Você está na página 1de 171



Grupo Escoteiro do Mar Amigo Velho - 16ºPR


Clã Pioneiro Navegar é Preciso

200 Idéias para você realizar com


seu Clã Pioneiro, desde um Acampamento ou
uma Vigília até um Concurso de Culinária ou
uma atividade com outras seções!! E mais:
dicas de como funcionam coisas cotidianas
aos Clãs Pioneiros, como a Carta Pioneira,
Festas, Companhas Financeiras, Programação,
Mística, Reuniões de Sede, etc...!!!

Guilherme de Sampaio Soares


Pio Cegonha

Página nº 1
Frases

Algumas frases, que durante esses sete meses de projeto, achei que refletiram, em
algum momento, o que eu estava passando, sentindo ou escrevendo. Delas, tiro várias li-
ções:

- se ninguém fez alguma coisa, está aí a deixa para você fazer algo inédito.
- se você acreditar no que faz, pouco importa a opinião dos outros, pois quem irá
se realizar com o trabalho pronto será você, vendo o fruto do se esforço se con-
cretizar.
- sempre faça backup de seus arquivos, pois computadores sempre falhas nas ho-
ras mais impróprias!!

“Uma grande jornada


começa com um
simples passo.”
Provérbio Chinês

“Existe tanto risco .


em fazer nada .
como em fazer .
alguma coisa.”
Trammel Crow

“Nada está tão ruim


a ponto de não
ficar pior.”
Lei de Murphy

Página nº 2
Mensagem do Autor

Bem, em uma linguagem simples e direta, espero realmente que esse livro sirva para
que você, leitor, consiga ter uma “iluminação” para realizar alguma atividade em uma reu-
nião, acampamento, viagem, Mutirão, etc... É esse o objetivo da obra, de “quebrar o galho”
quando aparecer alguma dúvida, quando se esgotarem as idéias, quando chover, quando seu
Clã Pioneiro começar a perder o pique, etc...

A idéia desse livro surgiu quando eu estava na Loja Escoteira da UEB/PR e pergun-
tei ao Chefe Ricardo (responsável pela lojinha) se ele tinha algum livro para o ramo Pionei-
ro. Ele me disse que não, a única coisa que tinha era o Livro do Mestre e uma ou outra Fi-
cha de Atividade para o Ramo. Como já o conhecia de tempos, ele brincou e falou que eu
podia escrever um livro sobre os Pioneiros para colocar lá...

A idéia amadureceu. Eu já havia visto iniciativas semelhantes, o Clã Sol Nascente


(G.E. Parobé - RS) possui um Manual do Pioneiro. Em SP há iniciativas semelhantes, bem
como em alguns Clãs Pioneiros do Paraná. Há ainda a homepage do Pioneiro Guido Zim-
mermann, etc... Mas eu queria algo diferente. Queria passar para quem lesse um livro ou
um manual, um pouco da experiência que eu tive no Ramo Pioneiro. Mostrar de forma cla-
ra e direta, coisas que eu levei muito tempo para entender, ou para fazer!! Queria dar dicas,
reunir tudo o que eu vi, entendi e aprendi em viagens, passeios, vigílias, etc... e colocar
num único local, numa única obra, fácil de acessar (teria que ser livro e não homepage) e
que desse subsídios ao leitor para não repetir os erros que eu cometi (que não foram pou-
cos!).

Logo, teria que ser um desafio, a altura de um projeto para Insígnia de BP. Como
nessa época eu já possuía os requisitos necessários para buscar essa insígnia, aceitei a idéia
de juntar 200 (duzentas!!) idéias, dicas, sugestões, fatos, histórias, etc... e reuni-las de for-
ma organizada e metódica em um livro. Daí surgiram os temas (Acampamentos, Vigílias,
Campanhas Financeiras, etc...) que receberam frações das 200 idéias de acordo com sua
“participação”, “importância” na vida do Pioneiro e do Clã. Logo, não haveria lógica em
termos 50 idéias de músicas, 1de atividade de serviço, 2 de mutirões, etc... Por isso que
alguns temas tem mais ou menos idéias, totalizando 200.

Por fim, desejo a vocês ótimas atividades!! Lembro ainda que todas as idéias são de
minha própria opinião. Logo, não são verdades absolutas e é claro que vocês podem discor-
dar, alterar, juntar, rabiscar, ou ignorar uma ou outra idéia que ache sem sentido. Tentei
fazer algo que não se prendesse em um ou outro exemplo, mas que pudesse ser livremente
interpretado e executado, de acordo com cada Clã Pioneiro. Concluindo: Divirtam-se tanto
quanto eu me diverti nesses 3 anos como Pioneiro!!!!! SERVIR!!

Página nº 3
Mensagem dos Mestres Pioneiros

Este trabalho é, por certo, o resultado do entusiasmo de um jovem pelo Ramo Pio-
neiro e pelo Movimento Escoteiro.
Ele reflete a vivência em um Clã Pioneiro. Conta experiências vividas e idealizadas
por alguém que tem participado ativamente no ramo e que tem procurado sempre fazer o
seu “melhor possível”.
Longe de ser um manual com receitas prontas, este conjunto de idéias se propõe a
ser um facilitador e um estimulador da enorme criatividade que existe em cada jovem nesta
faixa etária.
Diz o poeta “... quem sabe faz a hora, não espera acontecer...” Isto bem cabe ao au-
tor deste trabalho, o Guilherme, mais conhecido como Cegonha. Assim é ele: um realiza-
dor! Uma pessoa que tem idéias, sonhos e ideais. E que corre atrás deles. Que busca o que
acredita e que faz acontecer. Ele idealizou um projeto: passar para aqueles que estão en-
trando, ou que já estão no Ramo Pioneiro, idéias e sugestões que enriquecessem as ativida-
des, que as tornassem melhores e mais interessantes. E aqui está o resultado: um trabalho
com a “cara” do Cegonha: simples, rico e cheio de entusiasmo e valor.
Como Mestres, gostaríamos de agradecer a oportunidade de podermos conviver com você e
expressar a certeza de que suas idéias vão ser aliadas importantes para tornar as atividades
dos pioneiros, cada vez mais atraentes, progressivas e variadas, como recomendou BP.
Guilherme, é de gente como você que o mundo e o movimento escoteiro necessi-
tam.
Siga em frente, crie, realize, construa , seja um bom cidadão e, sobretudo, SEJA
FELIZ!

Ilka e Osvaldo

Página nº 4
Dedicatórias
Bem, eu seria injusto se não citasse meus amigos, os que me apoiaram, de um jeito
ou de outro, seja servindo de ombro para chorar, seja acampando comigo, velejando comi-
go, criticando, sugerindo, programando, escrevendo, discutindo, cantando, bebendo, dan-
çando, etc... Cada um de vocês me ensinou muito. Do fundo do coração, OBRIGADO!!!!!

À todos os Pioneiros e Pioneiras do Clã Pioneiro Navegar é Preciso, do Grupo Esco-


teiro do Mar Amigo Velho - 16º/PR.

Aos Mestres Pioneiros Ilka e Osvaldo.

À galera de malucos que permitiu que eu tivesse 3 ótimos anos como Pioneiro: Fá-
bio (tudo jóia?), Gustavo (Guga), Gisele, Patrícia, Bebel, Rachel, Melissa, Silvana, Karen,
Simião, Ariane, Fabiano, Giovanni, Lincoln, Ivens, Karina, Kaká Jones, Adônis, Bichara,
Batata, Bruno, Fefo (QSL?), Adriano, Sheila, Lara, Cibele, Iponá, Carla, Zem (milico!),
Jota (3 Pios-18 também!!), Carol, Arthur, Móca, Rui, Glória, Balla, Rafa, Marcos, Biriba,
Piggy, Fabiano, Eda, Flávio Asterisco, Hacke (?), Karl, Filipo, Juliana, Janine, Adriana,
Cibele, Edu, Chiquinho, Érico (“slave”), Victor, Rocir, Jú, Ricardo, Kathrine, Koch, Sííííííí-
ílvioooooo, Pacheco, Júlio, Heron (o do vestidinho preto!), Oitenta, Jeca, Xaxim, Iberê (o
arregado), Irecê (o mais arregado), Guillermo, William, Jana, Márcia, Karina, Alícia, Adri-
ana, Adriano Lima, Dayan, Iara, Tato, Sayonara, Pilar (SP), Marcelo (Interclãs98), Bocão
(Interclãs98) e TODOS (TODOS mesmo!) os outros Pioneiros que eu conheço, mas que
por questões de espaço não foram citados.

Ao Pioneiro Guido Zimmermann, pelo apoio dado na idéia 3.5.

À Comissão de Mestres Pioneiros da Região do Paraná.

Ao pessoal (Bello, Rosângela, Beth, Oscar) do Escritório Nacional de Eventos; ao


Grêmio de Radioamadores Escoteiros PY5UEB; aos Chefes e Diretoria do Grupo Escoteiro
do Mar Amigo Velho - 16º/PR, por entenderem (eu acho) a minha falta de tempo para, às
vezes, para participar de atividades, reuniões, acampamentos com a tropa sênior, etc...!!

À minha família, que não reclamou (muito) de quando eu ficava digitando no mi-
cro-computador, de quando eu voltava arrebentado e/ou machucado de acampamentos e de
quando eu perdia ou quebrava alguma coisa (muita coisa!).

Aos Professores do Curso de Engenharia Química da UFPR, que se não fosse a va-
lorosa contribuição deles, eu teria terminado esse livro na metade do tempo!

Ao Pioneiro Rodrigo Luis Silveira, grande Amigo e Escoteiro, que nos cuida e ob-
serva, do Grande Acampamento.

A todos os meus “Amigos de Fé, Irmãos Camaradas” que tive o prazer de conhecer
em Jamborees, Mutirões, Interclãs, etc...!!!!!!!!!!!

Página nº 5
Os Temas do Livro

Todas as 200 idéias desse livro foram distribuídas em temas, segundo sua importân-
cia, sua aplicação no Ramo Pioneiro. Isso explica o fato do tema Músicas Escoteiras ter
menos idéias que Atividades de Serviço. Logo, os 16 temas escolhidos tentam abranger o
universo enorme de idéias que estão relacionadas ao Ramo Pioneiro, ao Clã e ao Pioneiro
como um elemento atuante e modificador.

- Atividades de Serviço - Explica o que são, como realizar, qual o pensamento en-
volvido por trás desse tema e dá sugestões de atividades de serviço.
- Festas - O que os Pioneiros podem fazer para realizar divertidas festas, os deta-
lhes (importantes) que as vezes são esquecidos e dá sugestões de diversos tipos
de festas.
- Cerimônias do Clã - Apresenta parte da gama de cerimônias que envolvem o
Clã Pioneiro, além de dar dicas de como torná-las mais interessantes e marcan-
tes.
- Administração do Clã - Serve tanto para aqueles Clãs que já tem muita história
quanto para aqueles que estão começando, apresentando o esquema de organiza-
ção de um Clã, além de elementos constituintes do mesmo, suas funções, autori-
dades, competências, etc...
- Músicas Escoteiras - Algumas músicas para você e seu Clã cantarem e propor-
cionarem momentos de lazer.
- Fogo-de-Conselho - Como organizar e como deixar especial esse importante
momento de confraternização, incluindo dicas, truques e segurança.
- Pré-Vigília - O que é, como realizar, como escolher um tema, que tipo de ativi-
dades realizar são alguns dos assuntos abordados por esse tema.
- Ponte Pioneira - Como marcar o estágio de transição do Ramo Sênior para o
Ramo Pioneiro, dando dicas de atividades que podem ajudar o Escudeiro a co-
nhecer melhor o Clã.
- Acampamentos e Excursões - Aborda desde a estruturação até a execução de
um acampamento e cita informações sobre acantonamentos, lamparadas, etc...
- Confraternizando - O que você e seu Clã podem fazer para conhecer melhor ou-
tros Clãs Pioneiros, desenvolvendo divertidas atividades, competições, etc...
- Mutirões, Interclãs e outras grandes atividades - O que são essas atividades,
qual o propósito delas, como organizar eventos para Pioneiros de vários locais,
etc...
- Ecologia x Pioneirismo - Dá sugestões de como o Pioneiro pode desenvolver a-
tividades ligadas ao Conservacionismo, Ecologia, etc...
- Reuniões de Sede - O que fazer quando estão na sede do Grupo, etc...
- Atividades com outros Ramos - qual a finalidade de se fazer tais atividades e
que tipos de eventos, brincadeiras e palestras podem ser feitas...
- Campanhas Financeiras - Sugestões e dicas de como o seu Clã pode arrecadar
dinheiro para patrocinar viagens, encontros, festas, etc...
- Etapas, Projetos e outros detalhes do Clã - Algumas coisas mais que compõem
o dia-a-dia do Pioneiro, como etapas, padrinhos, etc...

Página nº 6
Índice dos Tópicos

Aqui vai a relação dos tópicos do livro e a página em que eles se encontram!!

Frases....................... ...................................................2
Mensagem do Autor....................................................3
Mensagem dos Mestres Pioneiros...............................4
Dedicatórias.................................................................5
Tópicos do Livro..........................................................6
Índice dos Tópicos.......................................................7
Índice das Idéias...........................................................8
Estatísticas do Projeto................................................166
O autor do livro..........................................................167
Comentários, Críticas, etc..........................................168

Página nº 7
Índice das Idéias

1 - Atividades de Serviço
1.1 - O que são Atividades de Serviço..............................................13
1.2 - Participando de Atividades de Serviço.....................................13
1.3 - Como anda a saúde de seu G.E................................................14
1.4 - Recuperação da Sede do G.E....................................................15
1.5 - Campanha de Cidadania............................................................15
1.6 - Campanha de Doação................................................................16
1.7 - Almoço Beneficente..................................................................17
1.8 - Dando uma mão para a Comunidade........................................17
1.9 - Primeiros Socorros....................................................................18
1.10 - Apadrinhamento de uma instituição........................................19
1.11 - Prevenção de Incêndios...........................................................19
1.12 - Festa Junina/Natal/Páscoa de carentes....................................20
1.13 - Lecionando aulas de reforço...................................................21
1.14 - Programa de Higiene Bucal ...................................................21
1.15 - Separação seletiva de lixo.......................................................22
1.16 - Feira do Bagulho.....................................................................23
1.17 - Defesa Civil.............................................................................23

2 - Festas
2.1 - Aniversário do Clã....................................................................24
2.2 - Festa Temática..........................................................................24
2.3 - Reunião na casa de um Pioneiro...............................................25
2.4 - Festa Surpresa...........................................................................26
2.5 - Celebrações Escoteiras..............................................................26
2.6 - Despedida do Pioneiro..............................................................27
2.7 - Datas Especiais..........................................................................27
2.8 - Encontro de Ex-Pioneiros.........................................................28
2.9 - Festa de Encerramento..............................................................28

3 - Cerimônias do Clã
3.1 - Ponte Pioneira...........................................................................29
3.2 - Investidura Pioneira..................................................................30
3.3 - Insígnias Pioneiras....................................................................31
3.4 - Insígnia de BP...........................................................................31
3.5 - Místicas do Ramo (Guido Zimmermann) ................................32
3.6 - Despedida do Pioneiro..............................................................33
3.7 - Aos Mestres com carinho.........................................................34
3.8 - Dando um toque a mais na cerimônia.......................................35
3.9 - Segurança e Coerência..............................................................35

4 - Administração do Clã
4.1 - Carta Pioneira............................................................................36
4.2 - Conselho do Clã........................................................................37
4.3 - Livros Atas e registros do Clã...................................................37
4.4 - COMAD – Comissão Administrativa do Clã............................38
4.5 - O papel dos Mestres Pioneiros..................................................39
4.6 - A programação do Clã..............................................................40

Página nº 8
4.7 - Mini-cursos (carta, atas, projetos, registros) ...............................40
4.8 - Aprendendo c/ outros Clãs Pioneiros...........................................41
4.9 - Cursos de Formação (Região Escoteira) .....................................42
4.10 - Equipes Regionais......................................................................43
4.11 - Sugestão de Programação I........................................................43
4.12 - Sugestão de Programação II.......................................................45

5 - Músicas Escoteiras
5.1 - Canção do Clã..............................................................................46
5.2 - Eu conheço um jogo.....................................................................47
5.3 - Papelada.......................................................................................48
5.4 - Canção da Promessa....................................................................49
5.5 - Rali-Gali.......................................................................................49
5.6 - Canção da Despedida...................................................................50
5.7 - Música do Clã...............................................................................50

6 - Fogo de Conselho
6.1 - O que é Fogo-de-Conselho...........................................................51
6.2 - Organizando um Fogo-de-Conselho............................................51
6.3 - Animando um Fogo-de-Conselho................................................52
6.4 - O local para um Fogo-de-Conselho..............................................53
6.5 - Escolhendo um tema, músicas, roupas, etc... ..............................54
6.6 - Atividades alternativas (reflexão, espiritualidade) ......................55
6.7 - Fogo-de-Conselho de Grupo........................................................55
6.8 - Fogo-de-Conselho Medieval........................................................56
6.9 - Truques e macetes........................................................................57
6.10 - Lamparadas................................................................................57
6.11 - Efeitos, Shows e outras “loucuras” ...........................................58
6.12 - Segurança e Proteção..................................................................59
6.13 - Sugestão de Programação I........................................................60
6.14 - Sugestão de Programação II.......................................................61
6.15 - Sugestão de Programação III......................................................61

7 - Pré-Vigília (Vigília Pioneira)


7.1 - O que é a Pré-Vigília (Vigília Pioneira ) .....................................62
7.2 - O que esperar de uma Pré-Vigília..................................................63
7.3 - A programação de uma Pré-Vigília...............................................63
7.4 - Atividades Recreativas..................................................................64
7.5 - Atividades Escoteiras....................................................................65
7.6 - Atividades Espirituais...................................................................66
7.7 - Atividades Intelectuais..................................................................66
7.8 - Hora do Rango! ............................................................................67
7.9 - A vez dos Mestres Pioneiros.........................................................67......
7.10 - Temas para uma Pré-Vigília........................................................68..
7.11 - Discussões e Debates...................................................................68
7.12 - Outras Atividades........................................................................69
7.13 - Avaliação Final – Erros e Acertos..............................................70.
7.14 - Programação I – Sugestão..........................................................70
7.15 - Programação II – Sugestão.........................................................71
7.16 - Programação III– Sugestão........................................................73

8 - Ponte Pioneira
8.1 - Palestra Explicativa para o Ramo Sênior.....................................74
8.2 - O que fazer durante a Ponte? .......................................................74

Página nº 9
8.3 - Objetivos da Ponte - apresentação do Pioneiro...............................75
8.4 - Atividades de Sede..........................................................................75
8.5 - Atividades Sociais...........................................................................76
8.6 - Atividades com outros Clãs.............................................................76
8.7 - Atividades de Serviço......................................................................77
8.8 - Ouça o Escudeiro e aprenda! ..........................................................78
8.9 - Valorizando a Ponte Pioneira..........................................................78
8.10 - Programação para Ponte Pioneira..................................................79

9 - Acampamentos e Excursões
9.1 - O que (NÃO!) levar num Acampamento........................................80
9.2 - A escolha do local............................................................................81
9.3 - Acantonamento na Sede..................................................................82
9.4 - Acampamentos por Equipes............................................................82
9.5 - Culto Matinal..................................................................................83
9.6 - Acampamento Volante....................................................................84
9.7 - Acampamento Mateiro (ou Reviva o Sênior que ...) ...............................85
9.8 - Excursões e Passeios.......................................................................86
9.9 - Rapel e Escalada..............................................................................86
9.10 - Bebidas alcoólicas e Fumo............................................................87
9.11 - Higiene e limpeza..........................................................................88
9.12 - Segurança em Acampamentos.......................................................89
9.13 - Sugestão de Acantonamento..........................................................90
9.14 - Sugestão de Excursão....................................................................91
9.15 - Sugestão de Acampamento............................................................92

10 - Confraternizando
10.1 - Visitando outro Clã Pioneiro.........................................................94
10.2 - Recebendo outro Clã Pioneiro.......................................................94
10.3 - Acampamento Setorial de Pioneiros..............................................95
10.4 - Festa a Fantasia..............................................................................96
10.5 - Campeonato de Futebol (ou Vôlei, Basquete) ..............................97
10.6 - “PIOcnic” ......................................................................................97
10.7 - Festival de Vídeo...........................................................................98
10.8 - Concurso de Culinária...................................................................98
10.9 - Churrasco Pioneiro! ......................................................................100
10.10 - Gincana Pioneira..........................................................................101
10.11 - “Clãs Irmãos” .............................................................................103

11 – Mutirões, Interclãs e outras Grandes Atividades


11.1 - O que são Grandes Atividades.......................................................104
11.2 - Participando de uma Grande Atividade.........................................104
11.3 - Equipes de Serviço........................................................................105
11.4 - Mutirões Regionais (Interclãs) .....................................................106
11.5 - Encontros de Pioneiros..................................................................107
11.6 - Fóruns e Assembléias....................................................................107
11.7 - O Rover Moot................................................................................108
11.8 - Expo-PIO.......................................................................................109
11.9 - Sugestão de Mutirão Regional.......................................................109
11.10 - Sugestão de Fórum......................................................................111
11.11 - Para marcar sua participação em uma Grande Atividade............112

Página nº 10
12 - Ecologia x Pioneirismo
12.1 - Ecologia x Pioneirismo.............................................................112
12.2 - Programa de Palestras para as Seções.......................................113
12.3 - Safári Fotográfico.....................................................................114
12.4 - Levantamento da Fauna e Flora local.......................................114
12.5 - Projeto Beija-Flor.....................................................................115
12.6 - Recuperação do Grupo Escoteiro.............................................116
12.7 - Campanha de Reciclagem.........................................................117
12.8 - Visitando Museus de História Natural......................................117
12.9 - Canteiro do Clã.........................................................................117
12.10 - Adotando um Jardim...............................................................118
12.11 - Especialidades e Insígnias Escoteiras.....................................119
12.12 - Semeando à distância..............................................................120
12.13 - Conhecendo Projetos de Conservacionismo...........................120
12.14 - Visitando uma área degradada................................................121
12.15 - Estudo de Casos Ecológicos...................................................121
12.16 - Conscientizando sua Comunidade..........................................122
12.17 - Conseguindo apoio para Atividades Ecológicas.....................123

13 - Reuniões de Sede
13.1 - Como planejar uma reunião de sede.........................................124
13.2 - Arrumando a Sala do Clã..........................................................124
13.3 - Críticos de Cinema....................................................................125
13.4 - Mural de Fotos..........................................................................125
13.5 - Quadro de Honra.......................................................................126
13.6 - Debates e Discussões................................................................127
13.7 - Livros Escoteiros......................................................................127
13.8 - Relaxamento ............................................................................128
13.9 - Jornal do Clã (ou do Grupo) ....................................................128
13.10 - Pesquisando as Modalidades..................................................129
13.11 - Técnicas Escoteiras.................................................................129
13.12 - Júri Simulado..........................................................................130
13.13 - Teatro Pioneiro........................................................................130
13.14 - Desenvolvendo seus sentidos..................................................131
13.15 - Sugestão de Reunião de Sede I...............................................132
13.16 - Sugestão de Reunião de Sede II..............................................132

14 - Atividades com outros Ramos


14.1 - Apresentação do Ramo Pioneiro..............................................133
14.2 - Motivando os Jovens................................................................134
14.3 - Um dia com os Lobinhos..........................................................134
14.4 - Um dia com os Escoteiros........................................................135
14.5 - Um dia com os Sêniors.............................................................136
14.6 - Participando de um Acampamento...........................................136
14.7 - Estagiando numa seção do Grupo Escoteiro............................137
14.8 - Palestras e Exposições..............................................................138

15 – Campanhas Financeiras
15.1 - O que são Campanhas Financeiras...........................................139
15.2 - Organizando as Finanças do Clã...............................................140
15.3 - O tesoureiro do Clã...................................................................141
15.4 - Rifando um Objeto....................................................................141
15.5 - Festas e Jantares........................................................................142
15.6 - Distintivos, Camiseta, etc... ......................................................143

Página nº 11
15.7 - Feira do Bagulho.......................................................................144
15.8 - Semestralidade...........................................................................145
15.9 - Pesquise Sempre!.......................................................................145
15.10 - Fazendo as Contas...................................................................146
15.11 - Sugestão de Campanha I..........................................................146
15.12 - Sugestão de Campanha II .......................................................148

16 - Etapas, Projetos e outros detalhes do Clã


16.1 - O que são equipes de interesse..................................................151
16.2 - Sugestões de Equipes de Interesse.............................................152
16.3 - Equipes Informais......................................................................153
16.4 - Dirigindo em Atividades Escoteiras..........................................154
16.5 - Padrinhos...................................................................................155
16.6 - JOTA & JOTI............................................................................156
16.7 - Promessa e Investidura..............................................................156
16.8 - Insígnias de Cidadania e Pioneira..............................................158
16.9 - Insígnia de BP............................................................................159
16.10 - Fichas de Atividade.................................................................160
16.11 - Radioescotismo........................................................................161
16.12 - Passos para um bom projeto....................................................162
16.13 - Internet.....................................................................................163
16.14 - CFL – Clube da Flor de Lis.....................................................164
16.15 - Tente, invente, crie um Clã diferente!.....................................165

Página nº 12
O que são Atividades de Serviço 1.1

As atividades de Serviço são aquelas atividades onde o pioneiro pode explorar sua
potencialidade em uma forma útil à comunidade. O Clã Pioneiro pode, junto, realizar tare-
fas que quando desenvolvidas por um pequeno grupo não surge efeito. O fato de serem jo-
vens da mesma idade, que estão juntos ao menos uma vez por semana, realizando ativida-
des, acampando, ajuda a entrosar o Clã, Logo, atividades voltadas para o bem da comuni-
dade acabam saindo melhor quando executadas por esses elementos.
Existem muitas formas de se ajudar uma comunidade. Desde uma panfletagem so-
bre uma quermesse ou bingo na igreja local, até a participação ativa numa campanha de
vacinação, numa mobilização da defesa civil, etc...
As Atividades de Serviço são a marca do Clã Pioneiro. Enquanto que nos outros
Ramos do Escotismo, a ênfase era dada na Fantasia, Competição e Aventura, o Ramo Pio-
neiro prima por Serviço e Desenvolvimento Comunitário, entendendo o meio em que ele (o
Pioneiro e o Clã) vive, buscando formas de melhorá-lo e executando essas idéias.
Logo, dada a importância dessas atividades, é necessário que o Clã, através de sua
COMAD (Comissão Administrativa – 4.4) programe AO MENOS uma dessas atividades
por semestre. Quando o Clã dispõe de uma programação bem feita, pode-se alterar a fre-
qüência dessas atividades em uma por bimestre, e melhores resultados serão alcançados.
Ressalta-se a importância que as Equipes de Interesse (Equipes de Interesse - 16.1) tem
quando realizam atividades com a finalidade de serviço ao próximo.
Lembrem-se que atividades desse tipo contam com o auxílio (muito bem vindo) de
líderes comunitários, que representam associações de moradores, paróquias, clubes, etc...
Toda a ação deve ser planejada junto a esses representantes, pois eles convivem diariamen-
te com as necessidades de determinado local. Assim, o trabalho conjunto com esses líderes
pode estabelecer a melhor forma de ação junto à comunidade, e mais e melhores atividades
serão desenvolvidas! SERVIR!!

Participando de Atividades de Serviço 1.2

Para se participar de uma Atividade de Serviço, é preciso que muita organização


seja observada, pois quase sempre a comunidade está muito envolvida na atividade. É ne-
cessária uma programação muito bem feita, geralmente contanto com uns “curingas” (ativi-
dades extras, para o caso de algumas das atividades propostas não poder ser realizada por
um motivo qualquer), especialmente se o trabalho for desenvolvido com crianças e jovens.
Há a necessidade de se planejar se o tempo influenciará a participação, a execução
da atividade de serviço. Se for, por exemplo, o entretenimento de crianças em uma igreja ou
associação, é bom verificar antes se há algum salão ou galpão coberto que comporte todas
as pessoas. Se for restaurar um ambiente, auxiliar uma mudança, ou ajudar numa campa-
nha, esse cuidado com o tempo é dispensável, pois atividades assim quase sempre são es-
quematizadas em locais cobertos.

Página nº 13
Outro detalhe: assim que surgir a oportunidade de participar de uma Atividade de
Serviço, nunca é demais confirmar local, data e horário, bem como o que irá acontecer,
com quem e quantos serão. Isso evita surpresas de última hora, que acabam comprometen-
do o bom andamento da atividade e consequentemente a reputação do Movimento Escotei-
ro. Quando for programar algo com uma entidade (igreja, associação, escolas) é de muito
bom tom - e reforça o interesse de participar de forma séria e construtiva – o envio de um
ofício, assinado pelo Pioneiro responsável, pelo Mestre, pelo Presidente e/ou pelo Diretor-
Técnico do Grupo Escoteiro explicando o que irá acontecer, quem irá participar, qual será a
data e a duração, material necessário, etc...
Falando em material, se o Clã precisar de algo, não hesite em pedir. Muitas vezes o
local aonde será desenvolvida a atividade já dispõe de infra-estrutura necessária para muitas
coisas. Pás, arame, sisal, tintas, pincéis, jornal, brinquedos, canetas, papel, cordas, massinha
para modelas, pranchetas, etc... só devem ser levados pelo Clã se alguém se comprometer a
cuidar e separar tudo de novo para a volta. Tomando esses cuidados ao se participar de
Atividades de Serviço, seu Clã irá desenvolver muitas atividades excelentes!!! SERVIR!!

Como anda a Saúde de seu G.E. 1.3

Bem, iniciemos com uma Atividade de Serviço que atenda o próximo mais próximo
de você todos os sábados, seus colegas do Grupo Escoteiro.
Se alguém do Clã Pioneiro possui alguém da família (pai, mãe, tio, avô, etc...) que é
médico, converse com ele sobre a possibilidade de ele ir ao Grupo Escoteiro e fazer um
check-up em todo mundo. Ou então, para ele ir ao Grupo Escoteiro e ensinar técnicas e
métodos de assepsia, curativos, imobilizações, etc... que são coisas úteis para escoteiros que
vão acampar, e sempre alguém se machuca. Isso é importante, e é a base para outra ativida-
de de serviço, só que num âmbito bem maior, atendendo a Comunidade, e não só o Grupo
Escoteiro (Primeiros Socorros - 1.9).
Caso a primeira idéia seja a que prevaleça, informe aos elementos do Grupo, que em
determinado dia, teremos um profissional de saúde atendendo no Grupo Escoteiro, e que é
para pais e amigos dos elementos do Grupo comparecerem, para fazer exames simples co-
mo pressão, acuidade visual (esse os Pioneiros podem fazer, sem ser necessária a ajuda do
médico. Informe-se com um oftalmologista ou com algum posto de saúde próximo ao Gru-
po Escoteiro), infecções/irritações na pele, etc...
É bom deixarmos bem claro que os exames são apenas para diagnosticar, e que,
uma vez identificado algum problema, a pessoa deve procurar algum médico especialista na
área de seu problema. O médico que estiver lá, pode precisar de ajuda para levantar a ficha
do paciente (nome, idade, histórico médico, medidas (peso, altura, etc...)), organizar filas,
preparar o “consultório” (uma sala ou barraca grande, arejada e iluminada), etc... Aí que
entram os Pioneiros, excluindo aqueles que podem aplicar o teste de acuidade visual (se a
pessoa precisa ou não procurar um oftalmologista para providenciar ou não óculos), os ou-
tros assumem essas tarefas de organizar o pessoal, entrevistá-los, etc...
Caso algum Pioneiro seja acadêmico da área de saúde (enfermagem, medicina, farmácia)
ele também pode auxiliar o médico, contribuindo para seu aperfeiçoamento e aumentando o
atendimento à comunidade. Lembro apenas que essa atividade requer muita responsabilida-

Página nº 14
de, pois estamos tratando com a saúde de pessoas, e uma brincadeira ou descuido pode le-
var a perda de tempo, dinheiro e o pior, de saúde!!!
Por isso, desenvolvam tudo com responsabilidade e eficiência, e estarão preparados
para, no futuro, atender uma “clientela” muito maior e diferente, trabalhando com pessoas
de várias classes sociais, e atendendo casos até mesmo mais complicados!! Caprichem!!
SERVIR!!

Recuperação da sede do Grupo Escoteiro 1.4

Uma excelente atividade de serviço pode começar não muito longe do G.E. De fato,
pode ser NO seu G.E.! Sim, pois atividades de serviço visam ajudar o próximo, a comuni-
dade, e uma parte dessa comunidade são os próprios escoteiros do seu Grupo. Dê uma o-
lhada se não há um jardim para arrumar, uma garagem para limpar e separar material velho,
uma seção (lobinhos, escoteiros) que precise de alguma “obra”, como um mezanino, uma
divisória, um baú de patrulha, um quadro de avisos, etc....
Uma das formas mais claras de “ajudar” seu Grupo é promover um “banho de bele-
za” nele! Pintar as paredes do Grupo Escoteiro, as portas em cores marcantes, plantar flores
e árvores (junto com canteiros de proteção) dá um ar de “novo” ao Grupo Escoteiro!!
A recuperação pode ser ainda mais marcante se forem feitas obras que a comunida-
de possa apreciar, e participar!! Convide crianças de escolas municipais próximas ao Grupo
Escoteiro e faça-as desenvolver atividades escoteiras ao mesmo tempo que trabalham na
sede. Por exemplo: um parquinho no jardim da sede, que pode ser aberto durante a semana
para as crianças da comunidade pode ser facilmente montado utilizando-se algumas toras e
alguns (não tão poucos é verdade!) metros de cabos. As crianças podem trabalhar em equi-
pe, aprender nós, cantar músicas escoteiras enquanto trabalham e se divertir, ao mesmo
tempo que valorizam um espaço na sede (embelezando a mesma) e produzem algo interes-
sante para a comunidade!
As idéias são muitas, e cabe ao Clã discuti-las e apresentá-las ao Presidente de Gru-
po (ou Diretor Técnico). Se existirem muitos Grupos Escoteiros perto uns dos outros, pode-
se combinar de em um final de semana “arrumar” uma sede. No outro a sede de outro G.E.,
e assim por diante!! SERVIR!!

Campanha de Cidadania 1.5

Em muitas cidades do país, é realizada, durante uma semana, uma campanha cha-
mada "Campanha da Cidadania". É quando voluntários de várias instituições se reúnem e
ficam, durante sete dias, realizando exames médicos, fazendo carteiras de identidade, vaci-
nação, etc... em terminais de ônibus, praças, etc...
Entre em contato com a prefeitura de sua cidade e informe-se, junto ao Secretário de
Cultura, ou de Educação, quando acontecerá uma nova campanha e ofereça a ajuda dos
escoteiros.
Caso no calendário de atividades da prefeitura não conte nada, organizem vocês
uma Campanha da Cidadania. Entrem em contato com cartórios, a Câmara de Vereadores

Página nº 15
(eles podem conseguir ônibus para levar o pessoal de bairros mais afastados até o local do
evento, além de muitas outras coisas), universidades (acadêmicos de medicina, odontologia,
educação física, farmácia e enfermagem tem em atividades desse tipo uma forma de aplicar
na prática o que aprendem na aula) e outras instituições relacionadas. O papel dos Pioneiros
não se resume em somente organizar pessoal, local, horários e atividades. No dia marcado,
todos os Pioneiros devem comparecer e prestigiar o evento, participando junto com as cri-
anças, jovens, idosos, etc...
Participar e exercer a cidadania é um direito de todos. Quantas pessoas não poderão
votar, ou mesmo tirar carteira de trabalho, após a realização de uma atividade como essa?!
Os benefícios são muitos!! Explorem bem, e aceitem o desafio!!!! SERVIR!!

Campanha de Doação 1.6

Fique atento para jornais e revistas, e tente ver como anda a situação de bairros e
cidades próximos ao seu Grupo Escoteiro. Geralmente, no verão, ocorrem em alguns luga-
res, enchentes causadas pelas chuvas, e no outono-inverno a seca impera em outros locais.
Quando perceber alguma dessas calamidades, mobilize o seu Clã Pioneiro (e outros Clãs
próximos) para formar uma Campanha de Doação, visando obter remédios, alimentos não
perecíveis (que não precisam de geladeira e se conservam por longo período), agasalhos,
cobertores, etc...
Entre em contato com o Batalhão de Polícia Militar mais próximo, e/ou com os en-
carregados pela Defesa Civil em sua cidade e veja em que eles precisam de ajuda. Geral-
mente é fazendo trabalho de receber, selecionar e estocar materiais doados pela comunida-
de.
Quando seu Clã arrecadar materiais, visitem casas, indústrias, vendinhas, armazéns,
supermercados e outros estabelecimentos e tentem mobilizar ajuda. Um Pioneiro de carro
vai guardando o material e eventualmente levando para a sede do G.E. para descarregar.
Caso você ou outro Pioneiro estude Medicina, Enfermagem, Engenharia, Direito, Agrono-
mia ou outra disciplina relacionada, ofereça seus estudos para ajudar a população desabri-
gada ou em dificuldades. Construção de abrigos, reforma de casas, auxílio médico, assis-
tência jurídica (documentos extraviados, seguro, etc), desenvolvimento sustentado (planta-
ções, irrigação) e outros tópicos podem servir tanto para minimizar as perdas e o sofrimento
de quem está em dificuldades quanto para dar experiência profissional para você ou seu
colega.
Ofereçam seus esforços, e montem um esquema de mobilização de emergência para
o ano todo, pois devido a grande diversidade de locais, climas e relevos que o Brasil tem,
não é incomum termos cheias de rios catastróficas, tornados, vendavais, granizo, seca, de-
sabamentos, etc... Qualquer ajuda será sempre bem-vinda!! SERVIR!!

Página nº 16
Almoço Beneficente 1.7

Uma atividade de serviço que produz ótimos resultados junto à comunidade é um


almoço beneficente. Um almoço aonde a renda obtida será doada à igreja local, à associa-
ção de moradores, um entidade de apoio, etc...
Providenciem junto a esses órgãos um local e voluntários para cozinhar a comida. O
alimento é facilmente obtido, pois esses órgãos tem muitos contatos, e cabem aos Pioneiros
apenas serem os intermediários, e reforçar a idéia da atividade e de sua importância junto
aos fornecedores.
Os pioneiros então fazem a promoção do almoço, confeccionando convites, panfle-
tos (a serem afixados em locais públicos como padarias, bancos, postos de gasolina, sede de
associações, etc...) e tratando de vender e arrecadar dinheiro.
Um ponto muito importante nessa atividade é que os Pioneiros podem (e devem)
contar com a ajuda de terceiros, como voluntários locais. Eles podem até estar muito mais
familiarizados com esse tipo de “evento”.
Pois bem, almoço rolando, pioneiros controlando a entrada, distribuindo (e arru-
mando) as mesas, coordenando a chegada, tudo em cima! Atentem para um detalhe: a ani-
mação! Arrumem um palco (ou improvisem um) e um sistema de som (coisa simples, mi-
crofone, caixa e um CD player ou toca-fitas) e coloquem músicas durante o almoço, inter-
caladas com piadas (bem-humoradas, nada vulgar) e informações úteis, como a renda obti-
da, a quem será destinada, personalidades locais presentes, etc...
Façam com que a festa seja bem feita, para que a comunidade prestigie e apoie ini-
ciativas desse tipo, favorecendo e facilitando a realização de novas atividades no futuro!!
SERVIR!!

Dando uma mão para a Comunidade 1.8

Formem uma Equipe de Interesse (16.1) e visitem a associação de moradores do


bairro, a igreja local, as escolas da região e descubram o que pode ser feito para melhorar as
condições de trabalho, divertimento, desenvolvimento e apoio desses locais.
Com as necessidades relacionadas, reunam o Conselho de Clã (4.2) e discutam
quais são as mais emergenciais, as mais importantes e as que atenderão uma maior quanti-
dade de pessoas. Depois de decidido, discutam o que é necessário para levar a cabo a exe-
cução da atividade (Participando de Atividades de Serviço – 1.2) e entrem em contato com
os responsáveis.
Atividades que apoiam a comunidade local podem ser as mais variadas:
- auxílio numa campanha de vacinação (depende da época do ano);
- recuperação de um terreno baldio;
- campanha do agasalho (muitas cidades já a possuem, engajem-se como voluntários);
- levantamento médico-odontológico de um bairro, rua;
- restauração de barracos e/ou assistência para construção (se tiver algum engenheiro
colaborando, ou um Pioneiro que SAIBA algo sobre engenharia e possa dar uma mão);
- auxiliando a execução de um bingo beneficente;

Página nº 17
- arrecadando em outros bairros alimentos, roupas e remédios (em condições de uso) para
a comunidade carente da cidade;

Existem “n” formas de ajudar. Mais é muito importante que as lideranças locais sejam
envolvidas, pois elas conhecem o dia-a-dia da população e muitas vezes já tem esquemati-
zados todos os procedimentos (contatos, materiais), faltando somente “mão-de-obra” para a
execução!! SERVIR!!

Primeiros Socorros 1.9

Façam contato com alguma instituição ligada à área de saúde (colégios com curso
técnico de enfermagem, faculdades da área de saúde, consultórios médicos, postos de saú-
de, etc...) e consigam para que algum responsável se disponha a dar uma palestra sobre
Primeiros-Socorros.
A palestra é para ser direcionada para a comunidade, reunida em alguma associa-
ção, saguão de igreja, sala de colégio (após avisos em padarias, bancos, igreja) e tem por
objetivo passar para a comunidade alguns cuidados básicos relacionados à queimaduras,
cortes, desinfecção, ataduras, etc...
Reuna as pessoas e comecem a palestra, que pode ser repetida ao longo de um mês,
aos sábados de manhã, por exemplo. Peça para alguns sêniors que tiverem especialidade de
Socorrista (e também para algum Pioneiro que a possuir, quando da época de sênior) que
auxiliem a palestra. Expliquem detalhadamente, mas numa linguagem bem acessível, ao
menos os seguintes temas:
- perigos que um machucado pode trazer
- doenças transmissíveis por sangue, cortes, etc...
- como limpar um ferimento, o que é desinfecção
- quais os materiais, produtos usados para desinfecção
- como proceder com um curativo
- entorses, distensões e batidas (gelo e calor para aliviar)
- queimaduras de 1º, 2º e 3º grau (o que NÃO fazer – remédios caseiros)
- telefones úteis e de emergência

Com esse tipo de abordagem, ao menos a profilaxia de infecções simples como cor-
tes em latas, pregos, etc... será garantida! Se for feito um trabalho bem orientado, com e-
xemplos simulados envolvendo tanto os Pioneiros quanto as pessoas presentes, o entendi-
mento por parte da comunidade será maior.
Em atividades assim, é possível inclusive direcionar o tema, abrangendo realidades
locais como o mosquito da dengue (ensinando o que é a dengue, sintomas, o mosquito, co-
mo ele reproduz, o perigo de águas paradas, etc...), escorpiões (como é, como tratar alguém
picado, aonde ele vive, os hábitos do escorpião, etc...), lagartas (aonde vivem, como evitá-
las, como reconhecer os tipos venenosos ou não, etc...).
Participem sempre levando tudo com seriedade, pois os conhecimentos gerais, to-
mando uma comunidade de baixa renda, são poucos, e muitas “receitas caseiras milagro-
sas” são utilizadas, e em muitos casos acabam somente agravando o problema. Boa ativida-
de!! SERVIR!!

Página nº 18
Apadrinhamento de uma Instituição 1.10
Uma atividade de serviço muito produtiva para o Clã Pioneiro é o Apadrinhamento
de uma Instituição. Seguindo as mesmas diretrizes da atividade 1.8 (formação da Equipe de
Interesse, contatos com instituições, Conselho de Clã, etc...) escolham uma escola, institui-
ção, rua, casa de apoio, creche, lar de meninos(as) de rua, etc... e o ADOTEM!
Isso mesmo, adotem! A idéia é fazer um trabalho de serviço de longo prazo, reali-
zando profundas e marcantes modificações na comunidade. Em atividades prolongadas,
fica mais fácil planejar uma ação, buscar meios de executá-la e torná-la produtiva. Não que
atividades de serviço de um dia não tenham efeito, mas convenhamos que se vocês forem
desenvolver algo, é muito melhor se for ao longo de um semestre ou ano.
Mandem para a instituição escolhida um ofício contendo as assinaturas (Pioneiro(s)
responsável(eis), Mestres, Diretor-Técnico) e o objetivo da atividade: “Desenvolver um
trabalho de longo prazo naquele local, realizando tarefas e atitudes que irão contribuir para
o desenvolvimento daquele local, bem como para o melhor atendimento à comunidade”,
por exemplo.
A seguir, reunam-se com o responsável da instituição e apresentem oralmente seu
objetivo, e procurem saber o que pode ser feito naquele local, tanto a curto quanto a longo
prazo, para melhorá-lo numa forma geral. Feito isso, idéias no papel, discutam os seguintes
temas:
- material e infra-estrutura (baseados nas ações que serão realizadas);
- horários (manhã de Sábado, tarde de Sexta, etc...);
- período (todo 1º Sábado de cada mês, Sexta sim Sexta não, etc...)
- quantos Pioneiros precisarão ser mobilizados;
- se existirão voluntários para colaborar com os Pioneiros;
- a quantidade média de pessoas que estarão no local (no caso de ser um trabalho com
jovens, crianças, idosos, deficientes, etc...).
Esse tipo de atividade é muito interessante para o Clã Pioneiro, pois dá uma real i-
déia do que é SERVIR!! Trabalhando por longos períodos, você aprende mais, desenvolve
melhor, cria laços de amizades mais fortes (não só com seu irmão pioneiro, mas com as
pessoas que estão com você) e ajuda MUITO mais a comunidade!! SERVIR!!

Prevenção de Incêndios 1.11


Se a sua região é propensa a incêndios, uma boa atividade para desenvolver com
jovens é a prevenção de incêndios. Organizem grupos com adolescentes em escolas e leve-
os para uma tarde no batalhão do Corpo de Bombeiros mais próximo da escola.
Antes, mande um ofício, assinado pelos Pioneiros responsáveis pela atividade, pe-
los Mestres e pelo Diretor-Técnico do Grupo Escoteiro (ou Presidente do G.E.) explicando
o objetivo da atividade, a quantidade de pessoas que irão visitar o batalhão, o que eles gos-
tariam de ver e aprender, quanto tempo iria durar a visita e quando a mesma seria realizada.
Tudo confirmado, vão nas escolas e expliquem a atividade para os adolescentes.
Tentem ver com o Corpo de Bombeiros se eles não conseguem fazer um incêndio simulado

Página nº 19
(em barris ou outro lugar de treinamento) em algum lugar, e levar os adolescentes para ob-
servar a ação e, eventualmente, participar ajudando a debelar o fogo! Alguns temas ligados
ao assunto podem ser abordados ainda na sala de aula (ou salão) aonde se encontram os
adolescentes:
- classes de fogo (A, B,C)
- extintores de incêndio: tipos e utilização
- incêndio começou: como proceder com segurança?
- o que fazer e o que não fazer num incêndio
- equipamentos de segurança (escadas, mangueiras, chuveiros...)
- quem contatar num incêndio, aonde encontra-se o batalhão mais próximo

Adicionalmente, o Clã Pioneiro pode levar os adolescentes para conhecer áreas que
tenham risco de pegar fogo, e trabalhar com eles medidas que possam minimizar ou evitar
tais perigos. A dinâmica para trabalhar esse assunto é muito importante, pois se o assunto
for abordado muito superficialmente, acabará ficando maçante e sem sentido. Abordem,
além dos temas acima citados, quaisquer outros assuntos pertinentes e que tenham âmbito
regional. Boas Atividades! SERVIR!!

Festa Junina / Natal / Páscoa de Carentes 1.12

Muitas crianças carentes não tem condições de, nas grandes festas tradicionais (Na-
tal, Páscoa, Festa Junina), participar e se divertir.
O Clã pode se organizar em várias equipes (16.1) e organizar uma festa dessas ex-
clusivamente voltada para a população carente. Pensem nos seguinte temas:
- data e qual será a comemoração (não é legal fazer uma Páscoa em setembro, ou um
Natal em março)
- quais as brincadeiras que serão executadas (cabo-de-guerra, amarelinha, futebol, jogos
escoteiros, caçador, histórias (para os mais novos), pau-de-sebo, quadrilha, danças,
etc...)
- quantos Pioneiros estão dispostos a participar, se será necessário contar com outros
Clãs, se será necessário buscar voluntários junto à associações locais, etc...
- Comida: será servida? Quem providencia, quem prepara, quem serve, etc... Uma boa
pedida é tentar conseguir com igrejas e associações de moradores se eles não conse-
guem esse item, preparando-a e servindo a comida. Muitas vezes eles tem os contatos
com instituições e pessoas certas para colaborar
- existirá alguma outra “atração”, e quem serão os responsáveis por elas (tipo: Papai No-
el, Coelhinho da Páscoa, etc...

A data da festa deve ser avisada e divulgada para a comunidade local com antece-
dência. Pontos como Igrejas, vendinhas, armazéns, bancos, padarias e sedes de associações
são ótimos locais para colocar cartazes, pois muitas pessoas costumam circular por esses
locais.
Depois de tudo esquematizado, o Clã reúne-se e separa as atividades, programando
as atividades (já descritas), vendo material necessário (cabos, sisal, fitas crepe, papel cre-

Página nº 20
pom) para decoração, som típico (músicas natalinas, para quadrilha, etc..., além de alguns
“sucessos” do momento, para serem usados para descontrair).
Tudo certo! Mãos à obra! Não se esqueçam de sempre participar da atividade com
vontade e disposição, pois as crianças percebem quando alguém não está motivado ou não
está sentido-se à vontade para desenvolver as brincadeiras! Boa festa!! SERVIR!!

Lecionando Aulas de Reforço 1.13

Quando chega a idade de ser Pioneiro (18 a 21 anos), muitos já estão ou acabaram
de entrar na Universidade. Que tal tentar descobrir, oculto naquele Pioneiro, o talento de
lecionar?
Formem uma Equipe de Interesse (16.1) para visitar escolas públicas da região do
Grupo Escoteiro. Conversem com o(a) Diretor(a) sobre as intenções do Clã: Lecionar aulas
de Reforço para Alunos do Ensino Fundamental e Médio. Apresentem a idéias num ofício,
assinado pelos Pioneiros, Mestre, Presidente e Diretor-Técnico do G.E., confirmando as
boas intenções do Clã. Converse com o responsável na escola e discuta as formas de sele-
cionar os alunos que estão com necessidades de um reforço, os horários em que os Pionei-
ros poderiam colaborar, as disciplinas que eles tem conhecimento e/ou facilidade em dar
aula, o local para que isso aconteça (Grupo Escoteiro, sala de aula especial, salão do colé-
gio, etc...).
Lembrem-se somente que essa atividade envolve muita responsabilidade. Estarão
trabalhando com o aprendizado de pessoas. Se determinado pioneiro estuda Engenharia,
então que ele colabore com matérias como Matemática, Física, Química, e não Português
ou História que não são sua “especialidade”.
Quando começarem com as aulas, montem uma chamada e preparem um relatório a
cada dia lecionado, colocando que matéria foi dada, quais os assuntos abordados, quantos
estavam presentes, quantos entenderam a aula, etc... Esse tipo de registro é muito importan-
te, e uma cópia dele deve ser entregue à escola semanalmente, ou quinzenalmente, pois
alguns alunos podem ter dificuldades que não as normais de aprendizado, requerendo um
acompanhamento mais aprofundado por especialistas (psicólogos, pedagogos, etc...). Mas
lembrem-se que os Pioneiros não irão suprir a falta de professor!! Isso é um problema do
Colégio (sem querer radicalizar), e os Pioneiros estão lá somente para colaborar com o en-
sino. Boas aulas “professores”!! SERVIR!!

Programa de Higiene Bucal 1.14

Entrem em contato com Postos de Saúde locais e façam um levantamento das datas
em que serão realizadas campanhas de Higiene Bucal. Com essas datas em mãos, organi-
zem o Clã para montar cartazes, maquetes e folders explicando a necessidade e a importân-
cia da Higiene Bucal.
No dia da campanha, dividam-se em equipes e vão para os diversos Postos de Saúde
aonde está acontecendo a campanha. Apareçam uniformizados e apresentem-se para ajudar,
tanto coordenando filas, cadeiras e ordem de atendimento, quanto auxiliando as explica-

Página nº 21
ções, demonstrações e os profissionais da área. Se houver muitas crianças, é bom deixar
dois ou três Pioneiros responsáveis pela recreação, caso contrário pode haver um tumulto,
pois crianças nem sempre ficam comportadas em locais fechados como um posto de saúde,
etc...
Mas atenção, para poder realmente colaborar com a campanha, é necessário que os
Pioneiros façam, na sede, uma espécie de prévia, explicando uns para os outros tudo sobre a
campanha. Perguntas e dúvidas surgirão, e a busca por suas respostas é muito importante,
pois a comunidade, na hora da campanha, pode ter essas mesmas dúvidas.
Busquem também muito material de apoio junto à secretaria de saúde de sua cidade.
Escovas de dente, creme dental, cartazes explicativos, etc... são materiais importantes para
serem levados para os locais de campanhas e distribuídos à comunidade.
É interessante também explicar para as pessoas o que é a cárie, o que é a placa bac-
teriana, gengivite, problemas de canal, etc... que são coisas que muitos profissionais omi-
tem-se de informar para a população. Informem-se com algum Pioneiro que estuda Odonto-
logia ou com algum profissional sobre esses e outros casos e no dia da campanha peçam a
atenção das pessoas para explicar em grupos de três ou quatro Pioneiros.
As possibilidades são muitas, e cabe ao Clã selecionar as melhores ou buscar outras.
Aproveitem a oportunidade de melhorar a saúde de sua comunidade com essa atividade de
serviço! SERVIR!!

Separação Seletiva de Lixo 1.15

Marque com algum Engenheiro Sanitarista (ou outra pessoa responsável) uma visita
à uma Estação de Separação de Lixo de sua cidade. Compareçam para ver como é classifi-
cado o lixo de uma cidade, quais são os “lixos” que podem ser reutilizados (reciclados) e os
métodos utilizados para separação e tratamento (limpeza, eliminação de materiais indesejá-
veis, tintas, corantes, etc...).
Consigam algum tipo de cartaz ou esquema e preparem uma apresentação com o
material que vocês tiverem e com os resultados da visita. Se sua cidade não tiver sistema de
coleta ou tratamento semelhante, busquem em literatura algo sobre isso, ou enviem cartas a
órgãos públicos pedindo esquemas e cartazes.
Com a apresentação pronta, visitem escolas da região do Grupo Escoteiro e apresen-
tem seus resultados numa aula de Ciências ou Biologia. Apresentem aos alunos como é
feita a separação do Lixo, o exemplo de Cidades como Curitiba, São Paulo e Campinas, que
tem métodos exemplares de tratamento de resíduos, etc...
Discutam com eles a necessidade de se tratar o lixo, e o quanto faz mal para a saúde
um lixão em terreno baldio, as doenças que podem vir com ele (transmissíveis pela água,
ar, ratos, aranhas, etc...). Tentem agendar, contando com a ajuda da coordenação da escola,
uma visita àquela estação de tratamento que os Pioneiros visitaram, para as crianças verem
o que realmente é feito com o lixo.
Caso vocês consigam algumas luvas e sacos de lixo, tentem fazer um mutirão de
limpeza em um parque ou outra área pública, de forma que as crianças e Pioneiros (convi-
dem Pioneiros de outros Clãs) possam trabalhar juntos para “arrumar o local”! Coloquem
em prática tudo o que vocês aprenderam nas visitas e nas palestras, separando o lixo de
acordo com o tipo e capacidade ou não de reutilização.

Página nº 22
O envolvimento da comunidade em atividades desse tipo é muito interessante e
sempre gera bons frutos!! Divirtam-se!!! SERVIR!!

Feira do Bagulho 1.16

Se seu Grupo Escoteiro se localizar perto de uma comunidade carente, uma ativida-
de muito interessante e com ótimos resultados é uma Feira do Bagulho!
Recolham, com uma antecedência de dois ou três meses, roupas, eletrodomésticos,
talheres, artigos de escritórios, artigos de higiene e outras coisas que ficam encalhadas na
sua casa, na de seus colegas escoteiros, amigos e parentes e faça uma triagem dos materiais
que ainda estão em condições de serem usados.
A seguir, divulgue na comunidade a seguinte idéia: uma feira onde muitos tipos de
artigos serão vendidos por preços populares (excessivamente populares!!(ver Feira do Ba-
gulho 15.7). Façam cartazes, avisos e deixem em locais de grande visitação, especialmente
pela população mais carente. Igrejas, vendinhas, padarias, bancos, mercearias, etc... são
locais aonde a comunidade pode ter acesso a essa informação. Informem que terão artigos
do tipo tal, tal e tal a preços muito convenientes; informem o local e o horário.
No dia, organizem a sede do grupo com os artigos separados em fileiras largas, o
que facilitará a circulação. Criem uma seção só para brinquedos (que não estejam quebra-
dos!) onde as crianças possam escolher alguma coisa para comprar. Definam um Pioneiro
para ficar de caixa, enquanto os outros serão os vendedores, ou seja, acompanharão as pes-
soas que forem comprar com sacolas ou sacos plásticos colocando as peças e artigos dentro
e marcando num papel o total. A seguir, eles levam a sacola ao “caixa” junto com o com-
prador e vão atender outras pessoas.
Nesse tipo de atividade de servir é importante que tudo o que esteja à venda não
sejam artigos estragados ou faltando peças que impeçam seu funcionamento. Roupas rasga-
das podem até ser arrumadas, em alguns casos!! Não coloquem a venda nada sujo e/ou de-
sarrumado (dobrem as roupas antes e as coloquem organizadas por tamanho, masc/fem,
etc...) , pois as pessoas podem sentir-se humilhadas. Eles são humildes, e estão indo ao
Grupo Escoteiro atrás de roupas e materiais utilizáveis, e não há nada de vergonhoso nisso.
Arrumem tudo e BOA ATIVIDADE!!! SERVIR!!

Defesa Civil 1.17

A presente atividade não é uma atividade de servir “imediata”. Ela consiste em o


Clã Pioneiro se oferecer “inteiro” como voluntário para a Defesa Civil de sua cidade. Entre
em contato com os responsáveis, ou procure o quartel da Polícia Militar mais próximo e se
informem.
Tentem ver a possibilidade de fazer um treinamento como:
- armar barracas de campanha
- cozinhar para pessoas desabrigadas
- organizar filas e coordenar pessoas que cheguem numa igreja, estádio ou salão, cadas-
trando elas e colhendo outras informações

Página nº 23
- colaborar com uma Rede de Emergência de Radioamadores (caso algum pioneiro pos-
sua habilitação para modular como radioamador)
- colaborar com uma equipe de resgate ou socorro de emergência
- auxiliar médicos e enfermeiras (caso haja algum Pioneiro que estude medicina, enfer-
magem, farmácia, etc...)

Dêem o nome de todos no Clã e informações de aonde podem encontrá-los no caso


de ser declarada uma emergência que necessite de uma intervenção da defesa civil.
Vocês estarão ajudando muitas pessoas, e numa hora de muita dificuldade!! SER-
VIR!!

Aniversário do Clã 2.1

Que tal revirar os registros do Clã, contatar aquele antigo Mestre Pioneiro, ou falar
com o Diretor Técnico do Grupo (que já fora Pioneiro no seu Clã!) e descobrir qual a data
de fundação do Clã? O dia em que os primeiros membros renovaram sua promessa como
Pioneiros deve ficar para a posteridade do Clã! E nada melhor do que guardar uma relíquia
como esta, é lembrar dela com carinho! Contate antigos Pioneiros e Pioneiras, busque em
fotos, projetos, Certificados de Atividades entre outras coisas a maior quantidade possível
de nomes de ex-pioneiros. Reuna os atuais “titulares” do Clã e organizem uma Festa de
Aniversário do Clã!!
Separem as tarefas: um cuida de arranjar o local e a infra-estrutura necessária (ou
não!) para o evento, como palco, microfones, som, uma geladeira para bebidas, etc... Outro
cuida de fazer convites e estipular um preço, que cubra o que for gasto (e eventualmente
que dê um pouco de lucro ao caixa do Clã!) como luzes, papel para decoração, convites
para os elementos, etc... Uma outra equipe de pioneiros (Equipes de Interesse - 16.1) se
encarrega de buscar, encontrar e convidar os ex-pioneiros para essa festa.
No dia marcado, façam uma programação que inclua fatos e momentos “históricos”
do Clã Pioneiro. Apresentem quem foi o 1º Mestre Pioneiro, o 1º Pioneiro a fazer promessa
no Clã, o 1º Investido / Insígnia / Insígnia de BP do Clã. Relembrem Acampamentos, Acan-
tonamentos, Vigílias, Mutirões, besteiras, fotos, músicas, apelidos, etc... Dêem também um
tempo para que seja feito uma espécie de “Antes e Depois”, mostrando quem ainda conti-
nua no Movimento Escoteiro, quem “casou”, quem tem filhos, quem estuda isso, quem
trabalha naquilo, etc...
Não esqueçam que a festa deve ser animada! Os atuais Pioneiros do Clã devem ser
anfitriões alegres e descontraídos, e simpáticos!! No final, para marcar a Festa de Aniversá-
rio do Clã, pode ser feita uma renovação geral da Promessa Escoteira de todos, comandada
pelo atual Mestre Pioneiro. SERVIR!!

Festa Temática 2.2

Porque não organizar uma Festa Temática? Uma festa aonde todos os convidados
deverão estar caracterizados de acordo com o tema, ou aonde tudo o que for acontecer, des-
de comidas, músicas e roupas até lembranças e decoração terão que estar relacionados com

Página nº 24
o tema. Pode ser qualquer tema: Festa Mexicana, Anos 60, Festa do Pijama, Festa a Fanta-
sia, Festa Medieval, etc... Quanto mais original e diferente for o tema, melhor!!
Agora, o que deve ser observado para se organizar uma Festa Temática? A primeira
coisa é definir o local da festa. Pode ser salão de jogos, um auditório de algum clube ou
associação, um salão em alguma igreja, a própria sede do G.E., etc... Com isso definido,
estipula-se o número máximo de pessoas a serem convidadas (baseado no tamanho do lo-
cal) e a data da festa (alguns locais precisam ser reservados). Com o tema e esses dados de
local e data, formam-se as equipes de interesse (16.1) necessárias: Divulgação (cartazes e
convites), Material de Decoração (artigos típicos, papel, durex, pregos, martelos, arame,
etc...), Som e Luz (luzes coloridas, extensão de luz, holofotes caseiros (lâmpadas potentes
em caixa com papel laminado), caixas acústicas, extensão de som, CD´s de músicas (relati-
vas ao tema da festa!), CD-players, etc...), Programação (horários, roteiro das músicas, e-
ventos especiais (apresentações, etc...), Finanças e Logística (controle do dinheiro que entra
(convites) e sai (material a ser comprado, bebidas, comida)).
Lembrem-se de que isso são sugestões. Pode ser que uma dessas equipes não ocorra
(como no caso da de Luz e Som, se o local escolhido já oferece essas facilidades). Outro
ponto a ser lembrado são as bebidas e comidas a serem servidas. Se for servido algo, é ne-
cessário uma geladeira ou isopor com gelo, um microondas para esquentar a comida (se for
necessário), e alguém para comprar esse material!!!
Parece cansativo? Ainda não! Depois de tudo arranjado, festa pronta, é necessário
fazer acontecer! Escolham um elemento do Clã, ou um amigo, ou outra pessoa de confian-
ça, e o elejam Apresentador/Animador. Lógico que numa festa coloca-se música e deixa
rolar, mas para qualquer apresentação especial (um Pioneiro que queira cantar!) ele deve
chamar e apresentá-lo. Caso o “ritmo” da festa caia, chamem esse apresentador e ele que
conte umas piadas, faça alguma brincadeira, etc.
Fim de festa. Todo mundo gostou e se divertiu. LIMPEZA! Essa palavra é difícil de
se executar, mas muito necessária. Guardem fios, lâmpadas, aparelhos eletrônicos (CD´s,
estrobos, etc...), e tentem “reciclar” o máximo de material para uma futura festa. Enfeites
podem ser guardados como lembrança, e depois transformados em novos enfeites. Latinhas
vazias podem ser utilizadas para reciclagem, e por aí vai. Limpem o local (se for um local
pago, talvez esteja incluída a limpeza) muito bem, pois “marcas” deixadas acabam atrapa-
lhando um futuro contato para uma nova festa.
Depois de tudo pronto, façam o acerto de contas, pagando quem teve gastos, convi-
tes/cartazes, bebidas, etc... Com o dinheiro restante, criem uma conta num banco e apli-
quem, pois assim será possível comprar material para o Clã, financiar viagens, etc... SER-
VIR!!

Reunião na casa de um Pioneiro 2.3

Quando acontece de entrar um pioneiro novo no Clã, ou quando voltam as ativida-


des depois das férias, é normal o Clã sentir-se um pouco “desentrosado”. Para remediar
isso, nada melhor que uma reunião social!
Escolham a casa de um Pioneiro e marquem um jantar, ou uma sessão de vídeo ou
simplesmente reunam-se para conversar, ver fotos das férias, acampamentos, etc... Esco-
lham o dia e a hora, e sorteiem para ver quem leva um refrigerante, um vinho, a pipoca (o-

Página nº 25
ba!), o filme, etc... Lembrem-se que estão na casa de um dos Pioneiros, então a costumeira
“bagunça” deve ser contida, ou minimizada!
Após a atividade, quando o jantar ou o filme acabar, troquem idéias sobre o que foi
visto ou discutido, numa espécie de “avaliação”, mas bem informal. Conversem sobre o
ano que passou, sobre planos para o futuro, projetos, acampamentos, etc...
O importante dessa atividade é a descontração e o entrosamento, que devem ser má-
ximos!!! Procurem conhecer uns aos outros de uma forma diferente da do Grupo Escoteiro.
Se há um Pioneiro novo, conversem com ele sobre o Clã, sobre o Ramo Pioneiro, suas tra-
dições, sobre as atividades de Pioneiros, etc... Façam com que ele conheça o nome ( e ape-
lido!) de todos os presentes, bem como dos Mestres (quem disse que eles iam ficar de fo-
ra?!).
Esse tipo de atividade pode também ser programada durante o ano, como uma for-
ma de entrosar mais o Clã e como uma “desculpa” a mais para ver os amigos!!! SERVIR!!

Festa Surpresa 2.4

Nada mais legal do que ser lembrado com uma Festa-Surpresa!! Olhem nos regis-
tros do Clã (Livros Atas e Registros do Clã – 4.3) e façam um quadrinho com os aniversari-
antes do semestre. Depois, sem que os “eleitos” do mês saibam, programem uma comemo-
raçãozinha (que palavra comprida para algo simples!) na sede.
Reuna o resto do Clã e dividam quem leva o que na festinha. Nada complicado, do-
cinhos feitos em casa (quem nunca fez um brigadeiro com Nescau?!), refris, pão de forma
cortadinho com patê e maionese, pipoca, batata frita de pacote, etc... e um bolinho com
velas.
O TCHAM! da festa é fazer com que o “felizardo” NÃO saiba que está sendo pre-
parada uma festa, e fazer com que ele vá ao local do “evento” também sem saber do que se
trata. Vale tudo, dizer que é uma reunião “extraordinária” do Conselho de Clã, dizer que é
uma reunião sobre o Jamboree Mundial ou mesmo dizer que é um encontro para planejar o
aniversário de outro pioneiro!!!!!
Com o tempo, a criatividade vai ter que rolar muito, pois todos vão saber que o Clã,
em algum momento, estará preparando alguma comemoração para o aniversariante!! Aí que
os “organizadores” terão que se sobressair e mostrar que podem inovar cada vez mais!!!!
Boas Festas!!!! SERVIR!!

Celebrações Escoteiras 2.5

Quando algum acontecimento relevante for acontecer no seu Grupo Escoteiro, não
deixe que ele passe me branco!! Por exemplo, se as seções estiverem prestes a receber da
Diretoria do Grupo Escoteiro barracas novas, façam com que isso seja um acontecimento!!!
Montem um palanque para que o Presidente do Grupo possa falar algumas palavras, como
por exemplo o empenho de certas pessoas que contribuíram para aquela aquisição, o esfor-
ço e compreensão dos jovens, etc...
Além disso, vocês podem montar uma espécie de marco simbólico, como por e-
xemplo construir uma pioneiria de barraca, para dar o clima no local e montar um pequeno

Página nº 26
acampamento, com uma fogueira (não precisa estar acesa) um fogão mateiro, etc... Isso faz
com que o ambiente seja valorizado.
Logo, em celebrações desse tipo, não faça com que sejam utilizados somente alguns
minutos!!! Tornem tudo importante e bem difundido, para que marque tanto para que está
recebendo quanto para quem está ofertando!!! SERVIR!!

Despedida do Pioneiro 2.6

Quando um Pioneiro atinge a idade de 21 anos, seu tempo no Clã Pioneiro acabou.
De acordo com o P.O.R., são Pioneiros os jovens até 21 anos, depois podem escolher ir
para uma chefia de tropa ou não. E, para marcar a passagem desse Pioneiro pelo Clã, é de
muito bom gosto organizar uma festa para ele.
Reunam-se (em segredo é melhor!) e programem para a última reunião como Pio-
neiro uma festa, com bolo, salgadinhos, refrigerante, etc... Não esqueçam as bexigas, papel
crepom, etc... formando uma verdadeira festa. Levem o Pioneiro que irá sair até o local
escolhido da festa e comecem a comemoração!!!
Também seria muito marcante para ele, se cada um do Clã fizesse um retrospecto
dos momentos mais marcantes que o pioneiro teve. Eleições, Fóruns, Mutirões, Projetos e
outras atividades, quando lembradas, fazem com que o Pioneiro perceba que sua passagem
pelo Clã, curta ou não, foi muito bem-vinda!!
Para finalizar, os Pioneiros que “ficam” poderiam dar de presente, a todos os Pionei-
ros que saem, uma espécie de lembrança do Clã. Pode ser, por exemplo, um pedaço de cou-
ro pirografado com alguma mensagem, um brasão, uma virtude em que o Pioneiro se desta-
cara, etc..., devidamente assinada por todos. Pode ser uma carta, com mensagens de incen-
tivo nessa nova etapa (a chefia) que ele irá experimentar em sua vida escoteira, ou ainda,
fora do movimento.
Vale a imaginação de todos de forma a fazer com que o Pioneiro, mesmo que afas-
tado do Clã, ainda sinta-se parte dele!!! SERVIR!!

Datas Especiais 2.7


Se o seu Grupo Escoteiro tem modalidade (Mar ou Ar), façam uma pesquisa e des-
cubram datas especiais relacionadas à essa modalidade. Patronos, personagens históricos,
datas comemorativas, etc... devem permanecer na lembrança de todos do Grupo Escoteiro,
como parte da história, do “folclore” do Grupo.
Depois de juntarem as datas, escolham aquelas mais representativas para o Grupo,
ou para o Clã, e organizem alguma cerimônia, comemoração. Pode ser desde um simples
lembrete na abertura geral, até um dia inteiro recheado com atividades, palestras e informa-
ções sobre o dia em questão.
Conversem com os Chefes do Grupo Escoteiro e peçam ajuda à eles para fazer uma
programação bem variada e divertida. Expliquem o motivo da atividade e que eles e suas
respectivas seções preparem um texto, uma apresentação, uma dinâmica de grupo ou outra
coisa qualquer para ser utilizada na data escolhida para celebração. Caso a data especial
seja mais restrita ao Clã Pioneiro (padroeiro, Aniversário do Clã (2.1), etc...) então que o

Página nº 27
mesmo faça uma atividade junto às outras seções explicando o porque da comemoração, o
que representa, etc...
Para dar um toque a mais nessas datas, tentem fazer uma espécie de “show”. Façam
cartazes, montem biombos contendo informações, etc... Divulguem bem e vejam os resul-
tados após algum tempo. Vocês verão que a parte “cultural” dos elementos do seu Grupo
e/ou do seu Clã será bem maior!! Boas Celebrações!!!! SERVIR!!

Encontro de Ex-Pioneiros 2.8

Depois de alguns anos, é natural que os Pioneiros de um Clã, ao atingirem a idade


limite de 21 anos, saiam do Grupo Escoteiro. Ou por falta de interesse em continuar como
Chefe, ou por falta de Tropa, compromissos com faculdade, mudança, etc...
Após um certo tempo, a quantidade de EX-Pioneiros de seu Clã será relativamente
grande, e uma reuniãozinha com eles pode ser muito interessante, não só pelo fato de reu-
nir todos os que um dia já gritaram o SERVIR!! com o lenço de seu Grupo, mas também
pelo fato de reencontrar amigos, antigas paqueras, relembrar histórias, acampamentos, mú-
sicas, broncas, besteiras, etc...
Programem então algum tipo de atividade que reuna os antigos e os atuais Pioneiros
de seu Clã. Pode ser um acampamento, uma reunião de sede (dá ótimos resultados!), um
encontro informal num barzinho, etc...
Remexam em registros, Atas, certificados, fotos, lembranças e outras recordações e
façam uma lista com o nome, apelido, endereço, telefone e outras informações e dividam
tudo entre Equipes de Interesse (16.1) para “achar” os antigos Pioneiros. Mandem um con-
vite escrito a todos e confirmem depois por telefone o recebimento. Convençam todos a
participar do encontro, e a levar fotos, lembranças, certificados e muitas histórias.
Se o encontro for uma reunião de sede, que todos compareçam com uniforme e dis-
postos a dar o Grito do Clã, a fazer a ferradura, etc... Usem a criatividade e aproveitem esse
momento de reencontro para aprender coisas novas com os que já passaram pelo seu Clã!!
SERVIR!!

Festa de Encerramento 2.9

Mais um ano acabou e logo as férias chegarão. Que tal promover uma super festa de
encerramento em seu Grupo Escoteiro, algo para marcar o fim de ano e deixar todos espe-
rando ansiosos a volta das atividades?
Pois programem uma espécie de “Oscar Escoteiro”, que será ao mesmo tempo uma
cerimônia de entrega de prêmios, show de variedades e, eventualmente, um jantar!!! Defi-
nam entre o Clã, Equipes de Interesse (16.1) para, ao menos, os seguintes temas:
- Som e Luz – responsáveis pela programação musical, efeitos sonoros, efeitos
luminosos (canhão de luz, estrobos, luzes coloridas, etc...), equipamento, micro-
fones,etc...

Página nº 28
- Programação – encarregados de definir quem irá se apresentar, quanto tempo es-
sa pessoa necessita, se precisa de algo específico (uma cadeira, um assistente,
um ponto de luz ou outro microfone, etc...)
- “Oscar Escoteiro” – definir as categorias (Maior Espírito Escoteiro, Melhor
Chefia, Maior Projeto Escoteiro, Maior Acampador, etc...) e a forma de definir
os candidatos (geralmente 1 por seção) e de eleger o vencedor, preparar as cédu-
las de votação e os envelopes – LACRADOS – com os vencedores.
- Infra-estrutura e entradas – definir local, horários, capacidade de pessoas, mate-
rial para a equipe de decoração, suportes para microfones, lâmpadas reservas,
etc... além de confeccionar os convites e estabelecer preço (além, é claro de
vender!)
- Decoração – montagem de alegorias e enfeites que tenham a ver com o tema da
festa.
- Comes e Bebes – (assunto delicado) – se o seu encerramento for ter jantar (ou
almoço) é necessário providenciar comida suficiente, bebida suficiente, lugar
para comer, aonde cozinhar, pratos e talheres, etc...
- Limpeza – responsável por TODA a limpeza, desde a inicial, antes da festa, até
a dos restos do material da decoração e de depois da janta (ou almoço) e a cha-
mada, GERAL (fim da festa)
É importante que tudo esteja bem esquematizado. Antes do dia da festa, ensaiem tu-
do várias vezes. Repassem horários, confirmem tudo com as seções e/ou pessoas e grupos
que forem fazer alguma apresentação cultural. Verifiquem luzes e som, e passeiem pelo
local para ver se em todos os pontos da festa há nitidez do som e a iluminação é suficiente.
No mais, é QUASE como se fosse uma festa normal. A diferença é que o tempo
todo tem gente saindo, gente entrando e gente se apresentando. Divirtam-se!!! SERVIR!!

Ponte Pioneira 3.1

Conforme será abordado mais adiante a cerimônia de entrega da Ponte Pioneira re-
presenta o primeiro elo que o Sênior tem com o Clã. Agora ele está numa fase em que en-
contrará muitos desafios, e em que muitas coisas serão reveladas para ele.
Para a cerimônia, é importante que a Tropa Sênior (ou ao menos a Patrulha do Sê-
nior a receber a Ponte Pioneira) esteja presente. Isso se faz necessário, porque é importante
que os outros elementos vejam que o Clã não está “roubando” o elemento. Ele está apenas
entrando em uma outra etapa do Adestramento Progressivo do Escotismo, direcionado para
novos objetivos e metas, e que para isso é necessário uma transição, chamada “Ponte Pio-
neira”.
É feito então uma ferradura (com a patrulha ou a tropa inteira) aonde os Mestres
Pioneiros e o Padrinho escolhido (16.5) encontram o Sênior. O resto do Clã Pioneiro não
precisa ficar junto da ferradura. Pode ficar observando tudo a meia distância, para mostrar
que todos estão olhando pelo novo elemento que irá integrar o grupo. É explicado para to-
dos os objetivos da Ponte Pioneira (8.3) e então o “Escudeiro” recebe seu distintivo. Se ele,
o Chefe Sênior ou o Padrinho quiser falar alguma coisa, será bem-vindo.

Página nº 29
A cerimônia de entrega da Ponte pode parecer simples, mas é muito importante que
seja realizada, caso contrário o Escudeiro não sabe quando sai, quando entra , etc... SER-
VIR!!

Investidura Pioneira 3.2

A Investidura Pioneira! Talvez a mais importante de todas as cerimônias do Clã


Pioneiro, quando o Escudeiro assume seu papel dentro do Clã, através uma certa quantida-
de de etapas (Estágio Probatório), e reitera sua Promessa Escoteira, adaptada aos ideais,
metas e pensamentos característicos do Ramo Pioneiro.
Por ser tão especial, essa cerimônia é típica de cada Clã, servindo até como identifi-
cação entre os diversos Clãs. A seguir, serão dadas algumas dicas de como realizar a ceri-
mônia.
- O Pioneiro a ser investido poderá escolher o local para realizar sua investidura
(desde que ele seja plausível!).
- Coloquem uma música de fundo. Arranjem um gravador e façam uma cópia da
música várias vezes na mesma fita, para que quando a música acabe, não precise
que ninguém corra para ligar de novo.
- A Investidura é geralmente feita à noite (de preferência com iluminação de ve-
las) em um local apropriado (por exemplo um porão, um sótão, uma clareira, um
barco, etc...).
- A mística está relacionada com as tradições do Clã e pode conter elementos que
invoquem as partes da promessa, das Virtudes Pioneiras, etc...
- A investidura deverá ser sempre antes precedida de uma vigília, onde o jovem
juntamente com o(s) Mestres e com a ajuda dos padrinhos (se assim o desejar)
fará uma reflexão sobre a sua vida passada, analisando os pontos positivos e ne-
gativos, sobre a sua vida escoteira, em relação a aceitação e vivência da Promes-
sa e das Leis Escoteiras; sobre o Compromisso Pioneiro e traçará planos e metas
para os próximos 5 anos.
- Consigam um pedaço de couro, e nele gravem uma mensagem, um pensamento,
o Compromisso Pioneiro, as virtudes, o lema do Pioneiro ou qualquer outra coi-
sa. A seguir, deixem um espaço (não muito pequeno), para o Pioneiro que com-
pleta sua Investidura colocar seu nome, apelido, data e local, registrando sua
passagem por essa etapa da vida como Pioneiro.
- A Cerimônia deve conter necessariamente a renovação da Promessa Escoteira
(também, geralmente o jovem lê e assina o Compromisso Pioneiro - interpreta-
ção adulta da Promessa Escoteira).
As possibilidades são muitas. O que realmente interessa é que a cerimônia seja mar-
cante, especial e única para o Pioneiro. É muito importante que sejam respeitados os ele-
mentos da Cerimônia, como ordem dos acontecimentos, requisitos, elementos, etc... Se não
conseguirem uma bandeira, e todas as outras cerimônias tiveram bandeira, então que se
atrase um pouco a cerimônia (semana seguinte por exemplo) para que quando esta aconte-
cer tudo esteja completo. O mesmo vale para a música, os elementos de tradição, os Mes-
tres, etc... É importante que seja observado isso, pois constitui-se a Tradição da Cerimônia,
aquilo que a torna tão bonita e especial para o Pioneiro!! SERVIR!!

Página nº 30
Insígnias Pioneiras 3.3

As cerimônias das Insígnias Pioneira e da Comunidade devem ter, um caráter mais


de recompensa pelos esforços realizados. São poucos os Pioneiro que ao entrar no Clã con-
seguem atingir a Investidura, e as Insígnias então, uma minoria.
Muito disso é devido à dificuldade que os Pioneiros tem em realizar os Cursos (que
em algumas regiões são muito esporádicos enquanto que em outras são muito caros), à falta
de chefes para as seções (quando o Pioneiro então tem que largar suas atividades e colabo-
rar com as Tropas) e outros problemas. Logo, a cerimônia que envolve a entrega do distin-
tivo de Insígnia Pioneira ou Comunidade pode apelar para o lado de reconhecimento dos
esforços que o Pioneiro fez.
Em vez de ter toda a pompa e magia que a Investidura, a Cerimônia das Insígnias
podem ser mais simples, e na presença de todo o Clã, quando então o Pioneiro que vai re-
ceber pode relatar as dificuldades, os acertos, os erros, as lições que teve durante o desen-
volvimento do processo de obter a insígnia, etc...
Aos Mestres, que estão intimamente relacionados com todo o processo de obtenção
de etapas, cabe relatar seu parecer sobre o Pioneiro e o trabalho que ele executou. Se há
pontos pendentes, o que outras pessoas ligadas ao processo observaram (um outro chefe,
um examinador, etc...).
A exemplo da Investidura, se o Clã tem por tradição realizar alguma coisa ou ter al-
gum elemento representativo durante a Cerimônia das Insígnias, esse procedimento deve se
repetir em TODAS as cerimônias!!!
Por fim, os Mestres podem dizer algum pensamento ou texto, que enfatize os objeti-
vos das Insígnias (Pioneira – voltada para o Grupo Escoteiro e o Escotismo , Comunidade –
voltada para as pessoas e a coletividade) e sirva de estímulo a outros para buscarem mais
essa etapa!! SERVIR!!

Insígnia de BP 3.4

A cerimônia para entrega da Insígnia de BP deve ser notadamente importante. Se já


era difícil conquistar a Insígnia da Cidadania e Pioneira, a de BP então!!!!
Não há um roteiro definido, uma vez que são pouquíssimos os Pioneiros que con-
quistam a Insígnia de BP e que são do mesmo Grupo (corre o risco de as tradições, as ceri-
mônias ficarem esquecidas entre uma Insígnia de BP e outra!). Logo, deve-se partir para o
lado do reconhecimento pelo esforço individual do Pioneiro.
Como o distintivo vem da UEB-Direção Nacional, somente o Diretor-Técnico (ou
Presidente de Grupo) e eventualmente os Mestres sabem quando “o processo voltou”. Lo-
go, eles podem convocar os outros Pioneiros para que, secretamente, reunam pessoas im-
portantes a nível pessoal para o Pioneiro que for receber a Insígnia. Podem ser chamados os
pais, chefes de outros Grupos/Seções que acompanharam o Pioneiro em sua vida escoteira,
cursos, acampamentos, etc..., amigos, Pioneiros de outros Clãs, etc... Isso daria um toque

Página nº 31
especial ao momento, pois o homenageado sentiria-se muito feliz em encontrar, nesse mo-
mento tão importante, todos seus amigos e pessoas especiais.
No dia escolhido (que não precisa ser necessariamente conhecido pelo Pioneiro!),
todos se encontram, e os Mestres iniciam a Cerimônia, relatando a todos no Grupo Escotei-
ro (sim, deve-se entregar o distintivo na presença de todos, devido a sua importância, como
é com o Escoteiro da Pátria, Lis-de-Ouro e Cruzeiro do Sul) o que está acontecendo, quem
receberá o distintivo, as etapas cumpridas (desde a Ponte), as dificuldades, as broncas, os
projetos, os erros, os acertos (que em geral são em menor número!!) e tudo o mais que for
importante!
Depois, chama-se o Pioneiro para receber o distintivo junto à Bandeira do Clã. Ele
recebe a etapa (a última!!!) e dá, voltado para seus amigos, parentes, Mestres, irmãos esco-
teiros o seu grito de SERVIR!, celebrando o fim (ou será o começo?) de seus esforços rumo
ao lugar mais algo, ao lugar que garante a ele um reconhecimento não por ter cumprido
uma ou outra etapa, mas por ter provado ser um Pioneiro digno de ser distinguido com tal
título, em reconhecimento ao seu caráter, esforço e responsabilidade! SERVIR!!

Místicas do Ramo (Guido Zimmermann) 3.5

Para esse tópico, serão transcritos textos do Pioneiro Guido Zimmermann, em seu
projeto “Ramo Pioneiro na Internet”.

A ORIGEM DO LEMA PIONEIRO: SERVIR


O Lema Pioneiro “SERVIR” foi adotado por B.P. com base no escudo de armas do
Príncipe de Gales, título que até hoje é utilizado pelo futuro herdeiro da Coroa Britânica.
Se observarmos atentamente o escudo, nos depararemos com um detalhe curioso: a
inscrição que se encontra no liste diz “ICH DIEN”, que não é um termo da língua inglesa,
mas do alemão antigo. Sua origem é a seguinte:

A partir de 1306, o Reino da Bohemia (hoje integrante da República Tcheca), come-


ça a ser governado por João de Luxemburgo, filho do Imperador Henrique VII, da Prússia
(atual Alemanha), que, casando-se com a filha do Rei da Bohemia, uniu seu Reino aos Rei-
nos da Silésia e Lusacia.
O Rei João deteve importante papel na política européia de seu tempo, pois dedica-
va seu tempo na busca de causa nobres e de índoles cavalarescas. À época, transcorria-se a
Guerra dos Cem Anos, na qual o Rei Eduardo II da Inglaterra, reclamava o trono francês e
as possessões inglesas que se encontravam sob domínio da França. Sucederam-se muitas
batalhas, das quais a mais importante foi a de Crecy, em 1346.
As vésperas do conflito, a notícia corria a Europa e, João, analisando a situação,
resolveu apoiar o Rei Felipe II, da França. Como estava cego e doente, passou o comando
do Reino à seu filho, que mais tarde, foi coroado como Carlos IV.
A batalha de Crecy acabou se tornando a primeira das grandes vitórias do Império
inglês, sob o comando do filho do Rei da Inglaterra, chamado de Príncipe Negro, dada a
cor de sua armadura.
Os franceses, apesar de mais numerosos, iniciaram desorganizadamente a batalha,
perdendo muitos soldados. O Rei João, pediu para descer de seu cavalo, atando-se a ele,

Página nº 32
sacou sua espada e disse a seu inimigos: “Deus não permita que um Rei Tcheco escape da
batalha”, iniciando uma luta sangrenta.
Terminado o combate, os estandartes ingleses anunciavam vitória do Príncipe Ne-
gro, que cavalgando pela arena, encontrou o corpo do Rei morto. Sendo informado dos
pormenores da morte do Rei, ficou impressionado com a nobreza e dedicação de João, pelo
que decidiu levar seu escudo daquele lugar.
Tempos depois, o escudo do Príncipe de Gales estava formado por uma coroa ador-
nada por três plumas de avestruz, em posição assemelhada de uma flor de lis, tendo na par-
te inferior um listel com os dizeres “ICH DIEN”, “EU SIRVO”, em língua alemã.
A família dos Luxemburgo fala alemão e os ideais de João se convertem em máximas
para os cavaleiros daquela época, pelo que o Príncipe de Gales decidiu, como homenagem,
conservar intacta a frase gravada no escudo do Rei João: Eu Sirvo.
B.P. considerou que a herança que guarda a palavra “SERVIR” é digna de ser
portada por todos aqueles que, em suas ações e palavras, demonstram, com orgulho e hon-
ra, o espírito de ser um Verdadeiro Pioneiro.

A FORQUILHA PIONEIRA
A “Forquilha Pioneira” encerra, no seu simbolismo, o firme propósito do Pioneiro
Investido de continuar enriquecendo o processo de sua vida por pensamentos e ações me-
lhores, razão porque, o Mestre Pioneiro deve incentivar aos jovens que entram no Clã a se
tornarem Pioneiros Investidos.
A Forquilha é feita de um galho de árvore e se constitui de quatro partes:
1 - Ponteira: na parte inferior da haste, representa, simbolicamente, a base de toda
a vida do Pioneiro, ou seja, seu caráter sem mancha;
2 - Haste: representa o caminho reto que o Pioneiro deve palmilhar, em sua vida,
como homem de caráter, consciente de suas responsabilidades;
3 - Nós da haste: são dificuldades, os obstáculos a serem transpostos no seu cami-
nhar pela estrada da vida;
4 - V da forquilha: simbolicamente, é a vitória, coroando uma vida dignificante, ho-
nesta, proveitosa.
Estas partes encerram um simbolismo que, para o Pioneiro, está relacionado com
sua vida de adulto. “

Foi-se utilizado essa transcrição em virtude da qualidade do material e de que esses


textos sintetizam boa parte das místicas pertinentes ao Ramo Pioneiro. Existem muitos tex-
tos mais, sites da Internet, cartilhas editadas por outros Clãs. Cabe aos Pioneiros mais curi-
osos buscar esse material e enriquecer mais seu Clã com histórias, lendas, tradições, etc...
Agradeço ao Pioneiro Guido Zimmermann pela permissão de usar seus textos (ótimos!)
nesse livro! VALEU!! SERVIR!!
3.6
Despedida do Pioneiro

Lembra da Festa de Despedida do Pioneiro (2.6)? Pois bem, aquele é um meio bem
festivo de dizer ao Pioneiro que ele marcou enquanto esteve no Clã e que ele irá fazer falta

Página nº 33
nas atividades vindouras. Mas uma cerimônia mística, geralmente antes da festa, pode aju-
dar a deixar esse momento ainda mais especial.
Num ambiente somente iluminado por velas, os Mestres tomam a palavra e contam
todas as impressões que tiveram do Pioneiro, desde sua entrada no Clã, durante suas ativi-
dades como Pioneiro e quando se preparava para sair. A seguir, a palavra é dada ao Pionei-
ro, para comentar sobre o ponto de vista dos Mestres e para expressar suas sensações sobre
“ser Pioneiro”.
O tempo é livre, não deve ser restringido para não dar a impressão de que vocês
querem apressar a saída do Pioneiro. Depois de ele comentar sobre sua vida como Pioneiro,
é a vez de cada elemento do Clã dizer algumas palavras sobre o “sainte”.
Os exemplos que ele deu, etapas que ajudou a cumprir, atividades em que se desta-
cou, pessoas que ajudou, piadas que não foram engraçadas, etc... Assim, fecha-se a cadeia
de pessoas que compõe o Clã Pioneiro.
Ao término das reflexões, o Pioneiro cumprimenta a todos e juntos entoam o Grito
do Clã, para selar a amizade que dali em frente será inseparável. Para marcar a cerimônia,
deixando-a um pouco mais mística, utilizem como pano de fundo uma música de impacto
(Carmina Burana, o tema de 1492 – Conquista do Paraíso, etc...) e elementos característicos
do Clã, como a Bandeira Nacional e a do Clã, recordações de acampamentos e atividades,
uma forquilha, etc... Lembrem-se de tornar essa cerimônia inesquecível, pois um dia você
será o “personagem principal”!! SERVIR!!

Aos Mestres com carinho... 3.7

Eles são tão importantes que achei que seria interessante colocar uma seção só para
eles! São os Mestres, aquelas pessoas que se dispõem a ficar, todo Sábado, alguns feriados
e Domingos, agüentando vocês, Pioneiros!!!
Brincadeiras a parte, os Mestres são peça chave em um Clã Pioneiro. Cabe a eles
orientar, incentivar e ajudar os Pioneiros em suas atividades, mas isso será melhor descrito
mais a frente (O papel dos Mestres Pioneiros – 4.5).
Em uma cerimônia, cabe ao Mestre coordenar tudo, desde quem pode participar, o
que levar, o horário em que terá início, até o certificado, a certeza de que a tradição foi
cumprida à risca e a concretização da etapa. Os Mestres são importantes pois deles pode-
mos tirar muitas lições. Como eles (obviamente!) tem mais experiência de vida, podem
adicionar ao Clã e às suas cerimônias um toque a mais de magia, de espetáculo e de misti-
cismo que naturalmente os Pioneiros não conseguiriam.
Aos Mestres devemos observar e aprender, pois eles já (provavelmente) passaram
por muitas das cerimônias que você teve ou terá, e participando ativamente delas, você con-
seguirá ver a absorver melhor a mensagem que eles prepararam, o tema que eles escolhe-
ram, a música que eles selecionaram, etc...
Vocês Mestres, tentem então primar pela excelência em suas atividades. Nas ceri-
mônias, soltem aquele animador enrustido que há em vocês, e cuidem para que as tradições
de seu Clã mantenham-se imutáveis através dos anos, pois isso é um elemento que caracte
riza e individualiza cada Clã Pioneiro!! SERVIR!!

Página nº 34
Dando um toque a mais na Cerimônia... 3.8

O que fazer para dar um tcham a mais na sua Cerimônia, seja ela a Ponte Pioneira, a
Investidura ou outra qualquer? Além do já descrito, como velas, música de fundo e elemen-
tos característicos de cada Clã, existem uma profusão muito grande de “adornos” e “tru-
ques” que podem ser realizados.
Algumas coisas para enriquecer o ambiente aonde a cerimônia está acontecendo:
- Artigos escoteiros – confeccione placas de madeira pirografada contendo as 10
Virtude Pioneiras, o lema do Pioneiro, a Promessa Escoteira, o nome do Clã,
etc... e faça com que a cerimônia tenha sempre essas placas, que podem estar
dispostas em círculo, tendo o Pioneiro homenageado ao centro, ou emparelhadas
sob uma cômoda ou suporte, de forma que possam ser vistas por todos.
- Convidados Ilustres – convide para a cerimônia pessoas importantes para seu
Clã, ou para o Homenageado. Pode ser o 1º Investido no Clã, o 1º Padrinho, o
Ex-Chefe Sênior do homenageado, uma autoridade Escoteira que seja importan-
te para o homenageado, etc...
- Etc...

Existem muitas variáveis, e cabe aos Pioneiros escolher o que fazer para tornar a ce-
rimônia cada vez mais importante para quem for homenageado, for receber o distintivo.
Inventem outras coisas (que possam evidentemente ser repetidas em todas as cerimônias) e
tornem a tradição dessa Cerimônia cada vez mais bonita e memorável!! Caprichem!! SER-
VIR!!

Segurança e Coerência 3.9

Sempre que realizamos alguma cerimônia, é natural escolhermos lugares bonitos,


diferentes, especiais. E, é também natural que utilizemos de efeitos elétricos, químicos e
físicos para fazermos da cerimônia, algo diferente para quem participa, para quem recebe o
certificado, distintivo, etc...
Entretanto, nessa “ânsia” de buscarmos lugares especiais (alto de um morro, entre
algumas pedras, depois de um riacho, por exemplo...) e efeitos especiais (acender uma fo-
gueira com bombril (Efeitos, Shows e outras “loucuras” - 6.11), gelo-seco, etc...) podemos
nos esquecer de um ponto muito importante, a segurança, tanto para quem está atuando na
cerimônia (Mestres, outros Pioneiros) quanto para quem está recebendo ela.
Logo, não teria sentido estabelecer uma tradição aonde toda cerimônia de Investidu-
ra, por exemplo, se realize no alto de uma montanha, sob lua cheia, em dias ímpares!!! Lo-
go, se no o dia escolhido, todo mundo escalar a montanha (à noite!) chegar lá em cima, o
dia for ímpar, e a noite .... fechar, sem lua, não há cerimônia! Isso não é coerente, e tam-
pouco seguro!!! Arriscar o pessoal a escalar à noite, carregando material, etc... é burrice.
Por isso, em suas cerimônias, tente optar pelo mais sensato, mais prático e possível
de se repetir em qualquer situação. Cerimônias simples não querem dizer cerimônias des-
providas de emoção, mistério, de “clima”! Basta apenas planejamento por parte dos Pionei-

Página nº 35
ros. Não vale a pena bolar uma Super-Cerimônia, se ela só puder ser feita uma vez. Nesse
caso, o Pioneiro que for receber a mesma etapa, estará no direito de receber “tratamento
igual”, o que não ocorrerá.
Aqui vale então o bom senso e boa vontade de todos em realizar algo prático, boni-
to, sincero e marcante, usando para isso meios que tornem a ocasião especial (iluminação c/
velas, etc... como já foi dito em idéias anteriores) e que fique para sempre na cabeça do
Pioneiro. Usem a cabeça, e tornem suas cerimônias algo que mereça ser repetido muitas e
muitas vezes!!! SERVIR!!

Carta Pioneira 4.1

A Carta Pioneira é a “Constituição do Clã”. Nela estão escritos todos os direitos e


deveres do Pioneiro e do Clã. Calma, não é tão simples assim. A Carta Pioneira é o docu-
mento mais importante do Clã Pioneiro, e é uma das coisas que mais caracterizam um Clã
Pioneiro. Ela é subordinada ao Estatuto da U.E.B., ao P.O.R. e ao Regulamento do Grupo
Escoteiro.
Em Conselho de Clã (4.2) todos os Pioneiros devem opinar artigos que “meio que”
regulamentem a rotina do Clã Pioneiro e o perfeito desenvolvimento das atividades, dentro
e fora da sede. A Carta Pioneira não necessariamente tem que conter dezenas de artigos,
dizendo até a cor da meia para atividades com o ramo sênior de outro grupo. Não! Ela deve
ser simples, concisa e ao mesmo tempo abrangente. Como conseguir? É simples:
- A carta deve ter no máximo uma folha. Mais que isso você começa a preencher
com regras que só servirão para casos muito especiais, e esse não é o propósito
da Carta Pioneira. Ela abordar a vida do clã de um modo bem genérico, aten-
dendo a todos os casos, mas sem ser superficial.
- Procurem incluir nela informações baseadas na própria vivência do Clã. Se o
Clã Pioneiro for novo, então pode ser uma boa saída pedir uma cópia da Carta
Pioneira de algum outro Clã para servir de referência, e então adaptar para a rea-
lidade do seu Clã Pioneiro. Essas vivências incluem as atividades, as reuniões de
sede, os acampamentos, a conduta dentro e fora do Clã, etc...
E que temas abordar numa Carta Pioneira? Tome como base os seguintes:
- Denominação do Clã – data de fundação, Grupo Escoteiro, etc...
- Conselho do Clã e Comissão Administrativa (COMAD – 4.4) – quando se reú-
nem, quantas vezes por mês, quem pode compor, quais os cargos, eleições, etc...
- Periodicidade de Atividades, quantidade de atividades de um determinado tipo
(Serviço, Social, Confraternização, etc...) por semestre
- Freqüência dos Pioneiros e medidas disciplinares.

Lógico, existem muitas outras coisas a serem abordadas. Essas são apenas algumas,
e cabe ao Conselho de Clã decidir o que anexar à Carta Pioneira, desde que o que for colo-
cado tenha sentido e não seja meio “abusivo”, ou meio fora do “comum”!! SERVIR!!

Página nº 36
Conselho de Clã 4.2

O Conselho do Clã é aonde são tomadas as decisões pertinentes a todo o Clã. É


constituído por todos os membros do Clã. O direito de voz e voto será definido pelo Conse-
lho de Clã, devendo apenas constar na Carta Pioneira
Nele podem-se abordar temas que sejam relacionados à vida do Clã, como:
- Programação do semestre, ano.
- Relatórios de Projetos e Etapas.
- Apresentação de exposições e seminários, tanto por elementos do Clã quanto por
elementos de fora.
- Relatos sobre participação em atividades
- Divisão de tarefas sobre determinada Atividade (de serviço, social, etc...)
- Eleições para a Comissão Administrativa (COMAD – 4.4)
- Prestação de contas sobre determinada atividade

Enfim, tudo o que necessitar da participação e das idéias de todos os elementos do


Clã deve ser feito durante o Conselho de Clã. Mas lembrem-se: o Conselho de Clã é uma
reunião formal de todos os elementos do Clã e não deve ser confundido com a reunião do
Clã, que é uma atividade a ser desenvolvida de acordo com a programação proposta. Ah, a
periodicidade do Conselho de Clã deverá estar prevista na Carta Pioneira
O importante é não levarem fatos e idéias fúteis para o Conselho de Clã, pois como
ele tem uma ata, um registro (Livros Atas e Registros do Clã – 4.3), fiará para sempre gra-
vado o que foi discutido, importante ou não. A pessoa que preside o Conselho de Clã (a-
quele que mantém a ordem e a seqüência das idéias) é o presidente da COMAD, ou, na sua
ausência, pode ser um Pioneiro escolhido no momento. Boas Atividades!!! SERVIR!!

Livros Atas e registros do Clã 4.3

Tudo o que for feito ou decidido num Clã Pioneiro deve ser devidamente registrado.
O porque disso é que as vezes, principalmente no início de um Clã Pioneiro, os Pioneiros
não tem muita experiência. Logo, erros de planejamento, erros em atividades e enganos são
freqüentemente cometido. Tudo bem, errar é humano, mas insistir no erro é burrice!! Por
isso se faz necessário registrar tudo o que acontece no Clã Pioneiro, para que os que ainda
estão para entrar no Clã não cometam as mesmas besteiras e possam aprender com o que já
aconteceu.
Existem, teoricamente, muitos registros que um Clã deveria fazer. E não só para
servir de referência para outros Pioneiros que ainda entrarão, mas também como memória
do Clã, repassando às “gerações” futuras do Clã muitas histórias, “causos” e acontecimen-
tos interessantes e curiosos. Algumas sugestões de livros e registros que o Clã pode ter em
seu armário:
- Livro Ata do Conselho de Clã – registrando data, local e Pioneiros presentes, a-
lém das decisões tomadas, projetos, programações, relatórios e discussões apre-

Página nº 37
sentadas. TUDO deve ser colocado no livro. Se algum Pioneiro fizer algum co-
mentário interessante e construtivo sobre alguma coisa apresentada, então esse
comentário deve ser escrito na ata. Ao final, todos assinam o livro comprovando
o que foi discutido, escolhido, etc...
- Livro Ata da COMAD – registra as mesmas coisas que o Livro Ata do Conselho
de Clã, mas agora só deve estar relacionado à COMAD. Todas as decisões, idéi-
as e projetos discutidos durante a reunião da COMAD devem ser anotados. Mui-
tos Clãs utilizam o Livro Ata do Conselho de Clã, ao invés de ter dois livros, pa-
ra anotar os dados da reunião da COMAD. As anotações seguem a seqüência
normal, com atas de ambas as reuniões presentes. Fica a cargo do Presidente da
COMAD e do Conselho de Clã escolher qual a melhor maneira de guardar seus
registros.
- Livro Caixa do Clã – Se o seu Clã fizer uma Campanha Financeira (15.1), uma
Festa (10.4) ou uma outra atividade que renda dinheiro, pode organizar uma
poupança (15.2). Logo, todos os movimentos dessa conta devem ser anotados
em um livro caixa, e cabe ao Tesoureiro do Clã (15.3) anotar depósitos, retiradas
e o saldo da conta, para que os outros Pioneiros tenham uma idéias de quanto
tem em caixa. Se for necessário comprar algum material para o Clã (festas, a-
campamentos, etc...) as notas fiscais devem ser entregues ao Tesoureiro e os
gastos devem ser anotados no Livro Caixa, assim como o ressarcimento do di-
nheiro para quem efetuou o pagamento.
- Registro do Clã – Assim que um Pioneiro entrar no Clã, deve ser feita uma ficha
dele, contendo seus dados pessoais, apelido(s), restrição para atividades, históri-
co médico, adestramento no Ramo Pioneiro, cursos que fez (Cursos de Forma-
ção – 4.9), etc... Assim, qualquer pessoa que for ao Grupo e necessitar de um
endereço, ou de um dado médico sobre o Pioneiro, pode acessar a ficha dele no
arquivo.
- Álbum de Fotos – A cada atividade que o Clã realiza, as melhores fotos podem
ser guardadas num livro como forma de lembrança. Mesmo que alguns Pionei-
ros saiam do Clã e não dêem mais notícia, sempre estará lá a participação deles,
a “cara” deles, etc... Isso seria financiado com a poupança do Clã, e os gastos
devem ser relatados ao Tesoureiro para ressarcimento.

Enfim, existem muitos tipos de registros que um Clã Pioneiro pode fazer. Esses são
os, por assim dizer, mínimos. Cabe a você e seu clã, durante um Conselho de Clã, discutir e
decidir se precisa fazer algum outro (por exemplo um Diário do Clã, relatando tudo o que
aconteceu em cada atividade do Clã, sejam elas acampamentos, Mutirões, viagens ou sim-
plesmente as reuniões de sede; uma Pasta de Projetos, aonde todos os projetos desenvolvi-
dos pelos Pioneiros do Clã ficarão guardados, para servirem de referência e estímulo) tipo
de registro. Boas recordações!!! SERVIR!!

COMAD - Comissão Administrativa do Clã 4.4

COMAD significa Comissão Administrativa, e ela é composta por Pioneiros eleitos


em Conselho de clã. Os Cargos de uma COMAD devem ser poucos, mas efetivos e que
sejam importantes para a vida do Clã e devem estar previstos na Carta Pioneira. Não adian-

Página nº 38
ta ter um “motorista” do Clã, ou um “assessor para assuntos aleatórios”, que são coisas que
não trazem benefícios imediatos ao Clã! A COMAD é o órgão executivo do Clã.
Durante um Conselho de clã, é eleito um Pioneiro (geralmente o mais adestrado, ou
o mais velho – presumindo-se que tempo de Clã traga experiência, ou àquele que mais se
destacar em liderança, concisão e motivação) para ser Presidente da COMAD. A seguir,
discutem-se quais os outros cargos que terão Pioneiros, e as funções deles. Por exemplo:
- PRESIDENTE, que tem a função de dirigir a COMAD e presidir o Conselho de
Clã. Além disso, ele é responsável pela representação do Clã junto aos Chefes
do Grupo e junto à Comunidade (quando for oferecer ajuda, atividades, e servi-
ços do clã para a Comunidade).
- SECRETÁRIO, responsável pela documentação do Clã, e em especial pelas atas
da COMAD e do Conselho do Clã.
- SECRETÁRIO ADJUNTO, responsável pelo registro de dados referentes à His-
tória do Clã e pelo preenchimento da documentação do Clã, juntamente com o
secretário. É ele quem entra em contato com os Pioneiros caso alguma reunião
extra esteja sendo programada, caso alguma atividade esteja agendada, etc...
- TESOUREIRO, responsável pelas finanças do Clã, promove campanhas finan-
ceiras, cobrança de semestralidade (até o final do 1º mês de atividades do semes-
tre, por exemplo), faz a prestação de contas e cuida do Livro Caixa.

A COMAD tem por função agilizar e tornar efetiva a programação do Clã, entrar
em contato com a Comunidade, Grupo Escoteiro, outros Clãs Pioneiros, etc... Para isso,
seus elementos devem, após definida a programação, agendar reuniões periódicas (somente
para os elementos da COMAD) e discutir como fazer para realizar uma ou outra atividade.
Eventualmente, podem participar da reunião Pioneiros convidados ou pessoas que tenham
relação com alguma atividade programada.
A COMAD é quem escreve os ofícios aos órgãos (igrejas, associações) relacionados
com a atividade, assina e entrega, fazendo o contato com parques, associações, etc... para
facilitar o desenvolvimento das atividades do Clã.
Com isso, faça com que sua COMAD seja bem atuante e responsável, pois ótimas
atividades surgirão daí!! SERVIR!!

O papel dos Mestres Pioneiros 4.5


O papel dos Mestres Pioneiros no Clã é muito importante, e é de alta responsabili-
dade. Não só por estar trabalhando com jovens, que muitas vezes não controlam seus im-
pulsos e fazem atividades meio “chutadas”, mas pelo dever de instruir, informar e aconse-
lhar os Pioneiros.
Os Mestres devem se comportar como pessoas maduras, pois muito do que os Pio-
neiros irão aprender virá da experiência de vida deles. Esse será o maior legado que o Mes-
tre poderá dar aos seus “gafanhotos”, seus Pioneiros: experiência. Muitos Mestres, após os
seus Pioneiros ficarem dias e dias trabalhando em cima de uma atividade, batem o olho e
dizem: ”não vai dar certo por isso, isso e aquilo” . E (por experiência própria!) não dá!!!
Os Mestres devem oferecer possibilidades para que os Pioneiros desenvolvam suas
potencialidades e assumam efetivamente o seu próprio desenvolvimento. Os Mestres Pio-
neiros devem também treinar a COMAD para que ela administre o Clã.

Página nº 39
Em um Conselho de Clã ou reunião da COMAD (sim, os Mestres participam de
ambas) os Mestres devem ater-se a apenas informar, sugerir e aconselhar. Não tem voto,
mas veto, quando acharem que o que está sendo decidido ou programado não se atém ao
Método Escoteiro, às Leis e Promessa, não tem sentido ou não oferece segurança para os
Pioneiros.
Enfim, os Mestres são uma peça importante dentro do Clã, e o perfeito funciona-
mento do mesmo depende da ótima relação entre Mestres e Pioneiros, tanto a nível de ami-
zade, quanto dentro do Clã Pioneiro instruindo e adestrando!! SERVIR!!

A programação do Clã 4.6


A programação do Clã é de suma importância, pois ela irá refletir a “qualidade” de
seus elementos e a capacidade deles de interagirem entre si, com a comunidade e com o
Grupo Escoteiro. A maioria das programações de Clãs Pioneiros abrangem períodos ou
semestrais ou anuais, sendo que as duas tem vantagens e desvantagens uma sobre a outra.
Cabe ao Clã decidir qual adotar.
Ao se fazer uma programação, deve-se estipular um número mínimo de cada “tipo “
de atividades que o Clã faz. Tomando por base uma programação semestral, com quatro
meses de atividades (descontando os meses de férias), temos 16 ou 17 finais de semana.
Logo, poderíamos separar 8 finais de semana para atividades na sede (adestramentos, reu-
niões, Conselhos de Clã, etapas, Reunião Geral do G.E.). Do resto, 4 seriam para atividades
de serviço e 4 para acampamentos, acantonamentos, Vigília (7.1), etc... De acordo com o
ano, ainda teríamos 1 ou 2 finais de semana “livres”, aonde o clã escolheria alguma outra
atividade.
Com o número “mínimo” estipulado, cabe ao Clã, reunido em Conselho de Clã,
decidir quando, durante o semestre, essas atividades vão acontecer e quais serão elas. Vale
qualquer tipo de atividade: passeios, acampamentos, acantonamentos, serviços comunitá-
rios, visitas a museus, outros Clãs, viagens, Mutirões, adestramentos em técnicas escoteiras
(nós, barracas, fogueira, cozinha mateira), sessões de filmes, teatro, festas, competições,
jogos, etc...
A partir do momento em que a programação está pronta, cabe a COMAD organizar
meios de executar as atividades e de torná-las mais completas e interessantes. Mas, se al-
gum Pioneiro tiver familiaridade com o que for acontecer na programação, pode se oferecer
para colaborar no planejamento, contatos, etc...
Programem tudo e divirtam-se!! Caso tenham alguma dúvida, consultem as Idéias
4.11 e 4.12 – Sugestão de Programação I e II!! SERVIR!!

Mini-cursos (carta, atas, projetos, registros) 4.7

Caso o seu Clã Pioneiro já seja um Clã consolidado, com anos de experiência em
Pioneirismo (não confundam experiência com qualidade!), que tal dar uma ajuda aos Clãs
que estão se “batendo um pouco” para organizar suas coisas?
É simples, entre em contato com vários Clãs de sua cidade/região e pergunte em
quais partes do Pioneirismo eles estão tendo problema. A seguir, programe com os Pionei-

Página nº 40
ros do seu Clã Mini-Cursos, abordando os assuntos em que os outros Clãs estão tendo pro-
blemas. Divulgue na Região Escoteira, ou por carta ou mesmo telefonando para os Clãs o
local, a data, o horário e o investimento (é melhor falar investimento do que custo!) a ser
feito.
Serão cursos rápidos, de no máximo 3 horas, pegando o período, por exemplo, das
19 às 22h, com um intervalo de 15 minutos. O valor a ser cobrado seria o de uma apostila
que contenha o material utilizado (transparências, slides, fotos, textos, tabelas) em xerox.
O objetivo do curso é repassar conhecimento, dar dicas sobre dúvidas e problemas
comuns e ajudar a solucionar estes de uma forma criativa e construtiva. Os temas para cada
Mini-Curso podem ser os seguintes:
- Carta Pioneira e Conselho de Clã
- Comissão Administrativa – COMAD
- Planejando Atividades de Serviço
- Programação do Clã Pioneiro
- Projetos Pioneiros
- Adestramento Pioneiro
- Motivação de Jovens, etc...
Para enriquecer ainda mais o material, podem ser agendadas Dinâmicas de Grupo,
ao final de cada Mini-Curso para que os participantes possam testar os conhecimentos ad-
quiridos junto com outros companheiros e para que possam fixar melhor os conteúdos apre-
sentados.
Tentem fazer Mini-Cursos produtivos, que realmente contribuam para ajudar outros
Clãs que estejam com dificuldades!! Boa aula!!! SERVIR!!

Aprendendo com outros Clãs Pioneiros 4.8

Caso seu Clã esteja em formação, com muitos Pioneiros novos e sem muita experi-
ência em atividades Pioneiras, programação, COMAD, Carta Pioneira, etc..., uma boa saída
é realizar atividades com algum outro Clã Pioneiro que já seja consolidado.
Conversem com o Presidente da COMAD (4.4) do outro Clã e perguntem sobre a
viabilidade de você e seu Clã acompanharem, em nível de observadores, as atividades desse
outro Clã.
Serão apenas umas 4 ou 5 reuniões, e nem todas no mesmo mês. Mas é importante
que seja planejado, junto com a programação do outro Clã, os dias certos para fazer uma
participação-aprendizado. Quando chegarem no outro Clã, observem que vocês estão em
outro local de reunião, e decisões sérias e importantes são tomadas lá (do mesmo jeito que
em seu Clã!), por isso a educação deve ser muito importante.
Para que melhor aproveitem a atividade, conheçam, assim que chegarem no outro
Clã, todos os elementos. Apresentem-se, expliquem o motivo de vocês pedirem essa ajuda
(não tenham vergonha, todo mundo já foi “aprendiz” um dia!!) e o que vocês esperam fa-
zendo essa visita. Ao final de cada reunião, agradeçam a oportunidade e reunam-se, antes
de cada um do seu Clã ir embora, com seus Mestres e com os Mestres do outro Clã. Te-
nham uma conversa franca com eles, e debatam com eles o que vocês acharam da reunião.
Se era o que vocês esperavam, o que foi interessante, o que vocês não entenderam, etc...

Página nº 41
Recomendo ainda nesta idéia a leitura e a utilização do manual “Os 6 primeiros me-
ses de um Clã, a venda na Região Escoteira do Paraná. Esse manual foi elaborado pela Co-
missão do Ramo Pioneiro da U.E.B./PR em 1997. Informem-se!!!
Depois de debatido, escrevam em um livro (Livros Atas e registros do Clã – 4.3)
todas as conclusões a que chagaram. Qual o melhor meio de conduzir uma reunião, como
fazer uma programação, como redigir um projeto, etc... Assim, se algum dia algum Pionei-
ro se sentir perdido, ele pode ler esses registros e elucidar suas dúvidas. E tenham em mente
sempre manter um padrão alto de execução de atividades, pois algum dia seu Clã pode vir a
“hospedar” outro Clã em necessidades!! SERVIR!!

Cursos de Formação (Região Escoteira) 4.9

Algumas etapas do adestramento Pioneiro (Insígnias Pioneira e de Cidadania –


16.8) requerem que sejam feitos alguns cursos oferecidos pela sua Região Escoteira.
Esses cursos tem variações de nome de estado para estado, mas o objetivo deles é o
mesmo: fornecer subsídios técnicos, culturais e de aplicação do método escoteiro em níveis
gradativos, indo desde o básico, até o específico e depois o avançado. Difícil? A lógica é
mais ou menos assim:
- Cursos Preliminares – visam apresentar o Movimento Escoteiro às pessoas que
nunca foram escoteiras e dar uma “relembrada” àqueles que já foram. Traba-
lham o objetivo do Escotismo, o Método Escoteiro, etc...
- Cursos Técnicos – visam dar um aprofundamento sobre o Escotismo, dando uma
ênfase em cada um dos ramos do Escotismo Brasileiro (lobinho, escoteiro, sê-
nior, pioneiro e dirigentes) além de trabalhar objetivos pedagógicos, aplicação
de técnicas escoteiras (relativas a cada ramo), etc...
- Cursos Básicos – trabalham a organização, fundamentação, planejamento e es-
truturação dos ramos do escotismo. Como obter o máximo de sua tropa, etc...
- Cursos Avançados – trabalham a fundo o desenvolvimento e manutenção de bo-
as atividades junto à uma seção. Tem etapas diferenciadas, dando ênfase em co-
nhecimentos e entendimento pessoal sobre Escotismo, aplicação de técnica em
campo, etc... O Curso Avançado consiste de três etapas: estudo, prática e aplica-
ção.

Logo, seria interessante que você e seu Clã programassem para fazer alguns desse
cursos. O custo poderia ser coberto uma parte pelo Pioneiro e uma parte pelo dinheiro do
Clã, se a inscrição for muito cara (geralmente não é) (muito!).
O objetivo de fazer cursos desses é buscar uma preparação a mais, não para ser che-
fe, mas sabendo por exemplo, como é estruturado o Movimento Escoteiro a nível de orga-
nização, como desenvolver toda uma pedagogia para aplicação do Método Escoteiro, etc...
Existem também outros cursos que não sejam voltados para os Ramos do Escotis-
mo, mas que ainda assim são úteis para o Pioneiro. Temos: Curso Técnico de Jogos e Can-
ções Curso de Formação de Agentes de Socorros Urgentes; Curso Técnico de Montanhis-
mo, etc... Informe-se com a Região Escoteira de seu estado, ou com a de outros e inscreva-
se!! Vale a pena aprender um pouco mais sobre Escotismo!! SERVIR!!

Página nº 42
Equipes Regionais 4.10

Atualmente, vários estados tem uma equipe, um “time” de Pioneiros que se respon-
sabiliza por organizar grandes atividades (11.1) para confraternização, encontro, realização
de atividades de serviço, etc... dos Pioneiros. Esses grupos de pessoas são as Equipes Regi-
onais, geralmente com entre 5 e 10 Pioneiros de vários Grupos Escoteiros que são (na mai-
oria das vezes) escolhidos por eleição em um Fórum (Fóruns e Assembléias - 11.6) ou Mu-
tirão (Mutirões Regionais (Interclãs) – 11.4).
Essas Equipes Pioneiras (ou também CoRePio (Comissão Regional de Pionei-
ros/PR), Ordem de Pendragon/SP, Equipe Regional Pioneira/RS, Ordem do Lago/MG,
Comissão Interclãs/RJ, etc ...) tem por objetivo maior representar os Pioneiros do Estado
junto à Região Escoteira, e com isso conseguir realizar encontros, mutirões, etc... Só que
essas equipes não funcionam sozinhas. A maioria delas realiza reuniões periódicas, abertas
a todos os Pioneiros e interessados, e a participação nelas é importante. Você pode dar sua
opinião, receber informações sobre as próximas atividades entre Pioneiros, obter e dar aju-
da a outros Clãs, e muito mais.
Logo, seria interessante que o Clã participasse dessas reuniões, ou que pelo menos
enviasse um representante que participasse e pegasse as informações que são discutidas nas
reuniões. E mais, por que um dos Pioneiros do seu Grupo não entra em contato com amigos
de outros Clãs e tentam concorrer à próxima chapa (se a escolha for por eleição) da sua
Equipe Regional? Se a escolha não for por eleição, ofereça-se para trabalhar e ajudar a dei-
xar seu Ramo ainda mais divertido, instrutivo e interessante!! SERVIR!!

Sugestão de Programação I 4.11

Para os Clã que estão se batendo um pouco para organizar um planejamento semes-
tral, uma programação, aqui vai uma sugestão, que pode livremente ser modificada e adap-
tada para a realidade do seu Clã (a sugestão é para o 1º semestre do ano):

Mês Dia Atividade


Março Sáb Abertura no Grupo Escoteiro. Atividade de entrosamento entre os Pi-
oneiros. Revisão da Carta Pioneira, verificação das etapas de cada
Pioneiro e 1º Conselho de Clã do Ano, para pedir sugestões de Pro-
gramação, eleger nova COMAD, etc... A noite sessão de vídeo e piz-
zas (reunião social) na casa dos Mestres Pioneiros.
Sáb Atividade no Grupo Escoteiro. Definir a programação do Semestre.
Separar material para Acampamento na Praia. Definir responsáveis
pelo Acampamento (comida, transporte, etc). Ensaiar Canções do Clã.
Sáb Acampamento do Clã. Concurso de Fotos. Fogo de Conselho. Banho
Dom de Cachoeira e caminhada.
Sex Festa de Aniversário do Pioneiro XXX.
Sáb Atividade no G.E. Realização de etapas dos Pioneiros. Preparação
para Atividade de Serviço (Páscoa de meninos de rua).

Página nº 43
Abril Sáb Reunião no G.E. Limpeza da sala do Clã. Ao final do dia visita a outro
Clã Pioneiro para programar atividade conjunta. À noite todo o Clã
reúne-se num barzinho para “confraternizar”
Sáb Atividade de Serviço junto à um lar de meninos carentes, promovendo
a Páscoa para eles.
Sáb Atividade conjunta com outro Clã Pioneiro. Ao final do dia reunião na
sede para programar Acantonamento na Sede.
Sáb Acantonamento na Sede. Durante o dia realização de etapas (discus-
Dom sões e debates, palestras, relatórios) e jogo físico junto com os Sê-
niors. À noite Cerimônias de Investidura, Insígnias, etc... No outro dia
passeio pelo parque, atividade de reflexão e Adestramento de Escalada
Maio Sáb Reunião no G.E. Inscrições para Mutirão Regional. Preparação para
Atividade Ecológica. 2º Conselho de Clã para preparação para viagem
para Mutirão e para planejar a Ponte Pioneira dos Sêniors que irão
passar. À noite ida ao Teatro (todo o Clã)
Sáb Reunião no G.E. Atividade Ecológica com os Lobinhos. Ao final da
tarde preparação da Atividade de Serviço.
Sáb Atividade de Serviço junto à Igreja do bairro, colaborando com cam-
panha de vacinação. Ao final do dia últimos detalhes para viagem
(Mutirão Reg.).
Sáb Mutirão Regional Pioneiro
Dom
Junho Sex Reunião Social na casa dos Mestres (Karaokê)
Sáb Atividade no G.E. Ensaios de canções. Recepção do Clã Pioneiro que
está visitando seu Grupo. Ao final do dia programação de Atividade
na Serra.
Sáb Pela manhã e tarde passeio de carro através da serra. Paradas para fo-
tos, mergulhos em cachoeiras e para almoçar. À noite reunião para
programar Cerimônias de Investiduras e Insígnias.
Sáb Reunião no G.E. Atividades na sede junto com as outras seções. 3º
Conselho de Clã para definir Programação do 2º semestre e generali-
dades.
Sáb Reunião no G.E. Realização de etapas. Arrumação da Sala do Clã.
Limpeza do material de Acampamento do Clã. À noite, Pré-Vigília
Pioneira com todos os elementos.
Julho Sáb Reunião no G.E. Palestra para o Ramo Sênior sobre o Clã Pioneiro,
Atividades de Serviço, Ponte Pioneira. Realização de Cerimônias de
Ponte Pioneira. À noite, realização de Cerimônias de Investiduras e
Insígnias. Após, jantar festivo em um restaurante ou casa de Pioneiro
para celebrar encerramento do 1º semestre!

É isso! Usem como base, alterem a ordem, insiram atividades, retirem atividades,
etc... Bom semestre!! SERVIR!!

Página nº 44
Sugestão de Programação II 4.12

Agora que vocês já programaram um semestre, o próximo virá apenas com a suges-
tão de “estilo” de atividade a realizar. Consulte as outras atividades desse livro e escolha
algumas que preencham os períodos para atividade. Lembrem que a seguinte programação
é sugestão, logo alterações podem ser feitas a vontade. Aí vai:
Mês Dia Atividade
Agosto Sáb Abertura. Atividade de Sede. Confraternização. Revisão da
Programação.
Sáb Atividade de Sede. Etapas.
Sáb Acampamento junto com outra seção
Dom
Sáb Atividade de Sede. Cerimônias. Confraternização
Sáb Atividade de Serviço
Setembro Sáb Atividade de Sede. Conselho de Clã. Programar Festa.
Sáb Atividade junto com outro Clã.
Sáb Preparação da festa para a noite.
Sáb No Sábado atividade de sede. Avaliação da Festa, lu-
Dom cro/despesas, etc... Etapas. Músicas. No Domingo Jogo de Ci-
dade junto com outros Clãs
Outubro Sáb Atividade na sede. Preparação para Atividade de Serviço. Pon-
tes Pioneiras. Adestramentos para o Clã. Confraternização com
os Mestres
Sáb Atividade de Serviço.
Sáb Acampamento junto com outro Clã Pioneiro
Dom
Sex Atividade Social
Sáb Atividade na sede. Limpeza de Material. Arrumação da Caver-
na. Atividade Ecológica no Grupo Escoteiro.
Novembro Sáb Atividade na sede. Etapas. Músicas. Cerimônias
Sáb Atividade na sede. Programação de viagem à outro estado,
visitando outro Clã. Etapas. Ponte Pioneira
Sáb Atividade junto com outra seção (acampamento ou na sede)
Sáb Viagem!!
Dom
Dezembro Sáb Encerramento das Atividades. Limpeza de materiais. Arruma-
ção da Caverna. Cerimônias. Músicas e Canções. À noite Jan-
tar com o Clã.

Página nº 45
Canção do Clã 5.1

Falando em animação, que tal ensaiar seu Clã com a música seguinte? Muitos Muti-
rões já foram embalados com ela, e você poderia fazer com que seu Clã a ensaiasse e can-
tasse todo início de atividade, de modo a “alegrar” o dia que está por começar!! Aí vai:

Em uma montanha bem perto do céu


Existe uma lagoa azul
que só a conhecem aqueles que tem
a dita de estar em meu Clã.

Lará, Larárá, Larárá, Larárá


Lará, Larárá, Larárá, Lará, Lará

A sede de riscos que nunca se acaba


as rochas que há de escalar
o rio tranqüilo que canta e que chora
jamais poderei olvidar

ESTRIBILHO

O sol no caminho a seguir direciona


O vento nos leva a sonhar
paredes de vidro e grandes rochedos
refletem os nossos segredos.

ESTRIBILHO

No alto da serra, na gruta escondida,


foi lá que eu fiz o meu lar,
subindo e descendo em corda ligeira,
eu vi o meu Clã acampar.

ESTRIBILHO

A noite sentados ao pé da fogueira


crepita a alma escoteira,
pioneiros meditam, definem a trilha,
e fazem a sua vigília.

ESTRIBILHO

O sol nos aponta um caminho de sonhos


O vento nos leva a andar,
o brilho de vivas de estrelas repetem
o eco do nosso cantar.

Página nº 46
ESTRIBILHO

Basta ensaiar (com alguém que saiba a melodia!) e cantar! Para deixar a música
ainda mais especial, pirografe ela em couro, coloque uns adornos no lado, uma forquilha,
etc... e pendure no Clã, de modo que sempre que vocês entrarem na caverna vocês terão ela
pronta para ser entoada!! SERVIR!!

Eu conheço um jogo 5.2

A música a seguir é muito divertida, e pode ser feita em qualquer momento da reu-
nião ou acampamento. A idéia geral é repetir algumas palavras que são apresentadas como
“opostos” e depois começar a misturar tudo, exigindo boa concentração para não errar!!
Aonde tiver um asterisco (*) é a “galera” quem fala, e aonde não tiver só o “puxador” quem
fala

Eu conheço um jogo que começa assim,


Quando eu digo branco vocês dizem preto,
Quando eu digo preto vocês dizem branco.

Atenção!! Que o jogo vai começar.


Cuidado pra não errar!!

Branco, branco branco


(*) Preto Preto Preto
Preto Branco Preto
(*) Branco Preto Branco

Eu conheço um jogo que começa assim,


Quando eu digo verde vocês dizem rosa,
Quando eu digo rosa vocês dizem verde.

Atenção!! Que o jogo vai começar.


Cuidado pra não errar!!

Verde verde verde


(*) Rosa rosa rosa
Rosa verde rosa
(*) Verde rosa verde

Eu conheço um jogo que começa assim,


Quando eu digo dentro vocês dizem fora,
Quando eu digo fora vocês dizem dentro.

Atenção!! Que o jogo vai começar.

Página nº 47
Cuidado pra não errar!!
Fora fora fora
(*) Dentro dentro dentro
Fora dentro fora
(*) Dentro fora dentro

Eu conheço um jogo que começa assim,


Quando eu digo branco vocês dizem preto,
Quando eu digo preto vocês dizem branco.
Quando eu digo branco vocês dizem preto,
Quando eu digo preto vocês dizem branco.
Quando eu digo verde vocês dizem rosa,
Quando eu digo rosa vocês dizem verde.

Atenção!! Que o jogo vai começar.


Cuidado pra não errar!!

Dentro verde branco


(*)Fora rosa preto
Rosa preto verde
(*) verde branco rosa
Fora dentro preto
(*) Dentro fora branco
...
...
A música pode ser feita, a partir da estrofe final, com muitas combinações, e só
quem é muito atento vai conseguir acertar tudo!!! Dica: tentem outras combinações, e dei-
xem a melodia ainda mais complicada!!! SERVIR!!

Papelada 5.3

Bem, aqui vai outra música, que se torna mais divertida e engraçada a medida que
vai sendo cantada mais rápida!! A música da Papelada!!!

Hoje eu acordei de madrugada


Acordei prá pegar a papelada
Peguei a papelada e entreguei foi para o Lobo
E o lobo que é a maior besteira
Pegou a papelada e entregou prá Escoteira
E a escoteira que é uma porcaria
Pegou a papelada e entregou foi para a Guia
E a Guia que é um horror
Pegou a papelada e entregou foi pro Sênior
E o Sênior que é um fofoqueiro
Pegou a papelada e entregou foi pro Pioneiro

Página nº 48
E o Pioneiro que sempre desafia
Pegou a papelada e entregou foi prá Chefia
E a chefia que não gosta de confusão
Pegou a papelada e entregou foi prá Região
E a Região que é a maioral
Pegou a papelada e entregou foi pro Nacional
E o Nacional que já estava indo embora
Pegou a papelada e jogou foi tudo fora!!

Canção da Promessa 5.4

Agora uma bonita e tradicional canção para ser entoada em momentos mais místi-
cos, de maior reflexão. A Canção da Promessa é ótima para quando vocês estiverem em
entregas de Insígnias, Pontes Pioneiras, Vigílias, etc...

Prometo neste dia, cumprir a lei


Sou teu escoteiro, Senhor e Rei

Eu te amarei pra sempre, cada vez mais,


Senhor Minha Promessa, protegerás

Da fé eu sinto orgulho, quero viver


Tal como ensinaste, até morrer

(refrão)

Com a alma apaixonada, servir-la-ei


A minha Pátria amada, fiel serei

(refrão)

A Promessa que um dia, fiz junto a ti


Para toda a minha vida, a prometi.

Rali-Gali 5.5

A música Rali-Gali é muito animada, e pode ser usada tanto em Fogos-de-Conselho


para “mexer” com o pessoal e acordar todo mundo quanto pode ser usada como um “que-
bra-gelo”. A letra é:

Eu ponho a mão direita à dentro


Eu ponho a mão direita à fora
Eu ponho a mão direita à dentro

Página nº 49
E eu sacudo bem agora

Eu danço o Rali-gali,
Assim é bem melhor!!

Eu ponho a mão esquerda à dentro


...
Eu ponho o pé direito à dentro
...
Eu ponho o pé esquerdo à dentro
...
Eu ponho a cabeça pra dentro
...
Eu ponho o “tãnãnã” *
...
Eu ponho o corpo inteiro!!
...
Nota: * - tãnãnã é colocar o quadril, a cintura a dentro e para fora!!! SERVIR!!

Canção da Despedida 5.6


A Canção da Despedida é muito marcante, e deve ser cantada em despedidas, encer-
ramentos de atividades, final de Fogo-de-Conselho (quando a fogueira está acabando...),
etc... Todos de mãos dadas, formando uma grande roda, entoam a seguinte letra:
Porque perder a esperança de nos tornar a ver?
Porque perder a esperança se há tanto querer?

Não é mais que um até logo, não é mais que um breve adeus.
Bem cedo junto ao fogo, tornaremos a nos ver.

Com as mãos entrelaçadas, ao redor do calor,


Formemos essa noite, um círculo de amor.

(refrão)

Pois o Senhor que nos protege e nos vai abençoar


Um dia, certamente, vai de novo nos juntar.

(refrão)

Música do Clã 5.7

Se seu Clã for muito agitado, combinem com todos os Pioneiros de fazer uma can-
ção personalizada, ou seja, peguem uma música bem animada, num ritmo bem fácil e diver-

Página nº 50
tido, e façam uma paródia dela, envolvendo elementos do seu Clã Pioneiro (como o nome
do Clã, os elementos, os Mestres, atividades passadas, “causos”, etc...).
Escolham uma música que não seja muito comprida, e que tenha um ritmo que po-
sas ser executado somente com o cantar, sem necessitar de instrumentos!!! Escrevam a letra
(chamem aquele Pioneiro ou Pioneira que tem umas idéias meio “malucas” para essa fun-
ção!!) e passem ela para todos os membros. Ao final de alguns ensaios, vocês estarão pron-
tos para, em Mutirões, encontros, etc... promoverem uma boa “bagunça”, cantando essa
música o tempo todo!!! E mesmo no Grupo Escoteiro, ao início de cada atividade, vocês
podem cantar essa música para ficarem mais “ligados” para as atividades!!!
E lembrem-se, criem a letra mais maluca que vocês conseguirem!!! Façam uma pa-
ródia bem engraçada, e que identifique seu Clã!!!! SERVIR!!

O que é Fogo-de-Conselho 6.1

Fogo-de-Conselho é aquele momento, à noite, em um acampamento aonde todos os ele-


mentos se reúnem, em volta de uma fogueira, para cantar, brincar, conversar, refletir, ob-
servar o céu, as montanhas, o mar, etc...
Sua origem vem da África, aonde os chefes de tribos reuniam seus guerreiros em
volta do fogo. Nessa ocasião, eles armavam batalhas contra tribos inimigas, cantavam pe-
dindo proteção aos deuses, comiam, conversavam com os mais velhos, que contavam histó-
rias de jovens intrépidos, grandes guerreiros, caçadas memoráveis, etc...
E, foi observando o que os chefes tribais faziam, que Baden Powell resolveu adaptar
o Fogo-de-Conselho para o Movimento Escoteiro. Assim, tradicionalmente, na última noite
de acampamento, é feito o Fogo-de-Conselho, aonde as patrulhas, equipes, elementos e
chefes preparam esquetes (apresentações), músicas, piadas, etc... celebrando a alegria de
estarem reunidos, de serem escoteiros e de poderem, mais uma vez, confraternizarem ao pé
do fogo, que esquenta, acolhe e une os Escoteiros ali presentes.
Assim, em praticamente todas as atividades escoteiras, encontramos, em alguma
noite (lógico, pois ninguém ficaria perto de uma fogueira se esta fosse acesa ao meio-dia)
uma fogueira acesa, e com certeza em torno dela, lobinhos, escoteiros, sêniors, pioneiros e
chefes rindo, brincando cantando e se divertindo, nesse que talvez seja o momento em que
os escoteiros estão mais unidos numa atividade.

Organizando um Fogo-de-Conselho 6.2

Tenha em mente uma coisa que eu aprendi depois de organizar muitos, mas muitos
Fogos-de-Conselho enquanto fui Sênior e Pioneiro: por mais que você planeje tudo, encare
todas as probabilidades, decifre todas as incógnitas que envolvem o Fogo-de-Conselho,
SEMPRE terá alguma coisa que você esqueceu, ou que você lembrou mas aconteceu de
jeito diferente do esperado!! Por isso, a tendência nossa é de culpar alguém ou se aborrecer.
Esqueça!! Aprendi também que são esses aparentes “defeitos” que tornam, para os outros, o
Fogo-de-Conselho ainda mais especial (pode acreditar!!).
Tendo isso em mente, como organizar um Fogo-de-Conselho? Vamos por passos,
muito úteis, e que facilitaram a organização e estruturação de muitos Fogos-de-Conselho:

Página nº 51
- Informação: é preciso que você avise, com uma certa antecedência, o que irá a-
contecer (no caso o Fogo-de-Conselho) , aonde irá acontecer, como chegar lá, a
que horas começa, a que horas termina, se as pessoas precisarão preparar algo,
quanto tempo irá durar este “algo”, a que horas elas irão apresentar esse “algo”,
etc... Você pode entregar isso por escrito, como se fosse um convite, ou apresen-
tar oralmente, durante uma ferradura ou indo diretamente ao encontro das pesso-
as.
- Material: As pessoas/equipes/patrulhas irão precisar de algo “meio” diferente
para participar do Fogo-de-Conselho? Artigos como panelas, velas, cabos, sisal,
etc... não são incomuns de serem utilizados em um Fogo-de-Conselho. Se quem
os for utilizar solicitar e não dispor deles, ou você providencia ou pede a eles
que tentem participar sem esses materiais. Outras coisas importantes para o Fo-
go-de-Conselho, que são da responsabilidade do organizador: lenha suficiente,
equipamento de emergência e segurança (Segurança e Proteção – 6.12), “pavi-
o”, etc... Cabe ao organizador providenciar tudo isso!
- Programação: Talvez o mais importante de tudo. Alterne bem as apresentações
do Fogo-de-Conselho, senão ele tenderá a ficar muito chato. Se tivermos três
equipes, A, B e C para apresentar, faça da seguinte maneira: A apresenta músi-
ca, depois B apresenta esquete e C uma piada. Depois A apresenta esquete, B a
piada e C a música. E por aí vai, revezando sempre a programação. Não tenha
receio e escreva a ordem de tudo num papel, mantendo-o sempre com você, para
evitar que hajam tropeços. Ah, e tenha sempre prontas algumas músicas, algu-
mas piadas, algumas brincadeiras rápidas, etc... Pois sempre (é o que eu disse no
começo!) alguém esquece de preparar algo, ou fica com vergonha de apresentar,
ou é igual a algo já apresentado e então ela não sabe o que fazer! Última coisa:
bons Fogos-de-Conselho não duram mais que 2h00min, não importando a quan-
tidade de pessoas!! Senão, a coisa fica muito, mas muito chata!!

Esse é o básico para organizar um excelente Fogo-de-Conselho. Não hesite em pedir


ajuda a Chefes, outros Pioneiros e mesmo Sêniors, pois toda ajuda é bem vinda, e de repen-
te algum deles é tão extrovertido, alegre e brincalhão e acaba melhorando e muito a ativi-
dade. Divirtam-se!! SERVIR!!

Animando um Fogo-de-Conselho 6.3

É muito fácil deixar um Fogo-de-Conselho bem animado e divertido, mas também é


muito fácil torná-lo chato e maçante!!!
Por isso, planeje bem o que irá acontecer no Fogo-de-Conselho, pois a marca que
você receberá será duradoura (ou a de que você é um ÓTIMO animador, ou não!!). Aqui
vão algumas dicas de atividades para animar um Fogo-de-Conselho.
- Músicas: prefira aquelas agitadas, que mexam com o corpo de todo mundo. Ra-
li-gali (5.5), Estola Fogueira e outras do tipo são muito boas, pois a noite o clima
frio faz as pessoas ficarem paradas e sentadas, meio adormecidas. Nada melhor
que agitar todo mundo com músicas rápidas e animadas. Leve também músicas
que envolvam algum tipo de dança, como Bela Pastora, Cleópatra, etc... pois as-

Página nº 52
sim todos que estão em torno da fogueira serão “forçados” a andar, dançar e
cantar!
- Esquetes: planeje umas duas ou três esquetes. Uma longa, que precise de ensaio
com o resto do Clã, e outras duas curtinhas mas bem engraçadas e divertidas
(nem que sejam palhaçadas mesmo!), que possam ser feitas com a ajuda de um
ou dois Pioneiros e que dispense ensaio (fica até mais legal assim!). Quando a-
presentarem, falem ALTO, pois o vento, o tamanho da roda e conversas parale-
las fazem com que quem está lá no meio pareça estar mudo. As outras esquetes
serão meio que uma segurança, para quando os “ânimos” começarem a esfriar e
necessitem ser “aquecidos” de novo!!
- Piadas: grande produtor de risadas e gargalhadas. Evitem apenas piadas racistas
ou que humilhem ou ridicularizem um etnia (negros, “portugueses”, etc...). Po-
dem no entanto (desde que observados certos limites) serem feitas piadas com
situações que algum elemento presente passou, como um chefe, um Pioneiro,
uma patrulha, etc... Vale a pena dramatizar um acampamento em que a barraca
desmontou, em que o Chefe caiu na lama e depois se perdeu dos elementos, um
passeio em que fulano enganou ciclano sobre alguma coisa, etc... Por se tratar de
elementos comuns a todos (todos conhecem o Chefe tal, o Pioneiro tal, ou parti-
ciparam daquele acampamento, eram da referida patrulha, etc...).
- Histórias: quando o Fogo-de-Conselho estiver quase no fim, peça ao Presidente
de Grupo, ou aos Mestres Pioneiros, ou àquele Pioneiro que está quase saindo
para ir perto da fogueira e contar, de forma meio dramática meio divertida, al-
guma atividade de muito tempo atrás, algum acampamento do tempo do “guara-
ná em rolha”, alguma situação, de perigo ou de aventura, que ele e seus amigos
passaram, etc... É bacana relembrar esses momentos juntos ao fogo, pois todos
podem ter – ou já tiveram – situações semelhantes. Experimentem!

Como vocês viram, a tarefa de animar um Fogo-de-Conselho pode parecer comple-


xa, mas não é (tanto!). O melhor ingrediente para se fazer um bom Fogo-de-Conselho, e
que não tem como ser transmitido por um livro, é a EXPERIÊNCIA.
É a participação, algumas vezes como auxiliar, outras como o animador central (a-
quele que está no meio e puxa as músicas, pula, grita, se requebra inteiro, etc...) que dão ao
Pioneiro a segurança, a vontade e o ritmo para animar um Fogo-de-Conselho que será lem-
brado por muito e muito tempo!! SERVIR!!

O local para um Fogo-de-Conselho 6.4

O local aonde o Fogo-de-Conselho irá acontecer é de suma importância, e um local mal


escolhido pode fazer seus participantes ficarem entediados, ficarem com frio, não enxerga-
rem o que está acontecendo e até passarem por perigo!!
Primeiro de tudo, defina quantas pessoas irão para o Fogo-de-Conselho, e a partir
desse número, defina qual será a área para fogo. O local deve ficar o mais longe possível de
luzes artificiais (como refletores, luminárias, etc...), mas não deve ficar a mais de 10 minu-
tos de caminhada do local de acampamento. Antes de se decidir por uma área, verifique os
seguintes itens:
- o local tem acesso fácil, ou um caminho que de saída sem obstáculos;

Página nº 53
- o local não é íngreme ou oferece riscos (queda de pedras, abismo, rios);
- o local tem lenha fácil, ou é a pouca distância de onde tem lenha;
- o local tem muitas árvores próximas, ou arbustos que possam pegar fogo;

Com isso em mente, e os itens acima verificados, fica muito mais fácil se decidir
por um bom local para o Fogo-de-Conselho.
Aliado à escolha que você fez, veja agora os itens relacionados ao aspecto físico
(soa meio estranho não?). Veja:
- o local permite uma boa visualização do céu (árvores tapando atrapalham duran-
te uma noite estrelada);
- o local dá vista para algum lago, rio, formações de pedra, etc... que permitam al-
gum trabalho de reflexão sobre a natureza, etc...
- existe algum tipo de elemento que possa contribuir para a realização de alguma
esquete, alguma apresentação (mais detalhes: Efeitos, shows e outras “loucu-
ras” – 6.11).

Após esses detalhes, o local que você e seu Clã escolher com certeza será o melhor!!
Divirtam-se!! SERVIR!!

Escolhendo um tema, músicas, roupas, etc... 6.5

Depois de fazer vários Fogos-de-Conselho, tente fazer um em que todas as ativida-


des girem em torno de um tema. Tudo, desde a recepção dos elementos junto à fogueira até
as músicas, esquetes, apresentações, brincadeiras, etc...
Por exemplo, num Fogo-de-Conselho “Tropical”, ou “da Jamaica”, todos os que
estivessem na organização usariam (sabe-se como eles conseguiriam, mas...) perucas Rasta-
fari, óculos escuros, camisas floridas, etc... Se algum Pioneiro tem noções musicais, pode
tentar adaptar músicas escoteiras para o ritmo “reggae”, gerando bons momentos de alegria
e descontração!!
Se o Fogo-de-Conselho envolver todo o Grupo Escoteiro, pensem em algo grande, e
avisem com antecedência as seções (1 ou 2 semanas) para que eles tenham tempo de se
preparar. Por exemplo: Cruzadas, Grandes Navegações, etc...
Para algo desse tipo (por exemplo: Cruzadas) vocês podem confeccionar roupas
com temas das Cruzadas, pesquisar grandes personagens e colocar em cada um dos Pionei-
ros um desses nomes (Ricardo Coração de Leão, Luís XIV, etc...). Além disso, consigam
um gravador e coloquem, como música de fundo, alguma música instrumental, que dure
bastante, e não precise que alguém vá trocar de fita, CD, etc...
Existem outros temas que podem ser explorados (por exemplo: Fogo-de-Conselho
20 anos do G.E. XXXX), e a imaginação de quem organiza deve ser grande, pois temas mal
escolhidos, geram dificuldades “técnicas” (escolher roupas, músicas, atividades, etc...) e
consequentemente, Fogos-de-Conselho chatos!! Caprichem!! SERVIR!!

Página nº 54
Atividades alternativas (reflexão, espiritualidade,...) 6.6

Imaginem a cena: no alto de um morro, com alguns pinheiros o lado, uma lua enor-
me e brilhante iluminando cada sombra sem ofuscar o brilho das estrelas. A fogueira, ainda
estando as madeiras úmidas postas a queimar, aquece o Clã, que reunido à leve brisa fria
que caracteriza o local à noite, contempla tão belo cenário em silêncio, apenas observando.
Bonito não? Garanto que seu Clã já experimentou locais assim antes. Locais que de
tão bem escolhidos (O local para um Fogo-de-Conselho – 6.4) acabam por si só servindo
de incentivo para pensar, “viajar” um pouco com a mente, etc... Pois sempre que você, ao
organizar um Fogo-de-Conselho, perceber que o local dá margem à atividades que levem à
reflexão, não percam essa chance!!
Em dado momento, convidem os presentes a sentarem-se de costas para a fogueira,
e observar por alguns minutos, tudo o que ocorre à sua volta. Sons, ruídos, paisagens, etc...
Depois, de volta de frente à fogueira, que cada um expresse o que sentiu, o que percebeu,
etc... Após todos comentarem, teça sua opinião sobre o local escolhido, e sobre o ambiente
que cerca o Clã. Comente tudo, desde as estrelas e as árvores, até o barulho da fogueira e o
calor irradiado por ela. Que cada um, após a sua explanação sobre o momento, pense, em
silêncio, as vantagens de estar ali, naquele instante. Que pensem (e você dirá essas palavras
de incentivo) em quantas pessoas se privam de estar ali, com um pouco de frio talvez, sen-
tadas no chão duro, observando a grandiosidade da natureza ali em volta.
Atividades como essa, de reflexão e espiritualidade, são muito importantes para o
Clã Pioneiro. Você conhece melhor os colegas, vê como eles pensam na intimidade, vê
como eles se expressam quando envolvidos emocionalmente com alguma coisa, etc...
Aproveitem e explorem as potencialidades de atividades desse tipo!!! O retorno é
garantido!!! SERVIR!!

Fogo-de-Conselho de Grupo 6.7


Muitas vezes, em um Acampamento de Grupo, as atividades já estão definidas para
que seção as realizará. Digamos então que o Clã fique incumbido de organizar o Fogo-de-
Conselho!!!
Primeiro, achem um local propicio para o Fogo-de-Conselho (O local para o Fogo-
de-Conselho – 6.4), que comporte todo mundo do Grupo Escoteiro. Depois, verifiquem o
material que vocês dispõem no momento e o que pode ser improvisado, ou utilizado (bas-
tões de patrulha, bambu, pedaços de estopa, etc...). Façam uma lista de tudo e dividam-se
em equipes (O que são Equipes de Interesse – 16.1) para melhor organizar tudo. Por e-
xemplo:
- uma equipe cuida da montagem da fogueira e de outras coisas que dêem um
clima para o local (Efeitos, shows e outras “loucuras” – 6.11), como tochas i-
luminando o caminho, uma passagem através de um portal iluminado, velas no
chão, etc...
- outra equipe encarrega-se de avisar as seções se elas terão que preparar alguma
coisa para apresentar durante o Fogo-de-Conselho. Por exemplo, a seção dos lo-
binhos leva uma música, os sêniors levam uma esquete, as escoteiras levam uma

Página nº 55
piada, etc... Além disso, essa equipe de interesse prepara também músicas, pia-
das, esquetes e outras apresentações que o próprio Clã fará.
- a terceira equipe será composta por dois pioneiros, que atuarão durante o Fogo-
de-Conselho como “Apresentadores”. Eles irão junto as seções e coordenarão a
entrada e realização das atividades, as músicas, o tempo (muito importante!),
etc...
Enfim, se vocês planejarem bem, não terão problemas para realizar nada! As equi-
pes de interesse aqui sugeridas são exemplos, e podem ser alteradas livremente (usem a
criatividade!). Montem outras ou juntem essas e “arrebentem” o Fogo-de-Conselho!!
Lembrem-se também que a animação dos Pioneiros é muito importante, e estimulará
os outros elementos do Grupo Escoteiro a cantarem, brincarem, se divertirem, etc... Boa
atividade!! SERVIR!!

Fogo-de-Conselho Medieval 6.8

Quando somente o Clã estiver reunido em um Acampamento, façam a noite um Fo-


go-de-Conselho diferente! Façam um Fogo-de-Conselho Medieval!! Não que vocês tenham
que aprender músicas medievais, etc... mas sim que trabalhem temas da épocas das Cruza-
das, do rei Arthur, etc...
Com tudo pronto, façam o seguinte para diferenciar este Fogo-de-Conselho dos ou-
tros: Em vez de uma fogueira central, arranjem mais lenha e montem três, dispostas a uma
boa distância uma da outra em forma de triângulo, para que o Clã possa se reunir no centro,
com uma boa folga de espaço. Assim, vocês terão calor o tempo todo e de todos os lados,
além de uma ótima iluminação. E depois, com todos reunidos no centro, aproveitem, entre
uma apresentação e outra, para fazer alguma atividade de reflexão e espiritualidade, pois
combina bem com o momento!
E o que desenvolver durante o Fogo-de-Conselho? Bem, músicas que são desenvol-
vidas em outras ocasiões, piadas, etc... são uma boa pedida, mas tentem fazer algo baseado
no tema (Medieval) do Fogo-de-Conselho. Por exemplo, “imitações medievais” de pessoas
atuais, políticos (por exemplo tentando corromper um artesão, um tecelão), um Mestre Pio-
neiro Medieval (!), etc...
E que tal encenar “como seria um acampamento escoteiro no tempo medieval”?! É
simples, apenas planejem uma apresentação (nada comprido, 5 ou 10 minutos) e tentem
colocar elementos medievais engraçados (como Robin Hood roubando o miojo da janta,
Frei Tuck bebendo o vinho que seria utilizado na Investidura, o ataque aos mouros que foi
interrompido porque Ricardo Coração de Leão se perdeu seguindo sinais de pista deixadas
pelos Pioneiros, etc...)!! USEM A CRIATIVDADE!! Essa atividade põem em prova o co-
nhecimento que vocês tem, a imaginação e a capacidade de trabalhar e resolver um desafio
(no caso, o de bolar atividades relacionadas ao tema!)!!
Boa atividade, e divirtam-se na Idade Média!!! SERVIR!!

Página nº 56
Truques e Macetes 6.9

Aqui vão algumas dicas, que servem tanto para aqueles que já sabem fazer e organi-
zar um Fogo-de-Conselho quanto para aqueles que se encontram pela primeira vez reali-
zando um!
- Abuse de coisas que dêem um clima a mais no Fogo-de-Conselho. Tochas po-
dem ser facilmente feitas com alguns trapos, bambu (ou outra madeira grossa)
verde e um pedaço de arame ou até mesmo sisal. Mergulhe as tochas em uma
mistura de gasolina (ou querosene) e óleo queimado (pegue de graça em qual-
quer posto de gasolina) a 2 partes de gasolina para 1 de óleo. Você ainda pode
improvisar um caminho iluminado com tocos de vela (3 cm) presos dentro de
uma latinha de refri (encontradas , infelizmente, em praticamente qualquer trilha
ou local para acampar) cortada pela metade. Se não encontrar a latinha, cave um
buraco pequeno, de aprox. 10cm de profundidade e coloque a vela no fundo. As-
sim, ela não apagará e ainda iluminará o caminho.
- Procure dispor as pessoas que ficarão em volta da fogueira de modo que os me-
nores (geralmente lobinhos e escoteiros) fiquem no local de onde vem o vento.
Também procure não colocar ninguém no local para aonde sopra o vento, pois a
fumaça e fagulhas da fogueira irão voar e causar incômodo, prejudicando o a-
proveitamento do Fogo-de-Conselho.
- Sempre que perceber que a animação do pessoal está diminuindo, interrompa a
ordem das apresentações e execute aquele “truque” que está na sua manga. A-
quela música SUPER-agitada, aquela esquete SUPER-engraçada, etc... Não dei-
xe seu Fogo-de-Conselho “morrer”, ficando todos cansados, com sono, encos-
tados, etc... É característica de um bom animador saber manter sempre o “mo-
ral” do Fogo-de-Conselho alto!
- Falando em truques na manga, tenham sempre uma ou duas músicas bem diver-
tidas, e uma esquete curta e rápida, que possam ser executadas facilmente e que
animem todos na hora. Além disso, fiquem alertas para qualquer problema de úl-
tima hora, tipo alguém esquecer a música programada, alguém adoecer após a
janta (acreditem, acontece!), alguém ter medo de se apresentar na frente do Fo-
go-de-Conselho, etc... Compensem essas falhas com bom humor e simpatia, pa-
ra não ridicularizar a(s) pessoa(s) que está(rão) lá na frente.
Enfim, daria para escrever ‘n’ coisas como macetes, etc... mas o que realmente im-
porta é não deixar o ânimo cair, de forma que todos gostem de estar assistindo, de estar
participando, brincando, etc...!! SERVIR!!

Lamparadas 6.10

Bem, acontece que nem sempre o acampamento que planejamos sai naquele fim de
semana ensolarado e quente ... e sai justo nos dois únicos dias em que chove, chove e ...
chove!
Mas, nada de desânimo, é possível fazer algo divertido e interessante sem precisar
de uma fogueira queimando. São as lamparadas, que funcionam exatamente como um Fo-

Página nº 57
go-de-Conselho, mas são feitas em locais fechados, e com velas, lampiões e até mesmo
lanternas iluminando o ambiente!
Proceda IGUAL ao planejado com o Fogo-de-Conselho. As músicas, esquetes, jo-
gos, piadas, etc... a programação deve ser mantida (bem, digamos que adaptada fica me-
lhor!)! A única diferença é que em vez de uma fogueira ao centro, teremos outra fonte de
luz!
Quando do planejamento do acampamento (A escolha do local – 9.2) você obvia-
mente deve ter visto um local suficientemente grande para abrigar todos que irão participar
do Fogo-de-Conselho. Bem, a melhor idéia seria usar um lampião, e se alguém trouxe um
com carga, melhor ainda!! Se não há lampião, não se desespere, tente velas, muitas, acesas
em cima de um pedaço de madeira, com alguns matinhos em volta, formando um arranjo!!
As velas tem que ser em grande número, uma vez que a luz produzida por uma é pouca,
quando utilizada para iluminar uma apresentação com 30 ou 40 pessoas!! Ah, e deixe uma
parte do “estoque” perto, para substituir eventuais que acabem.
Durante uma lamparada, é importante que o clima, igualmente ao Fogo-de-
Conselho, nunca fique monótono e chato. Novamente entram as qualidades do animador.
Em último caso, se ninguém tiver lampiões ou velas, use uma lanterna, apontando para ci-
ma. Para dar a (falsa, é verdade!) idéia que vocês estão no meio do mato, improvise um
arranjo com pedaços de madeira, formando uma espécie de “fogueira” em torno da lanterna
(estilo fogueira de festa junina.!! SERVIR!!

Efeitos, shows e outras “loucuras” 6.11

Agora que vocês são “experts” em Fogos-de-Conselho, aí vão algumas coisas muito
malucas para serem feitas em seu Fogo-de-Conselho que irá causar uma excelente impres-
são em quem participar e ver!!
Consigam um fio de luz bem comprido, com 4 ou 5m, e descasquem em uma das
pontas, os dois fios em aproximadamente 10cm. Teremos então num lado duas pontas des-
cascadas (aparecendo o cobre). Peguem então cada fiozionho que compõe o fio grande (ele
é uma espécie de trançado) e abram como num leque. Peguem esses dois leques (um para
cada fio!) e espetem em um pedaço de bombril, de forma que todos os fiozinhos abertos
estejam em firme contato com o bombril.
Depois, cavem uma vala que sai da fogueira até um local um pouco mais distante.
Enterrem o fio nessa vala, ficando de fora só as duas pontas. Coloquem a ponta com o
bombril dentro da fogueira, ou montem a mesma sobre o bombril. Coloquem bastante ca-
pim seco, “grimpa” (como o pessoal do sul chama o galho do pinheiro!), gravetos secos,
etc... Com a fogueira montada, e todo mundo em torno da mesma esperando o Fogo-de-
Conselho começar, um dos Pioneiros, que está na outra ponta do fio, porta uma bateria,
dessas de 9 volts (quadrada). Antes disso, algum outro Pioneiro coloca álcool na fogueira,
para facilitar o acendimento. Lembrem ele de colocar bastante em cima do bombril e nos
gravetos.
Assim que o apresentador começar o Fogo-de-Conselho (ele pode dizer algumas pa-
lavras, “filosofar” um pouco, etc...) ele dirá uma palavra combinada com o Pioneiro que
porta a bateria. Quando falar a palavra (tipo: “que venha o poder mágico dos Pioneiros e
acenda esta fogueira....AGORA!”), ele liga a bateria nas duas pontas do fio de luz e segura
ligado. A corrente que passará pelo bombril vai criar várias fagulhas, o que irá atear fogo

Página nº 58
no álcool e acender a fogueira!!! Tudo isso sem ninguém chegar perto da mesma!!! Dica:
testem antes!!!
Se não der para conseguir tudo, consigam ao menos um pedaço grande de sisal, um
cano de PVC ou potinho de iogurte e alguns panos velhos, molhados com álcool ou gasoli-
na. Montem a fogueira e prendam, bem no centro, o sisal (prendam firme!). Depois, levem
a outra ponta do sisal para o alto de uma árvore.
Antes de prender lá em cima, cortem o fundo do pote de iogurte (ou usem o PVC) e
prendem nele uma tocha (pedaço de madeira com os panos velhos embebidos na gasolina),
e passem o sisal. Prendam o sisal bem alto (ele tem que ficar bem inclinado), e quando o
Fogo-de-Conselho começar, um “sortudo” que estará no alto da árvore, ao escutar a “pala-
vra-chave” vinda do apresentador, acenderá a tocha, e lançará ela sisal abaixo, em direção à
fogueira. Quando a tocha bater nela, a fogueira acende (ela deve ter também um pouco de
gasolina – e não se preocupe, não irá explodir (sério)) e o espetáculo de ver uma labareda
descer da árvore e acender a fogueira é sensacional!!
Além dessas duas sugestões, improvisem alguma coisa com fogos de artifício (es-
tourando ao lado de um lago quando o Fogo-de-Conselho acabar), tochas (presas no chão
formando uma escadinha, ao se acender uma, acende-se a seguinte, a seguinte, etc..., for-
mando uma espécie de trilha para ser seguida (as tochas tem que estar juntinhas!)), etc...
Inventem e tornem seu Fogo-de-Conselho ainda mais animado e divertido!!! SER-
VIR!!

Segurança e Proteção 6.12

Então, fazer um Fogo-de-Conselho é bacana, cheio de efeitos e luzes, com muitas


coisas pegando fogo e soltando faíscas. Mas,.... e a segurança?
Lembre-se que em muitos dos Fogos-de-Conselho que você participou, ou organi-
zou, tínhamos lobinhos, as vezes pessoas da comunidade, etc... E esse pessoal nem sempre
tem noções de segurança. Como a atividade compreende um certo risco (por trabalharmos
com fogo, gasolina, óleo queimado, etc...) é necessário que um Pioneiro, ou uma equipe de
interesse de segurança (16.1), fique responsável por providenciar a segurança “preventiva”
(medidas que evitam acidentes) e a segurança “ativa” (o que fazer quando um problema
acontece ou quando a atividade já começou). Detalhando:
Segurança Preventiva: O que você pode fazer antes do Fogo-de-Conselho começar,
que possa ajudar a evitar acidentes. Exemplos:
- Verificar o local da fogueira, vendo se o capim em torno dela pode ou não se
queimar e propagar o fogo. Se sim, eliminar o capim ou molha-lo freqüentemen-
te.
- Treinar todo o pessoal que for participar do Fogo-de-Conselho, sobre o uso de
materiais inflamáveis, roupas não muito “esvoaçantes” (longas, sob risco de to-
car as labaredas), colocação de lenha, etc...
- Manter um ou dois Pioneiros que tenham conhecimentos em Primeiros Socorros
prontos para agir, em caso de emergência, com material apropriado.
- Colocar, junto à fogueira, cobertores pesados para abafar o fogo, e um extintor
de incêndio, com carga.
- Ter um esquema de remoção para algum hospital ou posto de saúde próximo.

Página nº 59
Segurança Ativa:
- Manter todas as pessoas a uma distância segura da fogueira e das labaredas.
- Manter a pilha de lenha sempre organizada e não muito próxima da fogueira.
- Providenciar uma rápida evacuação caso tenha algum problema de intoxicação
(fumaça) ou queimadura.
- Evitar que pessoas alheias à organização da fogueira mexam no fogo e/ou na pi-
lha de lenha.

Bem, tudo o que foi dito é para apenas ajudar vocês a fazer uma programação de se-
gurança para um Fogo-de-Conselho. Informem-se com pessoas da área de segurança e fa-
çam visitas, programem palestras, etc... Mantenham-se atualizados e executem esse tipo de
esquema não só em Fogos-de-Conselho, mas em atividades náuticas, passeios, acampamen-
tos, etc... Segurança nunca é demais!! SERVIR!!

Sugestão de Programação I 6.13

Aqui vai agora uma programação para um Fogo-de-Conselho do Clã Pioneiro. Di-
gamos que todos os Pioneiros se dividam em 3 equipes responsáveis pela diversão (músi-
cas, etc...) mais um ou dois Pioneiros animando.
- 9h00 - Início do Fogo-de-Conselho. Animadores executam uma música animada
para “quebrar o gelo” e iniciar a festa. Acendimento da Fogueira.
- 9h10 - Equipe 1 apresenta uma esquete.
- 9h25 - Equipe 2 apresenta uma música
- 9h30 - Animador executa algum tipo de atividade mística ou cultura, como a lei-
tura de um texto, uma história, ou a observação de algum lugar (céu, montanha,
etc...) em que todos a farão em silêncio.
- 9h45 - Equipe 3 apresenta uma esquete.
- 10h00 - Equipe 1 apresenta uma música
- 10h05 - Mestres apresentam uma piada, ou uma esquete.
- 10h20 - Animadores realizam uma brincadeira, ou algum tipo de recreação en-
volvendo todos.
- 10h30 - Equipe 2 apresenta sua música
- 10h35 - Equipe 3 apresenta sua esquete.
- 10h50 - Animadores realizam atividade de reflexão, sobre um tema previamente
escolhido, e aprovado pelos Mestres (importante!)
- 11h00 - Todos entoam a Canção do Clã (Canção do Clã – 5.1) para marcar a
participação dos Pioneiros no Fogo-de-Conselho.
- 11h05 - Avaliação, ao pé da fogueira, sobre o Fogo-de-Conselho.
- 11h20 - Momento dos Mestres
- 11h30 - Cadeia da Fraternidade
- 11h40 - Encerramento do Fogo-de-Conselho.

A idéia básica, o esqueleto do Fogo-de-Conselho é esse, e pode ser usado como base
para outras atividades a serem programadas. Criem muito, e façam atividades cada vez
mais divertidas e construtivas!! SERVIR!!

Página nº 60
Sugestão de Programação II 6.14
Aqui vai outra sugestão de programação, dessa vez, sem a formação de equipes. É
necessário que tenham dois ou três animadores, para um total de até 50 pessoas (essa pro-
gramação pode ser usada para um Fogo-de-Conselho de Grupo).
Essa programação pode também ser usada para um Fogo-de-Conselho temático, ou
baseado em alguma história, etc...
- 8h00 – Acendimento da Fogueira (Efeitos, shows e outras loucuras – 6.11) e i-
nício do Fogo-de-Conselho
- 8h05 – Animadores convidam todos para cantar uma música bem animada.
- 8h10 – Animadores convidam o primeiro grupo de pessoas que tem esquete
pronta para apresentar.
- 8h25 – História. Essa história, encenada e contada pelos Pioneiros e Mestres,
pode ser relacionada a algum acampamento, alguma lembrança da fundação do
Grupo Escoteiro, algum fato histórico, etc...
- 8h45 – Música animada.
- 8h50 – Esquete de outro grupo de pessoas.
- 9h05 – Animadores contam (ou encenam) uma piada.
- 9h15 – Dinâmica de Grupo. Aonde todos tentam obter a maior quantidade de in-
formações de seus amigos apenas usando de mímica. Ao final, é deixado um
tempo para aqueles que quiserem, possam expor suas conclusões sobre o que
conseguiram entender ou aprender sobre os amigos.
- 9h35 – Animadores comandam uma atividade de reflexão, sobre o ambiente que
os cercam, sobre o calor da fogueira, o frio da noite, etc... Tentar fazer essas
comparações utilizando elementos locais (luz x escuridão, calor x frio, etc...)
- 9h50 – Música
- 9h55 – Esquete dos Mestres e animadores
- 10h10 – Momento dos Mestres
- 10h20 – Cadeia da Fraternidade
- 10h25 – Encerramento

Tomem por base esse Fogo-de-Conselho quando forem executar um em um Acam-


pamento de Grupo, ou outra atividade grande. Variem bastante as atividades, tentando tor-
ná-las ainda mais atraentes, criativas e interessantes. Divirtam-se!! SERVIR!!

Sugestão de Programação III 6.15

Essa programação é um pouco diferente das duas anteriores (6.14 e 6.15). Ela difere
por não ter uma sugestão de horário inicial, e pela natureza das atividades, aonde quem
anima o Fogo-de-Conselho são os próprios elementos dele, que “assumem” o comando e
“tocam” a atividade!!
- Início – Música para descontrair, seguida de um jogo rápido ou brincadeira, a-
onde todos participam.

Página nº 61
- 1ª esquete – Antigos Acampamentos – Nessa esquete, juntam-se três ou quatro
participantes, e atribuem-se a eles os nomes de outros elementos do Clã. Depois,
escolhendo-se um acampamento passado, aonde uma situação cômica ou inte-
ressante aconteceu, os “atores” tentam recriar aquela situação, só que interpre-
tando o papel de outros Pioneiros (daí o porque de se atribuir os nomes de outros
Pioneiros, pois assim eles poderão imitar o verdadeiro naquela situação engra-
çada).
- Música com as Mãos – Em silêncio, tentem repetir “jingles” e músicas tema de
desenhos animados, comerciais, etc..., somente batendo as mãos. Experimentem
melodias como as do “Marinheiro Popeye”, para “aquecer”, e depois partam pa-
ra outras mais complicadas. Dica: se o seu Clã tem uma música (Música do Clã
– 5.7), tentem dar o ritmo dela com palmas!
- 2ª esquete – Essa esquete é muito parecida com o jogo Imagem & Ação. Um a
um, os Pioneiros vão à frente da fogueira (ou do lampião!) e fazem uma mímica
satirizando (reparem, é satirizando, não ridicularizando!) algum Pioneiro do clã,
ou algum Mestre. Quem acertar ganha um ponto, ou algo do gênero. Valem
também imitar situações de acampamentos passados, Vigílias, Mutirões, etc...
- Momento Cultural – Alguém vai à frente da fogueira e conta uma história, ou re-
lata uma situação vivida, conta alguma coisa relacionada ao Clã Pioneiro, expõe
a origem do Clã, as dificuldades iniciais, etc...
- Música Escoteira – Botem a língua para fora e entoem aquela canção bem agita-
da, para espantar o frio e o sono, do mesmo jeito que vocês faziam quando eram
sêniors ou escoteiros!!!!
- Pré-Encerramento – Com muita música e dança, deixe seu Fogo-de-Conselho
com muita animação e diversão. Nesse momento, cada um pode falar algo sobre
alguma coisa que sentiu ou percebeu durante a atividade. Batam palmas, gritem,
liberem todas as energias!!!
- Reflexão para o Encerramento – A vez é dos Mestres Pioneiros. Preparada com
antecedência, todo Fogo-de-Conselho deve ter um momento para uma busca
mais profunda de algo, para uma reflexão, um pensamento dirigido a alguma
coisa. Os Mestres podem pedir aos Pioneiros para eles deitarem, ou ficarem dois
a dois um de costas para o outro, ou ainda para manter os olhos fechados.

Essa é a sugestão de Fogo-de-Conselho “meio alternativo”. Busquem colocar ativi-


dades ainda mais variadas e que enfoquem temas bem dirigidos. Assim, seu Clã e os Pio-
neiros crescerão muito, amadurecendo e trabalhando bem a mente e a opinião!!! SERVIR!!

O que é a Pré-Vigília (Vigília Pioneira) 7.1

Todo ano, perto da data aonde é comemorado o Dia do Pioneiro, Clãs de todo o
país reúnem-se para fazer a Vigília Pioneira, ou Pré-Vigília, como também é chamada.
Essa atividade, visa sempre um aprofundamento espiritual, social, crítico e pessoal
de seus participantes. Durante a Vigília Pioneira, Pioneiros e Pioneiras juntam-se para rea-
lizar diversas atividades, que vão de jogos e brincadeiras a debates, discussões e reflexões.

Página nº 62
Essas atividades, junto com as atividades de Serviço Comunitário, são as que me-
lhor caracterizam o Ramo Pioneiro, e o Pioneiro em si. Tudo o que ele aprende, discute,
escuta e aplica, pode ser usado nessa atividade. Todas as atividades da Pré-Vigília devem
enfocar, em algum ponto ou sobre algum aspecto, o tema escolhido, que pode ser definido
pelos Pioneiros e/ou pelos Mestres.
A Pré-Vigília é, quando bem planejada e executada com seriedade (sem dispensar
um toque de alegria e descontração!), a melhor atividade que um Clã Pioneiro pode partici-
par!! SERVIR!!

O que esperar de uma Pré-Vigília 7.2

Muitas coisas acontecem em uma Pré-Vigília, e elas variam de um Clã para outro
“brutalmente”. Existem Clãs que realizam sua Pré-Vigília em 3 ou 4 horas. Outros progra-
mam atividades que começam com o anoitecer e vão noite a dentro até o amanhecer (e sem
perder o pique!!).
Vocês podem esperar todo tipo de atividade, música e brincadeira (sim, a Pré-
Vigília não precisa ser tão séria assim, há momentos de muita descontração!), nas mais va-
riadas formas. Se a atividade for bem planejada, tudo o que acontecer terá como tema o
tema da Pré-Vigília, ou enfocará temas relacionados.
Durante a Pré-Vigília, é natural que ocorram debates e discussões, e cabe aos Mes-
tres, ou ao Pioneiro encarregado dessa atividade, conduzi-la de forma a sempre ficar enfo-
cando o tema principal.
Também ocorrem situações em uma Pré-Vigília onde a emoção vem a tona. São
filmes, discussões, fotos, etc... que acabam mexendo com o sentimental de cada Pioneiro.
Atividades assim, aonde se explora bem os sentimentos, tem que ser muito bem programa-
das e conduzidas, para que se tornem benéficas e construtivas para todos. Se tudo for bem
feito, é natural que tenhamos depois um monte de Pioneiros “chorando”, expondo seus la-
dos mais íntimos para todos (isso mostra o alto nível de sentimentalismo e amizade que
envolve uma Pré-Vigília.)
Enfim, espere realizar de tudo em uma Pré-Vigília!! Desde uma fogueira até cozi-
nhar um macarrão, passando por uma sessão de fotos e um círculo de debates!!!!! Aprovei-
tem, programem com cuidado e divirtam-se noite a dentro!!! SERVIR!!

A programação de uma Pré-Vigília 7.3

A parte mais delicada de uma Pré-Vigília é a sua programação. Como é uma ativi-
dade que irá mexer com muitos sentimentos, terá muito senso crítico e debates, se for feita
uma programação mal-estruturada, tudo estará perdido.
A “receita do bolo” para uma Pré-Vigília é a diversidade. Varie ao máximo os tipos
de atividades que serão desenvolvidas. Programe assim:
- Faça uma lista com tudo o que vier a cabeça (tudo!!!). Não hesite em colocar
nada, pois nessa primeira “fase” o que importa é a quantidade. Se vier a cabeça
“catar formigas”, não tem problema, escreva na folha essa atividade.

Página nº 63
- Depois de tudo escrito, verifique o local aonde a Pré-Vigília será realizada. Se é
uma casa, o próprio Grupo Escoteiro, uma chácara, etc.... Tendo essa confirma-
ção, risque da folha as atividades que não possam ser realizadas por causa do lo-
cal (não há formigas lá!).
- A seguir, risque as atividades que são parecidas, por exemplo um debate e uma
discussão....
- Pronto!!! Com o que sobrou (que não devem ser poucas atividades!), você já
tem material suficiente para programar bem sua Pré-Vigília. A dica final: VA-
RIE bastante a programação!! Coloque debates, palestras, jogos, músicas, inter-
valo para comida, etc.... bem intercalados uns com os outros.
A atividade de explorar ao máximo a atividade é muito interessante, e serve não só
para a Pré-Vigília. Ela é baseada na idéia de que “da muita quantidade, aparecerá alguma
qualidade”. Ela é chamada “Brainstorm” , algo como “tempestade cerebral”, e é usada por
executivos para gerar idéias, produtos, etc... É um interessante exercício da mente, que po-
de muito bem ser aplicado para bolar a programação de uma Pré-Vigília.
Após essa atividade de geração de idéias, tente organizar tudo o que você escreveu
em grupos, apenas para ver se você variou bem as atividades a serem executadas. A chave
da Pré-Vigília é a variedade, aplicada a um tema pré-definido, logo, os grupos a seguir são
apenas algumas sugestões para você agrupar ou mesmo criar uma atividade para sua Pré-
Vigília:
- debates e discussões
- músicas
- jogos de tabuleiro
- técnicas escoteiras
- gincanas intelectuais
- introspecção e sentimentalismo
- brincadeiras

E muito mais!!!! Ah, e tenham sempre uma ou outra atividade de “reserva” para o
caso de alguma delas tornar-se chata e demorada! Pare essa atividade e recomece com a
outra, para o pessoal não perder o pique!!
Criem e tornem sua Pré-Vigília muito animada e passível de se tornar uma lembran-
ça por muitos e muitos anos!!! SERVIR!!

Atividades Recreativas 7.4

Bem, direcionando um pouco mais as idéias, vamos falar de Atividades Recreativas


que possam ser utilizadas em uma Pré-Vigília.
Por Atividades Recreativas, entendam atividades que sirvam para entreter o pessoal,
não importa que tipo, desde as simples e infantis até as mais elaboradas. Para divertir mes-
mo!!! São ótimas após uma discussão acalorada sobre algum tema polêmico (que deve ser
ou é relacionado ao tema da Pré-Vigília!!!), ou após uma atividade que tenha tido muito
sentimentalismo, “choro” (é normal acontecer de alguns Pioneiros e Pioneiras chorarem
durante algum dos trabalhos). Como exemplos:
- jogar o jogo Imagem & Ação

Página nº 64
- dança das cadeiras
- mímica
- ver fotos de antigas atividades (e Pré-Vigílias) e lembrar de “causos”
- jogar algum outro jogo de tabuleiro
- jogar baralho (dorminhoco com o castigo da rolha!)
Para deixar ainda mais engraçado, revezem as equipes. Façam ora homens X mulhe-
res, ora Mestres X Pioneiros, Investidos X não-Investidos, etc.... e brinquem com as situa-
ções o tempo todo (“como você não percebeu que esse desenho é uma casa??????????”),
tirando sarro (lógico, para descontrair, e não para humilhar) das situações que ocorrem!
O importante é terem atividades que sejam engraçadas, divertidas, etc..., e que con-
sigam descontrair todos!!! Boa diversão!!! SERVIR!!

Atividades Escoteiras 7.5

Bem, em uma Pré-Vigília há espaço para desenvolver algumas atividades voltadas,


ou melhor, com ênfase, em técnicas escoteiras. E tudo isso sem precisar fugir muito do te-
ma da atividade.
Pois bem, durante a Pré-Vigília, vocês podem dar alguns, em algum momento, a-
destramentos em Técnicas Escoteiras, como por exemplos nós, amarras, construção de pio-
neirias, cozinha de acampamento, etc... E, depois de assimilar o que foi ensinado, podem
aproveitar e tentar conquistar alguma etapa de alguma Insígnia.
Para a Insígnia Pioneira, uma etapa a ser conquistada é a de construir uma pioneiria
de médio porte. Os Pioneiros que já tiverem a Investidura, podem se reunir e montar uma
mesa, aonde será servido o jantar; podem montar um estrado, aonde o resto do Clã se reuni-
rá para confraternizar, conversar, etc...
Existem inúmeras coisas que podem ser feitas e que se baseiam em Técnicas Esco-
teiras. Por exemplo:
- Montar uma Falsa-Baiana, aonde todos tem que passar para irem a um mirante,
observar o pôr-do-sol.
- Montar uma fogueira grande, que iluminará uma conversa ao pé do fogo, uma
reflexão.
- Construir, usando palitinhos de churrasquinho (aqueles mais longos) e fio de
costura, maquetes de grandes Pioneirias (como pontes, torres de observação,
barracas, mastros, mesas, etc...) em silêncio. Ninguém pode conversar! Todos
tem que ficar em silêncio e quem não sabe tem que aprender a fazer apenas ob-
servando os outros montarem (essa atividade desenvolve percepção).

Enfim, é só uma questão de imaginação. Podem ser trabalhadas as Leis e a Promes-


sa Escoteira, As Virtudes Pioneiras, outros adestramentos (técnicas de marinharia, técnicas
aeronáuticas, etc...) e por aí vai. Se tudo for bem planejado, sua Pré-Vigília será algo mais
que um encontro, será uma verdadeira escola!! SERVIR!!

Página nº 65
Atividades Espirituais 7.6

Por Atividades Espirituais entendam aquelas atividades que envolvem trabalhos,


discussões, e reflexões sobre temas, idéias e pensamentos mais profundos. Envolve traba-
lhar com elementos da natureza, elementos religiosos, etc...
Essa talvez seja a atividade mais difícil de se programar, pois nem todos tem as
mesmas idéias e opiniões sobre o que se está discutindo. O que pode ser trabalhado em uma
Pré-Vigília são principalmente as reflexões. Levem os Pioneiros para algum lugar propício
(a beira de um lago, vendo o pôr-do-sol (é lindo, experimentem fazer algo nesse local!), de
manhã cedo, ainda com a névoa do amanhecer, etc....) e peçam que, em silêncio e com os
olhos fechados, todos busquem perceber o máximo de sons que vêm do ambiente que os
cerca.
Depois, reuna todos sentados, um de frente pro outro, e discutam que tipo de sensa-
ção eles experimentaram, que tipo de sons perceberam e se conseguiram identificar o que o
gerou. Para a atividade ficar mais profunda, mais espiritual, leia, enquanto todos ficam com
os olhos fechados, trechos de algum livro de pensamentos, da Bíblia (cuidado, nem todos
tem a mesma religião, e alguns podem se aborrecer com isso), etc... Repita a atividade, em
um outro momento, em outro lugar (dentro de um galpão, em volta de uma árvore, etc...) e
depois comparem as duas experiências.
Atividades Espirituais são muito bem vindas em uma Pré-Vigília. Trabalhá-las exi-
ge certo cuidado e atenção, mas os resultados compensam pela ligação cada vez mais ínti-
ma que você terá com seu irmão Pioneiro!!! SERVIR!!

Atividades Intelectuais 7.7

Aguçar a intelectualidade é muito fácil de ser feito numa Pré-Vigília. Principalmen-


te se for feito através de um jogo. Vocês podem estabelecer desafios, envolvendo conheci-
mentos sobre escotismo, preservação, etc, e estipular pontos para quem os atingir.
Além disso, atividades como “jogo da memória”, Master, etc... também são boas
pedidas. Eles além de entreter, servem como estimulante para a memória, raciocínio, etc...
(peça a algum psicólogo alguma ajuda ou esclarecimento sobre isso).
Ao ar livre, vocês podem promover uma caminhada, e durante a mesma, irem citan-
do plantas, pedras diferentes, animais, etc... que forem observados. Após o término, senta-
dos, tentem relembrar tudo o que foi falado, e a ordem. E comentem sobre os “objetos”. Por
exemplo, foi citado um coelho, aquele Pioneiro que faz Veterinária pode dizer alguma par-
ticularidade do coelho, alguma coisa interessante sobre ele, etc... Foi citada a fumaça de
uma chaminé, e o Pioneiro que faz Química pode dizer o que compõe uma fumaça, como
ele surge, etc.... E por aí vai, sempre um enriquecendo o comentário do outro.
Ao final, vocês podem escrever em um caderno as conclusões a que chegaram, enri-
quecendo com a maior quantidade de informações os “objetos” observados na caminhada.
Em outra Pré-Vigília vocês podem pegar esse caderno e completá-lo com novas observa-
ções, etc... SERVIR!!

Página nº 66
Hora do Rango! 7.8

Ninguém é de ferro, e todos precisam comer!!! Dependendo da duração de sua Pré-


Vigília, você pode preparar um pequeno lanche, ou mesmo um jantar completo!
Programem com todos no Clã o que cada um vai levar, e sejam criativos: doces,
bolos, salgadinhos, refrigerantes, tortas, etc... Isso se for para ter um(ns) lanche(s). Caso
tenha um bom jantar, preparem massas, molhos, assados, etc... E, ainda na opção de jantar,
aproveitem a hora de preparar a comida para fazer uma ótima sessão de culinária, aonde
todos cozinham, descascam legumes, cortam carnes, etc...
A hora da alimentação é importante não só para o pessoal comer e recarregar suas
energias, mas também para manter o moral alto. Mesmo que você programe somente ativi-
dades empolgantes, interessantes e divertidas, em algum momento alguém ficará com sono,
ou cansado, ou sem ânimo. E, são nesses momentos que deve ser feita uma pausa, e uma
providencial refeição (ou lanche) executada.
Assim, você garante que todos vão se manter alertas e dispostos a continuar as ati-
vidades de sua Pré-Vigília!! SERVIR!!

A vez dos Mestres Pioneiros 7.9

Devido à sua (suposta) experiência em atividades escoteiras e mesmo de vida, os


Mestres Pioneiros são peças chaves em Pré-Vigílias.
A eles cabem a preparação, e execução, das atividades em que um envolvimento,
uma utilização maior da sensibilidade, espiritualidade e pensamento sejam necessárias. Os
Mestres podem escolher os temas da Pré-Vigília, levando em as sugestões dos Pioneiros e
acontecimentos sociais, econômicos, culturais, etc... que o Clã está vivenciando no momen-
to.
Os Mestres ficam livres para preparar discussões, apresentações, músicas, palestras,
etc... para os Pioneiros. Podem inclusive pedir a eles para cada um organizar algo para a-
presentar durante a Pré-Vigília. Levar material para ser divulgado, lido ou debatido é uma
boa idéia. Textos clássicos, artigos de jornais e revistas, desde que os Mestres já o tenham
trabalhado ou estudado, também dão bons resultados. É fundamental, nesse ponto, que os
Mestres estejam cientes que estão na Pré-Vigília para ajudar o seu desenvolvimento, enri-
quecendo a mesma.
Com Mestres desempenhando bem o papel de orientar, sugerir atividades e ensinar,
a Pré-Vigília será cada vez mais uma atividade onde o Pioneiro pode expressar, conversar,
debater e confraternizar de um modo único, especial. Caprichem Mestres!!! SERVIR!!

Página nº 67
Temas para uma Pré-Vigília 7.10

Existem uma profusão enorme de temas que podem ser usados para direcionar as
atividades, discussões e trabalhos de uma Pré-Vigília. Vocês podem inclusive num momen-
to escolher um tema, e no dia da vigília mudar ele para outro!!
Acontece, que essa troca não deve ser feita se o Clã simplesmente “não gostar do
tema”!! Lembrem-se, quanto mais difícil vocês acharem que é alguma coisa, mais retorno
vocês terão quando realizá-la corretamente. A troca (ou adaptação) de um tema deve ser
feita após Conselho de Clã com a participação dos Mestres. A eles deve ser dada, nesse
caso, a palavra final para decidir se vale a pena escolher outro tema, ou modificar o atual.
Caso fique decidido por modificar o tema, tenham em mente que a escolhe não deve
ser aleatória, ao acaso. Vocês podem começar avaliando a atual situação social do país, ou
de seu estado, ou de sua cidade. Fatos que aconteceram a pouco tempo, e que deixaram
profundas marcas na sociedade. Caso não consigam nada, tentem temas maiores, que bus-
quem a relação do Homem com o meio que o cerca. Veja alguns exemplos:
- Fome e suas Conseqüências Sociais
- Desastres Naturais e Artificiais (Inundações, desabamento de prédios, etc...)
- O homem e seu papel de Agente Modificador
- Como um Clã Pioneiro pode contribuir com sua Comunidade
E por aí a fora! Existem muitas formas de se trabalhar numa Pré-Vigília, e cabe ao
Clã decidir qual será a melhor forma!! Escolham o tema (se o que a UEB-DN sugerir não
for apropriado à realidade de vocês) e trabalhem bem, com atividades ricas, variadas, inte-
ressantes, construtivas e divertidas!!! SERVIR!!

Discussões e Debates 7.11

Uma das atividades mais polêmicas, e que geram mais resultados, em uma Pré-
Vigília, são os debates e discussões. Existem duas maneiras de realizar esse tipo de ativida-
de. A primeira é apresentando o tema (polêmico, ou que dê margem a uma boa discussão!)
e cada um dando sua opinião, aleatoriamente, e apresentando fatos ou idéias que justifi-
quem o seu ponto de vista.
A outra, que gera mais trabalho “mental” (e por isso é mais indicada), é dividindo os
Pioneiros em 2 grupos, sobre um mesmo tema. Então, através de um mediador (outro Pio-
neiro ou o Mestre), um dos grupos defende seu ponto de vista sobre o tema, enquanto o
outro ataca (entendam atacar e defender como, por exemplo, rejeitar aceitar o que o um
grupo diz e forçar o outro a aceitar). Depois, os dois grupos trocam de “opinião”, e quem
era a favor, fica sendo do “contra”.
O interessante é que quem “ataca” e “defende”, nem sempre tem sua própria opinião
concordando com a do grupo em que está. Por exemplo, um Pioneiro é a favor da, digamos
como exemplo, pena de morte. E ele está, inicialmente, no grupo dos que são contra a pena
de morte. Logo, ele terá que usar de toda a sua capacidade de persuasão, de compreensão e
explanação para ser “contra” a pena de morte, mesmo que ele não acredite, ou não concor-

Página nº 68
de com isso!!! Depois, com a troca de “partido” dos grupos, ele estará do lado dos que fo-
rem a favor, e poderá usar de suas idéias e convicções.
Outro tipo de discussão que dá bons resultados, é cada Pioneiro levar um assunto,
ou alguns, para serem expostos ao Clã. Durante a Pré-Vigília, ele exporá o seu assunto, e
perguntará a opinião de todos, debatendo e trocando idéias sobre o assunto explanado. A-
pós isso, outro Pioneiro tem a vez e apresenta seu assunto, até que todos terminem.
Após todas as apresentações e discussões, conversem entre si e vejam quem levou o
tema mais polêmico, ou o que gerou mais discussão, etc...!! E tentem verificar os erros (te-
ma que não dava margem a discussão, ou que não era interessante) para futuramente corri-
gi-los, e terem sempre boas discussões!!! SERVIR!!

Outras Atividades 7.12

Bem, e o que mais pode ser feito numa Pré-Vigília, além de debates, discussões,
jogos, etc...? Aí vão algumas sugestões:
- realizar alguns trabalhos manuais, como pintar com as mãos, colar macarrão em
papel, etc... (sim, são atividades um tanto quanto, “infantis”, mas vocês verão
que elas são bem interessantes!), tentando formar algum desenho (tentem fazer
uma forquilha pioneira gigante!!)
- assistir um filme nacional, valorizando a produção do cinema nacional. Existem
diversos títulos, alguns que tem paralelo em livros (livros do cangaço, sobre a
seca, sobre as grandes metrópoles, etc...)
- aproveitar a oportunidade de estarem juntos, e vejam a possibilidade de o seu
Clã confeccionar uma camiseta personalizada, com o apelido de todos e um em-
blema ou distintivo que caracterize o Clã. Discutam formas, cores, etc... e ten-
tem fazer algo bem bacana, que identifique bem seu Clã.
- Caso seu Clã não tenha uma música (5.7 – Música do Clã), ou uma canção que
tenha na melodia passagens referentes a seus elementos, referentes a antigos a-
campamentos ou referentes a antigas “besteiras” feitas pelo Clã (alguém que es-
queceu a comida, molhou a roupa, etc...), essa é uma boa hora para começar a
ensaiar. Vejam um Pioneiro que tenha noções de música, e com ele discutam
utilizar o ritmo de alguma outra música conhecida, ou elaborar um novo, e como
colocar a letra nesse ritmo.
- Tirem fotos durante a Pré-Vigília, para cada atividade que vocês fizerem. Mas
não façam pose, tirem fotos durante os trabalhos, de forma que a expressão de
todos seja espontânea. Peguem fotos de todos e em todas as poses: chorando,
rindo, discutindo, brincando, comendo, etc...
Existem mais sugestões de atividades (inventem!!), e cabe ao Clã ver em que horá-
rio realizar elas, e quais serão. Vejam para que a programação não fique com “espaços”
entre as atividades principais, e coloquem nessas lacunas essas pequenas sugestões de ati-
vidades, que o resultado geral será o melhor possível!!! SERVIR!!

Página nº 69
Avaliação Final - Erros e Acertos 7.13

Ao final de uma Pré-Vigília, convém reunir todo o Clã, por mais cansados que todos
estejam, para fazer uma avaliação.
Comentem quais atividades foram produtivas, quais foram improdutivas (ou não
atingiram seus objetivos), quais merecem ser repetidas em outra oportunidade, quais devem
ser revistas, etc...
Todos devem dar sua opinião, inclusive os Mestres Pioneiros. Aos Pioneiros que
apresentaram alguma atividade, organizaram algum trabalho ou que tiveram participação
ativa na organização e desenvolvimento da Pré-Vigília, devem falar como é a experiência
de ensinar, ministrar, coordenar uma atividade direcionada a faixa etária que compreende o
Clã Pioneiro. Os outros podem aprender muito com esse tipo de relato, e ficar incentivados
a procurar mais detalhes e partir para executarem suas próprias atividades.
A avaliação de uma Pré-Vigília é muito importante, pois com o passar do tempo,
essa avaliação gerará subsídios para que futuras Pré-Vigílias tenham cada vez menos ativi-
dades desinteressantes.
Com a avaliação, seu Clã irá ter material para analisar por muito tempo, repetindo
atividades que não deram certo durante a Pré-Vigília em outras situações, até que a mesma
“funcione”!!!
Façam tudo com calma, responsabilidade e senso crítico, e não fiquem chateados
com a resposta que receberem de seus colegas, pois a crítica deles é só para ajudar você a
realizar atividades cada vez melhores, divertidas e interessantes!! SERVIR!!

Programação I - Sugestão 7.14

Aqui vai uma sugestão de programação para uma Pré-Vigília, a hora de início é às
8h00, quando já está escuro, indo até às 12h00, quando muda o dia.
As atividades aqui descritas são sugestões, e podem (DEVEM!) ser alteradas de
acordo com as necessidades e disponibilidades de cada Clã. O roteiro que segue é só para
dar uma idéia de como organizar sua Pré-Vigília.
- 8h00 - Início da Pré-Vigília - atividade de entrosamento entre os Pioneiros.
- 8h10 - Música para acalmar os ânimos.
- 8h15 - Jogo de tabuleiro (Master, Imagem&Ação, Sem Censura, etc...), baseado
no tema da Pré-Vigília.
- 8h45 - Apresentação de Palestras, baseadas no tema da Pré-Vigília, de cada Pio-
neiro, ou por Equipes de Interesse (16.1).
- 9h45 - Pausa para um lanche, ou para uma rápida troca de ambiente (mudar de
ambiente para a próxima atividade).
- 10h00 - Atividade junto com os Mestres. Discussões sobre cartões contendo pa-
lavras relacionadas ao tema da Pré-Vigília. Cada Pioneiro pega um cartão, e fala
o que ele sabe sobre a palavra, sua interpretação, sua opinião, etc...
- 11h00 - Música para acalmar os ânimos (que devem estar acelerados!)

Página nº 70
- 11h05 - Debate sobre o tema principal da Pré-Vigília. Dois grupos são forma-
dos, cada um assume um ponto de vista sobre o tema, e começam a tentar impor
sua opinião. (Veja mais sobre essa atividade em Debates e Discussões - 7.11).
- 11h55 - Canção da Despedida
- 12h00 - Fim da Pré-Vigília. Grito do Clã.
Tendo essa programação por base, misturem tudo, alterem os horários e tentem criar
sua própria Pré-Vigília. Ou copiem tudo e sigam ao pé da letra. No começo, se seu Clã não
tem muita experiência, essa talvez seja uma boa idéia. Depois, esqueçam tudo o que está
escrito e programem sua própria Pré-Vigília, recheada de ótimas atividades e com doses de
divertimento e relaxamento!! SERVIR!!

Programação II - Sugestão 7.15

A próxima programação é para uma Pré-Vigília radical!! Ela começa cedo, logo
após o Sol se pôr, e só acaba quando o mesmo nasce de novo!! Para Pré-Vigílias assim,
looooongas, é melhor executá-la numa chácara, ou casa de campo, de algum Pioneiro ou do
Mestre.
- 7h00 - Início da Pré-Vigília - Atividade de entrosamento com todos os presen-
tes.
- 7h10 - Dinâmica de Grupo entre os Pioneiros. Algum Pioneiro prepara a dinâ-
mica, baseada no tema da Pré-Vigília.
- 7h40 - Jogo de tabuleiro (Master, Imagem&Ação, Sem Censura, Desfio, etc...).
Façam equipes, depois revezem e façam os "clássicos": Mestres x Pios e Pios x
Pias (Pioneiras)!
- 8h10 - Música Escoteira (bem agitada!).
- 8h15 - Atividade de Reflexão, através da leitura de um livro de pensamentos, ou
de uma poesia, ou de uma carta. Tudo relacionado com o tema da Pré-Vigília.
Após a leitura, cada um reflete por alguns minutos sobre o que escutou, sobre o
que pensa e sobre o que concorda ou discorda sobre o tema. Após essa reflexão,
todos, comentam, um de cada vez, sobre o que pensou durante a reflexão.
- 8h55 - Música Escoteira (bem agitada!).
- 9h00 - Preparação do Jantar, Jantar propriamente dito, lavagem da louça, etc...
- 10h00 - Atividade ao ar livre. Passeio pela chácara ou casa de campo, em silên-
cio, parando várias vezes pelo caminho para observar o meio a sua volta, os
sons, cheiros, luzes, animais, plantas, etc... Se possível, sem lanternas, ou com
um lampião (para dar clima!), na frente. Quando o que tem o lampião pára, to-
dos param e começam a observar o meio, comparando coisas que eles tem ali e
que outros não tem, como ar puro, calma, serenidade, luz das estrelas, etc...
- 11h00 - Fogueira. Após o passeio, todos chegam ao local aonde uma fogueira
(armada antes!) está pronta para acender. Os Mestres Pioneiros falam algumas
palavras, alusivas ao fogo, às estrelas, ao ambiente limpo e puro que os cerca,
etc... Na fogueira, momento de descontração geral. Todos conversam livremen-
te, contam piadas, fazem esquetes rápidas, etc... Não deixem a animação cair!!!
(Animando um Fogo-de-Conselho - 6.3).
- 12h00 - Com o fim da fogueira, todos voltam à casa. Inicia-se então um trabalho
por equipes, aonde todos, sob o tema da Pré-Vigília, refletem, discutem solu-

Página nº 71
ções, revelam problemas, citam experiências pessoais, etc... Equipes de 2 a 3
pessoas.
- 1h00 - Música Escoteira (bem agitada!!)
- 1h05 - Outro jogo de tabuleiro, ou alguma brincadeira do tipo "Kim", etc... usem
a criatividade!!
- 2h00 - Pausa para um lanche rápido!! Mantenham-se acordados!!!
- 2h30 - Quem precisa realizar alguma etapa de alguma insígnia, ou da Investidu-
ra, pode aproveitar agora. Relatórios de etapas, apresentação de resultados, dis-
cussão de algum artigo escoteiro, etc... Façam nesse período um Conselho de
Clã "diferente". Aproveitem para "lavar a roupa suja", sugerir mudanças no Clã,
sugerir modificações na programação, etc... Mas lembrem-se de não perder a
calma e a simpatia característica do Clã!!!
- 3h10 - Vamos lá, não percam o pique!!! De volta lá fora, cada Pioneiro procura
criar, utilizando material natural encontrado nas redondezas da casa, um arranjo
para levar de lembrança de volta para o Clã. Pode ser um arranjo com galhos,
folhas secas, pinhas, pedras, etc... Vale a imaginação de cada um, mas lembrem-
se, nada de pegar flores, folhas de árvores, etc.... (O escoteiro é bom para os a-
nimais e plantas)!!
- 3h40 - De volta a casa, os Mestres apresentam outra atividade baseada no tema
da Pré-Vigília. De preferência, alguma atividade bem dinâmica, pois o pessoal já
começa a apresentar sinais de "cansaço" a essa hora!!!
- 4h10 - Lanche rápido!!
- 4h25 - Música Escoteira (mais agitada ainda!!)
- 4h30 - Apresentação dos Pioneiros, onde cada um mostra fala, ou apresenta al-
guma coisa relativa ao tema da Pré-Vigília. Não precisa ser um discurso, ou uma
palestra completa. Apenas um texto contendo algum material preparado previa-
mente pelo Pioneiro
- 5h30 - Música Escoteira (para acabar!!!!)
- 5h35 - Avaliação final da Pré-Vigília. TODOS, Mestres e Pioneiros, comentam
sobe a Pré-Vigília. O tema foi bom, a atividade foi bem planejada, se foi muito
cansativa, se houve participação de todos, se alguém não gostou ou gostou pou-
co, se atingiu o objetivo, etc...
- 6h00 - Todos dirigem-se para fora, com cobertores para espantar o frio, e can-
tam, juntos, a Canção da Despedida (5.6), enquanto esperam para o Sol nascer.
ACABOU!!!!!!!!!!
Bem, fácil não é! Mas se todos participarem ativamente, mostrando interesse e par-
ticipação, a Pré-Vigília com certeza acontecerá até o nascer do Sol!!!! Estimulem uns aos
outros, aceitem o desafio de ficar quase 12 horas realizando atividades juntos!!! Vale a pe-
na!!!
Ah, e lembre-se que essa programação é uma sugestão, podendo ser encurtada ou
estendida(!)!!! Usem a cabeça e façam uma excelente Pré-Vigília!!!! SERVIR!!

Página nº 72
Programação III - Sugestão 7.16

Caso vocês tenham uma amizade muito forte com algum outro Clã Pioneiro ("Clãs
Irmãos" - 10.11), combinem, Mestres e Pioneiros, de fazer uma Pré-Vigília em conjunto,
sobre um mesmo tema combinado. Para simplificar, utilizem, para as atividades baseadas
no tema da Pré-Vigília, alguma das atividades descritas na idéia anterior (Sugestão de Pro-
gramação II - 7.15). A programação geral pode ser mais ou menos assim:
- 8h00 - Encontro no local onde a Pré-Vigília será realizada. Apresentação de to-
dos os Pioneiros e Mestres, música ou brincadeira "quebra-gelo"!
- 8h15 - Início da Pré-Vigília. Todos juntos, numa sala ou outro ambiente, comen-
tam o que esperam dessa Pré-Vigília, quais as dúvidas (que deverão ser respon-
didas pelo pessoal mais velho (diga-se EXPERIENTE!)) e ansiedades.
- 8h30 - Os Mestres, auxiliados pelos Pioneiros mais velhos, aplicam uma ativi-
dade baseada no tema da Pré-Vigília.
- 9h30 - Jogo de tabuleiro. Aqui valem também os "clássicos" Clã A x Clã B, Pi-
oneiros x Pioneiras, Mestres x Pioneiros.
- 10h00 - Música Escoteira.
- 10h05 - Atividade de Reflexão, como a leitura de um poema, livro de pensamen-
tos, artigo de jornal, etc... aonde todos, ao final, comentam sobre o que escuta-
ram e refletiram.
- 10h45 - Conversa entre os Clãs. Cada Clã expõe para o outro, como foram as
outras Pré-Vigílias que fez. E assim trocam experiências, sugestões de ativida-
des, e discutem a validade, o objetivo da Pré-Vigília, e como ela vem sendo feita
em outros Clãs. Vocês podem inclusive gerar algum texto, ou uma espécie de
"manual" da Pré-Vigília, ensinando aos outros como realizar uma boa e provei-
tosa atividade.
- 11h15 - Música Escoteira
- 11h20 - Pausa para um lanche comunitário. Coloquem uma música de fundo
bem animada, e fiquem alguns minutos conversando sobre qualquer coisa.
- 11h40 - Os Pioneiros mais EXPERIENTES apresentam algum trabalho que pre-
pararam em casa. Apresentam alguma atividade em que os Pioneiros trabalhem
em equipes de 2 a 3 pessoas, de preferência misturando os Clãs. Tudo deve ser
baseado no tema da Pré-Vigília.
- 12h40 - Fim da Pré-Vigília. Todos reunidos, com uma ou mais velas ao centro
da sala ou ambiente, ficam a avaliar a atividade. Pontos bons e ruins em se fazer
uma Pré-Vigília entre 2 Clãs, etc... Ao final, agradecimentos a quem emprestou
a casa ou chácara, e a quem teve a idéia de reunir os 2 Clãs.
Bem, a idéia básica é essa. Caso queiram uma atividade mais comprida, usem a i-
déia anterior e adaptem para dois Clãs. Se vocês quiserem um desafio ainda maior, tentem
reunir mais de 2 Clãs!!! Reunam o pessoal de seu setor (ou área, ou distrito) e programem
uma super Pré-Vigília!!!! SERVIR!!

Página nº 73
Palestra Explicativa para o Ramo Sênior 8.1

Muitos Sêniors e Guias, quando chega a hora de passarem para o Ramo Pioneiro,
sentem um pouco de medo, de receio de sair de um lugar aonde estiveram os três últimos
anos, para ir para um lugar cheio de gente mais velha, que aparentam ser chatos, que ficam
conversando o dia inteiro, e que APARENTAM não fazer atividades legais.
Essa é a idéia que muitos desses Sêniors e Guias tem sobre o Clã. Pois bem, a Ponte
Pioneira é o período de tempo que esses elementos do Ramo Sênior tem, para verem que
tudo isso está errado. A Ponte Pioneira é quando eles começam a ter, gradualmente, cada
vez mais contato com o Ramo Pioneiro. Começam a participar de algumas atividades de
sede, algumas atividades externas com outros Clãs Pioneiros, algumas atividades de Servir,
Pré-Vigílias, festas, etc...
Esse período da vida escoteira do Escudeiro (como é comumente chamado o ele-
mento do Ramo Sênior que está indo para o Clã) é muito importante, e deve ser preparado
com muita antecedência, para que a impressão que ele tenha do Clã Pioneiro seja a melhor
possível.
É aconselhável que o Clã, periodicamente (uma vez por semestre), vá ao Ramo Sê-
nior e faça uma palestra sobre o que é o Ramo Pioneiro. Quem é o Pioneiro, o que ele faz,
quais as atividades que caracterizam o Ramo Pioneiro, etc... Levem fotos, cartazes, transpa-
rências, etc.... e muito boa vontade!!
Lembrem-se, com essa palestra explicativa para o Ramo Sênior, vocês podem moti-
var o pessoal a vir fazer atividades com o Clã, e consequentemente garantir que todos con-
tinuem seu Adestramento Progressivo passando outros três agitados anos no Clã Pioneiro!!!
SERVIR!!

O que fazer durante a Ponte? 8.2

Pronto, chegou a hora e alguns membros do Ramo Sênior entraram em Ponte Pio-
neira. O que fazer então, para que eles sintam-se motivados a levar esse estágio até o fim (a
duração pode ser de 1 a 3 meses, em média) e incorporem o espírito do Pioneirismo?
Bem, antes de mais nada é necessário levar o Escudeiro (Sênior/Guia em ponte)
para uma conversa, explicando o que é o Ramo Pioneiro, onde surgiu, qual o objetivo, que
tipos de atividades desenvolvemos, etc... A informação, durante a Ponte Pioneira, é muito
importante, pois o Escudeiro verá que todos estão interessados em que ele continue seu
Adestramento Progressivo dentro do Clã de Pioneiros.
Após essa conversa, explique que vocês estão programando algumas atividades em
que gostariam que ele, o Escudeiro, participasse, para que ele possa perceber, na prática,
tudo o que vocês explicaram na teoria.
Convém também entregar a ele, uma espécie de “manual”, contendo as etapas ne-
cessárias para se conquistar a Investidura, Insígnia Pioneira, de Cidadania, etc... Além dis-
so, prepare para ele alguma lembrança, alguma coisa que marque que ele “entrou” em Pon-
te Pioneira!! Uma lembrancinha, contendo a data, uma forquilha (pirografados em couro,

Página nº 74
por exemplo) e uma mensagem ou pensamento são coisas bem legais e que marcam o Es-
cudeiro!.
Enfim, a Ponte Pioneira é um estágio delicado, e coisas mal-feitas podem resultar
em um Pioneiro a menos no seu Clã! Durante a Ponte, façam bastante coisas que sirvam
para convencer o Pioneiro que o Ramo é legal (é isso mesmo, vendam o “peixe”!)! Caso o
que vocês façam seja suficiente, em pouco mais de 2 meses, o clã receberá um novo e em-
polgado Pioneiro!!! SERVIR!!

Objetivos da Ponte - Apresentação do Pioneiro 8.3

E os objetivos da Ponte Pioneira? Bem tudo o que ela visa já foi dito, mas vamos
aprofundar um pouco sobre outro ângulo, o de quem entra no Clã!!!
Para o Escudeiro, o fato de ele estar entrando no Clã, é motivo para que ele fique
um pouco receoso, por isso a receptividade do Clã ser importante. Ele vai o tempo todo ser
alvo de informações vindas de todos. Isso é bom, mas tomem cuidado para que ele não fi-
que “bajulado” e acabe criando uma imagem errada do Clã.
Durante a Ponte Pioneira, o Escudeiro vai também, além de “aprender” sobre o Clã,
seu funcionamento e atividades, tentar mostrar quem ele para os outros Pioneiros. É como
se fosse uma apresentação dele. Logo, em alguns momentos da Ponte Pioneira, deixe que
ele dê sua opinião, que ele mostre seus conhecimentos, que ele até ensine algo aos Pionei-
ros. A opinião do Escudeiro é muito importante (veremos mais detalhes em Ouça o Escu-
deiro e aprenda! - 8.8), e ele deve ter a oportunidade de mostrar quem ele é, do que ele
gosta, como ele pensa, etc...
Valorizando essa apresentação do Pioneiro, você fará com que ele sinta-se mais a
vontade quando entrar no Clã, e ao mesmo tempo aprenderá qual o jeito de seu novo com-
panheiro, como ele é, pensa, etc... Dêem essa chance a ele de se mostrar!! Todos ga-
nham!!!! SERVIR!!

Atividades de Sede 8.4

Bem, as atividades que devem fazer parte de uma Ponte Pioneira são muitas, como
já foi dito. Abordaremos aqui as atividades de sede, que o Escudeiro deveria participar para
vivenciar principalmente o dia-a-dia do Clã Pioneiro.
No estágio em que o Escudeiro está, ele aprende, das conversas e palestras com os
Pioneiros, termos como: “Conselho de Clã”, “Carta Pioneira”, “COMAD”, “Atividades de
Serviço”, “Insígnia de Cidadania”, “Padrinhos”, etc.... Logo, é natural que ele fique um
pouco confuso.
Convidando o Escudeiro para participar das reuniões do Clã, quando este está na
sede, é uma boa forma de ele, o Escudeiro, associar esses termos ao que acontece na práti-
ca. Logo, é ótimo que, no dia em que o Clã for realizar um Conselho de Clã, ele seja convi-
dado a participar. Ele pode ver como são discutidas as coisas num Clã, como são feitas e-
leições, etc... Além disso, participar de reuniões de sede, dá ao Escudeiro a chance de co-
nhecer ainda mais seus futuros companheiros. Arrumando a Sala do Clã (13.2), por exem-

Página nº 75
plo, é uma ótima oportunidade de trabalhar junto com o Clã, de ver quem é “alérgico a pó”,
quem tem medo de aranhas, etc...! Cantando junto com o clã, ele vê quem são os mais em-
polgados, quem desafina, etc...
Tudo isso pode ser bobeira, detalhes, mas se o Escudeiro sentir-se a vontade nesse
meio novo (o Ramo Pioneiro), melhor ele desenvolverá atividades e se entrosará com o
pessoal. E, para que ele sinta-se livre para falar, sugerir, discutir, etc... é necessário que ele
conheça todos os Pioneiros!
Por isso que reuniões de sede devem constar da “programação da Ponte Pioneira”.
Participando, interagindo com o Clã dentro da sede do Grupo Escoteiro é ótimo para que o
Escudeiro adquira confiança e continue seu caminho para entrar no Clã Pioneiro!!
SERVIR!!

Atividades Sociais 8.5

As atividades sociais são aquelas feitas em um barzinho, na casa dos Mestres, no


prédio de um dos Pioneiros, etc...
Quando forem fazer alguma saída desse tipo (Reunião na casa de um Pioneiro -
2.3), não esqueçam de convidar o Escudeiro. Ele se sentirá honrado em poder participar,
junto com os outros Pioneiros, de uma atividade marcada pela liberdade, pela informalida-
de. Nesse momento, não estarão todos de uniforme, discutindo sobre programação, etapas,
atividades, etc... Estarão todos de “roupas civis”, dançando, bebendo, comendo, brincando,
cantando, etc...
É mais uma oportunidade de entrosar o Escudeiro em um ambiente totalmente dife-
rente do encontrado na sede do Grupo Escoteiro. Observem apenas, que quando ele estiver
lá, vocês não deixem ele “isolado” em um canto, perdido de todos. Puxem ele para a con-
versa, descubram do que ele gosta, se tem namorada(o), se gosta de dançar, o que estuda,
etc... Conheçam ele, aproveitem esse tipo de atividade para fazer com que ele se aproxime
mais de todos os Pioneiros.
Resumindo, atividades sociais são ótimas para a Ponte Pioneira, porque dão chance
ao Escudeiro de ver um outro lado de seus colegas!! É possível ver características que não
são normais de aparecerem na sede. E não só dos Pioneiros, do Escudeiro também!!! Apro-
veitem, e divirtam-se com seu Escudeiro!! SERVIR!!

Atividades com outros Clãs Pioneiros 8.6

Quando o seu Clã for realizar atividades com outros Clã Pioneiros, convide o Escu-
deiro para ir junto. Assim, ele pode conhecer outros Pioneiros com quem ele terá atividades
além de conhecer como é feito um encontro com outro Clã.
Participando de uma visita, ou atividade conjunta (acampamento de Pioneiros (A-
campamento Setorial de Pioneiros - 10.3), fóruns, festas), o Escudeiro tem oportunidade,
também, de conhecer um outro ambiente, semelhante ao que encontrará em seu Grupo Es-
coteiro. É importante que o Escudeiro participe de uma ou duas atividades como essa du-
rante a sua Ponte Pioneira, pois ele conhecerá novas pessoas, verá que tudo o que vocês

Página nº 76
falam sobre o Clã Pioneiro (atividades, Sala do Clã, Conselho de Clã, etc...) é verdade (ou
parte daquilo que vocês falam!) pois acontecem em todo lugar, em vários Clãs Pioneiros.
Se seu estado tem uma Equipe Regional de Pioneiros (Equipes Regionais - 4.10)
convide também o Escudeiro para ir com vocês (que são freqüentadores assíduos e alta-
mente participativos!) a uma das reuniões. Lá ele terá a chance de conhecer como os Pio-
neiros se organizam em Equipes de Interesse (para organizar Mutirões, passeios, etc...),
poderá sanar algumas dúvidas que ele tem (ainda) a respeito do Ramo Pioneiro, conhecerá
também Pioneiros mais “experientes” e dispostos a ajudar ele nesse seu estágio da Ponte
Pioneira, etc...
Em suma, participar é a chave para entrosamento! Convide ele (se ele não quiser,
não tem problema, talvez seja um pouco cedo, ou ele tenha alguma atividade com a Tropa
Sênior ou Tropa Guia, etc...) para ir conhecer outro Clã, para conhecer novas pessoas, etc...
É ótimo que ele e seu Clã participem ativamente de encontros assim. Além de fortalecer os
laços entre os dois Clãs, dá um empurrão a mais no caminho da Ponte Pioneira do Escudei-
ro!! SERVIR!!

Atividades de Serviço 8.7

Aqui mora o perigo!!! Se após as idéias da seção 1 (Atividades de Serviço) seu Clã
ainda não consegue organizar ou realizar uma boa e proveitosa atividade de serviço, então
temos problemas. Se esse não for seu caso, PARABÉNS!!! Vocês estão prontos para con-
vidar o Escudeiro para uma autêntica e proveitosa atividade característica do Ramo Pionei-
ro!!
Expliquem para ele, durante uma reunião de sede, que ele está convidado, para na
semana seguinte, realizar uma Atividade de Serviço com o Clã Pioneiro. Explanem como
será a atividade, aonde será, quem será beneficiado (comunidade, crianças carentes, escola
pública, idosos, etc...), de forma que ele fique curioso para conhecer essa atividade diferen-
te.
Quando chegarem no local, para realizarem a atividade, tratem o Escudeiro como se
fosse um Pioneiro normal de seu Clã. Ele deve participar ativamente, colaborar com as e-
quipes que porventura existirem, etc... O grande problema que envolve essa atividade (con-
forme colocado no 1º parágrafo) é se os Pioneiros não fazem seu papel corretamente e mas-
caram a atividade de serviço dizendo que “é só ir lá, brincar um pouquinho e ir embora”.
Não é assim!! Se o Escudeiro escutar coisas desse tipo, vai acabar se desestimulando, e
desistindo de ir para o Clã Pioneiro. Agora, se os Pioneiros realizarem um trabalho de ex-
plicação bom, mostrando os nobres objetivos das Atividades de Serviço (ajudar ao próxi-
mo, para quem não sabe!), e na hora do “mãos a obra” não deixarem o Escudeiro sozinho
ou perdido, a situação se reverte!! O Escudeiro com certeza gostará da atividade, e se senti-
rá recompensado, após ajudar alguém em troca de nada, a não ser um singelo sorriso!!!
Por isso, é MUITO IMPORTANTE que o Sênior, na Ponte Pioneira, participe de
Atividades de Serviço. Não sobrecarregue ele, nem utilize os Escudeiros como “tapa-
buraco”, para preencher eventuais faltas de Pioneiros nessas atividades. Respeite o ritmo de
cada Escudeiro, de forma a gradualmente inteirá-lo na vida do Clã Pioneiro. Boa Ponte Pi-
oneira!!!! SERVIR!!

Página nº 77
Ouça o Escudeiro e Aprenda! 8.8

Ao final de uma Ponte Pioneira, o Escudeiro finalmente cumpre a cerimônia de pas-


sagem para o Clã Pioneiro (Ponte Pioneira - 3.1). A partir de agora o Escudeiro (que conti-
nuará a se chamar Escudeiro até a sua Investidura!) é definitivamente um elemento do Clã
Pioneiro. Participará de todas as reuniões, todas as atividades, etc...
Assim, quando todo esse processo de conhecimento, de descobrimento e adaptação
terminar (Ponte Pioneira) é muito útil para os Pioneiros que organizaram a passagem, que
seja feita uma avaliação! Em uma das reuniões de sede, o Escudeiro é colocado para falar
livremente sobre tudo o que aconteceu com ele desde o momento em que ele percebeu que
estava em Ponte Pioneira.
O que ele sentiu, quais as ansiedades, quais as ilusões, quais os pontos negativos, os
positivos, o que foi proveitoso para ele durante a Ponte Pioneira, o que não foi, etc... Ele
fala tudo o que aconteceu, de forma a ajudar os Pioneiros a, numa futura Ponte Pioneira
para outro Escudeiro, evitar os erros cometidos na sua passagem. Tudo o que ele achar que
foi falho, que foi insuficiente ou mal-explicado, deve ser revisto. Tudo o que foi detalhado,
bem desenvolvido e bem explicado, deve ser mais explorado!!
Ouvindo o Escudeiro, muitas idéias novas para futuras Pontes Pioneiras podem sur-
gir. Só quem acabou de passar por algo pode dizer se “foi bom ou não”!!! Por isso, escutem
ele, e não somente em uma reunião, mas mesmo durante a realização da próxima Ponte
Pioneira. Se ele disser: “Olha, isso não foi legal. Mas se vocês fizerem assim, desse outro
jeito, será ótimo!!!” então modifiquem o processo todo (lógico, modifiquem se realmente o
que o ex-Ponte Pioneira falou é coerente!) e adaptem ele ao que foi explicado.
Assim, cada vez mais seu Clã Pioneiro aprimorará as Pontes Pioneiras, garantindo
que todos os Sêniors e Guias, ao atingirem a idade para passar para o Ramo Pioneiro, ve-
nham bem informados, sabendo o que irá acontecer, como irá acontecer e quando irá acon-
tecer tudo sobre o Clã Pioneiro!! SERVIR!!

Valorizando a Ponte Pioneira 8.9

Agora, aqui vão algumas pequenas dicas para dar um toque mais especial à passa-
gem do Sênior/Guia para o Clã Pioneiro:
- Quando forem oficializar que o Sênior ou a Guia estão em Ponte Pioneira, levem
o distintivo de Ponte Pioneira levemente preso (com uma gotinha de cola so-
mente) em uma folha de papel, com alguns dizeres incentivando o então Escu-
deiro a continuar seguindo seu caminho rumo ao Clã Pioneiro. Na parte de bai-
xo, em itálico, pode estar um pensamento, um poema pequeno, etc... Ainda nes-
sa folha, podem também estar desenhados (ou impressos) uma flor-de-lis, o
símbolo do Clã, uma Forquilha Pioneira, etc... Ah, e queimem, com a ajuda de
uma vela, toda a borda do papel, deixando uma aparência de que é antigo, uma
verdadeira “relíquia”. Assim, quando receber essa “certidão de que é Escudei-

Página nº 78
ro”, o jovem ficará feliz com essa lembrança, marcando a data em que começou
a se envolver com o Clã.
- Criem uma espécie de tradição no Clã. Sempre que um Escudeiro estiver em
Ponte Pioneira, ele deve, sempre que terminar uma atividade com o clã
Pioneiro, preencher uma espécie de “diário”, contendo suas impressões sobre a
atividade, sobre os novos colegas, sobre o que está achando e sentindo sobre o
Clã Pioneiro. E isso deve ficar num diário em que somente o Escudeiro acesse.
Quando finalmente ele passar para o Clã, durante aquela avaliação, ele pega e lê
tudo o que escreveu, relatando para os outros todas as suas emoções e sentimen-
tos durante o período da Ponte Pioneira.
- Quando o Escudeiro finalmente for “anexado” ao Clã Pioneiro, entreguem para
ele um pedaço de couro, cortado em forma de Brasão (Escudo), contendo as se-
guintes informações: nome e apelido, data de início da Ponte Pioneira, data em
que a mesma acabou, nome do ex-Chefe do Ramo Sênior, nome do Mestre
Pioneiro, nome do G.E. (c/ numeral) e nome do Clã. Além de escrever isso (com
pirógrafo fica mais bonito e não sai com o tempo, ao contrário de caneta) dese-
nhem uma forquilha, ou o símbolo do seu Clã, ou qualquer outra coisa represen-
tativa. Essa será a lembrança que ele receberá, quando finalmente puder dizer:
“sou um Pioneiro!”.
Existem muitas outras coisas que tornam a Ponte Pioneira um evento especial para
o Escudeiro, e cabe ao Clã se desdobrar em “vinte” para tornar essa ocasião algo que ficará
na memória, e no coração do Escudeiro!!! SERVIR!!

Programação para a Ponte Pioneira 8.10

Aqui vai uma sugestão de programação para realizar uma bem sucedida Ponte Pio-
neira. As datas são bem variáveis, e lembro a vocês que nenhuma Ponte Pioneira deve durar
menos que um mês (completa falta de planejamento e programação!) ou mais que 5 meses
(idem, aliado a uma falta de interesse por parte do Clã em adicionar mais um membro à
“família”).
- 1º Sábado do mês I - Palestra para o Ramo Sênior.
- 2º Sábado do mês I - Entrega do distintivo de Ponte Pioneira aos, agora, Escu-
deiros.
- 4º Sábado do mês I - Participação na Reunião de Sede do Clã Pioneiro.
- 1º Sexta-feira do mês II - Participação de reunião social na casa dos Mestres.
- 2º Sábado do mês II - Participação na Reunião de Sede do Clã Pioneiro.
- 4º Sábado do mês II - Participação junto com o Clã em atividade externa (visita
a outro Clã Pioneiro, acampamento, etc...)
- 2º Sábado do mês III - Participação em Atividade de Serviço junto com o clã Pi-
oneiro.
- 2º Sábado do mês III - À noite, participação em reunião social (assistir um filme,
ir a um teatro) junto com o Clã Pioneiro.
- 4º Sábado do mês III - Passagem definitiva para o Clã Pioneiro!!!
Essa programação é completamente flexível, e deve ser adequada a cada Clã Pionei-
ro. Deve-se, conforme foi descrito, respeitar a Programação da Tropa Sênior/Guia, assim
como a do Clã Pioneiro. Por isso utilizou-se de reuniões alternadas no mês, para que um

Página nº 79
eventual acampamento que coincida possa ser transferido ou então a atividade da Ponte
Pioneira remanejada.
Com uma programação dessas, aliada às dicas para melhor caracterizar a Ponte Pio-
neira, seu Escudeiro terá a certeza de que irá, aos poucos, conhecer melhor o Clã Pioneiro,
suas atividades, e sua vida do dia-a-dia, culminando com uma entrada no Ramo Pioneiro de
forma gradual, efetiva e com muito aproveitamento!!! SERVIR!!

O que (NÃO!) levar num Acampamento 9.1

Bem, o Clã vai acampar! Para aqueles que nunca foram do Ramo Sênior ou Escotei-
ro, aqui vão algumas dicas para saber o que levar, quanto levar e como levar para um a-
campamento (ou excursão).
- Roupas - Se for um acampamento de apenas um final de semana, leve duas mu-
das de roupa, excluindo a que você estará usando quando sair no Sábado. Assim,
sobra uma muda limpa para o outro dia, além de uma reserva, caso você rasgue
alguma peça, molhe, etc... Por muda completa entenda-se uma calça ou bermuda
(depende do clima), uma camiseta, “roupa de baixo”, meias, um moletom ou a-
gasalho.
- Sacos-de-dormir - bem, não há sentido em se levar dois sacos-de-dormir!!! Mas
quando for escolher um para você, veja bem que tipo de temperatura você vai
encarar em sua região. Para o pessoal do Sul do país, em locais altos (monta-
nhas, serras, etc...) e no inverno, a temperatura chega fácil a 0ºC. Até menos às
vezes!! Logo, não vale a pena gastar dinheiro em sacos incrementados, para até
-15ºC!!!! Compre um que seja do seu tamanho, ou pouca coisa maior, que tenha
de preferência uma espécie de “gorro”, ou “capuz” para aquecer a cabeça.
- Isolantes térmicos - São espumas, similares a “tapetes de borracha”, de varias
cores, tamanhos e pesos. Opte pelos mais leves, e que tenham um tamanho que
vá da sua cabeça até os joelhos, não precisa de mais. Eles são usados entre o sa-
co-de-dormir e o chão, evitando que a umidade do chão “gele” você durante a
noite.
- Capa-de-chuva, entre outros... - NUNCA é demais levar uma boa capa-de-
chuva, de plástico, para evitar que aquela chuva “que não iria cair!!!”... molhe
você. Ah, e não esqueça também sua “necessaire” com material de higiene pes-
soal, toalha, talheres e prato (pratos de plástico duro são uma boa idéia, pois não
quebram dentro da mochila). Ah, é bom levar um par extra de sapatos (um tê-
nis).
- Mochila - Não compre uma mochila para 90 e tantos litros, se você não tiver
mais que 1.70m de altura. Uma mochila de 55 litros é suficiente para todo o ma-
terial acima, além das “bugigangas” que você insiste em levar. Caso você te-
nha mais que essa altura, considere uma mochila maior, pois suas roupas serão
maiores, seu saco-de-dormir será maior, etc...
Bem, com isso você conseguirá ir acampar com todo o material necessário para não
passar apuros!! Claro que com o tempo você verá que tudo o que eu disse não terá nada a
ver (brincadeira!), que é só bagagem desnecessária (brincadeira!)!!! Mas sério, com o tem-
po você conseguirá saber o que levar certinho, além da quantidade, etc... e saberá escolher
os melhores materiais, pesquisar preços, etc...

Página nº 80
Mas, na emergência, não se acanhe e pergunte para o Mestre, ou para aquele Pionei-
ro “mochileiro”!! Eles com certeza ajudarão você!! SERVIR!!

A escolha do local 9.2

O local para acampamento é muito importante, pois se for mal escolhido,


nenhuma atividade programada sairá a contento, além de vocês encontrarem dificuldades
que acabarão por até mesmo estragar seu acampamento.
Tenha em mente o seguinte: programe o acampamento inteiro, datas, horários, que
tipo de atividades serão realizadas, refeições, etc... A partir daí, procure locais que atendam
as exigências da programação. Se você precisar de uma ampla área para um jogo ou um
Fogo-de-Conselho, não adianta escolher acampar num canyon, ou dentro do mato!! É difí-
cil encontrar um local que atenda 100% o que estipulamos na programação, mas veja se
você não consegue, tendo achado um bom local, adaptar a programação a esse local.
Outras coisas importantes para se verificar antes de sair acampando:
- Água - Vocês levarão água? Lembrem-se que é um peso a mais, e a falta de á-
gua é muito perigosa para a saúde! Se não há planos para carregar a água, verifi-
que se o local aonde vocês vão acampar ou excursionar tem rios, poços artesia-
nos, bicas d’água, etc... com água corrente limpa e potável. Se não, compre ta-
bletes com produtos químicos que desinfetam a água “suspeita” (lembre-se de
testar tudo antes de ir acampar, e sempre pedir informações a pessoas que enten-
dam desse assunto!).
- Segurança - o local escolhido é seguro? Existe meios de se evacuar um ferido
numa emergência? Quais os perigos que existem no local (desabamentos,
enchentes, animais perigosos, etc...) e como fazer para evitá-los ou preveni-los.
- Comunicação - Existem postos telefônicos perto? Há algum radioamador habili-
tado perto? Se não tiver nada disso, providencie em deixar informações sobre
como vocês estão (cansados, normais, doentes, etc...) em vilas, delegacias, etc...
(mais válido para caminhadas e excursões). Ah, e levem um celular, pois hoje
em dia ele “pega” em muitos lugares!
- O local permite, ou tem lugar para o “Plano B”? - Caso chova, vocês tem um a-
brigo suficiente para todas as pessoas? Esse abrigo é perto do local de acampa-
mento e vocês tem permissão para usá-lo (por exemplo um celeiro, ou galpão)?
Informem-se com os donos dos lugares aonde vocês forem e peçam as devidas
permissões e consentimentos.
Bem, no final, se tudo o que você esquematizou adequa-se ao local escolhido, vão
em frente. Muitos desses detalhes expostos são fáceis de serem resolvidos, bastando aten-
ção e cuidado, para que nada de errado aconteça.
Caso vocês não tenham achado um local ideal para acampamento, informem-se com
outros Pioneiros, ou outros Chefes do seu Grupo Escoteiro. A experiência deles pode ser
útil para vocês pegarem os “macetes” em escolher um bom “pouso” para o Clã Pioneiro!!
Não desanimem se no começo nem tudo der certo (choveu e não tinha abrigo, o pessoal se
sujou de lama e não havia aonde se lavar, etc...), mas é errando que se aprende!!!
SERVIR!!

Página nº 81
Acantonamento na Sede 9.3

Uma excelente atividade para se realizar com um Clã Pioneiro que esteja meio “de-
sentrosado” (ou porque é novo, ou porque alguns de seus elementos são novos) é um Acan-
tonamento na sede do Grupo Escoteiro.
Combinem com todos o dia, vejam se ninguém estará na sede (outras seções) e pro-
gramem o Acantonamento. Essa atividade tem por objetivo entrosar os Pioneiros, através
de brincadeiras, jogos, músicas, debates, reflexões, etc... Logo, quando fizerem a progra-
mação, coloquem nela atividades do tipo:
- Debates - sob tema livre, decidido na hora, ou apresentado por algum Pioneiro.
- Palestras - aproveitem para apresentar alguns assuntos sobre escotismo, sobre o
Ramo Pioneiro, ou sobre alguma outra coisa de interesse do clã.
- Jogos - jogos de tabuleiro, jogos escoteiros, etc...
- Reflexões - reflitam sobre alguma passagem do Clã, algum problema que vocês
tiveram e que foi solucionado em conjunto, etc...
Essas são sugestões de atividades, e um exemplo de programação é a idéia Progra-
mação de Acampamento I - 9.13. Se o Clã resolver levar uma televisão (e assistir um jogo
de futebol, ou noticiário, ou ainda uma novela) e um vídeo (e ver um filme), ótimo!!! Desde
que haja comum acordo entre os Pioneiros. Outra coisa, como num acampamento, é neces-
sário comer (aliás, em todo lugar isso é necessário) “de vez em quando”!! Programem
quem leva qual comida, ou se alguém compra e depois todos dividem o custo, etc... E in-
ventem na hora de preparar a comida! Tirem fotos com avental de cozinha, de óculos escu-
ros e panelas na cabeça, etc... Vejam quem (ou qual equipe) prepara a melhor comida, etc...
Aproveitem a oportunidade para conhecer mais seus colegas, antes de irem para um
acampamento real, ou um Mutirão. Evitem formar as equipes (de refeição, limpeza, ativi-
dades, etc...) com pessoas que já são bem conhecidas de você. Aceite o “desafio” e trabalhe
com aquele Pioneiro novo, ou com aquele Sênior que está em Ponte Pioneira. Ah, e no final
da atividade não se esqueçam de duas coisas: a limpeza de todo o material que vocês utili-
zaram (talheres, panelas, etc...) e arrumação da sede (não a deixem bagunçada!), além de
uma avaliação rápida, vendo o que pode melhorar para um futuro acantonamento, quais
foram os pontos positivos e negativos, etc...
Essa atividade, o Acantonamento na Sede, é excelente para entrosar o Clã (já disse
isso?), e por isso deve ser levada a sério, em relação às suas atividades e em relação ao lo-
cal. Tenham responsabilidade em não estragar, quebrar ou perder nada da sede que não seja
de vocês (lógico, isso não significa que o que é de vocês possa ser perdido, quebrado,
etc...), além de não deixarem nada desarrumado depois. Assim, vocês garantirão permissão
para futuros acantonamentos, igualmente divertidos e interessantes!! SERVIR!!

Acampamentos por Equipes 9.4


Assim que descobrirem como é bom trabalhar em equipes (Equipes de Interesse -
16.1), organizem um acampamento aonde todas as atividades sejam desenvolvidas por e-
quipes diferentes.

Página nº 82
Ainda na sede, programem o local e o dia para o acampamento, e dividam o Clã em
Equipes. Não há problema um Pioneiro fazer parte de mais de uma equipe de interesse,
caso seu Clã tenha poucos elementos. Por exemplo, um Pioneiro X pode fazer parte da E-
quipe de Interesse de Refeições e de Culto Matinal, sem problemas, pois são atividades que
não ocorrerão simultaneamente.
As sugestões de equipes para o Acampamento:
- Refeições
- Bandeira e Culto
- Atividades da Tarde
- Atividades da Manhã
- Atividades Noturnas ou Fogo-de-Conselho
- Debates e Discussões
- Adestramentos
- Músicas
E muitas outras... Aproveitem a ocasião do acampamento para conhecer muitas pes-
soas, e misturem-se, façam parte de várias equipes ao mesmo tempo, para aprender a traba-
lhar um pouco em cada uma delas. Assim, você estará se adestrando em mais de um assun-
to, ou parte de um acampamento, ao mesmo tempo que trabalha com seus amigos do Clã
Pioneiro!!
Programem tudo e não esqueçam de trabalhar em equipe. É normal que no começo,
apareçam alguns “atritos” entre os Pioneiros, mas durante o acampamento, resolvendo difi-
culdades e trabalhando para um mesmo objetivo, todos acabarão se acertando!! Divirtam-
se, e repitam periodicamente o acampamento. A idéia de trabalhar por equipes pode ser
desenvolvida não só num acampamento, mas em um acantonamento, um passeio, uma via-
gem, etc... SERVIR!!

Culto Matinal 9.5

É comum, logo no começo do dia em acampamentos, se realizar um Culto, agradecendo a


Deus pela possibilidade de estarem todos reunidos naquele momento, por estarem todos
com saúde e felizes, etc...
Por isso, sempre programe, em suas atividades, um Culto, para que de manhã cedo,
ainda com os primeiros raios de Sol, cada Pioneiro possa fazer sua oração, agradecer ao seu
Deus, e sentir-se bem fazendo isso. A programação do Culto pode ser breve, 30 minutos é
suficiente, desde que bem esquematizada.
Lembre-se também de um detalhe importante: nem todos os presentes possuem a
mesma religião, e fazer um culto baseado somente numa religião, fará com que essas pes-
soas fiquem chateadas, gerando um certo “clima” de tensão. Logo, procure realizar ativida-
des, músicas, que sejam universais, que se adaptem, ao olhos e ouvidos de quem participa,
à sua religião. Enfoque sempre a figura de Deus, mas sem especificar nada, de forma a le-
var a idéia de que está direcionando o culto à uma religião específica.
Trabalhem idéias, pensamentos, músicas, poesias, etc... que levem a uma reflexão
sobre papel de Deus na vida do Pioneiro, sobre o local em que vocês estão (beleza, proxi-
midade com Deus, etc..), sobre a união do Clã de Pioneiros, etc...

Página nº 83
Trabalhando assim, sem especificar uma ou outra doutrina, você garantirá que todos
tenham seu momento de oração, de agradecimento e reflexão, honrando uma das partes da
promessa e iniciando o dia de forma alegre e feliz!! SERVIR!!

Acampamento Volante 9.6

Lembram-se de quando eram sêniors ou escoteiros, que as vezes vocês tinham que
fazer uma jornada de um lugar X até um Y, dormindo no caminho? Pois é, esse era o A-
campamento Volante, o acampamento em que você só para de andar para comer e dormir,
apreciando a paisagem - que muda o tempo todo - durante todo o dia.
O acampamento é simples: Conversem com os Mestres, com os Sêniors, com o
Chefe Sênior, excursionistas, etc... e vejam um caminho, uma trilha, que possa ser feita em
dois ou três dias. Por exemplo, percorrer uma estrada de terra centenária, que liga duas vilas
históricas de seu estado, ou andar junto aos trilhos de um trem, indo de uma estação a outra,
ou seguir por dentro de uma fazenda, em direção a um rio ou cachoeira, etc...
O grande problema desse tipo de atividade, aonde vocês estarão andando o dia intei-
ro, só parando para comer, descansar e relaxar um pouco, cantar algo ou ir ao “banheiro”, é
que o tempo todo vocês estarão carregando o peso das mochilas! Por isso, essa é a parte
crucial da atividade. O material individual deve ser o mínimo possível, planeje bem a quan-
tidade de roupas, acondicione-as em sacos plásticos e reserve espaço para água, comida e
material de campo. Esses itens devem ser igualmente distribuídos entre os elementos do
Clã, devendo os mais fortes ficar com um pouco mais do material. Por exemplo: o Pioneiro
Fulano fica com uma garrafa de 2 litros de água, uma lona e a armação da barraca; o Pio-
neiro Ciclano fica com os espeques e a lona da barraca, um pouco de comida e outra garrafa
de água; a Pioneira Maria fica com comida e outra garrafa de água, além de levar o lampi-
ão, fósforos, etc...
Planejamento. Essa é a chave do acampamento, e se tudo for visto com calma, na
sede, antes de ir, o acampamento não dará errado. E qual a programação do acampamento?
ANDAR! Isso é tudo que vocês irão fazer. Lógico, vocês terão momentos de descanso (a
cada 2 horas de preferência), um culto matutino, almoço, etc... Porém, as atividades desse
acampamento serão caminhar, tirar fotos, fazer poses engraçadas, ajudar o Pioneiro que não
regulou a mochila direito, caminhar, conhecer lugares novos, explorar trilhas que não são
conhecidas (cuidado para não se perderem), caminhar, tomar banho de rio, conhecer e con-
versar com pessoas que vivem em vilas, conhecer construções antigas (estações de trem, de
telégrafo, etc...) e caminhar!
Se vocês virem todos os detalhes, passarem por tudo, dividirem tudo e não errarem
na distribuição de material, o acampamento será um sucesso!! Vocês conhecerão muitos
lugares de uma só vez. Ah, alguns detalhes importantes:
- usem calçados macios, pois bolhas no pé são comuns em caminhadas e podem
gerar sérios problemas.
- cuidado ao entrarem em propriedades particulares. Peçam sempre permissão ao
dono.
- levem um estojo de Primeiros Socorros, para tratar de arranhões, pequenos cor-
tes, etc...

Página nº 84
- por mais aventureiros que sejam, não saiam muito da rota estipulada, pois vocês
podem se perder e o problema será enorme!
- mantenham sempre o moral alto. Se perceberem que algo está errado, o pessoal
está quieto, façam uma pausa, tomem alguma coisa, comam algo e cantem uma
música, façam uma brincadeira, etc... Assim, todos ficam mais unidos e a ativi-
dade sai melhor!!
Com isso, seu acampamento volante será um sucesso (eu já disse isso?)!! Aproveitem e
tirem muitas fotos para colocar no Mural de Fotos do Clã (13.4) e divirtam-se muito!!!
SERVIR!!

Acampamento Mateiro (ou Reviva o Sênior que há em você) 9.7

Esse é o típico acampamento de aventura que o Clã precisa ter durante o ano.
Peguem livros de cozinha mateira (pão a caçador, ovo preparado c/ barro ou papel alumí-
nio, cebolas, panquecas, galinha assada (para os que querem radicalizar), tubão (legumes
assados em um pimentão), entre outros...) e alguma outra bibliografia especializada (livros
sobre acampamentos, nós, pioneirias, etc...), além de um rolo de sisal e mãos a obra!!
Vejam uma chácara ou outro lugar aonde tenha lenha em abundância e aceitem um
desafio: acampar por uma noite não levando nada mais que um rolo de sisal, uma panela
(para misturar os ingredientes de alguma refeição, não para cozinhar!!), os ingredientes,
uma lona e muito espírito de aventura, além da alegria característica do Pioneiro!!
Quando chegarem no local, dividam o Clã em Equipes de Interesse (16.1) e mon-
tem, nessas equipes ou todos juntos (o que dará uma experiência de campo maior aos Pio-
neiros) as seguinte Pioneirias (valem como etapa para a Insígnia Pioneira):
- Uma barraca para o Clã utilizando somente os recursos que se encontram no lo-
cal, além da lona e do sisal (existem vários (muitos mesmo!) modelos para se-
rem testados). Uns maiores, outros mais altos, outros ainda mais protetores do
frio! Vejam algum livro de Pioneirias, ou conversem com algum sênior (levem
um para o acampamento, para aconselhar seu Clã e eventualmente dar esse ades-
tramento mateiro aos Pioneiros que não tem prática) e mãos à obra!
- Um banco para o Clã se sentar, e depois uma mesa, aonde (não precisam ser to-
dos ao mesmo tempo) vocês possam apoiar o prato para comer.
- Um mastro para a bandeira, servindo como referência para a ferradura de abertu-
ra, etc...
- Uma Cruz ou arranjo (usando elementos como pinhas, galhos, flores e folhas se-
cas) para marcar o lugar aonde será feito o Culto.
Após isso, a etapa seguinte será a comida. Muitos livros, incluindo o Guia do Sê-
nior, dão ótimas sugestões de cardápio que fará com você não morra de fome (brincadeira).
Procure em livros de excursionistas (O Cozinha Mateira, de Sérgio Beck, é uma ótima refe-
rência) e você verá que uma quantidade enorme de comida pode ser feita em um acampa-
mento, não necessariamente precisando cozinhar ou assar (cardápios frios, porém altamente
energéticos e saborosos). Procurem opções de comida bem diferentes das que você está
acostumado, para sentir o gosto da “aventura”!!!!!

Página nº 85
Com esse acampamento, você não só treina e mantém atualizadas suas técnicas es-
coteiras, como faz com o Clã Pioneiro uma atividade divertida, cheia de “surpresas” e que
integrará todos os Pioneiros ainda mais!!! SERVIR!!

Excursões e Passeios 9.8

Seu Clã Pioneiro irá fazer um passeio (a algum parque, reserva ecológica,
museu, etc...) ou uma excursão (a algum lugar mais afastado, como um canyon, etc...) aon-
de não há necessidade de pernoite, ótimo!! Mas observe alguns detalhes que se despreza-
dos, atrapalharão ou até mesmo comprometerão sua atividade.
A primeira coisa a se acertar, assim que estão definidos local e data, é o horário que
irá acontecer a excursão. Conversem com alguém que já fez essa excursão (ou passeio),
conversem com responsáveis locais (coordenadores, guardas, etc...) e vejam as melhores
opções de horários. Alguns lugares (parques estaduais, reservas ecológicas, passeios pela
serra, etc...) só podem ser visitados se os Pioneiros chegarem bem cedo ao local, e isso exi-
ge uma programação a mais, que é o meio de transporte. Se forem com carros, não esque-
çam a segurança inerente ao veículo (nada de colocar o Clã inteiro no Fusca do Mestre!), se
forem de trem, ônibus ou outro meio, é mais garantido, fácil e organizado deixar um Pio-
neiro para comprar as passagens, devendo os outros depois ressarcir o dinheiro gasto.
E o material? O que levar? A primeira e mais essencial coisa a se colocar na mochi-
la (pequena, de no máximo 45 litros, com barrigueira (espécie de cinto que alivia a carga
dos ombros)) é uma boa capa de chuva. Imprevistos sempre acontecem, e o tempo muda a
todo o instante. Um cantil, ou garrafa de plástico com água é também muito importante,
para manter o corpo hidratado durante a caminhada. Se o local em que a excursão for acon-
tecer for alto (serras, morros) é bom levar também um agasalho (um pile, ou “soft” como
também é chamado, é o mais indicado, pois é leve, quente e bonito). Ah, e coloquem tam-
bém alguns doces, como bolachas, granola, chocolates, etc... Eles dão energia e mantém o
pique durante a caminhada. Levem coisas leves, nada de levar “feijoada” ou uma “macar-
ronada”, que são de difícil digestão e não combinam com caminhadas.
Bem, com dicas como essas sua excursão não pode dar errado. Pode? Vejam deta-
lhes como quantidade máxima de visitantes por dia (alguns lugares tem quantidade máxima
de pessoas por dia controlada), os perigos que você pode encontrar durante a excursão (de-
sabamento de pedras, animais, enchentes, etc... Cuidando desses detalhes, não há problemas
para você e seu Clã de Pioneiros fazerem um ótimo passeio, se divertindo muito e aprovei-
tando as belezas de nosso país!! E não esqueçam as máquinas fotográficas!!! SERVIR!!

Rapel e Escalada 9.9

Algumas das mais interessantes, divertidas e animadas atividades que alguém pode
experimentar é fazer escalada (e como tudo o que sobe tem que descer!!) e depois rapelar!!
Para os que não conhecem, ou não estão familiarizados, rapelar é descer de um morro,
montanha ou parede, utilizando-se para isso alguns “artefatos” chamados “cadeirinha” (u-

Página nº 86
ma espécie de cadeira de tiras que é presa na cintura), “mosquetão” (uma espécie de gancho
de segurança, resistente à altas cargas de tração) e “oito” (um “aparelho” que serve para
fazer atrito com uma corda, reduzindo a sua velocidade ou mesmo parando a descida, que
tem forma de um 8), presos um nos outros.
Converse antes de tudo com algum montanhista, ou escalador de seu Grupo Escotei-
ro, ou do Clube de Escalada de sua cidade, etc... e peça a ele para mostrar o material descri-
to acima, além de outros também utilizados (sapatilhas, costuras, bolachas, pinos, chapele-
tas, etc...), detalhando sua função, utilização e finalidade durante a escalada/rapel.
Após esse “adestramento” sobre escalada/rapel, peça ao escalador que aplique o que
foi ensinado a vocês na prática, levando vocês a uma excursão para algum morro ou parede
propícia para escalada. Façam com que ele demonstre a técnica, a utilização dos materiais,
segurança, etc... para vocês. Treinem a subida em lances pequenos, sempre seguros pela
corda do escalador experiente, evitando maiores “tropeços”. Depois, vão ao alto da parede,
e desçam a mesma rapelando!! No início é meio estranho, e é normal sentir medo (eu senti,
e muito!!!), mas depois, com a prática e o tempo, o medo some e dá lugar à curtição!!!
Após algum tempo, levem uma máquina fotográfica na hora de fazer rapel, e tirem muitas
fotos, do alto mesmo!!!
Lembrem-se, que em se tratando de uma atividade de alto risco (alto risco quando
não se observa a segurança!), procurem fazer tudo com a máxima cautela e cuidado!!! Pe-
çam a ajuda dos Sêniors, ou de outros escaladores experientes, e não deixem de experimen-
tar essa emocionante atividade, que realmente irá liberar toda a adrenalina que vocês tive-
rem!!! SERVIR!!

Bebidas Alcoólicas e Fumo 9.10

Esse é um tópico complicado. Muito se estudou, muito se ponderou, e a conclusão,


até agora, á sempre a mesma: fumar e beber em excesso faz mal à saúde!
Em muitos dos Clãs do país é comum, e às vezes até faz parte de algumas cerimô-
nias, o consumo de bebidas alcoólicas (em 99% das vezes vinho, e quase sempre tinto!).
Isso acontece porque o vinho, ao contrário da cerveja, destilados, etc... invoca uma certa
aura de tradição, de responsabilidade, de tradição, de alguma coisa que é passada de7 gera-
ção em geração. E em muito esses aspectos se identificam com a vida do Clã Pioneiro. Em
alguns clãs, é utilizada na Investidura o vinho, como uma forma de simbolizar a união entre
todos os presente, como uma espécie de “comprovador” de tradições, garantindo que todas
as cerimônias de Investidura serão iguais, para todos os elementos. Agora, existe uma dife-
rença entre DIVIDIR uma taça, e VIRAR uma garrafa. Existe um limite entre celebrar al-
guma ocasião especial (como uma Investidura, uma Insígnia, um prêmio ou distinção) e
beber até cair!! Quando o Clã Pioneiro não consegue se controlar nessas ocasiões (que po-
dem ser em acampamentos, reuniões sociais, acantonamentos, cerimônias, etc...), cabe ao
Mestre Pioneiro intervir, tomando medidas que reduzam a utilização de bebidas alcoólicas,
ou mesmo às eliminem do Clã Pioneiro. Em casos extremos, chamar o(s) Pioneiro(s) que
está(rão) com problemas, e conversar com eles, com seus pais ou responsáveis e até aconse-
lhar acompanhamento especializado, aos casos extremos.
Relativo ao fumo, a ordem é expressa: NÃO fumem em atividades escoteiras!!! O
fumo é, de todos os vícios, certamente o pior. Não existe nenhum estudo que comprove

Página nº 87
algum benefício do tabaco (ao contrário do vinho, mas não entremos em detalhes). E a re-
gra não é só para Pioneiros, Pioneiras, Sêniors, Guias, etc... vale também para Chefes, Mes-
tres, Escotistas em geral. É certo que algumas pessoas não conseguem ficar sem fumar,
especialmente depois de alguma atividade muito emocionante (escalar, rapelar, andar de
barco, montar acampamento, etc...). Pois então que façam uso de seu cigarro, mas em local
afastado do acampamento, fora da vista dos membros juvenis. A ordem para cigarro é sem-
pre a mesma, EVITEM!
Lembrem-se de que os Pioneiros são uma excelente referência para os outros ele-
mentos do Grupo Escoteiro. Muitos lobinhos, escoteiros, sêniors, etc... “invejam” a união
do Clã, suas viagens, sua bagunça (não quer dizer desorganização!), sua alegria. Se alguém
vê um membro do Clã fumando ou bebendo (salvo casos muito restritos - vide acima), vai
tomar como exemplo e resolver experimentar, e repetir enquanto ver o Pioneiro fazendo
aquilo. Aos Escotistas (Mestres Pioneiros, Chefes e Assistentes) vale a mesma regra. Não
sejam (maus!!) exemplos para seus elementos!!! E tenham consciência e maturidade para
dar bons conselhos, não incentivando a prática da bebida e do fumo aos seus elementos.
Lembrem-se que em cerimônias e ocasiões especiais, se tomados os cuidados para evitar
exageros, é tolerada a utilização de bebidas (vinho). Agora, utilizar-se do fumo em cerimô-
nias do Clã, reflete a falta de qualidade, maturidade e preocupação com o Lema e Promessa
Escoteiros!!
Como mensagem final, reservo o comentário pessoal de que, se fosse bom, seria a-
conselhado por todos!!! SERVIR!!

Higiene e Limpeza 9.11

Em uma atividade fora de seu Grupo Escoteiro, como um acampamento numa chá-
cara, parque ou outro lugar, é fundamental deixar o local que você usou em melhores con-
dições do que quando você chegou. Isso quer dizer que todo o resíduo que você gerar deve
ser acondicionado em local apropriado para aquele tipo de resíduo, para posteriormente ser
descartado ou reciclado.
Isso evita que vocês tenham, no local de acampamento ou excursão, moscas, bara-
tas, formigas, pequenos animais atrás de restos, etc... E, como vocês devem saber, alguns
desses “visitantes” são potenciais transmissores de enfermidades que podem deixar você,
no mínimo, debilitado o suficiente para perder alguns dias de aula/trabalho e passível de
gastar dinheiro com remédios e médicos!!
A higiene é imprescindível em acampamentos. Por mais rústico que seja o local
aonde vocês estejam, por mais cheia que seja a programação, reservem alguns minutos do
dia para trocar aquela calça suja, aquela meia molhada, para passar uma água no corpo (se
não houver lago ou rio aonde isso seja possível de ser feito, utilizem uma toalha limpa, mo-
lhada em água morna (aquecida na fogueira), para se lavar), para dar um cuidado nas mãos
(removendo farpas e limpando e tratando de ferimentos) e unhas (limpas e cortadas), além
de dar uma boa lavada na cara!!!! (espantar o sono!!!).
A limpeza do Pioneiro e do campo devem ser perfeitas. Existem muitas literaturas a
respeito disso (Padrões de Acampamentos, livros de montanhistas, etc...),e muitas dicas
são dadas, como construção de lixos, fossas para líquidos, alimentos sólidos, fezes, urina,
etc... Vale a pena dar uma boa lida neles, e buscar alguma coisa que possa ser aplicada em

Página nº 88
seu Clã. Não esqueçam de limpar também, ao final do acampamento, TODA a área utiliza-
da, eliminando restos de comida, cinzas de fogueira, pedaços de papel e bala, pacotes e
envelopes de alimentos, etc... Deixem o local da maneira que gostariam de encontrar!!
Depois disso, seu Clã se sentirá muito bem disposto (imaginem uma foto com todos
limpinhos e cheirosos!!! Vamos lá, tentem imaginar!!! É difícil, mas tentem!!!!!!!!) e “a-
presentável”!!!! SERVIR!!

Segurança em Acampamentos 9.12

Quando se vai acampar com o Clã, é bom que se tomem algumas medidas que ga-
rantirão o sucesso da atividade. São coisas que vão desde detalhes até importantes ações
preventivas, todas visando garantir a segurança dos Pioneiros durante dois ou mais dias
acampando. Quando sair com seus amigos para essa atividade, montem uma Equipe de
Interesse (16.1) que fique responsável pela segurança do Clã Pioneiro antes e durante o
acampamento, tendo como base as seguintes idéias:
- Preparem uma boa caixa de primeiros-socorros, contendo materiais que atendam
desde uma limpeza de uma escoriação, até a retirada de uma farpa e uma desin-
fecção completa de um corte. Verifiquem periodicamente a validade dos produ-
tos, e consultem guias, manuais ou mesmo profissionais da área, para obter in-
formações atualizadas sobre procedimentos e materiais em uso.
- Quando acamparem, certifiquem-se de que a água que vocês usam para lavar a
louça, beber e tomar banho é de boa qualidade. Se houver dúvidas quanto à pu-
reza da água (livre de micróbios e agentes patogênicos) trate a mesma com hi-
poclorito de sódio (a venda em supermercados e farmácias).
- Não deixem restos de comida no fogareiro, nos pratos ou sobre o chão, pois
formigas, baratas e outros animais menos “desejáveis” podem aparecer e estra-
gar sua atividade. Lavem pratos e panelas assim que terminarem de as utilizar, e
mantenham o campo limpo e organizado, pois encontros noturnos entre animais
e Pioneiros não são tão difíceis de acontecer!!
- SEMPRE que forem fazer alguma atividade em que o Clã não tenha ninguém
que a domine, busquem a ajuda de um profissional, ou de alguém que conheça a
técnica. Não façam rapel, escalada, canoagem, remo, velejadas, jornadas, etc ...
sem que alguém já o tenha feito, e que tenha repassado seus conhecimentos aos
outros Pioneiros.
- Não deixem fogueiras e lampiões acesos quando forem dormir. Pode ser que um
vento, um animal, ou um galho batam no lampião ou caiam na fogueira e provo-
quem um incêndio!! Desliguem o lampião, e apaguem as labaredas do fogo, ba-
tendo em cima dele com uma tora, de forma a deixar só brasas, e depois joguem
um pouco de água em cima.
- Não vão acampar se não tiverem o equipamento adequado. Nada de sair para es-
calar um morro no inverno e não levar uma boa bota (para evitar torções) e um
ótimo agasalho. Nem inventem de sair escalando e utilizar uma corda de sisal!!!
Cada atividade requer equipamentos adequados, e de boa qualidade. Conversem
com entendidos da área, e discutam qual a melhor opção de equipamento, para
não se arrependerem depois!!

Página nº 89
- Sempre que forem acampar, deixem um mapa do local aonde estarão e com as
informações de como irão até lá, quantos irão, que horas sairão para voltar, etc...
Se possível, vejam algum Pioneiro (ou o Mestre) para levar um celular (hoje em
dia eles pegam em “quase” qualquer lugar) ou um equipamento de radioamador
(alguém que esteja habilitado).
Com essas dicas, a Equipe de Interesse de Segurança já tem muito o que pensar!!
Mas é bom!! Segurança antes de tudo, pois você não quer ninguém machucado, que irá
incomodar os outros e estragar a atividade de todos porque não havia no local um estojo de
primeiros-socorros com uma gaze, ou tala para imobilizar. Pensem nisso: É melhor Preve-
nir do que Remediar!! Bom acampamento!!! SERVIR!!

Sugestão de Acantonamento 9.13


A programação sugerida a seguir é uma programação de Acantonamento, que pode
ser feita no próprio Grupo Escoteiro ou então na casa (ou chácara) de algum Pioneiro (ou
dos Mestres!!).
- 14h00 - Chegada no local de acantonamento, descarregar mochilas/material, re-
conhecimento do local (banheiros, local para atividades, local para dormir,
etc...).
- 14h15 - B.O.I.A. (bandeira, oração, informação e avisos)
- 14h30 - Jogo Quebra-Gelo
- 14h45 - Música
- 14h50 - Atividade Esportiva/Recreativa (pode ser desde um futebol, vôlei e bas-
quete misto até um passeio pelo local (no caso, se for uma chácara) ou então al-
gum outro tipo de competição).
- 16h20 - Intervalo para lanche.
- 16h30 - Preparação para o debate noturno. O Clã se divide em equipes (2 ou 3) e
discorre, nas equipes, sobre algum assunto MUITO polêmico, escolhido de co-
mum acordo entre todos. A idéia é que uma equipe seja a favor e outra contra, e
uma será o “júri”. Nessa hora, as equipes somente se reunirão e discutirão entre
si, acumulando os argumentos para a noite.
- 18h00 - Arriamento da Bandeira.
- 18h15 - Avaliação das atividades do dia.
- 18h30 - Tempo livre - os Pioneiros podem arrumar seu “canto” para dormir,
conversar, ouvir um pouco de música, relaxar, etc...
- 19h00 - JANTA!! Pioneiros arrumar a janta, preparam a mesa, servem, e depois
lavam!
- 20h30 - Conversa com os Mestres. Os Mestres apresentam algum tema para os
Pioneiros e todos conversam, refletem e pensam algo sobre ele. Ao final, escre-
vem as conclusões pessoais de cada um num papel, trocam uns com os outros, e
cada um lê o papel que parou em sua mão.
- 21h30 - Debate sobre o assunto escolhido à tarde!!
- 22h30 - Música, para acalmar os ânimos...
- 22h35 - Lamparada (6.10).
- 0h00 - Dormir
- 8h00 - Alvorada, higiene pessoal.

Página nº 90
- 8h30 - Café da manhã e limpeza dos materiais.
- 9h00 - Culto
- 9h30 - Atividade de Técnica Escoteira (adestramento e construção de uma Pio-
neiria, que servirá de exemplo para o ramo Sênior; adestramento sobre Foguei-
ras, visando um futuro acampamento, etc...)
- 11h00 - Avaliação geral do acampamento.
- 11h30 - Momento dos Mestres (os Mestres Pioneiros falam a sua impressão so-
bre o acantonamento, o desempenho dos Pioneiros, etc...)
- 12h00 - Preparação e “degustação” do almoço. Limpeza dos materiais.
- 13h00 - Limpeza e arrumação da sede do Grupo Escoteiro.
- 13h30 - Arriamento da bandeira. Saída para casa.
Essa é uma (pequena) sugestão de acantonamento. Vocês podem segui-la e trocar as
atividades, os horários, etc... Ou podem ver como é estruturado um acantonamento e partir
para adequar seu Clã a uma atividade dessa (ou vice-versa)!! Se seu Clã Pioneiro for bem
agitado e criativo, experimentem estender o acantonamento para mais tarde, aproveitando
mais o dia. As idéias são muitas, e o sucesso da atividade é bem fácil (e possível) de ser
alcançado!!! SERVIR!!

Sugestão de Excursão 9.14

A presente idéia será uma sugestão de Excursão. Imaginem a situação: um pioneiro


(ou uma equipe de interesse (16.1)) cuida de comprar as passagens, ver o horário e marcar o
local de encontro para a saída. Estando no local, confiram o que cada um trouxe (não para
constatar que esqueceram algo, pois nessa hora não vai adiantar muito, mas para ver se o
peso da mochila (montada de acordo com a idéia O que (NÃO!) levar num Acampamento -
9.1) é igual para todos, ou mais leve para os mais fracos), dêem o grito de seu Clã, fotos
com todos uniformizados, bandeira, etc e ...... vão!!!
Suponhamos que seja uma excursão pela serra, de trem. Vocês vão com ele até uma
das estações da serra, e descem. A partir daí começa a caminhada. Verifiquem as mochilas
(se estão bem ajustadas e presas) e calçados (que não devem ser novos, ou bolhas surgirão!)
e saiam passeando. Tenham em mente que em caminhadas assim, o gasto de água e energia
pelo corpo é brutal, vocês devem então estar o tempo todo mantendo o nível de água e e-
nergia do organismo alto. Mantenham sempre junto a vocês um cantil (ou garrafa plástica,
nunca de vidro, pois uma queda pode gerar complicações) com água fresca e balas, doces,
chocolates, etc... Não se sobrecarreguem de besteiras (bússolas, facas incrementadas, cor-
das, GPS, etc...!!) pois a excursão, a caminhada será mais fácil e tranqüila se vocês levarem
somente o essencial.
De tempos em tempos, em intervalos estabelecidos pelo ritmo da marcha e condi-
ções do terreno (terreno muito inclinado, lama, sob sol ou chuva, com ou sem vento, etc...)
façam paradas durante o caminho para que todos possam relaxar e descansar. Tirem as mo-
chilas, tirem fotos do grupo, ergam as pernas (não tirem os sapatos, pois os pés podem in-
char devido ao esforço e depois a caminhada será um pouco mais difícil), façam um alon-
gamento coletivo, comam e bebam um pouco. Para relaxar, cantem uma música, ou conver-
sem sobre o que cada um viu de diferente na trilha, ou o que fotografou, etc...
Quando a fome começar a bater, não adianta esperar. Parem, e façam a refeição,
pois seus organismos estão atrás de algo mais do que barras de chocolate. Um bom tipo de

Página nº 91
refeição não requer que necessariamente tenhamos comida quente. Em excursões, aonde o
peso da mochila é algo muito importante, nem sempre compensa levar um fogareiro, pane-
las, etc... Tentem um cardápio a base de pedaços de bolo, sanduíches (que embalados em
papel alumínio se mantém frescos), frutas (inclusive as secas, como uva passa, que é alta-
mente energética!), sucos (liberado o uso de sucos em pó, pois são fáceis de preparar, leves
e gostosos), geléias, etc... Não levem salgadinhos, embutidos e outras “besteiras”, pois não
alimentam nem dão muita energia.
Ao final da excursão, pouco antes de chegar à estação aonde o trem passará, o frio
bate. Logo, enquanto montam a mochila, coloquem um agasalho (moletom, blusão de lã,
anorak) na mala. Prefiram levar dois agasalhos leves, que possam ser colocados um em
cima do outro, do que um pesado. Assim, vocês estarão preparados para qualquer tempera-
tura durante a atividade. Ao final da excursão, já na estação do trem, tirem fotos, dêem o
grito do Clã e façam os comentários finais. Incluam nesses últimos momentos uma rápida
avaliação da excursão. Se valeu, as dificuldades encontradas, as besteiras feitas, os acertos,
etc...
As excursões e passeios diferem muito pouco umas das outras. Cabe a quem for
organizar a atividade (ou à equipe de interesse) que faça as devidas adaptações. Lembrem-
se de sempre manter, durante a excursão, a moral alta, pois às vezes uma chuva, ou um ven-
to, ou um tornozelo torcido pode gerar insatisfação, brigas e um pouco de desânimo. Can-
tem bastante, conversem o tempo todo e façam dessa atividade algo que possa ser repetido
muitas e muitas vezes!! SERVIR!!

Sugestão de Acampamento 9.15

E o acampamento? Bem, a seguinte idéia é uma espécie de roteiro para seu Clã Pio-
neiro organizar um acampamento. As atividades que acontecerão podem ser alteradas, e
o(s) responsável(eis) pelo acampamento devem apenas tomar cuidado com os horários e a
ordem das atividades.
O local do acampamento deve ser escolhido de acordo com a idéia A escolha do
local - 9.2, e os Pioneiros que já foram Sêniors e Escoteiros devem auxiliar seus amigos
quando da arrumação da mochila, material a que levar (O que (NÃO!) levar num Acampa-
mento - 9.1) e como proceder num ambiente que é o acampamento.
- 10h00 - Chegada ao local de acampamento, reconhecimento do local e escolha
da área de montagem das barracas.
- 10h30 - Bandeira, Oração, Informações e Avisos (B.O.I.A.)
- 10h45 - Música Escoteira.
- 10h50 - Montagem das barracas, toldo, fogareiro, etc...
- 11h30 - Atividade recreativa (gincana, brincadeira, etc...)
- 12h20 - Preparação (e DEGUSTAÇÃO!) do almoço. Após isso, limpeza dos
materiais.
- 13h30 - Atividades de Técnicas Escoteiras. Cada Pioneiro (ou cada equipe) rea-
liza alguma atividade que tenha por base, por tema, a aplicação de técnicas esco-
teiras.
- 15h00 - Música Escoteira

Página nº 92
- 15h05 - Atividade de Comunicação. Os mestres aplicam alguma atividade que
dê ênfase na comunicação, não só verbal, mas por sinais, expressões faciais,
etc... (ou qualquer outra atividade relacionada com comunicação, como oratória,
um “teatro”, etc...).
- 16h35 - Pausa para o lanche!!
- 16h45 - Música Escoteira.
- 16h50 - Atividade Intelectual. Algum jogo, ou algum desafio que os Mestres
Pioneiros prepararam antecipadamente, e que os Pioneiros devem, sozinhos ou
por equipes, resolver.
- 18h30 - Arriamento da Bandeira.
- 18h40 - Avaliação das atividades da tarde.
- 19h00 - Tempo livre. Pioneiros e Mestres podem desfazer as malas, arrumar o
material para o Fogo-de-Conselho (ensaiar esquetes, músicas, etc...), fazer higi-
ene pessoal, banho, etc.... Ah, e não se esqueçam de montar a fogueira para o
Fogo-de-Conselho!!
- 19h45 - Preparação (e DEGUSTAÇÃO!!) da janta. Após, limpeza dos materiais.
- 20h30 - Essa é a hora certa que aqueles Pioneiros que necessitem mostrar relató-
rios, promover discussões sobre livros, ou informar a COMAD sobre andamento
de projetos tem para utilizar. Utilizem esse período para tirar etapas do adestra-
mento pioneiro.
- 21h00 - Fogo de Conselho
- 22h30 - Avaliação de todas as atividades do dia, ao pé do fogo. Comentários
pessoais sobre cada momento do dia, visando apurar erros, acertos e estratégias
futuras.
- 23h00 - Toque de recolher (DORMIR!).
- 8h00 - Alvorada, higiene pessoal.
- 8h30 - Café da manhã. Após o mesmo, limpeza dos materiais.
- 9h10 - B.O.I.A.
- 9h30 - Música Escoteira.
- 9h35 - Culto Matinal.
- 10h00 - Atividade de Reflexão, preparada pelos Mestres, para ser feita às mar-
gens de um rio, ou do alto de um morro, ou de frente para algum lugar que invo-
que serenidade, tranqüilidade e que seja propício para esse tipo de atividade.
- 11h20 - Música Escoteira.
- 11h25 - Passeio pela área do Acampamento. Subam morros, entrem entre as ár-
vores, passeiem por entre campos e margens de rios. Aproveitem esses momen-
tos para tirar fotos, e preparar lembranças do acampamento (somente com mate-
riais do chão (folhas, galhos secos, etc...)).
- 12h30 - Preparação (e posterior ... Ah, vocês já sabem o quê!!!), após o mesmo,
limpeza dos materiais.
- 13h30 - Desmontagem do campo. Limpeza do local de acampamento, retirada
dos resíduos da fogueira, etc...
- 14h10 - Avaliação do Acampamento como um todo.
- 14h30 - Agradecimentos finais, Arriamento da Bandeira, Música Escoteira e gri-
to do Clã.
- 14h45 - Saída para casa.

Página nº 93
Como vocês puderam acompanhar, esse é um acampamento que envolve várias re-
feições, uma grande diversidade de atividades e muita, mas muita animação!! Procurem
programar seus acampamentos no mesmo estilo desse, abusando de músicas, de atividades
que envolvam o Clã como um todo (trabalhos em equipes, etc...)!!
Assim, vocês terão a garantia de ótimos acampamentos, recheados com muita ani-
mação e diversão!!!! Ah, e depois tentem programar algum acampamento com mais de uma
pernoite (aproveitem algum feriado e acampem por três ou mais dias!!)!! SERVIR!!

Visitando outro Clã Pioneiro 10.1

Se o seu Clã Pioneiro é muito novo, ou é “antigo” e tem amigos por toda a parte em
sua cidade, uma boa idéia é programar uma visita à eles. Com a dupla finalidade de vocês
reencontrarem seus colegas Pioneiros, mantendo fortes os laços de amizade entre vocês, e
ter a chance de “aprender” alguma coisa com um outro Clã estruturado (Aprendendo c/ ou-
tros Clãs Pioneiros - 4.8).
Para participar dessa visita, entrem em contato com a COMAD do outro Clã, e veja
uma data que não atrapalhe as atividades tanto de seu Clã quanto do outro. Programem tudo
(data e horário) e vejam o que vai acontecer no Clã que estará recebendo, nesse dia esco-
lhido.
Se vocês forem ao Clã para conhecer e aprender, vejam o tipo de atividade que eles
irão realizar (não se acanhem, e peçam para que eles realizem algo em que vocês tenham
dificuldades) e participem, para observar a ordem, os assuntos, a postura, as votações, deci-
sões, etc (no caso de um Conselho de Clã, por exemplo).
Se vocês forem para visitar, proponha na Reunião das COMADs que cada Clã fique
responsável por uma ou duas atividades, que serão feitas alternadamente durante a visita.
Ah, e caso esse seja o caso de seu Clã (visitar), não esqueçam que vocês serão os visitantes.
Por isso, nada de fazer brincadeiras bobas, falar alto ou fazer bagunça. Vocês são convida-
dos e devem se comportar como tal!
Ao final da reunião, entreguem a lembrança dessa atividade (que vocês prepararam
com antecedência!) para marcar que vocês realmente gostaram de interagir com aqueles
seus colegas, naquele dia. Preparem um pedaço de couro, pirografado com o símbolo de
seu Clã, ou algum pensamento, ou algum desenho característico de sua região (ou seu setor,
distrito, área, etc...) preso em um pedaço de pedra, ou de mármore (não precisa ser grande,
conseguido facilmente como refugo em marmorearias). Garanto que o Clã visitante adorará
tal lembrança.
Por fim, nada impede que vocês façam uma visita para “confraternização” propria-
mente dito, e para trocar experiências (se seu Clã dominar um determinado assunto que o
outro não, e vice-versa) entre os Pioneiros!! Basta programar com antecedência, e ir com
muita vontade de aprender e conhecer novos amigos!! SERVIR!!

Recebendo outro Clã Pioneiro 10.2


Caso a situação anterior se inverta, e seu Clã Pioneiro agora é o “hospedeiro” de
outro Clã, proceda da seguinte maneira:

Página nº 94
- Durante a reunião de COMADs que precede a atividade, combine com todos o
que irá acontecer. Se essa visita terá um cunho mais “social”, visando princi-
palmente a confraternização ou se essa visita será mais para aprender, sendo seu
Clã Pioneiro o “exemplo” a ser seguido.
- Caso a atividade seja com finalidade de repassar conhecimentos, pergunte a to-
dos, e a todo momento, se alguém não entendeu alguma passagem da reunião.
Insista em detalhes, visando não só dar uma visão geral, mas também abordando
um assunto de muitas maneiras diferentes.
- Ainda se a atividade for “educativa”, prepare para o Clã que os estão visitando
em seu Grupo Escoteiro, uma espécie de cartilha, contendo mais detalhes sobre
o que eles aprenderam durante a reunião. Por exemplo, um Clã veio ver como
vocês procedem durante um Conselho de Clã. Quais os assuntos, como são co-
locados, quem preside, como preside, etc... Vocês podem então preparar (ou pa-
ra todos ou para o presidente da COMAD) uma cartilha, ou um texto, ou outra
coisa escrita, contendo uma descrição detalhada do que é um Conselho de Clã, o
que se resolve nele, etc... (podem seguir o modelo da idéia Conselho de Clã -
4.2). Ao entregar esse material ao Clã Pioneiro visitante, vocês estarão mostran-
do sua boa vontade em recebê-los e ensinar-lhes coisas as quais eles não domi-
nam.
Enfim, vocês tem a chance de ensinar algo a alguém. Da mesma forma que um dia
vocês, individualmente, se sentiram perdidos ao entrar no Clã Pioneiro, outras pessoas tam-
bém se sentem assim. Logo, minimizem esse “sofrimento”, e procurem ser o mais solícitos
possível. Garanto que a alegria de ver os Pioneiros entendendo melhor sobre assuntos rela-
tivos ao Ramo é muito grande!! Aproveitem, e dêem uma de “professores”!!! SERVIR!!

Acampamento Setorial de Pioneiros 10.3

Muitas cidades do País contam com mais de um Clã Pioneiro por cidade. E muitas
vezes eles estão organizados, divididos em setores, áreas ou distritos (ou algum outro nome
semelhante). Logo, que tal promover uma atividade direcionada a todos os Pioneiros de seu
setor?
Não é difícil. Cada ano, numa mesma época, um Clã Pioneiro do Setor se encarrega
de organizar a atividade. Deve providenciar local, ver a data, escolher a forma de alimenta-
ção, programar o acampamento, etc... O tipo de acampamento pode ser o da Sugestão de
Acampamento - 9.15, devendo-se tomar os cuidados necessários para adaptar a atividade à
quantidade de Pioneiros.
Durante esse acampamento, providencie um horário para realizar um Fórum Setorial
de Pioneiros, aonde serão discutidos assuntos tais como, que Clã ficará responsável pelo
próximo acampamento, se é viável reunir os Pioneiros do setor para juntos desenvolverem
uma atividade para Lobinhos, Escoteiros ou Sêniors do setor, uma festa programada por
uma comissão de Pioneiros dos vários Grupos do Setor, etc...
Ah, e inventem também um nome para esse acampamento! Aqui em Curitiba, o
Setor 18, que compreende os Clãs Pioneiros dos Grupos São Judas Tadeu, Tapejara e do
Mar Amigo Velho, já realizou 3 desses acampamentos, e pretende continuar realizando um
a cada ano. O nome dessa atividade é bem simples: Pio-18!

Página nº 95
Caso o seu setor seja como o nosso, com poucos Clãs, pensem em duas possibilida-
des:
- O Clã organizador fica livre para convidar um ou dois outros Clãs para partici-
par desse acampamento junto com os Clãs do setor. Isso fará com que mais pes-
soas participem da mesma atividade, bem como divulgará a idéia a outros Clãs,
que poderão realizar atividades semelhantes em seus respectivos setores.
- Durante o Fórum, programem visitas aos Grupos do seu setor que não tem ainda
Clã Pioneiro, e divulguem o ramo dentro desses Grupos, de forma a garantir que
em um ou dois anos vocês tenham mais um Clã Pioneiro fazendo atividades com
vocês. Estimulem os chefes, Sêniors e as Guias a continuarem seu adestramento,
bem como digam que todo o apoio que eles precisarem será dado por parte dos
Pioneiros de seu Setor.
Enfim, atividades desse tipo unem muito, mas muito mesmo os Pioneiros. Se tudo
correr direitinho, vocês verão outros Clãs Pioneiros copiando sua idéia, com o mesmo obje-
tivo de integrar e confraternizar!! Sejam os “semeadores” dessa idéia!!! SERVIR!!

Festa a Fantasia 10.4

Façam com seu Clã uma Festa a Fantasia, e convidem todos os Pioneiros conheci-
dos para esse evento. Não é difícil, e fica mais fácil ainda se vocês se dividirem em equipes
de interesse (16.1) para melhor dividir as tarefas. Programem em Conselho de Clã uma data
(não muito próxima, de preferência para 2 ou 3 meses a partir do dia em que vocês estão) e
comecem a correr!!
Uma das equipes será a de “Promoção e Divulgação”, e ficará responsável por fazer
os cartazes, confeccionar os convites (e numerá-los e assiná-los, para evitar “penetras”), ir
nos Grupos Escoteiros divulgando a festa, participar da reunião de sua Equipe Regional
(Equipes Regionais - 4.10) - se seu estado tiver uma - divulgando a festa, etc... Outra equi-
pe, “Local e Instalações” cuida de arranjar um local para a festa, vendo se há tomadas sufi-
cientes, banheiros limpos, local para guardar malas, colocar o som, ver se há lâmpadas sufi-
cientes, material que precisará ser comprado, etc...
Já a equipe de “Som e Luz” se encarregará dos efeitos de luz que irão acontecer, da
música que irá tocar, seleção de CD´s, aparelho de som, caixas acústicas, etc... Desde o
local em que cada foco de luz vai ficar até a disposição das caixas acústicas e de quem con-
trolará tudo. Com essas três equipes, que funcionarão interligadas, vocês já podem fazer
uma festa a fantasia de sucesso. Frisem bem essa parte, pois quem não estiver “a caráter”
não entrará!!!! A festa pode ter elementos figurativos, decoração (olha aí uma outra equipe
de interesse!) apropriada e relacionada com o tema. Façam também um esquema de reve-
zamento entre os Pioneiros para que todos possam se divertir, dançando, e também cuidar
do bar (ops! Mais uma possível equipe de interesse!) e da entrada.
Como vocês viram, parece ter muitas equipes de interesse, mas vocês verão que
trabalhando nessas equipes o trabalho rende mais, e que vocês terão um aprendizado (nas
áreas que vocês mexerem) muito mais produtivo. Pensem muito no que vocês irão fazer,
pois problemas são fáceis de surgir, e difíceis de se resolver. Cuidem de detalhes (reunam-
se somente para conversar sobre os pequenos problemas e/ou pequenos acertos a serem
feitos) e não se esqueçam de fazer algo que marque esse evento!!!

Página nº 96
Unam tudo o que foi dito em outras idéias, e vejam para que o que foi escrito aqui
se adapte à realidade de seu Clã. Fazendo isso, novas equipes de interesse surgirão, outras
não sairão do papel. Tudo bem, vocês pelo menos saberão que essas modificações serão
para o bem da festa. No dia marcado, vão TODOS fantasiados o melhor possível, e tentem
fazer uma espécie de concurso de Melhor Fantasia, Mais Original, etc... Divirtam-se!!!
SERVIR!!

Campeonato de Futebol (ou vôlei, basquete,...) 10.5


Organize com seu Clã alguma competição esportiva, que reuna equipes formadas
por Pioneiros de vários Clãs de sua cidade. Façam uma “coletiva” com elementos de vários
Clãs, e vejam qual ou quais eventos esportivos serão realizados, e a data em que eles vão
acontecer. Para essa “coletiva”, mande uma carta aos Clãs, convidando para se encontrarem
(um representante ou o Presidente da COMAD) no seu Clã para discutir sobre esse assunto.
Escolhidos os esportes que irão acontecer (99,99% de chances de ser futebol), en-
carreguem diferentes equipes de interesse (16.1) para os seguintes assuntos temas:
- Local, transporte (ônibus ou por conta de cada Clã), comida e bebida (se vai ha-
ver um churrasco depois, etc...).
- Inscrições, limitando a quantidade de elementos, mais de uma equipe por Clã,
etc... além de estabelecer quem serão os juizes (geralmente Mestres Pioneiros).
- Premiação e certificados, que deve atuar junto com o pessoal da Inscrição, já
que envolverá gastos de dinheiro. Vejam se é melhor confeccionar troféus, ou
medalhas, ou placas, etc...
- Regras, que devem ser divulgadas com antecedência, para que eventuais discor-
dâncias ou mal-entendimentos sejam esclarecidos antes do jogo.
Com isso esquematizado, vocês podem marcar o dia e realizar o campeonato. Façam
a abertura, e a apresentação das equipes. Não esqueçam das fotos, “cobertura jornalística”
(aonde dois ou três Pioneiros documentam a atividade filmando ou fotografando e escre-
vendo crônicas (hilárias ou não!) sobre as partidas, equipes, jogadores, etc...
Ah, e não esqueçam de, ao final do campeonato, eleger o melhor jogador, o artilhei-
ro, o melhor goleiro, o time mais ofensivo, etc... Isso ajuda a valorizar a partida e faz com
que todos sejam lembrados, de uma forma ou de outra, fazendo aumentar o sentimento de
repetir a dose no ano/semestre seguinte.
Outra coisa muito interessante de fazer é aquele churrasco comentado no início. In-
cluam no preço da inscrição uma pequena taxa para comprar carne, refris, cervejas (contro-
ladas!) e carvão, e se preparem para fazer aquela festa para os campeões!!!! SERVIR!!

PIOcnic 10.6

Uma ótima forma de se iniciar as atividades de um semestre é fazendo um PIOc-


nic!! Ou um picnic Pioneiro!!!
Reunam o Clã, dividam os “mantimentos” (COMIDA!!!!) e escolham um lugar bem
legal para ir! Pode ser um rio, um recanto na serra, uma fazenda, uma chácara, etc... O que

Página nº 97
importa é que seja um lugar “para picnics”!!1 Não esqueçam de levar a toalha xadrez, bo-
los, refrigerantes, salgadinhos, etc...
O importante dessa atividade é que ela marque o Clã como sendo uma ótima opção
de atividade para entrosar os Pioneiros. Quando for programar o semestre de seu Clã, inclua
o PIOcnic no começo, para que vocês comecem com o pé direito suas atividades!!!
Ah, uma dica, depois de fazer um PIOcnic e ver o que deu errado, e o que deu certo,
convide um ou mais Clãs para fazerem a atividade com vocês. Cada um leva um pouco de
comida, bolas de vôlei e futebol, freesbee, baralho, etc... Vai ser uma atividade super-
divertida e com EXCELENTES resultados!!! SERVIR!!

Festival de Vídeo 10.7

Escolham uma noite, após uma atividade ou numa sexta-feira e façam um Festival
de Vídeo contando com a participação de três ou quatro Clãs de sua cidade.
Combinem a casa de um Pioneiro como sendo o local da atividade (dê preferência
àquele Pioneiro com TV de 29 polegadas!!!) e escolham quais serão os filmes que serão
assistidos (2 ou 3, para não ficar chato). Como os filmes duram em média 2 horas, convém
não se encontrarem muito tarde, em torno das 19h está bom.
Quando forem escolher os filmes, tentem pegar os últimos premiados pelo OSCAR.
Escolham temas que sejam fáceis de serem avaliados pelos Clãs, como efeitos especiais,
melhor filme, melhor ator, etc... Quando forem assistir, façam um formulário, a ser entre-
gue a todos os Pioneiros com perguntas destinadas a avaliar o filme. “A atuação do ator
XXXXX foi como:”, e por aí vai. Dêem notas de 1 a 10, ou de 1 a 5, após cada filme e
comparem seus resultados, discutindo porque eles combinam ou discordam.
Quando terminarem de ver todos os filmes, e fazerem as “avaliações”, vejam qual é
o melhor filme (aquele que obter melhores notas) e se os resultados foram os mesmos que
aconteceram no OSCAR. Ah, e não esqueçam de fazerem aquele providencial “lanche”
durante e entre os filmes!!!
Esse tipo de atividade desenvolve muito o senso crítico de uma pessoa, e debates
sobre cada filme ou sobre temas abordados no filme (violência, drogas, homossexualismo,
amor, amizade, crianças, etc...) devem ser amplamente explorados. Nessas atividades, po-
dem ficar evidentes (ou não) como um Clã Pioneiro pensa, em como um grupo (no caso o
Clã) está sujeito a manter opiniões mais ou menos semelhantes entre seus Pioneiros (aos
que estudam Psicologia, um prato cheio!!).
Por fim, vivam um momento de privilégio ao serem membros da “Academia de
Hollywood”!!! SERVIR!!

Concurso de Culinária 10.8

A presente idéia é realizar uma competição de culinária entre os Clãs Pioneiros. Tal
atividade já foi “testada” por 7 Clãs Pioneiros de Curitiba - PR. Vários Pioneiros e Mestres
“pilotaram” o fogão, e os resultados foram excelentes, com todos rindo muito, comendo
bem (bem mesmo, foi uma surpresa!) e acima de tudo, confraternizando!!!!

Página nº 98
Como à época eu era Presidente da CoRePio (Comissão Regional de Pioneiros,
transcreverei o texto, na íntegra (esqueçam as datas, já passou!) do cartaz que foi divulgado
aos Clãs Pioneiros.

“ Está lançado o desafio do ano!! Acontecerá no próximo dia 20 a partir das 18 horas,
na sede do G.E. São Judas Tadeu (em frente ao Parque Barigüi), o I CONCURSO PIO-
NEIRO DE CULINÁRIA!!! Prove que quem cozinha bem não é só a sua mãe ou a sua
avó!!! Reuna o seu Clã, planejem um prato, caracterizem-se como tal e mostrem que vocês
são ótimos em “pilotar fogões”!!!

As regras são bem simples:


1 - O concurso é ofertado para Pioneiros, Pioneiras, Mestras, Mestres e afins;
2 - Cada Clã pode competir com apenas um prato, que deverá ser suficiente para
todos os elementos do mesmo. Valem pratos frios ou quentes, doces ou salgados. Nisso se
incluem qualquer tipo de comida!! Usem a imaginação!!!!
3 - Cada Clã precisará ter, no mínimo, dois elementos caracterizados de acordo com
seu prato. Por exemplo: para uma “Pizza de Chocolate-com-Frutas”, o Clã precisará ir
com pelo menos dois elementos caracterizados de italianos. Para “Churrasco com Trufas e
Aspargos”, os elementos poderão ir caracterizados de gaúchos, e por aí vai!!!!
4 - Serão avaliados os seguintes tópicos, sendo que a pontuação de cada Clã será
exibida depois da divulgação final. São eles: Apresentação Geral, apresentação do prato
(origem, caracterização, significado e nome) e, é claro, PRATO MAIS SABOROSO!!
5 - A comissão que irá avaliar os pratos será a própria CoRePio, sendo que seus
integrantes não participarão do Concurso durante o processo de avaliação como concorren-
tes, podendo, contudo, ajudar seus Clãs na elaboração do prato.
6 - Forma de Avaliação:
- Cada Clã oferecerá apenas um pedaço de seu prato
para a Comissão que irá avaliá-lo (só é preciso um
pedaço para toda a comissão, e não um para cada um
dela!!).
- A Comissão fará sua avaliação e irá para o próximo
prato inscrito, anotando suas conclusões num formu-
lário.
- Após avaliar todos os pratos, a Comissão se reunirá
para apurar o Clã vencedor.
7 - Depois que a Comissão avaliar o último prato, os Clãs ficam liberados para “sa-
borear” os pratos dos outros Clãs!! Para isso, devem levar pratinhos, talheres, refrigerantes
e copos!!!!! E preparem-se psicologicamente, pois somente o 1º LUGAR ganha troféu!!
8 - Para a realização do evento, o G.E.S.J.T. avisa que estará aberto desde as 16 ho-
ras do dia 20! Isso porque os Clãs que desejarem terminar de preparar seus pratos lá, terão a
disposição um forno de microondas e uma geladeira, que servirão para “esquentar” aquele
salgadinho, ou aquela torta, ou esfriar aquele bolo, aquele sorvete!! Mas é só!! Se precisa-
rem de algo como um forno à gás, ou panelas, terão que levar o liquinho, fogareiro e as
próprias panelas!!!

Página nº 99
9 - Agora, um item sério: NÃO será permitido aos Clãs preparar os seus pratos após
as 18 horas! Ah, e as inscrições serão feitas somente na hora, no local da atividade!!
10 - Casos omissos (e eventuais dúvidas) serão resolvidos pela Comissão Organiza-
dora.
Como vocês perceberam, esta será mais uma grande atividade
que buscará um maior entrosamento entre nós, Pioneiros!!! E vão preparados para
a “degustação final”, quando todos provarão os pratos dos “concorrentes”!!!! Até
lá!!!!

CoRePio “

A atividade foi um sucesso, e os Clãs foram realmente vestidos e caracterizados


conforme suas comidas (tinha um tal de Arroz Indiano com um cara vestido de vaca!!!!!).
À CoRePio ficou a tarefa (dura, muito dura!) de provar e avaliar as comidas. Fizemos uma
ficha contendo os campos que foram avaliados e local para as notas. Depois de provarmos
todos os pratos, nos reunimos e contamos os pontos.
Atividades assim, acabam criando um vínculo muito grande entre os Pioneiros, pois
enquanto preparavam a comida, muitas palhaçadas, entre os Pioneiros de todos os Clãs,
aconteciam. Os Pioneiros realmente se conhecem melhor em atividades assim, aonde temos
um objetivo, e tempo, espaço e amigos dispostos a atingi-lo!!! “Bom apetite” !! SERVIR!!

Churrasco Pioneiro 10.9


Aproveitando a onda de churrascos, porque não organizar um com seu Clã e convi-
dar para a festa os Pioneiros de Clãs vizinhos?
A idéia é simples, e com um pouco de preparo e planejamento vocês podem inclusi-
ve sair lucrando algum dinheiro para a conta do Clã (Organizando as Finanças do Clã -
15.2). Comecem tudo criando equipes de interesse que cuidem:
- da confecção e venda de ingressos, além da decoração (se é que precisa, mas va-
le a pena dar um toque a mais!!) do ambiente em que acontecerá o churrasco.
- da obtenção de um local que comporte a quantidade estimada de pessoas que
vocês irão “alimentar” (previsto e definido em Conselho de Clã, muuuuuuuito
anteriormente!), além de conseguir um som, caixas acústicas, extensões de luz e
CD´s para manter um sonzinho de fundo legal.
- da pesquisa de preços (Pesquise sempre! - 15.9), para a compra de comida, be-
bida (refris, cerveja (Bebidas alcoólicas e Fumo - 9.10), pratos, fios de luz (para
extensões, etc...) e outros detalhes que vocês sabem que devem ser tomados.
- da divulgação e promoção, afinal, quanto mais pessoas tiverem, melhor!!! Mais
animada será sua festa, e mais sucesso vocês terão!!!
Com isso em mãos, executem essa idéia. Ela é mais simples que organizar uma fes-
ta, mas também tem seus “detalhes”. Não esqueçam das barraquinhas para vender/distribuir
a comida e a bebida, do gelo, dos isopores ou caixas para colocar a bebida, dos “animado-
res” do Churrasco, etc...

Página nº 100
Cuidando de tudo, seu Churrasco Pioneiro será com certeza, motivo de orgulho en-
tre os Pioneiros de seu Clã!!! SERVIR!!

Gincana Pioneira 10.10

Organizem uma gincana para os Pioneiros de sua cidade. Uma espécie de


competição, aonde os Clãs, organizados em uma ou mais equipes, competem entre si para
ver quem conhece melhor sua cidade!!!
Bem, vocês já devem ter visto que trata-se de um jogo de cidade!! A idéia é fazer
com que os Pioneiros se organizem em equipes, e partam para uma série de provas que
consistam em desafios intelectuais, e de observação (quem nunca brincou do Jogo do
Kim?). A seguinte idéia foi criada pelos Pioneiros Guilherme Soares (Cegonha - G.E. do
Mar Amigo Velho), Fábio M. Rocha (G.E. do Ar Santos Dumont) e Gustavo Paulus (G.E.
São Judas Tadeu) baseada em outras atividades semelhantes. Lembramos que dados como
“centro”, “Região do Paraná”, “Alemão” (barzinho muito bom!), etc... devem ser adapta-
dos.!!! O texto, na íntegra, segue a seguir:

“ União dos Escoteiros do Brasil


Região Escoteira do Paraná
Ramo Pioneiro
Pioneiros Guilherme de Sampaio Soares
Fábio Marcel Jacob da Rocha
Gustavo Fraga Brandão Paulus

PROJETO PARA ATIVIDADE PIONEIRA

“I GincanPIO”
Equipe Organizadora Los Tres Amigos

1 – A presente atividade consiste em realizar uma gincana (competição) no centro da cidade


de Curitiba no dia XX de XXXXXX, das 14h às 18h. A atividade será aberta a todos os
Pioneiros, Mestres Pioneiros, Assistentes e Sêniors em Ponte Pioneira interessados, reuni-
dos em Equipes de no máximo 5 pessoas, para um investimento de R$ 5,00 por Pioneiro.
Podem competir várias Equipes de um mesmo Clã.

2 – A atividade consistirá em uma “busca” por locais característicos do centro de Curitiba,


orientando-se por fotos e “pistas” relativas a essas fotos. Serão ao todo 30 fotos de locais
muito conhecidos de todo o centro da cidade. Como a idéia da atividade é não usar carro
para deslocamentos, muitos destes locais serão próximos uns dos outros. Para evitar então

Página nº 101
que a atividade fique muito fácil, fotografaremos os locais de ângulos pouco conhecidos, e
muitas vezes pegando apenas um detalhe característico daquele ponto. Para provar que o
Clã descobriu que local era o representado na foto, junto com esta vai uma pista do tipo:
- “Quantos degraus tem a escada desse local?”
- “Qual o nome dos três fundadores desse prédio”
- “Quantos andares tem o edifício do lado esquerdo da referência dessa foto?”
Assim, o Clã que realmente identificar a foto terá como comprovar, pois esses dados
serão estabelecidos de forma que só a ida ao local pode resolver a pista. Isso será usado
como critério para avaliar os pontos de cada Clã.

3 – Além dessa atividade de busca e deslocamento, uma outra atividade baseada em fotos
será executada simultaneamente com a “busca”. Serão fotografados 10 Grupos Escoteiros
e/ou locais relacionados ao Escotismo em Curitiba (Região Escoteira, Escritório de Even-
tos, Praça do Escoteiro, etc...), em ângulos novamente diferentes dos usuais ou pegando
detalhes característicos desses Grupos e/ou locais. Duas dessas fotos serão fotos realmente
difíceis (“desafio”), aonde somente aquele real conhecedor dos G.E./locais da cidade pode-
rá identificar. A pontuação adotada será:

- Para cada foto da cidade identificada e com a resposta da pista correta = 1


ponto por foto (30 pontos no total)
- Para cada um dos Grupos Escoteiros/Locais relacionados identificados = 5
pontos por local (40 pontos no total)
- Para cada um dos dois “desafios” identificados = 10 pontos por desafio (20
pontos no total)
- TOTAL DE PONTOS EM JOGO = 90 pontos

Vence o Clã que obtiver maior número de pontos no TOTAL. Se houver empate, os
critérios para desempate serão:
- Maior quantidade de pontos no “desafio”
- Maior quantidade de pontos nos locais/Grupos Escoteiros
- Maior quantidade de pontos na “busca”
- Quem entregou primeiro o caderno resolvido
- Sorteio

4 – A atividade iniciará às 14:00h de Domingo (XX/XXXXX – horário TELEPAR) com


concentração, confirmação de inscrição e elucidação de eventuais dúvidas desde às 13h30,
em frente à Região Escoteira (Ermelino de Leão). Exatamente às 14h00 serão entregues os
cadernos contendo os xerox das fotos com as pistas, das fotos dos G.E./Locais relacionados
e dos “desafios” (aprox. 22 folhas no total). A partir daí cada Clã fica livre para decidir se
irão primeiro para pista tal, ou para a outra, ou para a outra ainda. Não há ordem para as
pistas. As pistas não terão que ser resolvidas na ordem em que aparecem no caderno. Isso
dá liberdade do Clã debater e resolver o que fazer primeiro.
A partir das 17:00h a “Equipe Organizadora Los Tres Amigos” estará localizada
em frente ao “Bar do Alemão” (Largo da Ordem) esperando os Clãs chegarem e recebendo
os cadernos. EXATAMENTE às 18:00h irá encerrar-se o recebimento dos cadernos, estan-
do os Clãs ausentes imediatamente desclassificados (PRESTEM ATENÇÃO!!!). A partir

Página nº 102
desse momento a Equipe Organizadora irá então apurar os resultados e apontar os três pri-
meiros colocados. O resto do pessoal pode “confraternizar” enquanto espera!

5 – Serão premiados somente os três primeiros lugares, na ordem decrescente do total de


pontos ou segundo o critério de desempate já estabelecido. As inscrições serão feitas em
formulário anexo e entregues na Região Escoteira acompanhadas do pagamento no período
que vai do dia XX de XXXXXX ao dia XX de XXXXXXX. Não serão aceitas inscrições
após esse período!! A inscrição (valor = R$ 5,00 POR Pioneiro) cobre:
- confecção do caderno de pistas completo.
- confecção de Certificado de Participação, em nome do Pioneiro participante,
tamanho A5 colorido
- compra de troféus para os três primeiros colocados e confecção de Certificados
de Premiação, para os três primeiros lugares, colorido em papel A3.

6- Casos omissos serão resolvidos pela Equipe Organizadora, cuja decisão será soberana.
Por se tratar de uma atividade escoteira, todos os participantes deverão comparecer com o
uniforme escoteiro. Dúvidas, contatem a Equipe Organizadora nos telefones:
- Guilherme Soares (Cegonha) – 242-1223 (noite) ou 200-1166 cód. 4006246
(pager – recados)
- Fábio Marcel – 244-6741 (noite) ou 979-6125
- Gustavo Fraga – 222-7287 (noite) ou 994-5678

7 – Esperamos contar com a participação de todos nessa atividade que irá cada vez mais
unir os Pioneiros!!!! SERVIR!!

Equipe Organizadora Los Tres Amigos “

Bem, lógico que muitas coisas tem que ser modificadas para melhor se adaptar a
cada Clã organizador, cada cidade, etc... Muitas (mas muitas mesmo!!) coisas podem ser
modificadas, melhoradas e corrigidas. Esse projeto será apresentado à Comissão de Mestres
do PR e à CoRePio-PR (e esperamos que o mesmo seja levado a cabo em outubro!!!!) logo
logo (assim esperamos!).
Organizando atividades assim, vocês correm o sério risco de ter que repeti-la todo
ano, gerando mais e mais sucesso!!!!!!! Por isso, façam tudo muito bem organizado e tra-
tem de se divertir muito!!! SERVIR!!

“Clãs Irmãos” 10.11

Uma forma muito interessante de confraternizar com outros Clãs Pioneiros é vocês,
em comum acordo com outro Clã, decidirem ser Clãs Irmãos!!!
A idéia é que vocês, periodicamente, por serem “irmãos Pioneiros” de outros Pio-
neiros, promovam encontros, acampamentos, visitas, viagens, etc... entre os Pioneiros. Vo-
cês podem, por exemplo, no primeiro semestre do ano, receber seu Clã Irmão em sua cida-
de (se esse Clã for de outra cidade ou estado), levá-los para passear por locais turísticos,
etc... Depois, no meio do ano, vocês combinam de viajar juntos, indo acampar em uma

Página nº 103
praia, ou montanha, ou outro lugar desconhecido dos dois Clãs. No segundo semestre, é a
vez de vocês irem na cidade ou no G.E. do seu Clãs Irmão, e assim por diante.
Existem muitas propostas semelhantes para confraternização dos Pioneiros. Todo
ano acontece, por exemplo, o AcamJesus, Acampamento de G.E. de Colégios Jesuítas, reu-
nindo o G.E. Nossa Senhora de Medianeira (PR), Anchieta (SC) e Nóbrega (RS). É uma
atividade muito semelhante, que promove a união, viagens, experiências novas, etc... A
tropa Sênior do G.E. do Mar Amigo Velho por exemplo, após o Ajuri Nacional do Mar do
RS, manteve contato semestral com G.E. do Mar de Santos, em especial o Almirante Barro-
so e o Colégio do Carmo. Foram muitas “idas” e “vindas”, e mesmo hoje, muitos dos sê-
niors já são Pioneiros (eu, por sinal!), e continuam se encontrando, indo em Jamborees jun-
tos, Carnaval, festas (mesmo estando em outros estados!), etc...
E aonde achar um Clã Irmão? Bem, se em alguma atividade que envolva mais de
um Clã Pioneiro vocês criarem especial simpatia por um ou outro Clã, já é meio caminho
andado. Vejam se mesmo depois de acabada a atividade (Ajuri, Jamboree, Fórum, ELO,
Ação Escoteira, etc...) vocês continuam a se corresponder, etc...
Um Clã Irmão não é nada formal, não tem nenhuma ata, nada, que diga: “a partir de
hoje, o G.E. XXX e o G.E. YYY são Clãs Irmãos!”. Basta que vocês queiram, tenham a
vontade de se reencontrar e continuar a fazer “bagunça”, que tudo dará certo. É garantido!!
SERVIR!!

O que são Grandes Atividades 11.1

Grandes Atividades são aquelas que geralmente duram mais que uma noite, ou,
quando são de um fim de semana, exigem uma certa preparação com muita antecedência
(em torno de 6 meses). São atividades desse porte Ajuris, Mutirões Regionais/Nacionais,
ELO´s, Ações Escoteiras, Fóruns Regionais/Nacionais, etc...
Porque então é necessário tanta antecedência para isso? Porque classificar como
Grande Atividade? Veja bem, tome como exemplo aquele Mutirão que você foi ano passa-
do (se não foi, vá esse ano!). Você só escreveu seus dados numa ficha, depositou uma
quantia num banco e duas ou três semanas depois foi para a cidade aonde a atividade acon-
teceu. Só que, para que tudo isso tivesse acontecido, uma equipe de Pioneiros se empenhou,
por até mais de seis meses, cadastrando voluntários, compondo material, vendo lugares
para atividades, planejando horários, buscando local para dormir (alojamentos), confeccio-
nando camisetas e distintivos, escrevendo o projeto para a Região Escoteira, controlando
gastos, arranjando transporte, escolhendo o “buffet” para as refeições, fazendo contatos
com autoridades e outros órgãos relacionados, etc... (e muito, mas muito mais coisas que
vocês nem fazem idéia (experiência própria)!!!)!
Grandes Atividades são muito interessantes de participar, até mesmo para prestigiar
o trabalho que os organizadores (a essa altura “babando verde” de tanto trabalhar!) tiveram
em deixar tudo certinho. Outro ponto positivo nessas atividades são que você terá contato
com pessoas de muitos lugares diferentes, com realidades muito díspares entre si. A convi-
vência com essas pessoas por 4 ou 5 dias fará com que você tenha uma visão melhor do
Ramo Pioneiro, como ele é praticado, com que seriedade ele é aplicado, etc... Não perca, e
descubra o real significado de ser Pioneiro e de estar num Mutirão, ELO, Fórum, etc...!!
SERVIR!!

Participando de uma Grande Atividade 11.2


Página nº 104
Quando se vai participar de uma Grande Atividade, um Mutirão Regional por e-
xemplo, é necessário que o Clã tome cuidado com alguns detalhes, que podem fazer desde
sua participação não ser tão efetiva, até mesmo impedir que vocês (depois de pago tudo!)
consigam participar da atividade. Os cuidados clássicos são os que virão a seguir, e se o Clã
for inteligente, vai dividir eles para algumas Equipes de Interesse (16.1), de forma a racio-
nalizar e dividir tarefas entre todos. São eles:
- Informações, Inscrições e Contatos: é preciso saber aonde a atividade vai acon-
tecer, quando, o que precisa levar, que tipo de atividades vão acontecer, quem é
o responsável, qual a conta para inscrição, quanto é a inscrição, etc... Os Pionei-
ros dessa equipe devem ter tudo isso em mãos. Procurem por xerox da cidade
aonde a atividade acontecerá, na Internet (muitas atividades contam com uma
Home Page para dar informações, fichas de inscrição, etc...), na Região Escotei-
ra, etc...
- Transporte, Alimentação e Materiais: Algumas atividades são longe (em outros
estados, e ainda assim no lado oposto ao que você mora!!), outras perto. Con-
vém então decidir se vale mais a pena ir de carro ou de ônibus. Aí entra outra
função do pessoal dessa equipe. Se for uma atividade realmente interessante, e o
pessoal de outros Clãs também ficar interessado, conversem com todos e tentem
fretar um ônibus. Vocês terão a comodidade de sair a hora que quiserem e terem
o ônibus a disposição no local da atividade. Além de tudo isso, essa equipe de
interesse fica encarregada também de conseguir eventuais materiais extras para
as atividades do Mutirão (já participei de alguns que pediram bóias para carros,
capacetes, remos, coletes salva-vidas, cabos de algodão, etc...!), para todos os
Pioneiros.
- Autorizações, Material Individual e Coletivo, Relatório: essa equipe providenci-
ará as autorizações necessárias para o Clã participar da atividade. Em algumas
delas, especialmente se for em outros estados, vocês precisarão da autorização
do Chefe da Região Escoteira. Essa equipe também faz uma relação de material
individual (baseada nas informações dadas pela primeira equipe) e entrega aos
demais elementos do Clã. Os materiais coletivos (bandeira, sisal, barracas, lo-
nas, cabos, etc...) também são providenciados por essa galera. No final, todos
fazem seus comentários, numa avaliação, e essa equipe compila os resultados
num relatório que será guardado pelo Clã, como referência dessa atividade.
Existem muitas formas de se participar de uma “Grande Atividade”, e esse esquema
serve como uma boa referência para você e seu Clã se organizarem para participar de um
Mutirão, Encontro Regional, Fórum, etc... SERVIR!!

Equipes de Serviço 11.3

Uma forma muito interessante e que gera ótimos resultados para o adestramento do
Pioneiro é a participação, como Equipe de Serviço, em atividades dedicadas para os outros
ramos.

Página nº 105
Muitas pessoas (e nelas se incluem muitos Pioneiros!), que tem sua área de “servir
ao próximo” e “aprender fazendo” muito limitadas (ou inexistentes), acham que Equipe de
Serviço (ou “Staff”, que além de ser mais chique de falar é como se identifica os elementos
que colaboram nessas atividades) é somente para ir trabalhar e trabalhar, para os outros se
divertirem.
Pois bem, a própria forma de participação nessas atividades já é uma diversão! Você
estará vendo os dois lados de tudo o que acontecerá nessa Grande Atividade. Você ajudará,
elaborará e aplicará todas as bases, módulos, jogos, etc e também participará deles, para
que as outras pessoas (escoteiros, sêniors) vejam que se o Pioneiro está “brincando”, então
elas podem fazer o mesmo.
Além das outras vantagens que você, como participante da Equipe de Serviço obte-
rá, como taxas de inscrição menores, alimentação por conta da organização (você só vai lá
e come!), enxoval diferenciado (lenço, camiseta, bonés) e da própria atividade (distintivo,
certificado, etc...), entre outras!! E, caso a Grande Atividade a que você participe seja um
Jamboree (Pan-americano, Mundial), você ainda terá a possibilidade de, em suas horas de
folga ou mesmo enquanto realiza sua atividade, conhecer pessoas, Pioneiros como você, de
todas as partes do mundo! Você pode trocar presentes, praticar outras línguas, e muitas ou-
tras coisas mais!!
Para participar de atividades como Equipe de Serviço, mantenha-se sempre infor-
mado visitando sua Região Escoteira, ou entrando em contato com chefes de seu Estado.
Algumas atividades (especialmente atividades regionais) não abrem vagas para staff, mas
se você conversar com o responsável e explicar seus objetivos, com certeza você consegui-
rá participar e colaborar!! Aproveite, e não perca mais essa chance de praticar o serviço ao
próximo!! SERVIR!!

Mutirões Regionais (Interclãs) 11.4

Mutirões Regionais Pioneiros (ou Interclãs, como também é chamado em alguns


lugares) são atividades exclusivas de Pioneiros. Nessas atividades os Pioneiros podem ex-
plorar toda a potencialidade inerente ao Ramo Pioneiro.
A equipe de interesse que organiza a atividade providencia tudo, desde acomoda-
ções e alimentação, até atividades de serviço, culturais e de aventura. Em um Mutirão, não
faltam as festas, fóruns (onde são discutidos de tudo, desde modificações na forma da ativi-
dade, até assuntos que podem ser encaminhados à Região Escoteira), passeios, atividades
intelectuais e místicas, etc...
Tradicionalmente, todo ano tem-se um Mutirão, isso para evitar que fique muito
oneroso para o bolso dos Pioneiros (afinal, apesar da inscrição ser muito em conta, tem o
dinheiro das passagens de ônibus, ou da gasolina do carro, etc...), para evitar que a progra-
mação dos Clãs fique sobrecarregada e para evitar que erros cometidos em um Mutirão se
repitam no outro. Logo, assim que seu Clã tiver notícia de um Mutirão Pioneiro, rapida-
mente organizem equipes de interesse (tome como base (modificações livres) a idéia Par-
ticipando de uma Grande Atividade - 11.2) e vão para a atividade cheios de energia e moti-
vação!!!
Alguns Pioneiros, por força da vida (faculdade, mudança, namoros, etc...) ou por
outras causas (carnaval, viagens, etc...) acabam conhecendo Pioneiros de outros estados.
Isso é ótimo, especialmente quando surge a oportunidade de participar em um Mutirão em

Página nº 106
outro estado!!! Caso a sua programação do Clã permita a participação, veja com os organi-
zadores se há problema em vocês, vindos de outro estado, participar da atividade. É sempre
bom checar esse detalhe, pois a participação de Pioneiros “estrangeiros” já foi eliminada ou
restringida porque alguns Pioneiros irresponsáveis, de outros estados que não o de onde a
atividade aconteceu, acabaram criando problemas que chegaram a comprometer todo o Mu-
tirão (ficaram bêbados, criaram bagunça, etc...).
Logo, quando for a uma atividade dessa, tome cuidado para não manchar seu nome,
o do seu Clã Pioneiro e o de todo o seu Estado!! Leve sua personalidade, seu “sotaque”,
suas músicas, brincadeiras, etc... e passem um pouco de sua região, de sua terra, para seus
colegas Pioneiros!!!
Não percam a chance de participar ao máximo de atividades assim, pois Mutirões
Pioneiros são as únicas atividades nacionais exclusivamente direcionadas para nós!!! Espe-
ro que seu Clã se empenhe e mande o maior número de representantes possível!!! Marque
os Mutirões que você passar com sua alegria, graça e amizade!! SERVIR!!

Encontros de Pioneiros 11.5

Outra atividade que dá ótimos resultados são encontros periódicos de Pioneiros.


Você e uma equipe de serviço podem se organizar e planejar alguma atividade que reuna os
Pioneiros de sua cidade, ou do seu Estado, em torno de um objetivo em comum.
Pensem em temas do tipo:
- esclarecimentos sobre alguma atividade internacional
- realização de uma Pré-Vigília regional ou metropolitana
- realização de um Fogo-de-Conselho regional ou metropolitano
- elaboração de um seminário, sobre algum tema ligado à ecologia, adestramento
Pioneiro
- cursos sobre Carta Pioneira, Primeiros Socorros, Acampamentos, etc...
Conversem com a Região Escoteira, e tentem conseguir um espaço para as reuniões,
palestras, etc... Vejam também se conseguem certificados endossados pela Região (o que
valorizará sua atividade).
Invista nessa idéia. Traga os Pioneiros para junto dos Pioneiros!!! Criem atividades,
concursos, etc... utilizando tudo o que foi visto anteriormente e misture tudo para formar
uma SUPER atividade, com a participação e interesse de todos os Pioneiros do seu esta-
do!!! SERVIR!!

Fóruns e Assembléias 11.6

Dentro de um Mutirão Pioneiro ou de um Interclãs, a atividade que mais libera o


pensamento, a opinião e a capacidade de articular frases e se expressar frente aos outros de
um Pioneiro é o Fórum. Nele, os Pioneiros colocam em pauta assuntos pertinentes ao ramo,
que podem beneficiar desde um determinado grupo de Pioneiros, até a totalidade do Ramo.
Além disso, nos Fóruns Pioneiros, Clãs que tenham planejado alguma atividade ou algum
evento, podem fazer sua divulgação e “propaganda”.

Página nº 107
O Fórum é realizado geralmente no último dia da atividade (Mutirão, etc...). Quando
todos os elementos encontram-se em silêncio e prontos para o início, é escolhido, por acla-
mação ou votação, o Presidente do Fórum e o Secretário, que cuidará da ata. Assim que os
dois são escolhidos, o secretário lê a ata do último fórum, incluindo sua data, local aonde
foi realizado, decisões votadas, etc... Quando isso termina, é feita uma oração e o Presiden-
te demanda os assuntos, que são anotados pelo Secretário, para depois indicar a ordem das
discussões. O papel do Presidente deve ser muito sério, pois ele estará responsável pela
ordem e desenvolvimento do Fórum, bem como as decisões tomadas pelos Pioneiros.
E quem vota? Se na sua atividade tiver Pioneiros de outros estados, e ela (a ativida-
de) for regional, os Pioneiros de fora são considerados “observadores”, ou seja, tem direito
à expressar sua opinião (dando sugestões, relatando experiências semelhantes, etc...) mas
não tem direito a voto. Todos os outros Pioneiros do estado tem direito a voz e voto. Pode
acontecer que, previamente, os setores, distritos, áreas, etc... tenham organizados Fóruns
Setoriais (ou de Área, etc...), elegendo representantes e votando assuntos que serão levados
ao Fórum Regional. Logo, caso esse seja o seu caso, todos tem direito a voz, e mas só os
Delegados de cada setor (ou área, etc...) tem direito a voto.
E as assembléias? Elas geralmente acontecem em atividades organizadas pela Regi-
ão Escoteira, ou pela UEB-Direção Nacional. Nessas assembléias, Pioneiros podem se ins-
crever para participar de mesas-redondas, círculo de debates, fóruns (por exemplo o Fórum
Nacional de Jovens Líderes), encontros da modalidade, etc... Tendo participado dessa as-
sembléia, os Pioneiros (que podem ser delegados de seus Grupos Escoteiros, Setores, Regi-
ão Escoteira, etc...) voltam a suas cidades de origem e tratam de repassar seus conhecimen-
tos, suas experiências e resoluções concebidas durante a assembléia.
Essas duas atividades são MUITO importantes para o Ramo Pioneiro. Nelas podem
ser levadas a cabo idéias como Mutirões, Encontros de Pioneiros, Sugestões de Modifica-
ção de documentos e normas (P.O.R., Guia do Pioneiro, etc...), Eleições para outras ativi-
dades (a nível nacional ou internacional), etc...
Sempre que seu Clã ou você participar de uma atividade dessa, aproveite a oportu-
nidade e expresse sua opinião, seu pensamento. Não perca essa chance de conversar com
pessoas que compartilham sua idéia, sua linha de pensamento. Vale a pena discutir com os
outros, bolar soluções e chegar em acordos, tudo em prol do desenvolvimento e crescimen-
to do Ramo Pioneiro!! SERVIR!!

O Rover Moot 11.7

O Rover Moot é a única atividade a nível mundial que é exclusivamente direcionada


aos Pioneiros (não só a eles, mas à escoteiros que tenham mais de 18 anos). Esse evento,
que equivale a um Jamboree Mundial quando comparado à organização e a periodicidade
(de 4 em 4 anos), tem por atividades (além das tradicionais aventuras, desafios, passeios,
escaladas, etc...) principais as atividades de serviço. Só que essas atividades são realmente
muito grandes. Trata-se de desenvolvimento comunitário, os Pioneiros vão até o local em
que será realizada a atividade, pesquisam o local, colhem informações, etc... e a seguir,
JUNTO com a comunidade, promovem modificações, treinamento, ações, etc... que façam
a comunidade aprender e se tornar auto-suficiente em determinada tarefa.

Página nº 108
É mais ou menos assim: vocês vão a uma comunidade que tem muitas cachoeiras
belíssimas nas regiões próximas. Vocês chegam lá, avaliam o potencial turístico, promo-
vem campanhas para limpeza, identificação e utilização racional das trilhas que levam às
cachoeiras. A seguir, fazem com que a comunidade assuma a organização, manutenção,
arrecadação e conservação desse local. Os Pioneiros, em Desenvolvimento Comunitário,
trabalham em PARCERIA com a comunidade, e não só chegam lá, fazem uma atividade e
vão embora (nada contra, são ótimas!).
Logo, o Rover Moot, por ter uma duração maior (12 dias ou mais!) dá a possibilida-
de de você desenvolver mais e melhores trabalhos junto às pessoas. Participar de um Rover
é uma experiência única, e deve ser levado a sério a preparação. Campanhas Financeiras
(vide adiante) são uma ótima forma de levantar dinheiro para, ao menos, prover parte do
investimento necessário para a viagem e inscrição (eles são em vários países - o último foi
na Suécia e o próximo (ano 2000) será no México).
Participem! Façam um esforço e VÃO! Se não der, busque mais informações sobre
o Rover e prepare uma exposição, ou um debate, ou uma palestra sobre suas atividades,
etc... Não deixe de se envolver em uma atividade assim!!!! SERVIR!!

Expo-PIO 11.8
Uma ótima atividade, que é para mobilizar muitos Clãs Pioneiros de sua região, é a
ExpoPIO!! Formem uma equipe de interesse (com a participação de vários Pioneiros de
vários Clãs) e busquem um local, junto à Prefeitura Municipal, para fazerem uma exposição
sobre o Ramo Pioneiro, suas atividades, seus elementos, uniformes, instalações pioneiras
(sede), etc...
Tentem conseguir um local aonde o público possa passar, olhar, parar e conhecer
mais sobre o Ramo. Uma sala em um parque ou museu é uma boa pedida. Essa equipe pode
se dividir e uma parte seguir para a divulgação da atividade, a outra para organizar, infor-
mar e ajudar os Pioneiros.
Essa ExpoPIO é mais ou menos assim: os Pioneiros pegam (ou fazem, ou conse-
guem com alguém) biombos (1 por Clã Pioneiro) e colocam neles fotos, recortes de jornais,
comentários, uniformes, medalhas, mensagens, etc... relacionadas ao Movimento Escoteiro
e especificamente ao Ramo Pioneiro. Vale de tudo!! Colocar um filme contendo imagens
de uma delegação que foi a alguma atividade regional / nacional, expor um manequim com
um uniforme de Pioneiro (identificando seus distintivos), colocar fotos de atividades de
Serviço, de aventura, Pré-Vigílias, de sede, com outros ramos, etc...
Tudo isso para promover uma maior divulgação do Ramo e de suas atividades, além
de possibilitar um contato maior com outros Clãs Pioneiros e com suas atividades!! Apro-
veitem e mostrem o que faz um bom Clã Pioneiro!!! SERVIR!!

Sugestão de Mutirão Regional 11.9

Bem, para os Clãs que são mais estruturados, tem uma certa organização e estão
dispostos a enfrentar um ótimo desafio, aí vai uma sugestão de programação (para ser li-

Página nº 109
vremente alterada!!!) para um Mutirão Regional. Só irei repassar os detalhes da programa-
ção, os outros detalhes, como alimentação, transporte entre os locais de atividade, obtenção
de local para as atividades (fóruns, local para dormir e comer, banhos), inscrições, etc...
ficam por conta do Clã. Minha dica: formem equipes de interesse (16.1) para cada um des-
ses temas (entre outros que vocês verão que irão surgir! E como surgirão!!!) e mãos à o-
bra!!
- Dia 1
- 13h30 - Recepção dos Pioneiros, confirmação da inscrição e entrega do enxoval
(camiseta, distintivo, manual da atividade).
- 14h00 - Início da Atividade! Ferradura com todos os participantes. Avisos como
locais de atividades, atividades, apresentação da equipe que organizou o Muti-
rão, apresentação do responsável pela atividade, hasteamento das bandeiras e o-
ração.
- 14h30 - Tempo livre para os Pioneiros se acomodarem, conhecerem o local (a-
onde são os banheiros, local para refeições, etc...) e reencontrarem amigos.
- 15h30 - Fórum Regional de Pioneiros - 1ª sessão
- 17h00 - lanche
- 17h30 - Atividade Recreativa entre os Pioneiros. Competições de Futebol, Vô-
lei, Basquete e outros jogos.
- 18h30 - Arriamento da Bandeira. Avisos sobre a atividade da noite e sobre a ati-
vidade do dia 2.
- 19h00 - Tempo para banho e higiene pessoal
- 20h30 - Janta!!
- 22h00 - Festa Pioneira (procure um tema bem legal e divertido (que tenha sido
divulgado na ficha de inscrição!!!!!))

- Dia 2
- 1h00 - Fim da festa. Toque de recolher.
- 8h00 - Alvorada. Higiene pessoal e Café da Manhã.
- 9h00 - Hasteamento das bandeiras, Avisos e divisão dos Pioneiros em equipes,
para as Atividades de Serviço.
- 9h30 - Divisão das equipes para as Atividades de Aventura e Passeio (escolhidas
por cada Pioneiro quando do preenchimento da ficha de inscrição).
- 12h30 - Retorno das Atividades de Aventura. Almoço
- 13h30 - Saída para as Atividades de Serviço (escolhidas por cada Pioneiro
quando do preenchimento da ficha de inscrição)
- 18h00 - Retorno das Atividades de Serviço. Arriamento das bandeiras. Aviso
sobre a atividade noturna (Fogo-de-Conselho).
- 18h30 - Tempo livre para a higiene pessoal, banhos, etc ...
- 19h30 - Janta
- 20h30 - Os Pioneiros reúnem-se para preparar as esquetes, músicas, brincadei-
ras, etc... para o Fogo-de-Conselho.
- 21h30 - Fogo-de-Conselho
- 23h30 - Tempo livre para os Pioneiros confraternizarem a última noite de ativi-
dade.
- Dia 3
- 1h00 - Toque de recolher

Página nº 110
- 8h00 - Alvorada. Higiene pessoal e Café da Manhã.
- 9h00 - Hasteamento das bandeiras, Avisos.
- 9h30 - Fórum Regional de Pioneiros – 2ª sessão
- 11h30 - Tempo livre para os Pioneiros organizarem seu material, arrumando o
local de atividade (limpeza!)
- 12h00 - Almoço festivo! Coloquem músicas no almoço (ou inventem um karao-
kê!), peçam que os Pioneiros, alternadamente, subam em um palco e falem ao
microfone (ou “viva voz”) piadas, “causos”, etc...
- 13h00 - Encerramento. Agradecimentos, conclusões, entrega de prêmios à auto-
ridades e Pioneiros (aquele que foi mais animado, o mais companheiro, a Miss
Mutirão, etc...). Arriamento das Bandeiras. Fim do Mutirão.
Não é fácil não? Mas veja por outro lado, uma atividade dessas, quando bem feita,
pode colocar o nome de seu clã, ou de seus elementos, em muito boa cotação junto aos ou-
tros clãs e à própria Região Escoteira!!! Além de vocês terem se divertido muito!!!!!!!!!
Não percam a oportunidade de fazer novos amigos, “brigar” com o desafio de reunir
tanta gente, promover atividades de serviço para o bem da comunidade, etc... É difícil (ex-
periência própria!), mas com certeza vale a pena!!!!! SERVIR!!

Sugestão de Fórum 11.10

Bem, a presente idéia não é bem uma sugestão de Fórum, visto que essas atividades
raramente tem um tema definido. O que iremos apresentar é um roteiro para vocês, Pionei-
ros, se basearem quando forem fazer um Fórum em um Mutirão, Interclãs, etc...
- Abertura do Fórum. O Presidente do último Fórum (ou o secretário, na falta do
primeiro) pede a atenção de todos e faz uma oração. A seguir, lê a ata do último
Fórum.
- Depois da leitura, é feita a eleição do novo Presidente e do Secretário, que irão
ordenar os assuntos e o próprio Fórum, além de escrever a ata.
- Quando o novo Presidente for escolhido (por aclamação ou voto aberto), ele pe-
de que as pessoas que tenham assuntos para serem discutidos ou informados que
se manifestem. Ele anota todos os assuntos e começa o Fórum.
- Agora é a hora em que o Presidente deve exercer seu papel. Ele deve pegar os
assuntos e estabelecer uma certa ordem lógica, alternando assuntos polêmicos
com assuntos informativos e mais “calmos”. Quando o Presidente fizer a cha-
mada por um assunto, chama também a pessoa que o propôs e pede que se iden-
tifique com nome, Grupo Escoteiro, etc...
- Quando os ânimos começarem a se exaltar, o Presidente tem o dever de parar o
Fórum, e até dar uma “dura”, uma “bronca” nos tumultuadores, pedindo que se
comportem como tal para esse evento.
- Após todos os assuntos terem sido debatidos e explanados, o Presidente repete
as decisões tomadas, para que fique bem claro o que foi decidido no Fórum, e
declara encerrado o mesmo. A seguir, ele pede que todos os presentes assinem a
ata do Fórum.

Página nº 111
Essa programação é como se fosse um roteiro geral, uma “média” de atividades que
todo Fórum segue. Em alguns lugares ele é dividido em duas partes, para que mais assuntos
possam ser debatidos, explanados e esclarecidos melhor.
Logo, quando você for encarregado de um Fórum, ou for (UAU!) Presidente de um,
tenha em mente que nem tudo que está escrito aqui funciona certinho. Cabe a você, usando
de muito bom senso e tendo organização, fazer com que tudo corra bem, de forma ordenada
e produtiva! Bons Fóruns!!!! SERVIR!!

Para marcar sua participação em uma Grande Ativ. 11.11

Agora que você já viu como organizar uma Grande Atividade, como programar e
quais os tipos, veja o que você pode fazer para tornar a sua participação nessas atividades
mais marcante e divertida!!!
- Organizem-se para ir “em bando”!!!! Vejam quem mais gostaria de participar
dessa atividade, e combinem de comprar passagens no mesmo ônibus, ou de fre-
tar um ônibus (para o caso de serem em torno de 40 pessoas) ou ainda de irem
de carro, se a distância e tempo compensarem.
- Façam camisetas personalizadas. Escrevam nela o nome do seu Clã, seu nome, e
o nome da atividade aonde vocês estão indo. Coloquem a data, uma figura ou
desenho (de seu clã ou da Atividade, ou dos dois!!) que caracterizem a camiseta
e vocês. Quando chegarem, todos reconhecerão vocês e saberão: “olha lá o pes-
soal do Clã Tal!!!”. Além disso, vocês podem trocar as camisetas por outras se-
melhantes na atividade, e guardar uma lembrança a mais da Atividade!!
- Preparem um pedaço de couro cru, grande, e o levem junto com um pirógrafo
para que cada participante grave seu nome e alguma mensagem no couro. Quan-
do voltarem, exponham no Clã o pedaço de couro, com a marca de todos os Pio-
neiros que participaram da Atividade!!
- Façam cartões de apresentação para toda a delegação. Coloquem fotos, endere-
ços, emails, Grupos Escoteiros, Clã Pioneiros, etc... Assim, ao serem distribuí-
dos, todos terão uma boa recordação de quem você é e de como encontrar você.
- Preparem faixas, para serem colocadas no ônibus, junto das barracas, na porta
do hotel, na entrada do alojamento, etc... Os dizeres podem ser desde o nome de
seu Clã, com o nome de todos que irão participar atividade até frases dizendo “O
Clã Tal saúda os participantes do XX Acampamento Regional TAL”, ou coisa
do gênero!
Bem, fazendo coisas assim, simples e que não demandam muita organização, seu
Clã marcará e muito a sua participação. Ah, e não se esqueçam de tirar as fotos, de fazerem
“poses e mais poses”, e de aproveitarem muito o que quer que vocês participem!!! SER-
VIR!!

Ecologia x Pioneirismo 12.1

Página nº 112
Ecologia e Movimento Escoteiro estão muito relacionados entre si. Desde o Ramo
Lobinho são muitas as etapas, especialidades e distintivos que promovem um maior conhe-
cimento e entendimento do Meio Ambiente, suas relações e sua interação com o homem.
Porém, por ser mais maduro e ter um nível de conhecimento mais alto, o Pioneiro
pode, quando bem planejado e executado, promover profundas mudanças no Meio Ambien-
te, baseado em suas experiências, conhecimentos e atitudes. Quando bem direcionado, esse
tipo de conhecimento pode ser muito produtivo, pois as ações a serem realizadas terão uma
abrangência maior, serão mais duradouras e importantes que as realizadas pelos outros Ra-
mos (não menosprezando as ações ecológicas realizadas por esses.).
Logo, é de suma importância que o Pioneiro realize, periodicamente, algum tipo de
projeto que envolva ecologia, conservacionismo, etc... E mais, sempre tentando envolver a
maior quantidade possível de pessoas, o Pioneiro estará promovendo não só uma excelente
ação ecológica, mas estará também “semeando” a vontade e o interesse de mais e mais pes-
soas em realizar ações semelhantes. Uma boa dica é colocar em pauta, durante o primeiro
Conselho de Clã (4.2) do ano ou semestre (aquele em que a programação é discutida) a
periodicidade das atividades de cunho ecológico. Duas ou três por semestre não sobrecarre-
gará o Clã e permitirá que bons projetos sejam desenvolvidos.
Outra coisa interessante é criar uma espécie de compromisso informal, em que o
Escudeiro, ao entrar no Clã Pioneiro, compromete-se a sempre buscar estar mais inteirado
com questões ecológicas/conservacionistas, promovendo junto de seus irmãos escoteiros
ações e atividades que visem sempre a questão da ecologia. Conversem com seus Mestres
Pioneiros e com profissionais da área (Biólogos, Eng. Florestais, etc...) e programem óti-
mas e variadas atividades!!! SERVIR!!

Programa de Palestras para as Seções 12.2

Assim que o Clã tiver um relativo conhecimento sobre ecologia, meio ambiente e
conservacionismo, pode começar a pensar em projetos que visem divulgar esses conheci-
mentos ao maior número possível de pessoas.
Programem, durante uma Reunião de Chefia em seu Grupo Escoteiro, uma ordem
entre as seções que indicará a data e a vez de cada uma delas receber uma exposição itine-
rante de Ecologia e algumas Palestras relacionadas.
O Clã Pioneiro escolhe os temas e se separa em Equipes de Interesse (16.1) para
criar e executar os murais da exposição, e para criar uma ou duas palestras para as seções.
Uma semana antes da primeira palestra/exposição, procedam do jeito que fariam com os
outros elementos do Grupo, só que apresentem para vocês mesmos, dentro do Clã Pioneiro.
Isso ajuda a descobrir falhas e a melhorar a postura na hora de apresentar, além de ser uma
boa oportunidade para dar um toque a mais nos murais, dando uma organizada melhor nas
idéias, uma distribuição de fotos e comentários, etc...
Depois, façam as apresentações e tentem responder à maior quantidade possível de
perguntas. Mas lembrem, vocês (ainda!) não são experts nisso!! Não tenham vergonha de
dizer: “Olha, sobre isso eu não sei muito”, ou “Espere que eu vou pesquisar mais e depois
lhe informo”. Se vocês acharem necessário, peçam que algum profissional da área (Biólo-
go, Eng. Florestal, Agrônomo, etc...) dê uma revisada no material e que até participe da
atividade, se não atrapalhar seus compromissos pessoais. Assim, perguntas mais elaboradas
ou que exijam um conhecimento mais profundo podem ser respondidas por ele.

Página nº 113
Ao final de cada apresentação para as seções, façam uma pequena avaliação, para
tentar descobrir erros e para fazer correções. Conversem bastante, façam rodízio das equi-
pes (assim todos apresentam tudo) e tenham uma ótima atividade!!!! SERVIR!!

Safári Fotográfico 12.3

Programem uma atividade de sede que consiste em ir visitar um parque ou um Jar-


dim Botânico, ou mesmo alguma mata próxima ao Grupo Escoteiro. Munidos de máquinas
fotográficas (com filmes!), dividam o Clã em grupos de duas a três pessoas e saiam cami-
nhando e fotografando tudo o que acharem interessante. Ah, não esqueçam de marcar um
horário para que todos se encontrem para voltar ao Grupo Escoteiro.
Fotografem animais, plantas, formações vegetais curiosas, arranjos de pedras, rios e
riachos, paisagens, etc... A maior quantidade possível de coisas. Improvisem suportes, tes-
tem ângulos diferentes (do alto de uma árvore, deitado no chão, de dentro d´água, etc...),
etc...
Quando chegarem ao Clã, marquem para trazer as fotos reveladas na semana se-
guinte. Quando isso acontecer, vocês podem seguir por vários caminhos, tendo as fotos em
mãos: Elejam a melhor foto, baseada no elemento fotografado, nas luzes, nos ângulos, na
originalidade, etc...
Escolham algumas fotos que melhor caracterizem algum tema, por exemplo: vida
animal, vida vegetal, árvores e arbustos, água, etc...Montem um mural com as melhores
fotos, e deixem ele exposto na sede, para que todos possam ver. Informem o local em que
as fotos foram tiradas, assim outros elementos do Grupo Escoteiro podem ir ao mesmo lo-
cal e comprovar os “cenários”, e quem sabe descobrir novos recantos, novas imagens, etc...
Ampliem as melhores fotos e coloquem penduradas na Sala do Clã, como uma lembrança
da atividade. Periodicamente (uma vez por semestre ou ano), visitem esse local da foto, e
vejam se houve alguma mudança, natural ou não, e tirem novas fotos, como se fosse um
acompanhamento da evolução do estado desse recanto.
As possibilidades são muitas, e esse Safári pode ser feito em muitos locais, até
mesmo num jardim de casa!!! Experimentem uma vez, e se os resultados forem bons, repi-
tam a dose!! SERVIR!!

Levantamento da Fauna e Flora local 12.4

Seguindo a linha de pensamento da idéia anterior, promovam uma ação mais dire-
cionada, e que pode ser repetida no futuro, com visas a acompanhamento e evolução. Fa-
çam duas equipes de interesse (16.1), uma para a Fauna e outra para a Flora, de acordo com
os interesses pessoais de cada Pioneiro.

Página nº 114
Então, saiam “à caça”, munidos de máquinas fotográficas e blocos desenho e procu-
rem “cadastrar” a maior quantidade de seres, relacionados às equipes, em algum parque,
bosque, mata ou área de preservação que seja próxima ao Grupo Escoteiro. A Equipe de
Interesse de Fauna deve buscar fotografar aves, insetos, mamíferos (roedores, pequenos
felinos, etc...) que sejam característicos dessa região. A Equipe de Interesse de Flora proce-
de do mesmo jeito, registrando (por fotos e desenhos) flores, arbustos, árvores, frutas sil-
vestres, trepadeiras, etc...
Depois de tudo registrado, marquem uma visita à universidade ou centro de estudos
que seja em sua cidade e conversem com biólogos (zoólogos, botânicos, etc...) sobre os
animais e plantas que vocês encontraram. Descubram quais são nativos, quais são exóticos,
quais são comuns, quais são os ameaçados (tanto animais quanto plantas), etc...
Ao final, vocês podem elaborar algo para ser apresentado para uma tropa ou mesmo
para o Grupo Escoteiro (Programa de Palestras para as Seções - 13.2), mostrando seus re-
sultados. Depois de algum tempo, um ano por exemplo, repitam a mesma atividade, no
mesmo local, e discutam sobre as mudanças encontradas, sobre os animais e plantas que
sumiram ou apareceram e procurem discutir e debater o porque disso ter acontecido (pro-
grama de recuperação ambiental, uma indústria, poluição, projetos de conservacionismo,
etc...). Outra possibilidade é repetir essa atividade, mas numa estação do ano diferente, para
ver o comportamento da fauna e flora nessa outra época.
Talvez seja até possível fazer um novo levantamento, já que algumas plantas e al-
guns animais são característicos de alguns períodos do ano (aves e flores principalmente).
Bom levantamento, e não esqueçam de registrar tudo, pois futuras atividades podem
ser exclusivamente baseadas na interpretação e entendimento do que aconteceu agora!!!
SERVIR!!

Projeto Beija-Flor 12.5

Um bom projeto, que pode inclusive envolver os lobinhos, em vista da idade, é o de


promover a visita em seu Grupo Escoteiro, de Beija-Flores.
É realmente simples fazer com que isso aconteça, sobretudo se seu Grupo Escoteiro
ficar perto de algum parque ou mata. Basta distribuir, de preferência em locais calmos de
seu Grupo Escoteiro, alguns bebedouros especiais para beija-flores (encontrados em aviá-
rios) com uma mistura de água e açúcar (informe-se das quantidades certas, pois açucarado
demais pode fazer com que fermente muito rápido, podendo afastar os beija-flores; nem use
mel, pelo mesmo motivo). Esses locais podem ser troncos e galhos de árvores, cantos de
telhados, muros, etc... Escolha locais que não tenham Sol batendo direto, nem que fiquem
escondidos de vocês (pois assim não poderão ver os pássaros!!).
Troque a solução periodicamente, de preferência toda semana ou mesmo duas vezes
por semana. Depois de algum tempo, especialmente no inverno e o outono, quando a oferta
de alimento é menor, os beija-flores começarão a visitar periodicamente seu Grupo Escotei-
ro!!
Estendendo a idéia, promova entre os lobinhos o interesse pelo beija-flor. Façam
com que eles se interessem pelo assunto, e busquem curiosidades, tirem fotos, entrem em
contato com entidades (universidades, grupos de pesquisa, clubes, etc...) relacionadas, mon-
tem murais, etc...

Página nº 115
Faça também com que a Alcatéia assuma a responsabilidade de cuidar de um ou
mais bebedouros, mantendo-os limpos, presos e sempre cheios. É garantida a alegria dos
lobinhos!!! SERVIR!!

Recuperação do Grupo Escoteiro 12.6


Se o seu Grupo Escoteiro está meio “apagado”, seja porque as áreas verdes não es-
tão “alegres”, ou seja porque ele acaba de passar por reformas, parta - junto com o Clã -
para promover um projeto de Recuperação do Grupo Escoteiro!!
Divida o Clã Pioneiro em Equipes de Interesse (16.1). A seguir, cada equipe de inte-
resse parte para fazer alguma coisa relacionada ao projeto, como por exemplo:
- Pesquisa: vão em universidades e em outros locais (horto florestal, fazendas
etc...)descobrir quais são as plantas nativas de sua cidade e/ou região. Façam
uma espécie de álbum, contendo fotos, desenhos, descrições e outras informa-
ções sobre cada planta encontrada (uma espécie de ficha técnica, com dados co-
mo altura, tempo de crescimento, nome popular, outros nomes, clima e solo pre-
feridos, etc...). Quando tiverem tudo pronto, essa equipe leva para o Clã Pioneiro
esse álbum e junto com o resto do Clã e com a Comissão Executiva do Grupo
Escoteiro faz uma seleção das plantas que melhor ficariam ou que melhor se de-
senvolveriam no Grupo Escoteiro. Escolham algumas árvores, alguns arbustos
(para a entrada do Grupo Escoteiro), flores, samambaias, etc...
- Obtenção de Mudas: paralelamente à equipe de Pesquisa, outra equipe arregaça
as mangas e começa a procurar em hortos florestais, fazendas, universidades,
jardins botânicos, etc... mudas, sementes, técnicas e tudo o mais necessário para
que vocês consigam obter as mudas para o plantio das espécies escolhidas.
- Plantio e Manutenção: Com tudo escolhido e a disposição, a Equipe de Plantio e
Manutenção pega a enxada e dá uma de Chico Bento!!! Limpa a área em que se-
rão plantadas as mudas, prepara a terra, cava os buracos, planta, prepara a área
em volta das mudas, e promove a limpeza e irrigação periódicas, até que a planta
se fixe e consiga se desenvolver sozinha.
É claro que outras equipes podem ser formadas. Essas são apenas sugestões. Uma
coisa muito interessante é documentar todo o processo de recuperação, tirando fotos, escre-
vendo anotações, tomando notas de dicas, cuidados recomendados, espécies escolhidas,
etc...
Quando tudo der certo, convidem os pais dos escoteiros, todo o Grupo e faça uma
apresentação do tipo “antes e depois”!!!! O resultado será ótimo!!!! SERVIR!!

Campanha de Reciclagem 12.7

Entrem em contato com algum Químico ou Engenheiro Químico (!!) e peçam para
ele para preparar, para uma reunião de sede, uma espécie de seminário sobre Reciclagem.
Mas todos não sabemos o que é reciclagem? Bem, o que um sabe talvez seja mais
do que outro sabe, mesmo sabendo a mesma coisa. Aprendendo e tirando dúvidas com um

Página nº 116
profissional da área, é bem possível que muitas coisas que vocês achavam estarem certas,
podem vir a serem erradas.
E porque fazer isso? Aí é que entra o espírito de propagador de informações do Pio-
neiro. Após esse seminário, o Clã elabora uma espécie de cartilha sobre reciclagem, abor-
dando:
- o que pode ser reciclado,
- o que pode ser descartado sem problemas ao meio ambiente,
- o que precisa ser descartado em locais especiais, controlados pela prefeitura,
- quais os tipos de materiais recicláveis,
- que tipo de materiais podem ser produzidos a partir da reciclagem,
- quais as vantagens, econômicas e para o meio-ambiente, que a reciclagem dá,
- qual o local mais perto de sua residência que recebe materiais recicláveis,
- etc...
Com essa cartilha em mãos, os Pioneiros, em grupos de três ou quatro, partem por
uma peregrinação em locais aonde a quantidade de lixo gerado é grande, e aonde muito
desse lixo pode ser reciclado. São exemplos: condomínios, restaurantes, escolas, prédios,
associações esportivas, etc...
Marquem com o responsável (síndico, diretor, etc...) uma reunião e peçam para ele
autorização para repassar esses conhecimentos que vocês tem para outras pessoas, através
de um seminário ou palestra em um auditório ou sala (para professores, moradores, usuá-
rios, etc...).
Preparem todo o material e vão à luta! Apresentem a “bagagem” que vocês tem so-
bre reciclagem e tirem dúvidas que porventura surgirem. Assim, vocês estarão com certeza
contribuindo para que menos lixo seja produzido, e menos matéria-prima (vidro, madeira,
aço, etc...) seja utilizada!!! SERVIR!!

Visitando Museus de História Natural 12.8

Reunam o Clã Pioneiro para uma atividade diferente. Vão visitar um museu de his-
tória natural, ou um jardim botânico, ou mesmo um laboratório de uma faculdade. O impor-
tante é que esteja ligado ao meio ambiente.
Tomando o exemplo do museu. Lá eles contam com pessoas especializadas, que
podem resolver muitas dúvidas que vocês tem acerca de alguma espécie de planta, ou al-
gum animal, ou algum ambiente de sua região, etc...
Procurem se informar sobre quais são os animais e plantas nativos de sua região,
cidade ou estado, e tentem perguntar por curiosidades sobre eles durante a visita.
Ao final, cada Pioneiro expõe o que sabia antes da visita, e o que foi de mais inte-
ressante para ele quando esteve lá. É diversão e informação garantidos!!!! SERVIR!!

Canteiro do Clã 12.9

Peçam para o Diretor Técnico (ou Presidente de Grupo) de seu Grupo Escoteiro
para ele “ceder” um pequeno espaço, de mais ou menos 1,5m x 5m, de sua sede. Façam

Página nº 117
uma Campanha Financeira (O que são Campanhas Financeiras - 15.1) e arrecadem dinheiro
para comprar terra preta, húmus e sementes ou mudas.
O objetivo é fazer um canteiro do Clã, aonde cada Pioneiro ou cada Equipe de Inte-
resse (16.1) se encarregue de pesquisar, obter as mudas/sementes, arrumar a terra, plantar e
dar assistência a algum tipo de planta, dentro desse canteiro.
As possibilidades são muitas, aonde podemos ter:
- Equipe de Interesse de Chás Aromáticos
- Equipe de Interesse de frutas
- Equipe de Interesse de leguminosas
- Equipe de Interesse de Inseticidas Biológicos (conjugar certos tipos de plantas
para afastar e minimizar pragas)
- Equipe de Interesse de flores e plantas ornamentais
- Etc...
Cada um assumindo sua parte, o canteiro irá gerar, depois de algum tempo, muitas e
muitas plantas. Assim, vocês, despendendo pouco mais de 20 minutos por reunião de sede,
poderão dar assistência às plantas e, de quebra, poderão atrair insetos polinizadores, beija-
flores, etc... Além de deixarem a sede com um visual muito bacana!!! No final de algum
tempo, vocês podem fazer uma colheita, uma poda, e distribuir os frutos (resultados) entre
todos do Clã (lógico, não será uma “Brastemp” de colheita, mas...).
Viajando um pouquinho, depois de alguns meses, convidem as outras seções para
conferir seus resultados, aonde cada equipe mostra os dados que pesquisou (devidamente
marcados em um livro ata só para o canteiro (Livros Atas e registros do Clã - 4.3)) e esti-
mula os outros a seguir iniciativas semelhantes!!! Boa sorte, e “Boa Colheita”!!!!! SER-
VIR!!

Adotando um Jardim 12.10

Procurem em sua cidade ou no seu bairro alguma área pública que esteja em más
condições de conservação (grama (ou mato!) alto, pedras, canteiros sem proteção ou sem
sinalização, etc...) e partam para “adotar” essa área.
A burocracia pode ser meio complicada, se bem que fazer por esses meios é sempre
melhor e mais seguro. Vocês tem que entrar em contato com algum responsável por essa
área (zelador, secretário de obras públicas, gerente, etc...) e peçam autorização para traba-
lhar nessa área. O objetivo é bem simples: transformar uma área degradada em uma área
que posa vir a Ter um aspecto visual convidativo. Para isso, o Clã inteiro (ou por Equipes
de Interesse (16.1)) pesquisa em universidades e manuais de jardinagem plantas, técnicas e
procedimentos que possam ser empregados na “adoção”. Vejam que tipos de plantas podem
ser colocadas ali (em alguns lugares, existem restrições para plantas altas ou que façam
muito volume) e após um levantamento da área do “jardim”, tipo de solo, condições do
clima em sua região, etc... COLOQUEM A MÃO NA MASSA!!!
Chamem pessoas que entendam de paisagismo, jardinagem e botânica e peçam di-
cas, sugestões, etc... para que o trabalho de vocês renda mais e possa ter uma apresentação
maior. Contando com o auxílio delas, vocês podem transformar uma área bem “ruinzinha”
(degradada) em um belo jardim, em um belo canteiro. Como sugestões, para serem desen-
volvidas durante a atividade:

Página nº 118
- tirem fotos dos Pioneiros trabalhando, da área em questão antes, durante e depois
da atividade, etc... Usem essas fotos para mandar para jornais, para fazerem mu-
rais e posters, etc...
- consigam algumas toras de madeiras, e tentem fazer bancos, apoios para bicicle-
tas, gangorras, etc... Fazendo brinquedos com esses materiais (e cordas de algo-
dão, náilon, etc...) muitas crianças podem se interessar e ir brincar nessa área.
- façam uma placa em madeira, contendo o nome do Clã, do Grupo Escoteiro, a
data e o motivo dessa atividade, além de uma mensagem bem bonita. Quando
terminarem de trabalhar na área, prendam ela em alguma pedra, ou toco de árvo-
re, para que todos possam ver quando aconteceu o “banho de loja” dessa área
que quem foram os responsáveis por essa melhoria.
Depois de tudo pronto, vocês podem, periodicamente, visitar esse local e ver a rea-
ção das pessoas fazendo entrevistas com moradores. Se for necessário, façam pequenos
consertos, como uma manutenção periódica. Se a iniciativa de vocês for boa, vocês podem
inclusive levar as fotos e os relatórios para alguma indústria ou fábrica e convencer eles a
fazerem o mesmo com área semelhantes. Caprichem, e transmitam essa boa ação para ou-
tras pessoas e outros locais!!! SERVIR!!

Especialidades e Insígnias Escoteiras 12.11

Existem nos ramos Escoteiro e Sênior muitas especialidades e Insígnias relativas ao


Meio Ambiente, ao Conservacionismo e à Ecologia. Proponha então, aos Chefes dessas
seções, para que os Pioneiros sirvam de instrutores e avaliadores dessas etapas para o caso
de algum escoteiro ou sênior sentir interesse em conquistá-las. Para isso, elaborem (o Clã
inteiro ou os Pioneiros interessados) um projeto em três etapas:
- 1ª Etapa: Levantamento de todas as especialidades (de Escoteiro e Sênior) rela-
cionadas com o tema Ecologia, Conservacionismo, etc... A seguir, dividam o Clã
em Equipes de Interesse (16.1), aonde cada equipe fica responsável por buscar
informações e adestramentos necessários a cada especialidade ou insígnia (por
exemplo: uma equipe de interesse fica responsável por buscar materiais, ades-
tramentos, etc... sobre a Insígnia Mundial de Conservacionismo, de Sênior e Es-
coteiro; outra equipe fica responsável pela Especialidade Sênior de Conserva-
cionismo; e assim por diante.
- 2ª Etapa: Quando cada equipe obter todas as informações relativas às especiali-
dades e insígnias, é feito um Conselho de Clã (4.2) e todos discutem as informa-
ções que conseguiram. Se for possível, os Pioneiros, supervisionados pelos Mes-
tres Pioneiros e/ou por um dos Chefes das Seções Escoteiro e Sênior, partem pa-
ra conquistar essas etapas, cumprindo com os passos necessários para o reconhe-
cimento e aprovação da etapa. Logo, cabe ao Conselho de Clã escolher quais
especialidades deverão ser executadas, se os Pioneiros serão instrutores de ape-
nas uma ou de mais de uma, ou se o Clã irá cumprir todos a mesma Especialida-
de/Insígnia ou cada um escolhe uma, etc...
- 3ª Etapa: Essa é a etapa de aplicação. Convencionou-se que, para poder ser um
instrutor/avaliador de uma etapa ou adestramento (Etapas de Classe, Especiali-
dades) é necessário que essa pessoa possua esse conhecimento (daí a importân-

Página nº 119
cia da 2ª Etapa). Logo, os Pioneiros que, após cumprirem todos os requisitos, fo-
rem considerados aptos a “receber” essa especialidade (receber entre aspas, por-
que não existem especialidades para Pioneiros), poderão propor ao Chefe da Se-
ção que durante um acampamento ou reunião de sede, os elementos interessados
poderão vir até ele e receber o adestramento e serem avaliados para receberem o
certificado e distintivo correspondente.
Atividades desse tipo apresentam uma série de vantagens. Primeiro porque o Pionei-
ro estará, ao mesmo tempo, adestrando-se em assuntos ligados ao Conservacionismo e
Meio Ambiente, e repassando esse conhecimento para um elemento do Grupo Escoteiro,
atuando como um multiplicador. Outra vantagem é que ele tira do Chefe de Seção a res-
ponsabilidade de adestrar o elemento e de conferir se as etapas foram bem feitas, pois se a
tropa for grande, há o problema de falta de tempo, falta de oportunidade, etc... Dessa forma,
o Chefe não se preocupa e o elemento consegue ir atrás de seu objetivo.
Bem, o que estão esperando? Mãos a obra!!!! SERVIR!!

Semeando à distância 12.12

Uma forma muito bonita de se marcar uma passagem, ou algum evento ecológico é
soltar balões coloridos. Infelizmente, esses balões, ao atingirem certa altura, explodem (por
causa da diferença de pressão interna e externa) e o plástico cai, murcho. Logo, é mais um
pedaço de plástico contaminando o meio ambiente.
Em vez disso, sugira que em atividades aonde forem soltos balões, sejam colocados
dentro deles, no momento que antecede o seu enchimento com gás (hélio na maioria), um
punhado de sementes de árvores, arbustos, flores, etc... típicos de sua região. Assim, no
momento que ele estourar, irá liberar essas sementes e algumas delas poderão cair em solo
fértil e promover, estimular, o crescimento de uma planta.
Não é o procedimento mais ideal, mas pode servir para minimizar o problema de se
utilizar balões de plástico, que não é biodegradável. Converse com os responsáveis pelos
“enchimentos” e ofereça a ele essa alternativa, com cunho ecológico, de utilizar o balão
como meio de dispersão de sementes!!! SERVIR!!

Conhecendo projetos de Conservacionismo 12.13

Atualmente, praticamente em qualquer empresa de grande porte, especialmente as


do ramo Químico, Petroquímico, Siderúrgico, Alimentício, etc... tem em seus projetos em
desenvolvimento algum tipo de projeto de conservacionismo. Com a onda de ISO 14000
(série de normas sobre gestão ambiental) muitas empresas tem gastado muito dinheiro e
realizado muitas ações no sentido de promover uma melhoria na qualidade ambiental dos
ambientes ao redor e próximos à essas empresas. E não apenas empresas, mas prefeituras,
clubes e outras entidades (governamentais ou não (ONG’s)) também tem essa preocupação
de realizar projetos para Meio Ambiente e Conservação.
Pois bem, entre em contato com alguma entidade responsável, ou visite laboratórios,
institutos e universidades e procure saber um pouco mais sobre o que é um projeto de con-
servacionismo. Entre em contato com os departamentos de Meio Ambiente ou de Engenha-

Página nº 120
ria Ambiental de empresas e peçam para conhecerem os Projetos por eles desenvolvidos.
Com certeza eles terão muito prazer em mostrar a vocês o problema inicial, as medidas e
procedimentos tomados e os resultados alcançados.
É importante que o Clã se interesse por conhecer melhor projetos “de grande porte”
ligados ao Meio Ambiente porque por trás deles existem muitas regras, muitos detalhes que
não são levados em conta (por motivos de abrangência, porte etc...) quando o Clã realiza
um projeto de Conservacionismo. É o caso de Leis, Portarias e Regras nacionais (CONA-
MA, etc...) , Normas Internacionais (BS, ISO, etc...), controle de custos, auditorias periódi-
cas independentes, Sistemas de Gestão Ambiental, etc... Todos esses “palavrões” são co-
muns para as pessoas que trabalham com Engenharia de Meio Ambiente, e podem ser mui-
to interessantes de serem pesquisados.
Logo, marquem visitas, palestras e seminários com pessoas e empresas que estejam
levando a cabo projetos grandes, e tenham uma nova visão sobre conservacionismo, meio
ambiente, conscientização ecológica, recursos naturais, conservação e transformação de
energia, etc... Depois, vocês podem repassar esses conhecimentos – de uma maneira mais
didática e simples – para os lobinhos, escoteiros e sêniors (além dos Chefes) de seu Grupo
Escoteiro!!! SERVIR!!

Visitando uma área degradada 12.14


Outra atividade muito interessante em se fazer com o Clã Pioneiro para posterior
debate e análise é levar todos para conhecer alguma área que esteja degradada. Levantam-
se então, duas questões: o que é uma área degradada e porque fazer esse tipo de visita?
Bem, uma área degradada é quando o meio ambiente original dela não é mais o
mesmo. Ele foi alterado por algum tipo de interferência humana por um certo período de
tempo. Exemplos:
- uma ocupação desordenada de mendigos, construindo favelas e vilas.
- uma indústria que lance em rios, mananciais ou mesmo sob o solo, produtos que
venham a contaminar e/ou destruir a vegetação, fauna, etc...
- a construção mal planejada de uma estrada, rodovia, viaduto, etc...
- aterros sanitários e lixões clandestinos
- etc...
Logo, entramos na segunda pergunta, que é o porque de fazermos isso. É importante
que o Pioneiro, não só como Escoteiro, mas também como cidadão, entenda o meio ambi-
ente e as frágeis relações que o compõe. E mais, é importante que ele identifique os diver-
sos tipos de agressões a que estão sujeitas a fauna, flora, solos, rios, etc... Depois, juntando
seus conhecimentos adquiridos em escolas, universidades, cursos, etc... e em sua experiên-
cia de vida, ele (o Pioneiro) pode sugerir e levar a cabo medidas, procedimentos e projetos
que possam, de alguma forma, recuperar o meio ambiente original.
Uma atividade para conhecer uma área degradada é de fato interessante pois mostra
diversas realidades e “caras” de um mesmo problema, pois o que degradou um local talvez
não seja a mesma coisa que degradou outro. Vendo as condições do local, o Clã Pioneiro
pode sugerir, após alguma pesquisa em centros de estudo, universidades e junto à profissio-
nais da área, algum projeto, empreendimento ou forma de controle para algum órgão ou
empresa interessada em recuperar esse local.

Página nº 121
Para facilitar a “interpretação” das diferenças de condições entre a condição inicial e
a final, procure em jornais, revistas, junto a moradores antigos, etc... alguma referência,
foto ou artigo que esteja relacionado com a área degradada em questão. Vocês poderão ava-
liar o quanto mudou esse ambiente e quais foram as possíveis causas. Lembrem-se, quanto
mais profundo e sério for essa visita e as posteriores discussões, mais influentes e concisas
poderão ser as medidas de recuperação!!! SERVIR!!

Estudo de Casos Ecológicos 12.15

Procurem entrar em contato com alguma agência de proteção ambiental, ou algum


órgão ambiental (IAP, IBAMA, FEEMA, etc...) ou ainda com alguma instituição/pessoa
que esteja envolvida em casos que envolvam meio ambiente e marque uma visita para rece-
ber informações sobre:
- casos de crimes ambientais, culpados, o que aconteceu, o que foi feito, etc...;
- impasses ecológicos, como caçar para subsistência em áreas de preservação;
- outros casos ecológicos, como derramamentos, incêndios, contaminações, etc...
Existem até locais especializados nisso (consultorias, escritórios de advogacia), e
conhecê-los dará ao Clã Pioneiro oportunidade de conhecer outras faces, outros aspectos
relacionados com o Meio Ambiente. Após conhecer atividades e projetos ligados ao con-
servacionismo (12.13) e conhecer áreas degradadas (12.14), está na hora do Pioneiro ver
como são decididos , judicialmente, essas questões.
Aos que acham que essa coisa de tribunal, advogados & cia é meio chata, engana-se.
Quando são executadas audiências sobre isso, quase sempre são chamados técnicos ambi-
entais, engenheiros, professores, pesquisadores, etc... com dados, teses, estudos, levanta-
mentos, etc... relacionados ao caso em discussão. Isso mostra a complexidade e interdisci-
plinariedade (que palavra longa!) envolvidos em estudo de casos que envolvam o Meio
Ambiente.
Logo, conhecer um pouco mais sobre isso é de sobremaneira interessante, até mes-
mo para quando o Clã Pioneiro necessitar de apoio para atividades desse tipo (Conseguindo
apoio para Atividades Ecológicas – 12.17), ele saberá para quem recorrer, como organizar
as idéias e temas, etc...
Procurem conhecer, nem que seja para tirar xerox de um caso e ler durante uma ati-
vidade de sede!!! Vale a pena estudar e compreender melhor todos os lados da Ecologia,
desde “botar a mão na massa”, executando uma ação de cunho ecológico, até estudar um
meio ambiente, um bicho, uma planta, e compreender melhor como são feitas auditorias
ambientais, levantamento de dados, recuperações, processos, etc... SERVIR!!

Conscientizando sua Comunidade 12.16

Bem, após várias idéias abordando vários temas e visões sobre um mesmo proble-
ma, uma mesma solução, um mesmo tema, creio que essa idéia visa dar uma sugestão de
como reunir tudo isso em prol de uma comunidade.
É simples, usando tudo o que foi aprendido nas idéias anteriores, procurem criar
uma campanha de conscientização junto à uma vila, à um bairro, sobre um problema co-

Página nº 122
mum enfrentado por eles. Por exemplo, caso tenhamos uma localidade (uma favela) a beira
de um rio:
- Visitem o local e vejam em que condições ele se encontra. Água empoçada,
mosquitos, contaminação por esgotos a céu aberto, lixo, etc... Façam um registro
do que se encontra nesse local, e após uma ou duas pesquisas comparem com
dados de 10, 15 ou 30 anos atrás.
- Façam um levantamento de todos os tipos de problemas enfrentados pela popu-
lação dessa área, através de um formulário, ou ficha, etc... Procurem saber sobre
doenças, verminoses, diarréia, dores de cabeça, fome, sede, etc...
- Tentem relacionar os dois tópicos acima (por ex.: doenças de pele podem vir do
lixo ao céu aberto, diarréias da água contaminada por esse lixo e pelos esgotos,
etc...) e organizá-los seguindo uma certa prioridade (pergunte à profissionais
médicos ou à agentes de saúde caso surjam dúvidas).
- Com essa prioridade feita, montem uma campanha de conscientização, visando
explicar o problema que essa comunidade enfrenta, a que perigos as pessoas es-
tão sujeitas e quais as medidas (as mais simples e eficazes, pois geralmente esse
pessoal não dispõe de muitos recursos) que essa comunidade pode tomar para
melhorar a sua situação. Peçam ajuda a algum líder comunitário local, e façam
com que ele ajude vocês, convocando as pessoas a comparecer à reuniões, en-
contros, etc...
Depois, apareçam na comunidade periodicamente, e acompanhem a evolução daque-
la situação. Documentem tudo e montem painéis, divulguem na mídia, tentem retransmitir
essa idéia, para que mais e mais pessoas (não só escoteiros) se interessem por ações desse
tipo. SERVIR!!

Conseguindo apoio para Atividades Ecológicas 12.17

Muitas vezes, temos em mente um projeto ligado à Ecologia e ao Conservacionis-


mo, e por falta de recursos não conseguimos colocá-lo em prática. Por recursos entendamos
falta de dinheiro para financiar a impressão de cartazes, a confecção de faixas, a confecção
de folders explicativos (por exemplo para uma campanha de higiene bucal, aonde no folder
encontramos instruções para ma correta limpeza dos dentes, etc...), etc...
Logo, se estamos preparando um projeto de maior porte e abrangência, apenas os
recursos angariados com campanhas financeiras (O que são campanhas financeiras – 15)
talvez não sejam suficientes. Deve-se então, buscar patrocínio em entidades que desejam
colaborar com a sua causam, e que desejam ter seu nome ligado à ecologia, ao conserva-
cionismo, escotismo, etc...
Para tanto, preparem uma cópia do projeto para cada entidade/empresa que vocês
estão indo visitar. Vale de tudo: empresas alimentícias, construtoras, de produtos naturais,
de medicamentos, cervejarias, de refrigerantes, distribuidoras, etc... Com essa cópia em
mãos, marquem com alguém responsável pelo atendimento ao público, ou com algum dire-
tor, etc... um horário para que vocês possam conversar com ele. Nesse momento, não digam
que estão indo pedir patrocínio, pois ele pode ficar com idéias pré-
-concebidas e acabar não auxiliando vocês. Digam (caso seja solicitado o motivo da visita)
que os Escoteiros gostariam de conversar com o diretor (ou o responsável).

Página nº 123
Chegando lá, a equipe (ou comissão) que tiver ido fazer o contato (devem estar uni-
formizados) apresenta o projeto da seguinte forma. Explica quem são os Pioneiros, o que
fazem, qual a ênfase do ramo, etc... A seguir, apresenta os problemas levantados, os impac-
tos na comunidade, o objetivo do projeto (o que o projeto de vocês está propondo a fazer) e
como vocês farão isso. Perguntem se ele tem alguma dúvida, se está a fim de colaborar pa-
trocinando o projeto de vocês, etc...
Para convencê-lo, digam (o que é verdade) que o nome da empresa será ligado aos
escoteiros através de faixas colocadas no local (caso o projeto envolva alguma coisa do
tipo), logomarca da empresa em folders, etc... Eles não serão esquecidos e serão amplamen-
te divulgados, para valer o patrocínio.
Depois de tudo acertado (para “sim” ou para “não”), agradeçam a visita e a oportu-
nidade que lhes foi dada. Mesmo que ele não consinta em dar algum tipo de patrocínio
(nem sempre é dado em $$$$, às vezes eles podem se propor a ceder algum tipo de trans-
porte, ou a impressão de algum material, etc...) mostrem que vocês entendem a situação, e
que talvez num futuro projeto vocês venham a trabalhar juntos.
Com isso, indo em quatro ou cinco empresas (depende do porte do projeto) vocês
podem conseguir levantar recursos suficientes para executar um excelente projeto!!! Mos-
trem interesse, entusiasmo e organização, pois essas são as chaves do sucesso!!!! SERVIR!!

Como planejar uma Reunião de Sede 13.1

Uma reunião de sede pode ser planejada por apenas um Pioneiro, ou por uma equipe
de interesse (16.1) encarregada disso. Programar uma reunião de sede é muito interessante,
pois você não pode programar duas reuniões seguidas com os mesmos assuntos, sob pena
de tornar tudo tedioso e chato.
E quais assuntos colocar numa reunião de sede? Bem, com tanta coisa que já con-
versamos (estamos no tópico 13 do livro!!) se você não souber o que colocar…!!! Veja
antes de tudo, duas coisas essenciais: necessidades do Clã nesse momento e tempo disponí-
vel. Não adianta programar milhares de assuntos para discutir, se vocês só irão se encontrar
das 15h00 às 17h30!. Faça uma lista, em conjunto com a COMAD, do que o Clã precisa
discutir, conversar ou decidir. A seguir, divida todo o tempo que vocês tem em dois perío-
dos. O intervalo pode ser usado para um lanche, etc… Em um dos períodos realizem ativi-
dades como adestramentos, músicas, arrumação da caverna, etc… e no outro utilizem para
o Conselho de Clã, Reunião da COMAD, etc…
O importante é saber dosar tudo (ativ. de aventura, de reflexão, intelectualidade,
discussões, debates, apresentações, etc…) de forma ao dia render mais, e o Clã aproveitar
mais!
Não esqueça também de dedicar um momento, geralmente no início, para os infor-
mes gerais, abertura geral (ou por seção, com a bandeira, etc…), uma música (para alegrar
todos!), etc…
Ah, a reunião de sede, sua animação, maturidade, organização e execução são bons indica-
tivos para saber se o Clã está se entendendo ou não, se está programando e executando tare-
fas bem ou não, etc… Façam um esforço, programem reuniões agitadas e cheias de infor-
mação e divertimento!! SERVIR!!

Página nº 124
Arrumando a Sala do Clã 13.2
Uma ótima coisa para se fazer quando se está na sede é arrumar a “Sala do Clã”, ou
sala do Clã!
Peguem vassouras, panos, baldes, tintas e pincéis e mãos à obra! Retirem tudo do
lugar!! Limpem vasos, quadros, lembranças…. Relembrem fotos, acampamentos, troféus,
etc… Quando tudo estiver fora do lugar, pintem o local com uma cor parecida com a origi-
nal e recoloquem os objetos dentro do Clã.
Quando fizerem essa arrumação, conversem com os Mestres sobre a origem dos
troféus, lembranças, fotos, etc… Muitos desses materiais guardam histórias hilárias e curio-
sas, que nem todos sabem! Aproveitem também para colocar elementos que organizarão
melhor o Clã. Um mural de cortiça, por exemplo, é ótimo para se prender fotos e avisos.
Uma estante de tábuas cumpre bem o serviço de guardar livros, troféus e recordações. Co-
loquem também alguns elementos novos, que dêem um ar mais “misterioso” ao Clã. Visi-
tem ferros-velhos e tentem comprar antigos lampiões, luminárias e candelabros. Comprem
algumas velas e, ao pendurar esses materiais na parede e teto, vocês obterão uma ótima
iluminação conjugada com um clima de “mistério”.
A Sala do Clã é a cara do Clã. Se ela for suja, sem organização, com materiais joga-
dos de um lado para o outro, as pessoas (e nisso incluem-se os outros elementos do Grupo!)
verão que o Clã é desorganizado, desleixado, etc…
Aproveitem a reunião e passem divertidos momentos organizando o local em que
vocês mais tempo passam dentro do Grupo. Caprichem nos detalhes, conversem e cantem
bastante durante a arrumação (um radinho ou CD-player não vai mal!) e divirtam-se, pois
assim, o resultado final será uma Sala do Clã alegre, funcional e organizada, tal qual seu
Clã Pioneiro!! SERVIR!!

Críticos de Cinema 13.3

Organizem-se para, um dia, alguém levar uma televisão outro levar um vídeo. Os
outros Pioneiros podem levar pipoca, refris, salgadinhos, etc… Realizem uma sessão de
cinema na sede!!!
Em vez de levarem vídeos comumente encontrados nas locadoras, peguem filmes
que sejam produções nacionais. Muitos longa-metragens brasileiros vem sido premiados
nos principais festivais de cinema do mundo, e agora é hora de vocês conferirem se a pre-
miação é justa! Organizem-se em duplas, e assistam o filme, todos juntos. Quando ele aca-
bar, cada dupla escolhe um assunto (fotografia, elenco, história, valor histórico, música,
etc…) e reflete sobre esse assunto, podendo colocar suas conclusões no papel. Quando to-
das as duplas tiverem dado suas opiniões, vocês juntam os resultados e expõem todos ao
Clã Pioneiro.
Comentem sobre todos os temas que vocês escolheram (uma dupla pode opinar so-
bre mais de um tema, basta separar bem) e justifiquem seus comentários. Expliquem por-
que acharam que a música não era boa, ou porque a semelhança com fatos históricos não
era real, etc…

Página nº 125
Dêem uma de críticos!! Vocês podem inclusive pegar a crítica de revistas especiali-
zadas e comparar com a crítica que vocês fizeram. Aproveitem essa oportunidade para va-
lorizar o cinema nacional e os ótimos atores que ele tem!! SERVIR!!

Mural de Fotos 13.4

Nada mais legal que chegar na sede e começar a olhar as lembranças que ficam na
Sala do Clã. Os troféus, as lembranças, os certificados, etc… E porque não um mural de
fotos????
É fácil! Escolha primeiramente o local aonde o mural será colocado. Não deve ser
muito pequeno, pois a idéia é que ele fique sendo parte do Clã Pioneiro, onde todos os inte-
grantes, periodicamente, anexam suas fotos, marcando sua presença no Clã. Depois de es-
colhido o local, comprem (e para isso peçam dinheiro ao Tesoureiro do Clã (O tesoureiro
do Cã - 15.3)) um bom pedaço de cortiça, cola para cortiça (às vezes cola branca, comum,
resolve) e, se vocês quiserem, algumas ripas de madeira para fazer uma moldura “bacana”.
Prendam tudo na parede, e comecem a colocar suas fotos!!!
Para que o Mural de Fotos tenha um tcham a mais, escrevam, numa madeira com o
pirógrafo ou com tinta, o nome do Clã, “Mural de Fotos”, etc…, para especificar essa área
como sendo o local das lembranças do Clã (lembranças fotográficas!!!). E, para que vocês
tenham controle de tudo, e para que nada se perca, anotem num caderninho todas as fotos
que estão colocadas, quem trouxe, aonde foi tirada, qual era a atividade, quem participou,
etc… E, coloquem num cantinho da foto, ou próximo dela, uma legenda, contendo essas
mesmas informações, mas de forma mais resumida. Assim, quem chegar e ver seu mural,
pode olhar determinada foto e ver aonde ela foi tirada, que atividade era, quem estava pre-
sente, a data, etc…
Com o tempo, seu mural ficará cheio de lembranças, e um dia, quando você voltar lá e pro-
curar, encontrará você em atividade, participando de um Mutirão, de um acampamento, de
uma vigília, etc… Como dica de variações, experimentem, às vezes, tirar fotos usando fil-
me preto & branco, usando filtros especiais, ampliações, etc… Não percam essa chance de
fazer a “memória” do Clã Pioneiro!!! SERVIR!!

Quadro de Honra 13.5

Outra coisa interessante de fazer e que valoriza o Clã Pioneiro é confeccionar um


Quadro de Honra. Vão em madereiras e peçam, ou se for o caso comprem, uma peça gran-
de de madeira. Se ela vir quadrada, providenciem uma moldura, ou pirografem algum ador-
no. Se vier com a casca da árvore ainda, melhor!
A seguir, façam uma pesquisa, e busquem saber até que grau do adestramento pio-
neiro chegaram todos os Pioneiros do seu Clã (atuais e passados). Tendo isso em mãos,
junto com o nome deles, escrevam na peça de madeira, todos os que foram investidos, to-
dos os que obtiveram a Insígnia de Cidadania e/ou Pioneira e todos que chegaram a alcan-
çar o título de Insígnia de BP!!! Vale a imaginação de cada um. Por exemplo, em vez de
uma peça grande de madeira, utilizem 4. Uma para colocar os nomes dos que conquistaram

Página nº 126
a Investidura Pioneira, outras duas para as duas insígnias, e a última para os que consegui-
ram a Insígnia de BP.
Passem um verniz em cima da madeira, para conservar e deixar mais bonito, e de-
pois as pendurem em um lugar destacado na Sala do Clã. A medida que cada Pioneiro for
conquistando uma etapa, seu nome e a data serão gravados no Quadro de Honra correspon-
dente.
Com o tempo, os Escudeiros que entrarem no Clã se sentirão estimulados a alcançar
cada etapa, pois os Quadros de Honra incutirão nele a vontade de escrever seu nome lá!!
Valorizem os Pioneiros de seu Clã e suas conquistas com o Quadro de Honra!!!! SERVIR!!

Debates e Discussões 13.6

Os debates e discussões são uma constante na vida do Pioneiro. Não estamos falan-
do de discutir se fulano está certo ou errado, mas de argumentar, baseado em fatos, recortes
de jornais, reportagens, etc…sobre coisas, assuntos e áreas de interesse dos Pioneiros.
Quando o assunto é informativo, por exemplo uma reportagem científica, uma ex-
plicação sobre um fenômeno, etc…, é conveniente que o Clã discuta o assunto, aonde cada
um dá seu ponto de vista, enriquece com detalhes (se tivermos por exemplo alguém que
estude ou saiba maios sobre esse assunto), etc… Se for, por exemplo, uma crítica de cine-
ma, um comentário sobre política, governo, etc… o Clã pode promover uma discussão,
aonde todos argumentam a validade ou não do artigo, a coerência, a opinião do autor, etc…
E quando fazer isso? Sempre que alguém, durante a semana, ler ou ver algo que
mereça ser levado ao Clã para “análise”. O Pioneiro pode, inclusive, preparar um material
especial, xerocando o artigo e sublinhando ou destacando as partes importantes. Esse tipo
de atividade pode render desde alguns minutos de discussão, até uma tarde inteira de con-
versações.
Mas, tenham sempre em mente que, em um assunto muito polêmico, é difícil saber
quem tem a razão, quem está certo ou errado. Evitem que esse tipo de atividade seja um
estopim para provocar alguma briga entre os Pioneiros. Aproveitem para conversar, entreter
e variar um pouco as atividades que vocês executam normalmente. SERVIR!!

Livros Escoteiros 13.7

Uma boa sugestão de atividade para uma reunião de sede, é promover a leitura, em
grupos ou por equipes, dos livros Lições da Escola da Vida, e Caminhos para o Sucesso.
Esses livros, além de serem marcos do Escotismo Mundial, contém idéias, questionamentos
e posicionamentos que, apesar de alguns estarem ultrapassados, tem aplicabilidade no nos-
so dia-a-dia.

Página nº 127
Você podem, por exemplo, ler um capítulo por reunião, e discutir ao final o que
cada um interpretou, o que cada um achou interessante, paralelos existentes na atualidade,
etc… Elejam um “orador”, e a cada reunião reunam-se, por alguns momentos, para se dedi-
car à essa leitura.
Ao final de um mês, ou de um semestre, todos no Clã vão ter tido contato com o
material proposto pelo livro, bem como vão ter cumprido uma etapa de adestramento, além
de terem feito várias reuniões de sede diferentes, calmas, intelectuais, etc…
Como sugestão final, os Pioneiros podem fazer, ao final de cada “leitura”, um pe-
queno comentário escrito, para que depois todos sejam lidos e comentados. Aproveitem
essa oportunidade, e a estendam a outros livros, de aventuras, reflexão, romances (se todos
concordarem!!!), etc… SERVIR!!

Relaxamento 13.8

Nem só de trabalhos “mentais” vivem os Pioneiros. Não só de atividades como de-


bates, reflexões e leituras deve girar o dia a dia do Pioneiro. Existem muitas outras ativida-
des que podem, e devem, ser realizadas pelos Pioneiros quando na sede.
Um exemplo disso são as músicas, e principalmente os jogos e brincadeiras. Esses
jogos, que incluem atividades em diversas áreas, como o desafio, trabalho em equipe, coor-
denação motora, paciência, etc…
Logo, reserve parte do seu horário de atividades da reunião de sede para a realização
de um ou dois jogos físicos. Usem a criatividade, perguntem aos Sêniors e aos Escoteiros,
etc… Consigam o material necessário (sabonetes, panelas, cabos, sisal, etc…) e mãos a
obra!!!! Realizando esse tipo de “recreação”, até os Pioneiros mais inibidos se sentirão a
vontade para pular, correr, jogar, etc… Promovam uma recreação diferente a cada reunião.
Depois, mesmo cansados, vocês ainda terão ânimo suficiente para realizar as mais diversas
tarefas previstas na programação!!! Divirtam-se!!! SERVIR!!

Jornal do Clã (ou do Grupo Escoteiro) 13.9


Formem uma equipe de interesse (16.1) para criar um Jornal Periódico sobre o Clã
Pioneiro ou sobre o Grupo Escoteiro inteiro.
Definam quem fará o que, como por exemplo buscar/escrever as matérias, fazer a
diagramação e correção, fazer a impressão e distribuição. Os temas a serem abordados po-
dem vir dos próprios Pioneiros, como uma discussão, uma opinião pessoal sobre um deter-
minado assunto, ou o relatório sobre a participação do Clã Pioneiro em uma grande ativida-
de, ou uma dissertação sobre algum tema do Ramo Pioneiro (forquilha, virtudes pioneiras,
etc…).
As reportagens podem vir dos próprios pioneiros no início, e depois podem ser pe-
gas (mediante uma seleção criteriosa para não publicar besteiras) junto às seções. Quando o
jornal (que pode ter um some ligado ao Ramo Pioneiro ou ao próprio Movimento Escotei-

Página nº 128
ro) começar a ser publicado, abram espaço para que as seções tenham oportunidade de di-
vulgar suas idéias através desse instrumento. Isso é interessante principalmente para o caso
de um jornal de Grupo.
Assim, pais, colaboradores, chefes e elementos de todas as seções estarão por dentro
do que acontece com todos os Ramos que estão no Grupo. Quem viajou, quem conquistou
algum distintivo, quem acampou, o que aconteceu de “diferente ou engraçado” nos acam-
pamentos, curiosidades, etc… Falando nisso, inclua seções no jornal que atendam a todos
os ramos, indistintamente. Por exemplo: Quadro de Honra, informes da Região Escoteira,
Cursos, datas de Acampamentos Regionais, Nacionais, Internacionais, etc…
Se tudo der certo, e os Pioneiros mostrarem seriedade e comprometimento, o jornal
dará muito certo, e a união do Grupo Escoteiro será cada vez maior, já que todos acabarão
sabendo mais uns sobre os outros!!! SERVIR!!

Pesquisando as Modalidades 13.10

Se o seu Grupo Escoteiro é um Grupo Escoteiro Básico, promova uma tarde inteira,
ou uma parte da sua reunião de sede, para conhecer um pouco mais sobre as outras modali-
dades do Escotismo. Busquem em jornais, revistas (nas antigas encontram-se muuuita coisa
interessante!!!) e mesmo conversando com outros chefes, outros Pioneiros, mais informa-
ções sobre as outras modalidades.
Quantos de vocês acham que Escoteiros do Mar só sabem pescar e andar de barco a
remo? E quantos ainda pensam que Escotismo do Ar é só ficar a olhar aviões? Pois façam
um belo de um seminário, e repassem aos outros Pioneiros (isso pode ser organizado atra-
vés de uma Equipe de Interesse (16.1) fotos, fatos, histórias, origens, etc... sobre as Moda-
lidades do Ar e do Mar, se essas não forem as de seu Grupo Escoteiro!!
Se essa Equipe de Interesse trabalhar bem, vocês podem até convidar Pioneiros de
Grupos Escoteiros das três modalidades para se encontrarem e trocarem algumas idéias,
promoverem um intercâmbio de experiências, relatos de atividades, etc... Assim, você e seu
Clã ficarão conhecendo mais sobre as outras formas de se manifestar o Escotismo!!!
Ah, e se tudo der certo, vocês podem ir mais longe, e programar um acampamento,
aonde cada Grupo Escoteiro ficará responsável por organizar uma atividade relacionada à
sua modalidade, ou seja, apresentar para os outros escoteiros como são as atividades carac-
terísticas de um Escoteiro do Ar, etc... Divirtam-se e conheçam mais e mais facetas do Es-
cotismo!!! SERVIR!!

Técnicas Escoteiras 13.11

A sede é um ótimo local para que você e seus irmãos Pioneiros coloquem em prática
os conhecimentos adquiridos em palestras e adestramentos, antes que eles sejam necessá-
rios de verdade. Por exemplo: Se vocês tiverem em uma reunião de sede um adestramento
sobre Nós e Barracas, é conveniente que vocês pratiquem esses nós e montem essas barra-
cas (tanto as “normais” quanto às mateiras) antes de irem para o acampamento. Isso dá a
chance de vocês errarem e, como todo bom Pioneiro, aprenderem com o erro.

Página nº 129
Logo, o aprendizado constante e gradual de Técnicas Escoteiras é importante para o
Pioneiro. Quando solicitado para uma atividade com outras seções, pode ensinar e ajudar
outros escoteiros. E o que se entende por Técnicas Escoteiras?
Bem, tudo aquilo que está relacionado com o Escotismo!! Desde cozinhar em fo-
gueiras e fogareiros até montar barracas suspensas em troncos (é possível, até eu já fiz is-
so!!!) passando por primeiros-socorros, entre outras coisas. Se ninguém, em alguma reunião
de sede, se preocupar em aprender ou ensinar alguma coisa - por exemplo Primeiros-
Socorros - quando isso for realmente necessário (em um acampamento, excursão) proble-
mas surgirão!!
O que vocês tem a fazer então é dedicar, em cada reunião, alguns momentos para
relembrar um velho nó, para saber fazer uma tipóia com lenço escoteiro, para saber como
preparar um barraca mateira, etc... Depois, de tempos em tempos, marquem uma espécie de
jogo, aonde vocês possam cobrar, em forma de competição, a realização dessas técnicas!!
Técnicas Escoteiras envolvem coisas, procedimentos e ações que não são utilizadas
somente em atividades escoteiras, mas também na sua vida cotidiana!!! Manter-se atualiza-
do e pronto para ajudar, em qualquer que seja o local, faz parte do Servir Pioneiro!!!!
SERVIR!!

Júri Simulado 13.12

Uma ótima atividade para ser realizada em sede é um Júri Simulado. Vocês podem
fazer de dois jeitos: ou pegam um caso, um fato polêmico do dia a dia (em jornais e revis-
tas, tipo Código de Trânsito, Aborto de Jovens, etc...) ou inventam um (mais trabalhoso,
mas que dá margens a muitas outras situações).
Tendo isso, dividam o Clã em um Juiz (se alguém estudar Direito é melhor!!), uma
equipe de acusação (Promotoria) e uma equipe de defesa (Defesa). O “resto” ficará sendo o
Júri. Em uma reunião de sede, apresentem o caso, por exemplo um jovem que para ajudar
uma mulher acidentada, dirige sem carteira e provoca diversos acidentes, somente com per-
das materiais (batidas, etc...). Durante toda a semana seguinte, os Pioneiros das equipes de
Defesa e Promotoria devem pesquisar casos semelhantes, estudar leis (calma, ninguém pre-
cisa ficar expert, somente conhecer - no caso - um pouco mais sobre o que diz o código de
trânsito) e armar uma estratégia.
Na reunião seguinte, o Juiz pede que cada equipe, alternadamente, explane seus
motivos para condenar o rapaz à cadeia, ou inocentá-lo, tudo sob o olhar do Júri. A equipe
que juntar argumentos, fatos e outros detalhes mais convincentes, concisos e pertinentes à
situação, vence o Júri Simulado!!! O veredito será dado pelos membros do Júri.
Uma atividade dessa pode envolver muitos outros aspectos, como por exemplo in-
cluir testemunhas, acusado, provas materiais, etc... Tudo tem que sair da imaginação, mas
nada muito forçado, pois do contrário o caso não terá solução!!! Trabalhos assim podem
envolver até os Sêniors, pois já presenciei atividade dessa com eles, e o resultado foi sur-
preendente!!!
Essa atividade irá mexer com a organização de vocês, com o trabalho em equipe,
com a imaginação, com o poder de persuadir, etc...!!! Ao final, todos podem se reunir e
avaliar o quanto foi proveitosa essa atividade, se realmente ela atingiu seus objetivos, se os

Página nº 130
Pioneiros encontraram muitas dificuldades, etc... Quem sabe das cadeiras desse “tribunal”
não sai um Juiz de verdade??? SERVIR!!

Teatro Pioneiro 13.13

Liberem a veia artística que existe em todos vocês e marquem, para o final do se-
mestre, uma Apresentação Teatral para o Grupo Escoteiro inteiro!!!
Preparem tudo, desde o cenário, até as roupas, a história, os personagens, data, etc...
Procurem ajuda de pessoas que sejam da área para dar algumas dicas para vocês, como por
exemplo sobre representação, sobre expressão, diálogo, montagem de cenários e figurinos,
etc...
Dependendo da época, a peça pode ser alusiva, ao mesmo tempo, a mais de uma
situação!!! Imaginem representar um encontro entre B.P. e Papai Noel!!!! O que eles con-
versariam, que tipo de presentes distribuiriam, aonde iriam, que trama iriam resolver,
etc...!!!! As possibilidades são muitas, e se o resultado for bom, e o tema for algo muito
bem escolhido e desenvolvido, vocês podem até pedir para a Região Escoteira agendar sua
apresentação para uma platéia composta por escoteiros de vários Grupos de sua cidade!!!
Liberem o teatrólogo, o ator que está dento de vocês, e como dizem por ai: quebrem
a perna!!!!! SERVIR!!

Desenvolvendo seus sentidos 13.14

Uma ótima atividade, mais calma, e que envolve reflexão e que pode ser realizada
no final de uma reunião de sede, é a seguinte: os mestres e um Pioneiro (o que irá comandar
a atividade) vendam os olhos de todos os Pioneiros com um lenço, e colocam eles, cada
um, tocando em uma árvore (precisará de um local arborizado, de preferência plano e sem
pedras ou obstáculos).
Depois que todos estão em suas árvores (pode, em virtude de espaço e quantidade
árvores, ficar mais de um Pioneiro em uma árvore), o Pioneiro que comanda pede que eles
analisem a sua árvore. Pede que eles caracterizem aquela árvore, valendo-se para isso de
seus outros sentidos (aí o objetivo da atividade), que não o da visão. Eles devem tocá-la,
procurando ver a altura, diâmetro, textura, plantas anexas, etc..., bem como sentir seu chei-
ro, a sua inclinação em relação ao solo, sua posição em relação ao Sol, se faz sombra ou
não, se é flexível, se tem mato na sua base, etc... Enfim, devem ser capaz de reconhecer sua
árvore.
Em seguida, sob o comando de um apito, o Pioneiro pede que todos se desloquem
cuidadosamente e vendados, em direção ao barulho. Ao toparem com outra árvore, devem
reconhecê-la do mesmo jeito que da primeira árvore. Repete-se esse comando mais três ou
quatro vezes, sempre vindo de locais diferentes, para que os Pio´s vendados se mexam bas-
tante por entre o meio em que a atividade acontece. Ao final, o Pioneiro que comanda pede
que cada um dos Pioneiros vendados tente voltar à sua árvore inicial. Para isso, deve tocar
as árvores que encontrar, até estar certo de que chegou à sua árvore inicial.
Enquanto os Pioneiros estão se deslocando, os Mestres Pioneiros e o Pio que co-
manda atividade devem cuidar para que nenhum Pioneiro vendado saia da área da ativida-
de ou acabe se arriscando em um barranco ou pedra, ou qualquer outro obstáculo. E, é pos-

Página nº 131
sível que o Pio que comanda leia, em voz alta, trechos de algum livro, ou alguma poesia, ou
alguma outra coisa, que esteja relacionada com a atividade. As virtudes Pioneiras são óti-
mas para serem exploradas, uma vez que os vários outros sentidos estão mais aguçados
nesse momento, inclusive a audição!!
Ao final, cada Pioneiro comenta se achou a sua árvore inicial, se conseguiu caracte-
rizar ela bem, se achou árvores parecidas, se encontrou dificuldades ao tentar usar os outros
sentidos, etc...
Esse trabalho é muito bom porque trabalha com coisas que não estamos acostuma-
dos, como a total dependência a sentidos que não são tão requisitados no dia-a-dia. Durante
o jogo, é possível perceber que os Pio´s vendados a princípio resignam-se em andar entre as
árvores. Depois, confiantes em seu tato e em sua orientação, arriscam passos maiores, a-
prendem a se locomover sem precisar olhar para um local.
Esse trabalho permite muitas variações, e sempre pode ser implementado. Façam
discussões baseadas nas dificuldades e experiências sentidas, e vejam a que conclusões
vocês chegam. Garanto que será uma ótima atividade de sede!!! SERVIR!!

Sugestão de Reunião de Sede I 13.15


Bem, aqui vai uma sugestão de reunião para vocês terem como base para criar as
reuniões de vocês:

- 15h00 - Hasteamento da bandeira, seguido de uma música e/ou um jogo quebra-


gelo.
- 15h20 - Arrumação da Sala do Clã.
- 15h30 - Jogo recreativo entre os Pioneiros, por equipes. Pode ser um futebol
misto, ou com os pés unidos, etc... Ou alguma atividade lúdica, ou ainda algum
jogo de salão.
- 16h30 - Intervalo para um lanche.
- 16h45 - Discussão sobre algum artigo de jornal polêmico, ou sobre alguma notí-
cia que seja de relativo interesse para o Clã.
- 17h30 - Músicas escoteiras. A seguir, pequena troca de idéias sobre o acampa-
mento ou a atividade da semana seguinte.
- 17h50 - Reunião do Conselho de Clã. Discussão da programação, ou da ativida-
de da semana que vem, etc... Apresentação de relatórios de etapas, distribuição
de certificados, etc...
- 18h30 - Arriamento da Bandeira. Fim da Reunião de sede.
- 18h45 - Reunião rápida da COMAD (COMAD - Comissão Administrativa do
Clã - 4.4) para acertar os detalhes da atividade da semana seguinte.
- 19h00 - Encerramento.
Bem, o esquema proposto obedece à “regra” de várias e diferentes atividades juntas.
Tivemos um debate, um jogo grande, músicas, apresentação de etapas, jogos para descon-
trair, discussão de aspectos relevantes para o Clã, etc... Cabe a vocês agora ver o que é dis-
pensável (reuniões do Conselho de Clã e da COMAD podem ser periódicas) e o que pode
ser feito por mais tempo (como por exemplo uma discussão, ou um jogo). Caprichem!!!
SERVIR!!

Página nº 132
Sugestão de Reunião de Sede II 13.16

Aqui vai outra sugestão de atividade de sede, agora uma que tenha alguma atividade
centrada no meio da tarde, como que com “prioridade”. No caso, abordaremos a execução
de uma exposição sobre os Pioneiros, sobre o Ramo, etc...

- 15h00 - Hasteamento da bandeira, seguido de uma música e/ou um jogo quebra-


gelo.
- 15h20 - Preparação de uma exposição para os outros ramos do Grupo Escoteiro
com o material trazido de casa pelos Pioneiros (fotos, jornais, recortes, distinti-
vos de atividades, camisetas, etc...). Os Pioneiros reúnem todo o material e fa-
zem uma triagem para separar o que irá incorporar a exposição (melhores fotos,
etc.. ).Paralelamente, alguns Pioneiros visitam as seções e informam que haverá
uma exposição depois do intervalo para o lanche.
- 15h40 - Confecção dos cartazes, seguindo um modelo pré-definido (cartolina
vermelha, com título em cima à esquerda, de tamanho 12cm, com duas colunas
de dados, etc...). Enquanto isso, um grupo de Pioneiros visita o local aonde a ex-
posição será armada e confere espaço, iluminação, locais para prender os murais
(ganchos, cavaletes, etc...) e providencia o que estiver faltando. Ah, e não se es-
queçam de deixar alguns outros Pioneiros encarregados de tirar fotos!!
- 16h15 - Enquanto as seções fazem o lanche, os Pioneiros armam a exposição.
- 16h30 - Início da exposição, aonde os Pioneiros ficam junto dos murais para
servir de “Guias Turísticos” e falam detalhes, curiosidades, fatos marcantes, ob-
jetivo do Pioneirismo, etc... sobre a exposição.
- 17h30 - Fim da exposição. Desarme dos murais/expositores, organização do lo-
cal da exposição. Limpeza e conferência dos materiais.
- 18h00 - Arriamento da Bandeira.
- 18h10 - Conselho de Clã (4.2) na Sala do Clã para comentar os resultados da a-
tividade, objetivos alcançados, falhas, acertos, erros, correções, etc... além de fa-
zer uma avaliação geral.
- 18h30 - Fim da Reunião.

Bem, como vocês viram, organizar uma atividade que ocupe um dia inteiro de ativi-
dades é tão fácil quanto fazer várias numa mesma reunião. A vantagem é que você tem
muito mais tempo para realizar essa atividade, logo ela terá uma apresentação visual maior,
terá um retorno mais abrangente e permitirá que muito mais material, mais conteúdo, seja
apresentado. SERVIR!!

Apresentação do Ramo Pioneiro 14.1

Quando você entrar no Clã, não esqueça que uma vez já foi lobinho, escoteiro e
sênior. E se você não sabia nada, ou sabia pouco, sobre o Clã, não deixe que esse erro se
repita agora que você faz parte do mesmo.

Página nº 133
Prepare uma atividade de aproximadamente 30 minutos que consista em apresentar
o Clã Pioneiro para cada uma dessas seções. Combine com os chefes de tropa e marque o
dia e a hora para cada seção do seu Grupo Escoteiro. Vá para a seção e leve fotos, cartas,
textos, etc... que mostrem o que é o Clã Pioneiro, quem é o Pioneiro, o que ele faz, etc...
Façam com que cada seção de seu Grupo Escoteiro perguntem bastante, despertan-
do a curiosidade deles de forma a enriquecer sua palestra. Assim, eles saberão que sempre
poderão contar com os Pioneiros quando forem para atividades externas, passeios, Jambo-
rees, etc... E, acima de tudo, vocês conquistarão todos os elementos de seu Grupo, pois eles
verão que os Pioneiros são pessoas alegres, simpáticas, interessadas em ajudar ao próximo.
Não deixem de fazer este tipo de trabalho a nível de Grupo Escoteiro. Depois de
todo o Grupo ter recebido a visita, não deixe de oferecer seu material e tempo para outros
Grupos Escoteiros que não tenham Clãs Pioneiros. Valerá a pena e fará com que mais e
mais Pioneiros apareçam a cada ano... SERVIR!!

Motivando os Jovens 14.2

Um importante papel do Pioneiro é o de ser motivador de jovens. Por ter acesso a


muitos meios de comunicação, como jornais, Internet, mídia impressa, etc... o Pioneiro é
uma importante peça para motivar os jovens a participar das suas vidas sociais de forma
mais intensa.
Se o Pioneiro chega conversando assuntos fúteis, os jovens, por verem nele um e-
xemplo para algumas coisas, acabam assimilando aquele jeito de conversar e pensar. Ago-
ra, se o Pioneiro estabelece, durante uma reunião de sede qualquer, uma conversa com “iní-
cio e fim”, baseada em fatos reais e de alcance de qualquer pessoa (uma notícia lida em
vários jornais (ler em um só acaba sendo tendencioso) ou outros meios como a televisão),
as outras pessoas acabarão se interessando e tomando parte da conversa ou mesmo buscan-
do saber um pouco mais sobre esse assunto.
Procurem sempre motivar os jovens. Em alguns casos, assumam essa função do
Chefe de Tropa, se o mesmo não estiver cumprindo com essa tarefa. A motivação estende-
se para além da contribuição na formação de opinião dos jovens. Vocês podem motivar
pessoas incentivando elas a irem a atividades regionais/nacionais/internacionais, a Fóruns,
Congressos, etc... Com isso, vocês estarão “dando uma mãozinha” para os jovens conhece-
rem mais um pouco sobre o movimento escoteiro. Sua amplitude, seus aspectos, etc...
Contribuam não só com esse tipo de aspecto, mas com todos os possíveis!! Motivar
não é fácil, e muitas vezes é frustante (alguém chega e diz algo que acaba com o que você
levou horas para falar!), mas vale a pena incentivar todos a pensarem um pouco sobre al-
guma coisa, em um nível mais profundo, ou que exija alguma leitura, pesquisa, etc... Moti-
vando agora os jovens do seu Grupo, eles terão cabeças ótimas, e motivarão ainda mais
quando forem Pioneiros!!!! Não percam essa chance de “construírem mais e melhores cida-
dãos”!!!! SERVIR!!

Um dia com os Lobinhos 14.3

Página nº 134
Passar uma tarde com os lobinhos pode ser mais divertido do que vocês acham!!
Experimentem, após uma conversa com a Akelá, desenvolver algumas atividades com os
pequenos. Por serem novos, eles não tem o senso crítico muito desenvolvido, e não ligarão
para eventuais “falhas” que acontecem normalmente quando não se tem prática em organi-
zar e desenvolver brincadeiras.
Aproveitem essa oportunidade de desenvolver atividades com os lobinhos para en-
saiar atividades, postura, coordenação, tempo e desenvolvimento de brincadeiras e jogos.
Sabendo conversar bem (novamente, o Pioneiro TEM que ser animado!!!), caso alguma
falha aconteça, é só começar a cantar, ou dar o Grande Uivo que os lobinhos nem se darão
conta do que aconteceu. Mas atenção! Isso não serve de desculpa para corrigir sempre um
erro. Caso aconteça, providencie, conversando com os outros Pioneiros ou com os Chefes
da Alcatéia, uma solução.
Os lobinhos são muito receptivos a brincadeiras que invoquem a imaginação, a fan-
tasia. Logo, sempre que desenvolverem atividades para esse ramo, tentem contar antes (ou
durante!) uma história, com dramatização dos Pioneiros (soltem o ator que está em vocês!!)
e com a eventual participação dos lobinhos. Se eles forem envolvidos na brincadeira, dei-
xem que eles, num dado momento, improvisem algo sobre a história. Se começar a “avaca-
lhar” muito, coloquem ordem na coisa! Se não, deixem que eles se divirtam!!
Depois, se houver tempo na reunião, façam um jogo rápido, para que eles soltem a
“energia” natural que eles tem!! Lembrem-se, brincar com a alcatéia é muito bom, pois
tanto vocês, Pioneiros, quanto eles, Lobinhos aprendem algo em cada reunião!!! Com o
tempo, as suas dificuldades (expressão em público, controle de brincadeiras, organização
do tempo) serão vencidas, e mais e melhores atividades acontecerão!!! Não deixem de par-
ticipar desse importante “laboratório” do Movimento Escoteiro!! Tanto a sua formação,
quanto a deles estará sendo avaliada!!!! SERVIR!!

Um dia com os Escoteiros 14.4

Vencida a dificuldade inicial com os lobinhos, você está pronto para desenvolver
atividades durante uma reunião de sede com os Escoteiros. Como a vida desse ramo gira
em torno das Patrulhas, nada melhor do que fazer atividades que explorem esse relaciona-
mento.
Promova brincadeiras, músicas, jogos e competições não para as patrulhas competi-
rem entre si, mas para uma aprender coisas novas com a outra. Por exemplo, dê 3 músicas
para eles, 1 por patrulha. A seguir, ensine o ritmo para cada patrulha, em separado, e lhes
diga para ensaiarem, pois durante o dia, ensinarão aquelas músicas para as outras patru-
lhas!!
Depois, faça alguma atividade que prime pela eficiência. Quem faz mais rápido,
mais bonito, mais prático, mais “firme”, que seja mais criativo, etc... Nessa atividade vai
ser normal a competição, mas isso não tem problema, é saudável (até certo ponto!) . Vocês
podem pedir uma tarefa ou algo parecido para eles, e dar um tempo limite para ser executa-
da. Por exemplo, vocês vão avaliar quem constrói, na sede, o melhor Fogão-Mateiro. Antes,
vocês dão um adestramento sobre isso, explicando a montagem, a função das camadas in-
termediárias de folhas, o tamanho, etc...Depois, será dado um tempo de, por exemplo, 15
minutos para cada patrulha fazer o seu, baseado no adestramento.

Página nº 135
Concluindo, vocês ensinaram algo a eles, e eles provaram que aprenderam montan-
do um Fogão-Mateiro baseado no que vocês disseram. E fizeram isso contra o relógio e
contra as outras patrulhas, o que leva a um trabalho de equipe acentuado, pois sozinho uma
pessoa não consegue fazer bem, e com muitas trabalhando independentemente também
não! Só o trabalho coordenado de todos leva ao sucesso!!
Quando terminarem, leve a eles essa idéia de trabalho em equipe. Faça com que eles
avaliem se houve ou não isso, e ensinem a eles a “tática” adotada pelo Clã Pioneiro, aonde
o trabalho em equipe sempre gera ótimos resultados!! SERVIR!!

Um dia com os Sêniors 14.5

Com os sêniors a coisa já é mais complicada. Por estarem quase na mesma faixa
etária, vocês talvez precisem da ajuda dos Chefes para “botar ordem” nas coisas!! Mas, se
vocês forem bem didáticos, tiverem uma expressão boa, não terão problemas em repassar
seus conhecimentos aos jovens.
O Ramo Sênior, apesar de ainda ter patrulhas, não tem tanta competição entre as
mesmas, ficando estas (as patrulhas) com uma função parecida com as das Equipes de Inte-
resse (16.1), com as devidas diferenças, é claro. A idéia, o objetivo do Ramo Sênior é pro-
mover o desafio, a superação dos limites do jovem, sejam eles limites físicos, intelectuais,
sociais ou pessoais. E, para a superação desses limites, o Chefe Sênior apresenta diversos
desafios, como escaladas, acampamentos, atividades por patrulhas, etc...
Por isso, quando for desenvolver atividades junto à essa seção, converse antes com
o Chefe Sênior e pergunte se ele tem em mente algum adestramento que gostaria que vocês
dessem. A partir disso, vocês poderiam dar o adestramento (nós, técnicas escoteiras, pri-
meiros socorros, organização da seção (Côrte de Honra, Livro Ata, P.O.R., Especialidades),
etc..) e depois aplicar uma prova, um desafio, para ver se eles absorveram a mensagem.
Por exemplo: dêem um adestramento de nós para eles. A seguir, com apenas o ma-
terial que dispõem na sede, eles devem preparar uma fogueira, içá-la à altura de 2m, acen-
dê-la lá em cima (estando todos no chão, sem se pendurar ou apoiar!), e fazer a tampa de
uma lata de metal (estilo Nescau) , contendo um pouco de água, saltar. Parece difícil? E é!!
Mas assim, eles estarão trabalhando com nós, em equipe e utilizando em muito a criativida-
de e imaginação (desafios intelectuais), pois existem mil formas de montar o “aparato” para
erguer a fogueira e para acender a mesma!!
Ao final do dia de atividades, reunam-se na sede e façam uma avaliação (devido à
idade dos Sêniors, a criticidade já é grande) sobre a postura dos Pioneiros junto à seção,
sobre o desenvolvimento da atividade, sobre as atividades em si (foram boas, foram interes-
santes, ou não!) e sugestões para futuras atividades Clã Pioneiro x Ramo Sênior. Se tudo
der certo, todos terão adorado a participação dos Pioneiros e vocês terão recebido muitos
elogios e palavras de incentivo, sem falar na bagagem de experiência que vocês ganha-
ram!!! SERVIR!!!

Participando de um Acampamento 14.6


Página nº 136
Pois bem, a tropa em que você está realizando estágio vai acampar, ou você foi con-
vidado a participar de um acampamento. O que fazer? Calma, o Chefe de Tropa lhe dará
todas as informações, solicitando a sua ajuda na medida em que a mesma for necessária.
Mas, você pode combinar com ele, sabendo previamente que tipo de atividades a-
contecerão no acampamento, para que você tenha uma participação maior ou mesmo assu-
ma a realização de uma atividade em determinado período. Mas preste atenção: se você
assumir a realização de uma atividade, veja os seguintes pontos, para não fazer besteira:
- aonde a atividade acontecerá (junto das barracas, embaixo do toldo, em local a-
berto)
- precisará de material extra (sisal, cabos, facão, bolas, etc...)
- qual o objetivo da atividade (recreação, adestramento, etapas)
- o que fazer se tudo der errado (chover, faltar material, etc...)!!
Com isso, você pode participar de um acampamento com a seção de uma forma
muito mais participativa e instrutiva.
Outro ponto muito importante que o Pioneiro acampando com uma seção deve to-
mar cuidado: o exemplo que você é! Muitos elementos podem visualizar você como um
exemplo, por ser mais velho, por estar na chefia, por ser divertido e animado, etc... Logo,
atitudes e ações que você faz serão observadas e repetidas pelos elementos. Por isso, quan-
do participando de atividades assim, evite:
- Muita bagunça. Por mais expansivo que você seja, controle-se um pouco, libe-
rando sua energia nas ocasiões em que forem oportunas (Fogo-de-Conselho, Al-
vorada, etc...)
- Palavrões e xingamentos, pois passam uma imagem muito negativa sobre o rela-
cionamento dos Pioneiros no Clã.
- Fumar e beber bebidas alcóolicas. Tratamos sobre isso em um tópico exclusivo
(Bebidas Alcoólicas e Fumo - 9.10), mas em hipótese alguma faça uso desses
“vícios” em frente aos jovens. Por serem maiores de idade, os Pioneiros tem “li-
berdade” para começarem a escolher o que é melhor para suas vidas. Mas nada
de estimular ou passar uma imagem de que “se o Pioneiro fuma, então eu vou
fumar” para os elementos.
- Chegar atrasado para as atividades e mostrar falta de informação sobre o que es-
tá acontecendo. Informe-se com o Chefe de Tropa para saber dos horários, ativi-
dades, etc... Se o Pioneiro se demonstrar “perdido”, o respeito e a imagem de
responsabilidade que ele tem, irão por água abaixo!!!
Com essas dicas básicas, qualquer Pioneiro que for acampar com uma seção (ou ex-
cursionar, passear, etc...) fará com que a atividade seja, ao mesmo tempo, um aprendizado
para si, e uma “aula” para os elementos, aonde todos trocarão boas, produtivas e importan-
tes experiências!!! Bons Acampamentos!!! SERVIR!!

Estagiando numa seção do Grupo Escoteiro 14.7


Uma das etapas do Ramo Pioneiro (Insígnia da Cidadania e Pioneira - 16.8) é fazer
um estágio em uma das seções do Grupo Escoteiro, de escolha do Pioneiro. Esse estágio é

Página nº 137
uma preparação para quando o Pioneiro, por ter chegado ao limite de idade, tiver que sair
do Clã e ir atuar em uma das seções como assistente ou mesmo Chefe.
Esse período de experiência não deve, sob hipótese nenhuma, ser confundido com
um “quebra-galho” para a falta de chefes. O Pioneiro estará atuando em uma seção como
assistente, aonde observará como se desenvolvem as reuniões de tropa, os acampamentos,
as Côrtes de Honra, as visitas, etc... Além disso, em alguns momentos é interessante que o
Pioneiro assuma a função do Chefe, para experimentar conduzir um a reunião, vendo quais
os pontos que geram dificuldades, quais os pontos que precisam de um preparo com ante-
cedência, etc...
Como sugestão de programação de estágio, apresentaremos uma espécie de “recei-
ta”, que a exemplo de tudo o que fora apresentado nesse livro, não é necessariamente o
mais ideal, o mais “certo” para se fazer!!! Ele foi compilado baseado nas atividades míni-
mas e essenciais que o Pioneiro deve fazer/participar para ter observado e aprendido (sim, o
estágio é para aprendizado!) dentro da seção. Lógico que em alguns Grupos, em algumas
seções, as quantidades aqui descritas de atividades serão difíceis de serem atendidas (caso
dos Lobinhos, que tem muito poucas atividades externas, por exemplo), e devem, em co-
mum acordo com a COMAD, a Chefia da Seção e o Pioneiro Estagiário, ser negociadas de
forma que todos saiam lucrando!!! São elas:
- Participar de ao menos 3 reuniões de sede, desenvolvendo em pelo menos uma
delas alguma atividade planejada com antecedência (um adestramento, um jo-
go).
- Participar ao menos de uma Côrte de Honra e de uma Reunião de Chefia
- Participar de um Acampamento com a Seção, e realizar nele ao menos uma ati-
vidade preparada com antecedência.
- Participar de uma atividade especial (bivaque, passeio, visita a outro Grupo Es-
coteiro, etc...)
- Atuar, durante o tempo de estágio, como observador e instrutor de especialida-
des e/ou etapas de adestramento de pelo menos 2 jovens.
Essas são sugestões de atividades a serem desenvolvidas durante o Estágio. Elas a-
bordam a convivência e desenvolvimento dentro da sede (reuniões de sede, Côrtes de Hon-
ra, Reuniões de Chefia) e fora dela (Acampamentos, bivaques), bem como o contato com
os jovens planejando, coordenando, avaliando e ensinando (aplicação de atividades, instru-
ção de especialidades). Quaisquer dúvidas que possam surgir durante o desenvolvimento do
Estágio, o Pioneiro deve imediatamente procurar os Mestres Pioneiros e a Chefia da Seção.
Ah, e é bom também entregar dois relatórios periódicos (um por mês, nos dois pri-
meiros meses) e um último, mais completo, com uma avaliação sobre o estágio no final. O
Chefe da Seção em que você atuou também pode apresentar um relatório comentando sua
participação na Seção.
Aproveitem o Estágio. Façam de tudo, convivam muito com a tropa e não deixem
de participar das atividades do Clã (é possível fazer tudo revezando um final de semana
com o Clã, e outro com a seção (experiência própria!)), afinal, vocês ainda são Pioneiros!!!
SERVIR!!

Palestras e Exposições 14.8

Página nº 138
Muito já foi dito (não vou nem relacionar!) sobre palestras e exposições, suas finali-
dades, etc... O que será apresentado aqui será apenas algumas dicas que escaparam das ou-
tras (ou por eu haver esquecido ou por não serem pertinentes naquele momento) além de
algumas sugestões para você, sua equipe de interesse e/ou seu Clã realizarem!!
- Quando forem apresentar alguma palestra, não se esqueçam que a postura e a-
presentação contam muito. Se você for apresentar algo à Alcatéia, lembre-se de
que eles são novinhos, e quanto mais simpático, paciente e engraçado (sem no
entanto esquecer de passar a sua mensagem) você for, melhores serão os resul-
tados. Então, se você se apresentar falando baixinho, miúdo, escondido, sua pla-
téia perderá o interesse e você não atingirá o objetivo esperado. Seja expansivo,
aproveite o espaço físico, se imponha e faça-se notar!!!
- Procure, SEMPRE, temas que sejam da realidade da seção. Não adianta dar a-
destramento de cozinha mateira, acampamento aéreo e rapel par Lobinhos, pois
eles, por não praticarem ou vivenciarem isso, esquecerão. Nem vale a pena falar
da Jângal para os Sêniors!!!
- Controle o seu tempo. Tanto na exposição quanto na palestra, se você se esten-
der muito, o pessoal perde o interesse, fica cansado, enjoa. Já se você for muito
rápido, não conseguirá transmitir nenhum conhecimento. Em Exposições tam-
bém. Aproveite bem o espaço que você tem. Não congestione murais e painéis,
nem deixe-os “vazios”.
E agora, as sugestões de palestras e exposições:
- Organize, junto com a Chefia, uma espécie de “volta ao passado”, apresentan-
do, aos mais novos do Grupo ou da seção, como eram as coisas a 5 anos atrás,
10, na data da fundação da seção!! Mostre como era o uniforme, quem eram os
graduados, quais as especialidades que o pessoal tinha, acampamentos e Gran-
des Atividades, etc...
- Monte uma exposição permanente, contendo dados, ilustrações, cronogramas e
demais artifícios, mostrando, por seção, os passos para se chegar ao Grau Má-
ximo de Adestramento. Quais as especialidades exigidas (por exemplo: no a-
tingir a Insígnia da Modalidade, etc...).
- Faça, em conjunto com profissionais da área, uma palestra sobre sexualidade,
doenças venéreas, métodos contraceptivos, AIDS e forma de transmissão, as
mudanças da adolescência (corpo e mentalidade), etc... Muito bom para ser de-
senvolvido com os Sêniors e as Guias.
- Faça uma votação na Tropa, e apresente a eles um tema que eles sintam que gos-
tariam de saber mais. Essa é a melhor forma de você fazer uma palestra que sabe
que terá retorno, e que você será ouvido!!! Avise com antecedência os Monito-
res e/ou Primos para que o pessoal selecione vários assuntos. Depois, você deba-
te com eles a viabilidade e a sua capacidade (a menos que você seja um Físico
Nuclear, não adianta tentar ensinar algo se eles quiserem saber sobre Fissão Nu-
clear, ou Reatores, etc...) para realizar o que eles querem. Quando escolherem,
marque um dia junto com os Chefes, e apresente o tema escolhido!!
Bem, isso foi só um apunhado de idéias. A melhor coisa que você tem a fazer é pra-
ticar, sempre. Se em um momento não saiu legal, ficou com medo, escreveu errado, não
desanime. No começo é assim mesmo. Após duas ou três palestras (experiência própria)
vocês estarão loucos para estender o tempo, falar mais um pouco, indo na empolgação!!!!
SERVIR!!

Página nº 139
O que são Campanhas Financeiras 15.1

Campanhas Financeiras é toda e qualquer campanha que os Pioneiros podem fazer


para arrecadar dinheiro. Esse dinheiro pode ser usado para:
- Manutenção da Sala do Clã - compra de velas, cabos, distintivos, fósforos, tinta,
etc..
- Ajuda para Inscrição em Atividades - auxílio para inscrever os Pioneiros em ati-
vidades como Mutirões, Jamborees, etc... aonde uma parte da inscrição é paga
por esse dinheiro.
- Compra de Equipamento - como cabos, barracas, lampiões, decorações, madei-
ras, pirógrafos, lonas, etc...
- entre outros....
Uma campanha financeira não é só chegar e sair recolhendo dinheiro. Primeiro, é
preciso que o Mestre Pioneiro e a COMAD estejam cientes do que está acontecendo. Logo,
toda e qualquer campanha financeira deve ser submetida à aprovação desses dois “avaliado-
res”, pois existem certas normas que devem ser cumpridas, previstas no P.O.R. (nada sério,
mas é para caracterizar bem que é uma campanha, e não um ato de “esmolar” dinheiro).
Depois de aprovada a Campanha Financeira (ou seja, estão definidos quem vai participar,
quando vai começar, quando termina, para que o dinheiro será utilizado, quem gerenciará
esse dinheiro, que tipo de campanha será feita), o importante é colocá-la em prática. E, a
melhor forma de fazer isso é traçando uma estratégia. Se a campanha for rifar um objeto
(15.4), o preço deve ser calculado levando-se em conta várias variáveis: lucro almejado,
custo do objeto, quantidade de bilhetes, preço do bilhete, etc... Se for promover uma festa,
deve-se pensar no local, infra-estrutura, acessibilidade, bebidas, etc... E por aí vai.
O importante de uma Campanha Financeira é que ela dê um bom retorno para o Clã
($$$!!!), e que a imagem do mesmo fique bem colocada nas pessoas. Ninguém comprará
uma rifa se o Clã demostrar-se desorganizado, bagunceiro, etc..., pois elas associarão que o
dinheiro será mal gasto. Por isso, organização e responsabilidade são fundamentais para o
sucesso de uma Campanha Financeira!!! SERVIR!!

Organizando as Finanças do Clã 15.2

Organizar as finanças do Clã é fácil, e nada de novo será colocado nessa idéia. Para
tanto, existe o Tesoureiro, que cuida da parte financeira do Clã. Além dele, cabe ao resto do
Clã fiscalizar as entradas e principalmente saídas de dinheiro. Em cada Conselho de Clã,
pode ser solicitado ao Tesoureiro do Clã, que ele faça um relatório de como andam as fi-
nanças.
Mas, para que isso fique ainda mais organizado, abram uma poupança para o clã
Pioneiro. Assim, o dinheiro sempre ficará em um lugar que todos saibam, sempre estará
rendendo (pouco, mas rende!) e estará disponível sempre que o Clã precisar!!!
O ideal é que a conta seja aberta em nome de um dos Mestres Pioneiros E do Tesou-
reiro do Clã. Assim, os Mestres podem contribuir na gerência (por terem mais experiência)
e se um não conseguir depositar ou retirar dinheiro quando necessário, o outro poderá. Com

Página nº 140
essa conta em mãos, o Tesoureiro compra um livreto aonde serão anotados tudo o que for
relativo ao dinheiro e a forma com que ele será gasto. O Tesoureiro do Clã anota as entra-
das, saídas, cola as notas fiscais e comprovantes de saque/depósito/saldo, etc... Ah, e sem-
pre que aparecer, em uma reunião da COMAD ou em um Conselho de Clã, um relatório de
pesquisa de preços, taxas de atividades, etc..., é bom que fique anotado nesse livreto. As-
sim, de uma só vez é possível consultar o preço de alguma coisa apurado por alguém, o
saldo disponível e a viabilidade de aquisição. Ou, se por acaso o Tesoureiro faltar, outra
pessoa lendo esses dados, pode entender toda a situação!
Organizar as Finanças do Clã não é difícil, basta ter bom senso e MUITA responsa-
bilidade. O Pioneiro que assumir isso, deverá ser de confiança e ciente do que estará fazen-
do!!!! Assim, sempre que vocês precisarem comprar algo, vocês saberão se terão “lastro”
para isso, se poderão retirar ou não, aonde está o dinheiro, etc... e mais atividades poderão
ser feitas!!!! SERVIR!!

O tesoureiro do Clã 15.3


O Tesoureiro do Clã é talvez o “cargo” da COMAD que demande mais atividade,
pois estará mexendo com o fruto dos esforços, individuais e coletivos, de todos os Pionei-
ros do Clã.
O Tesoureiro deve ser, acima de tudo, responsável e organizado, e ao mesmo tempo
incentivador, pois ao menor sinal de que as contas do Clã estão piorando, cabe a ele sugerir,
opinar, organizar e executar uma Campanha Financeira (O que são Campanhas Financei-
ras - 15.1) para melhorar o “saldo” do Clã. Além das atribuições óbvias do Tesoureiro, a
ele também são dadas as tarefas de:
- Pesquisa de Preço - quando da realização de um acampamento, são necessários
diversos materiais, como comida, cabos, velas, papel, etc..., e o Tesoureiro tem
que saber aonde comprá-los com boa qualidade e preço baixo. Dica: mantenha
um caderninho organizado por assunto (Comidas, Material de Acampamento,
Bebidas, Festas, etc...) com três ou quatro telefones e endereços de lojas especia-
lizadas naquele assunto!!
- Compra, catalogação e disponibilização de material - o Tesoureiro compra al-
gum material (barraca por exemplo), marca no caderno a compra, número de sé-
rie, nota fiscal, preço, data de aquisição, etc... e a seguir disponibiliza ao Clã o
que foi comprado.
- Organização de Campanhas Financeiras - precisa dizer mais?
- Liberação de Recursos - caso o Tesoureiro não seja o envolvido direto na com-
pra, ele pode liberar, mediante solicitação justificada, uma “verba” para que ou-
tra pessoa execute a compra. Por exemplo, alguém viu algo muito mais barato
que o que foi encontrado previamente, logo o Tesoureiro libera dinheiro para es-
sa pessoa comprar o que foi achado mais barato, e depois confere o troco, anota
tudo, etc...
Isso são amostras do que pode ser feito pelo Tesoureiro. Existem muito mais coisas,
que geralmente não dependem só dele, mas de uma Equipe de Interesse (16.1) , da CO-
MAD, etc... Logo, todos devem unir esforços, para juntos atingirem a possibilidade de faze-
rem mais atividades, com melhores equipamentos e melhores materiais!!! SERVIR!!

Página nº 141
Rifando um Objeto 15.4

Rifar um objeto qualquer para angariar fundos para uma atividade ou qualquer outra
coisa não é difícil, desde que você planeje bem como fazer isso!!
O que seria planejar uma rifa? Bem, comece definindo quando dinheiro você quer
“lucrar”, ou seja, descontadas as despesas de compra do objeto, o quanto sobra para inves-
tir, para gastar com o motivo da rifa. Após isso, faça uma pesquisa junto ao seu “público-
alvo” (todo o Grupo, apenas o Clã, vários Clãs, amigos da faculdade, pais, etc...) sobre o
que eles acham que seria interessante ganhar. Por exemplo, uma mochila, um bom vinho,
um saco-de-dormir, uma barraca, uma caixa de ferramentas, passagem de avião, etc... Ten-
do definido isso, faça uma pesquisa de preços, em quatro ou mais estabelecimentos especia-
lizados (lojas do ramo) e pergunte preços, condições de pagamento, juros, etc... de vários
modelos ou tipos do objeto escolhido. Com posse desses dados, organize uma planilha con-
tendo:
- os vários modelos ou tipos do objeto a ser rifado;
- as condições de pagamento, bem como o preço total;
- uma previsão de lucro, tendo como base uma rifa para 40 pessoas, 50, 100, etc...
Com tudo isso pronto, leve ao Conselho de Clã suas conclusões, e exponha a sua o-
pinião sobre o “veredito final”. Às vezes, é melhor comprar um objeto um pouco mais caro,
e fazer a rifa com um pouco mais de números (ou nomes), pois o “saldo” será mais provei-
toso, ou seja, você lucrará mais.
Com isso, você pode oferecer um objeto de qualidade um pouco maior, o que ajuda-
rá a atrair os “compradores”. Ah, falando em atrair, lembre-se: a propaganda é a alma do
negócio!! Se você não divulgar com cartazes, conversar bastante, etc..., ninguém ficará sa-
bendo da sua rifa, e consequentemente você não venderá nada!!! Abuse de cartazes, colo-
que fotos, especificações, comentários, etc... sobre o que você estará rifando, pois assim
você conquistará o pessoal, e mais rifas serão vendidas!!! Para um detalhamento melhor de
como rifar um objeto, veja a idéia Sugestão de Campanha II - 15.12, que mostra a planilha
e os dados da rifa de uma mochila de 55L, cujo lucro foi usado para financiar a primeira
tiragem desse livro!!! SERVIR!!

Festas e Jantares 15.5

Organizar festas e jantares é muito divertido!!! Você recebe amigos e familiares e


se compromete a oferecer a eles alguns momentos de boa comida, boa bebida, divertimento
e descontração. Porém, se certos detalhes não forem feitos certos, tudo pode ir por água
abaixo, inclusive a renda da festa!!!
O primeiro passo é definir um local e uma data, pois todo o resto girará em torno
dessas duas informações. Com o local, você pode prever a quantidade mínima e máxima de
pessoas, bem como planejar a comida e a bebida da festa. Entram nessa conta então o alu-
guel (se for cobrado) do local, a comida (quem prepara, aonde compra, o que será ofereci-
do, sistema (buffet ou por pedido), etc...). Tendo o número mínimo de pessoas e esses da-

Página nº 142
dos, você pode estipular o preço do convite ou ingresso. O ideal é que esse dinheiro cubra,
essencialmente, os seguintes detalhes:
- aluguel (se for cobrado) do local, limpeza e arrumação do mesmo após o evento;
- comida (se tiver) e bebidas (imprescindível, principalmente refris e água mine-
ral);
- som e luz (para dar um toque a mais, se já não vier com o local). Som é essenci-
al, mesmo que seja um sonzinho de fundo!
- Cartazes, convites, e outros impressos (são gastos menores, mas que existem e
comprometem o evento)
- Outros detalhes (aqui faça uma previsão. Por exemplo: gastos com gelo, abrido-
res de garrafa, canetas, fios de luz, etc...)
Bem, se as despesas que você tiver, dividida pela quantidade de pessoas da festa, for
bem baixa, você pode acrescentar já nesse momento um lucro. Por exemplo (preços fictí-
cios!)
- aluguel de um salão.................................................500,00
- som e luz..................................................................150,00
- outros gastos (cartazes, convites, gelo, etc...).........180,00
- TOTAL.............................................................R$ 830,00
Logo, digamos que o salão comporte 150 pessoas, o preço por pessoa será de:
R$5,50!!!!! Ou seja, se você levar as 150 pessoas, e cobrar 6 reais a entrada, você paga a
festa e já tem lucro (pequeno, mas essa não é a fonte principal: o convite deve apenas fe-
char as despesas que você já teve!). Agora veja bem, a bebida não entrou nessa conta!!! Se
você comprar cerveja e refrigerante em distribuidoras, e em regime de consignação (muito
comum), você pode lucrar, só nisso, quase que o dobro do valor da bebida!!! Veja as con-
tas:
- 300 refris, comprados a R$ 0,60 (estimado).............180,00
- 150 cervejas, compradas a R$ 0,80 (estimado).........120,00
- TOTAL......................................................................300,00
E, revendendo essas bebidas a R$1,50 cada, você obtém, no final (caso beba tudo, e
considerando que cada pessoa bebeu 2 refris e 1 cerveja, o que é bem pouco para os pa-
drões de uma festa!):
- Receita dos Refris.......................................................450,00
- Receita das Cervejas...................................................225,00
- RECEITA TOTAL .....................................................675,00
- LUCRO DA VENDA DE BEBIDAS.........................375,00
Pode parecer pouco, o lucro de bebidas, mas pense que tudo foi estimado. Preços
mais baixos para refrigerantes/cervejas podem ser conseguidos, e a quantidade consumida é
SEMPRE maior que 2 refris e 1 cerveja por pessoa!!! Faça uma previsão de acordo com o
que você costuma beber por noite, quando sai!! Ah, e se você aumentar em 1 real o preço
do ingresso, já terá mais outro lucro!!! E, até mesmo os valores de aluguel e de despesas
são estimados. Lugares mais baratos são fáceis de serem achados (mas preste atenção para
a qualidade do local (banheiros, acesso, segurança)), e até mesmo a despesa de aluguel po-
de ser suprimida, se você conseguir algum lugar de graça!!
Com esse breve esquema, você já pode sair organizando e realizando festas e janta-
res. Uma dica: para que ninguém fique louco organizando tudo, dividam as tarefas: um cui-
da dos ingressos, outro de arranjar local, outro para o som, outro para as bebidas, etc....
Formem uma (ou mais!) Equipes de Interesse (16.1) e vão a luta!!! Se fizerem tudo certinho

Página nº 143
e não esquecerem dos detalhes, muitas e muitas ótimas festas aparecerão por aí!!! Divirtam-
se!!!! SERVIR!!

Distintivos, Camisetas, etc... 15.6


Nada mais bacana para um Clã, do que chegar no Grupo Escoteiro ou em uma outra
atividade com uma camiseta padronizada, contendo o nome do Clã, do Pioneiro, G.E.,
etc...!! Organizem uma equipe de interesse (16.1) para levantar tudo referente a essa “em-
preitada”, como por exemplo:
- O que colocar na camiseta: símbolos do Clã, símbolos do Ramo, do Grupo, no-
mes, números, etc... e como eles ficarão organizados (façam vários modelos e
submetam ao Conselho de Clã para aprovação dos melhores)
- As cores da camiseta, se vai estar disponível em branco, vermelho ou outra cor,
mantendo a mesma estampa e se será bordada ou serigrafada.
- Os tamanhos a serem comprados (levantamento do tamanho das camisetas dos
Pioneiros) e a quantidade (2 por cada, 1 por cada).
- Se serão compradas camisetas a mais para revender (para pais, outros Pioneiros,
etc...)
- Local para compra (deve ser feita uma pesquisa de preços (Pesquise Sempre! -
15.9) para montar uma planilha de custos em diversas confecções).
- Forma de pagamento (o Clã, com seu dinheiro compra e o pessoal compra do
Clã, ou cada um compra a sua, e racham as excedentes)
Fazer camisetas sempre gera um bom dinheiro para o Clã, pois geralmente o preço
delas fica em torno de 8 a 9 reais (malha e serigrafia/bordado) e a revenda pode ser a 12 ou
15 reais!!! Ah, e não esqueçam de colocar tudo no papel, pois vocês podem precisar desses
dados depois para programar outra campanha financeira, ou para deixar arquivado para
“futuras gerações” do clã lerem e repetirem a camiseta.
Uma outra opção é fazer distintivos, relativos ao Clã Pioneiro ou a alguma data es-
pecial, como por exemplo aniversário do Grupo Escoteiro, do Clã, etc... Programem a
mesma equipe de interesse, e anexem à lista de atribuições idéias como quantidade de dis-
tintivos, cor predominante, tamanho, se terá mais de um tamanho, etc...
As possibilidades são muitas, e você pode fazer desde camisetas e distintivos até
chaveiros plásticos (muuuuuuito baratos de fazer e são uma lembrança legal) e mochi-
las/anoraks bordados!!!! Usem a criatividade, e façam com que seu Clã seja lembrado em
todos os lugares que você for!!! SERVIR!!

Feira do Bagulho 15.7


Feira do Bagulho é aquela ocasião em que o Clã, através de uma campanha organi-
zada com muuuita antecedência, consegue peças de roupas, material de cozinha, material
escolar, brinquedos e utensílios diversos para serem revendidos à comunidade carente por
um preço muito mais baixo.
É simples: conversem com os Chefes, elementos e pais e peçam aquela panela que
não é mais usada, aquela roupa que não serve mais, aquele brinquedo que está encostado,
etc... Não se trata de jogar fora peças estragadas e sem uso, mas de doar alguma coisa que

Página nº 144
pode ser útil para outra pessoa sem recursos. Depois de receberem todos os objetos (essa
campanha pode durar de um a três meses) classifiquem eles e os distribuam em cestos ou
caixas por tipo (roupas, brinquedos, etc...). A seguir, definam em Conselho de Clã uma data
para a realização dessa Feira do Bagulho, e dividam o Clã em duas equipes de interesse:
- a primeira cuidará da divulgação e promoção do evento. Entrem em contato com
lideranças populares da região, façam cartazes para serem fixados em padarias,
igrejas, associação de moradores, etc....
- a outra equipe cuidará de fazer uma triagem dos materiais arrecadados, separan-
do aqueles que não tem como serem utilizados (uma camiseta muito rasgada, um
brinquedo que não funciona, etc...) dos que podem ter utilidade. Depois estipu-
lem um preço para cada artigo, ou para conjunto de artigos, ou qualquer outro
“grupamento” de objetos (por exemplo, leve dois pague um, leve uma camiseta
e ganhe um brinquedo, etc...
Com isso definido, entramos no preço ($$!) propriamente dito. Como o Clã não teve
gastos com a obtenção do material, o que entrar é lucro para o caixa!! Logo, não tenha me-
do e estipule preços mais que populares, do tipo:
- uma camiseta por 1 real
- um cobertor por 3 reais
- três brinquedos por dois reais
- um conjunto de panelas por 5 reais, etc...
Lembrem-se, o objetivo maior é disponibilizar à vizinhança carente roupas e utensí-
lios diversos por preços muito menores que os encontrados em lojas!! Mesmo com preços
assim, o Clã Pioneiro obterá tranqüilamente muito dinheiro para ser depositado na conta!!!
Caprichem na organização, não se intimidem com os preços baixos e sejam atenciosos com
as pessoas. Fazendo tudo bem feito, outras campanhas semelhantes terão uma abrangência
e um efeito ainda mais duradouro e reconhecido pelas pessoas!!! SERVIR!!

Semestralidade 15.8

Uma outra forma de arrecadar dinheiro para o Clã Pioneiro é cobrar de cada Pionei-
ro uma Semestralidade. Ou seja, a cada começo de semestre o Clã Pioneiro, através de seu
Tesoureiro, recolhe de seus elementos uma pequena taxa, destinada exclusivamente para os
pequenos gastos que se verificam durante as atividades.
Por exemplo, vai acontecer uma vigília, ou uma cerimônia em que são necessárias
velas. Em vez de sortear alguém para comprar, ou pegar “50 centavos de cada e comprar o
que der”, o Tesoureiro do Clã pega o dinheiro da semestralidade e compra as velas necessá-
rias. Ou então, faltou comprar, para um acampamento ou acantonamento, o refil do gás do
fogareiro, ou a “camisinha” do lampião, ou ainda um rolo de sisal. É para isso que o dinhei-
ro da semestralidade do Clã serve, para pequenos e eventuais gastos, quase sempre impre-
vistos!!
Logo, não vejam esse dinheiro como uma fonte de renda, patrocinadora de ativida-
des do Clã!! Vejam como um eventual “quebra-galho”, que vai evitar pequenas dores de
cabeça no desenvolver das atividades. Como sugestão de “quanto” cobrar, estimem a taxa
em função da quantidade de elementos. Para um clã com 10 pessoas, cobrar 5 reais por se-

Página nº 145
mestre não é oneroso (dá em torno de 1 real por mês de atividade!) e já coloca a disposição
do Clã 50 reais para essas compras imprevistas!!
Mas, para que tudo dê certo, é necessário que a pessoa que for cobrar a semestrali-
dade seja bem “chata”, e fique atrás do pessoal que ainda não acertou “as contas”! E sem-
pre planejem a atividade sem pensar em comprar nada usando esse dinheiro!! Se vocês
sempre se apoiarem nessa “reserva de emergência”, de nada vai adiantar cobrar a semestra-
lidade, pois ela “sumirá” em pouco tempo!! SERVIR!!

Pesquise Sempre! 15.9

Quando forem realizar qualquer tipo de atividade que seja necessário comprar al-
guma coisa, realizem sempre uma pesquisa de preços, de forma a sempre comprarem um
produto de qualidade pelo menor preço. Isso pode ser levado a cabo como uma atividade
externa do Clã, aonde este, dividido em Equipes de Interesse (16.1), promoverão, durante
um Sábado de atividades, visitas a diversas lojas especializadas, supermercados, etc..., pro-
curando compilar uma lista de locais com os preços mais baixos de cada gênero alimentí-
cio, equipamento de escalada e outros materiais diversos utilizados pelo Clã.
Antes da atividade, façam uma espécie de formulário, aonde entrem os campos:
- Nome do produto
- Quantidade, peso, tamanho, comprimento, etc...
- Local (nome, endereço e telefone) aonde foi pesquisado
- Preço do produto
- Data da pesquisa
- outras informações importantes
Tendo esses dados em folhas, vocês podem visitar armazéns, supermercados, lojas
especializadas, shoppings, etc... e coletar os preços de diversos artigos, indo desde papel
higiênico, extrato de tomate e leite em pó até o preço de uma cadeirinha de rapel, de um
rolo de sisal e de uma camiseta branca. Quando essa lista estiver pronta, vocês terão muitas
possibilidades de catalogar esse material:
- Se vocês catalogarem todos os produtos, excluindo aqueles mais caros, e compi-
larem uma única lista “geral”, vocês poderão distribuir essa lista em Associações
de Moradores, Igrejas, Escolas Públicas, Pontos de Táxi, etc... para que a popu-
lação em torno do Grupo Escoteiro tenha acesso a locais aonde a compra de ar-
tigos cotidianos possa ser mais econômica. Isso é um importante trabalho social,
e pode até ser encarado como uma Atividade de Serviço (O que são Atividades
de Serviço - 1.1).
- Se vocês catalogarem a lista enfocando mais os artigos utilizados rotineiramente
por escoteiros (material de escalada, camping e acampamento, além de gêneros
alimentícios como pão, leite, macarrão (miojo também!), molho de tomate, sal,
etc...), vocês podem distribuir essa lista entre as seções do seu Grupo Escoteiro e
prover todos os elementos do Grupo de um “guia” para se adquirir bons equi-
pamentos e alimentos a um preço muito em conta!
As possibilidades são muitas, e o seu próprio Clã sai beneficiado, pois está exercen-
do um trabalho social, e o seu próprio direito de “Consumidor”, pesquisando sempre o me-
lhor preço, em busca de artigos de qualidade e confiança. Além das opções acima, vocês
podem também distribuir a lista para Grupos Escoteiros de sua Região, ou de seu Setor (ou

Página nº 146
Distrito, ou Área), disponibilizando a eles uma ótima ferramenta de consulta!!! Por isso,
“Pesquisem Sempre”!!! SERVIR !!

Fazendo as Contas 15.10

Para que o Tesoureiro do Clã desempenhe suas atividades com total transparência, é
necessário que ele, periodicamente, preste contas de quanto o Clã Pioneiro tem em caixa,
quais os últimos depósitos, quais as últimas retiradas, etc...
Muitos bancos dão aos correntistas a possibilidade de ter um extrato semanal de
graça. Aproveite essa facilidade (alguns enviam via fax, ou pela Internet: informe-se!!) para
enriquecer seu livro caixa, mostrando responsabilidade e organização de sua parte. A cada
semana, eventualmente você faz depósitos e retiradas. E, essas movimentações devem o
tempo todo ser anotadas em um livro específico, detalhando o quanto foi retira-
do/depositado, em que dia e mês, e qual a origem do dinheiro ou o fim para que foi gasto.
Depois de tudo anotado, retire o extrato semanal e cole ele junto das movimentações da
semana. Assim, qualquer pessoa que pegar o livro-caixa poderá ver que você, por exemplo,
fez dois depósitos e uma retirada, e ver no extrato a confirmação dessa movimentação!!
Organização é a chave de tudo!! Se o tesoureiro mostrar-se organizado, e eventual-
mente tiver alguma experiência na área (estudante de Economia ou Administração), pode
sugerir ao Clã fazer um investimento. Por exemplo um título de capitalização. O Clã tem
chances de ganhar uma “bolada” de dinheiro, e, caso isso não ocorra, no final do plano re-
cebe tudo o que foi investido corrigido (o que dá um pouquinho de lucro). Mas, para fazer
isso, tenham em mente que a maioria das aplicações não permite que o dinheiro aplicado
seja resgatado!!! Logo, se vocês forem precisar do dinheiro da conta em um empreendi-
mento futuro (acampamento, viagem, etc...) é melhor se informar antes de fazer qualquer
coisa.
Um boa dica então é marcar com o Clã Pioneiro e com um gerente do banco uma
visita a este para que o gerente possa explicar o que pode ser feito com o dinheiro do Clã,
que forma de investimentos podem ser feitas com esse dinheiro e qual a rentabilidade, pra-
zos, carências, etc... Aproveitem!!!! SERVIR!!

Sugestão de Campanha I 15.11

Um sugestão de campanha financeira para o Clã pode ser a elaboração de um “Guia


de Locais de Acampamentos”, uma espécie de livreto aonde constam os melhores lugares
para acampamento em sua cidade, estado, região, etc...
A idéia é simples: conversem com chefes, escoteiros, sêniors e Pioneiros de seu
Grupo e de outros Grupos e perguntem para eles em quais locais eles já realizaram acam-
pamentos. Nem sempre um lugar em que um Grupo Escoteiro foi é de conhecimento do
outro. Montem um formulário específico, aonde constem os seguintes dados:
- Nome do local;
- Distância dele até a sua cidade e/ou a cidade mais próxima;
- Acesso a esse local (somente de carro, linhas de ônibus, trem, a pé, etc...);

Página nº 147
- Infra-estrutura do local (se tem água potável, banheiros, cavernas, árvores, le-
nha, abrigo para tempestades, etc...);
- Atividades realizadas (o que esse Grupo Escoteiro fez de atividades lá, pra servir
de referência aos outros);
- Belezas Naturais (cascatas, campos, árvores centenárias, paredões de escalada,
rios, piscinas termais, etc...);
- Aonde buscar informações sobre o local (Agências de Turismo, Prefeituras,
Grupos Escoteiros, Grupos de Escaladas, proprietários de fazendas, Polícia Flo-
restal, etc...);
- outras informações...
Tendo esses dados escritos, distribuam xerox dessas folhas para os vários chefes,
Grupos Escoteiros, etc.... descritos acima e combinem para pegar eles preenchidos na se-
mana seguinte. Com os formulários preenchidos, selecionem os realmente interessantes e
cataloguem referências iguais (dois ou mais Clãs que já acamparam no mesmo local e es-
creveram dados que um não tinha e o outro tinha) para deixá-las mais completas.
Tendo isso pronto, façam uma diagramação da folha, em como os elementos ficarão
dispostos na página e imprimam o resultado. Tendo esse “Guia de Locais de Acampamen-
tos” impresso, vocês podem sair vendendo ele de Grupo Escoteiro em Grupo Escoteiro. O
preço fica para ser discutido em Conselho de Clã, mas deve ser suficientemente razoável
para cobrir os custos de impressão e encadernação, e ainda dar um lucro de aprox. 50%
para o Clã!!!! Como opções para serem discutidas entre os Pioneiros, sugerimos:
- Vocês mesmos “testarem” os locais mais bonitos ou mais interessantes, e escre-
verem uma seção do tipo “Testado e Aprovado pelo Clã XXXXX”. Isso vai va-
lorizar a obra, porque as pessoas vão ver que aquele local foi visitado recente-
mente pelos próprios “editores”.
- Colocarem em cada página contendo uma dica de local, um mapa ou esquema
simplificado de como chegar lá. Isso é particularmente útil para o caso de o a-
cesso a esse local ser através de estradas de terra, que quase nunca são identifi-
cadas, e que se tem que virar o tempo todo para a esquerda, para a direita, para a
esquerda, para a direita, para a......!
- Vocês consultarem revistas especializadas (Terra, Trekking&Escalada, Superin-
teressante, etc...) e pegarem delas algumas sugestões de locais (que podem ser
agrupados em outra seção, do tipo “Veio da revista!” ou “Terra indica:”) ou
mesmo estudarem como é feita a diagramação, que tipo de informações e como
elas são apresentadas para o leitor, etc...
Fazendo esse guia, seu clã vai estar ajudando muitos Grupos, Tropas e Clãs que não
conhecem locais para fazer atividades a encontrar um bom “abrigo” para suas loucuras!!!
Além disso, vocês estarão levando o nome do clã de vocês para muitos outros clãs, o que
pode facilitar o contato, a realização de atividades, etc... depois!!! Façam com capricho, e
não esqueçam de anotar tudo no livro-caixa!!!! Aproveitem para mostrar o potencial que o
Clã Pioneiro de vocês tem!!!! SERVIR!!

Sugestão de Campanha II 15.12


A presente Idéia mostra como foi feita a Campanha Financeira (prevista na apresen-
tação desse Projeto) necessária para financiar a primeira “tiragem” do livro. Quase todas as

Página nº 148
rifas foram vendidas (89%) e a ganhadora da mochila foi uma lobinha do Grupo Escoteiro
do Mar Amigo Velho, que concorria com dois números.
O texto a ser apresentado é a cópia do relatório mensal que foi entregue à COMAD
e aos Mestres do Clã Pioneiro Navegar é Preciso, em 20/05/98, e vai estar disponível na
Internet para consulta e download (bem como todos os outros relatórios) tão logo esse livro
esteja terminado.

“Foram contatadas diversas lojas especializadas em montanhismo e feita uma pes-


quisa sobre materiais que interessassem o público escoteiro. Foram pesquisados 7 itens em
três das maiores e mais tradicionais lojas de Curitiba. O resultado segue abaixo:

Coleta de preços de diversos equipamentos:


(preços coletados em 20/05/98)
Acampar¹ Casa do Monta- Mont Blanc
nhista
(232-9807) (222-0922) (222-9508)
Mochila ~ 50l 73 (Ferrino) 120 (Mammut) 105 (Mont Blanc)
Mochila ~ 30l 71 (Ferrino) 100 (Mammut) 63 (Mont Blanc)
Cadeirinha 91 (Black Diamond) 93 (Mammut) 91 (Black Diamond)
Saco de dormir² 85 (Acampar) 60 (Euzébio) 136 (Mont Blanc)
Oito 20 (Black Diamond) 20 (Faders) 22 (Bluewater)
Mosquetão c/ rosca 20 (Black Diamond) 14 (Faders) 23 (Bluewater)
Corda Estática 3,4 o metro (Blue- 3,5 o metro (Mam- 4 o metro (Bluewa-
water) mut) ter)

¹ - A Acampar faz tudo em 3x ou com 5% de desconto no car-


tão
² - Todos para a temperatura de 0°C

Tendo os preços em mão, foi feito uma preliminar de quanto sairia para finalizar um
livro, e depois 10 livros (1ª tiragem). Foram pesquisadas 3 firmas do ramo de cópias, e os
preços mais em conta são da Neoprint, que dá um custo por face de uma folha de 0,05 reais
(5 centavos), metade do preço praticado pelas outras.
A base de preços foi em cima de 1 cópia contendo 100 folhas (frente e verso) com
encadernação e em preto e branco. Os resultados, incluindo o preço final (o que deverá ser
coberto pela rifa) referente à impressão de 10 cópias é mostrado abaixo em relação à cada
firma:

Estimativa do preço da 1ª impressão do livro preços em 22/05/98


( aprox. 100 páginas frente/verso, com encadernação, 10 volu-
mes)

Página nº 149
Neoprint Copiadora Victória Copiadora Gabar-
do
Xerox das 100 páginas ,10 a folha ,07 cada lado ,10 cada lado
Encadernação 2 reais 1 real (até 100 fo- 2,50 reais
lhas)
Preço para 10 volumes 120 150 225

Com os preços selecionados, iniciou-se então a (difícil) decisão de escolher quanto


custaria a rifa, e para quantas pessoas ela será vendida. Foram tomadas por base preços de
rifa de 3 reais e 4 reais, para 30, 40 e 50 pessoas. E, foram calculados os lucros líquidos
(descontando o preço do objeto a ser rifado):

Estimativa do lucro da
Rifa
(colocando um preço de 3 reais por rifa)
Para 30 pessoas Para 40 Pessoas Para 50 pessoas
Mochila 30l a 63 reais 27 57 87
Mochila 55l a 73 reais 17 47 77
Saco de Dormir a 85 5 35 65
reais
Cadeirinha a 91 reais -1 29 59
Kit Escalada³ a 130 -40 -10 20
reais
Corda Estática (50m) a -80 -50 -20
170 reais

(colocando um preço de 4 reais por rifa)


Para 30 pessoas Para 40 Pessoas Para 50 pessoas
Mochila 30l a 63 reais 57 97 137
Mochila 55l a 73 reais 47 87 127
Saco de Dormir a 85 35 75 115
reais
Cadeirinha a 91 reais 29 69 109
Kit Escalada³ a 130 -10 30 70
reais
Corda Estática (50m) a -50 -10 30
170 reais
³ - O Kit Escalada compreende cadeirinha, oito e mosquetão

Por último, fora feito algumas extrapolações sobre o que compensaria mais rifar,
levando-se em conta a quantidade de pessoas, o preço e o objeto:

Melhores Opções
Artigo Custo da Rifa Quantidade de Pes- Lucro Final
soas

Página nº 150
2 Mochilas de 30l 4 reais por rifa 60 (30 + 30) pesso- 114 reais
as
1 cadeirinha a 91 reais 4 reais por rifa 50 pessoas 115 reais
1 Mochila de 55l a 73 4 reais por rifa 50 pessoas 127 reais
reais

Entretanto, após conversa com o Pioneiro Caio Viggiano, concordamos que seria
melhor rifar a mochila de 55l, marca Ferrino (marca conhecida aqui na cidade e que produz
mochilas de ótima qualidade e beleza), por um preço de cada rifa de R$ 2,00 e para 100
pessoas. Isso produz uma receita bruta de R$ 200,00 que descontando o preço da mochila,
dá um lucro líquido de R$ 123,00, cobrindo a impressão da 1ª tiragem.

Alerto para o fato que esse preço da 1ª tiragem é baseado em 100 folhas. Caso a
versão definitiva tenha menos de 100 folhas, o preço será menor. A forma da rifa a ser dis-
tribuída entre os Pioneiros do Clã, para fazer a venda (eles vão colaborar!) será a seguinte:
Grupo Escoteiro do Mar Amigo Velho 
XXX Chega de Gastar dinheiro!! XXX
Compre uma rifa do Clã Navegar é Preciso e concorra a uma mochila
_____________ Ferri n o de 55 litros e vá aonde quiser! O sorteio será dia 4/julho às 15h
_____________
_____________ no GEMAV. Não perca essa chance!!!!

Aonde os XXX serão um número seqüencial de 001 até 101, totalizando os 100 nú-
meros. O sorteio e entrega da mochila será no dia 4 de julho ou antes, se forem vendidas
todas as rifas.”

Espero que o relatório acima sirva para elucidar como proceder para pesquisar um
tipo de campanha financeira, como anotar os gastos e lucros, como planejar o público alvo
e o artigo a ser rifado!! SERVIR!!

O que são Equipes de Interesse 16.1

Talvez a Idéia que mais referências tenha nesse livro seja essa! O porquê disso?
Bem, enquanto que nos outros ramos a vida cotidiana em atividades está baseada numa
unidade elementar chamada Patrulha, no Clã Pioneiro não existe essa divisão.
O que acontece é que, em determinados assuntos, em determinadas atividades ou
durante a organização de certos eventos, é necessário que uma estrutura organizada, e até
certo ponto hierárquica, seja criada para que um objetivo comum seja alcançado. Logo, o
Clã Pioneiro, ao invés de ter Patrulhas, tem “Equipes de Interesse”. E porque desse nome?
Bem, por ter um caráter temporário, ou seja, por somente existir enquanto o objetivo co-
mum não foi alcançado, não teria sentido chamar de patrulha. Logo, os Pioneiros reúnem-se
em equipes, que tem, de novo ao invés das patrulhas, somente um objetivo em vista (e não
como nos outros ramos, aonde quem cozinha, quem cata lenha, quem faz a eleição, quem
representa na Côrte de Honra, etc... eram atribuições típicas da Patrulha). Logo, esse objeti-

Página nº 151
vo, esse interesse que todos tem em um mesmo assunto é que motiva a criação dessas equi-
pes.
Exemplificando: seu Clã com 12 pessoas ficou responsável por organizar uma festa
em seu Grupo Escoteiro. Você acha que seria mais fácil organizar se todos fossem atrás de
tudo, ou se fossem criadas 3 Equipes de Interesse, de 4 pessoas cada, coordenadas por um
Pioneiro, cada uma responsável por somente uma ou duas tarefas, aonde as três equipes
trabalhariam em paralelo, uma provendo a informação que a outra precisa, uma ajudando a
outra em um ou outro problema. Essas equipes poderiam ter os seguintes “interesses”: Co-
mes e Bebes (responsável por providenciar comida, bebida (alcoólicos ou não), gelo, pra-
tos, talheres, etc...), Luz e Som (responsável pelo som, caixas, extensões de luz, CD´s/fitas,
canhões de luz, operadores, etc...), Local e Data (responsável pelos convites, local da festa,
estipulação da capacidade, etc...), e por aí vai.
É interessante enfatizar que a Equipe de Interesse tem caráter temporário. Ela só “e-
xiste” enquanto o objetivo, o interesse ainda perdurar. Lógico que se alguém criar uma E-
quipe de Interesse cujo objetivo seja “realizar atividades de escalada periódicas”, essa E-
quipe de Interesse existirá por muito tempo, até que o pessoal decida não mais fazer escala-
da! Aí entramos num outro ponto importante: a flexibilidade. Não há restrição para a cria-
ção de uma equipe de interesse (salvo se ela for, por exemplo, uma Equipe de Interesse de
Terrorismo Internacional!!!), valendo apenas as seguintes ressalvas:
- A Equipe de Interesse não pode afetar a participação dos Pioneiros em suas reu-
niões semanais, nem a participação dos mesmos em atividades como Mutirões,
atividades de serviço, etc... Isso porque a Equipe de Interesse é um complemento
às atividades desenvolvidas pelo Clã Pioneiro.
- A Equipe de Interesse deve ter uma pessoa responsável por sua Coordenação,
geralmente a pessoa que tiver experiência ou mais informações sobre o objetivo
da Equipe. Por exemplo, ainda na Equipe de Interesse de Escalada, é preferível
que o Coordenador seja a pessoa com mais experiência nesse esporte, que co-
nheça os melhores lugares, os procedimentos, etc..., pois assim ele poderá passar
para os outros Pioneiros mais e melhores informações no desenvolvimento das
atividades da Equipe de Interesse.
- A Equipe de Interesse tem que ter seu objetivo, sua finalidade aprovada pelo
Conselho de Clã e pelos Mestres, pois é necessário que todos tenham ciência do
que está acontecendo, quem participa, se ela vai realmente trazer benefícios para
o Clã Pioneiro, etc...
As Equipes de Interesses são algo bem característico do Ramo Pioneiro. Somando
às características já discutidas, lembramos que um Pioneiro pode participar de mais de uma
Equipe de Interesse ao mesmo tempo, sem problemas, e não há restrição para uma Equipe
de Interesse ter elementos de um só Clã!!! Salvo as recomendações acima, mais de um Clã
Pioneiro pode “contribuir” com elementos para uma Equipe de Interesse. Lógico, se eles
(os Pioneiros) não ficarem sobrecarregados com isso. Se conseguirem levar suas atribuições
normais (trabalho, estudos, atividades rotineiras do Clã) junto com as Equipes de Interesse,
não há o menor problema em se “engajar” numa Equipe de Interesse que trabalhe, por e-
xemplo, a criação, edição e distribuição de um Jornal do Clã (Jornal do Clã (ou do Grupo)
- 13.9), e a organização de uma atividade voltada para os Escoteiros e Escoteiras (Um dia
com os Escoteiros - 14.4).
Por fim, sugerimos que, depois de terem organizado uma ou duas Equipes de Inte-
resse, que vocês (o Clã) comecem a documentar tudo o que foi feito. Desde a idéia da cria-

Página nº 152
ção da Equipe de Interesse, até um registro de quem participou, quantas reuniões foram
feitas, quem foi o Coordenador, quais eram os objetivos, quantos deles foram atingidos,
uma relatório das atividades desenvolvidas, etc... Assim, vocês terão uma referência futura
sobre erros e acertos cometidos no passado, além de poderem contribuir para que as “futu-
ras” gerações de Pioneiros tenham material de consulta para organizarem suas próprias E-
quipes de Interesse!!
Caprichem, e abracem mais esse lado das atividades do Ramo Pioneiro!! SERVIR!!

Sugestões de Equipes de Interesse 16.2

A seguir, vão algumas sugestões de Equipes de Interesse, algumas simples outras


mais elaboradas, que comumente são observadas em Clãs Pioneiros. Tente ver se alguma
delas tem aplicabilidade em seu Clã, e se não tiver, tome por base duas ou três e crie sua
própria Equipe de Interesse, através da conversa com seus irmãos Pioneiros!
- Equipe de Interesse de Aniversários - encarregada de lembrar datas importantes,
como os aniversários dos Pioneiros, dos Mestres, Chefes do Grupo, ex-
Pioneiros, etc... e de realizar uma festinha ou comemoração para marcar a data.
- Equipe de Interesse de Escalada - se alguém curte esse esporte, pode dar algu-
mas dicas, ensinar a subir algumas vias, ensinar técnicas, nomes de equipamen-
tos e finalidade, etc...
- Equipe de Interesse de Jogos e Canções - realiza toda reunião um jogo ou uma
música na abertura e no encerramento de atividades, além de realizar em viagens
e passeios a “animação” do pessoal do Clã (e de outros), alegrar o pessoal em
caso de dias de chuva, etc...
- Equipe de Interesse de Certificados e Etapas - cuida da emissão de certificados e
da criação/manutenção de um mapa de etapas com o nome de todos os Pionei-
ros. Além disso, dá dicas aos Pioneiros mais novos de como cumprir suas etapas
de adestramento, de como realizar uma ou outra atividade, etc...
- Equipe de Interesse de Cultura - programa atividades culturais para o Clã Pio-
neiro, como uma visita a um museu, um passeio por uma exposição, ida a um
cinema ou teatro, etc...
- Equipe de Interesse de Grandes Atividades - busca informações e trata da divul-
gação, inscrição e detalhes de viagem para facilitar a participação do Clã Pionei-
ro em atividades como Mutirões, Interclãs, Rovers, Jamborees, etc...
- Equipe de Interesse de Esportes - promove eventos esportivos periódicos para os
Pioneiros, como “Campeonato de Truco Misto”, “Copa Escoteira de Futebol”,
etc...
- Equipe de Interesse de Atividades de Espiritualidade - se encarrega de dar um
toque a mais de espiritualidade em atividades do Clã, como a decoração da ca-
verna, uma reflexão em um acampamento, uma atividade de relaxamento à fren-
te da fogueira, etc...
- Equipe de Interesse de Estágios e Cursos- ajuda os Pioneiros a realizar seus es-
tágios em outras seções, dando dicas de como proceder, de como agir, progra-
mar, etc... além de divulgar para o Clã datas e preços de Cursos de Adestramen-
to promovidos pela Região Escoteira.

Página nº 153
E por aí vai!!!! Existem um sem número de Equipes de Interesse, com variada quan-
tidade de elementos, objetivos, etc... As apresentadas são sugestões, e podem ser a-
daptadas, rescritas, etc... O importante é que ela tenha um coordenador, tenha seus
objetivos claros, “palpáveis” e aprovados pelo Conselho de Clã (4.2) e pelos Mes-
tres Pioneiros. Logo, mãos a obra, e realizem mais e melhores atividades junto com
os Pioneiros do seu Grupo!!!! SERVIR!!

Equipes Informais 16.3


Em conversa com meus Mestres (Osvaldo e Ilka) durante as atividades (muitas, mas
muitas mesmo, uma loucura!) que eles estavam realizando enquanto cumpriam as etapas do
Curso Avançado Pioneiro, veio à tona um tópico chamado Equipes Informais.
Pois bem, em conversa com eles, achei interessante colocar isso no livro, pois é uma
constante na vida do Pioneiro, e muitos de nós nem damos conta disso.
Ao contrário das Equipes de Interesse, as Equipes Informais não tem um Coordena-
dor, sua duração pode ser de alguns dias até meses, e os objetivos podem ou não variar du-
rante esse período. A peça chave é que os Pioneiros envolvidos estão sempre mantendo
uma espécie de comprometimento, e sempre realizando uma ou outra atividade juntos, um
ou outro contato, etc... Acho que exemplificando fica mais fácil:
- Uma Equipe Informal que eu participo (só me dei conta disso depois de conver-
sar com os Mestres) é uma espécie de “grupo de troca de mensagens via Inter-
net”. É mais ou menos assim: depois de muitos Mutirões, Interclãs, viagens e
Jamborees, um grupo de amigos que sempre se encontrava nessas atividades e
tinha email acabou mantendo sempre contato via Internet. Isso gerou frutos mui-
to bons, como por exemplo algumas visitas e até um Carnaval juntos em SC!!
Esse pessoal até hoje se mantém em contato, mesmo que alguns estejam em SP,
outros em SC, RS e no PR!!!
- Outra Equipe Informal é com meus amigos Gustavo (G.E. São Judas Tadeu) e
Fábio (G.E. Ar Santos Dumont), que juntos já saímos para “festear” à noite, já
fomos em muitas atividades juntos, já programamos algumas atividades para os
Pioneiros (Gincana Pioneira - 10.10) e ainda hoje mantemos contato quase que
todo dia.
Como vocês perceberam, essas Equipes Informais às vezes acontecem, são intensas
e nem nos damos conta disso. Elas tem então como uma das características promover um
contato maior entre vários Pioneiros acerca de um mesmo assunto, um mesmo objetivo!!
Tentem ver em seu Clã e discutir com todos se algum de vocês participa de alguma
Equipe Informal, e se sim, veja como estimular os outros a participar junto, buscando cada
vez mais companheiros e amigos, e cada vez mais atividades e contatos!!! SERVIR!!

Dirigindo em Atividades Pioneiras 16.4

Um tópico importante, e de muita responsabilidade, é com relação a Pioneiros diri-


girem em atividades escoteiras. Como é próprio da idade, muitos Pioneiros tem habilitação
para dirigir e possuem carro (carinhosamente chamado de “transCLÔ pelos outros Pionei-

Página nº 154
ros!!). E, como muitas das atividades pioneiras não acontecem na mesma cidade em que o
Clã faz suas atividades, às vezes compensa mais ir de carro para um Mutirão ou uma Vigí-
lia do que fretar um ônibus ou comprar passagem.
Logo, quando estiver em vias de utilizar seu carro para transporte dos Pioneiros, não
esqueça algumas sugestões básicas, que todos já devem saber, mas que valem a pena ser
lembradas.
- Quando possível, viagem de uniforme, isso ajuda a identificar vocês e caracteri-
za que são escoteiros indo para alguma atividade.
- Mantenha seu carro em ordem, e não tenha vergonha de pedir ajuda para outro
Pioneiro mais experiente, como por exemplo pedir para ele guiar em estrada,
etc...
- Quando viajarem em mais de um carro, procurem sempre manter-se juntos du-
rante o trajeto, não dando muita distância. Em caso de algum problema, o outro
carro virá logo atrás para socorrê-lo. Quando viajarem por estradas, mantenham
o farol baixo ligado, mesmo de dia. Isso facilitará sua identificação pelos outros
quando olharem pelo retrovisor.
- Ainda em viagens, não deixem o carro que tem o motor mais fraco (motores 1.0
geralmente) por último. Ele pode não conseguir acompanhar o ritmo de vocês, e
acabar se distanciando muito. É conveniente que o motorista mais experiente vá
na frente, os carros mais pesados ou com motor mais fraco no meio e outro carro
com motor mais “forte” atrás no comboio.
- Se você participar de algum Staff de Grandes Atividades como motorista, não
esqueça de dirigir sempre em velocidades bem baixas quando no campo ou na
área de atividade. “Lobinhos” mais afoitos podem surgir de qualquer lugar, e
mesmo outras pessoas distraídas. É preferível que você demore um pouco mais,
mas garanta sua segurança e a dos outros na área do acampamento.
Enfim, creio que tudo o que foi dito não é novidade, mas vale a pena reforçar esses
detalhes que podem estragar por completo uma bela atividade se ignorados! Dirigindo com
cuidado, sua segurança e a dos outros estará garantida, e fará com que todos realizem óti-
mas atividades em seus destinos!! SERVIR!!

Padrinhos 16.5
É costume do Ramo Pioneiro que quando um jovem completa sua Ponte Pioneira,
entrando definitivamente para o Clã, que ele escolha um ou dois Padrinhos, que irão auxi-
liá-lo na execução de suas etapas, adestramentos, etc... além de apresentá-los ao universo de
atividades do Pioneiro e do Clã.
Logo, o que um Padrinho pode fazer? Não existe nada formal, nem escrito sobre
isso, e a função de um Padrinho varia de Clã para Clã, mas em linhas gerais podemos citar:
- O Padrinho é quem explica para o Pioneiro o que é a Carta Pioneira, o Conselho
de Clã, a COMAD, o que são Atividades de Serviço, Projetos, etc... A ele cabe
ensinar o “básico” para o Escudeiro poder “se virar” quando entra no Clã Pio-
neiro sem ficar perdido.
- O Padrinho também aconselha o Escudeiro quando esse começa a realizar suas
etapas. Orienta sobre as Insígnias e o direcionamento que cada uma delas tem

Página nº 155
(Insígnias de Cidadania e Pioneira - 16.8), além de dar informações de onde co-
lher dados para tirar as etapas (livros, relatórios, etc...).
- O Padrinho ainda sugere ao “afilhado” que tipo de projetos ele pode fazer,
quando chegar a hora de fazê-los, baseado em conversas sobre os gostos do
mesmo, sobre as aptidões, etc...
- Já no lado do estímulo, o Padrinho pode dar, nas cerimônias em que o “persona-
gem” principal seja o “afilhado”, algum tipo de lembrança, como por exemplo
uma carta com algumas palavras de estímulo, uma peça de cerâmica com algum
significado, um nó, uma foto, etc... Isso criará um laço de intimidade e amizade
muito forte entre os dois Pioneiros.
- O Padrinho “presta contas” aos Mestres Pioneiros sobre como anda seu “afilha-
do”, se ele está se adaptando bem à vida no Clã, os progressos, os comentários,
as sugestões que ele deu, etc...
Enfim, há muito o que um Padrinho pode fazer, e cada um, ao ser convidado a exer-
cer esse cargo, deve ter a maior consideração, carinho e responsabilidade possível, pois
uma outra pessoa escolheu você (o Escudeiro) provavelmente por causa de você ser um
exemplo de Pioneiro para ela, uma pessoa de elevado Espírito Escoteiro e de alto grau de
amizade e companheirismo!! Parabéns se esse é o seu caso!!! SERVIR!!

JOTA & JOTI 16.6


O escotismo mundial vem o tempo todo se adaptando aos novos tempos. E, duas das
formas mais abrangentes de escotismo manifestam-se através do JOTA e, mais recentemen-
te, do JOTI. Mas, o que são essas siglas? Vamos por partes (como diria o açougueiro!)...
JOTA - Jamboree On The Air. É a modalidade de Escotismo que tenta unir escotei-
ros de todo o mundo através de ondas de rádio. É tradicionalmente realizada - a mais de 40
anos! - no segundo domingo de outubro, em todo o mundo. No Brasil, ela consiste em duas
partes: uma de confraternização e outra de competição, aonde lobinhos, escoteiros, sêniors,
pioneiros e chefes do país inteiro viajam para outras cidades, tentando ganhar mais pontos
para seus Grupos. Explicando: na parte de confraternização, os operadores de rádio conver-
sam entre si, reencontram via rádio amigos, patrulhas, G.E. conhecidos, etc... Trocam car-
tões QSL (é como se fosse um cartão atestando que você manteve contato com uma estação
de radioamadores), conversam, etc... Na parte de competição, as diversas bases espalhadas
pelo país tentam, em todo o espectro de ondas liberado para o JOTA, “achar” outras bases e
trocar pontos com elas. Quem tiver mais pontos (pois consequentemente conseguiu contato
com mais bases) vence a competição.
JOTI - Jamboree On The Internet. É uma modalidade nova de Escotismo. Com os
recentes avanços da Internet, e a comunicação que ela permite, Escoteiros do mundo todo,
através de programas de bate-papo (mIRC, ICQ, etc...) trocam endereços, correspondên-
cias, piadas, sugestões de locais de acampamento, etc... É uma prática recente, e somente de
dois anos prá cá é que tem tomado porte de “Grande Atividade”, merecendo a atenção de
Chefes, Diretores Nacionais e Mundiais. Como (ainda) é uma “novidade”, o JOTI é reali-
zado paralelamente ao JOTA, em outubro.
Agora que você e seu Clã aprenderam um pouco mais sobre essas duas formas de
praticar Escotismo, entrem em contato com os coordenadores regionais de seu estado. Se
algum de vocês for Radioamador (é preciso ser classe “C”, ao menos (eu sou Classe “D”,

Página nº 156
logo não posso modular no microfone), para falar e trocar indicativos), vocês podem orga-
nizar uma base do JOTA, receber visitantes do País inteiro, conhecer gente nova, costumes
novos, etc... Vale a pena se interessar um pouco mais sobre esses assuntos. Contatem Che-
fes e elementos que já tenham experiência nisso, e peçam uma palestra seminário, curso,
etc...
Expandam suas formas de praticar o Escotismo!!!! SERVIR!!

Promessa e Investidura 16.7


Os tópicos a seguir são uma cópia do P.O.R. Pioneiro, aonde constam as etapas ne-
cessárias para o jovem que nunca foi escoteiro ou que está vindo da Tropa Sênior e começa
a realizar suas primeiras atividades no Clã Pioneiro. A Promessa Escoteira é para os que
nunca foram escoteiros, e marca o compromisso com a Lei e Promessa Escoteiras, e com a
identificação com o lema (SERVIR!!) e propósito do Ramo Pioneiro (Servir ao Próximo,
Serviço Comunitário, etc...).
Já a Investidura pode ser realizada por todos aqueles que possuem a Promessa Esco-
teira, e ela premiam os primeiros esforços do Escudeiro junto ao Clã, realizando tarefas
que, apesar de relativamente simples, são essenciais para o aprendizado e desenvolvimento
do Pioneiro.

Promessa Escoteira
1 - ESCOTISMO
- História do Escotismo Mundial e Brasileiro.
- Mostrar conhecimento sobre organização do Escotismo, definindo o que é UEB,
Direção Nacional, Região, Setor (ou Distrito, ou Área Escoteira, etc...) , Grupo
Escoteiro e Seções.
- Compreender e vivenciar o Propósito do Movimento Escoteiro.
- Aplicar, conhecendo seu significado, o Sinal Escoteiro, o aperto de mão, lema,
saudação e sinais manuais.
- Demonstrar conhecimento do uniforme e sistema de distintivos do Ramo Pionei-
ro.
2 - CIDADANIA
- Preparar, hastear e arriar a Bandeira Nacional, com as honras lhe são devidas.
3 - AR LIVRE
- Armar uma barraca e arrumar uma mochila.
- Saber fazer os nós direito, escota alceado, volta do fiel e lais de guia, conhecen-
do suas utilizações.
4 - SEGURANÇA
- Conhecer e saber aplicar as regras de segurança previstas na seção 31 do POR.
5 - VALORES
- Conhecer, interpretar e vivenciar a Promessa e Lei Escoteira.
- Demonstrar adesão aos deveres para com Deus, conforme os fundamentos.

Estágio Probatório - Investidura

Página nº 157
1 - Ler e Analisar, em conjunto com os Padrinhos e/ou Mestre Pioneiro/Mestra Pioneira, a
Carta Pioneira e o POR do Ramo Pioneiro.

2 - Ler o livro 'Caminho para o Sucesso' e/ou 'Lições da Escola da Vida' e debater um dos
seus assuntos com o Clã."

3 - Saber montar um acampamento, de acordo com o livro 'Padrões de Acampamento'.

4 - Participar de uma atividade comunitária, uniformizado.

5 - Debater com um ou mais Escotistas, preferencialmente com o Diretor Técnico, sobre as


Seções 26 - Da Seleção, Nomeação e Motivação do Escotista, e 27 - Do Adestramento do
Escotista, do POR.

6 - Realizar as seguintes proposições:


- planejar um acampamento de fim de semana para uma seção completa
- etapa de aplicação de técnica escoteira sugerida pelo escudeiro(a) e aprovada pe-
lo Conselho do Clã.

7 - Realizar duas das seguintes proposições:


- participar de uma atividade de cunho cultural, promovendo posteriormente um
debate com o Clã Pioneiro.
- participar de um debate com o Clã e com outros jovens da faixa etária sobre um
problema social ou ecológico de sua região.
- participar de uma atividade de divulgação do Ramo Pioneiro ou do Movimento
Escoteiro.

8 - Compreender e vivenciar os Fundamentos do escotismo Brasileiro.

Com um pouco de paciência, dedicação e entusiasmo, você e seu Clã poderão reali-
zar mais e melhores atividades, sabendo que sempre serão reconhecidos pelos seus esforços
e dedicação, através dessas etapas. Trabalhando com seriedade, vocês aos poucos absorve-
rão e entenderão o porque desses graus de adestramento terem essas etapas. Elas são um
misto de preparação mental do Pioneiro, e de preparação junto à comunidade e ao Clã, para
que no futuro, ao encararem desafios maiores, vocês possam transpô-los com grande facili-
dade!! SERVIR!!

Insígnias de Cidadania e Pioneira 16.8

Depois de conquistar a Investidura Pioneira, o membro do Clã pode seguir por dois
caminhos, visando aprimorar seu adestramento e conhecimento. Pode optar ou pela Insígnia
de Cidadania ou pela Insígnia Pioneira. Ou pelas duas!
A diferença é que a Insígnia da Cidadania enfoca realizações, trabalhos, pesquisas e
esforços a nível de comunidade, como a realização de um projeto, conhecimento dos direi-
tos e deveres do cidadão, uma atividade de cidadania, etc... Já a Insígnia Pioneira visa ades-
trar o Pioneiro em atitudes e realizações dentro do próprio Grupo Escoteiro, realizando um

Página nº 158
estágio, construção de pioneirias, Cursos de Adestramento (Cursos de Formação (Região
Escoteira) - 4.9), etc...
O Pioneiro fica livre para escolher aquela em que ele mais se identifica, e começar a
trabalhar em cima disso!! Vamos às etapas, na íntegra:

Insígnia Pioneira
1 - Realizar duas das proposições abaixo, sendo obrigatória a primeira:
- fazer um estágio supervisionado por um Escotista durante, pelo menos, 3 meses
junto a uma seção de seu grupo ou distrito e ser aprovado em um Curso de A-
destramento Preliminar, caso o Curso não venha sendo oferecido na Região ou
na própria área, pode ser aberta uma exceção nesse item, desde que o pioneiro(a)
assuma o compromisso de participar do primeiro Curso que venha a ser ofereci-
do em sua Região.
- organizar e participar junto com o Clã Pioneiro de uma atividade comunitária ou
de cunho conservacionista.
- cooperar em atividade escoteira distrital ou regional.
- ser instrutor da Insígnia Mundial de Conservacionismo ou uma das especialida-
des de área de serviço público e grupos de serviço.

2 - Realizar, no mínimo, duas das seguintes proposições:


- ter um curso de técnica escoteira.
- planejar e executar uma pioneiria de nível de médio porte, respeitando os princí-
pios de Conservacionismo.
- participar de uma atividade pioneira a nível nacional ou internacional.
- planejar e organizar uma palestra ilustrada a ser desenvolvida por uma equipe de
sua escolha, com apoio de audiovisual, referente a um projeto de conservacio-
nismo e ser levada a Grupos Escoteiros e/ou Escolas.

Insígnia de Cidadania

1 - Conhecer os direitos, deveres e garantias do indivíduo estabelecidas na Constituição


Brasileira e discuti-los com o Clã Pioneiro.

2 - Realizar um projeto profissional de escolha do pioneiro(a), com duração mínima de três


meses, cuja execução e relatório final serão acompanhados por profissional da mesma área.

3 - Realizar três das seguintes proposições:


- conhecer a Declaração Universal dos Direitos do Homem e discuti-la com o Clã
Pioneiro.
- elaborar um esquema de mobilização do Grupo Escoteiro para auxílio em casos
de calamidade ou grandes serviços.
- ter um bom conhecimento da Fraternidade Escoteira e estar em contato com um
pioneiro(a) de pelo menos dois países.
- organizar e apresentar ao Clã um trabalho de cunho cultural de sua escolha.
- etapa de aplicação de cidadania sugerida pelo pioneiro e aprovada pela Comis-
são Administrativa do Clã.

Página nº 159
As etapas são essas. Nada é impossível ou difícil para um Pioneiro. O que elas exi-
gem é trabalho, dedicação, e interesse. Se vocês conseguirem preencher esses requisitos,
com certeza seu objetivo será alcançado!!!! SERVIR!!

Insígnia de BP 16.9

O grau máximo do adestramento Pioneiro é a Insígnia de BP. Devido às dificulda-


des (ou desafios) que o Pioneiro tem que cumprir normalmente (Investidura, Insígnias, pro-
jetos, cursos, estágios, palestras, etc...), aliado ao momento em que o Pioneiro vive (facul-
dade, trabalho, outras responsabilidades....) poucos conseguem chegar tão longe. Mas isso
não significa que seja impossível!!!! Basta ter organização, disciplina e método, que seus
objetivos serão alcançados, e seus esforços premiados!!!
As únicas etapas para se conquistar, merecer a Insígnia de BP são as seguintes:

- Ter conquistado uma das duas Insígnias (Insígnia Pioneira e/ou Insígnia da Ci-
dadania).
- Ter desenvolvido um projeto de, no mínimo, seis meses de duração, sobre um
assunto de sua livre escolha, mas aprovado pela Comissão Administrativa do
Clã, que deverá cobrir os seguintes aspectos: escolha de idéia, planejamento e
programação, organização, coordenação, realização, avaliação e relatório.
- Enviar, pelos canais competentes, ao Comissário Nacional de Pioneiros: relató-
rio dos serviços comunitários e das atividades de desenvolvimento comunitário
de que participou; relatório detalhado e ilustrado de seu projeto; parecer do Con-
selho do Clã e do Mestre(a) Pioneiro(a); parecer do Diretor Técnico e dos Co-
missários Distrital e Regional; cópia da ficha modelo 120; duas fotos 3x4

Os passos para montar o projeto você encontra na idéia Passos para um bom projeto
- 16.12. Lá você receberá dicas, sugestões e informações de como escrever, montar levar à
execução e documentar um projeto!!!
Enfim, acho que a coisa mais difícil em se conquistar esse adestramento será montar
o projeto final para ser enviado para apreciação e aprovação!!! Não desista!!! Mostre para
você mesmo do que você é capaz!!! Mostre aos outros que quando alguém se esforça, faz
um sacrifício, pesquisa, estuda, trabalha, etc... é recompensado!!! Seja um estímulo para
outros de seu Clã seguirem seus passos!!!! SERVIR!!

Fichas de Atividade 16.10

Uma coisa muito importante em um Clã Pioneiro é a sua memória, ou seja, que tipo
de registros vocês deixarão para os Pioneiros que ainda irão entrar no Clã. Por isso, uma
das formas que vocês tem para deixar lembranças, instruções, dicas, sugestões e informa-
ções para outras gerações de Pioneiros é fazer um arquivo de Fichas de Atividade.
É bem simples: peguem uma folha padrão com campos a serem preenchidos a cada
vez que vocês fazer uma atividade. Nesses campos vocês podem colocar informações co-
mo:
- quantidade de Pioneiros mínima e máxima para executar tal atividade

Página nº 160
- objetivo da atividade (qual o objetivo e se ela é de Serviço Comunitário, Con-
servacionismo, etc...)
- duração da atividade
- descrição da atividade
- roteiro, procedimento e/ou execução da atividade
- avaliação (feita na época em que esta atividade foi realizada)
- variações possíveis dessa atividade (para o caso de chover, faltar material, ex-
cesso de pessoas, etc...)
- entre outras coisas...

Logo, fazer uma ficha assim não é tão problemático. Montem uma ficha padrão
(conforme dito) que tenha o logotipo/nome do Grupo Escoteiro e do Clã de vocês. A seguir,
consigam um pouco de dinheiro com o Tesoureiro (O Tesoureiro do Clã - 15.3) e comprem
um arquivo e tirem muitos xerox dessa folha padrão. A seguir, a cada atividade, uma pessoa
fica encarregada de pegar essa ficha, preencher e guardar no arquivo.
Assim, com o passar do tempo, vocês terão muitas informações úteis, não só para
passar para os futuros Pioneiros (isso pode ser uma fonte de informação sobre o que o Pio-
neiro faz), mas para servir de referência para vocês realizarem atividades, servindo de con-
sulta, referência, etc...
Mãos a obra!!!! Lápis e caneta na mão e vão colocando as idéias no papel!!! Tentem
também preencher por conta (cada Pioneiro preenche 5, por exemplo), ou seja, que cada
Pioneiro escreva suas experiências, sugestões de atividades, etc...!!! Usem a criatividade!!!!
SERVIR!!

Radioescotismo 16.11

Nem só de JOTA (JOTA & JOTI - 16.6) vivem os escoteiros radioamadores!!! Na


verdade, o JOTA é uma conseqüência de uma das derivações do Escotismo: o radioesco-
tismo!!!
E o que mais fazem esses escoteiros? Bem, em muitas atividades eles prestam um
valoroso serviço à organização, servindo para dar apoio à atividades que se realizam longe
do local de acampamento. Além disso, são inúmeros os casos em que radioescoteiros auxi-
liaram salvamentos e resgates de pessoas machucadas ou em perigo.
Mas, além desse serviço às pessoas, os radioescoteiros tem suas próprias atividades,
como a Rodada Baden-Powell, aonde radioamadores escoteiros do país inteiro encontram-
se “nas ondas” para conversar, trocar informações, trocar cartões QSL (uma espécie de cer-
tificado que atesta que você contatou determinada pessoa), etc...
Algumas outras atividades que radioamadores escoteiros fazem:
- trocas de mensagens em código morse (apesar de obsoleto, o código morse é a-
inda um simples e prático meio de comunicação, exigindo apenas um pouco de
prática e concentração)
- competições via rádio (também chamados de “contestes”), aonde, como num
JOTA, vale quem mais fizer contatos via rádio pelo mundo.
- DXpedições (aonde alguém, em algum lugar (ilhas, fortes, fortalezas, monta-
nhas, etc...) fica modulando em uma freqüência que ninguém sabe, e quem achar
recebe um cartão QSL especial atestando isso. Após certo número de vezes que

Página nº 161
o radioamador escoteiro “acha” essas pessoas (5 ilhas, 10 montanhas, etc...) ele
recebe um certificado internacional!!!!)
- Participações em Jamborees Mundiais
- etc...
Logo, se seu Clã se interessar por esse tipo de atividade, entrem em contato com al-
gum radioamador escoteiro e peçam mais informações a ele. Vejam a possibilidade de ele
dar um curso sobre Radioescotismo para vocês, mostrando equipamentos, linguagem Q,
cartões QSL, antenas, etc...
Ampliem os horizontes de atividades do seu Clã promovendo uma palestra sobre es-
se assunto!!!! Não deixem de conferir!!! SERVIR!!

Passos para um bom projeto 16.12

Bem, o que colocaremos agora são sugestões, idéias de como você pode fazer para
criar, desenvolver, executar e avaliar um projeto. Um projeto pode ser de qualquer tipo,
desde organizar os livros do Clã, encadernado-os, numerando-os e fazendo um esquema de
empréstimo, até o planejamento, estruturação, execução e avaliação de um Mutirão Regio-
nal!!! O que importa é que siga alguns detalhes básicos, que ajudará você a se organizar
melhor, tendo um desempenho melhor, e consequentemente, um projeto mais bem estrutu-
rado, atuante, produtivo e importante!!!
- Descrição do Projeto: O que é seu projeto, qual o seu objetivo, qual o nome, a
quem será útil/a quem se destina, o porque de você desenvolver ele, etc...
- Requisitos do Projeto: O que será necessário para seu projeto. Pode ser desde
um computador, folhas de papel, estágios em várias seções, Cursos de Adestra-
mento, festas, visitas, etc...
- Cronograma do Projeto: aqui mora a parte mais importante!!!! Escrevendo datas
para as ações do projeto, você pode se cobrar mais para obter os resultados nas
datas previstas. No cronograma você define quanto tempo despenderá para fa-
zer, por exemplo, a pesquisa inicial, as visitas, escrever o projeto, fazer o relató-
rio, etc... Vejo como exemplo o primeiro (dos três!!!!) cronograma apresentado
durante a produção deste livro:
Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setem-
bro
Definição dos temas a
serem abordados no
livro
Padronização da for-
ma do livro, das pá-
ginas
Criação, pesquisa,
obtenção das ativida-
des relacionadas aos

Página nº 162
temas
Campanha financeira
para a impressão da 1ª
tiragem
Compilação do traba-
lho final, revisão dos
Mestres
Impressão da 1ª tira-
gem e estabelecimento
do preço
Pesquisa junto aos
Clãs sobre aceitação
do livro
Pesquisa junto ao Clã
sobre destino do di-
nheiro arrecadado
Redação do relatório
final do projeto
Entrega à Região Es-
coteira do restante dos
livros
Conclusão do projeto

- * - Esse projeto teve modificações em seu cronograma, justificadas nos relató-


rios. Se seu projeto precisar ser adiado, ou acrescentado de novas ações , etc...
faça as modificações sem medo no cronograma!!! Afinal, ele está aí para orien-
tar, e se de repente alguém resolve seguir seus passos, encontrará os mesmos
problemas e sentirá também a necessidade de adiar alguns eventos. Ah, mas
lembre-se de sempre justificar o porque (no meu caso, por exemplo, a greve das
Universidades Federais e o início de um estágio acabaram com que esse projeto
levasse um mês a mais que o previsto!!)
- Relatórios: A cada quinze dias é conveniente apresentar um relatório detalhado à
COMAD ou aos Mestres sobre o andamento do seu projeto. Se você realizou vá-
rias coisas, produziu bastante, detalhe o máximo possível. Se você não fez nada,
nem tocou, sem problema, diga que o projeto não teve avanços desde o último
relatório e explique o porque. Se você “não teve tempo para mexer no projeto”,
tudo bem, não é porque você está envolvida com um Projeto que você tem todo
dia 1 ou 2 horas para dedicar a ele. Somos mortais!!!
- Avaliações: Coloque junto dos relatórios uma avaliação pessoal, dizendo se vo-
cê está indo de encontro com seus objetivos iniciais, se “a cara” do projeto está
boa, etc...
- Correspondências: TUDO o que você usar de material emitido e as respostas a
ele (autorizações, pedidos, etc...) deve ser guardado, feita uma referência no pro-
jeto (ver Místicas do Ramo - 3.5). Se alguém colaborou, quem colaborou, etc...
Tudo isso deve constar dos relatórios.

Página nº 163
- Avaliação Final: Quando terminar seu projeto, faça uma avaliação final de tudo
o que você fez, tendo por base as metas apresentadas inicialmente. Se necessá-
rio, convide os Mestres Pioneiros, a COMAD e até alguém especializado na área
do seu projeto (alguma coisa de conservacionismo, de leis, etc...).
Bem, essa é apenas UMA, das inúmeras maneiras que se tem para estruturar um
projeto. Escolha a que mais se adequar a sua realidade, pois assim você já estará dando um
grande passo rumo a execução de seu objetivo!!!! Não esqueçam, quanto mais organizados
vocês forem, melhor!!!! (Experiência própria!!!!)!! SERVIR!!

Internet 16.13
A Internet está hoje em muitos, mas muitos lares (não tenho porcentagens, pois es-
tou com um pouco de preguiça de ir procurar!!!), e inclusive ao acesso de vários Pioneiros.
Por isso, tente com o seu Clã buscar utilizar essa ferramenta para obter idéias, obter infor-
mações, dicas, etc... sobre o Movimento Escoteiro.
Das muitas coisas que podem ser feitas, sugiro:
- Entrem em contato com alguém que entenda a fundo sobre Internet, home-page,
servidor, link, TCP/IP, etc... (pode até ser um Pioneiro) e marquem uma pales-
tra, ou um seminário, sobre Internet. Lá, você receberão informações de o que é
a Internet, quem a gerencia, o que ela oferece, como se conectar, etc... Vocês
podem inclusive transformar isso num Projeto (Passos para um bom projeto -
16.12), marcar uma data, divulgar para a comunidade escoteira (Clãs do Setor,
divulgar na Região Escoteira) e organizar um “Workshop sobre Internet” (Mini-
cursos (carta, atas, projetos, registros) - 4.7) e ainda angariar algum dinheiro
para o Clã, cobrando uma inscrição, e distribuindo certificados (Campanhas Fi-
nanceiras - 15).... !!!!!
- Marquem de ir na casa de algum Pioneiro que tem Internet , ou à algum labora-
tório de informática numa faculdade, e “naveguem” pela Internet. Façam uma
consulta a assuntos como Ecologia, Projetos, Universidades, Bureau Mundial de
Escotismo, Região Escoteira, sites de Grupos Escoteiros, etc... e promovam um
debate sobre o que cada um viu. Discutam sobre a quantidade de referências en-
contrada, sobre a qualidade das informações, sobre a veracidade delas, etc...
- Construam, após verem como é uma Home-Page do seu Clã Pioneiro, inserindo
a história de seu Clã, os acampamentos, acantonamentos, Mutirões, Vigílias,
etc... e tudo de curioso que aconteceu neles. Divulgue seu Grupo Escoteiro, seus
elementos, os Pioneiros (com uma pequena referência a cada um (apelidos, bes-
teiras, gostos, curiosidades, etc...)), fotos de atividades, sugestões de passeios,
acampamentos, etc...
- Entrem em contato com escoteiros de outros estados e países e proponham a eles
um intercâmbio de informações. Troquem dados sobre seus estados/países, tro-
quem distintivos, curiosidades sobre o escotismo, etc... Muitos desses contatos
podem vir a ser amizades sólidas e até podem gerar encontros, vindo os partici-
pantes a se conhecer algum dia (em viagens, Jamborees, etc...)!!!
Enfim, a Internet possibilita muitas outras coisas para vocês (depois, até mesmo os
relatórios e algumas das idéias desse livro estarão disponíveis na Internet!!!), e como ela
está sempre evoluindo, acho que vocês terão assunto para muitas e muitas “viagens”!!!!

Página nº 164
Aprendam a utilizar mais e melhor essa poderosa ferramenta e implemente ainda mais as
atividades do seu Clã Pioneiro!!!!! SERVIR!!

CFL - Clube da Flor de Lis 16.14

Para muitos Pioneiros que saem do Clã quando chegam a idade de 21 anos, chega o
momento dele escolher entre ir para uma seção ou “sair” do Movimento Escoteiro. Entre-
tanto, alguns Grupos Escoteiros tem em seu “quadro” chefes suficientes em cada seção,
logo o Pioneiro não se sente atraído a assumir um “cargo” de Chefia ou Assistente de Che-
fia. O que fazer?
Para esses, e para os que gostariam de continuar ser Escoteiros sem ser Chefes,
existe a possibilidade de entrar no Clube da Flor de Lis - CFL. Ele continua a pagar o regis-
tro da UEB (fica registrado como CFL), recebe o distintivo anual, pode participar de Ativi-
dades Escoteiras, etc...
E o que esse pessoal faz? Bem, de tudo um pouco. Podem num final de semana dar
apoio aos Escoteiros que estão em uma jornada e precisam que alguém faça uma segurança
de carro. Podem também fazer uma base em um Acampamento de Grupo, ensinando aos
elementos alguma coisa que dominem (construção de abrigos, fogueiras, cozinha mateira,
etc...). Ou então podem organizar um jantar beneficente para uma associação do bairro,
vendo convites, comida, bebida, dinheiro, etc...
Existem muitas possibilidades, sendo que a idéia principal do CFL é não deixar a-
quele sentimento escoteiro, aquela coisa gostosa de sentir quando estamos de uniforme, ou
quando estamos realizando uma atividade junto de nossos amigos, se perder...!! Informem-
se com sua Região Escoteira e/ou com Grupos Escoteiros que já possuem um Clube da Flor
de Lis. Eles lhes darão outras dicas e mostrarão como fazer para estruturar um CFL, etc...
Não deixem de ser Escoteiros só porque não tem mais idade de serem elementos!!!!!! A-
proveitem todas as facetas do Escotismo, e divirtam-se!!!!!!!! SERVIR!!

Tente, invente, crie um Clã diferente! 16.15

Nunca deixe seu Clã cair numa monotonia!!!! Mantenha sempre, sejam em ativida-
des de sede, sejam em atividades externas, o moral alto!!!
Cantem, brinquem, tirem sarro (sem exagerar!) e aprontem sempre que possível!!!
Isso faz com que os elementos do seu Clã fiquem cada vez amigos, percebendo reações nos
outros (tristeza, angústia) e sabendo o melhor jeito de ajudar!!! A amizade entre os Pionei-
ros é talvez a coisa mais importante de um Clã Pioneiro.
Quando estiverem em atividades externas, tentem se mostrar animados, bagunceiros
(mas sem serem inoportunos) e dispostos a fazer amizades!!!! Isso fará com que os outros
Pioneiros sintam-se cativados e rompe aquele “gelo” inicial entre os Pioneiros, facilitando
atividades, etc...!!!
Essa idéia é curtinha mesmo, e como é a última do livro (ACABOU!!!!!!!!!!!) achei
que seria importante comentar isso. Para muitos, o Clã Pioneiro é uma Segunda família,
onde todos são irmãos. No dia em que vocês chegarem a esse nível de amizade, carinho e
compreensão, ignorando detalhes pessoais, diferenças etc..., seu Clã será um ótimo Clã,

Página nº 165
será um verdadeiro Clã Pioneiro! Até lá, vale a pena desenvolver tudo o que foi dito no
livro (ou quase tudo) e buscar, aos poucos, chegar à ter a virtude da “perfeição”!!! VA-
LEU!!!! SERVIR!!

Estatísticas do Projeto

Apenas como curiosidade desse projeto, colocarei alguns dados referentes à


elaboração dele e que eu acho serem muito curiosos!!!

- Um total de 251 dias é o tempo que levou para se concretizar o livro, desde o
primeiro relatório, o da criação do projeto (9/maio) até a data de entrega do livro
pronto (segundo este relatório!) 14/novembro.
- Aproximadamente 350 horas foram utilizadas para a elaboração do livro.
- 2 emails foram emitidos para se obter 1 idéia (a das Místicas).
- Mais de 72.000 palavras
compões esse livro, formando
um conjunto de mais de
390.700 caracteres, distribui-
dos em mais de 8.100 linhas
de texto!!!
- Nenhum acampamento ou ati-
vidade do Clã foi perdido.
- 2 vezes meu computador
entrou em pane e eu perdi,
respectivamente na primeira e
na segunda vez, 6 idéias (1
incompleta) e 35 idéias (3
temas incompletos).
- 2 foram os acessos de raiva, acompanhados de mais de 20 xingamentos por
causa dessas panes.
- Mais de 169 páginas (o resultado final do livro!!!) foram impressas nos compu-
tadores da fábrica aonde faço estágio (é mais barato!!!).
- 47 minutos foi o tempo que durou a correção gramatical de todo o texto!!!

Página nº 166
O autor do livro

Bem, deixe-me falar um pouco sobre quem é o Pio Cegonha. Na época em que es-
tou terminando de escrever esse livro (novembro/98) estarei com 20 anos e 10 meses, logo,
a um passo de sair do Ramo Pioneiro.
Meu Clã Pioneiro é o Navegar é Preciso, do Grupo Escoteiro do Mar Amigo Velho
- 16ºPR. Estou lá desde 1994, quando entrei como sênior na Patrulha Marajó. Fiquei dois
anos como sênior e, no mesmo dia em que recebi meu Escoteiro da Pátria (fui o 1º Escotei-
ro do Mar a recebê-lo no Paraná), passei para o Clã Pioneiro. De lá para cá, foram três anos
de excelentes atividades, aonde eu sempre tentava ir no máximo possível (e nas que eu po-
dia pagar!) de atividades, sempre relacionadas com Pioneiros.
Fui a três Mutirões Regionais do Paraná, três de Santa Catarina, Congresso Nacio-
nal em Canela, Fórum Rotariano em Foz do Iguaçu, Interclãs98 em Sorocaba, colaborei
com a organização do Acampamento Regional do Paraná em 97 (Londrina) e com o Acam-
pamento Regional de Santa Catarina em 96 (São Joaquim). Fui ao Mutirão Nacional Pio-
neiro em Torres, Jamboree Nacional em Navegantes, além de outras atividades como vo-
luntário no Escritório Nacional de Eventos como membro da CoRePio/PR - Comissão Re-
gional de Pioneiros do Paraná- no período de 96 a 97. (No total, contando ainda outras ati-
vidades, são 14 grandes atividades em 3 anos!!! Mais de 2 atividades por semestre, em mé-
dia!!!)
Em todos esses anos, em todas essas atividades, fiz muitos amigos, alguns que perdi
contato, outros que continuo conversando até hoje. E, parte dessa experiência que adquiri
participando, aprendendo, vendo, aplicando e entendendo é o que me propus a passar nesse
livro. Desde que entrei no Ramo Pioneiro, à época junto com meu grande amigo Kaká Jo-
nes*, sempre nos empenhamos em participar de atividades, conhecer novas pessoas, fazer
coisas diferentes. E, foi com ele que organizei muitos Fogos-de-Conselho, criei e executei
muitos acampamentos e atividades. Boa parte de tudo o que escrevi nesse livro, vem do que
vivi com aquele maluco enquanto éramos Pioneiros!!!
Para terminar, gostaria de dizer a você, que está lendo, que tente, ao máximo, apro-
veitar o Ramo Pioneiro. Em nenhum outro lugar você conseguirá ir em tantas atividades,
conhecer tanta gente, fazer tantas amizades, ficar com tantas Pioneiras, conhecer tantos
lugares como no Ramo Pioneiro!!! É claro que fiz muitas besteiras, que cometi muitos er-
ros, alguns que chegaram a me colocar de cama em casa (minha mãe e meu pai que o di-
gam!), outros que acabaram com uma boa amizade. Porém só me arrependo do que fiz, e

Página nº 167
não do que deixei de fazer!! Por isso, minha dica é que vocês procurem sempre fazer o que
tentei fazer nesses últimos 3 anos: VIVER INTENSAMENTE!!!

* - sempre me perguntam o porque de “Cegonha” ser meu apelido. Pois bem, na


minha segunda reunião como sênior, ainda me sentindo um “estranho”, o Kaká (Carlos
Cavalcante) chegou pra mim e disse:
- Ô você, cê tem algum apelido?
- Não, não tenho. - respondi.
- Então - disse ele - vou te chamar de Cegonha!!
Logo, o apelido pegou e desde então pouca gente sabe que o Guilherme Soares é
também o Cegonha! Rumores dizem que ele tirou sarro de minha silhueta, pois sou alto e
na época tinha pernas finas como lápis, mas... continuará sendo um mistério!!! SERVIR!!
Comentários, Críticas, etc...

Essa página foi feita para você preencher, arrancar (ou xerocar) e mandar para mim,
dizendo suas impressões sobre o livro. Vale tudo, xingar, falar mal, falar bem, elogiar, criti-
car, sugerir modificações, contar experiências, relatar uma atividade que você fez e que saiu
daqui, etc...
Conto com sua participação!!! Sua opinião, sua crítica e principalmente seu elogio
(brincadeira!) são importantes!!! Ah, as notas vão de 1 (fraco) a 5 (excelente).

1 - Que nota você daria para o livro, como um todo? _______


2 - Qual Tema você mais gostou? _________________________________
3 - E qual você menos gostou? _________________________________
4 - E das Idéias, qual a melhor/pior, ou qual você achou mais/menos interessante? Porque?
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

5 - Se quiser escrever, dando suas críticas, sugestões ou comentando os resultados (positi-


vos ou negativos) de alguma das Idéias, use o espaço abaixo. Ah, se colocar alguma coisa
referente a alguma idéia, dê uma nota para ela, pois em edições futuras poderei corrigir
algum erro.

ATIVIDADE NÚMERO: __________ Nota: ______


_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

OUTROS COMENTÁRIOS: ________________________________________________

Página nº 168
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

Seu nome: ____________________________________ Telefone: ___________________


G.E. ___________________________________ Email: ___________________________

Comentários, Críticas, etc...

Essa página foi feita para você preencher, arrancar (ou xerocar) e mandar para mim,
dizendo suas impressões sobre o livro. Vale tudo, xingar, falar mal, falar bem, elogiar, criti-
car, sugerir modificações, contar experiências, relatar uma atividade que você fez e que saiu
daqui, etc...
Conto com sua participação!!! Sua opinião, sua crítica e principalmente seu elogio
(brincadeira!) são importantes!!! Ah, as notas vão de 1 (fraco) a 5 (excelente).

1 - Que nota você daria para o livro, como um todo? _______


2 - Qual Tema você mais gostou? _________________________________
3 - E qual você menos gostou? _________________________________
4 - E das Idéias, qual a melhor/pior, ou qual você achou mais/menos interessante? Porque?
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

5 - Se quiser escrever, dando suas críticas, sugestões ou comentando os resultados (positi-


vos ou negativos) de alguma das Idéias, use o espaço abaixo. Ah, se colocar alguma coisa
referente a alguma idéia, dê uma nota para ela, pois em edições futuras poderei corrigir
algum erro.

ATIVIDADE NÚMERO: __________ Nota: ______


_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

OUTROS COMENTÁRIOS: ________________________________________________

Página nº 169
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

Seu nome: ____________________________________ Telefone: ___________________


G.E. ___________________________________ Email: ___________________________

Comentários, Críticas, etc...

Essa página foi feita para você preencher, arrancar (ou xerocar) e mandar para mim,
dizendo suas impressões sobre o livro. Vale tudo, xingar, falar mal, falar bem, elogiar, criti-
car, sugerir modificações, contar experiências, relatar uma atividade que você fez e que saiu
daqui, etc...
Conto com sua participação!!! Sua opinião, sua crítica e principalmente seu elogio
(brincadeira!) são importantes!!! Ah, as notas vão de 1 (fraco) a 5 (excelente).

1 - Que nota você daria para o livro, como um todo? _______


2 - Qual Tema você mais gostou? _________________________________
3 - E qual você menos gostou? _________________________________
4 - E das Idéias, qual a melhor/pior, ou qual você achou mais/menos interessante? Porque?
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

5 - Se quiser escrever, dando suas críticas, sugestões ou comentando os resultados (positi-


vos ou negativos) de alguma das Idéias, use o espaço abaixo. Ah, se colocar alguma coisa
referente a alguma idéia, dê uma nota para ela, pois em edições futuras poderei corrigir
algum erro.

ATIVIDADE NÚMERO: __________ Nota: ______


_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

OUTROS COMENTÁRIOS: ________________________________________________

Página nº 170
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

Seu nome: ____________________________________ Telefone: ___________________


G.E. ___________________________________ Email: ___________________________

Como me encontrar...

Bem, se você quiser saber um pouco mais sobre o Ramo Pioneiro, sobre as ativida-
des contidas nesse livro, sobre projetos, relatórios, etc... entre em contato comigo!!! Sentirei
prazer em ajudá-lo a resolver quaisquer problemas e/ou dúvidas. E mais, mande comentá-
rios, críticas, sugestões e alterações que vocês achem necessários relativas a qualquer uma
das idéias desse livro!!! Irei ler com atenção cada uma, e farei alterações quando as mesmas
forem pertinentes!!
Contribua para deixar esse material cada vez mais completo, atualizado e interessan-
te!!! VALEU!!! SERVIR!!

Para me encontrar, mande carta, email (mais garantido que eu responda), telefone-
ma, mensagem (mais garantido que eu receba), pombo-correio, sinal de fumaça, código
morse, etc.....!!!

Guilherme de Sampaio Soares - Pio Cegonha


R. Dr. Alexandre Gutierrez nº345 apto. 21
CEP 80240-130 Curitiba Paraná
Fone: (041) 242-1223 e 267-5248
Email: guilhermesoares@yahoo.com
Bip: 200-1166 cód. 4006246
Radioamador: ZZ5RPJ

Página nº 171

Interesses relacionados