Você está na página 1de 2

Tipos de conexão do implante

A conexão é o meio pelo qual a prótese ou componente intermediário se encaixa ao implante. Segundo o FDA (órgão americano responsável pelo controle de produtos da área da saúde) existem cerca de 20 tipos de conexões registradas, que basicamente podemos dividir em 3 tipos de desenho: hexágono externo, hexágono interno e cone morse. A primeira conexão surgiu com a introdução do implante por Branemark, o hexágono externo servia inicialmente para a introdução do implante no leito cirúrgico, nas reabilitações totais os componentes protéticos não necessitava do hexágono como dispositivo antirrotacional. Quando os implantes foram utilizados para restaurações parciais e unitárias, viu-se a necessidade de um dispositivo que impedisse a rotação dos intermediários, o que a princípio foi resolvido com o hexágono externo. A configuração da conexão dos implantes é fundamental para a estabilidade da interface implante/intermediário o que determina a longevidade da restauração, diminuindo a possibilidade de micromovimentação durante as cargas funcionais.

Hexágono Externo A conexão de hexágono externo com 0,7mm de altura, 2,7mm de largura e diâmetro de plataforma de 4,1mm foi considerada padrão pelas empresas de implante, sendo este o mais utilizado devido a facilidade de intercâmbio dos intermediários. Este tipo de conexão facilita a reabilitação devido à quantidade de possibilidades de intermediários que permitem a correção de um posicionamento não favorável do implante, trazendo-nos uma facilidade na execução da prótese. Esta conexão traz a desvantagem de estabilidade já que sem a adaptação adequada , as forças mastigatórias são direcionadas diretamente ao parafuso de fixação, causando afrouxamento e até mesmo a fratura do mesmo. A colocação de implantes de hexágono externo não é indicada para regiões com alta carga mastigatória, porém é muito bem-indicado para próteses múltiplas e para a reabilitação total com prótese total híbrida ou sobredentaduras. Facilitam a moldagem e a execução laboratorial, já comprovada a sua eficiência nestes casos.

Outra vantagem consiste no desenho de seus intermediários – que possuem o que chamamos de plataforma switching – onde o tecido gengival se acomoda proporcionando um contorno gengival mais favorável esteticamente. A adaptação consiste em paredes anguladas entre 4 e 16 graus. O cone morse possui as mesmas características do hexágono interno e a vantagem do seu desenho que proporciona um selamento pelo íntimo contato das paredes. . E cabe a nós técnicos o aprimoramento das técnicas para oferecer aos nossos clientes uma gama cada vez maior de possibilidades. impedindo a progressão bacteriana. Cone Morse Esta conexão foi herdada da engenharia. Por desvantagem podemos citar a difícil resolução do posicionamento incorreto do implante. como alternativa para utilização de implantes para reabilitações parciais e unitárias.Hexágono Interno O desenvolvimento dos implantes com conexão interna se deu a partir da década de 80. utilizada para o tratamento de peças pelo íntimo contato. pois dispõe de menor quantidade de soluções protéticas. Cabe aos profissionais envolvidos na reabilitação a discussão das possibilidades e chegar a uma melhor resolução para cada caso. A grande vantagem nesta conexão é a distribuição das forças mastigatórias através do hexágono e das paredes do implante. portanto. menos sujeito ao afrouxamento e fratura dos parafusos. diminuindo consideravelmente o estresse do parafuso de fixação e micromovimentações.