P. 1
Manual Aquario - Filtro Biologico Do Fundo

Manual Aquario - Filtro Biologico Do Fundo

|Views: 5.188|Likes:
Publicado porFisicultor

More info:

Published by: Fisicultor on Nov 18, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/10/2012

pdf

text

original

Manual de Instruções de seu Aquário Filtro Biológico de Fundo

Descobrindo seu aquário

Um aquário não é apenas um recipiente de vidro com pedrinhas, plantinhas e bombinhas dentro. Trata-se de um micro mundo, um microcosmo mesmo. Este mundo depende exclusivamente de você para ir bem ou mal. Podemos dizer que os aquaristas são "deuses" de seu aquário e não simplesmente donos, tal a dependência que este pequeno mundo tem de seu proprietário. O objetivo de qualquer aquarista deve ir muito além do desejo de manter vivos os animais por muito tempo. O principal objetivo de qualquer aquarista que se preze deve ser manter os animais como se estes estivessem na natureza. É o mínimo que podemos fazer quando sabemos que os colocaremos em um ambiente de espaço limitado e instável. Se estes animais estivessem na natureza, estariam em um ambiente de espaço ilimitado, certamente correndo menos riscos e muito bem alimentados. Importante: Nunca se esqueça. Estamos falando de um aquário de água doce, destinado à manutenção de peixes variados e compatíveis entre si com sistema de filtragem biológica de fundo (UGF - Under Gravel Filter) . É importante saber disso, pois quando for atendido por um lojista, ele irá lhe fazer esta pergunta para que seja possível um atendimento melhor e mais adequado. Você deve saber que seu sistema de filtragem é um tanto quanto limitado e , dependendo do ponto de vista, um tanto quanto arcaico, mas funciona perfeitamente bem, se a manutenção correta for efetuada e se você possuir os equipamentos adequados para o sistema. Lembre-se que nada o impede de mudar o sistema de filtragem no futuro, ou mesmo adquirir equipamentos mais modernos. Encare este seu aquário como um bom aprendizado. O primeiro passo para que se torne um excelente aquarista.

Montando o Aquário

Seu aquário deve possuir: - Filtro Biológico - placas pretas furadas e encaixáveis de tamanhos variados - Tubos pretos ou transparentes conectáveis - Bomba(s) Submersa (s) ou Compressor de ar - Cascalho - Plantas artificiais - Enfeites plásticos ou cerâmicos (opcional) - Pedras grandes de decoração (opcional) - Calha de iluminação - Lâmpada (s) - Termômetro com ventosa para fixação - Termostato/aquecedor (opcional no ato da compra do aquário, mas obrigatório no inverno) - Tubo de Tetra Aquasafe

- Filtro Externo (opcional no ato da compra do aquário, mas indispensável para um aquário perfeito). - Sifão (opcional de compra imediata, mas obrigatório para manutenção periódica) - Teste de pH, corretivos acidificantes e alcalinizantes (opcional de compra imediata, mas obrigatório para que se saiba o pH e que haja um controle)

Para montá-lo, comece pelo cascalho. Lave bem todo o cascalho em um balde ou bacia, de preferência sem prévio uso, ou que não tenha sido usado produtos de limpeza como detergente, por exemplo. Deixe a água da torneira encher este balde onde já está o cascalho, esfregue e despeje a água fora. Repita a operação várias vezes, até que você perceba que a água agora permanece limpa, mesmo que você esfregue. Em seguida, monte o filtro biológico conectando as placas pretas por todo o fundo do aquário. Não tem importância se uma parte do aquário ficar sem placas. Você notará que, dependendo do tamanho do aquário, haverá uma, duas ou três destas placas que apresentarão um redutor (uma placa-torre). Esta placa diferenciada serve para que você encaixe os tubos pretos. É por aí que a água vai sair. Coloque então os tubos pretos até uns 10cm da superfície. Coloque a(s) bomba(s) sumbmersa (s) na superfície deste tubo.

No caso de compressor de ar, coloque os tubos até quase a superfície. Passe a mangueira transparente pelo furo da peça chamada "cotovelo". Então prenda a pedra porosa na ponta da mangueira e encaixe o cotovelo na ponta da torre. Certifique-se que a pedra porosa presa à mangueira esteja próxima ao fundo do aquário, mas não encostada no fundo. Uns 3 a 4 cm seria o ideal. Prenda a outra ponta da mangueira ao compressor de ar. Note que este sistema de compressor de ar é arcaico e extremamente barulhento. Quando puder, compre uma bomba submersa e guarde o compressor para ser usado em algum ornamento que use bolhas.

Agora, despeje o cascalho no aquário. Cuidado! Faça isso lentamente evitando deixar os pedriscos baterem no vidro da frente ou mesmo cair com muita violência sobre as placas pretas. Você pode usar um saco plástico ou uma tigela para amortecer o impacto do cascalho. Ajeite com a mão o cascalho no fundo do tanque para que não fiquem elevações disformes. Normalmente, costuma-se fazer uma espécie de uma rampa, ou seja, mais cascalho no fundo e menos cascalho na frente, mas isso não é relevante.

Pegue a mangueira de água e comece a encher o tanque lentamente. Quando o nível da água atingir o meio do tanque, dê uma olhada na água. Se estiver muito turva, retire esta água e encha o aquário novamente. Ou então, com o uso de suas mangueiras, permaneça por alguns minutos enchendo e esvaziando o aquário. Assim você elimina o excesso de detritos e a água fica cristalina. Ainda com a água pela metade, "plante" as plantinhas artificiais ao seu gosto e coloque as pedras grandes e troncos (opcional). Plantadas as plantinhase colocados os objetos de decoração, passe a encher novamente o aquário. Evite comprar plantas naturais, pois este sistema não é adequado para elas.

Quando a água atingir a faixa de até 3 cm antes da superfície, ligue as bombas à tomada, não sem antes verificar a voltagem. Posicione o filtro externo atrás do tanque e ligue-o à tomada. Certifique-se que o refil está colocado no local apropriado dentro do filtro. Marque a temperatura desejada em seu termostato. Para peixes tropicais, a média é de 28 graus. Alguns termostatos não possuem o sistema de temperatura programável e necessitam de regulagem. Se este for o caso, fale com um lojista pedindo explicações. Ajuste seu termômetro em um local visível para você, colando a ventosa em uma das paredes do aquário. Coloque as tampas de vidro no aquário e posicione a calha de iluminação (se houver) com a lâmpada devidamente acoplada e testada. Pode acender a luz. Existem 3 tipos básicos de iluminação para aquários. O mais comum e econômico seriam as lâmpadas incandescentes, normalmente de 15W. O segundo método seria os tubos fluorescentes, que, sem sombra de dúvidas são mais bonitos e eficientes, mas não cabem em qualquer aquário e são um pouco mais caros. O terceiro método, é o das lâmpadas PL, que são econômicas e iluminam muito mais que as lâmpadas incandescentes comuns. Usam o mesmo bocal das incandescentes, mas produzem luz fluorescente. É a grande sensação do momento, especialmente para aquários pequenos, pois são econômicas, muito duráveis, produzem um visual belíssimo e são facílimas de instalar. Verifique se tudo está ao seu contento. Se quiser, a qualquer momento poderá adicionar mais plantas, mas enfeites ou mudar a decoração das pedras grandes, se houver. Cuidado apenas para não transbordar o aquário ao colocar o braço dentro dele. Deixe uma margem de segurança no nível da água. Além disso, sempre lave bem as mãos antes de colocá-las na água do aquário. Pingue agora a dosagem recomendada de AquaSafe em seu aquário. Lembre-se : A dosagem indicada é de 5 ml para cada 10 litros de água doce. Isso ajudará a equilibrar o seu pH, a eliminar alguns elementos tóxicos da água, elementos estes que vêm com a água de torneira como cloro, cobre, e metais pesados. E agora? Bem, agora vem a parte mais dolorosa do aquarismo. Esperar. Todos reconhecemos o quanto é duro ficar esperando o aquário "maturar" , mas é importantíssimo que você tenha paciência, pois seu aquário ainda não tem condições de receber habitantes. O motivo é simples. O principal objetivo do aquarista é desenvolver bactérias benéficas. Estas bactérias nascem e se reproduzem em nosso aquário e são as principais responsáveis pela filtragem do aquário. É isso mesmo! São bactérias benéficas. Elas levam um tempo para se reproduzir e proporcionar segurança aos nossos habitantes. Em geral, demoram cerca de 6 meses para proporcionar o que chamamos de equilíbrio total. Ah, sim, certamente a estas horas, algum aquarista já caiu de costas ou já deu um murro na mesa, xingou o cachorro, mandou a esposa parar de falar, e muito provavelmente já xingou a mãe do dono da loja de aquário, mas calma! O fato de levar 6 meses para um aquário atingir o equilíbrio pleno, não significa que você precise esperar todo este tempo para colocar o primeiro peixe. Em geral, uma semana é suficiente para que comece a colocar os primeiros "hóspedes". Ah, agora sim... O aquarista já se levantou, colocou Enya ou Kenny G no som, afagou o cachorro, deu um beijo na esposa, exclamou que o dia está lindo e abençoou todas as mães do nosso país, mas calma! Não é porque é possível colocar peixes no aquário com aproximadamente uma semana, que você vai sair por aí comprando peixes desenfreadamente. Você colocará 2 ou 4 peixes, dependendo do tamanho do aquário e da espécie escolhida. Um vendedor da loja de aquários saberá lhe oferecer as melhores opções. Após mais uma semana ou 15 dias você, provavelmente poderá colocar mais 2 ou 4 peixes. Se você tiver pressa, existe um produto que pode ser bastante útil. Chama-se Bactozym.

Com ele você pode colocar peixes em 24 horas se quiser. Vá em www.aquariumbr.com.br/tetra para saber mais detalhes sobre o produto. Para saber quando é hora de colocar os primeiros peixes em seu aquário, é preciso que você faça alguns testes. São eles: pH - É o peso do hidrogênio. Basicamente você precisa saber que ele pode ser ácido, neutro ou alcalino. 7.0 é neutro. Acima disso é alcalino e abaixo é ácido. Os níveis comuns em aquários novos são 7.4, 7.2. Em aquários mais velhos, onde a tendência é de queda, o normal é 6.8. O ideal em um aquário comunitário é manter um pH de 7.0 ou algo próximo disso. No começo o pH é sempre mais alto, o que é comum. Por isso, os primeiros peixes devem ser tolerantes a um pH elevado. Os testes de pH são bem simples de fazer, mas pode ser que o aquarista deseje algo mais simples e preciso para medir seu pH. Se este for o desejo do aquarista, basta adquirir um medidor eletrônico digital de pH que lhe dá o pH exato 24 horas por dia. Trata-se do medidor de pH Pinpoint. É conveniente levar logo para casa um teste de pH, um acidificante e um alcalinizante para qualquer correção eventual. Antes de receber os primeiros habitantes, por exemplo, convém colocar uma dosagem de acidificante para baixar um pouco o pH. Amônia - É um elemento tóxico. Se houver no aquário, significa que há algo errado com a filtragem biológica, ou excesso de alimento, ou que há peixes demais, ou que sistema é novo ou insuficiente, ou simplesmente que o aquário é novo demais e não é hora de colocar peixes. Você deve ter sempre a mão um teste de amônia. Se estiver alto, não coloque peixes pois você poderá perder todos em poucos minutos. Se você já tiver peixes e o teste acusar amônia, de pronto aumente a circulação da água, ou coloque ar nas bombas de circulação. Se possível, compre um produto para neutralizar a amônia, como Ammo Ease, ou Ammo Lock. Se não dispor dos produtos em questão, faça trocas de água de 30% diariamente, mas cuidado com o pH da nova água, pois a amônia é mais tóxica quando o pH é maior. Corrija o pH da nova água antes de joga-la no aquário. Posteriormente, procure as causas dessa subida de amônia. Nível ideal = 0. Nitrito - Outro elemento muito tóxico. Testes periódicos são bem vindos, especialmente antes ou depois de colocar novos peixes ao sistema. Assim como a amônia, se aparecer, devemos aumentar a circulação do aquário, colocar ar nas bombas, efetuar trocas de água e verificar as causas do mesmo. Muito comum em aquários novos ou que sofrem com excesso de peixes e/ou alimento e ainda alimento de má qualidade.. Nível ideal = 0 Nitrato - Praticamente não tóxico aos peixes de água doce. Pode trazer alguns problemas se encontrado em concentrações absurdamente altas. Recomendado o teste em aquários mais antigos. Dificilmente aparecerão altas concentrações deste elemento em aquários com manutenção bem feita. Níveis ideais = entre 0 e 50ppm Dureza Geral (GH)- É a quantidade de sais que existe na água. Alguns peixes são particularmente sensíveis a este fator, como os discos , por exemplo. Outros peixes não sofrem influência deste fator. O fato é que quase todos os animais se dão bem em água mole, exceto, talvez, os ciclídeos africanos. É importante, portanto, que você saiba o tipo de peixe que tem para ter idéia de qual o nível de dureza ideal em seu aquário. Os testes de dureza também são muito simples de serem efetuados, no entanto, se o aquarista desejar algo mais preciso e simples, basta comprar o medidor eletrônico digital de condutividade da Pinpoint. Mede 24 horas por dia e lhe dá uma noção exata da dureza da água. Dureza Carbonatada (KH) - Conforme o tempo vai passando, pode haver uma tendência de queda do pH. Isso ocorre em geral, devido ao excesso de sujeira acumulada no cascalho, nos filtros ou em qualquer outra parte do aquário. Em alguns casos, o aquarista não consegue manter o pH equilibrado somente com trocas parciais de água, então sugerimos o

teste de KH. Este teste mede a quantidade de sais que produzem o efeito tampão, ou seja, que evitam quedas bruscas de pH ou níveis desconfortáveis ou perigosos aos peixes. Níveis ótimos de KH giram em torno de 3o a 5odKH. As trocas parciais periódicas são o melhor recurso para manter estáveis os níveis de KH do aquário, pois a água da torneira, em geral, provém a quantidade necessária destes sais, mas em alguns caos, especialmente para alguns peixes de água alcalina, como ciclídeos africanos, por exemplo, pode haver a necessidade de adicionarmos sais de bicarbonato para elevar os níveis de KH. Para isso existem os tamponadores, que são produtos à base destes sais que produzem o efeito tampão.

Comprando os primeiros habitantes do aquário

É muito importante que você compre seus peixes em um local idôneo com baterias modernas, higienizadas e principalmente com peixes saudáveis. Para que tome suas próprias decisões na hora de comprar o seu peixe, seguem algumas dicas úteis de como escolhê-lo.

- Verificar a limpeza e aspecto geral da loja - Se a loja for suja, desorganizada, os aquários mal iluminados, sujos e com peixes mortos à vista de todos, saia correndo! Não há nada que possa interessar a você em um lugar como estes, mesmo que o preço seja muito baixo. Nestes casos, o barato sai caro. Lembre-se que manter a qualidade dos animais, custa dinheiro. Por isso, pagar um pouco mais por um peixe, pode significar estar comprando qualidade e evitando uma catástrofe em seu tanque. - Verificar a temperatura, pH, e se possível a dureza do aquário - São dados importantes para que você não corra o risco de levar para casa um peixe totalmente inadequado, ou mesmo para que tome medidas mais cautelosas na hora da soltura. - Verificar o aspecto geral do aquário onde está o peixe - Aquário sujo, mal montado, inadequado para a espécie, com peixes doentes são um perigo para você. Nunca compre nada de um tanque como estes. O risco nunca compensa, mesmo que o preço seja metade do cobrado pelo mercado. Lembre-se : Em aquarismo, o que é muito barato, em geral, sai muito caro. - Verifique a pele e a respiração dos peixes - A pele, ou escamas dos animais deve ser sempre limpa, sem feridas, manchas ou pintas. Qualquer peixe deve apresentar sempre uma respiração compassada, mas não muito acelerada. Mesmo as espécies mais ativas possuem respiração tranqüila. Pele opaca, respiração ofegante podem ser sinais de estresse e/ou doenças. Fique atento. - Analise com cuidado o atendimento recebido - Cuidado com vendedores que tentam fazer com que você compre o maior número de peixes possível. Cuidado também com aqueles que se limitam a pegar o peixe para você. Um bom vendedor deve interessarse em saber quais as outras espécies que você possui e dar dicas a respeito da compatibilidade entre os peixes e com o seu sistema. - Se houver um só peixe contaminado no aquário não compre! - Pode ser que seja um caso esporádico, mas também pode ser o primeiro indício de contaminação generalizada. - Nunca escolha os peixes pelo preço - Muitos aquaristas andam de loja em loja atrás dos peixes mais baratos. Esta é a pior maneira de escolher seus peixes. Muitas vezes, um peixe que custe R$ 1,00 a menos que em outra loja, pode lhe dar um prejuízo de R$ 100,00 ou mais se este lhe contaminar o aquário principal e matar seus peixes mais antigos. Na maioria das vezes vale a pena pagar pela qualidade e saúde dos animais.

Mesmo com todas estas precauções, você não está 100% livre de estar levando para casa um peixe doente. Isto porque algumas doenças se manifestam apenas 1 ou 2 dias após a contaminação. Às vezes ainda, o estresse de ser coletado e mudar de água (loja para sua casa) pode debilitar o peixe de alguma maneira, fazendo com que sua resistência baixe e torne possível alguma infestação oportunista. Um aquário-quarentena é sempre bem vindo nestes casos. Só assim você pode ter certeza absoluta que seu peixe não estará entrando contaminado em seu tanque principal. Mortes sempre acontecem. Infelizmente, mesmo com todos os cuidados necessários, certamente morrerão alguns peixes em seu aquário. Alguns sem motivo aparente. Isso ocorre porque os peixes são criaturas um tanto quanto delicadas e seus órgãos internos também. Vale lembrar que, 95% dos peixes que são vendidos no mercado estão em fase juvenil, e, assim como na natureza, muitos não chegam à fase adulta. Isso faz parte da seleção natural, onde só os mais fortes sobrevivem. Além disso, qualquer animal juvenil, inclusive nós, seres humanos, e principalmente (imagine então), os peixes, são mais sensíveis que os adultos. Espera-se que o aquarista tenha o bom senso de entender isso e que saiba separar mortes esporádicas de problemas com seu aquário ou com o método de manutenção do mesmo. Algumas espécies são mais sensíveis que outras, e não devem ser evitadas, mas sim compradas apenas com a consciência que seu aquário apresenta condições favoráveis para que esta espécie especial viva perfeitamente bem. Este é o troféu do bom aquarista.

Soltando o peixe no aquário

Um item que pode parecer banal, sem importância, mas que é de fundamental importância para uma boa adaptação do novo habitante ao aquário. 1 - Desamarre ou corte o elástico que prende o saquinho. Evite rasgar ou perfurar o saquinho. 2 - Coloque o saquinho na água com a boca virada para fora. Por enquanto não deixe entrar água no novo aquário. Deixe-o por lá durante uns 5 minutos. 3 - Deixe entrar o equivalente à ½ copo de água dentro do saquinho. Aguarde mais 5 minutos. 4 - Deixe entrar mais uma vez o equivalente à ½ copo de água no saquinho. Aguarde mais 5 minutos. Repita a operação de 1 a 3 vezes dependendo da necessidade de adaptação. Esta necessidade depende das diferenças entre o aquário onde o animal estava e o seu aquário, do grau de sensibilidade do peixe e do seu tamanho. Em média, 15 minutos é um bom tempo p/ adaptação. 5 - Com a redinha, ou com a mão, dependendo da experiência, pegue o(s) novo(s) habitantes e solte no aquário. Jogue a água do saquinho fora. Nunca utilize esta água no seu aquário. Complete o nível do tanque se necessário. 6 - Verifique se seu novo peixe está ou não apanhando. Se estiver, apague todas as luzes, e se necessário, cubra o aquário com um pano escuro para que não passe luz. Deixe o aquário assim por umas 2 horas ou mais, ou mesmo o deixe pernoitar. Ao fim deste período, o novo peixe já terá se acostumado por completo com a água e já terá condições de se orientar no novo ambiente e terá assim, condições de se defender de possíveis agressores. É comum peixes se estranharem logo de início, mas se houver compatibilidade de espécies, a tendência é que acostumem-se uns com os outros sem maiores lesões. Outra forma de dispersar os animais em caso de briga é jogando alimento no aquário logo após a soltura dos novos habitantes. Alguns novos habitantes já comem logo de cara, mas outros podem demorar alguns dias para começar a comer.

Manutenções Periódicas

Não se desespere, pois as manutenções em um aquário são bastante simples. A única coisa que despende um pouco mais de tempo são as trocas d'água, mas, ao contrário do que diz a lenda - que temos que trocar toda a água, lavar todas as pedras e escovar tudo para então remontar o aquário - as trocas de água não são tão dramáticas, pois devem ser sempre parciais e nunca totais. Todos os dias Alimentar Toda semana Limpar Vidros A cada quinze dias Fazer Testes Todo mês Trocar a água e trocar refis do filtro.

Se você não quer trocar parcialmente a água de seu aquário, existe um produto chamado Easy Balance que prorroga as trocas parciais por até 6 meses. Basta adiciona-lo à água semanalmente. Informe-se com seu lojista. Alimentar Mais um item que pode parecer banal e que não mereça atenção especial. Pois é o principal causador de fracassos no aquarismo, especialmente água doce. 95% dos aquaristas que possuem aquários de água doce que não conseguem sucesso são aquaristas que não sabem alimentar seus peixes. Além disso, usam alimentos de qualidade inferior, que poluem a água e não suprem todas as necessidades nutricionais dos animais, deixando-os opacos e sem vida. Não se trata de alimentar "bem pouquinho" como recomendam os aquaristas menos preparados, mas sim alimentar de maneira adequada e com o alimento certo. Também não se trata de que os peixes não têm "senso" de quando parar de comer, por isso quanto mais alimentos lhes oferecem, mais irão comer. O que ocorre é que, os peixes, têm por instinto a busca ininterrupta por alimento. Este instinto existe porque na natureza, o alimento, embora abundante, é sempre disputado, nem sempre muito fácil de ser conseguido e os animais precisam gastar muita energia para encontrá-lo. Nadam quilômetros, gastam muita energia, e por isso estão sempre "com fome". No aquário, os instintos são os mesmos. Reparem que a maioria dos peixes fica atrás de comida o tempo todo. Cabe ao aquarista dosar este alimento não só na quantidade, mas na forma de alimentar e também na qualidade. A melhor maneira de fazer isso é chegar à frente do aquário e fazer algum barulho característico toda vez que for alimentar, como por exemplo, bater com o pote de alimento na borda do aquário, ou bater com o dedo na tampa de vidro, ou mesmo mostrar o pote de comida aos animais. Todos, como o passar do tempo, ficarão excitados quando você repetir o ritual de alimentação e já ficarão de prontidão aguardando você jogar o alimento. Jogue apenas uma pitada mínima de alimento. Você verá que todos estarão ali para disputá-lo. Agora jogue duas pitadas mais generosas, uma em cada ponto do aquário. Nunca permita que esta pitada seja grande o suficiente para espalhar alimento pelo aquário. Os peixes têm que consumir o alimento em menos de 1 minuto a cada pitada. O alimento não se espalha demais e nunca chega a atingir o fundo do tanque. Jogue quantas pitadas julgar necessário. Você notará que os peixes já não estão tão vorazes como da primeira vez e demoram mais para acabar com o alimento. Pronto. Está na hora de parar. Eles realmente nunca se satisfazem por completo, mas suas necessidades estão saciadas. Se possível, alimente duas ou até três vezes por dia. O peixe tem que ter um aspecto gordinho... Ligeiramente arredondado mesmo, mas nunca um aspecto "empanturrado". Algumas espécies precisam

de quantidades maiores de alimento, mas o procedimento é o mesmo. A única diferença é que você irá repetir mais vezes as pitadas de alimento, aumentando a quantidade total de alimento, mas nunca a quantidade por pitada. Desta forma, todo alimento jogado no aquário é aproveitado. Alimento sobrando no aquário é o caminho mais curto para uma infecção causada por bactérias ou fungos e ainda problemas com pH baixo demais. Repare apenas em algumas espécies mais lentas e que possam estar emagrecendo. Se isso estiver ocorrendo, pode ser porque os peixes maiores estão comendo e não dando oportunidade, ou intimidando os menores ou mais lentos. Para resolver o problema, basta aumentar a quantidade em cada pitada e espalhar mais o alimento para que todos comam. Peixes como Corydoras, Cascudos, algumas espécies de Botias entre outros peixes de fundo, podem ter problemas para se alimentar desta maneira. A solução é simples. Existem no mercado diversos tipos de alimento para peixes de fundo. Tetra TabiMin é um exemplo, pois são pastilhas que afundam e dissolvem-se lentamente, alimentando a todos, mas principalmente os de fundo. Tetra Min Granulado é outra forma bastante interessante de alimentar os animais, pois uma parte do alimento fica flutuando e outra afunda lentamente, dando a oportunidade a todos de receber alimentação adequada. Informe-se com um de nossos vendedores Nunca abra mão da marca Tetra. Eu venho usando há mais de 10 anos, e os resultados, tanto de limpeza do aquário como qualidade dos peixes é incomarável. Alimentos fabricados no país, infelizmente apresentam qualidade abaixo do mínimo exigido pelos animais. Por isso, não vale a pena comprar alimentos baratos. A diferença de preços entre Tetra e outras marcas é muito pequena, e o custo benefício supera as expectativas. Faça o teste você mesmo.

Limpar os Vidros

Não tem coisa mais simples de fazer no mundo que limpar os vidros do aquário. Isso, é claro, se você tiver a técnica correta para isso. Nunca use : Bom Brill, esponjas para lavar louça ou qualquer outro material que possa causar riscos no vidro. Lembre-se que um risco é para sempre. Use um limpador magnético de boa qualidade. Sugiro o Mag Float, que além de ser muito resistente, é muito mais leve que os outros e em vez de afundar, se perder o contato magnético, ele bóia. O limpador magnético limpa o vidro tanto por dentro como por fora de maneira rápida, simples e segura. A vantagem é que você não precisa ficar colocando a mão e o braço dentro do aquário. A rapidez é outra vantagem. Limpe os vidros uma vez por semana, tendo ou não algas aparentes. Se você fizer isso, não nascerá aquela alga verde que impregna no vidro e não sai nem com reza braba. Se você for preguiçoso e a alga grudenta aparecer, use um cartão de crédito em forma de lâmina no vidro para limpá-la. Não fique esfregando outros objetos ali. Além de não conseguir removê-la, você corre poderá riscar o seu vidro.

Fazer Testes

No começo do aquário, tudo é festa e alegria. Quanto mais coisas para fazermos, melhor. Nossa vontade é fazer testes, mexer no aquário, colocar peixe novo, por plantas e sifonar o aquário todos os dias. Com o passar do tempo, há uma acomodação natural, e não queremos que o aquário nos

tome tempo demais. Por isso, os testes não precisam ser feitos a cada quinze dias religiosamente. Mas se der para fazer, melhor. Se não der, faça ao menos uma vez por mês. Um parâmetro errado pode ser corrigido antes de se tornar um problema mais sério.

Trocar a Água e os Refís do Filtro

Agora aquele sujeito mais preguiçoso deve ter se imaginando carregando baldes de água para cima e para baixo, molhando a casa inteira, levando aquelas broncas da mãe ou da esposa. Escutando os mais sonoros, cabeludos e variados palavrões à medida que a molhadeira aumenta. Se junto com a molhadeira ainda quebrar algum objeto da casa então, aí é que o repertório e o timbre da bronca vai aumentando. Só de pensar que terá que limpar tudo quando acabar... Isso porque ainda tem que lavar as pedras, escovar as rochas, limpar os filtros... Hummm que programão heim ?! Relaxe amigo. Nada disso existe. Ao menos não para o aquarista bem orientado. A troca de água é sempre parcial. Nunca mais que 30% da água. (em média entre 15 e 30%). A única coisa é que no seu sistema de filtragem, exige-se que seja feita junta com a troca de água, uma sifonagem, ou aspiração do fundo com um aparelho específico chamado sifão. A operação é simples. Coloca-se o sifão na água, suga-se a água (ou, nos aparelhos mais modernos, agita-se o sifão para a saída da água) e enterra-se o cilindro no cascalho visando aspirar junto com a água, toda a sujeira que estiver depositada no cascalho. Toda esta água é jogada fora. Aspire cerca de ¼ da água do aquário e então pare. Mesmo que não completar toda a extensão do cascalho, você já pode parar. Da próxima vez, começa por onde não conseguiu terminar. Com o tempo você conseguirá dosar o tempo e a área toda do fundo. Na hora de completar a água em seu aquário, certifique-se que a mesma não está muito fria e que os parâmetros básicos com pH e dureza não estejam muito diferentes da água do seu tanque. Se estiver, é fundamental que prepare-a em uma barrica ou recipiente qualquer (que pode até ser um pequeno aquário) misturando AquaSafe e corrigindo as eventuais diferenças. Se não estiver, com uma mangueira mesmo, complete a água do tanque, jogando AquaSafe para evitar problemas com cloro ou metais pesados, bem como o pH. O ideal mesmo é sempre preparar a água antes, mas, sabemos que na verdade pouquíssimos aquaristas adotam esta prática. Por isso, fica a dica de completar com a mangueira mesmo e AquaSafe. - Ah, mas eu já troco a água sempre! Quando evapora, eu sempre reponho água no aquário. Além disso ainda tenho que fazer trocas de água? Quando água do aquário evapora e completamos com mais água, não estamos fazendo uma troca de água, mas sim repondo H2O evaporado. Os sais e minerais (coisas boas e ruins) permanecem na água do aquário. As trocas parciais servem para retirar sujeira e uma água já saturada (velha) por uma água nova , limpa e saudável. Na prática, as trocas de água servem para ajudar a manter estável o nível do pH, repor elementos essenciais (elementos importantes no processo biológico exercido pelas bactérias benéficas e no crescimento e desenvolvimento de peixes e plantas) e manter o equilíbrio iônico do sistema (manter todos os elementos químicos em perfeito equilíbrio evitando precipitações desnecessárias e prejudiciais). Portanto, reposição por evaporação é totalmente diferente de uma troca parcial. Ainda sobre evaporação, é aconselhável que você complete o nível de seu tanque toda semana. Isso evita riscos desnecessários de ver a bomba do filtro externo ou bombas

funcionarem a seco e queimarem. Além disso, nível de água muito baixo, indica desleixo por parte do aquarista. A troca dos refís é obrigatória, pois é somente quando os trocamos que estamos realizando a real filtragem mecânica. Nos refís ficam impregnadas as partículas sólidas de sujeira. No entanto, estas partículas, até serem retiradas do contato da água do aquário, ainda fazem parte do sistema. Apenas não estão às vistas do aquarista. Quando jogamos fora um refil velho, estamos jogando fora a sujeira que até então, permanecia no sistema e estava em decomposição. Por isso, alguns aquaristas mais cuidadosos costumam lavar os refís a cada 15 dias ou menos, e trocá-los todos os meses. Além disso, podemos dizer que o carvão ativado (filtragem química) expira em cerca de 15 dias. Por isso, na troca, estamos repondo carvão novo no sistema. DICA : Uma boa dica é usar sempre um pouco mais de carvão ativado no seu filtro externo. Use uma meia de mulher, algum outro tecido fino ou ainda nosso exclusivo saquinho para resinas para colocar o carvão no filtro. Coloque-o na parte livre que fica entre o refil e o local onde a bomba do filtro deságua. Coloque-o somente 15 dias após o ligamento do filtro. Troque o a cada 30 dias. Desta forma, quando o carvão do refil estiver expirando, você estará entrando com carvão novo. Quando o carvão extra estiver expirando, você entra com carvão novo do refil. Desta forma, sempre há carvão ativado ainda em atividade dentro de seu sistema. Além dos procedimentos aqui descritos, deve-se saber que a cada 4 ou 6 meses convém limpar o rotor das bombas propulsoras de seu tanque. O processo é extremamente simples, mas consulte um de nossos vendedores para saber como proceder. Pronto. Esta é a manutenção necessária ao seu aquário. No começo, gastam-se cerca de 20 a 30 minutos no máximo por mês. Com a prática, consegue-se reduzir e muito este tempo de manutenção.

Gastos

Os gastos para manter seu aquário são pequenos. Basicamente você precisará comprar alimentos, AquaSafe para as trocas e reposição por evaporação, os refís do filtro externo e os peixes que habitarão seu aquário. As lâmpadas de seu aquário duram anos, mas o espectro luminoso vai mudando com o passar do tempo. É recomendável a substituição das lâmpadas de seu aquário uma vez por ano. O limpador magnético, com o tempo também tem um certo gasto. Não se tem uma previsão exata, mas verifique sempre se seu limpador está em ordem. Assim você evita riscos no vidro. Se nada quebrar com o passar do tempo, estes serão os únicos gastos que você terá com seu aquário. Como puderam ver, aquários são para qualquer tipo de pessoa. Desde as mais ocupadas e com o menor tempo disponível de dedicação, quanto para aquelas que procuram um divertimento e distração para os horários livres. Aquarismo não é só um hobby interessante. Aquarismo é diversão, cultura e respeito pela natureza. Pratique e divulgue o aquarismo saudável. Vale a pena!

Sérgio Gomes

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->