1

TEMA I | A GEOLOGIA, OS GEÓLOGOS E OS SEUS MÉTODOS

1. Há cerca de 400 M.a., no Devónico, surgiu a camada de ozono, que permitiu o
desenvolvimento da vida em ambientes terrestres.
Explique as interações Biosfera <-> Atmosfera <-> Biosfera, tendo em conta a origem da
camada de ozono e a expansão da vida em meio terrestre.

2. Ordene as letras de A a E de modo a reconstituir a sequência cronológica dos
acontecimentos relacionados com os processos de formação de rochas sedimentares
detríticas.
A. Meteorização
B. Diagénese
C. Deposição
D. Erosão
E. Transporte

3. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
Associar a extinção no final da Era paleozoica ao impacto de um meteorito ou a
episódios vulcânicos de grandes dimensões é contrariar o _____ , de acordo com
o qual as mudanças geológicas da história da Terra terão sido _____ .
(A) uniformitarismo [...] lentas e graduais.
(B) uniformitarismo [...] rápidas e pontuais.
(C) catastrofismo [...] lentas e graduais.
(D) catastrofismo [...] rápidas e pontuais.

4. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Afirmações do tipo «A extinção de Mesossaurus pode atribuir-se a um evento único, de
grandes proporções, localizado no tempo», generalizadas a outros seres vivos, enquadram-
se em hipóteses...
(A) catastrofistas.
(B) atualistas.
(C) uniformitaristas.
(D) mobilistas.

5. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações, relativas à
relação entre a ocorrência de episódios de atividade vulcânica massiva e a extinção em
larga escala.
(A) Os episódios de atividade vulcânica massiva podem ser desencadeados por impactos
de meteoritos.
(B) A atividade vulcânica massiva numa região pode ser responsável pela extinção de
espécies à escala global.
2
(C) As alterações climáticas que ocorrem em consequência da atividade vulcânica são
consequência direta do aumento da taxa de dissipação do calor interno da Terra.
(D) O aumento da quantidade de dióxido de carbono na atmosfera tem como con-
sequência uma diminuição da temperatura média à superfície da Terra.
(E) A emissão de cinzas para a atmosfera pode interferir na quantidade de radiação solar
que atinge a superfície da Terra.
(F) As extinções em massa são consequência da interação dos diferentes subsistemas
terrestres.
(G) A diminuição da quantidade de energia solar que atinge a superfície terrestre
não afeta a nutrição dos heterotróficos.
(H) A extinção pode ser consequência da incapacidade de algumas espécies se
adaptarem às alterações climáticas.

6. Desde a descoberta, em 1996, do lago Vostok, situado na Antártida, sob uma calote de gelo
com cerca de 4000 m de espessura, os cientistas têm especulado acerca da possibilidade
de aí existirem novas formas de vida. Em 1998, foi concluída uma sondagem que terminou
a alguns metros da água do lago, de modo a evitar qualquer contaminação, uma vez que
se trata de um ambiente primitivo que mantém as suas características ambientais
ancestrais. Tanto a sondagem como o sistema subglacial do lago Vostok estão
representados na Figura 1.

Figura 1















Baseado em http://www.earthinstitute.columbia.edu (consultado em novembro de 2011)

Tal como uma rocha sedimentar, a calote de gelo é formada estrato a estrato, à medida
que a neve é compactada em camadas de gelo. A distinção das camadas é possível devido
à variação das poeiras vulcânicas presentes na atmosfera na altura em que o gelo se
3
formou, permitindo que os cientistas recriem 420 000 anos de alterações de clima na
Antártida.
A sondagem revelou, ainda, a presença de microrganismos entre os sedimentos
preservados em todos os níveis da calote de gelo.
Inicialmente, os cientistas acreditavam que a água do lago resultava da fusão do gelo da
calote. No entanto, dados recentes obtidos por radar e por GPS permitiram construir
mapas detalhados das camadas de gelo, cuja interpretação sugere que as mais profundas
são formadas por gelo acrecionado e recentemente formado, com origem na água do lago,
que vai congelando à medida que entra em contacto com a placa de gelo que se sobrepõe
ao lago. Este novo estrato apresenta características diferentes das camadas sobrejacentes.
Esta descoberta suscita um novo desafio científico - quais serão as fontes de
reposição de água no lago?

Na resposta aos itens de 6.1. e 6.2., selecione a única opção que permite obter uma afirmação
correta.
6.1. O lago Vostok pode ser considerado um subsistema
(A) aberto, pois troca matéria e troca energia com outros subsistemas.
(B) fechado, pois não troca matéria e troca energia com outros subsistemas.
(C) aberto, pois troca matéria e não troca energia com outros subsistemas.
(D) fechado, pois troca matéria e não troca energia com outros subsistemas.

6.2. Os dados mais recentes relativos aos estratos inferiores que constituem a
calote gelada sobrejacente ao lago Vostok, formados por gelo acrecionado,
estão
(A) em contradição com o princípio da sobreposição dos estratos, pois estratos mais
recentes estão por cima de estratos mais antigos.
(B) em contradição com o princípio da sobreposição dos estratos, pois estratos mais
recentes estão por baixo de estratos mais antigos.
(C) de acordo com o princípio da sobreposição dos estratos, pois estratos mais recentes
estão por cima de estratos mais antigos.
(D) de acordo com o princípio da sobreposição dos estratos, pois estratos mais recentes
estão por baixo de estratos mais antigos.

6.3. Considere os seguintes dados:
• a água líquida a baixa temperatura retém maior quantidade de oxigênio dissolvido do
que a água líquida a temperaturas mais elevadas;
• a maior concentração de organismos vivos do mundo (por volume) ocorre ao longo da
costa da Antártida.
Explique, tendo em conta os dados fornecidos, em que medida o efeito dos glaciares da
Antártida exemplifica uma interação entre o subsistema hidrosfera e o subsistema biosfera.


4
TEMA II | A TERRA, UM PLANETA MUITO ESPECIAL

1. Uma massa de gás e de poeira fina, animada de movimento de rotação, terá estado na
origem do Sistema Solar. Esta hipótese foi sugerida, em 1755, pelo filósofo alemão Immanuel
Kant.
No final do século XX esta ideia foi retomada e reformulada pelos astrónomos, sendo
atualmente a teoria mais aceite para explicar a formação do Sistema Solar.
1.1. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
A origem do Sistema Solar sugerida por Kant serviu de base à hipótese
(A) uniformitarista.
(B) catastrofista.
(C) gradualista.
(D) nebular.

1.2. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
A rotação da massa de gás e de poeira fina que terá estado na origem do Sistema Solar
é apoiada pelo facto de nele existirem planetas
(A) com movimento de rotação em sentido contrário ao de translação.
(B) que apresentam a mesma composição química.
(C) que efetuam o movimento de translação no mesmo sentido.
(D) cuja temperatura interna varia de acordo com a sua distância relativamente ao Sol.

Analise as formulações que se seguem, relativas a acontecimentos que, de acordo com a
Hipótese Nebular, explicam a origem e formação do Sistema Solar.
Reconstitua a sequência temporal dos acontecimentos mencionados, segundo uma relação de
causa-efeito, colocando por ordem as letras que os identificam.
A. Acreção de pequenos fragmentos rochosos.
B. Formação de uma atmosfera primitiva.
C. Ascensão de materiais menos densos à superfície dos planetas.
D. Rotação de uma nébula de poeiras e gás.
E. Crescimento rápido dos planetas, a partir de planetesimais.

3. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, seqüencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
Durante a sua gênese, os diferentes planetas do Sistema Solar sofreram _______ ,
processo responsável pela respetiva _____ .
(A) acreção [...] estrutura em camadas concêntricas
(B) acreção [...] zonação térmica
(C) diferenciação [...] estrutura em camadas concêntricas
(D) diferenciação [...] zonação térmica


5
4. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
Após o processo de diferenciação que deu origem a uma estrutura em camadas
concêntricas, a quantidade de energia térmica dissipada pela Terra tem sido
____ à energia libertada pela desintegração de elementos radioativos, razão pela qual a
Terra se encontra, lentamente, a .
(A) superior [...] arrefecer
(B) inferior [...] aquecer
(C) superior [...] aquecer
(D) inferior [...] arrefecer

5. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Um dos fatores que determina a temperatura média à superfície de um planeta como a
Terra é
(A) a sua distância ao Sol.
(B) a libertação do calor resultante da acreção.
(C) a desintegração de elementos radioativos.
(D) a compressão das zonas internas do planeta.

6. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta. A Lua é um satélite que
apresenta
(A) uma atmosfera densa na qual predomina o vapor de água.
(B) mares lunares em que predominam basaltos.
(C) feldspatos que conferem tonalidade escura aos continentes.
(D) uma camada espessa de rochas sedimentares.

7. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Para que pudesse ocorrer, na atualidade, atividade vulcânica em Marte, teria de se
verificar nesse planeta
(A) o impacto de um meteorito de grandes dimensões.
(B) a atividade geológica interna resultante de esforços de natureza tectónica.
(C) o aumento da temperatura, devido à desintegração de elementos radioativos.
(D) a fusão de materiais, devida à compressão resultante do peso de rochas
sobrejacentes.

8. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
A Lua é um satélite natural que apresenta
(A) uma atmosfera densa onde predomina o dióxido de carbono.
(B) crateras de impacto distribuídas uniformemente na crosta.
(C) predominância de rochas magmáticas em toda a sua superfície.
(D) idêntica composição litológica em toda a sua superfície.

6
9. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Europa e Calisto, duas luas de Júpiter, são planetas
(A) secundários, que orbitam em torno de um planeta gigante.
(B) principais, que orbitam em torno de um planeta telúrico.
(C) secundários, que orbitam em torno de um planeta de núcleo metálico.
(D) principais, que orbitam em torno de um planeta essencialmente gasoso.

10. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
É possível determinar a idade de formação do Sistema Solar recorrendo a métodos de
datação absoluta. Serão condições necessárias para que uma dada rocha possa ser
utilizada com este fim: a rocha ser oriunda de um astro do Sistema
Solar onde _____ atividade geológica interna e a amostra não ter sido alvo de
____ posterior.
(A) não se tenha verificado [...] contaminação
(B) não se tenha verificado [...] alteração física
(C) se tenha verificado [...] contaminação
(D) se tenha verificado [...] alteração física

11. O quadro I apresenta algumas das propriedades de quatro planetas principais do Sistema
Solar.
Quadro I - Algumas propriedades planetárias
Terra Marte Júpiter Urano
Período de rotação* 1 1,03 0,415 -0,72
Raio equatorial* 1 0,53 11,21 4,01
Gravidade* 1 0,377 2,36 0,889
Massa* 1 0,107 317,8 14,5
Densidade (g cm
-3
) 5,515 3,93 1,326 1,27
Composição
atmosférica (valores
aproximados)
78% N
2
21% 0
2
H
2
0; Ar
95% C0
2
3% N
2
2%
Ar
90% H
2
10% He
82% H
2

15% He
2% CH
4

Temperatura à
superfície (valores
médios, °C)
+ 15 -65 -110 -195
(adaptado de http://nasa.gov)
Notas: * Terra = 1
O eixo de rotação de Urano está próximo do plano da órbita. É neste referencial que é
apresentado o respetivo período de rotação.

11.1. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das afirmações seguintes,
relativas a características dos planetas telúricos e dos planetas gigantes.
(A) Os planetas telúricos apresentam uma superfície sólida, coberta, ou não, por
atmosfera.
(B) Os planetas gigantes são mais densos do que os planetas telúricos.
7
(C) Os planetas telúricos apresentam um grande número de satélites.
(D) Os planetas gigantes têm rotação mais rápida do que os planetas telúricos.
(E) Os planetas gigantes têm órbitas exteriores à cintura de asteroides.
(F) Os planetas telúricos caracterizam-se por apresentarem biosfera.
(G) Os planetas gigantes apresentam um conjunto de anéis.
(H) Os planetas telúricos apresentam diâmetros diferentes entre si.

11.2. Colocou-se a hipótese de um dado planeta ser um dos planetas telúricos
caracterizados no quadro I.
Faça corresponder S (sim) ou N (não) a cada uma das letras que identificam as
afirmações seguintes, de acordo com a possibilidade de serem utilizadas como
argumentos a favor da hipótese mencionada.
A - Os materiais que o constituem apresentam densidade superior a 3 g cm
-3
.
B - A duração de um dia nesse planeta é inferior à duração de um dia terrestre.
C - Apresenta rotação em sentido retrógrado, independentemente da inclinação do
eixo.
D - O azoto é um dos principais constituintes da sua atmosfera.
E - O levantamento de um peso exigiria nele maior esforço que na Terra.
F - Apresenta temperaturas médias, à superfície, entre -100 °C e +100 °C.
G - Apresenta uma dimensão semelhante ou inferior à da Terra.
H - A massa do planeta é superior à da Terra.

12. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações, relativas
aos planetas principais do Sistema Solar.
(A) Os planetas formaram-se por acreção de materiais constituintes de uma nébula.
(B) Os planetas exteriores apresentam uma constituição rochosa.
(C) O calor interno de um planeta determina a ocorrência de atividade geológica interna.
(D) Quanto mais afastados do Sol, mais elevado é o ponto de fusão dos materiais
constituintes.
(E) A desgaseificação foi um processo importante na formação da atmosfera de
planetas telúricos.
(F) A densidade média dos planetas aumenta com a distância ao Sol.
(G) Os planetas rochosos descrevem órbitas mais excêntricas que os planetas
gasosos.
(H) A atividade geológica interna de um planeta telúrico depende da sua massa.

13. Faça corresponder a cada uma das afirmações de (a) a (e) o termo respetivo do
constituinte do Sistema Solar, indicado na chave:
Afirmações
(a) Corpo do Sistema Solar que se desloca geralmente entre as órbitas de Marte e Júpiter.
(b) Corpo do Sistema Solar que apresenta um elevado efeito de estufa.
(c) Corpo do Sistema Solar que apresenta o menor período de translação.
8
(d) Corpo do Sistema Solar que apresenta o maior período de translação.
(e) Corpo gasoso do Sistema Solar que se encontra mais próximo do Sol.
Chave
(I) Vénus
(II) Júpiter
(III) Asteroide
(III) Cometa
(V) Meteorito
(VI) Saturno
(VII) Neptuno
(VIII) Mercúrio

14. Faça corresponder, de acordo com as suas propriedades, cada tipo de corpo do Sistema
Solar da coluna A à respetiva designação, que consta da coluna B.
Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.
COLUNA A COLUNA B
(a) Corpo que orbita em torno de um planeta principal.
(b) Corpo sem luz própria, com elevada dimensão e com
baixa densidade.
(c) Corpo rochoso que se desloca entre as órbitas de
Marte
e de Júpiter.
(d) Corpo diferenciado e com características
essencialmente
rochosas.
(e) Corpo que resiste à atmosfera terrestre e que pode
ser
recuperado.
(1) Asteroide
(2) Cometa
(3) Estrela
(4) Meteorito
(5) Planeta
gasoso
(6) Planeta
telúrico
(7) Planetesimal
(8) Satélite

15. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta. A
individualização do núcleo deu-se por um processo de
(A) separação gravítica, que fez acumular no centro do planeta elementos de elevada
densidade.
(B) separação gravítica, que fez acumular no centro do planeta elementos de baixa
densidade.
(C) contração gravítica, que conduziu à concentração superficial de compostos
ferroniquélicos.
(D) contração gravítica, que conduziu à concentração em profundidade de compostos
siliciosos.

16. Ordene as letras de A a G, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos
acontecimentos relacionados com a origem e a evolução da Terra.
Inicie pela letra A.
A. Aglutinação de materiais da nébula solar, devida à força gravítica.
B. Individualização das unidades estruturais crosta, manto e núcleo.
C. Diferenciação interna, de acordo com as densidades dos materiais.
D. Aumento da massa e das dimensões da Terra primitiva, com consequente aumento da
9
compressão gravítica.
E. Fusão parcial dos materiais, devido a impactos meteoríticos e à desintegração
radioativa.
F. Acreção de planetesimais e formação de um planeta homogêneo de ferro e de silicatos.
G. Formação de uma atmosfera rica em ozono.

17. Em 1799, perto da localidade de Roseta, no delta do rio Nilo, um soldado de Napoleão
encontrou um bloco de rocha com inscrições em três tipos de carateres. A «pedra de
Roseta», como passou a ser conhecida, permitiu decifrar o significado da escrita
hieroglífica, o que constituiu um contributo fundamental para um melhor conhecimento da
civilização egípcia.
Alguns astrônomos consideram cometas e asteroides as «pedras de Roseta» do Sistema
Solar. A Agência Espacial Européia (ESA) lançou no espaço, em março de 2004, uma
sonda com o nome de Roseta, com a qual pretende recolher informações mais precisas
sobre cometas e, eventualmente, sobre asteroides.
Explique de que modo os asteroides, considerados as «pedras de Roseta» do Sistema
Solar, podem ser utilizados na reconstituição da história da Terra, de acordo com a
Hipótese Nebular.

18. Explique de que modo a distribuição das densidades médias dos diferentes planetas
principais do Sistema Solar apoia a hipótese nebular.
Na resposta, devem ser utilizados os seguintes conceitos: nébula e acreção.

19. A superfície lunar apresenta um aspeto característico, devido às inúmeras crateras
resultantes dos choques de meteoritos, ocorridos desde há milhares de milhões de anos.
Justifique, tendo em conta as características atuais da Lua, a preservação, até aos nossos
dias, das crateras de impacto mais antigas.

20. A 4 de outubro de 2007, comemorou-se o cinquentenário do lançamento do primeiro
satélite artificial - Sputnik. Com o lançamento deste satélite iniciou-se uma nova era do
conhecimento do Espaço, o que proporcionou o desenvolvimento de várias tecnologias,
como os satélites para a pesquisa de recursos naturais (ERTS - Earth Resources
Technology Satellites). No domínio da agricultura, por exemplo, estes satélites permitem
detetar a época adequada à colheita e à sementeira e descobrir regiões potencialmente
produtivas.
Explique, a partir da informação fornecida, de que modo a utilização de satélites pode
contribuir para o desenvolvimento sustentável do nosso planeta.

21. No âmbito do projeto Deep Impact da NASA, a sonda espacial Impactor, com 370 kg,
colidiu, a 4 julho de 2005, com o cometa Tempel 1, descoberto em 1867 por Ernst Tempel.
Este cometa, cuja órbita tem um período de cinco anos e meio, constitui um excelente
objeto de estudo em astrogeologia. O choque provocou uma explosão de luz e originou
10
uma cratera de dimensões equivalentes às de um campo de futebol. Os objetivos
principais deste projeto foram tentar compreender o impacto que um cometa teria na
superfície da Terra e avaliar a evolução do manto e da crosta terrestres, a partir dos
dados fornecidos pelo impacto num corpo celeste que pode ser contemporâneo da
formação do sistema solar e que, como tal, se apresenta como um «fóssil».
Os resultados foram conseguidos através de telescópios e de outros instrumentos, como a
nave flyby, cujo objetivo era fotografar o impacto. Os instrumentos registaram espectros
de luz que não são compatíveis com materiais terrestres. Foi também registada a
existência de água, de etanol e de compostos orgânicos de carbono.
Baseado em http://deepimpact.umd.edu (consultado em novembro de 2010)

Na resposta a cada um dos itens de 21.1. a 21.3., selecione a única opção que permite
obter uma afirmação correta.
21.1. A aproximação de um cometa em relação ao Sol provoca, no primeiro,
(A) o aumento da sua massa e a solidificação de alguns dos seus constituintes.
(B) a diminuição da sua massa e a sublimação de alguns dos seus constituintes.
(C) o aumento da sua massa e a sublimação de alguns dos seus constituintes.
(D) a diminuição da sua massa e a solidificação de alguns dos seus constituintes.

21.2. Com um período de cinco anos e meio, o cometa Tempel 1 é visível da Terra
apenas durante algum tempo, apresentando uma órbita
(A) concêntrica em torno da Terra.
(B) concêntrica em torno do Sol.
(C) excêntrica em torno do Sol.
(D) excêntrica em torno da Terra.

21.3. Os espectros de luz registados após o impacto da sonda evidenciam, no
cometa Tempel 1, a presença de
(A) outras formas de vida.
(B) compostos carbonatados.
(C) substâncias desconhecidas na Terra.
(D) água no estado sólido.

21.4. Explique de que forma a colisão da sonda Impactor com a superfície do cometa
Tempel 1 pode contribuir para o conhecimento dos materiais constituintes da Terra
aquando da sua formação.

22. Para os astrônomos, a fronteira do nosso Sistema Solar situa-se a cerca de 150 000
unidades astronômicas (UA)* do Sol. É o limite de influência gravitacional da nossa estrela.
Ao longo deste imenso espaço, encontram-se os diferentes corpos celestes.
Entre o Sol e as 100 UA entra-se na heliosfera, zona de influência dos ventos solares. É
nesta zona que se encontram os planetas:
11
• até às 1,5 UA, situam-se os planetas telúricos;
• entre as 5,2 UA e as 30 UA, situam-se os planetas gigantes.
Das 100 UA até às 150 000 UA o sistema encontra-se praticamente vazio, pontilhado de
alguns corpos celestes, muito distantes uns dos outros. É aí que se encontra a nuvem de
Oort e os seus núcleos de cometas.

Todos os planetas, com exceção de Vénus e de Marte, possuem um campo magnético
intrínseco, que desvia as partículas com carga elétrica, provenientes do Sol. Science & Vie, Hors
Série - Le Système Solaire, março de 2009 (adaptado)
* 1 unidade astronômica (UA) = 149 598 000 km

22.1. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
A 50 000 UA de distância do Sol podem ser encontrados ______ que, pelo facto de aí
se terem formado, são constituídos essencialmente por materiais de ____ densidade.
(A) asteroides [...] elevada
(B) cometas [...] baixa
(C) cometas [...] elevada
(D) asteroides [...] baixa

22.2. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
A Terra encontra-se na heliosfera, estando protegida dos ventos solares por
(A) apresentar atmosfera.
(B) possuir um satélite natural.
(C) possuir campo magnético.
(D) apresentar geodinamismo externo.

22.3. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
Na crosta de Marte, em rochas com a mesma composição mineralógica,
as mais antigas apresentam, para um determinado elemento _______ , uma razão de
isótopos-pai/isótopos-filho ________ do que rochas mais recentes.
(A) instável [...] maior
(B) instável [...] menor
(C) estável [...] menor
(D) estável [...] maior

22.4. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Um planeta que se localize a cerca de 9,5 UA de distância do Sol caracteriza-se por
(A) possuir uma razão massa/volume superior à da Terra.
(B) estar diferenciado em crosta, manto e núcleo.
(C) apresentar temperaturas médias superficiais elevadas.
12
(D) ser constituído essencialmente por materiais gasosos.

Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
23. O sistema isotópico Hf-W caracteriza-se por ter um período de semivida de 9 M.a., logo, o
tempo necessário para a desintegração de 75% de háfnio é
(A) 36 M.a. (B) 18 M.a.
(C) 13,5 M.a. (D) 9 M.a.

24. Os asteroides e os cometas são corpos celestes que podem representar uma ameaça para
a vida na Terra, uma vez que, se entrarem em rota de colisão com a Terra, poderão originar
efeitos globais com consequências catastróficas. No dia 18 de junho de 2004, foi descoberto um
novo asteroide, posteriormente apelidado de 99 942 Apophis. Este asteroide tem aproximadamente
270 metros de diâmetro e uma composição semelhante à de um tipo raro de meteoritos conhecidos
como condritos LL, ricos em piroxenas e olivinas e com baixo teor em ferro metálico. Os
primeiros dados sobre a trajetória deste asteroide faziam acreditar que o risco de colisão com a
Terra era muito elevado. O conhecimento crescente sobre o Apophis permitiu que os cientistas
calculassem com maior rigor a sua órbita, e concluíssem que o asteroide passaria perto da
Terra em abril de 2029, existindo a probabilidade, ainda que reduzida, de passar no «buraco de
fechadura», ou seja, num estreito corredor do espaço onde a força gravítica da Terra poderia
desviar o asteroide, colocando-o em rota de colisão com a Terra, em 2036. Segundo a NASA, a
maneira mais adequada de lidar com um asteroide potencialmente perigoso seria enviar uma
nave espacial que, ao exercer o seu efeito gravítico sobre o asteroide, o rebocaria, alterando a
sua rota e evitando a colisão com a Terra. Graças a este pequeno desvio, ampliado pela
vastidão do espaço, o asteroide poderia passar a dezenas de milhares de quilômetros da Terra.
Se, no entanto, ocorrer a colisão, formar-se-á uma cratera de impacto semelhante a tantas
outras formadas ao longo da história da Terra.
Também a Lua foi fortemente bombardeada por meteoritos no início da sua história, quando,
por debaixo de uma crosta lunar primitiva, existia um magma lunar abundante. Atualmente, a
superfície lunar apresenta zonas escuras resultantes do preenchimento de bacias de impacto
com magma basáltico solidificado, datado aproximadamente de há 3000 M.a. As zonas claras
apresentam um maior número de crateras de impacto do que as zonas escuras e são mais
antigas do que estas.

24.1. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Se, em 2036, houver risco de colisão entre o Apophis e a Terra, isso deve--se ao facto
de
(A) possuir dimensões muito inferiores às da Terra.
(B) ter sido previamente atraído pela força gravítica da Terra.
(C) ser constituído por minerais existentes na Terra.
(D) exercer uma força gravítica sobre a Terra.


13
24.2. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Por acreção de planetesimais, a massa da Terra foi aumentando e a conservação do
calor resultante dos impactos foi um dos fatores que permitiu
(A) o aparecimento de uma crosta rica em ferro.
(B) a manutenção da estrutura homogênea original.
(C) a migração gravítica dos materiais fundidos.
(D) o aumento da rigidez dos materiais rochosos.

24.3. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações,
relativas a características da Lua.
(A) Há mais de 3000 M.a., a Lua era um planeta geologicamente ativo.
(B) Terrae (os continentes) são zonas claras, ricas em minerais félsicos.
(C) Maria (os mares) são zonas escuras, ricas em minerais ferromagnesianos.
(D) A erosão tem reduzido o número de crateras de impacto nos mares.

24.4. A atual massa da Terra resultou de um ganho de matéria por acreção. A atmosfera
atual evoluiu por perda de gases menos densos (hélio e hidrogénio) para o espaço
extraterrestre.
Justifique, tendo em conta as afirmações anteriores e os critérios de classificação dos
sistemas, a atual classificação do planeta Terra como sistema fechado.

25. O regime periódico e alternado das marés resulta da influência conjugada dos movimentos
de translação da Lua e de rotação da Terra. Este efeito também ocorre ao nível da
atmosfera e da parte sólida da Terra, embora de forma menos evidente do que na
hidrosfera.
O movimento giratório da Terra arrasta consigo a água dos oceanos. Os continentes
representam obstáculos impossíveis de contornar, e a fricção entre a água e o fundo dos
oceanos abranda o movimento da água e da Terra. Esta ação das marés está a abrandar
gradualmente a rotação da Terra, estimando-se que, em cada cem mil anos, o dia
aumente um segundo. À medida que a velocidade de rotação da Terra diminui, o equilíbrio
de forças entre a Terra e a Lua altera-se, permitindo que a Lua se afaste mais do nosso
planeta.
Ao longo dos tempos, várias hipóteses têm sido elaboradas para explicar a formação da
Lua:
• a da coacreção, segundo a qual a Lua se teria formado ao mesmo tempo e a partir da
mesma matéria que originou o Sistema Solar;
• a da fissão, que sustenta que a Lua se teria formado a partir de um pedaço da Terra que
se separou desta, devido a forças centrífugas associadas ao movimento de rotação da
Terra;
• a da captura, que pretende que a Lua foi um outro corpo celeste independente, que
passou próximo da Terra e ficou preso ao campo gravitacional desta;
• a do impacto, que defende que a Lua seria o resultado de uma mistura de material da
14
Terra com material de um corpo celeste (planeta Theia), pelo menos tão grande quanto o
planeta Marte, que chocou com a Terra há 4500 milhões de anos (M.a.).
O conhecimento mais profundo da geologia da Lua ocorreu a partir de 1960, com o início da
exploração espacial. Os materiais rochosos recolhidos na Lua e trazidos para a Terra, nas
missões Apollo e Luna, revelaram, na composição química, algumas semelhanças com as
rochas da Terra, mas também mostraram diferenças que se revelam significativas.

25.1. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
A análise da composição química das rochas da Lua permite argumentar a favor da
hipótese ________, enquanto a hipótese da captura se torna menos credível, por não
permitir explicar as ________ entre os materiais da Terra e os da Lua.
(A) da coacreção [...] semelhanças
(B) do impacto [...] semelhanças
(C) da coacreção [...] diferenças
(D) do impacto [...] diferenças

25.2. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Os dados fornecidos no texto sobre a alteração da velocidade de rotação da Terra
permitem concluir que
(A) as forças gravitacionais exercidas entre a Terra e a Lua estão a aumentar.
(B) a distância percorrida pela Lua, ao descrever uma órbita completa, está a diminuir.
(C) um dia terrestre já teve uma menor duração do que a que tem atualmente.
(D) a velocidade de translação da Terra também está a sofrer alteração.

25.3. A maioria das rochas recolhidas na crosta lunar e trazidas para a Terra aquando das
diversas missões espaciais tem idades compreendidas entre 3,16 M.a. e 4,5 M.a., muito
superiores às idades apresentadas pela maioria das rochas que constitui atualmente a
crosta terrestre.
Justifique as diferenças significativas de idade entre as rochas da crosta lunar e as
rochas da crosta terrestre, tendo em conta as características de dinâmica interna da Lua
e da Terra.

26. A Lua, satélite natural da Terra, apresenta morfologia irregular, alternando regiões
montanhosas muito acidentadas com regiões baixas e muito planas. Como a Lua não
possui atmosfera, qualquer substância na sua superfície está diretamente exposta ao
vácuo. A temperatura lunar varia, ao nível do solo, entre 130 °C, nas condições de
insolação máxima, e -200 °C, nas condições de insolação mínima. No entanto, a Lua não é
o planeta «seco» que se imaginava que fosse, e a possível origem da água lunar tem
alimentado diversas pesquisas científicas. Alguns cientistas defendem que a Lua se
formou pela fusão e pelo posterior arrefecimento de fragmentos resultantes da colisão de
um corpo espacial com a Terra, há cerca de 4,5 mil milhões de anos. Ter-se-á, então, formado
15
na Lua um «mar» de magma, onde haveria água, podendo parte desta ter ficado retida nos
minerais em cristalização.
A partir de dados recolhidos pela missão Lunar Prospector (1998), a NASA anunciou a
existência de água gelada quer no polo sul, quer no polo norte. No início, o gelo parecia
estar dispersamente misturado com o rególito lunar (rochas superficiais, solo e poeira) em
baixas concentrações (0,3% a 1%). Todavia, os últimos resultados mostram que a água,
sob a forma de gelo, está concentrada em áreas localizadas no subsolo, em latitudes elevadas.
Estes dados parecem indicar que o gelo lunar terá tido origem em cometas e em meteoritos
que continuamente atingiram a Lua nos primeiros momentos da sua formação.
A existência de água na Lua poderá tornar possível a instalação de células de combustível
neste planeta. As células de combustível são dispositivos eletroquímicos que transformam
continuamente energia química em energia elétrica, utilizando o hidrogênio. A descoberta
de água lunar pode funcionar como impulsionadora de novas explorações espaciais, tanto
mais que as naves espaciais utilizam cerca de 85% do seu combustível para saírem da
influência da gravidade da Terra.
Baseado em http://nssdc.gsfc.nasa.gov (consultado em novembro de 2011)

Na resposta a cada um dos itens de 26.1. a 26.6., selecione a única opção que permite obter
uma afirmação correta.
26.1. De acordo com os dados recolhidos pela missão Lunar Prospector, a água encontrada
no subsolo lunar tem uma origem fundamentalmente
(A) endógena, que remonta à fase de diferenciação.
(B) endógena, que remonta à fase de acreção.
(C) exógena, que remonta à fase de acreção.
(D) exógena, que remonta à fase de diferenciação.

26.2. Os últimos dados relativos à descoberta de gelo lunar pela missão Lunar
Prospector foram obtidos a partir da observação de
(A) crateras profundas não iluminadas pelo Sol, onde a temperatura é muito baixa.
(B) rochas de cor clara, onde a reflexão da luz solar é muito intensa.
(C) rochas superficiais densas, onde a gravidade permite a retenção do gelo.
(D) crateras superficiais, onde se acumula poeira de origem meteorítica.

26.3. Na Lua, a atividade geológica
(A) externa é promovida pela existência de água.
(B) externa é evidenciada por crateras de impacto.
(C) interna é favorecida por correntes de convexão.
(D) interna atual é evidenciada por escoadas lávicas.

26.4. A Terra é um planeta telúrico, pois
(A) é interior à cintura de asteroides.
(B) apresenta baixa densidade.
16
(C) é um planeta de reduzidas dimensões.
(D) apresenta crusta silicatada.

26.5. A idade de formação do sistema solar pode ser estimada, por datação radiométrica, a
partir de amostras de
(A) meteoritos que evidenciam a ocorrência de atividade geológica interna nos
asteroides que lhes deram origem.
(B) meteoritos que evidenciam a inexistência de diferenciação nos asteroides que lhes
deram origem.
(C) rochas ígneas lunares, recolhidas em crateras de impacto de cometas.
(D) rochas metamórficas lunares, recolhidas em crateras de impacto de cometas.

26.6. O estudo dos cometas contribui para a compreensão da formação e da evolução do
sistema solar, porque aqueles corpos
(A) resultam da fragmentação de planetas primitivos.
(B) apresentam órbitas excêntricas à volta do Sol.
(C) têm uma constituição semelhante à da nébula primitiva.
(D) são constituídos essencialmente por gelo e rochas.

26.7. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos
acontecimentos que, segundo a teoria da nébula solar, terão ocorrido no processo de
formação do sistema solar.
A. Gênese do protossol, em consequência de reações termonucleares.
B. Formação de protoplanetas, por fenómenos de acreção.
C. Contração gravítica da nébula de gases e poeiras, por efeito da força
gravitacional.
D. Organização interna dos planetas, resultante de diferenciação.
E. Aglutinação de planetesimais, por ação da gravidade.

26.8. Explique de que modo a recente descoberta de água na Lua poderá ser vantajosa
em futuros programas de exploração espacial.

27. De forma a contribuir para a avaliação do potencial de utilização da vegetação aquática
característica de zonas ricas em urânio na bioindicação de contaminações de urânio e/ou
na fitorremediação (utilização de plantas para a remoção de contaminantes) de águas
contaminadas com este metal, uma equipa de investigadores analisou 71 espécies de
plantas aquáticas de uma vasta área, correspondente à região uranífera das Beiras.
Os jazigos uraníferos da área estudada localizam-se em granitos e nas zonas
envolventes. Grande parte destes jazigos foi objeto de exploração, tendo sido privilegiado
o processo de lixiviação, como principal método de beneficiação do minério.
A amostragem foi realizada praticamente em toda a área da província uranífera. Os pontos
de amostragem foram estabelecidos em cursos de água, nos locais onde foi possível
17
observar a ocorrência de espécies aquáticas. Nestes locais, foram colhidas tanto amostras
de água como de plantas aquáticas flutuantes ou enraizadas. Toda a amostragem incluiu
185 locais, tendo sido identificadas 71 espécies, pertencentes a 41 famílias diferentes.
Para a análise do teor de urânio as águas foram filtradas e acidificadas. As plantas foram
lavadas, primeiro em água corrente e depois em água destilada, para remover qualquer
resíduo de solo ou outras impurezas, e posteriormente foram secas em estufa a 60 °C e
moídas para a análise química.
Na Tabela 1 apresenta-se um sumário dos resultados analíticos das amostras de águas,
estando as concentrações de urânio expressas em |xg/L. Na Tabela 2 apresenta-se um
sumário dos resultados analíticos das amostras das plantas mais representativas da área
estudada, estando as concentrações de urânio expressas em mg/kg de peso seco.

Tabela 1 Tabela 2
Média Máximo Mínimo
Linhas de água
fora da influência
das minas (n =
170)
1,76 9,39 0,23
Linhas de água
sob a influência
das drenagens
das minas (n =
15)
139,4 1220,4 11,32


Na resposta a cada um dos itens de 27.1. a 27.3. selecione a única opção que permite
obter uma afirmação correta.
27.1. Os resultados da investigação apresentada permitem concluir que a concentração
de urânio é
(A) maior nas linhas de água mais próximas dos granitos.
(B) menor nas linhas de água mais próximas dos granitos.
(C) maior nas linhas de água sujeitas à influência da drenagem das minas.
(D) menor nas linhas de água sujeitas à influência da drenagem das minas.

27.2. O objetivo da investigação descrita foi avaliar
(A) a concentração média de urânio no conjunto das plantas aquáticas da região.
(B) o efeito das minas nas águas subterrâneas da zona de exploração dos jazigos
uraníferos.
(C) o impacte do processo de lixiviação como principal método de beneficiação do
minério.
(D) a relação entre as concentrações de urânio na vegetação aquática e na água.




Espécie n Média
Callitriche stagnalis 131 34,51
Callitríche brutia 43 4,03
Callitriche lusitanica 21 4,56
Ranunculus
trichophyllus
64 4,95
Ranunculus peltatus 5 5,11
Potamogeton natans 11 15,33
Spirodella polyrizha 5 4,10
Apium nodiflorum 31 4,17
18
27.3. Para um mesmo isótopo radioativo, quando se comparam granitos mais antigos
com granitos mais recentes, é de esperar que
(A) o período de semivida do isótopo-pai seja menor nos granitos mais recentes.
(B) a razão isótopo-pai/isótopo-filho seja maior nos granitos mais antigos.
(C) o período de semivida do isótopo-pai seja maior nos granitos mais recentes.
(D) a razão isótopo-pai/isótopo-filho seja menor nos granitos mais antigos.

27.4. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência de zonas da
superfície da Terra que se encontram, ao progredir para oeste, a partir da região
uranífera das Beiras.
A. Dorsal oceânica.
B. Planície abissal.
C. Plataforma continental.
D. Talude continental.
E. Zonas continentais emersas.

27.5. Explique, de acordo com os resultados obtidos, de que forma a espécie Callitriche
stagnalis pode contribuir para a recuperação de ecossistemas aquáticos
contaminados com urânio.

28. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta. Os
escudos correspondem a áreas tectonicamente
(A) estáveis, constituídas por rochas de idade anterior ao Paleozoico.
(B) estáveis, constituídas por rochas de idade posterior ao Mesozoico.
(C) instáveis, associadas a limites divergentes entre placas litosféricas.
(D) instáveis, associadas a limites convergentes entre placas litosféricas.

29. No dia 14 de novembro de 1968, deu-se a queda de um meteorito na herdade das Tenazes,
a cerca de 3 km de Juromenha, no concelho do Alandroal. A queda, ocorrida cerca das 18
horas e 55 minutos, foi precedida de um clarão e de um som semelhante a um tiro de canhão.
O meteorito encontrado pelos camponeses produziu, no solo, uma pequena cratera com
cerca de 80 cm de profundidade. O meteorito foi recolhido, aproximadamente, às 11 horas
do dia 15 de novembro. O relatório feito pelos cientistas que estudaram o meteorito refere
dimensões aproximadas de 30x 20x 10 cm, 25,250 kg de massa e uma mineralogia
simples.
A análise revelou que o meteorito era composto, fundamentalmente, por minerais de ferro e
níquel, apresentando uma densidade de 7,82, o que permitiu classificá-lo como um
siderito.
Um meteoroide, quando em órbita em torno do Sol, é bombardeado pela radiação
cósmica. Depois de ter caído na Terra, a atmosfera protege o meteorito dessa radiação,
passando a verificar-se apenas o decaimento de alguns dos isótopos de radiação cósmica
recebidos. A idade terrestre dos meteoritos achados, nos casos em que não foi possível
19
encontrá-los aquando da sua queda, é determinada por comparação com as idades de
meteoritos recuperados logo após a sua queda, como aconteceu com o meteorito do
Alandroal. Para determinar a idade terrestre dos meteoritos, são utilizados alguns isótopos,
como, por exemplo, o 36CI.
Baseado em www.portaldoastronomo.org (consultado em novembro de 2011)

Na resposta a cada um dos itens de 29.1. a 29.3., selecione a única opção que permite obter
uma afirmação correta.
29.1. A maior parte dos meteoritos provenientes de asteroides tem origem numa zona do
sistema solar situada entre
(A) Vénus e Terra.
(B) Terra e Marte.
(C) Marte e Júpiter.
(D) Júpiter e Saturno.

29.2. A contagem da idade terrestre de um siderito tem sempre início no momento
(A) da entrada em órbita do respetivo meteoroide.
(B) do contacto do meteorito com o solo.
(C) da formação do respetivo meteoroide.
(D) do achado do meteorito.

29.3. O meteorito mais antigo que se conhece terá caído há cerca de 500 000 anos.
Admitindo que a sua idade tenha sido obtida com recurso ao isótopo 36CI,
cujo tempo de semivida é 300 000 anos, originando o isótopo 36Ar, pode
concluir-se que, na altura da queda,
(A) a proporção do isótopo pai em relação ao isótopo filho é superior a 50%.
(B) a proporção do isótopo pai em relação ao isótopo filho é inferior a 50%.
(C) a razão dos isótopos 36CI/36Ar é igual a 0,5.
(D) a razão dos isótopos 36CI/36Ar é igual a 1.

29.4. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir uma possível sequência cronológica
de acontecimentos relacionados com uma queda meteorítica na superfície da Terra.
A. Vaporização de matéria na superfície de um meteoro.
B. Fragmentação de um corpo em órbita na cintura de asteroides.
C. Interação de um corpo celeste com a atmosfera terrestre.
D. Interação de um meteoroide com o campo gravítico da Terra.
E. Formação de uma cratera por embate de um meteorito.

29.5. Identifique a face da Lua na qual é mais intenso o impacto meteorítico.
Justifique a sua resposta, tendo em conta as dimensões relativas da Terra e da Lua e o
facto de este satélite apresentar períodos de translação e de rotação iguais.

20
TEMA III | COMPREENDER A ESTRUTURA E A DINÂMICA DA GEOSFERA

1. Em 1972, numa das missões à Lua, os astronautas da Apollo 16 detetaram anomalias na
órbita de um satélite artificial por eles lançado, acabando este por se despenhar no solo
lunar. Mais tarde, o acidente foi explicado pela existência de locais com anomalias
gravimétricas positivas em determinadas zonas da superfície lunar, denominadas mascons.
Estas zonas encontram-se normalmente debaixo de crateras de impacto situadas nos
mares lunares.

1.1. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
As anomalias gravimétricas positivas detetadas na Lua evidenciam
(A) uma distribuição homogênea das rochas na crosta.
(B) a existência de regiões onde as rochas são muito densas.
(C) uma dissipação de calor mais intensa nos mascons.
(D) a manifestação de forças de gravidade idênticas em toda a crosta.

1.2. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente,
os espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
A análise das rochas recolhidas na Lua pelas missões espaciais Apollo constitui um
método _______, que contribui para o conhecimento da estrutura da Terra, tal como
os dados fornecidos ________.
(A) direto [...] pela sismologia.
(B) direto [...] pelo vulcanismo.
(C) indireto [...] pela sismologia.
(D) indireto [...] pelo vulcanismo.

2. A história da Terra está escrita nas suas rochas, as quais fornecem indícios de
acontecimentos de um passado distante, pistas sobre a natureza mutável dos continentes e
dos oceanos e das estruturas que lhes estão associadas, como ilhas e cadeias
montanhosas.
A cadeia montanhosa submarina que se estende do oceano Ártico até ao extremo
meridional de África é apenas um segmento da crista oceânica que percorre toda a Terra.
Medições sistemáticas do magnetismo das rochas oceânicas revelaram um padrão de
alternância de polaridades magnéticas que permitiu estudar os processos relacionados com
a expansão dos fundos oceânicos: faixas de rochas com polaridade magnética normal
alternam com faixas de rochas com polaridade magnética inversa, conforme se representa
esquematicamente na Figura 1.


As letras X, Y e Z, na referida figura, referem-se a três secções diferentes da litosfera
oceânica.

21
Figura 1 - Representação esquemática da alternância de
polaridades magnéticas de rochas na crista oceânica








Wyllie, Peter J., A Terra. Nova Geologia Global, 1995 (adaptado)

2.1. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente,
os espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
Nas secções da litosfera oceânica representadas na Figura 1, as rochas da
secção X apresentam ____ polaridade magnética em relação à polaridade
atual, sendo as rochas da secção Z mais _____ do que as da secção Y.
(A) igual [...] recentes
(B) diferente [...] antigas
(C) igual [...] antigas
(D) diferente [...] recentes

3. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
Em zonas montanhosas estáveis, verificam-se anomalias gravimétricas ______ , e o
fluxo térmico é ____ que em zonas de rifte.
(A) positivas [...] menor
(B) positivas [...] maior
(C) negativas [...] maior
(D) negativas [...] menor

4. Ao observar um mapa do globo, em 1910, Alfred Wegener reparou na concordância da
geometria das costas de ambos os lados do Atlântico, o que o levou a considerar, pela primeira
vez, a hipótese da translação continental. Na ausência de um mecanismo explicativo
convincente, a hipótese da deriva continental foi fortemente contestada, sendo necessários
cerca de 50 anos de pesquisas em diferentes áreas para se provar que, efetivamente, os
movimentos horizontais à escala dos continentes ocorrem.
Atualmente, a Teoria da Tectónica de Placas é uma das teorias unificadoras da Geologia.
Na Figura 2, encontra-se representado um mapa do oceano Atlântico e os continentes
envolventes.
As faixas de igual tonalidade representam zonas onde existem rochas com a mesma
polaridade magnética.
Alternância de polaridades
22


4.1. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Atualmente, a simetria da polaridade magnética em relação ao rifte das rochas do
fundo do oceano Atlântico constitui
(A) um dos mecanismos responsáveis pelos movimentos das placas.
(B) uma hipótese que ainda não foi comprovada experimentalmente.
(C) um argumento a favor da Teoria da Tectónica de Placas.
(D) uma consequência da manutenção da polaridade do campo magnético
terrestre.

4.2. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente,
os espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
De 3 para 1, a idade das rochas da crosta oceânica ______ , e a espessura
dos sedimentos que sobre elas se encontram depositados _____ .
(A) diminui [...] também diminui
(B) diminui [...] aumenta
(C) aumenta [...] diminui
(D) aumenta [...] também aumenta

4.3. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Nos fundos oceânicos representados na figura, as rochas que apresentam igual
polaridade
(A) formaram-se simultaneamente.
(B) contêm minerais com orientações magnéticas semelhantes.

1 2 3
23
(C) dispõem-se simetricamente em relação ao rifte.
(D) apresentam iguais valores de fluxo térmico.

5. Um dos pressupostos básicos da Biogeografia é o de que cada espécie se originou uma
única vez. A região - uma área mais ou menos vasta - onde isso ocorre é conhecida como
o «centro de origem» de uma espécie. A partir do seu centro de origem, cada espécie
pode espalhar-se por áreas ainda mais vastas, até que uma qualquer barreira física,
ambiental ou ecológica trave a sua dispersão. Os Descobrimentos Portugueses, seguidos
das grandes viagens de exploração dos séculos xvn, xvm e xix, deram a conhecer à
civilização europeia múltiplas formas de vida, atuais e passadas, cuja existência era
ignorada na altura. Estudos sistemáticos, de natureza geológica e paleontológica,
permitiram também constatar os seguintes factos:
• Lystrossaurus aparece fossilizado em estratos do Pérmico (Paleozoico), na Antártida e
na África do Sul;
• em terrenos datados do Pérmico, Mesossaurus é um fóssil comum em África e na
América do Sul;
• em terrenos datados do Carbônico (Paleozoico), encontram-se fósseis de uma planta,
Glossopteris, na índia, em Madagascar, em África e na América do Sul.
Como explicar estas correlações? Afinal, entre as áreas continentais citadas, existem
oceanos que constituem barreiras à dispersão das espécies terrestres, barreiras
consideradas, inicialmente, bastante eficazes.
Alguns autores sugeriram a existência de pontes continentais - faixas mais ou menos
largas de terra firme - que estabeleciam a ligação entre os diferentes continentes (Figura
3). Um dos defensores da existência destas massas rochosas foi Eduard Suess (1831-
1914), um geólogo austríaco que sugeriu que os continentes antigos eram mais vastos
do que os atuais e que os seus fragmentos jazem hoje no fundo dos oceanos. Segundo
aquele autor, teriam ocorrido abatimentos contínuos da crosta, que se afundou nos
materiais subjacentes, à medida que a Terra foi arrefecendo e se foi contraindo.
Alfred Wegener (1880-1930), um meteorologista alemão, defendeu a hipótese da deriva
continental: os continentes, que formaram uma massa única há milhões de anos atrás,
foram-se separando ao longo dos tempos (Figura 4). Esta hipótese, retomada mais tarde
e devidamente reformulada, ficou conhecida como Teoria da Tectónica de Placas.











24
Figura 4 - Hipótese da deriva continental


5.1. As afirmações seguintes referem-se a evidências de natureza geofísica e
paleobiogeográfica, que têm sido utilizadas como argumentos a favor da
hipótese das pontes continentais e/ou da hipótese da deriva continental.
Faça corresponder V (argumento verdadeiro) ou F (argumento falso) a cada uma
das letras que identificam as afirmações seguintes, de acordo com a possibilidade
da sua utilização como argumentos a favor da hipótese das pontes continentais.
(A) O aumento da velocidade das ondas P em profundidade sugere que a
densidade dos materiais aumenta com a profundidade.
(B) Atualmente, encontram-se animais semelhantes em áreas geográficas
separadas por oceanos, sem que para aí tivessem sido levados pela ação do
homem.
(C) Na América do Sul, as rochas do Carbônico apresentam associações
faunísticas semelhantes às que se encontram em rochas da mesma idade, em
África.
(D) As rochas dos fundos dos oceanos apresentam diferentes polaridades
magnéticas, verificando-se que, em relação a um rifte, as inversões magnéticas
são simétricas.
(E) A dispersão de algumas espécies pode ser travada por barreiras como
a localização de massas continentais em zonas climáticas distintas.
(F) Glossoptehs é um gênero típico de latitudes elevadas que aparece
associado a depósitos glaciários.
(G) A América do Sul e a Antártida estão, na atualidade, praticamente liga
das por uma cadeia de ilhas. Uma pequena descida do nível das águas
do mar poria em evidência uma banda de terra a unir as duas massas
continentais.
25
(H) As dorsais oceânicas são regiões de elevado fluxo térmico, em consequência
da ascensão de materiais fundidos, provenientes do manto terrestre.

5.2. Explique de que modo o estudo da gravimetria contribuiu para o abandono
da hipótese das pontes continentais.
Na resposta, devem ser utilizados os seguintes conceitos: anomalia gravimétrica e
pontes continentais.

5.3. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Lystrossaurus foi descoberto em rochas da África do Sul e da Antártida. Na América
do Sul, não se encontraram rochas que datem da altura em que aquele animal viveu.
De acordo com estes dados, pode afirmar-se que uma explicação plausível para a
inexistência de fósseis de Lystrossaurus no continente sul-americano é que
(A) Lystrossaurus não colonizou os ecossistemas existentes na América do Sul.
(B) o clima, na América do Sul, não era propício à sobrevivência de Lystrossaurus.
(C) na América do Sul, os estratos contemporâneos de Lystrossaurus foram
erodidos.
(D) durante o Pérmico, não ocorreram condições favoráveis à formação de fósseis
na América do Sul.

6. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
Na atividade vulcânica, a _____ com que os gases se libertam de um magma vis-
coso é responsável pela ocorrência de erupções do tipo _____ .
(A) dificuldade [...] explosivo
(B) dificuldade [...] efusivo
(C) facilidade [...] explosivo
(D) facilidade [...] efusivo

7. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
O magma gerado numa zona de subducção, entre uma placa oceânica e uma
placa continental, é menos _____ do que o magma que ascende ao longo dos riftes
oceânicos, originando erupções com caráter explosivo.
(A) fluido [...] mais
(B) fluido [...] menos
(C) viscoso [...] mais
(D) viscoso [...] menos




26
8. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
A formação de domos ou cúpulas está geralmente associada a lavas
(A) viscosas e ácidas.
(B) viscosas e pouco silicatadas.
(C) fluidas e ricas em gases.
(D) fluidas e de composição basáltica.

9. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
Uma elevada quantidade de poeiras vulcânicas nas camadas de gelo de um glaciar sugere
uma intensa atividade vulcânica
(A) efusiva, característica de lavas ricas em sílica.
(B) explosiva, característica de lavas pobres em sílica.
(C) explosiva, característica de lavas ricas em sílica.
(D) efusiva, característica de lavas pobres em sílica.

10. Faça corresponder cada uma das manifestações de vulcanismo expressas na coluna A à
respetiva designação, que consta da coluna B.
Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.
COLUNA A COLUNA B
(a) Estrutura típica de lava que arrefece em contacto
com a água.
(b) Escoada caracterizada por superfícies rugosas.
(c) Emissão de gases vulcânicos ricos em enxofre.
(d) Emissão intermitente de jatos de água em
ebulição e de vapor de água.
(e) Mistura de gases e de material piroclástico relativa
mente densa, que se desloca junto ao solo a
velocidades acentuadas.
(1) Gêiser
(2) Lapilli
(3) Lava aa
(4) Lava em
almofada
(5) Lava pahoehoe
(6) Mofeta
(7) Nuvem ardente
(8) Sulfatara














27
11. Faça corresponder cada uma das manifestações de vulcanismo da coluna A à respetiva
designação, que consta da coluna B.
Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.

COLUNA A COLUNA B
(a) Mistura de material piroclástico e gases, muito
densa e de elevada temperatura.
(b) Gases vulcânicos ricos em enxofre, ou em dióxido
de carbono, emitidos através de fissuras no
terreno.
(c) Material piroclástico muito fragmentado, de
pequenas dimensões.
(d) Escoada que resulta da erupção submarina de
material fluido.
(e) Escoada de material muito fluido que, ao
solidificar, apresenta a superfície encordoada ou
lisa.
(1) Bomba vulcânica
(2) Fumarola
(3) Gêiser
(4) Lapilli
(5) Lava aa
(6) Lava pahoehoe
(7) Nuvem ardente
(8) Pillow lava


12. Faça corresponder cada uma das manifestações vulcânicas expressas na coluna A à
respetiva designação que consta da coluna B.
Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.
COLUNA A COLUNA B
(a) Emissões periódicas de água subterrânea em
ebulição sob a forma de colunas de água.
(b) Movimentos a grande velocidade de fluxos de
piroclastos pulverizados suspensos numa fase
gasosa.
(c) Formação de grandes fragmentos, expelidos
violentamente, total ou parcialmente fundidos e
solidificados no seu percurso aéreo.
(d) Escoamento lento de lava, originando rochas de
superfície áspera e muito rugosa.
(e) Formação de depressões resultantes do colapso
da câmara magmática, em consequência da
ascensão e descompressão do magma.
(1) Lavas
encordoadas
(2) Fumarolas
(3) Nuvens ardentes
(4) Lavas em
almofada
(5) Gêiseres
(6) Bombas vulcânicas
(7) Lavas escoriáceas
(8) Caldeiras
vulcânicas






28
13. Faça corresponder cada uma das manifestações de vulcanismo expressas na coluna A à
respetiva designação, que consta da coluna B.
Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.
COLUNA A COLUNA B
(a) Estrutura alongada resultante da
consolidação de magma dentro da chaminé
vulcânica e sua
posterior erosão.
(b) Forma de relevo resultante da acumulação
de materiais expelidos através de condutas
secundárias.
(c) Estrutura arredondada resultante da
consolidação de lava viscosa.
(d) Depressão de colapso localizada sobre a
câmara magmática.
(e) Estrutura típica originada por lavas
básicas.
(1) Agulha
(2) Bolsada magmática
(3) Caldeira
(4) Cone adventício
(5) Domo vulcânico
(6) Escoada
(7) Gêiser
(8) Nuvem ardente

14. Faça corresponder a cada uma das afirmações, de (a) a (e), a respetiva manifestação de
vulcanismo, indicada na chave.
Afirmações
(a) Emissão de gases que permanece após a erupção vulcânica.
(b) Água subterrânea projetada sob a forma de repuxo intermitente.
(c) Estrutura resultante da acumulação de materiais expelidos pela erupção.
(d) Estrutura originada pela consolidação da lava dentro da chaminé vulcânica.
(e) Depressão vulcânica mais larga do que a cratera original.
Chave
(I) Câmara magmática
(II) Gêiser
(III) Caldeira
(IV) Bomba vulcânica
(V) Agulha vulcânica
(VI) Fumarola
(VII) Lava em almofada
(VIII) Cone vulcânico







29
15. A Figura 5 representa esquematicamente um aparelho vulcânico.

Figura 5
. Escoadas de lava


15.1. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
O aparelho vulcânico esquematizado na Figura 5 formou-se na sequência de
erupções de caráter predominantemente
(A) efusivo, associadas a magmas ácidos.
(B) efusivo, associadas a magmas básicos.
(C) explosivo, associadas a magmas fluidos.
(D) explosivo, associadas a magmas viscosos.

15.2. As afirmações seguintes dizem respeito a crateras lunares.
Selecione a alternativa que as avalia corretamente.
1. Algumas crateras lunares foram preenchidas por materiais de origem vulcânica.
2. As crateras dos continentes lunares estão sujeitas a intensa erosão.
3. As crateras observadas na Lua estão associadas ao impacto de meteoritos.

(A) 3 é verdadeira; 1 e 2 são falsas.
(B) 1 e 2 são verdadeiras; 3 é falsa.
(C) 2 é verdadeira; 1 e 3 são falsas.
(D) 1 e 3 são verdadeiras; 2 é falsa.

15.3. A atividade vulcânica tem impactes nos subsistemas terrestres, alguns dos
quais podem constituir benefícios para o Homem.
Considerando unicamente o subsistema geosfera, relacione três aspetos da atividade
vulcânica com os benefícios que desta atividade possam resultar para o Homem.

16. A Terra é um planeta geologicamente ativo. No que diz respeito à atividade vulcânica,
podem verificar-se episódios predominantemente efusivos, bem como episódios
predominantemente explosivos.
Explique de que modo cada um dos dois tipos de atividade vulcânica mencionados
condiciona os seus potenciais riscos para as populações.


30
17. Explique de que forma a monitorização de um vulcão, recorrendo aos dados registados por
um sismógrafo colocado na região, permite prever uma nova erupção e prevenir a perda
de vidas humanas.

18. Em julho de 1991, dois investigadores, Paul Renne e Asish Basu, apresentaram evidências
de que a maior extinção de seres vivos na história da Terra, que ocorreu na fronteira entre
as eras paleozoica e mesozoica, está relacionada com uma atividade vulcânica maciça na
Sibéria. A sua investigação mostra que a atividade vulcânica se iniciou, aproximadamente,
há 248,3 milhões de anos e terminou há cerca de 247,5 milhões de anos. O vulcanismo
nos planaltos da Sibéria caracterizou-se pela emissão de grande quantidade de lava
através de fendas na crosta terrestre, originando escoadas que, ao longo do tempo, se
foram sobrepondo. De acordo com Renne e Basu, este episódio vulcânico teve origem
numa pluma mantélica, com cerca de 3000 km de profundidade. Durante este episódio de
vulcanismo ativo, teriam sido derramados mais de 1,6 milhões de quilômetros cúbicos de
lava. Hoje, a região cobre 337 000 km
2
da superfície da Terra. A descoberta de rochas
adequadas para efetuar a datação não foi uma tarefa fácil: as amostras estudadas
deveriam ter permanecido inalteradas desde o momento em que se formaram, há cerca de
248 milhões de anos.
Mais recentemente, em 2001, Robert Poreda, juntamente com outros investigadores,
apresentou evidências de que um meteorito embateu na Terra há cerca de 251 milhões de
anos atrás, provocando alterações climáticas e desencadeando uma atividade vulcânica
maciça.
18.1. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente,
os espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
O processo utilizado por Renne e Basu para datar as rochas do planalto
da Sibéria designa-se por datação ______ . A aplicação desta técnica a um
clasto de uma rocha sedimentar permite determinar a idade _____ .
(A) relativa [...] da rocha sedimentar
(B) relativa [...] da rocha-mãe do clasto
(C) radiométrica [...] da rocha-mãe do clasto
(D) radiométrica [...] da rocha sedimentar

18.2. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
A atividade vulcânica que originou o planalto na Sibéria teve um caráter
essencialmente _____ e esteve associada a lavas com ________ teor em
sílica.
(A) explosivo [...] elevado
(B) explosivo [...] baixo
(C) efusivo [...] elevado
(D) efusivo [...] baixo

31
18.3. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter afirmações corretas.
As rochas que constituem, maioritariamente, a crosta continental têm uma
densidade média _____ à das rochas vulcânicas que constituem o planalto
da Sibéria. Assim, é de prever que, na região do planalto da Sibéria, os valo
res da aceleração gravítica sejam ____ relativamente às zonas envolventes.
(A) superior [...] superiores
(B) superior [...] inferiores
(C) inferior [...] superiores
(D) inferior [...] inferiores

19. O conhecimento da história de um vulcão e a análise da sua atividade remanescente
fornecem dados importantes que permitem prever, com um certo grau de certeza, uma
erupção. Tais dados não permitem, contudo, calcular a duração nem a violência com que
essa erupção poderá ocorrer.
A 3 de junho de 1991, o vulcão do monte Unzen, no Japão, em repouso há 200 anos, entrou
em erupção.
Uma explosão lançou uma enorme nuvem ardente que causou a morte de 57 pessoas e
calcinou tudo à sua passagem.
Quinze dias antes da erupção mortífera de 3 de junho, mais de mil pessoas, que viviam na
encosta de Unzen, foram retiradas, face à ameaça das correntes de lama que se formaram,
permanentemente, desde que as cinzas vulcânicas, acumuladas nas vertentes instáveis,
foram mobilizadas por chuvas intensas. Na verdade, o vulcão Unzen não entrou em
atividade em junho de 1991, entrou antes, a 17 de novembro de 1990. Esta erupção foi
anunciada por uma atividade sísmica reconhecida como anormal, desde o mês de julho de
1990.




Figura 6 - Contexto geológico do monte Unzen, no Japão
32
19.1. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
A atividade vulcânica que ocorreu em Unzen, em 1991, foi sustentada por um
magma
(A) ácido, rico em gases, originando uma erupção efusiva.
(B) básico, pobre em sílica, capaz de originar dornas.
(C) com elevadas temperaturas, formando rios de lava.
(D) rico em sílica, originando uma lava viscosa.

19.2. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
O monte de Unzen, no Japão, situa-se numa zona tectónica onde
(A) a crosta continental sofre subducção sob a crosta oceânica.
(B) atuam forças características de um limite convergente.
(C) existe um rifte que origina crosta oceânica nova.
(D) se fazem sentir tensões desenvolvidas em limites conservativos.

20. O vulcão Tambora situa-se, em contexto de subdução, na Indonésia. Em 1815, a erupção
deste vulcão teve um grande impacto no clima terrestre, tendo o ano de 1816 ficado
conhecido como o «ano sem verão». Atualmente, porém, sabe-se que as cinzas vulcânicas
têm um papel negligenciável no arrefecimento da superfície terrestre, uma vez que não
permanecem na atmosfera tempo suficiente para bloquear a radiação solar. No caso do
Tambora, o magma que alimentou a erupção era muito rico em enxofre, tendo sido
ejetadas cerca de 85 milhões de toneladas de dióxido de enxofre (S0
2
) para a atmosfera.
Na estratosfera, o dióxido de enxofre e o vapor de água ejetados produzem ácido
sulfúrico (H
2
S0
4
), que forma uma nuvem de partículas submicroscópicas (aerossol) que
permanece na estratosfera durante alguns anos, absorvendo parte da radiação solar. A
produção de dióxido de enxofre de origem antropogênica atinge 130 milhões de toneladas
anuais, mas tanto os gases emitidos pelas fontes antropogénicas, como os gases
emitidos pelas pequenas erupções permanecem na troposfera.
A Figura 7 ilustra a emissão de materiais para a estratosfera e para a troposfera.
Baseado em Mathez, E.A. e Webster, J.D., The Earth Machine: The science of a dynamic planet, Columbia, 2004
Figura 7











Figura baseada em Hay, W.W., «Tectonics and Climate», Geol. Rundsch., vol. 85, 1996
33
20.1. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta. Em
1815, a erupção do vulcão Tambora foi essencialmente
(A) efusiva, característica de lavas pobres em sílica.
(B) efusiva, característica de lavas ricas em sílica.
(C) explosiva, característica de lavas pobres em sílica.
(D) explosiva, característica de lavas ricas em sílica.

20.2. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
A atividade vulcânica que ocorreu em Tambora foi
(A) sustentada por um magma com baixa percentagem de elementos voláteis.
(B) conseqüência da movimentação horizontal de duas placas litosféricas em
limites conservativos.
(C) sustentada por um magma que resultou da fusão de materiais na presença de
água.
(D) conseqüência da divergência de duas placas de diferente densidade.

20.3. Explique a razão de apenas grandes erupções vulcânicas, como a que se
verificou em Tambora, poderem causar períodos de arrefecimento global.

21. Os Açores situam-se num quadro tectónico original, que confere a essas ilhas uma
geodinâmica muito ativa, nomeadamente no que se refere ao vulcanismo e à
sismicidade. Não parece haver uma estrutura tectónica única e bem definida entre a
Placa Euro-Asiática e a Placa Africana na região dos Açores, mas antes uma larga
faixa de acomodação das tensões entre estas duas placas. A Figura 8 (A e B)
representa, respetivamente, a localização do plateau (plataforma) dos Açores e as
principais características tectónicas da região.
Figura 8




34
21.1. Classifique como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das afirmações
seguintes, relativas ao contexto geotectónico do Arquipélago dos Açores.
(A) O rifte da Terceira prolonga-se, a sudeste, pela falha de Açores-Gibraltar.
(B) As ilhas das Flores e do Corvo estão a deslocar-se para oeste.
(C) As fronteiras do plateau dos Açores apresentam o mesmo tipo de limites.
(D) É possível que a ilha Terceira venha a dividir-se em duas ilhas distintas.
(E) O rifte da CMA resulta da atuação de forças predominantemente com-
pressivas.
(F) No limite oeste do plateau dos Açores ocorre subducção da Placa
Americana.
(G) De acordo com a sua posição relativamente à CMA, Santa Maria é a
ilha mais antiga do arquipélago.
(H) É de esperar que a distância entre as Flores e o Pico se mantenha.

21.2. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
As ilhas do Corvo e das Flores são tectonicamente menos ativas do que as restantes
ilhas, porque
(A) apresentam uma origem distinta destas.
(B) se encontram sob a ação de falhas de origem tectónica.
(C) estão mais próximas da Crista Médio-Atlântica.
(D) se localizam no interior da Placa Norte-Americana.

21.3. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, sequencialmente, os
espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
Em algumas ilhas do Arquipélago dos Açores, fontes termais e fumarolas
constituem manifestações de vulcanismo ______ , que estão relacionadas
com os _____ valores de grau geotérmico verificados na região.
(A) residual [...] baixos
(B) eruptivo [...] elevados
(C) residual [...] elevados
(D) eruptivo [...] baixos

22. A ilha de Santa Maria situa-se na extremidade sudeste da plataforma do arquipélago dos
Açores, incluída no grupo oriental, como se representa na Figura 9A. No mapa orográfico da
ilha, esquematizado na Figura 9B, destaca-se a presença de uma serra, localizada na parte
central, constituída por uma cadeia de picos que culminam no Pico Alto.
Em virtude do forte levantamento sofrido pela ilha desde finais do Pliocénico, apro-
ximadamente há 2 milhões de anos, Santa Maria é a única ilha dos Açores onde se
encontram expostas importantes seqüências estratigráficas de rochas sedimen-tares,
freqüentemente fossilíferas, intercaladas nas séries vulcânicas, como se representa na
Figura 9C.
A ilha, de natureza vulcânica, emergiu no Miocénico, há aproximadamente 10 a 8 milhões
35
de anos. A atividade vulcânica estendeu-se até ao Pliocénico, com fases alternadamente
subaéreas e submarinas, efusivas e explosivas, e terá parado após os episódios em que
grandes quantidades de piroclastos (lapilli e cinzas) foram expelidas por três pequenos
cones vulcânicos, localizados no centro da ilha. Estes materiais de projeção estão
transformados em campos de argilas vermelhas, tendo ocorrido esta alteração num
paleoclima mais quente e húmido do que o atual.
Texto elaborado com base em V International Workshop, Palaeontology in Atlantic Islands, Santa Maria, 2008

Figura 9C – Secção estratigráfica em Pedreira do Campo, na ilha de Santa Maria

Kirby et ai., Neogene of Santa Maria Island, 2007 (adaptado)

Figura 9B - Mapa orográfico da ilha de Santa Maria

Nunes et ai., Os Açores, Ilhas de Geodiversidade, 2003

22.1. Selecione a única opção que permite obter uma afirmação correta.
O enquadramento tectónico da ilha de Santa Maria, representado na Figura 9A, permite
inferir que
(A) a sua localização, a sudeste da plataforma do arquipélago, a torna numa ilha
assísmica.
(B) na zona do Pico Alto, no centro da ilha, continua a construir-se nova crosta
oceânica.
(C) as rochas com conteúdo fossilífero são contemporâneas dos períodos de atividade
vulcânica efusiva.
(D) a atividade vulcânica parou, devido ao seu afastamento do rifte da Terceira e do rifte
médio-atlântico.

36
22.2. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, seqüen
cialmente, os espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
A atividade vulcânica da ilha de Santa Maria terá parado após episódios de
vulcanismo _____ , tendo a argila vermelha resultado da ______ dos mate
riais de origem vulcânica.
(A) explosivo [...] meteorização
(B) efusivo [...] meteorização
(C) explosivo [...] erosão
(D) efusivo [...] erosão

22.3. Selecione a única opção que contém os termos que preenchem, seqüen
cialmente, os espaços seguintes, de modo a obter uma afirmação correta.
Do corte estratigráfico representado na Figura 9C, pode inferir-se que o
Complexo do Facho resultou de uma atividade vulcânica ______ , correspon
dendo a uma unidade mais _____ do que o Complexo do Touril.
(A) subaérea [...] antiga
(B) submarina [...] recente
(C) submarina [...] antiga
(D) subaérea [...] recente


37
Tema I - A GEOLOGIA, OS GEÓLOGOS E OS SEUS MÉTODOS
1. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• em ambiente aquático (hidrosfera), os primeiros seres fotossintéticos libertaram oxigênio;
• o oxigênio libertado acumulou-se na atmosfera, permitindo a formação da camada de ozono;
• uma vez que a camada de ozono filtra as radiações ultravioleta, nocivas à vida, os seres
vivos puderam, então, colonizar o meio terrestre.
2. A,D,E,C,B.
3. (A)
4. (A)
5. Verdadeiras - A, B, E, F, H. Falsas - C, D, G.

6.1. A.
6.2. B.
6.3. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• o contacto com o gelo conduz a um abaixamento de temperatura das águas
oceânicas (hidrosfera);
• a baixa temperatura das águas aumenta a quantidade de oxigênio dissolvido, o
que contribui para a maior concentração de seres vivos (biosfera) nessas zonas.


Tema II - ATERRA, UM PLANETA MUITO ESPECIAL
1.1. (D)
1.2. (C)
2. D, A, E, C, B.
3- (C)
4. (A)
5. (A)
38
6. (B)
7. (A)
8. (C)
9. (A)
10. (A)

11.1. Verdadeiras - A, D, E, G, H. Falsas - B, C, F.
11.2. Afirmações a favor - A; D; F; G. Afirmações não conclusivas - B; C; E; H.

12. Verdadeiras - A; C; E; H. Falsas - B; D; F; G.
13. (a) - (III); (b) - (I); (c) - (VIII); (d) - (VII); (e) - (II).
14. (a) - (8); (b) - (5); (c) - (1); (d) - (6); (e) - (4).
15. (A)
16. [A], F, D, E, C, B, G.
17. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• de acordo com a Hipótese Nebular, todos os astros que compõem o Sistema Solar ter-
se-ão formado na mesma altura, a partir dos mesmos materiais e pelos mesmos
processos;
• os asteroides são pequenos corpos do Sistema Solar, que se terão formado muito cedo
na história do mesmo e que não terão sido objeto de alterações posteriores, para além
das que decorrem do impacto de meteoritos;
• a ausência de atividade geológica em asteroides, logo após a sua formação, permitiu
preservar as características primitivas dos astros do Sistema Solar.
18. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• de acordo com a hipótese nebular, os planetas do sistema solar ter-se-ão formado a
partir de uma nébula em rotação;
• durante a acreção, os materiais mais densos ter-se-ão aglutinado próximo do centro de
massa da nébula, originando os planetas rochosos; o inverso terá ocorrido com materiais
menos densos, que originaram os planetas gasosos.
39
19. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• a ausência de atmosfera e de hidrosfera na Lua faz com que não haja uma erosão
significativa da superfície lunar, preservando-se as crateras de impacto antigas;
• como a Lua é um planeta geologicamente morto, a ausência de atividade vulcâ-
nica/atividade geológica interna não renova a superfície e mantém as crateras de
impacto desde a sua formação.
20. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• O desenvolvimento sustentável impõe que os recursos existentes sejam geridos de tal
forma que o seu consumo no presente não comprometa a sua utilização pelas gerações
futuras.
• As novas tecnologias/utilização de satélites possibilitam um melhor conhecimento dos
recursos naturais, permitindo uma melhor gestão/aproveitamento dos mesmos,
contribuindo assim para um desenvolvimento sustentável.
21.1. (B)
21.2. (C)
21.3. (C)
21.4. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• na atualidade, não são conhecidas na Terra rochas originadas durante a sua
formação;
• em resultado da colisão da sonda Impactor, ocorreu libertação de fragmentos do
cometa, que pode ser contemporâneo da formação da Terra.
OU
• a Terra sofreu diferenciação/alteração desde a sua formação (e não se conhecem
materiais rochosos anteriores a este processo);
• em resultado da colisão da sonda Impactor, ocorreu libertação de fragmentos do
cometa, que, provavelmente, não terá sofrido diferenciação.
22.1. (B)
22.2. (C)
22.3. (B)
22.4. (D)
23. (B)
24.1. (B)
24.2. (C)
24.3. Verdadeiras - (A), (B), (C). Falsa - (D).
24.4. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• no passado, a queda de meteoritos e a perda de gases menos densos eram
40
fenômenos que ocorriam em quantidades significativas;
• atualmente, embora a queda de meteoritos e a perda de gases ocorram, o seu
significado é menor, relativamente à massa total do planeta;
• sistema aberto no passado, hoje o planeta é considerado sistema fechado, uma vez
que se considera que só a troca de energia é significativa.

25.1. (B)
25.2. (C)
25.3. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• a Lua é um planeta internamente inativo, enquanto a Terra é um planeta internamente
ativo;
• sem atividade interna, a crosta lunar não é renovada há muitos milhares de milhões de
anos, e, por isso, as rochas da sua superfície são muito antigas;
• na Terra, a constante formação da crosta, ao nível dos riftes, e a sua destruição, ao
nível das zonas de subdução, renovam as rochas, pelo que elas apresentam uma
idade muito inferior à das rochas lunares.
26.1. (C)
26.2. (A)
26.3. (B)
26.4. (D)
26.5. (B)
26.6. (C)
26.7. C,A, E, B, D.
26.8. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• a existência de água na Lua pode vir a possibilitar o fabrico de células de combustível
a partir do hidrogênio da água / a obtenção de energia a partir do hidrogênio presente
na água / a obtenção de energia através da eletró-lise da água;
• a diferença de valor da gravidade da Terra e da Lua (menor na Lua do que na Terra)
permite o menor consumo de combustível na exploração espacial a partir de bases
lunares.

27.1. C)
27.2. (D)
27.3. (D)
27.4. E, C, D, B, A.
27.5. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• a espécie Callitriche stagnalis tem a capacidade de acumular quantidades
41
relativamente elevadas de urânio;
• a diminuição da concentração/quantidade de urânio na água permite a melhoria
das condições ambientais.
28. (A)
29.1. (C)
29.2. (B)
29.3. (A)
29.4. B,D,C,A,E.
29.5. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• a face oculta da Lua apresenta evidências de impacto meteorítico mais intenso do
que a face visível;
• a maior dimensão da Terra provoca um efeito de escudo protetor relativamente à
face visível da Lua;
• como os períodos de translação e rotação da Lua são iguais, esta apresenta
sempre a mesma face voltada para a Terra.

Tema III - COMPREENDER A ESTRUTURA E A
DINÂMICA DA GEOSFERA
1.1. (B)
1.2. (C)
2.1. (B)
3. (D)
4.1. (C)
4.2. (A)
4.3. (B)

5.1. Argumento verdadeiro - B; C; G. Argumento falso - A; D; E; F; H.
5.2. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• a existência de anomalias gravimétricas positivas em zonas oceânicas comprova a
ocorrência, nessas regiões, de materiais mais densos do que os que constituem
os continentes;
42
• o abatimento das pontes continentais levaria à ocorrência de grandes massas de
rochas pouco densas/anomalias gravimétricas distintas nas regiões do fundo dos
oceanos onde presumivelmente aquelas se localizariam - o que não se verifica,
contrariando a hipótese das pontes continentais.
5.3. (C)
6. (A)
7. (A)
8. (A)
9. (C)
10. (a) - 4; (b) - 3; (c) - 8; (d) - 1; (e) - 7.
11. (a) - 7; (b) - 2; (c) - 4; (d) - 8; (e) - 6.
12. (a) - 5; (b) - 3; (c) - 6; (d) - 7; (e) - 8.
13. (a) - 1; (b) - 4; (c) - 5; (d) - 3; (e) - 6.
14. (a) - (VI); (b) - (II); (c) - (VIII); (d) - (V); (e) - (III).

15.1. (B)
15.2. (D)
15.3. A resposta deve abordar três dos seguintes tópicos:
• a existência de vulcanismo ativo torna a energia geotérmica acessível ao Homem,
possibilitando o seu aproveitamento.
• as cinzas de origem vulcânica depositam-se nos solos, tornando-os mais j
produtivos para a agricultura.
• associados ao vulcanismo, podem formar-se depósitos minerais passíveis de
extração para fins diversos.
• as paisagens vulcânicas podem contribuir para o desenvolvimento econômico das
respetivas regiões, por serem uma atração turística.
16. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• num episódio efusivo, ocorre a formação de escoadas de lava, que fluem lentamente a
partir das chaminés, possibilitando a evacuação atempada das popula-l ções/o controlo
da direção do fluxo;
43
• quando, no decurso de uma erupção de caráter explosivo, ocorre a formação de nuvens
ardentes, estas deslocam-se a uma velocidade muito grande, de forma não controlável;

• quando se formam nuvens ardentes, a possibilidade de ocorrência de perturbações que
alterem o estado de segurança das populações é significativamente maior do que
quando as erupções consistem fundamentalmente em escoadas.
17. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• quando o magma, localizado na câmara magmática, se movimenta a caminho da
superfície, provoca sismos vulcânicos;
• o aumento da freqüência e da intensidade dos sismos, na região de um vulcão inativo,
alerta para a possibilidade de ocorrer uma nova erupção;
• a previsão de que a nova erupção está prestes a ocorrer permite retirar a população da
região, evitando a perda de vidas humanas.
18.1. (C)
18.2. (D)
18.3. (C)
19.1. (D)
19.2. (B)
20.1. (D)
20.2. (C)
20.3 A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• durante as grandes erupções vulcânicas há emissão de grandes quantidades de
S0
2
para a estratosfera, formando-se aerossóis de ácido sulfúrico;
• esses aerossóis vão-se acumulando e permanecem durante alguns anos na
estratosfera, o que provoca a diminuição da radiação solar que atinge a superfície
terrestre; deste modo, verifica-se uma diminuição da temperatura. Nota: O ácido
sulfúrico formado a nível da troposfera é arrastado pela água da chuva, não forma
aerossóis, mas contribui para a acidificação da água meteórica (contribui para a
formação de chuvas ácidas).

21.1. Verdadeiras - A; B; D; G. Falsas - C; E; F; H.
21.2. (D)
21.3. (A)
22.1. (D)
22.2. (A)
22.3. (B)

44
23. (C)
24. (B)

25. (C)
26. (B)
27. Hipocentro/foco sísmico.
28.1. (C)
28.2. (A)
28.3. (D)

29.1. (D)
29.2. (C)
30. (a) - 2; (b) - 4; (c) - 3; (d) - 7; (e) - 6.
31. (a) - (VIII); (b) - (II); (c) - (IV); (d) - (I); (e) - (VII).

32. C, D, A, E, B.
33. [A], D, E, F, C, B.
34. D, A, C, E, B.

35.1. (B)
35.2. (A)
36.1. (A)
36.2. (B)
36.3. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• a colisão que ocorre entre as placas Indiana e Euro-Asiática gera tensões que se
acumulam/deformam os materiais rochosos.
45
• quando os limites de resistência dos materiais são ultrapassados, a energia é
libertada subitamente e ocorrem sismos.
37.1. (C)
37.2. (C)
38.1. Verdadeiras - C; D; F; G; H. Falsas - A; B; E.
38.2. (A)
38.3. (B)
38.4. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• a idade das rochas aumenta com o aumento da distância relativamente ao rifte.
• a origem das rochas junto ao rifte e o seu posterior afastamento constituem uma
evidência a favor da mobilidade da litosfera nos fundos oceânicos.

39. (D)
40.1. (C)
40.2. (B)
40.3. (D)
40.4. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• nas zonas mais afastadas das dorsais, o fluxo térmico é menor, o que evidencia o
arrefecimento das rochas;
• a diminuição da temperatura faz com que os materiais rochosos se contraiam,
aumentando a sua densidade;
• deste modo, ocorre aumento da subsidência/do afundamento da litosfera
oceânica na astenosfera, aumentando a profundidade do oceano.
40.5. (A)
41. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• o gradiente geotermico traduz a variação da temperatura com a profundidade. Se o
gradiente é elevado, então a temperatura aumenta rapidamente com a profundidade;
• nas zonas de dorsais oceânicas ocorre ascensão de materiais mantelicos, a elevada
temperatura, o que conduz a um aumento da temperatura nessa zona, logo, a um
elevado gradiente geotermico.
42. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• uma das fontes de calor interno da Terra é o decaimento radioativo, ou seja, o
decaimento radioativo dos materiais do interior da Terra liberta energia/calor;
• com o aumento de temperatura, os materiais tornam-se menos densos e ascendem; junto
à superfície, os materiais vão arrefecendo, tornam-se mais densos e ocorrem movimentos
46
descendentes. Esta movimentação dos materiais do interior da Terra, devida a diferenças
de temperatura, corresponde às correntes de convecção.

43.1. (B)
43.2. (C)
43.3. (A)
43.4. (A)
43.5. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• o arquipélago teve origem numa coluna fixa de magma/pluma térmica;
• a ocidente do arquipélago existe um limite divergente responsável pelo movimento da
placa africana para oriente, afastando as ilhas do seu ponto de origem.
44.1. (B)
44.2. (C)
44.3. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• a região central do arco insular corresponde a um limite de convergência de placas,
ocorrendo subdução de uma delas;
• o contacto entre as duas placas ocorre ao longo de diferentes profundidades,
acumulando tensões, que geram sismos em diferentes locais de contacto.
45.1. (C)
45.2. (C)
45.3. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• as fontes termais localizam-se em zonas de alta temperatura/próximas do rifte,
permitindo que a energia geotérmica/o calor do interior da Terra possa ser aproveitado
para a produção de energia elétrica/aquecimento;
• sendo a energia geotérmica uma fonte de energia renovável, a sua utilização reduz o
recurso a fontes de energia não renováveis, contribuindo para um desenvolvimento
sustentável.
OU
• sendo a energia geotérmica uma fonte de energia limpa, a sua utilização
reduz os efeitos da poluição, contribuindo para um desenvolvimento sus
tentável.
46.1. (B)
46.2. (C)
46.3. (D)
46.4. (A)
47
46.5. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• a Escala de Mercalli Modificada baseia-se nos efeitos causados pelo sismo em cada
local;
• a intensidade, por ser um parâmetro apropriado para descrever os efeitos causados, é
muitas vezes utilizada pelas entidades para dar uma noção mais exata do impacto do
sismo sobre a população.
47.1. Verdadeiras - A; B; D; F; H. Falsas - C; E; G.
47.2. (C)
47.3. (C)
47.4. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• a magnitude regista apenas um valor, uma vez que se refere à energia libertada no
foco/hipocentro;
• a intensidade varia com a distância ao epicentro, com o tipo de construção e com os
materiais rochosos atravessados, traduzindo o grau de destruição causado/os efeitos
causados pelo sismo em cada local onde foi sentido.
48.1. Verdadeiras - A; B; E; H. Falsas - C; D; F; G.
48.2. A, D, B, C, E.

49.1. (C)
49.2. (B)
49.3. (A)
49.4. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• as tensões tectónicas provocam acumulação de tensão nas rochas, junto à falha /
no plano de falha;
• quando é ultrapassado o limite de resistência da zona de falha ocorre o movimento
dos blocos.
OU
• quando é ultrapassado o limite de elasticidade ocorre a rotura da rocha;
• o ressalto / a movimentação brusca dos blocos provoca a libertação de energia
sob a forma de ondas sísmicas.
50.1. (A)
50.2. (B)
50.3. (D)
50.4. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• uma vez que a erupção teve um caracter explosivo será de esperar um elevado
48
teor em gases da lava resultante;
• uma vez que a erupção teve um caracter explosivo será de esperar uma baixa
fluidez/elevada viscosidade da lava resultante.
51. (A)
52. (B)
53. (C)
54. (C)
55. (C)

56. (C)
57. Verdadeiras - A; B; D. Falsa - C.
58. (a) - (II); (b) - (V); (c) - (IV); (d) - (I); (e) - (VII).
59. (a) - (IV); (b) - (VI); (c) - (III); (d) - (VII); (e) - (II).
60. (a) - 7; (b) - 1; (c) - 6; (d) - 8; (e) - 2.
61. (a) - 3; (b) - 7; (c) - 5; (d) - 2; (e) - 1.
62. (a) - 4; (b) - 3; (c) - 8; (d) - 7; (e) - 6.
63. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• os sismos de origem vulcânica são provocados pela movimentação do magma;
• o aumento da freqüência e/ou magnitude dos sismos, num determinado período de
tempo, poderá possibilitar a previsão de novas erupções.
64.1. (A)
64.2. (B)
64.3. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• a 1400 km verifica-se um aumento da densidade dos materiais, relacionada com o
enriquecimento em minerais metálicos/ferro no núcleo externo;
49
• a essa profundidade verifica-se uma diminuição da velocidade de propagação das
ondas S, relacionada com uma diferença do estado físico/diminuição da rigidez dos
materiais das duas camadas.
64.4. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:
• quando as ondas P atravessam meios de estado físico diferente/menos rígidos,
ocorrem mudança de direção/reflexão/refração destas ondas;
• deste modo há determinadas zonas da superfície terrestre onde não são
registadas ondas P.

65.1. (C)
65.2. (B)
65.3. (D)
65.4. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

• as erupções vulcânicas explosivas emitem, geralmente, grande quantidade de gases e
de cinzas pelos aparelhos vulcânicos;
• a camada de gases e de cinzas que se forma dificulta a penetração da radiação solar,
o que conduz à diminuição da temperatura do planeta.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful