P. 1
circulação sanguínea

circulação sanguínea

3.0

|Views: 3.235|Likes:

More info:

Published by: Almir Fernandes de Carvalho on Nov 25, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/18/2012

pdf

text

original

FIMCA FACULDADES INTEGRADAS APARÍCIO CARVALHO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA HUMANA CURSO DE MEDICINA 2005/2006

A Circulação
Considerações Gerais
Profº RODRIGO BASTOS DE BARROS

Introdução
 

Função básica do sistema cardiovascular - bombear o sangue para conduzir o oxigênio e nutrientes até tecidos, eliminar produtos residuais e transportar substâncias de uma parte a outra do organismo. O sistema circulatório é composto por uma bomba, o coração; um meio, o sangue; uma rede de transporte, as artérias e as veias e um sistema de distribuição, os capilares, onde se produzem as trocas dos diferentes compostos, no meio interno. Qualquer alteração do coração e dos vasos provocará problemas de regulação geral orgânica em conseqüência da falta de aporte sangüíneo, de oxigênio e nutrientes aos tecidos e a retirada dos catabólitos.

As Partes Funcionais da Circulação
 

  

As artérias transportam o sangue sob alta pressão para os tecidos. As arteríolas são os últimos pequenos ramos do sistema arterial e atuam como válvulas de controle do fluxo capilar. Os capilares - responsáveis pela troca entre sangue e líquido intersticial.Poros capilares As vênulas coletam sangue dos capilares e coalescem aos poucos em veias maiores. As veias transportam sangue dos tecidos ao coração ( grande reservatório de sangue )

Volumes Sanguíneos

Vasos Pulmonares 9% Coração 7%

Sistema Arterial 13%

Arteríolas 7%

Sistema Venoso 64%

Áreas de Secção Transversa e Velocidades do Fluxo

Vaso

Área Secção Transversa(cm2)

Aorta 2,5 Pequenas Artérias Arteríolas 40 Capilares 2.500 Vênulas 250 Pequenas Veias Veias Cavas

20

80 8

- Maior área venosa – reserva sanguínea

Pressões nas Várias Partes da Circulação - Pressão média Aorta – 100 mmHg

- Pressão sistema arterial – 120 ( sistólica ) x 80 mmHg ( diastólica )

- Pressão reduz progressivamente até níveis de 0 mmHg ( terminação das veias cavas )

- Pressão média capilar – 17mmHg - Capilares arteriais – 35 mmHg - Capilares venosos – 10 mmHg * ⇓ pressão capilar – impede vazamento de plasma e permite difusão de nutrientes para tecidos - Pressão Arterial Pulmonar média – 16 mmHg ( 25 sistólica e 08 diastólica ) - Pressão Capilar Pulmonar média – 7 mmHg * ⇓ pressão pulmonar – suficiente para trocas gasosas ( curta distância percorrida pelo sangue )

A Circulação em 2 “sistemas”
A Circulação Sistêmica ou Grande Circulação

Se inicia no ventrículo esquerdo e prossegue pela artéria aorta e todas as suas múltiplas divisões até chegar ao leito capilar dos órgãos de todo o organismo. Depois são as veias procedentes desses órgãos que acabam confluindo em dois grandes troncos venosos (as veias cavas), que conduzem de novo o sangue ao coração (ao átrio direito). Sua função é distribuir o sangue por todo o organismo, para que este possa cumprir suas funções de nutrição, retirada dos produtos do metabolismo, etc.

A Circulação Pulmonar ou Pequena Circulação

Se inicia no ventrículo direito e prossegue pela artéria pulmonar e pelo leito capilar pulmonar, regressando ao coração (ao átrio esquerdo) através das veias pulmonares. Sua função é a hematose, ou seja, a eliminação do gás carbônico do sangue e a captação, pelo sangue, do oxigênio do ar contido nos pulmões.

Ciclo Cardíaco
Aorta VCS Valvas Cardíacas Átrio Esquerdo Artéria Pulmonar Veias Pulmonares Átrio Direito Ventrículo Direito VCI Aorta Descendente Ventrículo Esquerdo Artéria Pulmonar Veias Pulmonares

Circulação Sistêmica

Circulação Pulmonar

Sistemas Capilares

Teoria Básica da Função Circulatória

O fluxo sanguíneo para cada tecido do corpo é quase sempre controlado com precisão diante das necessidades e variações locais do tecido O débito cardíaco é controlado sobretudo pela soma de todos os fluxos locais dos tecidos, bombeando quantidades necessárias com ajuda de controles neurais A pressão arterial é controlada independentemente do controle do fluxo local ou do controle do débito cardíaco ( controles por sinais neurais, renais e pressorreceptores )

Inter-relações entre Pressão, Fluxo e a Resistência

O fluxo sanguíneo é determinado por : (1) a diferença de pressão entre as duas extremidades do vaso, que é a força que empurra o sangue por ele (2) a resistência vascular, que é o impedimento ao fluxo ao longo do vaso.

Q= P1-P2 / R (Lei de Ohm).

O fluxo sanguíneo é a quantidade de sangue que passa por um dado ponto da circulação num dado período de tempo. DC= 5 l/min.

A pressão sanguínea é a força exercida pelo sangue sobre qualquer unidade de área da parede vascular. Unidade: mmHg.

Resistência ao Fluxo Sanguíneo

Unidade de Resistência: calculada pelo fluxo e diferença de pressão no vaso, sendo de 1ml/s e 1 mmHg, respectivamente, temos 1 URP. Resistência Periférica Total: fluxo sg = 100 ml/s / dif pressão aa-vv=100 mmHg => 1 URP - Vasos contraídos – Resistência até 4 URP - Vasos dilatados – Resistência até 0,2 URP

Resistência Pulmonar Total: 0,14 URP - Pressão art Pulm 16mmHg – Pressão átrio esq 2mmHg = 14 mmHg - Fluxo normal 100 ml/s

Condutância – medida do fluxo para determinada pressão – Condutância = 1 / Resistência

O diâmetro do vaso exerce efeito muito importante na condutância, da ordem da quarta potência do diâmetro, assim um aumento de apenas 4 vezes no diâmetro do vaso eleva o fluxo de 1 para 256 ml/s.

A viscosidade sanguínea também impõe reduções no fluxo, quanto maior, maior também será a resistência e menor o fluxo.

LEI DE POISEUILLE - Secção transversa dos vasos e demonstração dos anéis concêntricos - Quanto mais perto da parede, mais lento o fluxo ( resistência ) - Quanto menor o vaso ( maior contato com parede ) menor o fluxo

Importância da Lei da “Quarta Potência” - Controle arteriolar local – pequenas variações de diâmetro até 4 vezes aumentam o fluxo em até 256 vezes ! - Ótima responsividade a controles neurais e variações teciduais locais

Efeito do Hematócrito e da Viscosidade sanguínea sobre a Resistência e o Fluxo

- Quanto maior viscosidade, menor fluxo - Viscosidade sanguínea – hemácias em suspensão (aderência com parede dos vasos – retardo no fluxo )

Hematócrito Porcentagem do sangue constituído por células Homens – 42 % Mulheres – 38 % Aumento do Ht – aumento da viscosidade sanguínea Viscosidade do sangue 3 vezes a da água Viscosidade do plasma 1,5 vez a da água

Efeito da Pressão sobre Resistência e Fluxo - Aumento de pressão eleva fluxo por 2 modos: - aumenta força que empurra sangue pelo vaso - aumenta diâmetro do vaso

Estímulo Simpático nos vasos – constricção ( reduz diâmetro e fluxo )

Inibição Simpática nos vasos – vasodilatação ( aumento do fluxo )

Complacência Vascular

É a quantidade total de sangue que pode ser armazenada numa dada porção da circulação para cada mmHg de elevação de pressão.

A complacência de uma veia é 24 vezes a de sua artéria correspondente.

As veias desempenham papel especial no armazenamento de sangue extra e no controle rápido do débito cardíaco.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->