Você está na página 1de 10

Aula 11 – Gênesis 12

Autor: Tom Bradford

Tradutor: Christiano Lopes

LER GEN 12:1-3

Deus, Adonai (significa senhor ou mestre), faz uma aliança com Abraão (ainda
chamado Avram neste momento). Esta aliança ocorre quando Abraão estava residindo
em Haran, na Mesopotâmia. E, basicamente o que ocorre é que Deus diz a Abraão

Abraão parou aqui

Abraão partiu daqui

para deixar Haran, e ir para onde Deus o guiará.....e Deus diz, entretanto, seu pai e
outros parentes do seu pai não são bem-vindos. Eu suspeito que o que nós vemos
aqui é que desde que Terach aparentemente fez parte do trajeto e então decidiu não
mais seguir a Deus, Deus usou alguém que iria fazer o trajeto todo.....Abraão.
Obediência parcial não é pouca obediência.....é desobediência. E, assim nós vemos
Deus outra vez dividindo, elegendo, e separando.

O que eu gostaria de fazer agora, é gastar pouco do tempo com esta aliança, para
explicar sobre o que ela é, e explicar a natureza geral das alianças nos tempos
bíblicos.

Deus dá a Abraão uma instrução, e segue-a com uma promessa; uma promessa que
consiste de diversas partes. Naturalmente a instrução é que Abraão deve deixar a
área em que ele vive (Haran), ir a um lugar que Deus irá mostrar-lhe, E separar-se
de seu pai e irmão. Deus emite então um conjunto de promessas que consiste no
seguinte:
Deus fará de Abraão e seus descendentes uma grande nação.

Isto significa que Abraão e seus descendentes irão se transformar em povos; por
definição uma nação separada, que até esse ponto não existia. E, se isto tem que
acontecer,então Abraão e Sara devem ter filhos, e seus filhos devem ter filhos e
milhares de descendentes após eles, ao ponto que, em algum tempo no futuro,
haverá um número suficiente destes descendentes, que permanecem identificados
um com o outro, para serem contados como uma “nação”.

Deus abençoará Abraão e Abraão mesmo se tornará uma bênção.

Ou seja Deus vai dar a Abraão Seu favor. Abraão vai ser tratado como especial por
Deus, e algumas coisas maravilhosas que não ele merece irão acontecer-lhe mas,
Deus escolheu fazer assim, de qualquer modo. O que Deus faz a Abraão irá beneficiar
mais do que apenas Abraão. O que Abraão fará em obediência a Deus irá, por si
próprio, ser uma bênção a outros.

Deus abençoará aqueles que abençoarem Abraão e Deus amaldiçoará


aqueles que amaldiçoarem Abraão.

Eu queria ter uma lanterna de luz vermelha piscando e uma sirene tocando, para
anunciar este verso. Isto não é algum jogo de palavras comuns. Isto não é Deus
sendo condescendente com Abraão, nem dando tapinhas em sua cabeça como nós
fazemos com uma criança pequena, tentando fazer lhe sentir-se bem. Este é um aviso
sério; não a Abraão, mas a todos os povos do mundo, desse momento em diante:
Deus espera que os povos reconheçam que Abraão é o escolhido de Deus, e ele
deve ser respeitado e honrado. Por outro lado, Deus tomará como ofensa pessoal se
qualquer um decidir ser um inimigo de Abraão. Isto é, Deus julgará aqueles que se
alinharem contra Abraão.

Mas, deixe-me acrescentar algo. Recorde, na linguagem da Bíblia, Deus não está se
referindo apenas a Abraão. Está falando da descendência de Abraão; mais
especificamente, da nação especial que virá de Abraão.....seus descendentes. Agora,
quem são aqueles descendentes que formam essa nação especial? Nós veremos logo
que esta nação da aliança é Israel. Abraão teria eventualmente muitos filhos, dos
quais somente um, entretanto, era a linha que conduziria a Israel. Assim, nem todos
os descendentes de Abraão têm esta bênção e aviso especiais. Eu indiquei
anteriormente que Deus já apresentou o padrão para este conceito: Ele divide, elege,
e separa. Abraão veio da linha de Peleg, que foi dividido e eleito da linha de Shem,
que foi dividido e eleito da linha de Noach, que foi dividido e eleito da linha de Seth,
que foi dividido e eleito da linha de Adão. A tempo, quando Abraão tiver filhos, nós
veremos um filho particular dividido, eleito e separado do outro. O RESULTADO deste
Processo-de-Deus de dividir, de selecionar, e de eleger, é o que nós ouvimos
frequentemente como sendo “a linha da promessa”. Esta linha da promessa é
considerada tipicamente como começando com Abraão, mas a Bíblia mostra-nos que
na realidade ela segue todo o caminho de volta a Seth.

Deus tornará o nome de Abraão grande.

Abraão será extremamente recompensado . E, seu nome vai ser altamente elevado
entre os homens. Lembre, onde se diz “nome” nós realmente devemos pensar como
“reputação”, em nossa cultura ocidental moderna. Deus fará a reputação de Abraão
grande. O que é fascinante é que mesmo em nosso tempo, 4000 anos mais tarde,
mais do que a metade da população deste planeta é representada pelas 3 grandes
religiões monoteístas, a cristandade, o judaísmo, e o islamismo, nas quais Abraão é o
patriarca reverenciado de cada uma delas.

Deus usará Abraão para abençoar todas as famílias da terra.

O que Deus vai fazer através de Abraão não abençoará apenas Abraão, nem apenas
seus descendentes, nem apenas a nação especial que virá desta bênção: Israel. Esta
bênção, trazida através de Abraão, irá beneficiar toda a humanidade.

Vamos dar uma olhada, agora, no que consiste uma aliança: De todos os princípios
bíblicos, a aliança é o que nós precisamos de compreender melhor, porque é com o
processo da aliança que o povo separado de Deus (Israel) foi criado, e é através da
aliança que, pela confiança em Deus.....a saber, em Yeshua.....nós podemos ser
salvos. O dicionário de Webster define uma aliança como um acordo obrigatório, e
como um acordo entre membros de igreja para defender e manter suas doutrinas.
Igualmente descreve uma “aliança” como um contrato formal.

Sem dúvida, estas definições servem consideravelmente bem para a idéia da cultura
ocidental, do século XXI, do que uma aliança é, e que nós, como cristãos, geralmente
retratamos em nossas mentes quando a palavra “aliança” é usada. Mas, Webster erra
o alvo substancialmente, quando comparado ao que aliança, em termos e em épocas
bíblicas, significava, e ainda significa; isto é, o que DEUS entende por aliança.
Principalmente, e acima de tudo, uma aliança era sagrada.

Nos tempos da Bíblia, as alianças entre homens eram usados para vender terra, para
fazer acordos, para fazer a guerra e a paz, até mesmo para fazer a provisão para a
utilização de um poço de água por alguém à exceção de seu proprietário. Uma aliança
poderia ser de comm acordo, em que AMBOS os partidos tinham obrigações a
cumprir; OU.....como frequentemente acontecia, significava uma obrigação somente em
cima de UMA parte, e até mesmo podia SER IMPOSTA sobre alguém por uma pessoa
ou por uma nação mais poderosa.....ou pelo próprio Deus.

Nós tendemos a pensar em uma aliança como uma promessa ou um contrato, e como
seu efeito é tratado no âmbito de nosso sistema judicial. Conseqüentemente nós
retratamos uma aliança como os acordos humanos, escritos por mãos humanas, e
reforçados por meios humanos. Nós todos sabemos que o tempo, povos, ou
circunstâncias podem fazer com que promessas orais bem como contratos escritos
terminem, ou mudem, ou simplesmente tornem-se obsoletos. As penalidades pela
quebra de um contrato são geralmente pequenas, em nossa sociedade, e envolvem
normalmente um estabelecimento monetário; elas acontecem diariamente. Um
tribunal de justiça pode invalidar ou mudar um contrato. Os homens e as mulheres
quebram promessas pessoais em uma base razoavelmente consistente. Os governos
podem dar forma a uma constituição, seu contrato com os povos, a seguir emendam-
na, ou mesmo jogam-na toda fora e começam-na novamente. Os povos podem,
unilateral ou mutuamente, mudar suas mentes e simplesmente dissolver ou negar um
contrato ou uma promessa.....como no divórcio, com relativamente pouca penalidade.
Nada disto é possível dentro da definição bíblica de uma aliança.

A palavra hebraica para aliança é B'rit, que vem da palavra de raiz hebraica Barah,
que significa “cortar ou dividir”.....e eu logo mostrarei a vocês a relevância desse
significado. A palavra grega usada na Bíblia para aliança é “diatheke”, e esta palavra
grega perde sentido bastante substancialmente como uma tradução da palavra B'rit.
Eu ensinei a vocês, em um número de ocasiões, que cultura e língua vêm como um
pacote; e que dentro de qualquer cultura existe um número de tradições, e idéias, e
os conceitos básicos que são originais a sua cultura, e conseqüentemente estranhos a
todas as outras. Desde que este é o caso, existem muitos conceitos excepcionalmente
hebraicos.....como o conceito personificado da palavra hebraica B'rit, ou Shalom ou
Messias.....que não têm paralelos em uma outra língua ou cultura. Pense sobre isso
por um momento; porque a menos que você seja um perito na língua, não é
prontamente aparente à maioria de nós que há palavras em uma língua, que não
correspondem diretamente a uma palavra em outra língua. Isto é, nós não podemos
apenas fazer uma lista de palavras hebraicas, e fazermos facilmente uma lista ao
lado dela de suas palavras portuguesas equivalentes. De fato, toma aproximadamente
1/3 mais português do que palavras hebraicas para dizer a mesma coisa. Uma Bíblia
hebraica é somente cerca de 2/3 do número de páginas de uma Bíblia em português.
Isto deve ser um indício sobre as dificuldades da tradução. Deixe-me ilustrar isto para
você; por exemplo, Yom, no hebraico, significa dia, em português. É o mesmo
conceito, e o português e o hebraico têm o conceito comum e direto de um período
de 24 horas de tempo, de uma rotação completa da terra, e cada um deles tem uma
palavra para descrever concisamente esse conceito: no hebraico é Yom, em português
é dia, então nenhum problema. Mas, com a palavra “Shalom”, no hebraico, há um
conceito total que não existe nas culturas de língua grega ou portuguesa. E, desde
que o conceito de Shalom não existe nas culturas grega ou portuguesa, naturalmente
não há nenhuma palavra grega ou portuguesa para ela. Assim, o tradutor da Bíblia
tenta algo aproximado, ou usa uma série de palavras para tentar passar o conceito ao
leitor. Com nosso exemplo de Shalom, por exemplo, nós vemos frequentemente as
palavras “graça e paz” usadas em português para traduzir a única palavra “Shalom”.
Mas, graça e paz apenas riscam a superfície do que essa única palavra “Shalom”
significa à mente hebraica.

Mais incômodo, ainda, é o que acontece quando um tradutor não tem nenhuma
compreensão da cultura por trás da língua que está traduzindo. Você não precisa de
estar totalmente familiarizado com a cultura francesa para aprender a falar o francês.
Você não precisa estar familiarizado com a cultura hebraica para aprender o hebraico.
O problema é que, sem unir a compreensão da cultura com a língua, o tradutor
compreenderá somente o que essa palavra significa no contexto de seu PRÓPRIO
sentido cultural. E, este é o maior problema que nós temos com a tradução da Bíblia;
poucos e preciosos tradutores têm TODA a profundidade do conhecimento da cultura
e de conceitos hebraicos antigos, e pior, frequentemente têm um preconceito interno
CONTRA os hebreus antigos, e assim caminham com uma visão negativa.

Muitos de nós que compraram dispositivos pequenos ou aparelhos eletrônicos feitos


na China frequentemente acharam as instruções de uso um tanto estranhas ou
mesmo consideravelmente engraçadas. Eu recordo vividamente de ter lido em um
manual que eu devia apertar um parafuso até que ele “ficasse feliz”. Dizer o que?
Como eu digo quando o parafuso está feliz? Naturalmente, a idéia foi apertá-lo até
que ele estivesse correta, ou apropriadamente, apertado. E, em um dicionário, você
encontrará que feliz e apropriado têm significados muito similares. Mas, para os
americanos feliz é uma emoção indicada por criaturas de vivas, não um termo
técnico. Assim, a palavra parece correta ao tradutor, mas o conceito é totalmente
errado. Nós temos exatamente esse problema em muitos lugares na Bíblia. Assim,
voltemos a ajustar nossa compreensão sobre o que uma aliança é, realmente.
Parcialmente, por causa do uso da palavra grega diatheke no NT, e também
parcialmente, porque o conceito hebraico de B'rit não tem um paralelo direto às
culturas gregas ou de língua portuguesa, os cristãos adotaram a opinião que o que
está sendo referido é equivalente a nosso conceito de uma vontade (como no sentido
de “último desejo e testamento "). De fato, eu ouvi MUITOS sermões que procuram
explicar aliança exatamente naqueles termos. Conseqüentemente, nós passamos a
usar a palavra portuguesa “testamento” como em NT e AT, para descrever as duas
metades da Bíblia. E, gente, esse conceito está errado. Nenhum erudito bíblico
moderno digno de crédito deveria defender o uso da palavra grega diatheke ou seu
equivalente em português, testamento, como uma tradução apropriada de B'rit
(aliança). Assim, por que nós continuamos a dizer AT/NT em vez de Antiga Aliança,
Nova Aliança?.......Hábito, tradição, e uma ignorância do que uma real aliança bíblica
é, em primeiro lugar.

Uma diferença principal entre a compreensão cristã típica de uma aliança, e o que
Deus quer dizer com essa palavra, é que uma aliança bíblica é uma coisa permanente
a menos que seja condicional. Nós vemos alianças condicionais e permanentes na
Bíblia. Uma aliança permanente não pode ser cancelada, uma aliança condicional
pode. Outra diferença é que a penalidade para quebrar uma aliança bíblica era
geralmente severa.....frequentemente, a morte. Mas, a caraterística superior de uma
aliança bíblica feita por Deus, ao contrário de uma aliança entre homens, ou mesmo
promessas ou contratos modernos, dos nossos dias, é que uma vez que Deus faz
uma aliança, ela se transforma
literalmente em uma lei física do
universo: como a gravidade, ou a
velocidade da luz, ou as leis da
Termodinâmica. De fato, os hebreus
mesmos reconhecem isto, porque B'rit,
sua palavra para aliança, é usada
igualmente para indicar as “leis da
natureza”. Quando Deus faz uma
aliança com Sua criação, essa aliança
está tecida na tela mesma do espaço e
do tempo; ela afeta como o universo
opera; e igualmente tem um efeito no
reino espiritual, porque o reino
espiritual é a FONTE de uma aliança
feita por Deus. Deixe-me dar-lhe um
exemplo detalhado deste princípio da
aliança.

Por exemplo: quando Deus fêz


primeiramente o universo, a seguir o
homem, não existia morte. As leis do
universo (nós poderíamos chamá-las as
leis da natureza) eram tais que tudo
que foi criado era para existir para
sempre. Mas, em algum lugar ao longo
da linha, algo mudou. Nosso tempo é
muito curto e eu não posso aprofundar
na matéria completamente, e não Quando Deus fêz o universo, e a seguir o homem, não existia morte.
importa quais sejam meus pensamentos
sobre ela, eles contêm alguma especulação, porque a Bíblia não responde
diretamente a todas nossas perguntas sobre a criação, a morte e a deterioração.
Todavia, nos é dito que a morte entrou no mundo quando Adão e Eva caíram da
graça. Isto significou morte universal? Morte de tudo? Morte de todas as estrelas e
planetas e luas e o sol e a própria terra? Eu não penso assim. A Bíblia usa o termo
“morte” como o significado de fim da vida. Se não há nenhuma vida, então não pode
haver nenhuma morte, porque somente as coisas vivas morrem. As estrelas e as luas
e os planetas existem, mas não são “vida”. A morte com respeito a qual a Bíblia está
falando quanto à queda de homem é a morte de coisas vivas. Assim, se a queda do
homem não começou a deterioração do universo, então o que fez com que ela
começasse? Em minha avaliação, a coisa que começou a deterioração do universo é a
mesma coisa que é padrão da queda de Adão; a queda de Lucifer, que veio a ser
chamado Satanás. Deixe-me introduzi-lo momentaneamente ao conceito dos padrões.
Isto será breve, e com o passar do tempo, eu farei alguns acréscimos. A pergunta
comum que nós fazemos geralmente de todo o evento bíblico ou lei ou instrução ou
princípio ou decisão, é POR QUE? "Por que" é quase sempre a pergunta errada a se
fazer sobre as coisas ordenadas por Deus. “Por que” é um modo de pensar grego.
Você geralmente não encontrará respostas a POR QUE na Bíblia, que é a maneira que
nos foi ensinada de procurar e descobrir POR QUE usando o método científico.....o
qual é um modo de pensar grego. Em vez disto, Deus instrui-nos dando-nos padrões.
Descreve e explica um evento, e mais tarde, um evento similar ocorrerá com um
método similar e um resultado similar. A razão pela qual o evento posterior ocorreu
da maneira que ocorreu é que ele se conformou ao padrão do evento precedente. A
maneira de explanação de Deus é por meio de exposição de padrões, não explicando
o POR QUE.

Assim, com o princípio de padrões em mente, nós sabemos que a queda de Satanás
ocorreu algum tempo antes da queda de Adão, obviamente, porque Satanás já havia
sido exilado ao planeta terra antes que Adão tivesse chegado. O crime de Satanás
(orgulho e rebelião) contra Deus ocorreu no reino espiritual, não no reino físico,
certo? Mas, todas as indicações bíblicas são de que até que Lucifer, chamado Satanás,
pecasse contra Deus, não havia nenhum mal no reino espiritual. Contudo, como
tantas matérias espirituais, esta teve sua influência no mundo físico também.

A queda de Satanás fez com que Deus mudasse a forma com que Seu universo
operava: após a queda, tudo que existia começaria AGORA a deteriorar-se e a morrer
......sem nenhuma exceção. Adão e Eva chegaram em um planeta, em um universo,
que já estava a se deteriorar devido à introdução do pecado por Satanás . Ele trouxe
isto com ele quando foi lançado para fora do céu, e jogado ao planeta terra, onde
viveu exilado com seu séquito de anjos caídos. Então, algum tempo mais tarde,
quando Adão e Eva chegaram, Satanás contaminou-os com pecado.....que trouxe a
morte às criaturas vivas. Agora, o universo INTEIRO.....à exceção do reino
espiritual.....estava deteriorando. É meu ponto de disputa que o tempo começou no
ponto da rebelião de Satanás. Porque eu o disse na lição 6, o tempo é essencialmente
a medida da deterioração. Se não há nenhuma deterioração, não há tempo. Nós
ouvimos frequentemente os cientistas falarem de como nosso universo está
envelhecendo: o que significa é, ele está a deteriorar-se, está murchando. Tudo no
universo está envelhecendo. Na terra, o vento e a chuva corroem cadeias de
montanhas e litorais. O Sol tem uma quantidade de combustível finita, deixará de
funcionar. Cada coisa física está lentamente, mas certamente, dissolvendo-se de volta
a sua composição elementar básica. E espiritualmente, as coisas igualmente
mudaram: o mal se desencadeou e teve que ser tratado porque o mal polui a
perfeição, o pecado desafia a santidade pessoal de Deus. Um salvador teve que ser
preparado para salvar o homem da aniquilação completa. O abismo teve que ser
aprontado para encarcerar o líder do mal, Satanás, no tempo apropriado. Os anjos
eventualmente se tornariam em guerreiros. Porque o pecado tinha entrado no mundo,
a morte entrou no mundo; primeiramente a queda de Satanás e a deterioração de
objetos inanimados, então a queda do homem e a deterioração das criaturas vivas;
antes disto não havia nenhuma necessidade de uma “linha de promessa”, para uma
concepção imaculada, nem para uma crucificação horrorosa. Nós, hoje, não
estaríamos nos preparando para um arrebatamento, enquanto advertimos aos
descrentes sobre o Armageddon.

Eis aqui outro exemplo que é uma analogia dos efeitos da aliança: nós todos
compreendemos os efeitos da gravidade, mesmo se não compreendemos como ela
opera. Que aconteceria, se Deus algum dia suprimisse a gravidade como uma lei
física do universo? Felizmente, pelo menos até que o novo céu e a nova terra sejam
criados, a gravidade é uma lei permanente da natureza.....e até onde nós sabemos
ela não tem nenhuma circunstância ou limite de tempo. Bem, a gravidade é o
fenômeno físico que faz com que a lua revolva em torno da terra, e a terra em torno
do Sol. Nossas estações, tempo, e temperaturas que permanecem dentro de uma
certa escala que fornece recursos para a vida sobreviver, e a fotossíntese, que é a
base da vida do planeta, tudo depende de nossa conexão e relação com o Sol. Sem
gravidade, essa conexão quebrar-se-ia. Nós permanecemos ligados à terra, em vez de
flutuarmos, por causa da gravidade. Quando nós deixamos cair um vidro, ele cai em
direção à terra.....sempre.E, se Deus decidisse, simplesmente um dia, ‘lá não haverá
mais gravidade'? Bem, muita coisa mudaria, uma reação em cadeia de proporções
monumentais, não? A maneira que o universo opera seria inteiramente diferente.

O que eu estou querendo dizer é que a morte e a gravidade são essencialmente


alianças: leis universais das quais a maioria dos outros aspectos da natureza e do céu
dependem; mude um, e muitos outros serão afetados. Deus fez cada uma das leis
universais da natureza espiritual e física, e todas elas operam em
conjunto.....Nenhuma é acidental. Assim, quando Deus acrescentou a deterioração, e
então a morte à equação, por exemplo, Ele mudou uma lei da natureza física. E, esta
mudança igualmente teve suas contrapartes espirituais. Tudo sobre o universo foi
mudado, para adaptar-se espiritual E fisicamente, a esta nova realidade.
Compreende? Quando Deus faz uma aliança, qualquer aliança, não é como você ou eu
prometendo fazer pagamentos de um empréstimo para compra de um carro. Nem é
como os votos de casamento. Algumas peças, se não todas, do vasto conjunto de leis
espirituais e físicas do universo são afetadas quando Deus faz uma aliança. E,
compreenda-me, por favor: isto não é alegoria, nem ilustração, nem emoção, nem
exagero; quando Deus faz uma aliança, o universo espiritual e físico nunca mais é o
mesmo.

Agora, se Deus deve se comunicar com o homem DEVE fazê-lo em termos que o
HOMEM possa compreender. Assim, parece que Deus criou um tipo de sistema de
aliança.....um protocolo visível, físico, tangível, da aliança, pelo qual o homem
poderia reconhecer e compreender quando Deus criava uma aliança, quais eram seus
termos e (tanto quanto um ser humano pode compreender), seu impato. E, a
humanidade adotou um padrão similar para fazer acordos entre si.
Naturalmente, na Bíblia nós vemos alianças feitas
entre seres humanos, e nós vemos alianças feitas por
Deus, e como seria esperado, elas parecem
tremendamente semelhantes em seu formato. A
maneira mais antiga, a maneira mais primitiva de criar
uma aliança foi chamada de “aliança de sangue”.....do
hebraico b'rit”, que significa literalmente cortar, ou
“dividir”. O procedimento mais antigo desta aliança
acontecia com um representante de cada lado de uma
proposta de aliança cortando seu braço com uma faca
e mantendo, então, os cortes unidos, para significar a
mistura do sangue; ou em algumas culturas, o sangue
era realmente sugado da ferida de cada um e ingerido
pelo partido oposto. Os votos solenes eram jurados,
invocando o nome do deus que cada participante
adorava, porque uma aliança era sagrada. Em todos os
casos, o sangue e um deus estavam no centro da
cerimônia.

Com o tempo, um rito diferente apareceu, que


A Aliança de Sangue
envolvia cortar animais, em vez de si mesmos. E,
geralmente, este corte significava não apenas retalhar um animal para extrair o
sangue, mas literalmente a matança dele e o corte dele no meio.....o que dividia-o em
metades, ou em diversas partes. As partes eram colocadas na terra, organizadas e
separadas em dois grupos, e então ambos os participantes da aliança andavam entre
as partes, ao fazer um juramento em nome de seu deus.

O sangue era integral ao se fazer uma aliança, porque as alianças eram consideradas
para durarem por toda a vida.....e, porque a vida estava no sangue. Compreenda o
que isso significa: a aliança era para toda a vida, e os participantes consideravam-se
como tendo sido unidos, quase como uma só carne, sob quais fossem os termos que
a aliança exigisse. Centenas de anos antes que Abraão tivesse nascido, Deus disse a
Adão que a vida estava no sangue, e a
humanidade não tinha esquecido. Nos
assassinatos incontáveis que tinham ocorrido até
agora, e sendo a matança e o ato de comer a
carne dos animais uma prática normal, era auto-
evidente que o sangue era central à vida. Desde
que o sangue estava envolvido, compreendia-se
que uma aliança era um assunto muito sério, no
qual não se devia entrar levianamente. A
penalidade usual por quebrar uma aliança era a
morte.

Sal, juntamente com o pão, era comido


geralmente como o evento final da cerimônia de
aliança. O ato dos participantes de comerem uma
refeição juntos, ao concluírem um aliança, era Ambos os participantes da aliança andavam entre as
uma maneira de significar que um novo tipo de partes, ao fazer um juramento em nome de seu deus.
relacionamento familiar tinha tomado forma. O
sal tornou-se tão importante para a transação, que o ato de se fazer uma aliança era
chamado, às vezes, de aliança de sal. De fato, em algumas culturas o ato de
simplesmente trocar o sal era às vezes suficiente para concluir uma aliança sobre um
assunto diário, sem sangue ou todo o ritual restante. Nós encontramos esta idéia da
aliança de sal mencionada no AT e no NT.

Desde que o sal era o passo final do procedimento de realização da aliança.....ele


como que selava o negócio, por assim dizer.....o sal foi considerado como simbólico
da paz. Quando o sal era compartilhado, o processo da aliança estava
completo.....similar a, hoje em dia, aplicar nossas assinaturas em um documento
jurídico e então apertar as mãos.

Após a chegada de Moisés, sua recepção da Torah no Monte Sinai, e a instituição do


sistema sacrificial, Deus instruiu os sacerdotes Levitas a adicionar sempre o sal aos
sacrifícios. Eu mencionei antes que quando Deus fazia uma aliança, era para sempre.
E, os Israelitas compreenderam bem o impressionante dispositivo transforma-céu-e-
terra, que uma aliança de Deus era. Desde que as alianças deviam ser seladas com
sal, a prática por Deus ordenada de borrifar sal nos sacrifícios era para lembrar a
Israel que as alianças entre Deus e Israel eram eternas, E, que as alianças tinham
feito paz entre Deus e Israel.

Agora, enquanto prosseguimos em nosso estudo de Torah, nós veremos algumas das
cerimônias e dos procedimentos de uma aliança. Eu explicarei para vocês, como
tipicamente os pequenos elementos destas cerimônias são incluídos. Mas, eu
igualmente quero mencionar que frequentemente no NT nós vemos referências ao
sal. Eu espero que você agora veja que aquelas referências ao sal são todas sobre os
aspetos cruciais do ato da aliança e do procedimento sacrificial, não do ato de
cozinhar. Por exemplo, em Marcos 9:50, Jesus diz “tenham o sal em si mesmos, e
estejam em paz uns com os outros”. E, Cristo igualmente diz que “você é o sal da
terra”. E, Paulo diz, “sejam suas palavras graciosas, sempre temperadas com sal”. O
sal está sendo recordado aqui como o elemento final de uma aliança ou de um
sacrifício, e conseqüentemente de ser simbólico da paz e da pureza. De fato, no
tempo de Jesus, quando alguém usava o termo "Aliança de Sal”, indicava uma aliança
santa, duradoura. E, a “aliança de sal” igualmente também veio a significar a aliança
específica que Deus fez com Abraão. Assim, sempre que nós vemos o uso da palavra
SAL nas escrituras, NT ou AT, devemos compreender que na mente do autor hebraico
algo de grande santidade com relação a uma aliança ou a um sacrifício está sendo
referido.

Assim, agora, armado com esta compreensão das alianças, vamos voltar aos termos
da aliança que Deus fêz com Abraão, compreendendo que esta não era uma aliança
CONDICIONAL, era uma aliança PERMANENTE. E, por definição, uma aliança é PARA
SEMPRE.

Nos primeiros três versos do capítulo 12 nós vemos Deus dizer a Abraão que ele se
transformaria numa grande nação, que Abraão seria abençoado e ele mesmo viria a
ser uma bênção, que o nome de Abraão seria grande, que Abraão abençoaria todas
as famílias da terra, e talvez o aspecto mais importante desta aliança em nossos dias
e em nosso tempo, que Deus abençoará aqueles que abençoam Abraão e amaldiçoará
aqueles que amaldiçoam Abraão.....estas promessas não estão nem revogadas nem
obsoletas; estas promessas, dadas sob a forma de uma aliança, transformaram-se
numa lei do universo espiritual e físico.....um fato imutável da vida no instante em
que Deus as pronunciou. Ignorar isto é o máximo da insensatez. Lutar contra isto
conduz à destruição porque a operação inteira do universo foi ajustada finamente
para cumprir os termos desta aliança permanente.

Israel.....e hoje isto é primeiramente, os judeus.....são os descendentes dessa aliança


inqueebrável entregue através de Isaque, depois a Jacó (que teve seu nome mudado
por Deus para Israel), e então a seus filhos, as 12 tribos de Israel. Embora haja
muitos OUTROS filhos de Abraão, a Bíblia somente menciona um em particular à
exceção de Isaque, e esse é Ismael. Uma divisão importante ocorreu, a qual nós
investigaremos nas próximas semanas; a linha da aliança da promessa.....isto é,
quais dos filhos de Abraão herdariam todas as promessas contidas dentro da aliança
que Deus fez com Abraão.....foi especifica e explicitamente a Isaque. De Isaac foi a
Jacó, chamado Israel. Assim, tudo que foi dado originalmente a Abraão, foi entregue a
Israel. Nós podemos e devemos ser claros quanto aos acontecimentos que nós vemos
no Oriente Médio, particularmente quanto ao que se refere a Israel e ao proposto
Estado Palestino. Mas, a base é: nosso apoio DEVE ser para Israel. Hoje, essa aliança
diz que “...eu abençoarei aqueles que abençoam Israel, e amaldiçoarei aqueles que
amaldiçoam Israel”. Isto é apenas fato bíblico, não política. Aqueles que estão com
Israel serão abençoados e favorecidos por Deus, aqueles que se opuserem a Israel
serão considerados levianos por Deus e serão julgados pela sua desobediência.

Você está com Israel? Você ora por Israel? Você


compreende que a terra pertence a Israel.....e
não aos palestinos, nem a ninguém mais? Você
REALMENTE apóia Israel? Ou, você quer ser
“imparcial”? Tomar um pouco do que Deus
prometeu a Israel, e dá-lo aos palestinos para a
paz do mundo; por causa de sua visão do que é
justo. Uma visão que é o oposto do mandato
claramente dado por Deus.

Apoiar Israel não significa concordar com o tudo


que fazem; são apenas povos atualmente, e
muitos, se não a maioria, são pagãos. Assim, não
estão andando com Deus, o que conduz à
decisões terríveis. Apoiar Israel não significa a
adoração do Estado de Israel; não significa a
adoração dos povos judaicos.....nem a declaração
de que eles estão acima de qualquer reprovação.
Antes, significa estar ao lado deles, ajudá-los,
amá-los e mostrar respeito, incentivá-los a fazer
o que é certo, incentivá-los a retornar a Yahweh,
e lembrá-los de que aquelas promessas de Deus
os tornam titulares dessa terra e que devem
Você está com Israel? Você ora por Israel? reter seu título como o “povo escolhido de Deus”.

Interesses relacionados