P. 1
Observação de aulas

Observação de aulas

4.4

|Views: 4.382|Likes:
Publicado porramiromarques

More info:

Published by: ramiromarques on Mar 12, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/30/2013

pdf

text

original

Observação de aulas: uma prática comum no tempo de Salazar Texto de Anabela Magalhães Aqui deixo, para consulta, um extracto

do livro de João Barroso, onde é dada a palavra aos reitores do Estado Novo, sobre o modelo fascista de observação de aulas que foi posto em prática aquando da ditadura, e que foi criticado pelas próprias pessoas que fazem parte da engrenagem, que fazem parte do sistema implementado por Salazar. Preocupa-me sobremaneira a recuperação e a repetição de modelos já experimentados sem êxito. Preocupa-me que voltemos ao mesmo, ainda para mais pela mão de um governo dito de socialista. Preocupa-me a recuperação de modelos tentados e abandonados devido às suas graves lacunas e fracassos a que conduziram. A assistência às aulas constitui uma das atribuições expressas do reitor e vice-reitor previstas no artigo 18, alínea r) e artigo 20 , alínea d) do Estatuto de 1947, bem como do director de ciclo, na nova versão do artigo 23 do Estatuto de 1947, aprovada pelo decreto 38 812 de 2 de Julho de 1952. Enquanto que no caso do reitor e vicereitor a formulação legal estabelecia que deviam "assistir com frequência a aulas e sessões, bem como aos restantes trabalhos escolares, intervindo neles se necessário for", no caso do director do ciclo definia-se que ele devia "assistir frequentemente às aulas do ciclo, de forma a verificar a disciplina académica, o método seguido nas lições e a maneira como são cumpridas as instruções superiores." Apesar da insistência da legislação nesta modalidade de coordenação baseada no controlo pessoal das "autoridades escolares" (relatório do Liceu de Braga, 1951-52), ela é objecto de alguma controvérsia e mesmo crítica, por parte de vários reitores e directores de ciclo. (...) A referência dos reitores às visitas às aulas era feita, nos relatórios, de três modos diferentes (...): - De uma maneira vaga, assinalando só que a medida foi cumprida: "O reitor e o vice-reitor assistiram a aulas ou sessões quando lhes deixaram tempo livre as suas demais obrigações lectivas e administrativas". (Relatório do Liceu D. João de Castro, Lisboa, 194950). - Contabilizando com pormenor o número de aulas assistidas: "Os directores de ciclo, como é fácil verificar pelos relatórios que escreveram e pelo que o reitor observou, esforçaram-se sempre por coordenar o ensino dentro de cada ciclo, por meio de visita a aulas, por meio do exame dos livros de ponto e dos cadernos diários e por meio, principalmente, dos conselhos de ciclo. O director do 1º ciclo fez 20 visitas a aulas e sessões; o director do 2º ciclo, 24 visitas; e o reitor 53 visitas." (Relatório do Liceu de Viana do Castelo, 1937-38).

- De maneira crítica: "Esse sistema das visitas às aulas, embora cumprido por ser regulamentar, é sempre feito com desprazer por quem tem de o realizar." (Relatório do Liceu Infanta Dona Maria, Coimbra, 1940-41). (...) Outro elemento importante a reter da análise dos relatórios sobre a coordenação do ensino é a preferência que é dada pelos reitores em geral aos processos informais baseados nas trocas de impressões entre os professores, em particular nos intervalos das aulas. Esta modalidade que não era, como se compreende, prevista na legislação, é, em alguns casos, contraposta às visitas a aulas, como forma mais expedita para realizar o mesmo fim. Dois exemplos (entre outros) ilustram claramente esta posição: - "As visitas às aulas, em que se fundaram tantas esperanças e sobre as quais se construíram alguns castelos de fantasia, mais não são que uma mera ilusão como a experiência tem demonstrado, e a pouco ou nada de proveitoso tem conduzido; fazem-se as visitas, mas reconhece-se que melhores resultados se obtêm da troca diária, hora a hora, de impressões, em conversa, entre professores do mesmo ano, ou do reitor, ou do director de ciclo com eles." (Relatório do Liceu de Santarém, 1942-43). - Ou, como afirma o reitor do Liceu de Leiria: "Porém os factores mais salientes que têm tornado, neste liceu, a coordenação do ensino mais perfeita adentro de cada ano e ciclo, são a concentração quase sempre mantida em cada um deles e o contacto permanente dos professores entre si, durante os intervalos das aulas, nos quais, muitas vezes, os problemas de pedagogia e didáctica, ou ainda o aproveitamento dos alunos, são o principal assunto de conversa." (Relatório do Liceu de Leiria, 1940-41). (...)» João Barroso, Os Liceus, Organização Pedagógica e Administração (1836-1960), I volume, Fundação Calouste Gulbenkian, Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológi

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->