Você está na página 1de 33

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

CENTRAL DE CURATIVOS

MANUAL DE CURATIVOS

Elaboração: Drª. Flávia Valério de Lima Gomes – Enfermeira da SCIH / CCIH


Drª. Mônica Ribeiro Costa – Infectologista SCIH / CCIH
Drª. Luciana Augusta A. Mariano – Enfermeira da SCIH / CCIH

3ª Revisão: Agosto de 2005


2

AVALIAÇÃO E TRATAMENTO DE FERIDAS


MANUAL DE CURATIVOS

Cuidar de feridas sempre pareceu ser muito simples. Tão simples que
dificilmente era prioridade no tratamento do paciente. Qualquer pessoa
podia fazer o curativo e utilizar o que tinha disponível. Não se dava a
devida importância à técnica e a outros fatores associados.
Hoje sabemos que vários fatores interferem no processo de cicatrização
e que o mercado dispões de uma variedade de produtos que podem ser
utilizados com sucesso tanto na prevenção quanto no tratamento de
feridas.
Contudo, sabemos que para o cuidado de pacientes com feridas, é
necessária a atuação de uma equipe multidisciplinar a fim de que as
ações terapêuticas possam ser integradas.
3

SUMÁRIO

Capítulo I: Princípios Básicos para Avaliação e Intervenções no Tratamento de Feridas .. 05


I. INTRODUÇÃO.......................................................................................................... 05
II. CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS ......................................................................... 05
01. Classificação Quanto às Causas .......................................................................... 05
02. Classificação quanto ao Conteúdo Microbiano ................................................... 06
03. Classificação quanto ao Tipo de Cicatrização ..................................................... 06
04. Classificação quanto ao Grau de Abertura .......................................................... 07
05. Classificação quanto ao Tempo de Duração ....................................................... 07
III. CONCEITO DE CICATRIZAÇÃO .......................................................................... 07
01. Fases do Processo de Cicatrização ...................................................................... 07
02. Fatores que Afetam a Cicatrização ...................................................................... 08
IV. FATORES DE RISCO PARA INFECÇÃO ............................................................. 09
V. PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA AVALIAÇÃO DE FERIDAS ............................... 10
01. Tamanho .............................................................................................................. 10
02. Profundidade ....................................................................................................... 10
03. Tipo de Tecido ..................................................................................................... 11
04. Exsudato .............................................................................................................. 11
05. Bordas .................................................................................................................. 12
06. Pele Peri–ulceral .................................................................................................. 12
07. Estágios ............................................................................................................... 13
VI. CONCEITOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO DE FERIDAS ................ 13

Capítulo II: Princípios Básicos para Realização de Curativos ........................................... 15


I. DEFINIÇÃO DE CURATIVO ................................................................................ 15
01. Objetivos ............................................................................................................. 15
02. Finalidades ........................................................................................................... 15
03. Categorias ............................................................................................................ 16
04. Tipos de Curativos ............................................................................................... 16
05. Classificação do Curativo de Acordo com o Tamanha da Ferida ...................... 17
4

06. Técnica de Curativo ............................................................................................. 17


II. PADRONIZAÇÃO DOS TIPOS DE CURATIVOS ................................................ 21
01. Classificação do Curativo de Acordo com as Características da Ferida ............ 21
1.1. Curativos de Feridas Cirúrgicas ...................................................................... 21
1.2. Curativos de Sistemas de Drenos Abertos ...................................................... 22
1.3. Curativos de Sistemas de Drenos Fechados .................................................... 23
1.4. Curativos de Feridas Abertas .......................................................................... 24
1.5. Curativos de Feridas Contaminadas ................................................................ 25
1.6. Curativos de Feridas com Fístulas ou Deiscência de Paredes ......................... 26
02. Técnica de Desbridamento .................................................................................. 27
03. Técnica de Coleta de Material para Exame ........................................................ 28
04. Uso de Antimicrobianos para o Tratamento das Feridas..................................... 30
III. PRODUTOS PADRONIZADOS PARA CURATIVOS .......................................... 30
IV. PRODUTOS CONTRA – INDICADOS PARA CURATIVOS ............................... 31
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ...................................................................... 32
5

CAPÍTULO I

PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA AVALIAÇÃO E INTERVENÇÕES NO


TRATAMENTO DE FERIDAS

I. INTRODUÇÃO

O Tratamento de feridas se refere a proteção de lesões contra a ação de agentes


externos físicos, mecânicos ou biológicos, tendo com objetivo reduzir, prevenir e/ou
minimizar os riscos de complicações decorrentes
Antes da seleção e aplicação de um curativo, é necessária uma avaliação completa da
ferida, do seu grau de contaminação, da maneira como esta ferida foi produzida, dos fatores
locais e sistêmicos e da presença de exsudato, como forma de agilizar o processo de
cicatrização e proteger a ferida.

• Ferida - qualquer lesão da integridade da pele e tecidos adjacentes (tecido subcutâneo,


muscular, etc).

II. CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS

01. Classificação quanto às causas:

1.1. Feridas Cirúrgicas: são provocadas intencionalmente e se dividem em:


• Incisa: onde não há perda de tecido e as bordas são geralmente fechadas por sutura;
• Por excisão: onde há remoção de uma área de pele, ex: área doadora de enxerto.
• Por Cirurgia e procedimentos terapêutico-diagnósticos (cateterismo cardíaco, punção de
subclávia, biópsia, etc.)

1.2. Feridas Traumáticas: são aquelas provocadas acidentalmente por agentes:


• Mecânico (contenção, perfuração, corte);
6

• Químico (por iodo, cosméticos, ácido sulfúrico, etc.);


• Físico (frio, calor, radiação).

1.3. Feridas Ulcerativas: são lesões escavadas, circunscritas na pele, formadas pela
morte e expulsão do tecido, resultantes de traumatismo ou doenças relacionadas com o
impedimento do suprimento sanguíneo.
O Termo úlcera de pele representa uma categoria de ferimento que inclui úlceras de
decúbito, assim como de estase venosa , arteriais e ulceras diabéticas.

02. Classificação quanto ao conteúdo microbiano:

2.1. Limpa: condições assépticas sem microorganismo;

2.2. Limpas – contaminadas: lesão inferior a 6 horas entre o trauma e o atendimento,


sem contaminação significativa;

2.3. Contaminadas: lesão ocorrida com tempo maior que 6 horas (trauma e atendimento)
sem sinal de infecção;

2.4. Infectadas: presença de agente infeccioso no local e lesão com evidência de intensa
reação inflamatória e destruição de tecidos podendo haver pus.

03. Classificação quanto ao Tipo de Cicatrização:

3.1. Feridas de cicatrização de primeira intenção: não há perda de tecidos, as


bordas da pele ficam justapostas. Este é o objetivo das feridas fechadas cirurgicamente com
requisitos de assepsia e sutura das bordas.

3.2. Feridas de cicatrização por segunda intenção: houve perda de tecidos e as


bordas da pele ficam distantes. A cicatrização é mais lenta do que primeira intenção.

3.3. Feridas de cicatrização por terceira intenção: é corrigida cirurgicamente após


a formação de tecido de granulação, a fim de que apresente melhores resultados funcionais e
estéticos.
7

04. Classificação quanto ao Grau de Abertura:

4.1. Ferida aberta: tem as bordas da pele afastadas;


4.2. Ferida fechada: tem as bordas justapostas.

05. Classificação quanto ao Tempo de Duração:

5.1. Feridas agudas: são as feridas recentes;

5.2. Feridas crônicas: tem um tempo de cicatrização maior que o esperado devido a sua
etiologia. Por exemplo, os pontos epiteliais de uma ferida cirúrgica podem ser retirados com 7
a 10 dias após o procedimento, pois nesse período espera-se ter ocorrido o reparo da lesão,
que aguarda apenas a fase de maturação. No caso da ferida não apresentar a fase de
regeneração na época esperada, havendo um retardo, a ferida é encarada como crônica.

III. CONCEITO DE CICATRIZAÇÃO

• Cicatrização conjunto de processos complexos, interdependentes, cuja finalidade é


restaurar os tecidos lesados.
A cicatrização da ferida é otimizada em ambiente úmido, isto porque a síntese do
colágeno e a formação do tecido de granulação são melhoradas, ocorrendo com maior rapidez
a recomposição epitelial e, além disso, não há formação de crostas e escaras.
A re-epitelização em feridas expostas ocorre em 6 a7 dias, enquanto em feridas úmidas
ela é mais rápida, totalizando 04 dias. Uma vez que a migração celular acontece em meio
úmido as células epidérmicas no primeiro caso, necessitam tuneilizar a crosta formada,
secretando colagenase, para atingir a umidade.

01. Fases do Processo de Cicatrização:

1.1. Fase Inflamatória: reação local não específica a danos teciduais ou invasões por
microrganismos. Seu início é imediato e a duração é 3 a 5 dias.
É o processo que ocorre no organismo como defesa à lesão tecidual que envolve
reações neurológicas, vasculares e celulares que destroem ou barram o agente lesivo e
substituem as células mortas ou danificadas, por células sadias.
8

Tem a função de ativar o sistema de coagulação, promover o debridamento da ferida e


a defesa contra microrganismos.
São sinais de inflamação: rubor, calor, edema e dor.
Quanto maior a área da ferida, maior será a duração desta fase. Problemas como
infecção, corpos estranhos, permanência das fontes causais, podem exacerbar esta resposta e
prolongá-la.

1.2 Fase de exsudação ou fase de limpeza inicia-se imediatamente após o


aparecimento da ferida. Em termos clínicos estamos diante de um local com inflamação que
conduz a um pronunciado exsudato. Nesta fase o organismo inicia a coagulação, limpa a
ferida e protege-a da infecção; os tecidos danificados e os germes são removidos (fagocitose).

1.3. Fase de Revascularização (Granulação ou Proliferação): são geradas novas


células e forma-se o tecido de granulação (uma espécie de tecido temporário para o
preenchimento da ferida). Fibrosblastos penetram na ferida em grandes quantidades, inicia-se
a síntese do colágeno e os capilares movem-se para o centro da ferida. E quanto estas
transformações ocorrem, reduz-se a quantidade de exsudato. A forma como se apresenta é
agora de tecidos vermelho com um bom fluxo sanguíneo.

1.4. Fase de Reparação - Epitelização - fase de cobertura da ferida pelas células


epiteliais. A diferença entre os tecidos torna-se cada vez mais evidente. As bordas da ferida
deslocam-se para o centro e a ferida fica gradualmente coberta de tecido epitelial. À medida
que a ferida se contrai o tecido vai se formando, o processo de cicatrização fica concluído.

1.5. Maturação - leva um ano nas feridas fechadas e mais nas feridas abertas. Nessa
fase diminui a vascularização, o colágeno se reorganiza, o tecido de cicatrização se remodela
e fica igual ao normal. A cicatriz assume a forma de uma linha fina e branca. Aumenta a força
de distensão local.

02. Fatores que Afetam a Cicatrização:

• Idade : nos extremos de idade o funcionamento do sistema imunológico está alterado, ora
por imaturidade, ora por declínio de função;
9

• Uso de substâncias impróprias para limpeza da ferida : algumas soluções são irritantes e
citotóxicas;
• Uso de substâncias impróprias para anti-sepsia : algumas substâncias são lesivas aos
fibroblastos;
• Compressão exagerada na oclusão ou na limpeza mecânica da lesão : pode promover
necrose dos tecidos;
• Constituição/ peso em relação à altura: na obesidade temos o aumento da espessura do
tecido subcutâneo (adiposo), o qual é pobremente vascularizado;
• Estado de nutrição (alimentação e hidratação) : para reconstrução tecidual é necessário
aporte de nutrientes, especialmente as proteínas;
• Diabete : além da diminuição da resposta imunológica, os novos capilares podem ser
lesados devido a hiperglicemia;
• Uso de drogas : esteróides, imunossupressores, citotóxicos;
• Tabagismo : a nicotina altera o funcionamento do sistema imunológico, as substâncias
liberadas pelo cigarro (ou similar) são citotóxicas, além disso, causam vaso constricção,
favorecem aterosclerose e hipóxia tecidual, haja vista a diminuição da capacidade de perfusão
alveolar;
• Infecção : a presença de mcrorganismos prolonga a fase inflamatória e a lesão tecidual.

IV. FATORES DE RISCO PARA INFECÇÃO

• Gerais: idade, nutrição mobilidade, estado mental, incontinência, saúde geral, higiene
geral;
• Locais: edema, isquemia, lesões de pele, corpos estranhos;
• Drogas: citotóxicos, esteróides, antibióticos;
• Procedimentos invasivos: cateterização, cirurgia, intubação;
• Doenças: carcinoma ( leucemia, anemia aplásica), anemia grave, diabete, doença hepática,
doença renal, AIDS;
• Duração da internação pré operatória : sabe-se que em 48 horas de exposição ambiental
ocorre a colonização do paciente pela flora nosocomial, que é especialmente patogênica e
antibiótico resistente;
• Ocupação de leitos : quanto maior a taxa de ocupação das enfermarias, maior será o
volume de microrganismos circulantes, os quais provém das pessoas que estão no ambiente.
10

• Tricotomia : a raspagem mecânica dos pelos cria micro-áreas de lesão que servem de
porta de entrada para microorganismos. Recomenda-se que em alguns casos os pelos sejam
apenas aparados (parto normal ) ou, ao realizá-la, que se execute o procedimento o mais
próximo possível do ato cirúrgico;
• Não lavagem das mãos por parte da equipe de saúde antes e após manipular cada paciente.

V. PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA AVALIAÇÃO DE FERIDAS

A avaliação das feridas direciona o planejamento dos cuidados de enfermagem,


implementa a terapia tópica além de proporcionar dados para monitorar a trajetória da
cicatrização das feridas. Devemos observar:

Localização anatômica
Tamanho: cm2 / diâmetro;
Profundidade: cm;
Tipo / quantidade de tecido: granulação, epitelização, desvitalizado e necrose;
Bordas: aderida, perfundida, macerada, descolada, fibrótica, hiperqueratose;
Pele peri-ulceral: edema, coloração, temperatura, endurecimento, flutuação, creptação,
descamação;
Exsudato: quantidade, aspecto, odor.

01. Tamanho: use a régua para medir, em centímetro, o maior comprimento e a maior largura
da superfície da ferida, multipliquem comprimento x largura, para obter a área em cm2;

02. Profundidade: escolha a profundidade e a espessura mais apropriada para a ferida usando
essas descrições adicionais:
• Dano tecidual sem solução de continuidade na superfície da ferida;
• Superficial, abrasão, bolha ou cratera rasa. Plana/nivelada com a superfície da pele, e / ou
elevado acima da mesma (ex. hiperplasia);
• Cratera profunda com ou sem descolamento de tecidos adjacentes;
• Sem possibilidade de visualização das camadas de tecidos devido à presença de necrose;
• Comprometimento de estruturas de suporte tais como tendão, cápsula de articulação.
11

03. Tipo de Tecido:

3.1. Tecido Necrosado: escolha o tipo de tecido necrosado predominantemente na


ferida de acordo com a cor, a consistência e a aderência, usando o seguinte roteiro:
• Necrose branca/cinza: Pode aparecer antes da ferida abrir, a superfície da pele está branca
ou cinza;
• Esfacelo amarelo, não aderido: Fino, substância mucinosa, espalhado por todo o leito da
ferida; facilmente separado do tecido da ferida;
• Esfacelo amarelo, frouxamente aderido: Espesso, viscoso, pedaços de fragmentos, aderido
ao leito da ferida;
• Tecido preto, macio e aderido: Tecido saturado de umidade; firmemente aderido ao leito
da ferida;
• Tecido preto / duro, firmemente aderido: Tecido firme e duro, fortemente aderido ao leito
e às bordas da ferida (como uma crosta dura / casca de ferida).

Obs: Quantidade de Tecido Necrosado: Determinar o percentual de ferida envolvida.

3.2. Tecido de Granulação: tecido de granulação é o crescimento de pequenos vasos


sangüíneos e de tecido conectivo para preencher feridas de espessura total. O tecido é
saudável quando é brilhante, vermelho vivo, lustroso e granular com aparência aveludada.
Quando o suprimento vascular é pobre, o tecido apresenta-se de coloração rosa pálido ou
esbranquiçado para o vermelho opaco.

04. Exsudato: algumas coberturas interagem com a drenagem da ferida produzindo um gel ou
um liquido que pode confundir a avaliação. Antes de fazer a avaliação do tipo de exsudato,
limpe cuidadosamente a ferida com soro fisiológico ou água. Escolha o tipo de exsudato
predominante na ferida de acordo com a cor e a consistência, usando o seguinte roteiro:

4.1. Tipo de Exsudato:


• Sanguinolento: Fino, vermelho brilhante;
• Serosanguinolento: Fino, aguado, de vermelho pálido para róseo;
• Seroso: Fino. Aguado, claro;
• Purulento: Fino ou espesso, de marrom opaco para amarelo;
12

• Purulento pútrido: Espesso, de amarelo opaco para verde, com forte odor.

4.2. Quantidade de Exsudato: Determinar o percentual da cobertura envolvida com o


exsudato. Use o seguinte roteiro:

• Nenhum: Tecidos da ferida secos;


• Escasso: Tecidos da ferida úmidos, exsudato não mensurável;
• Pequena: Tecidos da ferida molhados; umidade distribuída uniformemente na ferida;
drenagem envolve ≤ 25% da cobertura;
• Moderada: Tecidos da ferida saturados; a drenagem pode ou não estar distribuída
uniformemente na ferida; a drenagem envolve > 25% para < 75% da cobertura;
• Grande: Tecidos da ferida banhados em fluídos; drenagem abundante; pode ou não estar
distribuída uniformemente na ferida; a drenagem envolve > 75% da cobertura.

05. Bordas: use este roteiro

• Indistinta, difusa: Não há possibilidade de distinguir claramente o contorno da ferida;


• Aderida: Plana / nivelada com o leito da ferida, sem presença de paredes;
• Não-aderida: Presença de paredes; o leito da ferida é mais profundo que as bordas;
• Enrolada para baixo, espessada / grossa: De macia para firme e flexível ao toque;
• Hiperqueratose: Formação de tecido caloso ao redor da ferida e até as bordas
• Fibrótica, com cicatriz: Dura, rígida ao toque.

5.1. Descolamento: (undermine) para avaliar insira um aplicador com a ponta de


algodão sob a borda da ferida, introduza-o tão longe quanto possível sem forçar; levante a
ponta do aplicador de forma que possa ver visualizada ou sentida na superfície da pele ao
redor da ferida; marque a superfície com uma caneta; meça a distância entre a marca na pele e
a borda da ferida. Continue o processo ao redor de toda a ferida. Determinar
aproximadamente a porcentagem da ferida envolvida.

06. Pele peri-ulceral:


13

6.1. Cor da Pele ao Redor da Ferida: a partir da borda avalie quatro cm de pele ao
redor da ferida. As pessoas de pele escura apresentam colorações “vermelho brilhante” e
“vermelho escuro” como um escurecimento normal da pele ou roxo, e conforme a
cicatrização vai ocorrendo o novo epitélio apresenta coloração róseo e poderá nunca vir a
escurecer.

6.2. Edema de Tecido Periférico: a partir da borda avalie 04 cm de tecidos ao redor da


ferida. A pele edemaciada sem formação de sulco apresenta-se brilhante e esticada. Para
identificar o edema com formação de sulco/depressão/escavação comprima firmemente o
local com um dedo durante cindo segundos; ao ser aliviada a pressão exercida os tecidos não
retornam a posição prévia e aparece um sulco/escavação. Crepitação é o acumulo de ar ou gás
nos tecidos. Determinar a distancia do edema além da ferida.

6.3. Endurecimento do Tecido Periférico: a partir da borda avalie 04 cm de tecidos ao


redor da ferida. O endurecimento é reconhecido pela firmeza anormal dos tecidos periféricos.
Avalie beliscando cuidadosamente os tecidos. O endurecimento resulta em uma inabilidade de
se pinçar os tecidos. Determinar a porcentagem de área envolvida.

07. Estágio: classificação baseada no comprometimento tecidual e se dividem em 4 estágios


de acordo com a sua profundidade:

• Estágio 1: não há perda tecidual, ocorre comprometimento apenas da epiderme, com


presença de eritema em pele intacta;
• Estágio 2: perda de tecido envolvendo a epiderme, a derme ou ambas (a úlcera é
superficial e apresenta-se clinicamente como uma abrasão ou úlcera rasa);
• Estágio 3: perda total da pele, com necrose de tecido substancial, sem comprometimento
da fáscia muscular (a ferida apresenta-se clinicamente como úlcera profunda);
• Estágio 4: ocorre destruição extensa de tecido, necrose tissular ou lesão de osso, músculo
ou estruturas de suporte.

VI. CONCEITOS RELACIONADOS AO TRATAMENTO DE FERIDAS

1. Anti-sepsia : é o processo que visa a destruição ou inativação de microrganismos das


camadas superficiais ou profundas de tecidos de um organismo vivo;
14

2. Assepsia : é o conjunto de técnicas utilizadas para evitar a chegada de germes a um local


que não os contenha;
3. Assepsia médica : técnicas que visam impedir o crescimento de microrganismos em locais
que possuem flora normalmente;
4. Assepsia cirúrgica : diz-se das técnicas utilizadas para impedir proliferação e crescimento
de microrganismos onde não existem infecções;
5. Degermação : remoção de detritos e impurezas sobre a pele, aliado a redução da flora
microbiana local, mediante uso de degermante;
6. Esterilização: processo que visa destruição de todo microrganismo inclusive a forma
esporulada. A esterilização pode se dar por processos químicos (ex. glutaraldeído) ou
físicos (ex. autoclave);
7. Desinfecção: Processo físico ou químico (ex. álcool a 70%) que destrói os
microrganismos na forma vegetativa (menos os esporos) de objetos;
8. Anti-séptico : preparação química que reduz o número de microrganismos seja destruindo-
os, ou inativando-os (usado em superfície viva);
9. Detergente : preparação química que promove limpeza, purifica ou clareia uma superfície
inanimada;
10. Degermante : preparação química que por meio de ação física produz limpeza e
simultaneamente por meio antimicrobiano reduz o número de microrganismos da pele;
11. Sepse : presença de organismos patogênicos e formadores de pus ou toxinas, no sangue ou
nos tecidos; a septicemia (disseminação de microrganismos patogênicos pela corrente
sangüínea) é um tipo comum de sepse;
15

CAPÍTULO II

PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS

I. DEFINIÇÃO DE CURATIVO

É um meio terapêutico que consiste na limpeza e aplicação de uma cobertura estéril


em uma ferida, quando necessário, com a finalidade de promover a rápida cicatrização e
prevenir a contaminação ou infecção.

01. Objetivos:
• Auxiliar o organismo a promover a cicatrização;
• Eliminar os fatores desfavoráveis que retardam a cicatrização da lesão;
• Diminuir infecções cruzadas, através de técnicas e procedimentos adequados;

02. Finalidades:
• Limpar a ferida;
• Promover a cicatrização, eliminando fatores que possam retardá-la.
• Tratar e prevenir infecções;
• Prevenir contaminação exógena;
• Remover corpos estranhos;
• Proteger a ferida contra traumas mecânicos;
• Promover hemostasia;
• Fazer desbridamento mecânico e remover tecidos necróticos;
• Reduzir edemas;
• Drenar e/ou absorver secreções e exsudatos inflamatórios;
• Diminuir odor;
• Manter a umidade da ferida;
• Fornecer isolamento térmico;
16

• Dar conforto psicológico ao paciente;


• Diminuir a intensidade da dor;
• Limitar a movimentação em torno da ferida.

03. Categorias:
• Curativos primários: colocados diretamente sobre a ferida
• Curativos secundários: colocados sobre o curativo primário.

04. Tipos de Curativos:

O Tipo de curativo a ser realizado varia de acordo com a natureza, a localização e o


tamanho da ferida. Em alguns casos é necessária uma compressão, em outros lavagem
exaustiva com solução fisiológica e outros exigem imobilização com ataduras. Nos curativos
em orifícios de drenagem de fístulas entéricas a proteção da pele sã em torno da lesão é o
objetivo principal.

4.1. Curativo semi-oclusivo: Este tipo de curativo é absorvente ,e comumente utilizado


em feridas cirúrgicas, drenos, feridas exsudativas, absorvendo o exsudato e isolando-o da pele
adjacente saudável.

4.2. Curativo oclusivo: não permite a entrada de ar ou fluídos, atua como barreira
mecânica, impede a perda de fluídos, promove isolamento térmico, veda a ferida, a fim de
impedir efízema,e formação de crosta.

4.3. Curativo compressivo: Utilizado para reduzir o fluxo sangüíneo, promover a


estase e ajudar na aproximação das extremidades da lesão.

4.4. Curativos abertos: São realizados em ferimentos que não há necessidade de serem
ocluídos. Feridas cirúrgicas limpas após 24 horas, cortes pequenos, suturas, escoriações, etc
são exemplos deste tipo de curativo.

05. Classificação do Curativo de acordo com o Tamanho da Ferida:


17

5.1. Curativo pequeno: curativo realizado em ferida pequena: aproximadamente 16


2
cm . (ex: cateteres venosos e arteriais, cicatrização de coto umbilical, fístulas anais,
flebotomias e/ou subclávia/jugular, hemorroidectomia, pequenas incisões, traqueotomia.
Cateter de diálise e intermitente).

5.2. Curativo Médio: curativo realizado em ferida média, variando de 16,5 a 36 cm2.
(ex: Cesáreas infectadas, incisões de dreno, lesões cutâneas, abscessos drenados, escaras
infectadas, outros especificar).

5.3. Curativo grande: curativo realizado em ferida grande, variando de 36,5 a 80 cm2.
(ex: Incisões contaminadas, grandes cirurgias – incisões extensas (cirurgia torácica,
cardíaca), queimaduras (área e grau), toracotomia com drenagem, úlceras infectadas, Outros
especificar).

5.4. Curativo Extra Grande: curativo realizado em ferida grande, com mais de 80 cm2
(ex: Todas as ocorrências de curativos extragrandes deverão obrigatoriamente constar de
justificativa médica).

06. Técnica de Curativo:

6.1. Normas Gerais:


• Lavar as mãos antes e após cada curativo, mesmo que seja em um mesmo paciente;
• Verificar data de esterilização nos pacotes utilizados para o curativo (validade usual 7
dias);
• Expor a ferida e o material o mínimo de tempo possível;
• Utilizar sempre material esterilizado;
• Se as gazes estiverem aderidas na ferida, umedecê-las antes de retirá-las;
• Não falar e não tossir sobre a ferida e ao manusear material estéril;
• Considerar contaminado qualquer material que toque sobre locais não esterilizados;
• Usar luvas de procedimentos em todos os curativos, fazendo-os com pinças (técnica
asséptica);
• Utilizar luvas estéreis em curativos de cavidades ou quando houver necessidade de
contato direto com a ferida ou com o material que irá entrar em contato com a ferida;
18

• Se houver mais de uma ferida, iniciar pela menos contaminada; Nunca abrir e trocar
curativo de ferida limpa ao mesmo tempo em que troca de ferida contaminada;
• Quando uma mesma pessoa for trocar vários curativos no mesmo paciente, deve iniciar
pelos de incisão limpa e fechada, seguindo-se de ferida aberta não infectada, drenos e por
último as colostomias e fístulas em geral;
• Ao embeber a gaze com soluções manter a ponta da pinça voltada para baixo;
• Ao aplicar ataduras, fazê-lo no sentido da circulação venosa, com o membro apoiado,
tendo o cuidado de não apertar em demasia.
• Os curativos devem ser realizados no leito com toda técnica asséptica;
• Nunca colocar o material sobre a cama do paciente e sim sobre a mesa auxiliar, ou
carrinho de curativo. O mesmo deve sofrer desinfecção após cada uso;
• Todo curativo deve ser realizado com a seguinte paramentação: luva, máscara e óculos.
Em caso de curativos de grande porte e curativos infectados (escaras infectadas com áreas
extensas, lesões em membros inferiores, e ferida cirúrgica infectada) usar também o capote
como paramentação;
• Quando o curativo for oclusivo deve-se anotar no esparadrapo a data, a hora e o nome de
quem realizou o curativo.

6.2. Cuidados importantes:


• Em portadores de ostomias e fístulas utilizar placa protetora e TCM na proteção da pele
nas áreas adjacentes à ferida;
• Não comprimir demasiadamente com ataduras e esparadrapos o local da ferida a fim de
garantir boa circulação;
• As compressas e ataduras deverão ser colocadas em saco plástico protegidos e jogar no
hamper de roupa do paciente. Quando este material estiver com grande quantidade de
secreção, deve-se colocar em saco plástico e desprezar;
• Trocar os curativos úmidos quantas vezes forem necessárias, o mesmo procedimento deve
ser adotado para a roupa de cama, com secreção do curativo;
• Quando o curativo da ferida for removido, a ferida deve ser inspecionada quanto a sinais
flogísticos. Se houver presença de sinais de infecção (calor, rubor, hiperemia, secreção)
comunicar o S.C.I.H. e / ou a supervisora e anotar no prontuário, colher material para cultura
conforme técnica;
• O curativo deve ser feito após o banho do paciente, fora do horário das refeições;
19

• O curativo não deve ser realizado em horário de limpeza do ambiente, o ideal é após a
limpeza;
• Em feridas em fase de granulação realizar a limpeza do interior da ferida com soro
fisiológico em jatos, não esfregar o leito da ferida para não lesar o tecido em formação.
• Os drenos devem ser de tamanho que permitam a sua permanência na posição vertical,
livre de dobras e curva;
• Mobilizar dreno conforme prescrição médica;
• Em úlceras venosas e neuropatias diabética (pé diabético) manter membro enfaixado e
aquecido com algodão ortopédico;
• Em úlceras arteriais, manter membro elevado.

6.3. Antes de Iniciar o Curativo, deve-se Realizar:


• Avaliação do estado do paciente, principalmente os fatores que interferem na cicatrização,
fatores causais, risco de infecção;
• Avaliação do curativo a ser realizado, considerando-os em função do tipo de ferida;
• Orientação do paciente sobre o procedimento;
• Preparo do ambiente (colocar biombos quando necessário, deixar espaço na mesa de
cabeceira para colocar o material a ser utilizado, fechar janelas muito próximas, disponibilizar
lençol ou toalha para proteger o leito e as vestes do paciente quando houver possibilidade de
que as soluções escorram para áreas adjacentes);
• Preparar o material e lavar as mãos;

Após estes preparativos, podemos iniciar o curativo propriamente dito (remoção,


limpeza, tratamento, proteção).

6.4. Após a realização do curativo proceder a:


• Recomposição do paciente;
• Recomposição do ambiente;
• Destinação dos materiais (colocar em sacos no carrinho de curativos encaminhando à
C.M.E. o mais rápido possível, ou de acordo com as rotinas do Setor);
• Lavar as mãos;
• Evolução: Registro do procedimento incluindo avaliação da ferida; Após cada curativo
devem ser anotadas no prontuário do paciente as seguintes informações sobre a lesão:
20

- Localização anatômica;
- Tamanho e profundidade;
- Tipo de Tecido
- Presença de secreção / exsudato (quantidade, aspecto, odor);
- Bordas e Pele peri-ulceral;
- Presença de crosta;
- Presença de calor, rubor, hiperemia e edema.

Observações:
• A evolução do curativo, bem como os materiais gastos deverão ser anotados ao término de
cada curativo, evitando assim erros e esquecimentos de anotações;
• Se houver mais de um curativo em um mesmo paciente anotar as informações separadas
para cada um deles citando a localização do mesmo.

Lembre-se de:
• Evitar falar no momento da realização do procedimento e orientar o paciente para que faça
o mesmo;
• Fazer a limpeza com jatos de SF 0,9% sempre que a lesão estiver com tecido de
granulação vermelho vivo (para evitar o atrito da gaze);
• A troca do curativo será prescrita de acordo com a avaliação diária da ferida;
• Proceder a desinfecção da bandeja, carrinho, ou mesa auxiliar após a execução de cada
curativo, com solução de álcool a 70%;
• Manter o Soro Fisiológico 0,9 % dentro do frasco de origem (125 ml);
• Desprezar o restante em caso de sobra;
• O T.C.M. deve ser distribuído em frascos pequenos estéreis, (individuais);
• Realizar os curativos contaminados com S. F. 0,9 % aquecido (morno).

6.5. Principais Erros Cometidos ao se Fazer um Curativo:


• Usar curativo em feridas totalmente cicatrizadas;
• Cobrir o curativo com excesso de esparadrapo;
• Trocar o curativo em excesso em feridas secas;
• Demorar a trocar o curativo de feridas secretantes;
• Esquecer de fazer as anotações ou não faze-las corretamente;
21

• Não lavar as mãos entre um curativo e outro;


• Conversar durante o procedimento;
• Misturar material de um curativo e outro, em um mesmo paciente;
• Não fazer desinfecção do carrinho de um curativo para outro.

II. PADRONIZAÇÃO DOS TIPOS DE CURATIVOS

01. Classificação do Curativo de Acordo com as Características da Ferida.

1.1. Curativos de Feridas Cirúrgicas:

• Ferida limpa e fechada: o curativo deve ser realizado com soro fisiológico e mantido
fechado nas primeiras 24 horas após a cirurgia , passado este período a incisão deve ser
exposta e lavada com água e sabão. Se houver secreção (sangue ou seroma) manter curativo
semi-oclusivo na seguinte técnica;

Materiais: bandeja contendo 01 pacote de curativo estéril (com 02 pinças e gases); gases
estéreis, esparadrapo (micropore) soro fisiológico 0,9% e luva de procedimento.

Procedimento:
1. Lavar as mãos com água e sabão;
2. Reunir o material e leva-lo próximo ao paciente;
3. Explicar ao paciente o que será feito;
4. Fechar a porta para privacidade do paciente;
5. Colocar o paciente em posição adequada, expondo apenas a área a ser tratada;
6. Abrir o pacote de curativo com técnica asséptica;
7. Colocar gaze em quantidade suficiente sobre campo estéril;
8. Calçar as luvas;
9. Remover o curativo anterior com uma das pinças usando soro fisiológico 0,9 %;
10. Desprezar esta pinça;
11. Com outra pinça, pegar uma gaze e umedece-la com soro fisiológico;
12. Limpar a incisão principal, utilizando as duas faces da gaze, sem voltar ao inicio da
incisão;
22

13. Limpar as regiões laterais da incisão cirúrgica após ter feito a limpeza da incisão
principal;
14. Ainda com a mesma pinça, secar a incisão cirúrgica após ter feito a limpeza da incisão
principal;
15. Ocluir a incisão com gaze e fixar com esparadrapo ou ataduras se necessário;
16. Manter o curativo ocluído enquanto houver exsudação;
17. Colocar o setor em ordem;
18. Lavar as mãos;
19. Fazer a evolução da ferida e anotações de materiais na papeleta do paciente.

Observação: em feridas cirúrgicas após 24 horas não ocorrendo exsudato realizar apenas
higienização com água e sabão e manter a ferida aberta.

1.2. Curativos de Sistemas de Drenos Abertos:

• Feridas com drenos abertos: O curativo do dreno deve ser realizado separado da incisão,
e o primeiro a ser realizado será sempre o do local menos contaminado. O curativo deve ser
mantido limpo e seco, isto significa que o número de trocas deve estar diretamente
relacionado com quantidade de drenagem.
Feridas com drenagem superior a 50ml quando possível deve-se aplicar uma bolsa
para coletar o excesso de drenagem. Colocar bolsas em torno de feridas permite medir com
exatidão a quantidade de drenagem, restringe a disseminação de contaminação e aumenta o
conforto do paciente.
Alfinetes não são indicados como meio de evitar mobilização dos drenos de pen rose
pois enferrujam facilmente e proporcionam a colonização do local.

Materiais: bandeja contendo pacote de curativos estéril (com 02 pinças), gases estéreis,
esparadrapo (ou micropore) soro fisiológico 0,9%, luva de procedimento e bolsa para
colostomia estéril se necessário.

Procedimentos:
1. Lavar as mãos com água e sabão;
2. Reunir o material e levá-lo próximo ao paciente;
3. Explicar ao paciente o que será feito;
23

4. Fechar a porta para privacidade do paciente;


5. Colocar o paciente em posição adequada expondo apenas a área a ser tratada;
6. Abrir o pacote de curativo com técnica asséptica;
7. Colocar gaze em quantidade suficiente sobre o campo estéril;
8. Calçar luvas;
9. Remover o curativo anterior com uma das pinças usando soro fisiológico;
10. Desprezar esta pinça;
11. Com a outra pinça pegar uma gaze e umedecê-la com soro fisiológico;
12. Limpar a incisão do dreno e depois o dreno;
13. Limpar as regiões laterais da incisão do dreno;
14. Ainda com a mesma pinça secar a incisão e as laterais;
15. Mobilizar dreno a critério médico;
16. Ocluir o dreno mantendo uma camada de gaze entre o dreno e a pele ou quando ocorrer
hipersecreção colocar bolsa simples para colostomia;
17. Colocar o setor em ordem;
18. Fazer evolução na papeleta;
19. Fazer evolução da ferida e anotação de materiais na papeleta do paciente.

1.3. Curativos de Sistemas de Drenos Fechados

• Feridas com sistema de drenos fechados (Toráxico, Hemovácuo), cateter venoso


central (Intracath, duplo lúmem): Antes de iniciar o curativo, inspecionar o local de
inserção do dreno por meio de palpação. Realizar troca de curativo a cada 24 horas ou sempre
que o mesmo se tornar úmido, solto ou sujo.
Observação: os curativos em cateter venoso central (intracath) e cateter de duplo lúmen
deverão se realizados pelo enfermeiro do setor.

Materiais: bandeja contendo pacote de curativo estéril (02 pinças e gaze), gazes estéreis,
esparadrapo, soro fisiológico, álcool a 70% e luva de procedimento.

Procedimento:
1. Lavar as mãos com água e sabão;
2. Reunir o material e levá-lo próximo ao paciente;
3. Explicar ao paciente o que será feito;
4. Colocar o paciente em posição adequada, expondo apenas a área a ser tratada;
24

5. Abrir o pacote com técnica asséptica;


6. Colocar gaze em quantidade suficiente sobre o campo estéril;
7. Colocar luvas;
8. Remover o curativo anterior com uma das pinças usando Soro fisiológico 0,9%;
9. Desprezar esta pinça;
10. Com outra pinça, pegar uma gaze e umedecê-la com soro fisiológico;
11. Limpar o local de inserção do dreno ou cateter, utilizando as duas faces da gaze;
12. Usando a mesma pinça secar o local de inserção do dreno ou cateter aplicar álcool a 70%;
13. Ocluir o local de inserção com gaze;
14. Colocar o setor em ordem;
15. Lavar as mãos;
16. Fazer evolução da ferida e anotações de materiais na papeleta do paciente.

1.4. Curativos de Feridas Abertas sem Infecção:

• Feridas Abertas sem infecção: Podem apresentar perda ou não de substâncias, por
estarem abertas estas lesões são altamente susceptíveis as contaminações exógenas. O
curativo deve ser oclusivo e mantido limpo. O número de trocas está diretamente relacionado
a quantidade de drenagem, no entanto o excesso de trocas deve ser evitado afim de não
interferir no processo de cicatrização.

Materiais: bandeja, pacote de curativo (contendo 02 pinças e gaze) SF 0,9%, ácidos graxos
essenciais, gaze, coxim compressa de acordo com o tamanho da ferida.

Procedimentos:
1. Lavar as mãos com água e sabão;
2. Reunir o material e leva-lo próximo ao paciente;
3. Explicar ao paciente o que será feito;
4. Fechar a porta para privacidade do paciente;
5. Colocar o paciente em posição adequada e expor apenas a área a ser tratada;
6. Abrir o pacote de curativos com técnica asséptica;
7. Colocar gaze, coxim, compressa de acordo com o tamanho da ferida sobre o campo estéril;
8. Calçar luvas;
9. Remover o curativo anterior com uma das pinças usando soro fisiológico;
25

10. Desprezar esta pinça;


11. Com outra pinça pegar uma gaze e umedece-la com soro fisiológico;
12. Limpar toda a extensão da ferida com soro fisiológico em jatos;
13. Limpar as laterais da ferida;
14. Ainda com a mesma pinça, secar toda a extensão da ferida evitando movimentos bruscos
afim de não destruir o tecido em granulação.
15. Aplicar gaze embebida com ácidos graxos essenciais;
16. Proteger a ferida com coxim ou compressa; usar.atadura quando necessário
17. Colocar o setor em ordem;
18. Lavar as mãos;
19. Fazer evolução de ferida e anotações de materiais na papeleta do paciente;

1.5. Curativos de Feridas Abertas Contaminadas:

• Feridas Abertas Contaminadas: Apresenta secreção purulento , tecido necrosado ou


desvitalizado. O curativo deve ser mantido limpo e oclusivo, o número de trocas está
diretamente relacionado a quantidade de drenagem, devendo ser trocado sempre que houver
excesso de exsudato para evitar colonização e maceração das bordas.
É necessária uma limpeza meticulosa pois o processo de cicatrização só será iniciado
quando o agente agressor for eliminado , e o exsudato e tecido desvitalizado retirado.

Materiais: Bandeja contendo: 01 pacote de curativos estéril (com 02 pinças e gazes); gazes
estéreis, esparadrapo (ou micropore), soro fisiológico 0,9%, coxim, compressa (se
necessário), luva estéril, colagenase se houver tecido desvitalizado ou necrosado, lâmina de
bisturi, se necessário desbridamento.

Procedimentos:
1. Lavar as mãos com água e sabão;
2. Reunir o material e leva-lo próximo ao paciente;
3. Explicar ao paciente o que será feito;
4. Fechar a porta para privacidade do paciente;
5. Colocar o paciente em posição adequada, expondo apenas a área a ser tratada;
6. Abrir o pacote de curativo com técnica asséptica;
26

7. Colocar gaze em quantidade suficiente sobre o campo estéril, abrir todo o material a ser
utilizado no curativo;
9. Colocar gazes, compressas ou lençol próximos à ferida para reter a solução drenada;
10. Calçar luvas;
11. Remover o curativo anterior com uma das pinças usando soro fisiológico 0,9%;
12. Com a mesma pinça, pegar uma gaze e umedecê-la com soro fisiológico;
13. Começar a limpar a ferida da parte menos contaminada para a mais contaminada, ou seja,
neste momento limpar ao redor da ferida;
14. Limpar a ferida com gaze embebida com soro fisiológico;
15. Se necessário, remover os resíduos da fibrina ou tecidos desvitalizados (necrosados)
utilizando debridamento com instrumento de corte, remoção mecânica com gaze embebecida
em SF 0,9%, com o cuidado de executar o procedimento com movimentos leves e lentos para
não prejudicar o processo cicatricial ver técnica de debridamento; também poderá ser
utilizado o debridamento enzimático;
16. Embeber a gaze com pomada desbridante atingindo toda a área com tecido desvitalizado;
17. Ocluir a ferida com gaze estéril e coxim, se ferida muito exsudativa utilizar compressa;
18. Colocar o setor em ordem;
19. Lavar as mãos;
20. Fazer evolução da ferida e anotações de materiais na papeleta do paciente.

Lembre-se: Para curativos contaminados com muita secreção, especialmente tratando-se de


membros inferiores ou superiores, colocar uma bacia sob a área a ser tratada, lavando-a com
SF 0,9%.

1.6. Curativos de Feridas com Fistula ou Deiscência de Paredes:

• Feridas com Fistula ou Deiscência de Paredes: Quando ocorre uma fistula ou


deiscência de parede ou túnel torna-se difícil a realização de limpeza no interior da ferida
proporcionando um ambiente ideal para a colonização de patógenos. O ideal é realizar a
limpeza da ferida em todo o seu interior com jatos de solução fisiológica.

Material: Pacote de curativo com 02 pinças e gaze, cuba pequena estéril, cuba rim, sonda
uretral nº 8 e 12, seringa de 20ml, SF 0,9%, ácido graxo essencial se a ferida não estiver
contaminada: luva estéril.
27

Procedimentos:
1. Lavar as mãos com água e sabão;
2. Reunir o material, e levá-lo próximo ao paciente;
3. Explicar ao paciente o que será feito;
4. Fechar a porta para privacidade do paciente;
5.Colocar o, paciente em posição adequado expondo apenas a área a ser tratada;
6. Abrir todo o material com técnica asséptica sobre o campo estéril;
7. Colocar SF% na cuba;
8. Colocar luva estéril;
9. Conectar sonda a seringa, aspirar o SF% e introduzir no orifício da ferida;
10. Aspirar novamente e desprezar na cuba rim;
11. Repetir o procedimento até que a secreção aspirada saia limpa;
12. Secar as bordas da ferida;
13. Se não estiver contaminado aplicar ácidos graxos essenciais;
14. Ocluir a ferida com coxim ou compressa quando necessário;
15. Colocar o setor em ordem;
16. Lavar as mãos;
17. Fazer evolução da ferida e anotações de materiais na papeleta do paciente;

02. Técnica de Desbridamento:

• Desbridamento: O desbridamento envolve a remoção de tecido necrótico para permitir a


regeneração do tecido saudável subjacente. Na ferida infectada deve ser realizado um
desbridamento seletivo de tecido necrótico minimizando danos ao tecido de granulação mais
saudável. As feridas podem ser debridadas mecanicamente, quimicamente ou por uma
combinação das duas técnicas dependendo do tipo de lesão.

Material: Bandeja contendo pacote de curativo (02 pinças), cabo de bisturi, uma cuba
pequena, lâmina de bisturi e soro fisiológico;

Procedimentos:
1. Lavar as mãos com água e sabão;
2. Reunir o material, e levá-lo próximo ao paciente;
3. Explicar ao paciente o que será feito;
28

4. Fechar a porta para privacidade do paciente;


5.Colocar o paciente em exposição adequado expondo apenas a área a ser tratada;
6. Abrir o pacote com técnica asséptica;
7. Colocar sobre o campo estéril, gaze em quantidade suficiente, a lâmina de bisturi (com
cabo de preferência);
8. Colocar gazes, compressas ou lençol próximos à ferida para reter a solução drenada;
9. Calçar luvas;
10. Remover o curativo anterior com uma das pinças usando Soro fisiológico 0,9%;
11. Com a mesma pinça, pegar uma gaze e umedece-la com soro fisiológico;
12. Começar a lavar a ferida da parte menos contaminada para a mais contaminada;
13. Lavar o leito da ferida com grande quantidade de soro fisiológico 0,9%, através de
pequenos jatos com a seringa e agulha (a seringa com a agulha poderá ser substituída, se não
tiver, fazer um pequeno corte na abertura do frasco de SF % o invés de abri-lo totalmente, ou
colocando a seringa diretamente no frasco);
14. Iniciar o debridamento da área desvitalizada pela borda, com auxilio da outra pinça,
fazendo cortes superficiais ao redor do tecido desvitalizado. O debridamento deve ser
interrompido na presença de vascularização (sangramento é sinal de tecido vivo ou reação de
sensibilidade à dor);
15. Limpar o local com SF 0,9% com auxilio da mesma pinça;
16. Embeber a gaze com pomada desbridante quando a ferida apresentar pouca quantidade de
exsudato, espalhado por toda a área que ainda apresentar necrose ou fibrina residual;
17. Ocluir a ferida ou gaze estéril e coxim, se a ferida for muito exsudativa utilizar compressa
e fixar com esparadrapo ou atadura quando necessário;
18. Colocar o setor em ordem;
19. Lavar as mãos;
20. Fazer evolução da ferida e anotações de materiais na papeleta do paciente.

03. Técnica de Coleta do Material:

Não recomendamos a coleta de material superficial das feridas, pois como orienta o
Manual de Coleta de Microbiológicas da Santa Casa * , o swab de úlceras ou feridas não é
amostra mais adequada para recuperar o agente responsável pela infecção.
Os agentes responsáveis pelo processo infeccioso não estão nas secreções superficiais
que podem conter microrganismos que apenas colonizam as feridas. Os microrganismos de
29

importância para o processo infeccioso estão nos tecido hiperemiados e edemaciados, porém
não desvitalizados. Portanto, antes da coleta as lesões devem ser limpas com soro fisiológico
e o material preferencialmente obtido por punção ou biópsia.
Os resultados obtidos por meio de cultura de líquidos, através da aspiração de secreção
da área mais profunda da lesão ou biopsia (retirada de um pequeno pedaço de tecido), são
considerados como mais fidedignas, uma vez que culturas de Swab proporcionam resultados
com crescimento apenas da flora superficial que pode não ser a fonte infectante.

A indicação da coleta de material para cultura deve obedecer alguns critérios:


• Ferida Operatória: com presença de sinais inflamatórios como edema, hiperemia e calor
local ou secreção com ou sem sinais sistêmicos (febre).
• Úlceras: Não recomendamos a coleta de rotina de material para cultura exceto em
pacientes com febre e sem outro foco aparente de infecção, ou com presença evidente de
secreção sem resposta ao tratamento local (curativo). A coleta de material para cultura
também poderá ser recomendada pelo SCIH para fins de vigilância de patógenos resistentes,
em rotinas a serem estabelecidas.

A coleta inadequada do material além de dificultar a interpretação, gera custos


desnecessários para processamento dos exames e induz o uso desnecessário de
antimicrobianos.

* O Manual de Coleta Microbiológica foi elaborado por profissionais do Laboratório de Análises Clínicas e
Aprovado pela CCIH em 2004.

3.1. Aspiração:
Material: Todo material para curativo mais uma seringa de 10ml e agulhas 4012.

Procedimentos:
1. Proceder a limpeza mais solução fisiológica;
2. Coletar material utilizando seringa com agulha;
3. Identificar a amostra e encaminhar ao laboratório.
Quando não for possível a realização da técnica de aspiração, realizar a coleta com Swab.

3.2. Swab:
Material: Todo material para curativo mais um Swab com meio de cultura.
30

Procedimentos:
1. Limpar minuciosamente a ferida com soro fisiológico;
2. Gire suavemente o Swab no interior da ferida e depois bordas da ferida.
3. Coloque o Swab em meio de cultura, identifique-o e encaminhe ao Laboratório

04. Uso de Antimicrobianos para o Tratamento das Feridas:

O tratamento das Úlceras infectadas deve ser primeiramente local com utilização
adequada dos curativos e acompanhamento dos casos.
O uso de antimicrobianos sistêmicos deve ser reservado para os casos em que houver
comprometimento local além das bordas, com hiperemia e calor local evidente (celulite) ou
repercussão sistêmica (p. ex. febre) sem outro foco evidente.
O uso indiscriminado de antimicrobianos pode causar seleção de patógenos resistentes
sem benefício para o paciente.

III. PRODUTOS PADRONIZADOS PARA CURATIVOS

PRODUTO TIPO DE FERIDA INDICAÇÃO


Soro fisiológico 0,9% Todos os tipos de ferida Limpeza da ferida, mantém a
umidade.
Sistema de drenos fechados, Promover anti-sepsia da
cateter venoso central e coto ferida, remover a flora
Álcool a 70% umbilical. bacteriana local, diminuindo
assim colonização por
bactérias.
Ferida em fase de granulação Protege, hidrata o leito da
TCM (dersani) sem infecção. ferida, restaura a pele na
formação de tecido de
granulação.
Promove a retirada do tecido
Pomada Desbridante. Feridas com crostas, tecido necrótico superficial por ação
Colagenase - mono necrosado, fibrina, pouco enzimática sem afetar o
exsudato colágeno de tecido sadio ou
de granulação.

Absorve o excesso de
Feridas moderadamente exsudato, estimula a
Alginato de Cálcio exsudativas. agregação plaquetária,
promove desbridamento,
mantém a umidade e, tem
31

ação bacteriostática podendo


ser trocado a cada dois dias.
Feridas com grande Tem ação de absorção
Carvão Ativado quantidade de exsudato e odor bactericida e desodorizante
fétido. pode permanecer até 07 dias.

IV. PRODUTOS CONTRA INDICADOS PARA CURATIVOS

PRODUTO EFEITO NA FERIDA CONTRA INDICAÇÃO


Açúcar É esfoliante lesando o produto É considerada fonte de
de granulação. infecção, atrai pragas
(formigas e insetos), exige
várias trocas.
Permaganato de potássio Resseca os tecidos - Impossibilita que o leito da
(kmno4) ferida se torne úmido.
Citotóxico para feridas, Pode causar dermatites
destrói os fibroblastos - Existem relatos de absorção
Povidine (PVPI) pela mucosa e lesões,
podendo levar tardiamente a
uma tireoidite a até mesmo
insuficiência renal se usado
por tempo prolongado.
Antibiótico tópico Seleção de flora bacteriana Predispõe a hipersensibilidade
no local da lesão, ao antibiótico e dermatites.
prejudicando a cicatrização.
Desfavorece o processo
Corticóides inflamatório por ação Retarda o processo de
antiinflamatória retardando o cicatrização.
crescimento tecidual
Ação irritante, resfria o tecido Retarda o processo de
Éter/benzina perilesão, desidrata o mesmo. cicatrização e promove
ressecamento do tecido
perilesão.
É citotoxica para os Promove ressecamento da
Violeta genciana fibroblastos e dificulta a lesão, pode provocar machas
granulação normal na pele.
Lidocaína gel Não promove efeito Inibe a ação de outros
anestésico comprovado. produtos que serão usados nas
feridas ex: pomada
desbridante
Vaselina Causa impermeabilização da Dificulta a ação de outros
pele produtos, não tem como
garantir qualidade de
esterilização o que pode
promover colonização por
microrganismos.
32

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

01. APON, S; Análise e Críticas dos Modelos Propostos para Avaliação de Feridas. In:
Simpósio – “Avanços e Controvérsias no Cuidado com a Pele no Contexto da
Infecção Hospitalar”. APECIH – Associação Paulista De Estudos e Controle de
Infecção Hospitalar, 2001.

02. BACHION, M. M; NAKATANI, A. Y.K; Tratamento de Feridas. Universidade Federal


de Goiás, Faculdade de Enfermagem, Texto de Apoio Didático.

03. CCIH / HC – Unicamp: Normas para Utilização de Anti-Sépticos. Universidade


Estadual de Campinas, Hospital das Clínicas, 2000.

04. DALEY, C. Cuidando de Feridas. Atheneu, São Paulo, 1996.

05. DECLAIR, V; CARMONA, M. P; Ácidos Graxos Essenciais (AGES) Protetores


Celulares dos Mecanismos Agressivos da Lesão Hipóxica. Separata, vol. 4, nº 1,
Jan/Fev/Mar, 1998.

06. FERNANDES A. T. et. All. Infecção Hospitalar e Suas Interfaces na área da Saúde.
São Paulo: Atheneu, 2000.

07. FERNANDES, L. M; BRAZ, E. A Utilização do Óleo de Girassol na Prevenção de


Úlceras de Pressão em Pacientes Críticos. Nursing, Janeiro, 2002.

08. FIGUEIREDO, M. Úlceras Varicosas. In: PITTA G. B. B; CASTRO A. A; BURITTAN,


E; editores. Angiologia e Cirurgia Vascular: Guia Ilustrado. Maceió: Uncisal /
Ecmal & Lava; 2003. Disponível em: url: http://www. lava.med.br/livro

09. MANDELBAUM, M. H; Vantagens e Desvantagens das Diferentes Modalidades de


Curativo. In: Simpósio – “Avanços e Controvérsias no Cuidado com a Pele no
Contexto da Infecção Hospitalar”. APECIH – Associação Paulista De Estudos e
Controle de Infecção Hospitalar, 2001.
33

10. MARTINS, M. A. Manual de Infecção Hospitalar: Epidemiologia, Prevenção e


Controle. Medsi Editora Médica Científica: 2ª edição, Belo Horizonte, 2001.

11. MONACHINI, M. et. All. Padronização de Monitorização Hemodinâmica e da


Utilização de Cateteres Artério-Venoso. Hospital Sírio Libanês, Fevereiro, 2004.

12. SANTOS, V. L. C. G; O que o Profissional Precisa Saber Sobre Avaliação da Ferida.


In: Simpósio – “Avanços e Controvérsias no Cuidado com a Pele no Contexto da
Infecção Hospitalar”. APECIH – Associação Paulista De Estudos e Controle de
Infecção Hospitalar, 2001.

13. SMELTZER, S. C; BARE, B. G; BRUNNER & SUDDARTH. Tratado de Enfermagem


Médico-Cirúrgica. Guanabara-Koogan: 8ª edição, cap. 21, Rio de Janerio, 1998.

14. TAKEITI, M. H; Adoção de um Método de Avaliação de Lesões de Pele: Expediência.


Prática. In: Simpósio – “Avanços e Controvérsias no Cuidado com a Pele no
Contexto da Infecção Hospitalar”. APECIH – Associação Paulista De Estudos e
Controle de Infecção Hospitalar, 2001.

15. TENÓRIO, E. B; BRAZ, M. A Intervenção do Enfermeiro como Diferencial de


Qualidade no Tratamento de Feridas. Revista Brasileira de Home Care, 2002.

____________________________ _______________________________
Dra. Flávia Valério de L. Gomes Dra. Luciana Augusta A. Mariano
Enfermeira SCIH / CCIH Enfermeira SCIH / CCIH

_______________________________
Dra. Mônica Ribeiro Costa
Infectologista da C.C.I.H. /S.C.I.H.