P. 1
Caderno V10

Caderno V10

2.5

|Views: 8.477|Likes:
Publicado por321321456

More info:

Published by: 321321456 on Nov 18, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/20/2016

pdf

text

original

Sections

79 Marisa Oliveira, Susana Araújo

Noções básicas de geometria:

Composição e decomposição de figuras geométricas planas.

Cálculo de perímetros, de áreas e de volumes

Semelhança de triângulos

Objectivos:

Decompor um polígono em triângulos e quadriláteros;

Por composição de figuras, obter uma figura dada;

Resolver problemas, relacionando entre si propriedades das

figuras geométricas;

Resolver problemas, no plano e no espaço, aplicando o Teorema

de Pitágoras;

Usar critérios de semelhança de triângulos e as relações entre os

elementos homólogos na justificação de raciocínios;

Relacionar os perímetros e as áreas em triângulos semelhantes;

Usar a semelhança de triângulos na análise de figuras;

80 Marisa Oliveira, Susana Araújo

Determinar áreas e volumes de sólidos e de objectos da vida real.

Pré-requisitos:

Semelhança de figuras (ampliação e redução de figuras,

polígonos semelhantes);

Áreas e volumes de sólidos.

4. Noções Básicas de Geometria

O estudo da Geometria contribui para uma maior compreensão do mundo que

nos rodeia e que é essencialmente geométrico. Historicamente falando, a

Geometria é uma técnica inventada pelos Babilónios e pelos Egípcios e

transformada numa ciência pelos Gregos.

4.1 Decomposição de figuras e áreas

Decompondo e compondo um figura geométrica

Analise o que se passa em cada conjunto de figuras.

D
e
co
m
p
o
n
d
o

C
o
m
p
o
n
d
o

Compondo

81 Marisa Oliveira, Susana Araújo

(

)

100

100

10

001

0

10

1

0

100

1

2

2

2

2

2

2

2

2

2

×

×

=

=

=

,

,

dm

m

dam

dm

dam

dm

m

mm

cm

Para calcularmos a área de um polígono qualquer podemos decompô-lo em

triângulos e quadriláteros .

4.1.1 Unidades de área

Exemplos:

Exemplos:

4.1.2 Áreas.

2

km

2

hm

2

dam

2

m

2

dm

2

cm

2

mm

X100

X100

X100

X100

X100

X100

: 100

: 100

: 100

: 100

: 100

: 100

Para passarmos de uma unidade para a
unidade imediatamente inferior,
multiplica-se por 100

(

)

100

100

1

0

1000

001

0

1

0

01

0

1

2

2

2

2

2

2

2

2

2

:

:

,

,

,

,

mm

cm

dm

dm

mm

dm

cm

km

hm

=

=

=

Para passarmos de uma unidade para a
unidade imediatamente superior,divide-se
por 100

Quadrado

Rectângulo

Triângulo

Paralelogramo
b

h

b

c

L

L

L

l

h

2

L

A =

L

c
A ×
=

2

h

b
A ×
=

h

b
A ×
=

82 Marisa Oliveira, Susana Araújo

Exercícios Resolvidos:

A figura mostra a área de um terreno. Determine a sua área.

Resolução: As linhas a tracejado foram desenhadas para ajudar a

resolver o problema.

4.2 Teorema de Pitágoras

5

5

5

8

6

4

7

A =25 2

m

( )

2

2

104

7

6

8

m

m

A

=

+

×

=

2

2

28

7

4

m

m

A

=

×

=

+

+

=

2

157m

A

total =

83 Marisa Oliveira, Susana Araújo

Conta a lenda que Pitágoras, filósofo e matemático grego, ao olhar para o

chão verificou que:

Desta relação entre as áreas dos quadrados construídos sobre os lados de

um triângulo rectângulo surgiu o Teorema de Pitágoras.

Exercícios Resolvidos:

1. Determine o x da figura:

A=9

A=16

A=25

A área de um quadrado construído sobre a

hipotenusa de um triângulo rectângulo é

igual à soma das áreas dos quadrados

construídos sobre os catetos.

3

5

4

2

2

2

4

3
5 +
=

Teorema de Pitágoras

Num triângulo rectângulo, o quadrado da hipotenusa é

igual à soma dos quadrados dos catetos

xcm

5cm

12cm

84 Marisa Oliveira, Susana Araújo

Resolução:

Logo,

cm

x13

=

Determinação da altura de um poste.

Resolução: Imaginemos que o poste é um segmento de recta

perpendicular ao plano do chão e que a escada é outro segmento de

recta. Aplicamos assim o teorema de pitágoras no espaço.

Considerando x a altura do poste, vem:

Logo, a altura do poste é aproximadamente 14,7 m.

2. Determinação da diagonal de um cubo

2

2

2

2

2

125

14425

169

169

13

x

x

x

x

x

= +

= +

=

=

=

( )

d

c

x

x

x

x

x

x

.

,1
7

14

216

216

9

225

9

225

3

15

2

2

2

2

2

2

=

=

=

=

+

=

+

=

85 Marisa Oliveira, Susana Araújo

Resolução: Comecemos por calcular a diagonal de uma das faces.

Desenhemos o triângulo em que a hipotenusa é a diagonal do cubo.

Logo, o comprimento da diagonal é 75.

3. A figura representa um trapézio rectângulo [ ]

ABCD em que:

Resolução:

Vamos calcular a área do trapézio. Comecemos por calcular DC .

5

5

x

5

50

d

50

50

25

25

5

5

2

2

2

2

2

=

=

+

=

+

=

x

x

x

x

( )

75

75

25

50

5

50

2

2

2

2

2

=

=

+

=

+

=

d

d

d

d

A

B

C

D

2,5cm

2cm

86 Marisa Oliveira, Susana Araújo

Cálculo de DC Cálculo de AB

2

2

2

2

2

2

2

2

3,5

2

3,52

8,25

DC

DC

DC DC

DC

= +

= −

=

=

Área do trapézio =

4.3 Semelhança de triângulos

4.3.1 Contexto Histórico: Tales de Mileto, matemático e filósofo grego, VI

a.c, certa vez, apresentou-se ao Rei Amasis, do Egipto oferecendo-se para

calcular a altura da pirâmide de Quéops, sem escalar o monumento. Nas

proximidades da pirâmide, fincou uma estaca de madeira no solo.

Concluiu que, no momento em que o comprimento da sombra da

pirâmide fosse igual ao comprimento da estaca, a altura da pirâmide

seria igual ao comprimento da sombra da pirâmide mais metade da

medida da base.

2

2

2

2

2,53,5

18,5

18,5

AB

AB

AB

= +

=

=

.2

8,25

18,5

2

2

B b DC AB
h

DC AB

+

+

× =

= + =

+

O raciocínio de Tales nas pirâmides

estaca

A pirâmide de Quéops,
situada a dez milhas a Oeste do Cairo,
na planície de Gizé, no Egito, a 39 metros
do vale do rio Nilo, foi construída a cerca
de 2500 a.C.
Considerada uma das sete maravilhas do
mundo antigo, ela tem 146 m de altura.
Sua base é um quadrado, cujos lados
medem cerca de 230m.

RACIOCÍNIO MATEMÁTICO
DE TALES
NA PIRÂMIDE

87 Marisa Oliveira, Susana Araújo

Altura

dapirâmide

(H)

Altura

da
estaca
(2 m)

115 m
base

250 m
sombra

5 m
sombra

H= 115 + 250 →5 H= 365 x 2 →5 H= 730 →H = 730 →H= 146
2 5 5

Altura da Pirâmide: 146 metros

•CONCEITO MATEMÁTICO

“Se dois triângulos têm os ângulos respectivamente
congruentes, então seus lados são respectivamente
proporcionais”

Essa propriedade tem inúmeras aplicações práticas:

Um topógrafo, para calcular a largura de um rio,
sem atravessá-lo, faz uso do teodolito -aparelho
para medir ângulos, estabelecendo uma distância
de sua posição à margem do rio.

Com essas informações, desenha-se um triângulo
semelhante às medidas traçadas ao rio.

A

C

B

S

T

^ ^ ^ ^ ^ ^

AB =AC= BC

e C ≡≡≡≡T B ≡≡≡≡S A ≡≡≡≡R

RS RT ST

R

88 Marisa Oliveira, Susana Araújo

4.3.2 Casos de semelhança de triângulos

Vamos ver os casos de semelhança de triângulos recordando os casos

de igualdade de triângulos

Existe um grande paralelismo entre os casos de igualdade de triângulos

e os casos de semelhança de triângulos.

Casos de igualdade de triângulos

Casos de semelhança de Triângulos

LLL

LAL

ALA

Dois triângulos são iguais se
os três lados de um são iguais
aos três lados de outro.

Dois triângulos são iguais se tiverem
dois lados e o ângulo por eles formado
iguais.

Dois triângulos são iguais se têm um lado
igual e os dois ângulos adjacentes a
esse lado iguais.

c

b

a

a

b

c

a′

b′

c ′

Dois triângulos são semelhantes
se os três lados de um são
proporcionais aos três lados do outro

a′

b′

A′

B′

C ′

A

B

C

a

b

A ′

B′

C ′

A

B

C

b

a

Dois triângulos são semelhantes
se têm dois lados proporcionais e o
ângulo por eles formado igual.

Dois triângulos são semelhantes
se têm dois ângulos iguais.

89 Marisa Oliveira, Susana Araújo

Exercícios Resolvidos:

1. Observe os triângulos. Os números representam as medidas, em

centímetros, dos segmentos a que estão associados.

1.1 Mostre que os triângulos são semelhantes e indique uma razão de

semelhança que permita construir um a partir do outro.

1.2 Escreva as relações entre os ângulos dos dois triângulos.

Resolução:

1.1 Para verificarmos se os triângulos são semelhantes teremos de

ver se os lados de um são proporcionais aos lados do outro.

=

=

3

5

6

=

=

5

4

3

5

7

5

9

6

,

,

Como

3

2

3

2

3

2

=

=

os triângulos [LUA] e [RIO] são semelhantes.

6

5

3

L

U

A

R

I

O

7,5

4,5

9

Comprimentos dos três lados do triângulo [LUA]
por ordem decrescente

Comprimento dos três lados do triângulo [RIO] por ordem
decrescente

90 Marisa Oliveira, Susana Araújo

A razão de semelhança é

3

2

=

r

.

1.2 Em triângulos semelhantes, a lados correspondentes opôem-se

ângulos iguais. Logo, =

=

ˆˆˆˆˆ
,

e

RLUIAO.

4.3.2 Relações entre perímetros e entre áreas de triângulos

semelhantes.

Vamos considerar três triângulos semelhantes.

Uma vez que são semelhantes, podemos concluir que:

[ ]cm
XZ

4

=

e [ ]cm
QR

6

=

E de acordo com o quadro e comparando a 1ª com a 3ª colunas, podemos
concluir que:

Razão de

semelhança

Cálculo das

áreas

Razão das

áreas

[ ]

[ ]

XYZ

ABC

2

5

25

4

4

25

[ ]

[ ]

PQR

ABC

3

5

25

9

9

25

A

B

C

10

x

y

z

2

Q

R

3

5

91 Marisa Oliveira, Susana Araújo

[ ]

[ ]

PQR

XYZ

3

2

4

9

9

4

De modo análogo,

Exercícios Resolvidos:

Os perímetros de dois triângulos semelhantes são, respectivamente, 16 cm

e 48 cm. Calcule a área do segundo triângulo sabendo que a área do

primeiro é 20 cm2
.

Resolução:

Comecemos por determinar a razão de semelhança:

3

16

48

1

2

=

=

=

P

P

r

A razão entre as áreas é igual ao quadrado da razão de

semelhança:

9

20

9

20

9

2

2

1

2

×

=

=

=

A

A

A

A

;

;

Logo, a área do segundo triângulo é 180cm2

.

A razão das áreas é igual ao quadrado da razão de

semelhança

2

r

A

A

x

y

=

A razão dos perímetros é igual à razão de semelhança

r

P

P

x

y

=

92 Marisa Oliveira, Susana Araújo

base

face lateral

apot

l

A

apot

l

A

×

×

=

×

×

=

2

4

2

4

Paralelipípedo

a

b

c

a=b=c

(

)

c

b

a

V

A

A

A

ab

A

bc

ac

A

Ab

Al

At

l

b

t

b

l

×

×
= +

== +

= +

=

2

2

Cubo

3

2

6

a

V

a

A

t

==

4.4 Áreas e Volumes

4.4.1 Áreas de figuras planas

Já vimos no item 4.1.2 algumas áreas de figuras planas.

Área do Círculo = 2

r

π

4.4.2 Áreas e Volumes de Sólidos

No cálculo da área dos sólidos temos de distinguir:

Área Lateral - A

l ; Área da base – Ab ; Área Total - At

Se quisermos calcular a área lateral de uma pirâmide regular,

calculamos a área de uma face lateral e multiplicamos pelo

número de faces laterais.

No cálculo das áreas e volumes dos sólidos, iremos usar as

seguintes fórmulas:

Ab

Al

At

apot

Pb

Al

+
= ×

=

2

93 Marisa Oliveira, Susana Araújo

h

A

V

A

A

A

h

P

A

b

l

b

t

b

l

×
= +

= ×

=

2

h

A

V

A

A

A

apot

Pb

A

A

n

A

b

b

l

t

l

f

l

×

=

+
= ×

=

×

=

3

1

2

h

A

V

A

A

A

h

P

A

b

l

b

t

b

l

×
= +

= ×

=

2

h

A

V

A

A

A

g

P

A

b

l

b

t

b

l

×

=

+
= ×

=

3

1

2

Prisma recto

Pirâmide Regular

Cilindro de Revolução

Cone de Revolução

b

P

altura

h

Perímetro da base

n

f

A

apot

Número de faces

Área da face

Apótema da pirâmide

94 Marisa Oliveira, Susana Araújo

19cm

20cm

46cm

Exercícios Propostos:

1. Determine a área da figura ao lado, considerando como unidade de área:

1.1 A área do

1.2 A área do

2. Calcule a área das seguintes figuras. (As medidas indicadas são em

centímetros.)

2.1

2.2

2.3

3. Calcule a área, em m2

, do seguinte trapézio.

95 Marisa Oliveira, Susana Araújo

4. Todos os rectângulos da figura têm 7 cm por 4 cm.

4.1 Qual a área de qualquer dos rectângulos?

4.2 Qual a área de cada um dos triângulos sombreados?

5. Se a área de for 0,5 cm2

, qual a área de cada uma das figuras?

6. Sabendo que o lado do quadrado mede 12 cm, determine a área da zona

sombreada de cada figura.

96 Marisa Oliveira, Susana Araújo

7. Utiliza o teorema de Pitágoras para determinar a medida indicada:

8. Classifica, quanto aos ângulos, cada um dos triângulos em que as medidas

dos lados são:

8.1 3,4 e 5 cm

8.2 3,4 e 6 cm

8.3 3,4 e 3 cm

9. Qual o comprimento da diagonal de um quadrado com 18 cm de lado?

10. A diagonal de um quadrado mede 30 cm. Qual é a área do quadrado? E o

perímetro?

11. Dois navios navegam, um para norte e outro para oeste, respectivamente

com as velocidades de 30 km/h e 40 km/h. Sabe-se que largaram à mesma

hora e que se encontraram ao fim de 15 horas. A que distância se

encontram os dois portos de onde largaram os dois barcos?

97 Marisa Oliveira, Susana Araújo

12. Pretende-se ligar por um tubo condutor de água os pontos U e A de um

terreno [UVAS] de forma quadrada e que tem 324 m2

de área. Qual será a

despesa, se cada metro de tubo custa 2,50€.

13. O volume do cubo da figura é 27 m3
.

Determine:

13.1 O comprimento da diagonal [PQ].

13.2 O comprimento da diagonal [PR].

14. Sabendo que são semelhantes os pares de triângulos e que os números

representam as medidas, em cm, dos lados a que estão associados,

determine x. ( Utiliza-se o mesmo símbolo para indicar que os angulos são

iguais.)

14.1

14.2

15. Observe a figura e, de acordo com os dados, determine x.

98 Marisa Oliveira, Susana Araújo

16. Considere o seguinte paralelipípedo com as medidas apresentadas na

figura. Determine:

16.1 A área total do paralelipípedo.

16.2 O volume do paralelipípedo.

17. Uma esfera está inscrita num cubo de aresta 20 cm. Determine:

17.1 A área da superfície esférica.

17.2 O volume da esfera.

17.3 O volume do cubo.

17.4 O volume do cubo não ocupado pela esfera.

18. A figura representa uma pirâmide quadrangular. A aresta da base mede 10

cm, a altura da pirâmide é de 20 cm e E é o ponto médio da aresta da base

[DA]. Determine:

18.1 A área total da pirâmide.

99 Marisa Oliveira, Susana Araújo

18.2 VÊO

Soluções:

4

2

63

18.2
;
5cm

200

100

18.1

;

cm

3

4000

-

8000

17.4
;

000cm

8

17.3
;

cm

3

4000

17.2
;

cm

400

17.1

;

125cm

V

16.2
;

175cm

16.1A

;

4,5

15

6,6;

14.2
;

14.17

5,20cm;

27

PR

13.2

4,24cm;

18

PQ

13.1

63,75€;

12

750km;

11

84,9cm;

P

450cm

A

10

;

5

25

9

;
acutângulo

8.3

;

o

obtusângul

8.2

;
rectângulo

8.1

10;

d)

52;

c)

;

b)17

;

a)13

7

;

31

d)
;

31

c)
;

31

b)
;

31

6a)

;

6

e)

;

4,5

d)

;

6

c)

;

4

b)
;

3

a)

5

;

14

4.2

;

28

4.1

;

065

0

3

;

88

2.3

;

270

2.2

;

12

2.1

;

.

48

2.

1;

.

8

1.
1

o

3

3

3

2

3

2

t

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

2

+



=

=

=

=

=

=

=

π

π

π

cm

,

cm

cm

cm

cm

cm

cm

cm

cm

cm

cm

cm

m

,

cm

cm

cm

a

u

a

u

100 Marisa Oliveira, Susana Araújo

Capítulo 5

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->