Você está na página 1de 24

Profª Monica Gusmão

mh@atarde.com.br
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM

Função administrativa , cerne das atividades


administrativas, que perpassa todas as fases
do processo administrativo.

 Sistemática
 Contínua
 Integrada à estrutura organizacional
 Motivadora (Troca de pontos de vista e idéias)
 Ligada à cultura e influenciada por ela
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM

Conceito:

“Troca complexa de pensamentos ,


idéias ou informações em , pelo menos ,
dois níveis: verbal e não verbal.
Inicia-se quando uma ou mais pessoas
percebem a presença umas das outras.”
Chitty (2001)
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
Elementos Básicos:
Clima Clima
Interno Externo

Emissor

Escrita

Não Verbal Mensagem


Clima Clima
Verbal Interno Externo

Receptor
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM

Clima Interno:
Mais difícil
Valores, sentimentos , temperamento e
níveis de estresse

Clima Externo:
Mais fácil
Condições atmosféricas,temperatura ,
momento certo , ambiente,status, poder e
autoridade
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM

“Os indivíduos são diferentes e


percebem o seu entorno de maneiras
diversas.”

“Os receptores só podem se


comunicar se a mensagem for
compatível com suas expectativas.”
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM

VARIÁVEIS QUE AFETAM A


COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL:

 Estrutura formal ( hierarquia)


 Número de funcionários
( Comunicações)
 Complexidade e tamanho das
organizações
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
VARIÁVEIS QUE AFETAM A COMUNICAÇÃO
ORGANIZACIONAL:
DIFICULDADES

 Distância Espacial
 Subgrupos ou subculturas diversos
( identidade de valores = lealdade)
 Sistemas de relacionamento
(estrutura de prestígio, estrutura de
amizade,estrutura de status)
 Fluxo e permanente estado de mudança
 Questões de gênero
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM

REDES:

 FORMAIS = acompanham linha de autoridade formal da


estrutura hierárquica da organização
 INFORMAIS = Ocorrem entre pessoas do mesmo nível ou
de níveis diferentes na hierarquia organizacional
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL:

 Conhecimento da estrutura da organização e suas redes


formais e informais de comunicação – “Cuidado com o que
diz”;
 A comunicação não é um canal de mão única “Consultar
áreas envolvidas antes de comunicar”;
 Clara , simples e precisa –” O emissor é responsável por
garantir a compreensão da mensagem”;
 Buscar feedback – Supervisionar a compreensão do
comunicado;
 Usar métodos múltiplos de comunicação;
 Informação e Comunicação são diferentes , mas ,
interdependentes » Não sobrecarregar subordinados de
informações.
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM

 COMUNICAÇÃO = envolve percepção e sentimentos


 INFORMAÇÃO = formais , impessoais e não
influenciadas por valores , emoções , expectativas e
percepções
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
CANAIS DE COMUNICAÇÃO:

 Ascendente =comunicações à um nível hierárquico superior


 Descendente= repasse de informações aos subordinados
 Horizontal =interação entre mesmo nível hierárquico e em
segmentos diferentes
 Diagonal=interação entre grupos diferentes (chefes ,
funcionários de outro segmento)=fundamental para organização e
menos formal
 Parreira = espontânea ,sujeita a erros e distorções, não
respeita padrões hierárquicos.
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
FORMAS DE COMUNICAÇÃO:

 Escrita=mensagens escritas (inclusive eletrônicas)


permitem documentação, porém abertas a várias
interpretações
 Face a face= mensagem oral = rápida, porém tende a
impossibilitar o acesso a muitas pessoas
 Não verbal =expressão facial,movimentos corporais ,
gestos(linguagem corporal) – mais confiável que a
verbal, porém mais sujeitas a interpretações incorretas
 Por telefone= rápida,porém sem registro
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
COMUNICAÇÃO ESCRITA:

 Mais freqüente em grandes organizações,deve ser clara, profissional e compreensível, aperfeiçoada pela
prática.APARÊNCIA E FORMATO TRADUZEM A MENSAGEM E SEU SENTIDO.
Dicas da HealthCare Education Associates(1988):
 Saiba o que quer dizer antes de começar a escrever;
 Envolva as pessoas na sua escrita-Discuta com envolvidos e evite palavras impessoais e abstratas (administração ,
implementação, autorização);
 Use palavras de ação (verbos de ação impactam mais);
 Escreva de forma simples – Use palavras conhecidas , especificas e concretas;
 Use o mínimo possível de palavras;
 Use frases simples e diretas (frases com menos de 20 palavras);
 Dê um rumo ao leitor – indique o ponto de vista;
 Organize o material de forma lógica – aumenta a confiabilidade (Material pode ser organizado de maneira indutiva ou
dedutiva,por ordem de importância,do familiar ao desconhecido,em ordem cronológica,por relação próxima ou
localização física;
 Use parágrafos que conduzam o leitor: 8 a 10 linhas em memorando , 5 a 6 em cartas;
 Conecte seus pensamentos – usar detalhes ,repetição para unir os pensamentos e palavras de transição para mostrar
uma nova idéia;
 Seja claro – pronomes claramente definidos;
 Expresse pensamentos similares de formas similares.
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
COMUNICAÇÃO ESCRITA:

 MEMORANDOS:
Distribuição interna ( ≠ das cartas)
Finalidade: informar , instruir,recomendar ou documentar.
Devem trazer o assunto principal desde o começo;
Conter apenas informações essenciais;
Escritos de forma simples;
Cabeçalhos devem direcionar o leitor às questões específicas.
Peça que outros traduzam o que entenderam antes de encaminhar.
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL EM LOCAL DE TRABALHO MULTICULTURAL:

 Não verbal :
“ Aquilo que vc é fala tão alto que não consigo escutar o que vc diz” (Rocchiccioli e Tilbury,1998,pag.147)
Quando a mensagem verbal e não verbal parecerem incoerentes o receptor acreditará
na não verbal.
Indicadores :
 Espaço
 Ambiente
 Aparência
 Contato visual
 Postura
 Gestos
 Expressão facial
 Momento certo
 Indicadores vocais – tom , volume e inflexão
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
HABILIDADES DE COMUNICAÇÃO VERBAL:

 Passiva – “sofre em silêncio”


 Agressiva – Hostil – Vencer a qualquer custo/auto excelência
 Indiretamente agressiva – Troca verbal limitada com forte
componente agressivo porém de forma passiva
 Passivo agressiva e assertiva – “voz informada que insiste em ser
ouvida”
 HABILIDADE DA ESCUTA
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM

COMPORTAMENTO ASSERTIVO:

“É uma forma de comunicação que permite


às pessoas se expressarem de maneira
franca e apropriada , direta, sem infringir
os direitos dos outros”
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
COMUNICAÇÃO GRUPAL:

Fases:
 Estágio de formação - apresentação e encontro recíproco.
 Estágio de tempestade – momento de competição e tentativa de
estabelecer identidades individuais;
 Estágio de normatização – Fixação de regras e delineamento do
trabalho;
 Estágio de desempenho – realização do trabalho;
 Estágio de fechamento ou término –síntese , expressão de
sentimentos e fechamento.
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
COMUNICAÇÃO GRUPAL:

Papéis nas tarefas em grupo:


 Iniciador- Propõe ou sugere metas ,redefine o problema.
 O que busca informações– estabelece embasamento factual;
 O que oferece informações – oferece opiniões a respeito do que deve ser a visão do grupo;
 O que busca opiniões– busca opiniões que esclareçam ou reflitam o valor das sugestões dos
membros
 Elaborador – oferece exemplos e amplia significados das sugestões dadas e explica como devem
funcionar;
 Coordenador – esclarece e coordena as idéias, sugestões e atividades;
 Orientador – Resume decisões e ações,identifica e questiona pontos de partida na direção das
metas pré determinadas;
 Avaliador – Questiona as conquistas do grupo e compara-as ao padrão;
 Energizador – estimula e provoca o grupo a agir , elevando o nível de suas ações;
 Técnico em procedimentos – facilita a ação do grupo , organizando ambiente;
 Registrador – Registra as atividades e conquistas do grupo.
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
COMUNICAÇÃO GRUPAL:

Papéis na construção e manutenção do grupo:


 Encorajador – Aceita e elogia contribuições, pontos de vista e idéias com
cordialidade e sinceridade
 Harmonizador – Age como mediador , harmonizador e solucionador de
conflitos
 Submisso– submete-se em situações de conflito;
 Promotor– promove comunicação franca e facilita a participação de todos
 Padronizador – Expressa e avalia padrões para avaliar processo do grupo
 Comentador – Registra o processo e oferece feedback ao mesmo
 Seguidor – Aceita as idéias e escuta as discussões e decisões
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
COMUNICAÇÃO GRUPAL:

Papéis individuais dos membros do grupo:


 Agressor – Expressa desaprovação dos valores e sentimentos dos outros com
piadas , ataques verbais ou inveja;
 Bloqueador – Persiste em retomar idéias abandonadas e pontos negativos
 O que busca reonhecimento– Focaliza atenção positiva sobre si mesmo;
 Autoconfessor– Usa o cenário do grupo como um fórum para expressão pessoal
 Playboy- demonstra cinismo , indiferença e faz gracejos pesados , não se
compromete
 Dominador – Tenta controlar e manipular o grupo
 O que busca ajuda – Usa expressões de insegurança e confusão pessoal e
deprecia-se em busca da benevolência dos membros do grupo
 O que alega interesse especial – disfarça preconceitos ou inclinações pessoais ,
falando pelos outros de maneira ostensiva.
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA COMUNICAÇÃO
ORGANIZACIONAL:

“A prática colaborativa envolverá a comunidade de profissionais


eletronicamente conectados , oportunizando uma base mais rica e mais
científica para a prática” ( Richards , 2001,p.6)
 Aumenta o potencial de comunicação
 Fornece novas formas de reunir informações e conhecimento
 Favorece aprendizagem
 Novos paradigmas
 Novas formas de registro e documentação
 Agilidade
COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM
CONFIDENCIALIDADE :

 Obrigatória
 Ética
 Supervisionada e garantida