Você está na página 1de 1

A seta e o alvo (1)

Paulinho Moska

Eu falo de amor vida
Voc, de medo da morte
Eu falo da fora do acaso
E voc, de azar ou sorte

Eu ando num labirinto
E voc numa estrada em linha reta
Te chamo pra festa
Mas voc s quer atingir sua meta

Sua meta
a seta no alvo
Mas o alvo, na certa, no te espera

Eu olho pro infinito
E voc de culos escuros
Eu digo: "te amo"
E voc s acredita quando eu juro

Eu lano minha alma no espao
Voc pisa os ps na terra
Eu experimento o futuro
E voc s lamenta no ser o que era

E o que era?
Era a seta no alvo
Mas o alvo, na certa, no te espera

Eu grito por liberdade
Voc deixa a porta se fechar
Eu quero saber a verdade
E voc se preocupa em no se machucar

Eu corro todos os riscos
Voc diz que no tem mais vontade
Eu me ofereo inteiro
E voc se satisfaz com metade

a meta de uma seta no alvo
Mas o alvo, na certa, no te espera
Ento me diz qual a graa
De j saber o fim da estrada
Quando se parte rumo ao nada?

Sempre a meta de uma seta no alvo
Mas o alvo, na certa, no te espera
Ento me diz qual a graa
De j saber o fim da estrada
Quando se parte rumo ao nada?



Soneto de separao (2)
Vinicius de Moraes

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a ltima chama
E da paixo fez-se o pressentimento
E do momento imvel fez-se o drama.

De repente, no mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo prximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, no mais que de repente.

ATIVIDADES (1,0)
1. No texto 1, as antteses servem para descrever
o contraste entre o eu-lrico e a pessoa a quem se
dirige. A partir do texto, d as caractersticas mais
fortes das duas personagens.

2. No texto 2, h o uso de anttese ou paradoxo
para expressar a dor da separao? D um
exemplo.

3. Observe os versos:
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a ltima chama

Pelo contexto do poema, pode-se dizer que as
palavras vento e chama podem metaforizar
respectivamente:
a) A solido; a esperana.
b) A passagem do tempo; a paixo.
c) A tranquilidade; a solido.
d) A paixo; a passagem do tempo.
e) A esperana; a tranquilidade.