Você está na página 1de 1

Referencial terico (Poesias)

Muito antes de a lingstica ter colocado em evidncia os regramentos significantes que


comandam o engendramento dos signos lingsticos, a poesia trazia, desde suas origens,
os labirnticos jogos de palavras, fragmentos de palavras, quase-palavras, fluxos e
refluxos de vocbulos, foras de atrao e repulso do som, da letra e do sentido que
constituem o campo magn!tico da poesia" #$%&'%())% e &*'+ pg ,-.
%lfredo /osi #0---, p" 1. afirma2
Contextualizar o poema no simplesmente dat-lo, inserir as suas imagens e
pensamentos em uma trama j em si mesma multidimensional: uma trama em que o eu-
lrico vive ora experincias novas, ora lembranas de in!"ncia, ora valores
tradicionais, ora anseios de mudana, ora suspenso desoladora de crenas e
esperanas# $ poesia pertence % &ist'ria (eral, mas preciso con)ecer qual a
)ist'ria peculiar imanente e operante em cada poema#
% m3sica ! a arte de coordenar fen4menos ac3sticos para produzir efeitos est!ticos"
5omo todas as artes, a m3sica ! patrim4nio comum da 6umanidade" 7uando associada 8
poesia, na cano, ! uma das formas mais populares de arte" &a verdade, a poesia surgiu
com os gregos, simultaneamente com a m3sica, a dana e o teatro, que buscam realizar,
dentro dos limites da linguagem rtmica, uma sntese de pensamento e sensibilidade"
$o in3meras, entretanto, as variantes do conceito de poesia"

*$ poesia resiste % !alsa ordem, que , a rigor, barbrie e caos, esta coleo de objetos
de no-amor# +esiste ao contnuo )armonioso pelo descontnuo gritante, resiste ao
descontnuo gritante pelo contnuo )armonioso# +esiste a!errando-se % mem'ria viva
do passado, e resiste imaginando uma nova ordem que se recorta no )orizonte da
utopia,#
#5arlos 9rummond de %ndrade.