Você está na página 1de 8

A PR IMITIVAÇÃO P OR PAR TES

HÉLIO BERNARDO LOPES

Na disciplina de Análise Matemática, logo ao início de certos cursos de licenciatura, é usual tratar,
entre outros temas, o da primitivação, que ainda surge aos jovens estudantes como um tema comportando
alguma dificuldade.

Um dos métodos usados na obtenção da primitiva de certas funções é o método de primitivação por
partes, que assenta na inversão da regra de derivação do produto de duas funções. Torna-se, por isso,
fundamental ter presente esta regra, o que se faz com o seguinte

TEOREMA. Seja I um intervalo de R, não vazio nem singular, e sejam f , g : I → R duas funções
diferenciáveis num ponto a∈I. Nestas circunstâncias, o produto das funções, fg , é diferenciável em a∈I,
tendo-se:

( fg ) (a) =
'
f ' (a ) g (a ) + f (a ) g ' (a ). •

Desta propriedade, caminhando no sentido inverso, retira-se a regra de primitivação por partes, que se
apresenta no seguinte

TEOREMA. Sejam f e g funções primitiváveis num intervalo I ⊆ R, não vazio nem singular. Nestas
circunstâncias, o produto das funções f ' g será primitivável em I se e só se o for o produto fg ' , tendo-se:

∫f '
g = fg − ∫ fg ' . •

O método tem como objectivo evitar o cálculo da primitiva que figura no primeiro membro da regra
antes apresentada, por ser o mesmo difícil de efectuar, porventura, mesmo impossível. Contudo, a regra de
primitivação por partes, para poder ser aplicada, necessita que se conheça a primitiva de f ' , bem como a
do produto fg ' .

Apresenta-se a seguir um conjunto razoável de exemplos concretos de utilização desta regra, em geral
retirados de testes ou exames que tiveram lugar em escolas do ensino superior.

EXEMPLO. Seja o problema de calcular:

∫ ln( x)dx.
Acontece que esta primitiva não é imediata, mas pode ser encontrada através do método de
primitivação por partes, tal como se mostra de seguida. A mesma pode escrever-se na forma:

∫ ln( x)dx = ∫ 1.ln( x)dx.


Toma-se aqui:
f ' ( x) = 1 ⇒ f ( x) = x

1
g ( x ) = ln( x ) ⇒ g ' ( x ) = ⋅
x
Aplicando agora a regra de primitivação por partes, virá:

1
∫ ln( x)dx = x ln( x) − ∫ x x dx = x ln( x) − ∫ dx = x ln( x) − x + C
onde C é a constante de integração. •
EXEMPLO. Seja agora achar:

∫ ln( x + 2)dx.
Está-se perante uma primitiva não imediata, mas que pode obter-se através do método de primitivação
por partes, tendo presente que se tem aqui:

∫ ln( x + 2)dx = ∫ 1.ln( x + 2)dx.


Neste caso, faz-se:

f ' ( x) = 1 ⇒ f ( x) = x

1
g ( x ) = ln( x + 2) ⇒ g ' ( x ) =
x+2
vindo, pois, nos termos da regra ora em estudo:

x  2  1
∫ ln( x + 2)dx =x.ln( x + 2) − ∫ x + 2dx = x.ln( x + 2) − ∫ 1 − x + 2 dx = x.ln( x + 2) − ∫ dx + 2∫ x + 2 dx =
ln( x + 2) x
x.ln( x + 2) − x − 2 ln( x + 2) + C = − x + C. •
ln( x + 2) 2

EXEMPLO. Seja agora achar a primitiva:

∫ x.cos( x)dx.
Faz-se, neste caso:

f ( x) = x ⇒ f ' ( x) = 1

g ' ( x ) = cos( x ) ⇒ g ( x ) = sen( x )

pelo que virá:


∫ x.cos( x)dx = x. sen( x ) − ∫ sen( x)dx = x. sen( x) + cos( x) + C. •
EXEMPLO. Seja agora achar a primitiva:

∫ x. sen( x)dx.
Virá, então:

f ( x) = x ⇒ f ' ( x) = 1

g ' ( x ) = sen( x ) ⇒ g ( x ) = − cos( x )

pelo que se terá:

∫ x. sen( x)dx = − x.cos( x) + ∫ cos( x)dx = − x.cos( x) + sen( x) + C. •


EXEMPLO. Seja, neste caso, encontrar a primitiva:

∫x 2
sen( x )dx.

Neste caso, faz-se:

f ( x) = x 2 ⇒ f ' ( x) = 2 x

g ' ( x ) = sen( x ) ⇒ g ( x ) = − cos( x )

vindo, pois:

∫x 2
sen( x )dx = − x 2 cos( x ) − 2 ∫ x.cos( x )dx = − x 2 cos( x ) − 2[ x. sen( x ) − cos( x )] + C =

− x 2 cos( x ) − 2 x. sen( x ) + 2 cos( x ) + C. •

EXEMPLO. Pretende, agora, achar-se a primitiva:

∫ xe dx.x

Tem-se aqui:

f ( x) = x ⇒ f ' ( x) = 1

g ' ( x) = e x ⇒ g( x) = e x

pelo que virá:

∫ xe x
dx = xe x − ∫ e x dx = xe x − e x + C = ( x − 1)e x + C. •
EXEMPLO. Seja determinar a primitiva:

∫e x
sen( x )dx.

Neste caso procede-se como se indica a seguir:

f ' ( x) = e x ⇒ f ( x) = e x

g ( x ) = sen( x ) ⇒ g ' ( x ) = cos( x )

vindo, portanto:

∫e x
sen( x )dx = e x sen( x ) − ∫ e x cos( x )dx.

Voltando a recorrer ao método de primitivação por partes e fazendo agora:

f ' ( x) = e x ⇒ f ( x) = e x

g ( x ) = cos( x ) ⇒ g ' ( x ) = − sen( x )

virá:

∫e x
[ ]
sen( x )dx = e x sen( x ) − e x cos( x ) + ∫ e x sen( x )dx ⇔ 2 ∫ e x sen( x )dx = e x [ sen( x ) − cos( x )] ⇔

1 x
∫e x
sen( x )dx = e [ sen( x ) − cos( x ) ] + C. •
2
EXEMPLO. Pretende obter-se a primitiva:

∫x 2
e x dx.

Tem-se, neste caso:

f ( x) = x 2 f ' ( x) = 2 x

g ' ( x) = e x g( x) = e x

pelo que virá:

∫x 2
e x dx = x 2 e x − 2 ∫ xe x dx.

Ora, já em exemplo anterior se calculou esta primitiva, pelo que, recorrendo a ela, virá:

∫x 2
e x dx = x 2 e x − 2[ xe x − e x ] + C = ( x 2 − 2 x + 1) e x + C. •
EXEMPLO. Seja, desta vez, a primitiva:

∫ x ln( x)dx.
Faz-se, neste caso:

x2
f ' ( x) = x ⇒ f ( x) =
2

1
g ( x ) = ln( x ) ⇒ g ' ( x ) =
x
pelo que se obtém:

1 1 1 1
∫ x ln( x)dx = 2 x 2
ln( x ) −
2 ∫ xdx = x 2 ln( x ) − x 2 + C. •
2 4
EXEMPLO. Pretende obter-se a primitiva:

∫ x. arctg ( x)dx.
Faz-se, neste caso:

x2
f ' ( x) = x ⇒ f ( x) =
2

1
g ( x ) = arctg ( x ) ⇒ g ' ( x ) =
1+ x2
pelo que virá:

1 2 1  x2  1
∫ x. arctg ( x)dx = 2 x arctg( x) − 2 ∫ 1 + x 2 dx = 2 ( x 2 arctg ( x) − x + arctg( x)) + C. •
EXEMPLO. Determinar a primitiva:

∫ arctg ( x )dx.
Tem-se então:

∫ 1. arctg ( x)dx
pelo que, fazendo:
f ' ( x) = 1 ⇒ f ( x) = x

1
g ( x ) = arctg ( x ) ⇒ g ' ( x ) =
1+ x2
virá:

x 1
∫ arctg ( x)dx = x. arctg ( x) − ∫ 1 + x 2 dx = x. arctg ( x ) − ln( 1 + x 2 ) + C. •
2
EXEMPLO. Achar a primitiva:

∫ ln(2 x + 3)dx.
Tendo presente que se tem:

∫ ln(2 x + 3)dx = ∫ 1.ln(2 x + 3)dx


deverá fazer-se:

f ' ( x) = 1 ⇒ f ( x) = x

2
g ( x ) = ln( 2 x + 3) ⇒ g ' ( x ) =
2x + 3
vindo, portanto:

2x 3
∫ ln(2 x + 3)dx = x.ln(2 x + 3) − ∫ 2 x + 3 dx = x.ln(2 x + 3) − x + 2 ln 2 x + 3 + C. •
EXEMPLO. Encontrar a primitiva:

∫x e 3 − x2
dx.

Convém dar a esta primitiva o formato que se segue:

1 2
∫x e3 − x2
∫ x ( − 2 x ) e − x dx
2
dx = −
2
devendo, então, fazer-se:

f ( x) = x 2 ⇒ f ' ( x) = 2 x

2 2
g ' ( x ) = −2 xe − x ⇒ g( x) = e − x

daqui vindo:
∫x e3 − x2
dx = −
2[
1 2 − x2 1
]
x e + ∫ ( − 2 x ) e − x dx = − x 2 e − x + e − x + C. •
2

2
2 2

[ ]
EXEMPLO. Calcular a primitiva:

∫ arcsen( x)dx.
Neste caso faz-se:

f ' ( x) = 1 ⇒ f ( x) = x

1
g ( x ) = arcsen( x ) ⇒ g ' ( x ) =
1− x2
pelo que virá:

x 1 − 2x
∫ arcsen( x)dx = x. arcsen( x) − ∫ 1− x 2
dx = x. arcsen( x ) +
2 ∫ 1− x2
dx =

1
x. arcsen( x ) + ( 1 − x 2
) 2 + C = x. arcsen( x ) + 1 − x 2 + C. •

EXEMPLO. Achar a primitiva:

∫x 2
sh( x )dx.

Neste caso, tem-se:

f ( x) = x 2 ⇒ f ' ( x) = 2 x

g ' ( x ) = sh( x ) ⇒ g ( x ) = ch( x )

pelo que virá:

∫x 2
sh( x )dx = x 2 ch( x ) − 2 ∫ x. ch( x )dx

e recorrendo de novo ao método de primitivação por partes:

f ( x) = x ⇒ f ' ( x) = 1

g ' ( x ) = ch( x ) ⇒ g ( x ) = sh( x )

ou seja, finalmente:

∫x 2
[ ]
sh( x )dx = x 2 ch( x ) − 2 x. sh( x ) − ∫ sh( x )dx = x 2 ch( x ) − 2 x. sh( x ) + ch( x ) + C. •