Você está na página 1de 3

O VERDADEIRO SENTIDO DA VIDA!

LOCAL: Igreja Batista Regular em Jardim Iracema


DATA: 04/05/2003.
TEXTO: Eclesiastes 1-12
PREGADOR: Gleidson

‫הבל הבלים אומר הקוהלת הבל הבלים הכל הבל‬

O temor do Senhor é o tema dominante em toda a chamada literatura


sapiencial e, por extensão, em todo o Antigo Testamento. Há uma profunda
relação entre o temor do Senhor e a vida. De fato é a vida que está em
consideração quando se refere ao temor. A vida é nosso maior bem (Pv 4:23).
Vejamos o que nos diz a literatura sapiencial:

- O temor do Senhor prolonga a vida, mas os anos do ímpio serão abreviados -


Pv 10:27.
- O temor do Senhor é fonte de vida, para evitar as arapucas da morte - Pv
14:27.
- O temor do Senhor conduz à vida, aquele que o possui repousará satisfeito e
nenhum mal o visitará - Pv 19:23.
- A recompensa da humildade e do temor do Senhor será riqueza, honra e vida -
Pv 22:4.

Hoje queremos passear pela literatura sapiencial (nos concentrando no livro de


Eclesiastes) para que possamos descobrir pela Palavra de Deus qual é o
verdadeiro sentido da vida. O contexto histórico do livro nos ajudará a
entendermos melhor as palavras do autor.

“Porque o que sucede aos filhos dos homens sucede aos animais; o mesmo
lhes sucede: como morre um assim morre o outro, todos têm o mesmo fôlego
de vida, e nenhuma vantagem tem o homem sobre os animais, porque tudo é
sem sentido” - Ecl. 3:19.

Pano-de-fundo histórico cultural do livro de Eclesiastes

- Século nono da era pré-cristã, reinado de Salomão sobre Israel.


- Período de intensa paz (Shlomô=sua paz).
- Prosperidade crescente, grande desenvolvimento econômico.
- Período marcado pelo intelectualismo e conhecimento.
- Unidade religiosa com a centralização do culto no templo edificado por
Salomão.

Em outras palavras, a era de ouro, os anos dourados da vida de Israel. Tudo o


que se podia esperar de uma nação e de um governante, estava em Israel nos
dias de Salomão. Mas o que nos intriga é o fato de esta era ser marcada também
pelo pessimismo, pela falta de sentido, pelo desespero.

...nenhuma vantagem tem o homem sobre os animais porque nada faz sentido.

O termo ‫ הבל‬deve ser traduzido pela expressão “sem sentido”, que é de fato o que
o autor quer dizer. Mas porque nada faz sentido? Porque tudo o que se vê, tudo
que se ouve e sente, tudo o que se faz, é debaixo do sol. Não há uma
interpretação sobrenatural, divina da vida. Tudo se explica pela razão, ‫תחת השמש‬
“debaixo do sol” não há sentido para a vida e o resultado é um existencialismo
estúpido, sem razão verdadeira. Não há nem mesmo razão para a morte.

Assim dividiremos este estudo do livro do Qohêlet em duas partes distintas. São
também os dois pontos de nossa mensagem:

I. A FALTA DE SENTIDO DA VIDA SEM DEUS (Ec 1-9).

A. Falta de sentido para a vida (1:4-11)

B. Falta de sentido das posses (2:1,3,10-11)

C. Falta de sentido do conhecimento (2:16,17)

D. Falta de sentido no trabalho (18,20-23)

E. Falta de sentido da morte (3:19,20)

F. Falta de sentido da família (6:3)

G. Falta de sentido na sociedade (8:14; 7:7; Sl 73)

A conclusão que se obtém de toda esta loucura é o existencialismo desesperado,


o autor aconselha a que se tire o máximo de proveito em tudo, visto não haver
mesmo razão para nada, uma vez que tudo se observa “debaixo do sol”.
3:12; 9:7,9; 9:10.

Mas, poderia o homem esperar algo além do sol? Poderíamos buscar além das
nuvens algo que nos desse sentido para a vida? Há alguma razão para a moral,
para a existência piedosa? É o que veremos na segunda parte do livro de
Qohêlet.

II. O VERDADEIRO SENTIDO DA VIDA COM DEUS (Ec 10-12)


ΙΙ
A. Teme a Deus, pois Ele te pedirá contas - 11:9.

B. Teme a Deus, pois o tempo não pára - 12:1-7.

C. Teme a Deus, “...porque vais à casa eterna” - 12:5

D. Teme a Deus porque este é o dever (não é mérito) de todo homem


(inclusive teu) - 12:13

E. Teme a Deus porque Ele trará à luz todas as tuas obras... 12:14