia de calor por conveco da blindagem seja 90 W/mK em ambos os lados e que sua emissividade seja 0,3.

O calor flui do gs para o termopar e sua blindagem. Ao mesmo tempo, o calor flui por radiao do termopar para a superfcie interna da blindagem, conduzido atravs da blindagem e flui por radiao da superfcie externa da blindagem para as paredes do duto. Hiptese: A temperatura da blindagem uniforme, a resistncia trmica de conduo desprezada, pois a blindagem muito fina.

Taxa de calor por conveco de para , mais por radiao de para .

Taxa de calor por radiao de para .

2. . + . ..( 4 4 ) = . ..( 4 4 )

Conveco Do gs para o cilindro de blindagem

Radiao Do termopar para o cilindro de blindagem

Radiao Do cilindro de blindagem para a parede do duto

Fator de forma
A frao da radiao distribuda de forma difusa que deixa a superfcie 1 e alcana a superfcie 2 chamada de forma da radiao 12 .

Troca de radiao entre dois cilindros cinzas concntricos.

1 . F = 1 1 1 + + . . F = 1 0,2 0,7 +1+ 0,5 (4). 0,3 = ,

Para a blindagem e a parede do duto:

. F = . = 4 . 0,3 = ,

2. . + . ..( 4 4 ) = . ..( 4 4 ) Isolando e como = 4 : 4 . ..( 4 4 ) . ..( 4 4 ) = + 2. . 4 Nesta etapa, como uma das temperaturas ( ) depende da taxa do fluxo de calor, deve-se supor um valor para essa temperatura e, a seguir, determinar se ela satisfaz a continuidade do fluxo de calor no estado estacionrio. Chute 1 : = 1050 K

F = , e . F = ,
4(1,2). (0,3)..(10504 5334 ) (0,38). (0,5)..(11004 10504 ) = + 1050 2.90.4

= 1174,9 K

Verificao
Para o balano de energia no termopar:
Fluxo de calor por conveco do Gs ( ) para o termopar ( ) Fluxo de calor por radiao do termopar para a blindagem

. = . ..( 4 4 )

. = . ..( 4 4 )

Para o chute 1: = 1050 K e = 1174,9 K


115. 1174,9 1100 = . 0,5..(11004 10504 )

8613 7047
Para o chute 2: = 1090 K e = 1240 K 16100 1488 Aumentando a temp. da blindagem, a diferena tambm aumenta. Para o chute 3: = 1045 K e = 1167 K 7693 7699

Concluso
Termopar sem a blindagem
Temp. Termopar: 1100 K Temp. real do gs: 1441 K
Diferena de 341 K

Termopar com a Blindagem contra radiao

Temp. termopar: 1100 K Temp. real do gs: 1167 K


Diferena de 67 K

Você também pode gostar