Você está na página 1de 471

Reiki

Usui Reiki Ryoho

Sistema Usui de Cura Natural

Orientações

Swami Paatra Shankara


Aos futuros reikianos

Não poderia me furtar em tecer alguns comentários sobre o tema Iniciação.

Normalmente, quando as pessoas, em geral, buscam a sua Iniciação, têm em


mente que serão desvelados segredos guardados a sete chaves, o incrível
irá ser revelado e o abstrato se tornará concreto.

É importante sempre lembrar, que no nosso dia-a-dia somos Mestres e


Discípulos. Mestres, porque estaremos de alguma forma proporcionando um
caminho àqueles que não o viram, e Discípulos, pois neste planetóide,
ninguém é sabedor de tudo: se o fosse, não estaria entre nós.

Numa abordagem simples, Iniciação pode ser interpretada como início para
uma ação ou mesmo ação de início. Toda perspectiva, sob a minha ótica,
visa o auxilio momentâneo para o despertar interior, que sempre será o
nosso mestre que, quem sabe, não sejamos nós mesmos.

Infelizmente, a agitação dos dias atuais, onde as pessoas são formadas e


forjadas para a competição, perdem-se, momentaneamente, oportunidades
para o desenvolvimento e crescimento de todos. Valores ou premissas
individuais tentam prevalecer sobre premissas coletivas, pois na quase
totalidade das vezes, pelo menos no que já tive a oportunidade de conhecer,
há o princípio de "obediência incondicional", onde a verdade relativa de
alguns tem de ser apreendidas como verdades absolutas.

O processo iniciatório vai além de conceitos próprios de filosofia, ciências,


religião, artes, forma de ver o mundo físico ou astral. A Iniciação transcende
os valores que conhecemos, pois a perspectiva é a de fazer, ou melhor,
auxiliar no crescimento das pessoas como seres, para algo muito maior do
que o rótulo de nossas convicções.

Para a relação de Mestre e Discípulo, a princípio, não há necessidade de que


pessoas sejam afins ao mesmo projeto de vida, pois a Iniciação não é uma
escola e sim a catalisação de valores individuais, que já estão latentes nos
indivíduos. Iniciação não é uma instituição e sim um processo individual,
pois cada ser tem diferentes aspirações, vontades, determinações,
carências, qualidades, etc. O aspecto religioso, por exemplo, é apenas um
facilitador ou mesmo um dificultador.

Devemos considerar que o neófito, quando da sua Iniciação como reikiano,


só estará recobrando aquilo que já lhe era intrínseco e apenas estará sendo
despertado para algo que já existia dentro de si.

Swami Paatra Shankara

2
Onde eu não posso curar
Deixe--me ajudar
Deixe

Onde eu não posso ajudar


Deixe--me aliviar
Deixe

Não contra a vontade divina


Mas com a graça de Deus
Nós doamos Reiki

3
Índice/Página

Introdução/10
História do Método Usui de Cura Natural/13
O Reiki e sua verdadeira história/18
A versão de Hawayo Takata/19
O Reiki no Ocidente/21
O Reiki no Japão atual/22
O desenvolvimento do Reiki no Japão/23
Usui Reiki Ryoho/25
O fundador como visto no Ocidente/26
O fundador como visto no Oriente/28
Os fundamentos budistas do Reiki/29
Autêntico ou não?/30
O significado da palavra Reiki/34
O Ideograma/34
O Significado do símbolo do Reiki/35
O Reiki no Ocidente pela Senhora Hawayo Takata/37
Anotações de um diário antigo de Hawayo Takata/38
Reiki – Conceitos básicos/42
Energia/42
Conceito clássico de Energia/44
Energia sob o ponto de vista oriental/44
O Rei e o Ki/45
Energia manifestada e energia não manifestada/46
O fluir do Reiki/47
A simplicidade do Reiki/47
O Reiki e a cura/48
Iniciação ou Sintonização/49
O funcionamento do reiki/49
Como funciona a energia Reiki/49
Os efeitos da energia Reiki/50
A energia Reiki é:/50
O Reiki não é:/50
A energia Reiki pode ter aplicações em:/51
Vantagens e benefícios da energia Reiki:/51
Desintoxicação/52
Quem pode ser reikiano/53
A qualidade do Reiki/53
Reiki: uma religião ou não?/53
O poder do Reiki/54
O Reiki e os “milagres”/55
A origem do Reiki/55
O Reiki como terapia/55
O Reiki e a cura/56

4
O trabalho da energia Reiki/56
Outras aplicações do Reiki/57
Terapia Holística/59
Reiki e seus graus/61
Reiki – Cores/63
Iniciações/64
Iniciação ou Sintonização no Reiki/67
As Sintonizações/67
Primeiro Grau/69
Shoden/69
Princípios do Reiki/70
Os Cinco Princípios/70
Gassho - Reiji-Ho - Chiryo/73
Meditação das Duas Mãos Postas (Gassho)/73
Indicação da Energia Reiki/Métodos (Reiji-Ho)/75
Tratamento (Chiryo)/77
Reiju/79
O Reiju/79
Hatsurei Ho/89
Focalizar (Mokunen)/90
Banhar-se a seco (Kenyoku)/90
Conexão/91
Respiração para limpeza do espírito/91.
Entrega à oração (Gassho)/92
Gassho Meisho (Meditação Gassho) e Gassho Kokyu Ho/93
Gassho Kokyu Ho/93
Reiki Mawashi (a corrente de Reiki)/94
Reiki Ajari-Yuga (Uma Meditação Esotérica Aprofundada)/94
Método de respiração para limpar o espírito (Joshin Kokyuu-Ho)/95
O Tanden/96
Seika Tanden/97
Como Armazenar Energia Vital no Tanden/98
As Técnicas de Tratamento/98
A confiança/100
Hara/102
Interpretando as Percepções (Byosen)/104
Técnicas ensinadas por Mikao Usui/105
Byosen Reikan Ho/106
Algumas ressonâncias e seus significados comuns:/107
Hatsurei-Ho/109
Hekikuu Reiki – O método do sangue do coração/109
Gyoshi Ho/110
Bushu Chiryo Ho ou Nadete Chiryo Ho/111
Uchide Chiryo Ho ou Dashu Chiryo Ho/111
Oshite Chiryo Ho/111
Seikaku Kaizen Ho ou Nentasu/113
Enkaku Chiryo/113

5
Jaki Kiri Jhoka Ho/113
Seiheki Chiryo Ho (Tratamento do hábito)/114
Tanden/Hara Chiryo Ho/115
Heso Chiryo Ho/117
Genetsu Ho/118
Gedoku Chiryo Ho/119
Chakras - Correlações físicas e emocionais/121
Chakras e Bijas e Mantras/124
Sétimo Chakra/124
Sexto Chakra/126
Quinto Chakra/127
Quarto Chakra/129
Terceiro Chakra/130
Segundo Chakra/132
Primeiro Chakra/133
Chakra Transpessoal/135
Chakra Ming-Mein/136
Chakra Umeral/136
Resumo sobre os chakras/137
Diagnóstico dos Chakras/137
Qual a razão de utilizar a radiestesia e a radiônica junto com o trabalho de com
Reiki?/138
Alguns conceitos sobre radiestesia e radiônica/140
Diagnóstico dos Chakras com um Pêndulo/178
Diagnose dos Centros de Energias – Chakras/182
Considerações sobre o diagnóstico dos chakras/183
Outras possibilidades/métodos de avaliação dos Chakras/186
Observação dos chakras/186
Linguagem do corpo/187
Os sinais da mentira/188
Outros indicadores da mentira:/188
Detectando a verdade:/189
Linguagem corporal no jogo de sedução (exemplo didático)/189
Teste cinesiológico/190
Teste do polegar e dedo indicador/191
Capacidade mediúnica/192
Hábitos de dormir/192
Considerações sobre os métodos de análise dos chakras/193
Algumas pequenas correlações chákricas/193
Medição da aura com um pêndulo ou um aurameter/194
Limpeza da Aura/194
Limpeza da coluna/196
Desintoxicação do organismo através do Tanden/197
Posições de mãos e dedos durante o Reiki/198
Posições tradicionais de mãos durante um tratamento com Reiki,por Takata/202
Posições de mãos livres e intuitivas ou previamente marcadas pelo Byosen como
preconizado por Miakao Usui/207

6
Ritmos Cardíaco e Respiratório - A Proporção Saudável/250
Resumo das proporções/251
O Tratamento dos Chakras/252
Equilíbrio dos Chakras:/252
Reconstrução dos Chakras/252
O Ritual do Reiki/253
As Posições do Reiki – Tratamento Completo/253
Auto Tratamento com Reiki/254
Tratamento Sistemático com o Reiki – Tratamento Padrão/254
Considerações sobre o equilíbrio e reconstrução dos chakras/254
Equilíbrio dos Chakras Coronal e Raiz/254
Equilíbrio dos Chakras Frontais/254
Equilíbrio dos Chakras Dorsais/256
Reconstrução dos Chakras/256
Necessidade de energia nos chakras inferiores/256
Necessidade de energia nos chakras superiores/257
Necessidade de energia nos chakras superiores e inferiores/257
Selamento dos Chakras/257
Massagem nas Zonas de Reflexo nos Pés/259
Corpo Humano/261
Reiki Emergencial/265
Okuden (Sabedoria Profunda)/274
O Ritual do Reiki para o Segundo Grau/274
O Ritual Reiki – Procedimentos preparatórios/274
Tratamento Sistemático com o Reiki - Segundo Grau – Considerações/282
Tratamento Reiki com a pessoa presente e sem mensagem/285
Tratamento Reiki com a pessoa presente e com mensagem/286
Reiki à Distância/290
Memória celular e o poder do pensamento/294
O poder do pensamento/296
O Reiki à Distância – Métodos/297
Comportamento e ética no Reiki à distância/299
Reiki à Distância – Métodologia/301
Tratamento Reiki à distância e sem mensagem subliminar/302
Tratamento de Reiki à distância com mensagem subliminar/304
Meditação de Cura Mundial/306
Energização de ambientes e materiais diversos/308
Símbolos do Okuden – Teorias e Mitos/309
Os Símbolos do Reiki/311
Os Símbolos e os Mantras/311
Símbolo da Força – Cho Ku Rei ou Choku Rei/315
Símbolo Dragão da Proteção – Sei He Ki/316
Algumas variações do símbolo Sei He Ki/317
Símbolo da Conexão à Distância – Hon Sha Ze Sho Nen/318
Algumas variações do símbolo Hon Sha Ze Sho Nen/319
Símbolo do Mestre – Daí Ko Myo/321
Algumas variações do símbolo Daí Ko Myo/322

7
O símbolo da Finalização / Concretização – RAKU/323
Base esotérica dos símbolos/324
O Básico para Uso dos Símbolos:/325
Compreendendo e Integrando-se com os Símbolos do Reiki/326
Primeiro símbolo – CHO KU REI/326
Utilização do Cho Ku Rei/327
Proteção dos Chakras/328
Potencializando a Energia/328
Segundo símbolo – SEI HE KI/329
Algumas aplicações do Sei He Ki/331
Terceiro símbolo - HON SHA ZE SHO NEN/332
Quarto símbolo – DAÍ KO MYO/334
O símbolo da finalização/concretização– RAKU/336
Outros símbolos de outras vertentes do Reiki//338
Auto-aplicação com os símbolos/340
Banho de Energia/340
Técnica do Caderno/341
Ativação do Caderno/342
Técnica da Caixa/343
Ativação da Caixa/343
Desfazendo-se da Caixa e/ou Caderno/344
Técnica da Redução/344
Técnica do Substituto/345
Técnica da Foto/345
Técnica do Dedo/345
Técnica da Cura do Coração/346
Respiração dos Chakras/346
Técnica Especial de Cura/347
Exemplos de Afirmações/348
Relaxamento e Reiki/350
Programações especiais/351
Programando o Travesseiro/351
Programando um Livro/352
Limpeza e Programação de Cristais/352
Proteção do Carro ou Casa/353
Técnica de Licença e Proteção/353
Programando um Tratamento/353
Meditação com os Símbolos/354
Plano de cura do Dr. Hayashi/356
Zenshin Ketsueki Kokan-Ho/357
Outras técnicas do Dr.Hayashi/363
Doenças relacionadas à emoção/371
Meridianos, Auras e Chakras/373
A Aura/374
Os Cinco Elementos/376
Os Chakras Secundários e os dois Pa Kuas/377
Os Símbolos do Terceiro Grau – O Mestrado/380

8
Dai-Ko-Myo/383
Variações do Dai-Ko-Myo/383
O raio de luz mantendo o fogo (somente para fazer as iniciações)/385
A preparação do Mestre para fazer as iniciações/393
Tempo para experimentar/394
Professor ou Mestre?/395
Aprender e Ensinar/395
O que é um Mestre de Reiki/396
Para um Mestre formar uma turma:/397
As Armadilhas/397
Reiki, poder e dinheiro/398
Reiki – Primeiro Grau- Iniciações / Sintonizações/402
Reiki – Segundo Grau – Iniciação / Sintonização/405
Reiki – Mestrado- Iniciação / Sintonização/406
Cuidados gerais/407
Preparação do ambiente/407
Sugestão de Desenvolvimento de Curso/Iniciação - Primeiro Grau/407
Sugestão de Desenvolvimento de Curso/Iniciação Segundo Grau/409
Sugestão de Desenvolvimento de Mestres Reiki/411
Técnicas e adendos de Reiki/412
Alta Magia e o Reiki/430
142.Bibliografia/471

9
Introdução

Durante muito tempo, os aspectos exteriores foram o objetivo dos seres


encarnados em todas as regiões do planeta.

A preocupação do ter tornou-se e é a mola propulsora da esmagadora maioria dos


seres vivos, onde existe a constante preocupação do querer, evitando-se em
preocupar-se do precisar. Lamentavelmente, esta cultura é impregnada nas
pessoas desde o seu nascimento.

Naturalmente, a ambição dos homens, que serve de estímulo, está no limite, onde
muitos a substituem pela ganância, levando os seres a percorrer caminhos dos
mais variados, carregados de ansiedades, angústias e aflições, onde além de
dificultar a sua compreensão pelas coisas, o entendimento pelos seus irmãos,
além de abrir uma porta de livre acesso para os que estão do outro lado da vida,
em planos não muito iluminados para vibrarem ou procurarem um escambo entre
coisas daqui com intenções de lá.

Com o passar do tempo, a vontade de ter ou querer passa para um estágio


perigoso e psicótico, onde as pessoas partem para ações não recomendadas,
forçando as coisas a acontecerem para atender as suas expectativas.

Para os que não tem, por enquanto, o seu despertar consciencional para as coisas
espirituais, do fundo da alma, irão bater de porta em porta, até ferir as suas mãos,
em busca de um falso alento. Entretanto, a situação se torna mais dramática para
aqueles que tem uma noção mais clara sobre o bem e o mal, do ter e do não ter,
do precisar e do não precisar, do querer e do poder, etc., pois tapam o sol com a
peneira, na infrutífera tentativa de acelerar processos e coisas. Felizmente, graças
à misericórdia infinita de Deus, nada acontece antes do tempo.

Os nossos irmãos que apresentam uma percepção mais aguçada e uma


compreensão mais esclarecida sobre os aspectos espirituais, são sabedores de
que antes de ser dado o segundo passo, o primeiro terá que ser dado com
firmeza.

10
Se no mundo físico encontramos expressões do tipo: “não colocar a carroça da
frente dos bois”, que dirá no mundo espiritual?

A perspectiva de desenvolvimento e crescimento tem que cumprir etapas ou


estágios mais ou menos longos. Não perdendo de vista as conseqüências de
ações pretéritas e dos merecimentos do presente, não devemos esquecer das
perspectivas do futuro. Tudo tem seu tempo, tudo tem seu espaço.

Para construir qualquer coisa, em qualquer sentido, deve-se ter a necessária


preocupação em firmar uma base, no mínimo adequada ao que se espera no
futuro. Na Natureza, encontramos um exemplo simples: “A semente quando
germina, começa pela raiz e não pelas folhas. Antes das folhas surgem os
galhos”. É simples, não? Entretanto, muitos querem começar pelos frutos!
Partamos de vez para construir esta necessária base sólida e estável, procurando
saber em seu ser onde se quer ir e até onde a realidade, a sua realidade espiritual
permite alcançar. Avaliemos nossas condições físicas, mentais, emocionais,
morais e espirituais, aperfeiçoando, inclusive, o nosso ser mental, astral e físico
para compreender o que pode e o que não pode em um dado momento.

Vamos determinar como objetivo o despertar da essência, cuidando dia a dia de


nossa estrutura em todas as dimensões.

Cabe lembrar que a afirmativa do se dar, do sentir, do realizar, ocorre somente


quando a ação comunga com a intenção. Não devemos fazer por fazer, não
levando em conta o que se pretende! Quantas vezes percebemos pessoas que
realizam alguma coisa na expectativa de receber algo em troca, mesmo que não
verbalize esse sentimento? A vida nos dois planos nos ensina a necessidade de
retirarmos as máscaras, rótulos, muletas, na expectativa de realizarmos algo em
favor dos outros. Mas, o amadurecimento é oportunamente lento, com a finalidade
que se possa fixar os conceitos básicos mencionados por Jesus. Pois, de modo
contrário, no primeiro obstáculo, haveria o retrocesso.

Assim, devemos nos preocupar constantemente em fixar os conceitos em nossa


essência, dentro dos nossos limites externos e não demonstrar através de um
“teatro” a falsa idéia de quem somos realmente. É preferível, neste caso, assumir
externamente o que se é internamente. Assim, dentro desta autenticidade, outros
poderão auxiliá-lo a encontrar o caminho reto, identificando os desvios.

Se atropelarmos a evolução racional, antecipando processos na retirada de


nossas “cascas”, o cerne não estará preparado para ficar em pé. Fica realmente
difícil atingir a plenitude espiritual sem experimentarmos as correções morais.

Se neste processo não tivéssemos a oportunidade de aperfeiçoarmos com o


aprendizado prático, quaisquer ações que nos impedisse de exercer esse direito,
certamente nos transformaria em “mentiras”. Como podemos ensinar alguém a
atravessar o rio, se não o fizermos também? Ou como naquela parábola de Jesus,

11
onde Ele perguntava: “Pode um cego guiar outro cego? Não cairão os dois num
buraco?”.

Tudo, neste e no outro lado da vida, acontece naturalmente, inclusive o despertar


para a evolução. Amai-vos uns aos outros, que Deus cuida e provê o resto.

Para reflexão:

Angelus Silésius

Dizes que ainda verás Deus e sua Luz. Tolo, nunca há de vê-Lo, se não O vês
hoje.

Krishnamurti

Ninguém pode chegar até a Verdade usando o caminho dos outros. A Verdade
não pode ser organizada; é impossível organizar uma crença. A fé é uma questão
puramente pessoal – e se não for assim, ela termina morrendo.

Buddha

Se o homem vive na ilusão de que pode fazer o que lhe apetece sem nunca sofrer
as conseqüências de seus atos, logo compreenderá que esses atos, quando não
nobres nem puros, só lhe poderão acarretar sofrimentos.

Omar Kháyyam

Além da Terra, além do Infinito, eu procurava em vão o Céu e o Inferno. Mas uma
voz me disse: O Céu e o Inferno estão em ti mesmo.

Krishnamurti

A partir do momento que seguimos alguém, deixamos de seguir a Verdade. Vocês


pensam e esperam que uma pessoa realize milagres, na certeza de que esta
pessoa será capaz de conduzir todos até o reino da felicidade. Mas é um
equívoco: Ninguém tem a chave desse reino – apenas vocês mesmos.

12
História do Método Usui de Cura Natural

A história de Reiki se transmite normalmente até o presente, de forma oral de


professor a aluno. Esta é a história que a Sra. Takata trouxe ao ocidente, para que
o Reiki até então desconhecido, tivesse uma conotação mais esotérica, ao gosto
da população dos países ocidentais. Neste mesmo composé, veremos mais tarde,
como os acontecimentos ocorreram de fato.

Essa versão é normalmente discorrida na maioria dos cursos e seminários de


Reiki, pois a versão correta dos fatos, não tem o encanto necessário e sua
narração seria morosa demais para os seminários, normalmente trabalhados em
um final de semana.

Na maioria dos livros a respeito da técnica de Reiki, essa visão romanceada


também é colocada como uma visão real dos fatos. Há tendências mundiais,
inclusive, que preferem essa versão para que o Reiki não seja uma filosofia
puramente oriental, vinda do Japão.

Essa é a história como escutei e outros têm escutado:

“O fundador do Reiki como método de cura natural foi o Dr. Mikao Usui. Ao final do
século XIX o Dr. Usui era o presidente de uma pequena universidade cristã em
Kyoto, Japão. A Universidade Doshisha. Era também um ministro cristão.

Num intercâmbio de idéias com um aluno ao começo de um serviço dominical,


mudou o enfoque da vida do Dr. Usui. Quando o Dr. Usui estava terminando um
dos últimos serviços dominicais do ano escolar, um estudante do último ano que
estava a ponto de formar-se, levantou sua mão e perguntou: “Você aceita o
contido na Bíblia literalmente?”.

13
O Dr. Usui contestou que efetivamente aceitava o que continha a Bíblia. O aluno
continuou:

“Na Bíblia disse-se que Jesus curava os enfermos, que Ele sanava e caminhou
sobre as águas. Você aceita isto tal como está escrito? Já viu isto suceder alguma
vez?”.

O Dr. Usui contestou que cria, mas que nunca havia visto uma cura nem caminhar
sobre as águas.

O aluno continuou dizendo: “Para você, Dr. Usui, este tipo de fé cega lhe basta,
porque tem vivido sua vida e está seguro. Para nós que estamos começando a
viver nossa vida adulta e que temos muitas dúvidas e inquietudes, não é
suficiente. Necessitamos ver com nossos próprios olhos”.

A semente estava lançada. No dia seguinte o Dr. Usui renunciou ao seu posto de
presidente da Universidade Doshisha e foi aos Estados Unidos, à Universidade de
Chicago, aonde se doutorou nas Sagradas Escrituras, em seu intento de descobrir
como Jesus e seus discípulos sanavam aos enfermos.

Não encontrou o que buscava.

Ao conhecer que na tradição budista, sustentava-se que Buddha teria o poder de


curar, decidiu voltar ao Japão e ver o que poderia aprender com o budismo.

Em seu retorno ao Japão, o Dr. Usui começou a visitar monastérios budistas


buscando alguém que tivesse algum interesse e algum conhecimento sobre como
curar o corpo físico. Sempre recebeu a mesma resposta às suas perguntas:

“Estamos muito preocupados em curar o espírito para preocupar-nos em sanar o


corpo”

Por fim encontrou um ancião abade em um monastério zen que estava


interessado no problema de como recuperar a saúde corporal.

O Dr. Usui solicitou ser admitido no monastério para assim poder estudar as
escrituras budistas, os sutras, em busca da chave da cura. Foi admitido e
começou seu estudo.

Estudou a tradução japonesa das escrituras budistas, mas não encontrou a


explicação que esperava. Aprendeu chinês, para poder utilizar uma variedade
mais ampla de escritos budistas, ainda sem êxito.

Então, decidiu aprender sânscrito, o antigo língua, para assim poder ler os escritos
budistas originais e acessar aos que nunca tinham sido traduzidos para outra
língua.

14
Ao fim, encontrou o que havia estado buscando. Nos ensinamentos de Buddha,
que haviam chegado a outros graças a um discípulo desconhecido que as punha
por escrito àquilo que Buddha falava, o Dr. Usui encontrou a fórmula, os símbolos
e a descrição de como Buddha curava.

Foi assim que ao final de sete anos de busca o Dr. Usui encontrou o que buscava,
mas não tudo. Ainda que tivesse descoberto o conhecimento, não tinha o poder de
curar. Havendo comentado isto com seu velho amigo abade, decidiu ir a uma
montanha para meditar sobre tudo aquilo, para buscar o poder de curar.

O abade disse-lhe que podia ser perigoso, que podia perder a vida. O Dr. Usui
contestou que havia chegado tão longe e não ia voltar atrás.

O Dr. Usui subiu a uma das montanhas sagradas do Japão e meditou durante
vinte e um dias. No primeiro dia colocou vinte e uma pedrinhas diante de si e cada
dia que passava lançava uma para longe.

No dia número vinte e um observou que um raio de luz vinha dos céus e apontava
sobre si. Sem ter medo, não se moveu, e o raio de luz o golpeou e ele caiu no
chão desmaiado. Então ele viu numa sucessão rápida de imagens como bolhas de
luz diante de si, os símbolos que havia descoberto em seus estudos, a chave das
curas de Buda e de Jesus. Os símbolos se gravaram em sua memória.

Quando saiu do transe, não estava esgotado, nem tenso e faminto como se sentia
antes, em seu último dia de meditação.

Levantou-se e empreendeu a descida da montanha. No caminho, tropeçou e teve


arrancado a unha do dedo maior do pé. Saltou de dor e agarrou-se ao dedo do pé
com as mãos. Em poucos minutos desapareceu a dor, o dedo deixou de sangrar e
havia começado o processo de cura.

Quando desceu da montanha de deteve em uma pousada e pediu café da manhã.


O ancião da pousada, ao ver sua barba crescida e o estado de suas roupas, se
deu conta que ele não havia comido durante muitos dias. Disse-lhe que só tardaria
alguns minutos para preparar comida para saciar seu estômago tanto tempo vazio
e indicou que quando estivesse ausente preparando a comida, ele que se
sentasse em um banco debaixo de uma árvore.

Pouco tempo depois veio a filha do ancião com o café da manhã. Ao vê-la, o Dr.
Usui se deu conta de que havia estado chorando e que tinha um dos lados do
rosto inchado e vermelho.

Perguntou-lhe o que se passava e ela respondeu que havia três dias que tinha dor
de dentes. Ele perguntou se podia tocar-lhe o rosto, e com sua permissão colocou
suas mãos em concha sobre suas bochechas. Em alguns minutos a dor
desapareceu e a inchação começou a diminuir.

15
Ao regressar ao monastério, à tarde, lhe disseram que seu amigo abade estava de
cama, acometido de um doloroso ataque de artrite. Depois de banhar-se e comer
algo, O Dr. Usui foi ver seu amigo e aliviou sua dor com suas mãos curativas. Fez
o tratamento durante quatro dias consecutivos.

Durante os sete anos seguintes o Dr. Usui trabalhou curando enfermos em um


acampamento de mendigos no Japão. Aos que eram jovens e capazes de
trabalhar ele os mandava procurar trabalho. Depois de sete anos observou que
aqueles a quem havia ajudado voltavam ao acampamento de mendigos nas
mesmas condições em que os havia encontrado pela primeira vez.

Perguntou-lhes porque haviam voltado ao acampamento e eles contestaram que


preferiam sua antiga forma de viver. O Dr. Usui se deu conta que lhes havia
curado o corpo físico livrando-os de seus sintomas, mas não havia ensinado a
valorizar a vida nem a encontrar uma nova forma de viver. Abandonou o
acampamento de mendigos e se empenhou a ensinar a outros que tiveram mais
vontade de aprender. Ensinou-lhes como curar a si mesmos e lhes entregou os
princípios de Reiki para ajudá-los a curar seus pensamentos.

Um de seus alunos, Chujiro Hayashi, um oficial reformado da marinha, estava a


buscar uma forma de servir aos demais. Encontrou o Dr. Usui, que lhe iniciou, e se
comprometeu profundamente com a prática do Reiki.

Quando a vida do Dr. Usui estava chegando ao seu término, reconheceu o Dr.
Hayashi como Mestre Reiki e lhe encarregou em manter intacta a essência de
seus ensinamentos.

O Dr. Hayashi, dando-se conta da importância de conservar o método e as


histórias médicas, fundou uma clínica em Tókio aonde as pessoas podiam ir para
receber tratamento e aprender Reiki. Havia um grupo de praticantes que iam tratar
em suas casas aqueles que não podiam ir à clínica.

Ele verificou dezenas de histórias médicas que demonstraram que Reiki encontra
a origem nos sintomas físicos, supre as carências de vibração e energia e
restabelece a integridade do corpo.

Em 1935 uma jovem mulher foi levada à clínica por um empregado de um hospital
cirúrgico de Tókio. Esta mulher, Hawayo Takata, havia ido ao Japão operar-se de
um tumor. Enquanto se preparava para a cirurgia no hospital, compreendeu que a
cirurgia não era necessária e havia outra forma de tratar-se.

Havia sido guiada pelo Reiki.

Durante as experiências e tratamentos da Senhora Takata na clínica, sua


enfermidade melhorou e seu desejo de aprender Reiki cresceu. Quando quase
havia terminado seu tratamento, pediu para ser admitida em um curso básico,
porém lhe foi negado. Deu-se conta que teria que demonstrar um profundo

16
compromisso com Reiki. Foi ver o Dr. Hayashi e lhe contou que sentia e seu
desejo de permanecer no Japão o tempo que fosse necessário. Ele acedeu e que
iniciaria seu aprendizado.

A Senhora Takata e suas duas filhas se instalaram durante um ano no Japão, na


casa da família Hayashi para aprender e praticar Reiki todos os dias com Hayashi.
Quando ambos concluíram que seu aprendizado havia terminado, a Senhora
Takata regressou ao Hawai com o dom de curar.

No Hawai sua prática de Reiki prosperou com rapidez e logo Hayashi e sua filha
foram visitá-la. Permaneceram vários meses ensinando e praticando em
companhia da Senhora Takata. Em fevereiro de 1938 a Senhora Takata foi
iniciada como Mestre do método Usui de cura natural. Pouco tempo depois da
iniciação, Hayashi e sua filha regressaram ao Japão.

O Dr. Hayashi teve o pressentimento de que estava próxima a guerra entre


Estados Unidos e Japão. Para ele era incompatíveis sua condição de Mestre de
Reiki e sua obrigação de servir outra vez na marinha. Empreendeu, então, a
colocar em ordem os assuntos de sua família.

Ao mesmo tempo, a Senhora Takata no Hawai teve um sonho muito intenso que a
encheu de preocupação. Compreendeu que devia ir-se ao Japão para ver o Dr.
Hayashi. Quando chegou, o Dr. Hayashi lhe contou muitas coisas: a proximidade
da guerra, quem ganharia, o que devia fazer e onde devia ir para evitar problemas,
devido à sua qualidade de japonês-americana residente no Hawai. Tudo isto ele
previu e contou a ela para protegê-la e ao Reiki.

Quando todos os seus assuntos estiveram arranjados e em ordem, reuniu a sua


família junto com os Mestres de Reiki para expressar suas últimas palavras.
Depois de reconhecer a Senhora Takata como sua sucessora em Reiki, se
despediu. Sentado na maneira tradicional japonesa e vestido com a roupa formal
japonesa, fechou seus olhos e abandonou seu corpo.

Seguindo seus conselhos, a Senhora Takata terminou seu trabalho no Japão e


retornou ao Hawai como Mestre de Reiki. Demonstrou seu compromisso ao longo
de sua vida, ensinando e praticando Reiki. Converteu-se em uma excelente
curadora e grande professora, introduzindo a visão de Reiki no mundo ocidental.

Uma neta da Senhora Takata, Phyllis Furumoto, recebeu quando pequena o


Primeiro Grau diretamente de sua avó, e dava tratamentos a Takata quando ia
visitá-la. Sem impedimentos, a vida de Phyllis estava orientada para a
universidade e para uma profissão. Apesar de que a Senhora Takata lhe pedia a
cada certo tempo que continuasse com seus estudos de Reiki, Phyllis estava
muito ocupada para aceder.

Ao final dos anos setenta, quando Phyllis tinha vinte e sete anos, aceitou o
Segundo Grau de iniciação da Senhora Takata, e esta se empenhou em ensiná-la.

17
Na primavera de 1979, Phyllis decidiu isto, depois de meditar, viajar e trabalhar
durante um mês com sua avó. Justo antes da primeira viagem, a Sra. Takata
iniciou Phyllis como Mestre de Reiki. Então Phyllis empreendeu a ensinar e
praticar Reiki a sério.

Durante o período de estudos do ano seguinte, Phyllis supôs que seria a


sucessora da Senhora Takata na linha de Reiki. Pouco depois de reconhecer
Phyllis como sua sucessora, em dezembro de 1980, Takata partiu desta vida.

Nos anos seguintes ao falecimento da Senhora Takata, Phyllis tinha chegado a


aceitar totalmente seu papel e havia compreendido a responsabilidade da sua
posição. Ela é um exemplo vivo do que sucede quando uma pessoa aceita a força
energética de Reiki como mestre e guia para a vida.

Na atualidade, o método Usui de cura natural se pratica em todo o mundo. Você


forma parte desta história. Com seus desejos de compartilhar este dom, apóias e
estimulas o desenvolvimento da vida.”

O Reiki e sua verdadeira história

As raízes teóricas do Reiki fundamentam-se em uma rica mistura do Budismo


Mikkyo, do Qigong chinês e do Shintoísmo japonês e sua beleza reside em
múltiplos aspectos. O Reiki não é semelhante à arte de curar no nível físico e
psicológico, pois não afeta apenas o corpo físico, vai muito além dele, abrangendo
os corpos emocional, mental e espiritual. A cura é apenas um aspecto importante
do trabalho com o Reiki na relação cura/doença.

Cura, trabalho com energia, terapia e assim por diante são apenas atributos com
os quais revestimos o Reiki, de modo a torná-lo mais fácil de entender e de ser
aprendido pela mente racional.

Um artista aprenderá a transformar a energia em arte com mais facilidade, um


homem de negócios transformará o Reiki em dinheiro, um cozinheiro criará pratos
carregados de energia e um religioso será um melhor religioso. Um mestre na arte
de viver transformará o Reiki em prazer de estar vivo. O Reiki é um caminho de
humanização. Embora estejamos na Terra como humanos, esse estado é apenas
um potencial e, nesta vida, nos é permitido lutar por sua realização.

Através do Reiki podemos unir Céu e Terra. Ele é nossa raiz energética aqui na
Terra, e quanto mais enraizados estivermos, mais alto nossa coroa se estenderá
em direção ao Céu.

O Reiki é um sistema de auto-ajuda perfeito, que se ajusta àquele que o usa e não
requer intermediários, independentemente de você ser um iniciante no mundo
espiritual, um intelectual calejado, um estudante de yoga que enfatiza o corpo,
uma dona de casa ou um devoto. Ele nos põe de novo em contato com a energia

18
vital há muito esquecida, mas que a tudo permeia, e nos ensina como amar a nós
mesmos novamente. Ajuda-nos a cruzar o vão aberto pelo homem entre nossos
semelhantes humanos e a natureza, para que assim possamos viver de novo em
harmonia.

Para alguns, o Reiki é uma das muitas formas de atividade física; para outros, é
uma arte de cura alternativa da Nova Era; e para outros ainda, é uma técnica de
meditação. Tudo depende do ponto de vista de quem o pratica.

A versão de Hawayo Takata

Atualmente existem centenas de livros sobre Reiki e a maioria deles apresenta


como a história do Reiki aquilo que Takata contou. A pergunta é porque todos os
autores repetem a mesma história, uma vez que ela não está avalizada pelos
fatos. Isto se deve, em parte, a que muitos desses livros surgiram antes que os
fatos verdadeiros fossem conhecidos. Por outro lado, ninguém se preocupou em
investigar a veracidade da história. Por exemplo, segundo Takata, Dr. Usui foi
Presidente da Universidade de Doshida em Kyoto e, em lugar de simplesmente
considerar como certa esta afirmação, qualquer autor poderia ter contatado sem
dificuldade a Universidade para comprovar a informação.

À medida que alguns estudiosos investigaram a história de Hawayo Takata, foi


ficando cada vez mais claro que ela estava cheia de erros e contradições e, já que
sua versão se incorporou a tantas publicações, é importante que aqueles que a
conheceram e que a transmitiram a seus alunos, considerem os aspectos
comprovadamente falsos e, em seu lugar, dêem a eles informações corretas.
Dessa maneira se obtém uma versão mais precisa da história e se compreende
melhor o modo como influiu o testemunho de Takata na prática do Reiki no
Ocidente.

Takata afirmava ser a única Mestra de Reiki do mundo, uma vez que todos os
outros no Japão haviam morrido durante a guerra. Todos os folhetos de anúncio
de seus cursos são prova de que ela agia assim. Hoje se sabe que, no Japão, os
professores de Reiki continuaram ensinando tanto antes quanto depois da guerra.
No Japão continua-se a praticar Reiki e a sociedade fundada pelo Dr. Usui, a Usui
Reiki Ryoho Gakkai, em Tóquio, continua sendo sua representação institucional. O
Sr. Kanichi Taketomi foi presidente dessa organização durante a guerra,
permanecendo nesse cargo até sua morte em 1960.

Takata considerava que o Reiki tinha uma tradição transmitida oralmente e,


portanto, seus alunos não recebiam material escrito e não podiam fazer anotações
ou gravações. Esta regra foi estritamente observada e transmitida a todos os
Mestres formados por ela como parte essencial do método Usui de Reiki. Isso
talvez explique porque a formação em Reiki através dos Mestres de Takata teve
um alcance tão limitado.

19
Hoje sabemos que o Reiki, de nenhuma forma, é uma tradição de transmissão
oral. Tanto o Dr. Usui quanto o Dr. Hayashi elaboraram notas que entregavam a
seus alunos. Estão disponíveis exemplares de manuais que eles escreveram que
contêm muitos e importantes exercícios e técnicas para o tratamento de doenças
específicas.

Sabe-se com exatidão que Takata tinha o manual do Dr. Hayashi e que entregou
cópias a alguns de seus alunos, mas sem documentação escrita e sem
autorização para tomar notas ou fazer gravações ficava difícil aprender. Takata se
considerava representante de Reiki segundo o Dr. Usui e garantia estar ensinando
sem nenhuma modificação o método original. Graças a outros manuais,
comprovou-se que muitos exercícios que o Dr. Usui havia ensinado foram
ignorados.

Takata dizia ter aprendido Reiki no Japão em 1935 com o Dr. Hayashi. Foi
comprovado que o Dr. Hayashi deixou a Usui Reiki Ryoho Gakkai e desenvolveu
sua própria variedade de Reiki. Esta é diferente em muitos aspectos do que o Dr.
Usui ensinou e do que ele aprendeu na Gakkai. Isto pode ter sido positivo em
muitos sentidos, mas é claro que em virtude disso ele criou seu próprio estilo de
Reiki, o que foi comprovado pelo nome de sua clínica, que era Instituto de Reiki
Hayashi.

Os seguidores de Takata insistem que ela ensinava o Reiki segundo o Dr. Usui e
por isso sentem-se no direito de considerar como “tradicional” sua forma de
praticar Reiki, e de serem os únicos representantes do Reiki autêntico. Mas
Takata não praticava o Reiki “tradicional”, ao contrário. Ela seguia o trabalho
desenvolvido pelo Dr. Hayashi e, após a morte dele, continuou introduzindo
modificações em seu método, deixando de lado, inclusive, muitos exercícios
importantes do sistema Usui.

Outra das afirmações de Takata foi que o Dr. Usui era cristão. Segundo a Gakkai
ele nunca foi cristão, mas sim budista. Esta informação se sustenta pelo fato de
que ele está enterrado junto ao Templo Saioji, um templo budista. Além disso,
segundo ainda Takata, o Dr. Usui terminou seus estudos e se graduou com o
teólogo na Universidade de Chicago. O que, mais tarde, foi comprovado pela
própria Universidade não ser verdade.

Takata é a única fonte que afirma que o Dr. Usui “redescobriu” o Reiki em um
texto em sânscrito, em um sutra budista, em um templo Zen, mas a história
contém muitas imprecisões, uma vez que em seu manual “Reiki Ryoho Hikkei” ele
diz que o Reiki é absolutamente original e não pode ser comparado a nenhum
outro caminho espiritual no mundo. Após a morte de Takata, Barbara Weber Ray
se autodenominou Grã Mestra de Reiki. Segundo ela, Takata queria que ela
assumisse a responsabilidade sobre o Reiki como Grã Mestra. Pouco depois
apareceu outra mulher, Phyllis Furumoto, dizendo o mesmo. Em torno dessas
duas pessoas se agruparam duas organizações diferentes de Reiki. Esse título de

20
Grã Mestra nunca foi e nem é usado no Japão e só passou a ser usado no
Ocidente após a morte de Takata.

A organização criada pelo Dr. Usui, a Usui Reiki Ryoho Gakkai, teve como seu
primeiro presidente o próprio Dr. Usui que, logo depois de sua morte foi
substituído pelo Sr. Juzaburo Ushida. O Dr. Hayashi nunca foi presidente da
Gakkai e nem poderia ter sido, já que se desligou dela para criar seu próprio
grupo. Logo, nenhum dos seguidores de Hayashi poderia ter sido presidente
daquela organização.

Desta maneira pode-se ver que Takata nunca ensinou Reiki da mesma forma que
o fazia o Dr. Usui e que tão pouco pertenceu à organização que ele havia fundado.
Em razão disso, nenhum de seus discípulos pode avocar para si o título de
representante do Sistema Usui de Reiki.

O Reiki no Ocidente

Muitos professores de Reiki descrevem o movimento ocidental do Reiki da


seguinte maneira: antes de sua morte, o Dr. Usui passou seu conhecimento a
muitos outros e fez do Dr. Chujiro Hayashi, um comandante da Marinha Imperial
Japonesa, um Shihan de Reiki com a responsabilidade de guiar todos os outros
professores de Reiki.

Foi ele quem levou o Reiki do Japão para os Estados Unidos, quando visitou o
Havaí no final de 1936 para se encontrar com uma de suas alunas, Hawayo H.
Takata. A Sra. Takata era uma “nikkeijin” (imigrante japonesa vivendo no exterior)
nascida na ilha de Kauai, Havaí, em 24 de dezembro de 1900.

Não se sabe quantas pessoas receberam o grau de Shihan do Dr. Hayashi, mas
sabemos que de fato ele fez da Sra. Takata uma Shihan de Reiki quanto visitou o
Havaí em 1938. Um pouco antes de sua morte, em 10 de maio de 1941, ele
nomeou a Sra. Takata Shihan de Reiki e líder do movimento.

Takata abriu duas clínicas de Reiki no Havaí (Hilo e Honolulu), onde realizou
tratamentos e formou alunos até o segundo nível. Tornou-se uma terapeuta muito
conhecida e viajou para os Estados Unidos e outros países para ensinar e dar
tratamentos. Em 1970 começou a ensinar a seus alunos o Shinpiden, ou grau de
Mestre, como ela o denominou. Em que pese tratar-se de um curso de apenas um
fim de semana e sem parte prática, recebia por isso 10.000 dólares.

Até sua morte em 11 de dezembro de 1980, Takata iniciou vinte e dois Mestres de
Reiki e, pouco antes de morrer, entregou uma lista com os nomes à sua irmã e
deixou como herança o título de grã-mestra à sua neta Phyllis Lei Furumoto.
Todos os seus alunos tiveram que prestar um juramento sagrado pelo qual
ensinariam exatamente o que haviam aprendido, com o objetivo de preservar o
método Usui. Entretanto, está claramente documentado que ela mesma não tinha

21
agido assim. Seu método de ensino remetia ao Dr. Usui, mas o que ela ensinava e
praticava tinha pouco a ver com o que o Dr. Usui considerava importante. Talvez o
mais correto seja chamar seu método de “Reiki Takata”.

Por causa dos altos preços cobrados, muitos não podiam desfrutar do Reiki e por
isso ele se difundiu muito lentamente. Isto contradizia a vontade do Dr. Usui, já
que sua intenção sempre foi tornar o Reiki algo acessível para todo o mundo e
não restrito apenas a um grupo determinado.

Depois da morte da Sra. Takata o movimento de Reiki no Ocidente dividiu-se em


duas direções: A “Reiki Alliance”, orientada por Phyllis Furumoto e a “The
Radiance Technique”, liderada por Barbara Ray e sediada nos Estados Unidos.

Nos últimos vinte anos o Reiki passou por enormes mudanças no Ocidente. No
princípio foi introduzido por Takata com todas as suas regras e idéias particulares
e restritivas, e os primeiros passos do Reiki não correspondiam em alguns
aspectos com o autêntico espírito do Reiki. O importante, entretanto, é que
independentemente disso o Reiki tornou-se conhecido e devemos agradecer a
Takata pelo fato dela tê-lo trazido para o Ocidente. Mais tarde o espírito do Reiki
encontrou sua própria cura.

À medida que o tempo passou começaram a surgir documentos escritos, manuais


e novos dados sobre a vida e a obra do Dr. Usui. Estas informações vinham de
fontes confiáveis e confirmaram o que muitos já haviam suposto: o Reiki deveria
ser ensinado de uma forma aberta e acessível a todos.

O Reiki no Japão atual

Logo após a morte do Dr. Usui, o movimento do Reiki no Japão se dividiu em


diferentes grupos, entre os quais, o Hayashi Shiki Reiki Ryoho, do Dr. Hayashi.
Por razões desconhecidas, em algum momento o Dr. Hayashi se desligou da Usui
Reiki Ryoho Gakkai, o que foi comprovado pelo fato dele ter criado seu próprio
método. Outro fato leva a essa conclusão, uma vez que ele transmitiu a Takata o
nível de Mestra professora de Reiki, o que não faz sentido, já que somente o
presidente da Gakkai poderia entregar a alguém o título de professor (Shihan).

Afirma-se que Hayashi foi bastante famoso em sua época e que a quantidade de
seus seguidores superou em muito a do grupo originário da Gakkai. Entretanto, a
organização criada por ele praticamente desapareceu após sua morte, embora
sua esposa, Chie Hayashi, tenha continuado a ensinar Reiki.

No Japão se afirma que a história do “suicídio interior” de Hayashi e que muitos de


nós leram em livros ocidentais de Reiki, é apenas uma lenda. O fato é que, como
o Dr. Hayashi viajava com freqüência aos Estados Unidos para ensinar Reiki e
quando se estabeleceu a guerra os dois países tornaram-se inimigos, surgiram
rumores de que ele era um agente, razão pela qual decidiu tirar sua própria

22
vida.Os grupos de Reiki no Japão ou eram muito pequenos o tinham ares
enigmáticos e, por isso, cresceram pouco. A maior parte deles acabou depois da
segunda guerra. Muitos deles desapareciam após a morte de seu fundador e
outros mudavam seu conteúdo para satisfazer a determinados interesses. Alguns
dos pequenos grupos religiosos que existem hoje no Japão foram criados por
alunos do Dr. Usui.

Entre os anos 40 e 80 houve um grande vazio na história do Reiki e faltam


informações sobre os fatos mais significativos.

A cultura japonesa é conhecida e, de certo modo ridicularizada, pelo fato de que


certos métodos desenvolvidos no país e exportados para o Ocidente devem ser
novamente introduzidos lá para que os próprios japoneses o aceitem. Aconteceu
isso com a cultura macrobiótica, que se tornou conhecida depois que se
popularizou nos Estados Unidos e foi levada de volta para o Japão. O mesmo
aconteceu com o Aikido, com o Shiatsu e com o Reiki. Em razão disso, somos
obrigados a nos referir como “Reiki Ocidental” àquele ensinado por Takata e como
“Reiki Japonês” àquele ensinado segundo os métodos da Gakkai e de outros
grupos relacionados a ela.

Em poucos anos o Reiki Ocidental de difundiu por todo o país e em 1999 o Reiki
havia se convertido em uma técnica muito conhecida, entretanto, passaram a
existir muitos tipos de escola de Reiki Ocidental. Considerando-se que os
japoneses são muito bons para sintetizar, tornam-se hábeis quando se trata de
encampar um sistema de pensamento, um conceito, uma máquina, uma técnica
ou uma religião e mudam tudo isso totalmente. Com freqüência o resultado obtido
é muito melhor que o produto original.

No caso do Reiki ocidental praticado no Japão, a corrente de transmissão não tem


grande importância. São muito poucos os professores de Reiki que se interessam
por saber com quem seu aluno aprendeu Reiki. Logo, é perfeitamente possível
perguntar ao professor qual linha ele segue sem com isso ser descortês. Nos
círculos de Reiki ocidental, ser japonês e ensinar Reiki é considerado um símbolo
de status.

O desenvolvimento do Reiki no Japão

Segundo relato de Frank Arjava Petter, que foi quem pesquisou as origens do
Reiki Usui tradicional, por volta de 1997, comprovou-se que o sistema original
criado pelo Dr. Usui estava na realidade baseado na intuição. O praticante deveria
obedecer a suas mãos. Uma vez que o Reiki se aprende e é praticado no Japão
há muitos anos, não era necessário um sistema determinado de posições e uma
duração fixa de tempo em cada uma delas. Os sistemas de doze, quatorze ou
mais posições foram criados no Ocidente. Do manual do Dr. Hayashi entende-se
claramente que ele não criou posições “ocidentais” das mãos. É possível que ele
as tenha criado a partir do encontro com Hawayo Takata. Isso não quer dizer que

23
não se deva utilizar as posições ocidentais de mãos. Elas cumprem seu objetivo e
são de grande ajuda, especialmente para os iniciantes.

Sob a direção do Dr. Usui, na sede da Usui Reiki Ryoho Gakkai realizavam-se
quatro reuniões mensais, e nelas se realizavam as seguintes atividades:

Recitavam-se me voz alta os poemas de Meiji-Tenno (O Imperador Meiji), já que o


Dr. Usui era muito afeto a ele e falava dele com muito respeito. Os imperadores
japoneses são considerados como encarnação do deus Shinto e até hoje muitos
japoneses reverenciam seu imperador e toda a família imperial. Mesmo hoje em
dia, em muitas casas se encontram fotografias da família imperial.

Do ponto de vista político, a Reforma Meiji (1868-1912) foi uma época de muitas
transformações e desordem, ou seja, uma época em que se quebraram várias
estruturas e se criaram novas. Nos primeiros anos desse período, o budismo e o
cristianismo foram violentamente perseguidos.

Quando o budismo foi introduzido no Japão no século V, se mesclou com a


religião japonesa original, o shintoísmo, e muitos japoneses eram adeptos de
ambas as crenças. A Reforma Meiji tinha por objetivo separar as duas religiões e
declarar o shintoísmo como religião de Estado. Nesse processo foram mortos
muitos monges budistas, fecharam ou destruíram muitos monastérios e seus
habitantes foram obrigados a decidir aderir ao shintoísmo ou sofrer severas
conseqüências. Muitos grupos cristãos passaram à clandestinidade ou se
dissolveram completamente.

Essa violenta frente de grupos religiosos deve ter sido o motivo pelo qual o Dr.
Usui integrou os princípios Meiji ao seu trabalho com o Reiki. Provavelmente quis
escapar do destino de tantos outros grupos de sua época dedicados à cura
energética. O Taireidou (grupo de cura pelas mãos), por exemplo, foi proibido e
para sobreviver dividiu-se em numerosos grupos.. O cargo do Dr. Usui como
secretário de Shinpei Goto, um político de alto nível de sua época, foi um fato
importante naquelas circunstâncias.

Suas conexões políticas e o fato de que muitos praticantes de Reiki na época do


Dr. Usui vinham de setores da alta sociedade, (um artigo de um periódico do ano
de 1929 dizia que o presidente do Banco de Tókio era um praticante de Reiki)
salvaram o movimento Reiki das perseguições. Entretanto, durante a segunda
guerra mundial, alguns praticantes de Reiki temiam que seu grupo fosse
associado ao movimento pacifista, e esse talvez tenha sido o motivo pelo qual a
Gakkai suspendeu suas atividades durante a guerra. Depois de 1945 ela as
retomou.

Durante as reuniões de Reiki do Dr. Usui, os participantes diziam em voz alta os


poemas e ouviam depois uma palestra sua. Parece que tinha muito humor e uma
grande energia vital. Muitas pessoas queriam tocar suas roupas para

24
poderconectar-se e absorver essa energia transbordante. Isso acontecia com os
santos da Índia e seguramente era o caso também dos santos católicos.

Após recitar os poemas do Meiji Tenno, o Dr. Usui explicava o Reiki aos
participantes, de onde vinha e como devia ser utilizado e descrevia um caso para
ilustrar suas explicações. Os participantes praticavam a meditação Gassho e a
técnica respiratória Joshin Kokyuu-Ho e depois se tratavam entre si.

Usui Reiki Ryoho

A palavra “tradição” pode ser definida de várias maneiras: - transmissão de


elementos de uma cultura de geração a geração, especialmente de maneira oral -
modelo de pensamento ou de conduta seguido por um povo de geração em
geração, um uso ou um costume - diferentes usos ou costumes que são
considerados como uma unidade de casos precedentes que influem sobre o
presente: tradições familiares em relação à vestimenta e à conduta que devem ser
cultivadas. - preceitos religiosos não escritos - um ou vários usos antigos.

A palavra “tradição” é de origem latina. “Traditus” é particípio passado do verbo


“tradere”, cujo significado é “legar”, “confiar”.

Fala-se de “tradição Reiki”, “Reiki tradicional”, “seguindo a tradição do Dr. Usui”,


etc. Porém, lamentavelmente, no mundo ocidental sabe-se quase nada sobre a
tradição do verdadeiro Reiki. Os mais de vinte e cinco anos de tradição Reiki no
Ocidente se baseiam no que Hawayo Takata ensinou sobre ele. Tradição é algo
que muitas pessoas transmitem, não apenas uma. Dessa forma ficaria fácil
investigar como uma tradição foi transferida.

No que diz respeito ao Reiki Ocidental é extremamente difícil saber o que ocorreu
entre o Dr. Usui e o Dr. Hayashi e entre este e Hawayo Takata, porque as
testemunhas de seus feitos já não vivem mais. Investigações posteriores
realizadas no Japão mostraram que na Usui Reiki Ryoho Gakkai o Dr. Hayashi era
considerado “persona non grata”. Isto se explica, porque ele deu as costas ao
grupo principal e criou seu próprio método. Por sorte ele o fez, caso contrário
ninguém no Ocidente teria podido aprender Reiki.

Depois que se separaram os caminhos do Reiki no Oriente e no Ocidente, do


começo dos anos quarenta até a metade dos anos oitenta, ocorreu algo curioso:
aos alunos ocidentais foi dito que no Japão já não existia nenhum seguidor de
Reiki. Foi-lhes dito também que Hawayo Takata teria sido a única mestra
praticante de Reiki em todo o mundo e que todos os seguidores de Reiki haviam
morrido durante a segunda guerra. Realmente poderia ter sido verdade que todos
os seguidores de Reiki houvessem morrido durante a guerra, já que cidades
inteiras foram arrasadas naqueles tempos, porém a realidade é que o Reiki
japonês, o verdadeiro Usui Reiki Ryoho, sobrevive até hoje.

25
O fundador como visto no Ocidente

O Reiki foi descoberto e desenvolvido pelo Dr. Mikao Usui que, entre outras
coisas, foi monge budista.

Nasceu em 15 de agosto de 1865 no pequeno povoado de Yago, no distrito de


Yamgata, pertencente à província de Gifu, no sul do Japão. Esta província fica
perto da atual Nagoya. Casou-se com Sadako Suzuki e tiveram dois filhos. Por ter
estudado e viajado muito, acredita-se ter pertencido a uma rica família japonesa, o
que era usual no Japão.

Presume-se que, durante sua juventude aprendeu Kiko no templo budista Tendai,
situado no sagrado monte Kurama, ao norte de Kioto. Kiko é a variante japonesa
do Qi Gong, uma série de exercícios cujo objetivo é melhorar a saúde através da
meditação, das técnicas respiratórias e dos movimentos lentos. No método
curativo Kiko é possível armazenar, através de exercícios correspondentes, uma
provisão de energia que será utilizada no processo de curar. Se não se usa este
método, acaba-se extenuado, já que o Kiko nutre também a própria energia
pessoal. Este ponto foi importante para o Dr. Usui e cresceu como uma semente
em seu pensamento.

Dr. Usui viajou buscando o conhecimento pelo Japão, China e Europa. Na medida
do possível, estudou várias disciplinas, por exemplo, medicina, psicologia, religião
e desenvolvimento espiritual. Seu forte interesse por todo tipo de conhecimento,
ajudou-o a formar uma base espiritual que serviu para compreender o significado
da benção que lhe foi conferida alguns anos mais tarde.

Graças à sua formação e ao seu organizado intelecto, trabalhou como secretário


de Shinpei Goto, diretor da carteira de Saúde e Bem-estar e, mais tarde, prefeito
de Kyoto. Nesta atividade, Dr. Usui conheceu gente muito influente no Japão.
Estes contatos o ajudaram a tornar-se independente e, finalmente, vir a ser um
próspero homem de negócios.

Durante um tempo foi muito bem nos negócios, mas a partir de 1914 as coisas
tomaram outro rumo. Como tinha certos conhecimentos sobre o budismo, decidiu
converter-se num monge budista. Concentrou-se nessa prática e regressou ao
monte Kurama, onde havia estudado ainda rapaz. Lá, decidiu fazer um retiro por
21 dias, jejuando, cantando, rezando e meditando. Como parte de suas
meditações, colocava-se debaixo de uma pequena cascata e deixava que a água
batesse em sua cabeça. Até hoje ainda se medita assim no monte Kurama. O
objetivo é abrir e purificar o chakra coronário.

Em março de 1922, ao fim do seu período de recolhimento, sentiu penetrar em


sua cabeça uma poderosa luz espiritual, experimentando, assim, um satori, uma
vivência reveladora. Esta luz era a energia Reiki, que chegou sob forma de
sintonização. Pelo ocorrido, sua consciência começou a expandir-se mais e mais e

26
ele concluiu que estava possuído por uma força poderosa, porque podia curar as
pessoas sem precisar usar sua própria energia para isto.

Em abril de 1922 viajou a Tókio, onde criou a Usui Reiki Ryoho Gakkai (Sociedade
do Sistema Usui de Reiki). Abriu uma clínica em Jarajuku nas imediações do belo
Meiji Jingu (santuário Meiji) no centro de Tókio e ali começou a fazer conferências
e a praticar Reiki.

Finalmente desenvolveu seis níveis de Reiki ou graus de formação. Numerou


estes sei níveis na ordem inversa da usada no Ocidente. O primeiro nível era o de
número seis e o nível superior o de número um. Os primeiros quatro níveis, do
seis ao três, correspondem ao que Hawayo Takata ensinava como Reiki I. O
correspondente ao Reiki II subdividia-se em duas partes e o último nível, o número
um, correspondia ao Reiki III (Mestre), ou grau de Professor (Sensei).

Cabe aqui esclarecer que o termo “mestre” nunca foi usado pelo Dr. Usui, pois no
Japão sequer se conhece esse termo. Takata usou esse termo quando começou a
ensinar o primeiro nível de Reiki em 1970. Teria sido melhor não se utilizá-lo, já
que, nas práticas espirituais, o conceito de “mestre” se aplica apenas a quem
experimentou uma revelação, que constitui um acontecimento espiritual
excepcional, dispensado apenas a poucos seres humanos.

À medida que o Reiki e o grau de Mestre e tornaram mais conhecidos, algumas


pessoas acharam por bem tornar equivalente o grau de Mestre de Reiki ao de
Mestre Espiritual ou Mestre Iluminado. Assim surgiu uma idéia falsa sobre o
estado espiritual de um Mestre de Reiki. Muitas pessoas, inclusive, quiseram obter
o grau de Mestre de Reiki, não pela possibilidade de entregar algo valioso a
outras, mas apenas pelo status social associado a ele.

Se no Ocidente fosse seguida a denominação Sensei para um professor formado


no original primeiro nível de Reiki, o Reiki não teria alcançado essa aura de
glorificação egocêntrica que nos rodeia a partir dos anos setenta, quando se
começou a ensinar o grau de Mestre no Ocidente.

Dr. Usui ensinou a mais de 2000 alunos e formou 16 professores de Reiki.


Faleceu em 9 de março de 1926, aos 60 anos, de uma apoplexia cerebral,
enquanto dava uma aula de Reiki em Fukuyama. Foi enterrado ao lado do Templo
Saioji, em Suginami-Ku, Tókio. Seus alunos colocaram junto à sua tumba um
memorial de pedra, onde está descrita sua vida e obra com o Reiki.

27
O fundador como visto no Oriente

Mesmo que o Sr. Usui não tenha sido médico no sentido convencional da palavra,
referimos-nos a ele como Dr.Usui, uma vez que ele foi médico no sentido real da
palavra, isto é, a obra da sua vida foi curar o corpo e a mente de outras pessoas.

No Japão dos velhos tempos, seus estudantes o chamavam de Usui-Sensei, que


significa professor.

A biografia do Dr. Usui é obscura e cheia de mistérios. Muito da tão falada


informação “japonesa” que circulou sobre ele e seu movimento fora do Japão teve
suas proporções exageradas, ou então não foi pesquisada apropriadamente. Seu
prenome verdadeiro não era sequer conhecido até que fosse descoberto, e o kanji
do Reiki era freqüentemente escrito errado.

Quase todos os livros sobre Reiki afirmam que o Dr. Usui foi Diretor da
Universidade Doshisha, de Kyoto, e que mais tarde estudou na Universidade de
Chicago. Arquivistas de ambos os institutos, quando consultados, informaram que
Mikaomi Usui não se matriculou em nenhum curso, nem lecionou em nenhuma
das escolas. Em vários livros, o movimento Reiki original de Usui é chamado de
Usui Shiki Ryoho, entretanto a palavra “shiki” não é mencionada em nenhum
documento oficial. Usui chamava seu método de Shin Shin Kaisen Usui Reiki
Ryoho, então, Usui Reiki Ryoho é mais próximo e está de acordo com as
escrituras originais de Reiki. Este é o termo utilizado no Japão.

O fato é, porém, que Usui-san foi agraciado pelas suas boas ações pelo próprio
imperador Meiji do Japão, embora, milhares também o fossem a cada ano.

Muitas fontes afirmam que o Dr. Usui era cristão. Até hoje não foi achada
nenhuma prova disso nos seus ensinamentos. Imagina-se que os aspectos
aparentemente cristãos do Reiki foram acrescentados nos Estados Unidos para
torná-lo mais facilmente aceitável nos países cristãos. Entretanto, é possível que o
Dr. Usui possa ter abraçado o cristianismo por um breve período, durante sua
busca espiritual. Presume-se que o Dr. Usui tenha trabalhado em favelas curando
mendigos, seguindo uma orientação bastante cristã.

Ele prestou ajuda às vítimas do grande terremoto Kanto, que devastou Tóquio em
1923. Mesmo que tenha preferido o cristianismo, isso não quer dizer que ele fosse
um cristão no sentido clássico.

Até o período Meiji, o Japão tinha deliberadamente se isolado do resto do mundo.


Então, um tanto repentinamente, abriu seus horizontes para idéias ocidentais.
Intelectuais progressistas achavam que era muito sedutor estar envolvido em
qualquer coisa estrangeira.

A sede pela cultura ocidental no Japão ainda não foi mitigada. Restaurantes, fast-
food e centros de diversões eletrônicas foram construídos ao lado de santuários

28
xintoístas e de lojas de quimonos. À superfície, parece que o Oriente e o Ocidente
finalmente se encontraram, mas ao examinarmos mais de perto, vemos que estão
apenas coexistindo. Os ocidentais geralmente pensam no Japão como um país
zen, das cerejeiras em flor e da limpeza. Mas o estrangeiro que vai ao Japão pela
primeira vez está propenso a passar por um forte choque cultural. O fato é que a
religião e, até certo ponto, a família foram substituídas pela sociedade corporativa.
A religiosidade tornou-se uma mera formalidade.

Os fundamentos budistas do Reiki

A inscrição no túmulo do Dr. Usui nos diz que ele sentiu a energia Reiki durante
um retiro de jejum de 21 dias no monte Kurama.

O monge Gantei, discípulo de Ganjin (fundador do Templo Toshodaiji, em Nara),


fundou o imponente Templo Kurama no ano 770, depois de passar por uma
experiência religiosa profunda nesse local. Até 1949, o Templo Kurama estava
ligado ao budismo Tendai; após essa data, ele se transformou na sede da Seita
Kurama Kokyo. Na secretaria do templo, recebemos informações seguras de que
ali nunca foram realizados retiros de jejum/meditação de 21 dias.

Entretanto, houve insinuações de que uma pessoa ou outra poderia ter realizado
essas práticas por iniciativa própria, especialmente no passado. Graças às
dimensões, à forte energia e às antigas e extensas florestas de cedros, o monte
Kurama oferece um ambiente perfeito para meditação e para a busca de si
mesmo. Hoje é possível passar um dia e uma noite meditando e elaborando
mantras no Templo Kurama fazendo-se reserva com antecedência.

Alem disso, o monte Kurama e seus arredores ainda conservam alguns pequenos
e belos santuários xintó. Preciso mencionar particularmente o Kubune Jinja
(santuário), localizado aos pés do Kurama, na estrada para Quioto. O xintoísmo e
o budismo estão profundamente interligados no Japão, e por isso nem sempre é
fácil para um leigo saber se ele está num templo budista ou num santuário
xintoísta. O Dr. Usui era budista e a seguir, estão os conceitos que influenciaram
mais intensamente o Dr. Usui.

O budismo esotérico tântrico chegou ao Japão no início do século XIX com o


monge japonês Kukai (Kobo Daishi, 774-835) e com Saicho (Dengyo Daishi, 767-
822), que haviam estudado na China. Kukai foi aluno de Huikuo (japonês: Keika,
746-805), discípulo do monge indiano Amoghavajra, que por sua vez foi aluno do
famoso instrutor indiano Vajrabodhi. Os dois indianos viveram no Templo
Tahsingshan, em Changan, centro atual da Associação Budista Shensi na China.
Depois da morte do seu professor, Kukai voltou ao Japão e ensinou o que havia
aprendido na China. Ele se tornou o fundador do budismo Shingon. Saicho
estudou no monte Tien-tai, na China. Ao voltar, fundou o budismo Tendai, com
sede em Kyoto.

29
No Japão, essas duas escolas são em geral conhecidas pelo nome Mikkyo. O
santo padroeiro do budismo esotérico no Japão é Dainichi Nyorai (Mahavairocana
Tathagata), e os escritos mais importantes e sagrados são o Dainichi-Kyo
(Mahavairocana Sutra) e o Kongocho Gyo (Vajrasekhara Sutra).

Em resumo, o objetivo do budismo esotérico é Shunyata, o vazio. Esse vazio não


é um estado negativo de ausência; deve, sim, ser entendido como transcendência
da dualidade. Quando o “eu” não se distingue mais do “outro”, a unidade do todo é
restabelecida, O “eu” só existe na nossa imaginação, na nossa mente. Nós
criamos o ego e o mundo com os nossos pensamentos. Nosso estado natural de
ser é o vazio, não afetado pelos atributos, pelo passado e pelo futuro.

Para muitos de nós, esse objetivo também está ligado ao Reiki de modo
semelhante: sentindo sua unidade com o cosmos, voltando às origens, à unidade.

Autêntico ou não?

Existe uma velha controvérsia na comunidade reikiana: a questão sobre o Reiki


“original”. Quais são, na verdade, os métodos originais, o que foi mudado e por
quais razões, e o que possivelmente melhorou desde o tempo da morte do Dr.
Usui?

Como sabemos o Dr. Usui foi o fundador e primeiro presidente da Usui Reiki
Ryoho Gakkai (a organização de Reiki que ele próprio criou). Depois de sua
morte, a direção passou para um de seus amigos mais íntimos, seu colega Sr.
Ushida, que também escreveu a inscrição para a pedra do memorial no Cemitério
Saihoji, em Tóquio. O Sr. Ushida foi, portanto o sucessor de Usui. Após a morte de
Ushida, o seguinte na série de sucessores foi o Sr. Taketomi, seguido pelo Sr.
Watanabe. O Sr. Wanami aposentou-se de seu posto no início de 1998. O
presidente atual do Usui Reiki Ryoho Gakkai é o Sr. Kondo, juntamente com a
Sra. Koyama, uma mulher carismática na casa dos 90.

No Japão, nunca houve um título como “Grão-Mestre” ou “Portador da Linhagem”.


Entretanto, o Sr. Chujiro Hayashi, que foi treinado pelo Dr. Usui e era um aluno
estimado, recebeu permissão para ter alunos próprios de Reiki e treiná-los, mas
nunca foi designado como sucessor de Usui. Ele foi apenas um dos muitos alunos
que receberam esse privilégio.

Nos círculos japoneses de Reiki, muito pouca gente ouviu falar da Sra. Takata. É
verdade que o Sr. Hayashi operava uma dojo (clínica, escola) em Shinano-Cho
(Cho significa cidade, Shi significa cidade grande) com dez camas. De acordo com
relatos de pessoas da época, essas camas estavam sempre ocupadas. Essa
afirmação aparentemente se refere à “clínica de Reiki” que dizem que o Sr.
Hayashi dirigia. Essa, porém, é provavelmente uma tradução imprecisa da palavra

30
japonesa Byoin, que muitas vezes é falsamente traduzida como clínica. Até o
consultório muito pequeno de um médico recebe esse nome em japonês.
Quando dizem que havia muitas clínicas de Reiki no Japão na época de Usui,
provavelmente estão se referindo a pequenos estabelecimentos. Jamais foi
encontrado um hospital ou uma clínica grande que tenha trabalhado com Reiki.

Muitos de nós temos a tendência de ouvir o que desejam ouvir e o que somos
capazes de entender. O trabalho com o poder do Reiki naturalmente continuou a
desenvolver-se e passou por certas mudanças. É certo que cada professor de
Reiki instrui à sua própria maneira e muda o sistema de modo a adequá-lo à sua
abordagem pessoal e a harmonizá-lo com sua compreensão pessoal.

Em ambas as linhas do Reiki, porém, ainda mais no sistema ocidental do que no


japonês, houve mudanças enormes. Muitos aspectos importantes do trabalho do
Reiki foram removidos do sistema tradicional por Hayashi ou Takata. Não se sabe
qual deles fez tais mudanças, mas eles também acrescentaram muitas coisas
positivas.

Há muitas razões culturais e lingüísticas para as diferenças dos sistemas ocidental


e oriental do Reiki. Muitos de nós achamos os japoneses misteriosos, amigáveis,
mas reservados, sempre sorrindo, mas nunca muito alegres. Quase sempre os
vemos em grupos, e é difícil estabelecer com eles um contato pessoal.

O Leste e o Oeste diferem fundamentalmente em seu modo de pensar e sentir.


Por exemplo: os japoneses usam principalmente o hemisfério cerebral direito
intuitivo. A razão para isso, entre outras coisas, está nos milhares de anos de
evolução da língua japonesa. Os caracteres japoneses, chamados kanji, não são
sons como as letras de nosso alfabeto, mas figuras. Isto significa que os
japoneses pensam de uma forma abstrata, em imagens, desde a infância. A lógica
não é um tópico de interesse no Japão. Isto não deve ser tomado como avaliação:
os japoneses simplesmente pensam de maneira diferente, que não é, de modo
algum, pior ou inferior à nossa. O pensamento intuitivo é uma habilidade
maravilhosa, e o mundo seria mais rico se os ocidentais dominassem também
esta arte.

A fim de difundir em uma nação ocidental o sistema Reiki japonês, que é


organizado de uma forma muito intuitiva, ele teve de ser dividido em passos
lógicos. A energia do Reiki naturalmente não sofreu com isso, e seja qual for o
sistema usado, isso não tem a menor importância.

No Reiki ocidental, os rituais de iniciação foram estabelecidos de uma forma muito


sistemática.

No Reiki tradicional japonês, foi dado ao professor mais liberdade para seguir sua
inspiração. Mas também não era simples tornar-se professor de Reiki, e apenas
certos alunos espiritualmente desenvolvidos foram selecionados com este
propósito. Certamente poderíamos discutir se é melhor treinar apenas alunos

31
espiritualmente desenvolvidos para serem professores de Reiki — mas quem quer
decidir isso? Ambas as direções devem ser respeitadas.
Acho que um ritual de iniciação detalhado e testado pelo tempo é absolutamente
necessário no Ocidente, onde o nível de professor de Reiki está à disposição de
qualquer pessoa que possa pagar. Uma iniciação não ocorre por si mesma, por
meio de um livro ou de um vídeo. Ela deve ser sempre ajudada por um
catalisador, neste caso, um professor. No entanto, as iniciações espirituais dos
iluminados são uma história completamente diferente, que não pode ser aplicada
às iniciações de Reiki: mestres espirituais como Jesus, Buda ou Osho iniciam
milhares de pessoas sem conhecê-las individualmente, sem olhar para elas ou
tocá-las, quanto mais falando com elas. Para fazer isso, o mestre nem precisa
mais estar em seu corpo material.

Doze posições de mãos, que não existem no sistema japonês, também foram
acrescentadas ao sistema ocidental. No sistema japonês, naturalmente também
há algumas diretrizes, mas as mãos recebem uma rédea mais solta a fim de
encontrar os lugares do corpo para os quais a energia deve ser dirigida. As partes
afligidas do corpo também podem ser tocadas ou receber pancadinhas, olhares e
sopros, a fim de que os poderes de cura do corpo sejam postos em movimento.

Pessoalmente, as posições de mãos são muito úteis para os iniciantes em


particular, uma vez que elas dirigem a energia a todo o corpo e, ao mesmo tempo,
ligam tanto o paciente como o terapeuta à Terra. A intuição é certamente uma
ferramenta importante, mas não de todo inofensiva, uma vez que os limites entre a
intuição e a ilusão podem ser um tanto nebulosos.

Também pode ser que o Sr. Hayashi ou a Sra. Takata simplesmente não
compreendessem o significado de algumas coisas, ou que os métodos tradicionais
não fossem compatíveis com a inclinação cristã que o povo desejava dar ao Reiki
nos Estados Unidos (e talvez fosse preciso dar, para que o Reiki sobrevivesse em
uma sociedade cristã). Podemos imaginar a situação logo antes da Segunda
Guerra Mundial e durante o conflito. Teria sido absolutamente impossível propagar
nos Estados Unidos um sistema de cura japonês voltado para o budismo sem
enfrentar terríveis problemas. Os ocidentais provavelmente jamais teriam ouvido
falar sobre Reiki se ele tivesse sido ensinado no Havaí, seu lugar de origem no
Ocidente. Devemos agradecer à Sra. Takata, por abrir-nos a porta do Reiki.
Contudo, hoje não é mais necessário descrever o Reiki como cristão, pois o Dr.
Usui não era cristão.

Os métodos japoneses de Reiki devem agora ser ensinados e aprendidos mais


uma vez. Foi dito aos alunos ocidentais do Reiki que todos os praticantes de Reiki
do Japão morreram durante a Segunda Guerra Mundial. Naturalmente, isso é um
absurdo. O fato é que o Usui Reiki Gakkai teve de se mudar com freqüência
durante a guerra. Como muitos de seus membros procediam das fileiras dos
Marinheiros Imperiais, precisaram ser cuidadosos durante a guerra para não
serem vistos e perseguidos como parte do movimento pela paz. Durante um

32
tempo, a sede do Usui Reiki Gakkai foi em Togo Jinja, um santuário xintoísta em
Harajuku, Tóquio.

Somente em Tóquio há pelo menos quatro correntes “tradicionais” diferentes de


Reiki. A linha principal ainda é dirigida pelo Sr. Kondo. Cada uma delas tem seu
próprio caráter e sua própria individualidade. (No Japão, o Reiki que foi e ainda é
praticado pelos monges budistas atua com exercícios de respiração e meditação.
Outra fonte combina Reiki e macrobiótica. Uma terceira Reiki e xintoísmo, e assim
por diante).

Nenhuma das escolas japonesas tradicionais de Reiki aceita, em seus círculos,


estrangeiros ou japoneses que residam em outros países. Sob a direção da Sra.
Koyama, a sede não tinha interesse em um intercâmbio com não-japoneses. Não
devemos condená-los por essa atitude, depois de todas as experiências negativas
que eles tiveram com estrangeiros. Se os ventos irão mudar neste aspecto, sob a
liderança do Sr. Kondo, ainda é uma interrogação.

Há agora milhares de professores de Reiki no Japão que ensinam o sistema


ocidental. Por estranho que pareça, algo importado de volta para o Japão muitas
vezes é mais bem recebido do que algo que teve lá suas origens e nunca saiu do
país. A situação da macrobiótica é semelhante.

O Reiki ocidental que é ensinado no Japão absorveu, com o passar do tempo,


muitos aspectos da Nova Era e é, portanto, semelhante ao Reiki conhecido no
Ocidente. Alguns dos professores japoneses de Reiki estudaram com outros
mestres e uniram diversos sistemas. Outros combinaram os sistemas ocidental e
japonês. O Reiki adapta-se às habilidades e interesses daqueles que o praticam.

Por que isso acontece? No Reiki tudo gira em torno de um eixo, o eixo da energia.
E esta energia é a mesma em todos os lugares, seja qual for o país, a orientação
ou a filosofia. A energia do Reiki é e permanece a energia do Reiki sem quaisquer
atributos ou limitações. Sem dívida, esta é uma peculiaridade que devemos
comemorar, pois a mistura ainda hoje não desvendada, por mais que alguns
poucos puristas querem-na divulgada, não retira do Reiki o seu mais belo
significado, que é a procura da evolução pessoal e a caridade entre os seres
humanos.

33
O significado da palavra Reiki

Reiki é a energia natural, harmônica e essencial a todo ser vivo. É a dádiva da Luz
às criaturas vivas. Reiki é a energia vital (Ki), direcionada e mantida pela
Sabedoria Universal (Rei).

O ideograma abaixo é formado por duas letras do alfabeto japonês (kanji) que
simbolizam a palavra Reiki.

“Rei” é a Sabedoria Universal, a Fonte Primeira,


Deus/Deusa, o Criador, Aquele que È, a
Chama, o Buddha, Cristo, Brahma, a Ordem
Natural, o Todo, Tupã, a Energia. Cada
civilização, cada cultura, em seu tempo e
costume, conheceu ou conhece por um nome
diferente.

“Ki” significa Energia Vital, em japonês. Os


chamam-na de Prana, os chineses de Chi, os
egípcios de Ka, os gregos de Pneuma, os
judeus de Nefesh, os kahunas da Polinésia
chamam-na de Mana, os russos de Bioenergia,
os alquimistas de Fluido da Vida e os cristãos
de Luz ou Espírito Santo

O Ideograma

Representa idéias e segundo o contexto, esses ideogramas podem ter várias


leituras:
• Chuva Maravilhosa de Energia Vital
• Chuva Maravilhosa que dá Vida
• Algo que vem do Cosmos e que em seu contato com a Terra produz o milagre
da vida
• Chuva Maravilhosa que produz o milagre da Vida
• A comunhão de uma energia superior com uma energia terrena, mas ambas se
pertencem.
• Uma Energia maravilhosa que está acima de todas as demais, está em você e
você pertence a Ela.

34
O Significado do símbolo do Reiki

O Significado do Símbolo do Reiki Muito se tem escrito e discutido sobre os


misteriosos símbolos dos níveis do Reiki, sobre os segredos ocultos neles e sobre
uma compreensão mais profunda que se pode alcançar com eles no caminho do
Reiki. Por outro lado existe um símbolo central que descreve exatamente o que é
o Reiki, quais seus efeitos, de onde vem e porque é eficaz. Este é o símbolo
escrito do Reiki. Até agora existem muito poucas publicações ou seminários a
esse respeito. O símbolo japonês do Reiki é usado hoje em artigos de revistas,
títulos de livros, papéis de cartas, posters e cartões pessoais e aparece
normalmente sob duas formas:

Figura 1 Figura 2
O antigo símbolo do Reiki O novo símbolo do Reiki

O antigo símbolo do Reiki O novo símbolo do Reiki A primeira versão (Fig. 1) é


uma representação mais antiga e original, cuja análise leva a uma compreensão
mais profunda do Reiki. A segunda versão (Fig. 2) surgiu após uma reforma
ortográfica. Esta versão não permite realizar um trabalho profundo de análise, uma
vez que não tem os diferentes componentes da versão original e, dessa maneira,
a explicação, principalmente da parte superior que se refere ao “Rei”, ou seja, a
“espiritual”, já não é reconhecida. Entretanto, este símbolo também representa
uma maneira correta de escrever Reiki, embora contenha poucos componentes
para a interpretação. Ambos são corretos no sentido de que através deles se
expressa corretamente por escrito a palavra Reiki. Contudo, para analisar com
profundidade o significado do Reiki é melhor usar a versão original, uma vez que
ela se presta melhor a um trabalho de interpretação. É importante lembrar que a
escrita japonesa baseia-se na chinesa. Em muitos aspectos a China exerceu
durante séculos a função de modelo cultural para o Japão. Por sua parte os
japoneses tinham desde os tempos antigos a tendência de incorporar influências
de outras culturas e adaptá-las à sua própria forma. No idioma chinês a palavra
Reiki se denomina “Ling Qi”. A primeira referência escrita se encontra em um

35
tratado do filósofo confucionista Mencius, datado aproximadamente de 300 AC.
Para entender o que significa exatamente Reiki devemos decompor o símbolo em
seus diferentes elementos e considerar suas raízes.

Consideremos primeiro o símbolo “Ki”. A figura 3 mostra uma escrita também


usada em outras formas de trabalho com energia materialmente sutil, a meditação
e a medicina. O termo “Ki” se usa hoje no Japão em centenas de palavras
combinadas. Há inclusive uma enciclopédia de “Ki” na qual se encontram apenas
as expressões que contêm “Ki”. No Japão se entende por “Ki”, entre outras coisas:
espírito, alma, coração, intenção, sentimento, temperamento, atmosfera. Em sua
forma mais original e antiga, a parte superior, sem a cruz oblíqua, significa
“nuvens”, ou seja, água que sobre ao céu, quase transformada espiritualmente.

Outro nível de significado se refere a “rezar” e “mendigar”. (fig. 4)

Mais tarde se juntou o símbolo do “arroz”, que desde os tempos remotos era o
alimento básico na China, e expressava a qualidade nutriente de “Ki” para o corpo,
o espírito e a alma. (fig. 5)

A figura 6 representa uma versão escrita muito antiga do símbolo Ki.

Na China antiga existem ainda outras versões do símbolo Ki, que hoje são pouco
usuais. A figura 4, por exemplo, se usava em diferentes variações como Ki e
representava simbolicamente vapores em forma de nuvens.

Figura 3 Figura 4 Figura 5 Figura 6

Como sabemos, o vapor de água que se eleva da terra se converte em nuvens e


depois em chuva que nutre novamente a terra, o material. Isto significa que a vida
termina quando a alma pertencente ao céu, o núcleo existencial espiritual do ser
humano, se desprende de sua forma material, o corpo. O que é espiritual é parte
do céu, o que é corpóreo é parte da Terra. O que pertence ao céu é puro e volátil,
o que pertence à Terra é turvo e pegajoso. Quando o espírito abandona a forma,
ambos retornam à sua verdadeira essência.

Vamos analisar agora a vinculação de “Ki” com “Rei”. O símbolo “Rei” se escreve
segundo a forma antiga da seguinte maneira.

Traduzido de forma literal significa “espírito não marcado por sua qualidade” ou
ainda “espiritual. Conforme o sentido pode ser traduzido como “sentido oculto” ou
ainda “energia oculta” Fig. 7. Um significado arcaico que data da época anterior ao

36
desenvolvimento da filosofia Taoísta entra claramente no terreno do xamanismo.
Nele, “Rei” pode ser traduzido como “exorcismo da chuva”. A parte superior do
símbolo significa “chuva” (fig. 8), a parte do meio representa “três bocas” abertas
(fig. 9) e a parte inferior significa “bruxo” ou “xamã” (fig. 10)

Figura 7 Figura 8 Figura 9 Figura 10

Para melhor entendimento a interpretação da tradução literal é feita da seguinte


maneira: o xamã orienta as três partes fundamentais do ser. Corpo (criança
interior), a mente (eu médio/racional “consciente”) e o espírito (eu superior) com
seus desejos de um objetivo comum, a chuva. Para isso é necessária a força do
amor, que deixa prosperar o verdadeiro, o belo e o bom. Por chuva deve-se
entender aqui a influência do divino sobre o campo pessoal espiritual do ser
humano estendido até o divino. A trindade que se manifesta, por exemplo, ao dizer
três vezes um mantra para ativar um símbolo de Reiki durante um tratamento é
ainda hoje um componente essencial de muitas formas de trabalho energético.
Também se representa o divino em forma de trindade.

O Reiki no Ocidente quando trazido do Japão pela Senhora Hawayo Takata


A Senhora Takata acrescentou modificações de modo a tornar o sistema aceitável
a um povo essencialmente ocidental e capitalista.
Antes de morrer, passou a tarefa de liderar o movimento Reiki à sua neta, Phyllis
Lei Furumoto e à Doutora Bárbara Weber. Phyllis e Bárbara, depois de quase um
ano trabalhando juntas, acabaram se separando por razões pessoais.
Cada uma fundou a sua própria organização:
• All International Radiance Associates – Dra. Bárbara Weber
• Reiki Alliance International – Phyllis Lei Furumoto

No início da década de 80, o Reiki chegou à Europa através de Brigitte Muller. A


organização da Dra. Bárbara Weber mudou de nome: The Radiance Technique
Association International, com sede em São Francisco, Califórnia. O Reiki da
Doutora Bárbara Weber tem sete graus e a Reiki Alliance tem três. O primeiro
utiliza outros símbolos e mantras.
Além disso, há inúmeras diferenças no conceito da tradição, em geral nas técnicas
de aplicação e no ritual de Iniciação do Reiki. Há outras organizações,
principalmente nos EUA e Canadá: Traditional Reiki Network – Nova York,

37
Universal Masters Association – Califórnia, The Center for reiki Training –
Minnesota, The Reiki Touch Inc – Texas, Reiki Plus Institute – Tennesee entre
outros.
A arte do reiki é simples, mas a cabeça do homem é complexa. Temos hoje o
Reiki Tera-Mai, Reiki Seichim, Reiki Plus, Osho Reiki, Kahuna Reiki, Reiki
Tibetano, Ken Reiki-Do, The Way of the Heart, Reiki Magnificado (Cura Quântica),
Orixá Reiki, entre tantos outros.
A consciência é de cada um e a escolha também. É tudo uma questão de
afinização vibracional. O Reiki começou com o Dr. Mikao Usui e são dos
apontamentos dele que retiramos nossos estudos, onde encontramos a
simplicidade e força do Sistema Usui de Cura Natural ( também chamado de Reiki
Tradicional).

Anotações de um diário antigo de Hawayo Takata

“Em minha intenção de escrever em poucas palavras este ensaio sobre a arte de
curar, tratarei de ser mais prática do que técnica, porque o que eu vou descrever
não está associado com nenhum ser material ou visível, não tem forma nem
nome”.

Creio na existência de um Ser Supremo, o Infinito Absoluto, uma força dinâmica


que governa o mundo e o universo. É um poder espiritual invisível que vibra. Faz
que os restos das forças se tornem insignificantes a seu lado e por isso é
Absoluto.

Este poder é insondável, imensurável, e sendo uma força da vida universal, é


incompreensível para o Homem. Sem impedimentos, todos e cada um de todos os
seres vivos recebem os seus benefícios, tanto estando despertos como dormindo.

Diferentes professores e mestres chamam-no de Grande Espírito, a Força da Vida


Universal, ou a Energia da Vida, porque quando se aplica vitalizam os sistemas
inteiros, também lhe chamam de Onda de Éter, porque alivia a dor e nos faz entrar
em estado de profundo sono como se estivéssemos abaixo de efeitos de uma
anestesia, e porque irradia sensações de regozijo e nos eleva a um estado de
harmonia.

Eu lhe chamarei “Reiki”, porque eu o estudei sob essa denominação. Reiki são
ondas que se transmitem de maneira semelhante às ondas de rádio. Pode-se
aplicar com êxito tanto localmente como à distância, como a onda curta.
Reiki não é eletricidade, nem rádio, nem raios X. Pode penetrar em capas finas de
seda, panos, porcelana, madeiras ou gesso, porque vem do Grande Espírito, do
Infinito.

38
Não destruindo tecidos delicados nem nervos, é absolutamente inócuo e por isso
é um tratamento prático e seguro. Devido que é uma emissão universal, este
tratamento beneficia a todo ser vivo, aves, animais, como assim também todos
seres humanos, quer sejam crianças ou anciões, pobres ou ricos.

Deve-se aplicar e utilizar diariamente de forma preventiva. Deus nos deu este
corpo, um lugar onde viver e o pão de cada dia. Fomos postos neste mundo com
algum propósito e por isto devemos estar sãos e felizes.

Este é o plano de Deus e Ele nos proporciona tudo o que necessitamos. Nos deu
as mãos para que as apliquemos e curemos, para que conservemos a saúde
física e equilíbrio mental, para que nos liberemos da ignorância e vivamos em um
mundo iluminado, para que convivamos em harmonia com nós mesmos e com os
demais, para que amemos todos os seres.

Se aplicarmos estas regras diariamente, nosso corpo responderá e tudo o que


queremos e desejamos conseguir neste mundo estará a nosso alcance. Saúde,
felicidade e o caminho para a longevidade que todos buscamos. Isto é que eu
chamo de perfeição.

Ao ser uma força que é proveniente do Grande Espírito pertence a todos que
buscam e desejam aprender a arte da cura.

Reiki não conhece raça, credo ou idade. O estudante encontrará seu caminho
quando estiver preparado para aceitá-lo. Ser-lhe-á mostrado. A iniciação é uma
cerimônia sagrada em que se estabelece o contato. Dado que tratamos com o
Espírito Divino não cabe o erro nem devemos duvidar. É absoluto!

Uma vez estabelecido o primeiro contato ou iniciação, as mãos irradiam vibrações


ao colocá-las sobre a região enferma, aliviando a dor e detendo o sangramento de
uma ferida aberta. Tuas mãos estão preparadas para curar enfermidades agudas
e crônicas dos seres humanos, das plantas, das aves e animais.

Nos casos agudos só são necessários alguns minutos de aplicação. Nos casos
crônicos o primeiro passo e encontrar a causa e seus efeitos.

Não é necessário que o paciente se desvista completamente, mas é melhor


desapertar qualquer roupa apertada para que o mesmo possa relaxar. O mais
importante é encontrar a causa da enfermidade.

Começa-se o tratamento pelos olhos, seios frontais e nasais e glândulas


pituitárias. Segue com as têmporas, medula oblongata, a garganta, a tireóide, o
timo. Depois se trata os pulmões, o estômago, a vesícula biliar e o fígado, o
pâncreas e o plexo solar o intestino delgado e o grosso. Depois a flexão sigmóide,
os ovários, a bexiga.

39
Faz-se que o paciente se vire e tratam-se os ombros, os pulmões, os nervos
simpáticos, os rins e a próstata.

Durante o tratamento confie em suas mãos. Atente para as vibrações e suas


reações. Se no paciente dói alguma coisa, sentirás dor nas pontas dos dedos e na
palma das mãos. O mesmo sucederá se o paciente sentir fisgadas. Se a dor é
profunda e crônica, você notará pulsações surdas, e se a dor é aguda você notará
pontadas superficiais.

Tão pronto como o corpo responde ao tratamento, desaparecerá o mal-estar


agudo, mas a causa principal permanece. Investiga essa causa diariamente e com
cada tratamento verás melhoras.

Depois de tratar os órgãos dessa forma, eu termino o tratamento com umas


massagens rápidas dos nervos que regulam a circulação. Ponho algumas gotas
de azeite de sésamo ou qualquer azeite vegetal puro, coloco os dedos polegar e
indicador sobre o lado esquerdo e os três dedos restantes com a palma apoiados
sobre o lado direito da coluna vertebral, e dou massagens descendentes (de 10 a
15 toques), até o extremo inferior da coluna vertebral. Somente em casos de
diabetes é que os toques são da forma inversa. A massagem das pernas e braços
é sempre na direção do coração.

O tratamento explicado anteriormente se chama tratamento básico. Consome o


tempo de uma hora ou mais, segundo as complicações e gravidade do caso.

Ao tratar o corpo em detalhes, as mãos se tornam sensíveis e podem chegar a


determinar a causa da enfermidade, assim como detectar a mais ligeira congestão
interna, quer seja física ou mental, aguda ou crônica. Reiki é um tratamento
estritamente não-invasivo e sem medicamentos que fará que o corpo volte à sua
normalidade.

Em um período de quatro dias a três semanas vemos grandes mudanças no


corpo, todos os órgãos internos e glândulas começam a funcionar com maior vigor
e ritmo. Os sucos gástricos voltam a fluir de forma normal, os nervos
congestionados se relaxam, desaparecem as aderências, o cólon se ativa, a
matéria fecal cai das paredes intestinais e gases são expulsos.

As toxinas acumuladas durante anos são eliminadas através dos poros,


produzindo uma transpiração pegajosa. Aumentam-se as defecações, que são
escuras e de odor forte.

A diurese também aumenta, a urina se torna escura e carregada, e outras vezes


se torna branca como farinha misturada na água. Isto pode durar de quatro a seis
dias. Sem impedimentos, tenho tido pacientes que reagiram com um só
tratamento.

40
Quando isto ocorrer, comprovarás que se está produzindo uma reabilitação geral
dos órgãos intestinais. Depois desta depuração tão completa, o corpo se ativa, os
nervos intumescidos recuperam o sentido do tato, aumenta o apetite, o sono
profundo se torna natural, os olhos brilham e a pele resplandece como seda.

Ao renovar-se o sangue e a circulação e restabelecer-se os nervos e as glândulas,


pode-se rejuvenescer de cinco a dez anos. Neste momento é muito importante o
que comes. Durante os tratamentos de saúde de Reiki somos vegetarianos e
comemos todos os tipos de frutas da estação.

A natureza nos provê com abundância, mas não para que nos derrotemos. Comer
em excesso é um pecado contra si mesmo. Coma com moderação e com um
sentimento de gratidão para reconhecer o Grande Espírito que é o Criador, o
Todo-Poderoso que faz que todas as coisas cresçam, floresçam e dêem frutos.

Sentemos à mesa com pensamentos agradáveis. Não comam quando estiverem


preocupados. Deve-se evitar o leite, o açúcar branco e as féculas se o paciente
tem estômago delicado. Com a alimentação adequada o paciente responde com
mais rapidez aos tratamentos.”

41
Reiki – Conceitos básicos

Energia

Em termos gerais, energia á uma força que gera movimento. Ela pode ativar
motores como a energia combustível, aquecer como a luz elétrica, explodir como a
energia nuclear, iluminar como a energia divina e aconchegar como a energia da
mãe. Também pode semear, iluminar, ativar e abraçar a própria vida: esta é a
Energia Vital. É ela que mantém as funções do corpo, o bem-estar pessoal, o
ambiente benfazejo, balança os mares e agita os ventos, pois permeia toda a
Terra animando a centelha de vida em todo ser, seja uma ameba, um ser humano
ou o próprio planeta.

A mal compreendida e definida Energia é - tem sido - um dos grandes mistérios da


criação.

Energia é uma palavra utilizada como se fora algo muito familiar (de fato o é),
porém, quando paramos para pensar o que é na realidade energia, começamos,
sem sombra de dúvidas, a tomar consciência de sua complexidade.

Algumas de suas manifestações são bem identificadas, ou seja, através da


nomenclatura dada pela física clássica (energia térmica, mecânica, cibernética,

42
nuclear, elétrica, cinética, magnética, etc.) sendo que a energia foi definida como
sendo "todo o agente capaz de produzir trabalho”.

A etimologia da palavra energia vem do grego "energes" (ativo), esta por sua vez
provém de "ergon" que significa obra, então a palavra indica que a energia implica
em atividade.

O homem foi, em todo o seu trabalho evolutivo, descobrindo gradativamente e ao


mesmo tempo manipulando as energias em seu proveito. A priori as da natureza
e, logo após, as que ele reproduzia e combinava com a criação de utensílios,
armas, máquinas e ferramentas.

As primeiras energias conhecidas pelo homem foram, sem dúvida, as energias


térmica e acústica, desde o ventre materno. E logo as reproduziu e as controlou,
iniciando, desta forma, sua jornada evolutiva.

A partir do fogo e com a criação de utensílios e ferramentas (da térmica e da


mecânica), inicialmente de pedra e madeira e evoluindo para as de metal, ele
passa a obter conforto e segurança.

Posteriormente foram criadas as máquinas a vapor, que transforma a energia


térmica em mecânica, obtendo movimento.

Com certeza a esta fase podemos considerar como a fase do domínio das
energias grosseiras (ou seja, de baixa freqüência vibratória), perceptíveis apenas
em nível dos sentidos objetivos.

Um avanço científico e tecnológico muito grande ocorreu quando Benjamin


Franklin descobriu a eletricidade. A partir de então se iniciou uma nova fase, ou
seja, a constatação e o domínio das energias invisíveis, porém, perceptíveis
através de suas manifestações e mensuráveis somente através de instrumentos.

A energia elétrica deu origem a outras energias invisíveis, tais como: a magnética,
surgindo os radiotranmissores, motores elétricos, etc., sempre combinando e
transmutando estas energias.

Hoje, quando ouvimos falar da energia quântica, solar, hidráulica, etc., sabemos
que todas foram devidamente classificadas pelas leis da física.

Não podemos deixar de reconhecer o extraordinário conhecimento que os povos


antigos possuíam.

Além de conhecer a importância da relação energética correta, sabiam ainda


manipulá-la para preservar o equilíbrio físico e psicológico através do estado de
harmonia com as energias superiores e, como resultado, o sistema imunológico e
o corpo físico.

43
A partir da primeira respiração o ser recebe energia cósmica que penetra pelo seu
centro psíquico superior, desta forma se caracteriza a individuação do ser com a
freqüência da energia cósmica do momento.

Conceito clássico de Energia

Para a física clássica, energia e matéria são classificadas como dois elementos
separados. A energia que ela classifica é aquela que pode ser encaixada nos
padrões acadêmicos materialistas por ela definidos e não considera ou explica as
manifestações da energia mais sutil. Por outro lado, a matéria segundo esta
classificação apresenta-se em três estados: sólido, líquido e gasoso.

Sólido: a força de coesão inter atômica ou inter molecular é maior que a de


repulsão;

Líquido: a força de coesão é menor que no sólido, sendo que desta forma, este
estado assume a forma do recipiente em que está contido;

Gasoso: a força de repulsão é maior que a de coesão; desta forma, todo gás
procura ocupar o maior espaço possível.

Para Albert Einstein a matéria é energia em estado potencial ou latente e será


energia cinética ou de movimento no momento em que liberar essa energia. Ele
chega a formular essa equivalência em termos físico-matemáticos.

Na física moderna está cada vez mais aceito o conceito de que tudo o que existe
no universo (inclusive o homem) é feito de uma mesma e ainda misteriosa
substância, a energia, que se manifesta de infinitas maneiras em infinitos níveis de
condensação.

Energia sob o ponto de vista oriental

As principais culturas do Oriente também definem a energia como sendo um


princípio. Todavia vão muito mais além: chamam-na de Prana e a identificam
como um dos princípios fundamentais do Universo.

Assim, na cosmogonia oriental, todas as manifestações energéticas passam a ser


subprodutos deste Prana, essencial e onipresente, que a tudo interpreta.

No contexto universal da criação o ser humano é o único ser vivo que tem
consciência e, pelo uso do livre-arbítrio, pode transmutar, através da mente, as
energias que ela processa, elevando, melhorando ou aproximando-as do nível de
Freqüência Vibratória dos Planos Superiores, onde se sintoniza com as forças
criativas, construtivas e sublimes da natureza, gerando saúde, harmonia e
evolução.

44
Outras vezes as transmuta, afastando-as desses sublimes níveis vibratórios,
gerando desarmonia e doenças. A primeira vítima deste processo é sempre a
pessoa que gera este tipo de energia, já que pela lei da trilogia (mente-energia-
matéria), a energia, gerada pela nossa mente, determinará a qualidade da aura,
das células e de seu corpo físico. Se esta energia gerada for boa, positiva,
teremos uma aura sadia, magnética e atrativa. Se for o oposto, estará gerando
energia negativa, poluindo seu corpo físico, tudo o que sua aura impregnar
energeticamente e/ou até onde projetar seus pensamentos.

Somos, em resumo, o maravilhoso laboratório alquímico que a natureza utiliza,


para efetuar a transmutação do grosseiro para o sutil, em conformidade com o
divino objetivo da evolução.
Energia sutil

A energia sutil - essa desconhecida – foi tema de uma teoria eletromagnética do


Professor René Louis Vallee que nos ensinou que se a energia atinge um
determinado espaço, uma densidade suficiente, acontece a materialização de um
fóton; mas se a energia for de densidade inferior, ela só pode existir em forma de
onda.

Pode-se então perguntar: - se a densidade for ainda mais reduzida, a ponto em


que nem onda possa existir, a energia desaparece? Evidentemente, ela deve
continuar a existir na forma que não é corpuscular nem ondulatória, numa forma
não formulada, de maneira difusa. O meio adquire uma espécie de neutralidade
energética - se o espaço for perturbado, forma-se uma emissão de forma. A níveis
energéticos maiores, devera aparecer uma radiação eletromagnética. Isto significa
que vivemos literalmente num banco energético.

O que confunde a cabeça dos pensadores é a manifestação de certas energias


que eles não conseguem classificar, segundo as leis acadêmicas e materialistas,
mas que estão e, sempre estiveram, se manifestando.

O Rei e o Ki

Rei é a Sabedoria Universal, a Origem, Deus/Deusa, o Criador, Aquele que É, a


Chama, Bhudda, Brahma, a Ordem Natural, Odin, Tupã, o Tao. É a inteligência
natural, harmônica e essencial que sustenta a Energia Vital (Ki).
A Energia Vital á a força propulsora da vida. Sem ela morremos. Os japoneses
chamam-na de Ki. Os hindus chamam-na de Prana, os chineses de Chi, os
egípcios de Ka, os gregos de Pneuma, os judeus de Nefesh, os Kahunas da
Polinésia de Mana, os russos de Bioenergia e os cristãos de Espírito Santo.
Diferentes culturas em tempos diferentes criaram diversos métodos de captação e
aplicação desta energia, como a Acupuntura, o Pranayama, o estudo do Torá, o
passe Espírita, a benção Cristã e a Pagelança dos xamãs. O Reiki é um método

45
que permite canalizar e transmitir esta energia através das mãos, equilibrando e
harmonizando o receptor nos níveis físico, mental, emocional e espiritual.

Energia manifestada e energia não manifestada


A palavra japonesa Reiki significa a união da energia não-manifestada com a
energia manifestada ou energia da matéria física: “O que está em cima é como o
que está embaixo”- vamos ver isto diversas vezes em publicações a respeito.
Destarte, Rei é a energia cósmica ou divina, que fica além (acima) das camadas
mais densas da Terra e Ki corresponde à energia manifesta na matéria densa e
por conseqüência, no homem. Se quem tivesse decodificado o Reiki fosse outra
pessoa senão o Dr. Mikao Usui, de origem japonesa, uma pessoa de outra
nacionalidade, certamente teria dado um nome diferente, mas com o mesmo
significado ou significado semelhante. Todavia, o Reiki por si só é um mantra. Por
ser muito antigo, seu nome deve ser mesmo anterior ao seu decodificador. A
simples pronúncia entoada em forma de evocação, como nos mantras em geral,
faz com que a energia se manifeste. Para explorar mais este entendimento, pense
que Rei é a sabedoria sutil que está em todas as coisas, animadas ou inanimada.
Em nível do humano, Rei atua como energia harmonizadora, nutritiva, curativa,
orientadora e elucidativa, conforme a necessidade da situação do ser humano
naquele momento e em todos os tempos, independente de se conhecer o Reiki ou
não. É a energia que reina no Universo e atua sobre todas as coisas. Ki, por sua
vez, é a energia que anima todas as coisas vivas e está fluindo em todos os seres
vivos, incluindo minerais, vegetais, animais e seres humanos. Ao se pronunciar a
palavra em sua devida entonação, a energia pertencente a Reiki vibra e entra em
ressonância, atuando canalizadamente.

Quando as duas se encontram (Rei e Ki), elas naturalmente coabitam e nos são
acessíveis, só que não se tem consciência disso. Em muitas ocasiões, essas duas
energias se encontram e operam em unicidade. Esses eventos se dão
constantemente nas igrejas, nos lugares de meditação, nos lugares de cura
espiritual, nos centros de cura prânica. Até aqui, nada a ver com o Reiki
exclusivamente. O que é de propriedade da Iniciação é o mecanismo que faz com
que canalizemos a energia Rei através da nossa energia pessoal Ki, numa
condição inconsciente e real, capaz de operar pelo simples ato de postura das
mãos. Ao penetrar em nosso campo energético pessoal, Rei funde-se à energia Ki
e passa a emanar Reiki. Reiki, portanto, é energia trina, que contém em si mesma
a energia bipolarizada Ki e a energia una Rei.

A energia Reiki não vem do terapeuta, mas da Fonte Universal. O agente de cura
é o canal através do qual a energia flui chegando onde é necessária. Ela penetra o
canal (reikiano) principalmente pelo chakra coronal, localizado no alto da cabeça,
se concentra no coração do doador e flui através das mãos. É necessário que o
canal de Reiki receba a Iniciação ou Sintonização adequada feita por um Mestre
Reiki durante os cerimoniais de Iniciação, para que não corra o risco de passar a
sua própria energia, o que poderá causar uma perda de vitalidade ao canal, sem
contar que energias possivelmente negativas vindas do receptor possam

46
igualmente prejudicá-lo. No caso da energia Reiki só existe um caminho: do canal
ao receptor.

O fluir do Reiki
Antes de iniciarmos uma sessão de Reiki, podemos realizar a evocação da Fonte
Universal, nos ligando à Luz e aos Mestres do Reiki através da mentalização, da
oração, da meditação, pedindo que o Universo nos ilumine, nos proteja e nos
direcione da melhor maneira durante uma sessão. A evocação é uma forma de
demonstrar respeito e, também, de reconhecimento do fato de que não somos nós
que estamos harmonizando determinada pessoa, mas a Fonte Universal, através
de nós.

O fluir do Reiki varia de acordo com o grau de desarmonia do receptor. O fluxo é


totalmente independente das expectativas do terapeuta, funcionando de acordo
com leis próprias. Quando um canal Reiki posiciona suas mãos sobre ou perto de
um organismo vivo energeticamente desarmonizado, a energia Reiki flui
normalmente e automaticamente. Não é necessário nenhum esforço consciente
por parte do canal, porém, observa-se que o Reiki flui com mais intensidade se o
canal posiciona as suas mãos com uma intenção consciente de amor.

A simplicidade do Reiki

Algumas pessoas estranham quando escutam que existem diferentes variedades


de Reiki, porque consideram que o Reiki é apenas aquele que o Dr. Usui ensinou.
Segundo essa forma de ver as coisas, nenhum outro método deveria receber o
nome de Reiki. Entretanto não podemos esquecer que a palavra Reiki já existia no
Japão muito antes do Dr. Usui receber esse método curativo. Por essa razão é
que seu método não se chama simplesmente Reiki, mas Sistema Usui de Reiki,
para deixar claro que se trata de uma variedade específica de Reiki.

No momento em que se ensinam outros métodos curativos semelhantes ao Usui


Reiki Ryoho, porém com outras vibrações e outros resultados, fica claro que existe
uma série de métodos curativos que, com justa razão, podem ser considerados
como Reiki.

Pensando assim, como podemos decidir se um método é ou não Reiki? Se


analisarmos o Reiki que foi ensinado pelo Dr. Usui, encontramos quatro
características que outorgam à técnica a condição desse Reiki ser um método
curativo. Essas características podem ser definidas do seguinte modo:
• A capacidade de dar Reiki se origina de uma sintonização e não provém de
algo que se tenha adquirido ao longo do tempo e com a ajuda de meditação
ou de outro tipo de exercício.
• Todos os métodos de Reiki pertencem a uma corrente. Equivale dizer que o
método é transmitido do professor ao aluno por meio de uma sintonização,
que começa com aquele que primeiro ensinou a técnica.

47
• Não é necessário dirigir a energia com a razão, já que ela é guiada por um
poder superior e conhece seu caminho e seus efeitos próprios.
• Por isso o Reiki não pode produzir nenhum dano.

Se um método curativo possui essas quatro características, pode então ser


considerado um método Reiki.

O Reiki e a cura
O Reiki visa a cura integral. Através dele podemos tratar as desarmonias do corpo
físico, mental e emocional. Atuando sobre nossos centros energéticos, os chakras,
sobre nossa malha magnética, os meridianos que envolvem o corpo físico; e da
aura, a luz que nos mantém, a energia Reiki equilibra e restabelece a circulação
da energia vital, corrige desvios nos padrões mentais do inconsciente, ativa o
poder de restabelecimento do corpo físico através das glândulas endócrinas e dos
órgãos e nos reconecta com o Espírito Universal.

Curar-se é conhecer-se, aceitando nossas imperfeições e nos perdoando,


valorizando nossas qualidades e fazendo bom uso delas. Este é o sentido holístico
da cura. É a cura integral. A manifestação física de uma doença é apenas o
resultado de desequilíbrios mentais e emocionais, conscientes e inconscientes,
que precisam ser trabalhados e compreendidos. Através do Reiki podemos ativar
nosso poder de cura e receber a ajuda que precisamos para corrigir estes
desequilíbrios.

A energia Reiki age sobre todo nosso sistema energético, mental, emocional,
físico e espiritual. Não é possível prever o que irá acontecer durante uma sessão.
Isto está além do alcance do terapeuta: é uma prerrogativa do Universo. O agente
de cura pode orientar e garantir que o Reiki beneficia qualquer um que o pratique
e o receba, mas não pode garantir que a sessão de Reiki curará uma doença em
particular ou que tenha qualquer outro resultado específico. O poder de curar-se
está dentro de cada um. A orientação de um bom terapeuta visa levar a pessoa a
conhecer-se e ensiná-la a fazer deste poder em seu próprio benefício.
O Reiki trabalha com a Energia Vital, que é uma energia natural a todo ser vivo,
portanto não causa danos em nenhum sentido. Entretanto, devemos entender que
ao iniciarmos um processo de cura, estamos mudando algo estabelecido e tido
como certo. Isto certamente mexerá com nossas emoções e com nossos padrões
de pensamento. Pessoas sem compreensão dos processos de cura holística – ou
seja, a cura integral – podem interpretar mal o que vêm a sentir.

Quando passamos por um processo de cura holística, pode haver um período de


tempo em que sentiremos algum desconforto. O corpo físico reage às mudanças
que ocorrem nos corpos emocional e mental, e neste período de adequação
energética é preciso que tenhamos muita paciência e amor conosco. Tonturas e
algum mal-estar podem ocorrer neste período, pois você estará rompendo com
padrões de pensamentos muito arraigados a você e limpando bloqueios

48
emocionais, cujo espaço será preenchido por novas energias. Portanto, fique
tranqüilo e exerça o amor por você mesmo, respeitando seus limites, cuidando de
você, ajudando o Universo a te ajudar.

Iniciação ou Sintonização

A Iniciação ou Sintonização é a abertura dos canais do futuro doador para


recebimento da energia Reiki, através de quatro atos cerimoniais para o Primeiro
Grau, um ato cerimonial para o Segundo Grau e um ato cerimonial para o
Mestrado, entre os alunos e o Mestre. É como uma cirurgia espiritual, onde serão
desobstruídos os dutos por onde a energia correrá e será carreada através das
mãos para o receptor. Durante as iniciações algumas pessoas visualizam cores e
luzes, outras vêem desenhos, algumas relembram vidas passadas, outras se
sentem cheias de luz, paz e harmonia. Quando o aluno começa a praticar,
colocando as mãos em outras pessoas para ativar e canalizar a energia Reiki, o
novo agente de cura de Reiki sente pela primeira vez o calor radiante da energia
Reiki fluindo pelas suas mãos, então percebe novas possibilidades cuja existência
desconhecia.

O funcionamento do reiki
Ao colocar as mãos sobre alguém com o intuito de utilizar a energia Reiki, o
agente de cura mescla-se à Energia Cósmica, porque a coisa não funciona como
nos casos de passes magnéticos, das massagens terapêuticas ou prânicas ou de
qualquer outra forma de cura através das mãos, onde se usa a própria energia Ki.
A energia Ki á automaticamente modificada ao entrar em contato com a energia
Rei, liberando-se de todas vibrações pessoais que poderia conter. Este fator é
muito positivo, pois nem sempre um agente de cura está com suas vibrações
perfeitamente em ordem, e estas poderiam de alguma forma prejudicar o receptor,
bem como prejudicar o doador ou agente de cura com as energias negativas que
o receptor poderia enviar ao agente de cura. No caso do Reiki, o agente de cura
está devidamente protegido pela própria energia Rei que quando unida à energia
pessoal Ki do agente de cura tem um caminho unilateral: do Cosmos ao receptor
tendo o agente de cura como um caminho. Não há desgaste físico ao se aplicar a
energia Reiki no agente de cura. Com o Reiki acontece uma coisa especial e
benéfica: ao sobrepor as mãos sobre um receptor, o reikiano recebe a energia Rei
integralmente. Ao entrar em contato com a energia Ki, o corpo do próprio reikiano
retém para si cerca de 30% da energia Rei, que é o suficiente para equilibrá-lo e
nutri-lo energeticamente. Quando a energia sai pelas mãos do reikiano ela já está
transformada em energia Reiki e o reikiano já está recebendo a energia na parcela
que o irá recompor amplamente. Desta forma, aplicar o Reiki é benéfico também
para quem o aplica e, através desse processo, que se dá instantaneamente, a
energia pessoal gasta já é imediatamente reposta.

Como funciona a energia Reiki


O praticante de Reiki direciona a energia do Universo para o corpo físico,
estimulando a capacidade inata de restabelecimento do receptor. Esta prática

49
terapêutica pode ser aplicada tanto para cuidar ativamente de si mesmo como
para tratar outras pessoas.

Os efeitos da energia Reiki


• Equilibra as energias do corpo
• Equilibra os órgãos e glândulas e suas funções corporais
• Relaxa e reduz o stress
• Potencializa a energia vital
• Fortalece o sistema imunológico
• Alivia a dor
• Libera as toxinas
• Libera bloqueios e emoções reprimidas
• Amplia a consciência pessoal e facilita os estados meditativos
• Trata holisticamente
• Promove o potencial de recuperação natural da saúde

A energia Reiki é:
• Energia divina de amor compassivo e incondicional
• Uma arte de terapia simples, segura e universal
• Uma revitalização e harmonização do corpo e da mente
• Uma maneira fácil de toque com as mãos
• Uma experiência de transformação única
• Uma chave que conduz à luz
• Uma energia amorosa e inteligente
• Ativação de energia vital
• Independente de qualquer religião e compatível com qualquer outro
tratamento

O Reiki não é:
• Uma religião, filosofia ou credo
• Massagem
• Um dogma ou uma doutrina
• Imposição de mãos
• Um passe espiritual ou magnético
• Magia
• Uma terapia verbal
• Poder mental
• Ponto de compressão
• Fenomenologia
• Mediunismo

50
• Para ser recebido só quando se está doente

A energia Reiki pode ter aplicações em:


• Autotratamento
• Tratamento de outras pessoas, animais ou plantas
• Aliviar rapidamente dores físicas
• Ajudar, prevenir e tratar distúrbios
• Equilibrar o corpo, a mente e as emoções
• Liberar bloqueios
• Desintoxicar
• Equilibrar os chakras (centros de energia)
• Relaxar
• Aumentar a autoconfiança
• Promover a paz interior
• Aumentar a concentração

Vantagens e benefícios da energia Reiki:


• O Reiki se encontra ao alcance de todos inclusive de crianças, anciãos e
pessoas doentes.

• Todos podem ser canais de Reiki, não existe limite de idade nem
condição prévia alguma exigida.

• O treinamento da técnica não é demorado podendo cada Grau ser


ensinado em seminários de um ou dois dias.

• É uma técnica segura, sem efeitos colaterais ou contra-indicações,


compatível com qualquer tipo de terapia ou tratamento convencional.

• Não é composto por um sistema religioso, filosófico, com restrições e


tabus.

• Não utiliza talismãs ou qualquer objeto para sua aplicação prática.

• A técnica não fica obsoleta, sendo a mesma há milhares de anos.

• Após a sintonização energética ocorrida durante o encontro com o


Mestre Reiki, pode-se aplicar Reiki imediatamente, pelo resto de sua
vida. Mesmo que por um longo período não o faça, não há necessidade
de nova ativação para o mesmo nível.

51
• A energia não é polarizada, sem positivo ou negativo (Yin e Yang).
• O Reiki é como ondas freqüênciais e pode ser aplicado no local ou à
distância com o mesmo sucesso.

• Rompe o tempo e espaço, permitindo reprogramar eventos passados e


coordenar eventos futuros.

• A energia não é manipulativa, o terapeuta simplesmente coloca as mãos


e a energia flui na intensidade e na qualidade determinada por quem a
recebe.

• Não é necessário despir o paciente durante a aplicação, pois a energia


penetra através de qualquer coisa.

• O terapeuta não precisa conhecer o diagnóstico da patologia para


efetuar com sucesso o tratamento.

• O Reiki energiza e não desgasta o terapeuta, pois a técnica não utiliza o


"chi" ou "ki" do praticante, e sim da Energia Vital do Universo.

• O Reiki atende a pessoa de forma holística, nos corpos físico,


emocional, mental e espiritual, não visando apenas suprimir a patologia,
mas à volta a um estado natural e desejável, de bem estar e felicidade.

• A prática Reiki está inserida no contexto das práticas terapêuticas


alternativas reconhecidas pela Organização Mundial da Saúde (O.M.S.).

Desintoxicação
Desintoxicação é o período de 21 dias que ocorre após o recebimento das
iniciações. É um período de limpeza e adaptação ao recebimento da energia Reiki
ao iniciado reikiano. O iniciado pode se sentir aéreo, ter sonhos muito vívidos, ou
apresentar sintomas, como por exemplo: diarréia, náuseas ou coriza. Se o
processo se tornar incômodo, o simples fato de realizar um autotratamento ou de
outra pessoa, reequilibra a energia do agente de cura e diminui as sensações
desagradáveis. Pode-se vislumbrar, também neste período, soluções para
problemas que até então aparentemente sem solução, além de recebermos uma
boa dose de energia para implementar mudanças em nossas vidas.
É importante que o iniciado tenha tranqüilidade e compreensão durante este
período de 21 dias, para o que está ocorrendo consigo. Seu corpo físico e os
corpos sutis estão sendo adaptados a uma quantidade maior de energia. Para
tanto é necessário desobstruir os canais, eliminado emoções e pensamentos
negativos. Algumas vezes, dependendo do estado geral do iniciado, alguns
sintomas continuam após este período, indo até ao ponto onde a pessoa consiga
harmonizar a sua própria vida.

52
Quem pode ser reikiano
Qualquer pessoa pode receber a Iniciação em Reiki, desde que queira. Aliás, nem
sempre é preciso querer. No caso de crianças (sempre acima de 7 anos) são os
pais ou responsável quem as levam para serem iniciadas. As pessoas muito
doentes, em estado terminal ou que sofrem de algum mal que afeta o cérebro na
sua tarefa de pensar, também não decidem por si, mas podem ser iniciadas, com
o intuito de melhorarem seu quadro e, em alguns casos, até de se recuperarem
por completo. Elas não têm consciência, não escolhem e mesmo assim são
iniciadas e passam a conectar e transmitir a energia Reiki, para si e para outros.
Pode se fazer a Iniciação em Reiki mesmo uma mulher estando grávida. Aliás, é
altamente benéfico para o bebê, que desde o começo passa a receber Reiki.

Quando o Mestre Dr. Mikao Usui encontrou e compreendeu os símbolos do Reiki


e seu poder, começou a transmiti-lo tal qual havia recebido para si. Ocorreu que
as pessoas as quais iniciou não suportaram a força e potência daquela energia.
Curaram seus males corpóreos, mas não seus males espirituais e tiveram muita
dificuldade em encontrar harmonia e equilíbrio na nova condição, chegando a
ponto de acusarem Dr. Usui de tê-los criado um sério problema. Então, o Mestre
decidiu dividir a iniciação em Reiki em graus gradativos de transmissão daquele
poder, criando para o primeiro nível uma condição inicial leve, onde a energia atua
apenas no corpo físico e não requer o uso de símbolos. A idéia funcionou, foi
aperfeiçoada por um de seus alunos e desde então passou a ser possível para
qualquer pessoa ser iniciada em Reiki.

A qualidade do Reiki
O Reiki não muda de qualidade em nenhuma circunstancia. Não existe
diferenciação qualitativa sob quaisquer aspectos. A diferença entre os níveis
iniciáticos está pura e exclusivamente na potencialidade do Reiki. Quanto maior
for o nível iniciático da pessoa e, por conseqüência, quanto maior for seu tempo
de prática, mais fácil, rápido e profundamente se dará a atuação do Reiki. Mas
isso não quer dizer que a qualidade deste é melhor que daquele. O Reiki é o Reiki
em todas as pessoas, em todos os lugares e em todos os níveis.

Depois de iniciado o Reiki sozinho não vai melhorar a sua vida. Nada vai. O que
melhora a vida de uma pessoa é a disposição da própria pessoa em querer levar
uma vida melhor. Se você deixar que o Reiki entre em sua vida verdadeiramente,
ele vai ajudá-lo a manter seu equilíbrio pessoal, em todos os níveis, propiciando
um centramento, para que você viva o aqui e o agora. E é isso que vai melhorar a
sua vida.

Reiki: uma religião ou não?


O Reiki não é religião do ponto de vista religioso, dogmático, não. Do ponto de
vista do sentido da palavra, sim. A palavra religião vem do latim “religare” que
significa religar-se, ou seja, tornar-se uno com Deus ou como se compreende a

53
Divindade. Este é exatamente o trabalho que Reiki exerce através de sua prática.
Através do Reiki, retomamos nossa unidade em nós mesmos e com Deus /
Divindade. A base de todas as religiões é cultural e antropológica. O Reiki, por
trabalhar com a Energia Vital, como já comentado, que é natural e inerente a todo
ser vivo, independe de religião ou credo. Uma planta, um animal, os elementos –
água, terra, fogo e ar, a matéria e o éter – enfim, tudo que nos cerca possui
energia. Podemos aplicar o Reiki em todos, seja para a cura das pessoas, animais
e plantas; ou para melhorar o meio físico em que vivemos. A Terra agradece.

O Reiki não tem ressonância com a expressão “ter que”, que é uma expressão
condicionante e limitadora, para aqueles que acham que serão obrigados a
praticar o Reiki depois de iniciados. Você pode fazer a Iniciação, depois perceber
que tem preguiça ou desinteresse de praticá-la e então deixar de fazê-lo. O que
não conseguirá, no entanto, é desfazer a sua iniciação.

Uma vez iniciado, para sempre iniciado. Ou seja, mesmo sem querer praticar o
Reiki como se recomenda, sempre que você colocar a mão no corpo o Reiki
estará ali, sendo captado e transmitido por você. E atuará sempre em você e
através de você, mesmo que você tente evitar isso.

O poder do Reiki
O único poder que Reiki nos oferece é o de poder estar conectados e o poder de
sermos nós mesmos. Esse poder você pode ter sem o Reiki. Com o Reiki, no
entanto, você promove a autocura, acima de tudo, e a cura do semelhante, no
caso de aplicá-lo em outras pessoas. Se você deixar de praticar o Reiki ou de
aplicá-lo em outras pessoas, ainda assim continuará captando a energia Reiki e
ele continuará fazendo efeito sobre você. A diferença está no tempo de atuação.
Sem as práticas, você vai levar muito mais tempo para conseguir um resultado de
efetiva mudança (não existe cura sem mudança) do que levaria com as práticas.

Apesar de promover a cura Reiki não é terapia e sim manifestação. A


manifestação chamada Reiki é curadora. Terapia é método de cura que
compreende o estudo e o tratamento de sintomas e causas. Reiki não atua sobre
sintomas, mas sim sobre as causas. É muito mais um elemento para
autotransformação do que uma técnica de cura. No entanto, é utilíssimo como
apoio a todas as terapias inclusive aos tratamentos clínicos alopáticos. Neste
campo, Reiki tem a propriedade exclusiva de intensificar o efeito positivo dos
remédios alopáticos a anular seus efeitos colaterais.

O Reiki e os “milagres”
Considerando se Reiki faz milagres. Todo e qualquer milagre ocorrido sobre a
Terra ocorre através da Energia Crística. Não há nenhum modo de operar
milagres sem que seja através do própria Energia Crística. No entanto, Reiki é
uma Energia Divina e, por extensão, Energia Crística. Se quiser um milagre, use o
Reiki, mas peça-o ao Cristo. Por outro lado, o Reiki tem possibilitado curas que
são verdadeiros milagres. Mas para isso acontecer, no caso dos seres humanos,

54
há de se considerar três fatores: a fé do receptor na energia Reiki em sua
extensão divina; o momento que a pessoa está passando, ou seja se é o momento
certo na vida do receptor para entrar em contato com a energia Reiki e finalmente
o merecimento da cura em toda a sua extensão. Neste último item, há de se
considerar a questão kármica que envolve o receptor.

Sobre a questão da religiosidade, Reiki não é uma religião, portanto quem for
iniciado em Reiki não precisa abdicar da religião a que esteja ligado. O Reiki vai
ajudá-lo mais ainda na sua fé e em seu fervor, porque manifesta a presença de
Deus em seu coração.

A origem do Reiki
Conta-se que a existência do Reiki antecede ao nascimento de Jesus. Há indícios
de que esta técnica já era utilizada na Lemúria, região terrena que abrigou a
civilização humana. A Lemúria, que depois ficou conhecida como Mu, corresponde
hoje ao atual Golfo Pérsico. Com a queda da Lemúria, tão violenta e devastadora
que até hoje a região sofre com isso, numa espécie de karma, tendo seus povos
constantemente em estado de guerra religiosa, a essência e a sabedoria do Reiki
se dispersaram. Depois foi reencontrada e perdida vária vez, tendo inclusive
passado pela era de Bhudda, que deixou anotações a respeito do assunto. Alguns
monges tinham conhecimento do Reiki, assim como outros mestres templários,
mas em determinado tempo pareceu perdido, até que o Dr. Mikao Usui conseguiu
resgatar alguns pergaminhos que continham os símbolos e os segredos do Reiki,
trazendo a técnica de volta à tona e divulgando-a mais amplamente.

O Reiki como terapia


As pessoas que fazem a Iniciação podem se tornar profissionais se quiserem. Um
reikiano profissional pode apenas fazer aplicações de Reiki. Para trabalharem
como terapeutas de diagnóstico pessoal, no entanto, vão precisar de outros
cursos complementares. Toda pessoa que quiser tornar-se um profissional
terapeuta em Reiki deve conhecer assuntos como anatomia e funcionamento dos
órgãos, chakras e centros energéticos, reflexologia, polaridades do corpo físico,
meridianos do corpo, glândulas e seus funcionamentos, entre outros cursos.

O terapeuta em Reiki não pode emitir diagnóstico para o receptor, apenas guardá-
lo para si, para uma visão mais apurada dos problemas do receptor em questão.
Isso se explica no fato de que o Reiki, apesar de ser uma terapia alternativa
reconhecida pela O.M.S. (Organização Mundial de Saúde), diagnose é
especialidade médica. A não ser que o reikiano em questão seja alguém formado
em Medicina. Quanto mais conhecimento do terapeuta reikiano não-médico a
respeito de onde o Reiki atua, melhor. Conhecimentos de psicologia e linguagem
terapêutica (hipnótica ou inespecífica) também são de extrema utilidade.

55
O Reiki e a cura

O Reiki cura mesmo. Não existe cura sem fé, sem crença na cura (estudos
médicos já comprovaram isso). Ainda assim, deixando de lado o lado didático,
doutrinário, sim, o Reiki cura mesmo. O que ocorre é que às vezes o processo do
Reiki é mais lento do que o processo exigido pelo nível em que o mal ataca a
pessoa. Por isso, é sempre recomendado usar-se o Reiki como uma terapia de
apoio e não como terapia exclusiva de tratamento.

Lembre-se de que o Reiki atua na causa e não nos sintomas. Quando os sintomas
são insuportáveis para o receptor, não se deve lançar mão exclusivamente do
Reiki. Nunca, em hipótese alguma deve-se indicar ao receptor a paralisação da
tomada de seus remédios. Como já dito, o Reiki potencializa o aproveitamento do
remédio, bem como minimiza seus efeitos colaterais, mas não os substitui.

O trabalho da energia Reiki

O Reiki proporciona a cura de forma sutil e profunda. De uma maneira clara e


resumida, o Reiki atua em nível profundo, onde irá atingir a causa de todos os
problemas. Em primeiro lugar, o Reiki trabalha no aqui e no agora, tempo-espaço
para onde nos conduz imediatamente. Sendo assim. concentra todas as
emanações, equilibradas ou não, do passado, do presente e do futuro, para um
único ponto e momento, que é onde estamos.

Destarte, ficamos temporariamente fora de lugar e de tempo. Muitas pessoas têm


visões ou sensações de vidas passadas, presentes ou futuras durante a sessão
de Reiki por causa disso. Uma vez concentrando tempo e espaço, o Reiki
promove o alinhamento dos nossos corpos, por sobre o mesmo ponto que já
concentrou tempo e espaço.

Feito isso, energiza com sua energia transformadora e terrivelmente amorosa todo
o conjunto. Isso se dá muito rapidamente, durante as primeiras posições sobre a
cabeça, onde se encontra o chakra coronal, do qual fazemos a conexão com o
mundo superior.

No primeiro momento, que é a primeira hora de aplicação ou a primeira aplicação


de uma série de quatro, o Reiki promove a limpeza deste nosso “eu concentrado”.

Com o canal limpo, ele segue para o segundo tempo (segunda hora ou segunda
aplicação, no máximo vinte e quatro horas depois da primeira), onde vai
harmonizar nosso “eu concentrado”.

No terceiro e quarto momentos, que é a terceira e quarta aplicação, separadas


também de no máximo vinte e quatro horas, o Reiki vai fixar-se naquele ponto. Se

56
o receptor ficasse imóvel e com a mente limpa a partir de então, não seria
necessário de mais aplicações de Reiki, pois Reiki ficaria, por força de inércia,
atuando ali indefinidamente.

No entanto, tanto no corpo físico como nos demais, mais sutis, existem
movimentações constantes que quebram aquele momento concentrado,
dispersando-nos novamente através do tempo e espaço. É isso que requer novas
aplicações. Se houver constância nessas aplicações em no máximo uma semana
após a quarta aplicação consecutiva, o Reiki não vai mais precisar limpar e
harmonizar, passando a atuar diretamente na fixação. E é aí que começa a
produzir a cura.

A energia Amor, que é Reiki, é poderosa arma transformadora. Onde penetra, esta
energia ajusta as partes, conserta o que está quebrado, dissolve o que está
obstruído, harmoniza as polaridades, enfim todo nosso ser, de modo a agir e
vibrar em sintonia com o Universo. Durante esse processo, que poderia ser por
toda a nossa vida e mais um pouco, todas as nossas enfermidades, tanto físicas,
quanto emocionais, mentais e espirituais, vão se dissolvendo, tranformando-se e
nos transformando. Uma vez iniciada, a pessoa fica com a energia para sempre
em atuação, até que se dê a transformação ou cura total e volte a ser uno com
Deus. Os males menores, os males físicos, são os primeiros a serem atingidos e é
por isso que temos tantos registros de curas físicas surpreendentes através do
Reiki. Considere-se também o fato de que muitos receptores são extremamente
sensíveis à energia Reiki, e resultados satisfatórios, senão surpreendentes são
conseguidos apenas nas quatro aplicações iniciais.

Há grupos de aplicadores de Reiki que se dedicam, na Terra, a tratar pacientes


com AIDS. Como essa doença, se já estiver manifestada, é praticamente
incurável, o Reiki através de suas aplicações, dá uma qualidade de vida superior e
uma sobrevida maior que o esperado. Se já manifestaram-se as doenças
oportunistas decorrentes da AIDS, o processo de cura provavelmente atuará
apenas no corpo físico, deixando para a pós-morte o complemento de sua
atuação. No entanto, em a pessoa com AIDS manifestada fazendo a Iniciação,
sua cura é garantida, pelo menos espiritualmente falando.

Outras aplicações do Reiki

O Reiki também pode ser aplicado em animais como em plantas e até em


minerais. Tudo o que é natural se alimenta desta energia naturalmente. Quando
se canaliza o Reiki, direcionando-o propositadamente, o que ocorre é uma
intensificação desta energia natural, que provoca a potencialização de seus
efeitos. É assim que Reiki pode curar. Os animais de estrutura mais densa,
semelhante a do homem, sofrem praticamente os mesmos efeitos, só que mais
rapidamente ainda que o homem. As plantas se desenvolvem com muito mais
saúde, sem agrotóxicos. A água que ingerimos e a comida que comemos também

57
podem ser energizadas com Reiki, para que suas vitaminas, minerais e processos
nutritivos sejam mais bem aproveitados pelo organismo.
O Reiki é benéfico para qualquer pessoa e pode ser recebido por qualquer um,
sem distinção, desde que respeitado o livre arbítrio da mesma.

O Reiki também possui símbolos que possibilitam a aplicação em ambientes,


fazendo com tudo e todos os presentes sejam absorvidos por esta energia.

58
Terapia Holística

Para entendermos o que vem a ser Terapia Holística em primeiro lugar devemos
entender o que é Terapia, esta palavra é de origem grega, Thaerapia, e significa
Servir a Deus. Se voltarmos no tempo veremos que os antigos viam a saúde como
algo sagrado e aqueles que se dedicavam ao seu estudo eram sacerdotes, no
sentido mais estrito da palavra.

Holístico vem de Holos (todo, o conjunto), porque dentro do conceito holístico as


doenças não se devem a apenas uma causa, mas devem ser analisadas dentro
de um todo, o homem não é apenas seu corpo físico e perecível, o homem sente,
pensa, e este sentir-pensar interferem em sua constituição.

Analisemos um caso simples, uma febre, por exemplo, por mais que saibamos
que a febre não é uma doença, mas sim um sinal de alerta do organismo continua-
se a tratar tal mal como uma doença, priorizando o sintoma e deixando a causa de
lado, isto não se dá somente com a febre, as inflamações são um outro exemplo
de sinal dado pelo organismo de que algo está errado, contudo as causas são
ignoradas e o tratamento acaba por focalizar o desaparecimento da inflamação em
si.

A Terapia Holística parte de uma outra visão, procura abordar as causas do


problema e não tratar apenas conseqüências, e sim focaliza o trabalho no doente
e não na doença, vai além, buscando descobrir os fatores emocionais, mentais e
energéticos que criaram a condição para que uma doença tenha se instalado.

Buscando tratar cada caso como algo único, para ilustrar pensemos em duas
pessoas que possuem um mesmo problema de saúde, podemos dizer, sem medo
de errar que na grande maioria das vezes, embora o problema seja semelhante os
caminhos pelos quais o problema se instalou são muito diferentes, a constituição
de cada um dos envolvidos é única, temperamentos e caráter individuais que
necessitam de uma abordagem também individual, aliás, o termo indivíduo
significa exatamente algo não dividido, total.

Tendo por fim orientar o estudante em sua pesquisa, temos abaixo o que forma
esta totalidade no homem:

59
• Corpo Físico
• Corpo Vital
• Corpo Emocional
• Corpo Mental
• Corpo Energético

A doença é, em última instância, o desequilíbrio entre estes campos no homem


que acabam por afetar o Corpo Físico, a medicina trata deste último enquanto a
Terapia Holística procura reintegrar o homem, restabelecendo a harmonia e o
equilíbrio entre os diversos centros, quando se alcança o reequilíbrio o Corpo
Físico reage mais prontamente a qualquer tratamento, inclusive ao alopático.

O que se expõe não é teoria nova, trata-se, na verdade da mais antiga concepção
acerca do homem, embora apenas recentemente a medicina tenha reconhecido o
papel das emoções e pensamentos na saúde humana, no oriente esta visão tem
orientado os últimos 5.000 anos de pesquisas com resultados fantásticos, no
ocidente podemos encontrar rudimentos deste modo de ver entre várias tribos, e
também teorias muito refinadas entre povos antigos, como os nativos do Hawaí
por exemplo, que dentro de uma ciência milenar já descreviam processos
avançados de Psicologia e Terapia, eles conheciam o subconsciente e o seu
papel, conheciam o consciente e ainda tinham profundos conhecimentos do
superconsciente.

Hipócrates (460- 377 AC), tido como o Pai da medicina, tinha sobre esta, idéias
que muito destoam do que atualmente encontramos nas faculdades. Paracelso
(1490-1541) falou sobre o impacto das emoções e pensamentos sobre a saúde
humana há mais de quinhentos anos, Samuel Hannemann (1785 – 1843) elaborou
toda a teoria da Homeopatia partindo da visão Holística, para Hannemann o
menos importante era saber o nome da doença, sendo o ponto crucial conhecer o
doente.

Para o Terapeuta Holístico é da máxima importância este ponto: devemos


conhecer o doente, seus hábitos, sua vida, alimentação, sua vida afetiva etc., e
cada informação tem o seu lugar dentro deste processo.

Percebemos, pelo exposto, que a Terapia Holística é parte de um conhecimento


milenar, que antes de ser negado, dia a dia é confirmado por pesquisas ao redor
do mundo, por outro lado, ao contrário do que afirmam seus opositores as
Terapias Holísticas possuem o mérito de engrandecer o conhecimento humano
com técnicas profundas e completas.

60
Reiki e seus graus

Para se aprender o Reiki é necessário que a pessoa passe por vários graus de
aprendizado, dependendo do objetivo que ela deseja atingir com o Reiki. Tanto
uma pessoa humilde e analfabeta pode se tornar um reikiano, como a mais
instruída das pessoas.

O Reiki possui o que se chama de Graus:

• Primeiro Grau: nesse Grau a pessoa é transformada em canal de Reiki.


São aprendidas as técnicas básicas para o tratamento, as posições das
mãos, como tratar a si mesmo, outras pessoas, animais ou plantas.
Também nesse nível, o candidato recebe uma série de tratamentos ou
sintonizações que harmonizam alguns chakras e purificam determinadas
glândulas e canais chamados "nádis" nos sistemas orientais, por onde
circula a energia vital. Nesse nível o reikiano trabalha apenas o físico do
paciente, mas possui implicações também para o mental e o espiritual do
mesmo.

• Segundo Grau: nesse novo Grau o candidato recebe uma nova série de
tratamentos ou sintonizações. Ele aprende três chaves (símbolos) para
trabalhar com a energia de forma mais eficaz, aplicando a mesma
quantidade de energia que o Primeiro Grau, porém em menor intervalo de
tempo. Essas chaves permitem, entre outras coisas:

• Entrar em contato com o subconsciente do paciente;


• Enviar Reiki à distância;
• Eliminar vícios e hábitos indesejáveis;
• Potencializar a realizações dos objetivos; tratar diretamente situações;
• Ajudar a resolver problemas de várias ordens relacionados ou não com a
proteção e o bem estar de cada um.

• Mestrado: a pessoa é iniciada no símbolo Usui, o símbolo do Mestre.


Estimula o despertar da consciência e é o grau de mestre interior. Esse é o
grau de Mestre de Reiki onde se obtêm o conhecimento e a autorização
necessários para iniciar outras pessoas. É iniciado também no símbolo de
finalização.

Depois da iniciação do candidato em cada Grau do Reiki, é necessário que ele


pratique durante um certo tempo para ascender ao Grau seguinte. Essa prática
deve ser constituída por: auto-reiki diariamente, doar o Reiki aos outros sempre
que possível e receber Reiki de outro praticante. Não se deve ascender a um
Grau superior sem realizar essa prática por um determinado tempo, que varia de
mestre para mestre.

61
Uma vez o neófito recebendo a iniciação, a possibilidade de transmitir Reiki
permanece por toda a vida mesmo que o reikiano passe anos sem praticar.

Os Graus de Reiki são baseados nos seguintes princípios:

Shoden – são os primeiros ensinamentos, focados principalmente no corpo físico,


com correlações com o mental, o emocional e o espiritual. Corresponde ao
Primeiro Grau

Okuden – ensinamentos mais profundos, com foco nas estruturas mentais,


emocionais e espirituais, pois quando essas estruturas estão em desarmonia,
impedem o ser humano de realizar o seu potencial criativo. Níveis mais avançados
de aprofundamento. Conhecimento para a maestria interior do ser. Corresponde
ao Segundo Grau.

Shinpiden – Ensinamentos mais focados no campo espiritual. Conhecimento para


a maestria do Reiki. Corresponde ao grau de Mestre Reiki

62
Reiki – Cores

A cor simbólica e usada para representação gráfica do Reiki é o Verde, a cor da


cura e do Chakra Cardíaco, o chakra central. O Chakra Cardíaco é o chakra da
conexão, do ponto de união entre os três Chakras relativos ao plano mais denso
(Plexo Solar, Genésico e Raiz) e os três mais sutis, espirituais (Laríngeo, Frontal e
Coronal).
Todos os ideogramas (Yantras) são desenhados na cor dourada fulgurante, a cor
Cósmica.
Todas as visualizações e envios de Yantras são mentalizados / sentidos na cor
dourada fulgurante.
Reiki é Luz que nos conecta à grande Luz.

63
Iniciações

A palavra iniciação provém de uma raiz latina que significa começar. Pode
também ser compreendida como uma ação de início ou como início de uma ação.
A iniciação pode ser considerada um novo começo, a transformação para uma
nova forma de ser. Uma analogia utilizada pelo mestre Djwhal Khul é que uma
iniciação seria como a passagem através de um portal.

Existem vários tipos de iniciação pelas quais passamos na vida, como: formatura,
casamento, batizados, etc...

No entanto, vamos falar sobre as Iniciações Espirituais:

Existem duas maneiras pelas quais podemos definir uma iniciação espiritual - em
termos do seu significado ou de sua mecânica subjacente. Se olharmos para o
significado interno de uma iniciação, uma boa maneira de defini-la seria dizer que
é um processo que nos torna “mais conscientes de nós mesmos como almas
encarnadas” segundo Djwhal Khul. A iniciação pode aumentar diretamente esse
estado consciente, ou pode fazer com que esse estado evolua diretamente
melhorando algum traço ou característica, como por exemplo, a capacidade de
experimentar o amor incondicional.

Se olharmos para as iniciações em termos de mecânica, uma boa definição é


aquela que Djwhal Khul usa nos livros de Alice Bailey, ou seja “uma iniciação é
como uma seqüência progressiva de impactos direcionados de energia”.

Do ponto de vista esotérico, a iniciação implica uma transformação permanente


nos campos de energia dos seus corpos sutis. É importante entender que a
iniciação não envolve aprendizado intelectual, é uma mudança permanente na sua
estrutura e por tanto, no seu ser. Do ponto de vista esotérico, cada um de nós está
envolvido por uma seqüência de campos de energia alinhados. Embora a maioria
das pessoas não tenha conhecimento desses campos, eles são reais e o seu
estado exerce um efeito profundo em nossas consciências e em nossa maneira de
ser no mundo - o modo como pensamos, agimos e sentimos em relação a nós
mesmos, nosso meio ambiente e às outras pessoas.

Sabemos que em nossas vidas diárias até mínimas mudanças em nossa energia
podem produzir mudanças significativas em nossos pensamentos e sentimentos.
Por exemplo, se estamos deprimidos, podemos ouvir música, fazer exercício
físico, ou abrir uma janela para permitir a entrada de uma maior quantidade de
oxigênio. O propósito da iniciação é o de produzir uma transformação permanente
em seu campo de energia que leva a uma mudança em sua forma de ser no
mundo.

A iniciação é um tema de interesse para qualquer um que procure um crescimento


pessoal e espiritual. A iniciação se encontra bem no âmago de como o Universo

64
está estruturado. Para entender isso antes é preciso compreender um fato básico
sobre evolução espiritual: ela nunca tem um fim.

Uma vez que você percebe que a evolução espiritual não tem fim, se torna claro o
que cada um pode ganhar ao receber iniciações de seres que estão bem mais
adiante na caminhada espiritual. Por exemplo, o mestre tibetano Djwhal Khul: nos
escritos canalizados por Alice Bailey, ele fala sobre o seu relacionamento com seu
mestre, Kuthumi, de quem recebeu ensinamentos e iniciações.

Atualmente, Djwhal Khul ainda está recebendo iniciações de Kuthumi e Kuthumi


por sua vez ainda recebe ensinamentos e iniciações de seu mestre e assim por
diante. Essa grande cadeia de iniciações em última instância se estende por todo
o caminho de retorno a Deus, o único ser no universo que não se beneficia de
iniciações, pois é a fonte da qual provem a energia para as mesmas.

Não somente nós seres humanos estamos recebendo iniciações, mas também a
Terra as está recebendo. As iniciações da Terra correspondem às iniciações que a
humanidade, como um todo, está recebendo. E ambas (iniciações da Terra e da
humanidade) estão interligados com as iniciações que o nosso sol está recebendo
e este está interligado com as iniciações que outras estrelas recebem. O universo
por inteiro pode ser visto como uma gigantesca rede de sistemas de iniciação
interconectados. A imensidão e a grandeza dessa rede é somente igualada por
sua beleza.

Isso não quer dizer que é essencial que todos recebam iniciações. Você pode
trabalhar sozinho e evoluir espiritualmente, mas cabe salientar que todos estamos
juntos nessa egrégora. Essa é a grande lição que o Amor tem para nos dar. Não
significa que você não possa fazê-lo sem ajuda, mas sim, que isso demandaria
muito mais tempo.

É bom deixar claro que as iniciações não são um substituto da continuidade do


trabalho em prol do nosso crescimento pessoal ou espiritual, embora as iniciações
possam acelerar dramaticamente esse crescimento. A razão pela qual as
iniciações energéticas podem acelerar tão efetivamente o crescimento é porque
elas permanentemente concedem uma shakti (uma energia espiritual que se
comporta inteligentemente) ao receptor. “Todos os benefícios conferidos pela
iniciação espiritual se dão por meio das shaktis” (Texto extraído do livro “Energy
blessings from the stars” de Virginia Essene)

Existem vários tipos de iniciações espirituais:

Dr. Joshua David Stone descreve em seu livro “Manual Completo de Ascensão”
as iniciações do processo de ascensão. Estas são iniciações espontâneas são
marcos dentro da evolução espiritual e conscientização do ser do “Tudo que é”.

Existem iniciações espirituais espontâneas, como as descritas por Patrick Zeigler,


que podem ser consideradas iniciações secundárias do processo de ascensão; ou

65
seja; elas podem ser definidas como uma ancoragem de energias superiores que
possibilitam seu reencontro com sua alma e mônada e aceleram o processo de
ascensão. Estas iniciações também ocorrem espontaneamente à medida que a
pessoa esta realizando práticas espirituais específicas.

Existem as iniciações que recebemos da linhagem energética de um mestre ou


ser espiritual específico. Estas iniciações podem ser recebidas no plano astral ou
podem ser recebidas através do veículo de uma pessoa num corpo físico (desde
que a pessoa esteja autorizada a passar esta energia através de uma iniciação).

Uma linhagem é um grupo de seres encarregados da responsabilidade de


transmitir iniciações que são particularmente importantes, ou que requeiram uma
informação detalhada para serem recebidas com segurança ou para serem
efetivamente utilizadas. Uma iniciação de linhagem deve ser recebida de um
oficial representativo da linhagem apropriada. Isso também requer algum nível de
consciência por parte do receptor sobre o significado da iniciação, de como se
beneficiar dela ou de como usá-la.

As iniciações geralmente possibilitam grandes limpezas kármicas, aumento da sua


própria consciência, facilitação do caminho espiritual, curas específicas, entre
outras coisas.

66
Iniciação ou Sintonização no Reiki

A Iniciação do Primeiro Grau do Reiki trabalha com a preparação do corpo físico


para a recepção da Energia Vital, agindo nos três chakras mais sutis e espirituais
e no chakra Cardíaco.
Essa Iniciação, também conhecida como Sintonização, é realizada em quatro
etapas e conduzidas por um Mestre Reiki, como a seguir:
• Primeira Iniciação – harmoniza o coração e o timo e o chakra Cardíaco no nível
Etérico.
• Segunda Iniciação – afeta a glândula tireóide e chakra Laríngeo no nível
Etérico.
• Terceira Iniciação – afeta ambos da Segunda Iniciação, mais a glândula
pituitária (consciência superior e intuição) e o hipotálamo (temperatura e humor
corporal).
• Quarta Iniciação – ativa o chakra Coronal e a glândula pineal (elo de ligação
com a consciência espiritual).

Sem as iniciações, qualquer pessoa poderia doar energia, mas estaria doando a
sua própria energia, podendo chegar à debilitação orgânica e espiritual, pois
estaria também exposta às energias perturbadoras ou negativas, provenientes do
receptor.
Iniciada a pessoa, a Energia Vital passa pelo indivíduo (canal reikiano) direto para
o receptor. Não há retorno de energias do receptor ao doador e este se supre da
Energia Vital.

As Sintonizações

Antes de qualquer explicação é fundamental detalhar a diferença entre uma


sintonização e uma iniciação.

A sintonização é o processo pelo qual o professor coloca o aluno na freqüência da


energia com a qual ele irá trabalhar a partir daí. O que se dá é simplesmente o
toque necessário para que, como num rádio, se sintonize a freqüência da estação
desejada.

A iniciação é o conjunto das sintonizações mais o aprendizado dos ensinamentos


sobre o sistema, seu conhecimento, compreensão e aspectos práticos.

No Reiki, a energia vital universal é transferida ao aluno pelo professor com a


sintonização. Uma sintonização de Reiki é uma antiga forma de transmitir energia
de uma pessoa para outra. O conhecimento e a compreensão não são
transferidos na sintonização, apenas a energia pura e simples. A profunda

67
compreensão do sistema Reiki é algo que vem ao buscador sincero com o tempo
e a prática; não pode ser conseguida por meio da sintonização.

Alguns professores de Reiki evitam a palavra sintonização, pois implica a


existência de rituais religiosos, como jejum ou vários outros processos de
purificação e, em vez disso, chamam-no de harmonização. Outros diferenciam
entre sintonização, como sendo o processo inteiro, e harmonização como sendo
uma de várias harmonizações (no Primeiro Grau, no Quarto Grau).
Essa palavra também implica um método, que significa sintonização em alguma
coisa. Desde tempos imemoriais, professores de religião ou mestres do mundo
inteiro usavam a sintonização para transferir uma energia ou conhecimento
fundamental que não podia ser passado oralmente para outra pessoa.

Um exemplo: fórmulas secretas, orações ou mantras passados ao buscador com


um objetivo específico. Sem a sintonização, a meta não pode ser atingida; de fato,
alguns mestres dizem que seria perigoso, por exemplo, cantar um certo mantra
sem ser iniciado nos seus segredos. Outros dizem simplesmente que isso não
funciona, e esse também é o caso do Reiki.

O sistema Reiki, incluindo a imposição das mãos e todos os símbolos, não


funciona sem a sintonização, uma vez que o canal para a energia universal ainda
não foi limpo. É por isso que o Reiki é envolvido em tanto segredo: ele
simplesmente não pode ser comentado abertamente com outras pessoas além
das iniciadas
.
Na primeira sintonização do Primeiro Grau do Reiki, o professor de Reiki limpa no
aluno o canal para a energia vital universal. Isso o ajuda a absorver mais energia
cósmica para o seu bem-estar pessoal. A cada uma das sintonizações seguintes,
o processo é intensificado. A partir desse ponto, o aluno de Reiki continuará sendo
um canal por toda a vida.

68
Reiki – Primeiro Grau

Shoden

Já foi definido como sendo o termo budista Bodhicitta – “O Coração da Mente


Iluminada”, segundo o estudioso Wolf Logan.
É um tesouro Celeste, inestimável, capaz de transformar corações e mentes. É
canalizado com suavidade e cada ser humano experimenta-o diferentemente.
Muitos o sentem como uma sensação profunda de tranqüilidade, paz e puro amor.
É assim que se deve conceber o Reiki: uma manifestação viva do AMOR.
Apesar de que o Reiki não é uma religião ou credo e sim manifestação, Paulo de
Tarso, em sua Carta aos Coríntios, coloca o AMOR como a LUZ que liberta o
Homem:
“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor,
seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine. E ainda que tivesse o
dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que eu
tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse o amor,
nada seria. E ainda que eu distribuísse todos os meus bens para o sustento dos
pobres, e ainda que entregasse o meu próprio corpo para ser queimado, e não
tivesse amor, nada disso me aproveitaria. O amor é sofredor, é benigno; o amor
não é invejoso, o amor não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta
inconvenientemente, não busca seus próprios interesses, não se irrita, não
suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo
sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba; mas havendo
profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência,
desaparecerá; porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos; mas
quando vier o que é perfeito, então o que é em parte, será aniquilado. Quando eu
era menino, pensava como menino; mas logo que cheguei a ser homem, acabei
com as coisas de menino. Porque agora vemos como por espelho, em enigma,
mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei
plenamente, como também sou plenamente conhecido. Agora, pois, permanecem
a fé, a esperança, o amor, estes três; porém o maior destes é o Amor “
Paulo de Tarso nos dá uma visão muito especial do que significa o Amor. O Reiki
sem ele, o Amor, não existiria. O Reiki é Amor.

Experimente trocar a palavra Amor por Caridade no texto de Paulo de Tarso.

O Reiki é isso: Amor – Caridade – Doação.

69
Princípios do Reiki

Estes são os cinco princípios do Reiki estabelecidos pelo Dr. Mikao Usui, o Mestre
Maior do Reiki e seu descobridor na forma de como o conhecemos hoje:

Só por hoje, não fiques preocupado.

Só por hoje, não fiques aborrecido.

Honra teus pais, professores e as pessoas mais velhas.

Ganha tua vida honradamente.

vivo.
Demonstra gratidão por todo ser vivo.

Os Cinco Princípios

Os cinco princípios originalmente estabelecidos pelo Imperador Meiji do Japão


(1868—1912) como diretrizes para uma vida realizada foram adotados pelo Dr.
Usui para serem incorporados à nossa vida e nos ajudar a ser um canal para a
energia vital universal. Não são meros códigos morais para serem seguidos
obstinadamente.

A supressão dos pensamentos e das emoções nunca será de alguma ajuda para a
pessoa em busca de iluminação. Essas diretrizes são simples pedras que
pavimentam a trilha em direção ao aumento da consciência espiritual.

Somente hoje....

1) Não fique zangado.

Não há nada inerentemente errado com a raiva. É apenas um sinal de que você
está tentando nadar contra a corrente natural dos acontecimentos. Quando a raiva
bate à sua porta, a maneira mais sensata de lidar com ela é reconhecê-la,
observá-la e, ao fazer isso, deixá-la ir para sempre. Uma vez que você pára de se

70
identificar com a emoção, o fogo apaga. Um método muito eficiente de lidar com a
raiva e com outras formas de manifestação de energias (aparentemente
incontroláveis) antes delas acontecerem é a Meditação Dinâmica (The Orange
Book, de Osho. [O Livro Laranja], publicado pela Editora Cultrix, São Paulo,
1986.), que está sendo usada por inúmeros psicólogos ocidentais para o alívio
emocional e da tensão. Por meio da catarse controlada, podemos nos livrar de
tensões indesejadas.

2) Não se preocupe.

Nós nos preocupamos para nos manter separados do todo, para conseguirmos a
sensação de que somos especiais, de que não somos capazes de sentir de outra
forma. Nós nos preocupamos em que as coisas possam acontecer diferentemente
daquilo que esperávamos, levando em conta apenas as nossas próprias
vantagens. A fonte da preocupação é o medo daquela coisa, da qual sempre
podemos estar certos: mudança.
Tendemos a ver o resto da humanidade como concorrentes e talvez até como
inimigos, em vez de companheiros de viagem. Esquecemos que o universo é uno,
e que apenas o ego o despedaça.

3) Seja grato.

Todos sabemos como é difícil ver toda vez cada experiência com novos olhos.
Mas, quando por acaso o fazemos, o momento parece eterno e mágico. Ao
apreciar conscientemente o nosso ambiente, quer se trate do nosso companheiro
ou do menor talo de grama, podemos uma vez mais encontrar-nos nessa
extraordinariamente bela história da vida.

O que chamamos de “bom e mau” fazem parte de tudo na vida. Lembro-me de


uma velha história que nos foi contada pelo mestre Osho: numa pequena aldeia
do interior, vivia um velho que tinha um belíssimo cavalo. Embora fosse muito
pobre, ele recusava ofertas para vender seu cavalo, pois o animal tinha se tornado
um amigo para ele.

Os outros aldeões o achavam excêntrico e estúpido porque ele poderia acabar


com sua pobreza vendendo o cavalo. Um dia, o estábulo onde o cavalo ficava foi
encontrado vazio. Os aldeões estavam convencidos de que o animal tinha sido
roubado e concordaram entre eles que teria sido melhor se o velho tivesse
vendido o cavalo. O velho observou que o único fato verificável era que o cavalo
não estava no estábulo e disse aos outros que não tirassem tão depressa suas
conclusões. Pouco depois, o cavalo voltou por si mesmo, trazendo com ele uma
manada de cavalos selvagens. Agora, os aldeões acharam que a boa sorte tinha
chegado ao velho, mas novamente ele lhes disse para verem os fatos e não julgar
um pequeno fragmento de realidade sem conhecer o todo.

O filho único do velho logo começou a domar os cavalos selvagens. Um dia ele
caiu e quebrou a perna. Os aldeões novamente acharam que isso era uma grande

71
calamidade, uma vez que ele era o único a ajudar o pai. Mas o velho continuou fiel
ao seu ponto de vista de não julgar. Logo depois, estourou uma guerra contra o
reino vizinho e todos os jovens do Estado foram recrutados, exceto o filho
incapacitado do velho... Essa história não tem fim.

Nossa tendência é olhar para a nossa vida, e para a dos outros, de uma
perspectiva muito estreita, sem conhecer o todo, sem confiar e sem festejar o
momento, seja lá o que ele esteja a nos oferecer. Vamos tentar!

4) Trabalhe arduamente (prática de meditação).

Esse princípio não sugere que você faça algum trabalho doze horas por dia. O
termo “trabalho árduo” refere-se a trabalhar em nós mesmos, praticando
meditação e devotando o nosso tempo ao crescimento espiritual. Os valores
espirituais do mundo interior diferem consideravelmente dos valores do mundo
exterior. “Trabalhar arduamente” no mundo exterior transforma-se em “devoção”
no interior, onde não há lugar para o que é árduo. No mundo exterior, podemos
estar trabalhando rumo a uma meta, mas no mundo interior o momento presente é
o único tempo que existe. A prática da percepção ou da meditação nas atividades
diárias é o propósito de muitas religiões orientais e foi introduzida no Ocidente
pelo famoso místico armênio G.I. Gurdjieff, que a chamava de lembrança de si
mesmo.

O Reiki, a meu ver, visa alcançar o mesmo estado mental. A meditação não pode
ser forçada, mas primeiro a pedra deve ser jogada na lagoa para que as
ondulações se movimentem na direção das margens. Depois desses anos todos,
a meditação tornou-se um alimento sutil, mas essencial para mim. De fato, é a
melhor comida que já provei!

5) Seja gentil com os outros .

Todas as hierarquias foram criadas pelo homem. O que elas causam está aí para
se ver: destruição do ambiente, aquecimento global, guerras que nunca acabam e
assim por diante. A lista é pungente e sem fim. Olhe para o meio ambiente com
amor no coração, e o mundo de novo torna-se um espaço milagroso que se
alimenta de amor.

É claro que essa diretriz também é para ser compreendida internamente, dentro
de si mesmo. A benevolência com todos os seres deve incluir você. De fato, você
deve ser a plataforma da qual se lançar na sua jornada de amor. Sábios de todas
as eras ficaram conhecidos por “venerarem” seu corpo, para espanto das pessoas
ao redor. Mas, encarado por esse prisma, isso não parece de modo algum
estranho.

72
Gassho - Reiji-Ho - Chiryo

O Sistema Usui de Cura natural tem por base três atitudes que devem ser
observadas antes do início de qualquer tratamento: Meditação das Duas Mãos
Postas (Gassho), Indicação da Energia Reiki/Métodos (Reiji-Ho) e Tratamento
(Chiryo).

Meditação das Duas Mãos Postas (Gassho)

A Meditação Duas Mãos Postas sempre era feita no início das


iniciações/cursos ou encontros de Reiki promovidos pelo Dr. Usui. É
recomendável praticá-la logo ao levantar, ou antes, de deitar, durante 20-30
minutos. Pode-se fazê-la individualmente ou em grupo. As meditações em grupo
podem ser uma experiência muito boa, pois aumenta muito mais a energia do que
a energia individual dos participantes.
A Meditação Duas Mãos Postas é muito simples e acessível a pessoas de
todas as idades. Gostar dela ou não é outra questão. Praticá-la é uma questão de
foro íntimo. Entretanto, depois de três dias de prática e, com base nas suas
próprias sensações, você saberá se ela é a meditação “certa” para tua inspiração.
Então, procure fazê-la todos os dias pelo menos durante três meses seguidos,
pelo menos.
Porém, se depois de um ou dois dias você sentir alguma inquietação,
irritação ou outra forma de aborrecimento, é possível que essa Meditação não seja
adequada para você. Nem todos os remédios fazem o mesmo efeito para doenças
iguais. Apenas deixe passar algumas semanas e faça nova experiência. Se o
mesmo efeito persistir, procure, dentre tantas, uma meditação mais adequada
para você.
Muitas pessoas experientes em meditação sabem como é difícil deixar tudo
de lado e abandonar nossa mente racional e o diálogo interior. No entanto,
tendemos a esquecer exatamente quando queremos nos lembrar de algo! Procure
não se identificar com seus pensamentos, sentimentos e sensações durante a
Meditação, mas também não se feche a eles. Sempre que tentamos nos fechar, o
diálogo interior se intensifica.

• Para praticar a Meditação Duas Mãos Postas, sente-se com os olhos fechados
e as mãos postas diante do peito. Concentre toda atenção no ponto onde os
dois dedos médios se tocam. Procure esquecer tudo o mais. Se o pensamento
sobre o almoço, sobre as atividades do dia ou sobre outras coisas começarem
a passar pela sua mente, apenas observe-os e veja-os afastarem-se.
• Não há nada a conseguir. Por isso, relaxe o quanto puder e em seguida volte
ao ponto onde os dedos médios se tocam.
• Se mantiver as mãos postas diante do peito durante vinte minutos lhe causar
dor, leve-as lentamente, mas unidas, a descansar sobre o colo; continue a
meditar.

73
• Fenômenos energéticos também podem ocorrer, como o aquecimento das
mãos ou da coluna: observe essas alterações, mas não se deixe influenciar por
elas. Volte sempre a concentrar a atenção no ponto de contato dos dedos
médios.
• Se for preciso mudar de posição, movimente-se lentamente, com intenção e
consciência. É mais fácil meditar mantendo a coluna reta o mais possível, e
sem deixar pender a cabeça para frente ou para os lados. Imagine sua cabeça
presa a um balão cheio de gás que a mantém suavemente na posição perfeita.
Se tiver problemas nas costas ou não tiver o costume de se sentar sobre os
calcanhares, recomenda-se que se sente numa cadeira com espaldar, ou com
travesseiros ou almofadas, ou ainda que apóie as costas na parede. Não há
nada que o impeça que se medite deitado, apenas a forte tendência a
adormecer.

74
Indicação da Energia Reiki/Métodos (Reiji-Ho)

Indicação da Energia Reiki/Métodos constitui-se de breves rituais que são


realizados antes de cada tratamento:

• Junte as mãos diante do peito, na Postura Meditação das Duas Mãos Postas, e
feche os olhos. Em seguida, entre em sintonia com a energia Reiki. É muito
simples: peça à energia Reiki que flua através de você. Em segundos ela se
manifestará. Talvez você a sinta entrar pelo chakra coronal ou a sinta
inicialmente no seu coração ou nas mãos. É irrelevante em que parte do corpo
a indicação se manifesta. Se for reikiano do Segundo Grau, você pode usar o
símbolo Hon Sha Ze Sho Nen para entrar em sintonia com a energia Reiki.
Repita mentalmente três vezes o desejo de que o Reiki flua, projete o símbolo
Se He Ki e feche a seqüência com o símbolo Cho Ku Rei. Esses símbolos são
ensinados no Segundo Grau do Reiki.
• Para os iniciados no Primeiro Grau do Reiki, que não têm os símbolos
agregados à sua alma/espírito: junte as mãos diante do peito, na Postura
Meditação das Duas Mãos Postas, e feche os olhos. Em seguida, entre em
sintonia com a energia Reiki. É muito simples: peça à energia Reiki que flua
através de você. Em segundos ela se manifestará. Talvez você a sinta entrar
pelo chakra coronal ou a sinta inicialmente no seu coração ou nas mãos. É
irrelevante em que parte do corpo a indicação se manifesta. Pode-se também
depois de juntar as mãos diante do peito, pedir para a energia Reiki fluir
através de você e colocar as duas mãos no chakra Cardíaco e esperar pela
manifestação da energia.
• Reze pela recuperação e/ou saúde do paciente em todos os níveis. Ressalte-
se que, em geral, não sabemos o que é “bom” ou “ruim” para os pacientes.
Entregue os termos “recuperação” e “saúde” aos cuidados da energia Reiki e
torne-se um instrumento dela.
• Leve as mãos postas para junto do chakra frontal e peça ao poder do Reiki que
guie suas mãos para os pontos onde a energia é necessária.

À primeira vista, esta técnica pode parecer estranha, mas ela consiste em
proporcionar que a energia Reiki se ligue a planos mais profundos, fundindo-se
com a energia Ki e estabelecendo no doador de Reiki uma facilidade de
“descobrir” pontos congestionados, com pouca energia, com energia demasiada,
entre outras tantas variedades de problemas que vêm com os pacientes.
Para quem intuição apurada, visão interior ou outros métodos, como por
exemplo, a radiestesia, para localizar os pontos negativos nas áreas do corpo da
pessoa, a Indicação da Energia Reiki/Métodos (Reiji-Ho) vai complementar esses
métodos ou simplesmente substituí-los.
Suas mãos sabem o que está acontecendo; por isso, confie nelas. Aprenda
isto. Talvez alguns pensem que a intuição é algo que precisa ser aprendido e
desenvolvido. A realidade, porém, é bem outra: todos somos basicamente

75
intuitivos. Uns mais, outros menos. Apenas precisamos aprender a ouvir a
inspiração que já está presente e “traduzi-la” corretamente.
Como entrar em contato com a intuição e em que área que ela se manifesta
são processos diferentes para cada pessoa. Para quem gosta muito de música,
pode-se tornar uma pessoa que se poderia chamar de auditiva. O auditivo percebe
intensamente o seu ambiente com o sentido da audição e “ouve” os seus próprios
processos internos. Treinando esta sutileza, comparando erros e acertos, cedo ou
tarde aprenderá a “ouvir” os processos internos de seus pacientes.
Caso você se sinta inseguro, procure observar em que situações da vida sua
intuição já se revelou correta. É certo que nas atividades cotidianas isso
normalmente acontece – talvez enquanto você toma banho, cozinha, passeia ou
dirige o carro, por exemplo. Tente levar essa habilidade para outras áreas da sua
vida. No trabalho com o seu paciente, talvez você “veja” ou “ouça” onde um
bloqueio de energia se localiza no corpo ou no plano sutil. Aguce e aprimore a sua
intuição.
É fácil realizar esse ritual de uma maneira mecânica, mas não se trata disso:
os erros serão crassos. Procure envolver-se com todo o seu coração sempre que
o praticar, como se fosse a primeira vez. Os componentes mais importantes aqui
envolvidos são o amor e a atenção. Esses dois atributos mostrarão a seu paciente
e a você o caminho da cura e do bem-estar.

76
Tratamento (Chiryo)

No tempo do Dr. Mikao Usui o tratamento era dado ao modo japonês. O


paciente deitava-se no chão, num tatame.
• O doador ajoelhava-se perto do paciente. Felizmente, não há nada a dizer
contra aplicar um tratamento em uma maca, mesa de massagem ou outro
lugar em que se possa haver o conforto necessário ao doador. Para quem está
acostumado a ficar na posição de lótus (pernas cruzadas e sentado no chão)
não há problemas quanto a doar o Reiki com o paciente deitado no chão.
Deve-se, porém, cuidar do bem-estar do paciente e certamente nos dias de
hoje, um tatame não seria tão confortável.
• O doador põe a sua mão dominante sobre o centro do chakra coronal do
paciente e espera até que haja um impulso ou inspiração, que é então seguida
pela mão.
• Durante o tratamento, o praticante dá liberdade às mãos e as mantém sobre as
áreas afetadas até que haja o descongestionamento ou que as mãos se
afastem do ponto por impulso próprio e procurem uma nova área para tratar.
Não se pode simplesmente desprezar as posições e técnicas aprendidas,
entretanto, confie na energia Reiki: ela guiará você.

As três atitudes do Reiki podem ser assim entendidas:

1. Com a Meditação das Duas Mãos Postas (Gassho), colocamo-nos em estado


de meditação, unimo-nos ao universo. Limpamos a casa antes que o
convidado – neste caso, a energia Reiki – chegue. Na Índia, Gassho chama-se
Namastê, que significa “Saúdo o Deus que está em você” ou “O Divino que
está em mim, saúda o Divino que está em ti”. Alcançado esse passo ou estado,
podemos seguir adiante. A meditação Gassho é praticada diariamente,
podendo ser feita antes do tratamento e durante o Reiji-Ho, que também é
realizado com as duas mãos postas diante do peito. Ela ajuda o coração a
entrar em sintonia com o tratamento. Ela também nos ensina a associar a
postura das mãos postas diante do peito com a meditação. Quando juntamos
as mãos e fechamos os olhos, entramos automaticamente em estado de
meditação.
2. O Reiji-Ho só pode ser praticado eficazmente quando o ego, por meio da
meditação, fica desligado temporariamente. À primeira vista, o Reiji-Ho parece
um ato intencional, mas, na realidade, nós nos devotamos à energia Reiki com
o Reiji-Ho. E devoção não tem objetiva. A atitude espiritual no Reiji-Ho é: seja
feita a Vossa vontade. Afinal, não somos nós que efetuamos a cura. Na melhor
das hipóteses, ela acontece por nosso intermédio. Um breve ritual antes do
tratamento pode ser útil. Lave as mãos em água corrente, fria, e enxágüe
rapidamente a boca. Na sala de tratamento, sente-se ou fique em pé na
postura Gassho. Feche os olhos e deixe de lado as preocupações,
pensamentos e sensações. Passe então para o Reiji-Ho.

77
3. Depois de começar com a Meditação Chyrio, você não precisa mais se
preocupar com a cura nem com qualquer outro objetivo do tratamento.

Assim, Chyrio (tratamento) baseia-se em Rejii-Ho (devoção/métodos) e Gassho


(postura/atitude meditativa). Só quando conseguirmos dedicar-nos, evitando a
interferência de pensamentos e sentimentos, que não seja o sentimento de
Amor, é que nos tornamos instrumentos para energia universal da vida.

78
Reiju

Ser consciente de sua intenção em compartilhar do Reiju. Gerar a verdadeira


compaixão em seu coração, e “conectar-se” à fonte de Reiki.
Reiju é um método para desenvolvimento do potencial espiritual energético,
aplicado através de ritual realizado por um mestre qualificado. É polimento do ser
interior. Traz grandes benefícios. Os alunos japoneses de Canalização de Energia
Cósmica são estimulados a participar de grupos de estudo com a maior freqüência
possível, recebendo muitas Canalização de Energia Cósmica do Sensei / Shihan,
o que os fortalece como canais de Reiki. O Reiju é a alma da Canalização de
Energia Cósmica original.
Reiju é o modo como a habilidade de canalizar Energia Cósmica é desenvolvida.
Reiju pode ser escrito de dois modos diferentes usando Kanji japonês: um
significando "que aceita a espiritualidade" e o outro "que concede a
espiritualidade".
Espiritualidade neste caso significa conexão à energia. Reiju conecta o praticante
à Canalização de Energia Cósmica e continuamente reforça essa conexão,
incrementando força à Canalização de Energia Cósmica. O estudante trabalha e
desenvolve seu canal de conexão fazendo essa prática diariamente.
Receber Reiju regularmente é a chave para aumentar a intuição e a sensibilidade
à energia Poder-se-ia dizer então que podemos chamá-lo de um "presente
espiritual" de shihan para shihan, ou shihan para neófito já iniciado.
O Reiju e iniciação são métodos para a partilha do dom que é o Reiki e se você
não tiver recebida a capacidade Reiki em si, você não poderá passar isso para o
outro - não pode despertar a capacidade de outro - não importa o quanto você
tente colocar as mãos sobre a pessoa, visualizar, ou intencionar essa passagem
de energia não vai acontecer
O Reiju
Algumas vertentes sugerem conectar-se ao Reiki desenhando o DKM. Estando na
frente do receptor, executa-se o Gassho e curva-se uma vez. Toca-se no receptor

79
levemente no ombro para indicar que você está a ponto de começar a
compartilhar da experiência do Reiju e que devem colocar suas mãos no mudra do
Gassho (posição de oração).

Levantando seus braços acima de você, olhar para cima, e sentir profundamente o
Reiki em suas mãos.

80
Trazer suas mãos para baixo e descansá-las horizontalmente acima da coroa do
receptor. Os toques dos dedos indicadores devem se basear nas segundas
junções, enquanto os outros dedos permanecem relaxados.

Em uma ação contínua, mover suas mãos para baixo na frente do receptor, com a
intenção consciente, visualizando uma linha da energia (uma linha da luz) que
entra através da coroa, e fluindo para baixo através do centro do corpo à base da
coluna, bem na abertura e centro de cada chakra. (Coronal e Básico)

Suas mãos devem agora estar no nível dos joelhos do receptor. Separando suas
mãos, movê-las para fora em torno dos lados dos joelhos e para baixo nos lados
dos pés, vindo para as plantas dos pés, perto – contudo, não tocando - do
assoalho.

81
Formar arcos lentamente e alisando suas mãos para trás em uma posição acima
da cabeça do receptor mais que uma vez, estando em linha reta na frente do
receptor.

82
Trazer suas mãos delicadamente para baixo para descansar horizontalmente,
aproximadamente de 7 a 16 cm da coroa do receptor (isto é, tocando em sua
aura), palmas para baixo, e desta vez com o toque dos polegares.

Permitir que Reiki flua na coroa do receptor por aproximadamente 10 - 15


segundos ou mais se você intuir.

Quando você está pronto, consciente do esboço da aura, abaixar suas mãos para
fora e para um e outro lado da cabeça do receptor (aproximadamente o nível das
têmporas) – com as palmas das mãos frente a frente, tendo a cabeça do receptor
no meio.

83
Outra vez, permitir que Reiki flua na cabeça do receptor por aproximadamente 10 -
15 segundos ou mais, como você intuir.

Em seguida, mover suas mãos na frente do rosto do receptor, dando forma a um


triângulo com seus dedos indicadores e polegares. Os outros dedos espalhados
muito ligeiramente, as palmas viradas para o receptor. O centro do triângulo
enquadra exatamente o chakra Frontal (terceiro olho) do receptor.

Outra vez, permitir que Reiki flua na testa do receptor por aproximadamente 10 -
15 segundos ou mais como você intuir.

Mover-se para o lado do receptor, colocar uma mão na parte dianteira e outra
atrás ao nível de sua garganta.

84
Uma vez mais, permitir que o Reiki flua na garganta do receptor por
aproximadamente 10 - 15 segundos ou mais como você intuir.

Mover suas mãos para baixo atrás e na frente da região do coração/timo do


receptor.

Outra vez, permitir que o Reiki flua no coração/timo do receptor por


aproximadamente 10 - 15 segundos ou mais como você intuir.

85
Trazendo seus dedos juntos, abaixar vagarosamente suas mãos e em torno das
mãos do receptor, sem tocá-las, que devem estar em posição de mudra do
Gassho (posição de oração).

Permitir que Reiki flua nas mãos do receptor por aproximadamente 10 - 15


segundos ou mais como você intuir.

Separar vagarosamente suas mãos e movê-las para baixo, perto do assoalho.

86
Trazer as mãos juntas, as palmas para cima, com as palmas e pontas dos dedos
fazendo forma como se fosse uma colher.

87
Em uma ação contínua, mover rapidamente suas mãos para cima à frente do
receptor (como se escavando a energia e retornando-a à fonte) - com a intenção
consciente, visualizando uma linha de energia que funciona da base da coluna
acima e através do centro do corpo, passando através da coroa em direção ao
céu/infinito e estabelecendo firmemente a conexão do receptor com a energia
Reiki.

Quando você terminar o movimento, abra suas mãos e seus braços.

Executar o Gassho e curvar-se.

88
Hatsurei Ho

Muitos praticantes acreditam que a meditação de Hatsurei Ho é possivelmente a


maneira a mais eficaz aumentar a profundidade, a qualidade e a intensidade da
conexão com fenômeno Reiki. Há atualmente diversas versões ligeiramente
diferentes de Hatsurei Ho que estão sendo ensinadas por diferentes Mestres de
Reiki.
A prática diária regular irá realçar a habilidade de canalizar o fenômeno Reiki e os
efeitos acumulativos da meditação afetarão positivamente seu desenvolvimento
espiritual.
Hatsurei Ho pode ser praticado assentado em uma cadeira, em um tamborete ou
em um banco, ou na postura de pernas cruzadas.
Como com todas as práticas, escolher um momento e colocar-se em um local
improvável de ser perturbado. E onde quer que você faça este exercício - dentro
ou para fora, certificar-se que (se assentado no assoalho) o assoalho/terra está
confortável e morno. Não praticar em assoalhos frios.
A meditação Hatsurei Ho é dividida em diversas seções: “Focalizando”, “banhar-se
a seco”, “conexão”, da “respiração para limpeza do espírito”, “entrega à prece”,
etc. Entretanto, é essencialmente a meditação mais fácil de aprender. Na prática,
Hatsurei Ho trabalha completamente para um inteiro bem-estar.
Hatsurei Ho quando praticado em um grupo é chamado como Ho Shuyo.
Para começar, sentar-se com a coluna em linha reta confortavelmente e sem
nenhuma necessidade de uma postura rígida do estilo militar, pois isso impedirá
que a técnica seja bem desenvolvida.
Descansar suas mãos, palmas para baixo, em seus pés ou em seu regaço.

89
Fechar os olhos e centralizar-se: focalizar sua consciência em seu seika tanden,
numa área profunda dentro de seu corpo entre seu umbigo e parte do alto de seu
osso púbico.
Por alguns momentos, simplesmente “realizar-se” - silenciosamente prestar
atenção à própria respiração: frouxamente focalizando nos ritmos naturais de seu
respirar. Não há nenhuma interferência com o processo natural - não procurar
respirar conscientemente - meramente deve estar ciente que você está respirando
profunda e calmamente.

Focalizar (Mokunen)
Em seguida, pensar em sua intenção: “Eu começarei o meditação de Hatsurei-ho
agora”.

34.Banhar-se a seco (Kenyoku)


A primeira parte de Hatsurei Ho é uma “limpeza de energia” ou “prática de alisar a
aura”, e esse procedimento pode também ser usado de modo autônomo, para se
desconectar das pessoas, pensamentos, emoções, sentimentos, situações, das
energias negativas, etc.
O procedimento Kenyoku é o mais variado, onde as diferenças principais ocorrem
nas várias versões de Hatsurei-Ho.
Isto pode ser feito com contato físico real (toque), ou pode ser sem contato, tão
somente para fora da superfície do corpo, na aura.
Para permitir que a respiração trabalhe com desenvoltura, inale através do nariz e
exale através da boca.
Primeiramente, trazer sua mão direita até o ombro esquerdo, com as pontas dos
dedos em um ponto próximo onde a clavícula termina.
Mover sua mão diagonalmente para baixo através de seu corpo do ombro
esquerdo para seu quadril direito, vagarosamente, varrendo ou escovando.
Em seguida, trazer sua mão esquerda até seu ombro direito, as pontas de seus
dedos em um ponto próximo onde a clavícula termina, para seu quadril esquerdo,
vagarosamente, varrendo ou escovando.
Repetir esta seqüência duas vezes mais - um total de três varreduras e/ou
escovação com gestos de cada ombro (clavícula) ao lado oposto.
Então, colocando sua mão direita na borda de seu ombro esquerdo - com braço
esquerdo na frente - mover sua mão direita, em uma ação lenta, varrendo ou
escovando, ao longo da parte externa de seu braço esquerdo, e para baixo sobre
a extremidade dos dedos. Fazer a mesma coisa com a mão esquerda no braço
direito. Repetir o processo, escovando os braços esquerdos e direitos mais uma
vez.

90
A versão de Gendai Ho do Kenyoku é apresentada como sendo a versão original
de Usui. Entretanto, existem vertentes que recomendam escovar ao longo da
parte interna do braço, enquanto a versão de Usui seria a parte externa do braço a
ser escovada. Contudo, uma outra versão envolve ainda escovar do pulso aos
dedos através da palma aberta, em vez dos braços.
Permita que a intuição te guie na escolha a respeito de que versão trabalhar.

Conexão
Esta etapa é parte da versão de Hiroshi Doi de Hatsurei Ho, contudo,
aparentemente não era parte do processo original.
Levantar as mãos acima de sua cabeça, mantendo as na linha de seus ombros,
com as palmas viradas para cima.
Em seu terceiro olho (Chakra Frontal) “ver” e sentir a energia de Reiki fluir de cima
para baixo, derramando em suas mãos abertas e levantadas, como um córrego de
luz cristalizada.
Sentir a energia fluindo por seus braços e através de seu corpo, para baixo, em
seu seika tanden.
Quando você sentir o fluxo de Reiki, abaixar delicadamente suas mãos ao seu
regaço uma vez mais, desta vez com palmas para cima.
Nota: Embora a meditação Hatsurei Ho seja descrita aqui em estágios ou em
etapas, isto é simplesmente para finalidades instrutivas. Na prática, o Hatsurei Ho
é visto como uma única meditação inteira, fluída.

Respiração para limpeza do espírito.


Com as mãos descansando com as palmas para cima, outra vez, por um
momento, simplesmente “ser” - silenciosamente e tranqüilo - prestando atenção à
respiração: focalizando nos ritmos naturais de seu respirar. Não há nenhuma
interferência com o processo natural. Não procurar respirar conscientemente e sim
estar ciente que você está respirando fácil e com desenvoltura.
Trazer o foco da consciência delicadamente ao seu seika tanden uma vez mais, e
enquanto você respira naturalmente, fácil - em seu terceiro olho vêem e sentem a
energia de Reiki fluir de cima para baixo, como um córrego de luz cristalizada.
A luz inunda a coroa, e os fluxos para baixo através do seu corpo até seu seika
tanden.
Antes de seu corpo começar a estar ciente da luz, começa a exalar, sinta-a mais
forte e mais brilhante, radiante, no seu corpo inteiro, a dissolver e dissipar todo o
traço de estresse e tensão negativa, suportando a integridade energética positiva
no seu ser inteiro.

91
Ao exalar, estar ciente que você emana a luz de cada poro da superfície inteira de
seu ser irradiando-a para fora e todos os sentidos, ao infinito.
Continuar nesta “consciência da luz” enquanto você se sentir confortável.
Permitir que seu corpo mantenha seu próprio ritmo respiratório natural. Não
interfira com o processo natural: procurar não respirar conscientemente e sim
estar ciente que está respirando fácil, desenvolto.
Algumas pessoas podem experimentar fluxos energéticos, calor ou outras
sensações ao fazer o Hatsurei Ho, e isso é completamente normal.

Entrega à oração (Gassho)


Quando estiver pronto, trazer lentamente suas mãos para cima na posição do
Gassho (oração), e mover delicadamente o foco de sua consciência para onde as
almofadas dos dedos médios se tocam.Esquecer-se de tudo mais. Manter esta
consciência até você sentir deve se soltar.
Existe uma versão do Kenyoku que caracteriza essa prática como sendo
masculina. Para as mulheres, a seqüência seria espelhada: escovar da mão
esquerda no ombro direito ao esquerdo; escovar do ombro esquerdo ao quadril
direito e assim por diante. Essa é apenas uma versão
A melhor versão é a intuição.

92
Gassho Meiso (Meditação Gassho) e Gassho Kokyu Ho (respirar da mão)

O Gassho faz o gesto ritual com as palmas juntas, em forma de oração, na frente
da boca e os dedos em um nível apenas abaixo do nariz.
Muitas pessoas executam o Gassho com as mãos posicionadas na frente da caixa
torácica em cima do coração.
Gassho implica no reconhecimento da unidade de todos os seres. Este gesto é
usado também mostrar a reverência aos Buddhas, aos Bodhisattvas, a Patriarcas
e aos professores.

O Gassho Meiso é executado geralmente assentado no seiza Entretanto aqueles


estudantes menos acostumados a “se sentar nos saltos” e achar incômoda a
tarefa de se sentar no seiza e conseqüentemente distrair-se, a maioria das
práticas podem ser empreendidas em posturas mais confortavelmente familiares.
Fechar seus olhos, deixar suas mãos descansar em seu regaço, e centralizar-se.
Focalizar sua consciência em seu seika-tanden:- uma área profunda dentro de seu
do corpo entre o seu umbigo e o alto de seu osso púbico.
Por alguns momentos, simplesmente realizar-se silenciosamente e prestando
atenção à respiração: delicadamente focalizando nos ritmos naturais de seu
respirar. Não há nenhuma interferência com o processo natural: procurar não
respirar conscientemente, apenas estar ciente de que você está respirando de
maneira fácil e desenvolta.
Quando você estiver pronto, manter os olhos fechados, trazer suas mãos na
posição Gassho. Mover delicadamente o foco de sua consciência do seika tanden
para onde as almofadas dos dedos médios se tocam. Continuar silenciosa e
facilmente prestando atenção à respiração e esquecer-se de tudo mais.
Não há mais nada a fazer, tão somente manter esta consciência até você sentir
deve se soltar.

Gassho Kokyu Ho
Executa-se geralmente assentado no seiza. Entretanto, também aqueles
estudantes menos acostumados a “se sentar nos saltos” e achar incômoda a
tarefa de se sentar no seiza e conseqüentemente distrair-se, a maioria das
práticas podem ser empreendidas em posturas mais confortavelmente familiares
Quando você estiver pronto, manter os olhos fechados, trazer suas mãos na
posição Gassho. Mover delicadamente o foco de sua consciência do seika tanden
para onde as almofadas dos dedos médios se tocam. Continuar silenciosa e
facilmente prestando atenção à respiração e esquecer-se de tudo mais.
Quando você sentir que está pronto, manter os olhos fechados, trazer suas mãos
na posição Gassho. Mover delicadamente o foco de sua consciência do seika
tanden para onde as almofadas dos dedos médios se tocam.

93
Seu corpo que respira ainda fácil e desenvolto, ficar - estar ciente que enquanto
você inala, a luz cristalizada de Reiki está sendo respirada do mesmo modo
através de suas mãos e derramada em linha reta em seu seika tanden.
No momento exato antes da exalação, estar ciente da luz: de Reiki crescer mais
forte e mais brilhante em seu seika tanden.
Depois de exalar, estar ciente que a luz cristalizada de Reiki está sendo respirada
do mesmo modo para fora de seu seika tanden e também para fora de suas mãos.
Permanecer com este processo até você sentir que deve se soltar.

Reiki Mawashi (a corrente de Reiki)

Reiki Mawashi é uma meditação feita por um grupo de pessoas em círculo. Pode
também ser usado como meio de dar o tratamento com Reiki.
No oeste, Reiki Mawashi é usado enquanto o de Reiki envolve um grupo dos
praticantes estão assentados em círculo.
Cada praticante mantém abaixada sua palma da mão esquerda para cima.O
praticante ao lado coloca sua palma virada para baixo e assim sucessivamente.
Desta maneira, todos os praticantes estão conectados, dando forma a uma
corrente ou a um círculo inteiro.
Entrando na coroa de cada praticante, a energia Reiki flui em torno do círculo, em
um sentido anti-horário, e pode freqüentemente causar níveis de intensidade
consideráveis.
Em algumas versões do Reiki Mawashi, melhor que fazer o contato físico real com
a pessoa ao lado, os praticantes mantêm suas mãos a uma polegada ou duas
separadas.
Quando o Reiki Mawashi é empregado como meio de irradiar para tratamentos,
um mestre de Reiki deve estar no centro do círculo, dirigindo e irradiando o fluxo
de Reiki à intenção escolhida e específica.

Reiki Ajari-Yuga (Uma Meditação Esotérica Aprofundada)

A meditação Reiki Ajari-Yuga é baseado nas práticas do Yoga e do Guru Kaji


encontrada dentro das tradições esotéricas do Buddhismo tibetano e japonês.

Assentado confortavelmente em uma postura apropriada à meditação, começar


tornando-se ciente da forma de um córrego de ar na ponta de seu nariz, ou de
outra forma de entender, como se fosse “sentindo o ar de uma maneira
misteriosa”.

Deixar pensamentos e sentimentos afastarem-se, sem avaliação alguma.

94
Após alguns momentos, focalizar seus pensamentos:

-Reconhecer o impermanência de que todas as coisas estão continuamente em


um estado da mudança e transformação;

-Reconhecer a sabedoria que diz: “Com seus pensamentos, palavras e ações


você dá forma a seu mundo” e que seu estado atual é essencialmente o resultado
de seus pensamentos, de suas palavras e de ações passadas; e agora, de forma
correta, você está semeando as sementes para seu futuro;

-Reconhecer a oportunidade preciosa que você tem agora e que você pode
beneficiar incontáveis seres com a disciplina e a prática do Reiki;

-Finalmente, reconhecer que você possui somente a habilidade de beneficiar


outras pessoas com Reiki porque você recebeu a Iniciação de uma pessoa que já
possui este presente.

-Reconhecer a antiga linhagem do Reiki até o seu fundador, o Dr.Usui,


verdadeiramente compreendendo e apreciando o débito de gratidão que você lhe
deve, pois Usui era dedicado e seus esforços incansáveis, tendo estudado
diligentemente a prática das disciplinas espirituais. Sem isso, você não teria o
Reiki para compartilhar com outros;

Reiki é uma bênção. Um potencial sagrado para cura, proteção e desenvolvimento


espiritual.

No Reiki, o Dr. Usui forneceu-lhe meios para que você possa realizar de imediato
um nível de habilidade que de outra maneira, somente após muitos anos de
esforço consciente poderia ou não alcançar. Coloque isso na sua consciência e
mude o foco de atenção para outras coisas.

Método de respiração para limpar o espírito (Joshin Kokyuu-Ho)


O Dr. Usui ensinava a seus alunos uma técnica de respiração para se fazer uma
limpeza no espírito do doador de Reiki. Os praticantes de Tai Chi e de outras artes
marciais usam uma variação dessa técnica para aprender a sentir e intensificar o
fluxo da energia. Os reikianos devem também usá-la para carregar-se de energia
e de acordo com o Dr. Mikao Usui, ela é feita do seguinte modo:

• Sente-se confortavelmente, mantendo a coluna ereta e livre de tensões; inspire


lentamente pelo nariz. Imagine que você inspira pelo nariz não apenas ar, mas
também energia Reiki pelo chakra coronal. Você pode sentir a energia entrar

95
• diretamente pelo chakra coronal, ou como uma espécie de pressão extática ou
como algo que desce suavemente sobre você e o energiza. Você pode sentir
também como luz ou calor. Se você não sentir nada, diretamente, não se
preocupe; apenas continue respirando calma e serenamente.

Com o tempo, o efeito desse exercício se manifestará como uma forte sensação
da energia fluindo através de você. Sinta como todo seu corpo se enche de
energia durante essa respiração e dirija o ar até o abdômen e daí para o centro de
energia dois dedos abaixo do umbigo. No Japão, esse centro de energia se chama
Tanden; na China lhe dão o nome de Tantien.

Tanden

O Tanden é o centro do corpo, a sede da vitalidade da pessoa. Esse centro exerce


uma função importante na posições de mãos definidas no Reiki. Retenha o ar e a
energia que você inspirou com ele no Tanden durante alguns segundos e seja
amável e gentil consigo mesmo nesse exercício: queremos dar amor e energia ao
corpo, não stress e medo da vida. Enquanto retém a respiração, imagine, sinta, a
energia do Tanden distribuindo-se por todo o corpo, energizando-o.

Em seguida expire pela boca. Ao fazê-lo, sinta e imagine o ar e a energia Reiki


saindo pela boca, pelas pontas dos dedos das mãos e dos pés e dos chakras
desses membros do corpo. É assim que nos tornamos um canal limpo para o
Reiki. A energia nos chega do cosmos e retorna a ele. O ciclo de energia do
macrocosmo para o microcosmo, e vice-versa, se completa.

Outro exercício é recomendável fazê-lo de pé, pois assim é mais fácil sentir o
Tanden na barriga. Todos temos nossos centros de energia em pontos que variam
ligeiramente de lugar de uma pessoa para outra:

• Fique em pé, mantendo os pés paralelos entre si e afastados por distância


equivalente à largura dos ombros. Os dedos apontam diretamente para
frente. Nessa posição, dobre um pouco os joelhos até sentir o ponto central
abaixo do umbigo, no Tanden. Mantenha essa posição e continue como
descrito acima. Inspire e expire lentamente de maneira profunda e regular
durante dez minutos. Sinta o ar e a energia fluírem por todo o seu corpo
enquanto executa o exercício.

Atenção: Os praticantes de Reiki que tem pressão alta ou asma não devem usar
essa técnica respiratória!

96
Seika Tanden

O Seika tanden (geralmente citado como tanden) é uma energia “central” ou área
do tamanho de uma laranja em um local profundo encontrado dentro do “hara”,
aproximadamente no meio entre o alto do osso púbico e o umbigo.
O termo Seika é simplesmente na tradução literal é: “abaixo do umbigo”. A palavra
Tanden é o equivalente japonês do chinês: Tan Tien (também: tian dan).
Seika Tanden é conhecido também como o Kikai (“oceano de Ki”) Tanden.Em
algumas disciplinas ocidentais de energia pode ser definido como Plexo Lunar.
Fisicamente, é o centro de gravidade do corpo.

Os japoneses nas disciplinas tradicionais: marciais, espirituais, terapêuticas ou


artísticas,tendem a falar sobre um único tanden.
Entretanto, no Japão há também diversas disciplinas, de origem chinesa ou
influenciadas pela filosofia chinesa de Gung do Chi que falam sobre três tandens:
• (Shimo): o Tanden mais abaixo (também: Ge Tanden), essencialmente o
mesmo seika tanden, profundamente encontrado dentro do “hara”.
• (Naka): o Tanden médio (também: Chu Tanden), encontrado dentro da
caixa torácica, aproximadamente ao nível do coração.
• (Kami): o Tanden superior (também: Jo Tanden) - localizado no meio da
cabeça, entre os olhos.

Especialmente para os trabalhos que envolvam o Tanden ou Seika-Tanden, nos


ateremos apenas ao ponto mais consagrado, que fica no meio entre o alto do osso
púbico e o umbigo

97
Como Armazenar Energia Vital no Tanden

Siga as seguintes orientações para armazenar a energia vital no Tanden, para que
ela flua para fora das mãos:

• Acalme a mente e a respiração para purificar a energia. A experiência nos diz


que nossa energia, nossa respiração, fica impregnada de emoções e
pensamentos, motivo pelo qual nosso primeiro objetivo deve ser purificar a
energia e a respiração.
• Em seguida, inspire profundamente de baixo para cima, pela espinha e dirija a
energia para o Tanden. Retenha o ar. Exale pelos dedos. Ao sentir a energia
fluir para os dedos e palmas das mãos, comece o tratamento.

As Técnicas de Tratamento

O Dr. Mikao Usui usava várias técnicas de tratamento que constituíam e


constituem o Usui Shiki Ryoho (Sistema Usui de Cura Natural). Fora o tratamento
padrão, sem essas técnicas, não seria possível entender o trabalho corporal
intuitivo do Reiki.

O iniciado de Primeiro Grau no Usui Shiki Ryoho, caso não tenha em si essa
particularidade em sentir intuitivamente as necessidades do corpo da pessoa a ser
tratada, que use o método padrão normalmente. Gradativamente, ele começará a
sentir, intuído pela energia, para onde as mãos devem ser dirigidas. Mesmo que
conscientemente, o iniciado ache que a próxima posição de mão deva ser a
seqüência aprendida, suas mãos quase que serão “empurradas” em uma
localização totalmente diferente do que pretendia. Não resista e se deixe levar. A
energia Reiki o impelirá onde é necessária. Qualquer insight que lhe perpasse à
cabeça deve ser seguido. A isso se chama Reiki intuitivo. Confie na energia e faça
o que ela pede. Depois, dentro do seu pensamento racional, volte às posições
seqüenciais. Mas continue prestando atenção à intuição. Esse é o verdadeiro
Reiki.

As técnicas de tratamento podem ser assim descritas:

• Toque. Colocar as mãos em forma de concha nas partes afetadas do corpo do


receptor, quer seqüencialmente ou por intuição.
• Massagem. Massagear as partes afetadas do corpo sempre em forma de
círculos. Devem ser feitos círculos também com a mão em forma de concha,
em número de 88 círculos e cumprindo a particularidade do giro do vórtice do
chakra envolvido na massagem ou a proximidade dele e sua integração
corpórea.
• Percussão. Percutir em determinado ponto do corpo do paciente, com a mão
em forma de punho. Percutir também ao longo da coluna, para cima ou para
baixo, carreando a energia para onde ela tem mais necessidade. A percussão

98
• deve ser a mais suave possível usando uma mão e a outra mão deve ser
mantida no corpo do paciente, considerando-se a comodidade do doador.
• Deslizamento. Deslizar as mãos em forma de concha, dirigindo a energia onde
for mais necessário.
• Sopro. Soprar as partes lesadas/afetadas do corpo do receptor, exalando a
energia Reiki dentro desse sopro. Para os iniciados em Segundo Grau e
Mestre, soprar a energia Reiki em conjunto com os símbolos (yantras)
enquanto emite mentalmente o mantra relativo ao símbolo. Imaginar, sentir,
diversos símbolos (um por vez) saindo em carreira junto com o seu sopro. O
símbolo deve ser visualizado como se fosse em terceira dimensão (e
realmente o é) e iluminados por si em amarelo dourado fulgurante.
• Olhar. Fixar o olhar nas partes lesadas/afetadas do corpo considerando a
mesma técnica do Sopro para os símbolos. Conservar pelo menos uma mão
no corpo do paciente. À parte dessa técnica em especial, deve-se levar em
conta que o olhar DEVE estar sempre dirigido para onde as mãos estão
colocadas, desviando-o apenas ocasionalmente para procurar a próxima
posição de mãos seqüencial ou intuída. Atenção: não fique com os olhos
fechados ou abertos com o intuito de “concentração”. Deixe a energia Reiki
fazer esse trabalho por você!
• Chakra frontal. Usar o chakra frontal para emitir energia e símbolos, conforme
a técnica do Sopro.
• Energia específica em um ponto. Receber a energia Reiki com a mão esquerda
e passá-la para a direita. A mão que recebe a energia deve conservar todos os
dedos juntos com se tivesse segurando um ovo e o braço/ mão deve estar
ligeiramente acima do coração do doador. As pontas dos dedos: médio e
anular da mão direita tocam a ponta do polegar direito. Os dedos: mínimo e
indicador devem formar um ângulo de noventa graus com relação aos dedos:
médio e anular. Essa técnica deve ser usada quando se quer a energia Reiki
direcionada em um ponto bem pequeno no corpo humano, como por exemplo,
uma ferida, um dente ou um ponto de acupuntura. Não há limites.
• Dedo Médio. Quando se quer atingir uma área ainda menor no corpo do
paciente utilize o dedo médio da mão direita e/ou da esquerda, concentrando a
energia saindo por esses dedos.
• Energia Congestionada em Chakras ou pontos do corpo. Esse processo
consiste em retirar energia congestionada nos chakras ou em qualquer parte
do corpo, desde que previamente analisada a necessidade. Traça-se
lentamente um círculo com a ponta dos dedos (o indicador é mais adequado)
ao redor do chakra/ponto corporal, considerando o giro do mesmo; a parte do
corpo que ele rege também deve ser no mesmo sentido de giro. À medida que
seus dedos forem girando, comece a erguer a energia que está retida e
congestionada no chakra/ponto corporal, como se estivesse levantando
algodão-doce. Com os dedos, puxe a energia para cima e para fora e, depois,
jogue-a fora. Deixe uma vela acesa para essa finalidade e lance a energia no
fogo, pois o mesmo purificará e queimará o refugo energético.
• Cores. A energia Reiki é amarela dourada fulgurante e por si só se basta.
Todavia, caso a intuição lhe aponte a necessidade de canalizar energia de

99
• outra cor para determinado chakra ou ponto corporal, canalize essa cor intuída.
Não pense na cor: sinta a cor, seja a cor. Canalize-a do mesmo modo que
canaliza a energia Reiki. Passado o tempo necessário, dado à intuição, pare a
canalização de determinada cor e volte à cor da energia Reiki. Aqui, cabe o
mesmo conselho: sinta a cor, seja a cor.

A confiança

Se você puder confiar, uma coisa ou outra sempre acontecerá e ajudará seu
crescimento. Suas necessidades serão supridas. Tudo aquilo que for necessário
numa determinada época, ser-lhe-á dado, nunca antes.

Você somente o recebe quando precisa, e não há sequer nenhum momento de


atraso. Quando você necessita, você o recebe imediatamente, instantaneamente!
Essa é a beleza da confiança. Pouco a pouco você vai aprendendo como a
existência dá a você, como a existência cuida de você. Você não está vivendo
uma existência indiferente. Ela não o ignora. Você está preocupado
desnecessariamente. Tudo é provido.

Uma vez que descubra a chave de perceber isso, toda a preocupação desaparece
e você vive mais feliz.

Osho.

“Sustentar a nossa fé e nossa confiança é uma das partes mais importantes


do desenvolvimento de uma vida espiritual. Qualquer pessoa pode manter
um interesse por curto período de tempo, ou até mesmo por um ano ou dois,
mas, quanto mais complexo e conflitante se torna o mundo, tanto mais difícil
é sobreviver espiritualmente, sobreviver internamente, porque tudo parece
tentar-nos com a intenção de afastar-nos da calma interior, do nosso sentido
de força interior e de sabedoria”.

Mas é importante ficar atento a cada ação, em cada situação e nos animarmos,
pois até um pensamento negativo pode inverter a nossa direção. Cada momento
tem seu potencial de Iluminação, mas cada momento tem também o seu potencial
de destruição. Todos os dias podemos expandir nossa abertura de modo que a
percepção flua livre e naturalmente. Não precisamos de nenhuma outra
preparação. O Segundo Grau de Reiki possibilita a interação com novas
dimensões.

Ao trabalharmos com os símbolos, atuando no continnunn de tempo/espaço nossa


percepção vai se expandindo, passamos a ter uma relação inteiramente nova com
a energia.

100
A confiança, também se desenvolve. Pois ao percebermos que podemos contribuir
com a elevação do padrão vibratório tanto de alguém que está ao nosso lado
quanto de alguém que está a milhares ou milhões de quilômetros de distância,
passamos a desenvolver a consciência de que as possibilidades são ilimitadas,
que as limitações estão em nossa mente.

101
Hara

No sistema Hara há somente um Hara Há geralmente uma confusão aqui. O


conceito de Hara torna-se frequentemente confundido com o conceito relacionado
ao tanden.
Hara significa literalmente barriga e é a parte mais inferior do abdômen: a área
entre o umbigo e o alto do osso púbico. Mais certo seria dizer que é a área inteira
do alto do osso púbico até a base do esterno, abrangendo o abdômen e o
diafragma.
Em muitas artes japonesas, o termo “Hara” é usado frequentemente como uma
maneira mais curta referir-se ao tanden.
Tanden, chamado mais corretamente de Sei ki Tanden ou Seika é um centro de
energia, um ponto focal, ou uma área focal: um lugar da convergência energética,
profundamente encontrado dentro do corpo, em uma área específica do Hara,
aproximadamente intermediária entre o umbigo e o alto do osso púbico. Pode-se
dizer que está localizado entre 4 e5cm abaixo do umbigo.
Na linha espiritual japonesa mais tradicional, as artes terapêuticas, marciais e
criativas, o local para isso acontecer é o Hara (barriga) e há somente um tanden-
situado dentro do Hara. E este centro abdominal, é o ponto focal para o todo o
cálculo da energia pessoal, espiritual ou de outras formas.
A vida e mesmo o próprio, são vistas como residir nesse centro.
“Entretanto, muitos que reivindicam atualmente a ensinar o japonês na visão do
sistema Hara, estão ensinando realmente sobre as “três jóias” ou “três Tantien” do
sistema chinês de Tien”.
No Japão, em diversas disciplinas espirituais, tem-se importado da China, outra,
filosofia, influenciando pesadamente a filosofia chinesa do Chi Gung/Qi que fala de
não um, mas três tandens, conhecidos como Tantien”, ou também tian-dan e seus
atributos associados do chinês.
No sistema chinês, o tanden baixo é são idêntico ao Seika Tanden concebido na
filosofia e práticas japonesas tradicionais conhecidas como Sistema de Hara
Entretanto, o sistema chinês posiciona um segundo tanden médio na região do
timo ou caixa torácica alta, e um outro tanden superior na região da testa ou
glândula pineal.
Estes dois pontos adicionais chamados tanden não têm nenhum lugar no Sistema
de Hara, pela simples razão que nenhum deles está ficada situada dentro do Hara,
mesmo usando o termo em seu sentido mais direto e amplo e largo, isto é, o
posicionamento do Hara compreendendo a área inteira do alto do osso púbico até
a base do esterno.
Como mencionado, no Sistema de Hara japonês,o Seika Tanden está situado
dentro do Hara e, sob determinadas circunstâncias que o termo “Hara” pode ser
usado para explicar este singular tanden

102
Entretanto quando vemos a influência do sistema chinês, o termo Hara não pode
ser usado para se referir aos dois adicionais tandens que se situam conforme já
descrito, na testa e no coração.
Hara significa barriga, e você não pode ter uma barriga média em sua caixa
torácica, e muito menos uma barriga superior em sua cabeça!

103
Interpretando as Percepções (Byosen)

À medida que vamos praticando o Reiki, cada vez mais ficamos sensíveis à
energia e passamos a perceber a forma como ela se manifesta em cada receptor.
Isso poderá servir-nos de indicações. Eis algumas possibilidades:

Formigamento: em geral, essa sensação indica alguma inflamação. Use sua


percepção imediata para decidir se ela é crônica, subaguda ou aguda. A
intensidade do formigamento pode fornecer uma pista.

Sensação de frio: essa sensação pode ser causada por um bloqueio energético
antigo que arrefece a vitalidade do organismo quando é removido do fluxo de
processos em curso. Às vezes essas áreas precisam de muita atenção para que
esses bloqueios energéticos sejam liberados. Uma disposição do seu cliente para
encarar sofrimentos antigos ou lembranças há muita esquecida pode ser
necessária para liberar essas áreas provavelmente mais frias.

Calor: se sentir as mãos quentes, interprete isso como sinal de ausência de


vitalidade, sendo esta, portanto, necessária. As sensações podem ser entre um
quente moderado até um quente intenso (embora não desagradável). Um
organismo vitalizado, mas cansado absorve a força de que necessita.

Atração magnética forte: essa sensação provavelmente indica que uma área
afetada necessita urgentemente da energia Reiki e que está pronta para recebê-
la.

Energia de afastamento: aqui provavelmente temos um bloqueio antigo,


profundamente arraigado, que impede a entrada de vitalidade e da energia vital de
que ele necessita.

Fluxo energético: essa sensação em suas mãos sugere que a energia está fluindo
e acolhendo os impulsos vitais adicionais, o que resulta numa freqüência vibratória
mais elevada de todo o sistema.

104
Dor aguda: este pode ser o sintoma de um acúmulo de energia em processo de
dissolução. A energia liberada emerge à consciência e é integrada pelo sistema
energético circundante. O confronto com partes que anteriormente eram
reprimidas muitas vezes é estressante. Neste caso você não deve terminar a
sessão de Reiki sem antes tratar o corpo todo.

Dor imprecisa: essa sensação pode chamar sua atenção para um antigo acúmulo
que ainda se encontra no estado pré-consciente – mas como a reação mostra –
pronto para ser liberado. Onde quer que você perceba esta sensação, envolva a
área com energia Reiki com freqüência até que a estrutura enrijecida se dissolva
por completo.

Pontadas (de dor): indica um acúmulo de energia pronto para ser liberado, mas
ainda não assimilado pelo sistema energético circundante.

Estas são algumas possibilidades que poderão nos dar alguma indicação do
estado energético do receptor. Porém, devemos lembrar que o Reiki não necessita
de diagnóstico e que não há como errarmos com o Reiki estando em atitude de
canal. Desenvolvermos nossa percepção será uma ferramenta muito útil, mas não
devemos nos apegar a isso. Termos ou não a percepção desenvolvida não é
indício de sermos um canal mais ou menos eficiente.

Técnicas ensinadas por Mikao Usui

De acordo com os mestres japoneses, Mikao Usui era um monge budista e não
um padre católico, como foi preliminarmente divulgado. A informação de que ele
freqüentou a universidade de Chicago também não procede.

Sensei Usui dividia a técnica em três níveis: Shoden (nível I), Okuden (nível II) e
Shinpiden (Shihan ou Sensei).

O Sensei Usui teve somente quatro anos para divulgar o Reiki. A meditação no
monte Kurama Yama ocorreu em março de 1922 e sua morte em março de 1926.
Durante uma viagem a Furuyama no dia 9 de março de 1926, aos 62 anos de
idade, Usui teve um ataque cardíaco fatal.

Conforme Sensei Mikao Usui (em entrevista concedida a um entrevistador cujo


nome é desconhecido) o Reiki não só funciona independente de termos fé nele ou
não, como também funciona mesmo quando é rejeitado.

As técnicas que o Dr. Usui ensinava a seus alunos conhecidas como técnicas de
“Reiki Tradicional Japonês” ou “Dentho-Reiki-Ryoho”, são encontradas no manual
denominado “Reiki Ryoho Hikkei”. Este manual, que distribuía a seus alunos, foi
escrito há mais de 75 anos.

105
Para a aplicação do Reiki, três técnicas denominadas “Os três pilares do Reiki”
são fundamentais, segundo o Sensei Usui: Gassho que é uma meditação cuja
finalidade é esvaziar e acalmar a nossa mente “deixar o canal livre”, fortalecendo
nossa conexão com a energia Reiki; Reiji-Ho que é uma oração para trazer a
energia Reiki para dentro de nós e Chiryo que caracteriza a própria sessão.

Byosen Reikan Ho

Byosen Reikan Ho é uma técnica um tanto similar às práticas da exploração ou


interpretação de sensações ensinadas em alguns estilos ocidentais da linhagem
Reiki.

Byosen é concebido como “a sensação energética” percebida em áreas de


discordância, desequilíbrio ou de doença.

Sempre que há uma doença, discordância ou desordem na composição


energética de uma pessoa, e ela pode estar ciente ou não disso, nesses pontos ou
pontos será sempre “uma sensação energética que acompanha”, verificado como
ressonância. Um ciente fornece para quem sabe o que procurar. E fornece
informações para quem desenvolveu as habilidades necessárias da sensibilidade
para percebê-la.

Assim, é teoricamente possível identificar e para tratar tais desequilíbrios antes


dos sintomas físicos das desordens mentais, emocionais ou espirituais tenham
possibilidade de manifestar-se.

E no extremo oposto do espectro, é possível determinar se sim ou não o paciente


está realmente curado. Deve-se observar que mesmo quando os sintomas
externos de uma desordem foram aliviados, a presença continuada da
ressonância indicaria a probabilidade da desordem recrudescer no futuro.

Em um mundo ideal - diz-se que um praticante sensível pode inferir da


ressonância a causa, o status atual, e a quantidade de tratamento requerida para
a doença.

Mas Byosen não é uma técnica diagnóstica por si mesmo, é muito mais um
método de encontrar e de tratar a fonte da doença.

A natureza precisa das sensações experimentadas varia de uma pessoa a outra e


é também dependente na natureza da discordância ou da doença manifestando-
se.

As sensações possíveis escolhidas acima pelo praticante pode ser: pulsar, calor,
frio, nivelamento, dor, pontadas”, formigamento, “puxar”, etc.

106
Sensações ressonantes podem ser experimentadas em uma área diferente do
local tópico das desordens. Por exemplo, uma discordância no estômago pode
produzir a ressonância na testa; problemas respiratórios podem ser indicados pela
ressonância partes traseiras das mãos, etc.

Por esta razão, a fim de usar eficazmente o Byosen, muitas pessoas sugerem que
o praticante tem que pelo menos aterrar o chakra básico do “meridiano” - a teoria
baseada do diagnóstico-tratamento como exposto por várias práticas da medicina
de TJM/TCM (japonês tradicional/chinês).

Byosen Reikan Ho começa com o Gassho executado pelo praticante e pela


intercessão da oração para que o fenômeno de Reiki flua livremente com eles
para cura e o bem-estar do cliente.

Então, começando na cabeça e trabalhando para baixo do o corpo, o praticante


começa lentamente a fazer varredura com suas mãos, procurando fora as
sensações energéticos indicativas das áreas de necessidade do tratamento com
Reiki.

Algumas ressonâncias e seus significados comuns (Byosen)

A intensidade do estímulo percebido pode frequentemente refletir a severidade


e/ou profundidade do problema

A atração significa geralmente uma necessidade para o tratamento na área de


tração.

A repulsão indica um bloqueio ou uma inibição provável do fluxo da energia - algo


que pode fazer a possibilidade de uma quantidade considerável de tratamento
para aliviar.

A dor indica frequentemente um excesso ou um acúmulo da energia na área


(devido a um bloqueio, etc.). A dor aguda é considerada às vezes ser um sinal que
a “pressão” na área dada está causando um efeito negativo em outra parte do
sistema corpóreo.

Formigamento significa freqüentemente uma área de inflamação.

Os sensações de calor nas mãos dos terapeutas são indicativos de Reiki que
estão sendo “sugadas” pelo cliente

O frio significa um déficit da energia na área (ou pelo menos uma supressão da
energia) - devido a bloqueio, etc.

107
O fluxo igual ou sensação igual em ambas as mãos, indica um estado positivo,
equilibrado e que ninguém se beneficiará de receber o tratamento.

108
Hatsurei-Ho

Hatsurei-Ho significa “emanar a Energia Universal”. É um conjunto de técnicas que


busca alcançar a autopurificação e elevar o padrão vibratório do reikiano. É o
conjunto das técnicas: Kenyoku, Joshin-Kokyuu-Ho, Gassho e Reiji-Ho.

• Sentado ou em pé em uma posição confortável;


• Faça a técnica de limpeza Kenyoku;
• Busque a postura que mais lhe convenha. É importante fechar os olhos
levemente e se concentrar no Tanden. As mãos devem ser colocadas no regaço,
com as palmas para cima;
• A etapa subseqüente visa purificar o corpo e a mente através do Joshin-Kokyuu-
Ho. Esta técnica visa também a conexão com a energia Reiki. Colocando as mãos
em frente ao corpo (pode levantar um pouco as mãos), é possível sentir o fluxo da
energia Reiki vibrando no interior do corpo;
• Faça uma meditação Gassho;
• Depois da meditação, pratique Reiji-Ho, uma oração silenciosa pedindo ao Poder
Superior para Trabalhar com a energia divina;
• Ainda com as mãos em prece, leve sua consciência para a região Tanden.
Imagine que a energia que ficou concentrada na região Tanden está saindo
fortalecida a partir da ponta dos dedos de ambas as mãos. Esta prática de
concentração mental desenvolve o poder intuitivo e a receptividade. É como se a
respiração estivesse sendo feita nas palmas das mãos. Esta técnica eleva muita a
consciência;
• Conclua com uma oração silenciosa de agradecimento para finalizar o processo
(Mokunen). Terminada a oração leve as mãos ao regaço e abra os olhos.

Hekikuu Reiki – O método do sangue do coração – por Kenji Hamamoto

O método do sangue do coração (shinketsu) é uma prática simples e altamente


eficaz do autotratamento criada por Kenji Hamamoto.
Focaliza no coração físico e real e não do “o centro coração (timo)”.
Permite que o Reiki fluia mais nas câmaras do lado esquerdo do coração, ou no
espaço dentro das câmaras, e no sangue que passa continuamente através
destas câmaras.
Permitindo que o Reiki flua nestas câmaras, o sangue já oxigenado ricamente que
passa através das câmaras torna-se também rico em energia Reiki e, enquanto o
sangue carrega o oxigênio a cada parte do corpo, assim, pode também carregar a
energia Reiki a cada parte também.
O sangue oxigenado viaja nos pulmões, no átrio esquerdo do coração, através da
válvula mitral, e no ventrículo esquerdo, que o bombeia através da válvula aórtica
da aorta esquerda, durante todo o sistema circulatório. O sangue agora

109
desoxigenado dá um ciclo para trás através do lado direito do coração aos
pulmões para o reoxigenação e o ciclo recomeça.
O método:
• Sentar-se, estar ou encontrar-se confortavelmente em uma posição que
não impeça o fluxo do sangue (não se sentar de pernas cruzadas ou se
sentar na posição seiza por ser demasiadamente rígida, etc.).
• Deixar sua respiração fluir livremente e não tentar influenciar o ritmo da
respiração de maneira alguma
• Cancelar a sua mente
• Deixar seu corpo relaxar
• Levantar suas mãos e colocá-las para cobrir seu coração
• Suas mãos devem ser de lado a lado
• Tornar-se ciente de seu coração e pulso e não tentar influenciar o ritmo do
pulso em maneira alguma
• Estar ciente do sangue que viaja através das câmaras no lado esquerdo de
seu coração.
• Focalizar levemente sua atenção ali, e permitir que Reiki flua.
• Manter sua atenção em seu coração, sem tentar seguir o sangue da
maneira como ele se move em seu sistema circulatório.
• O mesma energia que o Reiki alcança, o sangue também alcança: esteja
na paz em seu coração com uma sensação de gratidão
Continuar a tratar o sangue do coração para tanto você desejar, ou até o fluxo de
Reiki diminua naturalmente.
Terminar sua prática mostrando o respeito para o Reiki da maneira que sentir mais
apropriada.
Observe-se que o método do sangue do coração é, em primeira instância uma
prática de autotratamento. Essa técnica pode ser usada tratar outros pessoas.
Entretanto, quando o tratamento é para mulheres, há naturalmente as condições
básicas a serem seguidas a respeito da privacidade e do toque que são
necessários serem dirigidos.

Gyoshi Ho

Gyoshi significa “fixar o olhar” e Ho significa “técnica”. Permite aplicar Reiki com os
olhos.

• Afaste, delicadamente, como na meditação Gassho, quaisquer pensamentos que


surgirem em sua mente. Deixe-a desocupada para que o processo flua

110
adequadamente. Utilize o Reiji-Ho, a interpretação das sensações, o
escaneamento Byosen ou mesmo a informação da queixa do receptor. Também
pode deixar que sua intuição decida para onde deve enviar a energia Reiki.

• Olhe para área receptora. Entretanto é necessário aprender a “olhar”. É preciso


manter os olhos relaxados, não buscando focalizar a imagem, nem concentrar o
foco visual ou olhar fixamente. Na verdade é como se não olhasse concretamente
para a pessoa. Simplesmente direcione o olhar à área a ser trabalhada “deixe a
imagem vir até você”. É um olhar “desfocado”, leve e suave utilizando a visão
periférica.

Assim como na técnica Koki-Ho o olhar pode ser direcionado para a coluna
vertebral, podendo combinar o sopro como olhar, enquanto o reikiano move os
dedos para baixo ao longo da coluna, mantendo-a entre os dedos, usa o sopro e a
visão para acompanhar a aplicação. O processo deve ser repetido três vezes.
Proteja-se antes de aplicar essa técnica.

Bushu Chiryo Ho ou Nadete Chiryo Ho

Bushu significa “acariciar com as mãos”, Chiryo significa “tratamento” e Ho


significa “técnica”.

Nadete significa “massagear”. Estimula a região da aplicação, através da fricção


ou massagem com as mãos.

É utilizada principalmente na parte superior e inferior das omoplatas, costas e


ambos os lados da coluna, nos braços (dos ombros até às pontas dos dedos) e do
quadril para os dedos dos pés, podendo ser utilizada em outra região debilitada
como um joelho. Nas costas o movimento deve ser vertical e nunca de baixo para
cima, no sentido das pernas para cabeça.

O toque carinhoso com massagem trás alívio, conforto e libera a tensão pela
descontração dos nervos e músculos que estão impedindo o fluxo de energia,
espalhando um bem estar por todo o corpo.

Uchide Chiryo Ho ou Dashu Chiryo Ho

Uchide significa “bater com a mão”, Chiryo significa “tratamento” e Ho significa


“técnica”. Da significa “bater” e Shu significa “mão”. É uma técnica de tratamento
por percussão, estimula a superfície das partes paralisadas ou adormecidas,
“acordando” as células, tornando-as mais receptivas e permitindo uma absorção
melhor da energia Reiki.

É muito utilizado em músculos atrofiados e entorpecido. Há duas técnicas de


Uchide-Chiryo-Ho. Numa delas bate-se com as mãos em concha. Na outra, as

111
mãos em punho dão “marteladas”, mais comumente na região glútea e no quadril.
No Japão eles batem nos braços e nas costas com ambas as mãos, fortemente,
mas não a ponto de machucar ou gerar dor, imaginando que o Reiki penetra
profundamente com as batidas.

O Dr. Usui costumava, ao final de uma sessão ou de um transbordamento


emocional do cliente (choro, lágrimas), bater, levemente, com afeição, duas ou
três vezes nas costas, ombros ou parte posterior da cabeça, para estimular a
saída da situação de disfunção, pensando ou falando em voz audível: “Agora está
tudo bem” ou “Não tenha mais preocupações”.

Não se recomenda aplicar essa técnica em pessoas que apresentam osteoporose,


hemorragia, fraturas de costelas, áreas dolorosas.

Oshite Chiryo Ho

Oshi significa “empurrar”, Te significa “dedo”, Chiryo significa “tratamento” e Ho


significa “técnica”. Também conhecida como Oushu-Chiryo-Ho. Ou significa
“empurrar” e Shu significa “mão”.

Aplica-se Reiki pressionando a parte enferma com a ponta dos dedos das mãos. É
usada principalmente em regiões de estagnação de energia ou dor física,
provocando a dispersão da dor. Podemos usar ligeiramente o peso de nosso
corpo para evitar fazer força, cuidando sempre para não gerar dor no cliente em
nenhum momento. Procura-se visualizar a saída do Reiki pelas extremidades.

O Dr. Usui, em casos de deficiência de fluxo energético, recomendava a utilização


de um “mudra” para tonificar e energizar. Ele ensinava seus alunos a captarem a
energia com uma das mãos, com todos os dedos juntos apontados para cima, e a
emitir com a outra para manter a energia mais “fluídica” (densa). A mão emissora
mantinha a posição de um poderoso “mudra”, com os dedos anelar, médio e
polegar todos unidos e o indicador e o mínimo esticados, mantendo um ângulo
reto com os outros, tornando a energia mais forte e dirigida, como se fosse um
“lazer” direcionando a energia a uma região problemática do receptor.

Cada um dos cinco dedos está afeto a um dos cinco elementos da natureza, a um
dos sete chakras e, tem condição de canalizar, através dos pequenos chakras das
extremidades, energias correlatas a esses elementos, conforme o esquema
abaixo:

Polegar Indicador Médio Anelar Mínimo


Fogo Ar Éter Terra Água
Plexo-solar Cardíaco Frontal Básico Umbilical

112
Seikaku Kaizen Ho ou Nentasu

Seikaku significa “caráter”, Kaizen significa “melhorar” e Ho significa “técnica”. É


também conhecida por Nentasu. Nen significa “pensamento” e Tacto significa
“atingir”.

O Sensei Doi Hiroshi denomina esta técnica de Seiheki-Chiryo-Ho. Esta técnica


nos ajuda a desenvolver uma atitude positiva perante a mais difícil situação.

• Coloca-se uma mão no Chakra Frontal e a outra na nuca, enviando Reiki para o
subconsciente;
• Devemos usar pensamentos para enviar mensagens silenciosas ao
subconsciente do receptor ou afirmações em voz alta visando nossa meta;
• Por ser uma técnica de transmissão de mensagens, recomenda-se sua aplicação
sempre, em qualquer tipo de tratamento por 1 ou 2 minutos. Devemos fazer uso
da intuição;
• Ao final da sessão, retiramos a mão do Chakra Frontal e aplicamos Reiki
somente na parte superior da cabeça. Nesse estágio final não deve ser transmitida
nenhuma mensagem.

Esta técnica pode ser aplicada em si mesmo e em outra pessoa. Ao aplicar em


outra pessoa, tenha certeza de que a mensagem enviada é exatamente o que o
receptor deseja. É melhor e mais eficiente transmitir mensagens curtas em
diversas aplicações do que enviar uma mensagem longa.

Enkaku Chiryo

Enkaku significa “distância” e Chiryo significa “tratamento”. Também conhecida


como Sashin-Chiryo. Sashin significa “fotografia”. Consiste em enviar Reiki à
distância utilizando-se apenas o nome ou a foto do receptor, formando uma “ponte
de luz” que atinge em cheio, um ponto previamente determinado.

• Utiliza-se uma foto ou um papel com o nome do receptor e outros dados


necessários (o maior n° possível de informações sobre a pessoa);
• Coloca-se em seguida, a foto ou papel na mão e desenha-se, acima, o símbolo
Hon Sha Ze Sho Nen seguido pelo símbolo Sei He Ki;
• Antes de desenhar o símbolo Choku Rei afirme três vezes que a energia seguirá
para a pessoa em questão. Não esqueça de repetir os mantras três vezes.

Jaki Kiri Jhoka Ho

Jaki significa “energia negativa do corpo”, Kiri significa “cortar”, Jhoka significa
“limpeza” e Ho significa “técnica”. É usada para retirar a energia negativa ou

113
miasmas, cortar ondas negativas fixadas há muito tempo, purificar ou harmonizar
algo.

• Faça uma meditação Gassho por alguns momentos, seguida de uma oração
Reiji-Ho;
• Pegue o objeto que irá tratar, purificar. Se for pequeno coloque-o em uma das
palmas das mãos. Se for grande fique de pé à sua frente;
• Faça uma respiração profunda, concentre a energia no ponto Tanden e,
enquanto segura a respiração, dê três golpes sobre o objeto de dentro para fora
com movimentos rápidos, numa distância de 2 a 5cm acima do objeto. Só então
solte o ar. O 3º golpe deve terminar em cima do objeto. Após isso energize-o
aplicando Reiki, usando o símbolo Cho ku Rei. Deste modo você estará
neutralizando a energia negativa e substituindo-a pela energia Reiki.

Obs: De acordo com Sensei Aoki, se você não prender a respiração ao longo dos
3 “cortes”, corre o risco de contaminar-se com a energia negativa que está
transmutando.

Seiheki Chiryo Ho (Tratamento do hábito)

Seiheki Chiryo Ho é um método para transformar hábitos ou inclinações más e


para “ajustar” intenções positivas - tais como focalizar energias para um objetivo
específico.

O processo é similar a Nentatsu Ho que trabalha plantando um pensamento, uma


idéia, ou uma sugestão no subconsciente do paciente.

A diferença principal entre Nentatsu e Seiheki é que a última técnica envolve o uso
dos símbolos do Reiki.

Como com a maioria de técnicas de Reiki, há diversas versões ligeiramente


diferentes que estão sendo ensinadas atualmente.

• Uma versão “japonesa”:

Fechar seus olhos e centralizar-se: focalizar sua consciência em seu seika tanden
- uma área profunda dentro de seu corpo entre seu umbigo e o alto de seu osso
púbico.

Por alguns momentos, simplesmente “realizar-se” - silenciosamente e calmo.-


prestando atenção à respiração: frouxamente focalizando nos ritmos naturais de
seu respirar. Não há nenhuma interferência com o processo natural – não procure
respirar conscientemente. Meramente, você deve apenas estar ciente que está
respirando.

114
Quando estiver pronto, executar o Gassho e fazer uma indicação da intenção.
Algo como: “Seiheki Chiryo começa agora!”

Desenhar o Cho Ku Rei no cume occipital do cliente (a saliência onde o crânio se


encontra com a coluna ou espinha dorsal) e cobri-lo com uma mão, deixando fluir
o Reiki.

Quando você intuir que é hora de se mover sobre para o estágio seguinte,
desenhar o Sei He Ki no mesmo ponto e então desenhar o Cho Ku Rei outra vez.

Uma vez mais, cobrir o com uma mão, mas esta vez também colocar a outra mão
na testa do cliente

Deixar fluir o Reiki, e ao mesmo tempo (silenciosamente) repetir uma sugestão ou


uma afirmação apropriada. (A natureza da afirmação a ser trabalhada bem com o
as palavras a serem usadas é algo que deve ser decidido com o paciente antes da
sessão)

Continuar esta repetição silenciosa por alguns momentos até que você intuir que
está na hora de parar.Terminar pelo Gassho, executando-o uma vez mais.

Os efeitos de Seiheki Chiryo são cumulativos na natureza humana, e uma série de


tratamentos é recomendada com intervalos freqüentes.

Tanden/Hara Chiryo Ho

Tanden Chiryo Ho e Hara Chiryo Ho são dois nomes diferentes para a mesma
técnica: essencialmente um método de desintoxicarão, onde aqui não significa
unicamente a nivelação de substâncias físicas reais, mas à remoção de “toxinas
psicológicas, emocionais e espirituais” também.

Esta técnica de desintoxicação pode ser incorporada em um tratamento geral de


Reiki, ou ser usado como uma prática autônoma.

Uma versão formal da aplicação autônoma de Tanden Chiryo Ho é como segue:

• Descansar suas mãos, palmas para baixo, em seus joelhos.


• Fechar seus olhos e centralizar-se: focalizar sua consciência em seu seika-
tanden.

Por alguns momentos, simplesmente “realizar-se” - silenciosamente e calmo.-


prestando atenção à respiração: frouxamente focalizando nos ritmos naturais de
seu respirar. Não há nenhuma interferência com o processo natural – não procure
respirar conscientemente. Meramente, você deve apenas estar ciente que está
respirando.

115
Deixe-se “ver” e sentir que o Reiki invade e permeia seu ser inteiro, para saber
que você é um com o fenômeno Reiki: é parte dele.

Permanecendo nesta consciência, executar o Gassho e fazer uma indicação


silenciosa da intenção - algo relativo ao efeito que você começará agora neste
tratamento para cura e bem-estar do seu cliente.

Estando ao lado esquerdo do cliente, colocar a mão esquerda no tanden do


mesmo, e colocam sua mão direita em sua testa.

Estar ciente do fluxo de Reiki abaixo de suas mãos. Você pode silenciosamente
afirmar o desejo que todas os toxinas - delicadamente - sejam canceladas do
cliente.

Nesta técnica você não é tão consciente com a natureza precisa das sensações
energéticas recebidas através das mãos, e sim com a intensidade das sensações.

Manter suas mãos em posição, continuar a monitorar o fluxo de Reiki até que você
comece a detectar um equilíbrio do fluxo entre suas mãos. Isto pode ser feito um
exame somente de um momento, ou pode fazer um exame de diversos minutos.

Quando você pode sentir o mesmo nível da intensidade do fluxo abaixo de cada
uma de suas mãos, levantar lentamente sua mão esquerda da testa do cliente e o
trazer para descansar no seu próprio tanden.

Continuar a deixar o fluxo de Reiki. “Ver” e sentir o fluxo de Reiki. Estar na


experiência.

Permanecer com o fluxo de Reiki até intuir que seja apropriado parar,
principalmente quando você reconhece que foi o bastante para a sessão atual,
retirar suas mãos do cliente da área do tanden
.
Manifestar o kansha - gratidão- para ter sido concedido esta oportunidade de
ajudar a seu cliente a integrar-se no seu próprio ser.

Para terminar o procedimento, executar Gassho.

Você pode naturalmente fazer um autotratamento também com o Tanden Chiryo


Ho

Obs: Esta técnica, se aplicada demasiadamente “vigorosa”, pode causar diarréia e


outras respostas catárticas sintomáticas de desintoxicação aguda.

A intenção a ser focada deve ser a de conseguir uma desintoxicação gradual e


delicada, sem sujeitar o cliente a tais efeitos estressantes.

116
Heso Chiryo Ho

Heso Chiryo Ho é uma técnica de cura que focaliza no tratamento sistêmico


através do umbigo, que é visto como o nexo importante na cura de toda as
maneiras das doenças.

A técnica de Heso Chiryo Ho pode ser incorporada em um tratamento geral de


Reiki, ou ser usada como uma prática autônoma.

Uma versão formal da aplicação autônoma de Heso Chiryo Ho é como segue:

• Descansar suas mãos, palmas para baixo, em seus joelhos.


• Fechar seus olhos e centralizar-se: focalizar sua consciência em seu seika-
tanden.
• Por alguns momentos, simplesmente “realizar-se” - silenciosamente e
calmo.- prestando atenção à respiração: frouxamente focalizando nos
ritmos naturais de seu respirar. Não há nenhuma interferência com o
processo natural – não procure respirar conscientemente. Meramente, você
deve apenas estar ciente que está respirando.
• Deixe-se “ver” e sentir que o Reiki invade e permeia seu ser inteiro, para
saber que você é um com o fenômeno Reiki: é parte dele. Permanecendo
nesta consciência, executar o Gassho e fazer uma indicação silenciosa da
intenção - algo relativo ao efeito que você começará agora neste tratamento
para cura e bem-estar do seu cliente.
• Estar ao lado esquerdo do cliente. Com dedo médio dobrado, colocar uma
mão sobre o umbigo e introduz delicadamente a ponta do dedo médio no
próprio umbigo, e aplicar pouca pressão necessária a você levemente sentir
um pulsar.
• Ciente do pulsar, também estar ciente do fluxo de Reiki abaixo de sua mão
- particularmente na ponta de seu dedo médio.
• Mantendo uma pressão delicada, continuar deixar o fluxo de Reiki. “Ver” e
sentir o fluxo de Reiki. Estar na experiência.
• Continuar a monitorar o fluxo de Reiki até que você comece a detectar um
equilíbrio – harmonizando o fluxo de Reiki e do pulso dentro do umbigo.
(Você deve também observar os sinais fisiológicos de que o cliente se
tornou mais relaxado). Este exame deve ser feito diversas vezes.

Quando você reconhecer que bastante foi conseguido para a sessão atual, retirar
sua mão da área do umbigo do cliente.

Manifestar a gratidão por ter sido concedido esta oportunidade de ajudar seu
cliente a integrar-se no seu próprio ser

Para terminar o procedimento, executar o Gassho.

Você pode naturalmente fazer autotratamento com o Heso Chiryo Ho.

117
Obviamente, você terá explicado já a seu cliente o que você estará fazendo e ter
recebido seu acordo; e confirmado também que deixarão o tratamento naquele dia
em particular se em qualquer momento o processo se tornar incômodo.

Genetsu Ho

Genetsu Ho é uma técnica para reduzir-se febres de alta temperatura. Esta


técnica pode ser incorporada em um tratamento geral de Reiki, ou ser usada como
uma prática autônoma.

Uma versão formal da aplicação autônoma de Genetsu Ho é como segue:

• Descansar suas mãos, palmas para baixo, em seus joelhos.


• Fechar seus olhos e centralizar-se: focalizar sua consciência em seu seika-
tanden.
• Por alguns momentos, simplesmente “realizar-se” - silenciosamente e
calmo.- prestando atenção à respiração: frouxamente focalizando nos
ritmos naturais de seu respirar. Não há nenhuma interferência com o
processo natural – não procure respirar conscientemente. Meramente, você
deve apenas estar ciente que está respirando.
• Deixe-se “ver” e sentir que o Reiki invade e permeia seu ser inteiro, para
saber que você é um com o fenômeno Reiki: é parte dele.
• Permanecendo nesta consciência, executar o Gassho e fazer uma
indicação silenciosa da intenção - algo relativo ao efeito que você começará
agora neste tratamento para cura e bem-estar do seu cliente.
• Sentando-se ao lado esquerdo da cabeça do cliente, colocar sua mão
esquerda em sua testa (sua mão direita pode descansar em seu regaço ou
em seu joelho).
• Prender esta posição contanto que você intuía o quanto for apropriado
(entre 20 a 30 minutos.)
• Estar ciente do fluxo de Reiki abaixo de suas mãos. Você pode
silenciosamente afirmar o desejo que enquanto o Reiki flui, a
temperatura/febre - delicadamente - será reduzida.
• Quando você estiver pronto, mover suas mãos para o descanso nos
têmporas do cliente por até 10 minutos.
• Em seguida, reposicionar suas mãos à parte traseira da cabeça e da
garganta para uns 10 minutos adicionais; então à garganta (10 minutos), e
por último à coroa da cabeça (10 minutos).
• Continuar a estar ciente do fluxo de Reiki abaixo de suas mãos, “ver” e
sentir o fluxo de Reiki. Estar na experiência.

Finalmente, mover suas mãos para o estômago e os intestinos do cliente por


aproximadamente 15 minutos.

Para terminar o procedimento, retirar suas mãos do cliente, e executar o Gassho.

118
Manifestar a gratidão por ter sido concedido esta oportunidade de ajudar seu
cliente a integrar-se no seu próprio ser

Você pode naturalmente fazer autotratamento com o Genetsu Ho

Gedoku Chiryo Ho

Um tanto similar a Tanden Chiryo Ho, o Gedoku Chiryo Ho é uma técnica usada
efetuar a desintoxicação e purificação em vários níveis.

É considerado também por ajudar no estreitamento da conexão/consciência, “um


self mais elevado” - a faísca do Divino dentro de si.

Esta técnica pode ser incorporada em um tratamento geral de Reiki, ou ser usada
como uma prática autônoma.

Uma versão formal da aplicação autônoma de Gedoku Chiryo Ho é como segue:

• Descansar suas mãos, palmas para baixo, em seus joelhos.


• Fechar seus olhos e centralizar-se: focalizar sua consciência em seu seika-
tanden.
• Por alguns momentos, simplesmente “realizar-se” - silenciosamente e
calmo.- prestando atenção à respiração: frouxamente focalizando nos
ritmos naturais de seu respirar. Não há nenhuma interferência com o
processo natural – não procure respirar conscientemente. Meramente, você
deve apenas estar ciente que está respirando.
• Deixe-se “ver” e sentir que o Reiki invade e permeia seu ser inteiro, para
saber que você é um com o fenômeno Reiki: é parte dele.
• Permanecendo nesta consciência, executar o Gassho e fazer uma
indicação silenciosa da intenção - algo relativo ao efeito que você começará
agora neste tratamento para cura e bem-estar do seu cliente.
• O cliente pode se encontrar de costas para baixo para este tratamento,
apesar de que será geralmente mais fácil administrar se ele estiver
sentando verticalmente em uma cadeira.
• Posicionando-se ao lado esquerdo do cliente, colocar sua mão esquerda no
tanden do mesmo, e colocar sua mão direita em sua parte traseira no nível
mais ou menos idêntico com posição da mão no tanden.
• Estar ciente do fluxo de Reiki abaixo de suas mãos. Você pode
silenciosamente afirmar o desejo que todas as toxinas - delicadamente -
sejam canceladas no cliente.
• Deixar o fluxo de Reiki. “Ver” e sentir o fluxo de Reiki. Estar na experiência.
• Permanecer com ela contanto que você intuía o quanto for apropriado
(normalmente como um padrão, 13 minutos. Intuitivamente, de 15 a 20
minutos).

119
Você pode imaginar/visualizar a liberação das toxinas dentro do sistema do
cliente, fluindo para fora à superfície de seu corpo e para baixo ao longo da
superfície dos pés à terra.

Quando você reconhece que conseguiu o bastante para a sessão atual, retirar
suas mãos do cliente.

Manifestar a gratidão por ter sido concedido esta oportunidade de ajudar seu
cliente a integrar-se no seu próprio ser

Para terminar o procedimento, executar o Gassho.

Você pode naturalmente fazer autotratamento com o Gendoku Chiryo Ho, embora
algumas pessoas têm a dificuldade de manter a mão direita no lugar na parte
traseira mais baixa relativa ao tanden para o espaço de tempo de tempo
requerido.

Alguns praticantes gostam de sentar-se no assoalho, ou na postura do seiza, ou


Cruzar as pernas ao executar Gedoku Chiryo Ho, entretanto, muitos preferem
sentar-se em uma cadeira no mesmo nível que o cliente. É para que cada pessoa
experimente e decida-se o que é sempre o mais confortável. Recordar: o conforto
do terapeuta é tão importante quanto o dos clientes - o desconforto pode distrair e
ser um canal obstruído para o fenômeno de Reiki.

Obs: Esta técnica, se aplicada demasiadamente “vigorosa”, pode causar diarréia e


outras respostas catárticas sintomáticas de desintoxicação aguda.

A intenção a ser focada deve ser a de conseguir uma desintoxicação gradual e


delicada, sem sujeitar o cliente a tais efeitos estressantes.

Nunca imaginar/visualizar os toxinas que viajando para baixo dentro dos pés - na
prática, isto pode ocasionalmente conduzir ao congestionamento nos membros -
trabalhar sempre com a idéia das toxinas moverem-se fora do corpo e que fluem
abaixo pela parte externa dos membros.

120
Chakras – Correlações físicas e emocionais

É importante compreendermos as dinâmicas físicas, emocionais, mentais e


espirituais dos chakras, por isso, serão descritas as características de cada um
dos sete chakras principais, a localização, a vibração da cor, desequilíbrios e as
regiões do corpo físico relacionados a eles e, também, algumas informações sobre
o 8º chakra, o Chakra da Alma ou Transpessoal, bem como algumas pequenas
considerações sobre o Chakra Ming Mein e o Chakra Umeral.

Além destes, existem outros chakras situados nas palmas das mãos, nas solas
dos pés, em outras regiões do corpo e em regiões fora do corpo físico. Até mesmo
os pontos da acupuntura podem ser considerados como pequenos e
microscópicos chakras.

Porém, destes chakras, sete são os mais importantes para a compreensão de


como eles podem representar a personalidade individual de cada pessoa, as
lições espirituais da alma e as doenças no corpo físico.

121
Em cada ser humano existe uma rede de nervos e órgãos sensoriais que
interpretam o mundo físico exterior. Ao mesmo tempo, em nós, reside um sistema
sutil de canais (nádis) e centros de energia (chakras) que cuidam do nosso ser
físico, intelectual, emocional e espiritual.

A palavra chakra (chakra) é sânscrita e significa roda. Os chakras, ou centros de


força são pontos de conexão ou enlace, pelos quais flui a energia de um a outro
veículo ou corpo do homem da superfície, quando este se encontra sob a lei do
karma e sob a lei do livre arbítrio.

Os clarividentes podem vê-los facilmente no duplo etérico, em cuja superfície


aparecem sob forma de depressões semelhantes a pratinhos ou vórtices. Desse
modo cada chakra assemelha-se a uma flor cujas pétalas estão em movimento
constante e harmônico. Quando já totalmente desenvolvidos, assemelham-se a
círculos que brilham de modo mortiço no homem comum, mas que, ao se
excitarem de modo vívido, aumentam de tamanho e são vistos como refulgentes e
coruscantes torvelinhos à maneira de diminutos sóis.

Todas essas rodas giram incessantemente e pela boca aberta de cada uma delas
flui continuamente a energia do mundo superior, a manifestação da corrente vital,
a que chamamos energia primária, de natureza sétupla, cujas modalidades in
totum agem sobre cada chakra, ainda que com particular predomínio de uma
delas segundo o chakra. Sem esse influxo de energia, não existiria o corpo físico.

São ao mesmo tempo transmissores e transformadores de energia de corpo para


o corpo, uma vez que seu mecanismo sincroniza as energias emocionais, mentais
e etéricas. Eles aumentam ou reduzem a energia, ou moderam ou aceleram sua
atividade, de um corpo para outro, de modo que a energia mais rápida do corpo
emocional possa afetar a energia mais lenta do etérico, e vice-versa.

As cores, que variam de chakra para chakra, também reluzem de um modo que
contribui para sua aparência de flor. Numa pessoa saudável, as formas dos
chakras se encontram num belo equilíbrio simétrico e orgânico, em que todas as
partes fluem em uníssono, num padrão rítmico. Seu movimento tem na verdade
um caráter harmônico e musical, com ritmos que variam de acordo com as
diferenças individuais de constituição e temperamento.

Portanto, os chakras atuam em todos os seres humanos. Nas pessoas pouco


evoluídas seu movimento é lento, o estritamente necessário para formar o vórtice
adequado ao influxo de energia. No homem bastante evoluído, refulgem e
palpitam com vívida luz, de maneira que por eles passa uma quantidade muito
maior de energia, e o indivíduo obtém como resultado o acréscimo de suas
potências e faculdades.

Os principais chakras do corpo etérico estão alinhados ao longo de um eixo


vertical, com os cincos chakras inferiores paralelos à medula espinhal,
estendendo-se da base da coluna vertebral ao crânio, e os outros dois, um situado

122
entre as sobrancelhas e o outro no alto da cabeça. Este último, o Chakra
Coronário, é a sede dominante da Consciência.

Os chakras variam de tamanho e brilho, que indicam talentos e habilidades


especiais. O centro laríngeo e frontal de um cantor talentoso, por exemplo, são
bem mais brilhantes e mais luminosos, girando ainda com maior rapidez.

Cada um dos centros possui ligações especiais com determinados órgãos do


corpo, bem como com certos estados de consciência.

As glândulas endócrinas – projeções físicas de cada um dos sete chakras – são


sustentadas pelos padrões de energia oriundos de cada um deles a que estão
relacionadas.

Os chakras também revelam a ênfase fundamental do indivíduo – o foco do "Eu".


Se uma pessoa se identifica basicamente com os sentimentos, os centros do
coração e o do plexo solar serão mais ativos e proeminentes do que os outros. Um
frontal muito brilhante indica um grau de integração pessoal; um coronário
luminoso indica o desenvolvimento da consciência espiritual.

O fio da consciência que desperta está ligado ao núcleo do Chakra Coronário.


Durante o sono esse fluxo de energia diminui, sendo reativado no momento do
despertar. O fio da vida (Cordão de Sutratma), contudo, liga o Chakra Cardíaco ao
coração físico, e essa ligação não se rompe durante a vida. Na ocasião da morte,
o fio da consciência se retira do Chakra Coronário e o fio da vida se desliga do
coração, sinalizando a desintegração de todos os outros chakras.

As principais funções dos chakras etéricos são:

• Absorver e distribuir o prana ou energia vital ao corpo etérico e, através deste,


ao corpo físico.
• Manter as ligações dinâmicas com os chakras correspondentes nos corpos
emocional e mental.

O físico é afetado não apenas pela velocidade do fluxo da energia etérica, mas
também pelo grau de harmonia no seu ritmo, e qualquer obstrução que possa
deformar os padrões normais de energia resultam na perda de vitalidade e em
doença. O processo da doença é bastante visível nos chakras, uma vez que não
apenas rompe seu movimento harmônico como também altera a textura dos seus
componentes.

123
Chakras e bija-mantras

Sétimo Chakra – CORONAL ou CORONÁRIO (do sânscrito: "Sahasrara": "O


lótus das mil pétalas")

Localização: topo da cabeça, abrindo-se para cima.

Correlação física: ligado à glândula pineal (epífise).

É o chakra mais importante, pois é o responsável pela irrigação energética do


cérebro. Bem desenvolvido, facilita a lembrança e a conscientização das
projeções da consciência. É muito importante na telepatia e na mediunidade. É o
chakra por onde penetra a energia cósmica.

Cor: violeta ou dourado.

124
Bija-mantra: "OM".

A glândula pineal é a sua exteriorização física. Está ativa durante a infância até
que a vontade esteja suficientemente desenvolvida para atar o homem à vida
física. Nas últimas etapas da vida humana entra de novo em atividade como
agente para cumprir na terra a energia volitiva do ser humano. Este centro está
relacionado com o Chakra Básico (Muladhara). A interação entre ambos produz a
manifestação da vontade ou propósito divino. Quando as forças do Centro
Coronário e do Básico se combinam, produzem a mais alta manifestação do "fogo
elétrico” individual, que quando se expressa plenamente é denominado “fogo
kundalini”.
Vibra na freqüência da cor violeta, também chamado de Chakra da Coroa e
localiza-se no topo da cabeça. Está relacionado a uma profunda busca interior,
filosófica, religiosa ou espiritual sobre o significado, o propósito da vida e a
identidade espiritual.

Assim como o Chakra da Raiz ou Básico nos conecta com a terra, o Chakra
Coronal nos conecta com o céu, com o Divino. Conecta o indivíduo com a
espiritualidade e integra o seu ser em todos os seus aspectos: físico, emocional,
mental e espiritual. É o ponto de entrada da Energia Divina que vem através da
alma, que dá vida e anima o corpo físico. Por onde se recebe a energia cósmica
que traz a consciência de que se é algo mais além da matéria física. Ele possibilita
a abertura para o encontro com a parte divina, o Eu Superior, o nosso guia interior.

Esta comunicação com o divino trás o sentido de unicidade, de totalidade e


estimula o desenvolvimento de uma identidade espiritual e uma consciência
cósmica e universal. A abertura natural deste chakra permitirá a expressão, aqui
no plano físico, de todos os aspectos de perfeição da alma após terem sido
desenvolvidos todos os aprendizados. É quando a alma obtém o título de
"Mestre", quando a pessoa atinge a iluminação, entra no estágio de ascensão e
perfeição espiritual, o que torna possível de se ver Deus nas pequenas coisas e
trazer o Divino para vida diária. Este chakra possibilita a entrega à Fonte, o servir,
o se colocar a disposição Divina, o "Seja Feita a Vossa Vontade". O verdadeiro
sentido de propósito na existência. Estimula na pessoa o sentido de totalidade, da
paz e da fé, dando um propósito à existência, colocando a pessoa a serviço da
humanidade.

Desequilíbrios neste chakra podem se manifestar em:

• Materialismo excessivo, não acreditar em nada que não seja terreno e


palpável, ceticismo, ateísmo.
• Dificuldade de compreender quando outras pessoas falam de suas
experiências interiores, de experiências espirituais.
• Fanatismos religiosos ou espirituais, contemplação em excesso.

125
• Loucuras, insanidade mentais, faltas de conexão com a realidade. Falta de pé
no chão.
• Medo da morte.
• Dificuldade de encontrar o seu lugar na vida.
• Sensação de vazio e falta de sentido na existência.
• Fuga da realidade, escapismos, suicídio, vícios, drogas, álcool, vontade de
morrer.
• Desespero, desesperança, depressão, exaustão e fadiga crônica.

Fisicamente está relacionado com: cérebro, integração dos hemisférios cerebrais,


glândula pineal (principal), funcionamento geral do cérebro e do sistema nervoso.

Sexto Chakra - FRONTAL (do sânscrito: "Ajna": "Centro de comando".


Também chamado Agnya)

Localização: fronte, entre as sobrancelhas, virado para frente. Tem o seu


correspondente na parte posterior da cabeça, na altura da medula oblongata.

Correlação física: ligada à glândula hipófise (pituitária).

É o responsável pela irrigação energética dos olhos. Bem desenvolvido, facilita a


clarividência e a intuição. Por vezes, a sua atividade cria uma palpitação na testa
ou sensação de calor (parece um coração batendo na testa).

Cor: azul índigo (anil)

Bija-mantra: "KSHAM"

Está relacionado com a personalidade mediante o “cordão criador", e portanto,


está intimamente relacionado com o Centro Laríngeo (centro da atividade
criadora)

O estabelecimento de uma interação ativa entre o Centro Ajna e o Laríngeo


produz uma vida criativa e uma manifesta expressão da vida divina por parte do
homem. Quando as forças do Centro Ajna e do Laríngeo se combinam, produzem
a mais alta manifestação do "fogo por fricção".

Este centro relaciona a tríade espiritual com a personalidade. Este centro registra
ou enfoca a intenção de criar. Não é um órgão de criação, como o Centro
Laríngeo, porém contém a idéia que jaz por trás da criatividade ativa, o
conseguinte ato de criação que oportunamente produz a forma ideal para a idéia.

Expressam as duas formas mais elevadas da imaginação e do desejo, sendo


estes, dois fatores dinâmicos que estão contidos em todo ato criativo. Vibra na
freqüência da cor azul índigo, também chamado de terceiro olho e localiza-se na

126
região do centro da testa. Está relacionado com a habilidade intuitiva, com as
percepções extra-sensoriais, com as capacidades psíquicas de intuição,
visualização, clarividência, telepatia, clariaudiência e outras.

Favorece a introspecção, a introvisão, a visão interior, a capacidade de alterar o


estado de consciência para se lembrar das vidas passadas, para se entrar em
contato com outros níveis de freqüência e realidades. Rege a visão transcendental
do mundo, a capacidade de perceber a vida, o dia a dia. Possibilita ver os
acontecimentos pessoais e do mundo a partir de um ponto de vista superior.

Estimula a capacidade de discernimento a partir da ligação da mente com a


Sabedoria Divina. Esta conexão com uma consciência cósmica mais ampla
permite extrair a sabedoria e os aprendizados das experiências da vida.
Relaciona-se, também, com o intelecto, com conceitos intelectuais e filosóficos,
com clareza e lucidez mental.

Desequilíbrios neste chakra podem se manifestar em:

• Excesso de intelectualismo, frieza emocional, ceticismo.


• Negação da verdade, dificuldade para ver as coisas como elas realmente são,
resistência e teimosia.
• Rigidez, orgulho excessivo e inflexibilidade.
• Intuição excessiva sem discernimento, tendência a fantasia e fuga da
realidade.
• Excesso de mediunidade, de misticismo, de religiosidade.
• Agitação mental, atividade mental excessiva, preocupação exagerada,
obsessão, paranóia.
• Dificuldade de raciocínio, problemas de concentração e de memória, confusão
mental.

Fisicamente está relacionado com: glândula pituitária ou hipófise (principal),


sistema endócrino, rosto, olhos, ouvidos, nariz, seios paranasais.

Quinto Chakra - LARÍNGEO (do sânscrito: "Vishudda": "O purificador")

Localização: garganta, virado para frente. Tem seu correspondente nas costas,
exatamente em cima da 7ª vértebra cervical.

Correlação física: ligado à glândula tireóide e paratireóide.

É o responsável pela irrigação da boca, garganta e órgãos respiratórios. Bem


desenvolvido, facilita a psicofonia e a clariaudiência. É considerado também como
um filtro energético que bloqueia as energias emocionais, para que elas não
cheguem até os chakras da cabeça.

127
Cor: azul celeste.

Bija-mantra: "HAM"

Relaciona-se com a personalidade através do "cordão criador", com a alma


através do "cordão da consciência” e com a mônada através do Sutratma ou "fio
da vida".

É o órgão da palavra criadora. Registra o propósito ou intenção criativa da alma


transmitida pela fluência da energia desde o Centro Ajna. A fusão das duas
energias (matéria e espírito) conduz a algum tipo de atividade criadora.

É a analogia superior do Centro Sacro (neste centro se encerram as energias


criadoras positiva e negativas, personificadas independentemente no homem e na
mulher, as quais se põem em relação através de um ato criador, ainda que sem
um propósito definido). A tireóide é a personificação física densa desta glândula,
de importância capital para o bem-estar do ser humano comum. Seu propósito é
resguardar a saúde e balancear o equilíbrio corporal.

Vibra na freqüência da cor azul celeste e localiza-se no centro da garganta. Está


relacionado com a comunicação, com a capacidade de expressar os
pensamentos, os sentimentos, as intuições e a criatividade em geral. Rege a auto-
expressão, a expressão da individualidade, das verdades pessoais, dos
sentimentos e dos pensamentos.

É através dele que expressamos o que somos, sentimos, pensamos e assumimos


a responsabilidade por isso. É, também, o veículo da expressão da intuição e da
sabedoria superior que provêm de todas as formas de percepção extra-sensorial
do chakra frontal. Estimula a vontade de se comunicar e se expressar para o
mundo.

Centro da criatividade superior, relaciona-se com a expressão da criatividade, com


a inspiração e expressão artística em geral: música, dança, pintura, escultura,
teatro, poesia, literatura, etc.

Desequilíbrios neste chakra podem se manifestar em:

• Necessidade exagerada de se expressar e de falar sobre si mesmo.


• Dificuldade de se expressar e de falar sobre si mesmo.
• Dificuldade de auto-expressão, de expressar e assumir os sentimentos,
pensamentos e necessidades.
• Dificuldade de expressar opiniões, idéias e preocupações.
• Dificuldade de expressar emoções. Emoções e necessidades bloqueadas e
não expressadas. Sentimentos reprimidos na região da garganta ou
"engolidos". A raiva reprimida se aloja na região posterior do pescoço,

128
enquanto as tristezas e as lágrimas não expressadas se situam na área da
garganta.
• Problemas de comunicação. Pouca clareza na comunicação. Problemas na
fala.

Fisicamente está relacionado com: garganta, glândulas tireóide e paratireóide


(principais), boca, gengivas, articulação mandibular, cordas vocais, traquéia,
laringe, faringe, pescoço, vértebras cervicais.

Quarto Chakra - CARDÍACO (do sânscrito: "Anahata": "Invicto", "Inviolado")

Localização: centro do peito, no osso esterno, próximo ao apêndice xifóide, virado


para frente. Tem o seu correspondente nas costas, em uma linha reta.

Correlação física: ligado à glândula timo.

É o chakra responsável pela irrigação do coração. É considerado o canal de


movimentação dos sentimentos. É o chakra mais afetado pelo desequilíbrio
emocional. Bem desenvolvido, torna-se um canal de amor para o trabalho de
assistência espiritual. Quando existe um bloqueio nesse chakra, a pessoa sente
depressão, angústia, irritação ou pontadas no peito.

Cor: verde (energia curativa) ou rosa (amor).

Bija-mantra: "YAM"

A capacidade de “pensar” com o coração é o resultado do processo de


transmutação do desejo em amor, durante a tarefa de elevar as energias do plexo
solar até o coração. Pensar com o coração também indica que o aspecto superior
do Centro Cardíaco alcançou um ponto de real atividade. A reflexão como
resultado do correto sentimento substitui a sensibilidade pessoal.

Sua exteriorização física densa é a glândula timo.

Vibra na freqüência das cores verde e rosa, localizando-se no centro do peito


sobre o osso esterno. Está relacionado ao elemento Ar e refere-se com a
capacidade de sentir, de expressar, de dar e receber o amor.

É o centro pelo qual se ama e sente-se compaixão pelos outros. O


desenvolvimento deste chakra está relacionado com o amor incondicional, com a
auto-estima e a auto-aceitação. A capacidade de manifestar o amor ao próximo,
de nutrir e doar-se ao outro, é proporcional à capacidade de amar e de cuidar de si
mesmo. Para amarmos incondicionalmente é necessário aceitarmos nós mesmos
e os outros como são. Por isso este chakra está relacionado com o perdão.

Desequilíbrios neste chakra podem se manifestar em:

129
• Egoísmo, dificuldade de dar amor, de nutrir afetivamente e doar-se às outras
pessoas.
• Falta de amor e compaixão pelo mundo, pelas pessoas, pela natureza e pelos
seres vivos em geral.
• Incapacidade de manifestar e expressar o amor e os sentimentos.
• Dificuldade de confiar nas outras pessoas.
• Apego e dependência emocional, carência afetiva, auto-piedade, amor
possessivo, ciúmes.
• Medo de perder afeto, de ser rejeitado, de ser ferido afetivamente.
• Falta de amor próprio, auto-estima rebaixada, sentimentos de culpa, de falta de
merecimento.
• Ressentimentos, mágoas profundas, dificuldade de perdoar, raiva, ódio,
ciúmes, inveja.
• Dificuldade de perdoar.
• Dor emocional, decepções amorosas, coração magoado, desgosto.
• Tristeza, angústia, sentimento de solidão e de abandono.
• Problemas de relacionamentos afetivos.

Fisicamente está relacionado com: coração, circulação, veias, artérias, pulmões,


timo (principal), sistema imunológico, sistema linfático, gânglios linfáticos, seios,
região dorsal.

Terceiro Chakra – PLEXO SOLAR ou UMBILICAL (do sânscrito: "Manipura":


"Cidade das jóias". Também chamado Nabhi)

Localização: plexo solar, cerca de dois centímetros acima do umbigo, virado para
frente. Tem o seu correspondente nas costas, em linha reta.

Correlação física: ligado ao pâncreas.

É o responsável pela irrigação do sistema digestivo. Quando está bloqueado,


causa enjôo, medo ou irritação. Bem desenvolvido, facilita a percepção das
energias ambientais.

Cor: amarelo

Bija-mantra: "RAM"

É um chakra extremamente ativo. É o ponto de saída do corpo astral para o


mundo externo e o instrumento através do qual flui a energia emocional. É o órgão
do desejo, que deve ser controlado e transmutado em amor/aspiração. É o centro
distribuidor de todas as energias que se encontram sob o diafragma. É o centro
mais separatista dos centros, porque se encontra no ponto médio, entre o Centro
Laríngeo e o Centro Cardíaco – acima do diafragma – e os centros Genésico e

130
Básico, abaixo do diafragma. É o centro do veículo etérico e através dele e se faz
contato com a luz astral, portanto é o centro onde trabalha a maioria dos médiuns
e atuam os clarividentes. A exteriorização física deste centro é o pâncreas, com
uma exteriorização secundária no estômago e no fígado.

Vibra na freqüência da cor amarela e localiza-se na região do abdômen, entre o


final do esterno e o umbigo. Está relacionado ao elemento Fogo e refere-se a
identidade pessoal, a auto-estima, a auto-imagem, a consciência do valor pessoal,
a autoconfiança e a autovalorização necessárias para assumir o comando da
própria vida.

Governa o senso de poder pessoal no mundo. A sensação de controle sobre a


própria vida, com relação às vontades, as necessidades e os objetivos pessoais.
Relaciona-se com as questões de liderança e poder, dominação e submissão. É
nele que se encontram os padrões mentais, como a pessoa vê a si mesma, ao
mundo e as outras pessoas.

Rege a capacidade de "digestão e assimilação" dos acontecimentos, de idéias, de


intuições e de conhecimentos, o discernimento, a clareza mental, a capacidade de
concentração e de aprendizagem.

Desequilíbrios neste chakra pode se manifestar em:

• Sentimento de vítima e sensação interior de impotência abrir mão do controle


sobre sua própria vida.
• Submissão, dificuldade para colocar limites nos outros, sentimento de
incapacidade e de inadequação, sentimento de culpa e de falta de
merecimento.
• Medo do fracasso, medo de errar, insegurança para tomar decisões,
preocupação demasiada com a avaliação dos outros.
• Medos em geral, covardia, timidez, vergonha, sentimento de humilhação.
• Baixa auto-estima, vergonha, sentimento de inferioridade.
• Dificuldade de concentração e confusão mental, dificuldade de aprendizagem.
• Excesso de racionalidade, "ego inflado", rigidez, presunção, arrogância,
cinismo, sarcasmo, vaidade, orgulho, desprezo pelos outros.
• Abuso do poder, tendência ao domínio, à tirania, a manipulações e controle
sobre os outros, desrespeito pelo limite e a individualidade dos outros.
• Tensão, ansiedade, nervosismo, agitação, impaciência, preocupação e
insegurança.

Fisicamente está relacionado com: órgãos de digestão, assimilação e eliminação,


sistema digestivo, estômago, esôfago, fígado, vesícula biliar, pâncreas (principal),
baço, apêndice, intestino delgado, diafragma, as glândulas supra-renais.

131
Segundo Chakra – GENÉSICO ou SACRO (do sânscrito: "Svadhisthana":
"Morada do Prazer")

Localização: baixo ventre, virado para frente. Tem o seu correspondente nas
costas, em linha reta.

Correlação física: ligado às gônadas (homem: testículos; mulher: ovários).

É o responsável pela irrigação dos órgãos sexuais; é também responsável pela


vitalização do feto em formação, função essa que divide com o chakra Raiz ou
Básico. Aliás, a ligação desse dois chakras é estreita demais. Isso se deve ao fato
de que parte da energia kundalini é veiculada do Raiz ou Básico para dentro do
chakra Genésico ou Sacro. É por esse fator que alguns tibetanos consideram
esses dois chakras como um único centro.

Cor: laranja, virado para frente. Tem o seu correspondente nas costas, em linha
reta, em cima do osso sacro coccígeo.

Bija-mantra: "VAM"

Localiza-se na parte inferior da zona lombar e é muito poderoso, pois controla a


vida sexual.

Vibra na freqüência da cor laranja é também chamado de Sexual ou de Umbilical e


localiza-se na região situada entre o umbigo e o osso púbico.

Este chakra é relacionado com o elemento Água e refere-se a sexualidade, a


sensualidade, a busca do prazer e da satisfação em vários níveis.

Rege a expressão das emoções sexuais e da sexualidade (sensualidade), a


vitalidade sexual, a quantidade de energia sexual, a capacidade sentir o prazer e a
força sexual. Criatividade no nível da perpetuação da espécie, procriação. Este
chakra, também, está relacionado com os padrões emocionais, com a maneira
como a pessoa reage emocionalmente nos relacionamentos individuais. É
responsável pela expressão e liberação das emoções viscerais, tais como a raiva,
a agressividade, assim como emoções decorrentes de choques e traumas.

Desequilíbrios neste chakra podem se manifestar em:

• Impulso sexual exagerado que exige uma grande demanda de relações


sexuais.
• Fraco impulso sexual, tendência a evitar o ato sexual e negar a importância e o
prazer que ele proporciona.
• Incapacidade de alcançar o orgasmo na mulher e no homem ejaculação
precoce ou incapacidade de ereção.

132
• Tendência a encarar os relacionamentos apenas a partir dos aspectos sexuais.
Sexo desvinculado de sentimentos.
• Repressão sexual e sentimento de culpa com relação à sexualidade.
• Traumas emocionais e psíquicos, traumas e abusos sexuais.
• Dores e emoções reprimidas.
• Sensibilidade excessiva, cansaço, exaustão.

Fisicamente está relacionado com: as gônadas (principais), testículos, ovários, os


órgãos reprodutores, a próstata, os rins, a bexiga, o intestino grosso, o cólon, a
região sacro-lombar.

Primeiro Chakra - RAIZ ou BÁSICO (do sânscrito: "Muladhara": "Base e


fundamento"; "Suporte")

Localização: base da coluna, no períneo, entre o ânus e a genitália humana,


virado para baixo, em direção a terra.

Correlação física: ligado às glândulas supra-renais. É o responsável pela absorção


da kundalini (energia telúrica) e pelo estímulo direto da energia no corpo e na
circulação do sangue.

Cor: vermelho.

Bija-mantra: "LAM"

Este centro localiza-se na base da coluna vertebral e sustêm os demais centros.


Responde ao aspecto VONTADE. Da mesma forma que o princípio vida está
situado no coração, também o aspecto da vontade de ser, está situada na base da
coluna abaixo do osso sacro. Seu principal aspecto é a inocência. Inocência é a
qualidade pela qual nós experimentamos alegrias puras, infantis, sem as
limitações do preconceito ou condicionamentos. A inocência nos dá dignidade,
equilíbrio e um enorme senso de direção e propósito na vida. É apenas
simplicidade, pureza e alegria.

Vibra na freqüência da cor vermelha, é também chamado de Chakra da Base e


localiza-se no final da coluna entre o cóccix e o períneo. Está relacionado com o
elemento Terra e refere-se com as questões de sobrevivência, de segurança
pessoal, autopreservação. Entre elas: luta pela sobrevivência, sucesso no
trabalho, obtenção de alimento, de dinheiro e de proteção. Governa os instintos
terrenos necessários para a sobrevivência física, bem como o meio para consegui-
los.

É o chakra que trás o impulso para ação, estimula a pessoa a ir à luta. Ele
promove a força de vontade, resistência e perseverança para enfrentar as

133
dificuldades. Confere ambição, objetivos e a garra para atingi-los. Estimula a
capacidade de realizar e concretizar no plano físico.

Considerado como a raiz e a âncora da pessoa no mundo, reflete o grau com que
a pessoa se sente ligada ao planeta terra e à vida, a quantidade de energia e a
vontade de viver na realidade física. Propicia a potência física, a disposição, o
ânimo e o senso de realidade.

Muito importante em relação à vitalidade geral do organismo, pois estimula todos


os outros chakras, todo o sistema energético e conseqüentemente, todo o corpo
físico.

Desequilíbrios neste chakra podem se manifestar em:

• Hiperatividade, grande agitação, inquietude, impaciência.


• Impulsividade, agressividade, reação defensiva na maioria das situações.
• Tendência à violência, à dominação, ao despotismo.
• Ganância, astúcia, ênfase excessiva nas questões materiais.
• Preocupação excessiva com a sobrevivência e segurança pessoal.
• Insegurança financeira, ansiedade em relação a sustentar a si e a família.
• Fraco instinto de conservação e de autoproteção.
• Sensação de que o mundo é um lugar ameaçador.
• Incapacidade de ir a luta, de enfrentar obstáculos.
• Dificuldade para concretizar, de atingir objetivos.
• Falta de praticidade e de objetividade.
• Apatia, pouca vontade de viver, fadiga, fraqueza, preguiça.
• Fraco senso e falta de contato com a realidade, sensação de não “ter os pés
no chão”.
• Depressão, tendências suicidas.

Fisicamente está relacionado com: glândulas supra-renais (principal), sistema


estrutural, músculos, ossos, coluna vertebral, medula óssea, produção e qualidade
do sangue, parte inferior da pelve, ânus, reto, pernas e pés.

Obs: Há muito mais chakras do que os setes principais. Há chakras secundários


nas palmas das mãos, plantas dos pés, pulmões, fígado, estômago, orelhas,
mandíbulas, ombros, joelhos, entre as escápulas (omoplatas) e espalhados por
todo corpo. E, em escala menor, pode-se dizer que para cada poro do corpo há
um pequeno chakra em correlação direta no campo vibratório correspondente.
Cada ponto de acupuntura é um chakra.

134
Chackra Transpessoal

Também chamado de Estrela da Alma, este chakra se localiza acima do topo da


cabeça. Este chakra permite a ligação entre a personalidade e o Eu Superior, a
Presença Divina, o Espírito Santo, o Mestre Interno, o Verdadeiro Eu, ou qualquer
outro nome que se deseje empregar.

Não se trata de um mestre ou orientador externo, nas sim de uma parte nossa que
está diretamente ligada a Deus ou ao Todo, ou ainda, uma parte do todo que se
individualiza através de nós.

O Eu Superior tem a visão geral do nosso passado, do nosso presente e do nosso


futuro, tem acesso ao nosso projeto de aprendizagem da vida atual e compartilha
estas informações com a nossa personalidade consciente através de sonhos,
intuições, visões, eventos sincronísticos, "coincidências" significativas, estados
alterados de consciência induzidos com o uso de determinadas drogas, de
meditação ou, como no caso do trabalho de regressão, do estado de transe
terapêutico consciente.

Através deste chakra e do contato com o Eu Superior, que sempre sabe o porquê
de tudo que está acontecendo na nossa vida, é possível compreender que existe
razão e propósito em tudo que nos acontece na vida e que nossa alma opta nos
colocar em situações de desafios, de adversidades e de doenças para podermos
aprender mais sobre nosso verdadeiro poder e a nossa natureza espiritual
superior.

Perceber a vida a partir da perspectiva do Eu Superior nos ensina a abordar as


lições de vida, os relacionamentos ou as questões emocionais com calma e
discernimento, com uma atitude otimista e não reativa que nos permite minimizar
os sofrimentos e obter um melhor aproveitamento das lições espirituais.
Nas terapias energéticas em geral, as mudanças curativas incluem uma
reestruturação dos nossos chakras e dos nossos corpos etérico, emocional e
mental ao mesmo tempo em que adotamos melhores padrões de reação e de
resposta à vida cotidiana e, novas maneiras de nos relacionarmos com as
pessoas que fazem parte da nossa vida.

135
Chakra Ming-Mein

Localizado nas costas, entre os rins, este chakra se correlaciona com os aspectos
kármicos ou não apresentado pelo ser humano. Para determinadas doenças ou
questões emocionais de relevante importância, dado a dificuldades de se
encontrarem soluções adequadas na medicina ortodoxa, é importante saber por
ocasião de análises através de testes cinestésicos, com pêndulos, P.E.S., ou
outras técnicas empregadas, se o chakra Ming Mein está ativo ou inativo. Ativo
para as doenças apresentadas, físicas ou emocionais ou inativo as doenças
apresentadas, físicas ou emocionais.

Quando o chakra está ativo (aberto), o problema é de fundamentação kármica,


proveniente de vidas passadas e com solução difícil, podendo-se chegar somente
ao alívio dos sintomas e não à cura da causa. Nesse aspecto, há de se considerar
o aspecto evolutivo (dharma) do ser humano. Se for positivo, as esperanças de
cura serão maiores.

Quando inativo (fechado), o problema não é de fundamentação kármica, mas


proveniente da vida presente do ser humano e suas “quedas”. Nesse caso, a
solução é mais fácil, podendo se chegar à cura da causa. Também nesse aspecto,
há de se considerar o aspecto evolutivo (dharma) do ser humano. Se for positivo,
as esperanças de cura serão maiores e melhores.

Chakra Umeral

O chakra Umeral está localizado nas costas, do lado esquerdo, na altura do início
do osso úmero. Também é conhecido como o chakra da Mediunidade.

Sem querer impor verdades àqueles que não crêem na espiritualidade, deve-se
clarificar que, por escolha kármica, muitos seres humanos reencarnam com o dom
do mediunato.

Desenvolver ou não esse dom é uma questão de cunho social, religioso ou


simplesmente uma escolha, entre tantos entraves que o ser humano coloca à sua
frente.

Acontece que os seres humanos são falíveis e dentro de um contexto vibracional


único, a bipolarização pode estar positiva ou negativa. Na polarização negativa, o
indivíduo que detém o mediunato não desenvolvido, pode ser vítima de entidades
astralizadas de baixo nível, que podem comprometer a saúde emocional e física
do médium em potencial.

136
Muitas pessoas que enfrentam males emocionais e físicos podem estar
simplesmente sob influências nefastas do submundo astral. Deve-se atentar, por
ocasião das análises se o chakra Umeral é ativo ou inativo.

Ativo: dom da mediunidade. Inativo: o dom não está presente.

Resumo sobre os chakras


Tudo que foi abordado sobre os chakras e os corpos energéticos configura-se
apenas uma tentativa de se fazer um esboço da "anatomia e fisiologia da alma",
objetivando compreender o nível de atuação da terapia de vidas passadas e a
associação dos chakras com as lições da alma e com as doenças do corpo físico.

Muitos cientistas estão pesquisando estes níveis de freqüências mais elevadas


com tecnologia bastante sofisticada e, no futuro, estas pesquisas possibilitarão
uma visão multidimensional do homem com mais detalhes e maior
aprofundamento.

Nota: Para conhecimento e entendimento:

Bija-mantra (do sânscrito): "Núcleo vibratório de um mantra"; "Mantra-semente";


"Senha vibratória para evocação de uma determinada freqüência espiritual".

(Kundalini (do sânscrito): “Enroscada”; “Fogo Serpentino”) é a energia que entra


no campo energético por intermédio do chakra Raiz ou Básico. É também
chamada genericamente aqui no Ocidente de energia telúrica (energia da terra) ou
geoenergia. Contudo, essa definição ocidental é muito pobre. Os orientais,
notadamente os hindus, tibetanos e chineses antigos (taoístas), aprofundaram-se
bastante no estudo dessa energia. Ela também é chamada pelos iogues de
"Shakti" (do sânscrito): a força divina aninhada na base da coluna (chakra Raiz ou
Básico). O despertar da kundalini é um processo puramente espiritual e energético
em essência. Envolve a ativação dos chakras, para a subida da energia kundalini
através deles.

Diagnóstico dos Chakras

Existem várias maneiras de definir como está o estado de cada chakra, sempre
levando em consideração que os chakras que regem os Centros Mentais são os
chakras Coronal, Frontal e seu correspondente na parte posterior da cabeça. Os
Centros do Sentimento: chakras Laríngeo, Cardíaco, Plexo Solar e Genésico. Os
Centros da Vontade: chakras da Base do Pescoço (7ª vértebra), equivalente ao
chakra Laríngeo, o equivalente ao chakra Cardíaco, nas costas, o equivalente ao
chakra do Plexo Solar nas costas, o equivalente ao chakra Genésico nas costas e

137
o Chakra Raiz ou Básico que é independente e tem sua característica e está
ligado diretamente ao chakra Coronal.

A melhor maneira de perceber o estado de um chakra é através de um pêndulo, à


parte de uma exclusiva sensibilidade nas mãos ou a utilização da Percepção Extra
Sensorial.

O pêndulo é apenas um peso na ponta de uma linha. O processo de utilização do


mesmo é através das ondas radiestésicas, que conectam os cérebros do analista
e do analisado através do aspecto subconsciente dos dois. Do subconsciente são
passadas pequenas informações ao consciente do analista que reflete em
pequenas vibrações em seu braço e mão. Conforme a convenção mental do
analista, faz mover o pêndulo, demonstrando as propriedades chákricas naquele
momento. Radiestesia, simplificando, é sensibilidade às radiações a tudo que
existe na forma e a radiação humana também é uma energia de forma.

Apesar de um pêndulo se constituir em um pequeno peso na ponta de um fio, os


pêndulos mais adequados são os usados por aqueles que praticam a radiestesia.
Observe-se que a radiestesia não se trata de um dom e sim de muita paciência e
prática e, principalmente total isenção de idéias preconcebidas a respeito do vai se
analisar.

Para aqueles que querem praticar a radiestesia, usando-a com arma de


diagnóstico da energia (radiação) humana, o melhor modelo seria o pêndulo em
forma de pêra, de madeira, com cerca de 2,5 cm de diâmetro e 3,8 cm de
comprimento, com ou sem chumbo (peso) em seu interior e seu peso não seja
superior a 22 gramas.

Qual a razão de utilizar a radiestesia e a radiônica junto com o trabalho de


com Reiki?

Muitos que irão ler este pequeno trabalho podem se perguntar qual a razão de
estar postado conceitos sobre radiestesia / radiônica em um trabalho sobre Reiki.

Além do trabalho de pesquisa chákrica, ponto importante para se avaliar o método


de tratamento a ser empregado com indivíduos diferentes, na minha experiência
pessoal, com centenas de casos atendidos, notei que muitos pacientes, após
recuperados com as sessões de reiki, voltavam apresentando os mesmos
sintomas anteriormente tratados e ainda com outros sintomas.

No meu trabalho como radiestesista, comecei a imaginar se a moradia dessas


pessoas não teriam um fator decisivo para essas recaídas.

Com o devido consentimento fui fazer medições radiestésicas nessas moradias e


pude constatar que a casa estava “doente”.

138
Autores como Jacques La Maya e Roger de La Forrest, em seus livros Medicina
da Habitação e Casas que Matam, já alertavam sobre essas possibilidades.

Após medições a avalidas as soluções para a moradia em questão, esses


pacientes com recaídas constantes, tratados novamente com reiki, tiveram a
recuperação desejada.

Nota-se então, que o trabalho holístico, somando a radiestesia / radiônica junto


com o reiki, tornou-se uma arma para uma solução mais completa.

De muitos casos, posso citar três particularmente surprendentes:

Caso 1: Uma senhora com problemas de coluna, onde tinha sido operada e não
havia o fechamento dos músculos que envolvem a coluna, à altura do baço. Essa
pessoa não mais conseguia andar, tão somente com um andador e ainda assim
com um andador e amparada por parentes.

Investigada a casa e o posicionamento da cama onde dormia, pude constatar que


havia embaixo da cama, uma fonte de Ondas Nocivas, proveniente de ua
tubulação de esgôto clandestina. Note-se inclusive que essa senhora dormia fazia
20 anos naquele mesmo local, onde o o marido havia morrido de câncer no
pâncreas.

Para solucionar a questão, foi apenas sugerido a mudança do posicionamento dos


móveis, prontamente atendido pelos familiares.

Após isso, novo tratamento coim reiki. O músculo fechou sobre a coluna e essa
senhora voltou a caminhar normamente.

Saliente-se que energias telúricas provenientes do solo podem causar muitos


danos à saúde de quem vive muito tempo acima delas.

Caso 2: Um casal tinha problemas sérios de insônia em sua nova residência


construída. Novamente tinham posicionado a cama sobre uma tubulação de
esgôto, onde esta passava paralela às sua cabeças. Trocado a posição da cama,
tudo voltou ao normal.

Caso 3: Esse já estava consumado e não havia soluções possíveis com o reiki.
Uma menina de 16 anos que sofria de severa depressão e Ansiedade Paroxística
Episódica (Síndrome do Pânico) praticou o suicídio, ateando fogo ao corpo,
usando dois litros de álcool. A família passou a morar num hotel, com medo de
possíveis entidades maléficas presentes.

139
Analisada a residência ( uma mansão), foi descoberto vários objetos e roupas que
ela tinha sido presenteada numa visita à França, por uma mulher que praticava
magia negra.

Nesse caso não se pode descartar, além das doenças presentes, que esses
objetos agiram diretamente, influenciando na atitude tresloucada. Livrada a
residência dos objetos e roupas impregnados de energias negativas, a paz foi
restaurada e a família pôde voltar a morar naturalmente.

Nota: não se pode negar os conceitos da malignidade encontrada em radiações


provenientes do solo (telúricas) e impregnação de objetos com energias anômalas
(ondas de forma), cujas emanações agem diretamente no psiquismo das pessoas
à sua mercê.

Marly Del Corona, autora do livro Energias Além das Formas, já comenta sobre
isso e como ainda tratar os problemas com radiestesia para avaliação e radiônica,
através de gráficos, para sua solução.

Um bom buscador de idéias não deveria se fechar as essas premissas.


Certamente traria um novo enfoque para um tratamento holístico completo
envolvendo o reki e a radiestesia / radiônica. As benesses serão ímpares.

Alguns conceitos sobre radiestesia e radiônica

Nota do autor:

Apesar desse documento versar sobre Reiki, torna-se importante fazer medições
de caráter investigatório sobre a condições dos centros de energia (chakras) do
indivíduo que irá receber um tratamento com energia Rei.

Para tanto, existem vários métodos para essa avaliação e entre elas está o
trabalho com a radiestesia, já usada há mais de 5.000 anos.

A radiestesia, quer seja ela tradicional ou mental. Nos dá subsídios incontestes


sobre a condição do ser humano, suas correlações de saúde e comportamento
dos chakras e é uma arma imprescindível para um programa de tratamento que se
possa planejar para um bom aproveitamento do trabalho com Reiki, assim como
da avaliação da condição energética de moradias.

Estudo, muito estudo!

140
Vamos aos conceitos básicos:

Energia

A mal compreendida e definida Energia é - tem sido - um dos grandes mistérios da


criação.

Energia é uma palavra utilizada como se fora algo muito familiar (de fato o é),
porém, quando paramos para pensar o que é na realidade energia, começamos,
sem sombra de dúvidas, a tomar consciência de sua complexidade.

Algumas de suas manifestações sao bem identificadas, ou seja, através da


nomenclatura dada pela física clássica (energia térmica, mecânica, cibernética,
nuclear, elétrica, cinética, magnética, etc.) sendo que a energia foi definida como
sendo "todo o agente capaz de produzir trabalho”.
A etimologia da palavra energia vem do grego "energes" (ativo), esta por sua vez
provém de "ergon" que significa obra, entao a palavra indica que a energia implica
em atividade.

O homem foi, em todo o seu trabalho evolutivo, descobrindo gradativamente e ao


mesmo tempo manipulando as energias em seu proveito. A priori as da natureza
e, logo após, as que ele reproduzia e combinava com a criação de utensílios,
armas, máquinas e ferramentas.

As primeiras energias conhecidas pelo homem foram, sem dúvida, as energias


térmica e acústica, desde o ventre materno. E logo as reproduziu e as controlou,
iniciando, desta forma, sua jornada evolutiva.

A partir do fogo e com a criação de utensílios e ferramentas (da térmica e da


mecânica), inicialmente de pedra e madeira e evoluindo para as de metal, ele
passa a obter conforto e segurança.

Posteriormente foram criadas as máquinas a vapor, que transforma a energia


térmica em mecânica, obtendo movimento.

Com certeza a esta fase podemos considerar como a fase do domínio das
energias grosseiras (ou seja, de baixa freqüência vibratória), perceptíveis apenas
em nível dos sentidos objetivos.

Um avanço científico e tecnológico muito grande ocorreu quando Benjamin


Franklin descobriu a eletricidade. A partir de entao iniciou-se uma nova fase, ou
seja, a constatação e o domínio das energias invisíveis, porém, perceptíveis
através de suas manifestações e mensuráveis somente através de instrumentos.

141
A energia elétrica deu origem a outras energias invisíveis, tais como: a magnética,
surgindo os radiotranmissores, motores elétricos, etc., sempre combinando e
transmutando estas energias.

Hoje, quando ouvimos falar da energia quântica, solar, hidráulica, etc., sabemos
que todas foram devidamente classificadas pelas leis da física.

Não podemos deixar de reconhecer o extraordinário conhecimento que os povos


antigos possuíam.

Além de conhecer a importância da relação energética correta, sabiam ainda


manipulá-la para preservar o equilíbrio físico e psicológico através do estado de
harmonia com as energias superiores e, como resultado, o sistema imunológico e
o corpo físico.

A partir da primeira respiração o ser recebe energia cósmica que penetra pelo seu
centro psíquico superior, desta forma se caracteriza a individuação do ser com a
freqüência da energia cósmica do momento.

Conceito clássico de Energia

Para a física clássica, energia e matéria são classificadas como dois elementos
separados. A energia que ela classifica é aquela que pode ser encaixada nos
padrões acadêmicos materialistas por ela definidos e não considera ou explica as
manifestações da energia mais sutil. Por outro lado, a matéria segundo esta
classificação apresenta-se em três estados: sólido, líquido e gasoso.

Sólido: a força de coesão inter atômica ou inter molecular é maior que a de


repulsão;

Líquido: a força de coesão é menor que no sólido, sendo que desta forma, este
estado assume a forma do recipiente em que está contido;

Gasoso: a força de repulsão é maior que a de coesão; desta forma, todo gás
procura ocupar o maior espaço possível.

Para Albert Einstein a matéria é energia em estado potencial ou latente e será


energia cinética ou de movimento no momento em que liberar essa energia. Ele
chega a formular essa equivalência em termos físico-matemáticos.

Na física moderna está cada vez mais aceito o conceito de que tudo o que existe
no universo (inclusive o homem) é feito de uma mesma e ainda misteriosa
substância, a energia, que se manifesta de infinitas maneiras em infinitos níveis de
condensação.

142
Energia sob o ponto de vista oriental

As principais culturas do Oriente também definem a energia como sendo um


princípio. Todavia vão muito mais além: chamam-na de Prana e a identificam
como um dos princípios fundamentais do Universo.

Assim, na cosmogonia oriental, todas as manifestações energéticas passam a ser


subprodutos deste Prana, essencial e onipresente, que a tudo interpreta.

No contexto universal da criação o ser humano é o único ser vivo que tem
consciência e, pelo uso do livre-arbítrio, pode transmutar, através da mente, as
energias que ela processa, elevando, melhorando ou aproximando-as do nível de
Freqüência Vibratória dos Planos Superiores, onde se sintoniza com as forças
criativas, construtivas e sublimes da natureza, gerando saúde, harmonia e
evolução.

Outras vezes as transmuta, afastando-as desses sublimes níveis vibratórios,


gerando desarmonia e doenças. A primeira vítima deste processo é sempre a
pessoa que gera este tipo de energia, já que pela lei da trilogia (mente-energia-
matéria), a energia, gerada pela nossa mente, determinará a qualidade da aura,
das células e de seu corpo físico. Se esta energia gerada for boa, positiva,
teremos uma aura sadia, magnética e atrativa. Se for o oposto, estará gerando
energia negativa, poluindo seu corpo físico, tudo o que sua aura impregnar
energeticamente e/ou até onde projetar seus pensamentos.

Somos, em resumo, o maravilhoso laboratório alquímico que a natureza utiliza,


para efetuar a transmutação do grosseiro para o sutil, em conformidade com o
divino objetivo da evolução.
Energia sutil

A energia sutil - essa desconhecida – foi tema de uma teoria eletromagnética do


Professor René Louis Vallee que nos ensinou que se a energia atinge um
determinado espaço, uma densidade suficiente, acontece a materialização de um
fóton; mas se a energia for de densidade inferior, ela só pode existir em forma de
onda.

Pode-se entao perguntar: - se a densidade for ainda mais reduzida, a ponto em


que nem onda possa existir, a energia desaparece? Evidentemente, ela deve
continuar a existir na forma que não é corpuscular nem ondulatória, numa forma
não formulada, de maneira difusa. O meio adquire uma espécie de neutralidade
energética - se o espaço for perturbado, forma-se uma emissão de forma. A níveis
energéticos maiores, devera aparecer uma radiação eletromagnética. Isto significa
que vivemos literalmente num banco energético.

O que confunde a cabeça dos pensadores é a manifestação de certas energias


que eles não conseguem classificar, segundo as leis acadêmicas e materialistas,
mas que estão e, sempre estiveram, se manifestando.

143
Entre outras, podemos falar da energia psíquica e suas inúmeras manifestações
(telecinesia, telepatia, psicometria, levitação, etc.). Podemos também citar a
energia das formas, mas apenas como ilustração, mencionamos a energia
piramidal. Esta energia não só é muito conhecida como é de fácil utilização e
manipulação. Não podemos ignorar as energias que interagem no ser humano,
tais como as faladas e manipuladas pelas grandes culturas orientais.

O corpo físico tem inúmeros circuitos e comandos elétricos que tem como função
a manutenção do sistema.

Torna-se difícil explicar cientificamente, pelas leis da física clássica, a existência


dos meridianos de acupuntura chinesa, vez que não podemos ver, medir, sentir ou
fotografar. Todavia eles estão aí e, se manipulados corretamente, alteram o fluxo
que, para a medicina tradicional, sao difíceis de tratar.

Hoje, com a abertura da teoria holística, temos inúmeros livros e cursos sobre o
assunto, portanto sabemos existir curas psíquicas e não nos surpreende os
fenômenos paranormais.

Energias vitais

Muitos pesquisadores já reconhecem, no momento, três forças independentes,


provenientes do Sol. Sao elas:

• Energias físicas: conhecidas e conversíveis entre si, tais como:


Eletromagnetismo, o Som, o Calor, a Cor, etc.

• MANA: apesar de ainda nao ser reconhecida oficialmente, é uma força vital
que pode ser vista nos dias ensolarados, principalmente na forma de
espocar de luzes quando olhamos para o horizonte.

• KUNDALINI: esta, também não reconhecida pela ciência oficial, porém é,


com certeza uma força vital. Sabemos ser esta força muito grande, quando
estimulada corretamente. È a energia que desenvolve as capacidades
armazenadas em nosso Inconsciente. Desenvolve, enfim, o Espírito, a
Inteligência e o Amor ao Todo.

As energias ditas físicas, nós as conhecemos.

Prana é a energia do sopro da vida, ou a Energia da Vitalidade. É emanada pelo


Sol e penetram nos últimos átomos que flutuam na atmosfera. Estes, por
possuírem esta energia adicional, atraem mais seis átomos a seu redor. Esta
composição, assim formada, chama-se Glóbulo da Vitalidade.

144
Com certeza, este Glóbulo pode ser visto aos milhares, por qualquer pessoa que
visualize o céu, principalmente nos dias ensolarados. Eles são vibrantes e
incolores, possuindo uma atividade muito intensa.

Quando o Sol brilha, eles se renovam em quantidade. Pessoas ficam,


automaticamente, mais alegres nos dias ensolarados. Em dias nublados, há uma
diminuição dos mesmos, que se vez mais acentuado, na medida em que os dias
nublados se sucedem.

A energia Prânica (Glóbulo Vital) manifesta-se no centro dos chakras e, depois,


irradia-se, formando raios, sendo que cada chakra possui um número diferente de
raios.

O chakra responsável pela captação e distribuição deste Prana é o chakra do


Plexo Solar (Esplênico, Baço, Plexo Solar, entre outros nomes que se dão). Esta
energia é formada por sete átomos, sendo que cada um com uma freqüência
específica: Violeta, Índigo, Azul, Verde, Amarelo, Alaranjado, Vermelho.

O ser humano e a energia cósmica

Existe a Energia Fundamental (Vital) Universal que a tudo interpenetra e relaciona,


sendo dela que tudo depende na criação, seja ser vivo animado ou ser vivo
inanimado. Através dessa energia é que se manifesta a inteligência cósmica na
natureza. O homem, parte integrante da criação, depende também dessa energia
que garante a sua saúde, equilíbrio, harmonia e evolução.

Culturas antigas já tinham o perfeito conhecimento de que a saúde depende da


correta recepção, circulação e manutenção dessa energia. Estudos atuais sobre
mandaIas (utilizadas pelos indianos e que eram consideradas amuletos antigos
dos egípcios) demonstram o profundo conhecimento que os antigos possuíam
sobre os campos de energia áurica, bem como dos métodos de manipulação e de
seus efeitos. No livro dos mortos egípcios, faz-se referência à fabricação de certos
amuletos, bem como de sua forma mágica que eram colocados sobre a cabeça
das múmias com a finalidade de reter a forca vital.

Já o livro dos mortos tibetanos (Bardo Todal Budista), faz referência a um ponto
de recepção e transmissão energética, localizado na junção sagital (abertura para
os nervos), que penetra no crânio, na coroa da cabeça.

Tansley este interpretou que o fluxo de energia é outro fator importante a


considerar. Não basta somente aplicar energia no chakra; é preciso saber também
se ela flui para a glândula endócrina correta e daí para os sistemas de órgãos
governados pelo chakra em questão, como também se ela circula através dos
veículos.

145
Existe um grupo da terapia radiônica que afirma que chakra coronário não deve
ser tratado. Esta concepção não se faz fundamentada. A idéia deve ter surgido a
partir do entendimento de ser o chakra coronário o centro, a partir do qual o ser
espiritual interior governa o eu inferior. Todavia, isso jamais se constituiria em um
obstáculo que impossibilitaria o tratamento. A imposição das mãos ou mesmo o
ato de abençoar uma pessoa envolve ambos, posto que se executado
corretamente, se dá a passagem das energias superiores, invocadas através do
centro da cabeça (chakra coronal). É através desse chakra que se dá a entrada
ideal da energia cósmica e pode despertar a vontade espiritual de qualquer
indivíduo.

Ligado a glândula pineal, temos o centro psíquico superior, que para muitos é a
sede da alma ou terceira visão. No entender de muitos, nos dias atuais, ela coloca
nossa consciência finita em contato com a consciência infinita do Cosmos, que se
manifesta nos milagres da natureza bem como nas funções do nosso corpo
(microcosmo), que nao controlamos conscientemente, tal como a respiração, a
digestão, a autocura, etc. A ver de muitos, talvez seja mais importante sua
influência nas funções psíquicas, bem como o equilíbrio psicológico do ser
humano.

Todavia, é bom saber que, mesmo quando o homem estiver em perfeito equilíbrio
energético, ainda assim poderão surgir doenças ou mesmo desequilíbrios
psíquicos ou psicológicos advindos de hábitos incorretos, seja de conduta ou
pensamento, ou mesmo até como conseqüência das energias externas que o
atinge, sejam elas oriundas de qualquer fonte.

David V. Tansley, no seu livro “Dimensões da Radiônica", ilustra o princípio acima


citado quando explica que às vezes existe uma causa para muitas manifestações
físicas de doenças, sendo que na maioria das vezes, ela se encontra no aspecto
psíquico ou psicológico na mente da pessoa.

Hoje temos inúmeras publicações onde se observam os sintomas ou, o que


pensamos, onde em contrapartida se destaca a relação de pensamentos para
nosso estado imunológico. A autora Louise Hay, em seus vários livros, nos propõe
pensamentos corretos para um equilíbrio perfeito, bem como para um corpo
saudável.

O sistema interligado: tampouco a psiconeuroimunologia tem respostas claras.


Mas o que ela postula nos últimos anos é fascinante, pois reza que qualquer coisa
acontecendo no cérebro é observada pelo sistema imunológico. Se é estresse ou
desespero, bem-estar e felicidade, as células imunes sabem e, dependendo do
caso, sua ação é diminuída ou aumentada. Os mensageiros da informação para o
cérebro/sistema imunológico trabalham com substâncias pequeninas; os
neurotransmissores e os peptídeos. Até o momento foram descobertos mais ou
menos 70 deles, porém existe a probabilidade de existirem algumas centenas.
Eles sao produzidos pelo cérebro e se instalam em determinados lugares,
chamados receptores, na superfície das células imunes.

146
O cérebro de uma pessoa depressiva libera grande quantidade dessas
substâncias transmissoras, que por sua vez também deprimem as células imunes.
O principio é muito simples: nosso sistema imunológico é feliz quando estamos
felizes e, triste quando estamos tristes. O programa contido na cabeça se projeta
em nosso estado de saúde.

O cérebro ouve tudo que acontece no sistema imunológico. Mas como sabemos
hoje, as células cerebrais e os glóbulos brancos falam a mesma língua molecular
e sabem tudo uns sobre os outros. Porque a criação das substâncias
transmissoras não é monopólio do cérebro: o sistema imunológico também é
capaz de produzir hormônios de estresse e liberando até a endorfina, analgésico
próprio do corpo. Do mesmo modo, dos intestinos, estômago ou rins são liberadas
substâncias transmissoras que influenciam nossas emoções e pensamentos.
Literalmente, emoção tem pouco a ver com a cabeça, e mais com a barriga.

Aquela totalidade tão freqüentemente postulada já assume agora formas


concretas. Através dos neurotransmissores e dos peptídeos, tudo é ligado a tudo.
As conseqüências dessa descoberta são revolucionárias. Um corpo capaz de
influenciar o cérebro, cuja atividade pode ser observada por cada célula - esta
fantástica rede psicossomática - não tem mais muito a ver com o organismo
tratado pela medicina ortodoxa. A divisão em sistema nervoso, imunológico
digestivo, hormonal, em todo caso, vale apenas parcialmente. Até Candice Perth,
uma hiperortodoxa bióloga molecular muito conhecida nos Estados Unidos, já fala
em corpo-mente. Também por aqui as paredes estão desmoronando...

Mas o cavalo tem um cavaleiro. Como a consciência interfere nesse processo?


Como começar aquela reação em cadeia psiconeuroimunológica?

Como o cérebro traduz nossos pensamentos e emoções num padrão de


neurotransmissores e peptídeos? A resposta ainda é a de sempre: não sabemos.
Porém estamos mais próximos de descobrir o segredo.

O mais fascinante das substâncias transmissoras moleculares é que elas são


flexíveis e diferenciadas o bastante para projetar imediatamente processos
mentais no nível físico. Sao os mensageiros sutis do corpo, agindo nas fronteiras
entre os mundos.

A contribuição da ciência atual, com suas pesquisas na área da física quântica,


lança luzes de inestimável valor, tanto que confirma cada vez mais a validade do
conhecimento das civilizações milenares, que a sua época já manipulavam as
energias que muitos apresentam como novas descobertas.

Analisando alguns dos desequilíbrios mais comuns nos dias atuais, a tensão
nervosa, bem como suas conseqüências, notamos que a pessoa nervosa não tem
paz nem tranqüilidade mental, pois está constantemente em tensão física, logo
não consegue soltar seu corpo e tampouco relaxar. Suas energias se consomem
pela manutenção dos nervos tensos. Portanto, seu estado mental é agitado,

147
permanecendo em estado constante de alerta, liberando adrenalina no seu
sangue e veneno psíquico na sua aura que se desarmoniza, afastando a pessoa
da freqüência da força vital ou energia cósmica.

Até sua coloração muda podendo a partir daí ser observada a cor correspondente
ao seu estado de desequilíbrio, inclusive tornando esta pessoa desagradável, uma
vez que polui, com sua aura, o ambiente que a circunda.

As pessoas sensitivas e esclarecidas no assunto percebem conscientemente, ou


mesmo inconscientemente, por pessoas que não entendem o assunto, pois
sentem aquela sensação desagradável quando estão na presença de pessoas
desequilibradas e, muitas vezes tornam-se vítimas de sua influência.

Não se pode deixar de reconhecer o extraordinário conhecimento que os povos


antigos possuíam. Além de conhecer a importância da recepção energética
correta, sabiam ainda manipulá-la para preservar o equilíbrio físico e psicológico
através do estado de harmonia com as energias superiores e, como resultado, o
sistema imunológico e o corpo físico.

A partir da primeira respiração, o ser recebe a energia que penetra pelo seu centro
psíquico superior, desta forma se individuação do ser com a freqüência da energia
cósmica do momento.

Aura humana e saúde

Aura é um campo magnético que circunda qualquer tipo de matéria. Na matéria


inanimada, ela mede mais ou menos 2 cm e é comumente chamada de “efeito
coroa”, fácil de visualizar e até fotografar. No caso dos seres vivos, encontramos a
aura própria do corpo físico, ou seja, da matéria e, além desta, existe um campo
de energia bastante sutil de tamanho e freqüência variável.

Sabemos que o homem é muito mais que um corpo físico denso e material. Nele
interagem outros corpos de natureza sutis e inúmeros tipos de energia que
recepciona, modula, e que nele circulam para que se manifeste a vida.

Existe, no homem, uma manifestação de energia. Este fluxo de energia é a força


vital que o animará desde o nascimento, até sua passagem. Hoje, esta força é
vista e constatada através da foto Kirlian de um ser vivo, onde se vê o campo
áurico.

Todavia, num ser sem vida, este campo não existe. É de conhecimento geral que
a máquina Kirlian ainda não possui a sensibilidade para fotografar as demais
energias sutis que campõem a aura, pois devido à sua limitação, só demonstra as
freqüências mais grosseiras. No entanto, através dela é possível constatar as
mudanças provocadas na aura, seja pelos estados físicos, seja pelos emocionais.

148
A radiestesia, através de seus instrumentos, pode medir a aura, além, inclusive,
de diagnosticar diretamente os estados de saúde, tanto os físicos, como os
estados subjetivos e suas influências no aspecto emocional ou mental.

Hoje sabemos que a doença manifesta-se primeiro na mente, depois na aura e,


por fim, no físico. Através do diagnóstico sobre a aura, podemos detectar os
desequilíbrios quando os mesmos se encontram no estágio mental, ou seja,
energético, ou ainda, quando ainda não se manifestaram no corpo físico.

Radiação

Muitas foram as teorias elaboradas para explicar os movimentos dos pêndulos e


das varetas radiestésicas. Acreditava-se, no passado que o fenômeno ocorria sob
a ação de forças sobrenaturais.

Na França, na década de sessenta, o físico Yves Rocard descobriu que o corpo


humano possui sensores magnéticos da ordem de 5 gamma, ou seja, 10.000
vezes menor que o campo magnético terrestre. Conforme Yves Rocard: “Existem
radiações emitidas pelos corpos, e isso é questão pacífica e a física (atômica,
molecular e nuclear), nos prova que de cada corpo emanam radiações, cujas
ondas são tanto mais curtas quanto mais altas forem suas temperaturas”.

Foi penetrando no mundo atômico, que o homem descobriu uma variedade


abundante de irradiação, pelo fato de os átomos se comporem de elétrons,
prótons, nêutrons e outras partículas, que sofrem contínuos deslocamentos e
combinações com elementos e partículas de outros átomos. Portanto, existe uma
contínua intercombinaçao química.

Também hoje é do nosso conhecimento que toda atividade mental emite


irradiação, ou seja, as mais variadas ondas que foram comprovadas amplamente
através de eletroencefalogramas. As emanações energéticas da nossa mente
provocam uma variada gama de fenomenologia psicoenergética, que a
parapsicologia já comprovou.

Sem dúvida, sabemos que nosso sistema nervoso é estimulado continuadamente


pelas mais diversas e variadas gamas de radiação que nos rodeiam e que, através
do sistema nervoso, sao levadas ao cérebro.

Para a maior parte das pessoas estas ondas passam desapercebidas, todavia, no
momento em que a nossa mente se coloca em sintonia com elas, o nosso cérebro,
através dos nervos eferentes, pode transferir essas captações ao pêndulo ou a
varinha, imprimindo-lhes variados movimentos, que transistorizam as mensagens
do inconsciente para o nível consciente.

Existem duas tendências na prática da radiestesia: a física e a mentalista:

149
• A física tem por norte os conceitos formulados, sobretudo pelos abades
franceses Bouly e Mermet. Esses conceitos são: raios, ondas e cores
emitidos pelos objetos e seres e orientados em função dos pontos cardeais
e do campo geomagnético.

• Os radiestesistas da tendência mentalista criticam os da física, porque


muitas vezes o comprimento de onda, a cor e o raio fundamental
característico de um objeto diferem, segundo o operador. A tendência
mentalista considera que a convenção mental que precede a pesquisa é o
que atua no inconsciente do operador, causando as reações responsáveis
pelo movimento do pêndulo ou da vareta. Os radiestesistas que praticam a
chamada radiestesia de ondas de forma aliam as duas tendências, sendo
chamados de fisicomentalistas.

A atitude mental, mesmo quando o operador trabalha com a radiestesia física, não
se pode afastar da interação de sua mente e de suas interações com o processo
radiestésico.

É importante, para o êxito de uma pesquisa, que o operador saiba se utilizar seu
psiquismo, assumindo atitudes mentais adequadas.

Existe uma total e perfeita interação entre o radiestesista, seu pêndulo e o objeto
da pesquisa. Para desenvolver um trabalho adequado, deve-se sempre partir de
uma convenção mental clara e invariável. Logo o objetivo da pesquisa deve ser
bem definido e o radiestesista deve concentrar toda a sua atenção e vontade na
busca de um resultado eficaz.

Após a concentração, o radiestesista assume o estado de espera passiva, durante


o qual a mente deve ficar absolutamente neutra.

O processo radiestésico é baseado, totalmente, em um sentido especial do


operador. Todavia, o sentido radiestésico é inato no homem e o radiestesista
apenas o tem mais desenvolvido, devido a um treinamento sistemático.

Segundo Malcolm Rae, radiestesista e radionicista inglês, o sentido radiestésico


funciona no nível intuitivo e deve ser expurgado, o máximo possível, de
intromissões do intelecto e da imaginação. As respostas obtidas podem provir do
próprio operador (seja do subconsciente ou do inconsciente), do inconsciente
coletivo, ou da chamada memória da natureza, ou ainda da Mente Divina.

Ao ver de muitos, o radiestesista é considerado como um sensibilíssimo


ressonador-oscilador, capaz de funcionar em variadas faixas energéticas
emanadas tanto do Macrocosmo quanto do Microcosmo.

Devido à sensibilidade desse maravilhoso biocomputador, diversas influências


internas e externas podem afetar os resultados, de uma pesquisa radiestésica.

150
Destaque-se algumas delas:

• Interferência mental consciente;


• Fadiga mental ou física;
• Estados emocionais;
• Doenças;
• Interferências advindas de emissões estranhas ao objetivo da pesquisa
sejam de origem física, psíquica e ou espiritual.

É de bom tom trabalhar sozinho, ou seja, o operador não deve trabalhar na


presença de pessoas suscetíveis, hostis, doentes, negativas ou emocionalmente
desequilibradas, pois tais pessoas podem, mesmo sem querer, provocar, seja por
telepatia ou vampirismo energético, a neutralização, mesmo que temporária, das
faculdades radiestésicas do operador.

Sao condições para uma perfeita operação radiestésica:

• Estados físicos tranqüilos, relaxados;


• Ambiente calmo, não perturbador;
• Correta postura física na manipulação dos instrumentos radiestésicos;
• Perfeita convenção mental - esta convenção é aquela que o operador
estabelece consigo mesmo sobre as indicações fornecidas pelos seus
instrumentos radiestésicos, bem com a sua interpretação. Esta convenção
não dispensa o uso do testemunho, que deve estar totalmente desprovido
de qualquer caráter supersticioso.
• Interrogações mentais, que é o complemento da expressão do desejo e,
que por sua vez amplia o campo de pesquisas, permitindo, assim, maiores
detalhes e grande precisão nas respostas obtidas.
• O estado do operador, tanto passivo quanto de espera, é um estado em
que o operador deve eliminar por completo a noção do mundo exterior,
devendo persistir a idéia bem como a visão do objetivo de sua pesquisa.
Este estado de neutralidade subjetiva é o que permite a sintonização bem
como a captação das respostas procuradas. Dizem, alguns radiestesistas,
que este estado é obtido facilmente com as práticas feitas através de
meditação e relaxamento.

O processo de perguntas e respostas, como o método utilizado pelo médico e


radiestesista inglês Aubrey Westlake, demonstrou a seguinte descoberta no
processo radiestésico: forças etéricas formativas, sistema nervoso autônomo,
músculos voluntários, movimento pendular, como seqüência. Através deste
método, o operador usa o intelecto na formação das questões e na avaliação das
respostas e usa a intuição, através da faculdade radiestésica, todavia é bom não
esquecer que a radiestesia faz uso da faculdade supra-sensorial do tato.

Para obtenção de bons resultados é necessário observar alguns parâmetros:

151
• Verificar a legitimidade da questão;
• Usar um pensamento claro, sem ambigüidade na formulação e usar as
palavras mais adequadas, logo expressando mais claramente o
pensamento e,
• Usar o intelecto para verificar o sentido das respostas.

Ressonância

Vibração energética que se provoca num sistema oscilante quando atingido por
uma onda mecânica de freqüência igual a uma de suas freqüências próprias;
reforço da intensidade de uma onda pela vibração de um sistema que tem uma
freqüência própria igual à freqüência da onda, ou ainda: transferência de energia
de quando a freqüência do primeiro é própria do segundo.

Um sistema oscilante para outro, coincide com uma das freqüências. Esta palavra
é usada na física para "designar um fenômeno de simpatia entre dois elementos
iguais".

Este fenômeno nosso se a cada instante, por exemplo, quando sintonizamos


nosso rádio e a emissora, onde ambos estão em ressonância, isto apesar da
emissora ter sua freqüência.
A ressonância pode produzir efeitos de grandes proporções e, será através dela,
que o trabalho radiestésico funcionará, pois, ele sintoniza-se com o seu emissor,
receptor ou amplificador.

Os três fenômenos básicos no campo das radiações são: o emissor, o receptor e o


amplificador, pois são eles que explicam com muita perfeição o fenômeno
radiestésico.

Advinda do estudo do elemento químico "Radium", tem por hipótese que todos os
corpos, sem exceção, emitem radiação. Logo, se os corpos emitem radiação,
outros a recebem e poderão ampliar estas ondas radiestésicas.

Para a recepção das ondas radiestésicas é bom ter-se em mente que a


superioridade da inteligência não deixa de ser menos evidente e menos rica. O
cérebro é um receptor de todas as ondas. Ele pode captar, também, as ondas
infracurtas como as ultralongas.

Os neurônios recebem, cada um de per si, dez mil informações por segundo,
portanto, detectar uma radiação é pôr o cérebro em ressonância com um
comprimento de onda, escolhido propositadamente, em vista de determinado
interesse.

152
Portanto, a detecção consiste em estar num estado de ressonância, o qual
possibilitará ao cérebro passar a vibrar também segundo o comprimento das
ondas emitidas por em determinado corpo.

Radiestesia

Radiestesia é a sensibilidade especial de captar certas radiações (todas as


radiações). Podemos dizer, também, que é uma faculdade do homem que,
acrescida de técnicas e disciplinas aplicadas através de todos os tempos tem
alcançado um grau de desenvolvimento que permite realizar qualquer tipo de
investigação, seja qual for sua natureza.

Todos os corpos existentes na Natureza desprendem emanações que são os seus


corpúsculos imponderáveis. Essas emanações fluídicas e infinitesimais, com
certeza, passam despercebidas as pessoas, pois, não existe um dispositivo
especial, ou mesmo um órgão para captá-las na forma de ondas eletromagnéticas,
como mais propriamente elas se desprendem de todos os materiais e seres vivos.
O radiestesista é um captador destas ondas eletromagnéticas emitidas pelos
objetos e seres vivos, servindo-se da varinha ou da forquilha. Pelas oscilaçoes
positivas ou negativas dos pêndulos feitos de madeira, metal, cristal, etc., ele
intercepta as ondas eletromagnéticas emitidas dos alimentos, minérios, objetos,
medicamentos, lençois de água do sub-solo, animais e homens; enfim, de todas
as substâncias que podem lhe servir de elementos para obter surpreendentes
diagnósticos.
Quando o radiestesista está preparado, seja com sua varinha, seu dual road, seu
aurimetro ou seu pêndulo, passa a ser semelhante a um aparelho receptor de
radio, em que seu braço funciona como antena. Estes aparelhos sao detectores
que transmitem e ampliam os movimentos espontâneos produzidos pelas
emanaçoes, ondas radiantes ou magnéticas que exumam dos corpos (latim:
exumar = humus - terra = tirar da terra).

Através da conformidade de suas oscilaçoes, seja no sentido positivo ou no


negativo, ou entao a mobilidade dos pêndulos que se movem pelo magnetismo, o
radiestesista comprova e assinala as condições favoráveis ou dos objetos ou das
pessoas que examina.
Radiestesia é, portanto, a arte de captar radiações.

A vara foi precursora do pêndulo usado hoje na radiestesia e encontrava-se na


maioria dos povos da antiguidade, como um símbolo de força, poder ou sabedoria.

Radiestesia é um método simples e admirável de decodificar as respostas


solicitadas ao Inconsciente que, sob o comando da vontade, manifesta-se através
dos movimentos do pêndulo e dos demais aparelhos radiestésicos.

Esta prática, seja do uso do pêndulo, seja do uso da varinha, é milenar e remonta
a velha China, aos hebreus e aos egípcios, como já citado.

153
Temos conhecimento que esta arte, por assim dizer, foi praticada por pessoas de
senso comum, que aceitavam suas respostas como se fora um oráculo,
comprovavam os seus efeitos, todavia nao questionavam a essência dos
fenômenos.

Estes fenômenos eram tidos como sobrenaturais, uma vez que ainda nao se
conhecia a parapsicologia, que hoje explica os muitos fenômenos que
conhecemos.

Salienta a história, que muitos pesquisadores do passado procuravam uma


hipótese ou mesmo uma teoria adequada aos fenômenos ditos radiestésicos, sem
contudo chegar a um esclarecimento cientifico, que é fruto deste nosso século. A
mente humana é estudada sob diversos ângulos e entao descobre-se um imenso
oceano ainda inexplorado: o Inconsciente, fonte de todas as manifestações, até
entao inexplicáveis.

Assim, a Radiestesia encontra justificativa na própria natureza do homem que,


sendo um todo matéria-espírito, se expressa e percebe a si mesmo e ao mundo
externo, a partir de dados físicos. Essa expressão e percepção utilizam, como
meio, radiações por demais sutis, que sao captadas apenas em nível do
inconsciente, onde ficam armazenadas as mínimas e todas as informações que
recebemos.

Hoje sabemos que esse imenso transceptor que é a mente humana, está imerso
num grande mar de radiações, posto que todo corpo emite energia e todo o
pensamento também se expressa em forma de energia e, isto nos faz desejar
saber e utilizar com grande porcentagem as informações registradas no
inconsciente. Todavia, é aparentemente muito difícil trazer essas informações
registradas, no momento necessário, pois, ela surge às vezes, apenas em
momentos furtivos e mesmo inesperada.

A radiestesia é uma porta segura para a quarta dimensão e um horizonte novo


aberto, onde podemos obter informações que emergem do espaço e do tempo. A
genialidade do inconsciente se revela altamente eficiente, na solução de
problemas de toda espécie.

Mas isso deve ser conquistado. Resulta da exploração e treinamento de si


mesmo. Requer orientação especializada.

Radiestesia – A evolução

Nos primeiros anos deste século, o abade Bouly criou a palavra Radiestesia, para
descrever o uso do pêndulo. Procurou unir duas palavras de etimologia distintas:
sua união vem do latim: Radius, que significa radiação com a palavra grega

154
Aesthesis: sensibilidade. Portanto, temos a palavra assim definida: sensibilidade à
radiação.

A partir dos abades Bouly e Mermet houve o incentivo ao desenvolvimento do


conhecimento científico, das muitas formas e situações que permitiam o uso do
pêndulo, particularmente as aplicações no campo médico. Afirmavam, porém, ser
o pêndulo um instrumento dos mais sensíveis, posto que é utilizado para
comunicação com o mais profundo do nosso ser, que se acha obscurecido pelo
medo, pela ignorância e pelos preconceitos acerca de nossa natureza e do
universo em que vivemos e, é justamente essa parte de nosso ser que conhece a
verdade, porque ela é a verdade.

Esses níveis mais elevados não são condicionados a tempo e espaço e são
dotados de poderes que nós não compreendemos ainda.

Quanto mais nos ligarmos com eles, mais a energia que deles emana fluirá
através de nós e encherão de poder e sabedoria as nossas mãos.
Copen nos afirma que a radiestesia pode e deve ser empregada em muitos
campos científicos, tais como na geologia, usada para prospecção; na utilização
em plantações agrícolas para os fazendeiros; os horticultores, no cruzamento das
espécies. Todavia, a mais valiosa aplicação se encontra junto à pesquisa clínica e
o respectivo tratamento médico.

Apesar de toda perseguição, por volta dos idos anos de 1910, o Dr. Albert
Abrams, médico americano, publicou um livro sobre a ciência da radiestesia
médica. Abrams, fazendo uma consulta em um paciente acerca de um ponto
dolorido no lábio inferior, que tinha aparecido há mais ou menos dois meses,
começo a examiná-lo e notou, na região abdominal, um som surdo e opaco, que
sugeria a existência de um tumor.

Abrams mandou que o paciente se deitasse em um divã e ficou surpreso ao notar


que não havia tumor algum que pudesse apalpar.

Pedindo que o paciente se levantasse e ficasse no lugar onde estivera e,


examinando-o novamente, obteve o mesmo som surdo e opaco. Como o paciente
estava frente ao sol poente, lhe incomodando a visão, mandou que se virasse e
ficou de frente para o Norte, quando então o Dr. Abrams percutiu novamente e o
som surdo foi substituído pelo som característico.

A partir de então, Abrams começou a compreender que o corpo humano é, na


realidade, uma espécie de estação de rádio, enviando mensagens, a partir de
cada célula, tecido ou órgão e, que o pêndulo pode captar tais radiações, bem
como determinar se a vibração representa doença ou saúde.

Bovis fez inúmeras experiências com o pêndulo e, dentre eles, com alimenttos, a
partir do que definiu que a terra tem correntes magnéticas positivas, que fluem do
norte para o sul e, negativas, de leste para oeste.

155
Afirmava Bovis que correntes magnéticas sutis afetavam todas as estruturas sobre
a superfície da Terra. Dizia ainda, que qualquer corpo colocado entre o eixo norte-
sul, resultaria menos ou mais polarizado e que os corpos humanos eram afetados
por essas linhas magnéticas de força, confirmando assim, a teoria de Abrams.
Com certeza, já há muito tempo confirmado, sabemos que vivemos num mundo
energético. Cada organismo se acha cercado de toda espécie de energia,
algumas são benéficas, outras não, ou seja, são totalmente destrutivas.

Nossa sobrevivência advém dos desenvolvimentos dos meios através dos quais
passamos ou possamos distinguir essas energias. As sensibilidades existentes
nos seres chamadas inferiores nos fazem refletir; notamos que as plantas
desviam-se de pessoas dotadas de radiações hostis a elas; os animais percebem
quando o perigo está próximo. Mesmo os seres humanos vacilam ante a sensação
desagradável ou dolorosa.

Toda matéria parece possuir uma inteligência inata, que se manifesta sob a forma
de uma percepção primária acerca de que normalmente é bom ou ruim para a sua
estrutura. Nos parece que os seres humanos têm desenvolvido essa capacidade
até o mais alto nível, mas não se acham conscientes dela durante a maior parte
do tempo; ignoram essa sensibilidade e desconhecem o que se passam nos
outros níveis de consciência.

Muitas vezes estamos em determinados lugares e sentimos uma sensação de


desconforto, sentimo-nos irritados, inquietos, mas não damos importância e
continuamos no mesmo lugar. Mas essa reação é, com certeza, um sinal do
sistema nervoso, dizendo-nos que a atmosfera e a energia local não são
favoráveis.

Com certeza qualquer coisa mais profunda em nós, de mais básico e real, está
registrando uma energia, seja positiva ou negativa, e nos comunica esta
informação, através do sistema nervoso. O sistema nervoso parece funcionar tal
como um computador dos mais sensíveis, ou seja, um computador cósmico, unido
a uma aparelhagem cósmica da mais alta sensibilidade. Todavia, o sistema
nervoso sensível e bem adestrado, não precisa de nenhum recurso externo para
obter as informações que deseja.

Com certeza receberíamos a resposta como uma sensação física. Infelizmente,


porém, não chegamos a desenvolvê-lo a este ponto. Compreende-se, então, que
necessitamos de meios auxiliares para amplificarmos os sinais que nossos nervos
desejam comunicar-nos e, esta é a função do pêndulo.

Sabemos que não é o pêndulo em si mesmo que nos dá a resposta, mas sim
nossa própria inteligência e/ou consciência superior mais íntima que se comunica
através do sistema nervoso, que nos dá sinais. O pêndulo amplia a sinalização e
permite-nos interpretar o sentido, através dos códigos estabelecidos entre nossa
alma consciente e a subconsciente.

156
Os radiestesistas sentem a resposta (em termos de freqüência de registro) na sua
mão ou em seu braço, ou no corpo inteiro, mas isso ocorre após um prolongado
treinamento. Assim, quando o operador do pêndulo segura o seu instrumento
sobre um objeto ou uma pessoa (no caso de tratamento médico), o que ele está
fazendo, na realidade é medir a interação de um dado campo de força com o seu
próprio sistema nervoso.

Nao se faz necessários termos objetos ou pessoas materialmente presentes, para


conseguirmos leituras precisas, pois, mesmo à distância, os resultados serão
positivos. Mermet conseguiu descobrir água e mineral à distância, mantendo o
pêndulo sobre o mapa de determinado território.

Verne Cameron, o inventor do aurameter foi impedido de sair de seu país, ser
considerado um risco para segurança nacional. Ele, usando um pêndulo sobre
mapa, numa demonstração para almirantes da marinha norte-americana, localizou
com precisão, as posições de todos os submarinos no Pacífico, sendo, também,
capaz de distinguir entre submarinos americanos e russos (seu País e os USA).

No que tange o efeito distância, podemos comparar ou explicar da seguinte forma:


a mente opera como uma combinação de freqüências, na função receptora e
transmissora (neurônios). Uma pessoa treinada que pode se concentrar e manter
a concentração de seu pensamento sobre um objeto particular entra em sintonia
com esse objeto na mesma faixa de freqüência, porém sabemos que a atenção e
a concentração são os instrumentos de sintonização da mente; as estações
transmissoras são objetos e pessoas que estão constantemente irradiando
freqüências de energia.

Todavia, quando há perturbações elétricas, por exemplo, em tempestades e


relâmpagos, etc., ocorrem interferências na nossa recepção de freqüências. Algo
semelhante ocorre quando temos problemas dentro de nossas mentes e corações,
ou ainda, quando acontecem certas influências planetárias, que perturbam o
equilíbrio elétrico da atmosfera mental.

Resolver problemas da estática em nossas mente, requer adestramento e


disciplina. Exige, com certeza, capacidade de controlar e focalizar. Esta é a parte
mais difícil do uso do pêndulo; devemos adquirir controle mental e emocional, para
termos confiança nas leituras pendulares.

Radiestesia Física

Um método clássico de radiestesia física é o do abade Mermet. Sua tese


fundamental é de que todos os corpos emitem ondas e radiações, cujo campo de
atuação (campo radiestésico) produz no corpo humano determinadas reações
nervosas que geram uma espécie de corrente que se desloca pelas mãos.

157
O fluxo invisível é o que movimenta o instrumento radiestésico. Os conceitos
estabelecidos por Mermet foram:

• RAIO FUNDAMENTAL: é um ângulo invariável tal é constante e o do corpo.


(RF): é emitido por todo corpo e sua direção forma com a direção norte-sul.
Seu ângulo com a horizontal é constante, e o comprimento de onda emitido
é proporcional à massa.

• Obs: Segundo os manuais de radiestesia, o raio fundamental é um raio que


cada substância produz em uma direção fixa, caracterizando-a de modo
exclusivo.

• RAIO MENTAL OU CAPITAL (RM ou RC): é o raio que vai do objeto ao


cérebro do operador. E' através dele que o radiestesista detecta a presença
do objeto procurado e determina sua natureza, direção, distância e
profundidade.

• RAIO TESTEMUNHO OU RAIO DE UNIÃO (RT ou RU): já foi bastante


comprovado que todo corpo emite um raio para o outro corpo da mesma
natureza. Dois objetos sempre estão unidos pelo raio testemunho e, por
isso, os testemunhos sao tão usados em radiestesia.

• RAIO VERTICAL (RV): este raio é emitido na vertical do corpo. As


anomalias geomagnéticas sempre anulam sua emissão. Os gráficos
emitem neste raio.

• SÉRIES E ROTAÇÕES: aqui encontramos a rotação hidromineral. Todavia


sabemos que cada corpo produz no pêndulo um certo número de
oscilações seguidas de um mesmo número de rotações. Cada corpo ou
elemento possui seu número de série. Quando dois corpos têm o mesmo
número de série, eles podem ser distinguidos pelo seu raio fundamental.

• SUPERFÍCIES E LINHAS MAGNÉTICAS: cada corpo animado ou


inanimado é envolvido em toda sua superfície por um número de camadas
magnéticas igual ao seu número de série. Quando observamos estas
camadas em um corte horizontal iremos detectar as linhas correspondentes
a cada camada. Por isso encontramos sete linhas paralelas à margem de
um rio, pois este é o número de série da água e as sete camadas envolvem
a água do rio por cima, por baixo e em suas laterais. Se o corpo é pequeno,
estas linhas assumem a forma de círculos concêntricos.

• IMAGENS RADIESTÉSICAS: são radiações reflexas que circundam o


corpo de modo anômalo. São intensas nos dias tempestuosos ou com sol
forte demais e diminutos à noite e em dias nublados. As imagens
radiestésicas sempre induzem a erros e são de intensidade decrescente, ao
passo que a radiação própria do corpo tem intensidade constante. Estas

158
imagens são destruídas pelas pontas, bastando segurar algo pontudo
mantido na vertical, com a mão livre. Podemos usar um lápis, uma agulha
fincada em uma rolha, ou até mesmo um alfinete.

Aplicações da Radiestesia

A radiestesia pode ser aplicada em todo e qualquer ramo do conhecimento


humano. Sempre que se queira obter uma resposta ou encontrar algo, (objetos,
pessoas desaparecidas, etc.), - em qualquer atividade, pode-se lançar mão das
diversas técnicas radiestésicas. Abaixo segue algumas das possíveis aplicações
da radiestesia:

• Prospecção hidromineral. Permite a localização de água, petróleo, gás


natural, pedras preciosas e jazidas minerais.

• Pesquisa arqueológica. Permitem a localização e recuperação de objetos,


peças arquitetônicas e documentos históricos de civilizações
desaparecidas.

• Pesquisa em geobiologia. Permite a detecção e análise das ondas nocivas


emanadas do subsolo, das construções e dos objetos.

• Pesquisa bioarquitetônica. Permite a construção de ambientes eubióticos a


partir da pesquisa geobiologia. (Eubióticos: que vive bem).

• Pesquisa psicológica. Permite avaliar talentos, aptidões, potencialidades


mentais, distúrbios de personalidade, etc.

• Pesquisa medica e veterinária. Permite o diagnóstico de distúrbios e


doenças e a escolha da terapia mais adequada a cada caso.

• Pesquisa homeopática. Permite ao médico homeopata selecionar o


medicamento simílimo e determinar a potência ideal para cada caso.
Permite também determinar a posologia e, ainda, os horários de
administração do medicamento e o tempo de duração do tratamento.

• Pesquisa criminalística Permite a localização de infratores, criminosos,


desaparecidos, seqüestrados, cadáveres, e bens e dinheiro perdidos,
escondidos ou enterrados.

• Pesquisa agrícola e ecológica. Permite a análise do solo, escolha de


adubos, seleção de sementes e mudas, orientação e combate às pragas, a
detecção de agentes poluentes na água, ar e solo e a determinação de
métodos de combate a qualquer praga, permitindo também o encontro de

159
soluções eficazes no controle de espécies daninhas e na proteção de
espécies em extinção.

• Pesquisa das atividades dos chakras principais do corpo humano.

• Pesquisa da condição de saúde humana e de seus centros energéticos


(chakras).

Radiônica

A radiônica ou psicotrônica é uma ciência que, de forma interdisciplinar, estuda os


campos de interação entre as pessoas e seus ambientes e os processos
energéticos envolvidos. A psicotrônica reconhece que a matéria, a energia e a
mente estão perfeitamente interligadas.

Os conhecimentos para detectar, registrar e analisar as manifestações de


energias presentes na natureza já era de domínio dos antigos Egípcios, Atlantes e
seus antecedentes do continente de Mu, sendo que a maior de todas as provas é
a Grande Pirâmide, o maior de todos os aparelhos psicotrônicos até hoje
fabricados.

O grande pesquisador tcheco Robert Pavlita baseou seus estudos em antigos


manuscritos e papiros egípcios, construindo inúmeros geradores (pesquisas
psíquicas atrás da antiga Cortina de Ferro). Não se sabe exatamente os segredos
de construção desses aparelhos. Em geral são feitos de aço, ferro, madeira e
alguns incluem até pedras preciosas e metais nobres, sendo todos combinados
tecnicamente.

As formas desses aparelhos sao variadas e nelas é que reside o maior segredo de
seu funcionamento.

Apesar de ser a piramidologia a mais conhecida dentre os estudos da


psicotrônica, existem outros tipos de geradores psicotrônicos, ainda pouco
divulgados e que oferecem inúmeras vantagens.

Sao classificados em dois grandes grupos:

• Os Condensadores Eletro-Eletrônicos: são máquinas que operam baseadas


em sistemas eletrônicos, ópticos ou mecânicos, que para seu
funcionamento usam energia elétrica. As primeiras máquinas que se
conheciam foram construídas na década de quarenta.

• Os Condensadores Cósmicos: este tipo de energia dispensa a energia


elétrica e engloba os geradores formados apenas por materiais específicos,
com formas precisas em suas dimensões. Por serem de fácil construção e

160
simples operação, é o grupo que mais nos interessa. Este tipo de
condensador realiza extraordinários efeitos, tanto físicos quanto químicos
ou biológicos, mesmo a grandes distâncias (fatores relativos como tempo e
espaço tem manifestação só a nível objetivo).

Pêndulo

O pêndulo tem sua origem na China e já era usado aproximadamente há 2.000


anos a.C. e, na própria Bíblia, há várias passagens constando instrumentos de
precisão captadores como, por exemplo, as varas de Moisés e de Jacó.

Definição: resume-se em um corpo suspenso por uma extremidade fixa, por um fio
flexível, de modo que possa oscilar livremente de acordo com a força da
gravidade, normalmente usado como regulador de movimentos de outros
instrumentos mecânicos como relógios e outros aparelhos de precisão. Portanto, é
uma massa suspensa por um fio. Assim sendo, qualquer objeto de qualquer
material suspenso por um fio, pode ser usado como pêndulo na prática da
radiestesia.

Utilização: o pêndulo é o instrumento básico da radiestesia, aconselhado inclusive


para o uso em laboratórios, por ser um instrumento de muita sensibilidade e
precisão. O pêndulo tem como objetivo captar e ampliar radiações de origem
interna e externa, ampliando impulsos nervosos imperceptíveis sem um
instrumento apropriado para este propósito.

Sao três os requisitos básicos para se operar o pêndulo:

• Tempo;
• Instrumento próprio e,
• Aplicação da inteligência.

Logo, o pêndulo é um aparelho de intercomunicação entre o consciente e o


subconsciente. Para tanto, devem-se criar uma linguagem própria entre os dois
conhecidos, pois o subconsciente só pode se orientar por sugestões de uma fonte
exterior.

161
O pêndulo possui uma linguagem pré-determinada; o começo do movimento de
comunicação se manifesta esperando sua concentração; movimento elíptico
positivo; movimento elíptico negativo.

Obs.: São importantes parâmetros para o radiestesista o adestramento do seu


subconsciente com exercícios periódicos, para uma perfeita intercomunicação
com o seu subconsciente.

O pêndulo sempre parte do estado de repouso para, aos poucos, começar a se


manifestar. Tais movimentos, através de reflexos nervosos não perceptíveis, são o
início, retos na direção Norte-Sul, que aos poucos adquire a forma elíptica no
sentido horário ou anti-horário, para novamente voltar ao estado de repouso, por
força da gravidade.

Pontos importantes:

O pêndulo responde a qualquer pergunta afirmativa ou negativa (sim ou não),


desde que se saiba formular a pergunta de forma objetiva e concisa.

Nunca se deve tomar partido de qualquer situação, pois, o seu sistema nervoso
pode se influenciar pelo seu sentimento.

Quando for operar o pêndulo, o sistema nervoso deve estar tranqüilo e estável,
pois se o radiestesista estiver agitado ou excitado, o pêndulo tentará se mover,
saltar ou dançar, dando uma leitura errônea das perguntas.

O pêndulo funciona com impulsos elétricos, não de deve provocar um curto-


circuito, cruzando as pernas, os braços ou as mãos.

Na operação pendular, evitar a proximidade redes elétricas ou aparelhos de alta


tensão, pois isso pode causar algum tipo de interferência. Nao esquecer que o
pêndulo é um amplificador elétrico do sistema nervoso.

162
Porque seu pêndulo trabalha no Universo Energético

Todo ser vivo ou matéria possui vários tipos de cargas de energias - negativas ou
positivas; construtivas ou destrutivas. Toda matéria possui, também, uma
inteligência primária que é usada para selecionar o tipo de energia benéfica ou
maléfica para ela.

Todos nós já passamos por experiências do tipo: quando entramos em um


ambiente qualquer e nao nos sentimos bem com outra pessoa; os santos batem
ou nao; existe ou nao simpatia. Isto não é premonição, mas sim energias que se
combinam ou nao - esta percepção funciona a nível consciente.

Somando a isso a energia de todo o universo, por isso, um sistema nervoso


sensível e devidamente adestrado nao precisará de nenhum recurso externo para
obter qualquer informação desejada. A pessoa que tiver tal sensibilidade terá
apenas que se concentrar na questão ou problema desejado e seu cérebro emitir
ondas para o infinito exterior, trazendo em seguida as informações desejadas.
Infelizmente, a maior parte das pessoas não desenvolvem esta sensibilidade, e
por isso precisam de um instrumento para ampliar e interpretar os sinais que o
nosso sistema nervoso está nos enviando.

Ao contrário da máquina mais aperfeiçoada, o cérebro humano tem possibilidades


absolutamente ilimitadas. Por diversas razões, apenas uma parte, ou seja, uma
das suas partes, bem pequena, funciona permanentemente. Na verdade, nao há
nenhum exagero em se afirmar que nosso cérebro está dormindo. A maioria das
células que o compõem permanecem adormecidas e sao vegetativas, no entanto,
estão à espera de um estímulo para serem conectadas e assumirem uma vida
ativa. Encontram-se a nossa disposição, porém é preciso solicitá-las, o que
esquecemos de fazer na vida diária.

Nao é preciso ser radiestesista para sentir as vibrações que emanam do corpo
humano, porém, às vezes, a situação muda de aspecto quando se trata de um
objeto, seja ele qual for, pois nós sabemos que estes objetos têm vibrações
próprias.

As aplicações da radiestesia sao ilimitadas. Os três mundos - mineral, vegetal e


animal - não passam de vibrações no imenso campo eletromagnético onde reina o
Norte. Graças ao cérebro, o corpo é um magnífico emissor-receptor dessas
vibrações.

Pode-se afirmar que o pêndulo é a antena que precisamos, às vezes, para traduzir
claramente as mensagens transmitidas permanentemente pelos corpos de onde
emanam tais vibrações".

163
Como utilizar o Aurameter

Criação de Verne Cameron e Max Free Long, este instrumento radiestésico é


utilizado para medição de campos de energias abstratas, geralmente não
detectáveis com instrumentos científicos. Sua construção é muito simples
tratando-se de um pêndulo preso à ponta de uma mola sensível.

Tendo-se sempre em mente a sensibilidade do operador e de seu conhecimento


na manipulação, o seu manejo é muito simples. O operador deve segurar
levemente o instrumento pelo local apropriado, com as pontas dos dedos,
mantendo o outro extremo (pêndulo) alinhado e na mesma altura dos dedos que
seguram o instrumento.

Impregnar a ponta com energia que se quer medir (o testemunho), como por
exemplo, a energia de uma pedra, ou a aura humana. Encostar a ponta por alguns
segundos em contato com o que se vai medir. No caso da aura humana, depois
de encostar de leve o instrumento na pessoa, levar o instrumento até próximo do
corpo, mantendo a mente numa atitude passiva, neutra, procurando não interferir
com os pensamentos, esperando a reação do instrumento. Após instantes, sentirá
ou observará uma força que, agindo sobre a ponta do instrumento, a afastará ou
colocará junto ao corpo. Acompanhe esta força, deslocando a mão e levando o
instrumento sempre alinhado. Quando essa força que tende a afastá-la e o
instrumento alinha a ponta, é sinal de que a energia que a repele chegou a seu
limite. A partir de então, temos o tamanho da aura humana da pessoa. O mesmo
processo pode ser usado para medir a energia dos corpos animados ou
inanimados, bem como outras energias abstratas.

Desta forma vamos percorrer com o aurameter o corpo de uma pessoa, que além
de medir a aura dos dois lados para verificação do equilíbrio, podemos com ele
detectar uma doença, bem como se aprofundar no estágio da mesma, ou seja,
quando ainda está somente a nível energético. Nas regiões equilibradas, o
pêndulo da ponta se afasta e, nas regiões em desequilibro, ele é atraído,
chegando a encostar a ponta no corpo.

Dual Rod – Seu uso e técnica

É um instrumento formado por dois arames montados sobre duas bases que
permitem a livre movimentação dos mesmos, garantindo, desta forma,

164
sensibilidade às influencias externas. Este instrumento usado em radiestesia serve
para detectar e determinar fluxos de energia.

Sendo a mente - o pensamento do operador - a maior força existente, será através


dela e de sua convenção que captará as energias que pesquisa, não se
esquecendo que o Dual Road opera como uma extensão da sua sensibilidade
(não esquecer que todos somos sensíveis, porém em diferentes graus).

Este instrumento deve ser segurado através de seu cabo, levemente, mantendo
os arames na horizontal, paralelos, separados aproximadamente de 4 centímetros.

Vários exercícios poderão desenvolver mais a sua sensibilidade. Seguem alguns:

• Segurando o instrumento como anteriormente citado, caminhe lentamente


conservando seus arames paralelos na posição horizontal. Normalmente, a
convenção (o acordo feito entre a mente consciente ou subconsciente e o
instrumento) mundial na interpretação é a seguinte: quando se dá o
cruzamento das varetas, existe ali a presença ou fluxo de energias, todavia,
quando examinamos o chakra coronário, seu cruzamento avisa que este
fluxo não está atuando plenamente. Todas as vezes que existe abertura
das pontas das varetas, o fluxo de energia é normal, ou está atuando bem.

• No que se refere à energia da terra, Dual Road determina com precisão o


ponto geopata, se este ponto se tratar das conhecidas Redes Hartmann e
Curry, ou mesmo de água subterrânea.

Com relação à Rede Hartmann, com o Dual Road em posição de trabalho é só


caminhar na direção Norte-Sul, sinalizando os pontos apontados pelo instrumento;
depois siga o percurso transversal Leste-Oeste. Estas linhas apresentam distância
de aproximadamente 3,20 m de espessura, dependendo do local e situação onde
se apresenta.

Já a Rede Curry projeta-se a 45 graus em relação às linhas magnéticas da terra,


tendo uma distância de até 4 m entre elas e possuindo 20 cm aproximados de
espessura. Esta linha é medida partindo-se de Nordeste-Sudeste e de Noroeste-
Sudoeste.

165
Bastão Atlante

Retrocedendo ao passado mais longínquo, encontramos em uso por personagens


como Merlin, o Mago e os Reis de Atlantes, bastões ou cajados, aos quais se
atribuíam grandes poderes.

Sempre ouvimos dizer que, por trás de todas as lendas e tradições, verdades e
grandes fatos ocultam-se sob o aval de um cientificismo tradicional e
obscurantista.

A verdade é que estes grandes fatos, ou grandes homens, que realizavam


prodígios, passam aos nossos olhos como fantasia ou história para crianças, pois,
nossa mente, lógica e racional, passa a nãao admitir aquilo que seja diferente dos
fatos corriqueiros do dia-a-dia.

Poderíamos dizer, então, que nossa mente, ao invés de não admitir o fato, está,
na realidade, não compreendendo, visto extrapolar os limites de toda
aprendizagem que recebemos.

Independente da forma como são vistos, os bastões de força foram muito usados
em época muito remota, da forma como hoje é usado o computador.

No distante continente Atlante, podia-se observar o uso dos bastões de força nas
mais diversas aplicações, como no controle do tempo, no transporte e levitação de
grandes blocos de pedra (como no caso da Pirâmide de Quéops),
restabelecimento de energia, saúde individual/ coletiva e até para a guerra.

Foi o uso desses bastões de força, o marco principal da ascendência e queda do


império Atlante, pela forma indevida que se deu ao direcionamento das energias
cósmicas.

Basicamente, o Bastão de Atlante é composto de duas partes principais: um tubo


ôco de cobre e um cristal de quartzo. Ao tubo de cobre cabe a função de
armazenar, em seu interior, partículas subatômicas e, ao cristal de quartzo, a de
através de uma sintonia mental, proporcionar um direcionamento da energia
armazenada no tubo de cobre, ou mais precisamente chamado de câmara de
partículas subatômicas.

A ciência de hoje já comprovou que toda manifestação material é tão somente um


bombardeamento de energia subatômica sobre a matéria densa e esse
bombardeamento é direcionado pela nossa mente.

166
Nossos sentimentos e pensamentos emitem partículas subatômicas a todo
momento e fazem manifestar em nossa vida externa aquilo que pensamos. Os
livros e cursos sobre pensamento positivo determinam que devemos nos
sugestionar através de pensamentos positivos e imaginar aquelas situações em
que gostaríamos de nos encontrar com a maior realidade possível, sem que
desviemos nossa mente para as negatividades que prejudicam o quadro mental.

Visualizar e imaginar é compelir a matéria a se manifestar de acordo com aquilo


que queremos; é direcionar as partículas subatômicas de modo a formar um
molde para que o externo e denso o preencha.
O uso do Bastão de Atlante permite que a nossa energia mental seja direcionada
com 1.000 ou 10.000 vezes mais força, o que faz com que consigamos realizar
nossos desejos com maior rapidez do que apenas através da visualização do
quadro mental.
Se nos relaxarmos, ficando em um ambiente silencioso, sem que ninguém nos
incomode, realizando algumas respirações profundas, estaremos aptos a fazer um
exercício como o que segue:

• "Imagine um carro novo, com todos os detalhes e, observe profundamente


suas formas, sentindo como se ele fosse seu. Mantenha este quadro
mental seguro e, em sua mão direita, o Bastão de Atlante. Imagine e sinta
que a câmara de cobre está se carregando de energia e que, ao nosso
decreto mental, esta se manifesta sobre o quadro mentalizado, através de
uma luz forte branco-azulada, que, saindo do cristal, vai para o carro".

Percebemos que o uso deste bastão nos dota de um poder e de uma capacidade
de visualização e realização, que antes não possuíamos. Isso se deve ao fato do
cristal de quartzo ter-se sintonizado com sua mente. Agora, então, ele é uma
ferramenta em suas mãos. O quadro deverá manter-se firme por mais alguns
minutos, a ser repetido todos os dias, até conseguirmos nosso objetivo, o que não
tardará a realizar-se.

Suponhamos agora que o nosso desejo seja cicatrizar algum ferimento. Nesse
caso, devemos manter a parte afetada a mais ou menos a um metro de distância.
Sintamos a energia subatômica sendo armazenada no tubo de cobre e, logo em
seguida, saindo em um feixe de luz branco-azulada em direção ao ponto afetado
do paciente. Contorne o corpo do paciente de longe e imagine a cura dele sendo
realizada com esta luz purificadora. Direcione, agora, o foco de luz para o
ferimento: imagine e creia que ele nao mais existe. Imagine o local do ferimento
completamente curado e restabelecido. De forma se deve imaginar o ferimento
como ele está no momento.

Essa luz branco-azulada moldar-se-á e impelirá a matéria a mudar com a maior


facilidade. Ela poderá ser emitida para os mais diversos fins, como: crescimento
de plantas, extermínio de pragas, de insetos nocivos, melhoria na situação
financeira, cura de doenças, equilíbrio e pacificação do lar, aquisição de bens, etc.

167
Cabe salientar que o retorno kármico resultante do uso deste bastão é imediato. O
tipo de energia que emitirmos, antes de alcançar a pessoa ou a situação, irá
impregnar, primeiramente, a nossa própria aura com a qualidade da vibração
emitida.

Devemos, portanto, acautelar-nos quanto ao uso do bastão para fins egoísticos ou


destrutivos, pois, haverá um retorno imediato ao emissor.

Trabalho radiestésico - Fenômenos que o dificultam

São em número de dois os fenômenos que podem ocorrer e dificultar o trabalho


radiestésico: a remanência e o "fading".

A Remanência é devida à impregnação das radiações de um corpo no local em


que este permaneceu durante algum tempo.

Os testemunhos impregnados adquirem suas propriedades radiestésicas pelo seu


contato, mais ou menos prolongado, com pessoas ou substâncias.

O período de duração da remanência, varia de acordo com a natureza do corpo e


com o tempo que esteve no local. A remanência pode atingir o terreno, objetos,
plantas e o próprio radiestesista e o seu pêndulo

A remanência mais forte é a dos metais, depois a das matérias orgânicas e das
rochas. A matéria trabalhada produz uma maior remanência que a matéria bruta.

No entender de muitos radiestesistas, os diversos métodos para eliminar a


remanência não são totalmente eficazes.

Pela técnica de René Lacroix a I'Henry, para saber se uma radiação é real ou
remanente, utiliza-se uma folha de papel branco entre o pêndulo e a fonte
radiante.

Se o pêndulo ficar imóvel, a radiação é remanente; se girar, provém de algo


presente ao local. Existe também a possibilidade de colocar-se o pêndulo em cima
da terra, para que esta tire a remanência.

O Fading é o fenômeno que ocorre em radiestesia provocando a variação na


intensidade das ondas recebidas (em inglês, quer dizer desvanecimento).

Na radiestesia existe fading quando as radiações se desvanecem e o pêndulo


entra em inércia. O fading ocorre em função de alteração geomagnética, distúrbios
radioelétricos, alterações atmosféricas, influências cósmicas e planetárias, fases
da lua, explosões solares, etc.

168
A causa do fading também pode estar no radiestesista e ser devida a doenças,
alterações psicológicas ou fadiga. Quando isto ocorre deve ser suspenso o
trabalho e só recomeçá-lo horas depois ou em outro dia.

Conselhos práticos para o trabalho radiestésico

• Todos os dias use 15 minutos para praticar a radiestesia: 5 minutos para


relaxamento ou concentração e 10 minutos para trabalhar com o pêndulo.
• No início ter sempre, se possível, o mesmo horário e o mesmo lugar - basta
um metro quadrado. Essas condições ajudarão para um condicionamento
melhor.
• É importante estar descansado, sem tensão muscular e sem pressa.
• Apoiar os pés no chão; nao cruzar os pés, nem as mãos.
• Sempre que possível, fazer o exercício sozinho. Pessoas presentes
poderão influenciar com seus pensamentos e/ou incredulidade.
• Não usar calmantes, pois, amortecem a sensibilidade. Se você tem tensão
aprenderá a eliminá-la com a própria observação do movimento de
pêndulo, ou através de outros meios naturais.
• Esfregar as mãos, uma na outra, antes de começar os exercícios e durante
os mesmos, a fim de obter melhor polarização.
• É muito importante fazer exercícios de concentração e relaxamento antes
da prática com o pêndulo. Olhar a mão, abrindo-a bem devagar é ótimo
exercício que serve para o controle nervoso muscular.
• Neutralidade mental. No início é comum influenciar os movimentos do
pêndulo. É difícil evitar. Não desanime. Dê tempo ao tempo.
• Muita paciência. A radiestesia necessita trabalho. Sempre muita prudência,
especialmente no inicio.
• Esteja autoconfiante e convencido de que o pêndulo funciona na sua mão;
para isso, é bom fazer exercícios que possam ser comprovados.
• Não se tornar fanático.
• Despertar a sensibilidade através de exercícios de desenvolvimento
sensorial.
• Ter um método próprio, ou seja, com o passar do tempo criar seu método e
você sentirá que seu trabalho fluirá cada vez mais.
• Sempre que possível, procurar posicionar-se de frente para o Norte. No
entanto, isto no começo, pois, com o passar do tempo, você irá usar seu
pêndulo em qualquer posição.
• Cuidado com os campos artificiais do lugar, com as correntes elétricas, pois
podem influenciar.
• Regular o pêndulo através da corrente, para sintonizá-lo com aquilo que
queremos saber. Segurar o pêndulo suavemente, porém com firmeza.
• Sempre que possível, usar um testemunho.
• Remover qualquer impregnação, usando um gráfico Desimpregnador e
depois valorizar o pêndulo num Decágono.

169
• Se o pêndulo nao se movimentar, a causa poderá ser um bloqueio ou
"fading". Isto ocorre quando há uma mudança climática brusca. Esta inércia
poderá ser também, por cansaço ou tensão do praticante. Nestes casos,
recomenda-se deixar a pesquisa para outro momento.
• A mão esquerda, no caso de pessoa destra, é usada como antena.
• Desempregar o pêndulo, antes e depois de cada experiência.
• Dar um nome a seu pêndulo. Isto porque você estará trabalhando com
energia.

Testemunho

Testemunho, em radiestesia é algo de qualquer natureza e origem, que possa


representar por homologia ou analogia, uma pessoa, objeto ou ser e que permita
sintonizá-lo por ressonância durante o ato radiestésico.

Ele deve ter a natureza exata do objeto procurado e serve para sintonizar o
subconsciente do operador do objeto.

Os testemunho podem ser naturais ou sintéticos. Os naturais sao obtidos a partir


de amostras provenientes dos seres vivos e do reino mineral, como uma amostra
de água para prospectar o mesmo mineral.

Através de um testemunho, seja cabelo, sangue, saliva, impressão digital, foto,


etc., podemos procurar a pessoa a que ele pertence, ou ainda, diagnosticá-la,
sendo que os primeiros são naturais e os dois últimos são sintéticos, vez que a
partir de elementos diferentes daqueles que irão representar o que fazem por
síntese. Já, os testemunhos impregnados adquirem suas propriedades
radiestésicas pelo seu contato mais ou menos prolongado com pessoas ou
substâncias.

Os irmãos Servranx, radiestesistas belgas, se utilizam testemunhos sintéticos,


dentro de uma técnica considerada rápida e eficaz, que consiste na valorização
decagonal:

• Sobre um decágono (polígono regular de dez lados), se coloca a palavra


que representa o ser ou objeto do testemunho. A partir de então, temos
duas possibilidades - se utilizar a própria tira de papel, na qual foi escrito a
palavra, ou colocar próximo a ela um pequeno vidro, contendo água. No
caso de utilizar o vidro, teremos uma valorização feita para muito tempo; Já
com papel, sua valorização durará aproximadamente 72 horas.
Para provar a eficiência do testemunho-palavra, por valorização decagonal, os
irmãos Servranx fizeram a seguinte experiência:

• Pegaram um pedaço de papel e dois pedaços de cobre de 30 g, com o


formato decagonal.

170
• Constataram ser o cobre excelente testemunho e que havia ressonância
entre ambos, devido ao raio de união que os liga no campo energético.
• O papel, tinha a etiqueta com a expressão "Chá de Ceilao", foi colocado
sobre um dos pedaços de cobre e lá deixada por 30 minutos e, no outro,
deixaram um papel branco.
• Após retirar o papel etiquetado do decágono, verificaram não haver mais
ressonância entre os dois decágonos, porém um deles tinha ressonância
com o Chá de Ceilao.

Qualquer tipo de testemunho pode ser valorizado no decágono, para aumentar


sua impregnação pelo Raio de União, melhorando, portanto, até 100% e,
eliminando totalmente as energias estranhas (remanências, ondas nocivas e,
mesmo as influencias da matéria do decágono e do papel onde se escreve o
testemunho lexical, etc.).

Convém ressaltar que as garrafas contendo sucessivamente conteúdos líquidos


diferentes mesmo após lavação e esterilização, podem prestar-se como
testemunhos destes líquidos, porque as emanaçoes radiestésicas dos corpos não
desaparecem com os tratamentos aplicados aos corpos que os impregnaram

As emanaçoes radiestésicas diferem, em freqüência, das radiações físicas


visíveis, que se atribuem as diferentes substâncias ou aos seres vivos.Trata-se,
pois, de algo muito diferente do que existe na natureza e que nao morre, jamais.

Os armários que contiverem inúmeros objetos podem, através da impregnação,


revelar a nomenclatura dos objetos, bem como a época e seu tempo de duração /
permanência. As paredes de uma casa também são testemunhos dos que lá
viveram.

Gráficos

Sua maior finalidade está em facilitar o trabalho, sob o ponto de vista visual.
Todavia, nem todos os radiestesista usam gráficos, porém, uma planta de casa,
sítio, fazenda, etc, nao deixam de ser um gráfico, ou seja, um testemunho.

Os gráficos radiestésicos têm, antes de tudo, uma finalidade simplificadora. Ao


invés de utilizarmos testemunhos naturais ou artificiais podemos usar um gráfico
e, num espaço menor, podemos, com certeza, pesquisar todos os elementos que
nos interessam. O gráfico ainda oferece uma vantagem, pois, pode incluir
fenômenos cujo testemunho, natural ou artificial, seria de difícil obtenção. Além do
que, pode-se colocar num gráfico, setores vazios para colocação de elementos
ainda desconhecidos ou entao um setor com a palavra "outros", com isso
poderemos saber se algum outro elemento (cor, energia, substância, etc.) e a
resposta procurada faz realmente parte dela.

171
Todavia, quando se tem uma série grande de elementos, pode-se dividi-los em
dois ou mais gráficos e, neste caso, convém incluir em cada um deles, além do
setor "outros", um setor "neutro" ou a palavra "nenhum". Quando o pêndulo indicar
o setor "outros", muda-se para o gráfico seguinte da mesma série ou não.Porém,
se for "neutro", poderá ser, no momento desta forma, pesquisa-se em outra hora
e, se a resposta for "nenhum", encerra-se a pesquisa em relação a esta série.

O gráfico funciona sempre como um separador de influências, permitindo uma


sintonização adequada do (s) elemento(s) procurado(s). O gráfico é, na realidade,
um sintonizador/separador de padrões energéticos emanados do testemunho e
informados ao pêndulo pela mente do operador. Ainda que se opere por simples
radiestesia mental, isto é, sem uso de testemunho, o gráfico sempre funcionará
como um excelente facilitador do trabalho radiestésico.

Sabemos com certeza que todos os corpos e fenômenos da natureza emitem


raios que lhe sao característicos. Nestes raios estão moduladas as características
dos elementos que os compõem, de suas propriedades, das famílias a que
pertencem, da época de sua formação, de sua força, medidas e dimensões, de
sua energia e das energias que lhe são afins, etc.

Os padrões energéticos dos corpos e fenômenos serão mais bem sintonizados se


o gráfico for específico. Pode-se, ainda, construir gráficos especiais que sejam o
padrão mais exato para sintonizar, selecionar e compreender o fenômeno
estudado. Neste caso, pesquisa-se radiestesicamente, entre outros, os seguintes
elementos relacionados ao gráfico:

• A forma mais conveniente;


• A dimensão da figura;
• O número e as formas das divisões;
• O material a ser usado (papel, madeira, circuito impresso, etc.);
• A sua orientação eventual e,
• As possibilidades de amplificação.

Quando um gráfico nao é especial, ele deve, para melhor sintonização, ser
simétrico em sua forma e nas suas divisões, ser impresso em tinta preta sobre
fundo branco, ter tamanho suficiente para se visualizar bem tanto o que está
impresso (letras, números, palavras e símbolos), quanto qual a divisão apontada
pelo pêndulo.

Um gráfico de madeira (pirografada ou serigrafada) ou em um circuito impresso, é


mais potente do que se feito no papel. Se feito em cobre eletrodepositado (sobre
fibra de vidro, fenolite, ágata, vidro, etc.), o gráfico não é só mais potente, como
também mais sensível.

172
Além de sintonizador, um gráfico pode, também, as sutis, tais como EIF's (energia,
influência e forma), intenções, raios fundamentais de remédios, cores, pedras, luz
e energias diversas.

Dentre os gráficos emissores, pode-se alguns:

• Omega e Alfa, ou Alfa Vitalidade de Busby;


• Símbolo compensador de André Phillip;
• Gráfico Anti-Magia de Jean de La Foye;
• Decágono, levado para a Grécia por Platão, etc.

]
Alguns exemplos de gráficos radiônicos:

Pirâmide-Tao

Pantáculo

173
Estrela de 5 Pontas

Diafragma

Programador Físico – Estrela Dupla

174
Desimpreganador

Símbolo Compensador de André Philippe

Vesica Piscis

175
Nove Círculos

Iavê

Nota: acima estão apenas alguns exemplos de gráficos radiônicos para


várias utilidades. Não é base para esse texto, verificar qual a utilidade de
cada um, nem suas propriedades curativas e protetivas. Cabe ao buscador
realizar a sua tarefa de pesquisa e somar ao trabalho com reiki. Boa sorte!

Quanto à sua forma, os gráficos podem ser circulares (discos), semicirculares,


quadrados e retangulares. Sabemos que os gráficos triangulares e de outras
formas sao pouco utilizados, atualmente, sendo usados somente aqueles que são
especiais e obtidos radiestesicamente.

Os gráficos podem ser utilizados em todos os casos e principalmente quando se


pretende selecionar um corpo ou fenômeno entre uma série de outros:

• Cores;
• Vitaminas;
• Hormônios;

176
• Metais;
• Corpos simples, etc.

Servem também para avaliar a ordem, a classificação, o grau, a força de uma


coisa ou fenômeno, percentual, pH, tensão, temperatura, pressão arterial,
resistividade sanguínea ou do solo, etc.

Podem relacionar um elemento a um fenômeno mais geral:

• Corpos sutis;
• Raios fundamentais;
• Chakras;
• Influências astrológicas, etc.

Exemplo de um método de trabalho

Em todo ritual (ou trabalho), precisa existir, acima de tudo, o Credo (a Fé), a
Harmonia, o Objetivo Claro, a Força para Materialização do Objetivo e o
Agradecimento.

• Decisão: O primeiro passo necessário é que se decida fazer um trabalho,


um ritual. Este nao pode ser feito apenas por habito. Deve existir a
Convicção Pessoal de Participarmos dele.

• Harmonização: E' trabalho e/ou ritual começar pelo Perdão, o que seria, no
nosso caso, a harmonização da Aura, o equilíbrio entre os Hemisférios
Cerebrais (Racional/Consciente [Beta e Intuitivo/Inconsciente [Alfa]), o
equilíbrio energético pela ativação da Hipófise e do Timo (Timo é a glândula
responsável pela distribuição energética no organismo, portanto, daí, vem o
Ritual antigamente utilizado de se bater no peito)]. A finalidade principal é
perdoarmos a nós mesmos e aos outros, estando em paz, abertos para a
continuação do trabalho/ritual.

• Objetivo: E' a colocação clara do Objetivo, do que queremos, é a oração, o


pedido. E' a definição do porque e do para que estamos participando do
trabalho/ritual. A leitura faz com que a emoção tome parte do Objetivo,
portanto, também devemos colocar nossa emoção junto com o Objetivo. E'
fundamental chamar a atenção do Subconsciente (filosofia Huna). A leitura
deve ser compatível e estar sempre de acordo com o Objetivo. A Fé é
indispensável em qualquer ritual.

• Concretização: E' o mecanismo material Concreto (colocar o símbolo, o


talismã, o pedido, a contribuição) para estimular o subconsciente, ligando-o
à emoção e chamando a atenção de que o objetivo é Importante.

177
• Consagração: E' fazer com que a força de que precisamos para a
Materialização do Objetivo venha até nós (Eu Superior, Gênios Planetários,
Santos, Metas, etc.).

• Comunhão: Dá-se através do trabalho do pêndulo e é a simbolização da


Absorção/Captação dessa força (canalizada através do pêndulo), tendo por
finalidade a realização do Objetivo.

• Oração Final/ Pedido Final: Simboliza o agradecimento pela força recebida


(pela elipse do pêndulo), para a Realização; Materialização do Objetivo
(Ex.: Que assim seja; Está feito; etc.). Abençoar seu trabalho simboliza,
portanto, a transmissão de parte da forca recebida do Cosmos para o Eu
Superior, trazendo o Fortalecimento pessoal.

Atenção: O Subconsciente nao pode ter medo (temer a Deus, duvidar do


trabalho), pois assim, não conseguirá entrar em contato com a Energia Cósmica
ou o seu Eu Superior e, muito menos, com Deus. Qualquer coisa praticada sob o
domínio do medo (religião, trabalho, radiestesia, magia, etc) gera pessoas
deprimidas e doentes.

Nota final sobre este assunto:

Procure por livros especializados para a prática do uso do pêndulo, aurameter,


dual-rod, gráficos radiônicos, pois este documento não é o fórum apropriado para
isso, por ser um texto exclusivo para os praticantes do Reiki e que já possuem
conhecimento da prática da radiestesia.

Diagnóstico dos Chakras com um Pêndulo

Para analisar os chakras frontais, peça ao receptor que se deite de costas e, para
os dorsais, peça-lhe que se deite de bruços.

Ache o seu próprio ponto de ressonância com o pêndulo, descendo devagar o fio
entre os dedos polegar e o indicador, até que através de seu comando e
convenção mental, o pêndulo comece a girar ou balançar. De forma premeditada,
gire o pêndulo em círculos e analise qual o tamanho do diâmetro máximo
alcançado. Reserve essas informações: o comprimento do fio e o diâmetro
alcançado. Deixe o restante do fio dentro da mão fechada pelo restante dos
dedos, já que o polegar e o indicador é que irão segurar o fio do pêndulo.

178
Para começar a análise dos chakras, esvazie a mente de todas as idéias
preconcebidas quanto ao estado da pessoa (mesmo que a conheça e a seus
problemas) e dos chakras. Essa é a parte mais difícil, mas não impossível.

Certifique-se que o pêndulo está o mais próximo possível do corpo sem tocá-lo.
Mais tarde, praticando a radiestesia mental, isso não será mais necessário.

Importante: Solicite o consentimento da pessoa para fazer a análise, pois, fazê-la


sem o consentimento verbal/mental/espiritual do analisado, seu trabalho poderá
envolver-se em um estrondoso fracasso. Não entramos na mente de uma pessoa
a não ser que ela o consinta porque, sem esse consentimento e conseqüente
resistência mental do analisado, seus resultados como analista, parecer-se-ão
com os rudimentos da energia de si próprio e de suas idéias preconcebidas.

A energia do analista flui para o campo do pêndulo a fim de ativá-lo. Sua energia e
o campo, combinados, interagem com o campo do analisado, levando o pêndulo a
se mover, conforme a convenção mental estabelecida. O pêndulo poderá se
mover em círculos dextrogiros e sinistrogiros; em linha reta vertical, horizontal ou
diagonal; em elipse ou mover-se erraticamente. A extensão ou não do círculo
máximo anteriormente verificado e a direção do movimento do pêndulo indicam a
dose e a direção da energia de flui através do chakra.

Para isso é importante definirmos antes qual será a convenção mental a ser
utilizada. Alguns pesquisadores ocidentais afirmam que todos os chakras estão
todos em dextrogiro, tanto para homens como para mulheres. Outros afirmam que
linhas retas horizontais, verticais ou diagonais, dependendo da extensão do
balanço do pêndulo e sua velocidade é que determinam o estado dos chakras.

Não existe certo ou errado, quando se escolhe uma convenção mental, os


resultados serão os mesmos, isto é, dependendo da capacidade crítica e de
observação do analista.

Como o estudo dos chakras precede em muito a ciência contemporânea,


principalmente na Índia e no antigo Egito (o pêndulo egípcio da atualidade é uma
cópia de um pêndulo encontrado em um sarcófago encontrado no Vale dos Reis),
para esse estudo, vamos utilizar a convenção milenar de giro dos chakras.

179
Para quem quiser fazer um estudo da energia Kundalini, que se acumula na região
sacral, vai notar que a subida desta ao longo da coluna só poderia ser passível de
acontecer, conforme os estudos e preceitos milenares.

A tabela abaixo indica para homens e mulheres, qual o giro de cada chakra:

CHAKRAS HOMENS MULHERES


Dextrogiro Sinistrogiro
Raiz
Genésico Sinistrogiro Dextrogiro
Plexo Solar Dextrogiro Sinistrogiro
Cardíaco Sinistrogiro Dextrogiro
Laríngeo Dextrogiro Sinistrogiro
Frontal Sinistrogiro Dextrogiro
Coronal Dextrogiro Sinistrogiro

O tamanho dos círculos descritos pelo pêndulo para cada chakra vincula-se à
força do chakra em questão e à quantidade de energia que flui através dele. O
tamanho do círculo do pêndulo depende de três fatores: os campos de energia do
analista, do analisado e o do pêndulo. Se as energias das duas pessoas forem
baixas naquele dia, todos os chakras parecerão menores. Se forem altas, todos os
chakras parecerão maiores. O que precisamos nos concentrar é na comparação
dos tamanhos circulares relativos dos chakras. A saúde se obtém pelo equilíbrio
de todos os chakras, para criar um fluxo igual de energia através de todos eles.
Para a saúde, portanto, em todos os seus aspectos, todos os chakras deverão ter,
aproximadamente, o mesmo tamanho e velocidade.

Existem muitas variações nos movimentos dextrogiro e sinistrogiro, que indicam


os mais variados estados psicológicos. Há os movimentos verticais, horizontais,
diagonais, invertidos ou absolutamente imóvel. Essa última condição é a mais
perigosa de todas, pois indica que o chakra obstruiu totalmente o seu movimento e
já não metaboliza energia alguma da Energia Universal, levando o indivíduo a uma
doença física, se já não estiver instalada.

Compreenda-se que os chakras além de revelar os estados Mentais, Sentimentais


(emocionais) e da Vontade, podem também revelar as doenças físicas ou aquelas
que estão ainda em nível áurico e que ainda não se adensaram ao corpo físico.
Para isso, diante de um chakra fora de seu ritmo normal, a pergunta radiestésica
deve de forma ulterior, a ser feita para se detectar se o problema é físico ou não.
Está-se no campo áurico ou não. Cada chakra rege glândulas específicas e outras
partes do corpo. Entretanto, não há doença física já instalada que não tenha
correlação com um chakra desestruturado. Em vista disso, há de se reestruturar o
chakra em conjunto com a tentativa de cura da parte física. Na verdade, a
estruturação dos chakras promove uma reativação do sistema imunológico do
indivíduo e é isso que promove a cura.

180
Conforme convenção mental, um movimento elíptico na direção diagonal, se for
para a direita, o indivíduo tende a ter uma personalidade mais passiva do que
agressiva em relação aos seus sentimentos / emoções. Se esse mesmo
movimento for para a esquerda, o indivíduo tende a ser mais agressivo do que
passivo em relação aos seus sentimentos / emoções. O primeiro tem muitas vezes
consciência da suas limitações emocionais instaladas ou casuais, mas não tem
ânimo para modificar a situação. O segundo também tem conhecimento da sua
situação, mas parte para tentar modificar o quadro. O agressivo pode não
encontrar a solução, porque isso depende do seu estado mental, psicológicos,
emocionais, espirituais, físicos, tudo isso refletido no estado em que se encontra o
chakra correspondente ao problema, mas, certamente, será mais aguerrido que o
passivo.

Quanto mais distorcido for o movimento circular do pêndulo acima de qualquer


chakra, tanto mais grave será a distorção psicológica, inclusive até com
conseqüências físicas. A cisão direita / esquerda mais profunda é denunciada pelo
movimento do pêndulo para trás e para frente, em diagonal, num ângulo de 45
graus em relação ao eixo vertical do corpo do analisado. Quanto mais amplo e
dependendo do ponto de ressonância analista / pêndulo, tanto maior será a
energia contida na distorção.

A mesma regra vale para analisar a gravidade da oscilação do pêndulo para trás e
para frente vertical ao eixo do corpo ou horizontal em relação ao eixo do corpo. O
aspecto vertical indica que o indivíduo está desviando energia para cima na
direção da vertical, o que significa o desvio da energia para o lado espiritual
(anômalo) para escapar da interação pessoal. O movimento horizontal do pêndulo
indica que o indivíduo está sujeitando e compactando o fluxo de energia e os
sentimentos para fugir à interação pessoal.

À medida que o analista / terapeuta se torna mais proficiente no uso do pêndulo,


começará a observar outras qualidades em suas análises. O ritmo da oscilação (a
rapidez com que o pêndulo se move) indica a quantidade de energia metabolizada
através do chakra. Com a prática, o terapeuta poderá também captar qualidades
como o retesamento, a tensão, o peso, a tristeza, o pesar, a tranqüilidade, a
clareza, entre outros pequenos e fugazes detalhes que só o tempo e treinamento
com o pêndulo dará ao seu operador.

O que se segue são tabelas compostas para homens e mulheres, conforme a


oscilação do pêndulo e seus significados imediatos. O significado completo requer
que o terapeuta processe estudos relativos aos chakras, sua psicodinâmica
harmônica ou não, juntamente com as implicações físicas inerentes, boas ou más.

181
Diagnose dos Centros de Energias - Chakras

Considerando as tabelas abaixo, definem-se o estado e implicações psicológicas


do chakra / movimento do pêndulo, tanto para homens como para mulheres. A
primeira tabela refere-se a movimento giratório relativo a cada chakra. A segunda
tabela estabelece um padrão de diagnose.

Tabelas para movimento do pêndulo e diagnose

CHAKRAS HOMENS MULHERES


Dextrogiro Sinistrogiro
Raiz
Genésico Sinistrogiro Dextrogiro
Plexo Solar Dextrogiro Sinistrogiro
Cardíaco Sinistrogiro Dextrogiro
Laríngeo Dextrogiro Sinistrogiro
Frontal Sinistrogiro Dextrogiro
Coronal Dextrogiro Sinistrogiro

Movimento do Pêndulo Indicações psicológicas

Giro máximo ao movimento Aberto e harmonioso com clara percepção da


relativo ao chakra. realidade, captando toda a energia necessária.
Giro elíptico, à esquerda, Aberto com cisão agressiva tendenciosa à
50% do giro máximo. esquerda podendo chegar ao bloqueio.
Giro elíptico, à direita, 50% Aberto com cisão passiva tendenciosa à direita
do giro máximo. podendo chegar ao bloqueio.
Giro elíptico vertical, 50% do Aberto com algum deslocamento ascendente de
giro máximo. energia para o espiritual, a fim de evitar interação
com pessoas.
Giro máximo elíptico Aberto com alguma compactação e sujeição da
horizontal. energia a fim de evitar a interação energética com
as pessoas.
Giro máximo invertido ao Fechado e desarmônico, com projeções negativas
movimento relativo ao chakra da realidade.
Giro elíptico invertido à Fechado com cisão agressiva com projeção de
esquerda ao movimento do uma realidade agressiva, perdendo energia e
chakra, 50% do giro máximo. tendendo ao bloqueio ou imobilidade.
Giro elíptico invertido à direita Fechado com cisão passiva com projeção de uma
ao movimento do chakra, realidade passiva, perdendo energia e tendendo ao
30% do giro máximo. bloqueio ou imobilidade.
Giro elíptico invertido vertical Fechado com deslocamento ascendente da

182
ao movimento do chakra, energia para o espiritual a fim de evitar a interação
50% do giro máximo. com pessoas, perdendo energia e tendendo ao
bloqueio ou imobilidade.
Giro elíptico invertido Fechado com sujeição e compactação da energia a
horizontal ao movimento do fim de evitar interação energética com pessoas,
chakra, 50 a 80% do giro perdendo energia e tendendo ao bloqueio ou
máximo. imobilidade.
Vertical oscilante com Movimentando sentimentos e energia para o
comprimento do diâmetro do espiritual a fim de evitar interação pessoal,
giro máximo. indicando forte obstrução.
Horizontal oscilante, 75% do Sujeitando o fluxo de energia e os sentimentos
comprimento do diâmetro do para evitar interações pessoais, indicando forte
giro máximo. obstrução.
Diagonal oscilante à Grave cisão agressiva tendendo à imobilidade.
esquerda, 50% do
comprimento do diâmetro do
giro máximo.
Diagonal oscilante à direita, Grave cisão passiva tendendo à imobilidade.
50% do comprimento do
diâmetro do giro máximo.
Imóvel. O chakra não funciona de maneira alguma e
fatalmente conduzirá a sintomas patológicos no
corpo físico.
Giro elíptico ao movimento Tremenda mudança ocorre na pessoa, que
relativo do chakra, com trabalha ativa e profundamente nas questões
sucessivas mudanças de envolvidas. Provavelmente preocupado com
eixo, 80% do giro máximo. problemas relevantes, com os definidos pela
função do chakra. Caos sensível, porém positivo.
Giro elíptico invertido ao Tremenda mudança ocorre na pessoa, que
movimento relativo do trabalha ativa e profundamente nas questões
chakra, eixo mudando 80% envolvidas. Provavelmente preocupado com
do giro máximo. problemas relevantes, com os definidos pela
função do chakra. Caos sensível, porém negativo
com perda da energia tendendo ao bloqueio ou à
imobilidade.
Giro máximo invertido ao Fechado e desarmônico sem praticamente
movimento relativo ao nenhuma percepção da realidade e perdendo toda
chakra. a energia invés de captá-la.

Considerações sobre o diagnóstico dos chakras:

• Giro máximo ao movimento relativo do chakra: é o movimento normal do


pêndulo considerando-se que pela filosofia indiana, que parece ser a mais
correta, como já dito, os chakras de homens e mulheres a partir do Chakra
Raiz começam com giros diferentes e se alternam um a um até o Chakra

183
Coronal. Destarte, o Chakra Raiz no homem, o giro normal é horário e na
mulher é anti-horário. O giro máximo a ser conseguido, desde que medido um
chakra normal e sadio, tem correspondência direta com o comprimento do fio
do pêndulo, conforme a ressonância encontrada pelo operador.
• Saliente-se, entretanto, mesmo que o giro máximo seja menor que a
ressonância para aquele determinado operador. Não importa: este giro menor
deverá ser considerado como padrão para o giro máximo.
• Tanto para homens como para mulheres, os chakras que giram no sentido
correto, estão absorvendo e nutrindo o indivíduo com a Energia Universal. Se
girarem em sentido invertido ao normal, os chakras estarão perdendo, jogando
fora a Energia Universal que nutre o indivíduo, com conseqüências nos planos:
mental, emocional, espiritual e físico.
• Os percentuais constantes na tabela são apenas a título de compreensão
maior da dinâmica dos chakras. Estes valores são extremamente variáveis e
estão intimamente ligados ao estado geral do chakra a ser medido. Todavia,
deve ter senso crítico bastante apurado por parte do operador do pêndulo, para
registrar nuanças delicadas que podem ocorrer quando da medição dos
chakras como: o giro máximo, a velocidade, a tensão, a tendência à elipse, a
correta vertical e horizontal verificando-se tendências à diagonalidade, o peso,
a fraqueza, a alegria ou tristeza que o chakra transmite, etc.

Até aqui, falamos exclusivamente das tendências emocionais, mentais e


espirituais que se pode medir com o pêndulo. Sabe-se, porém, que os chakras
estão ligados a determinadas glândulas consideradas de importância relevante no
corpo físico. Sabe-se também que os chakras comandam as condições de saúde /
doença, nos órgãos humanos por eles cobertos.

Para um operador de pêndulo que vá investigar um possível problema físico no


indivíduo, deve se cercar de literatura a respeito da anatomia do corpo humano e
condições particulares de funcionamento dos órgãos. Como o Reiki pode e deve
ser aplicado em todo ser vivo, é importante ter literatura sobre animais, plantas e
alimentos.

Fora evidentemente uma queixa já declarada pelo receptor, um exame mais


minucioso pode revelar a verdadeira causa do problema, que então poderá ser de
grande utilidade para a aplicação do Reiki de maneira mais eficiente.

Pode, para o operador do pêndulo, uma desarmonia em determinado órgão, ser a


chave para uma terapêutica mais eficiente, porém, deve-se considerar alguns
fatores:

• Uma doença aguda ou crônica, uma dor, uma infecção, entre tantas existentes,
pode ser avaliada como sendo apenas pontual, isto é, no órgão afetado.
• Ás vezes, um órgão afetado por uma doença tem a sua origem em outra parte
do corpo humano.

184
• O chakra desarmônico ou o conjunto deles em desarmonia total ou parcial
pode influenciar em uma doença física. Por isso, todos os chakras devem ser
tratados, harmonizados, equilibrados e reconstruídos (frontais e dorsais).
• Quando o operador investigar um órgão doente, verificar através de perguntas
mentais ao pêndulo se a doença já está densificada no físico ou está
amalgamada ainda nos estágios áuricos do indivíduo, sendo portanto uma
tendência futura aquela doença em particular. O Reiki através da técnica de
Limpeza da Aura pode impedir o futuro aparecimento dessa doença somente
impregnada na aura.

Importante: se você, doador reikiano, não possuir especialidade médica, não pode
sob nenhum argumento, emitir diagnóstico para o paciente. As considerações
sobre o problema do receptor e suas implicações devem ser guardadas pelo
operador do pêndulo / doador de Reiki apenas como um indicativo sobre qual o
melhor caminho a trilhar durante as sessões de Reiki e para posterior comparação
entre o início das sessões e avaliações periódicas e finais do tratamento.

185
Outras possibilidades/métodos de avaliação dos Chakras

Existem outras possibilidades de avaliações objetivas e subjetivas de avaliação do


estado dos chakras, a saber:

Observação dos chakras

Consiste na observação nas reações que o paciente relata em situações onde ele
se encontre em tensão incomum ou de situações chocantes. Em situações difíceis
da vida, o paciente relata repetidamente lhe ocorrem as mesmas dores: quando o
primeiro chakra (Raiz) tem funcionamento deficiente, ele poderá ter a sensação de
que “o solo lhe foge de sob os pés” e, eventualmente problemas intestinais, por
exemplo, uma diarréia. Quando o primeiro chakra está demasiadamente
carregado (hiperfuncionamento) ele se sente raivoso e agressivo.

Se o segundo chakra (Genésico) estiver deficiente, ocorre um bloqueio de


sentimentos em situações de grande tensão e, na hiperfunção, talvez ele caia em
lágrimas, ou reaja com emoção descontrolada.

Se o terceiro chakra (Plexo Solar) estiver deficiente, poderá ocorrer uma sensação
de desmaio quando houver uma situação de excesso de tensão, uma sensação de
falta de energia, uma sensação estranha sensação no estômago, ou também um
nervosismo irritadiço. A sobrecarga nesse chakra é caracterizada pela irradiação
nervosa e a tentativa de controlar a situação através da super atividade.

Se o quarto chakra (Cardíaco) estiver deficiente, ele poderá ter a sensação que o
coração está “parando”. Se porventura ocorrerem palpitações, isso indica um mau
funcionamento geral do chakra.

Se o quinto chakra (Laríngeo) estiver deficiente, ele sente a garganta apertada,


como um “nó” , pode começar a gaguejar ou sua cabeça começa a tremer. Na
desarmonia total ele tenta, através de uma torrente incontrolável de palavras,
conseguir o controle da situação. A questão ouvir e principalmente entender,
assimilar, fica totalmente prejudicada.

Se o sexto chakra (Frontal) estiver deficiente, ele pode não conseguir mais pensar
claramente durante uma tensão ou um choque. Numa hiperfunção, se manifesta,
com freqüência, na forma de dores de cabeça.

Se o sétimo chakra estiver deficiente (Coronal), o que ocorre em casos muito


raros, o indivíduo não tem, perdeu ou está momentaneamente desligado com o
seu lado Divino, ou como ele compreende a Divindade. Não há unicidade e o
princípio básico é a descrença naquilo que a Divindade significa para ele e ocorre
o dualismo.

186
Linguagem do corpo

Para uma avaliação subjetiva, podemos nos servir da linguagem do corpo, pois
muitos pacientes de Reiki mentem sobre sua condição de saúde e emoções. O
corpo já é, em si mesmo, uma imagem exemplar das estruturas energéticas mais
sutis. Sempre que aparecem anormalidades físicas como, distorções, inchaços,
deformações, fraquezas, podemos atribuí-las, de acordo com o seu lugar de
origem, aos chakras correspondentes na área física. Para esse tipo de diagnóstico
é necessário que o terapeuta se atenha a estudos sobre linguagem corporal.
Alguns casos podem ser atribuídos aos chakras, outros não. Por isso há de se ter
estudo e cautela ao utilizar esse procedimento.

Abaixo, encontramos uma pequena explanação de métodos objetivos e subjetivos


para análise corporal. O objetivo é dar apenas alguns exemplos, para que o
reikiano pense na possibilidade de se aprofundar no assunto com o objetivo
principal de avaliar melhor a entrevista com o seu paciente, haja vista que
algumas pessoas tendem a esconder seus verdadeiros motivos ao procurar um
tratamento alternativo como o Reiki.

Como a avaliação, diagnose e observações, incluindo as corporais, podem dar


pistas exatas de qual forma o tratamento deverá ser dirigido:
A linguagem corporal corresponde a todos os movimentos gestuais e de postura
que fazem com que a comunicação seja mais efetiva. A gesticulação foi a
primeira forma de comunicação. Com o aparecimento da palavra falada os gestos
foram tornando-se secundários, contudo eles constituem o complemento da
expressão, devendo ser coerentes com o conteúdo da mensagem.
Abaixo os cinco indícios mais comuns de que uma pessoa está mentindo. Eles
não são infalíveis, mas se detectados indicam que você deve ficar atento durante
a entrevista.
1.Escondendo a boca – este é um dos gestos que os adultos trazem da infância
quando se trata de mentira. A mão cobre a boca, e o dedão pressiona a
bochecha. Podem ser apenas alguns poucos dedos sobre a boca, ou até mesmo
o pulso. Aparentemente o cérebro, subconscientemente está tentando esconder a
mentira. Muitas pessoas tentam disfarçar o ato de esconder a boca uma tosse. Se
a pessoa cobre a boca enquanto você está falando, pode indicar que ela acha que
você está mentindo.
2.Coçar o nariz – em essência, o toque no nariz é uma versão sofisticada do ato
de esconder a boca. Podem ser várias coçadas rápidas logo abaixo do nariz ou
um rápido e quase imperceptível toque. Uma explicação para este movimento é
que a mão está se movendo em direção á boca, e uma tentativa de ser menos
óbvio faz com que ela seja puxada do nariz para a boca. Lembre-se que isso
ocorre em um nível subconsciente. Se a pessoa tem mesmo uma coceira no nariz,
ela irá, normalmente e deliberadamente coçar ou azunhar e não apenas fazer um
toque rápido. Tal como o ato de esconder a boca, se isso acontecer quando você

187
está falando a pessoa com quem você está falando está achando que você está
mentindo.
3.Esfregar o olho – este gesto tenta bloquear a mentira que a pessoa vê, ou para
evitar ter de olhar no olho da pessoa para quem está mentindo. Homens
normalmente esfregam os olhos de maneira vigorosa ou, se a mentira é grande,
eles desviam o olhar. As mulheres geralmente passam o dedo gentilmente sob a
pálpebra (para não borrar a maquilagem). Lembre-se, mentirosos não olha nos
olhos quando mentem. Eles gentilmente desviam o olhar instantes antes de
mentir, ou fixam o foco atrás de você (a pessoa está olhando para você, mas o
olhar parece perdido).
4.Azunhar o pescoço com o dedo indicador da mão com que a pessoa escreve
logo abaixo do lóbulo da orelha. Geralmente serão alguns poucos arranhões
rápidos. Este é muito provavelmente um gesto de dúvida ou incerteza,
característico de pessoas que pensam, “eu não estou certo disso”. Ele geralmente
vem acompanhando uma contradição á linguagem verbal, como quando a pessoa
diz: “eu entendo o que você está sentindo” enquanto azunha o pescoço.
5.Esfregar a orelha – esta é a versão adulta do gesto em que a criança tampa os
dois ouvidos com as mãos para não escutar nada. Esse movimento inclui esfregar
a parte detrás da orelha, puxar o seu lóbulo, ou até mesmo dobrá-la. Se o seu
interlocutor fizer qualquer destas enquanto fala, é uma indicação de mentira. O
último sinal, se usado enquanto você fala, quer dizer que ele não apenas acha
que você está mentindo, como ele considera ter atingido o limite.
Os sinais da mentira
O mentiroso, por melhor que seja, tende a apresentar determinadas atitudes que
acabam por denunciá-lo. Entre elas, está:
- Desviar os olhos quando perguntado sobre assuntos delicados. - Piscar os olhos
com maior freqüência. - Piscar rapidamente quando a conversa declina para um
tópico comprometedor. - Inclinar-se para trás. – Responder não e balançar a
cabeça afirmativamente, mesmo que de leve. - Respirar em pequenas e rápidas
golfadas e entremeá-las com suspiros longos e profundos. - Evitar apontar o dedo
ou enfatizar as palavras com movimentos amplos dos braços. - Ao narrar uma
história, fazer pontes de textos, que consistem em acelerações artificiais da
seqüência dos fatos. - Pedir que o interlocutor repita a pergunta, com intuito de
ganhar mais tempo na elaboração de uma resposta. - Não falar mal de si, mesmo
em assuntos que não tem nada a ver com a mentira.

Outros indicadores da mentira:


- Mudanças no tom de voz. - Mudança na velocidade da fala. - Travas no diálogo
com o uso excessivo de pausas e comentários como “hmmm”, “hã” ou “você
sabe”, ou ainda limpar a garganta. Virar o corpo para longe de você, mesmo que
levemente. De repente começar a mostrar a parte branca dos olhos acima ou
abaixo das pupilas, não apenas dos lados. - Movimentos nervosos com os pés ou
pernas. - Brincar com as próprias roupas, como arrancar linhas soltas ou alisar

188
dobras. - Discrepâncias entre o que se diz a a linguagem corporal, por exemplo,
dizer “não” e balançar a cabeça para frente e para trás (como se tivesse dizendo
sim). - As pupilas de quem esta mentindo podem dilatar. - Quando alguém está
mentindo, sorri menos que o habitual. - Também costuma a encolher mais os
ombros. - Engolir em seco. - Esfregar as sobrancelhas. - Cruzar e descruzar as
pernas. - Brincar com os cabelos. - Suor escorrendo da sobrancelha, caso não
seja um dia quente. - Dizer “não” com muita freqüência - Negação continua de
algum tipo de acusação. - Ser extremamente defensivo. - Prover mais informações
e especificidades do que o a pergunta requeria. - Inconsistências no que está
dizendo. - Satisfação, mas de maneira ofensiva. - Procurar usar uma barreira
entre si e o interlocutor, tal como uma cadeira ou uma mesa. Calma incomum. -
Evitar tocar a outra pessoa durante conversações. - Ficar hesitante, caso não o
seja habitualmente. - Ficar em uma posição excessivamente relaxada, largada. -
Excesso de rigidez e aumento de tiques nervosos. - Movimentos pouco naturais
ou limitados das mãos e dos braços. - Elevar os ombros em sinal de descaso. -
Não apontar. - Flutuações pouco usuais na forma de falar, na escolha das
palavras e na estrutura das sentenças. - Não usar pronomes enquanto fala.

Detectando a verdade:
Durante a história, a palma aberta tem sido associada com honestidade,
compromisso com a verdade e submissão, tanto é que quando se faz o juramento
à bandeira usa-se a palma aberta. Como evidencia de que a pessoa está
contando a verdade, olhe para suas mãos, mentirosos geralmente escondem a
palma das mãos, logo se você quer enfatizar que está dizendo a verdade, use
vários movimentos com a palma das mãos à mostra.

Linguagem corporal no jogo de sedução (exemplo didático)


Pouca gente sabe, mas o corpo é um grande aliado na hora da sedução.
Inconscientemente, ele emite sinais que indicam as chances de conquista durante
o ritual de sedução. Confira alguns dos gestos e movimentos e o que eles querem
dizer:
Sinais de "quero chamar a atenção": - Estufar o peito. - Gesticular
exageradamente. - Balançar o corpo. - Rir muito e alto. - Deixar objetos de valor a
mostra.
Sinais de "estou interessado por você": - Olhar por mais de três segundos. -
Sorrir, mostrando ou não os dentes. - Jogar a cabeça para trás, geralmente
quando sorri. - Ajeitar os cabelos. - Inclinar o corpo em direção a pessoa.
Sinais de "sinto atração por você": - Não deixar que a distância entre os corpos
seja superior a 1 metro. - Não permitir que os intervalos de silêncio ultrapassem
mais de 3 segundos. - Permitir que seja tocado nos braços e nos ombros várias
vezes e retribuir. - Imitar os gestos da pessoa. - Não desviar o olhar.

189
Teste cinesiológico
Trata-se de um teste especial realizado de modo exclusivo por muitos terapeutas,
mas também por um grande número de leigos. Trata-se do teste cinesiológico.

Na prática, o terapeuta procede da seguinte maneira:


• Pede para o paciente que coloque a mão direita sobre cada chakra,
centralizando o chakra da palma da mão com o chakra a ser analisado.
• Pede para o paciente ao mesmo tempo, que estique o braço esquerdo em
ângulo reto, afastando-o lateralmente do corpo.
• O terapeuta pronuncia então o comando “segurar!” e, enquanto o paciente
tenta manter o braço na posição indicada, o terapeuta tenta empurrar o braço
para baixo. A pressão é efetuada, aproximadamente na altura do pulso.

Se o chakra examinado estiver em harmonia e equilibrado em sua função, o braço


esticado oferece uma resistência nítida e forte. Do contrário, se o chakra estiver
em desarmonia e desequilibrado, sente-se nitidamente que o braço do paciente
não oferece essa resistência, e ele é abaixado com pouco esforço pelo terapeuta.

190
Percorrem-se os sete chakras e assim o terapeuta obtêm uma imagem clara da
condição energética de cada chakra. Quando existem perturbações significativas
num chakra, o teste do braço sempre reage mostrando debilidade.
O teste deve ser repetido tantas vezes, até se ter um resultado confiável,
considerando que se deve fazer uma pausa para evitar indícios de cansaço no
braço do paciente.

Testes especiais constam que o braço suporta uma pressão de cerca de 20 kg, no
fator tido como “resistência forte”. De outro modo, o braço não oferece resistência
a uma pressão de 8 kgf. Nisso deve ser levada em consideração, naturalmente, a
constituição física do paciente. O teste não é uma “guerra” de forças entre
terapeuta e paciente. A diferença entre o “forte” e o “fraco”, contudo, é percebida
distintivamente, tanto pelo terapeuta como pelo paciente que se submete ao teste.

Teste do polegar e dedo indicador

Uma variação do teste cinesiológico consiste no firme aperto pelo paciente, do


polegar e o indicador da mão direita, e na cobertura do chakra a ser testado pela
mão esquerda.

O terapeuta tenta, então, desprender os dedos do paciente a um comando do


mesmo. Caso os dedos ofereçam grande resistência, o chakra testado estará em
ordem. Se a resistência for fraca, o chakra estará perturbado e, portanto,
necessitando de terapia.

Obs: para os dois tipos de teste cinesiológicos, é claro que é preciso um pouco de
prática para conseguir resultados seguros. Contudo esse método funciona
otimamente, e o terapeuta pode notar com clareza qual o chakra a ser trabalhado
com mais atenção para se encontrar a harmonia.

191
Capacidade mediúnica

Outro meio de reconhecer a função dos chakras de outras pessoas, pelo


terapeuta, é a capacidade mediúnica deste (se a tiver), de perceber, nos chakras
do próprio corpo, aquilo que é sentido e experimentado pelo paciente. Para isso, o
terapeuta se projeta no corpo energético do paciente e “sente” as vibrações
positivas ou negativas. O livre arbítrio é válido, mas não se recomenda a
viabilização desse tipo de teste.

Hábitos de dormir

Se o paciente, interrogado nos seus hábitos de dormir, estes podem dar uma pista
ao terapeuta, sobre o funcionamento dominante de certos chakras.

• Chakra Raiz – de barriga para baixo, 10 a 12 horas de sono.


• Chakra Genésico – posição embrionária, 8 a 10 horas de sono.
• Chakra Plexo Solar – deitado de costas, 7 a 8 horas de sono.
• Chakra Cardíaco – deitado à esquerda, 5 a 6 horas de sono.
• Chakra Laríngeo – deitado alternando direita/esquerda, 4 a 5 horas de sono.
• Chakra Frontal – sono e cochilo, cerca de 4 horas.
• Chakra Coronal – apenas cochilos que se estendem durante o dia e a noite.

Considere-se o que podemos chamar de um “sono misto”, que uma interpolação


das variações descritas. O modo mais preponderante indica qual chakra é mais
dominante, enquanto o menos ou os menos preponderantes, indicam quais os
chakras dominantes e pelos quais o paciente costuma levar a sua vida.

192
Considerações sobre os métodos de análise dos chakras

Fora o método do pêndulo, pode-se usar pela radiestesia, o aurameter, o dual-rod,


a vara de condão (biotensor), a forquilha (rabdomancia). A fotografia Kirlian seria
um ótimo processo de análise, porém custoso e de difícil interpretação. O
diagnóstico do “ponto terminal”, do terapeuta Peter Mandel (Energetische
Terminalpunktdiagnose – Diagnose Energética do Ponto Terminal) é ainda a
grande sensação do momento.

Há pesquisas em vários países, para a construção de aparelhos para medição da


energia sutil. Entretanto, a melhor e mais bem aparelhada “máquina” de medição
de energias sutis, é o ser humano através da sua bioenergia.

Se você, terapeuta, afinal só souber usar corretamente um dos métodos


comentados para exame dos chakras, isso poderá ser suficiente. Às vezes, é
melhor dominar bem um assunto do que muitos apenas pela metade e de modo
superficial. Seja um especialista e não um generalista.

Algumas pequenas correlações chákricas

Considerando os Centros Mentais, os Centros das Emoções / Sentimentos e os


Centros da Vontade, eis aqui alguns conceitos para cada chakra quando estão em
bom funcionamento. A partir daí, pode-se inferir pequenas pistas para o
diagnóstico completo de cada chakra:

Sétimo chakra – Coronal – Integração da personalidade total com a vida,


aspectos de espiritualidade e humanidade.

Sexto chakra – Frontal – Emoções – Capacidade de visualizar conceitos


mentais.

Sexto chakra – Vontade – Capacidade de por as idéias em obra de maneira


prática.

Quinto chakra – Laríngeo – Emoções – Aceitação e assimilação. Comunicação.

Quinto chakra – Vontade – Sentido do eu, dentro da sociedade e da profissão.

Quarto chakra – Cardíaco – Emoções – Sentimentos de amor para consigo


mesmo e para as outras pessoas. Abertura para a vida.

Quarto chakra – Vontade – Vontade do Ego, ou vontade dirigida para o mundo


exterior.

193
Terceiro chakra – Plexo Solar – Emoções – Grande prazer, expansividade e
consciência universal. Sabedoria espiritual. Quem é você.

Terceiro chakra – Vontade – Cura, intencionalidade dirigida para a nossa saúde.

Segundo chakra – Genésico – Emoções – Qualidade de amor ao sexo oposto,


concessão e recebimento do prazer físico, mental e espiritual.

Segundo chakra –Vontade – Quantidade de energia sexual.

Primeiro chakra – Raiz – Quantidade de energia física. Vontade de viver.

Medição da aura com um pêndulo ou um aurameter

Proceder da seguinte maneira:

• Encostar a ponta do pêndulo ou do aurameter no corpo do paciente. Deixar por


alguns segundos encostado para que o cérebro do terapeuta entre em
ressonância com o cérebro / aura do paciente.
• Conforme a convenção adotada, afastar muito lentamente o pêndulo ou a
ponta do aurameter do corpo do paciente e esperar a movimentação do
pêndulo / aurameter.

Esse procedimento deve ser realizado em todo o corpo do paciente dos pés à
cabeça, considerando o paciente de frente e de lado para o terapeuta.

O terapeuta deve anotar qualquer distorção encontrada para mais tarde, quando
do tratamento com Reiki, aplicar a Limpeza da Aura, apesar de que o Reiki por si
só, já consolida a aura no seu devido lugar e corrige as distorções.

Limpeza da Aura

A técnica de Limpeza da Aura significa simplesmente a limpeza do campo do


paciente pela retirada do entulho áurico. Além de limpar, esta técnica também
enche a aura de energia e geralmente a reequilibra.

Isso se faz introduzindo energia no corpo aos poucos, a começar pelos pés. O
melhor é introduzir energia de maneira natural, criando equilíbrio e saúde em todo
o sistema.

A energia, portanto, se introduz no corpo a partir dos pés, porque normalmente é


extraída da terra através do primeiro chakra e dos dois chakras da planta dos pés.
As energias da terra são sempre necessárias para curar o corpo físico porque
pertencem às vibrações inferiores. Por conseguinte, você estará derramando

194
energia num sistema esvaziado da maneira mais natural possível. Assim sendo, o
corpo de energia absorve a energia e transporta-a para onde for necessário.

O processo deve ser realizado na parte frontal e dorsal do corpo do paciente:

1. Sente-se com as mãos nos pés do paciente até que o campo geral esteja limpo
e equilibrado. A energia que flui dessa posição ativa todo o campo. Caso sinta
canalizar uma determinada cor, consinta que ela flua normalmente. Não se
concentre em uma determinada cor: os campos são mais “experts” do que sua
mente linear. Suas mãos poderão experimentar sensações de calor,
formigamento, pulsações lentas e rítmicas ou perceber mudanças de fluxo da
energia. Quando sentir um fluxo de energia igual nos dois pés, passe para a
fase seguinte. As sensações nas mãos são válidas para todas as outras
posições.
2. Conserve uma das mãos no corpo do paciente a fim de manter a conexão.
Coloque uma das mãos na planta de um dos pés e a outra mão no tornozelo.
Faça a mesma coisa no outro pé.
3. Conserve uma mão no tornozelo e deslize a outra até o joelho. Faça o mesmo
na outra perna.
4. Conserve uma mão no joelho e deslize a outra até o quadril. Faça o mesmo na
outra perna.
5. Conserve uma das mãos no quadril e deslize a outra até o Chakra Genésico.
Faça o mesmo do outro lado do quadril.
6. Conserve uma das mãos no Chakra Genésico e deslize a outra mão até o
Chakra do Plexo Solar.
7. Conserve uma das mãos no Chakra do Plexo Solar e deslize a outra mão até o
Chakra Cardíaco.
8. Nesse ponto, coloque uma das mãos na palma da mão do paciente alinhando
os chakras ali existentes e deslize a outra mão até a parte frontal do cotovelo.
Faça o mesmo no outro braço.
9. Conserve uma mão na parte frontal do cotovelo e deslize a outra mão até o
ombro. Faça o mesmo no outro braço.
10. Conserve uma mão no braço e deslize a outra mão até o Chakra Cardíaco.
Faça o mesmo a partir do outro braço.
11. Conserve uma mão no Chakra Cardíaco e deslize a outra mão até o Chakra
Laríngeo.
12. Conserve uma mão no Chakra Laríngeo e deslize a outra mão até o Chakra
Frontal, em linha reta ou pelo lado do rosto do paciente.
13. Conserve uma mão no Chakra Frontal e deslize a outra mão até o Chakra
Coronal.
14. Deslize a mão que está no Chakra Frontal até o Chakra Coronal.
15. Separe e conserve as duas mãos nos dois hemisférios cerebrais.
16. Termine levando as duas mãos acima do Chakra Coronal como se tivesse
“empurrando” a energia para cima.

195
O processo acima descrito é realizado com o paciente deitado de costas. Peça
para o paciente virar-se e ficar de bruços e refaça todos os passos descritos.

Limpeza da coluna

Avalie com o pêndulo a necessidade de uma limpeza na coluna do paciente ou


então “sinta” essa necessidade com outros recursos que você tenha, como por
exemplo, a Percepção Extra Sensorial. Trata-se, via de regra, de uma boa coisa,
pois limpa a principal corrente de energia vertical do campo áurico.

Para realizar a limpeza da coluna, peça ao paciente que se deite de bruços.


Tenha, para isso, uma mesa que permita olhar diretamente para baixo, pois o
paciente não deve virar a cabeça para lado nenhum neste trabalho. Se você não
possuir este tipo de mesa, procure com ajuda de travesseiros, garantir que o
paciente não vire a cabeça para o lado.

Massageie a área do sacro. Usando os polegares, massageie os forames (orifícios


do osso, onde passam os nervos) do sacro. O sacro é um conjunto de ossos
unidos, com a ponta dirigida para baixo, acima do gluteus maximus, com cinco

196
forames de cada lado do triângulo. A última vértebra lombar se assenta sobre ele,
e o cóccix se estende para baixo, a partir da extremidade inferior.

Faça pequenos círculos com os polegares na área dos forames do sacro,


obedecendo  a ordem de giro de cada chakra e a região que eles abrangem, para
homem e mulher. Envie energia Reiki pelos polegares acrescida da cor de cada
chakra, uma vez que massageados os forames, deve-se percorrer a coluna de
baixo para cima fazendo massagens do lado de cada vértebra, e trocando de cor
conforme a área de atuação de cada chakra.

Feito isso. Desça as mãos até a área do sacro e com as duas mãos em conjunto
canalize a luz azul como se fosse um raio laser, percorrendo toda a coluna e
saindo pelo alto da cabeça, através do Chakra Coronal.

Desintoxicação do organismo através do Tanden

Quando se fizer a Limpeza da Coluna, ou em outro qualquer momento do


tratamento com Reiki, deve-se fazer a desintoxicação do organismo através do
Tanden. Para isso estando o paciente de bruços ou de costas, coloque uma das
mãos sobre o Tanden e a outra nas costas, no ponto que lhe corresponde.

Mantenha as mãos nessas posições durante exatos treze minutos e imagine todas
as toxinas saindo do corpo, principalmente pelos pés e se adentrando ao solo.
Essa técnica é muito eficaz contra a excessiva quantidade de remédios que o
paciente possa ingerir, sendo igualmente eficaz contra a constipação.

O estômago do paciente geralmente produz ruído (borborigmos) depois de alguns


minutos de tratamento. Por isso previna-o antecipadamente para não se
envergonhe por causa disso. Há muitas pessoas que são extremamente
reservadas quanto a isso e fazem de tudo para reprimi-los. Os borborigmos são
até, um sinal efetivo que o tratamento para desintoxicação está surtindo efeito,

197
apesar de que ruídos não são uma regra para isso, somente um indicador. Se não
houver ruídos, não significa menor eficácia no tratamento.

Posições de mãos e dedos durante o Reiki

Durante uma sessão de Reiki, para o Reiki Tradicional, temos 12 posições básicas
de mãos para um tratamento completo. Cada posição de mãos, olhando pelo lado
da técnica de uma forma simplista, sem que haja pelo lado do doador, recursos
para melhor análise e sua intuição ainda não esteja apurada o suficiente; o tempo
necessário é de cinco minutos em cada posição.

Todavia, independente do processo puramente técnico, há de levar em conta as


necessidades do paciente. Para tanto, uma dor, por exemplo, em um lugar
diferente das posições habituais, deve ser tratada com maior atenção, assim como
outros vários problemas que o paciente possa apresentar.

A intuição é o melhor termômetro para definição dos pontos do corpo do paciente


que há necessidade de tratamento. Confie nas tuas mãos; elas te guiarão para o
melhor caminho para o paciente, inclusive para você mesmo, no auto - reiki.

À parte desse processo, colocamos aqui as possibilidades de uso das mãos e


dedos durante um tratamento:

• Testa – mão inteira sobre a testa, coincidindo chakra da mão com o chakra
frontal.
• Têmporas – duas mãos, uma em cada têmpora.
• Região occipital – duas mãos na região occipital, com os dedos terminando na
medula oblongata.
• Nuca – mão inteira na nuca
• Garganta – duas mãos enlaçando a garganta com as pontas dos dedos se
tocando.
• Topo da cabeça – mão inteira sobre o topo da cabeça, coincidindo o chakra da
mão com o chakra coronal.
• Estômago e Intestinos – uma mão no estômago e outra no abdômen cobrindo
os intestinos em ambos os lados do corpo.
• Olhos – uma mão em cada olho, coincidindo os chakras das mãos com os
olhos.
• Entre os olhos e nariz – dedo indicador e polegar na base superior do nariz.
• Entre os olhos e têmporas – três dedos de cada mão tocando o ponto entre os
olhos e as têmporas. Dois lados.
• Osso nasal – mão esquerda no chakra coronal e dois dedos, indicador e médio
em cima do osso nasal, a partir de sua base.
• Laterais do nariz – mão esquerda no chakra coronal e dois dedos, indicador e
médio nas laterais do nariz.

198
• Meio da testa – dedo indicador com a ponta exatamente em cima do chakra
frontal.
• Canal auditivo – dedo indicador ou médio suavemente colocado na entrada do
canal auditivo. Dois lados.
• Parte anterior e posterior das orelhas – com as mãos nas duas orelhas,
enlaçando cada orelha entre os dedos indicador e médio.
• Boca – sem cobrir os lábios, uma mão enlaçando a boca entre os dedos:
indicador, médio anular e mínimo. O dedo indicador fica entre o nariz e a boca
e os restantes no queixo. A outra mão no chakra correspondente ao chakra
frontal, na parte posterior da cabeça, na altura da medula oblongata.
• Língua – colocar o dedo indicador ou médio na parte anterior da língua. Usar
luvas de látex descartáveis.
• Raiz da língua –colocar o dedo indicador ou médio na raiz da língua, tomando-
se o cuidado de não provocar vômito. Usar luvas de látex descartáveis.
• Cartilagem da garganta – uma mão na nuca e outra tocando a cartilagem da
garganta usando os dedos indicador e médio.
• Meio da testa – uma mão no chakra coronal e outra usando os
dedos:indicador, médio e anular cobrindo verticalmente o chakra frontal.
• Meio do lábio superior – uma mão no chakra coronal e outra usando o dedo
indicador ou médio entre o nariz e o lábio superior.
• Pulmões – mãos colocadas ao longo vertical dos pulmões frente e costas.
Considerar a parte alta e baixa dos pulmões.
• Fígado – uma ou duas mãos diretamente sobre o fígado.
• Intestino grosso superior e lado, intestino grosso inferior e região do intestino
delgado – Colocar as duas mãos nas regiões determinadas e afetadas.
• Região da bexiga – colocar uma mão ligeiramente acima do púbis, sobre a
bexiga.
• Região do útero – colocar uma mão ligeiramente mais acima do púbis, sobre o
útero.
• Trompas, ovários – colocar as mãos entre o útero e o os ossos salientes do
quadril.
• Órgãos genitais – Esta posição deve ser feita sem encostar, até 2,5 cm de
distância do corpo, com uma mão. Conservar a outra mão em qualquer outra
parte do corpo, para não perder a ligação energética.
• Diafragma – uma ou duas mãos diretamente sobre o diafragma.
• Traquéia – uma mão diretamente na traquéia no sentido vertical.
• Brônquios – duas mãos diretamente no começo da ramificação dos brônquios.
• Região do coração – nunca colocar a(s) mão(s) diretamente sobre o coração.
Para esta área, colocar as mãos em forma de “T” considerando uma mão
sobre o chakra cardíaco na vertical e outra acima, na horizontal, formando o
“T”.
• Apêndice xifóide – uma mão diretamente no apêndice xifóide ou dois dedos, o
indicador e médio.
• Apêndice – Uma mão diretamente no apêndice.

199
• Ureter – uma mão diretamente no ureter. Esta posição deve ser realizada sem
tocar, a exemplo de “órgãos genitais”.
• Seios – duas mãos, uma em cada seio, sem tocar, avisando o paciente da
retirada das mãos ou uma mão sem tocar nos seios e outra tocando em
qualquer outro lugar do corpo.
• Vértebras cervicais, torácicas e lombares – conforme a região afetada, usar os
dedos de uma ou das duas mãos. Cada dedo sobre cada vértebra.
• Sacro, cóccix – uma mão diretamente sobre o cóccix.
• Rins – uma mão em cada rim.
• Glândulas supra-renais – a mesma posição dos rins, apenas um pouco acima.
• Deslizamento para recolocação do paciente à realidade – deslizar as mãos
lado a lado com a coluna, desde o sacro até a medula oblongata. Repetir por
três vezes.
• Cotovelos – uma mão em cada cotovelo.
• Palmas – centralizar os chakras das palmas das mãos com os chakras das
palmas das mãos do paciente.
• Plantas dos pés – uma mão em cada planta dos pés, abrangendo toda a região
do pé.
• Região anal – uma mão no cóccix e outra dirigida diretamente ao ânus do
paciente, sem tocar.
• Percussão punho ou dedos – percutir onde a intuição mandar com o punho
fechado ou com a ponta de três dedos: indicador, médio e anular.
• Glândulas – manter as mãos sobre cada glândula importante no corpo
humano.
• Varizes – colocar uma mão no início da veia e outra no final. Repetir na outra
perna, mesmo que não haja necessidade.
• Celulite – mãos no início e final. Repetir na outra perna.
• Culote – mãos no início e final. Repetir na outra perna.
• Joelhos – uma mão em cada joelho, frente e atrás.
• Panturrilha – uma mão em cada panturrilha, atrás e na frente.
• Tornozelos – uma mão em cada tornozelo, frente e atrás.
• Peito do pé - Uma mão em cada peito de pé.
• Ciático – Uma mão no início do nervo ciático, na base da coluna e outra mão
na planta do pé.

Come se pode perceber, vista a pequena relação acima “o céu é o limite” para
aplicação do Reiki. Além das posições já consagradas (12), temos inúmeras
variações. Deixe sua intuição te levar pelo caminho do coração e do amor
enquanto estiver aplicando Reiki. O Reiki o conduzirá.

Não deixe também de levar em conta as avaliações pendulares ou através da


P.E.S. ou de qualquer artifício extra sensorial, ou de simples análise que lhe ajude
nessa empreitada.

200
Algumas regras, contudo, não podem ser infringidas e outras seguidas
rigorosamente, a saber:

• Os braços e pernas do paciente não podem ficar cruzados.


• Se o paciente quiser ficar com as mãos colocadas na barriga, por exemplo,
durante todo o tratamento de costas, aplicar o Reiki por sobre as mãos do
mesmo.
• O doador de Reiki não deve cruzar as pernas durante a sessão e de
preferência manter os dois pés ao solo.
• A falta de órgãos e membros não justifica a não necessidade de Reiki. A parte
etérica continua presente.
• Considerando que o corpo do paciente tem uma parte yin e outra, yang,
qualquer colocação de mãos que não seja pontual, deve abranger os dois
lados do corpo do paciente, mesmo que a energia Reiki não seja polarizada.
• O doador de Reiki não deve cruzar as mãos por sobre o paciente. Se tiver que
trocar de posição e haja esta necessidade, levantar a mão e circundar o corpo.
• Nunca o doador de Reiki deve retirar as mãos do paciente sem antes avisá-lo,
no caso de uma emergência. Deve-se procurar manter sempre pelo menos
uma mão em contato com o paciente até o final da sessão.
• Partes íntimas não devem ser tocadas, mesmo que haja permissão do
paciente para tanto. Conservar a (s) mão (s) no máximo a 2,5 cm de altura do
corpo do paciente.
• Ao tratar um paciente, esteja aberto a tudo o que os seus sentidos
perceberem. Seja a personificação da atenção: registre cada pensamento,
cada sentimento, cada inspiração, mesmo que pareçam totalmente
irrelevantes. Observe seu paciente. A cor da pele dele e a posição do corpo.
Os membros estão estendidos naturalmente? A coluna está reta ou apresenta
desvios? O corpo se mexe durante o tratamento? Há sobressaltos?
Contrações? É frio, meio-termo ou quente? A respiração é profunda ou
superficial, regular ou irregular? Há rigidez ou descontração? Qual a expressão
facial do paciente? Choro quieto ou convulsivo? Se você tem P.E.S., como se
apresenta a aura do paciente? Estas observações entre tantas a nível
observável e outras subliminares podem dar uma pista ao doador quanto às
necessidades de energia do paciente.
• Sensações sexuais – sensações sexuais são as mais naturais no mundo e nos
seres humanos. Porém, se a sexualidade é reprimida, ela passa a se
manifestar em outro lugar, em geral de maneira indesejada. O que fazer se
durante uma sessão de Reiki, o doador se sentir sexualmente excitado? Esta
conotação de excitação pode partir simplesmente do doador ou ser uma
sensação subliminar provinda do paciente, não importa o sexo. O método mais
simples é pensar em outra coisa! Agora, se o estímulo é tão forte que o método
anterior não funcione, inspire pelo nariz e sinta a energia fluindo para o corpo
através do primeiro chakra. Assim como o ar desce até o abdômen, a energia
sobe na direção oposta, do primeiro ao sexto chakra, até o nariz. Ela sai
rapidamente do corpo nesse ponto, para voltar ao canal de energia com a
expiração e então descer ao primeiro chakra. A energia sai rapidamente do

201
corpo ali, e todo o processo se repete com a respiração seguinte. Outro
método que produz um efeito imediato é imaginar / sentir uma bola reluzente
em torno do doador em lindas tonalidades cor-de-rosa, permeável de dentro
para fora e impermeável de fora para dentro.
• Sempre o doador deve permitir a presença de pessoas que estejam
acompanhando o paciente, principalmente o caso de cônjuges. Evidentemente
deve ser usado o bom senso, para que a sessão não fique prejudicada. Avisar
aos acompanhantes quanto ao silêncio necessário e não intervenção.
• O doador de Reiki ou terapeuta Reiki ou Reikiano deve se preparar para ouvir.
Muitas vezes, o paciente tem uma história de vida a contar e sente
necessidade disso. Ter alguém para escutar seus problemas e que não esteja
envolvido com eles é, para muitas pessoas, uma catarse relevante. O
terapeuta não deve emitir opiniões se não for convidado a tanto. Caso haja o
pedido, deve enfatizar que é apenas o que ele próprio faria em determinadas
situações, não sugestionando o paciente a nada. Ser gentil é uma coisa,
intrometer-se...
• Fazer mensurações periódicas com o pêndulo, P.E.S. ou outro artifício, para
avaliação do estado dos chakras entre outras avaliações de cunho físico,
mental, emocional e espiritual.
• Verificar se o paciente já superou os problemas iniciais e finais e gentilmente
retirar o tratamento. Muitas pessoas ficam “viciadas” em Reiki e usam-no sem
necessidade. O terapeuta tem que estar atento a isso, para que o paciente
comece a “andar com suas próprias pernas”.

Posições tradicionais de mãos durante um tratamento com Reiki, por Takata

202
203
204
205
206
Posições de mãos livres e intuitivas ou previamente marcadas pelo Byosen
preconizadas por Mikao Usui

Nuca

Garganta

207
Chakra Coronal ou Chiryo-Ho

Chakra Frontal

Têmporas

208
Região occipital

Parótidas

209
Olhos

Base do nariz

210
Base do nariz

Lados dos olhos

211
Lados dos olhos (outra forma)

Dois lados do nariz

212
Chakra Frontal

Canal auditivo

213
Canal auditivo (outra forma)

Boca

214
Chakra Laríngeo

Chakra Frontal (outra forma)

215
Boca (outra forma)

Parte alta dos pulmões

Parte baixa dos pulmões

216
Intestino grosso (alça)

Chakra Cardíaco

217
Chakra Cardíaco (outra forma)

Brônquios

218
Parte baixa dos pulmões, fígado, pâncreas, estômago

Intestinos delgados

Trompas, ovários, gônadas

219
Intestino delgado

Pulmões parte baixa (laterais)

Pulmões parte baixa (laterais)

220
Intestino grosso parte baixa

Virilha

221
Fígado

Bexiga

222
Celulite

Varizes (fazer na outra perna)

Joelhos

223
Parte anterior da panturrilha

Parte anterior do tornozelo

Peitos dos pés

224
Solas dos pés

Chakras Coronal e Básico

Chakras Frontal e Genésico

225
Chakras Láríngeo e Plexo Solar

Chakra Cardíaco

226
Ombros

Dentes

227
Acerto do Chakra Frontal

Apêndice

228
Energia em um ponto (laser)

Energia em um ponto (laser)

Mão e cotovelo

229
Mão e parte anterior do cotovelo

Ombro e cotovelo

Seio (sem tocar) – Uma mão tocando em qualquer ponto do corpo

230
Seio (outra visão)

Dedos

231
Dedos

Mãos por cima do paciente

232
Estômago

Fígado

233
Escápulas

Parte média dos pulmões

234
Rins

Nádegas

Varizes, dores

235
Varizes, dores

Parte posterior dos joelhos

Tornozelos

236
Planta dos pés

Para o caso de doenças no ânus ou aparelho genital

237
Coluna

Coluna

Coluna

238
Coluna

Pulmões

Coluna

239
Coluna

Percussão na coluna (sempre para baixo)

Percussão na coluna

240
Percussão (outro modo)

Percussão no braço (sempre para baixo)

Percussão na perna (sempre para baixo)

241
Percussão no pé

Nervo ciático (repetir no outro pé)

242
Olhar

Sopro

243
Língua (usar luvas de látex)

Coluna

Coluna

244
Coluna

Coluna

245
Planta dos pés

Planta e peito do pé

246
Peito do pé e região anterior do tornozelo

Tornozelo e joelho

Joelho e quadril

247
Quadril e Chakra Genésico

Reiki em si próprio:

248
Aplicação de reiki em outras pessoas

249
Ritmos Cardíaco e Respiratório - A Proporção Saudável

Nas terapias holísticas, e o Reiki não foge a essa regra, precisa-se entender a
relação entre os ritmos cardíaco e respiratório do corpo. Para que a terapia tenha
o máximo de eficácia, esses dois ritmos, ou a sua proporção precisa estar em
equilíbrio para que a energia do corpo (Ki) funcione de maneira satisfatória.

A proporção de 5:1 é considerada ideal, sendo a medida do coração a mais alta e


a da respiração a mais baixa, embora 4:1 ou 6:1 sejam também suficientes para o
propósito de cura.

Para medir o ritmo cardíaco, a pulsação deve ser tomada colocando-se um ou


dois dedos, com exceção do polegar, na linha do polegar, sobre o ligamento
intermediário do pulso, por um minuto. No cálculo do ritmo respiratório,
computamos um movimento completo: uma inalação e uma exalação
correspondem a um movimento.

Exemplificando: se o ritmo cardíaco for 75 batimentos por minuto, considerado


normal (mais alto nas crianças) e o ritmo respiratório for de 15 movimentos por
minuto, a proporção é 5:1, isto é, 75 divididos por 15.

Ritmo respiratório muito rápido – proporção < 5 – quando o batimento cardíaco for
mais ou menos normal, mas o ritmo respiratório for demasiadamente rápido (ex:
75/25 = 3:1), os pulmões terão que trabalhar excessivamente para receber a
quantidade apropriada de oxigênio e muitas vezes não liberam totalmente o gás
carbônico e as toxinas. Durante o Reiki o doador deverá dar certa preferência de
tempo à região pulmonar, na região alta e baixa, anterior e posterior, visualizando,
canalizando a luz Índigo.

Ritmo respiratório muito lento – proporção > 5 – quando o ritmo cardíaco for
normal e o respiratório muito baixo (ex: 75/10 = 7,5: 1), o corpo não estará
recebendo oxigênio suficiente, pois os pulmões estão enfraquecidos ou, talvez, o
centro respiratório no cérebro esteja sofrendo ação de toxinas e, portanto, é
incapaz de ajudar a desintoxicar o corpo. Durante o Reiki, o doador deverá dar
certa preferência de tempo à região pulmonar, na região alta e baixa, anterior e
posterior, visualizando e canalizando a luz Laranja, para ativação dos pulmões.
Em seguida é preciso fazer uma desintoxicação geral nos pulmões, canalizando a
cor Verde.

Ritmo cardíaco muito rápido – proporção > 5 – com batimentos cardíacos muitos
acelerados e um ritmo respiratório normal (ex: 105/15 = 7:1), o coração precisa ser
tranqüilizado por meio da aplicação do Reiki, canalizando a cor Púrpura na região
do chakra cardíaco frontal, nunca diretamente sobre o coração.

Ritmo cardíaco muito lento – proporção < 5 – com batimentos cardíacos muito
lentos e um ritmo respiratório normal (ex. 45/15 = 3:1), o coração precisa ser

250
estimulado por meio da aplicação do Reiki, canalizando a cor Escarlate na região
do chakra cardíaco frontal, nunca diretamente sobre o coração.

Quando não se sabe ao certo se ritmo cardíaco é rápido ou lento demais em


determinada pessoa, uma vez que ele se altera com a idade, com a prática de
exercícios físicos e com a alimentação, deve-se sempre observar a proporção.
Faça os tratamentos com Reiki, canalizando as cores determinadas e observe a
proporção a cada sessão.

Resumo das proporções:

Proporção 5:1 – saúde boa ou boa chance de recuperação.


Proporção 4:1 – saúde relativamente boa e chances relativamente boas de
recuperação.
Proporção 3:1 – necessidade de tratamento urgente, possivelmente tóxico.
Proporção 2:1 ou menor – a morte pode estar próxima, mas o restabelecimento
sempre é possível.
Proporção 6:1 ou superior – toxinas podem estar sobrecarregando o coração ou o
centro da respiração no cérebro. O corpo provavelmente está sendo afetado por
toxinas.

A importância da proporção – antes de colocar em prática o Reiki, o doador terá


que calcular essa proporção para verificar se os batimentos cardíacos e os
movimentos respiratórios estão funcionando normalmente e, portanto, mais
receptivos ao tratamento. É importante que esses dois sistemas de energia vital
funcionem nas proporções 4:1, 5:1, 6:1 ou nas suas entre fases.

Em casos graves, o tratamento dos principais sintomas deve ser iniciado


imediatamente após o Chiryo (tratamento). Em casos menos críticos, deve-se
equilibrar a relação coração / pulmão a uma proporção saudável, durante o
tratamento com Reiki.

Caso todo o esforço realizado com Reiki, não obtenha sucesso no equilíbrio da
proporção, deve-se sugerir ao paciente um acompanhamento clínico especializado
na área cardíaca e respiratória, paralelo ao tratamento com Reiki.

Distúrbio do equilíbrio proporcional – quando a proporção volta a desequilibrar-se


dentro de alguns dias após a aplicação do Reiki canalizado com as cores devidas
e ter efetuado o equilíbrio, isso talvez possa indicar que a pessoa vive num
ambiente tóxico. Converse com o seu paciente se há toxinas poluindo o ar como:
pesticidas, bolinhas de naftalina, herbicidas, produtos de limpeza, tintas, fumaça
de tabaco, etc., no interior ou em volta do ambiente. Peça ao seu paciente
remover ou neutralizar esses produtos tóxicos. Não se descarta, todavia, a
hipótese de uma doença cardíaca e/ou respiratória casual ou genética. Nesse
caso, o acompanhamento médico especializado é imprescindível.

251
O Tratamento dos Chakras

Os chakras são os pontos energéticos mais importantes no ser humano e são


responsáveis pelo fluxo energético. Em caso de qualquer tipo de doença, os
chakras devem ser tratados, pelo fato de se encontrarem bloqueados, para
restabelecer a saúde do indivíduo. Existem dois métodos para o tratamento dos
chakras: o equilíbrio e a reconstrução.

Equilíbrio dos Chakras:

Assim como as pessoas são diferentes umas das outras, o funcionamento dos
chakras difere de indivíduo para indivíduo. Na maioria das pessoas, os chakras
não funcionam perfeitamente, alguns têm muita energia, outros, pouca. É
necessário restabelecer o equilíbrio entre eles, retirando energia dos mais
sobrecarregados e transferindo-a para os menos carregados.

A técnica é a seguinte: coloca-se uma mão sobre o 1º chakra e a outra sobre o 6º


chakra até sentir-se a mesma sensação. Em seguida, faz-se o mesmo com o 2º e
o 5º chakras, e por fim, com o 3º e o 4º chakras. Este equilíbrio deve ser incluído
em todo tratamento do Reiki. O 7º chakra também pode ser trabalhado em
conjunto com o chakra da Raiz e de dois em dois até ser terminado com as duas
mãos sobre o chakra Cardíaco.

Reconstrução dos Chakras:

As situações de desequilíbrio vividas podem afetar gravemente alguns chakras.


Estes podem apresentar perturbações morfológicas, encontrar-se girando em
sentido ao contrário do normal para homens e mulheres ou estar fora do seu eixo.

Nesse caso só o tratamento de equilíbrio não é suficiente, é necessário colocar a


Energia Vital neles para que sua normalidade seja restabelecida. A técnica é a
seguinte: coloca-se uma mão na parte frontal e outra na parte dorsal do chakra;
assim a energia fluirá intensivamente, restaurando-o. O tempo médio para cada
chakra é de cinco minutos.

252
O Ritual do Reiki

O ritual do Reiki não é obrigatório, porém exerce funções muito importantes no


processo de aplicação. Ajuda o reikiano a entrar em contato com a egrégora do
Reiki, ou seja, o campo energético criado por todos os praticantes de Reiki no
mundo todo e em todos os tempos.

Além disso, um ritual estabelece uma seqüência e ordem que orienta o reikiano,
preparando-o internamente para centralizar-se no coração, e assim, ser um bom e
verdadeiro canal. Com a repetição continuada do ritual, o cérebro entrará
automaticamente em ritmo alfa sempre que for iniciado.

O ritual Reiki pode sofrer algumas alterações de Mestre para Mestre, porém
destacamos alguns pontos fundamentais:

• A auto-centralização.
• A evocação da energia universal.
• O acariciamento ou alisamento da aura.

• A reverência à pessoa.
• A reverência à energia.

As Posições do Reiki – Tratamento Completo

Todas as posições para a aplicação do Reiki têm uma finalidade, tratam


problemas específicos e servem ainda como guia para a prática do Reiki.
Contudo, é necessário que o reikiano recém iniciado, desenvolva sua
sensibilidade e intuição para outros pontos de necessidade energética, tanto em
si, como no outro. Cada pessoa tem necessidades específicas, por isso cada
aplicação de Reiki é única e as necessidades de uma mesma pessoa modificam a
cada aplicação.

253
Auto Tratamento com Reiki

É possível e recomendável ao reikiano desenvolver o hábito de realizar o


tratamento em si mesmo, pois, faz parte da higiene energética, ajudando ainda o
desenvolvimento do doador, além de ser extremamente prazeroso. As mesmas
posições usadas para o tratamento em outra pessoa, podem e devem ser usados
pelo reikiano em si mesmo.

Tratamento Sistemático com o Reiki – Tratamento Padrão

Inicialmente o processo começa com quatro aplicações por quatro dias


consecutivos. Após esse período, passa-se a fazer uma sessão semanalmente, e
com a progressão do tratamento, o número de sessões vai diminuindo
(quinzenalmente, mensalmente, até a alta).

O Reiki impulsiona o processo natural de cura através da ativação de energias de


auto-cura do paciente, porém não substitui os cuidados médicos nem os remédios.

As doenças crônicas, em geral, necessitam de um tratamento mais prolongado. Às


vezes é o caso de fazer sessões contínuas com período de tempo mais extenso.

Outras Aplicações do Reiki:

O Reiki pode ser aplicado em plantas, animais, alimentos, remédios e água, enfim,
em tudo que é vivo.

Considerações sobre o equilíbrio e reconstrução dos chakras

Quando se trabalha com a energia Reiki em um paciente em que previamente já


foi escutado o seu histórico de problemas atuais ou passados e já foi realizada a
medição dos chakras para confirmar certos sintomas físicos, emocionais, mentais
ou espirituais, deve-se levar em consideração que durante a aplicação da energia,
os chakras já recebem-na de modo satisfatório para que ocorra um certo corretivo
de modo individual.

Entretanto, como já enunciado, os chakras têm íntima ligação entre si através de


um tronco de distribuição que corre ao longo da coluna.

Tal configuração chákrica promove a desfiguração de não apenas um determinado


chakra. As decorrências físicas, mentais, emocionais ou espirituais, podem fechar
um determinado chakra. Para esse chakra tentar se suprir, ele pode começar a
retirar energia de outros chakras, que estão interligados, ocorrendo que outros
chakras irão também apresentar desequilíbrios, aumentando as decorrências.

254
É claro que as decorrências podem, devido a sua própria complexidade, atingir
vários chakras ao mesmo tempo. O terapeuta criterioso pode, através das
medições dos chakras, traçar um panorama próximo da realidade do paciente,
incluindo aí, nuances que o próprio paciente renega.

As posições padrões de aplicação do Reiki trabalham praticamente chakra a


chakra. Todavia, é necessário e interessante que se faça o equilíbrio dos chakras
frontais, dos dorsais e entre os frontais e os dorsais e, naturalmente, as pontas do
tronco, que são os chakras Coronal e Raiz.

Equilíbrio dos Chakras Coronal e Raiz

• Colocar uma mão, alinhando o chakra da palma da mão com o chakra Coronal.
• Colocar a outra mão, alinhando o chakra da palma da mão com o chakra da
Raiz.
• Esperar até que as duas mãos tenham sensações semelhantes.

Equilíbrio dos Chakras Frontais

• Sempre alinhando os chakras das palmas das mãos, colocar uma mão no
chakra Genésico e outra mão no chakra Frontal.
• Colocar uma mão no chakra do Plexo Solar e outra mão no chakra Laríngeo.
• Juntar as duas mãos no chakra Cardíaco.
• Sempre esperar que as duas mãos tenham sensações semelhantes.

255
Equilíbrio dos Chakras Dorsais

• Em técnica semelhante ao do Equilíbrio do Chakras Frontais, sempre


alinhando os chakras das palmas das mãos, colocar uma mão no
correspondente dorsal do chakra Genésico e outra mão no correspondente
dorsal do chakra Frontal.
• Colocar uma mão no correspondente dorsal do chakra do Plexo Solar e outra
mão no correspondente dorsal do chakra Laríngeo.
• Juntar as duas mãos no correspondente dorsal do chakra Cardíaco.
• Sempre esperar que as duas mãos tenham sensações semelhantes.

Reconstrução dos Chakras

• Sempre alinhando os chakras das palmas das mãos, colocar uma mão no
chakra Frontal e outra mão no chakra dorsal correspondente.
• Colocar uma mão no chakra Laríngeo e outra mão no chakra dorsal
correspondente.
• Colocar uma mão no chakra Cardíaco e outra mão no chakra dorsal
correspondente.
• Colocar uma mão no chakra do Plexo Solar e outra mão no chakra dorsal
correspondente
• Colocar uma mão no chakra Genésico e outra mão no chakra dorsal
correspondente
• Sempre esperar que as duas mãos tenham sensações semelhantes.

Algumas considerações:

• O equilíbrio dos chakras constituem um padrão quando não se conhece a


profundo os problemas enfrentados pelo paciente naquele momento.
• Percebe-se que pela técnica apresentada o terapeuta carreia a energia para o
chakra Cardíaco.
• Caso o paciente precise de energia (apesar de que a energia Reiki é tida como
“inteligente” e vai onde é preciso) mais nos chakras inferiores ou nos
superiores, deve-se considerar o que vêm a seguir.

Necessidade de energia nos chakras inferiores

• Colocar uma mão, alinhando o chakra da palma da mão com o chakra da Raiz.
• Colocar a outra mão, alinhando o chakra da palma da mão com o chakra da
Coronal.
• Manter a mão no chakra da Raiz e descer a outra mão, chakra a chakra, até o
chakra Genésico.

256
• Esperar até que as duas mãos tenham sensações semelhantes.

Nota: técnica muito usada em pacientes com histórico de depressão.

Necessidade de energia nos chakras superiores

• Colocar uma mão, alinhando o chakra da palma da mão com o chakra Coronal.
• Colocar a outra mão, alinhando o chakra da palma da mão com o chakra da
Raiz.
• Manter a mão no chakra Coronal e subir a outra mão, chakra a chakra, até o
chakra Frontal.
• Esperar até que as duas mãos tenham sensações semelhantes.

Nota: técnica muito usada em pacientes com histórico de ansiedade.

Necessidade de energia nos chakras superiores e inferiores

• Colocar as duas mãos, alinhando os chakras das palmas das mãos com o
chakra Cardíaco.
• Uma mão sobe e a outra desce, chakra a chakra, terminando com uma mão no
chakra Coronal e outra mão no chakra da Raiz.
• Esperar até que as duas mãos tenham sensações semelhantes.

Nota: técnica muito usada em pacientes com histórico de depressão bipolar, onde
se alternam ansiedade (euforia) com intensa depressão.

Importante!

Quando de uma aplicação de Reiki sem que haja uma avaliação prévia do estado
dos chakras, faz-se um alisamento da aura no começo e no final, sendo que o
último movimento do alisamento final é “puxar” (carrear) a energia para cima, em
direção ao chakra Coronal.

Considerando as técnicas de Equilíbrio e Necessidade, o alisamento final deve ser


realizado normalmente e o último movimento deve seguir o que foi realizado
dentro dessas técnicas. Compreendendo melhor: carrear a energia para baixo ou
para cima, para o chakra central (Cardíaco) ou deste para cima e para baixo.

Selamento dos Chakras

Este trabalho pode ser realizado depois de trabalhar com Reiki ou somente em
todos os chakras ou em algum chakra em especial. Esta é uma forma de purificar

257
a energia e de selar e proteger e energia delicada dos chakras, fortalecendo o
campo áurico.

Ter certeza seja qual for a técnica de análise (radiestesia, radiestesia mental,
vidência, etc.), que os chakras estejam suficientemente abertos e equilibrados
para se realizar este selamento.

Pode-se fazê-lo independente de um trabalho específico de Reiki. Basta saber se


os chakras estão abertos e equilibrados. O selamento garantirá o equilíbrio e
abertura por mais tempo, conservando a saúde física, emocional, mental e
espiritual.

O procedimento para o selamento dos chakras é o que se segue:

1. Pegar uma vela acesa e traçar três vezes ao redor do corpo o contorno de uma
cruz luminosa dentro de um circulo de luz. Fazer o movimento na direção
horária.

2. Trace um círculo luminoso em volta do corpo.

3. Forme cruzes luminosas dentro de círculos de luz em volta de cada chakra.


Fazer o movimento em sentido horário.

4. Circunde o corpo três vezes com um círculo luminoso. Movimento horário.

5. Trace uma cruz luminosa dentro de um círculo de luz por todo o corpo.

6. Faça uma cruz luminosa dentro de um círculo de luz, do alto da cabeça à base
da coluna vertebral.

7. Faça uma cruz luminosa dentro de um círculo de luz no peito, no ponto em que
os braços se ligam ao tronco.

O procedimento deve ser realizado nas costas e depois na frente do corpo após a
sessão de Reiki.

258
Massagem nas Zonas de Reflexo nos Pés

Tornou-se um fato bastante conhecido entre os terapeutas que cada parte do


corpo e cada órgão apresenta zonas de reflexo correspondentes. Além das
orelhas e de outros pontos no corpo humano (mãos, rosto, olhos, nariz, cabeça e
costas), talvez a zona de reflexo mais conhecida sejam os pés, nos quais o
organismo inteiro é refletido em pequenas zonas.

A tradicional terapia das zonas de reflexo dos pés consiste numa massagem
especial de pontos específicos dos pés.

Para essa massagem, considerar os órgãos afetados por alguma doença ou falta
de energia, localizados nas zonas de reflexo de cada pé e aplicar o Reiki em
forma de pressão usando o dedo médio ou em massagens circulares usando o
mesmo dedo.

Considerar que cada chakra rege, conforme já explanado, determinados órgãos e


tecidos do corpo humano. Destarte, a massagem de cada órgão / tecido, deverá
ser feita em movimentos circulares, conforme o giro de cada chakra: dextrogiro ou
sinistrogiro, considerando-se homem e mulher.

259
Os setes chakras também têm sua “zona de conexão” própria nos pés e isso nos
dá a oportunidade de tratar terapeuticamente, através dos pés, todos os chakras
do corpo com igual eficiência.

O tratamento, equilíbrio e reconstrução dos chakras podem ser realizados nos


pés, conforme o já apresentado para o corpo. A única exceção a considerar é que
se deve realizar os procedimentos nos dois pés.

260
O Corpo Humano

Quem se dedica a terapias holísticas, como o Reiki, deve procurar conhecimentos


a respeito da estrutura do corpo humano, localização e funcionamento dos órgãos.

Quanto mais se souber a respeito, maior eficácia conseguirá com o Reiki.

Aspectos de psicologia, linguagem do corpo, filosofia entre tantos assuntos que a


ciência nos concede, são de muita valia para um bom desempenho do terapeuta.

A seguir, algumas visões esparsas do corpo humano:

261
262
263
264
265
266
267
268
Reiki Emergencial

O Reiki Emergencial é executado quando não há possibilidades de se fazer um


atendimento completo em uma pessoa que eventualmente não esteja passando
bem, como por exemplo: enxaqueca, dores de cabeça não específicas, dores no
corpo, tristeza, ansiedade, etc.

O paciente deve ser atendido em uma cadeira ou em qualquer lugar que se possa
alcançar os pontos definidos. O terapeuta não precisa de nenhum ritual para ativar
a energia Reiki. Afinal, onde um iniciado reikiano toca, estará carreando a Energia
Vital. Alguns reikianos esfregam as mãos para ativar a Energia, nesses casos.

Os rituais são ótimos para tratamentos longos, para se manter uma egrégora
positiva. As posições das mãos:

Por trás do paciente:

Mãos nos ombros

269
Duas mãos no topo da cabeça (chakra Coronal)

Ao lado do paciente, sem perder o contato:

• Chakra Frontal, uma mão no frontal e a outra no dorsal.

270
Chakra Laríngeo, uma mão na garganta (frontal) e outra na sétima vértebra
(dorsal).

Colocar as mãos na área frontal e dorsal do corpo do paciente, palmo a palmo,


até atingir o máximo do final da coluna/púbis, sem constrangimento ao
paciente.Manter as mãos nos pontos indicados de 3 a 5 minutos, ou quanto a
intuição mandar.

271
Terminar o tratamento, puxando a energia de baixo para cima, acima do chakra
Coronal.

272
Para emergência, o Reiki também pode ser usado pontualmente em dores, cortes,
fraturas e infarto do coração. Todavia deve-se lembrar:

• Em cortes, doe o Reiki a uma distância de até 2,5 cm.


• Em fraturas, NUNCA coloque as mãos diretamente. Somente dos lados.
• Infarto do coração: NUNCA coloque as mãos diretas no coração. Coloque uma
mão no Plexo Solar e peça ajuda.
• Dores: pontualmente.

273
OKUDEN (Sabedoria Profunda)

O Ritual do Reiki para o Segundo Grau

O ritual do Reiki não é obrigatório, porém exerce funções muito importantes no


processo de aplicação. Ajuda o reikiano a entrar em contato com a egrégora do
Reiki, ou seja, o campo energético criado por todos os praticantes de Reiki no
mundo todo em todos os tempos.

Além disso, um ritual estabelece uma seqüência e ordem que orienta o reikiano,
preparando-o internamente para centralizar-se no coração, e assim, ser um bom e
verdadeiro canal. Com a repetição continuada do ritual, o cérebro entrará
automaticamente em alfa sempre que for iniciado.

O ritual Reiki pode sofrer algumas alterações de Mestre para Mestre, porém
destacamos alguns pontos fundamentais:

• A auto-centralização.

• A evocação da energia universal.

• O acariciamento ou alisamento da aura.

• A reverência à pessoa.

• A reverência à energia.

O Ritual Reiki – Procedimentos preparatórios

Nas iniciações introdutórias ao Primeiro Grau de Reiki, alguns Mestres Reiki


adotam e ensinam rituais antes e depois de um tratamento completo, isto é, um
tratamento aplicado no corpo inteiro do paciente. Como acontece em todos os
procedimentos formais, é proveitoso conhecer o significado e o uso dos rituais de
Reiki, como o que se segue:

• Remover as jóias

Quase todos gostam de usar jóias: pedras preciosas ou semipreciosas, metais


preciosos, objetos feitos de madeira ou couro, Por mais bonitas que essas coisas
possam parecer, elas podem causar problemas no nível energético. Metais e

274
pedras atraem certas energias sutis e a terapia da medicina alternativa usa essa
qualidade para tirar do corpo essas energias negativas. Mas, a capacidade desses
auxiliares é limitada, pois os terapeutas que usam pedras preciosas ou
semipreciosas (gemoterapia) sabem por experiência que precisam limpar
regularmente as pedras usadas em processos de cura.

Se essas pedras não forem purificadas, elas não terão condições de curar ou, o
que é pior, elas mesmas ficarão “doentes”. Além disso, pedras saturadas com
energias negativas irradiam emanações equivalentes. Isto se aplica também aos
metais, ao vidro e ao plástico. Os materiais orgânicos, como a madeira e o couro
são menos suscetíveis do carregamento energético negativo.

As jóias que as pessoas usam durante todo o dia entram em contato com toda
sorte de vibrações energéticas. Saturadas com as energias do ambiente, elas irão
atuar como emissores em miniatura e irão causar efeitos adversos em seus
portadores, de acordo com a susceptibilidade de cada indivíduo às vibrações sutis.
Assim, sua dor de cabeça pode desaparecer rapidamente se você limpar seus
óculos em água corrente, com regularidade. Brincos de qualquer modelo
constituem-se em um caso especial: existem dezenas de pontos de acupuntura no
ouvido externo que podem afetar o corpo todo. Os brincos são fixados diretamente
ao lado desses pontos e por isso transferem sua emissão diretamente para os
canais energéticos do corpo.

Anéis, correntes e relógios muitas vezes formam um circuito fechado de metal e


estes por terem uma energia de forma implícita, podem impedir a livre circulação
das energias sutis que circulam nos meridianos do corpo, não alimentando
adequadamente os nádis e, conseqüentemente os chakras principais.

Como se pode aferir facilmente com um pêndulo ou por P.E.S., esses circuitos
fechados reduzem o fluxo de energia sutil no corpo. A energia Reiki, por ser uma
forma de energia mais elevada do que a energia comum, seu fluxo não será detido
com facilidade. Entretanto, o sistema de energia sutil do corpo do paciente pode
deixar de responder plenamente à energia Reiki, factuado que está pelo
enfraquecimento provocado por esses circuitos de metal.

Os relógios de quartzo emitem vibrações que podem ser medidas eletronicamente


ou através da radiestesia. Avaliados com um pêndulo, todos os relógios movidos à
bateria e batimento vibratório dos cristais de quartzo, fatalmente indicarão uma
energia negativa. Como o corpo humano também possui uma freqüência
vibratória, mas diferente, o que não o torna invulnerável ao ritmo do relógio de
quartzo, já que este atua como uma fonte constante de interferência a que o corpo
humano precisa se contrapor. Essa interferência potencial precisa ser evitada,
pelo menos durante uma sessão de Reiki. O ideal seria que as pessoas, sem
qualquer intuito propangandístico, pensassem em usar relógios mecânicos, pelo
menos a favor de sua própria saúde.

275
Naturalmente, todas essas orientações também se aplicam ao terapeuta reikiano,
se ele pretende ser um mais eficiente canal da Energia Vital.

• Lavar as mãos

Para os conhecedores da Bíblia, em seu Novo Testamento, Pôncio Pilatos disse


durante a condenação de Cristo: “Eu lavo minhas mãos; sou inocente”.
Certamente, esse não é o exemplo mais positivo do simbolismo de lavar as mãos,
mas ele contém a palavra-chave: inocência.

Além do propósito higiênico óbvio, o ato de lavar as mãos tem ainda um


significado estético. As mãos tocam continuamente muitas coisas e também
transpiram, para certas pessoas. Nas posições iniciais do tratamento completo, o
terapeuta coloca as mãos diretamente sobre o rosto, ou próximo a ele (Reiki sem
toque); o paciente pode imediatamente sentir odores e as próprias mãos através
dos nervos faciais, extremamente sensíveis. Se as mãos tiverem um cheiro neutro
e se não grudarem na pele do paciente, sem dúvida o tratamento será muito mais
agradável.

Outro motivo, mais sério, para lavar as mãos antes e depois de um tratamento
com Reiki, se localiza no plano sutil. O corpo humano é envolvido pela aura, que
desempenha nesse plano uma função semelhante à que a pele exerce no plano
mais denso: ela protege o corpo energético interno e é responsável pela
transferência da informação sutil e das energias que fluem para dentro o fora do
corpo. Como acontece com a superfície da pele, a aura também absorve, com
muita intensidade as impressões das coisas com que ela entra em contato. Essas
impressões podem causar irritações em sensitivos, mas são facilmente eliminadas
com água corrente. O terapeuta reikiano pode começar o seu trabalho, convicto
dessa pequena limpeza áurica. Todavia, se por algum motivo, o terapeuta não
dispuser de água, pode obter o mesmo efeito de limpeza energética, expondo as
mãos à chama de uma vela por alguns segundos.

• Enxaguar a boca

Pelo mesmo princípio exposto da necessidade de lavar as mãos antes da


aplicação do Reiki e depois também, evidentemente por uma questão de higiene
física e áurica, a boca contém todas as premissas áuricas da pele. Mais ainda que
a pele com os seus detalhamentos, quando ingerimos alimentos, a boca
permanece com resíduos mínimos mesmo que feita adequada higienização. Os
alimentos industrializados com os mais variados produtos químicos para a sua
conservação, produzem resíduos de inevocável negatividade.

A higiene da boca, incluindo os dentes e a língua é crucial para a própria saúde de


qualquer indivíduo. O simples ato de enxaguar a boca antes de uma sessão de
Reiki não retira a necessidade da higienização.

276
No Segundo Grau do Reiki, a utilização dos símbolos é intensa e uma das
técnicas é exatamente aquela em que a boca é utilizada: soprar os símbolos já
mentalizados em qualquer região do corpo do paciente e, certamente, não seria
nada agradável pelo menos para o receptor, receber um ar inconveniente. Repleto
de “n” símbolos, sem dúvida, mas desprovido do frescor e leveza necessários.

• A auto-centralização

Antes de se iniciar um tratamento completo ou mesmo pontual e emergencial,


reunindo-se as condições necessárias, o terapeuta reikiano deve fazer a
invocação da Energia Vital.

Pessoas que já estudaram sobre o poder das velas, têm entendimento que estas,
acesas para um determinado fim, carregam no seu bojo uma espécie de
retransmissor dos pedidos e orações realizados diante delas. Enquanto arde a
chama da vela, os pedidos vão se repetindo no éter de uma forma constante,
levando essa corrente ou forma-pensamento para se juntar a egrégora formada
por milhares de criaturas que participam dessa mesma forma de pensar,
caracterizando-se então um retorno poderoso às criaturas inseridas nesse
contexto. Não podemos deixar de anotar a questão da religiosidade de cada um;
porém esse é apenas um aspecto subjetivo nessa relação. A fé expressada em
uma dimensão não palpável, onde o antropocentrismo do ser humano fez nascer
diversas religiões e credos que existem, sem dúvida empresta ao ser humano uma
benesse a mais nos seus atos concretos.

A incerteza de quem somos, de onde viemos e para onde iremos e, principalmente


o medo oculto da morte faz o ser humano procurar respostas na fé e nas
incertezas dessa mesma fé.

A auto-centralização é simplesmente um ato de fé. Para um terapeuta seguidor de


uma determinada religião, sua invocação certamente se dará em nome de Deus,
de Cristo ou aos seus santos de louvação. Para um ateu, que nega a existência de
Deus, apesar de ser paradoxal, pois quem nega alguma coisa por não conhecê-la,
nos seus aspectos íntimo e subliminar, admite a existência dessa coisa, pois se
não houvesse suporte, não teria porque negar a existência de algo que não existe.
Seria no mínimo, ilógico. As mentes humanas são complexas, mas para esse
ateu, supondo ele como um terapeuta reikiano, a fé ou convicção naquilo que está
por fazer já significa um alento.

Portanto, a auto-centralização é a ligação que o reikiano tem com a sua parte


divina, naquilo que ele acredita como divino nele mesmo e naquilo que ele
acredita como divino fora de si. E essa invocação pode ser feita à maneira de
cada um: rezando, meditando, conversando com o seu próprio eu, mas antes de
tudo, fortalecendo a sua fé no trabalho terapêutico do Reiki. É muito importante
interceder, pedir pela recuperação de seu paciente, mesmo fora de qualquer

277
padrão religioso, pois mesmo assim estará erigindo uma importante forma-
pensamento.

• A Evocação da Energia Universal

Para um reikiano do Segundo Grau, ele irá trabalhar com três símbolos: o Hon
Sha Ze Sho Nen, o Sei He Ki e o Cho Ku Rei. Estes símbolos irão acompanhá-lo
para o resto de sua existência. O terapeuta tem que tê-los permanentemente em
sua memória e alma.

Após a Auto Centralização ele pode desenhar a seqüência dos símbolos,


fechando a série com o Cho Ku Rei, gesticulando no ar com uma mão e com a
outra aposta ao chakra Cardíaco, mantralizando cada yantra desenhado. Pode
ainda, e este processo é mais fácil e denso, mentalizar os yantras e os mantras
respectivos, isso, com as duas mãos apostas ao chakra Cardíaco. O reikiano deve
esperar alguns instantes, para que ocorra algum indício da conexão com a
Energia Vital, como por exemplo, uma pequena aceleração na respiração, no
batimento cardíaco, um calor subindo ou descendo pela coluna, formigamento ou
calor nas mãos ou uma pequena e suavíssima tontura. Cabem aqui somente
alguns exemplos do momento da conexão com a Energia Vital (Rei); poderão ser
muitos e variados e cada um terá a sua compreensão desse momento. Pode-se
ter apenas um desses sintomas, partes, ou o conjunto deles.

Que se anote que a energia Reiki sempre estará presente independente de rituais.
Basta a um reikiano tocar em algo, que já estará canalizando a energia. Esfregar
as mãos, para muitos, é um código particular para a energia começar a fluir. Isso
depende da emergência ou a preferência de cada um. Todavia, o ritual de
Evocação como descrito agrega uma corrente-pensamento muito poderosa ao
terapeuta e seu trabalho se dará dentro de uma atmosfera mais densa sob o
aspecto energético e facilitará também a conexão emergencial.

• A Reverência à Energia Reiki

Sem nenhum conteúdo místico ou religioso, o terapeuta reikiano deve ter em


conta que o processo de canalização da Energia Vital se envolve em aspectos que
a física quântica tenta explicar sem sucesso, portanto esbarra na questão do
extraordinário.

O indivíduo se conecta a uma Energia não-palpável, transmite-a ao paciente e


seus efeitos são inquestionáveis dado às recuperações de dores, doenças físicas
e emocionais, muitas vezes sem acompanhamento médico, como soe acontecer
com a população carente de recursos.

Barbara Ann Brennan, autora do livro Mãos de Luz, em seu segundo livro, “Luz
Emergente” tenta equacionar a questão dos curadores (não-reikianos) com

278
experiências de laboratório, onde um doador e um receptor são conectados para
leitura de seus respectivos eletroencéfalogramas. Discorre a Dra. Bárbara, que
após o começo da doação da energia, ambos, doador e receptor, que estavam
com o cérebro em estado de vigília, normalmente na freqüência de 13/14 ciclos
por segundo (13/14 Hz), começaram quase de imediato a entrar no chamado
estado Alfa, na freqüência de 7,8 ciclos por segundo (7,8 Hz).

Ocorre que já é fato consumado na ciência médica que o cérebro, trabalhando


nessa freqüência Alfa, trabalha a favor da pessoa, agindo diretamente no sistema
imunológico que, por algum motivo depauperado, retoma seu ritmo normal,
combatendo doenças físicas instaladas.

A Dra. Bárbara afirma ainda em seu livro, que a freqüência do campo


eletromagnético em volta da Terra pulsa a 7,8 ciclos por segundo (7,8 Hz),
concluindo então que o doador capta esse campo eletromagnético e, sendo a fase
eletromagnética conhecida pela radiestesia como curativa, e o transmite para o
receptor, razão pela qual o cérebro de ambos entram em ressonância entre si e a
Terra.

Trocando em miúdos, afirma-se que o processo seria a captação do campo


eletromagnético pelo doador e condensado através das suas mãos, adentraria na
aura e no corpo do receptor, onde então se daria a cura dos mais diversos males
que afligem os seres humanos.

O argumento parece ser concreto, todavia seria duvidoso seguir apenas por esse
caminho. Não estamos todos à mercê do campo eletromagnético da Terra? Então,
quais as razões das doenças?

Se interagirmos por outro ângulo, poderíamos nos perguntar: como a Terra e os


seres humanos surgiram? O universo? O infinito? Não há explicações plausíveis
nem pela ciência, nem pelos mais nobres pensadores que já tentaram explicar,
sem demonstrar, teorias e mais teorias sobre a Criação. O aporte de tudo isso só
pode se resguardar por hipóteses sem estofo. Entramos então, na natureza
sobrenatural das coisas.

E por sobrenatural, não inoculado de explicações clarificantes, temos que nos ater
aos efeitos que a Energia Vital (Rei) em conjunto com a energia que dá vida aos
corpos (Ki), canalizada por um indivíduo (doador), trabalha em padrões alterados
física, emocional, mental e espiritual em outro indivíduo (receptor) e o recupera
aos padrões de naturalidade. E isso se dá há centenas, senão milhares de anos,
uma vez que a Energia Vital já era conhecida e utilizada há mais de 2.500 anos.

Destarte, quando se fala em Reverência à Energia, presume-se que estamos


adentrando no campo sobrenatural e este, por proporcionar o bem-estar aos seres
humanos, deve ser respeitado por tal motivo.

279
O Reiki não é religião e sim manifestação. E há de se ter respeito por uma
manifestação não palpável, porém de visibilidade ímpar, pelos seus feitos e
efeitos.

Então, reikiano, agradeça e reverencie a Energia Vital pelo simples fato dela existir
e poder ser transmitida através de você.

• A Reverência à Pessoa

Após todos os procedimentos descritos, onde o terapeuta pede, ora, para que a
Energia Vital flua através dele e que seja um bom canal e concomitante intercede
pelo receptor para a recuperação dos seus problemas. Realizada a conexão com
a Energia Vital, o terapeuta aproxima-se lentamente do paciente e, a mais ou
menos um metro de distância, une as palmas das mãos e aproxima-as a altura do
Chakra Frontal e saúda o paciente dizendo: “Namastê” (e o nome da pessoa).

Namastê é uma palavra que significa de imediato “o Divino que está em mim,
saúda o Divino que está em você”, além de outros significados com outras
palavras, mas com o mesmo teor reverencial.

O terapeuta deve ter a consciência de que mesmo que esteja trocando seus
serviços por pecúnia ou caridade, o ser humano ali, à sua frente, merece todo o
respeito que se possa dar e principalmente o Amor.

Aqui, cabe um importante destaque: Rei é uma energia, que se unindo à energia
pessoal do terapeuta (Ki), se transforma na energia Reiki. Entenda-se como
“trocar seus serviços por pecúnia ou caridade”, mormente a primeira hipótese, o
terapeuta não está cobrando, nem poderia, cobrar por algo que permeia todo o
Universo e está à disposição de qualquer um que queira, através de uma
Iniciação, utilizá-la para a sua benesse ou de terceiros. O terapeuta pode quando
muito receber algo em troca, pela sua disposição e o seu tempo, como em
qualquer outra profissão.

• A Aproximação

Após a Reverência à Pessoa, o terapeuta deve se aproximar muito lentamente do


paciente, com os braços estendidos e com as palmas das mãos viradas para
frente. A aproximação deve ser gradual e isso se explica pelo fato que o terapeuta
envolto com a sutileza das suas camadas áuricas, se aproxima e se adentra e
interage com as também sutis camadas áuricas do paciente.

Como cada chakra, em sua forma de cone invertido, quando das interações
humanas, saem do seu bojo, fios etéricos que se unem, entrelaçam com qualquer
pessoa que esteja dentro do seu campo áurico e seus respectivos fios etéricos.

280
Há de se considerar e compreender que, na maioria dos casos, quando uma
pessoa procura um tratamento holístico e alternativo, já está de certa forma,
desiludido com a medicina ortodoxa. Para muitos, psicologicamente, trata-se da
sua “última esperança”. Então, fora os problemas pertinentes à sua procura pelo
tratamento alternativo, some-se a ansiedade em ter a sua questão física,
emocional ou mental resolvida. A aura desse indivíduo carrega-se das impressões
de seus problemas, mais a ansiedade adicional, sem falar as possíveis doenças
ou problemas plasmados na sua aura e ainda não densificados no seus corpos
físico e mental.

Mesmo no campo dos relacionamentos interpessoais, é negativo para os


envolvidos aproximarem-se com muita rapidez de pessoas conhecidas, ou pior,
desconhecidos. A interação das pessoas quer uma, quer as duas ou mais, pode
ser uma experiência negativa para algumas delas, pelo sentimento densificado do
problema alheio em sua própria aura.

Para o terapeuta reikiano em especial, a atenção deve ser redobrada, porque


estará em definitivo, diante de uma pessoa com problemas. As aproximações
graduais, que deveria ser dessa forma ou em todas as relações humanas são
importantes para o terapeuta, dado que os fios etéricos que saem pelos chakras
se entrelaçam suavemente e não uma interação energética tão poderosa naquele
momento.

Igualmente, após o tratamento / sessão, a desaproximação também deve ser


lenta, senão mais ainda, para que esse entrelaçamento etérico se desfaça
naturalmente, sem rompimentos, para que não haja resquícios áuricos negativos,
absorvidos da outra pessoa. Diz-se que a energia Reiki só tem um caminho: do
Universo passando pelo doador diretamente ao receptor e que não existe retornos
negativos do receptor para o doador. Isto é verossímil, porém, cuidados adicionais
são de excelente aceitabilidade.

• Acariciamento ou Alisamento da Aura

Aproximando-se do paciente, o terapeuta desenha com uma mão, o símbolo Cho


Ku Rei, da cabeça até o final do tronco e entoa o seu mantra, uma vez. A seguir,
com uma das mãos aposta sobre o seu plexo solar, começa o Acariciamento ou
Alisamento da Aura.

A finalidade precípua do Alisamento da Aura tem por proporcionar um relaxamento


inicial para o paciente. Muitas pessoas que entram em contato com a energia
Reiki pela primeira vez, vêm acompanhadas de uma ansiedade natural pelos
resultados passíveis de serem alcançados com o tratamento, fora, evidentemente
seus problemas físicos ou emocionais, que pode incluir deveras, a própria
ansiedade. Ao proceder dessa forma, o terapeuta também estará retirando em
parte, resíduos tóxicos já presentes na Aura do paciente.

281
O terapeuta começa o Alisamento da Aura a partir da cabeça, rodeando o corpo
inteiramente, acompanhando a silhueta do paciente, com a mão livre sempre
virada para si, “desenhando” o corpo do paciente a uma distância máxima de 3,0
cm da pele. Depois de completadas três voltas no entorno do corpo do paciente, o
terapeuta toca em qualquer parte (normalmente no ombro) do corpo do mesmo e,
a partir daí, começa o tratamento, sem deixar pelo menos uma mão em contato
com o paciente. Cabe observar que esse movimento de alisamento deve ser lento
e contínuo. Pessoas com grande sensibilidade podem dentro de um movimento
muito rápido pelo terapeuta, sentir tonturas ou náuseas.

Após os Tratamentos Sistemáticos com o Reiki, estando o terapeuta com uma das
mãos no corpo do paciente, realizará o mesmo Alisamento da Aura, finalizando
com o influxo da energia na direção conveniente, conforme a necessidade e o
problema do paciente.

O terapeuta retira as mãos lentamente e desenha novamente o símbolo Cho Ku


Rei e desta vez, repete o mantra três vezes. Abre os braços com as palmas das
mãos viradas para sua frente e desaproxima-se lentamente e, na mesma distância
anterior, faz novamente a Reverência à Pessoa e afasta-se, desacoplando-se do
paciente, esfregando as mãos vigorosamente e soprando-as por três vezes, isso,
para diluir uma possível injunção kármica terapeuta / paciente.

A Reverência à Energia é válida no final do processo, agradecendo pela


oportunidade de ser um doador e pedindo pelo restabelecimento do paciente. E,
se houver vela acesa, deve ser apagada sem soprá-la.

Tratamento Sistemático com o Reiki - Segundo Grau – Considerações

Inicialmente o processo começa com quatro aplicações por quatro dias


consecutivos. Após esse período, passa-se a fazer uma sessão semanalmente, e
com a progressão do tratamento, o número de sessões vai diminuindo
(quinzenalmente, mensalmente, até a alta). Vamos considerar como “alta”, a
percepção do paciente que já se considere curado ou atenuado do seu problema.
O reikiano sempre deverá ter o cuidado de não retirar impressões erradas a
respeito do seu paciente, pois somente este é que pode avaliar os benefícios a
curto ou a longo prazo em função da terapia. Tecnicamente quem se dá “alta” é o
próprio paciente.

O terapeuta deve fazer avaliações periódicas quanto ao estado dos chakras entre
outros aspectos do problema do paciente e informá-lo do progresso do tratamento.

Deve-se evitar maneira delicada, que o paciente desenvolva dependência das


aplicações de Reiki. Os aspectos subjetivos da mente humana travam verdadeira
batalha contra a cura. Isso, porque às vezes a doença é uma válvula de escape
para muitas pessoas. Sentimentos de abandono, rejeição entre outros tantos,
podem levar o paciente não querer que a doença seja curada, pois assim continua

282
sendo alvo de atenções e preocupações por parte de seus parentes e entes
queridos.

Muitas vezes o paciente é “empurrado” pela família ou amigos para um tratamento


que ele não deseja, pois assim perderia o status da atenção e preocupação.

Há pessoas, indene de quaisquer dúvidas, acham, por princípios religiosos, fé em


algo fora de si, consciência ou inconsciência de atos praticados no passado ou
presente, que merecem tal doença, tal problema emocional, etc.

Para essas pessoas, sentir-se melhor durante e após as sessões de terapia


reikiana, é quase um sofrimento insuportável, pois logo terá que se apresentar à
sua realidade.

Daí resulta num “vício” ou círculo vicioso, onde o paciente faz a terapia, sente-se
bem, mas não quer perder o que já tinha conseguido com sua doença. Pode voltar
inúmeras vezes para tratamentos longos com aparente melhora e recaídas
constantes. O processo pode ser consciente ou inconsciente.

O que o terapeuta deve sempre fazer é explicar os aspectos do tratamento


reikiano ao paciente e suas correlações. Uma recaída inicial nos dois primeiros
dias de tratamento é normal, uma vez que o processo de cura do Reiki começa a
se dar a partir da terceira aplicação. Nem todos tem a experiência dessa recaída,
pois cada paciente reage a seu modo ou ao modo que seu organismo e sua mente
sente à presença da Energia Vital.
A partir das explicações iniciais, o terapeuta, com o decorrer do tratamento vai se
defrontar com um aspecto quase que universal nos tratamentos com Reiki: o
paciente passa por uma catarse e começa, com o desenvolvimento da confiança
no terapeuta, a expor-se de uma maneira mais relaxada e tranqüila.

É quando o terapeuta se quiser ter um sucesso no processo do tratamento, deve-


se preparar para algo que os especialistas do divã sabem muito bem: ouvir. Ouvir
e pouco interferir, a não ser, é claro, que seja um profissional nessa área da
saúde.

O terapeuta deve ouvir e apenas dar sua opinião somente se consultado,


enfatizando que a opinião relatada é de cunho pessoal, ou seja, atitude que
tomaria se ele, terapeuta, estivesse no lugar do paciente.

O terapeuta deve sempre lembrar que existem pessoas altamente sugestionáveis


e que uma palavra ou um palpite mal colocado pode ativar atitudes no paciente
que se mal conduzidas, podem redundar num estrondoso fracasso, com
conseqüências desagradáveis para o paciente e para o terapeuta leigo, este
principalmente por invadir uma área da medicina ortodoxa sem ter preparo para
tanto.

283
O Reiki, certamente é praticado também por profissionais da área da medicina
ortodoxa, mas o maior número de reikianos situa-se entre os leigos e, apesar da
terapia reikiana estar enquadrada na Organização Mundial de Saúde (O.M.S.)
como apoio alternativo à medicina convencional, o terapeuta reikiano leigo deve-
se inteirar das complicações legais e no âmbito da lei, quanto ao exercício da
profissão.

Os limites de atuação do terapeuta reikiano devem ser observados com o rigor


necessário para não cair no descrédito. Por isso, todo cuidado é pouco quando se
invade o espaço de um paciente com pretensões que não seja aquela de doar a
energia Reiki, pura e simplesmente.

Nenhum profissional da área da medicina ortodoxa seria inconseqüente em


prometer curas, quer no âmbito físico e principalmente nos meandros do mental e
emocional. O terapeuta reikiano deve seguir a mesma conduta, principalmente
sendo leigo. Vemos muitos “reikianos” por aí, prometendo curas a todos os males
que afligem a humanidade. Além de um despropósito, poderia esse procedimento
ser considerada charlatanice, curandeirismo, entre outras denominações.

O terapeuta reikiano deve ter em conta que o Reiki não é uma panacéia para
todos os males humanos, mesmo apesar de muitos tratamentos poderem até
serem considerados “milagrosos”. Coincidência ou merecimento? Fé pelo paciente
ou momento certo para entrar em contato com a Energia Vital? Perguntas demais,
respostas de menos. Nem os mais estudiosos e eloqüentes defensores do Reiki
poderiam responder essas perguntas a não ser com conjecturas.

O importante para o terapeuta reikiano é a sinceridade com os seus pacientes,


não prometendo nada que não tenha certeza que vai objetivar-se. O ser humano
pode ser comparado em seu funcionamento como um perfeito computador.
Quanto às interações cérebro, corpo, mente, alma, nem os mais doutos se
atrevem a conclusões, quando muito a suposições e hipóteses, apesar dos
avanços da medicina.

O Reiki cura? Sim, o Reiki cura. Muitos tentam explicações doutoradas a respeito,
porém a diversidade de opiniões são tantas que se torna impossível saber em
quem acreditar. O cérebro, a mente, a alma, o homem ainda não consegue
explicar a não ser por teorias, normalmente sem estofo suficiente para se auto-
sustentar.

Destarte, o importante dessas divagações para o terapeuta reikiano é que os


sentimentos comezinhos não lhe subam à cabeça e não se sinta um deus. Fora
isso tudo é colocar muito Amor no que faz, assim como em qualquer aspecto da
vida. O resto, Deus, como quer que seja concebido, provê.

O Reiki sim, impulsiona o processo natural de cura através da ativação de


energias de auto-cura do paciente, estas últimas já comprovadas pela ciência,
porém não substitui os cuidados médicos e nem os remédios.

284
Tratamento Reiki com a pessoa presente e sem mensagem

Nesse tipo de tratamento, o terapeuta vai se utilizar exclusivamente do yantra Cho


Ku Rei e seu respectivo mantra, que iniciado no Segundo Grau do Reiki, irá
potencializar o aspecto da passagem da Energia Vital por si.

Em tratamento normal com o Primeiro Grau de Reiki, as posições de mãos, pelo


menos as básicas, devem estar em contato com o paciente por 5 minutos, isso, se
a intuição do terapeuta ainda não estiver adequada e atuante.

O reikiano Segundo Grau pode diminuir esse tempo para um minuto para cada
posição de mãos, salvo se for guiado pela sua intuição, aumentando o tempo de
contato, e, também, na posição especial para apor o yantra no Chakra Coronal do
paciente.

• Realizado todo o procedimentos inicial e já próximo do paciente, o terapeuta


desenha o yantra Cho Ku Rei, da cabeça até o final do tronco do paciente e
pronuncia o mantra Cho Ku Rei. E assim se segue:
• Promover o Alisamento da Aura.
• Após o impulso promovido pela posição Chiryo, passa para as posições 1, 2 e
3 do Reiki Primeiro Grau.
• Posição Reiki Segundo Grau: mão na base do crânio e a outra livre para
desenhar o yantra Cho Ku Rei.
• Desenhar o yantra Cho Ku Rei, considerando a figura oval do topo da cabeça,
fechando o símbolo no Chakra Coronal do paciente e pronunciar o mantra Cho
Ku Rei, uma vez.
• Pressionar suavemente a mão livre contra o crânio do paciente, alinhando o
Chakra da Palma da Mão com o Chakra Coronal do paciente.
• Pronunciar o mantra Cho Ku Rei, três vezes.
• Manter as mãos nessa posição do Segundo Grau do Reiki, por até 15 minutos
ou até quando a intuição mandar, para mais ou para menos.
• Continuar com o tratamento básico do Primeiro Grau do Reiki, adicionadas as
posições especiais de mãos e tempos intuídos (tempo, nunca inferior a um
minuto).
• Promover o Alisamento final da Aura.
• Desenhar o yantra Cho Ku Rei, da cabeça até o final do tronco do paciente e
pronunciar o mantra Cho Ku Rei, três vezes.
• Desaproximar-se, finalizar e agradecer, conforme já descrito.

Caso o paciente, dependendo diretamente da sensibilidade à Energia, esteja


dormindo ou no estado Alfa, chamá-lo pelo nome, e oferecer água previamente
energizada com o yantra Cho Ku Rei.

O terapeuta, nesse momento final, deve colocar-se em postura de receptividade


para ouvir. Saber ouvir sem interferir é um bálsamo que muito vai ajudar, pois o
paciente encontra-se logo após a sessão de Reiki, mais despojada, sem censuras

285
e pela energia do Amor é capaz de “abrir-se”, de mostrar-se “nua”. É muito comum
ocorrer catarse, onde, de certa forma indefeso, aberto e sem lutas interiores o
paciente expõe a alma e revela o seu sofrimento. Realmente é uma catarse
relevante, dado que nem sempre o paciente diz, nos primeiros contatos, o que
realmente acontece no plano consciente e muito menos, por desconhecimento, no
plano sub-consciente. Diversas queixas emocionais e existenciais vêm à tona e só
o fato do terapeuta saber ouvir, já alivia.

Como já exposto, o terapeuta deve ouvir e, somente se absolutamente necessário,


falar, sem conduzir o paciente para este ou aquele caminho. E for inquirido, o
terapeuta deve, a todo custo, colocar a sua resposta mais neutra possível, sem
perder o carinho necessário naquele momento.

Tratamento Reiki com a pessoa presente e com mensagem

Nesse tipo de tratamento, o terapeuta vai se utilizar os yantras Cho Ku Rei e Sei
He Ki e seus respectivos mantras, que iniciado no Segundo Grau do Reiki, irá
potencializar o aspecto da passagem da Energia Vital por si, assim como através
de técnica conveniente vai trabalhar no inconsciente e nos registros Akáshicos do
paciente.

Da mesma forma, em tratamento normal com o Primeiro Grau de Reiki, as


posições de mãos, pelo menos as básicas, devem estar em contato com o
paciente por 5 minutos, isso, se a intuição do terapeuta ainda não estiver
adequada e atuante.

O reikiano Segundo Grau pode diminuir esse tempo para um minuto para cada
posição de mãos, salvo se for guiado pela sua intuição, aumentando o tempo de
contato, e, também, na posição especial para apor o yantra no Chakra Coronal do
paciente.

Nesse tipo de tratamento o símbolo de importância relevante é o yantra Sei He Ki.


Por ser o símbolo do equilíbrio, é um grande integrador para abrir a percepção da
consciência e do subconsciente para a supra consciência. O inconsciente do
paciente é acessado, assim como de forma indireta, os registros da akasha
(memória etérica), trabalhando na transmutação inconsciente / consciente em
problemas de origem psicossomáticos, depressão, medos e traumas.

O Sei He Ki trabalha na passagem do estado letárgico ao estado dinâmico,


movimentando as energias curativas de seu estado letárgico ou inconsciente para
atuar num estado dinâmico ou consciente no plano físico. Por ser equilibrador,
promove a transformação interior do paciente, modificando seus padrões mentais
e, por ressonância, os emocionais, de tal forma e efeito que o indivíduo acaba
passando por um processo de reforma íntima quase automática, pelo fato que
esta não está ainda isenta do esforço pessoal.

286
À parte do acesso aos registros inconscientes e akáshicos, promovendo a
transmutação de questões psicossomáticas, muitos pacientes conhecem seu
histórico de dores emocionais e querem estabelecer um equilíbrio necessário,
assim como, dentro de seus íntimos pensamentos têm necessidades específicas
em alcançar objetivos que julgam não serem capazes.

Para isso, o terapeuta reikiano através de procedimento que irá ser demonstrado
ulteriormente, dialoga com o seu paciente a respeito de suas necessidades e pede
que o mesmo coloque num papel, seu nome completo (o nome completo é um
mantra) seus desejos e pedidos, que serão trabalhados em conjunto com as
transmutações naturais das questões subjetivas desconhecidas do consciente,
assim como as questões ainda mais subjetivas dos registros akáshicos ou
Inconsciente Arcaico.

Para tanto, faz-se necessário expor a técnica utilizada na impressão da


mensagem / pedido a ser aposta no Chakra Coronal do paciente, devido a
seriedade e os princípios que devem ser observados para não se interferir no livre-
arbítrio.

Esses princípios devem ser totalmente éticos e positivos. Se o paciente pede algo
em que prejudique alguém, é antiético. Ele pode possuir dinheiro, trabalho ou
qualquer outra coisa que queira, contanto que não retire de terceiros. Se o que ele
quer de bom para si, implica prejudicar, adentrar no livre-arbítrio de outrem, é
antiético. Pedir um emprego é errado se o objetivo é retirá-lo de outra pessoa; em
vez disso, o paciente deve pedir o melhor emprego disponível para si.

Querer amor, cujo pedido implique no término de outro relacionamento é tão


desprovido de caráter quanto pedir que outra pessoa, sem o consentimento desta,
lhe queira. Também não é correto pedir uma pessoa específica para ele, a menos
que ela concorde. A forma mais correta seria pedir o melhor companheiro (a)
possível para ele (a). Ignorar esses aspectos é ferir o livre-arbítrio alheio e traz,
com certeza absoluta, conseqüências kármicas.

Um provérbio Wicca vaza: “Tome cuidado com o que pedir, pois você pode
consegui-lo”.

O terapeuta deve explicar esses fundamentos ao paciente, sem dirigi-lo quanto às


suas necessidades e sob qualquer pretexto deve aceitar impressionar o
inconsciente de alguém com pedidos abusivos ao equilíbrio universal karma-
dharma.

No tratamento sistemático com o paciente presente ou ausente (tema ulterior) com


mensagem é necessário ao terapeuta estar atento:

• Não deve interferir no pedido, desde que este não seja antiético.

287
• Os pedidos / mensagens devem ser positivos, sem o uso de palavras como:
não, talvez, gostaria, acho, etc. Verbos no futuro também não devem ser
utilizados: terá, ganhará, receberá, gostará, etc.
• Os verbos têm que estar no tempo presente, afirmando o pedido, colocando-o
no agora, no presente, como fato sendo efetivamente vivenciado: tem, está,
ganha, gosta, etc.
• Não ajudar na definição do pedido. Cada qual deve escolher o que julga
necessário para si. O terapeuta definindo, induzindo qual pedido a escolher,
estará também interferindo no livre-arbítrio.
• Fazer entender ao paciente que dezenas de pedidos, trará ao seu consciente
um tremendo esforço para defini-los na realidade. Ele deve ficar reservado e
pensar muito que lhe é mais importante para o momento. De um a três pedidos
seria o ideal.

Com os pedidos escritos a mão, pelo paciente, o terapeuta deve, como no


tratamento sistemático com o paciente presente e sem mensagem, seguir os
seguintes passos:

• Realizado todo o procedimento inicial e já próximo do paciente, o terapeuta


desenha o yantra Cho Ku Rei, da cabeça até o final do tronco do paciente e
pronuncia o mantra Cho Ku Rei. E assim se segue:
• Desenhar o yantra Sei He Ki na altura da cabeça do paciente e pronunciar o
mantra, uma vez.
• Desenhar o yantra Cho Ku Rei na altura da cabeça do paciente e pronunciar o
mantra, uma vez.
• Promover o Alisamento da Aura.
• Após o impulso promovido pela posição Chiryo, passa para as posições 1, 2 e
3 do Reiki Primeiro Grau.
• Posição Reiki Segundo Grau: mão na base do crânio e a outra livre para
desenhar os yantras Sei He Ki e Cho Ku Rei.
• Desenhar o yantra Sei He Ki, considerando a figura oval do topo da cabeça,
enquadrando o símbolo no Chakra Coronal do paciente e pronunciar o mantra
Sei He Ki, uma vez.
• Desenhar o yantra Cho Ku Rei, considerando a figura oval do topo da cabeça,
fechando o símbolo no Chakra Coronal do paciente e pronunciar o mantra Cho
Ku Rei, uma vez.
• Pressionar suavemente a mão livre contra o crânio do paciente, alinhando o
Chakra da Palma da Mão com o Chakra Coronal do paciente.
• Pronunciar o mantra Sei He Ki, três vezes.
• Pronunciar o mantra Cho Ku Rei, três vezes.
• Pronunciar (mentalmente) o nome completo do paciente, três vezes.
• Pronunciar (mentalmente), cada pedido do paciente, três vezes.
• Manter as mãos nessa posição do Segundo Grau do Reiki, por até 15 minutos
ou até quando a intuição mandar, para mais ou para menos.

288
• Continuar com o tratamento básico do Primeiro Grau do Reiki, adicionadas as
posições especiais de mãos e tempos intuídos (tempo, nunca inferior a um
minuto).
• Promover o Alisamento final da Aura.
• Desenhar o yantra Cho Ku Rei, da cabeça até o final do tronco do paciente e
pronunciar o mantra Cho Ku Rei, três vezes.
• Desaproximar-se, finalizar e agradecer, conforme já descrito.

Caso o paciente, dependendo diretamente da sensibilidade à Energia, esteja


dormindo ou em estado Alfa, chamá-lo pelo nome, e oferecer água previamente
energizada com o yantra Cho Ku Rei.

O terapeuta, nesse momento final, deve colocar-se em postura de receptividade


para ouvir e, se necessário, falar, como já descrito.

289
Reiki à Distância

Quando falamos em Reiki, estamos falando em transmissão e captação de


energia. Esta energia está no ambiente, nos seres e em tudo o que nos cerca. É
diferente do que entendemos habitualmente como energia, mas ao mesmo tempo
é semelhante. Este é um axioma hermético: “Tudo que está em cima é como o
que está embaixo, não igual, mas análogo e semelhante”.

O terapeuta reikiano canaliza a Energia Universal e a transmite para o paciente


através da imposição das mãos sobre o corpo imaginário da pessoa, à distância,
sem a presença física do receptor, através de mentalização, da visualização e do
endereçamento do receptor/paciente.

À primeira vista, a transmissão de energia Reiki à distância nos parece algo


conceitualmente difícil de acometer-nos. Porém, temos hoje em dia muitos
exemplos de transmissão de energia sem que haja uma ligação direta ou corpo
sólido para conduzi-la: a telefonia celular, o rádio, a televisão, o controle remoto,
etc. Freqüência é a via eletromagnética por onde se dá a transmissão, de acordo
com as faixas vibratórias emitidas, sendo a luz a única parte visível do espectro
eletromagnético.

Certamente, e este é um fato ainda desconhecido, a energia Vital ocupa um


espaço fundamental dentro deste espectro de freqüência, para que possa chegar
de um transmissor de Reiki a um receptor, considerando a distância entre eles.

Nos últimos tempos, Karl Ernst Lugwig Planck teorizou a respeito e surgiu a física
quântica. Nessa teoria assume-se que a energia é transmitida em pacotes
chamados de “quantum”, daí o nome. Nesses estudos, aliada à física sub-atômica,
que estuda a matéria no nível atômico: prótons, nêutrons e elétrons e a teoria da
relatividade de Einstein, onde o espaço e o tempo são noções relativas e não
absolutas, trouxeram à luz a constituição dinâmica da matéria.

Isto quer dizer que nada no universo está parado. Até mesmo uma pedra,
considerada imóvel aos nossos olhos, é constituída de átomos, constituídos de
partículas em constante movimento, manifestando-se na forma de ondas ou de
partículas, interrelacionando-se com as demais partículas que constituem os
átomos do meio onde está localizada, formando um todo de relações que
caracteriza um universo integrado e em constante mutação. Nada existe de forma
isolada, sempre há a relação com o meio.

De uma forma simplista, pode-se dizer que tudo o que há, relaciona-se entre si no
nível sub-atômico, o espaço e tempo são relativos, isto é, de alguma forma eles
podem ser trabalhados.

Pela visão da física quântica e intercorrelação sub-atômica, podemos conceber a


questão da concepção holística do universo, que entende o homem como um ser

290
todo integrado e partícipe dos sistemas etéricos invisíveis, ou seja, há unicidade
entre tudo que existe, sem a fundamentação de distância, já que tudo está no
Todo. A ciência acadêmica, inclusive a largos passos, já começa a descobrir algo
que já era conhecido das civilizações antigas.

À parte dos processos obtidos pela Dra. Barbara Ann Brennan, cientistas do
mundo inteiro já interagem com as possibilidades da relação íntima entre tudo o
que existe.

Experimentos realizados por cientistas de renome internacional com o DNA


humano provam as qualidades e autocura do mesmo em consonância com os
sentimentos da pessoa, como foi reportado recentemente por Gregg Braden.

O primeiro experimento foi realizado pelo Dr. Vladimir Poponin, um biólogo


quântico.

Nesta experiência começou-se por esvaziar um recipiente, criando um vácuo e


consequentemente um vazio em seu interior e os únicos elementos deixados
dentro foram fótons (partículas de luz).

Foi medida a distribuição destes fótons e descobriu-se que estavam distribuídos


aleatoriamente dentro deste recipiente. Este era o resultado esperado.

A seguir foi colocada dentro do recipiente uma amostra de DNA e a localização


dos fótons foi medida novamente: desta vez os fótons haviam se organizado em
linha com o DNA. Em outras palavras, o DNA físico produziu um efeito nos fótons
não físicos.

Constatado isso, a amostra de DNA foi removida do recipiente e a distribuição dos


fótons foi medida novamente. Os fótons permaneceram ordenados e alinhados
onde havia estado o DNA. A pergunta: a que estão conectadas as partículas de
luz? Gregg Braden diz que estamos impelidos a aceitar a possibilidade que exista
um campo de energia e que o DNA está se comunicando com os fótons por meio
deste campo.

Outro experimento foi levado a cabo pelos militares. Foram recolhidas amostras
de leucócitos (células sanguíneas brancas) de um número de doadores. Estas
amostras foram colocadas em um local equipado com um aparelho de medição
das mudanças elétricas.

Nessa experiência o doador era colocado em um local e submetido a estímulos


emocionais provenientes de imagens e sons que geravam emoções ao doador.

O DNA foi colocado em um lugar diferente do que se encontrava o doador, mas no


mesmo edifício. Ambos, doador e seu DNA eram monitorados e quando o doador
mostrava seus altos e baixos emocionais, medidos em ondas elétricas, o DNA
expressava respostas idênticas e ao mesmo tempo.

291
Não houve lapso e retardo de tempo de transmissão. Os altos e baixos do DNA
coincidiram com os altos e baixos do doador.

Os cientistas militares quiseram saber o quão distantes podiam ser separados o


doador e seu DNA e continuarem observando este efeito. Pararam de
experimentar quando a separação atingiu 80 km entre o DNA e seu doador e
continuaram tendo o mesmo resultado. Sem lapso e sem retardo de transmissão.
O DNA e o doador tiveram as mesmas respostas ao mesmo tempo.

O que pode significar isso? A conclusão desse experimento diz que isto significa
que as células vivas se reconhecem por uma forma de energia não reconhecida
anteriormente. Esta energia não é afetada pela distância e nem pelo tempo. Esta
não é uma forma de energia localizada, é uma energia que existe em todas as
partes e todo o tempo.

Mais um experimento foi realizado pelo Institut Heart Math e o documento que lhe
dá suporte tem este título: “Efeitos locais e não locais de freqüências coerentes do
coração e alterações na conformação do DNA”.

Neste experimento tomou-se o DNA de placenta humana (a forma mais pristina de


DNA) e colocou-se em um recipiente onde se podiam medir as alterações do
mesmo. Vinte e oito mostras foram distribuídas em tubos de ensaio, ao mesmo
número de pesquisadores previamente treinados.

Cada pesquisador havia sido treinado a gerar e sentir sentimentos, e cada um


deles podiam ter fortes emoções. O que se descobriu foi que o DNA mudou de
forma de acordo com os sentimentos dos pesquisadores:

 Quando os pesquisadores sentiram gratidão, amor e apreço, o DNA


respondeu relaxando-se e seus filamentos esticaram-se. O DNA tornou-se
mais grosso.

 Quando os pesquisadores sentiram raiva, medo ou stress, o DNA


respondeu apertando-se. Tornou-se mais curto e apagou muitos códigos.

Talvez seja essa a razão de pessoas sentirem-se descarregadas por emoções


negativas, uma vez que pela reação do DNA, nesse experimento, submete o
corpo a uma espécie de apagamento de códigos inseridos no DNA.

Em contrapartida, os códigos de DNA conectaram-se novamente quando os


pesquisadores tiveram sentimentos de amor, alegria, gratidão e apreço.

Esta experiência foi aplicada posteriormente a pacientes com HIV positivo. Foi-se
descoberto que os sentimentos de amor, gratidão e apreço criaram respostas de
imunidade 300.000 vezes maiores que a que tiveram sem eles.

292
Talvez tenhamos aqui uma resposta que nos pode auxiliar a permanecer com
saúde, sem importar quão daninho seja o vírus ou a bactéria que esteja flutuando
ao redor: Mantendo os sentimentos de alegria, amor, gratidão e apreço. Estas
alterações emocionais foram muito mais além de seus efeitos eletromagnéticos.

Os indivíduos treinados para sentirem amor profundo foram capazes de mudar a


forma de seu DNA. Gregg Braden diz que isto ilustra uma nova forma de energia
que conecta toda a Criação.

Esta energia parece ser uma rede estreitamente tecida que conecta toda a
matéria. Podemos influenciar essencialmente esta rede da Criação por meio de
nossas vibrações.

O que tem a ver os resultados destas experiências com nossa situação presente?
Esta é a ciência que nos permite escolher uma linha de tempo que nos permite
estar a salvo, não importa o que aconteça. Basicamente o tempo não é apenas
linear (passado, presente e futuro), mas também é profundidade.

A profundidade do tempo consiste em todas as linhas de tempo e de oração que


possam ser pronunciadas ou que existam, ou seja, a egrégora formada por
pensamentos positivos de amor. Essencialmente, suas orações já foram
respondidas. Simplesmente ativamos a que estamos vivendo por meio de nossos
sentimentos. É assim que criamos nossa realidade, quando nossas escolhas
estão em harmonia com os nossos sentimentos.

Nossos sentimentos estão ativando a linha do tempo por meio da rede da Criação,
que conecta a energia e a matéria do universo. Lembre-se que a lei do Universo é
que atraímos aquilo que colocamos em nosso foco.

Se focarmos temer qualquer coisa, seja lá o que for, estamos enviando uma forte
mensagem ao Universo para que te retorne aquilo a que mais teme. Em troca, se
pudermos nos focar com sentimentos de alegria, amor, apreço ou gratidão e
concentrar em trazer mais disso para nossa vida, automaticamente afastaremos o
negativo.

Estaríamos escolhendo uma linha de tempo diferente com estes sentimentos.


Podemos prevenir o contágio de vírus, bactérias e outras estruturas microscópicas
permanecendo nestes sentimentos positivos, que mantêm um sistema imune
extraordinariamente forte. Sendo assim, essa é uma proteção para o que vier.

Destarte, busquemos algo pelo qual podemos estar alegres todos os dias, cada
hora se possível, momento a momento, ainda que sejam alguns poucos minutos.

A energia Reiki pelo seu terrível, porém altamente belo poder de estar conectada
nesse emaranhado plasmado no nível sub-atômico e onde não reside a questão
tempo-espaço e por ser uma força extraordinária de Amor, pode proporcionar
benefícios incontestes aos seres humanos.

293
As experiências citadas são apenas tentativas pálidas de se tentar dar explicações
ao incognoscível, mas a ciência cada vez mais se interessa pela complexidade
das ligações íntimas entre todas as estruturas atômicas existentes, já que tudo
que existe nada mais é que um aglomerado profundo de partículas atômicas.

Quando vemos uma cadeira, por exemplo, entendemo-la como uma cadeira,
entretanto, se pudéssemos adentrar cada vez mais e mais em sua estrutura
atômica, poderíamos entender a complexidade atômica daquela matéria que se
constitue daquela forma para dar exatamente a forma como a enxergamos.

Da mesma forma acontece com tudo que nos rodeia, inclusive nós mesmos.
Quanto mais a ciência ortodoxa se aprofunda no ser humano, através de
equipamentos poderosos, mais o corpo humano se assemelha no plano
microscópico a constelações que são observadas no infinito.

Numa suposição totalmente imaginária, sem fundamentação para sustentá-la,


poderíamos concluir de modo tímido que estamos imersos na Criação. O
microcosmo somos nós, seres humanos e tudo que há faz parte do macrocosmo e
não existe a dualidade.

O nome Deus, inventado pelo homem, pode ser interpretado como uma força
poderosa a que tudo criou e está presente em tudo que existe. A energia Reiki não
poderia estar fora desse plano sutil e sendo direcionada com uma intenção
consciente de Amor, faz parte desse plano da Criação para trazer alento às
mazelas a quem detém uma parcela da luz que chamamos de alma, desde seus
estágios mais rudimentares, que passam pelos reinos chamados de mineral,
vegetal, animal e finalmente na sua forma mais acabada, porém não completa,
que é o ser humano.

A evolução constante do ser humano empresta essa indagação aos mais nobres
pensadores de todos os tempos. O Reiki na sua forma mais pura traz essa
benesse para preencher lacunas necessárias ao bem estar dos aspectos mais
grosseiros e sutis do ser humano. A isso chamamos de extensão divina do Reiki,
por ser proveniente da Fonte da Criação.

Transcendentalmente, tudo nos é possível, pois o passado, o presente e o futuro


são apenas abstrações mentais de tempo e a separação dos seres, apenas uma
ilusão de ótica. Compreendendo a unicidade do universo, não existe distância
entre nós e o outro, pois só existimos em relação ao outro, ao meio, ao Todo.
Somos unos entre nós e com o universo, não há distância nem separação. No
caso da energia Reiki, é necessária a sensibilidade para captá-la e endereçá-la
para qualquer parte do Ser Cósmico a que todos pertencemos.

Além de aumentar a intensidade e a precisão da cura pela imposição das mãos,


os símbolos do Reiki, particularmente o Hon Sha Ze Sho Nen, possibilitam a

294
terapia à distância. Uma das definições do yantra Hon Sha Ze Sho Nen, “sem
passado, sem presente, sem futuro e quebra de tempo-espaço”, vem de encontro
da teoria da relatividade de Einstein. Uma vez desenhado / mantralizado o
símbolo, não existe a separatividade e reforça a unicidade dos seres. A partir daí,
outros yantras do Reiki podem ser empregados conforme a necessidade e o
momento.

Esse tipo de trabalho com a energia Reiki, embora simples, desenvolve


capacidades medianímicas e o crescimento mediúnico é uma das conseqüências
de se tornar um terapeuta do Segundo Grau do Reiki, que trabalha
essencialmente nos níveis emocional, mental e espiritual, embutido o trabalho no
corpo físico, proporcionado pela iniciação no Primeiro Grau do Reiki.

Memória celular e o poder do pensamento

Por memória celular descrevemos a consciência intrínseca de nosso corpo, pode


não parecer evidente à primeira vista, mas nosso corpo possui consciência,
podemos perceber isto em uma simples gripe, muito antes de sabermos
conscientemente que estamos gripados o corpo já está tomando medidas para
reparar o dano, e na maioria das vezes é através destas medidas que tomamos
conhecimento do fato.

Existem provas conclusivas que em casos graves, como no câncer, por exemplo,
todo o organismo é informado do mal instalado e se ressente, tomando medidas
para corrigir o mal, saiba que qualquer desarranjo físico é sentido pelo corpo, e até
mesmo as células mais distantes estão a par do ocorrido.

Feche os olhos por alguns instantes, imaginemos uma célula qualquer em nosso
organismo, pense nela como algo vivo, pulsante, parte de um todo maior que
compõe um tecido, que compõe um órgão, que por sua vez forma um sistema,
tudo isto vibra!
Agora converse com esta célula, faça a ela uma única pergunta, O que é Deus?

O que poderá ela responder, ela simplesmente dirá, Deus é tu, não existe outra
resposta, de você depende a vida e morte desta célula e ela existe apenas para
mantê-lo.

A memória celular se manifesta através do Duplo etérico e localiza-se em cada


átomo do nosso corpo, quando o corpo adoece esta memória, que contém a
informação de nossa perfeição geralmente não se altera, salvo quando há danos
irreparáveis, o corpo possui uma tendência natural ao equilíbrio, bastando para
isto dar condições mínimas para que o trabalho seja feito.

Quando impomos as mãos sobre alguém, esta memória irá ditar as necessidades
e absorver a energia na freqüência requerida, é uma comunicação do corpo com o
universo, um dos milagres da criação acontecendo.

295
Como foi exposto anteriormente isto ocorre via Duplo etérico, sendo a energia
repassada ao físico e distribuído de acordo com as necessidades.

Desta forma podemos perceber que o Reikiano em si não cura ninguém, a cura
está muita além de sua esfera de consciência.

O poder do pensamento

Em uma matéria da revista SuperInteressante, de Julho de 2002 se pesquisou a


misteriosa capacidade da mente humana gravar e executar tudo que lhe é
enviado, seja bom ou mal, salutar ou prejudicial, com o quesito único da pessoa
aceitar o que foi exposto.
Um cientista de Phoenix – Arizona queria provar esta teoria, mas ele precisava de
um voluntário que se dispusesse chegar às últimas conseqüências. Conseguiu
esta pessoa em uma penitenciária, era um condenado à morte que seria
executada na penitenciaria de St. Louis no estado do Missouri na cadeira elétrica.

Propôs ele o seguinte: ele participaria de uma experiência cientifica, na qual seria
feito um pequeno corte em seu pulso, o suficiente para gotejar seu sangue até a
última gota, ele teria uma chance de sobreviver caso o sangue coagulasse, e se
isto ocorresse ele ficaria livre de sua pena, caso contrário morreria de uma morte
indolor e sem sofrimentos.

Aceito os termos o condenado foi colocado em uma cama alta, destas de


hospitais, seu corpo foi amarrado para que não se movesse, foi feito um pequeno
corte em seu pulso, mas este, ao invés de ser profundo foi muito superficial, não
atingindo nenhuma artéria ou veia, apenas o suficiente para o prisioneiro sentir
que fora cortado, foi colocada uma vasilha de alumínio abaixo da cama e o coitado
foi informado que ele ouviria o sangue pingando.

Sem que ele soubesse havia um frasco de soro debaixo da cama, e este que
começou a gotejar.

A cada dez minutos o cientista fechava um pouco a válvula e menos soro pingava,
o condenado acreditava que seu sangue estava diminuindo.

Com o passar do tempo ele foi perdendo a cor e ficando pálido, quando a válvula
foi fechada de vez o condenado teve uma parada cardíaca e faleceu.

Não havia perdido uma única gota de sangue!

Desta forma ficou provado que a mente executa fielmente tudo aquilo que é
absorvido pelo hospedeiro independente da qualidade do mesmo.

296
No fim dos anos 70 o psicólogo Robert Ader, da universidade de Rochester,
concluiu que o sistema imunológico é condicionável, dando nascimento a
Psiconeuroimunologia, esta nos informa que qualquer coisa que ocorre no cérebro
é observada pelo sistema imunológico, Stress, desespero, felicidade e bem estar,
as células imunes sabem e aumentam ou diminuem as atividades em função disto,
o sistema imunológico trabalha com neuro-transmissores e peptídios. O cérebro
de uma pessoa de uma pessoa depressiva, por exemplo, libera grande quantidade
de substâncias que deprimem a células imunes.

Nada difícil de perceber que o sistema imunológico esta feliz ou infeliz conforme
nosso ânimo, outros órgãos do corpo também reagem de acordo, lembre do que
expusemos sobre o Duplo etérico.

É importante reprogramarmos nossos pensamentos, pois como disse, com


profunda sabedoria Eliphas Levi: “Quando alguém cria fantasmas, põe no mundo
vampiros, e será preciso alimentar esses filhos de um pesadelo voluntário com
seu sangue, sua vida, sua inteligência e sua razão, sem nunca saciá-los.”,
indicando a dependência que criamos com nossos pensamentos

O Reiki à Distância - Métodos

O reikiano apto ao Segundo Grau tem à sua disposição uma arma com um poder
imenso que o leva a trabalhar com a Energia Vital, sem ter a necessidade que o
paciente esteja na sua presença. O conjunto da técnica de Reiki à distância e o
correto uso dos símbolos Reiki, assim como a correta verbalização dos sons
mantrânicos referentes a cada yantra, pode ser proveitoso para quem
eventualmente não tenha condições de estar perto do reikiano para a imposição
de mãos.

A utilização do yantra Hon Sha Ze Sho Nen, pelas suas qualidades de quebra de
tempo-espaço, permite ao terapeuta transmitir a Energia Vital a qualquer ponto do
planeta. Para uma ou várias pessoas ao mesmo tempo, inclusive ao próprio
planeta, como soe acontecer com reikianos do planeta inteiro, que se reúnem em
grupos ou separadamente em determinada data e hora, para enviar a Energia
Vital para o planeta Terra. A princípio pode parecer estranho, mas o planeta
também compõe o grande emaranhado uníssono em que todos estamos unidos e
ligados.

O ensinamento mais importante do Reiki Segundo Grau é o tratamento à


distância. Se uma pessoa está passando por momentos difíceis, acometida de
males físicos, emocionais, mentais ou espirituais, não importa se ela esteja ao seu
lado, no quarto ao lado, na mesma rua, no mesmo bairro, na mesma cidade, em
outra cidade ou em qualquer ponto do planeta, a forma correta de ajudá-la,
sempre respeitando o livre-arbítrio, é usar o tratamento à distância utilizando a
capacidade que os símbolos do Reiki proporcionam.

297
Existem muitas formas de tratamento à distância quantos terapeutas, e isso não é
invenção do Reiki. O que torna ímpar o tratamento à distância com o Reiki são os
símbolos, mantras e algumas técnicas específicas para realizar esse tipo de
trabalho. Muitos terapeutas que utilizam outras técnicas para aplicar tratamentos à
distância, sempre considera o “seu” modo de tratar a questão como sendo de
melhor aproveitamento. Em geral, cada um se vale de técnicas diferentes e
certamente todas são úteis.

O tratamento à distância é, basicamente, um processo de visualização em estado


de meditação. Visualização também quer dizer imaginação. A visualização cria na
mente do terapeuta, uma representação da pessoa ou pessoas que necessitam
desse tipo de tratamento. Trocando em miúdos, imagina-se essa pessoa. Se for
para o planeta, imagina-se-o.

Testemunhos usados em radiestesia, a exemplo de fotos, fios de cabelo,


pedaçinhos de unhas, uma gota de sangue ou simplesmente o nome da pessoa
(sempre escrito com grafite), são elementos com energia particular daquela
pessoa para se obter uma ponte interdimensional entre o terapeuta reikiano e o
paciente. Essa ponte interdimensional sempre é aberta com o símbolo Hon Sha
Ze Sho Nen.

Entretanto, em face da dificuldade do terapeuta ter em mãos bons testemunhos,


que de uma forma geral, normalmente se consistem apenas dos nomes das
pessoas, deve-se lançar mão de outras técnicas.

Visualização, no sentido amplo da palavra, para uma terapia holística como o


Reiki, quer dizer o uso de qualquer um dos cinco sentidos, considerando apenas o
paladar como um sentido usado de forma muito rara, mas não impossível.

A visão exterior para uma foto, por exemplo, ou qualquer objeto que lembre o
paciente, se o terapeuta o conhece. A visão interna, onde o terapeuta visualiza o
paciente conhecido dentro de seu cérebro, interna ou externa a ele. Se o paciente
é desconhecido ao terapeuta, e este só tem o nome escrito em folha de papel, o
processo seria a visualização/imaginação de um ser humano, que o terapeuta
poderia emprestar ou não um rosto ao mesmo. Nesse caso, emprestar um rosto
poderia ser qualquer um, inclusive o do próprio terapeuta, mas que cujas
emanações e intenções estariam sendo desviadas através dele, terapeuta, ao
paciente através da energia Reiki.

Se não há um rosto para ser visualizado, mas, o terapeuta teve oportunidade de


conversar com o paciente pessoalmente ou por telefone, a audição interna pode
ser utilizada, já que o registro do tom, do timbre, entre outras nuances da voz do
paciente ficam resguardadas no cérebro do terapeuta. A lembrança desse registro
dá ao terapeuta a oportunidade da visualização da pessoa em um corpo sem
rosto, mas com som. As mentes das pessoas são falíveis, e de um terapeuta não
poderia ser diferente. Mesmo tendo conversado pessoalmente com o paciente,

298
pode não lembrar do rosto com facilidade. Destarte, a audição interna seria
imensamente útil.

O olfato seria de grande ajuda, mas apenas como suporte à visualização de uma
pessoa conhecida que tivesse algum odor corpóreo característico. Emprestando à
visualização, um corpo, um som e um odor, o terapeuta teria diante de si uma
imagem de considerável valor para enviar o Reiki à distância.

O tato poderia ser utilizado em casos raros e ambivalentes, pois se o paciente a


ser tratado fosse tocado pelo terapeuta, certas características desse toque
deixariam uma lembrança para ser usada. Entretanto, quem toca alguém também
o vê, e essas lembranças poderiam ser agregados ao conjunto da visualização.
Todavia, não se pode esquecer que podemos ter terapeutas reikianos cegos.
Destarte, o tato, no caso de terapeutas com essa deficiência, se em contato com a
pessoa, formam uma imagem muita mais perfeita, já que a sensibilidade de
pessoas cegas é muito grande. Nesse caso há de se considerar o uso de todos os
outros recursos dos sentidos à parte da visão.

O paladar é um recurso que se agregado à visualização pode ser útil, desde que o
terapeuta tenha a lembrança de algum gosto que tenha experimentado na
presença do paciente.

Algo que pode ser útil é a utilização de ícones. Todas pessoas têm uma forma
pessoal de enxergar objetos e estes se tornam ícones. O terapeuta pode se valer
de um ou mais desses ícones, emprestar o nome da pessoa que vai receber o
tratamento, a esse ícone.

A imaginação é o limite. Como o cérebro é superior a qualquer coisa que o homem


tenha inventado, visualizar é imaginar e compelir a matéria a manifestar-se de
acordo com aquilo que se quer; é direcionar as particular sub-atômicas de modo a
formar um molde para que o externo e denso o preencha.

Comportamento e ética no Reiki à distância

A técnica de tratamento à distância começa com uma representação/visualização


da pessoa a ser tratada. Não é preciso dispor de muito tempo, mas convém se
instalar em um lugar silencioso onde o terapeuta não será perturbado. Além do
espaço físico, esse local tranqüilo pode significar um ligeiro estado de
concentração. No começo, o terapeuta deve se recolher a um local calmo e de sua
preferência. Ulteriormente pode fazê-lo em qualquer lugar, desde que tenha
chegado a um auto-condicionamento para entrar, como já foi dito, em um ligeiro
estado de concentração.

Considerando um espaço físico particular do terapeuta, a porta deve ser fechada,


o telefone deve ser desligado e a luz diminuída. O costume de acender uma vela é
bom. Ao acendê-la, é agradável e se consegue um brilho suave; consegue-se

299
chegar ao estado de concentração com mais facilidade. Deve-se procurar a
posição do corpo mais adequada ao trabalho, de acordo com a preferência do
terapeuta. Feito isso, começa-se com a representação/visualização da pessoa a
ser tratada e inicia-se o tratamento.

A questão fundamental a ser entendida para aqueles que se dedicam à


terapêutica reikiana como profissão ou a utiliza na caridade é que não se envia
Reiki à distância sem permissão expressa do paciente. Qualquer procedimento
contrário a essa prerrogativa estará interferindo e ferindo o livre-arbítrio de outrem.

As pessoas doentes quer física, emocional, mental ou espiritual, têm direito a


apegar-se aos seus males. Muitas vezes, a manifestação de doenças, são
oriundas de padrões mentais, como uma espécie de catarse pessoal. O doente
quer passar por aquilo, ainda que lhe prejudique. Nesse aspecto, há de se
considerar o lado traumático, religioso ou convicções pessoais.

Uma pessoa que não tem o tratamento carinhoso de pais, parentes, cônjuges,
parceiros e amigos, pode inferir por ocasião de uma doença casual, que o
tratamento que ela julga impessoal, aproxima as pessoas pelo menos no primeiro
instante e isso lhe dá prazer. Como esse tipo de comportamento é volátil para as
pessoas em relação a uma doença/doente, quem sofre do mal tende a se apegar
àquele momento. E isso pode se repetir indefinidamente nessa relação um tanto
quanto mórbida de doença/prazer.

Outras pessoas utilizam doenças para controlar todos à sua volta. Ela quer
atenção e também que sintam pena do seu sofrimento. Não é à toa que muitos
doentes são renitentes a médicos e medicamentos, quando não burlam o
tratamento, tomando os remédios em horas e dosagens erradas apenas para
prolongar ou simplesmente a doença não ser debelada, aumentando o tempo em
que é alvo de atenções, obtendo o controle. Esse processo, na maioria das vezes
é inconsciente, mas também muito consciente para alguns.

A doença também é uma maneira de “castigar” alguém próximo que tenha ferido o
doente nos aspectos físico ou subjetivo. Daí, o interesse de prolongar a doença
para que alguém “sofra” em conjunto.

Esses fatores, dentre tantos que somente a psicanálise, a psiquiatria, para citar
algumas técnicas de tentar entender o ser humano, que poderiam dar uma visão
muitas vezes borrada de tais comportamentos, dão parâmetros ao reikiano para
se reservar e não interferir.

Muitos autores pregam a visualização no “plano astral” para sem permissão do


doente, enviar o Reiki à distância. Nenhuma indicação do “plano astral” pode ser
mais importante que o “plano de vida” consciente ou inconsciente que cada ser
humano carrega. Não se adentram aos campos espiritual, mental, emocional ou
físico de um ser humano sem conseqüências kármicas ulteriores para ambos.

300
Mesmo um doente que esteja em coma, por exemplo, não exercendo naquele
momento a tarefa de pensar, dá o direito a um reikiano de doar a Energia Vital
quer pessoalmente ou à distância. O corpo do doente pode não responder, mas
enquanto há vida, seu espírito estará presente e este também tem as suas
escolhas pretéritas.

Dessume-se a característica do envio do Reiki à distância: não ferir o livre-arbítrio


de outra pessoa, mesmo que seja alguém da própria família ou assemelhados.

À parte desse processo que deve ser levado à risca, existe uma maneira de enviar
Reiki a uma pessoa, quando se quer ajudá-la de forma incondicional. Se a pessoa
em questão está em casa ou em um hospital e o reikiano sabe qual o local, o
formato da moradia ou hospital, o endereço desse local, pode-se enviar o Reiki ao
local e não à pessoa. O processo de visualização é o mesmo, porém, todas as
pessoas que estão naquela casa ou hospital, por exemplo, receberão igual parcela
de Energia Vital.
Sobre esse aspecto, há que se considerar a segurança nas informações a respeito
daquela pessoa a quem se quer enviar o Reiki. Jamais se deve enviar a Energia
Vital para alguém que esteja em cirurgia, pois os mecanismos internos da Energia
podem prejudicar o processo cirúrgico, havendo um apressamento do processo de
coagulação do sangue, muitas vezes indesejável ao cirurgião. Diminuição do
batimento cardíaco, queda ou aumento de pressão, compasso de
inspiração/expiração entre outros fatores, podem resultar em uma cirurgia
anexada de problemas.

Reiki à Distância - Metodologia

Qualquer pessoa que ministre o Reiki a distância tem seus próprios métodos e
cada uma das visualizações é diferente e todas são corretas. A concentração
necessária para a meditação e a visualização demora a ocorrer, mas se
desenvolve regularmente com a prática. É como exercitar o corpo, quanto mais se
o faz, mais forte ele se torna. Com o tempo, o terapeuta reikiano verá que pode
realizar o Reiki à distância em qualquer lugar, mesmo cercado de pessoas e ruído.
A interiorização pertinente ao processo acaba por se tornar um hábito comum e
despido de maiores rituais.

Esse processo simples, que envolve concentrar e visualizar uma pessoa,


transmitindo-lhe a Energia Reiki, com o devido processo de uso dos yantras e
mantras e imaginando-a em seu bem-estar, tem efeitos profundos. As sessões de
Reiki à distância realizadas seguindo regras bem definidas, principalmente em
relação ao uso dos yantras e mantras, podem e são tão efetivas quanto uma
sessão com imposição de mãos com o paciente presente. A diferença crucial está
no tempo de aplicação: enquanto uma sessão com o paciente presente consome
hora ou mais, no Reiki à distância esse tempo pode ser diminuído de forma
bastante visível. Alguns autores defendem a tese que esse tempo poderia
consumir apenas alguns segundos. O terapeuta reikiano consciente sabe que tal

301
afirmação é uma falácia, mormente que o Reiki praticado de forma intuitiva não faz
soma nem subtração de tempo: a sessão consome o tempo que a intuição do
terapeuta inferir. Evidentemente, para aqueles que ainda não chegaram ao
patamar do Reiki intuitivo, cada posição de mão, seja qual for o método de
visualização empregado não pode ser menor que 1 (hum) minuto e a posição
especial para Reiki Segundo Grau, pode empregar no mínimo 15 (quinze)
minutos.

O Reiki à distância ministrado nesse nível mental afeta mais os corpos: mental,
emocional e espiritual do receptor, do que no corpo físico. A energia desses níveis
é filtrada em direção ao corpo físico, mas não se concentra ali. Pode levar algum
tempo para que a dor no corpo físico diminua ou desapareça quando o Reiki é
ministrado dessa forma. Durante esse período, embora e energia curativa do Reiki
chegue à fonte da doença, o trabalho de imposição de mãos, se possível, pode
ser necessário.

Quem recebe o Reiki à distância, provavelmente sentirá a ocorrência. Se o


receptor for razoavelmente sensível à energia e psiquicamente consciente, poderá
até saber o trabalho que o terapeuta realizou e de qual modo. O receptor pode
também não ter consciência total do trabalho, mas pode vir a pensar no terapeuta
enquanto a Energia se processa no seu todo. Pode ainda o receptor, de repente,
sentir paz, visualizar uma cor, um processo passado, uma solução para um
problema, entre tantos sintomas, ou então, simplesmente sentir-se melhor.

Os símbolos (yantras) do Reiki aumentam a efetividade do processo e tornam o


processo de retorno à normalidade física, mental, emocional e espiritual, de
maneira muito mais eficaz. À parte do yantra Hon Sha Ze Sho Nen que
proporciona a quebra tempo/espaço, outros yantras do Reiki podem ser aplicados
durante uma sessão de Reiki à distância, conforme a necessidade do receptor ou
da intuição do doador.

Tratamento Reiki à distância e sem mensagem subliminar

Nesse tipo de tratamento, o terapeuta vai se utilizar exclusivamente dos yantras


Hon Sha Ze Sho Nen e Cho Ku Rei e seus respectivos mantras.

Em tratamento normal com o Primeiro Grau de Reiki, as posições de mãos, pelo


menos as básicas, devem estar em contato com o paciente por 5 minutos, isso, se
a intuição do terapeuta ainda não estiver adequada e atuante.

O reikiano Segundo Grau pode diminuir esse tempo para um minuto para cada
posição de mãos, salvo se for guiado pela sua intuição, aumentando o tempo de
contato, e, também, na posição especial para apor o yantra no Chakra Coronal do
paciente.

302
Conforme o gosto pessoal do terapeuta ele poderá utilizar diversas formas de
visualizações e procedimentos plausíveis à sua própria convicção, para que dentro
do contexto vibracional em que tudo, e os seres humanos não estão fora disso,
estão imersos.

Para fundamentação didática, um dos métodos será mostrado por inteiro, sendo
que outros que serão identificados se dará a mesma conotação de trabalho.

Supondo que consideradas todas as premissas éticas, o terapeuta tenha em mãos


a foto com o nome completo da pessoa que irá receber o Reiki à distância.

Não é uma imposição, mas seria interessante contatar com essa pessoa para
combinar um horário ideal para ela e seja interessante ao terapeuta também.

Como algumas pessoas são extremamente suscetíveis a energias espirituais, o


ideal é que no horário combinado ela esteja deitada ou em posição de meditação,
com uma música suave ao fundo e um incenso queimando, pois essa
suscetibilidade, numa situação de vigília intensa, poderia lhe causar sensações
estranhas ou até mesmo intensas.

Como foi dito, essa seria a situação ideal que, se não possível, pode a Energia ser
enviada à distância da mesma forma, apenas com um senão: estar dirigindo um
veículo.

Vazadas essas regras, o terapeuta deve se recolher a um local calmo e pedir para
não ser interrompido. Acender uma vela (se for de praxe esta prática) e um
incenso. Ao fundo, uma música suave, ou aquelas gravadas com as técnicas
adequadas para a prática do Reiki.

Após os procedimentos iniciais, os mesmos que seriam realizados se a pessoa


estivesse presente e em frente tendo a foto e o nome do receptor:

• O terapeuta desenha o yantra Hon Sha Ze Sho Nen no ar à sua frente e


pronuncia o mantra Hon Sha Ze Sho Nen uma vez. Após desenha o yantra
Cho Ku Rei no mesmo ponto à sua frente e pronuncia o mantra Cho Ku Rei
uma vez.
• O terapeuta pega a foto com uma das mãos e apesar de ter a figura da pessoa
identificada, inicia o processo de visualização do receptor usando uma ou mais
técnicas já comentadas. Neste caso, a foto é apenas um atributo a mais no
processo de visualização.
• Com a outra mão livre, o terapeuta desenha novamente os yantras Hon Sha Ze
Sho Nen e Cho Ku Rei num desenho menor, na direção da foto e repete seus
respectivos mantras três vezes cada um.
• Depois disso o terapeuta repete por três vezes o nome completo do receptor.
• O terapeuta deve imaginar a pessoa em tamanho diminuto entre as suas
mãos.

303
• Começando efetivamente o tratamento, o terapeuta pode optar por deitar a
pessoa à sua frente (modo mental/visualização) e apor as mãos (no ar) como
se a pessoa estivesse fisicamente presente.
• Após o impulso promovido pela posição Chiryo, passa para as posições 1, 2 e
3 do Reiki Primeiro Grau.
• Posição Reiki Segundo Grau: mão na base do crânio e a outra livre para
desenhar os yantras.
• Desenhar o yantra Cho Ku Rei, considerando a figura oval do topo da cabeça,
fechando o símbolo no Chakra Coronal do paciente visualizado e pronunciar o
mantra Cho Ku Rei, uma vez.
• Pressionar suavemente a mão livre contra o crânio do paciente, alinhando o
Chakra da Palma da Mão com o Chakra Coronal do paciente.
• Pronunciar o mantra Cho Ku Rei, três vezes.
• Manter as mãos nessa posição do Segundo Grau do Reiki, por até 15 minutos
ou até quando a intuição mandar, para mais ou para menos.
• Continuar com o tratamento básico do Primeiro Grau do Reiki, adicionadas as
posições especiais de mãos e tempos intuídos (tempo, nunca inferior a um
minuto).
• Desenhar o yantra Cho Ku Rei, da cabeça até o final do tronco do paciente e
pronunciar o mantra Cho Ku Rei, três vezes.
• Enviar o paciente de volta esfregando as mãos e soprando-as por três vezes,
para se libertar e liberar o paciente da ligação.
• Manifestar gratidão, finalizando o processo.

Tratamento de Reiki à distância com mensagem subliminar

Considerando todos os aspectos éticos já descritos no capitulo XX, o paciente,


devidamente informado pelo seu terapeuta, pode também expressar o desejo de
apor em seu inconsciente, mensagens que possam trazer a transformação
necessária ao seu processo único e particular existencial.

Com os pedidos escritos, fornecidos por qualquer meio pelo paciente, o terapeuta
deve, como no tratamento sistemático com o paciente presente e sem mensagem,
seguir os seguintes passos:

Após os procedimentos iniciais, os mesmos que seriam realizados se a pessoa


estivesse presente e em frente tendo a foto e o nome do receptor, ou apenas um
dos dois:

• O terapeuta desenha o yantra Hon Sha Ze Sho Nen no ar à sua frente e


pronuncia o mantra Hon Sha Ze Sho Nen uma vez. Após desenha o yantra
Cho Ku Rei no mesmo ponto à sua frente e pronuncia o mantra Cho Ku Rei
uma vez.
• O terapeuta pega a foto ou nome do paciente com uma das mãos e apesar de
ter a figura da pessoa identificada, inicia o processo de visualização do

304
receptor usando uma ou mais técnicas já comentadas. Neste caso, a foto é
apenas um atributo a mais no processo de visualização.
• Com a outra mão livre, o terapeuta desenha novamente os yantras Hon Sha Ze
Sho Nen e Cho Ku Rei num desenho menor, na direção da foto e repete seus
respectivos mantras três vezes cada um.
• Depois disso o terapeuta repete por três vezes o nome completo do receptor.
• O terapeuta deve imaginar a pessoa em tamanho diminuto entre as suas
mãos.
• Começando efetivamente o tratamento, o terapeuta pode optar por deitar a
pessoa à sua frente (modo mental/visualização) e apor as mãos (no ar) como
se a pessoa estivesse fisicamente presente.
• Após o impulso promovido pela posição Chiryo, passa para as posições 1, 2 e
3 do Reiki Primeiro Grau.
• Posição Reiki Segundo Grau: mão na base do crânio e a outra livre para
desenhar os yantras.
• Desenhar o yantra Sei He Ki, considerando a figura oval do topo da cabeça,
fechando o símbolo no Chakra Coronal do paciente visualizado e pronunciar o
mantra Sei he Ki, uma vez.
• Desenhar o yantra Cho Ku Rei, considerando a figura oval do topo da cabeça,
fechando o símbolo no Chakra Coronal do paciente visualizado e pronunciar o
mantra Cho Ku Rei, uma vez.
• Pressionar suavemente a mão livre contra o crânio do paciente, alinhando o
Chakra da Palma da Mão com o Chakra Coronal do paciente.
• Pronunciar o mantra Sei He Ki, três vezes.
• Pronunciar o mantra Cho Ku Rei, três vezes.
• Depois disso o terapeuta repete novamente por três vezes o nome completo do
receptor.
• Repetir três vezes cada mensagem inferida pelo paciente/receptor.
• Manter as mãos nessa posição do Segundo Grau do Reiki, por até 15 minutos
ou até quando a intuição mandar, para mais ou para menos.
• Continuar com o tratamento básico do Primeiro Grau do Reiki, adicionadas as
posições especiais de mãos e tempos intuídos (tempo, nunca inferior a um
minuto).
• Desenhar o yantra Cho Ku Rei, da cabeça até o final do tronco do paciente e
pronunciar o mantra Cho Ku Rei, três vezes.
• Enviar o paciente de volta esfregando as mãos e soprando-as por três vezes,
para se libertar e liberar o paciente da ligação.
• Manifestar gratidão, finalizando o processo.

Considere-se, também, a possibilidade do terapeuta enviar Reiki para si mesmo


com mensagens subliminares, conforme o método descrito acima.

305
Meditação de Cura Mundial

Apesar de haver variações quanto a esse processo, principalmente no que tange


ao dia e horário e mesmo a oração empregada, muitos reikianos no planeta,
solitariamente ou em grupos, se reúnem para enviar Reiki para o planeta Terra.
Os procedimentos a seguir é apenas um exemplo das diversas modalidades
empregadas por aqueles que doam um pouco do seu tempo para prestar este
serviço à humanidade:

Na última sexta-feira de cada mês, exatamente às 18:00h, de modo solitário ou e


grupo, fazer o ritual de canalização da energia Rei e:

• Desenhar sobre uma representação do globo terrestre HS e repetir 1x HS


• Desenhar SHK e repetir 1x SHK
• Desenhar CR e repetir 1x CR
• Repetir 3x HS
• Repetir 3x SHK
• Repetir 3x CR

Ler em voz alta uma vez, a seguinte oração:

“No princípio.
No princípio Deus.
No princípio Deus criou o Céu e a Terra.
E Deus disse: que haja Luz, e houve Luz.

Agora é o Tempo do novo começo.


Eu sou um co-criador com Deus e é um novo Céu que se aproxima, à medida que
a Boa Vontade de Deus é expressa na Terra através de mim.
É o Reino de Luz, de Amor, de Paz e Compreensão.
E eu estou fazendo minha parte para revelar a sua Realidade.

Começo comigo mesmo.


Sou uma Alma viva e o Espírito de Deus habita em mim, sendo eu mesmo.
Eu e o Pai somos Um e tudo aquilo que pertence ao Pai, pertence a mim.
Em verdade, sou o Cristo de Deus.

O que é verdadeiro em mim é verdadeiro em todos, porque Deus é tudo e tudo é


Deus.
Eu vejo somente o Espírito de Deus em todas as Almas.
E para todo homem, mulher e criança na Terra, Eu digo: Eu amo você, pois você
sou eu.
Você é o meu Sagrado Ser.

306
Eu agora abro meu coração, e deixo a pura essência do Amor Incondicional fluir.
Eu a vejo como uma Luz Dourada se irradiando do centro do meu ser, e sinto a
sua Divina Vibração dentro e através de mim, acima e abaixo de mim.

Eu sou um com a Luz.


A Luz me preenche.
A Luz me ilumina.
Eu sou a Luz do Mundo.

Com o propósito da mente, eu irradio a Luz.


Deixo o resplendor anteceder-me para unir-se a outras Luzes.
Sei que isto está acontecendo em todo o mundo neste momento.
Vejo as Luzes se unindo.
Agora há somente uma Luz.
Nós somos a Luz do mundo.

A Luz una de Amor, de Paz e Compreensão está se movendo.


Ela flui através da face da Terra, tocando e iluminando cada alma na sombra da
ilusão.
E onde havia escuridão, existe agora a Luz da Realidade.

E o Resplendor cresce, permeando, preenchendo cada forma de vida.


Há somente a vibração de uma Vida Perfeita agora.
Todos os reinos da Terra respondem.
E o Planeta está vivo com Luz e Amor.

Existe União Total, e nesta União nós pronunciamos a Palavra.


Que o sentido de separatividade seja dissolvido.
Que a humanidade retorne a Deus.

Que a Paz flua em cada mente.


Que o Amor flua em cada coração.
Que o perdão reine em cada alma.
Que a compreensão seja o elo de ligação comum a todos.

E agora da Luz do mundo, a Presença Única e Poder do Universo responde.


A atividade de Deus está curando e harmonizando o Planeta Terra.
A Onipotência se manifesta.

Estou vendo a salvação do Planeta diante dos meus próprios olhos, à medida que
todas as falsas crenças e padrões errôneos se dissolvem.
O sentido de separação não mais existe; a cura ocupou seu lugar, e a sanidade do
mundo foi restaurada.

Isto é o começo da Paz na Terra e da Boa Vontade para com todos, à medida que
o Amor flui de todos os corações, o perdão reina em todas as Almas, e todos os
corações estão unidos em perfeita compreensão.

307
Está feito. E é assim”.

Terminada a oração, desenhar o CR, em cima da representação do globo terrestre


e repetir 3x CR

Energização de ambientes e materiais diversos

Posicionar-se no centro do aposento ou do objeto a ser energizado. Fazer a


invocação / conexão com a energia Rei e:

• Desenhar HS e repetir 1x HS
• Desenhar CR em todas as posições desejadas e repetir 1x CR para cada CR
desenhado

308
Símbolos do Okuden – Teorias e Mitos

É normalmente referido no Primeiro Grau da maioria das escolas de Reiki, que o


Doutor Mikao Usui, através da pesquisa de antigos sutras budistas, encontrou os
símbolos que haviam sido escritos por um discípulo anônimo de Buddha, há cerca
de 2500 anos. Conhecedor destes símbolos e após jejum no Monte Kurama, foi-
lhe dado a conhecer divinamente, a forma de os utilizar.

Sabe-se hoje que tal não se passou assim. A história do Dr. Mikao Usui foi
devidamente romanceada pela Senhora Takata para tornar o sistema mais
palatável ao Ocidente, um povo essencialmente cristão.

Os símbolos redescobertos em pergaminhos antigos, realmente da era de


Buddha, foram um dos últimos elementos a serem introduzidos por Mikao Usui no
seu Sistema. Isso se deve ao fato dos seus alunos ter alguma dificuldade em
conseguirem serem reikianos.

Segundo Hiroshi Doi (Mestre Reiki), o Doutor Mikao Usui não usava os símbolos,
mas ensinava-os, dizendo aos seus alunos: "Usem bem os símbolos. Usem-nos
mais e mais, e descobrir-se-ão num estágio onde já não precisarão deles. A mente
humana consegue alcançar qualquer ponto do Universo imediatamente. Precisam
crescer de forma a não precisar mais dos símbolos".

O que se depreende disso é que uma vez que se consegue aprender a focalizar a
mente no trabalho com a energia Reiki, os símbolos acabam por se poder
descartar, utilizando-os de uma forma totalmente mental e espiritual, pois os
símbolos estarão agregados totalmente ao espírito do reikiano.

Segundo o que se entende das palavras de Usui, os símbolos são como as rodas
laterais duma bicicleta. Quando aprendemos a andar de bicicleta, tiramos as rodas
laterais, da mesma forma, quando integramos inteiramente o significado de cada
símbolo, podemos deixar de usá-los de forma consciente.

Pode-se verificar que deixar de usar as rodas desta bicicleta (os símbolos) pode
ser um processo moroso para a maioria das pessoas, que leva muitos e muitos
anos, pois tudo depende da forma e da freqüência com que se trabalha com a
Energia Reiki e da forma como se é utilizada essa poderosa ferramenta que é.

Hoje, os símbolos são uma grande fonte de alegria, mas também de


contratempos. Isto porque a Senhora Takata ensinava aos seus alunos que os
símbolos eram secretos e não deviam ser revelados, assim como o Dr. Hayashi
também disse à Senhora Takata que os símbolos não deviam ser mostrados a
pessoas não iniciadas em Reiki.

309
Os símbolos tornaram-se assim um dos pilares do Reiki e quase todas as escolas,
em todo o mundo, os ensinam sendo considerados sagrados e secretos pela
maioria das escolas de Reiki.

Em conseqüência deste secretismo surgiu um grande mito: "Estes símbolos são


secretos e sagrados e deves guardá-los exclusivamente para ti". Conjuntamente
com este mito, surgiram os altíssimos preços praticados ainda hoje por algumas
escolas, “detentora da versão correta dos símbolos".

Curiosamente, segundo Frank Arjava Petter (um Mestre Reiki), depois da morte da
Senhora Takata em 1980, os Mestres Reiki ao juntarem-se, verificaram que muitos
tinham símbolos diferentes, ainda que dado pelo mesmo Mestre e aí, começou a
discussão, até a nível mundial, sobre quais símbolos seriam os certos. A
conclusão que se chegou é que todos tinham a versão certa, mas de um modo
pessoal, porque na realidade mudavam em aspecto somente no tipo de caligrafia
que cada ser humano usa. Os símbolos do Okuden não precisam ser
rigososamente iguais, mas reconhecíveis como em qualquer caligrafia. O que
importa de verdade é o poder que esses símbolos carregam em seu bojo.

Apesar disso, do secretismo e do mito, foi-se à especulação, começando-se a


imaginar teorias sobre os símbolos e sua origem como, por exemplo, as
civilizações perdidas da Atlântida, Lemúria e Mu, onde supostamente havia cerca
de 300 símbolos de Reiki.

Outros associaram o Reiki ao Tibet e trouxeram para o Sistema Usui, outros


símbolos tibetanos. Hoje há sistemas de Reiki que ensinam cinco, sete, doze,
algumas dezenas e outras centenas, como o Ken Reiki que ensina trezentos e o
Shamballa Reiki que se diz detentor de trezentos e cincoenta e dois símbolos de
Reiki. Como se percebe, o ser humano é absolutamente impressionante na sua
tentativa de tornar mais atraente o seu “produto”, esquecendo-se miseravelmente
da Fonte que os provê.

Felizmente nos dias atuais, sobretudo através das investigações de Mestres Reiki
de respeito, a exemplo de Frank Arjava Petter e Chetna Kobayashi, entre outros,
muitos aspectos têm sido clarificados.

Um dos aspectos mais importantes neste campo, é que os símbolos originais


eram quatro. Três são ensinados aos praticantes do Segundo Grau (Okuden) e
um reservado ao Grau de Mestre Reiki (Shinpiden), o último Grau do Reiki, tal
como se faz ainda hoje na escola de Reiki de Mikao Usui, a Usui Reiki Ryoho
Gakkai.

Apesar disto, algumas escolas bastante famosas como Raku Kai Reiki, Reiki
Essencial, Blue Star Reiki, Reiki Usui Tibetano, Reiki Tibetano, e Mestres Reiki
das escolas ocidentais tradicionais como a Reiki Usui Shiki Ryoho (Reiki
Tradicional) ensinam também um quinto símbolo, o Raku (símbolo trazido do
Tibet), no Grau de Mestre Reiki, por esse símbolo conter uma energia

310
concretizadora das várias Iniciações do Primeiro Grau, Segundo Grau e Mestrado
em Reiki.

Os Símbolos do Reiki

Os símbolos devem ser vistos, usados e vivenciados pela própria alma, pois sua
linguagem é diretamente ligada à essência humana, que tem muitas simbologias.

Os símbolos sempre foram usados, desde o início da humanidade, como forma de


comunicação entre os seres. Hoje, muitas simbologias ainda não foram
decodificadas, mas o próprio Reiki, através de seus símbolos já descobertos,
abrem canais para que o ser humano tenha acesso aos seus registros de
inconsciente e possam tentar compreender a si mesmo e ao universo.

A união entre mantra (som) e yantra (desenho), os símbolos são direcionadores


da Energia Reiki tão importante para despertar o que já sabemos.

Os símbolos são sagrados e desperta a sabedoria que existe em nós. Os


símbolos podem ser desenhados no ar com a mão, ou imaginá-los. Sempre, que
um símbolo for usado, seu mantra correspondente deve ser repetido três vezes.

Precisa-se lembrar que o que conta é a intenção.Reiki é vida, Reiki é Amor


Universal.Reiki é uma dádiva de Deus.

Os Símbolos e os Mantras

Durante os últimos anos estão seguidamente surgindo novos símbolos e mantras


que foram considerados por diferentes escolas como pertencentes ao Reiki.

É importante ressaltar o seguinte: O sistema tradicional japonês de Reiki era


dividido em seis diferentes níveis, na ordem inversa do que foi trazido para o
Ocidente. O sexto nível, chamado Shoden, era o nível inferior (o primeiro nível no
Ocidente). Este, por sua vez, subdividia-se em Loku-to (sexto nível), Go-to (quinto
nível), Yon-to (quarto nível) e San-to (terceiro nível). Neste nível de formação não
havia sintonizações e ensinamentos sobre os símbolos do segundo nível conforme
o sistema ocidental. O conteúdo abordado era o tratamento por contato, o
desenvolvimento da percepção sutil e ensinamentos espirituais e técnicas
específicas. Portanto, esses quatro níveis correspondem basicamente ao primeiro
nível habitualmente usado no Ocidente.

O nível imediatamente superior (segundo nível) se chama Okuden e se subdividia


em duas partes: Okuden-Zenki (primeira metade) e Okuden-Koki (segunda
metade). Na primeira parte se ensinava os símbolos e na segunda a cura mental e
o tratamento à distância. Esses níveis correspondem basicamente com o segundo
nível habitualmente usado no Ocidente.

311
O nível seguinte se chama Shinpiden e só é dado a alguns poucos eleitos pelo
professor de Reiki. Se o aluno havia recebido a sintonização no Shinpiden, podia
obter autorização para tratar profissionalmente outras pessoas. Somente alguém
que houvesse sido aprovado no Shinpiden, podia tornar-se assistente do
professor. Esta função se chamava Shihan-Kaku. A palavra Shihan-Kaku tem o
significado semelhante a “assistente do professor”.

Quando o professor considerava conveniente, autorizava seu aluno a fazer seus


próprios encontros e ter suas próprias turmas. Essa função se chamava Shihan. A
palavra Shihan significa “professor”. Esse termo supostamente inclui o sentimento
de autoridade, exemplo, fortaleza moral e sabedoria.

Estes dois últimos níveis correspondem basicamente ao terceiro nível do sistema


de classificação do Ocidente. Os símbolos do sistema japonês eram os mesmos
que hoje conhecemos.

Dr. Usui não ensinou outros níveis nem outros símbolos.

O estudo sobre os símbolos e seus mantras é muito importante para todo


Reikiano. Quanto mais se entender seu significado e se conhecer suas raízes,
com maior facilidade e exatidão funcionará a intuição e tanto melhor poderá
ajustar-se o trabalho com Reiki às circunstâncias particulares, e desenvolver-se
com mais força a criatividade necessária para a solução de problemas que
possam aparecer. Além disso, uma compreensão mais profunda dos símbolos e
mantras ajuda a aproveitar o sistema Usui de Reiki como caminho espiritual. Os
símbolos e seus mantras são, por assim dizer, as chaves das portas do palácio.

O manejo consciente e apropriado dos símbolos e mantras permite uma estreita


relação com eles. Suas qualidades podem ser sentidas e experimentadas cada
vez mais. Juntamente com o conhecimento técnico sobre suas funções e seu
lugar no sistema de Reiki este trabalho consciente é uma chave importante para
alcançar o significado espiritual essencial dessas ferramentas. Ao usá-los, não só
cumprirão sua função, mas também trarão a quem utilizar o Reiki seus guias
espirituais, de maneira que se incremente a vibração do seu ser e melhore sua
intuição. É importante utilizá-los com clareza e não de maneira supersticiosa. Só
assim produzirão um efeito pleno e durável e se poderá trabalhar com eles de
maneira correta e com criatividade.

Em princípio vale o seguinte: os símbolos são traçados mentalmente ou com a


mão dominante. Depois, se repete seu mantra três vezes, verbal ou mentalmente.

O Segundo Grau de Reiki está disponível a quem recebeu o Primeiro Grau de um


Mestre habilitado e sente-se pronto a dar mais um passo na jornada de Reiki.

Para isso, o aluno irá receber uma nova Iniciação (sintonização energética) que
elevará seu padrão vibratório e o possibilitará a utilizar os símbolos que lhe serão

312
ensinados. Neste nível, 3 yantras são colocados nas suas mãos. Novamente o
aluno passará por um processo de purificação e adaptação ao novo padrão
vibratório, que poderá durar aproximadamente 21 dias.

A energia, agora, toma novas dimensões, a capacidade de cura (harmonia e


equilíbrio em níveis físico, emocional, mental e espiritual) amplifica-se
intensamente. Com a utilização dos Símbolos Cósmicos a energia atua na quarta
dimensão, no continnunn de tempo/espaço (tempo e espaço são inexistentes),
podendo ser enviada para qualquer lugar no Universo ou a qualquer época de
nossas vidas (passada ou futura).

Com a utilização contínua da energia e dos Símbolos Cósmicos nossa percepção


é expandida e resgatamos a harmonia e equilíbrio de nossos corpos físico,
emocional, mental e espiritual. Nossos potenciais se amplificam e novos se
manifestam. Passamos a ter uma maior conexão com o Deus de nossa devoção,
assim como com os elementos da natureza. Nossa sensibilidade também se
amplifica.

Conforme nossa abertura e dedicação nas práticas, passamos a ter uma maior
compreensão do que ocorre à nossa volta, percebemos mais intensamente
quaisquer mudanças, desde a energia do ambiente até mesmo emoções e
pensamentos conflitantes que se aproximam. Desta forma estaremos atentos e
preparados para transmutá-los.

É uma ferramenta de valor inestimável para a busca e jornada espiritual,


possibilitando-nos alcançar novos patamares de consciência.

A energia passará a ser direcionada para além do plano físico, transformando, não
apenas os sintomas, mas trabalhando a origem dos desequilíbrios e bloqueios,
para que a cura se manifeste.

Neste nível se ampliam as possibilidades de percebermos a presença dos Seres


de Luz (Guias, Protetores, Anjos, Hierarquias, Mestres, etc...) que nos auxiliam
durante as sessões de cura.

Não são raras as situações em que o receptor percebe mais mãos além das do
terapeuta, participando do tratamento. Pode-se, também, perceber determinados
aromas (que representam a manifestação dessas energias) ou, se possuirmos
essa capacidade, poderemos “ver” nossos iluminados ajudantes.

Devemos sempre lembrar que toda criação é resultado de 1% de inspiração e


99% de transpiração. Toda Iniciação é o início de uma jornada. Cria-se uma
abertura, um portal. Para que possamos alcançar todos os benefícios disponíveis
na prática do Reiki, em qualquer nível, será necessário praticá-lo.
Preferencialmente, exercitando o “Círculo da Prática” (aplicar/auto-
aplicar/receber).

313
Quanto maior o poder, maior a responsabilidade. O reikiano passa a fazer parte do
grupo de agentes que contribuem para a elevação do padrão vibratório do
Planeta, assim como, do Universo.

Conforme a história “oficial” da Redescoberta do Reiki, Mikao Usui encontrou, em


sua busca, antigos sutras budistas que continham símbolos sagrados que haviam
sido escritos por um discípulo de Buda. Ao meditar sobre eles no Monte Kurama
por 21 dias, descobriu a chave que permitia despertar essa maravilhosa técnica de
cura.

Os símbolos são representações de um aspecto da energia, são poderosas


ferramentas sagradas, compostos de yantras (desenhos energéticos) e mantras
(sons energéticos). Após nossa sintonia com eles, passam a ser uma chave para
conectar determinados padrões de energia. Não é necessário estarmos em estado
meditativo para que eles funcionem. Porém o ideal é que estejamos concentrados,
receptivos e abertos para o Amor.

Para que possamos utilizar os Símbolos de Reiki, é necessário que sejamos


sintonizados com eles. Essa sintonização nos permite acessar uma determinada
freqüência energética que permite sua ativação.

Para ativarmos os símbolos, devemos traçar o yantra e entoar o mantra uma vez.

Os símbolos poderão ser traçados no ar, com a mão em concha (mãos de Reiki),
ou simplesmente visualizados, mentalizando seu mantra. De qualquer forma será
devidamente ativado.

Os símbolos, assim como a caligrafia não possui uma única forma de serem
traçados. O importante é que o façamos da forma mais próxima ao que nos foi
ensinado.

314
Símbolo da Força – Cho Ku Rei ou Choku Rei

Mantra- Cho Ku Rei

Significa, venha aqui e agora a energia do universo. Origem taoísta. Este símbolo
tem uma linda história, pois o céu vem para o homem e é dada a possibilidade de
se purificar pela Luz Cósmica Divina.

O Cho Ku Rei é um pontencializador da Energia Reiki. Pode-se usá-lo em


quaisquer circunstâncias, pois ele tem o poder de limpar imediatamente qualquer
pessoa, local, objeto, pois age nos canais físicos, etéricos, emocionais e mentais,
fazendo uma limpeza geral em todos os níveis. Sua cor é essencialmente violeta,
porém pode ser imaginado em diversas cores, conforme sentir que deve.

315
Símbolo Dragão da Proteção – Sei He Ki

Mantra- Sei He Ki

Significa: Deus e a Humanidade são uma só pessoa. Origem Budista. Este


símbolo é muito significativo e importante, é usado principalmente em cura Mental
chamado também Símbolo Mental/Emocional.

Seu uso constante equilibra os lados direito e esquerdo do cérebro, dando


harmonia e paz. É especialmente usado para curar problemas de relacionamentos
e também em qualquer situação de disfunções mentais, emocionais como:
nervosismo, medo, depressão, angústia, tristeza etc.

O Sei Hei Ki penetra em todas as camadas da nossa mente, buscas os padrões


de pensamentos e de sentimentos negativos para modificá-los e transformá-los.

Sua cor é o verde, a cor da cura do coração.

316
Algumas variações do símbolo Sei He Ki

317
Símbolo da Conexão à Distância – Hon Sha Ze Sho Nen

Mantra- Hon Sha Ze Sho Nen

Significa: Símbolo da conexão à distância. Origem: Kanji Japonês. A luz em mim


se estende para a luz em você a fim de promover Iluminação e Paz.

Este símbolo é como os demais, de grande importância, dirige a energia Reiki


para a cura a distância, cura sem toque, cura ausente. Este símbolo abre uma
porta infinita para a transformação pois, com a ligação que efetua com o passado
e futuro, permite desobstruir todas as coisas que impedem o equilíbrio.

Interpretação: yomi do no yomi kanji


kun
raiz, fonte, origem, essência, base, moto, mato HON
contador para coisas longas, livro,
presente, cano principal, verdadeiro,
real
alguém, pessoa mono SHA

apenas assim, isto, direito, justo, kore shi,


apropriado ZE

corrigem, justiça, certamente, tada.sh ii, sei,


exatamente. tada.su, SHÔ (shou)
masa (.ni),
oo, kuni,

318
miliampère,
masashi do
tadashi
desejo, sentido, idéia, pensamento, *** NEN
sentimento, desejo, atenção, interesse

O símbolo Hon Sha Ze Sho Nen, permite ir a qualquer tempo ou lugar e, pelo
símbolo Sei He Ki, mudar os padrões mentais e emocionais, limpando-os
finalmente com símbolo Cho Ku Rei.

Cho Ku Rei, Sei He Ki e Hon Sha Ze Sho Nen, são os símbolos do Segundo
Grau do Reiki.

Sincronicidade dos Símbolos: cada pessoa deverá buscar a sua intimidade com os
símbolos e, aos poucos, descobrir os caminhos a serem percorridos com eles. Os
caminhos são infinitos, mas cada pessoa tem o seu para trilhar. É de grande
importância experimentar, sentir, vivenciar o poder da energia Reiki e dos seus
símbolos.

Algumas variações do símbolo Hon Sha Ze Sho Nen

319
No Grau de Mestrado, o neófito recebe o quarto e o quinto símbolo do Reiki,
instrumentos de impulsão para harmonização do todo.

O Dai Ko Myo, traz sabedoria ilimitada através da manifestação da divindade.


Potencializa os efeitos dos três símbolos do Segundo Grau do Reiki.

O Daí Ko Myo atua fundamentalmente no nível espiritual, é extremamente eficaz


no combate das raízes da doença física/mental/emocional/espiritual. O objetivo do
Dai Ko Myo é a cura da alma.

Cada um dos símbolos do Reiki concentra-se num dos corpos vibracionais:

O Cho Ku Rei é mais forte com o nível físico, o Sei He Ki, com o corpo
emocional, o Hon Sha Ze Sho Nen, com o corpo mental e o Dai Ko Myo,
espiritual.

320
Símbolo do Mestre – Dai Ko Myo

Mantra Dai Ko Myo significa Aumento de poder.

Este símbolo faz parte do Sistema Usui de Cura Natural. É também chamado de
o Símbolo dos Mestres, umas das energias de cura mais poderosa disponível no
planeta e certamente a mais positiva.

Interpretação: yomi do kun no yomi kanji


grande, grande, oo.kii, oo.ini, ufu, o, ou, Ta, tai,
grande takashi, tomo, hajime, hiro, DAI
hiroshi, masa, masaru, moto, wa

raio, luz, brilho hika.ru, hikari, aki, akira, koo, teru, KÔ (Kou)
hiko, milha, mitsu

Desobstruído, a.kari, aka.rui, aka.rumu, mei,


aberto, aka.ramu, aki.raka, a.keru, - a.ke, minuto,
brilhante. a.ku, a.kuru, a.kasu, akira, ake, MYÔ (Myou)
asu, kira, ke, saya, sayaka, toshi,
haru, milha, mim

321
Algumas variações do símbolo Dai Ko Myo

322
O símbolo da Finalização / Concretização - RAKU

O outro símbolo do Mestrado é o Raku. A Sra. Takata não usava esse símbolo
sânscrito, mas foi incorporado, pelas escolas modernas, a exemplo da Ryoho
Reiki Gakkai, entretanto a maioria dos Mestres parece ter pouca informação sobre
ele, e não compreendem a sua importância.

Ele só é usado durante as iniciações, nunca no trabalho de cura, com apenas uma
exceção. O símbolo se parece com um raio luminoso. Sua definição foi dada como
o símbolo que "domina o fogo".

Ele é conhecido como completador e concluidor, alcance do nirvana inferior,


esvaziamento do ego, liberdade, iluminação, paz total, liberação do mundo
material, libertação do corpo e da reencarnação (budismo).

Este símbolo, no budismo, é usado dos pés até o chakra Coronal para afastar um
espírito, entidade obsessora ou ser de um corpo.

323
No Reiki, é usado do chakra Coronal aos pés para absorver a Energia do Universo
para o corpo / ser. É o uso material do símbolo, enquanto no pensamento budista
é a Iluminação. Na definição dada pelo Reiki: o raio de luz, conclusão e
integração.

Base esotérica dos símbolos de Reiki

Os símbolos do Reiki são segredos bem guardados, passados e explicados aos


alunos por um professor. A principio, o conceito de usar símbolos para direcionar
a energia e fazê-la se manifestar é estranho, embora há muito se saiba que as
formas geométricas têm certas propriedades energéticas. Todos nós já ouvimos
falar sobre fórmulas secretas, sobre numerologia e as grandes pirâmides do Egito
e da América do Sul.

Estamos constantemente cercados por todos os tipos de energias, mas nos


esquecemos de como usá-las. A descoberta da eletricidade e das ondas
eletromagnéticas nos ajudou imensamente a melhorar nossa vida. Com o Reiki,
aprendemos a direcionar a energia para o nosso interior e para o nosso bem-estar
físico, mental e emocional.

Podemos dizer que um símbolo do Reiki age como um holofote ou ativador para
concentrar uma energia de certa qualidade num ponto específico. De certa forma,
o símbolo é ou se torna essa energia quando usado por um iniciado. A intensidade
da energia ativada também depende da afinidade que o praticante de Reiki tem
com o símbolo específico que ele usa.

O Reiki, porém, não pode ser usado para manipular situações ou pessoas, ou
para fazer magia.

O Reiki não é orientado para o cumprimento de metas. A maior magia é


simplesmente sermos nós mesmos.

Muito tem sido especulado no Ocidente sobre a origem esotérica dos símbolos do
Reiki, mas a maioria das histórias não tem fundamento. A própria palavra Reiki
não é um “termo” conhecido no Japão. As pesquisas levam a acreditar que ela
deriva de um antigo mantra xintoísta que protege a pessoa que o canta. Isso
implica que a palavra Reiki é um símbolo (de proteção). Há séculos, esse mantra
tem sido passado via tradição oral de um professor xintoísta a seu discípulo, e nós
só somos iniciados nele depois de prometer não passá-lo a ninguém.

A origem dos símbolos do Segundo Grau do Reiki é confusa, pois eles aparecem
tanto no antigo xintoísmo, chamado de Ko Shinto (tradução: antigo xintoísmo),
quanto no antigo budismo. O símbolo de poder e o de cura mental são pequenas
variações dos originais sânscritos. A pronúncia é japonesa. Esses símbolos

324
vieram da Índia e do Tibete, de onde foram copiados por monges chineses. Da
China, chegaram ao Japão. O símbolo de cura a distância deriva de vários kanji.

O símbolo Mestre do Reiki é um kanji original. Também é budista, e os praticantes


de Reiki no Japão não são os únicos que o usam para a meditação!

O Básico para Uso dos Símbolos:

Os símbolos e mantras usados no sistema Usui de Reiki não têm efeitos por si
mesmo. Eles conseguem atingir sua força por meio de:

• uma pessoa sintonizada na linha espiritual direta nos símbolos e mantras,


que
• usa conjuntamente os símbolos e os mantras, e que
• usa os métodos básicos segundo a tradição recebida.
• Se não se cumpre alguma dessas condições, é alta a probabilidade de que
não se produza nenhum efeito de Reiki.

Os símbolos e seus mantras devem ser conhecidos de memória e quando se falar


sobre eles, use-se apenas suas abreviaturas. Esforçar-se por aprender, entender
e utilizar os símbolos e mantras corretamente estimula o desenvolvimento pessoal
com Reiki.

Os símbolos não precisam ser traçados ou escritos à mão para realizar um


trabalho energético. Definitivamente funcionam a partir de uma idéia precisa sobre
eles e da força do pensamento.

Entretanto, sempre que for possível, devem ser traçados no ar com a mão
dominante e seus mantras pronunciados em voz alta.

A mão iniciada é a mecanicamente mais hábil, porque ela é mais bem


desenvolvida no sentido cinestésico. Contudo, o Reiki estará presente em todas
as partes do corpo.

Se sempre houver esforço no sentido de respeitar as seqüências e aplicar


corretamente os símbolos e os mantras, com o tempo surgirão novos programas
ou padrões de costumes aos quais se poderá recorrer com confiança. Assim, o
Reiki poderá ser posto em funcionamento apenas pelo forte desejo de ajudar.

A sensação de energia que se produz durante o traçado do símbolo não significa


que ele pode ser usado como potencialização da força. O que se sente é apenas a
vibração que indica que o símbolo está ativado e que se pode trabalhar com ele.

325
Compreendendo e Integrando-se com os Símbolos do Reiki

Uma boa forma de compreendermos e integrarmo-nos com os Símbolos


Cósmicos, será meditarmos, diariamente, com cada um deles, individualmente.

• Focalize sua respiração, faça-a lenta e profunda, focalizando cada etapa de sua
respiração, você inspira, retém, exala, retém
• Ao inspirar, mentalize o símbolo (objeto da meditação). Visualize-o entrando pelo
seu Chakra Coronário e impregnando todo o seu ser
• Fique aberto e receptivo para cada sensação, não busque mudar nada, apenas
contemple as sensações
• Permaneça de 5 a 15 minutos meditando com o símbolo escolhido

Primeiro símbolo – CHO KU REI

Conhecido como “interruptor de luz”, é o símbolo do poder. Possibilita a limpeza,


transmutação e proteção, além de amplificar a energia Reiki. Tem a capacidade
de concentrar a energia cósmica para a cura em um determinado ponto.

A ativação do Cho Ku Rei é uma ponte que traz a energia do plano espiritual para
o mundo físico.

Recebe outros significados como: “Reiki, aqui, agora!”, “alinhar-se com o cosmos”,
“Deus está aqui” ou “Energia Cósmica Universal, aqui e agora”.

Devemos memorizá-lo corretamente. O Cho Ku Rei tradicional é desenhado no


sentido anti-horário, porém algumas escolas o ensinam no sentido horário. As
duas formas são corretas, embora no hemisfério sul seja aconselhável o sentido
anti-horário que representa aumento, evocação, enquanto o sentido horário

326
representa decréscimo, dispersão. Porém o mais importante é nossa atitude e
intenção.

O Cho Ku Rei possibilita que a energia permaneça fluindo enquanto houver


necessidade, mesmo após o término da aplicação.

Utilização do Cho Ku Rei

• Traçamos o símbolo com a mão dominante (podemos, também, mentalizá-lo)


• Pronunciamos o seu mantra uma vez
• Começamos a aplicação com as mãos em forma de concha

Ao iniciar uma aplicação, podemos traçar um grande Cho Ku Rei e imaginá-lo


entrando em todos os chakras do receptor, principalmente no Coronal, Frontal e
Laríngeo. Isso possibilitará a limpeza e purificação dos canais energéticos.

Durante a sessão, dirija seu foco à energia que flui de suas mãos. Desta forma,
você perceberá o momento certo de trocar de posição. Caso você não a perceba,
permaneça de 3 a 5 minutos em cada posição (siga sua intuição).

O Cho Ku Rei pode ser utilizado para promover a purificação de ambientes, assim
como objetos, elevando seu padrão vibratório. Você pode traçá-lo nos cantos e
locais de difícil acesso, assim como, em cadeiras, camas e demais objetos.

Para proteção podemos traçá-lo nas portas e janelas.

Podemos energizar a água e alimentos.

Utilizando-o em medicamentos, potencializa seus efeitos benéficos e minimiza


efeitos indesejáveis.

Ao percebermos um pensamento negativo, podemos envolvê-lo com o Cho Ku


Rei, transmutando-o.

Em caso de perigo, podemos utilizá-lo como proteção (como envolvendo um


ladrão que tem intenção de assaltar-nos).

Ao entrarmos em algum veículo, podemos visualizar um grande Cho Ku Rei à sua


frente ou acima do veículo com um escudo de proteção.

Você poderá potencializar a energia visualizando o Cho Ku Rei como um raio de


energia que entra em cada uma de suas mãos ou traçando-o nas palmas das
mesmas antes de começar a aplicação.

Poderá ser usado em conjunto com quaisquer práticas espirituais: oração,


meditação...

327
Proporcionando proteção contra energias intrusas e ampliando a energia positiva
do ambiente.

O Cho Ku Rei atua principalmente no nível físico, porém seu tratamento refletirá
nos demais níveis.

Sempre que for necessário interromper um tratamento (como para atender uma
porta), devemos traçá-lo novamente ao reiniciá-lo.

Proteção dos Chakras com o Chokurei

O Cho Ku Rei é uma maravilhosa ferramenta de proteção. Podemos utilizar esta


técnica todos os dias ao acordarmos e antes de dormirmos.

• trace o Cho Ku Rei em ambas as mãos


• trace um grande Cho Ku Rei em frente ao corpo
• trace um Cho Ku Rei à frente de cada um dos chakras (do Básico ao Coronal),
visualizando-o sendo absorvido pelo mesmo
• tenha consciência de que está energeticamente protegido.

Potencializando a Energia

A energia em uma aplicação poderá ser potencializada se ao iniciá-la ativarmos o


símbolo CKR em ambas as mãos.

• Com a mão direita, trace o CKR (com seu respectivo mantra) na mão esquerda
• Com a mão esquerda, trace o CKR (com seu respectivo mantra) na mão direita

Além de potencializar a energia, esta prática possibilitará uma maior sensibilidade


à mesma.

328
Segundo símbolo – SEI HE KI

O símbolo Sei He Ki é o segundo do grupo.

Na Antigüidade, e ainda hoje, é considerado o símbolo da transmutação. É de


origem chinesa, e utilizado para purificação e proteção emocional. Este símbolo
traçado assemelha-se com um dragão. Nas culturas antigas, principalmente a
chinesa, o dragão representa a capacidade de renascimento, renovação,
mudança, coragem para realizar as coisas e bravura ao enfrentar obstáculos
míticos, mágicos, emocionais ou condicionamentos espirituais (karma).

Dizem ser o mais primitivo, quando olhamos a cultura primitiva, olhamos vários
símbolos semelhantes, a exemplo dos muares da Ilha da Páscoa. Este símbolo
introduz a divindade na energia humana e alinham os quatros chakras superiores.

Quanto mais praticarmos atividades terapêuticas, mais temos certeza de que a


grande maioria dos problemas física tem origem emocional. Sentimentos como
medo, insegurança, ira, ódio, mágoa, frustração, pena, culpa, solidão, depressão,
crises nervosas, são causas das doenças humanas.

Quando utilizamos o Sei He Ki nos dirigimos mais especificamente ao corpo


emocional que, em muitos casos, é a chave da cura. Logo, recomendamos a
utilização do Sei He Ki na maioria dos tratamentos.

Este símbolo dilui os padrões negativos advindos de qualquer conflito sensorial


(sentimentos, lembranças, etc.), ajudando-nos a descobrir as causas escondidas
do nosso consciente dentro de nós, causas profundas. Assim fica mais fácil curar
pois este símbolo faz a pessoa descobrir onde está o problema que precisa ser
trabalhado, conduzindo à origem dos padrões mentais negativos, coisas mais
profundas como memórias passadas relacionadas com a infância, a condição

329
intra-uterina, hábitos indesejáveis, vícios, registros kármicos e lembranças
negativas de outras vivências.

Trabalha principalmente o Chakra Cardíaco e o Chakra Plexo Solar, que recebem


mais diretamente a energia do nosso corpo áurico emocional, curando-os dos
bloqueios emocionais que estavam seguros nesta região de nossa aura. A pessoa
receptora volta a se conectar com este aspecto emocional o suficiente para
processá-lo e curar-se dele.

Aumenta o fluxo da energia cósmica nos Chakras: Laríngeo, Frontal e Coronário


ampliando a sensação de bem-estar. Atua na região da cabeça, no subconsciente
promovendo equilíbrio, harmonia e tranqüilidade.

Aliado à meditação amplifica o relaxamento e possibilita alcançar mais facilmente


um estado alterado de consciência.

Extremamente útil em casos de pessoas com mediunidade ou dons psíquicos dos


quais ainda não tem controle, assim como, a sensibilidade e facilidade de absorver
emoções e sentimentos de pessoas e ambientes.

Possibilita a liberação de emoções escondidas ou que buscamos negar. Por atuar


na origem dos problemas emocionais poderá fazer emergir a raiz dos conflitos
geradores desses males.

Será possível que no princípio do tratamento, o receptor perceba um agravamento


da situação. Não há razão para preocupação, pois isso é um processo natural. É
como derrubarmos um prédio para a construção de um novo.

Desbloqueia problemas energéticos causados por traumas, maus sentimentos,


más lembranças, conflitos, hábitos indesejados, vícios, compulsões, traumas,
registros kármicos, lembranças negativas de outras vivências, etc.

O Cho Ku Rei potencializa a energia Reiki, o Sei He Ki a modulariza.

É útil tanto em tratamentos de humanos como nos de animais.

Os animais domésticos que mantém laços de carinho muito intensos com seus
donos estão propensos a participar do mal-estar dos mesmos, trazendo sacrifícios
tais como: medos, depressões, frustrações, etc. Os animais podem absorver
cargas de seus donos e de suas casas, vindo a falecer. Eles assumem o papel de
purificar o ambiente onde vivem.

Potencializa a criatividade e a capacidade de superar obstáculos.

Assim como o Cho Ku Rei, podemos traçá-lo nos alimentos antes de ingerí-los.
Dessa forma iremos purificá-los e transmutar as emanações deletérias que podem

330
estar presentes. Na impossibilidade de se fazer isso, é aconselhável que o
façamos logo após a refeição.

Existem várias definições para este símbolo, como: “purificação”, “chave do


universo”, “o homem e Deus se fazem um só”, “reunião de Deus com o homem”
ou, “emocional”.

Não existem muitas versões do Sei He Ki, porém as opiniões sobre sua utilização
são bem amplas. Isso é, realmente positivo, as possibilidades são ilimitadas.

Nas aplicações com o Primeiro Grau, a energia Reiki passa atuar no nível
emocional após impregnar o nível físico. Com o Sei He Ki, basta ativá-lo para que
a energia passe a atuar no nível emocional e essa harmonia em nível emocional
reflete-se no nível físico.

Algumas aplicações do Sei He Ki:

• limpa energia negativa (em conjunto com o Cho Ku Rei)

• protege, bloqueando um ambiente para que não entrem energias emocionais


negativas (preferencialmente, em conjunto com o Cho Ku Rei)

• ajuda a manifestação de emoções bloqueadas.

331
Terceiro símbolo - HON SHA ZE SHO NEN

O terceiro símbolo é o Hon Sha Ze Sho Nen focaliza a mente consciente, difere do
Sei He Ki que focaliza o subconsciente e o emocional.

É utilizado para enviar Reiki à distância, podendo a energia ser projetada para o
outro lado da sala ou a qualquer canto do planeta ou universo com a mesma
facilidade. Ao o utilizarmos a distância entre o agente e o receptor se desfaz,
permitindo a interação de campos áuricos, ampliando o espaço de atuação que é
transformado.

Não havendo o conceito de espaço há a possibilidade de acesso a grandes


estruturas como um prédio, uma cidade, um país e até mesmo o planeta.

Assim como a distância, esse símbolo rompe a barreira do tempo. É um


instrumento de intervenção nas “ondas quânticas”, levando a um “continuum” de
tempo. Passado, presente e futuro se integram. Possibilita que a energia atue em
qualquer época do passado ou futuro como se as situações a ser tratadas
estivessem se manifestando neste momento.

Possibilita a manifestação de um portal energético para conectarmo-nos com


outros seres, mundos e níveis de percepção.

É uma chave para acessarmos os arquivos akásicos, onde está impresso nossa
história, nosso destino, propósito e trajetória evolutiva. Desta forma é uma
ferramenta para aliviarmos nossos débitos kármicos.

Atua em nível mental, fora do tempo linear, podendo tratar traumas da infância,
assim como de vidas passadas.

332
Quando projetado para o passado influencia e reprograma situações, suavizando
suas conseqüências e quando projetado para o futuro programa as situações para
que ocorram em harmonia com o Cosmos.

Os registros akásicos descrevem a dívida kármica, as obrigações, os


compromissos e o destino de cada um. O Hon Sha Ze Sho Nen é uma via de
acesso aos registros akásicos, como conseqüência, uma de suas aplicações
principais consiste em sanar o karma, podendo ser possível descobrir e resolver
dívidas kármicas.

Embora haja a possibilidade de enviarmos um tratamento à distância, devemos


estar sempre conscientes do princípio ético: “Não devemos enviar energia à
distância sem o consentimento do receptor”.

Um tratamento à distância é tão eficiente quanto um presencial, porém, nem


sempre o receptor terá consciência do processo. Isto dependerá de sua abertura,
sensibilidade e percepção. Não são raros os casos em que o receptor pensa no
agente enquanto o tratamento acontece.

Você poderá sentir-se em dúvida quanto à eficácia de um tratamento à distância


no princípio, mas logo acontecerão situações que eliminarão qualquer dúvida.

No caso de projetarmos a energia a alguém que deve estar desperto, atento,


devemos deixar claro essa ordem, pois freqüentemente o Reiki provoca
sonolência.

O Reiki à distância é especialmente poderoso em tratamentos como câncer e


problemas emocionais profundos.

Utilize o Reiki sem medo. Nada acontecerá sem que você esteja preparado para
isso e, haverá sempre curadores espirituais para orientá-lo e auxiliá-lo neste
serviço.

O Reiki à distância é uma poderosa ferramenta de auxílio à cura da natureza.


Podemos enviá-lo para um grupo de plantas, uma mata, uma floresta. Neste caso,
ativamos os símbolos 3 e 2, afirmamos que estamos enviando a energia Reiki
para a floresta em questão e concluímos ativando o CKR (com seus respectivos
mantras). Permanecemos aplicando energia por 15 minutos. Ao aplicarmos em
uma planta específica, podemos tratar diretamente suas raízes.

Reikianos do mundo todo auxiliam na cura do planeta, ao menos, mensalmente.


Desta forma participam do grupo de curadores da humanidade, da natureza e do
planeta como um todo.

Há uma grande variação no traçado deste símbolo, o ideal é que cada praticante
escolha o modelo com o qual mais se harmonize. O importante é a atitude de
confiança e respeito que deve estar presente em cada ativação.

333
A tradução do mantra Hon Sha Ze Sho Nen como “nem passado, nem presente,
nem futuro” nos proporciona uma indicação de seus múltiplos usos. Pode ser
traduzido, também, como: “a divindade que existe em mim saúda a divindade que
existe me você”, “o Buda que existe em mim vá de encontro ao Buddha que existe
em você”, ou, “a casa da luz brilhante (a casa de Deus) venha a mim neste
momento (imediatamente).

O Hon Sha Ze Sho Nen é um kanji japonês (uma forma de escrita do Japão
originada na China. Ideogramas são palavras, kanjis são frases. Desta forma,
contém uma mensagem. Considerado um Sutra por conter uma instrução ou
mensagem de sabedoria.

Quarto símbolo – DAI KO MYO

Conhecido como “a pessoa como coração Mahayana de doação” ou “Templo da


Luz Branca”. A pessoa que deseja a aluminação alheia há de alcançá-la. Ela
entende que a base da compreensão e todas as coisas é uma grande unificação
(união, consciência em Deus / Deusa).Quando ela se ilumina, liberta-se da
reencarnação e do sofrimento. No budismo, essa é a única cura real.

A definição dada pelo Reiki significa a cura da alma ou espírito. Uma vez
conhecido o Dai Ko Myo no Mestrado, use-o em todas as curas.

Transmita o Dai Ko Myo a distância, e sinta que ele se desloca rapidamente do


chakra do coração do terapeuta para o da pessoa que recebe. Frequentemente,
este é o único símbolo usado numa cura; entretanto, na cura a distância, sempre o
uso junto com o Hon Sha Ze Sho Nen.

O objetivo do Dai Ko Myo é a cura da alma. Cada um dos símbolos do Reiki


concentra-se num dos corpos vibracionais. O Cho Ku Rei apresenta ressonância
mais forte com o nível do corpo físico, o Sei He Ki, com o corpo emocional, o Hon

334
Sha Ze Sho Nen, com o corpo mental; o Dai Ko Myo trabalha no nível do corpo
espiritual.

Essa forma de cura é extremamente eficaz. Ela combate as raízes da doença. Os


níveis do corpo espiritual trazem em si o projeto do qual o corpo físico é derivado.
Nesse nível, a cura causa alterações profundas, comumente descritas como
"miraculosas".

Terapeutas Reiki vêem, como se fossem, verdadeiros "milagres" em todas as


sessões, e o Dai Ko Myo é usado frequentemente. As mudanças na vida ocorrem
aqui. Assim como acontece com os outros símbolos, enviar o Daí Ko Myo nas
curas diretas, quando sua intuição lhe disser para utilizá-lo.

Na cura a distância, frequentemente se usa os cinco símbolos. Como primeiro


recurso, use o Daí Ko Myo; então, envie o Hon Sha Ze Sho Nen. Em seguida,
adicione o Cho Ku Rei, então o Sei He Ki e, finalmente, repita o Dai Ko Myo. O
Raku só deve ser usado quando houver suspeita de obsessores astrais, ou
mesmo assim, apenas para garantir que as energias deletérias irão se dissolver.

O Dai Ko Myo ao ser enviado, esse símbolo assume a cor dourada fulgurante. A
transmissão não é estática, mas se move, gira e vibra. Essa é a energia de cura
mais poderosa disponível no planeta Terra, e certamente a mais positiva.

O Dai Ko Myo apresenta outros usos. Visualize os quatro símbolos para purificar e
energizar os cristais, para programá-los, pedindo que se purifiquem a si mesmos.
Para fazer isso, segure o cristal ou pedra preciosa entre as palmas das mãos,
enviando energia Reiki. Primeiramente, visualize o Dai Ko Myo e, então, o Sei He
Ki para purificar a pedra de todas as dores e energias negativas absorvidas. Em
seguida, envie o Cho Ku Rei para programar o cristal, afirmando um objetivo como
a cura, por exemplo. Se a pedra for usada para a cura, adicione o Hon Sha Ze
Sho Nen. Por último, visualize o Dai Ko Myo novamente, pedindo que a pedra se
purifique a si mesma a partir daí. Isso significa que a pedra trabalhará no sentido
de purificar-se; por outro lado, é bom que você a limpe frequentemente. Faça o
teste com o pêndulo.

Ao preparar elixires (remédios) de pedras ou flores, adicione o Dai Ko Myo e o


Cho Ku Rei à água e às flores (ou pedras) durante a infusão. Use-o também para
aumentar o poder dos remédios, das tinturas de ervas, dos remédios
homeopáticos, etc.

Como os outros símbolos, o Dai Ko Myo deve ser memorizado. O aluno tem de
ser capaz de desenhá-lo precisamente, com todas as linhas na seqüência correta.
É mais simples usar o Dai Ko Myo na versão original.

335
Símbolo da finalização / concretização - RAKU

O outro símbolo do Mestrado é o Raku. A Sra. Takata não usava esse símbolo
sânscrito, mas foi incorporado, pelas escolas modernas, a exemplo da Ryoho
Reiki Gakkai, entretanto a maioria dos Mestres parece ter pouca informação sobre
ele, e não compreendem a sua importância.

Ele só é usado durante as iniciações, nunca no trabalho de cura, com apenas uma
exceção. O símbolo se parece com um raio luminoso. Sua definição foi dada como
o símbolo que "domina o fogo".

Ele é conhecido como completador e concluidor, alcance do nirvana inferior,


esvaziamento do ego, liberdade, iluminação, paz total, liberação do mundo
material, libertação do corpo e da reencarnação (budismo).

Este símbolo, no budismo, é usado dos pés até o chakra Coronal para afastar um
espírito, entidade obsessora ou ser de um corpo.

No Reiki, é usado do chakra Coronal aos pés para absorver a Energia do Universo
para o corpo / ser. É o uso material do símbolo, enquanto no pensamento budista
é a Iluminação. Na definição dada pelo Reiki: o raio de luz, conclusão e
integração.

Ao finalizar ou concretizar a iniciação, o Raku é usado para reter a energia Reiki


no receptor. Isso é tudo o que a maioria dos Mestres em Reiki sabe; mas, de fato,
sua função vai bem, além disso. Ele ativa a linha do Hara, ajudando o iniciado a
trazer a energia Reiki para seus canais condutores do Ki, e a fixam no centro do
Hara (Tanden).

Durante a iniciação, as auras do Mestre e do aluno se unem, e algo mais ocorre


nesse momento. Durante esses poucos instantes, os guias espirituais do Reiki
usam a energia para retirar o karma negativo da pessoa que recebe a iniciação
em Reiki.

336
O Mestre que realiza o processo capta o que é liberado através do contato das
auras e realiza a integração; em geral, ele é totalmente inconsciente disso. O
Raku ainda separa as auras no final da iniciação. Também deixa o Mestre e o
aluno com muito mais energia do Ki original do que dispunham antes. Essa
liberação kármica durante a iniciação explica a purificação e a reorganização do
corpo físico e do emocional que se seguem à iniciação.

Com todas as variações dos símbolos hoje em dia, é interessante notar que há
apenas uma variação para o Raku. Esta simplesmente suaviza as curvas do raio
luminoso, que forma uma linha tortuosa. Usado dessa forma, o símbolo se
transforma no Poder da Serpente Kundalini. Entretanto, o raio luminoso é a Vajra
do Budismo Vajrayana — o símbolo do caminho de diamante do Budismo
Mahayana no Tibet, porém, a forma em ziguezague do símbolo original parece ser
a mais correta.

337
Outros símbolos de outras vertentes do Reiki

DUMO

Dumo era usado primeiramente em um contexto de Reiki por Arthur Robertson em


seu sistema de Raku Kei Reiki, e tenho sido adotado subseqüentemente mais
tarde por estilos influenciados de Reiki Tibetano.

O símbolo é dito representar o equivalente do tibetano de Kundalini.

NIN GIZ ZIDA (a serpente do fogo).

Este é um “abridor”: ajuda abrir o “receptor”, fazem-nos mais receptivos ao Reiki.

338
TAMASURRA

Um antídoto para o medo - usá-lo em pessoas temerosas e ansiosas, para uma


transformação completa.

339
Auto-aplicação com os símbolos

Como exposto no Primeiro Grau, para que alcançamos todos os benefícios


possíveis através do Reiki, a auto-aplicação deve ser praticada diariamente. Desta
forma ampliamos nossa sensibilidade às energias e harmonizamos cada vez mais
nosso campo energético.

Com os símbolos do Segundo Grau, a energia passa a atuar, também, nos níveis
emocional e mental. O autotratamento, portanto, passa a influenciar nossa
conduta mais amplamente que no Primeiro Grau, onde a atuação era mais em
nível físico.

Com as técnicas ensinadas neste nível, o tempo total de uma aplicação poderá
ser reduzido até a 10 minutos.

Basicamente, as posições de auto-aplicação são as mesmas que as do Primeiro


Grau com uma pequena alteração na terceira posição da cabeça, colocando-se
uma mão na testa e a outra na nuca (occipital coordenador). Desta forma, haverá
uma potencialização do Reiki.

Banho de Energia

Podemos, também, nos beneficiarmos com a energia cósmica, durante o banho.

• Mentalize os símbolos 3 e 2 (com seus respectivos mantras)


• Mentalize a intenção de que a energia cósmica impregne a água do chuveiro
• Mentalize o CKR (com seu respectivo mantra)
• Visualize ou imagine que mãos cósmicas derramam uma cascata de energia
cósmica sobre você
• Permaneça entregue à essa bênção

Devemos ficar atentos ao enviar energia à distância, pois há a possibilidade de


contaminação energética (há uma interação áurica). A melhor proteção que
poderemos ter é a atitude de canal, sem envolvermo-nos no tratamento nem
desejarmos resultados. A entrega (invocarmos a proteção, orientação e auxílio do
deus de nossa devoção) também nos deixa protegidos. Podemos, antes de
enviarmos energia, promovermos a centralização de nosso coração, com uma
auto-aplicação as duas mãos no Chakra Cardíaco.

Devemos, sempre, na medida do possível, falar com a pessoa que queremos


auxiliar, combinado o envio de energia e marcando um horário para a aplicação.

A aceitação, consentimento e desejo de se receber Reiki são um exercício do


livre-arbítrio e produzem resultados benéficos para nossa evolução espiritual.
Desta forma não estaremos agindo contra a vontade do receptor. Cada pessoa
tem direito às suas escolhas, mesmo tendo consciência de que o Reiki jamais fará

340
mal algum, cada pessoa deve escolher o ritmo de seu crescimento, sua evolução
e, as ferramentas que irão auxiliar em sua jornada. Interferir no livre-arbítrio de
alguém, não somente é antiético imoral, como é uma violência ao caminho
evolutivo que esta pessoa está seguindo.

Nos casos em que não é possível solicitar o consentimento do receptor (como um


paciente em coma), contate seu Eu Superior, e peça licença ao mesmo para que a
energia Reiki chegue até ela, se isso for para acontecer e estiver em harmonia
com o Cosmos.Desta forma você não estará infringindo nenhuma Lei Cósmica ou
Espiritual.

Enviar Reiki a um doente terminal irá contribuir para que sua passagem de dê de
forma suave e harmoniosa e poderá também, possibilitar que ela resolva algo que
esteja prendendo-a aqui.

O Reiki à distância é, também, útil para casos em que há possibilidades de


contaminação física (doenças contagiosas...) ou dificuldade de acesso ao receptor
(criança em uma incubadora, animais perigosos).

Uma prática muito eficiente e gratificante é a aplicação conjunta. Várias pessoas


enviando Reiki para uma mesma pessoa ou situação ao mesmo tempo. Desta
forma a energia é elevada ao quadrado, potencializando o tratamento.

Exemplo: reikianos posicionados em forma de mandalas ou formas geométricas,


também, potencializam o Reiki. (3 reikianos em posição de um triângulo, 4 de uma
cruz, vários reikianos em círculo...).

Assim como nas aplicações presenciais, sempre que possível o faça em um local
harmonizado e limpo energeticamente, podendo utilizar os elementos de costume:
velas, incensos, cristais, água, etc...

Conhecendo a pessoa para quem irá enviar a energia, mentalize-a, visualizando-


a. Caso contrário tenha em mãos o nome completo, data de nascimento e local
onde se encontra.

Assim como para uma pessoa ou local, podemos enviar Reiki para uma parte
específica do corpo, nosso ou outras pessoas.

Técnica do Caderno de Reiki

Normalmente utilizamos a oração para expressar ao Cosmos nossos desejos e


solicitar sua ajuda. Esta técnica é uma forma de oração científica que poderá
proporcionar a consecução de seus objetivos. Estaremos unindo nossos desejos
com a energia cósmica que será impregnada nos mesmos, diariamente. Que se
manifestarão conforme nossa necessidade e merecimento.

341
Poderemos inserir nesta técnica todas espécies de pedidos pessoais, tudo o que
desejarmos, manifestar, transformar, criar, curar, compreender, libertar. Podendo
ser colocado, fotos, recortes, etc... as possibilidades são ilimitadas.

Assim como nas demais técnicas, vale lembra que devemos respeitar o princípio
ético, não interferindo no livre-arbítrio de ninguém (como desejar o rompimento de
alguém que desejamos conquistar). Neste caso, o correto será pedirmos que o
verdadeiro amor manifeste-se em nossa vida.

Podemos dividir o caderno em capítulos, um para cada categoria: físicos,


financeiros, saúde, familiares, profissionais, amor, desenvolvimento pessoal,
trabalho, relacionamentos, etc...

Tenha consciência de que realmente deseja e necessita o que está pedindo, pois
poderá consegui-lo. Utilize afirmações positivas, evite a palavra não.

Ativação do Caderno de Reiki

• Primeiro devemos escolher um caderno que seja prático, ou seja, pequeno, de


capa dura e com pelo menos 50 folhas, que nos seja atraente.
• Na contracapa devemos desenhar os símbolos 3, 2 e 1; nessa ordem, sempre ao
lado, escrevemos três vezes cada mantra respectivo. Repetimos o mesmo
processo na última capa, em seguida colocamos uma folha ou foto sobre os
mesmos para não estimular a curiosidade de quem possa, eventualmente acessá-
lo.

• Escreva, desenhe, cole, peça o que quiser sobre cada um dos assuntos.
Lembre-se, não há limites para as manifestações.
• Para ativação do caderno coloque-o sobre a mão não dominante em forma de
concha (mãos de Reiki), com a outra mão desenhe os símbolos na seqüência 3, 2
e 1 sobre a capa. Aplique 5 minutos de energia no caderno entre as mãos, repita a
mesma operação sobre a outra capa.
• O caderno estará ativado e energizado por 24 horas. O caderno deverá ser
reenergizado a cada 24 horas, aproximadamente. Os símbolos ativarão o
direcionamento da energia Reiki a todos os pedidos que estiverem contidos no
caderno.
• A energização diária poderá ser feita em apenas 5 minutos, sobre um dos lados,
sem a necessidade de virarmos o caderno como na ativação inicial.

E caso de viajarmos e esquecermos o caderno em nossa casa, poderemos ativa-


lo a distância. Programando a energia para que o ative no local específico.

Em caso de algum desejo não ser realizado, isso significa que há algo que deve
ser resolvido antes da manifestação do mesmo, assim que isso acontecer a
manifestação de faz. Devemos, também, confiar na sabedoria Cósmica, Divina,
nem sempre o que desejamos é o que necessitamos.

342
Todas as religiões pregam que devemos fazer a caridade, para estimular essa
prática, falam dos benefícios que ela nos proporciona. Aproximarmo-nos de Deus,
ganhar um terreno no céu, etc... Muitos fiéis, então, começam a praticá-la, com
intenção de merecer esses benefícios. Porém, ao começar a fazê-lo, sentem-se
tão enlevados que passam a fazê-lo não mais por essas razões, mas pela simples
e divina satisfação de servir. A maior e mais gratificante prática espiritual é a
prática do amor, ele é inesgotável, ilimitado e, quanto mais o projetamos, mais
temos a nossa disposição. No momento em que aprendermos a nos conectar com
o potencial do amor que temos em nosso Interior, tornamo-nos Mestres de nossa
própria vida. E é só a partir desse momento que aprendemos a amar de verdade.
Só então nos libertamos. Tornamo-nos “amor em ação”. Deixamos de desejar
continuamente tudo aquilo que vem de fora, tudo o que damos ao mundo acaba
retornando a nós. O amor que doamos aos outros, retorna a nós de forma
multiplicada, unindo-se outra vez à fonte de onde brotou, para fechar assim, um
círculo de energia. Esta é a Lei do Karma.

Técnica da Caixa de Reiki

Esta técnica é uma ferramenta reikiana para praticarmos a caridade e


compartilharmos essa maravilhosa dádiva com nossos semelhantes. Poderemos
irradiar ininterruptamente essa energia amorosa para todas as pessoas que a
solicitarem ou para situações que necessitam da mesma, sem para isso, que seja
necessário todos os dados do receptor (podemos utilizar apelidos ou indicações
simples, como o amigo do motorista ou atendente da venda, etc)...

“Quanto maior o poder, maior a responsabilidade”.

Com o Segundo Grau de Reiki, temos uma poderosa ferramenta de cura,


transformação e amor. Através desta técnica, podemos contribuir para o despertar
da humanidade e para a elevação do padrão vibratório da mesma.

Foi comprovado que os reikianos que utilizam esta técnica, alcançam maiores
resultados na técnica anterior (a do caderno) que os que não a utilizam. É a Lei do
Karma em ação.

Ativação da Caixa de Reiki

• Escolha uma caixa média de algum material que no futuro possa ser queimada
facilmente (papelão, madeira, etc). Uma boa opção é uma caixa de sapatos.

No fundo da caixa, internamente, colocamos os símbolos 3, 2 e 1, nesta ordem,


cada qual com seu mantra respectivo três vezes. Colocamos sobre os mesmos
uma folha para não estimular a curiosidade de quem possa, eventualmente
acessá-la. Na tampa não há necessidade de colocarmos símbolos.

343
• Feche-a e a envolva com um papel de sua preferência. Desta forma evitamos a
curiosidade de outras pessoas e a deixamos mais atraente. Deixe um orifício para
a inserção dos pedidos.
• Dentro da caixa colocamos pedidos de diversas pessoas, simultaneamente, a
quem desejamos direcionar a energia vitral. Podemos colocar fotos, bilhetes,
pedaços de tecidos, etc.
• A ativação é feita em 5 minutos da mesma forma que na técnica anterior.
• A cada 24 horas é necessária a reativação da energia por mais 5 minutos.

Quando a caixa estiver cheia, providencie uma outra e ative-a da mesma forma,
você poderá optar entre continuar energizando a caixa antiga até sentir
interiormente que todos os pedidos tenham sido manifestados ou inserir um
pedido na caixa nova, representando os da antiga.

Desfazendo-se da Caixa e/ou Caderno

Ao sentir que deve desfazer-se da Caixa, assim como, do Caderno. Escolha um


local discreto, podendo ser uma mata, e acenda uma fogueira. Antes de colocar a
mesma para queimar, trace os símbolos HS e SHK (com seus respectivos
mantras), agradeça ao Deus de sua devoção pela manifestação dos pedidos e
pela oportunidade de servir de canal para a manifestação dos mesmos. Expresse
a intenção de que eles tenham sido manifestados conforme a necessidade e
merecimento de cada um. Trace o CKR (com seu respectivo mantra) e coloque-a
para queimar. Durante o processo de transmutação, permaneça enviando Reiki à
distância. As cinzas poderão enterradas no local de forma que não fique
resquícios da Caixa ou Caderno e de seu conteúdo.

Técnica da Redução

Nesta técnica imaginamos o receptor em um tamanho que caiba entre nossas


mãos.

• Coloque-se em uma posição confortável


• Posicione sua mão (mão de Reiki) não dominante em frente ao seu corpo
(preferencialmente à altura do coração)
• Imagine o receptor, em tamanho reduzido, ao lado dela
• Com a mão dominante, trace os símbolos 3 e 2 (com os respectivos mantras)
• Afirme três vezes que “o fulano de tal se encontra entre suas mãos e que estás
enviando Reiki para ele”
• Trace o CKR (com seu respectivo mantra)
• Posicione a mão dominante em frente à outra
• Entregue-se à aplicação, procure perceber o que está ocorrendo
• Permaneça de 3 a 15 minutos enviando Reiki para o receptor

344
Técnica do Substituto

É utilizada, principalmente quando queremos enviar Reiki para algum órgão


específico do receptor (fígado, rins...). Poderemos utilizar um boneco ou
animalzinho de pelúcia para substituir a pessoa ou até mesmo, nós ou outra
pessoa nos poderá servir de molde.

• Trace, com a mão dominante, os símbolos 3 e 2 (com os respectivos mantras) no


Chakra Coronário da pessoa ou boneco que servirá de substituto.
• Mentalmente, visualize a pessoa e afirme (três vezes) que está enviando Reiki
para fulano de tal (ou o órgão de fulano de tal), que se encontra em tal lugar
• Trace o CKR (com o respectivo mantra)
• Permaneça aplicando Reiki como estivesse fazendo, presencialmente na pessoa
representada pelo substituto.

Técnica da Foto

Outra forma de se enviar um tratamento à distância é através de uma foto do


receptora.

• Escreva o nome completo da pessoa com os símbolos 3, 2 e 1 nesta seqüência,


com seus respectivos mantras ao lado, três vezes
• Em seguida coloque a foto à sua frente, então irradie Reiki ao receptor através
da foto. É possível irradiar segurando a foto entre as mãos, se preferir.
Na falta de uma foto escreva o nome e endereço da pessoa e tente imaginar o
rosto da pessoa na sua mente. O procedimento seguinte é o mesmo acima.
Vários reikianos poderão formar um círculo e colocar a foto ou o papel no centro
(com o nome de uma ou mais pessoas) onde todos irradiarão. Lembre-se que a
energia é multiplicada pelo quadrado do número de reikianos.

Técnica do Dedo

São inúmeras as possibilidades de envio de Reiki à distância. Você poderá estar


em local onde necessite fazê-lo de forma discreta.

• Mentalize que um dos dedos de sua mão representa o receptor (pessoa, animal,
situação...)
• Envolva-o, então, com a outra mão
• Mentalize os símbolos 3 e 2 (com seus respectivos mantras).
• Mentalize "Estou enviando Reiki à distância para (...receptor)
• Mentalize o CKR (com seu respectivo mantra)
• Permaneça enviando energia enquanto for necessário.

345
Técnica da Cura do Coração

O ressentimento, a raiva, a culpa, entre outros sentimentos negativos são venenos


que nos afastam da felicidade, roubam nossa alegria e harmonia e semeiam
doenças.

Esta técnica destina-se àquelas pessoas que sentem necessidade de livrar-se


desses venenos, manifestando o perdão.

Possibilitará que acessemos um padrão adequado para essa manifestação, assim


como para desenvolver o amor incondicional e focalizarmos a situação de outros
ângulos (não nos apegando unicamente ao nosso ponto de vista, à nossa
verdade).

Poderá ser utilizada por quem já superou a mágoa e deseja esquecer,


suavemente, a situação. Também pela pessoa que não se sente perdoada e acha
que ainda mantém com alguém qualquer ligação de ressentimento.

• Coloque uma mão (mãos de Reiki) em frente à outra na altura do Chakra


Cardíaco, com as palmas voltadas uma para outra.
• Mentalize o HSZSN (com seu respectivo mantra) entre as mãos.
• Imagine que a pessoa que deseja perdoar ou para quem vai pedir perdão está à
sua frente, e a luz do HSZSN vai em direção ao seu coração, e seu Chakra
Cardíaco é impregnado por essa luz
• Mentalize o SHK (com seu respectivo mantra) entre as mãos
• Imagine que a luz deste símbolo vai em direção à pessoa, impregnando seu
Chakra Cardíaco
• Fale com a pessoa, perdoe e/ou peça perdão
• Mentalize essa pessoa entrando no espaço entre suas mãos
• Mentalize o CKR (com seu respectivo mantra) preenchendo todo o espaço entre
suas mãos
• Junte as mãos e aplique de 5 a 15 minutos de Reiki

Respiração dos Chakras

Através da respiração, estamos ligados a tudo o que nos envolve. Todas as


pessoas, animais e plantas respiram o mesmo ar, e você inala aquilo que eles
exalam e vice-versa.

Mas não é somente para fora que o ar nos liga com tudo, pois também no nosso
interior ele estabelece um contato, um intercâmbio permanente, até na menor das
células penetram partes da nossa respiração, suprindo o nosso corpo com força
vital.

Da Índia conhecemos a palavra “Prana”, que significa tanto alento vital como
também Energia Cósmica; essas diversas traduções descrevem os diferentes

346
níveis de respiração. Estamos ligados, através da respiração, com a força vital que
a tudo penetra e sem a qual não poderia haver Criação. Assim tomamos
consciência das dimensões da nossa respiração, que representa algo tão
universalmente grande, embora tão comum.

Ao dirigir a consciência para a nossa respiração, podemos dar origem a muitas


coisas positivas, influenciando os chakras.

• Acomode-se confortavelmente
• Feche os olhos
• Permaneça alguns minutos focalizando sua respiração, sem alterá-la, apenas
consciente dela e do caminho que o ar percorre durante a respiração
• Agora focalize cada etapa de sua respiração, você inspira, retém, exala, retém
(crie um ritmo, sem forçar), faça isso de 3 a 7 vezes
• Mentalize o CKR (com seu respectivo mantra)
• Ao inspirar, sinta que o chakra está participando do processo, ele também
respira.
• Visualize o CKR sendo absorvido pelo chakra. O CKR aumenta a absorção de
energia do Chakra Básico
• Ao expirar, visualize e sinta toda energia estagnada, todo estresse acumulado
sendo expelido pelo Chakra Básico (você poderá imaginar uma fumacinha escura
sendo eliminada).
• Visualize o CKR harmonizando esse chacra. Poderá visualizá-lo na cor dourada
• Repita o processo em cada um dos chakras, do Básico ao Coronário.
• Imagine, então, um grande CKR acima de sua cabeça
• Faça afirmações positivas (“Estou em harmonia com o Cosmos”, “Deus está em
mim”, “Reconheço a divindade que habita em mim”, etc...) repita-a três vezes
• Visualize o CKR entrando pelo topo da cabeça e indo até a planta dos pés,
sendo absorvido pela terra
• Abra os olhos, inteiramente harmonizado.

Técnica Especial de Cura

O Sei He Ki atua sobre o corpo emocional ou subconsciente. Ele equilibra ambas


as partes do cérebro, trazendo harmonia e tranqüilidade. Este símbolo tem
numerosas aplicações, muitas, inclusive, que não são ensinadas em seminários
convencionais. Ele pode ser usado para mudar ou erradicar vícios, hábitos e
costumes indesejáveis, como por exemplo, o consumo de drogas, álcool, cigarro,
compulsões como comer demais por gula, roer unhas, roubar, fobias, etc.

O Sei He Ki desabrocha emoções internas escondidas, liberando energias


negativas de raiva, tristeza, depressão, medo, nervosismo, etc. Pode ser usado
para melhorar a memória e tratar a causa da obesidade.

• Com o receptor sentado, faça o alisamento da aura

347
• Posicione a mão não dominante sobre o Chacra Coronário do receptor e com a
mão dominante trace o CKR (com seu respectivo mantra)
• Comece o tratamento na primeira posição da cabeça
• Permaneça 2,5 minutos aplicando nesta posição
• Posicione as mãos por 2,5 minutos na segunda posição da cabeça.
• Posicione a mão não dominante na nuca (base do crânio, occipital) e a outra na
testa.
• Retirar a mão da testa e trace o SHK (com seu respectivo mantra) no Chacra
Coronário do receptor
• Faça mentalizações, afirmações e visualizações positivas, claras e de fácil
assimilações (repita-as três vezes, clara e pausadamente)
• Trace o CKR (com seu respectivo mantra).
• Retorne a mão dominante no Chacra Frontal (testa) permaneça 2,5 minutos
aplicando nesta posição.

Essas afirmações serão absorvidas pelo subconsciente do receptor e atuará no


consciente nos momentos próprios. Desta forma, utilize-se de afirmações simples,
que podem ser entendidas facilmente e sem segundas interpretações. Utilize
apenas afirmações positivas. Não deve ser pronunciada a palavra não.

Poderá ser utilizado para desobstruir bloqueios energéticos, fruto de vivências


traumatizante do receptor.

Devemos ter cuidado ao utilizarmos essa técnica, pois poderemos estar


interferindo nos registros akásicos. Utilize-se do bom senso e jamais pratique essa
técnica sem conhecimento e consentimento do receptor.
Só utilize-a quando tiver segurança o suficiente ou para tratar de problemas
simples. Terapias que buscam a resolução de problemas graves podem trazer à
tona distúrbios e o reikiano poderá não ter recursos para lidar com eles. Esta
técnica é especialmente valiosa para reikianos formados em psicologia ou
psiquiatria.

Exemplos de Afirmações para mensagem subliminar usando o Sei He Ki

Fulano de tal, você tem saúde em seu corpo físico e equilíbrio em sua mente.
Fulano de tal, a partir de agora você começa a sentir seu corpo perfeitamente
bem.
Fulano de tal, sua saúde é perfeita e todos o seu corpo e seus órgãos funcionam
muito bem.
Fulano de tal, no plano sexual da vida, seu desempenho é satisfatório e
compensador, aconteça o que acontecer.
Fulano de tal, a sua inteligência é maravilhosa, você tem pensamentos e idéias
maravilhosas.
Fulano de tal, a partir de hoje você dormirá em paz, terá sono tranqüilo e , ao
acordar, sentirá alegria, disposição e terá um dia perfeito e feliz.
Fulano de tal, você é uma pessoa inteligente e capaz.

348
Fulano de tal, você é feliz, saudável, alegre e calmo.
Fulano de tal, você está em paz consigo mesmo e se aceita assim como é.
Fulano de tal, você tem o peso ideal, sem dietas, tem uma imagem de saúde,
beleza e harmonia.
Fulano de tal, o seu raciocínio é rápido e a sua memória é excelente, eles só
trabalham com as idéias e os pensamentos positivos.
Fulano de tal, você tem o comando positivo de sua mente.
Fulano de tal, a partir de hoje, e para toda a eternidade, você mesmo faz a sua
felicidade.
Fulano de tal, a cada dia, em cada aspecto, você está se tornando cada vez
melhor.
Fulano de tal, você consegue manter a cabeça sempre ocupada com
pensamentos sempre positivos.
o que você pensa de bom acontece e a cada dia que passa você se sente cada
vez mais feliz.
Fulano de tal, você está em harmonia consigo, com todas as pessoas e com todo
o universo.
Fulano de tal, tudo o que você deseja de bom, vem à você com muita facilidade.
Fulano de tal, você tem um futuro maravilhoso.
Fulano de tal, você resolve todos os problemas, os vê com naturalidade e tem
sempre boas soluções.
Fulano de tal, você está evoluindo cada vez mais.
Fulano de tal, seu corpo, sua mente e sua vida material estão em perfeita
harmonia.
Fulano de tal, você é cada vez mais ousado, vê sempre no horizonte a chama da
vitória brilhando intensamente.
Fulano de tal, você está vencendo o vício de (...) a partir deste momento ele é
desnecessário.
Fulano de tal, a cada momento que passa, você está mais confiante em seu
potencial criador, transformador e curativo.
Fulano de tal, você tem sorte a cada instante, em todos os dias, porque Deus está
com você.
Fulano de tal, você sempre consegue tudo o que quer de bom, todas as riquezas
do universo estão à sua disposição.
Fulano de tal, você tem uma casa limpa, confortável e bonita, morando nela a paz,
a prosperidade e ao amor.

Tudo é energia, nossos pensamentos também o são. Tudo o que pensamos


poderemos criar. Os pensamentos que semearmos poderão frutificar em grandes
manifestações. O pensamento correto (positivo) resulta em ação correta (positiva).
Se impregnarmos nosso subconsciente com programações positivas, poderemos
manifestar uma vida plena e realizada.

Podemos, e devemos, policiar nossos pensamentos de forma que, quando


percebermos a proximidade de um negativo, limitador, o substituiremos por um
positivo, criador, transformador. Desta forma, apenas boas manifestações se
apresentarão.

349
As programações que fizermos, serão aceitas incontestavelmente por nosso
subconsciente e este fará de tudo para que se manifestem as ferramentas
necessárias para que se tornem reais.

Relaxamento e Reiki

Á medida em que passamos a trabalhar com o Reiki, percebemos que alguns


receptores têm grande dificuldade em relaxar e entregar-se inteiramente ao
tratamento, principalmente nas primeiras sessões.

Ao constatar isso, comece a oferecer às pessoas duas opções: receber


unicamente o Reiki ou durante o tratamento, receberem a indução ao
relaxamento. Essa segunda opção normalmente é bem aceita, sendo que em
muitos casos vamos além do relaxamento, intensificando-o com uma viagem
interior.

Realize todos os procedimentos preparatórios usuais.

• Após o alisamento da aura, trace um CKR no Chacra Coronário do receptor


visualizando-o entrando até a altura do Cardíaco.
• Ainda posicionado na cabeça do receptor, trace os símbolos na altura do Chacra
Frontal (trace-os com a mão em concha e faça um movimento como se os
apanhasse e os inserisse no Chacra Frontal do mesmo)
• Vá até os pés do receptor e novamente trace os símbolos. Sinta que a energia
vital está impregnando todos os corpos do receptor, preparando-o para a sessão
• Com uma voz suave e tranqüila, solicite ao receptor que focalize sua respiração,
respirando lenta e profundamente, focalizando cada etapa de sua respiração
(inspira, retém, exala, retém). Harmonize, você também, sua respiração.
• Quando você solicitar ao receptor que relaxe uma parte de seu corpo, direcione a
energia à ela, permanecendo com suas mãos a uma distância de 5 cm do corpo
dele, não é necessário que o receptor vire de bruços ao relaxar as costas, apenas
mentalize a energia impregnando suas costas.

Comece então, a induzir o relaxamento, da seguinte forma:

• Comece a relaxar cada parte de seu corpo


• Quando eu me dirigir a uma parte, leve toda a sua consciência à ela, como se
somente ela existisse, nada mais, e relaxe-a inteiramente, completamente
• Dirija-se para seus pés, relaxe inteiramente os seus pés (dedos dos pés, planta,
calcanhares, tornozelos). Sinta seus pés, inteiramente relaxados
• Dirija-se para suas pernas, dos tornozelos até os joelhos. Relaxe inteiramente
suas pernas
• Dirija-se para suas coxas, dos joelhos até os quadris. Relaxe inteiramente suas
coxas

350
• Dirija-se para seus quadris, toda a área de seus quadris. Relaxe suas nádegas e
órgãos genitais
• Dirija-se para o seu abdômen. Relaxe os músculos do abdômen e órgãos
internos
• Dirija-se para o seu tórax. Relaxe toda a área de seu tórax
• Dirija-se para as suas costas (da base da coluna até o pescoço). Relaxe os
músculos das costas e vértebras da coluna
• Dirija-se para os seus braços. Relaxe os dedos das mãos, mãos, pulsos,
antebraços, cotovelos, braços, ombros.
• Dirija-se para o seu pescoço. Relaxe os músculos do pescoço, garganta, cordas
vocais
• Dirija-se para sua cabeça. Relaxe seu queixo, maxilares, boca (a língua deve
estar solta), nariz, faces, orelhas, testa, nuca, topo da cabeça
• Você está inteiramente relaxado
• Permita-se, agora, entregar-se inteiramente à essa energia de amor,
transformação e cura.
Realize a aplicação como de costume

Programações especias com Reiki e símbolos

As possibilidades de utilização do Reiki são ilimitadas, ele poderá ser utilizado


para energizar, impregnar, limpar e programar qualquer estrutura, elemento da
natureza, etc, para que alguma finalidade específica.

Devemos apenas ter consciência de que seja um objetivo nobre, sem intenções
egoísticas:

Programando o Travesseiro

Muitas vezes temos dificuldade de ter um sono tranqüilo e reparador ou nosso


tempo é insuficiente para o mesmo.

Podemos, então, programar nosso travesseiro (ou de outra pessoa que o solicite)
para que tenhamos um sono tranqüilo e reparador e que o tempo que temos
disponível para o sono equivalha ao que necessitamos. Podemos também
programá-lo para que o usuário abandone um determinado vício ou compulsão.

• Pegue o travesseiro entre suas mãos


• Mentalize ou trace os símbolos 3 e 2 (com seus respectivos mantras)
• Mentalize a programação (três vezes)
• Mentalize ou trace o CKR (com seu respectivo mantra)
• Permaneça 10 minutos aplicando Reiki no travesseiro

351
Programando um Livro

Esta técnica possibilita que tenhamos uma maior compreensão do conteúdo do


livro programado, facilitando a leitura e assimilação do mesmo.

• Pegue o livro em suas mãos


• Mentalize ou trace os símbolos 3 e 2 (com seus respectivos mantras)
• Mentalize a programação (três vezes) “Estou impregnando este livro com a
energia cósmica, para que a essência do conhecimento nele contido, seja
absorvida pelo meu subconsciente e que eu possa acessá-la sempre que
necessário”
• Mentalize ou trace o CKR (com seu respectivo mantra)
• Permaneça 10 minutos aplicando Reiki no travesseiro
• Deixe-o na cabeceira da cama ao dormir (desta forma, durante o sono fortalecerá
a sua conexão com ele)

São inúmeras as possibilidades desta técnica, poderá acontecer de você se deter,


principalmente nos pontos que serão necessários para uma determinada prova ou
concurso, compreender mais facilmente matérias e/ou fórmulas que anteriormente
não compreendia, memorizar mais facilmente fatos e datas, concentrar-se mais
facilmente em sua leitura ou estudo. Há casos em que a conexão é tão grande,
que você poderá sonhar com o conteúdo do livro.

Limpeza e Programação de Cristais

Os símbolos do Reiki são ferramentas de valor inestimável para a limpeza e


programação de cristais.

• Segure o cristal com sua mão esquerda


• Mentalize o CKR (com seu respectivo mantra) na cor violeta, transmutando as
energias deletérias, limpando o cristal. Visualize os símbolo promovendo a
transmutação, incorporando-se à pedra, até ter certeza de que ela está limpa
• Mentalize o SHK (com seu respectivo mantra) na cor verde incorporando-se à
pedra, promovendo a cura da mesma, e impregnando-a com energia amorosa
• Mentalize o HSZSN (com seu respectivo mantra) na cor azul índigo incorporando
a pedra, com a intenção de que a mesma transmita energia de harmonia e cura ao
ambiente em que ela se encontrar
• Mentalize, novamente o CKR, selando a programação
• Permaneça energizando o cristal por 5 minutos
• Renove a programação quinzenalmente

Esta técnica poderá ser utilizada, também, para outros objetos. As possibilidades
são ilimitadas.

352
Proteção do Carro ou Casa

Esta técnica poderá servir como um alarme e/ou escudo energético.


Tenha em mente que nossa atitude é fundamental. Quando criamos um escudo de
proteção, nossa confiança na manifestação o fortalece enormemente.

• Coloque-se à frente de seu carro


• Trace o HSZS (com seu respectivo mantra)
• Trace o SHK (com seu respectivo mantra)
• Programação: "Estou programando a manifestação de um escudo energético
para envolver esse carro, protegendo-o, assim como, todos os que estiverem em
seu interior e quem aproximar-se dele. Este escudo será ativado sempre que for
traçado um CKR à frente deste carro."
• Trace o CKR (com seu respectivo mantra).

A partir deste momento, sempre que você for entrar ou sair do carro, trace um
CKR, manifestando o escudo de proteção (o CKR fará o papel do chaveirinho que
aciona o alarme/escudo energético) .
reconstruir a programação mensalmente.

Técnica de Licença e Proteção

Esta técnica é especialmente interessante para ser utilizada quando formos entrar
em uma mata, floresta, etc.
• Trace os símbolo 3 e 2 (com seus respectivos mantras)
• Mentalize a emissão de energia de humildade, amor, paz, proteção, bondade,
alegria e harmonia com todos os seres viventes (físicos e suprafísicos) que
habitam o local, solicitando a permissão para entrar.
• Trace o CKR (com seu respectivo mantra)
• Permaneça 5 minutos emitindo para o local.

Programando um Tratamento

Conforme exposto anteriormente, você poderá programar o tratamento para que


se repita quantas vezes for necessário, assim como, de tantas em tantas horas.
Porém é aconselhável que se imponha um limite, para que a energia não seja
projetada desnecessariamente.

Vamos criar uma situação: “Fulano de Tal” tem câncer no esôfago e dificuldade
em engolir, está prestes a colocar uma sonda que permitirá que ele receba apenas
alimentos líquidos e/ou liquidificados. Sua medicação para aliviar a dor é de 6 em
6 horas e já não está mais fazendo efeito, a cada 4 horas ele já começa a sentir
dor. Ele tem plena confiança no Reiki e está aberto à energia, mas não há
possibilidade dele ir ao teu encontro várias vezes por dia e nos horários em que

353
ele necessita de energia, você está muito ocupado e em alguns deles, você está
dormindo. Você deseja que ele receba Reiki de 4 em 4horas.

• Lave as mãos
• Realize a Proteção dos Chakras
• Faça as Invocações de costume
• Trace o HSZSN (com seu respectivo mantra)
• Trace o SHK (com seu respectivo mantra)
• Programe por 3 x "Estou enviando Energia Cósmica (ou Reiki), para que “Fulano
de Tal”, nascido 00 de 00 de 0000, que encontra-se na cidade tal (com a licença
de Eu Superior) a receba a cada 4h por 24h conforme necessidade, merecimento
e liberação cósmica. Que esteja aberto e receptivo e todas as transformações
necessárias se manifestem."
• Trace o CKR (com seu respectivo mantra)
• Permaneça enviando energia de 10 a 15 minutos (utilizando a Técnica da
Redução ou da Ponte de Luz)
• Agradeça aos Seres de Luz que invocou pela participação na sessão
• Lave as mãos (preferencialmente até os cotovelos)

Durante a programação você deve estar focado na mesma, assim como durante
toda a técnica.

• Após a programação feita e a técnica realizada, focalize sua atenção em outras


tarefas (ou outras programações) para que a energia possa fluir livremente.

• Sempre que possível, é benéfico o receptor permanecer receptivo nos horários


em que a energia foi programada (porém, é claro, que em uma programação deste
tipo e pela sua situação, isso não será possível em todos os horários, mas nos em
que ele estiver acordado o ideal será permanecer receptivo)

Esta programação poderá ser feita, também, para repetir-se diariamente por 30
dias, por exemplo.

Outra forma seria programar para que você receba uma aplicação em um
determinado horário. Você poderá programar para que receba a energia cósmica
das 20 às 20:30h durante sua prática de meditação, oração, estudo, etc...

Meditação com os Símbolos

• Sente-se confortavelmente, posicione suas mãos com as palmas para cima


• Por aproximadamente 3 minutos focalize sua respiração, focalize cada etapa de
sua respiração, você inspira, retém, exala, retém... faça respirações abdominais,
(ao inspirar você expande o seu abdômen, ao exalar o contrai)
• Solicite ou invoque a orientação, proteção e inspiração da Hierarquia do Reiki ou
do Deus de sua devoção...

354
• Visualize à sua frente o símbolo HSZSN, na cor azul índigo e repita o mantra
correspondente, três vezes;
• Conduza-o até a parte superior da sua cabeça e visualize-o entrando pelo
Chacra Coronário e descendo pela coluna até o Chacra Básico. Visualize que
todos os chakras se tornam mais luminosos e energéticos à medida que o símbolo
HSZSN desce pela coluna. Sinta a energia dos chakras expandindo-se (siga o
caminho que o símbolo percorre, perceba como ele atua em cada chacra, sinta o
chacra harmonizar-se);
• Visualize à sua frente o símbolo SHK, na cor verde folha e repita o mantra
correspondente, três vezes;
• Conduza-o até a parte superior da sua cabeça e visualiza-o entrando pelo
Chacra Coronário e descendo pela coluna até o Chacra Básico. Visualize que
todos os chakras se tornam mais luminosos e energéticos à medida que o símbolo
SHK desce pela coluna. Sinta a energia dos chakras expandindo-se (siga o
caminho que o símbolo percorre, perceba como ele atua em cada chacra, sinta o
chacra harmonizar-se);
• Visualize à sua frente o símbolo CKR, na cor violeta e repita o mantra
correspondente, três vezes;
• Conduza-o até a parte superior da sua cabeça e visualiza-o entrando pelo
Chacra Coronário e descendo pela coluna até o Chacra Básico. Visualize que
todos os chakras se tornam mais luminosos e energéticos à medida que o símbolo
CKR desce pela coluna. Sinta a energia dos chakras expandindo-se (siga o
caminho que o símbolo percorre, perceba como ele atua em cada chacra, sinta o
chacra harmonizar-se).
• Você está inteiramente harmonizado
• Agora, ao inspirar, você absorve a energia cósmica pelo topo da cabeça, ao reter
ela expande-se na altura do umbigo, ao exalar ela distribui-se por todos os centro
energéticos, com as qualidades e freqüências de cada um dos símbolos, sendo
emitida no ambiente em que nos encontramos;
• Visualize o ambiente todo sendo harmonizado, poderá estimular a visualização
imaginando que uma luz dourada espalha-se por todo o ambiente;
• Quando sentir o ambiente harmonizado, visualize que essa luz começa a formar
um escudo de energia à sua volta, é como uma esfera de energia que se forma
que irá proteger-lhe de todo e qualquer mal que possa ser dirigido à você;
• Se em qualquer momento do dia você sentir que o escudo está ficando
permeável, basta visualiza-lo novamente e ele se fortalece, isso nos toma apenas
alguns segundos;
• Permaneça em silêncio e receptivo às vibrações e inspirações do momento.

À primeira vista, pode parecer complexo ou difícil, pode parecer que irá tomar
muito tempo, porém, se você compreender a técnica, perceberá que em 10 ou 15
minutos, obterá uma maravilhosa proteção...

Quando posicionamos nossas mãos com as palmas para cima, é como se


disséssemos que estamos abertos às dádivas que o cosmos nos dirigir, estamos,
também, dispostos a compartilhas essas dádivas.

355
Plano de cura do Dr. Hayashi

A vida do Dr. Hayashi seguiu de um lado um caminho bastante individual e, de


outro, esteve inserida no social do seu tempo. Para demonstrar o fato, bastam
alguns dados.

O senhor Chujiro Hayashi nasceu em Tóquio em 15 de setembro de 1880.


Formou-se na 30ª turma da Academia Naval Japonesa em 1902, servindo na
Divisão de Patrulhamento de Portos durante a guerra russo-japonesa, de 4 de
fevereiro desse ano até o fim da guerra, que aconteceu mediante um tratado de
paz, no dia 5 de setembro de 1906.

Em 1918 foi nomeado Diretor da Estação de Defesa do Porto de Ominato, onde


Kanichi Taketomi, que mais tarde tornou-se o terceiro diretor da Usui Reiki Ryoho
Gakkai era o comandante-chefe.

Ominato era um porto situado no sopé do Monte Osore, na península de


Shimokita, em Aomori, ao norte do Japão. Naqueles tempos, a defesa dos portos
só perdia em importância para os próprios portos da base naval.

O senhor Hayashi era casado e tinha dois filhos. Sua esposa, Chie, nasceu em
1887 e os dois se casaram quando ela se formou na escola de Mulheres de
Shizuoka. O primeiro filho do casal, Tadayoshi, nascido em 1903, formou-se em
economia pela Universidade de Keio. Kiyoe, nascida sete anos depois, estudou na
mesma escola que a mãe.

Em 1935, o endereço da família era o 28 Higashi-shinano-cho, Yotsuya, Tóquio.


Era nesse endereço que ele dirigia sua clínica de Reiki. As instalações consistiam
de dez mesas, nas quais cada paciente recebia o tratamento ministrado por dois
praticantes.

Hayashi promoveu ativamente o Reiki por todo o Japão, fundando o Hayshi Reiki
Kenkyu-kai (Grupo de Prática do Reiki Hayashi) e ministrando seminários a um
grande número de pessoas.

Tanto o Dr. Usui quanto o Dr. Hayashi deram a seus alunos manuais com as
descrições de certas posições de mãos. O Plano de Cura tem sido usado no
Japão há setenta anos e foi transmitido aos praticantes do Reiki Ocidental durante
a época de Hawayo Takata. O original japonês foi publicado em forma de brochura
e é sabido que foi distribuído a bem poucos alunos da Reiki Alliance.

O manual do Dr. Hayashi difere um pouco do manual do seu Mestre, pois sendo
médico, Hayashi empregava muitos termos da medicina. Devemos estar atentos
ao fato de que as técnicas de cura do Ryoho Shishin datam do início do século
passado, portanto, atenção para as doenças descritas e suas respectivas
instruções

356
Zenshin Ketsueki Kokan Ho

Zen significa “total” ou “integral”, Shin significa “corpo”, Ketsueki-Kokan significa


“troca de sangue” e Ho significa “técnica”. Esta sessão deve durar
aproximadamente 30min, sendo muito eficaz para pessoas idosas e debilitadas,
doentes e impossibilitadas de sair da cama.

Ketsueki Kokan é uma das principais técnicas aplicadas pelo Dr. Hayashi,
pertencente ao Segundo Grau do Reiki. Uma tradução literal seria “trocas
sanguíneas”, mas o seu real significado é “circulação sanguínea”. Por ser de difícil
pronúncia, os japoneses normalmente a chamam de Keko. O Dr. Hayashi sugeria
o uso da Keko ao final de cada tratamento. Trata-se de um processo bastante
demorado; pratique-o, portanto, diligentemente:

Aplique Reiki em quatro regiões da cabeça: têmporas, posterior, medula e topo.

Em seguida aplicar acima dos pulmões, coração, estômago e intestinos;

Pressione o símbolo do poder em direção ao pescoço em C2 (a segunda vértebra


cervical) com o polegar e o indicador da sua mão dominante.

Assegure-se da posição exata da espinha do cliente.

Com o primeiro e o segundo dedo, friccione a região vizinha da espinha


vagarosamente e, igualmente, de duas a três vezes, a primeira vértebra cervical
às vértebras lombares.

357
Uma vez familiarizado com a espinha do cliente, friccione vigorosamente as áreas
próximas e paralelas a ela vinte vezes.

Pressione o símbolo do poder até a área lombar, perto da L3, com o polegar e o
indicador da mão dominante.

Divida a parte superior do corpo em cinco. Primeiro pressione as mãos às áreas


próximas da espinha até os ombros, e deles até os braços.

358
Em segundo lugar, massageie a parte dorsal correspondente ao coração, em
direção às laterais do corpo, quatro ou cinco vezes.

Em terceiro lugar, friccione a partir da espinha, na área dorsal correspondente ao


plexo solar, descendo às costelas inferiores, quatro ou cinco vezes.

Em quarto lugar, massageie a parte inferior das costas no sentido lateral, quatro
ou cinco vezes.

359
Em quinto, friccione das nádegas aos quadris quatro ou cinco vezes.

Agora, massageie dez vezes toda a extensão da região sacra com a palma da
mão dominante, enquanto com a outra mão você mantém firme o cliente.

Mantenha o cliente firme com uma das mãos, enquanto com a outra friccione a
parte externa da perna direita, do quadril ao tornozelo, podendo passar um pouco
dele. Faça isso duas ou três vezes.

Repita o procedimento na perna esquerda.

Mantenha firme o cliente com uma das mãos e, com a outra mão, friccione a parte
de trás da perna direita, do quadril ao tornozelo, podendo passar um pouco dele.

Faça isso duas ou três vezes.

Repita o procedimento na perna esquerda.

360
Mantenha firme o cliente com uma das mãos e, com a outra mão, massageie a
parte de dentro da perna direita, do quadril ao tornozelo, podendo passar um
pouco dela. Faça isso duas ou três vezes.

Repita o procedimento na perna esquerda.

Depois, friccione a parte superior de trás da coxa do cliente com a mão esquerda,
enquanto com a direita mantém esticada a perna a partir do tornozelo.

Faça a mesma coisa, dessa vez com a perna direita do cliente.

Para terminar o tratamento, faça a percussão Uchide-Chiryo-Ho com as mãos


espalmadas em toda a extensão do dorso do corpo. Inicie batendo levemente nas
costas até os ombros, descendo então para as costelas, a região lombar e as
nádegas.

361
Faça a percussão leve na parte externa da perna direita do cliente, do quadril até
a parte externa do dedo mínimo do pé.

Repita o procedimento com a perna esquerda do cliente.

Faça a percussão leve da região de trás da perna direita do cliente e da parte


superior da coxa, descendo até as solas dos pés, chegando à ponta dos dedos.

Repita o procedimento com a perna esquerda do cliente.

Faça a percussão leve na região interna da perna direita do cliente, indo do quadril
e descendo até a parte externa do dedo grande do pé.

Repita o procedimento com a perna esquerda do cliente.

A técnica foi completada.

Depois de terminar o tratamento deixe o cliente descansar por quinze minutos,


para que possa voltar ao mundo real.

362
Outras técnicas do Dr. Hayashi

CABEÇA (Doenças cerebrais, dores de cabeça)

Tratamento: Testa- Têmporas – Dorso da cabeça e tendões na parte de trás do


pescoço – Alto da cabeça

OLHOS (Todos os tipos de doenças dos olhos: conjuntivite, tracoma, leucoma,


miopia, triquíase, ptose, catarata, glaucoma, etc)

Tratamento: Globo ocular – Canto interno dos olhos – canto externo dos olhos –
Dorso da cabeça.
Trate também os rins, o fígado, o útero e os ovários.

OUVIDOS (Todos os tipos de doenças do ouvido: timpanites, otites externas,


zunido, dificuldades de audição)

Tratamento: Canal auditivo – Depressão inferior das orelhas – Saliência óssea


atrás das orelhas – Dorso da cabeça. Trate também os brônquios, rins, útero e
ovários.

DENTES
Em caso de dor, trate a parte externa da raiz dos dentes e a área central dos
ombros

CAVIDADE ORAL
Mantenha a boca do cliente fechada e trate os seus lábios colocando sobre eles a
palma da mão.

LÍNGUA
Pressione ou belisque a parte doente da língua e trate a raiz da língua a partir do
exterior da boca. Se julgar essa técnica incômoda, então pressione os arcos dos
pés contra o cliente.

Doenças do aparelho digestivo

ESTOMATITE (Câncer, inflamações, infecção no interior da boca)


Tratamento: Boca – Esôfago – Estômago – Intestinos - Fígado

ESTOMATITE (Candidíase – infecção oral produzida por fungos da espécie


Cândida)
Tratamento: Boca – Língua – Esôfago – Estômago – Intestino – Fígado – Coração
– Rins

SALIVA (Excesso de salivação, secura, cálculos salivares, parotidite (infecção


bacteriana causada pela redução do fluxo salivar. A caxumba é uma delas)

363
Tratamento: Boca – Raiz da l[íngua – Estômago – Intestinos – Cabeça

DOENÇAS DO ESÔFAGO (Constrição, dilatação ou infecção)


Tratamento: Esôfago – Plexo solar – Estômago – Intestinos – Fígado – Pâncreas –
Rins – Ketsueki Kokan

DOENÇAS DO ESTÔMAGO (Gastrite crônica e aguda, atonia gástrica, dilatação


gástrica, úlcera gástrica, câncer do estômago, gastrose, dores estomacais de
fundo neurológico – dispepsia neurológica, indigestão)
Tratamento: Estômago – Fígado – Pâncreas – Intestinos – Rins – Cordão espinhal
– Ketsueki Kokan

DOENÇAS DO INTESTINO (Catarro intestinal, constipação, apendicite, processo


vermiforme, oclusão intestinal, obstrução intestinal, sangramento intestinal,
diarréia)
Tratamento: Estômago – Intestinos – Fígado – Pâncreas – Rins – Coração –
Vértebras lombares – Sacro - Ketsueki Kokan

DOENÇAS DO FÍGADO (Congestão do fígado, excesso de sangue, abscesso,


esclerose, hipertrofia, atrofia, icterícia, caçulo biliar)
Tratamento: Fígado – Pâncreas – Estômago – Intestinos – Coração – Rins –
Ketsueki Kokan
Obs: Alguns dias após o tratamento, os cálculos biliares se quebrarão em
pequenos pedaços e serão eliminados pelo organismo.

DOENÇAS DO PÂNCREAS
Tratamento: Pâncreas – Fígado – Estômago – Intestinos – Coração – Rins –
Ketsueki Kokan

DOENÇAS DO PERITÔNIO EM GERAL


Tratamento: Fígado – Pâncreas – Estômago – Intestinos – Área do peritônio –
Bexiga –Coração – Rins – Ketsueki Kokan

DOENÇAS DO ÂNUS (Hemorróidas, inflamação da região anal, feridas na região


anal, fístula do ânus, prolapso do ânus)
Tratamento: Parte afetada do ânus – Cóccix – Estômago - Intestinos

Doenças respiratórias

DOENÇAS DO NARIZ (Secreção nasal crônica ou aguda, hipertrofia ou atrofia do


órgão de secreção nasal)

Tratamento: Nariz – Faringe – Brônquios

EMPIEMA MAXILAR (Pleurisia com formação de pus)

364
Tratamento: Nariz – Depressão do alto da fronte – Peito – Faringe (alto da
garganta) – Rins – Estômago –Intestinos – Ketsueki Kokan

SANGRAMENTO NASAL
Tratamento: Osso nasal – Dorso da cabeça
Obs: Se a menstruação está atrasada ou irregular e ocorre sangramento nasal,
trate o útero e os ovários

FARINGITE E AMIGDALITE
Tratamento: Faringe – Região das amígdalas – Brônquios – Rins – Pulmões –
Estômago – Intestino – Cabeça
Obs: Em caso se amigdalite trate também os rins

TRAQUEÍTE (infecção da traquéia como resultado de gripe) E BRONQUITE


Tratamento: Traquéia e brônquios – Pulmões – Estômago – Intestinos – Coração
– Rins - Cabeça

PNEUMONIA
Tratamento: Pulmões – Brônquios – Coração – Fígado – Pâncreas – Estômago –
Intestinos – Rins – Ketsueki Kokan

ASMA (Crônica e aguda)


Tratamento: Brônquios – Pulmões – Fígado – Pâncreas – Diafragma – Estômago
– Intestinos – Rins – Cabeça – Nariz – Coração
Obs: Em caso de ataque agudo, mantenha o cliente sentado durante o tratamento

DOENÇAS PULMONARES (Edema, abscesso, tuberculose pulmonar, enfisema


pulmonar)
Tratamento: Região pulmonar – Coração – Fígado – Pâncreas – Estômago –
Intestinos – Bexiga – Rins – Cordão espinhal – Cabeça
Obs: Em toda cliente, independentemente da idade, trate o útero e os ovários.

PLEURITE (Inflamação aguda da pleura, tanto seca quanto úmida)


Tratamento: Região do peito – Coração – Fígado – Pâncreas – Estômago –
Intestinos – Rins – Ketsueki Kokan

Doenças cardiovasculares

DOENÇAS DO CORAÇÃO (Endocardite (inflamação das válvulas do coração),


doenças do endocárdio, sintomas diversos de doença do pericárdio, do coração,
palpitações, angina pectoris)
Tratamento: Coração – Fígado – Estômago – Intestinos – Pâncreas – Rins –
Cordão espinhal – Ketsueki Kokan

ARTERIOSCLEROSE (Endurecimento da parede arterial), Aneurisma, asma


cardíaca

365
Tratamento: O mesmo das doenças do coração, mais brônquios e região do peito

Doenças do aparelho urinário

DOENÇAS DOS RINS (Congestão renal, redução da contagem de hemoglobina,


atrofia, esclerose, hipertrofia, abscesso, rim móvel, pielite (lesão cística do sistema
urinário), cálculo renal, uremia (nível elevado crônico de substâncias tóxicas no
sangue, filariose (inflamação por vermes do tipo Filária)
Tratamento: Rins – Fígado – Pâncreas Coração – Estômago – Intestinos – Bexiga
– Cabeça – Ketsueki Kokan

CISTITE (Inflamação da bexiga): retenção urinária, uremia, urgência e dor para


urinar
Tratamento: Rins – Bexiga – Uretra – Glândula prostática – Útero – Mesmo
tratamento que o da doença dos rins

ENURESE (Micção noturna)


Tratamento: Bexiga – Intestinos – Estômago – Rins – Cordão espinhal – Cabeça –
Ketsueki Kokan

Doenças neurológicas

ANEMIA CEREBRAL, HIPREMIA CEREBRAL (Congestão vascular cerebral)


Tratamento: Cabeça – Coração

HISTERIA
Tratamento: Útero – Ovários – Estômago – Intestinos – Fígado – Rins – Cabeça –
Olhos – Ketsueki Kokan

COLAPSO NERVOSO, INSÔNIA


Tratamento: Estômago – Intestinos – Fígado – Pâncreas – Rins – Olhos – Cabeça
– Ketsueki Kokan

MENINGITE
Tratamento: Região da cabeça, principalmente o dorso da cabeça e os tendões na
parte de trás do pescoço.

OBS: Trate principalmente a cabeça de modo a curar a raiz do problema. Trate o


nariz, a fronte e a área inflamada da cabeça. Proceda da mesma forma em
doenças nas regiões de difícil acesso, tais como gastrite e pneumonia causada
por erisipelas. Mesmo tratamento para tuberculose.

366
MENINGITE CEREBRO ESPINHAL EPIDÊMICA

Tratamento: Principalmente o cordão espinhal, o dorso da cabeça e tendões da


parte de trás do pescoço – Coração – Estômago – Intestinos – Fígado – Rins –
Bexiga.

MIELITE (Inflamação da medula espinhal)


Tratamento: Cordão espinhal – Estômago – Intestinos – Fígado – Bexiga – Rins –
Cabeça – Ketsueki Kokan

HEMORRAGIA CEREBRAL (Hemorragia cerebral interna, trombose cerebral)


Tratamento: Cabeça – Coração – Rins – Estômago – Intestinos – Fígado – Cordão
espinhal – Área paralisada

POLIOMIELITE
Tratamento: Cordão espinhal – Estômago – Intestinos – Rins – Sacro – Área
paralisada – Cabeça – Ketsueki Kokan

NEVRALGIA, ENXAQUECA, PARALISIA, ESPASMO NERVOSO


Tratamento: Área afetada – Fígado – Pâncreas – Estômago – Intestinos – Rins –
Cabeça – Cordão espinhal – Ketsueki Kokan

BERIBÉRI
Tratamento: Estômago – Intestinos – Coração – Fígado – Pâncreas – Rins – Área
paralisada ou com edema – Ketsueki Kokan

DOENÇA DE BASEDOW (Doença de Graves, doença auto-imune que progride


para o hipertireoidismo).
Tratamento: Útero – Ovários – Estômago – Intestinos – Fígado – Pâncreas –
Coração – Tireóide – Olhos – Rins – Cordão espinhal – Ketsueki Kokan

EPILEPSIA
Tratamento: Fígado – Pâncreas – Cabeça – Estômago – Intestinos – Rins –
Cordão espinhal – Ketsueki Kokan

CONVULSÃO
Tratamento: Fígado – Estômago – Intestinos – Rins – Cordão espinhal – Ombros –
Braços – Articulação do cotovelo – Pulso – Cabeça

CORÉIA (Doença de Huntington, movimento involuntário de todas as partes do


corpo)
Tratamento: Fígado – Estômago - Intestinos – Rins – Cordão espinhal – Área em
que ocorrem espasmos nas pernas, pés, braços e mãos.

NÁUSEA EM ALTO-MAR
Tratamento: Estômago – Plexo solar – Cabeça

367
ENVENENAMENTO, INFECÇÃO ALIMENTAR, DEPENDÊNCIA QUÍMICA
Tratamento: Estômago – Plexo solar – Fígado – Pâncreas – Intestinos – Coração
– Rins – Cabeça – Ketsueki Kokan

Doenças infecciosas

FEBRE TIFÓIDE E PARATIFÓIDE


Tratamento: Fígado – Pâncreas (Baço) – Estômago – Intestinos – Coração – Rins
– Cordão espinhal – Cabeça

DISENTERIA (Cólera, disenteria infantil e outras doenças)


Tratamento: Estômago – Intestinos – Fígado – Pâncreas – Rins – Coração –
Cabeça – Ketsueki Kokan

SARAMPO
Tratamento: Faringe – Traquéia – Brônquios – Estômago – Intestinos – Coração –
Rins – Cordão espinhal – Cabeça

ESCARLATINA (Febre escarlatina)


Tratamento: faringe – Região do peito – Rins – Estômago – Intestinos – Bexiga –
Cabeça – Ketsueki Kokan

VARICELA E HERPES-ZÓSTER
Tratamento: Estômago – Intestinos – Rins – Ketsueki Kokan – Área afetada –
Cabeça

VÍRUS DA GRIPE
Tratamento: Nariz – Faringe – Traquéia – Brônquios – Pulmões – Fígado –
Pâncreas – Estômago –Intestinos – Rins – Área da cabeça – Ketsueki Kokan

COQUELUCHE (Infecção respiratória das vias superiores)


Tratamento: Nariz – Faringe – Brônquios – Ápex dos pulmões – Estômago –
Intestinos – Rins – Ketsueki Kokan

DIFTERIA
Tratamento: Faringe – Traquéia – Nariz – Pulmões – Coração – Fígado –
Estômago – Intestinos – Rins – Cabeça – Ketsueki Kokan

LEPTOSPIROSE
Tratamento: Fígado – Pâncreas (Baço) – Estômago – Intestinos – Bexiga – Rins –
Cordão espinhal – Cabeça – Ketsueki Kokan

MALÁRIA
Tratamento: Pâncreas (Baço) – Fígado – Coração – Estômago – Intestinos – Rins
– Cordão espinhal – Ketsueki Kokan

368
TÉTANO
Tratamento: Mandíbula – Dorso da cabeça – Garganta – Pulmões – Região
afetada – Estômago – Intestinos – Rins – Cordão espinhal
OBS: Em caso se tétano puerperal, trate o útero. Caso a criança seja o primeiro
filho, trate a região do umbigo também

REUMATISMOS ARTICULAR E MUSCULAR


Tratamento: Região afetada – Coração – Região do peito – Fígado – Pâncreas –
Estômago – Intestinos – Rins – Cordão espinhal – Cabeça

HIDROFOBIA
Tratamento: Área afetada – Coração – Fígado – Rins – Estômago – Intestinos –
Cordão espinhal – Faringe – Cabeça – Ketsueki Kokan

Doenças do corpo inteiro

ANEMIA, LEUCEMIA, ESCORBUTO


Tratamento: Coração – Fígado – Pâncreas – Estômago – Intestinos – Rins –
Cordão espinhal – Ketsueki Kokan

DIABETES
Tratamento: Fígado – Pâncreas – Coração – Estômago – Intestinos – Bexiga –
Rins – Cabeça – Cordão espinhal – Ketsueki Kokan

DOENÇAS DERMATOLÓGICAS
Tratamento: Estômago – Intestinos – Fígado – Rins – Área afetada – Ketsueki
Kokan

OBESIDADE
Tratamento: O mesmo da diabetes

TUBERCULOSE LINFÁTICA, BÓCIO


Tratamento: Região afetada – Estômago – Intestinos – Fígado – Coração –
Região do peito – Rins – Cordão espinhal – Ketsueki Kokan

Outras doenças e sintomas

CONVULSÃO INFANTIL
Tratamento: Coração – Cabeça – Estômago – Intestinos

SÍFILIS CONGÊNITA
Tratamento: Região afetada – Antídoto (doku kudoshi)

POSIÇÃO ERRADA DO FETO


Tratamento: Útero

369
GRAVIDEZ
Tratamento: Se tratar o útero de forma contínua, o bebê nascerá saudável

PARTO
Tratamento: Sacro – Vértebras lombares
OBS: Se esta área for tratada o bebê nascerá tranqüilamente depois de doze
contrações. Se esta área continuar sendo tratada depois do nascimento, pós-parto
será igualmente tranqüilo.

MORTE DO FETO
Tratamento: Se o útero for tratado, o feto morto será expelido no mesmo dia ou no
dia seguinte.

CESSAÇÃO DO LEITE MATERNO


Tratamento: Trate ao redor do seio e da glândula mamária e a mãe voltará a ter
leite em pouco tempo

INDISPOSIÇÃO MATINAL
Tratamento: Útero – Estômago – Plexo solar – Intestinos – Rins – Cabeça –
Cordão espinhal

ERISIPELA (infecção causada pelo estreptococo)


Tratamento: Área afetada – Estômago – Intestinos – Fígado – Coração – Rins –
Cordão espinhal – Ketsueki Kokan

HIPERIDROSE (secreção excessiva de suor)


Tratamento: Rins – Área afetada – Ketsueki Kokan

QUEIMADURAS
Tratamento: Ponha uma de suas mãos distante de 3 a 5 cm da região afetada.
Quando a dor passar, ponha a mão diretamente na região da queimadura

CORTE POR LÂMINAS (E outros tipos de corte)


Tratamento: Faça o tratamento ao mesmo tempo em que pressiona a região
cortada com o polegar ou com a palma da mão para estancar o sangramento.

DESMAIO POR QUEDA, CHOQUE ELÉTRICO, ETC


Tratamento: Katsu* - Coração – Cabeça
* Essa técnica só deve ser usada por alguém que esteja adequadamente treinado
e instruído a seu respeito. É uma técnica da tradição das artes marciais para
reviver o cliente. O cliente fica deitado com o ventre para baixo enquanto o
praticante pousa a mão não dominante sobre o dorso do plexo solar. A mão
dominante é então colocada sobre a mão não dominante. Num movimento rápido,
o praticante pressiona firmemente as costas do cliente, transferindo o peso do seu
corpo e a energia da sua respiração para as mãos. Nesse movimento, enquanto
pressiona o corpo do cliente e expira, o praticante grita “Katsu !”, retirando o ar do
seu tanden.

370
AFOGAMENTO
Tratamento: Ajude o cliente a vomitar ou a expelir a água – Katsu – Coração –
Cabeça

MENOPAUSA E DORES MENSTRUAIS


Tratamento: Útero – Ovários – Sacro

SOLUÇO
Tratamento: Diafragma – Fígado – Pâncreas – Rins – Estômago – Intestinos –
Cordão espinhal – Cabeça

GAGUEIRA
Tratamento: Faringe – Cabeça – Práticas de canto

DOR NA PONTA DOS DEDOS


Tratamento: Região afetada

VÔMITO
Tratamento: Estômago – Plexo solar – Fígado – Cordão espinhal na área
correspondente ao estômago – Cabeça – Rins

FERIMENTOS COM MATERIAIS PONTEAGUDOS QUE PENETREM A PELE


(Lascas de madeira, cacos de vidro, etc)
Tratamento: Área afetada
OBS: Quando a dor passa, o corpo estranho sobe à superfície da pele. Aproveite
para retirá-lo nesse momento.

GONORRÉIA
Tratamento: Uretra – Esfíncter anal (Ponto Hui-Yin) – Bexiga – Útero

ESPASMOS DE DOR, DORES ESTOMACAIS


Tratamento: Estômago – Região dorsal na área correspondente ao estômago –
Fígado – Rins – Intestinos – Cabeça

HÉRNIA
Tratamento: à medida que você toca suavemente a região afetada, a hérnia vai se
contrair por si mesma. Trate também o estômago e os intestinos.

Doenças relacionadas à emoção

Acidentes
Raiva, frustração e rebelião

Artrite
Perfeccionismo

371
Asma
Complexo de culpa

Ataques
Pensamentos negativos, quem não é feliz

Bexiga
Segurando a dor para si mesmo

Braços
Emoções antigas

Bulimia
Ódio de si mesmo

Cabeça
Culpa e Tristeza

Câncer
Ressentimento profundo

Coração
Infelicidade e falta de amor

Dedos
Ego, raiva, medo, preocupação, perda e pretensão

Dor
Culpa, medo de ser punido

Estômago
Dificuldade em assimilar novas idéias e novas experiências

Frigidez
Medo e culpa sexual

Garganta
Medo das mudanças, dificuldade em falar e frustração

Genitais
Rejeição sexual

Impotência
Medo e inveja do próximo

Joelho

372
Inflexibilidade, ego, medo de mudanças

Mãos
Pão duro (não gostam de gastar dinheiro)

Obesidade
Insegurança

Orelha
Dificuldade em aceitar o que lhe é dito

Pés
Dificuldade em compreender à si próprio

Pele
Pessoas que possuem o poder sobre você

Pernas
Medo de enfrentar as coisas novas do dia a dia

Tumor
Feridas antigas, tormento, não permite a cura

Úlcera
Medo em não ser bom o suficiente

Vagina
Machucado emocionalmente pelo parceiro

Meridianos, Auras e Chakras

Os Meridianos:

Para entender melhor as técnicas japonesas do Reiki do Dr. Usui é necessário


que analisemos mais precisamente o sistema chinês de meridianos.
A medicina tradicional chinesa estabelece a existência de, além dos doze
meridianos, de oito meridianos especiais (chamados canais físicos), doze
meridianos desviantes, quinze canais energéticos adicionais, doze regiões
musculares e doze regiões dérmicas. Dito de uma forma simples, os meridianos
são caminhos energéticos que fornecem energia ao nosso corpo de forma física e
espiritual. Se o fluxo energético está danificado ou interrompido, instala-se o mal
estar, a enfermidade e finalmente a morte. Os meridianos se encontram debaixo
da pele e nos lugares em que alcançam a superfície tomam em geral o nome de
ponto de acupuntura, acupressão ou pressão.

373
Já existem muitas informações precisas sobre esse tema e, sendo assim, não é
conveniente entrar em todos os detalhes aqui. Quem se interessar pode encontrar
informações nos manuais de acupuntura, medicina chinesa, Qi Gong ou Tai Chi.
Para poder exercitar estas artes curativas é necessário aprender com um
professor habilitado.

O Dr. Usui era um estudioso do budismo esotérico que chegou ao Japão vindo da
China. Em razão disso, não baseou seu sistema de Reiki na teoria indiana dos
chakras nem no método ocidental das glândulas endócrinas. Ele fundamentou-se
na medicina chinesa tradicional e no Qi Gong. Talvez você conheça os doze
meridianos do corpo, mas se isso não é verdade, talvez se surpreenda com a
forma como a energia que circula em você é muito conhecida na Ásia.

A Aura

A aura é um campo de energia sutil que se estende pelo corpo físico e o


atravessa. Possui uma consciência própria semelhante à sua consciência e é
possível que possamos perceber isto. Se meditarmos sobre a aura, pode ocorrer
que comecemos a senti-la e vê-la. Dessa maneira é possível que nossa
consciência permita que penetremos nossa aura de uma forma similar a como
podemos ter consciência da planta de nossos pés ou da nuca, quando
simplesmente pensamos nessas partes do nosso corpo. Assim talvez possamos
sentir realmente que aquilo que somos não termina em nossa pele, mas se

374
estende bastante mais além no espaço que nos rodeia. A percepção da aura pode
ser uma maravilhosa experiência que nos dará forças.

Em nossa aura está impresso tudo que alguma vez tenhamos experimentado
nesta ou em todas as vidas passadas. As pessoas dotadas de capacidade
mediúnica ou clarividente podem perceber realmente essas experiências na aura
de outras pessoas, como se fossem imagens ou filmes que contêm também
sentimentos e outras formas de consciência.

A doença começa em primeiro lugar na aura, freqüentemente em forma de karma


proveniente de vidas passadas, ou de Ki negativo surgido nessa vida por meio do
inconsciente. Com o passar do tempo esta “sementes” situadas na aura podem
fortalecer-se através da energia e experiências negativas que elas mesmas
atraem. Quando isso ocorre, as “sementes” começam a crescer e estendem suas
raízes até os chakras. Se não são tratadas podem chegar finalmente ao corpo
físico e manifestar-se nele como uma disfunção ou doença. Esta é a causa pela
qual a cura duradoura não pode se limitar ao corpo físico e aos chakras. Ela deve
estender-se até a aura, onde reside a causa originária da doença.

Para estabelecer quais zonas da aura requerem tratamento, pode ser utilizada a
técnica de escaneamento Byosen, da mesma maneira que para os chakra e o
corpo físico. O valor do Reiki reside em que ele não só atua sobre o corpo físico,
mas também em todos os níveis do nosso ser e pode produzir resultados
duradouros.

A aura se compõe de muitas camadas ou níveis de vibração. Esses níveis de


penetram entre si e consistem realmente de diferentes formas de consciência.
Cada camada da aura está conectada com seu chakra correspondente e possui
uma mesma energia e vibração. Por exemplo, a camada mais interna da aura que
está muito perto da superfície do corpo físico está conectada com o chakra básico
ou raiz. Esse campo da aura se relaciona com a saúde física e a vitalidade e,
dessa maneira, se assemelha à energia do chakra raiz.

A camada seguinte é mais externa e está conectada com o segundo chakra, o


sacral. Como ele, se relaciona com as alegrias e os estímulos corporais. Cada
uma das camadas seguintes da aura se relaciona com o chakra seguinte na
escala ascendente, tem uma energia similar a ele e está um pouco mais distante
do corpo. A sétima, a mais externa das camadas está a uma distância entre 1, 20
e 1, 50 metros.

O tamanho total da aura pode aumentar ou diminuir segundo a composição dos


pensamentos e dos sentimentos, ou segundo algum tipo de experiência que se
tenha vivido anteriormente. Por exemplo, se tivemos um dia ruim o se nos
sentimos cansados e abatidos, a aura pode retrair-se a uma extensão de apenas
60 a 90 centímetros ao redor do corpo. Por outro lado, se recebemos um
tratamento de Reiki ou uma sintonização energética, a aura pode estender-se
muito mais além do normal, às vezes até vários metros. Como podemos ver, a

375
aura reage não somente em relação a nosso atual estado de consciência em
todos os níveis, mas também no sentido profundo é realmente nosso estado de
consciência.

Uma vez que os chakras e a aura estão conectados entre si e têm uma energia e
uma função similar, não é necessário descrever aqui cada uma das camadas da
aura, já que sua descrição e dos chakras são semelhantes.
Yin e o Yang.

A teoria do Yin e Yang é a base tanto da filosofia chinesa como também da


medicina tradicional chinesa. O Yin e o Yang foram mencionados pela primeira
vez no Livro das Transformações, o I Ching. Por isso se diz que o Yin e o Yang
são o elo condutor que atravessa vários milênios da literatura chinesa.
O Yin e o Yang não apenas opostos como o preto e o branco ou o dia e a noite,
mas também devem ser considerados como complementares. São um casal como
o homem e a mulher, são como a maré cheia e a maré vazante. Um não pode
existir sem o outro. Eles cantam em dueto no cenário da vida, dependem um do
outro e conservam entre si sua harmonia. Eles geram um movimento permanente.
Não há na vida nenhuma situação de parada nem fim, até que deixemos de
respirar. E quem sabe se este é realmente o fim, já que a consciência é imortal?

Em nosso corpo o princípio do Yin e Yang de manifesta através do frio (Yin) e do


calor (Yang), da energia ascendente (Yang) e da energia descendente (Yin), da
acumulação de substância (Yin) e do processamento dessas substâncias por meio
da atividade corporal (Yang).

Determinadas partes do corpo e determinados órgãos internos correspondem ao


Yin, enquanto outros se relacionam ao Yang. A parte superior do corpo é
considerada fundamentalmente Yang e a parte inferior como Yin. As partes
externas das extremidades são Yang e as partes internas são Yin.

Os chamados órgãos Fu (bexiga, intestino delgado, intestino grosso, vesícula


biliar, estômago) são Yang; os órgãos chamados Zang (fígado, coração, pulmões,
rins, baço) são fundamentalmente Yin.

Um corpo sadio se encontra em um perfeito equilíbrio entre Yin e Yang. Se esse


equilíbrio se altera, ou seja, se mais Yin que Yang ou vice-versa, ele pode ser
restabelecido por meio de acupuntura, moxabustão, alimentação correta,
meditação, Qi Gong, Tai Chi, Reiki ou uma combinação de tudo isso.

Os Cinco Elementos

Na China se diz que tudo que existe no universo está em estreita relação com os
cinco elementos: terra, fogo, madeira, metal e água. Os órgãos internos se
relacionam com os seguintes elementos:

376
• Terra: estômago, baço, pâncreas
• Fogo:: coração, intestino delgado
• Madeira: fígado, vesícula biliar
• Metal: pulmões, intestino grosso
• Água: rins, bexiga

Cada meridiano corresponde ao Yin ou Yang, a um dos órgãos internos e a um


dos cinco elementos:

• Meridiano dos pulmões: Yin / metal


• Meridiano do intestino grosso: Yang / metal
• Meridiano do intestino delgado: Yang / fogo
• Meridiano do estômago: Yang / terra
• Meridiano da bexiga: Yang / água
• Meridiano da vesícula biliar: Yang / madeira
• Meridiano dos rins: Yin / água
• Meridiano do baço e do pâncreas: Yin / terra
• Meridiano do fígado: Yin / madeira
• Meridiano do coração: Yin / fogo
• Meridiano do pericárdio: Yin / Fogo
• Meridiano do triplo aquecedor: Yang / Fogo

Na acupuntura, moxabustão e shiatsu se estimulam determinados pontos


localizados sobre estes meridianos, por meio de agulhas, calor ou pressão, de
maneira a restabelecer o equilíbrio entre o Yin e o Yang. Na acupuntura se deixa
sair a energia supérflua introduzindo uma agulha e retirando-a de imediato. A falta
de energia se trata introduzindo uma agulha e deixando-a alguns minutos nesse
lugar.

Também o nosso objetivo com o Reiki é restabelecer o equilíbrio entre o Yin e o


Yang. Pode-se estimular facilmente determinados pontos de acupuntura apoiando
simplesmente os dedos ou as mãos, ou massageando suavemente os pontos ou
os meridianos completos. (técnica Hanshin Chiryo – tratamento da metade do
corpo; Hanshin Koketsu-Ho – técnica da troca de sangue; Kenyoku – técnica do
banho seco)

Os Chakras Secundários e os dois Pa Kuas

Os Chakras das Têmporas


A flexibilidade para mudar seu ponto de vista, a perspectiva de julgar algo.

Os Chakras da Nutrição/Responsabilidade
Posição: Bicos dos Seios: Esses chakras organizam energias que são
relacionadas com a nossa nutrição – em todos os níveis possíveis! – E a nutrição

377
das pessoas das quais gostamos. Também organiza a maneira com que lidamos
com a responsabilidade.

Os Chakras Yin/Yang
Posição: No centro de cada ombro. A energia é direcionada para o céu. No ombro
direito fica o Chakra Yang. No ombro esquerdo fica o Chakra Yin.

O Chakra Yang organiza o 1º, 3º e 5º chakras principais. O Chakra Yin organiza o


2º, 4º e 6º chakras principais.

Os Chakras Yin/Yang trabalham com os respectivos chakras principais


relacionados acima, de forma semelhante àquela com a qual o 7º chakra trabalha
com todos os chakras principais.
Os Chakras das Mãos
Consciência sensual de outros seres. Lidando com assuntos sociais com bom
senso e de maneira sofisticada.

Os Chakras dos Cotovelos


Delimitação e engajamento. Algumas habilidades de luta.

Os Chakras dos Joelhos


Aprendendo e ensinando. Flexibilidade em lidar com grandes quantidades de
energia.

Os Chakras dos Tornozelos


A flexibilidade de ficar centrado durante mudanças na vida. Flexibilidade em como
ganhar a vida.

Os Chakras das Solas dos Pés


Aterramento. Relação com a Mãe Terra. Estabilidade em geral.

O Pa Kua Superior
Organiza o fluxo de energia para o tórax, ombros, braços, pescoço e cabeça.

O Pa Kua Inferior
Organiza o fluxo de energia para as pernas, pélvis, espinha em geral e barriga.

378
A confiança

Se você puder confiar, uma coisa ou outra sempre acontecerá e ajudará seu
crescimento. Suas necessidades serão supridas. Tudo aquilo que for necessário
numa determinada época, ser-lhe-á dado, nunca antes.

Você somente o recebe quando precisa, e não há sequer nenhum momento de


atraso. Quando você necessita, você o recebe imediatamente, instantaneamente!
Essa é a beleza da confiança. Pouco a pouco você vai aprendendo como a
existência dá a você, como a existência cuida de você. Você não está vivendo
uma existência indiferente. Ela não o ignora. Você está preocupado
desnecessariamente. Tudo é provido.

Uma vez que descubra a chave de perceber isso, toda a preocupação desaparece
e você vive mais feliz.

Osho.

“Sustentar a nossa fé e nossa confiança é uma das partes mais importantes do


desenvolvimento de uma vida espiritual. Qualquer pessoa pode manter um
interesse por curto período de tempo, ou até mesmo por um ano ou dois, mas,
quanto mais complexo e conflitante se torna o mundo, tanto mais difícil é
sobreviver espiritualmente, sobreviver internamente, porque tudo parece tentar-
nos com a intenção de afastar-nos da calma interior, do nosso sentido de força
interior e de sabedoria”.

Mas é importante ficar atento a cada ação, em cada situação e nos animarmos,
pois até um pensamento negativo pode inverter a nossa direção. Cada momento
tem seu potencial de Iluminação, mas cada momento tem também o seu potencial
de destruição. Todos os dias podemos expandir nossa abertura de modo que a
percepção flua livre e naturalmente. Não precisamos de nenhuma outra
preparação. O Segundo Grau de Reiki possibilita a interação com novas
dimensões.

Ao trabalharmos com os símbolos, atuando no continuum de tempo/espaço nossa


percepção vai se expandindo, passamos a ter uma relação inteiramente nova com
a energia.

A confiança, também se desenvolve. Pois ao percebermos que podemos contribuir


com a elevação do padrão vibratório tanto de alguém que está ao nosso lado
quanto de alguém que está a milhares ou milhões de quilômetros de distância,
passamos a desenvolver a consciência de que as possibilidades são ilimitadas,
que as limitações estão em nossa mente.

379
Os Símbolos do Terceiro Grau – O Mestrado

O que poderíamos chamar de Terceiro Grau do Reiki é a parte mais interessante


deste sistema de cura. Esse é o grau de Mestre, em que se aprende como
transmitir o Reiki aos outros. Alguns instrutores dividem esse grau em duas partes:
Reiki III para Praticante e Reiki III para Mestre/Instrutor.

O grau Mestre inclui informações sobre como realizar iniciações e ensinar o


sistema Reiki.

No Reiki Tradicional, o grau de Mestre só deve ser conferido àquelas pessoas que
se dispõem a dedicar sua vida ao Reiki. O candidato é avaliado cuidadosamente
durante algum tempo, período entre o treinamento entre o Primeiro Grau e o
Segundo Grau de Reiki. É permitido que o estudante solicite o Mestrado, mas
esse grau deve ser conferido a ele por um Mestre iniciado.

Pouco antes e depois da morte da Sra. Takata, durante certo tempo, pensava-se
que só a Grã-Mestra pudesse iniciar no Mestrado. Quando os instrutores
compreenderam que também podiam iniciar Mestres/Shihans, várias foram as
iniciações após aquele fato.

Hawayo Takata iniciou 23 alunos no Mestrado durante os últimos dez anos de sua
vida (1970-1980).

De acordo com Phyilis Furumoto, numa entrevista concedida a William Rand,


Mikao Usui ensinou o Reiki muito informalmente, sem dividi-lo em graus. Chujiro
Hayashi desenvolveu os métodos para o ensinamento Tradicional, e Hawayo
Takata valeu-se do sistema de pagamento usado nos Estados Unidos. A Aliança
Reiki estabeleceu muito mais regras e depois da morte da Sra. Takata, Phillis Lei
Furumoto, neta de Takata, foi nomeada Grã-Mestra da Aliança Reiki.
Muitos Mestres e praticantes do Reiki são demasiado sensíveis a fatos como
linhagem, certificados e filiação à organização "certa". O importante é você saber
que está ligado ao Reiki de alguma forma, mesmo que seja através de um Mestre
independente, mas que siga a tradicionalidade do Reiki em sua essência. Se você
tem consciência que a iniciação foi realizada por alguém que tenha merecimento e
respeito, nada mais importa, porém é muito interessante saber qual a sua
linhagem, e ter um certificado que comprove o seu Mestrado. Filiações às
organizações, às alianças e aos sindicatos é apenas uma mera formalidade
pessoal. Isso não vai qualificá-lo para ser um melhor Mestre e sim o seu trabalho e
disposição para tanto.
Os símbolos do Reiki também foram mencionados na entrevista, e a Sra.
Furumoto reconheceu a diferença atual que existe entre os símbolos do Reiki de
vários Mestres.

380
Ela disse que os símbolos do Reiki não têm de ser desenhados da mesma forma
por todos os Mestres e praticantes; eles têm apenas de ser reconhecíveis. Ao usar
os símbolos, o importante é a sua intenção. Ela comparou as variações com as
diferenças de caligrafia na escrita das pessoas; não existem duas pessoas com
uma mesma caligrafia. Entretanto, quase todos podem entender a caligrafia de
outras pessoas, embora sejam diferentes.

Existem muitas versões para o Sei He Ki, o Hon-Sha-Ze-Sho-Nen e há várias


opções para o símbolo de Mestre Reiki, o Daí Koo Myo. Todas as versões
funcionam de modo eficaz e apropriado. O mesmo ocorre com relação aos
métodos de ensino do Reiki. O sistema Tradicional foi trazido do Oriente para o
Ocidente, conservando-lhe as características e assim devem ser repassadas.

Métodos de ensino modernos também dão sua contribuição. Eles ajudam a


adaptar o Reiki a uma época e a uma cultura muito diferente à época de Mikao
Usui.

Devemos nos lembrar de que esse sistema de cura foi desenvolvido na Índia e no
Tibet, alcançando a China com o Budismo e, então, espalhou-se pelo resto da
Ásia, indo para os Estados Unidos depois de passar pelo Japão. As fórmulas
escritas são anteriores à época cristã, pelo menos por mil anos. Elas têm pelo
menos três milênios. Esse sistema pode ter chegado à Terra vindo de outros
planetas. O Reiki passou por um longo processo de adaptação e mudanças
durante milhares de anos.

Alguns instrutores e praticantes treinados conforme a tradição, embora nem todos,


se recusam a aceitar outros métodos além dos seus próprios, recusando, inclusive
a participação de reikianos treinados em outros métodos em seus cursos.

Alguns alunos de Reiki III foram ameaçados por essas pessoas quando
anunciaram seus trabalhos. Alunos não-tradicionais podem até ouvir que "eles não
conhecem realmente o Reiki", ou que "aprenderam de forma errada". Nada disso é
verdade. Essas atitudes certamente vão contra qualquer ética reikiana e
certamente destituídas da palavra mais importante dentro do Reiki: Amor.

O fato é que a iniciação em Reiki é simples e pode transformar um principiante


num reikiano qualificado que irá trabalhar em prol da saúde. O planeta precisa
muito de curadores, e quanto mais curadores melhor para todos.

Todos sofrem muito nesta época de mudanças na Terra. Para novamente retomar
o Reiki Tradicional como ele foi um dia, são necessários muito mais instrutores em
seus métodos. É imoral, como hoje acontece a profusão de métodos de cura que
se pretendem a ser "melhor" ou "mais Reiki" do que o trazido de forma pura e
original do Japão, por Takata.

Entretanto, como o mundo hoje não é mais o mesmo desde os dias de Usui na
Terra, o treinamento para Mestre em Reiki não pode ser limitado apenas às

381
pessoas que podem dedicar sua vida ao Reiki. O mundo não funciona mais dessa
forma. Poucas pessoas podem passar anos sendo treinadas, ou gastar muita
pecúnia para receber o treinamento.

Depender do Reiki para a própria sobrevivência também não é apropriado para a


maioria das pessoas. O Reiki em todos os seus Graus deve ser oferecido a
qualquer pessoa íntegra que o queira receber e tenha completado os outros dois
graus, especialmente para uma pessoa dedicada e com talentos excepcionais
para a cura.

O Reiki deve obedecer a uma ética para cada um dos três graus. A ética simples
do Reiki Primeiro Grau e Segundo Grau é a de praticá-lo tanto direta quanto a
distância somente para as pessoas que a queiram, e nunca violar o livre arbítrio.

No Mestrado, a ética é outra. O Reiki traz prosperidade, vida longa e bem-estar a


todos. Estes não são valores que podem ser comprados ou vendidos. Embora o
Mestre e o iniciado tenham o direito de ganhar a vida com seu trabalho, eles
também têm a obrigação de tomar o Reiki acessível. Não seria amoroso cobrar o
trabalho de curas com a energia Reiki, mas qualquer um tem direito de ganhar a
vida com esse trabalho. Peça sempre aos alunos que não cobrem muito e
ofereçam “bolsas de estudo” quando necessário. E, obviamente, a gratuidade.

Ainda assim, há Mestres instrutores modernos, com intenções positivas, deixar de


lado seus objetivos altruístas logo que começam a ensinar. É interessante alertar
os neófitos de que esse processo egocêntrico pode ocorrer também com eles.

Seja persistente, e lembre-se do motivo pelo qual se tomou Mestre em Reiki.

Do mesmo modo, ofereça informações completas (em forma de apostilas), para


que estudem em casa. Espero que alunos sérios façam o trabalho e sintam que,
embora sejam ensinados por um Mestre, eles devem aprender por si próprios.

Nem todos iniciados se transformam em instrutores sérios, mas a maioria é. Eles


desenvolvem a capacidade de ensinar, e farão isso quando estiverem prontos.
Peça aos seus iniciados no Mestrado que ensinem com seriedade, e mesmo
aqueles que dizem que não pretendem ensinar, se um dia resolverem fazê-lo, não
antes de muito estudo. Começar ensinando familiares que tenham o desejo de
aprender já é um bom começo.

Ao iniciar um Mestre é conveniente dizer que sinceramente prossigam com o


Reiki, não apenas para uso particular e sim para disseminar a técnica do Reiki. É
importante que façam isso se estiverem preparados para curar a si próprios, aos
outros (incluindo os animais) e ao planeta.

O iniciado Mestre é quem determina se está pronto para o Reiki e em que grau
está o seu preparo e vontade interna de ensinar.

382
Dai-Ko-Myo

Variações do Dai-Ko-Myo

383
384
Raku - O raio de luz mantendo o fogo (somente para fazer as iniciações).

Os autênticos símbolos do Reiki não podem ser usados negativamente; eles têm
uma proteção interna. Existem conversas e textos não comprovados que havia
originariamente trezentos e cincoenta e três símbolos do Reiki, 22 dos quais
atualmente estavam sendo usados. Eles estariam arquivados em bibliotecas no
Tibet e na Índia.

Diz-se que: “Quando chegar a hora de o Ocidente e de o Reiki terem esses


símbolos de volta, ser-nos-ão dados de tal forma que poderão ser imediatamente
reconhecidos como os autênticos símbolos do Reiki”. O futuro dirá.

Quanto aos símbolos do Mestrado em Reiki, o assunto se esgota por aqui.

Apesar de que Reiki não é uma religião e sim uma manifestação, o grande
problema com a religião/manifestação são as pessoas. Um grande número de
pessoas, na atualidade, querem dar a impressão de ser os novos “Mikaos Usuis”,
haja vista o grande número de símbolos “canalizados” e que são absorvidos pela
massa e usados imediatamente, à parte do longo processo de estudo que Mikao
Usui empreendeu para chegar ao ponto que hoje estamos.

No começo dos ensinamentos sobre o Reiki, os alunos em geral perguntam o que


é uma iniciação. Diga-lhes que só pode descrever o processo como sendo um
pequeno milagre. A iniciação tem de ser vivida — não pode ser descrita
racionalmente. Ninguém sabe por que ou como a iniciação em Reiki funciona, ou
por que a combinação das mãos, dos símbolos, da respiração e de outros
controles tem um efeito tão profundo.

Os que já receberam iniciações em Reiki sabem que sua vida se altera


profundamente. As iniciações são um ponto alto na vida de muitas pessoas, e a
maioria de nós, que já passamos por elas, fica completamente deslumbrada
durante o processo.
A diferença entre o Reiki e outros sistemas de cura pela imposição das mãos é a
iniciação. Outros sistemas podem usar a imposição das mãos sobre os chakras e

385
trabalhar com a energia do Ki, mas só o Reiki tem o benefício extraordinário da
iniciação. Nas iniciações Tradicionais do Reiki, existem quatro iniciações para o
Primeiro Grau e duas únicas iniciações para o Segundo Grau e o Mestrado.

As iniciações em Reiki abrem e expandem o Ki, mantêm a capacidade da Linha do


Hara e eliminam os bloqueios dos canais energéticos, além de equilibrar e iluminar
os chakras da Linha do Hara e do duplo etérico. Durante uma iniciação, o Ki
Celeste, carregando os cinco símbolos do Reiki, desloca-se do chakra da coroa
para o do coração do receptor. O Ki Terrestre é absorvido pelas pernas e pelos
chakras inferiores, sendo levado do Hara ao chakra do coração. O suprimento de
Ki Original é restabelecido no Hara, e qualquer bloqueio ao uso da energia se
desfaz. Tudo isso ocorre em poucos minutos.

A iniciação é uma forma de pagamento kármico. Durante o processo, o karma é


retirado do receptor como pagamento por se tomar um curador. Isso ocorre
quando o Mestre/Instrutor permanece num nível energético muito elevado durante
a iniciação, o que também eleva o nível do Ki no receptor. A ocorrência é
automática, sem a intenção ou interferência do Mestre, apenas fluindo através
dele. O ego não é envolvido. O Mestre simplesmente faz os movimentos físicos, e
tudo o mais se segue.

O processo iniciático pode ser considerado hoje uma das coisas mais sagradas na
Terra. Desde o momento da iniciação, um novo curador é criado — ou melhor,
despertado. A capacidade de curar faz parte do código genético humano impresso
no nosso DNA. A iniciação Reiki acende uma luz numa casa escura, reativando
dons que um dia foram universais, mas que hoje estão praticamente esquecidos.
O Reiki é uma das maiores forças deste planeta na evolução das pessoas. As
iniciações curam o nosso DNA, ligando-nos novamente à Luz.

Ao receber a iniciação em Reiki, cada pessoa tem uma experiência diferente. Ela
pode ver cores, ter sensações estranhas, visualizar a imagem de si mesma em
vidas passadas ou entrar em contacto com espíritos-guias, ou encher-se de
felicidade e alegria. Algumas pessoas choram ou tremem. Outras dizem que não
sentiram nada, mas apresentam as faces coradas e um largo sorriso. A abertura
para a energia é evidente ao se olhar para elas. A maioria das pessoas sente
imediatamente as mãos quentes, o que é típico do canal Reiki, embora algumas
possam levar mais tempo até manifestarem o calor nas mãos, à medida que as
utilizarem na cura.

O Mestre, ao fazer a iniciação, sempre sente algo diferente, mas em geral o


sentimento é de uma alegria intensa. O processo transforma o corpo num pára-
raios. A energia do Ki primeiro se movimenta no corpo do Mestre/Instrutor, para
depois ser transmitida ao aluno. Este é um processo fisicamente cansativo, razão
de não haver tempo para se pensar durante a iniciação, só para movimentar a
energia pelo corpo. Não há outras considerações além dos movimentos físicos; a
energia toma conta de si própria.

386
A iniciação é uma experiência que envolve a Kundalini, atinge os níveis do Hara e
do duplo etérico.

Qualquer pessoa que queira transmitir o Reiki aos outros recebe toda a ajuda
necessária. Faça o máximo. Quando se tem a intenção de ensinar o Reiki, recebe-
se a ajuda.

O método de iniciação que se segue apresenta uma iniciação para cada um dos
graus do Reiki. Também se trata da mesma iniciação para os três graus e ele tem
sido transmitido oralmente.

A iniciação para o reikiano até o Grau de Mestre é a mesma. Isso ocorre, em


parte, devido à intenção e à capacidade que o receptor tem de conservar o Ki. Ao
fazer a iniciação para o Reiki Primeiro Grau, provoca-se uma abertura na aura,
pois a expansão áurica ainda não se iniciou. O aluno que está recebendo o
Primeiro Grau não se abre totalmente durante a iniciação. À medida que seus
corpos energéticos se expandem e se ajustam a uma maior quantidade de Ki, ele
se torna capaz de lidar com mais energia e, portanto, começa a se abrir. A
abertura completa para o Primeiro Grau leva de três a quatro semanas, num ciclo
que leva de três a quatro dias em cada chakra.

Quando se faz a iniciação no Reiki Segundo Grau, acontece o mesmo. O reikiano


do Primeiro Grau atinge um grau de abertura da Linha do Hara, e é assim que o
Segundo Grau se manifesta. Diz-se que o nível de energia no Reiki Segundo Grau
é matematicamente elevado à segunda potência. Novamente, o aluno passa por
um período de adaptação, à medida que aumenta sua capacidade de canalizar o
Ki. No Mestrado, o nível de energia se expande novamente, a partir do ponto
atingido no Reiki Segundo Grau. O processo é semelhante ao Primeiro e Segundo
Grau, num nível energético mais expandido, pois o reikiano pode manipular uma
maior quantidade de energia.

Esses períodos de adaptação são a causa da reação de desintoxicação que


alguns reikianos sentem depois de receber as iniciações. Se há bloqueios
energéticos nos chakras, na Linha do Hara, ou na capacidade para canalizar o Ki,
eles se dissolvem pela energia das iniciações e essa dissolução causa reações.

Se os bloqueios são eliminados do corpo etérico, as reações são físicas —


diarréia, coriza, inapetência por alguns dias, ou dor de cabeça. E isso é mais
freqüente no Primeiro Grau. Se os bloqueios se deslocam dos níveis emocional ou
mental, a desintoxicação também ocorre nesses níveis. Essa é a desintoxicação
que ocorre no Segundo Grau, e pode demorar vários meses, causando o
desenvolvimento e as mudanças de vida.

Alterações no corpo espiritual ocorrem no Mestrado. Na maior parte das vezes,


não se manifestam como desintoxicação, mas na forma de um autoconhecimento
cada vez maior, e uma impressão de comunhão e união com o Universo. Para a
maioria dos iniciados, a reação mais freqüente no Mestrado é a alegria pura. A

387
purificação já ocorreu. Às vezes, o novo Mestre Reiki necessita de mais horas de
sono durante os dias subseqüentes, à medida que seus níveis energéticos e
corpos vibracionais se reajustam para se adaptar à expansão da energia.

Tradicionalmente, de acordo com a maioria dos instrutores de Reiki da atualidade,


o Daí Koo Myo só é colocado nas mãos durante a iniciação em Mestrado. Nos três
graus, ele é introduzido no chakra da coroa, mas no Primeiro e Segundo Grau ele
não é colocado na palma das mãos.

Tradicionalmente, outros símbolos do Reiki são colocados no Chakra Coronal,


mas existem tendências que no Segundo Grau eles só são colocados numa das
mãos, que é chamada de “mão dominante”.

Isso não deve ser feito, pois resulta num desequilíbrio energético, que pode ser
um tanto incômodo. As duas mãos devem ser iniciadas para se obter o equilíbrio
energético do Ki e também pela praticidade durante as aplicações.

Ao tomar-se Mestre, comece a fazer iniciações para uma pessoa de cada vez.
Não inicie os cursos enquanto não tiver aprendido corretamente a forma de fazer a
iniciação. O primeiro grupo deve ser pequeno — no máximo, quatro pessoas;
aumente o número delas à medida que se tomar mais forte.

Imagina-se que até dez pessoas seria adequado, pois o desgaste físico grande e
muitos Mestres só o sentem posteriormente. Durante as iniciações, ocorre apenas
uma grande elevação da energia. A pessoa ignora o excesso de tempo
despendido; portanto, deve dar ouvidos à sua intuição para saber se está indo
longe demais.

Seria de grande importância fazer iniciações para pessoas que estejam à beira da
morte, gravemente doentes ou passando por grandes crises. Se a pessoa for
capaz de usar o Reiki Primeiro Grau para se curar, isso seria ótimo, mas a
iniciação, em si, já é uma grande cura. Não importa que essas pessoas não se
tomem reikianos, chamados de agentes de cura, embora algum dia talvez o
sejam. O que importa é a cura e o grande benefício que uma iniciação proporciona
no momento em que tanto se necessita.

Frequentemente, os alunos que já passaram por instruções voltam apenas para


repetir as iniciações. Isso não é necessário, pois as iniciações se fixam para
sempre, o que não invalida a iniciativa do Mestre em refazê-la, apenas pelo prazer
e respeito que alguns sentem a mais pela energia Reiki. Também é perfeitamente
correto que um novo Mestre pratique o modo de fazer as iniciações e isso deve
ser estimulado.

Ao começar a realizar iniciações em Reiki, inicie pelo Primeiro Grau. Depois de ter
dado várias instruções e sentir-se completamente à vontade com o processo
iniciático do Primeiro Grau, passe ao Segundo Grau. Siga adiante só quando

388
sentir que pode lidar bem com qualquer problema relacionado com o Primeiro
Grau. O ensino do Reiki já é a sala de aula do Mestre em Reiki, contudo convém
começar pelos ensinamentos básicos e depois passar aos estágios mais
avançados.

A melhor maneira de se preparar para as instruções do Reiki é fazer tanto o


trabalho de cura direta como a distância o quanto mais possível, e praticar o
processo iniciático. Conhecendo o Reiki profundamente, você se prepara para
ensiná-lo aos outros.

A maioria dos iniciados Mestres se pergunta: "Como sei que alguém se abriu à
energia depois de ter recebido a iniciação?". A resposta é muito simples: olhe para
o rosto deles depois da iniciação e saberá.

Uma maneira simples, de especial ajuda aos novos Mestres, é perguntar. Depois
de fazer a iniciação a todos no grupo, perguntar que viram ou o que sentiram. Se
alguém não quiser falar, não insistir. Depois de uma ou duas pessoas terem se
manifestado, outras, em geral, fazem o mesmo. Dizer a elas que fiquem alerta
para sensações sutis, em vez de esperarem grandes acontecimentos; e, quando
compreenderem que algo aconteceu, poderão querer participar da discussão. Ao
descreverem o que se passou, o Mestre saberá que elas se abriram à energia. As
pessoas descrevem uma grande variedade de sensações, particularmente no
Primeiro Grau. Em seguida, perguntar: "Há alguém que não tenha sentido nada?".

De vez em quando, um entre 8 ou 10 alunos diz que não sentiu nada.


Primeiramente, pedir para sentir as mãos da pessoa — se elas estiverem quentes,
ela definitivamente se abriu à energia, quer ela compreenda ou não. Entretanto, a
rigor, mãos quentes não denunciam por si só, a abertura à energia Rei.

Perguntar o que ela sentiu ou viu durante a iniciação — alguns alunos esperam
acontecimentos grandiosos, em vez de sensações sutis, de quietude. Em geral,
quase todos os problemas são resolvidos dessa forma. Se as mãos continuarem
frias e o aluno não sentiu nada durante a iniciação, perguntar se ele tem alguma
dúvida em relação à energia. Os alunos que tiveram educação fundamentalista,
embora possam tê-la rejeitado, podem ter dificuldade ou medo de aceitar a cura
psíquica. Porém, isso não importa, pois a iniciação é para sempre e não pode ser
desfeita.

Antes de descrever o processo iniciático, é necessária a esta altura uma reflexão


sobre as iniciações. A palavra iniciação também significa sintonização. E essa
palavra, em sânscrito, significa fortalecimento.

O Reiki dá forças a quem quer que o receba e também ao Mestre que o difunde.
Um instrutor de Reiki é chamado de Mestre ou Shihan, mas o termo não tem a
conotação de alguém que tem poder sobre outrem, nem de hierarquia. O Mestre é
simplesmente um instrutor. Se alguma honra acompanha o título, é a de ter o Reiki
em si. Recebendo as instruções e iniciações de um Mestre, o aluno pode chegar

389
até o Mestrado, mas é através do seu compromisso e empenho que alguém se
transforma num Mestre. Nenhum instrutor pode torná-lo um Mestre — o aluno só
pode se tomar um Mestre depois de passar pelas iniciações e ensinar o Reiki com
sucesso.

Na Índia e no Tibet, um guru Vajrayana (Mestre/Instrutor de Budismo Tântrico), é


honrado por fazer parte de uma linha de adeptos que se estende a Sidarta
Gautama, o Buddha, ou nele tem sua origem. Na Índia, um guru assume essa
responsabilidade seriamente, sem egocentrismo e sem violar a confiança que
existe entre aluno e instrutor.

Atualmente, o Mestre em Reiki também se enquadra numa linhagem que passa


por Hawayo Takata e por Buddha Sakyamuni, e tem origem, segundo a crença
indiana, no deus Shiva e nas estrelas.

Os alunos e Mestres em Reiki Tradicional também seguem uma linha de


ensinamentos. O aluno identifica seu status dentro do Reiki pelo de seu instrutor e
pelo instrutor do seu instrutor e por sua relação com Takata. O aluno foi treinado
pelo Mestre A, que foi treinado pelo Mestre B, que foi treinado pelo Mestre C —
até chegar na Senhora Takata, que foi treinada por Chujiro Hayashi, que foi
treinado por Mikao Usui. Essa é a linhagem do estudante.

Porém, que realmente importa no Reiki é que o aluno ou Mestre receba o


treinamento; não importa de quem. Um Mestre de qualquer linhagem tem como
principal responsabilidade a prática do Reiki e sua disseminação através do
ensino, e isso é o que importa.

No Budismo Tântrico existem muitos níveis de iniciação. O termo em sânscrito é


"abhiseka"; em tibetano é "wong". Na Índia, diz-se que a pessoa recebe
"Shaktipat". O processo iniciático é um sacramento, e suspeito-se que as
iniciações em Reiki ou budistas tenham dado origem aos sacramentos do
Cristianismo e, talvez, a todos os ritos de passagem.

Ao receber a abhiseka — uma iniciação ou fortalecimento — poderes sagrados


entram no corpo e aí permanecem. No Budismo Tântrico Vajrayana, uma iniciação
sempre precede o início de um nível de ensinamento. Os quatro níveis do
fortalecimento budista refletem exatamente os três graus do Reiki.

As três primeiras iniciações budistas acabam com os bloqueios kármicos, a quarta


cura a consciência. As quatro iniciações oferecem as seguintes expansões do Ki:
l) Abertura de bloqueios energéticos; 2) Aumento de poder; 3) Acesso a novas
instruções; 4) Permissão ao aluno de praticar certos processos ou rituais. Esses
quatro benefícios também são trazidos com as iniciações Reiki, cada grau
elevando a um nível mais complexo. As quatro iniciações são as seguintes:

390
1. O Fortalecimento do Vaso limpa os canais psíquicos e o corpo físico de
obstruções kármicas. Permite ao aluno visualizar certas divindades
(Deuses). Outros benefícios são mantidos em segredo.
2. O Fortalecimento místico abre o fluxo do Ki e o poder da palavra dá eficácia
aos mantras. Novamente, existem outros benefícios secretos.
3. O Fortalecimento do Conhecimento Divino purifica o corpo mental e permite
a prática da Hatha Ioga, além de outras coisas.
4. O Fortalecimento Absoluto leva ao reconhecimento da verdadeira essência
espiritual e à experiência direta do que, até então, era um conhecimento
apenas simbólico. Esse fortalecimento permite o estudo da Ata Yoga e "tem
resultados místicos profundos".
Pode-se o primeiro fortalecimento budista à iniciação em Reiki Primeiro Grau: ele
abre os canais do Hara e purifica a pessoa no nível do corpo físico. Os
Fortalecimentos Místico e Divino correspondem ao Segundo Grau; os símbolos
correspondem ao poder da palavra, como os bijas são as formas simbólicas
escritas dos sons. Os corpos mental e emocional são purificados, e os exercícios
de Hatha Ioga correspondem aos exercícios de Ki.
O Fortalecimento Absoluto corresponde ao Terceiro Grau do Reiki. Ele vai direto à
essência espiritual, ao corpo espiritual e promove a compreensão de todo o
processo. Resultados místicos profundos são uma boa descrição do que ocorre
depois de receber o Mestrado. O aluno que se transforma num Mestre em Reiki
passa por profundas transformações em sua vida.

Assim como tudo no Reiki, o processo para fazer as iniciações é extremamente


simples. Envolve uma série de movimentos do corpo físico que, quando feitos em
certa seqüência, têm efeitos espirituais duradouros de transformação. O
Mestre/Instrutor não precisa se preocupar com o que ocorre durante o processo,
só precisa executar a seqüência correta. Coisas muito complexas ocorrem durante
a iniciação em Reiki, mas o Mestre nem precisa saber o que são. Ele apenas
realiza a iniciação. Os guias e a energia Reiki tomam conta de tudo o que se
segue.

Para realizar qualquer iniciação, o Mestre deve ser capaz de manter a língua
tocando o céu da boca durante todo o processo. Deve segurar a respiração,
enquanto não assopra e, ao fazê-lo, a língua fica no céu da boca — ele assopra
em tomo dela. Depois de assoprar, deve respirar profundamente de novo. Ao
assoprar, transmite-se o Ki, e a primeira definição do Ki é "sopro vital".

Para receber a iniciação, o aluno senta-se numa cadeira, com as costas retas e os
pés no chão. Pode tirar o sapato se quiser. A energia de alguns Mestres em Reiki
é tão forte que eles chegam a quebrar relógios durante as iniciações. Se o Mestre
for um desses, deve pedir ao aluno que o tire, e tirar o seu também.
Pedir aos alunos que coloquem a palma das mãos, uma contra a outra, na altura
do peito, e diga que manipulará suas mãos. Se o Mestre tiver de procurar pelas

391
mãos do aluno durante a iniciação, toma-se muito difícil uma linha única de
trabalho.

As iniciações devem ser realizadas individualmente. Coloque de dois a quatro


alunos sentados em cadeiras formando uma fileira. Até quatro é o ideal. O Mestre
deve ver o que é mais conveniente para ele. Deve lembra-se de que estará
cansado no final — o estado energético alterado termina depois de uma hora,
aproximadamente.

Colocar música suave durante a iniciação, se quiser, mas a sala deve estar em
total silêncio. Esse é um momento em que não deve haver nenhuma interrupção.
A sala onde ocorre o processo iniciático fica energizada por um bom tempo depois
dele. A temperatura da sala poderá aumentar consideravelmente durante a
iniciação. Num ambiente com ar condicionado, a temperatura inicial de 23 graus
centígrados, podem aumentar em alguns graus, no final.

Durante as iniciações, os alunos do Primeiro Grau que estão à espera precisam


fazer algo. Depois da iniciação de cada grupo, é extremamente importante que
cada aluno faça a imposição das mãos sobre outra pessoa por vários minutos.

Trabalhar os ombros e as costas da pessoa é uma boa sugestão. Isso traz a


energia Reiki através da Linha do Hara da pessoa que recebe a energia. Também
previne dores de cabeça e a sensação de atordoamento que ocorre
posteriormente. O Mestre deve saber quem deixou de tocar alguém depois da
iniciação por causa das reclamações que fazem mais tarde — e já lhes deve dizer
de antemão, que não se compadece daqueles que se recusam a ouvi-lo.

No Reiki, as iniciações são realizadas individualmente. A pessoa recebe a energia


separada das outras, onde a iniciação é realizada com estilo e de forma
agradável. Mas não importa o estilo; a iniciação, em si, é um acontecimento
sagrado.

Fazer da iniciação um ritual — como era no Budismo Tântrico — cria uma


atmosfera sagrada de grande beleza, que apela a todos os sentidos. Começar
com a porta fechada, sem que haja interrupções, numa sala suavemente
iluminada. Tirar o telefone do gancho. Acender velas e colocá-las fora do alcance
das pessoas, para que elas se movam à vontade. Queimar incenso, mas certificar-
se de que ninguém é alérgico a ele. Lavanda, alfazema ou sândalo são
especialmente agradáveis. Colocar música de fundo bem calma, apropriada aos
estados alterados de consciência.

O Mestre pode construir um altar para meditação, sem conotação religiosa,


lembrando-se de que o Reiki é sagrado, mas não é uma religião.

Começar o processo iniciático com a meditação Gassho. Primeiramente, faça uma


seqüência completa de relaxamento corporal e, então, dirija a meditação aos
chakras dos alunos, para que recebam a energia Reiki.

392
Quando os alunos já tiverem entrado em algum estágio particular nos estados
alterados de consciência, começar a fazer as iniciações.

O Mestre pode colocar uma gota de essência de amêndoas, de rosas, de lavanda


ou de menta sob a língua. Usar essências puras, mas certificar-se de que é
seguro colocá-las na boca. Arde um pouco, mas seu aroma é transportado para
dentro da aura do aluno, com a respiração. Lembrar-se de manter a língua
tocando o céu da boca. Realize as iniciações. Termine o ritual com outra
meditação Gassho e uma bênção final. Os budistas Vajrayanas, que
desenvolveram o Reiki, usam rituais, simbolismo e misticismo em suas práticas.
Estas podem ser traduzidas para qualquer sistema de crenças.

A preparação do Mestre para fazer as iniciações

Durante nossa vida temos muitos mestres. Por exemplo, os pais, irmãos,
parentes, professores, instrutores, conhecidos casuais, conselheiros, colegas,
coordenadores de seminários e autores que nos falam através de livros, artigos de
revistas, filmes e obras teatrais. Alguns deles também nos transmitem
ensinamentos espirituais ou pelo menos algo que nos ajuda a seguir nosso
caminho espiritual, ou seja, nosso caminho para a luz e para o amor. Ouvimos
atentamente alguns deles, quando nos transmitem algo realmente importante.

Junto a esses guias espirituais informais existem outros, a quem elegemos de


maneira mais ou menos consciente para que nos ajudem em nosso caminho.
Alguns nos acompanham por um período curto de tempo, outros durante muitos
anos. O que um guia espiritual pode fazer por nós depende de sua competência,
de seu compromisso, das condições em que o encontro acontece, da nossa
vontade em nos deixarmos guiar e da persistência que tenhamos a cada dia como
alunos.

Um mestre de Reiki não é necessariamente um guia espiritual. Tampouco deve


necessariamente sê-lo. Os requisitos mínimos devem incluir a capacidade e o
conhecimento para iniciar outras pessoas e formá-las no uso da energia universal
de vida. Contudo, qualquer mestre de Reiki pode tornar-se um guia espiritual, na
medida em que se preocupe com seu desenvolvimento pessoal. Pode acontecer
de um mestre de Reiki, com muito pouco tempo de exercício da profissão, ensinar
de maneira muito espiritual. Do mesmo modo ocorre que outro com muitos anos
de prática em sessões e seminários de Reiki, apesar de tudo, entenda muito
pouco das dimensões espirituais do sistema Usui de cura natural.

Os professores orientados espiritualmente não trabalham com verdades definitivas


ou com formas padronizadas de solucionar problemas, mas sim com contatos
humanos autênticos e informações e habilidades de valor prático que eles
transmitem e desenvolvem continuamente.

393
Um guia espiritual não tenta atrair seus alunos com preços baixos ou com falsas
inovações, mas sim com aquilo que ele é e com a mensagem que oferece. Um
professor, por melhor que seja não consegue nada se seu aluno não se
compromete e este, por sua vez, deve duvidar com seriedade do caminho e do
seu mestre, pois a duração da relação entre eles depende de quão longe queira
chegar o aluno.

A tarefa essencial de um guia espiritual não é oferecer respostas, mas sim,


formular perguntas.

Tempo para experimentar o Reiki

O Reiki vem sendo oferecido em toda parte como um curso rápido. Chamo isto de
método de “acrescentar-água”, destinado a criar um maravilhoso menu de Reiki
dentro do mínimo tempo possível. Posso entender que estamos todos com pressa
e sempre desejamos que as coisas aconteçam com a maior rapidez, mas acho
que é melhor levar o tempo que for possível na abordagem dos vários níveis de
Reiki. Esse espaço de tempo é diferente para cada pessoa.

Já ouvimos dizer que não se deve passar mais de dois dias entre as iniciações do
Primeiro Grau, uma vez que, de outra forma, a energia virará fumaça.
Antigamente, no Japão, as pessoas reuniam-se uma vez por mês durante seis
meses a fim de aprender o Primeiro Grau Nós o ensinamos em um ou dois dias,
podendo haver entre eles um intervalo de uma semana.

Há várias formas de ensinar o Segundo Grau. Alguns professores sintonizam uma


vez durante o Segundo Grau, outros fazem-no três vezes. As três sintonizações
podem ser divididas em três semanas, o que dará ao aluno muito mais tempo para
experimentar o poder do Reiki e os símbolos individuais, ou, se apenas uma
sintonização for feita, o professor poderá ensinar apenas um símbolo por semana.

A Sra. Shizuko Akimoto, uma curadora maravilhosa a quem devemos agradecer


por grande parte das novidades sobre o Reiki, diz que cada um dos níveis de Reiki
tem um valor especifico. Se os Primeiro e Segundo Grau de Reiki forem ensinados
com um intervalo muito pequeno, o valor do Primeiro Grau não é adequadamente
captado, e isto significa jogar pérolas aos porcos. Entretanto, pode não ser errado
um treinamento rápido de Reiki.

Também poderá ser necessário ensinar a uma pessoa todo o sistema do Reiki ou
uma grande parte dele em pouco tempo, especialmente se a pessoa estiver
seriamente enferma.

Reiki significa energia, por isso não pode ser ensinado. Ele se revela se
estivermos atentos. E é essa atenção que o professor promove no aluno.”

394
Professor ou Mestre?

As culturas ocidentais não compreendem o conceito da relação aluno/discípulo e


mestre. Durante milhares de anos a mente ocidental foi moldada por sua moral,
suas línguas e religiões para constantemente questionar, analisar e racionalizar
tudo o que é vivido ou ouvido. Entregar-se a outra pessoa está absolutamente fora
de questão. A palavra guru, por exemplo, embora seja um termo de profundo
respeito nos países asiáticos, é usado como insulto no Ocidente! Esse
pensamento, seguido de suas conclusões lógicas, tem conseqüências
extraordinárias
.
No Oriente, a situação é quase que diametralmente oposta. No Japão, por
exemplo, qualquer pessoa que tenha alguma habilidade e a demonstra
abertamente é chamado respeitosamente de sensei ou ainda shihan (professor).
O título de mestre não está à disposição tão facilmente. Mestre é alguém que
conseguiu dominar a si mesmo, alguém cuja jornada espiritual resultou em gozo
contínuo. Tem muito pouco, ou nada, a ver com uma habilidade ou profissão. Há
apenas duas formas de se conseguir o título de mestre. Ou os alunos/discípulos
de um professor o chamam de mestre por causa de seu profundo respeito, ou um
aluno/discípulo recebe o título do seu mestre, depois de ter conseguido dominar a
si mesmo.

Por esse motivo, muitos professores de Reiki não chamam a si mesmos de


mestres para evitar mal-entendidos. A maestria não pode ser conseguida ou
recebida de nenhum modo.

Aprender e Ensinar

Existem apenas duas exigências para qualquer pessoa que queira aprender a arte
do Reiki:

• O desejo de fazer isso com a mente aberta, uma mente pronta para
aprender. Acho importante que a intenção de aprender Reiki seja aprender
para você mesmo, como um investimento no seu próprio crescimento
espiritual. Possíveis aulas futuras ou oportunidades de negócio devem ser,
na melhor das hipóteses, considerações secundárias.
• Encontrar um professor qualificado que esteja pronto para ensinar. Ter
completado o sistema Reiki não quer dizer necessariamente que alguém
será um bom professor, nem significa de modo algum que a pessoa queira
ensinar.

Obviamente, o sistema Reiki não pode ser ensinado em poucos dias, semanas ou
meses; com o tempo, o próprio Reiki ensina sobre si mesmo ao professor de Reiki
de coração e mente abertos. É aconselhável que novos professores de Reiki
comecem a ensinar apenas depois de terem entendido o que aprenderam.

395
Quando falamos sobre praticar Reiki, não significa praticar em prol da
competência. A prática do Reiki nos ajuda apenas a nos transformarmos num
canal cada vez mais puro para a energia vital universal. Não há ação envolvida de
modo algum.

A energia do Reiki não apenas se ajusta às necessidades específicas do corpo em


desequilíbrio quando se administra a cura, mas também se ajusta ao estado
mental e à formação espiritual e psicológica do professor de Reiki!

O que é um Mestre de Reiki

A definição de um Mestre de Reiki é qualquer pessoa que recebeu as


sintonizações de Mestre e o símbolo do Mestre e que entende claramente como
fazer todas as sintonizações.

Para ser considerado um Mestre, é necessário ensinar Reiki a pelo menos uma
pessoa. Todos aqueles que receberam o treinamento de Mestre, mas nunca
ensinaram, são considerados Mestres de Reiki Praticantes até que eles comecem
a ensinar.

Reiki é uma prática sagrada que requer reverência e grande respeito se quisermos
experimentar todo o seu valor. Os benefícios do Reiki são abrangentes, não
somente nos dando a habilidade de curarmos, o que para nós é absolutamente
magnífico, mas também trazendo orientação para nossas vidas.

O Treinamento de Mestre é um passo sério:

• - requer uma definitiva preparação


• - a prática é absolutamente necessária
• - a experiência com a energia e com os símbolos é fundamental
• - é necessário meditar sobre seus propósitos de vida
• - é necessário estudar sempre

Para tornar-se um Mestre, é fundamental:

• - habilidade para sintonizar outras pessoas


• - encontrar tempo para que seus alunos aprendam
• - assegurar-se que eles praticaram as sintonizações
• - não se importar se seu aluno for melhor que você; seja grato por isso
• - praticar bem as sintonizações antes de sua primeira turma
• - praticar as meditações, estudar, anotar, para melhorar sua aula
• - a sua atitude, pois ela cria os resultados que você recebe; assuma o
sucesso e você irá criá-lo

396
• - tratar seus alunos com respeito e gratidão; todos têm uma centelha de
Deus como você
• - nunca usar meios que tornem seus alunos dependentes de você
• - estimular seus alunos a se conectarem com seu próprio poder e liberdade
de escolha
• - a dignidade, porque o que você cria para os outros volta para você
• - atuar enriquecendo pessoas, porque assim você será enriquecido
• - ser um bom exemplo e um representante autêntico da energia Reiki
• - desenvolver e expressar qualidades como compaixão, amor, sabedoria,
justiça, cooperação, humildade, persistência, bondade, coragem, força e
abundância. O Reiki é tudo isso e muito mais

Para um Mestre formar uma turma:

Ensinar Reiki é extremamente compensador. Ver seus alunos receberem a


habilidade de lidar com o Reiki pela primeira vez, preenche seu coração com
alegria. Ver a surpresa e encanto com a nova energia que eles estão
experimentando pela primeira vez e seguindo sua orientação para dar tratamentos
é uma experiência magnífica. Se você é um Mestre, mas ainda não se sente
preparado para dar seu primeiro seminário, crie coragem e vá em frente. A
recompensa que você receberá por ensinar compensará todos os esforços feitos
para seu preparo e pela responsabilidade de fazê-lo bem.

A decisão de tornar-se um Mestre de Reiki e aceitar isso como uma parte


importante do seu caminho espiritual, o levará mais rapidamente à experiência de
plenitude em sua jornada. Desenvolver o conhecimento necessário e trabalhar
com seus alunos irá expandir sua zona de conforto e melhorar sua auto-estima.

Uma aula organizada e facilitada, dada com amor, compaixão, clareza de


expressão sobre os ensinamentos e com a adequada demonstração e tempo para
a prática, poderá levar seus alunos a um nível inteiramente novo de consciência e
auto-estima. Se apresentada dessa forma, eles se motivarão a usar o Reiki em si
próprios e em outros.

“O OBJETIVO PRINCIPAL E DIGNO PARA TODOS OS MESTRES DE REIKI É


TORNAR-SE O TIPO DE MESTRE DE REIKI QUE VOCÊ GOSTARIA DE TER
COMO SEU MESTRE DE REIKI”

As Armadilhas do Reiki

Muitas vezes temos visto professores de Reiki elevarem a energia do Reiki à


categoria de divindade e tentarem, subitamente, evitar que quaisquer influências
“não-espirituais” entrem em sua vida. Então eles não bebem mais chá nem café,

397
não falam mais sobre o tempo, não fumam, não comem carne, confiam somente
em sua intuição e têm uma explicação “espiritual” para todas as situações da vida!

Apenas o Reiki existe, e o chão subitamente lhes foge dos pés.


O Reiki é uma ferramenta maravilhosa, mas não é a única. Na análise final,
sempre depende da pessoa que o está usando e, acima de tudo, de como o está
usando. Se o Reiki não nos ajuda a ter mais alegria, mais intensidade, mais
harmonia, mais amor, mais sabedoria, mais abertura e mais integridade, talvez
seja a “ferramenta” errada ou esteja sendo usada “inadequadamente”. Não quero
dizer “errada” de uma forma técnica, mas no sentido espiritual. Se o Reiki torna o
canal (o praticante) arrogante e teimoso, então esse canal está no caminho
errado.

Como geralmente é muito difícil para nós fazermos uma auto-avaliação, sugiro
que, ocasionalmente, você peça a seu companheiro ou a um bom amigo que faça
uma “avaliação” completamente clara e honesta de sua atuação: em que você
precisa trabalhar, quais as suas áreas problemáticas, onde você encontrou seu
caminho, como pode desenvolver-se mais, que mudanças positivas ocorreram e
se ainda existe algum obstáculo em algum ponto.

Essa atitude funciona maravilhosamente bem. Aprendemos todos os dias, à


medida que conseguimos nos libertar de nossa própria arrogância, nossa
estreiteza mental e todas as outras loucuras que arrastamos conosco.

Se você não conhece uma pessoa em quem possa ter tanta confiança, espero que
logo encontre alguém ao lado de quem possa crescer como pessoa. A fim de
preparar-se para isso, imagine tão precisamente quanto possível o tipo de pessoa
que gostaria de conhecer, incluindo aparência, traços de caráter e assim por
diante. Com este método, é possível abrir a mente em uma certa direção e a
pessoa esperada poderá entrar em sua vida. Você vale a pena!

Reiki, poder e dinheiro

Duas coisas que se tornam um veneno letal para a alma quando se misturam são,
certamente, poder e dinheiro. É desagradável saber que no Ocidente o Reiki não
foi separado deste veneno. No Japão, o Reiki nada tem a ver com dinheiro, que
não desempenha, absolutamente, nenhum papel. A dinâmica da luta pelo poder
que cerca o legado do Dr. Usui — legado que na verdade todos nós
compartilhamos uns com os outros, independentemente da família mundial
reikiana à qual pertençamos — precisa ser entendida.

Na verdade, não é uma questão de quem está lutando com quem ou contra quem,
pois quem são os protagonistas desta batalha é um ponto insignificante. Não
adiantaria tratar as pessoas que tentam se apossar do Reiki como bodes
expiatórios e como a causa de todo o mal. Patentear o Reiki não é idéia de uma
só pessoa, mas uma loucura coletiva que finalmente encontrou um veículo

398
adequado para sua realização. Se a Sra. Fulana de Tal não o tivesse feito, alguma
outra pessoa certamente pensaria em fazê-lo. Certa vez perguntaram a um santo
indiano, chamado Nisargadatta Maharaj, por que ele nunca falava sobre a terrível
guerra entre a Índia e o Paquistão. “Porque”, respondeu ele, “vocês (os ouvintes)
são tanto os assassinos como os assassinados”. Osho disse que apenas uma
pessoa iluminada não faz parte de todo o mal que existe no mundo, porque
somente um ser iluminado tem consciência de suas ações.

O poder corrompe os seres humanos sem piedade. Tendo uma vez


experimentado o gosto do poder sobre outras pessoas, o indivíduo já não terá
escolha, a não ser que seu terceiro chakra se torne completamente equilibrado e
centralizado. Ele será arrebatado pelo poder como que por uma onda na
tempestade e perder-se-á dentro dela, mesmo que racionalize seus atos
incansavelmente. As pessoas que pensaram em monopolizar o Reiki achavam
que tinham bons motivos para isso, o que, entretanto, não ajuda. Reiki, significa
energia vital, ele é e será sempre livre como o vento. É acessível a todos, e
qualquer pessoa que tente tomar posse da energia vital está destinada a
fracassar.

O poder é, em sua forma primitiva, nada mais do que energia, nada mais do que
força. Ele sempre depende da forma como é utilizado. O mesmo, naturalmente,
aplica-se ao dinheiro. Quando ambos são empregados apenas para a vantagem
de um indivíduo ou de um pequeno grupo, o resultado é sempre uma catástrofe
para o resto da humanidade.

Dinheiro e poder são tópicos interessantes, especialmente em relação ao mundo


espiritual. Muitos professores de Reiki têm pouca experiência em negócios ou em
comunicação. Freqüentemente exploram seu poder sobre os alunos de uma forma
inconsciente. Naturalmente, são necessários dois jogadores para jogar este jogo:
aquele que exerce o poder e aquele que cede seu próprio poder. A vítima e o
agressor formam uma relação simbiótica. Em quase todas as famílias, esses
papéis são desempenhados por seus vários membros.

Especialmente em uma área espiritual como o Reiki, o poder é especialmente


prejudicial. Recomendo a todos os alunos de Reiki que se afastem de qualquer
professor de Reiki que tenha sede de poder, caso ele não esteja disposto a
retornar a um estado de luz e unidade. O ego espiritual é o mais teimoso e
desagradável de todos os egos! O poder não é algo como uma propriedade
pessoal. Pelo contrário, é um sentimento coletivo que foi dado a todos nós desde
o início. Passamos a ter uma escolha sobre sermos ou não arrebatados por esta
onda no momento em que nos conscientizamos dela.

Não achamos que o Reiki deva ser ensinado gratuitamente. O dinheiro é apenas
uma ferramenta que tem por fim organizar mais facilmente a troca de coisas ou
serviços. O problema é de natureza psicológica e não está ligado ao dinheiro em
si, o qual é completamente livre de valores. Entretanto, nós o associamos a certos
sentimentos, idéias e ideologias.

399
Não há uma relação direta entre o Reiki e o dinheiro. O dinheiro é energia
formatada para que possa ser usada de maneira fácil e divertida por todos nós
para trocarmos bens ou serviços. O dinheiro pode ser um belo instrumento, mas o
problema é a nossa atitude com relação a ele.
Uma quantia inacreditável de dinheiro está sendo ganha em toda parte com o
Reiki, resultando em uma grande quantidade de poder. Muitos professores que
costumavam ganhar muito com o Reiki devem agora repartir esses lucros com
outros professores. Obviamente, isso dói. Mas como muitos de nós não estão
dispostos a tratar com os outros de um modo civilizado, surge um conflito que,
infelizmente, prejudica a questão em si. Neste caso, a questão é o Reiki. Como há
tantos mestres de Reiki, aonde tudo isso vai nos levar?

A coisa que sempre envenena as nossas transações financeiras com as outras


pessoas é a ausência de clareza. No caso de uma iniciação ou sessão de Reiki,
deve estar claro de antemão o que o “doador” gostaria de receber em troca de
seus serviços, seja isso uma certa soma de dinheiro que pareça justa, ou algum
outro tipo de compensação. O que outros praticantes de Reiki pedem por seus
serviços não deve ser considerado de modo algum. Essa é uma decisão
individual.

Há, basicamente, dois campos separados: um considera o dinheiro sujo e mau,


acreditando que ele corrompe quem quer que o possua. Acredita no amor como
seu deus e não pode unir amor e dinheiro, O outro grupo corre atrás de uma conta
bancária que cresça sistematicamente por toda a vida e sente desprezo pelos
pobres miseráveis que estão do lado oposto. Neste caso, o amor é apenas um
meio para chegar a uma segurança maior. Sabemos que muitos casamentos se
desfazem por causa de problemas financeiros. Em inúmeras comunidades,
espirituais ou não, o dinheiro leva a lutas pelo poder e a outros desentendimentos.

Desde a infância, todos nós temos, de uma forma ou de outra, contato com os
problemas financeiros de nossos pais. O fato de nossa família ter dinheiro de mais
ou de menos não faz a menor diferença. As emoções ligadas ao dinheiro fazem
com que seja muito difícil lidar com ele. Sugiro que devolvamos ao dinheiro seu
propósito original de ferramenta, separando dele nossos sentimentos. Isto não
quer dizer que não devamos ficar felizes ou nos aborrecermos em relação ao
dinheiro. Entretanto, é aconselhável nos tornarmos tão conscientes quanto
possível a respeito de nossos próprios motivos para ganhar dinheiro e de nossas
reações em relação a ele. O dinheiro, em si, não é bom nem mau.

Em nossa cultura ocidental, geralmente não valorizamos aquilo que nos chega
com pouco ou nenhum gasto de energia. A situação, contudo, poderá ser
totalmente diferente em outra cultura. Por exemplo: na Nova Zelândia, uma anciã
maori ensinou Reiki a seu povo durante muitos anos sem cobrar nada. Na Áustria
há um maravilhoso curador que é pago com orações. Na Finlândia, a professora
de Reiki Leila Anderssen afirma que é costume “pagar” parte do que é devido ao
professor de Reiki com trabalhos sociais em vez de dinheiro. O motivo é,

400
simplesmente, o fator mais importante. Assim, um aluno de Reiki pode aplicar
tratamentos de Reiki gratuitamente em um asilo de velhos ou doar dinheiro a uma
organização beneficente. Em um caso assim, não há limites para a imaginação.

Um equívoco muito comum sobre os preços é que alguma coisa muito cara, ou
mais cara, deve ser melhor que algo mais barato. Isso pode se aplicar aos itens
expostos numa prateleira de supermercado, mas certamente não ao Reiki.
Energia é energia: ela não tem nada a ver com a pessoa (sem mencionar o preço)
que a está transmitindo.

Por outro lado, os seres humanos parecem ser incapazes de aceitar e dar valor ao
que é dado de graça. O melhor exemplo é o nosso corpo, a nossa vida: é
surpreendente como nós o apreciamos pouco...

Para evitar que a mesma desvalorização acontecesse com o dom do Reiki, o Dr.
Usui, depois de anos de caridade, começou a cobrar pelas sessões e iniciações.
Ele descobriu que os tratamentos de Reiki dados de graça agiam meramente
como analgésicos ou comprimidos para dormir para as pessoas, sem desafiá-las a
mudar e sem responsabilizá-las por sua própria vida.

Presumimos que muitos praticantes do Reiki descobrem ou encontram o conceito


da caridade dentro de si mesmos mais cedo ou mais tarde. Nós queremos servir
nossos semelhantes e achamos que esse serviço deve ser feito de graça.
Milhares de anos de condicionamento criaram esse equívoco, mas parece que
cada um de nós tem de aprender isso por si mesmo.

Em alguns casos, o Reiki pode ser passado adiante sem compensação. Dentro da
própria família ou círculo de amigos próximos, por exemplo, o fluxo de energia
está presente de qualquer jeito. Pode ser uma bela experiência para um praticante
transmitir o Reiki aos seus pais ou aos parentes. A meu ver, a única condição para
uma sessão ou iniciação de graça deve ser se a outra pessoa realmente quer
entrar em contato com o Reiki ou não.

Muito mais importante que o dinheiro é o aluno aprender por si mesmo que a
relação energética entre ele e o professor é equilibrada, e que ambos se sintam
bem a respeito da troca combinada, seja ela qual for.

401
Reiki – Primeiro Grau- Iniciações / Sintonizações

Procedimentos Gerais

-Pedir para o iniciante sentar na cadeira com os pés bem plantados no chão,
afastados de um palmo
-Pedir para ficar com a coluna bem reta
-Colocar as mãos em forma de prece na altura do coração
-Pedir para fechar os olhos e só torná-los a abrir após nosso pedido
-Agradecer a confiança
-Ao terminar a iniciação, bater as mãos nas coxas e pedir para abrir os olhos

Primeira Iniciação

-Mãos em prece na altura do coração


-Saudar o iniciante de forma mental (Namastê + Nome)
-Elevar as mãos do iniciante acima da testa
-Ir para trás do iniciante
-Desenhar HS perpendicular ao chacra coronal + 1 x HS
-Desenhar DKM perpendicular ao chacra coronal + 1 x DKM
-Desenhar CR paralelo ao chacra coronal + 1 x CR
-Apoiar mão no chacra coronal, repetir 3 x Mantra (HS + DKM + CR) e contar
até 20
-Tocar no ombro do iniciante e ir para a frente do mesmo sem perder contato
-Segurar com a mão esquerda as mãos do iniciante, envolvendo-as
-Desenhar em cima dos dedos um CR + 1 x CR
-Encaixar as pontas dos dedos entre os dedos do iniciante + 3 x Mantra (HS +
DKM + CR) e contar até 10
-Envolver com polegar e mão os dedos do iniciante até os polegares + 3 x Mantra
(HS + DKM + CR) e contar até 10
-Desenhar um CR em cima dos dedos + 1 x CR
-Conduzir as mãos do iniciante até o chacra frontal do mesmo
-Desenhar um CR na altura do coração + 1 x CR
-Desenhar um CR dentro da boca com a língua + 3 x CR
-Colocar a mão esquerda no plexo solar e assoprar com força 1 x o topo da
cabeça, 1 x o coração e novamente 1 x no topo da cabeça
-Desenhar um CR grande indo da cabeça ao fim do tronco + 1 x CR
-Repor delicadamente as mãos do iniciante na altura do coração
-Desenhar o Raku do chacra da coroa até os pés ao longo da coluna vertebral + 1
x Raku
-Agradecer
-Ir ao próximo iniciante

402
132.3.Segunda Iniciação

-Mãos em prece na altura do coração


-Saudar o iniciante de forma mental (Namastê + Nome)
-Elevar as mãos do iniciante acima da testa
-Ir para trás do iniciante
-Desenhar HS perpendicular ao chacra coronal + 1 x HS
-Desenhar DKM perpendicular ao chacra coronal + 1 x DKM
-Desenhar CR paralelo ao chacra coronal + 1 x CR
-Apoiar mão no chacra coronal, repetir 3 x Mantra (HS + DKM + CR) e contar até
20
-Colocar os dois polegares encostados na sétima vértebra do iniciante e
apoiar as mãos nos ombros do mesmo + 3 x Mantra (HS + DKM + HS) e
contar até 20
-Tocar no ombro do iniciante e ir para a frente do mesmo sem perder contato
-Segurar com a mão esquerda as mãos do iniciante, envolvendo-as
-Desenhar em cima dos dedos um CR + 1 x CR
-Encaixar as pontas dos dedos entre os dedos do iniciante + 3 x Mantra (HS +
DKM + CR) e contar até 10
-Envolver com polegar e mão os dedos do iniciante até os polegares + 3 x Mantra
(HS + DKM + CR) e contar até 10
-Desenhar um CR em cima dos dedos + 1 x CR
-Conduzir as mãos do iniciante até o chacra frontal do mesmo
-Desenhar um CR na altura do coração + 1 x CR
-Desenhar um CR dentro da boca com a língua + 3 x CR
-Colocar a mão esquerda no plexo solar e assoprar com força 1 x o topo da
cabeça, 1 x o coração e novamente 1 x no topo da cabeça
-Desenhar um CR grande indo da cabeça ao fim do tronco + 1 x CR
-Repor delicadamente as mãos do iniciante na altura do coração
-Desenhar o Raku do chacra da coroa até os pés ao longo da coluna vertebral + 1
x Raku
-Agradecer
-Ir ao próximo iniciante

Terceira Iniciação

-Mãos em prece na altura do coração


-Saudar o iniciante de forma mental (Namastê + Nome)
-Elevar as mãos do iniciante acima da testa
-Ir para trás do iniciante
-Desenhar HS perpendicular ao chacra coronal + 1 x HS
-Desenhar DKM perpendicular ao chacra coronal + 1 x DKM
-Desenhar CR paralelo ao chacra coronal + 1 x CR
-Apoiar mão no chacra coronal, repetir 3 x Mantra (HS + DKM + CR) e contar até
20

403
-Colocar a mão direita no região occipital entre a medula oblongata e abaixo
do chakra coronal, + 3 x Mantra (HS + DKM + HS) e contar até 20
-Tocar no ombro do iniciante e ir para a frente do mesmo sem perder contato
-Segurar com a mão esquerda as mãos do iniciante, envolvendo-as
-Desenhar em cima dos dedos um CR + 1 x CR
-Encaixar as pontas dos dedos entre os dedos do iniciante + 3 x Mantra (HS +
DKM + CR) e contar até 10
-Envolver com polegar e mão os dedos do iniciante até os polegares + 3 x Mantra
(HS + DKM + CR) e contar até 10
-Desenhar um CR em cima dos dedos + 1 x CR
-Conduzir as mãos do iniciante até o chacra frontal do mesmo
-Desenhar um CR na altura do coração + 1 x CR
-Desenhar um CR dentro da boca com a língua + 3 x CR
-Colocar a mão esquerda no plexo solar e assoprar com força 1 x o topo da
cabeça, 1 x o coração e novamente 1 x no topo da cabeça
-Desenhar um CR grande indo da cabeça ao fim do tronco + 1 x CR
-Repor delicadamente as mãos do iniciante na altura do coração
-Desenhar o Raku do chacra da coroa até os pés ao longo da coluna vertebral + 1
x Raku
-Agradecer
-Ir ao próximo iniciante

132.4.Quarta Iniciação

-Mãos em prece na altura do coração


-Saudar o iniciante de forma mental (Namastê + Nome)
-Elevar as mãos do iniciante acima da testa
-Ir para trás do iniciante
-Desenhar HS perpendicular ao chacra coronal + 1 x HS
-Desenhar DKM perpendicular ao chacra coronal + 1 x DKM
-Desenhar CR paralelo ao chacra coronal + 1 x CR
-Apoiar mão no chacra coronal, repetir 3 x Mantra (HS + DKM + CR) e contar até
20
-Colocar uma das mãos na altura da medula oblongata e a outra no topo da
cabeça + 3 x Mantra (HS + DKM + CR) e contar até 20
-Tocar no ombro do iniciante e ir para a frente do mesmo sem perder contato
-Segurar com a mão esquerda as mãos do iniciante, envolvendo-as
-Desenhar em cima dos dedos um CR + 1 x CR
-Encaixar as pontas dos dedos entre os dedos do iniciante + 3 x Mantra (HS +
DKM + CR) e contar até 10
-Envolver com polegar e mão os dedos do iniciante até os polegares + 3 x Mantra
(HS + DKM + CR) e contar até 10
-Desenhar um CR em cima dos dedos + 1 x CR
-Conduzir as mãos do iniciante até o chacra frontal do mesmo
-Desenhar um CR na altura do coração + 1 x CR
-Desenhar um CR dentro da boca com a língua + 3 x CR

404
-Colocar a mão esquerda no plexo solar e assoprar com força 1 x o topo da
cabeça, 1 x o coração e novamente 1 x no topo da cabeça
-Desenhar um CR grande indo da cabeça ao fim do tronco + 1 x CR
-Repor delicadamente as mãos do iniciante na altura do coração
-Desenhar o Raku do chacra da coroa até os pés ao longo da coluna vertebral + 1
x Raku
-Agradecer
-Ir ao próximo iniciante

.Reiki – Segundo Grau – Iniciação / Sintonização

-Mãos em prece na altura do coração


-Saudar o iniciante de forma mental (Namastê + Nome)
-Elevar as mãos do iniciante acima da testa
-Ir para trás do iniciante
-Desenhar HS perpendicular ao chacra coronal + 1 x HS
-Desenhar DKM perpendicular ao chacra coronal + 1 x DKM
-Desenhar CR paralelo ao chacra coronal + 1 x CR
-Apoiar mão no chacra coronal, repetir 3 x Mantra (HS + DKM + CR) e contar até
20
-Colocar uma das mãos na altura da medula oblongata e a outra no topo da
cabeça + 3 x Mantra (HS + DKM + CR) e contar até 20
-Tocar no ombro do iniciante e ir para a frente do mesmo sem perder contato
-Separar as mãos do iniciante (destra ou sinistra)
-A mão do iniciante que não vai ser iniciada fica erguida e a outra que será
iniciada, pousar na mão com a palma virada para cima
-Desenhar o CR na palma da mão + 1 x CR
-Desenhar o CR na palma da mão – fortalecimento - + 1 x CR
-Bater na mão
-3 x CR + 3 x Mantra (HS + DKM + CR)
-Desenhar o SHK na palma da mão + 1 x SHK
-Desenhar o CR na palma da mão – fortalecimento - + 1 x CR
-Bater na mão
-3 x SHK + 3 x Mantra (HS + DKM + CR)
-Desenhar o HS na palma da mão + 1 x HS
-Desenhar o CR na palma da mão – fortalecimento - + 1 x CR
-Bater na mão
-3 x HS + 3 x Mantra (HS + DKM + CR)
-Juntar as mãos do iniciante
-Segurar com a mão esquerda as mãos do iniciante, envolvendo-as
-Desenhar em cima dos dedos um CR + 1 x CR
-Encaixar as pontas dos dedos entre os dedos do iniciante + 3 x Mantra (HS +
DKM + CR) e contar até 10
-Envolver com polegar e mão os dedos do iniciante até os polegares + 3 x Mantra
(HS + DKM + CR) e contar até 10
-Desenhar um CR em cima dos dedos + 1 x CR

405
-Conduzir as mãos do iniciante até o chacra frontal do mesmo
-Desenhar um CR na altura do coração + 1 x CR
-Desenhar um CR dentro da boca com a língua + 3 x CR
-Colocar a mão esquerda no plexo solar e assoprar com força 1 x o topo da
cabeça, 1 x o coração e novamente 1 x no topo da cabeça
-Desenhar um CR grande indo da cabeça ao fim do tronco + 1 x CR
-Repor delicadamente as mãos do iniciante na altura do coração
-Desenhar o Raku do chacra da coroa até os pés ao longo da coluna vertebral + 1
x Raku
-Agradecer
-Ir ao próximo iniciante

Reiki – Mestrado- Iniciação / Sintonização

-Mãos em prece na altura do coração


-Saudar o iniciante de forma mental (Namastê + Nome)
-Elevar as mãos do iniciante acima da testa
-Ir para trás do iniciante
-Desenhar HS perpendicular ao chacra coronal + 1 x HS
-Desenhar DKM perpendicular ao chacra coronal + 1 x DKM
-Desenhar CR paralelo ao chacra coronal + 1 x CR
-Apoiar mão no chacra coronal, repetir 3 x Mantra (HS + DKM + CR) e contar até
20
-Colocar uma das mãos na altura da medula oblongata e a outra no topo da
cabeça + 3 x Mantra (HS + DKM + CR) e contar até 20
-Tocar no ombro do iniciante e ir para a frente do mesmo sem perder contato
-Separar as mãos do iniciante (destra ou sinistra)
-A mão do iniciante que não vai ser iniciada fica erguida e a outra que será
iniciada, pousar na mão com a palma virada para cima
-Desenhar o CR na palma da mão + 1 x CR
-Desenhar o CR na palma da mão – fortalecimento - + 1 x CR
-Bater na mão
-3 x CR + 3 x Mantra (HS + DKM + CR)
-Desenhar o SHK na palma da mão + 1 x SHK
-Desenhar o CR na palma da mão – fortalecimento - + 1 x CR
-Bater na mão
-3 x SHK + 3 x Mantra (HS + DKM + CR)
-Desenhar o HS na palma da mão + 1 x HS
-Desenhar o CR na palma da mão – fortalecimento - + 1 x CR
-Bater na mão
-3 x HS + 3 x Mantra (HS + DKM + CR)
-Desenhar o DKM na palma da mão + 1 x DKM
-Desenhar o CR – fortalecimento - + 1 x CR
-Bater na mão
-3 x DKM + 3 x Mantra (HS + DKM + CR)
-Desenhar o Raku na palma da mão + 1 x Raku

406
-Desenhar o CR – fortalecimento - + 1 x CR
-Bater na mão
-3 x Raku + 3 x Mantra (HS + DKM + CR)
-Juntar as mãos do iniciante
-Segurar com a mão esquerda as mãos do iniciante, envolvendo-as
-Desenhar em cima dos dedos um CR + 1 x CR
-Encaixar as pontas dos dedos entre os dedos do iniciante + 3 x Mantra (HS +
DKM + CR) e contar até 10
-Envolver com polegar e mão os dedos do iniciante até os polegares + 3 x Mantra
(HS + DKM + CR) e contar até 10
-Desenhar um CR em cima dos dedos + 1 x CR
-Conduzir as mãos do iniciante até o chacra frontal do mesmo
-Desenhar um CR na altura do coração + 1 x CR
-Desenhar um CR dentro da boca com a língua + 3 x CR
-Colocar a mão esquerda no plexo solar e assoprar com força 1 x o topo da
cabeça, 1 x o coração e novamente 1 x no topo da cabeça
-Desenhar um CR grande indo da cabeça ao fim do tronco + 1 x CR
-Repor delicadamente as mãos do iniciante na altura do coração
-Desenhar o Raku do chacra da coroa até os pés ao longo da coluna vertebral + 1
x Raku
-Agradecer
-Ir ao próximo iniciante

Cuidados gerais

-Suavizar o hálito antes de entrar na sala de iniciação


-Ter sempre uma caixa de lenços de papel
-Ter sempre um copo com água para caso sentir sede
-Observar pessoas com aparelho auditivo ou óculos – pedir para retirar

Preparação do ambiente

-Posicionar-se no centro da sala de iniciação, desenhar um HS + 1 x HS


-Desenhar um CR + 1 x CR para cada canto da sala , as portas, o altar (se
houver), cada cadeira de iniciação e quaisquer objetos que a intuição mandar.
-Repetir os procedimentos acima se as iniciações forem divididas em grupos

Sugestão de Desenvolvimento de Curso/Iniciação - Primeiro Grau

Manhã do Primeiro Dia

• Com o ambiente montado, dispor as cadeiras/almofadas em círculo. O Mestre


deve se posicionar ao lado do altar.

407
• Providenciar copos de plástico com os nomes dos Iniciandos.
• Providenciar crachá com o primeiro nome de cada Iniciando.
• Apresentar-se.
• Pedir para cada Iniciando o nome completo, profissão e, principalmente num
breve relato, como chegou até o Reiki e quais as suas motivações.
• Perguntas dos Iniciandos relativas ao Reiki, avisar que estará no conteúdo.
• Explicar o que é o Reiki. Responder às dúvidas. Não se delongar. Não atribuir
mediunismo nem Entidades ao Reiki.
• Explicar a história do Reiki desde Mikao Usui até Phillys Lei Furumoto.
• Ética no Reiki.
• Explicar e ensinar o Auto-Reiki normal com 12 posições e posições alternativas
de mãos.
• Pedir para praticar.
• Fazer a Primeira Iniciação em grupos de máximo 4 Iniciandos.
• Prática do Reiki individual. Sessão completa.

Obs: Pausas deverão ser previamente combinadas.

Tarde do Primeiro Dia

• Explicar as técnicas utilizadas por Mikao Usui: Toque, Não Toque. Sopro,
Massagem, Percussão, Olhar, "Laser", etc.
• Explicar a Invocação, a Reverência à Energia, a Reverência à Pessoa, a
Conexão com a Energia e o Alisamento do Aura.
• Ensinar as posições da cabeça.
• Fazer a Segunda Iniciação na mesma ordem da Primeira, incluindo posições
nas cadeiras.
• Ensinar o Reiki de Cadeira.
• Praticar o Reiki de Cadeira, revezando.
• Troca de Reiki entre os Iniciandos, considerando Invocação, Reverências,
Conexão, Alisamento do Aura mas, somente na parte da cabeça. Sessão
completa.

Manhã do Segundo Dia

• Ensinar posições incluindo cabeça, tronco e posições alternativas nos


membros.
• Ensinar Alinhamento dos Chakras e Direcionamentos da Energia.
• Pedir para praticar entre os Iniciandos. Rápido.
• Fazer a Terceira Iniciação na mesma ordem da Primeira, incluindo posições
nas cadeiras.
• Troca de Reiki entre os Iniciandos, considerando Invocação, Reverências,
Conexão, Alisamento do Aura mas, somente na parte da cabeça, tronco e

408
membros. Alinhamento dos Chakras e Direcionamento da Energia. Sessão
completa.

Tarde do Segundo Dia

• Ensinar todas as posições incluindo cabeça, tronco, costas e posições


alternativas nos membros.
• Ensinar Alinhamento dos Chakras e Direcionamentos da Energia.
• Pedir para praticar entre os Iniciandos. Rápido.
• Fazer a Quarta Iniciação na mesma ordem da Primeira, incluindo posições nas
cadeiras.
• Troca de Reiki entre os Iniciandos, considerando Invocação, Reverências,
Conexão, Alisamento do Aura mas, somente na parte da cabeça, tronco,
costas e posições alternativas nos membros. Alinhamento e Reconstrução dos
Chakras e Direcionamento da Energia. Sessão completa.
• Ensinar o Reiki em Grupo. Apenas demonstração.
• Tirar dúvidas.
• Entrega dos Certificados.
• Encerramento.

Sugestão de Desenvolvimento de Curso/Iniciação Segundo Grau

Manhã do Primeiro Dia

• Com o ambiente montado, dispor as cadeiras/almofadas em círculo. O Mestre


deve se posicionar ao lado do altar.
• Providenciar copos de plástico com os nomes dos Iniciandos.
• Providenciar crachá com o primeiro nome de cada Iniciando.
• Apresentar-se.
• Pedir para cada Iniciando o nome completo, profissão e, principalmente num
breve relato, como chegou até o Reiki e quais as suas motivações.
• Pedir para cada Iniciando relatar suas experiências com o Reiki Primeiro Grau.
• Perguntas dos Iniciandos relativas ao Reiki Segundo Grau, avisar que estará
no conteúdo.
• Revisar em poucas palavras o Reiki Primeiro Grau. Responder às dúvidas.
Não se delongar. Não atribuir mediunismo nem Entidades ao Reiki Segundo
Grau.
• Mostrar e explicar os símbolos Cho Ku Rei, Sei He Ki e Hon Sha Ze Sho Nen.
• Ética no Reiki. Ex: não mandar Reiki à distância sem autorização, livre arbítrio,
etc.
• Pedir para praticar os símbolos. Primeiro em papel, depois em vários
tamanhos, incluindo: cabeça, palma das mãos (preparatório para o Mestrado)

409
Obs: Pausas deverão ser previamente combinadas.

Tarde do Primeiro Dia

• Pedir para praticar os símbolos por mais meia hora.


• Fazer a Iniciação do Reiki Segundo Grau.
• Ensinar a posição especial (nuca/cabeça) para o Reiki Segundo Grau.
• Troca de Reiki entre os Iniciandos considerando Reiki sem mensagem e Reiki
com mensagem com a pessoa presente, lembrando Invocação, Reverências,
Conexão, Alisamento do Aura, Alinhamento e Reconstrução dos Chakras.
Sessão completa (lembrar que Reiki Segundo Grau os tempos são menores e
somente na posição especial a demora é maior. Seguir intuição).

Manhã do Segundo Dia

• Troca de Reiki entre os Iniciandos considerando Reiki à distância sem


mensagem e Reiki à distância com mensagem sem a pessoa presente
(considerar que conforme o número de Iniciandos, separar em grupos que irão
praticar o Reiki à distância para um determinado Iniciando), lembrando
Invocação, Reverências, Conexão, Alisamento do Aura, Alinhamento e
Reconstrução dos Chakras. Sessão completa (lembrar que Reiki Segundo
Grau os tempos são menores e somente na posição especial a demora é
maior. Seguir intuição). Todos devem passar pela experiência de doar e
receber Reiki à distância. Considerar o tempo necessário para não ultrapassar
o horário de almoço/lanche.

Tarde do Segundo Dia

• Continuar a troca de Reiki entre os Iniciandos considerando Reiki à distância


sem mensagem e Reiki à distância com mensagem sem a pessoa presente,
para quem não tenha passado pela experiência de doar e receber Reiki
`distância.
• Ensinar a auto-aplicação.
• Ensinar a energização de objetos, plantas, água, ambientes, etc.
• Ensinar a Meditação de Cura Mundial. O grupo todo. Ter uma representação
do globo terrestre.
• Tirar dúvidas.
• Entrega dos Certificados.
• Encerramento.

410
Sugestão de Desenvolvimento de Mestres Reiki

Antes de tudo, é importante que o candidato a Mestre, mostre por meio de


originais/cópias os certificados de Primeiro e Segundo Grau do Sistema Usui de
Cura Natural ou como também é conhecido: Reiki Tradicional. Naturalmente, não
há nada contra que alguém que tenha recebido iniciações em outras modalidades
de Reiki (Tera-Mai, Seichim, Reiki Plus, Osho Reiki, Kahuna Reiki, The Way of the
Heart, Reiki Tibetano, Reiki Magnificado, Ken Reiki-Do, entre outros) tenha
desejos de ser Mestre no Reiki Tradicional, porém, explicar que a linha mestra a
ser seguida e ensinada será o Reiki Tradicional.

Deve-se considerar uma entrevista com o candidato a Mestre, para saber quais
seus objetivos, metas, qual o impulso que o leva a querer o Mestrado. Seguir sua
Intuição quanto à honestidade de propósitos do candidato.

O candidato a Mestre deve, se possível, freqüentar os seus cursos de Primeiro e


Segundo Grau para se familiarizar com a dinâmica dos mesmos.

Caso o candidato a Mestre não possa freqüentar os seus cursos, deve dar uma
pequena demonstração dos seus conhecimentos.

Manhã do Primeiro Dia

• Com o ambiente montado, dispor as cadeiras/almofadas em círculo. O


Mestre deve se posicionar ao lado do altar.
• Providenciar copos de plástico com os nomes do(s) candidato(s).
• Providenciar crachá com o primeiro nome do(s) candidato(s).
• Apresentar-se.
• Pedir para o(s) candidato(s). o nome completo, profissão e, principalmente
num breve relato, como chegou até o Reiki e quais as suas motivações.
• Pedir para o(s) candidato(s) relatar suas experiências com o Reiki Primeiro
Grau e Segundo Grau
• Perguntas do(s) candidato(s) relativas ao Mestrado, avisar que estará no
conteúdo.
• Revisar em poucas palavras o Reiki Primeiro e Segundo Grau. Responder
às dúvidas. Não se delongar. Não atribuir mediunismo nem Entidades ao
Mestrado.
• Revisar e explicar os símbolos Cho - Ku - Rei, Sei - He - Ki e Hon - Sha - Ze
- Sho - Nen.
• Explicar os símbolos Daí Koo Myo e Raku
• Pedir para praticar os cinco símbolos. Primeiro em papel, depois em vários
tamanhos, incluindo: cabeça, palma das mãos (principalmente).

Obs: Pausas deverão ser previamente combinadas.

411
Tarde do Primeiro Dia

• Pedir para praticar os símbolos por mais uma hora.


• Fazer a Iniciação em Mestre Reiki o(s) candidato(s).
• Falar sobre as Iniciações.
• Falar sobre o Ritual de Iniciação.
• Prática de Iniciação do Reiki Primeiro Grau.

Manhã do Segundo Dia

• Continuação da prática de Iniciação do Reiki Primeiro Grau.


• Prática de Iniciação do Reiki Segundo Grau.

Tarde do Segundo Dia

• Prática de Iniciação a Mestre Reiki.


• Considerações sobre desenvolvimento de Cursos/Iniciações em Reiki
Primeiro Grau, Reiki Segundo Grau e Mestrado.
• Tirar dúvidas.
• Entrega dos Certificados.
• Colocar-se à disposição para dúvidas ulteriores e acompanhamento de
Cursos/Iniciações. Neste caso, o novo Mestre Reiki, poderá freqüentar os
seus cursos para praticar a dinâmica. Caso o novo Mestre se sinta
inseguro, mas queira dar o seu próprio curso, colocar-se à disposição para
ajudá-lo didaticamente e com a sua presença, para corrigir in loco e em
"off", as eventuais falhas.
• Encerramento.

Técnicas e Adendos sobre o Reiki

Manipulação dos símbolos do Reiki

Nesta parte, queremos esclarecer como os símbolos do Reiki do Segundo Grau e


Mestrado podem ser manipulados. Aqui, principalmente, não há modos certos ou
errados de uso. O mais importante é que você descubra um jeito de trabalhar que
lhe sirva pessoalmente. Nós aprendemos e efetivamos com a ajuda dos nossos
sentidos.

Estes estão divididos em três grupos principais. Naturalmente, cada pessoa usa
todos os seus sentidos, mas um sentido em geral é mais forte do que os outros.
Você então é principalmente:

1. emotivo (este grupo inclui o sentido do tato, bem como o do paladar e do olfato)

412
2. auditivo

3. visual

Se você não sabe bem a que grupo pertence, feche rapidamente os olhos e
pergunte a si mesmo com qual sentido você percebe o seu meio ambiente de
modo mais intenso. Por exemplo: você percebe como o seu parceiro está se
sentindo ouvindo a voz dele, ou você percebe isso ao olhar para ele? Talvez você
o sinta também bastando que ele entre em casa? Você pode usar esse
conhecimento no trabalho com os símbolos do Reiki.

Em primeiro lugar, procure na lista que é apresentada mais abaixo o tipo e o modo
de trabalhar com os símbolos que lhe pareça mais fácil. Naturalmente, no trabalho
com os símbolos do Reiki, trata-se principalmente de dominar a forma escrita dos
símbolos. É claro que isso não combina com o sentido da audição! Assim que
dominar o trabalho com os símbolos, você pode começar a aperfeiçoar os outros
sentidos. Caso você não tenha muita aptidão visual, os exercícios de visualização
podem ajudar a expandir os seus horizontes. Se você não sente intensamente,
pegue diversos objetos de que goste bastante nas mãos e tente sentir-se parte
deles.

Se o seu sentido da audição não foi favorecido, imagine certos ruídos que goste
de ouvir. Passemos então à lista das diversas técnicas: Escreva o símbolo com
uma mão e repita-o três vezes no seu íntimo (emotivo). Escreva o símbolo com a
sua visão interior e repita-o três vezes no seu íntimo (visual). Escreva o símbolo
com a sua cabeça ou com todo o corpo e repita-o três vezes no seu íntimo
(emotivo).

Projete o símbolo com a sua visão interior como uma tela e repita-o três vezes no
seu íntimo (visual). Escreva o símbolo no céu da boca com a ponta da língua e
repita-o três vezes no seu íntimo (emotivo). Escreva o símbolo com sua mão ou
com um dedo na parte do corpo a ser tratada e repita-o três vezes no seu íntimo
(emotivo). Escreva o símbolo de algum dos modos descritos acima e deixe-o fluir
das suas mãos durante o tratamento (emotivo). Projete o símbolo com os seus
olhos para a parte desejada do corpo e repita-o três vezes no seu íntimo (visual).

Quando você trabalhar com alguém já iniciado no Segundo Grau de Reiki, você
também pode dizer o mantra em voz alta. Caso contrário, repita-o três vezes no
seu íntimo (auditivo). Vale sempre a mesma regra: escrever o símbolo uma vez e
repeti-lo três vezes no seu íntimo. No Reiki japonês, segundo o dr. Mikao Usui e o
dr. Chujiro Hayashi, os mantras de intensificação da força dos símbolos e dos
símbolos de cura mental não são pronunciados. Eles são vistos despretensiosa e
simplesmente no nome do símbolo.

A sra. Yamaguchi, uma mestre reiki em Kyoto comentou certa vez, os símbolos.
Ela disse: “A repetição dos mantras é como se você pegasse uma colher na mão
e, ao fazê-lo, repetisse ‘colher, colher, colher’!”

413
O trabalho com os símbolos do Reíki é muito disseminado na tradição ocidental.
Pela constante repetição dos mantras, estes desenvolvem vida própria, da qual
nós devemos tirar proveito. Todos nós temos determinados hábitos. Esses hábitos
são do tipo físico, mental ou emocional. Quando nós repetimos sempre uma
determinada ação, ela se transforma num hábito. O mesmo também vale
naturalmente para idéias e sentimentos.

A palavra hábito, na língua alemã bem como na inglesa, tem um sabor ruim,
porque na maioria das vezes nós a associamos às ações negativas. Seja como
for, essa não é toda a verdade. Também podemos cultivar hábitos positivos.

O mestre espiritual Osho dizia que, se quisermos transformar um ato num hábito,
isso exige de nós 60 minutos de exercício. Se você beber chá todos os dias no
mínimo durante 60 minutos —dentro de algumas semanas você será um “viciado
em chá”. Se você meditar todos os dias durante uma hora, isso também se tornará
um hábito. O uso dos símbolos do Reiki e dos respectivos mantras também pode
tornar-se um hábito, se você os usar todos os dias.

Quanto mais você trabalhar com os símbolos, tanto mais sucesso você terá com a
sua ajuda. Diz um antigo ditado: “A prática faz o mestre.” Assim como você tem de
treinar um músculo para que ele fique em ótima forma, e assim possa ser útil no
seu trabalho, você também tem de treinar o trabalho com os simbolos do Reiki. As
possibilidades são ilimitadas.

Segundo a experiência, é possível que em algum momento você se pegue


fazendo um tratamento à distância sem a ajuda dos símbolos do Reiki.
Primeiramente, os símbolos nos ajudam a voltar a nossa razão e energia como um
raio laser para um determinado ponto ou uma pessoa. Quando nós tivermos
aprendido isso, é possível que não precisemos mais de meios de ajuda. Mas isso
não é uma regra. Deve-se usar os simbolos do Reiki para transmitir energia,
quando eles se oferecem de modo natural para isso.

Tratamento à distância da personalidade na infância

Com esta técnica, tratamos situações de conflito da nossa infância ou de uma


outra pessoa. A nossa infância, principalmente os primeiros sete anos de vida, nos
formam como nenhum outro período da nossa vida. Crianças pequenas são
vulneráveis e receptivas para “bons” e “maus” padrões de comportamento, que se
impregnam nelas através do contato íntimo com outras pessoas na família, no
jardim-de-infância e na escola. Uma vez programados no nosso cérebro, esses
padrões aparecem no nosso procedimento durante o resto da nossa vida. A
maioria das pessoas se comporta como uma criança durante toda a vida. Mesmo
que você seja formado pelas experiências da sua infância, isso não o isenta da
responsabilidade. No momento em que você conhece o seu passado, você tem de
aprender a se desapegar desse passado e a viver neste momento. Como já dizia
o antigo ditado: “Cada um forja o próprio destino (mesmo que ele seja infeliz).”

414
Esta técnica traz o passado à luz, e isso nem sempre é agradável. Preparar quem
for trabalhado para a tristeza e a dor. Se estiver trabalhando com um cliente, você
deve obter o consentimento dele para o tratamento. Um descanso depois do
tratamento é necessário. Durante, ou logo depois do tratamento à distância, o
cliente não deve dirigir no trânsito ou fazer trabalhos arriscados que exijam
concentração total. Uma conversa ao telefone para encerrar pode ser apropriada.

• Segure uma foto sua ou da pessoa a ser tratada.

• Desenhe uma vez o símbolo do tratamento à distância sobre o seu terceiro


olho (ou o do cliente) e repita o respectivo mantra três vezes no seu íntimo.

• Repita três vezes o próprio nome (ou o nome do seu cliente), e o período
de tempo de que se trata. Quanto mais exato esse período de tempo puder
ser, tanto melhor.

• Desenhe uma vez o símbolo da cura mental sobre o coração da pessoa


retratada e repita no seu íntimo três vezes o mantra correspondente

• Deixe o símbolo de cura mental fluir da sua mão para a fotografia.

• Estabilize o todo com o símbolo de intensificação de energia (desenhar


uma vez, repetir o mantra três vezes).

Proteção para o corpo com o Cho ku rei

A nossa aura é o nosso escudo de proteção. Assim como um escudo de proteção


protegia muitos cavaleiros antigos de ferimentos mortais, uma aura intacta nos
fortalece e protege. Esta técnica ajuda a tornar a sua “aura mais forte” e a lhe dar
mais segurança. Quando essa segurança falta por natureza, você deve lançar
mão de outras técnicas que possam ajudar a estruturá-lo.

• Fique descontraído, com os dois pés paralelos, e respire algumas vezes


profundamente.

• Desenhe uma vez o símbolo de intensificação da energia do modo mais


confortável e repita três vezes no íntimo o respectivo mantra.

• Erga as mãos com as palmas voltadas para você e abaixe-as lentamente —


como faria com uma persiana pela frente do seu corpo até o chão.

• Desenhe mais uma vez o símbolo de intensificação da energia, repita três


vezes no seu íntimo o mantra; da mesma forma, deixe a energia descer
pelas costas como se abaixasse uma persiana.

415
• Repita o mesmo processo uma vez do lado esquerdo e outra do lado direito
do corpo. A seqüência não importa.

Toque homeopático com o Reiki

Segundo a lei de Arndt-Schulze conhecida pela psiquiatria e pela biocibernética,


pequenos impulsos estimulam a atividade vital e grandes impulsos a inibem e os
maiores paralisam, isto é, têm uma influência destrutiva. Com os impulsos suaves
e calmos do toque homeopático nós avivamos a atividade vital. A atenção da
consciência física é voltada para o local tratado — e a energia vital flui para onde
está a atenção. Desse modo, o local tratado com o toque homeopático é incluído
outra vez no metabolismo energético do corpo. Isso também provoca praticamente
um aumento da irrigação sangüínea e, em geral, uma inclusão melhorada também
do respectivo local no metabolismo do plano material. Nas últimas décadas, foram
reunidos muitos resultados do trabalho de pesquisa da ainda bastante jovem
ciência da psicoimunologia sobre os efeitos positivos dos toques suaves e calmos
no estado geral da saúde.

A capacidade receptora do corpo pode ser bastante aumentada com o toque


homeopático. Desse modo, podemos visar efeitos mais abrangentes e rápidos do
Reiki, Não obstante, na maioria dos casos, não é possível apenas com esta
técnica eliminar totalmente os fortes medos, profundamente arraigados, a cura de
crenças que atuam em contrário à cura e outros grandes bloqueios semelhantes.
Nesse caso, recomenda-se, além de conversas esclarecedoras, trabalhar também
com outros métodos de Reiki, como a cura sistemática dos chakras.

Justamente nas doenças crónicas, técnicas como o toque homeopático e a


abertura dos chakras podem ser decisivos para o sucesso do tratamento. Também
os traumas antigos, encapsulados na musculatura, e as emoções reprimidas
muiras vezes precisam destas técnicas para poderem ser liberados e
harmonizados.

A técnica:

• Toque suavemente na região a ser tratada

• Faça movimentos circulares e na forma de traços em diferentes direções,


que devem ser muito suaves, calmos e ientos. Deixe que a sua intuição o
conduza; deixe-se levar pela sua capacidade de empada em vez de pela
razão.

• Para terminar, afaste suavemente as mãos da superfície do corpo.

Conforme a intensidade do bloqueio da região tratada e do quanto a intensificação


do tratamento com o Reiki é desejada, entre 30 segundos e 5 minutos.

416
Os movimentos devem necessariamente ser suaves, calmos e regulares. Só trate
locais feridos na aura a um palmo de distância.

Limpeza kármica com o Reiki

Nós somos o produto de todas as nossas experiências do passado. Como todos


sabem, essas experiências têm muitas camadas. Eias são boas e más, saudáveis
e doentias, belas e horrorosas. Seja qual for a experiência, ela o formou e o trouxe
com todos os seus cumes e planícies até este momento. Muitas dessas
experiências, no entanto, deixaram um sabor amargo no seu íntimo. Esta técnica
pode dar-lhe o impulso para eliminá-lo.

Ninguém nunca pode mudar o que já aconteceu. Contudo, com esta técnica você
pode conseguir integrar experiências desagradáveis no seu íntimo e, com isso,
transformá-las a seu favor. A vida não conhece as impressões morais criadas por
nós, seres humanos — ela só conhece a energia. E essa energia está além do
bem e do mal. Sempre que possível, você deve entrar em contato com a pessoa
com a qual tem assuntos pendentes e deixar as coisas às claras. Se essa pessoa
já for falecida ou se você a perdeu de vista, então a limpeza do karma é a técnica
certa.

Com limpeza não queremos dizer transformar o acontecido em algo que não
aconteceu.

Podemos fazê-lo mais suportável e ainda desfazer a tristeza que isso possa ter
causado.

A técnica:

• Desenhe o símbolo do tratamento à distância uma vez e repita três vezes


no seu íntimo o respectivo mantra.

• Repita três vezes o nome do seu cliente, a situação, o local ou o nome


daquilo que você quer curar.

• Desenhe o símbolo da cura mental uma vez e repita três vezes o respectivo
mantra

• Estabilize tudo com o símbolo da intensificação da energia (desenhar uma


vez, repetir três vezes o mantra).

• Peça desculpas ou se desculpe junto aos outros.

• Transmita Reiki à situação.

417
• Depois do tratarnento, use a técnica Kenyoku ou esfregue as mãos com
força durante um minuto, a fim de separar-se do seu receptor ou de você
mesmo (a).

Duração De 10 a 15 minutos, no mínimo, durante uma semana, diariamente, ou


até você ter a impressão de que o caso está encerrado.

Observa que é necessário descansar depois. Durante ou logo depois da sessão,


você não deve dirigir no trânsito ou fazer trabalhos perigosos que exijam toda a
sua concentração. Depois da sessão, pode ser importante falar com alguém em
quem você confia. Esta técnica pode trazer coisas desagradáveis do passado à
superfície. Prepare-se para as lágrimas e os sentimentos forres

Se quiser tratar uma situação da sua infância ou de uma vida passada, esta
técnica é o instrumento perfeito.

Como tratar pessoas em coma com o Reiki

Um coma não é necessariamente o que parece ser. Muitas vezes os pacientes


comatosos estão conscientes num plano muito mais profundo. Até certo grau, eles
podem perceber o que acontece ao redor. Por isso, quando for possível, converse
também em voz alta com o cliente.

Vale a pena tentar: pergunte ao cliente se ele ouve você. Veja se à sua pergunta
uma pálbebra se move, um dedo se estica ou o ritmo da respiração se modifica.

Técnica:

Sente-se ou fique em pé descontraído, com ambos os pés paralelos e respire


várias vezes ptofundamente.

• Desenhe uma vez o símbolo de tratamento à distância do modo mais


confortável e repita mentalmente três vezes o respectivo mantra.

• Repita três vezes o nome do receptor.

• Diga: “Eu estabeleço contato com a consciência de... (nome do receptor).”

• Desenhe o símbolo de cura mental uma vez e repita mentalmente três


vezes o respectivo mantra.

• Sele o todo com o símbolo de intensificação da energia (desenhar uma vez,


repetir três vezes o mantra).

Constata-se, em alguns casos, que depois de alguns minutos desenvolve-se um


silencioso diálogo entre o cliente e o agente de cura. Esse diálogo pode ocorrer

418
emotivamente no seu íntimo. Pergunte mentalmente ao seu receptor o que você
pode fazer por ele. É possível que você seja impedido de tratar determinadas
partes do corpo do receptor.

Siga a sua intuição e durante o tratamento preste atenção à linguagem corporal do


receptor. Também é possível que você se entretenha intimamente com o seu
receptor. Pode acontecer da pessoa em coma ter medo da morte e lhe pedir
instruções sobre a arte de morrer. Um tratamento como esse requer uma cabeça
clara, e o primeiro pressuposto para isso é você não ter medo da própria morte.

Também acontece de o cliente lhe pedir para você lhe dar força e energia para
morrer. Isso você pode fazer com um tratamento de corpo inteiro, ou — se houver
pouco tempo — com o tratamento do Tanden (dois a três dedos abaixo do
umbigo).

Para o agente de cura, duas coisas são especialmente importante nesta técnica.
Em primeiro lugar: a sua posição diante do receptor, da vida e da morte. Nós não
sabemos o que é bom para o receptor. Quando chegar a hora, a morte é o melhor
para ele, e seria injusto interferir. Em segundo lugar: a sua posição interior diante
de você mesmo. Você não pode nem deve tirar o sofrimento de ninguém. Depois
do tratamento, você deixa o receptor onde ele estiver, e continua vivendo.
Repouso postetior é necessátio para o agente de cura. Depois do tratamento, diga
ao seu receptor no seu íntimo: “E agora eu me retiro do seu destino com respeito
e amor.”

Meditação com o símbolo do mestre

Com este método, você pode ligar-se (outra vez) à circulação cósmica em alguns
minutos. Depois de algum tempo praticando a meditação, ela se torna uma
necessidade para muitas pessoas, comparável talvez à fome de alimento
espiritual. Esta técnica não se limita à meditação silenciosa. Você pode usá-la
quantas vezes quiser, em todas as situações da vida. E para isso, naturalmente,
não precisa necessariamente sentar-se.

• Sente—se confortavelmente sem ser perturbado durante o tempo que


quiser. Convém sentar-se na posição de lótus ou de meio lótus, mas isso
não é imprescindível.

• Respire algumas vezes profundamente e, com a mão dominante, desenhe


tão grande quanto possível o símbolo do mestre de Reiki no ar, acima do
chakra da coroa. Repita mentalmente três vezes o respectivo mantra.

• Eleve os braços acima da cabeça tão retos quanto possível na direção do


céu e junte as mãos acima do chakra da coroa.

419
• Fique um momento nessa posição; então, deixe ambos os braços
descerem ao mesmo tempo em câmara lenta, cerca de 20 centímetros à
esquerda e à direita da sua cabeça. Ao fazer isso, imagine que introduz o
símbolo do mestre na sua aura. Continue fazendo isso até os seus braços
chegarem embaixo, bem esticados, com a ponta dos dedos apontando para
o chão.

• Sente-se durante o tempo planejado conforme a sua condição física. A


meditação não deve ser nenhuma tortura, mas uma alegria. Reservar cinco
minutos só para si mesmo dá qualidade totalmente nova ao dia. Se, de
início, você achar dificil ficar sentado, tenha paciência e deixe o seu corpo
determinar o tempo da meditação. Depois de alguns meses, você achará
fácil ficar sentado dttrante cerca de 30 ou até mesmo de 60 minutos, sem
sentir tédio.

É necessário descansar depois. Logo depois da meditaçáo, você não deve


dirigir ou executar trabalhos perigosos que exijam concentração total. Depois
da meditação, espere no mínimo 15 minutos, para mergulhar outra vez na
“seriedade da vida”. Se você se coloca na luz do símbolo do mestre, você pode
despertar ao menos temporariamente desse sonho. A luz divina já está em
você e, com o uso do símbolo do mestre, ela é realmente ativada, isto é,
trazida à consciência.

Você só pode desligar o diálogo interior com a ajuda de uma técnica de


meditação, mas, o que você pode fazer com a ajuda desta técnica, é criar uma
distância entre você e a ininterrupta tagarelice interior na sua cabeça. Assim que
você tomar consciência disso, você sabe que você e o seu diálogo interior são
dois processos diferentes. E entáo, começa o verdadeiro trabalho. Quem é você,
quando não é os seus pensamentos, os seus sentimentos, o seu corpo?

Muitos concordarão: no momento em que você se senta para meditar; o diálogo


interior realmente parece florescer Quanto mais você tenta meditar, tanto mais
difícil torna-se a meditação. Com o símbolo do mestre, com a rapidez de segundos
você mergulha na mais bela luz do mundo. Se você sentir que o diálogo interior
quer se impor outra vez, desenhe mais uma vez o símbolo do mestre e deixe-se
iluminar pela sua luz: ela aproximará você de você mesmo.

Contato psíquico com o Reiki

Esta técnica é para casos de emergência. Se você quiser experimentá-la por


brincadeira, só o faça depois de conversar e obter o consentimento da pessoa que
você quer alcançar. Você pode combinar que ela telefone para o seu celular, no
momento em que ela sentir que fez contato mental com você.

Com esta técnica, você pode unir-se psiquicamente a toda criatura viva da sua
escolha. Ela é usada principalmente para estabelecer contato com pessoas que,

420
por alguma razão, não podem ser alcançadas. Quando a sua atenção está
centrada no chakra da testa, sonho e realidade ligam-se formando um todo. Isto é,
você pode manifestar o que deseja realizar, a partir desse centro de energia. Aqui
o belo e o perigoso estão outra vez muito próximos.

Antes de você usar esta técnica com alguém a quem conheça muito pouco,
experimente com uma pessoa do seu círculo de amigos ou familiares. Esta técnica
náo é um truque para festas, e só deve ser usada com seriedade. Transmitir uma
notícia a outra pessoa, na qual a pessoa envolvida não tem interesse, é
manipulação e absolutamente não é recomendado.

Quando você aprender a centralizar os seus pensamentos, esta técnica de entrar


em contato com pessoas e animais no plano psíquico também funciona sem o
Reiki.

• Sente-se tão confortavelmente quanto possível no lugar em que ficará


durante 3 a 10 minutos sem ser perturbado.

• Concentre-se na pessoa (ou animal) com quem ou com o qual você quer
estabelecer contato.

• Desenhe o símbolo de tratamento à distância uma vez e repita três vezes o


respectivo mantra.

• Desenhe o símbolo de tratamento à distância mentalmente sobre o terceiro


olho da pessoa (ou do animal) que você quer alcançar.

• Repita três vezes no seu íntimo o nome da pessoa (ou do animal) a ser
contatado.

• Concentre-se no seu terceiro olho e repita três vezes: ‘Assim entro em


contato com..” (nome da pessoa ou do animal).

• Transmita o seu tecado à pessoa (animal). Por exemplo, se você quer


alcançar o seu parceiro, diga: “...(nome da pessoa), telefone-me assim que
possível”; ou “...(nome da pessoa), volte para casa o mais depressa
possível.”

• Desenhe o símbolo de cura mental uma vez, repita três vezes no seu íntimo
o respectivo mantra e envie-o para a pessoa (ou o animal)..

• Estabilize o todo com o símbolo de intensificação da energia (desenhar


uma vez, repetir três vezes no seu íntimo o mantra).

421
Limpeza de aposentos com os símbolos de Reiki

As energias negativas não são “negativas” afinal. De fato, elas vibram numa
freqüência que não é compatível com a nossa. O Reiki é compatível com todas as
criaturas vivas. Portanto, você pode tratar todas as moradias e lugares sem
hesitar. Neste caso, o Reiki atua como o aparelho de contagem de um tacômetro.
Você pode restabelecer a vibração energética natural de um lugar com ele.
Naturalmente, com o decurso do tempo, o lugar é novamente embebido pela
energia das pessoas que habitam nele.

Esta técnica pode limpar um aposento ou uma casa. Se, entretanto, o fator de
perturbação voltar, o antigo distúrbio provavelmente se instalará outra vez. Se
houver fantasmas num quarto ou casa, sugiro evocar o “espírito” com os símbolos
do Reiki do Segundo Grau, pedindo que ele pare com a insensatez. Os espíritos
são uma personificação dos próprios pensamentos, que adquiriram vida própria
pela constante repetição, ou são resquícios de uma pessoa que morreu
subitamente. Nesse tipo de trabalho, é importante não ter medo e saber sempre
quem tem a palavra: os vivos.

• Posicione-se descontraído, no centro do aposento que quer limpar com os


dois pés paralelos, e respire algumas vezes profundamente.

• Desenhe uma vez, no centro do aposento, o símbolo Hon Sha Ze Sho Nen
e repita mentalmente três vezes o respectivo mantra.

• Imprima, depois de repetir três vezes o mantra, o símbolo de intensificação


da energia (Cho Ku Rei), para canto do aposento, sem precisar se
aproximar das paredes.

• Repita os três primeiros passos em cada canto dos outro aposentos.

• Uma variação dessa técnica é verificar qual é o ponto central de uma casa
e repetir os mesmos passos acima.

Caso estejam presentes pessoas não-iniciadas no Reiki, desenhe o símbolo Cho


Ku Rei mentalmente e projete-o com os olhos ou com o chakra da testa pata todos
os quatro cantos do quarto.

Esta técnica ajuda a libertar aposentos e casas inteiras de vibrações


desagradáveis. Caso você viaje muito, experimente-a nos quartos de hotéis. Se
você trabalha num hospital, limpe o quarto cada vez que um paciente tiver alta ou
morrer.

422
Proteção contra os vampiros de energia

Esta técnica não ajuda você a superar situações desagradáveis, pois ela é só um
curativo, uma medida de primeiros-socorros. A melhor medida de proteção
consiste simplesmente em ser você mesmo e deixar todo o negativo dirigido na
sua direção fluir através de você. Mas até você aprender isso, use tranqüilamente
as técnicas de proteção descritas aqui.

Ao visitarmos um doente num hospital, todos nós já fizemos a experiência: de


repente, você perde o gás, as reservas de energia acabam subitamenre e, de
preferência, você se deitaria no primeiro leito vago... Isto também pode acontecer
na presença de uma pessoa saudável. Quando você se sentir exaurido e cansado
na presença dela, pode ser uma boa idéia evitar o contato com essa pessoa. Se
isso não for possível, use esta técnica. Caso você sinta os maus pensamentos das
outras pessoas, você precisa aprender a livrar-se deles.

Na maioria dos casos, a queda do nosso espelho de energia tem relação com nós
mesmos. Portanto, evite atribuir a responsabilidade às outras pessoas.

• Assim que você perceber que a sua energia é sugada por alguém, ou que
você é atacado psiquicamente, desenhe uma vez o símbolo de
intensificação da energia e repita três vezes no seu íntimo o respectivo
mantra.

• Feche então a veneziana criada pelo símbolo de intensicação da energia


entre você e a pessoa envolvida.

Proteção contra ferimentos anímicos com o Reiki

Esta técnica constrói o seu sistema imunológico anímico e, com um pouco de


prática, você pode tornar-se independente dos ataques anímicos das outras
pessoas. Em todo caso, nem mesmo com a ajuda do Buddha Amida você pode
obrigar alguém a ser feliz. Portanto, ataques anímicos não são impedidos com
esta técnica, mas você aprende a lidar melhor com eles. Quanto mais sensível
uma pessoa fica, tanto maior é o sofrimento que ela é capaz de suportar. Contudo,
na mesma medida também aumenta a receptividade para a alegria e a felicidade

Em sua energia original, o símbolo de cura mental representa o Buddha Amida no


templo Kurama em Kyoto, o Buddha do amor e da compaixão. Pela evocação
desse símbolo nós nos unimos com um Forte patrono espiritual de proteção.

• Sente-se ou fique confortavelmente em pé, e respire algumas vezes


profundamente.

• Desenhe uma vez o símbolo de cura mental e repita três vezes no seu
íntimo o respectivo mantra.

423
• Imponha mentalmente o símbolo sobre o seu coração ou sobre o coração
do receptor e sinta a energia.

• Estabilize o todo com o símbolo de intensificação da energia (desenhar


uma vez, repetir três vezes no íntimo o mantra).

• Concentre-se na região do coração, sinta como o seu coração se abre e o


chakra cardíaco é ativado e fortalecido pelo símbolo.

• Deixe a energia fluir.

Esta técnica também pode ser usada como tratamento à distância. Como já
mencionado, você deve ter o consentimento do receptor para fazê-lo. Um
descanso posterior é necessário. O receptor não deve dirigir durante ou logo
depois da sessão, ou executar trabalhos perigosos que exijam total concentração.
Pode ser importante conversar com alguém em quem você confia, depois do
tratamento.

Como tratar situações do futuro com o Reiki

Passado, presente e futuro são três partes de um todo harmonioso eterno. P. D.


Ouspensky, um discípulo do místico russo Georg Gurdjieff, explica o fenômeno do
tempo da seguinte maneira, num dos seus livros. O tempo é como uma roda com
muitos raios. No nosso estado normal de consciência, só percebemos um raio de
cada vez, embora todos os outros raios estejam presentes ao mesmo tempo. Isto
é, o passado, o presente e o futuro são um.Por isso, podemos trabalhar com
sucesso em todos os três tempos com o Reiki.

O Reiki serve para o maior bem de todos os envolvidos numa situação. Às vezes,
você não consegue um emprego que gostaria de ter. exatamente porque pode
aprender mais em outro. Muitas vezes, pela mesma razão, os seus sofrimentos
não são suavizados. Mas você pode ter certeza que no Grande Plano sempre o
melhor está determinado para você. Neste contexto, veja as palavras do sábio
hindu Sri Ramakrishna: “Entregue a Deus (ou à existência) o poder total sobre
todas as decisões na sua vida. Então você será verdadeiramente feliz.”

• Pode-se de comparar esta técnica com o modo como você instala um


gravador de vídeo para que ele grave determinado programa durante a sua
ausência.

• Sente-se confortavelmente e respire algumas vezes profundamente.

• Desenhe uma vez o símbolo dc tratamento à distância e repita três vezes


no seu íntimo o respectivo mantra.

424
• Repita três vezes o nome ou a descrição da situação que você quer tratar
com o Reiki. Diga: “De... (início do horário) até... (final do horário) por favor,
dar energia a essa situação.”

• Desenhe urna vez o símbolo da cura mental, repita o mantra mentalmente


três vezes e o dê à situação.

• Estabilize o todo com o símbolo de intensificação da energia (desenhar


uma vez, repetir três vezes o mantra)

Caso trate outra pessoa, você deve primeiro como em rodas as técnicas de
tratamento à distância — ter o consentimento do receptor para enviar o Reiki. Se
você envia o Reiki para uma situaçáo do futuro, em que você mesmo e outras
pessoas estejam envolvidas, envie a energia apenas para você. Seja corno for,
você também pode enviar o Reiki como um sacrifício, assim como acende uma
vela na igreja. Neste caso, você envia o Reiki para a situação e diz
adicionalmenre: “Que esta energia possa ser captada por aquele que quiser
recebê-la.”

Sexo com o Reiki

Esta técnica é usada para ter mais alegria e harmonia no sexo. Em toda situação
de vida é útil que as pessoas participantes tenham um campo de vibração
parecido. Com esta técnica, duas pessoas podem unir-se do modo mais íntimo e,
ao menos passageirantente, desligar a dualidade da vida individual A técnica
especial para homens baseia-se em que a ejaculação precoce é um mal muito
disseminado, que pode ser curado. O Reiki faz o ser humano retornar ao seu
estado existencial natural - e esse estado é descontraído e feliz.

Antes de você ir para a cama com o seu parceiro, ou quando já estiverem


deitados, desenhe uma vez o símbolo de tratamento à distância, repita três vezes
o respectivo mantra e o nome de vocês dois; envie o Reiki para o tempo da união,
ou para o quarto ou lugar em que estiverem, seja ele qual for. Em seguida envolva
ambos numa pirâmide de energia. Estabilize o todo com o símbolo de
intensificação da energia. O resto vocês mesmos têm de descobrir.

Para os homens: Quando fizer tempo que você nâo esteve com uma mulher, ou
se você sofrer de ejaculação precoce, desenhe mentalmente o símbolo de
intensificação da energia e envie-o para a raiz do pênis.

Problemas sexuais, na maioria das vezes, não têm relação com o corpo fisico e
devem ser tratados por um terapeuta amoroso e experiente. De acordo com a
experiência, não se deve falar sobre esses problemas com os amigos, porque o
parceiro pode sentir-se traído em sua confiança. Em todo caso, deve-se conversar
primeiro com ele. Esta técnica ajuda especialmente parceiros inexperientes e
aqueles que ainda não se conhecem bem, nem ao seu corpo.

425
Técnica das Bolas Douradas

Essa técnica, batizada de Técnica das Bolas Douradas, foi canalizada por Cristina
Tomé Kreinski, uma sensitiva extraordinária, logo após o seu contato com os
símbolos de Reiki.

Observando-se a técnica que efetivamente funciona, vemos que a exemplo de


cirurgias convencionais, o doador de Reiki, “abre” um campo cirúrgico no doador,
onde então é feito uma incursão de energia Rei, conforme a necessidade do
receptor:

• Entrar em contato com a energia Reiki.

• Formar-se um círculo dourado (como um aro) em volta do corpo da pessoa


na altura do chakra a ser tratado ou mesmo do órgão doente.

• Fazer surgir três bolas douradas (visualizar).

• Em cada bola, por vez, é gravado o yantra - são eles: Cho Ku Rei, Sei He
Ki e Hon Sha Ze Sho Nen. Cada bola de luz, nesse processo, continua
girando em sincronicidade com o giro do chakra. Eventualmente, conforme
a necessidade, faz-se a visualização de uma bola adicional e grava-se o
Dai Ko Myo.

• Cada vez gravar um yantra, emitir-se-á o mantra correspondente 3 vezes.

• Enviar o primeiro símbolo na bola dourada, chamando-o pelo seu mantra


uma vez, para dentro do corpo, através do aro formado em cima do chakra
ou órgão doente (a visão é como se ele explodisse lá dentro e a luz
permeia a tudo).

• Enviar o segundo (mesmo processo).

• Enviar o terceiro (mesmo processo).

• Enviar o quarto, se necessário (mesmo processo).

• As bolas podem então tomar cores correspondentes ao chakra, mas à volta


da bola, a cor sempre terá o dourado.

• Em todos os que são enviados, visualizar que na explosão os símbolos


quando viram luz penetram todo o espaço doente e se instalam,
agregando-se às células, ou em todos os corpos sutis que são
interpenetrados pelos chakras.

426
• Note-se também que quando se imprime o símbolo nas bolas eles vêm do
alto, mas quando são impressos nas bolas o são através dos que estão
impressos no frontal. Nota:é como se os símbolos do alto viessem e
traspassassem para as bolas através dos que temos sempre marcados no
frontal.

• Depois disso a energia Rei fica ali nas células e não existem mais aro nem
bolas douradas.

• Desconectar da energia Rei.

427
Como Localizar as Vértebras

A coluna vertebral se subdivide em sete vértebras cervicais, doze vértebras


torácicas e cinco vértebras lombares.

A primeira vértebra cervical se localiza na medula oblonga e a última forma uma


saliência na extremidade inferior do pescoço. Você pode localizá-la facilmente
encostando o queixo no peito e tocando esse ponto do pescoço com a mão.

A primeira vértebra torácica está imediatamente abaixo da sétima cervical; a


última está no ponto onde a costela mais baixa encontra a coluna espinhal. As
vértebras lombares começam logo em seguida e terminam no sacro. Se tocar as
costas estando inclinado para a frente, você perceberá onde se localiza a vértebra
lombar mais baixa.

Maneira mais fácil de encontrar as vértebras cervicais e torácicas: localize a


sétima vértebra cervical ( Vertebra Prominens, também chamada C7) e desse
ponto movimente-se para cima ou para baixo ao longo da coluna vertebral,
sempre tendo como critério a distância correspondente à largura de dois dedos.

428
Nem todas as pessoas têm vértebras claramente definidas. Maneira mais fácil de
localizar as vértebras lombares ou as torácicas mais baixas: encontre a saliência
do ilíaco (o osso mais alto da pelve acima do quadril, aproximadamente no nível
do umbigo). Siga uma linha reta desse ponto até a coluna. Aqui você terá a quarta
vértebra lombar. Movimente-se para cima ou para baixo da coluna numa distância
correspondente à largura de 2,5 a 3 dedos para localizar as demais vértebras
lombares ou as vértebras torácicas inferiores. A distância para as vértebras
torácicas inferiores é em geral correspondente à largura de dois dedos. O corpo
das vértebras também tem várias dimensões, de acordo com o tamanho do corpo
da pessoa. Mesmo um profissional deve contar as vértebras.

429
Alta Magia e o Reiki

Técnica complementar, o Reiki pode ser aliado a quaisquer outras terapias, tais
como: homeopatia, Alopatia, Medicina Chinesa, Antroposofia e/ou tratamentos,
tais como: shiatsu, tuiná, massagens, do-in, massagens em geral, massoterapia,
musicoterapia, acupuntura, radiestesia, radiônica, ioga entre tantas outras.

Agora, porque não alta magia?

Em meu caminho encontrei uma pessoa que me iniciou em alta magia (mago,
bruxo, ou como se queira designar). Comecei a utilizar esses recursos em
conjunto com o reiki, ainda acrescentados à utilização de bastões atlantes
(radiônica).

Notei para minha grata surpresa, que os resultados obtidos com o reiki foram
surpreendentes mais positivos e rápidos.

Não é minha intenção elaborar um novo método ou ainda, um “novo tipo de reiki”,
com batismo e tudo, como se faz atualmente, explicado e esmiuçado, porém tão
somente colocar uma idéia, para os corações buscadores de novas formas de
ajudar-se a ajudar o próximo.

Então? Você quer se tornar um praticante de alta magia? Antes de tomar essa
decisão reflita muito bem sobre os motivos que o levam a tomar tal decisão.

Nenhum mago produz efeitos especiais. A alta magia, desde que bem
compreendida seus mistérios e problemas inerentes, é capaz de religar o Homem
ao Sagrado e a si mesmos, tornando-os melhores. A magia é um caminho, uma
filosofia e uma atitude de vida que envolve consciência ecológica,
responsabilidade social e libertação dos grilhões da ignorância e dos preconceitos
transmitidos a nós como verdades absolutas.

O primeiro passo para se tornar um mago é se desprender de suas atitudes


intolerantes, abrindo-se à mudança na sua vida.

Muitas pessoas perguntam qual o objetivo da alta magia. Poder-se-ia enumerarem


vários. Eles não são apenas um resgate pessoal e ao sagrado, mas também a
busca da totalidade. Se buscarmos no dicionário, vamos constatar que a palavra
totalidade significa o conjunto de partes que formam os todos; soma.

Quando se busca a totalidade através da alta magia, invariavelmente o Sagrado


responde e ensina todos os caminhos pelos quais será possível atingir sua
Essência e iniciar o processo de cura interior e onde se alcançando aos poucos
esse objetivo a cura dos males que afligem a humanidade.

430
A alta magia nos ensina e auxilia a reunir, tornarem completas e curadas todas as
partes do ser para que assim possamos ajudar a continuar o trabalho de cura no
mundo.

Tornar-se um ser total nem sempre é algo fácil. Muitas vezes é preciso reconhecer
aquilo que se tem de melhor e pior, aprender a lidar com todas as partes de ser de
forma a não prejudicar a si mesmo e aos outros.

Para que a totalidade se estabeleça em cada pessoa, é preciso que o poder do


entendimento não se limite à subjetividade e aos preconceitos herdados de
séculos de incompreensão. Ainda é preciso que se olhe com os olhos dos outros e
que se mantenha de mente e coração abertos para mudanças dentro e fora de
cada um. Isso torna tudo mais fácil, pois só é possível compreender certas
atitudes quando se admite agir de forma semelhante ao outro no caso de
situações parecidas. Isso só é possível quando não mais disfarçamos o selvagem
que existe em nosso interior, mas, ao contrário, aprendemos a nos relacionar com
ele.

Os caminhos da alta magia nos ensinam a compreender e aceitar quem se é


verdadeiramente ajudando a recuperar a auto-estima e afastando culpas, medos e
ressentimentos que limitam e impede do Homem alcançar a totalidade.

Se alguém se diz conectado coma alta magia, mas age preconceituosa ou


sectária, decerto nenhuma conexão se estabeleceu e isso vale para o Reiki, pois
isso é uma condição clara da falta de aceitação de seus anseios e desejos mais
recônditos. Se a pessoa não conseguiu se libertar de seus sentimentos negativos,
seguramente não aceitará que outros o façam, numa atitude que não condiz com
a visão de mundo de um verdadeiro mago ou reikiano.

Magos são os artífices de um novo mundo, pessoas que com sua visão, crenças,
ritos e poder são capazes de mudar a realidade moderna, tão assustadora.
Pessoas que crêem em seus antigos dogmas como algo real, tangível e confiam
que é sempre possível melhorar; pessoas que acreditam que, por mais que se
tenha tentado, sempre há uma forma de buscar um mundo; pessoas que
garantem que é possível “sobreviver” a este tempo de caos e desencontros e que
o Amor é única energia capaz de libertar; pessoas que sentem que a Terra está
viva e guarda profundos segredos e sabem que, com coragem, pode-se tudo
mudar e, como o sol, elevar o Homem para um recomeço.

Um Mago é um eterno aprendiz do Amor Incondicional.

Não é aqui a intenção de formar mago, mas existem duas maneiras das pessoas
interessadas neste caminho trazer essa outra forma de auto-ajuda para si e para
outros;

1. Ser apresentado, iniciado, por outro mago praticante;


2. Praticar o que se chama de auto-iniciação.

431
Para a primeira opção, procure alguém de altíssima confiança e proponha seus
objetivos a ele. Se for aceito seus argumentos e for iniciado ou apresentado à alta
magia, estude muito, pergunte muito, mas forme seus próprios conceitos.

Para a segunda opção, há muitas publicações em livros e sites da internet para o


que chama de “mago/bruxo solitário”, onde se encontrará toda a maneira de se
realizar uma auto-iniciação. Aqui também vale a regra: estude muito e quando
cansar acrescente muito mais estudo. Para o resto da vida.

Sem delongar muito o assunto, COLOCAMOS AQUI APENAS A PONTINHA DO


“ICEBERG”, COMO CURIOSIDADE!

Magia

Magia é a arte de mudar conscientemente as coisas, em acordo com a lei do livre


arbítrio.

Todo mago é um artesão do universo e ele tem a possibilidade e a capacidade de


moldar a energia através de seus conhecimentos e de acordo com seu intento.

Nossas vozes, nossos corpos, nossa mente, nossas mãos, nosso canto, nossa
dança são sagrados e carregam o poder de mudar as situações da vida.

Através de práticas mágicas podemos atrair saúde, boa sorte, prosperidade, amor
e tudo isso em conformidade com a Lei do Livre arbítrio, com propósitos
evolutivos, respeitando a individualidade e personalidade de cada ser.

Tenham em mente, ao realizar uma prática mágica, as seguintes leis:

• Lei do conhecimento: o conhecimento é um dos fatores mais importantes


na realização da magia. Pode ser sobre as leis do universo, sobre a
necessidade de realização ou não da magia, do uso adequado das ervas,
das cores das velas e da correta unção (se esta for usada), uso de runas
etc.

• Lei do contágio: qualquer coisa que tenha entrado em contato com outra
sempre estará ligada a esta.

• Lei dos nomes: o conhecimento do nome real de alguma coisa, como


pessoas, locais, da doença ou sua localização etc, é imprescindível a
realização da magia.

• Lei Tríplice: tudo aquilo que você fizer voltará triplicado para ti.

432
• Lei da associação: se uns objetos lembram-no de algo, ele poderá ser
usado como auxiliar para uma simulação, ou ponte entre você e a
realização da magia.
• Lei da invocação: as forças que existem dentro e fora de você (todos
somos um) devem sempre ser invocada para ajudar na realização de sua
prática mágica.

• Lei do livre arbítrio: não é somente uma lei para nós, mas uma conduta
ética; todos têm direito ao livre-arbítrio (a capacidade que o ser humano
tem de escolher seu próprio caminho), não tente manipular pessoas ou
situações em favor de outra cuja realização envolva manipulação,
influenciar. Há diversas maneiras de se tomar uma decisão a esse respeito.
A mais óbvia, claro, é confiar na intuição. Mas muitas vezes acabamos nos
envolvendo tanto no problema que já não sabemos se a nossa intuição está
sendo influenciada por nossos sentimentos. De qualquer forma, é sempre
preferível confiar nela que em qualquer outra coisa.

Faça o que quiser desde que não prejudique a nada nem a ninguém.

Alguns pontos importantes

Fases da lua

A Lua para nós é importante não somente por exercer força gravitacional sobre a
Terra, atrair marés ou por sua importância na agricultura, nas colheitas e nossos
próprios sentimentos e emoções entre outras coisas.

Conhecer a fase da lua significa saber qual o melhor momento para agir e
trabalhar uma magia de forma correta.

• Lua Minguante: trabalhos para espantar ou repelir más energias, doenças,


defeitos, medos, bloqueios...

• Negra: A lua negra corresponde aos três últimos dias da fase minguante -
quando não se vê a lua no céu. Trabalhos para também repelir (livrar de
alguma coisa) – usar com critério - ou seja, quase nunca! Mais para pensar
em próprios defeitos, medos, compreender de onde surgem para uma
necessária transformação.

• Nova: não se costuma a trabalhar nesta fase. O processo de concretização


ocorre de uma forma um tanto tumultuada.

• Crescente: boa para trazer energias positivas. Mudanças positivas,


crescimento espiritual, saúde, amor, prosperidade...

433
• Cheia: costuma-se dizer que grande energia positiva paira no ar.
Espiritualidade, amor, família, relacionamentos, casamento, saúde,
negócios, trabalho. A melhor noite é aquela em que a lua está "mais cheia".

Unção das velas

Ao chegarem até nós, as velas já foram manuseadas por outras pessoas e


impregnadas com as suas impressões psíquicas. A unção com o óleo de ou com
um óleo essencial (diferente de essência o óleo essencial é o extrato de uma
planta), relacionado ao nosso desejo, é uma forma simples de anular quaisquer
energias que as velas tenham adquirido antes de serem utilizadas por nós. Por
isso, utilize:

PARA RITUAIS DE AMOR: óleos de rosa, vetiver, patchuli, canela, sândalo,


manjericão.

PARA RITUAIS DE PROSPERIDADE: óleos de cravo, louro, olíbano, cedro,


carvalho, canela, girassol.

PARA RITUAIS DE SAÚDE: óleos de alecrim, jasmim, lótus, lavanda, sálvia.

PARA RITUAIS DE PROTEÇÃO: óleos de cedro, sálvia, verbena, artemísia, anis.

4. O SENTIDO DA UNÇÃO

O sentido no qual ungimos as velas, antes de utilizá-las, também é muito


importante:

DO PAVIO PARA A BASE: Unja a vela no sentido do pavio para a base, quando
quiser atrair algo como amor, sucesso, prosperidade, saúde, etc.

DA BASE PARA O PAVIO: Unja a vela da base para o pavio quando quiser
afastar algo como pessoas indesejadas, doenças, infortúnios, azar, energias
negativas, etc.

Cores da velas

O ato de acender velas em magia é uma forma simples de “focarmos” nossa


intenção. É uma maneira simples de intensificar a energia invocada.

Um dos fatores mais importantes no uso mágico das velas é a sua cor. Cada cor
está relacionada a uma energia específica. A cor tem a função de agir como
intermediária entre nosso mundo e o astral.

434
AMARELA desenvolve o intelecto, as habilidades, dons de todas as ordens, a
perspicácia, a eloqüência, o dom da palavra. Atrai sorte no comércio,
negociações, viagens e a cura de doenças.

AZUL-CLARO está relacionado ao equilíbrio, à paz, harmonia e estabilidade


familiar.

AZUL - MARINHO é a cor ligada à riqueza, fortuna, prosperidade.

BRANCA pode ser utilizada para qualquer encantamento. É a cor universal.

CINZA cor relacionada à tristeza, ao fracasso. Deve ser evitada.

LARANJA é uma cor que atrai sucesso de todas as ordens. Deve ser usada em
magia que vise atrair a prosperidade, a fama, a notoriedade, o otimismo e a
conquista de bens materiais.

MARROM deve ser usada em magia que tenha o propósito de nos ligar à terra e
às coisas relacionadas a ela. Traz as pessoas para a realidade, atraindo a
racionalidade o poder da razão. Ótima cor para ser utilizada quando precisamos
adquirir um imóvel.

PRETO é a cor universal. Ao contrário do que muitos pensam a cor preta não é
negativa, mas sim capaz de defender de infortúnios, energias negativas, azar e de
toda a espécie de maldições. Pode ser utilizada para todas as finalidades.

ROSA deve ser utilizada em magia relacionada a amor, equilíbrio, à amizade e no


estabelecimento de boas relações.

VERDE está ligada à prosperidade, à abundância, à proteção. Traz sorte e abre


caminhos. Ótima para ser utilizada em magia que vise atrair oportunidades para a
nossa vida.

VERMELHA deve ser utilizada para atrair coragem, garra, vigor, dinamismo, força
e defender de magia negativa.

Dias da semana

Cada dia da semana possui uma energia especifica. Desde tempos imemoráveis
os dias da semana têm sido associados com os sete planetas mágicos: Sol, Lua,
Marte, Mercúrio, Júpiter Vênus e Saturno. Cada planeta possui atributos inerentes
a si, conferidos ao dia que ele domina.

Levar em consideração o dia da semana em que você realiza um encantamento


ou sortilégio é muito importante, pois de nada adiantará realizar um ritual para
prosperidade em um dia relacionado ao amor ou vice-versa.

435
Veja a seguir o significado e os principais atributos dos dias da semana:

Domingo

Planeta: Sol.
Atributos: sucesso, prosperidade, fama, abundância, otimismo, tirar pessoas de
estados depressivos, riqueza, elevar a energia, mudar a sorte, idealismo, assuntos
profissionais, abertura de algum negócio, o bom andamento de todas as coisas,
influenciar pessoas do sexo masculino.
Elemento: Fogo.
Animais: leão, águia, todos os animais ferozes e de porte solene.
Cores: laranja, dourado.
Ervas: limão, cravo, açafrão, olíbano, louro.
Pedras: citrino, topázio, diamante amarelo.
Metal: ouro.

Segunda-feira

Planeta: Lua.
Atributos: fecundidade, intuição, fertilidade, espiritualidade, encantamento,
aumentar a percepção extra-sensorial, notoriedade, influenciar pessoas do sexo
feminino, harmonizar o lar e sucesso em atividades públicas.
Elemento: Água.
Animais: gato, pato, coelho branco, coruja e cisne.
Cores: branco, prata e tons lácteos.
Ervas: madressilva, salgueiro, dama-da-noite, absinto.
Pedras: quartzo branco, pedra-da-lua.
Metal: prata.
Terça-feira

Planeta: Marte.
Atributos: coragem, proteção, vitória, vingança, dinamismo, quebra de feitiços,
vontade de expandir, conquistar e possuir, construção, garra, otimismo, força de
vontade, batalhas, disputas, contendas, desentendimentos.
Elemento: Fogo.
Animais: lobo, águia, falcão.
Cor: vermelho.
Ervas: sangue-de-dragão, flores do campo, pimenta.
Pedras: hematita, granada, rubi.
Metais: ferro ou aço.
Quarta-feira

Planeta: Mercúrio.
Atributos: comunicação, vendas, comércio, negócios, problemas que precisam de
uma rápida solução, saúde, astúcia, eloqüência, influenciar jovens, atividades
intelectuais, todos os tipos de mudanças, literatura, estudos.

436
Elementos: Terra e Ar.
Animais: papagaio, raposa, macaco e todos os animais astutos e vivazes.
Cores: amarelo e marrom.
Ervas: jasmim, lavanda, alecrim
Pedras: ágata, citrino, opala

Quinta Feira

Planeta: Júpiter.
Atributos: fortuna, riqueza, tesouros, sorte, felicidade, autoridade, administrar,
realizar, aperfeiçoar, nobreza, inteligência, prestígio, honra, fraternidade, posses,
domínio, resolução.
Elementos: Fogo e Água.
Animais: pavão, elefante, cisne, leão e águia.
Cores: azul-marinho, índigo.
Ervas: almíscar, noz-moscada, cravo, cedro.
Pedras: turquesa, ametista, safira.
Metal: estanho.

Sexta-feira

Planeta: Vênus.
Atributos: amor, casamentos, amizade, sociedade, harmonia familiar, fartura,
prosperidade, equilíbrio, harmonia, beleza, artes, entendimento familiar,
fecundidade, caridade, casamento, sucesso em todas as coisas da vida.
Elementos: Ar e Terra.
Animais: pomba, pavão, faisão, perdiz.
Cores: rosa e verde.
Ervas: rosa, morango, sândalo, jasmim.
Pedras: quartzo rosa, aventurina, água-marinha, âmbar, esmeralda.
Metal: cobre.

Sábado

Planeta: Saturno.
Atributos: meditação, localizar pessoas ou coisas perdidas, estabilizar situações,
represar; restringir, amaldiçoar, limitar, cristalizar, apaziguar, prudência, calma,
cautela, concretização dos sonhos, sabedoria e justiça da Natureza.
Elementos: Terra e Ar.
Animais: corvo, bode, coruja, urubu, urso, morcego.
Cores: preto, branco, cinza.
Ervas: papoula negra, mirra, almíscar.
Pedras: ônix, obsidiana, turmalina negra.
Metal: chumbo.

437
Ervas mágicas

Aura das ervas e plantas podem interferir em fatos e lugares e por isso são ótimas
auxiliares e potencializadoras na realização de magia.

Cada erva possui um tipo de força e vibração, por isso a importância de sabermos
a diferença entre cada uma delas – cada planta é portadora de uma energia muito
específica e, por isso, as ervas utilizadas devem possuir vibrações que estejam
em ressonância com as nossas necessidades e intenções.

Ervas da Lua: utilizadas para fertilidade, poderes extra-sensoriais, sonhos,


emoções, sabedoria, adivinhação e viagens.

Ervas do Sol: Utilizadas para o sucesso, a prosperidade, a fama, a alegria, o


otimismo, o progresso, a amizade.

Ervas de Marte: utilizadas para força, garra, coragem, vigor, vitória, exorcismo,
sexualidade, conflitos, agressividade.

Ervas de Mercúrio: utilizadas para inteligência, criatividade, cura, saúde,


comércio, negociações, eloqüência, perspicácia.

Ervas Júpiter: utilizadas para dinheiro, prosperidade, assuntos legais, sorte,


liderança, política, poder, reconhecimento, riqueza, sucesso.

Ervas de Vênus: utilizadas para amor, harmonia, sexualidade, amizade,


beleza e equilíbrio.

Ervas de Saturno: utilizadas para exorcismos, visões, separações, obstáculos,


conhecimentos e eliminação de vícios.

Cores dos elementos

AR: amarelo, branco, azul-claro.

FOGO: vermelho, laranja, púrpura.

ÁGUA: verde, branco, índigo.

TERRA: marrom, preto, verde.

Devemos descobrir a importância da influência dos elementos em nossas vidas,


pois estes estão presentes em todos os rituais de bruxaria. Quando a forma de
entrar em harmonia com os elementos, aprenderemos a manejar os nossos

438
próprios poderes de acordo com as nossas vontades, nos aproximando assim do
nosso "eu interior".

Tabela resumida

Elemento Elemento Elemento Fogo Elemento Terra


Ar Água
Áries -- Leão e Touro - Virgem e
Gêmeos - Câncer - Sagitário Capricórnio
libra e Escorpião e
aquário Peixes
Bruxa(o) do Bruxa(o) do
Bruxa(o) do Sul Bruxa(o) do Norte
leste Oeste
Dom: Vidência Telepatia Telecinesia Psicometria
intelecto, intuição, espírito,
Poder: físico, criação
razão emoção transformação
Sentido: Olfato paladar audição tato
Estação: Inverno primavera verão outono
Animal: Borboleta peixe serpente gato
Objeto: Espada cálice cetro pentáculo
Naipe: Espadas copas ouros paus
Cor: Amarelo azul vermelho verde
Elemental: Silfos Ondinas Salamandras gnomos
Salgueiro, Artemísia, Alecrim,
Arruda, Cipreste,
Erva: Sálvia, Lavanda, Mil- Angélica,
Patchuli
Verbena folhas Sorveira
Ametista, Água-
Quartzo marinha, Ágata, Citrino, Hematita, Ônix,
Pedra:
Rosa, Lápiz-lazúli, Opala-de-fogo Pirita, Olho-de-tigre
Turmalina Sodalita

Água

A água é o elemento da purificação, da mente subconsciente, do amor e todas as


emoções. Assim como a água é fluida, constantemente mudando, fluindo, de um

439
nível a outro, também são assim nossas emoções, constantemente se
movimentando.

A água é o elemento da absorção e germinação. O subconsciente é simbolizado


por este elemento, pois está sempre em movimento, como o mar que nunca
descansa quer seja noite ou dia.

Direção: Oeste

Nome do Vento Oeste: Zephyrus

Energia: Receptiva, feminina

Signos: Câncer, Escorpião e Peixes

Trabalho ritual: Emoções, sentimentos, amor, coragem, ternura, tristeza, intuição,


a mente inconsciente, o ventre, geração, fertilidade, plantas, cura, comunicação
com o mundo espiritual, purificação, prazer, amizade, casamento, felicidade, sono,
sonhos, o psíquico, o eu interior, simpatia, amor, reflexão, marés e correntes da
vida, o poder de ousar e purificar as coisas, sabedoria interior, busca da visão,
curar a si mesmo, visão interior, segurança, jornadas.

Lugares: Lagos, rios, fontes, poços, praias, banheiras, piscinas, chuveiros, cama (
para dormir), spas, o oceano e as marés.

Cores: Azul, verde, azul-esverdeado, cinza, índigo, roxo, preto.

Formas rituais: Diluir, colocar na água, lavar, banhar-se.

Natureza Básica: Purificante, fluente, curadora, suave, amorosa, movimento.

Fase da Vida: Maturidade

Tipos de magia: Mar, gelo, neve, neblina, espelho, ímã, chuva.

Tempo: Anoitecer

Estação: Outono – O tempo da colheita, quando a chuva lava a terra.

Ferramentas: Cálice, caldeirão, espelho, o mar.

Espíritos: Ondinas, ninfas, sereias e fadas dos lagos.

Sentido: paladar

440
Pedras e Jóias: Água marinha, ametista, turmalina azul, pérola, coral, topázio
azul, fluorita azul, lapis lazuli, sodalita.

Metais: Mercúrio, prata.

Incensos: Mirra, camomila, sândalo.

Plantas e