Você está na página 1de 6

A implantação do Programa 5S na Escola Padre Nóbrega

Alberto Souza Schmidt


Claudete Trevisan Almeida Silva
Cláudia Sarzi Sartori
Faltemara Forsin Tessele
Melissa de Melo Goulart
Pauleana Martins Nunes
Neiva Pavezi
UFSM
e-mail: alberto@ct.ufsm.br, ctas@zaz.com.br, rpclau@terra.com.br, falft@hotmail.com,
cacism@vant.com.br, pauleana@bol.com.br, n.pavezi@mailbr.com.br,

Resumo

Este artigo tem por objetivo principal apresentar a implantação de um programa de 5S em escolas,
apresentando o caso da Escola Municipal de Ensino Fundamental Pe. Nóbrega, de Santa Maria.
Além disso, mostra os benefícios que o programa traz no desenvolvimento da escola e da comunidade
em que está inserida, contando ainda com sugestões para a implantação de um sistema de informação
eficiente e que venha a contribuir para o programa 5S.

Palavras-chave: 5S – escola – mudança comportamental

Abstract

This article has as a main objective to present the implantation of a 5S program in schools, through
the case of “Escola Municipal de Ensino Fundamental Pe. Nóbrega” in Santa Maria city. It also
shows the benefits the program brings to the development of the school and the society it takes part,
and suggestions to an implantation of an efficient information system that contributs to the 5S’s
program.

Key-words: 5S – school – change behavioral

O programa 5S

O novo cenário econômico mundial e as transformações sociais vividas pelo povo brasileiro
têm motivado nossas organizações a reverem o seu papel diante dos seus clientes e da sociedade em
geral. Como afirma COSTA (1996): “qualidade, custo, atendimento, moral e segurança são fatores
relevantes para a sobrevivência das organizações em face dessa nova realidade econômica.”
No povo brasileiro, cada vez mais se mostra presente a consciência e o desejo de melhor
qualidade de vida. Sabe-se contudo, que a melhoria das organizações somente será possível através da
educação das pessoas.
A escola, desta forma, representa o palco inicial e de fundamental importância para a
formação de cidadãos conscientes e comprometidos com a sua comunidade e com a melhoria da
qualidade de vida.
De acordo com COSTA (1996), “nesse contexto o Programa 5S tem se mostrado um
instrumento eficaz para a formação de hábitos saudáveis de vida entre os profissionais, alunos e
comunidade nas quais estão inseridos.”
Por ser de simples compreensão, aplicação e capaz de produzir resultados expressivos em um
prazo relativamente curto, o Programa 5S tem sido desenvolvido de maneira criativa, participativa e
alegre, constituindo uma forma realmente eficaz de se educar para a cidadania.
O Programa, desenvolvido no Japão a partir da década de 50, constitui a base da gerência pela
Qualidade Total. O nome 5S representa as iniciais de cinco palavras japonesas, que foram traduzidas
para o português como “sensos” para que não perdessem sua abrangência.

Tabela 01: Os 5S
Japonês Português
SEIRI SENSO DE UTILIZAÇÃO
SEITON SENSO DE ORDENAÇÃO
SEISO SENSO DE LIMPEZA
SEIKETSU SENSO DE SAÚDE
SHITSUKE SENSO DE AUTODISCIPLINA

Disciplina, motivação e iniciativa são fatores fundamentais na busca do êxito do programa.


Quando se pratica o programa 5S verifica-se, também, conseqüências como o aumento da autoestima,
o respeito ao semelhante, ao meio ambiente e o crescimento pessoal.
RIBEIRO (1999), descreve o significado de cada senso para um melhor entendimento: “5S é
um conjunto de atividades que visam aperfeiçoar o comportamento das pessoas, refletindo numa
mudança de hábitos e atitudes e melhorando os valores éticos e morais.
SEIRI (Senso de Utilização, Seleção, Classificação)
É saber utilizar sem desperdiçar. Uma maneira prática de desenvolver este Senso é separar as
coisas necessárias das desnecessárias, dando um destino adequado àquilo que não necessitam serem
guardadas em um determinado local ou em uma determinada quantidade.
Os principais benefícios deste Senso são a redução, e até eliminação do desperdício e a melhor
utilização dos espaços.
SEITON (Senso de Ordenação, Arrumação, Organização)
É saber arrumar para facilitar o acesso e a reposição das coisas. Uma maneira de praticar este
Senso é definir um lugar para cada coisa necessária, como também manter cada coisa em seu lugar,
Isto pode ser feito observando-se a freqüência de utilização e o tipo de material que se deseja arrumar.
Os principais benefícios deste Senso são a redução do tempo e dos desgastes físicos e mentais
para acessar aquilo que se deseja, gerando maior produtividade.
SEISO (Senso de Limpeza, Inspeção, Zelo)
É saber usar sem sujar. Este senso é desenvolvido quando o usuário de um local passa aser
responsável em limpá-lo, inspecionando o que provoca a sujeira, buscando uma solução para eliminá-
la, atenuá-la ou bloqueá-la, tornando o ambiente cada vez mais limpo.
Os principais benefícios do Senso de Limpeza são a melhoria da saúde e a melhoria da vida
útil das instalações físicas, contribuindo para uma maior disponibilidade operacional das máquinas e
equipamentos.
SEIKETSU (Senso de Asseio, Saúde, Higiene, Padronização)
É procurar fazer o asseio permanente do ambiente, do corpo e da mente. As melhorias
promovidas pelos três sensos anteriores devem ser mantidas e aperfeiçoadas. Esta prática permanente
torna-se um hábito e estimula a revisão dos valores éticos e morais, desenvolvendo a autoestima.
Os principais benefícios deste Senso são a liberação de energia humana para a construção de
um ambiente interior voltado para o bem e a busca contínua de melhoria.
SHITSUKE (Senso de Autodisciplina, Autocontrole, Respeito)
É cumprir rigorosamente o que for estabelecido. É respeitar ao próximo. A Autodisciplina é o
estágio mais elevado do ser humano, pois representa a educação comportamental e é constituída por
grandes valores, como: amor, cooperação, honestidade, humildade, liberdade, respeito,
responsabilidade, simplicidade, tolerância, unidade.
Os principais benefícios da Autodisciplina, além dos valores apresentados acima, são o
desenvolvimento do espírito de equipe, sinergia entre as pessoas, e o cumprimento às normas,
procedimentos, prazos e horário.”
O programa 5S nas escolas

É predominantemente em torno das pessoas e suas capacidades que podem ser encontrados
obstáculos para o treinamento, implantação, implementação e desenvolvimento de planos, projetos e
programas da qualidade. Por isso, é fundamental a participação e o comprometimento de todos na
busca de resultados satisfatórios. A escola, com isso, pode ser um centro disseminador desses
programas, além de propiciar aos alunos um contato com a realidade do mercado de trabalho. Como
afirma MARQUES (1993), “o que a escola não proporciona, e que é de vital importância para o
sucesso profissional, é o entendimento de que ‘saber’ não é adequadamente mobilizado a não ser que
venha mesclado com outros ingredientes que o tornem útil no contexto específico de seus
desempenhos”.
Segundo COSTA (1996), “o Programa começou a ser desenvolvido em instituições
educacionais brasileiras a partir de 1992, quando algumas escolas ingressaram no movimento pela
Qualidade Total na educação.”
Além de extremamente necessário à formação dos alunos, o 5S revela-se um instrumento
eficaz de incentivo à criatividade e a participação de todos na gestão escolar, propiciando um clima
favorável ao bom desempenho no trabalho.
A implantação do Programa 5S na escola possibilita a internalização gradual de conceitos
éticos profundos e essenciais à vida em sociedade, começando pela organização do ambiente exterior e
culminando com a organização e disciplina em níveis inter, intrapessoal (grupal), organizacional e
comunitário.
Através da implantação do Programa 5S no ambiente escolar, obtém-se um rico instrumento
para se trabalhar hábitos, atitudes e valores positivos e essenciais à formação integral do aluno.
O Programa 5S na escola vem assim, contribuir para a redução de perdas e conservação das
instalações, promove uma maior conscientização dos alunos, que resultará em comportamentos
positivos dentro e fora da escola. Os princípios dos cinco sensos também podem ser disseminados em
atividades pedagógicas, não só com os alunos, mas com funcionários, pais e a comunidade. Materiais
escolares em péssimo estado decorrente do mau uso, classes quebradas, paredes pichadas, sanitários
sem higiene, podem dar espaço para uma escola mais organizada e limpa, que se utilize da coleta
seletiva, com alunos pró-ativos, com aumento do índice de aprovação escolar e maior participação de
pais e alunos em eventos promovidos pela escola.
Diferentes das melhorias no campo tecnológico, as quais são relativamente limitadas para as
escolas da rede pública, diante do atual cenário governamental, as melhorias conseguidas no campo da
qualidade e produtividade são ilimitadas e não custam muito, ou seja, na implantação do Programa 5S,
a escola não necessita de entusiasmo para por em prática o processo, uma mudança de comportamento
em todos aqueles que participam e lutam por um processo educacional de qualidade, que sirva de
exemplo para as demais. Luta esta, que se restringe em produzir mais com os mesmos meios, já que os
recursos são escassos no setor que está se dando ênfase, isso se resume em aumento de produtividade.

A implantação do programa 5S na Escola Padre Nóbrega

Um dos objetivos da Gestão pela Qualidade Total é a interação com a sociedade, isto é, um
relacionamento além das relações puramente comerciais, na busca de uma melhor qualidade de vida.
Com base nisso, um dos projetos da Associação Qualidade RS – Programa Gaúcho de Qualidade e
Produtividade (PGQP) é o desenvolvimento de segmentos específicos, dentre eles o segmento da
educação, para tanto o Comitê Regional de Santa Maria (CRSM), em parceria com o Programa de
Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UFSM, iniciou um projeto chamado “Programa 5S na
Escola”, como ponto de partida de uma preocupação maior, a de que, se crianças, desde o início,
estiverem em contato com processos básicos da qualidade no ensino fundamental, a comunidade e a
sociedade em geral, obterão resultados melhores numa visão futura desses jovens e adultos.
Um dos valores da Associação Qualidade RS-PGQP diz que “a parceira conduz aos melhores
resultados para todos nós; e o compromisso de todos – governo, empresários, trabalhadores e
consumidores – trará os resultados de que a sociedade necessita”, portanto esta parceria com o
Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UFSM interage com a sociedade na
medida em que o corpo docente da escola, que formará o Comitê da Qualidade, está próximo da
realidade de sua localidade e possui grande facilidade para realizar projetos pedagógicos. O projeto do
5S na Escola, com a ajuda de profissionais conhecedores e interessados na disseminação dos conceitos
e estratégias da Qualidade Total, quer assim, colaborar para o desenvolvimento da comunidade na
origem para a solução de muitos problemas, que é a escola.
Com essa perspectiva, buscou-se então, junto a Secretaria de Educação do Município de Santa
Maria, o apoio para escolher uma escola e também para motivar o corpo docente para o projeto. A
Escola Municipal de Ensino Fundamental Padre Nóbrega foi escolhida como um projeto piloto e com
a aprovação da direção foi realizada reuniões de sensibilização para todos os professores.
A Escola Municipal de Ensino Fundamental Padre Nóbrega é uma escola com 307 alunos, 27
professores e 03 funcionários, que funciona nos períodos da manhã e tarde, sendo que a maioria de
seus alunos pertencem a classe média baixa. Sua estrutura física apresenta oito salas de aulas, quatro
dependências administrativas, um gabinete dentário, conzinha e banheiros.
Buscou-se realizar um trabalho multidisciplinar envolvendo vários segmentos da sociedade
tais como, o CRSM, a Secretaria de Educação e a comunidade vinculada à escola. A Secretaria de
Educação comprometeu-se em fornecer toda a infra-estrutura e materiais necessários ao sucesso do
Programa e o CRSM em apoiar na área de capacitação e consultoria para a implantação.
Com o corpo docente consciente da importância do projeto, organizou-se o Comitê da
Qualidade da Escola, organizado pela Diretora, a qual reuniu todos os interessados em outubro de
1999. O objetivo da existência de um comitê escolar é o de facilitar o gerenciamento da execução do
programa, além de assumir um caráter de continuidade da qualidade na escola.
Em novembro reuniram-se representantes do CRSM com o Comitê da Qualidade da Escola. A
reunião teve como objetivo a elaboração do Plano de Treinamento do Programa 5S na Escola.
Primeiramente foi ouvida a opinião dos presentes sobre a primeira palestra de lançamento do
Programa. Foi testemunhado que o Programa seria bom para todos na escola. Em seguida foi feita uma
sintética explanação do 5S realizado em uma escola de Porto Alegre. O CRSM propôs que, num
primeiro momento seria feito um melhor detalhamento do Programa, e quem receberia o treinamento
dos 5S seriam as professoras do Comitê da Qualidade da Escola, onde estas disseminariam para os
demais professores, funcionários, alunos e pais. A aplicação seria feita pela própria escola e o CRSM
participaria com o monitoramento. Foi colocado ainda que o 5S é uma extensão da educação
doméstica e um exercício, muitas vezes, de cidadania, portanto, a melhor maneira de começar seria
através de um mini-curso com os princípios básicos do 5S e como ele é implantado; posteriormente foi
feito, então, o trabalho de sensibilização para os demais, pois os professores do Comitê da Escola já
teriam um determinado conhecimento para levar à comunidade. Para concluir, foi dito que, se os
próprios instrutores do curso fossem os implementadores dos 5S, quando estes deixassem a escola,
haveria o risco do programa também terminar, por isso a importância do próprio Comitê escolar
executar e provavelmente ser o multiplicador em outras escolas; o objetivo é não criar dependência do
CRSM.
Em dezembro foi iniciado o treinamento “Formação de Multiplicadores para o 5S na Escola”.
A partir de março 2000 deu-se o início da implantação do Programa 5S na Escola Padre Nóbrega,
através do Comitê da mesma, sob a coordenação/orientação do CRSM. Na primeira reunião de
implantação em que o CRSM buscou verificar o Plano que Comitê escolar havia feito. O primeiro
passo foi a sensibilização para pais, professores e alunos.
Para motivar a participação dos alunos foi criado um concurso para a elaboração do mascote
do programa na escola, com premiação para primeiro e segundo lugares. De acordo com a Diretora e a
Coordenadora do Comitê da Qualidade da Escola, a escolha do mascote gerou um entusiasmo que
culminou na integração de todos, na eleição de um símbolo representativo para o Programa. O
mascote escolhido está presente em todo o material gráfico do projeto, serve também para melhor
compreensão da avaliação nas auditorias e estará presente em todos os eventos promovidos pela
escola. Assim, pretende-se inserir o mascote (menino) como um símbolo de identificação para os
alunos.
Ficou definido, conforme o plano do Comitê escolar, que a implantação seria feita por setores
com a realização dos cinco sensos em cada setor, sendo que os três primeiros seriam realizados
simultaneamente, ao término de um, inicia-se o outro, ou seja, adequado a realidade escolar, horários,
etc. O CRSM ficou responsável pelo acompanhamento.
O Plano de Implantação da Escola Municipal de Ensino Fundamental Padre Nóbrega ficou
pronto com os melhoramentos em março e com previsão do início da execução em maio. Foi entregue
uma cópia para o CRSM e outra para a Secretaria de Educação, afim de que estes possam acompanhar
o desenvolvimento detalhado do programa.
Atualmente a escola também conta com estagiários de arquivologia, para auxiliar na parte,
principalmente, da organização dos documentos.
O Programa ainda está em andamento.

O sistema de informação dentro do 5S na escola

No decorrer da implantação do Programa 5S houve também uma preocupação em desenvolver


um trabalho voltado para o gerenciamento das informações através da organização de arquivos. Esse
trabalho, gerido por profissionais da área de arquivologia, objetiva em última instância propiciar um
ambiente de trabalho apto à implantação da qualidade como também permitir um acesso
sistematizadamante acessível aos seus usuários e contribuir de forma efetiva para o êxito do Programa.
Isso torna-se possível através do desenvolvimento de atividades arquivísticas que compreendem desde
o conhecimento do universo institucional e documental até a elaboração de ferramentas para
implantação, controle e gerenciamento do Sistema.
Na escola Padre Nóbrega, o trabalho iniciou com uma reunião de conscientização junto ao
Comitê da Qualidade da Escola. Estão sendo desenvolvidas as atividades referentes ao conhecimento
do universo institucional que envolve a leitura dos regimentos escolares, atas, normas, etc, e o
conhecimento do universo documental que inicia através da elaboração de instrumentos de coleta de
dados.
Todas essas atividades têm o objetivo de fornecer dados para o planejamento de um Sistema
de Informações de qualidade, complementando assim todo o trabalho desenvolvido no Programa 5S.

Considerações finais

A qualidade, atualmente, não é mais um diferencial e sim uma necessidade, aliado a isso sabe-
se da importância da educação como formadora, em última instância, da cidadania.
Assim, torna-se vital o comprometimento de todos na colaboração com as atividades
escolares. E desta forma, o projeto do Programa 5S na Escola vem ao encontro dos anseios da
educação doméstica e na formação da pessoa como um todo.
Na escola Padre Nóbrega, a Direção e os professores formadores do Comitê da Qualidade
foram de fundamental importância, pois foram eles que prepararam e incentivaram os colaboradores e
alunos para esta nova fase na escola: a era da qualidade, assim como os responsáveis pelo projeto
através do acompanhamento e assessoramento total, servindo de conselheiros no processo, que
resultou na integração entre alunos, professores, funcionários e a comunidade.
Pode-se criar um ambiente com qualidade em torno de si, utilizando o corpo para agir,
a cabeça para pensar e o coração para sentir, por meio do Programa 5S, colocando em ação os cinco
sensos que estão dentro de cada um, através de uma mudança de atitude.

Referências bibliográficas

BARROS, Claudius D’Astagnam C. Sensibilizando para a qualidade. Rio de Janeiro: Qualitymark,


1992.

CARVALHO, Antônio Vieira de; GOMES, Oziléia Clen. Administração de recursos humanos. São
Paulo: Atlas, 1983.
COSTA, Rosane Marques Crespo. Como praticar o 5S na escola/ Rosane M. Crespo Costa, Solange
Mara do Nascimento Pena, Celisa Mirtes Boschi. Belo Horizonte: UFMG, Escola de Engenharia,
Fundação Christiano Ottoni, 1996.

DAVENPORT, Thomas H. Ecologia da Informação: por que só a tecnologia não basta para o
sucesso na era da informação/ Thomas H. Davenport, Laurence Prusak; tradução Bernadette
Siqueira Abrão. São Paulo: Futura, 1998.

MARQUES, Juracy C.; MIRSHAWKA, Vitor. Luta pela qualidade – a vez do Brasil. São Paulo:
Makron Books, 1993.

RIBEIRO, Haroldo. 5S: um roteiro para uma implantação bem sucedida. Salvador, BA: Casa da
Qualidade, 1994.

RIBEIRO, Haroldo. 5S administrativo. São Paulo: PDCA Consultoria em Qualidade, 1999.

SILVA, João Martins da. 5S: o ambiente da qualidade. Belo Horizonte, MG: Fundação Christiano
Ottoni, 1994.