Você está na página 1de 1

4/2/2014

15. Amalgamao | Evidncias Online


Subscribe

GRI

A Coluna Geolgica

Artigos

Ellen White e a Geologia

Eventos

Perguntas Frequentes

Recursos Multimdia

15. Amalgamao
Dos Homens com Animais Antes do Dilvio Mas, se houve um pecado acima de todos que acarretou na destruio do mundo pelo dilvio foi o crime da amalgamao do homem com animais que degenerou a imagem de Deus e gerou caos em toda parte. Deus planejou destruir atravs de um dilvio esta raa poderosa e de vida longa que havia corrompido seus caminhos diante dEle. Ele no lhes permitiria continuar vivendo normalmente os dias de sua vida natural, o que seriam centenas de anos. Neste tempo, poucas geraes haviam se passado desde que Ado se aproximou daquela rvore que prolongava a vida. Aps a desobedincia do homem, foi-lhe proibido comer da rvore da vida. Privado daquela rvore, sua vida gradativamente definharia. 3 SG, pg. 64 (1864), (1SP, pg. 69). Sobre os Homens e os Animais Aps o Dilvio Todas as espcies de animais criadas por Deus foram preservadas na arca. As espcies estranhas que Deus no havia criado, as quais eram resultado da amalgamao, foram destrudas pelo dilvio. Desde o dilvio vem ocorrendo amalgamao de homens com animais, como pode ser visto na maioria das infinitas espcies de animais e em algumas raas humanas. 3 SG, pg. 75 (1864), (1SP, pg. 78). Sobre as Plantas Remdios que Limpam o Organismo Cristo nunca plantou as sementes da morte no organismo. Satans plantou essas sementes quando tentou Ado a comer da rvore do conhecimento, que implicava em desobedincia a Deus. Nenhuma planta nociva foi colocada no grande jardim do Senhor, mas depois que Ado e Eva pecaram, nasceram ervas venenosas. Na parbola do semeador, foi feita ao dono da casa a pergunta: Senhor, no semeaste boa semente no teu campo? Donde vem, pois, o joio? O dono da casa respondeu: Um inimigo fez isso. (Mat. 13:27 e 28). Todo joio semeado pelo maligno. Toda erva nociva de sua semeadura, e por seus mtodos engenhosos de amlgama ele corrompeu a Terra com joio. MS 65, 1899 (2 ME, pg. 288), 2ME, pg. 452.

Powered by WordPress and the PressPlay Theme

Copyright 2014 Evidncias Online

http://www.evidenciasonline.org/?page_id=270

1/1