Você está na página 1de 34

Redes de transporte

e telecomunicações
Competitividade dos diferentes
modos de transporte
Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 As redes de transporte são o conjunto das vias de comunicação
S
(estradas, linhas aéreas, caminhos-de-ferro, oleodutos, gasodutos…)
A
N
que se interligam, formando uma malha mais ou menos densa.
T
O
S
 Os transportes e as telecomunicações desempenham um papel
S
I muito importante neste mundo onde prevalecem os valores da
M
Õ globalização e da internacionalização das economias e das
E
S sociedades, pois facilitam:
*
G
 a mobilidades de pessoas;
U
I  o comércio de mercadorias;
M
A  a troca de serviços;
R
Ã
E  a circulação da informação.
S

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Desde sempre, as populações estabeleceram ligações entre si por
S
terra e/ou por rio/mar. Com o desenvolvimento económico criaram-
A
N
se e organizaram-se redes de transporte. Estas redes são mais ou
T
O
menos densas.
S

S
I Rede linear
M
Õ
E
S
*
G
U
I Rede radial
M
A
R
Ã
E
S

3 Rede policêntrica
2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 A existência de redes de transporte
S
condiciona a vida económica e social dos
A
N
países, acentuando as diferenças entre
T
O
países pobres e países ricos.
S

S
I  A modernização dos transportes permitiu
M
Õ diminuir a distância-tempo .
E
S
*
G  Para além disso, o aumento da
U
I rapidez e da capacidade de carga
M
A
R
fizeram diminuir a distância-custo.
Ã
E  Estas melhorias contribuíram para
S
melhorar a acessibilidade entre os lugares.
4

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 A modernização dos transportes
S permitiu diminuir a distância-tempo.
A
N
T
O
S

S
I
M
Õ
E
S
*
G
U
I
M
A
R
Ã
E
S

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Modos de transporte
S  Terrestres
A
N  rodoviário;
T
O  ferroviário;
S
 oleodutos/gasodutos (pipeline).
S
I
M
Õ
E
 Aquáticos
S
 fluviais;
*
G  marítimos.
U
I
M
A
R  Aéreos
Ã
E
S

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB  Modos de transporte
2,3/S
 Transporte rodoviário
S
A  pontos fortes
N
T  grande mobilidade e flexibilidade de
O
S itinerários (porta a porta);
S  aumento da velocidade, do conforto, da
I
M
capacidade de carga e da especialização;
Õ  rede rodoviária extensa/densa.
E
S
*
G
 pontos fracos
U
I  forte impacte ambiental (poluição
M sonora, atmosférica, perda de
A
R biodiversidade e de terrenos agrícolas);
Ã
E  congestionamento do trânsito;
S
 grande sinistralidade.
7

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB  Modos de transporte
2,3/S
 Transporte rodoviário
S
A  meios de transporte: automóvel, camião e autocarro.
N
T  o nº de veículos por 1000 habitantes tem aumentado;
O
S  movimenta maior quantidade de mercadorias a nível interno,
S tendo aumentado a nível internacional;
I
M  entrada e saídas de mercadorias para parceiros da UE.
Õ
E
S
*
G
U
I
M
A
R
Ã
E
S

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Modos de transporte
S  Transporte ferroviário
A
N  pontos fortes
T
O  elevada capacidade de carga (mercadorias e passageiros),
S
diminuindo os custos de transporte;
S
I  reduzida ocupação de espaço;
M
Õ  seguro, menos poluente e consome menos energia;
E
S  permite viagens rápidas (TGV).
*
G
U
I  pontos fracos
M
A  itinerários fixos;
R
Ã
E  implica o transbordo de passageiros e mercadorias;
S
 elevados investimentos na manutenção e funcionamento.
9

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Modos de transporte
S  Transporte ferroviário
A
N  tem perdido importância face ao transporte rodoviário;
T
O  a nível interno tem pouca representatividade no transporte de
S
mercadorias;
S
I  o nº de passageiros transportados tem vindo a diminuir devido:
M
Õ  ao aumento do parque automóvel;
E
S  ao desenvolvimento da rede viária;
*
G
 à melhoria do nível de vida da população.
U
I
M
A
R
Ã
E
S

10

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Modos de transporte
S  Transporte por oleodutos e gasodutos
A
N
(pipeline)
T
O  pontos fortes
S
 redução dos custos de transporte;
S
I
 é a forma mais segura de transportar
M energia por terra – menor poluição.
Õ
E
S
*  pontos fracos
G  dificuldade de armazenamento;
U
I  não se pode mudar o percurso (em
M
A 2006, a Bielo-Rússia impediu, durante
R
à algumas semanas, o abastecimento de
E
S gás-natural da Rússia para a
Alemanha).
11

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Modos de transporte
S  Transporte fluvial
A
N  pontos fortes
T
O  grande capacidade de carga e facilitador do
S turismo;
S  vias fluviais mais importantes:
I
M Mississipi/Missouri, Amazonas, Reno, Sena,
Õ
E
Volga, Nilo…
S
*
G
 pontos fracos
U
I  nem todos os rios são navegáveis;
M
A  os desníveis (ultrapassados com as eclusas – ex.
R
à canal do Panamá; rio Douro);
E
S  caudal irregular;
12
 podem ser extremamente poluentes.

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Modos de transporte
S  Transporte marítimo
A
N  pontos fortes
T
O  grande capacidade de carga (petroleiros, metaneiros, porta-
S
contentores), sendo menos dispendioso para o transporte a
S
I
longa distância de mercadorias pesadas e volumosas;
M
Õ  transporta praticamente todo o tipo de mercadorias e
E
S
assegura o transporte de passageiro (ex. facilita o turismo);
*  principais portos portugueses: Sines, Leixões, Lisboa, Setúbal e
G Aveiro.
U
I
M
A  pontos fracos
R
Ã
E
 reduzida velocidade e necessidade de transbordo;
S
 pouco competitivo no transporte de mercadorias a pequenas e
13 médias distâncias;
2007/2008  podem ser extremamente poluentes.

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Modos de transporte
S  Transporte marítimo
A
N  os produtos que chegam a Portugal por via marítima são os
T
O produtos petrolíferos e os combustíveis minerais sólidos;
S
 os produtos carregados são produtos petrolíferos, o cimento e a cal
S
I
(os países da UE são o destino preferencial).
M
Õ  as técnicas de carga e descarga são mais eficazes e rápidas
E
S
reduzindo tempo e custos;
*  Recorre-se cada vez mais ao Ro-Ro – entrada (Roll-on) e saída
G (Roll-off) de camiões carregados de mercadorias.
U
I
M
 tem-se registado um aumento da especialização e a
A
R
modernização dos portos.
Ã
E  o transporte marítimo tem perdido peso no transporte de
S
passageiros relativamente ao aéreo.
14
 principais portos mundiais: Roterdão (Holanda), Singapura,
2007/2008 Chiba (Japão), Kobe (Japão)…

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Modos de transporte
S  Transporte marítimo/fluvial
A
N  Canal do Panamá
T
O
S

S
I
M
Õ
E
S
*
G
U
I  Rio Douro
M
A
R
Ã
E
S

15

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Modos de transporte
S  Transporte aéreo
A
N  pontos fortes
T
O  rápido, seguro e cómodo;
S
 é o que mais contribui para a redução da distância-tempo;
S
I  possibilita o acesso a locais até aí inacessíveis;
M
Õ
E
S
 pontos fracos
*
G  custo elevado e baixa capacidade de carga;
U
I  insegurança devido à pirataria/terrorismo e para as
M
A populações que vivem perto dos aeroportos;
R
Ã
E  grande consumo de combustível e elevada poluição
S
atmosférica e sonora;
16  forte impacte ambiental com a construção das infra-
2007/2008 estruturas.

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Modos de transporte
S  Transporte aéreo
A
N  desenvolveu-se sobretudo a partir de 1950;
T
O  impõe-se no transporte de passageiros a médias e longas
S
distâncias;
S
I  o movimento de passageiros nos aeroportos portugueses duplicou
M
Õ desde 2000;
E
S  aeroportos portugueses: Lisboa, Faro, Porto, Funchal, Porto
* Santo, Ponta Delgada, Lages e Horta.
G
U  é especialmente utilizado no transporte de mercadorias pouco
I
M volumosas, de grande valor e perecíveis.
A
R  alguns dos maiores aeroportos mundiais: London Heathrow,
Ã
E Frankfurt, Hong-Kong, Charles de Gaule…
S

17

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Transportes em Portugal
S  Transporte rodoviário
A
N  a rede rodoviária portuguesa apresenta
T
O grandes diferenças entre o litoral e o
S interior;
S
I
 teve um grande desenvolvimento na
M década de 90 graças ao apoio da UE
Õ
E
S
 é composta pelos itinerários principais
* (IP’s), itinerários complementares
G (IC’s), estradas nacionais (EN) e auto-
U
I estradas (A1, A2, A3…).
M
A
R
Ã
E
S

18

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Transportes em Portugal
S  Transporte rodoviário
A
N
T
O
S

S
I
M
Õ
E
S
*
G
U
I
M
A
R
Ã
E
S

19

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Transportes em Portugal
S  Transporte ferroviário
A
N  a rede ferroviária portuguesa é pouco
T
O extensa e desajustada;
S
 muitas linhas no interior estão
S
I
desactivadas;
M
Õ  não existe articulação entre os outros
E
S
modos de transporte;
*  mas existem projectos de renovação
G
U e de construção de linhas de alta
I
M velocidade (TGV).
A
R
Ã
E
S

20

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Transportes em Portugal
S  Oleodutos/Gasodutos (pipeline)
A
N  existe um corredor de
T
O oleodutos/gasodutos junto
S ao litoral que pretende
S fazer a ligação entre Lisboa
I
M e Tuy.
Õ
E
S
*
G
U
I
M
A
R
Ã
E
S

21

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Transportes em Portugal
S  Transporte fluvial
A
N  existem poucos rios navegáveis;
T
O  é usado essencialmente para o turismo (Ria de Aveiro, Douro, Tejo).
S
 Transporte marítimo
S
I  tiveram sempre um papel importante no comércio internacional;
M
Õ
 principais portos: Lisboa, Leixões e Sines.
E
S
*
G
U
I
M
A
R
Ã
E
S

22

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Transportes em Portugal
S  Aéreos
A
N  os transportes aéreos são pouco
T
O utilizados para ligações internas;
S
 principais aeroportos: Lisboa,
S
I
Porto e Faro.
M
Õ
E
S
*
G
U
I
M
A
R
Ã
E
S

23

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Contrastes no desenvolvimento das redes de transporte
S  A qualidade e a densidade das redes de transporte dependem do nível
A
N
de desenvolvimento económico e social de uma região ou país, devido
T aos custos da sua construção, manutenção e modernização.
O
S

S
I
M
Õ
E
S
*
G
U
I
M
A
R
Ã
E
S

24

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Contrastes no desenvolvimento das redes de transporte
S
A
N
T
O
S

S
I
M
Õ
E
S
*
G
U
I
M
A
R
Ã
E
S

25

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 A caminho da modernização
S  ultrapassar barreiras físicas
A
N
(construção de túneis e de
T pontes);
O
S  modernização das auto-estradas;
S
I
 aumento da velocidade: comboios
M de alta velocidade (TGV), e aviões
Õ
E cada vez mais rápidos;
S
*  aumento da capacidade de carga;
G
U  especialização dos veículos;
I
M  redução do consumo de energia;
A
R  aumento da segurança.
Ã
E
S

26

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Transporte multimodal
S  Consiste na combinação de vários tipos de transporte, permitindo o
A
N
transporte sem interrupções.
T
O  implica a modernização das infra-estruturas, dos equipamentos e
S dos serviços, nomeadamente a criação de interface e a conjugação
S de horários.
I
M  a utilização de contentores facilita as operações de transbordo.
Õ
E
S
*
G
U
I
M
A
R
Ã
E
S

27

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Rede transeuropeia de transportes
S  Existe, por parte da UE, uma clara preocupação em criar uma política
A
N
comum de transportes com o intuito de:
T
O  desenvolver os diferentes modos de transporte e melhorar a
S eficácia do transporte multimodal;
S
 desenvolver redes transeuropeias e reforçar a segurança e o
I
M emprego no sector dos transportes.
Õ
E
S
 As redes transeuropeias têm como objectivos:
*
G  realizar uma interconexão entre as redes existentes e eliminar as
U
I lacunas ou nós de estrangulamento entre diferentes redes
M
A nacionais;
R
à  romper com o isolamento das regiões periféricas e prolongar as
E
S redes comunitárias em direcção ás diferentes regiões da Europa da
28
Central, do Norte, de Leste e do Sul.
 Só assim a UE se torna num espaço sem fronteiras e interligado, favorecendo o
2007/2008
desenvolvimento equilibrado e harmonioso entre as regiões.

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Notas
S  os transportes desempenham um papel fundamental na mobilidade de
A
N
pessoas e mercadorias;
T
O  o transporte rodoviário tem registado um crescimento significativo;
S
 o transporte marítimo tem uma grande importância à escala mundial;
S
I  o transporte multimodal surge para Portugal como o grande desafio
M
Õ para o futuro;
E
S  a rede ferroviária portuguesa é das menos densa da Europa e encontra-
* se envelhecida;
G
U  existem grande assimetrias regionais.
I
M  estão em desenvolvimento projectos para a construção de um novo
A
R aeroporto de Lisboa e para a introdução da alta velocidade em Portugal;
Ã
E
S

29

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Redes e meios de comunicação
S  O desenvolvimento das telecomunicações possibilitou a comunicação
A
N
(circulação de informação) à distância (som/imagem);
T
O  este desenvolvimento está associado à utilização de ondas
S electromagnéticas, de cabos e de satélites.
S
I  Principais serviços de telecomunicações: comunicação audiovisual
M
Õ (televisão, videoconferência), Internet, telemóvel, telefax…
E
S
*
G
U
I
M
A
R
Ã
E
S

30

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Redes e meios de comunicação
S  As telecomunicações facilitam o intercâmbio cultural (de crenças,
A
N
modos de vida, experiências…) e as relações económicas internacionais.
T
O
S
 As inúmeras possibilidades de comunicação estão na origem do
S
I
processo de globalização e fazem do mundo uma aldeia global, onde
M cada vez mais pessoas recebe as mesmas notícias, vê os mesmos filmes,
Õ
E a mesma publicidade, consome os mesmos alimento e bebidas, usa as
S
*
mesmas marcas de roupa…
G  no entanto, ainda existem grandes desigualdades no acesso aos
U
I meios e serviços de telecomunicação.
M
A
R
Ã
E
S

31

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Redes e meios de comunicação
S  Telecomunicações em Portugal
A
N  Portugal acompanhou a evolução e inovação tecnológica, fazendo
T
O com que as tenha umas das redes de telecomunicações mais
S evoluídas da Europa.
S  existe, no entanto, assimetrias entre o litoral e o interior.
I
M
Õ
 ao nível dos utilizadores de telemóvel, Portugal está a cima da
E média europeia.
S
*  O volume de negócios gerado no sector das comunicações
G representa cerca de 6% do PIB.
U
I
M
A
R
Ã
E
S

32

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Redes e meios de comunicação
S  O desenvolvimento das tecnologias da informação e da comunicação
A
N
têm sofrido uma verdadeira revolução. Em Portugal têm sido
T desenvolvidas acções que pretendem diminuir as desigualdades:
O
S  criar espaços de utilização gratuita da internet;
S
 ligar todas as escolas públicas à internet;
I
M
Õ  incluir as TIC nos currículos.
E
S
*
 Plano tecnológico
G
U  Programa Ligar Portugal
I
M
A
R
Ã
E
S

33

2007/2008

Prof. João Ferreira


Redes de transporte e telecomunicações

EB
2,3/S
 Transportes, comunicações e qualidade de vida
S  A modernização e evolução dos transportes e comunicações
A
N
conduziram a profundas alterações económicas, sociais e culturais e
T modificaram o modo de ver, apreender e viver o espaço geográfico.
O
S  O mundo está transformado numa aldeia global;
S
 O aumento da mobilidade e a difusão da informação proporciona
I
M novos estilos de vida, novas formas de trabalho e comércio, novos
Õ
E modelos de organização do espaço.
S
*  Os transportes e comunicações são um apoio importante para
G a internacionalização das empresas portuguesas.
U
I
M  O espaço contrai-se à medida que diminui o tempo e o custo necessário
A
R para o transpor.
Ã
E  Reduzem-se assimetrias, quebram-se isolamentos e promove-se a
S
aproximação das áreas mais desenvolvidas com as mais periféricas.
34

2007/2008

Prof. João Ferreira