P. 1
PROVÉRBIOS

PROVÉRBIOS

|Views: 944|Likes:
Publicado porhebertucci

More info:

Published by: hebertucci on Nov 11, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/02/2012

pdf

text

original

SERMÃO EM PV.

1: 7
SOBRE “A LITERATURA SAPIENCIAL: PROVÉRBIOS”
DO LICENCIADO HEBER BERTUCCI
PARA A IGREJA PRESBITERIANA NOVE DE ABRIL

INTRODUÇÃO

1. Dentro da classificação proposta por estudiosos, na Bíblia
nós temos os chamados livros de sabedoria também chamados de
sapienciais. Estes livros são: Jó, Provérbios e Cantares. O que estes
livros têm em comum que justifica a sua classificação é a sua ênfase
na sabedoria.
2. Em nosso sermão de hoje, estudaremos de forma
introdutória alguns aspectos importantes do livro de Provérbios,
livro que também faz parte da chamada “literatura sapiencial ou
“poética”.

I – O NOME “PROVÉRBIOS”

3. Na Bíblia hebraica o nome do livro de Provérbios se trata
das duas primeiras palavras do livro que são: ¬:¬: ·¬::(misheley
Shelomoh), isto é, “Provérbios de Salomão”. (Pv. 1:1).
1
É

1
Cf.: ARCHER JR., Gleason L. Merece confiança o Antigo Testamento? Tradução
de Gordon Chown. 4. ed. São Paulo – SP: Vida Nova, 2004. p. 420.
interessante saber que os nomes dos livros da Bíblia hebraica não
eram dados como são os nossos modernos livros. Hoje, damos o
nome a uma obra pelo seu conteúdo, isto é, trata-se de uma síntese
do que a obra fala. No mundo hebreu geralmente uma obra era
nomeada pelas suas primeiras palavras. Isso ocorria porque a
escrita hebraica era junta, isto é, sem espaços entre uma palavra e
outra e, para saber onde começava uma nova obra, eles tinham que
decorar as primeiras palavras do livro.
4. Por exemplo, abra sua Bíblia em Êxodo 1:1. Para nós, esse
livro se chama “Êxodo”, termo grego que quer dizer “saída” e que
vem de uma tradução do hebraico para o grego realizada no século
3º a. C. chamada Septuaginta. Mas, no Velho testamento Hebraico o
seu nome é -·:: ¬· s ·

(We’elleh shemôth), que, se observarmos,
significa “E estes são os nomes de”, isto é, as primeiras palavras do
livro.
5. Percebemos que em nossa versão portuguesa o nome do
livro de Provérbios trata-se da tradução do termo hebraico para
“Provérbio” que é “mashal”. Algumas pessoas afirmam que o termo
“provérbio” significa apenas um dito breve que pode ter conotação
satírica ou não. Desta forma os provérbios seriam apenas frases
curtas que teriam um fim definido. Entretanto, o termo mashal na
Bíblia vai além dessa idéia. Por exemplo, o termo pode significar
uma parábola ampliada, como a que encontramos em Ez. 17: 1 – 8,
que é a parábola das duas águias e da videira. No V. 2 lemos:
“Filho do homem, propõe um enigma e usa de uma parábola para
com a casa de Israel”. No caso dos Provérbios da Bíblia, eles são
ditos de sabedoria curtos, como no caso de Pv. 14: 2: “O que anda
na retidão teme ao SENHOR, mas o que anda em caminhos
tortuosos, esse o despreza”, ou ditos de sabedoria cumpridos, como
a seção de Pv. 1: 8 – 19 que contem um único “tratado didático”.

II – AUTOR DE PROVÉRBIOS

6. Sobre a autoria de Provérbios, podemos citar o que o
próprio livro fala sobre ela: Como seu autor aparece: Salomão –
Observemos Pv. 1:1 – “Provérbios de Salomão, filho de Davi, o rei
de Israel” e 10:1: “Provérbios de Salomão. O filho sábio alegra a
seu pai, mas o filho insensato é a tristeza de sua mãe.” O livro
também faz referência a uma equipe redatorial da época do rei
Ezequias, que transcreveram os provérbios de Salomão. Eles não
chegaram a ser autores do livro de Provérbios, mas agruparam
provérbios ditos por Salomão e os reuniram. Vemos isso em 25:1:
“São também estes provérbios de Salomão, os quais transcreveram
os homens de Ezequias, rei de Judá.” O livro também fala de Agur,
que não sabemos exatamente quem foi porque sua única referencia
é neste capítulo. Observemos Pv. 30:1: Palavras de Agur, filho de
Jaque, de Massá.” E por ultimo, podemos citar o rei Lemuel em
31:1: “Palavras do rei Lemuel, de Massá, as quais lhe ensinou sua
mãe.” Este rei nós também não sabemos exatamente quem foi, mas
um fato nos chama a atenção: os seus Provérbios eram frutos dos
ensinos de sua mãe. Observemos que ele, já rei, provavelmente
jovem ou mais velho, tinha na memória o que sua mãe lhe ensinou.
Isso motiva os pais a ensinarem aos seus filhos os caminhos de
Deus, pois, mesmo que um dia eles se desviem do ensino, este
ficará em suas mentes o que poderá causar a sua volta a presença
de Deus em tempo próximo.
7. Claro que não podemos encerrar este ponto sobre a autoria
de Provérbios sem citar que o autor por excelência de Provérbios é
o próprio Deus que capacitou e supervisionou a todos estes
escritores.

III – O MUNDO CULTURAL DE PROVÉRBIOS

8. Um ultimo ponto que podemos ver sobre o livro de
Provérbios nesta noite, trata-se do “mundo cultural de Provérbios”.
Esta parte do estudo retirei do artigo do Rev. Daniel Santos,
publicado na Revista Presbiteriana Fides Reformata, com o título de
“A Proposta Pedagógica de Provérbios 22:6”.
2

9. Daniel Santos começa enfatizando que muitos de nós somos
tentados a sempre interpretar o livro de Provérbios à luz da cultura
atual do Brasil. Mas, contra isso devemos entender que há uma
grande distância cultural entre o mundo de Provérbios e a nossa
cultura nacional. Essa distância se manifesta de modo claro no fato
de que nós brasileiros não usamos os provérbios para corrigir os
erros de nossa geração. Por exemplo, você não cita um provérbio
moral, bíblico ou não para alguém que fez algo errado ao seu lado.
10. Mas, se não podemos entender de modo claro o livro de
Provérbios ao olharmos para o nosso contexto cultural, então, como
vamos fazê-lo? A resposta é simples: basta olhar para o contexto
cultural em que Provérbios está inserido e que o compreenderemos
bem melhor. É o que faremos agora:
11. O primeiro elemento cultural em que Provérbios está
inserido é o contexto real e palaciano. Os ensinos proverbiais
foram dados por reis que o escreveram, por exemplo, Salomão,
Lemuel, a ainda aos auxiliadores do rei Ezequias. Uma curiosidade

2
Cf.: SANTOS, JR., Daniel. A proposta pedagógica de Provérbios 22.6. Fides
Reformata. São Paulo – SP: Mackenzie, v. XIII, n. 1, p. 9 - 29, 2008. (Revista do
Centro Presbiteriano de Pós – Graduação Andrew Jumper – CPAJ).
é que cerca de 20 provérbios têm a palavra “rei” como parte
fundamental da sabedoria proposta. “Nestes provérbios o sábio
discursa sobre o caráter do rei, a natureza de suas decisões como rei e a
maneira como devemos nos portar diante dele.”
3

12. O segundo elemento é a dependência temática que
Provérbios tem de figuras populares. “Uma quantidade enorme de
instruções proverbiais lida diretamente com necessidades agrárias, rurais e
também num contexto doméstico, em vez de administrativo.”
4
Para se
entender então provérbios é necessário compreender os costumes
familiares daquela época. É também importante frisarmos que esse
uso popular dos provérbios torna a obra mais aplicável e relevante
para o cidadão comum, e não para aqueles que viviam apenas no
contexto dos palácios reais. Isso quer dizer que o livro de
Provérbios lida com questões que são bem comuns para todos nós,
e devemos buscar na sua leitura sabedoria para resolver nossas
dificuldades.
13. O terceiro elemento se trata da relação estreita que
Provérbios tem com a dinâmica domiciliar. Vemos isso nas
admoestações do livro. Elas são na forma de um pai para o seu filho
e não na de um Rei para seu vassalo e nem de um patrão para os
seus subordinados. “Waltke afirma que as muitas referências ao pai, e
especialmente à mãe, se dirigindo aos seus filhos (...) sugerem que
Salomão pretendia transmitir sua sabedoria a Israel através do lar, da
mesma maneira como Moisés disseminou a Lei através dos pais, em

3
Daniel SANTOS, JR. A proposta pedagógica de Provérbios 22.6. Fides
Reformata, p. 13.
4
Ibid., p. 13.
Israel.”
5
Observemos Pv. 1:8 – “Filho meu, ouve o ensino de teu pai
e não deixes a instrução de tua mãe.” E também Dt. 6: 7 – “tu as
inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e
andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te.”
14. O quarto e ultimo elemento é tão importante quanto os
outros. Ele se refere ao caráter internacional do livro de
Provérbios. “Isto significa dizer que a literatura sapiencial, em geral, não
parece ter sido escrita para leitura e uso específico, dentro da sociedade
israelita, haja em vista a ausência de qualquer referência direta à Lei, à
aliança no Sinai, aos patriarcas, aos profetas, aos livros históricos ou até
mesmo ao livro de Salmos.”
6

15. É importante este caráter internacional do livro de
Provérbios porque demonstra o seu caráter missiológico. Um
estudo da literatura sapiencial antiga nos revela que ela estava
presente em várias partes do Antigo Oriente próximo na época de
Provérbios. Devemos entender que a literatura de sabedoria era o
meio pelo qual Deus se fez conhecido entre as nações. O maior
exemplo disse é a visita da rainha de Sabá a Salomão que, de seu
país ouvira falar da sabedoria do rei de Israel. Já em Jerusalém, ela
disse a Salomão, depois de observar toda a sua sabedoria e bens:
“Foi verdade a palavra que a teu respeito ouvi na minha terra e a
respeito da tua sabedoria.
7
Eu, contudo, não cria naquelas
palavras, até que vim e vi com os meus próprios olhos. Eis que não
me contaram a metade: sobrepujas em sabedoria e prosperidade a
fama que ouvi.
8
Felizes os teus homens, felizes estes teus servos,
que estão sempre diante de ti e que ouvem a tua sabedoria!
9


5
Daniel SANTOS, JR. A proposta pedagógica de Provérbios 22.6. Fides
Reformata, p. 15.
6
Ibid., p. 16.
Bendito seja o SENHOR, teu Deus, que se agradou de ti para te
colocar no trono de Israel; é porque o SENHOR ama a Israel para
sempre, que te constituiu rei, para executares juízo e justiça.” (I Rs.
10: 6 – 9).
16. Este propósito das outras nações conhecerem ao Deus de
Israel por sua sabedoria já era visto na lei. Em Dt. 4: 6 – 8 lemos: “
6

Guardai-os, pois, e cumpri-os, porque isto será a vossa sabedoria e
o vosso entendimento perante os olhos dos povos que, ouvindo
todos estes estatutos, dirão: Certamente, este grande povo é gente
sábia e inteligente.
7
Pois que grande nação há que tenha deuses
tão chegados a si como o SENHOR, nosso Deus, todas as vezes que
o invocamos?
8
E que grande nação há que tenha estatutos e juízos
tão justos como toda esta lei que eu hoje vos proponho?”
Observamos com esse texto que a proposta evangelística do Antigo
testamento não era a de levar a sabedoria de Israel a outras nações,
mas sim, a de ser sábio aos olhos dos povos. Isso significava para
Israel demonstrar o seu conhecimento da Lei de Deus.



Dado em Barra Mansa, junto da Igreja Presbiteriana
Nove de Abril, no dia 10 de maio – culto matutino
ao Senhor – do ano de 2009, ano de minha
licenciatura.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->