P. 1
PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE

|Views: 919|Likes:
Publicado porapi-3731199

More info:

Published by: api-3731199 on Dec 03, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2014

pdf

text

original

UNITAU IPC II

PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE
Prof. Marina M. Valadão

2009

EXEMPLOS DE PROGRAMAS
• • • • Hiperdia (hipertensão e diabetes) Saúde da Criança Pré-natal AIDS

• Tuberculose / Hanseníase • Saúde da Família - estratégia

POR QUE DEFINIR PROGRAMAS ?
• • • • • • • • fortalecer atenção a problemas prioritários planejar uso dos recursos superar os limites da atenção médica individual superar os limites da atuação isolada dos profissionais de saúde em geral estabelecer referenciais para a qualidade da atenção à saúde estabelecer referenciais para a avaliação da atenção definir padrões para a produção de informação em saúde compra de medicamentos .......

O QUE SÃO PROGRAMAS ?
• Modelos tecnológicos para organizar os processos de atenção a determinadas necessidades de saúde
– princípio da integração sanitária – princípio da hierarquia do cuidado – atuação em equipe multiprofissional Assistência individual é integrada e subordinada à ação programática (objetivos epidemiologicamente definidos para o coletivo)

CRITÉRIOS PARA FORMULAR PROGRAMAS
• • • • • • danos necessidades coletivas definição vertical consensos padrões rígidos flexibilidade critérios técnicos critérios + amplos doenças atenção integral extensão de cobertura e simplificação compromisso epidemiológico : conceitos de magnitude, transcendência e vulnerabilidade

O QUE A PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE NÃO É
• racionalização de meios escassos para atingir objetivos mínimos • padronização sistemática de condutas • uma panacéia para resolver todos os problemas de saúde

PROGRAMAÇÃO EM SAÚDE
• Recurso de natureza essencialmente epidemiológica para a organização do trabalho em saúde

• Envolve diversas ações parciais que devem funcionar de modo automático e articulado • Demanda espontânea deve ser dinamicamente subordinada à demanda normalizada e estimulada

Algumas características comuns em Programas de Saúde (1)
• São voltados para grandes grupos e/ou subdivisão por danos – Pré-natal / Hanseníase / DST/AIDS • Incluem normatização de atividades e sistemáticas de avaliação (uso de registros padronizados, indicadores de processo e resultados – Ex: número de diabéticos cadastrados / número de internações por complicações do diabetes – Ex: tuberculose e hanseníase (inclusive esquemas de tratamento)

Algumas características comuns em Programas de Saúde (2)
• Definem quem e quando atender – cronogramas – papel dos diversos membros da equipe de saúde – Ex: alternância de consulta médica e de enfermagem no Hiperdia • Os usuários recebem fichas de controle – Ex: carteira de vacinação, saúde bucal • Definem normas para a indicação de exames, avaliação global periódica e avaliação contínua específica

DESAFIOS
• não compreender programação como burocratização • superar oposições:
– programação - autonomia – demanda espontânea - potencial

• articular programas entre si e ao projeto político para a saúde

Bibliografia
• Schraiber,LB (org.)Programação em saúde hoje. São Paulo: HUCITEC, 1993. (2ª edição) TEM NA BIBLIOTECA DE BIOCIÊNCIAS

 TODOS OS PROGRAMAS VIGENTES NO SUS ESTÃO DISPONÍVEIS NA INTERNET (www.saude.gov.br)

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->