Você está na página 1de 25

SÉRIE COWBOY CASANOVA 02 –

REACENDENDO A CENTELHA


Disponibilização e Revisão Inicial: Mimi
Revisão Final: Angéllica
Gênero: Hetero / o!bo" / ontempor#neo



Página 2


A última pessoa que Maggie McClure esperava para uma valsa em seu bar era
seu ex-marido, um homem que quebrou seu coração em milhões de pedaços, há cinco
anos, quando o pegou traindo-a !o entanto, quando "hett #ucas aparece e a salva em
uma noite, ela não pode deixar de ter sentimentos antigos começando a
ressurgir $eterminada a ignorar seus encantos, Maggie encontra-se em um cabo de
guerra constante entre o que seu coração dese%a e o que sua mente precisa

Como um dos mais not&rios garotos da música countr', "hett nunca (oi muito em
deixar ir o que ele teve com Maggie, sua dissolução repentina deixou-o perplexo sobre o
que deu errado $epois de uma noite de paixão selvagem, ele pode convenc)-la a
reacender a centelha entre eles*














Página 3



COMENTÁRIOS DA REVISÃO

MIMI

+s ve,es eu curto de montão um livro curto, apesar de ter algumas pontas soltas
como o porqu) ele não a procurou em - anos, (oi um livro gostosinho.


ANGÉLLICA

$e uns tempos prá cá tenho .tentando/ aceitar o que a vida e os livros nos dá 0
111 0 se%a curto gostoso, grande não tão delicinha
Mas as autoras podiam gastar um pouco mais os dedinhos e dar um gosto maior
no enredo 2á valendo3










Página 4


Levou apenas três dias de trabalho para Maggie McClure ganhar dinheiro suficiente e
operar o 4carlet 4addle $ance 5all e 4aloon por um ano inteiro.
É claro que esses três dias foram repleto de cowboys bêbados, brigas, e as meninas em
botas de cowboy de quinhentos dólares, que provavelmente nunca vero a su!eira de uma
arena uma ve" mais.
Mas, essa era a glória da 6ro(essional "odeo "ider7s Association no final de semana em
8ro1en 8ranch. #la trou$e três ve"es o valor do toda a popula%o da cidade de espectadores
por apenas alguns dias, fa"endo com que a economia local disparasse em sua esteira.
&espirando fundo, Maggie valsou para tr's do bar e pegou quatro garrafas longnec(
para a mesa dois, torcendo as tampas fora e !ogando)os em um balde galvani"ado meio cheio
sentado no cho. Mesmo que ela tivesse três gar%onetes e dois barmen que equipavam seus
postos, eles ainda estavam ocupados, o suficiente para ela mesma entrar em a%o.
*+tolado novamente ho!e.* ,eu bartender na lideran%a, -ic(, declarou sobre o rugido
da multido e ao som da banda.
*.ico feli" por isso.* #la disse com uma risada. */alve" depois que tudo isso acabar, eu
levarei um per0odo de f1rias at1 a costa de algum lugar bonito.*
*2ocê3 4ei$ar esse lugar3* #le riu. *5ra, Margaret McClure... 6sso pode ser a coisa
mais engra%ada que eu !' ouvi todo o ano.*
Maggie lan%ou)lhe um sorriso de 7v' para o inferno8 antes de pegar uma bande!a e
entregar as bebidas para sua mesa pretendida.
+ verdade era que -ic( estava uma esp1cie de certo. /oda a sua vida tinha girado em
torno do bar, desde que ela era uma garotinha. 9uando seu pai morreu h' cinco anos, só
fa"ia sentido que ela assumisse, mesmo que isso significasse dei$ar um homem que amava
mais do que qualquer outra coisa para tr's.
#la tinha acabado de tomar a ordem de bebida de outra mesa e estava voltando ao bar,
quando o som da gritaria come%ou. 4e um !eito muito familiari"ada com cowboys bêbados

Página 5

brigando em um s'bado : noite, Maggie sabia que durante finais de semana significava um
grande problema.
Chicoteando em torno de sua cabe%a na dire%o do tumulto, ela rapidamente percebeu
que a cena era to caótica como poderia ter sido. Mesmo a banda fe" uma pausa, esticando o
pesco%o para ver o que estava acontecendo.
4ois homens, um deles com um chap1u de cowboy de palha ainda em cima de sua
cabe%a e um de bon1 de beisebol que tinha sido parcialmente derrubado, estavam indo para
l' dando socos mal colocados um ao outro pela porta da frente. + morena nas pro$imidades
com uma muito curta minissaia !eans para a sua idade, gritava para eles pararem de brigar.
*;an(<* Maggie gritou para seu porteiro, esperando desesperadamente chamar sua
aten%o, antes da luta escalar para uma briga toda = fora. *;an(< Consiga)as parando com
isso<* 9uando ele deu um passo adiante para quebrar os dois homens, o pobre ;an( recebeu
um soco que ele no estava mesmo esperando.
#m dois segundos, a besta de um homem de um metro e noventa e cinco estava frio no
cho.
*4roga<* #la gritou, subindo no bar para tentar obter uma viso melhor. Levantando)
se, pegou na situa%o caótica. +ntes que ela pudesse determinar se ou no ;an( estava bem,
mais três rapa"es tinham unido)se a briga. Maggie se encolheu ao ouvir o som de garrafas de
cerve!a caindo no cho e banquetas virando.
+ multido destruiria o bar se ela no fi"esse algo sobre isso e em breve.
.echando os olhos, tentou pensar sobre o que seu pai faria nesta situa%o
particular. -as duas d1cadas que o tinha assistido e$ecutar o 4carlet 4addle, >im McClure
tinha sofrido in?meras brigas nas instala%@es.
-ada imediatamente lhe veio : mente e se preocupou imensamente. Contando com
at1 três, Maggie abriu as p'lpebras e olhou para ver que o caos tinha parado.
*+h. Meu. 4eus<* Ama das meninas na linha ao lado do bar gritou. *2ocê viu quem
foi que quebrou a luta3*

Página 6

*9uem3* ,uas duas amigas loiras perguntaram em coro estridente.
*&hett Lucas<* #la gritou.
*4e !eito nenhum<* +s meninas responderam, fa"endo Maggie perguntar com irrita%o
se estavam fa"endo isso de propósito. *5 &hett Lucas3*
*,im< #le apenas deu um passo para a direita l', pegou um dos caras, e pu$ou)o para
fora do bar. 4ois de seus seguran%as pegaram os outros. .oi uma loucura< # estupidamente
quente<*
5 cora%o de Maggie afundou. + ?ltima pessoa em todo o universo que ela queria
para salv')la durante uma crise era &hett Lucas.
.rancamente, a ?ltima ve" que tinha visto &hett no tinha ido do !eito que ela
realmente queria isso. #les haviam acabado em um r'pido casamento secreto no tribunal em
-ashville, quando seu pai ligou, anunciando que tinha cBncer terminal. #nquanto ela correu
para casa e cuidar de seu pai morrendo, &hett aparafusou praticamente todas as aspirantes a
co9girl da m?sica country na cidade.
Maggie ainda se lembrava do dia em que pegou o tabloide na mercearia local, fotos
dos papara""i de seu marido saindo com sua companheira de turnê, >essa Merritt, na
capa. Ama hora depois, ela estava sentada no escritório do advogado, apenas em 8ro1en
8ranch, tendo seus documentos de divórcio elaborados.
#les nunca mais se falaram e ela nunca tinha contado a ningu1m al1m de seu
advogado sobre o casamento. Claro, estava ocupada com seu bar e ele tinha estado ocupado
sendo um dos mais quentes bad bo's da m?sica country. Mas, de ve" em quando, a sensa%o
incCmoda de como seria a vida se eles tivessem ficado !untos corro0a Maggie, cora%o e
mente.
Dingando bai$inho, ela cuidadosamente desceu ao largo da bancada de cobre e fe"
seu caminho atrav1s da multido de pessoas para verificar ;an(.
+t1 o momento que chegou ao seu porteiro, um membro da multido !' o tinha
a!udado a levantar. *2ocê est' bem3* #la perguntou, olhando)o de cima a bai$o.

Página 7

*,im.* &espondeu ;an(, um pouco atordoado. *#u sinto muito, Mag. #sse cara me
tirou do nada.*
*#st' tudo bem.* 4isse Maggie com um suspiro. *#u quero que você tome o resto da
noite de folga e v' arran!ar um chec1-out. 6sso foi um inferno de um soco.*
*2ocê tem certe"a3 9uero di"er, isso est' muito ocupado e estou muito bem...* + vo"
de ;an( sumiu.
*2'<* #la e$igiu, balan%ando a cabe%a. *-ic( e eu vamos conseguir isto.*
*-o 1 preciso.* Ama vo" puramente masculina cresceu atr's de ;an(. *2ou ter a
minha equipe de seguran%a assumindo pela noite.*
+ frequência card0aca de Maggie acelerou quando ela notou &hett em p1 na porta do
bar, parecendo to bonito como sempre. Eelo bem mais de um metro e oitenta, ombros largos
afilados at1 uma cintura fina, mostrando os fortes m?sculos de seu torso atrav1s da sua
camisa preta apertada. ,eu cabelo castanho escuro, cortado curto, se escondeu debai$o de um
bon1 de beisebol. #le estava barbeado, seu forte quei$o e l'bios carnudos implorando para
plantar uma trilha de bei!os em sua pele lisa.
&hett lan%ou)lhe um sorriso sedutor. 9uase como uma rea%o autom'tica, o calor
encheu entre as co$as. Dingando mentalmente para permitir que seu corpo respondesse a sua
presen%a, Maggie fe" uma careta. *-o acho que isso 1 realmente necess'rio.*
*Claro que 1.* #le respondeu com um sorriso de covinhas. *,am e >ohn iram vigiar a
porta e verificar 64s para o resto da noite.* 9uase to logo as palavras sa0ram de sua boca, os
homens de &hett estavam de p1 na posi%o.
-o no humor para discutir, Maggie acenou fora na e$presso confusa de
;an(. *,1rio, v'. #st' tudo bem.*
#nquanto ela observava o encolher de ombros do empregado, virando)se e saindo do
bar, ela se perguntou quais eram os motivos de &hett. Eor que vir vê)la agora, especialmente
depois de tantos anos3

Página 8

#les no disseram nada por alguns momentos, um silêncio desconfort'vel
envolvendo)os, enquanto o resto do bar lotado em atividade. .inalmente, &hett conseguiu
esbo%ar um sorriso. *2ocê parece bem, Mags.*
.oi dif0cil para Maggie ignorar o charme de &hett. #le !' foi importante para ela, o
centro de seu mundo, na verdade. #les só tinham sa0do por alguns meses antes de amarrar o
nó de forma aleatória, com sonhos de bebês e cercas brancas nublando seu
!ulgamento. 9uando tudo foi para o sul e o pegou traindo)a, todo o seu mundo tinha
quebrado em peda%os.
Eor mais que ela quisesse reacender a centelha e acolher &hett de volta em sua vida,
Maggie sabia que, se ela permitisse chegar perto de novo, iria acabar mal.
&evirando os olhos, Maggie girou nos calcanhares cobertos de bota e voltou ao
bar. 4epois de cinco anos, que era tudo o que ele lhe conseguiu3 *Considere o seu seguran%a
livre ho!e : noite para a!udar com a porta. Mas, no acho que isso muda alguma coisa.*
*,enti sua falta, tamb1m<* #le a chamou, sua vo" cheia de sarcasmo.
,e &hett Lucas estava na casa, ela certamente ia gastar toda a sua noite ocupada
quanto humanamente poss0vel.
.eli"mente, o resto da noite continuou to movimentada como come%ou, mas sem
uma ?nica briga entre clientes. 9uando a ?ltima chamada chegou, Maggie sorrateiramente
foi no quarto dos fundos e apoiou os p1s sobre a mesa.
#la estava e$austa e pronta em ir para casa. Com alguma sorte, &hett e seus rapa"es
teriam ido pelo tempo que ela saiu para fa"er os livros a pró$ima noite.
5uvir os sons de garrafas sendo descartadas em latas de li$o, vassouras varrendo os
pisos de concreto pintados, e um murm?rio de funcion'rios cuidando dos deveres de
fechamento, ela adormeceu em sua mesa. -a verdade, Maggie nem percebeu que tinha
adormecido, at1 que uma batida na porta de seu escritório a acordou.
*#i, eu estou saindo. 2' para casa e durma um pouco, senhora chefe<* -ic( perguntou
com um sorriso. *5utro grande dia amanh.*

Página 9

Maggie simplesmente sorriu e balan%ou a cabe%a, esquecendo tudo sobre &hett em seu
estado sonolento. Foce!ando, esticou e se levantou. 9uanto mais cedo tivesse as coisas
cuidadas, quanto mais cedo poderia subir as escadas at1 seu apartamento acima do bar e sua
cama quente.
9uando saiu do quarto dos fundos, ela notou &hett em p1 perto da antiga !u(ebo$,
folheando a sele%o dispon0vel. Ama carranca instantBnea propagou em seu rosto. #la
esperava que ele !' tivesse dei$ado.
*2ocê realmente no deveria estar aqui.* Maggie resmungou, indo sobre seus deveres.
*2ocê sabe, em alguns lugares, uma m'quina como esta 1 considerada arcaica.* #le
olhou acima para vê)la encostada no bar. *#les substitu0ram com essas novas engenhocas que
lhe permitem reprodu"ir m?sica a partir de seu telefone celular diretamente para o sistema
de som.*
*Fem, 1 a0 que diferem, &hett. 5nde você gostaria de substituir algo, no minuto a
melhor op%o vem !unto, tenho um apre%o por aquilo que !' 1 meu.* Maggie !ogou seu longo
cabelo loiro no ombro e virou)se de costas para ele, concentrando sua aten%o sobre a
situa%o da prateleira de bebidas.
&hett sorriu e Maggie podia sentir seus olhos sobre ela, enquanto pegava na viso de
seu !eans apertado na parte de tr's. *Eorra, eu senti falta dessa atitude.* 4isse ele,
caminhando para mais perto. *2ocê sempre fe" manter)me no meu p1.*
*Fem, isso foi h' muito tempo atr's. #, se bem me lembro, você constantemente
precisava que eu mantivesse o seu traseiro em cheque.* #la continuou a contar garrafas e
anotar n?meros em seu bloco, nunca uma ve" olhando para &hett.
#le riu. *6sso foi uma coisa boa sobre nós. 2ocê nunca me dei$ava sair com muito.*
Maggie inconscientemente dei$ou escapar um gemido suave, quando &hett estava
atr's dela e come%ou a esfregar ombros com suas mos fortes. Como ficar chateada com o
homem que foi para a forma como as coisas terminaram, no podia dei$ar de aproveitar a
breve massagem, especialmente depois do tipo de noite que tinha acabado de suportar.

Página 10

6mediatamente, ela odiava a si mesma por permitir que ele a tocasse. :;le quebrou o
seu coração3 <ique longe3: seus pensamentos se enfureceram, mas seu corpo ainda reagiu ao
movimento firme de seus dedos atrav1s de seus m?sculos doloridos.
*Minha irm disse que ainda possu0a este lugar.* 4isse ele em vo" bai$a, perto o
suficiente para que ela respirasse o perfume masculino de sua colCnia.
*,im, bem. 5 que posso di"er3 #u tenho trabalhado aqui desde que me
lembro. 9uando meu pai morreu, era apenas uma esp1cie de natural assumir o controle.* ,ua
pele tinha queimado sob o calor do seu toque. #la deu um passo a frente, pondo distBncia
muito necess'ria entre eles. *Mas, você !' sabia disso. Caso contr'rio, no estaria aqui.*
&hett acenou com a cabe%a. *5lha, sei que as coisas no foram e$atamente to bem
entre nós...*
Ama risada incr1dula escapou de sua garganta e ela se virou para encar')lo. *2ocê
com certe"a tem isso direito.* 4isse ela, cru"ando os bra%os sobre o peito.
*5lha, eu...* #le come%ou, os olhos castanhos tornando dif0cil para ela se
concentrar. Falan%ando a cabe%a, ela o interrompeu.
*,1rio, &hett. Eor que est' aqui3* Maggie agarrou. #la sabia que sua paciência estava
fina. /endo)o em torno trou$e de volta memórias que trabalhou duro para reprimir e tinha
medo das ramifica%@es que iria suportar se dei$asse a esperan%a de um futuro poss0vel com
ele.
*>' se passaram cinco anos, Maggie. #u só pensei que talve"...*
*-o<* #la o interrompeu. */enho trabalhado duro em colocar o passado para tr's de
mim. /enho o meu bar. /enho minha vida. ,aia de ambos.*
Mesmo que ela estivesse fa"endo e$igências, a verdade era que no era e$atamente o
que Maggie queria que &hett fi"esse. +ssim, foi e$tremamente surpresa quando ele
caminhou at1 ela e inclinou a boca sobre a dela, perto o suficiente para os seus l'bios
tocarem.

Página 11

*Gtimo. Mas antes de eu fa"er, vou bei!ar o inferno fora de você.* &hett Lucas provou
ser um homem de palavra, bei!ando Maggie com uma for%a que ela nunca poderia ter
esperado. #m ve" de se afastar, dei$ou o corpo se render ao seu toque, e bei!ou)o de volta.
+ fa0sca entre eles reacendeu com ineg'vel pai$o. Maggie colocou os bra%os em volta
de seu pesco%o, enquanto ele avidamente mordiscou o l'bio inferior, fa"endo com que sua
pele formigasse e seu corpo dese!asse mais. Muito mais.
9uando &hett de repente quebrou a cone$o entre eles, sentia)se atordoada.
*#u no quero que qualquer um de nós se machuque de novo. -o 1 por isso que
estou aqui.* #le lhe disse, acariciando)lhe o rosto com a ponta do polegar. *,e você mudar de
ideia, me procure. #starei na cidade por mais alguns dias. +deus, Maggie.* Com isso, &hett
se virou e saiu do seu bar e fora de sua vida mais uma ve".
+tordoada, Maggie no sabia se queria chorar ou derramar uma bebida. #nto, ela fe"
as duas coisas.


+dormecer naquela noite foi dif0cil, especialmente depois de bei!ar &hett mais cedo no
bar. 5 pouco sono que ela teve foi preenchido com imagens de &hett, !ogando em sua mente
como um filme erótico de seu passado !untos. Maggie !ogou e virou para o que pareceram
horas, antes de finalmente levantar)se da cama e fa"er seu caminho at1 o banheiro.

Página 12

Lan%ando o chuveiro para a defini%o de 'gua mais quente poss0vel, se despiu e viu
como vapor encheu a pequena sala. #ntrando no pequeno recinto, soltou um suspiro
profundo quando o calor l0quido derramava para bai$o dos ombros e em toda a sua
estrutura nua.
&hett estava na cidade.
+penas o pensamento era suficiente para provocar arrepios na espinha. .a"ia mais de
um ano, desde que ela sequer pensou em ter rela%@es se$uais com um homem. Mas de
repente e sem aviso, tê)lo to perto e dispon0vel a fe" com teso como o inferno.
+lcan%ando a mo direita para bai$o em sua boceta, Maggie come%ou a acariciar seu
clitóris com c0rculos suaves. Asou a palma da mo livre para amassar a suavidade de seus
seios, estimulando seus mamilos em picos duros e apreciando a sensa%o intensa de seu
próprio toque. #ntre o calor do chuveiro e a memória do bei!o de &hett, no demorou mais
que um mero momento antes que go"asse duro, dei$ando uma onda org'stica lavar sobre ela
como os !atos do chuveiro. 5fegante, preparou)se contra a parede fria de a"ule!o quando o
tremor diminuiu.
4epois de desligar a 'gua, pegou uma toalha e enrolou)a em torno de seu corpo. /o
surpreendente como seu orgasmo tinha acabado, Maggie precisava de mais. ,ecando, ela
ponderou se deveria ou no vê)lo novamente.
4esli"ando sobre uma velha camisa e um par de calcinhas de algodo, sentou)se :
beira da cama. *Eor que diabos &hett est' na cidade, de qualquer maneira3* #la se perguntou
em vo" alta. #le nunca tinha sido um f do rodeio, assim chegando a 8ro1en 8ranch para as
rodadas finais no fa"ia sentido.
Mas, sua irm vivia na cidade. &ebecca havia se mudado para uma antiga fa"enda
perto da rua principal, bem antes de se conhecerem. -a verdade, ela era a ?nica que
apresentou os dois. Maggie ocasionalmente a via na cidade, mas tentou desesperadamente
evit')la. #ra apenas melhor assim.

Página 13

+garrando seu telefone celular fora da mesa de cabeceira, pensou em ligar para a casa
da fa"enda. ,e ele ainda estava aqui, era muito prov'vel que era onde iria ficar. 5lhando
para o relógio, percebeu que !' era depois das quatro horas.
*4ane)se.* #la murmurou, discando o n?mero da memória. *#u no me importo com
quem eu acordar.* #le só tocou duas ve"es antes da vo" familiar de &hett vir em cima da
linha.
*#u no achei que você ligaria.* 4isse ele em vo" bai$a no momento em que a liga%o
foi estabelecida. Maggie poderia di"er que ele estava dormindo.
*Como você sabia que era eu3* Eerguntou ela.
*6dentificador de chamada. +l1m disso, você 1 praticamente a ?nica que iria ligar para
a casa da minha irm no meio da noite, procurando por mim.* &hett fundamentou.
;avia algo de reconfortante em ouvir sua vo", mesmo que uma parte dela ainda o
odiava pelo que tinha acontecido. -ós de emo%o agitaram em sua barriga.
*&hett, eu realmente acho que devemos conversar.*
*#u concordo. 2em at1 aqui3* #le perguntou, parecendo atordoado com o sono
atrav1s da linha telefCnica.
*#u estarei a0 em alguns minutos.* #la prometeu, cansada. #mbora Maggie no tivesse
certe"a se eles realmente acabariam falando ou apenas passando a noite a recuperar o tempo
perdido com os seus corpos, sabia que tinha que ver &hett novamente. # tinha que ser ho!e :
noite.


Página 14


+ antiga fa"enda sentou)se mais de cem hectares de terra. 9uando a irm de &hett
comprou, ela !urou restaur')la de volta : sua antiga glória. #la contratou de"enas de
empreiteiros e especialistas em renova%o, transformando o que antes era um pr1dio
quebrado e espancado em algo grandioso.
9uando a surrada caminhonete de Maggie entrou na garagem de ti!olo pavimentada,
ela no pCde dei$ar de sorrir. 5 lugar parecia um pal'cio completoH muito diferente do que
tinha sido anos atr's, quando o tinha visto pela primeira ve". Cerca de trilho branco esticava
para to longe quanto o olho pode ver, na fronteira com a casa principal e a que separa das
instala%@es equinas, que &ebecca adicionou ao referido imóvel. Am par de celeiros e uma
oficina ficavam para um lado, enquanto a casa principal estava alta com colunas brancas
lindas emitindo puro charme do sul.
,uspirando, decidiu que estava feli" que o sonho de &ebecca havia se tornado
realidade. +gora, só queria saber o que seria ver seu próprio sonho quebrado na carne =
&hett.
-o momento em que havia estacionado e subiu o resto do caminho, ele !' estava do
lado de fora esperando por ela, inclinando)se contra uma das enormes colunas brancas
,tar(. *;ey.* 4isse ele, observando seu movimento mais perto de casa.
Maggie teve a oportunidade de beber na viso dele. #le estava vestindo apenas um
par de cal%as de pi!ama cin"a, dei$ando seu torso musculoso e$posto. #la pensou que sua
temperatura corporal deve subir a mil graus e sentiu sua calcinha molhar com a imagem
mental do corpo atl1tico de &hett pressionado contra o dela. Molhando os l'bios com a
l0ngua, ela se apro$imou e lhe deu um abra%o r'pido. *;ey.*
*Fecca e as crian%as esto no 2exas para a semana.* #$plicou. *#u tenho para mim este
lugar.*
5uvindo que eles estavam so"inhos era tudo que precisava. Maggie no estava no
clima para conversa fiada. #la tinha vindo para ver &hett e ter uma ?ltima noite selvagem,

Página 15

no para reacender o que !' foi, por isso, no perdeu tempo. 6nclinou)se e ro%ou os l'bios nos
dele, acendendo a pai$o e o fogo que ambos tinham sentido antes no bar.
*Aau. 5(ay.* &hett se aninhou em seu pesco%o, suas mos rolando livremente em seu
corpo. *6sso 1 completamente uma mudan%a de atitude de mais cedo, querida.*
*-o fale.* #la respondeu, colocando dois dedos sobre sua boca. &hett no disse nada,
mas deu um sorriso confuso que fe" os !oelhos fracos.
Eraticamente guiando)o da varanda da frente e dentro da casa, ela podia sentir a
umidade em sua calcinha e uma piscina apai$onada de lava ardente entre suas co$as.
*.a%a amor comigo.* #la e$igiu em um suave sussurro, logo que a porta da frente se
fechou atr's deles.
*2ocê est' brincando.*
*#u nunca brinquei sobre se$o quando est'vamos casados. # no estou brincando
sobre isso agora. .oda)me, &hett Lucas, ou assista)me andar de volta para fora da porta.*
&hett no precisava de mais incentivo, quando sua demanda bron"eada ficou clara o
suficiente. #le pegou Maggie em seus bra%os fortes e levou)a atrav1s da antiga casa de
fa"enda para o quarto.
9uando a colocou suavemente sobre a cama antiga com dossel, ela no pCde dei$ar de
notar a maneira como ele a olhou. ,uaves olhos verdes de Maggie trancaram com os marrons
profundos de &hett, enviando arrepios na espinha. 9uaisquer sentimentos antigos para ele
que ela tinha guardado dobrado dentro vieram : tona, e se for%ou para no ser feita com a
emo%o pura.
-o demorou, mas um mero momento para ambos estarem gloriosamente nus =
depois de cinco anos, o tempo e impaciência de Maggie no dei$avam espa%o para a lenta
remo%o, sedutora de roupa que eles tinham e$perimentado no passado. Fotas, !eans, meias)
cal%as, calcinha, cueca bo$ers e um suti, todos tornaram)se descartados de forma aleatória.

Página 16

&hett pressionou seu corpo contra o colcho com o seu torso duro, dei$ando um
rastro de bei!os de seu ombro para bai$o do peito, em toda a sua barriga lisa, e abai$o at1 sua
boceta.
Maggie mordeu o l'bio inferior, quando &hett usou seu !oelho para afastar as
co$as. ,eu toque no era e$cessivamente suave nem avassalador, apenas firme e puramente
masculino de uma forma que acendeu apenas mais um dese!o ardente em algum lugar no
fundo de sua alma.
6nclinando)se para bai$o e beliscando a suavidade logo acima do osso p?bico, ele
olhou para cima, com uma escurido sedutora em seus olhos que a sacudiu ao osso e
derreteu um pouco da dure"a em torno de seu cora%o.
4uras lambidas massageavam seu clitóris, fa"endo)a se contorcer de pra"er debai$o
de sua boca gulosa. #la gritou quando ele usou as mos para levantar os quadris,
apunhalando seu n?cleo com a l0ngua. 9uando &hett continuou a beber seus sucos de
pra"er, Maggie no podia dei$ar de gritar o seu nome em uma respira%o solu%ante,
enquanto seu corpo se arrepiou com a antecipa%o do orgasmo.
4epois do que pareceram um milho de horas e alguns breves segundos, tudo em
um, &hett se afastou para pegar um preservativo. /omando um momento para recuperar o
fClego, ela no podia dei$ar de sentir seu cora%o disparar, quando o momento que ela
esperou meia d1cada estava prestes a acontecer.
#la e &hett estavam !untos e isso era tudo o que queria. /odo o resto pode ser
descoberto mais tarde.
Maggie suspirou quando ele entrou entre as co$as, sentindo a familiaridade de sua
ere%o, uma ve" que passaram por seus l'bios inchados. #ra confort'vel, e$citante e erótico =
tudo ao mesmo tempo.
9uando ele chegou ao seu ritmo de pico, batendo dentro dela, os dois come%aram a
ofegar. +mbos estavam meio enlouquecidos com a febre que apenas o se$o de enrolar os

Página 17

dedos dos p1s pode tra"er. Maggie sentiu como se cada cent0metro de seu corpo estivesse em
chamas, um fogo brando lento na piscina de pai$o envolvendo tanto o seu corpo e alma.
.inalmente, quando fecharam os olhos, Maggie e &hett ca0ram sobre a borda do
ê$tase !untos.
Com seu corpo ainda cantarolando de fa"er amor com &hett, pensamentos irritantes
de suas infidelidades ainda a atormentavam. #mpurrando)os de lado, ela se concentrou na
sensa%o deliciosa de endorfinas pós)org'stica correndo em suas veias.
*Mmm... 6sso foi...* Maggie suspirou, o peso do corpo passou de &hett ainda
prendendo)a para bai$o.
*6ncr0vel3 .ant'stico3*
*2aleu a pena esperar.* 4isse ela com um leve sorriso.
&hett rolou para o lado. *#nto talve" no devêssemos esperar cinco anos para fa"ê)lo
novamente.*
Am silêncio desconfort'vel tomou conta de Maggie. #nquanto o se$o tinha sido
entorpecimento de mente, eles ainda tinham outros fatores de p1 entre eles. 5u se!a, por que
ele sentia que estava tudo bem em tra0)la com outra mulher, enquanto eram casados.
#la saiu da cama e encontrou seu caminho at1 o banheiro para se limpar. 5lhando seu
refle$o no espelho, Maggie soltou um suspiro profundo. Eor que ela tinha insistido que &hett
fi"esse se$o com ela, no tinha certe"a. + ?nica coisa que sabia era que estava se
apai$onando por ele mais uma ve", e o pensamento a aterrori"ava.
*.ant'stico se$o de lado, dissemos que ir0amos conversar. -ós realmente dever0amos
realmente conversar.* + vo" profunda de &hett cresceu a partir da cama, enquanto ela
caminhava de volta para o quarto, ainda nua.
*É, provavelmente você est' certo.* #la empoleirou)se no final da cama, sem saber
como come%ar a conversa.
*#u te amo.* #le disse em um tom s1rio. *#u quero que você volte para !ashville
comigo.*

Página 18

Maggie mordeu o l'bio inferior. #nquanto ele estava apenas em 8ro1en 8ranch por
alguns dias, toda a sua vida estava l'. 4ei$ando certamente no era uma op%o. *&hett, eu
no posso simplesmente pegar e ir a qualquer lugar. /enho o bar e funcion'rios.* #la escovou
o cabelo loiro dos olhos com irrita%o. *+l1m disso, as coisas entre nós no so as mesmas
que eram uma ve".*
&hett apertou a mand0bula. *Festeira. #u vi seus empregados. 2ocê corre um navio
apertado. ,eu gerente de bar pode ter aquele lugar sem problemas, por uma ou duas
semanas, enquanto você vem comigo.* ,eus olhos encontraram os ela. *-o podemos tentar
resolver as coisas, Maggie3 #u senti sua falta.* Confessou bai$inho. *# pelo que parece o que
aconteceu entre nós, você sentiu a minha, tamb1m.*
,uspirando, ela se levantou e come%ou a colocar suas roupas de volta, com a inten%o
de salvar a si mesma a partir de um segundo cora%o quebrado. -a sua perspectiva,
realmente no havia muito a di"er. *&hett, o que aconteceu h' tantos anos 1 terminou h'
muito tempo. -ós dois seguimos em frente. Eor que apenas no o mantemos dessa forma3*
&hett fe" uma careta. *2ocê 1 to malditamente confusa agora, como era h' cinco
anos. .ico feli" em ver que algumas coisas nunca mudam.*
*5 que você quer di"er3* #la perguntou, desli"ando a calcinha em mais de seus
quadris.
*Fem, primeiro você me liga no meio da noite querendo vir e falar. #nto você
aparece, praticamente salta em meus ossos na porta, e agora est' pronta para andar apenas
em frente.* #le passou os dedos pelo cabelo escuro com impaciência. *2ocê 1 to indecisa
agora como era naquela 1poca.*
*&hett, no 1 assim...*
*#st' me usando para algum !ogo e chamada de se$o de fim de noite para
você3* &hett rosnou. *Eorque com certe"a no 1 um !ogo para mim.*

Página 19

Maggie ficou chocada ao ouvir seus sentimentos sa0rem de forma to abrupta. 5
homem que ela conhecia anos atr's odiava falar de algo remotamente perto de seu
relacionamento. +gora, ele estava pronto para colocar tudo fora na linha.
*6sto no 1 um !ogo, &hett. 6sto 1 a vida. Lide com isso.*
Maggie silenciosamente escorregou em seu suti e camisa, apoiando)se na borda da
cama, enquanto colocou as meias e botas de cowboy. #la no tinha que olh')lo para saber
que estava furioso. +mbos sabiam o que ia acontecer a seguir. -o havia nenhum ponto em
di"er qualquer outra coisa.
Correr era a ?nica op%o.
*+ ?nica coisa que mudou 1 que eu no disse adeus naquela 1poca.* 4isse ela
suavemente, inclinando)se sobre a cama para dar)lhe um bei!o suave. *#nto, adeus. Cuide)
se.*
,em outra palavra, Maggie se levantou e caminhou para fora, muito ferida para olhar
atr's em &hett quando se foi.

*4roga<* Maggie gritou, vendo três garrafas de u0sque tombarem da prateleira e no
cho de concreto. *6sso no 1 o que eu precisava ho!e : noite, porra<*

Página 20

+ segunda noite da semana das finais no 4carlet 4addle era to louca quanto a
anterior. -o só havia o dobro de pessoas, a banda ao vivo no apareceu e uma de suas
melhores gar%onetes tinha desistido. Combinando isso com a necessidade de colocar &hett
fora de sua vida, mais uma ve" na noite anterior, Maggie foi um desastre emocional
absoluto.
-ic( levantou uma sobrancelha para ela, com uma e$presso de surpresa em seu
rosto. +garrando)a pela mo, levou)a at1 o quarto dos fundos.
*-ic(, dei$e)me ir. /enho que ter aquela bagun%a limpa)*
*-o. 6sso pode esperar.* 5 barman suspirou, fechando a porta do escritório com um
baque. *Mas, o que eu estou a ponto di"er no pode e no vai, fora do !eito da nossa rela%o
empregadoIpatro. #m ve" disso, considere)o um pouco de um irmo mais velho a falar com
uma irm mais nova. Conseguiu)me3*
Maggie se inclinou impacientemente contra sua mesa, batendo uma bota no cho e
cru"ando os bra%os sobre o peito. -ic( tinha trabalhado para o pai dela, desde que era uma
crian%a e eles eram praticamente como uma fam0lia. *Gtimo. 2' em frente.*
*2ocê tem sido uma maldita cadela a noite toda. 5 que est' acontecendo3*
,eus olhos se arregalaram. #m todos os anos que havia conhecido -ic(, ela mal o
tinha ouvido $ingar. *6sso 1 ruim, hein3*
*2amos ver... 2ocê fe" uma das gar%onetes chorar ao ponto de desistir. Jritou com
um cliente. # agora, quebrou três garrafas de u0sque de cem dólares.* 4isse ele, contando
suas infra%@es com os dedos. *5nde est' a mulher e$igente, mas a chefe descontra0da que eu
conhe%o e amo3*
#la sentiu vontade de chorar. .oi bom saber que algu1m em sua vida sabia quando
algo estava errado. L'grimas come%aram a derramar pelo seu rosto. *É uma longa história.*
#la solu%ou.
-ic( pu$ou)a e deu)lhe um abra%o fraternal. *4ei$e)me adivinhar, tem a ver com o
cara que ficou fechando a noite passada3*

Página 21

Maggie assentiu.
*+h, o notório &hett Lucas est' de volta. #u sempre me perguntei quando ele ia
aparecer e causar)lhe problemas.*
*Como você...* Maggie come%ou, mas foi cortada. #m cinco anos, nunca mencionou o
casamento a ningu1m.
*#u vi CM/ uma ou duas ve"es. #u sei quem ele 1.* #$plicou -ic(. *+l1m disso,
8ro1en 8ranch 1 uma esp1cie de pequeno porte. -o 1 e$atamente um segredo que você era
um item com o famoso irmo de &ebecca Larson h' alguns anos atr's. -em, 1 que você era
um desastre completo quando se separaram.*
Maggie fe" uma careta. *#ra to óbvio3*
*-o para todo mundo, e$atamente. Mas, vi como você esteve tratando >im quando
estava doente e fi" algumas suposi%@es.* #le balan%ou a cabe%a tristemente. *Mas, isso no
significa que tem que dei$ar as coisas para você agora.*
*-ic(, eu no sei o que fa"er.* #la confessou. *9uero di"er, as coisas com &hett eram
boas. # ento elas no eram. # agora...*
*+gora você no est' e$atamente certa se o dei$a de volta em sua vida ou no, certo3*
*#$atamente.* Maggie se sentou em sua cadeira de escritório e definiu o quei$o nas
mos. *É muito complicado.*
*4ei$e)me coloc')la em um pequeno segredo, querida. Ks ve"es, complicado nem
sempre 1 uma coisa ruim.* -ic( deu)lhe uma piscadela. */enho que voltar l' fora, mas no
dei$e esse cara chegar at1 você. -o final, o que est' destinado a acontecer ser'.*
*4esde quando você ficou to s'bio3* Frincou ela.
*5 conselho 1 de gra%a esta noite. 4a pró$ima ve", você pode adicion')lo ao meu
sal'rio.* #le gritou com um sorriso enquanto caminhava de volta para a 'rea principal do
bar.
5bservando o querido amigo dei$ar seu escritório, Maggie suspirou. -ic( tinha um
ponto v'lido. ;avia uma ra"o para que &hett tivesse vindo de volta em sua vida

Página 22

agora. /alve", considerar dei$')lo de volta para o seu mundo no era necessariamente uma
coisa ruim.


4epois de ter um pouco de sono na noite anterior e uma longa noite no 4carlet 4addle,
Maggie estava e$austa. +ndando em seu apartamento e !ogando as chaves no balco da
co"inha, considerou se enrolar na cama assim como ela estava = empoeirada.
+ntes que pudesse ter ainda um passo de distBncia, houve uma batida em sua porta.
5lhando pelo olho m'gico, ela reconheceu &hett. *-ós conversamos sobre isso ontem
: noite. -ada mudou...* #la come%ou, respondendo a porta.
*-ós precisamos conversar. -ós vamos conversar.* 4isse ele com um tom s1rio.
Maggie suspirou e afastou)se da porta, dando)lhe espa%o para entrar no
apartamento. *#u no tenho certe"a o que mais temos que refa"er, &hett. +cho que !' disse a
minha parte.* #la fechou a porta e come%ou a caminhar em dire%o ao sof'.
*#u só quero saber uma coisa.* 4isse ele, parando)a, agarrando o cotovelo com
firme"a, mas no forte o suficiente para causar dor. *4iga)me por que você se divorciou de
mim.*
/alve" lhe dando uma ra"o possa realmente dar a ambos a pa", disse)se em silêncio.
*#u vi a capa da revista.* +dmitiu em vo" bai$a. *2ocê e >essa.* #la fechou os olhos
para conter as l'grimas de derramarem por suas bochechas. *#ntre isso e meu pai estar
doente... .oi tudo muito.*

Página 23

*É isso que você acha que aconteceu3* &hett soltou o bra%o dela e passou os dedos
pelo cabelo, a mistura de raiva e confuso evidente em seu rosto. *É por isso que você pediu
o divórcio, sem nunca me dar uma ra"o v'lida3*
Maggie deu de ombros. *2ocê me magoou. ,abe que eu chorei at1 dormir todas as
malditas noites perto de um ano3 5u que, um mês depois da morte do meu pai, eu vim para
!ashville para ver o seu show e acabei assistindo você sair com uma ruiva nos bastidores3*
#$plicou ela, revirando os olhos. *Ama ve" um trapaceiro, sempre trapaceiro, suponho. #u
no queria passar a vida assim.*
*&ealmente, Maggie3 2ocê desistiu de tudo o que t0nhamos em con!unto com base em
uma foto de antes de nos casarmos3* &hett questionou, seu tom de vo" misturada com
raiva. *# ento me !ulgar de trair depois que você pediu o divórcio3*
*5 quê3* #la perguntou, atordoada. *#ssa foto no foi tomada depois que eu vim para
casa cuidar de meu pai3*
*Claro que no.* #le entrela%ou os dedos atr's da cabe%a e come%ou a andar. *Eor que
você acha isso3 >essa e eu t0nhamos estado ao longo de um tempo, antes que a história
ocorresse. -a verdade, eu estava pensando em ter algu1m me substituindo na turnê, para
que eu pudesse vir aqui. -o queria que você estivesse só enquanto lidava com seu pai
doente. -ós est'vamos indo para descobrir tudo !untos.* #le parou e olhou diretamente em
seus olhos, sacudindo a alma. *# ento eu tenho os pap1is de seu advogado.*
*2ocê est' falando s1rio, no est'3* .oi tudo se tornando muito mais claro para
Maggie. Mas, ainda no mudou a forma como as coisas tinham dado certo. ,entada na beira
do sof', ela sentiu como se todo o seu mundo tivesse ca0do fora de seu ei$o. Como podia ter
sido to est?pida3
&hett se a!oelhou na frente dela, tomando suas mos entre as deles. *#u nunca te tra0,
Maggie. Eor que eu deveria3 2ocê era tudo que eu poderia ter dese!ado em um pacote de
cabe%a quente.*

Página 24

*&hett... #u no posso... -o podemos voltar a ser como as coisas eram...* Maggie
come%ou, afastando)se dele e se levantando. *#u sinto muito. 4esculpe. +rruinei tudo para
nós... #...* + gravidade da sua deciso de tantos anos atr's come%ou a bater nela e no podia
a!udar, al1m de cair em prantos.
*4roga, Maggie.* #la podia sentir sua irrita%o crescendo a cada segundo. *2ocê
poderia calar a boca e ouvir um segundo o que tenho a di"er3*
+lgo sobre o tom de &hett a fe" parar. .oi a insistência que ela dese!ava que ele
tivesse usado anos antes, quando enviou)lhe os seus pap1is do divórcio. ,e ele tivesse apenas
ido vê)la, em seguida, as coisas poderiam ter sido muito diferentes.
2irando)se para encar')lo, ele colocou as mos em sua cintura e pu$ou)a para que
seus quadris fossem enquadrados.
*Continue.* Maggie respondeu, hesita%o montando em sua vo". #mbora ela se
sentisse como uma completa idiota, ainda estava tentando ganhar um pouco a
compostura. #ssa coisa toda foi um desastre.
*#u te amo.* Confessou. *#u sempre amei. -o tenho nunca dei$ado de te
amar. 6nferno, eu provavelmente nunca irei. -unca houve outras mulheres enquanto
est'vamos !untos. #, francamente, no tem havido qualquer uma s1ria desde ento.* &hett
en$ugou l'grimas remanescentes em suas bochechas com um toque suave.
Maggie !urou que seu cora%o parou de bater por um segundo. *2' em frente.* #la
pediu, percebendo que estava segurando a respira%o.
*Maggie McClure, você quer casar comigo... 4e novo3* &hett perguntou suavemente.
*,im.* &espondeu ela. *Mas só com uma condi%o.*
#le deu)lhe um olhar interrogativo, quando ela colocou os bra%os ao redor de seu
pesco%o carinhosamente. *2ocê promete nunca dei$ar)me ser to est?pida novamente3*
*É um acordo.*
FIM.

Página 25


Próximo:

Interesses relacionados