P. 1
_AULA_geologia

_AULA_geologia

|Views: 1.230|Likes:
Publicado pornayflorestal6639
Aula do Prof.º Dr. Antonio Garcia, referente à disciplina Geologia Aplicada à Pedologia
Aula do Prof.º Dr. Antonio Garcia, referente à disciplina Geologia Aplicada à Pedologia

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: nayflorestal6639 on Dec 07, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/11/2014

pdf

text

original

Aula 5

Prof. Dr. Antônio Garcia

DISCIPLINA 210011: #GEOLOGIA APLICADA A PEDOLOGIA    SUMULA TEORICA:  A Geologia – historico, objetivos Caracteristicas Gerais do Planeta Terra. Os principais materiais terrestres (mineralogia e petrologia). As transformacoes terrestres ao longo do tempo geologico. Nocoes de estratigrafia e geologia histórica. Princípios, datação, tempo geológico e unidades estratigraficas. Agentes e processos geológicos, Ciclo geológico. Dinamica Interna, tectonica global, magmatismo e plutonismo. Dinamica Externa, intemperismo, erosão, transporte e sedimentação. Formas e evolucao de relevo. Geomorfologia e sedimentologia fluvial e litoranea. Genese dos solos. Acao da agua, ciclo hidrologico, agua subterranea. Pratica: minerais formadores de rocha e principais

DISCIPLINA 210011: #GEOLOGIA APLICADA A PEDOLOGIA    CALENDARIO DE ATIVIDADES:  AULAS AS TERCAS-FEIRAS DAS 14 AS 18 HORAS JULHO  25 - Nocoes de estratigrafia e geologia histórica. Princípios, datação, tempo geológico e unidades estratigraficas.

DISCIPLINA 210011: #GEOLOGIA APLICADA A PEDOLOGIA    CALENDARIO DE ATIVIDADES:  AULAS AS TERCAS-FEIRAS DAS 14 AS 18 HORAS AGOSTO  01 – Avaliação Teórica, 08 – Genese e tipos dos solos. Acao da agua, ciclo PROJETO
ABERTO EM GEOLOGIA

hidrologico, agua subterranea 15 – Formas e evolucao de relevo 22 - Geomorfologia e sedimentologia fluvial e litoranea 29* - Pratica: minerais formadores de rocha e principais rochas;Nocoes de escalas, leitura de mapas geologicos e pratica de campo no estado de Sergipe

SAIDA DE CAMPO

- 12 e 13 de

Agosto ??? SETEMBRO  05 Reuniao Final de Avaliacao
..

- Introdução à cristaloquímica: Retículos cristalinos, cela unitária, sistemas cristalinos; Conceitos de mineral, mineralóide, minério, mineral útil e mineral de ganga; - Métodos analíticos em geoquímica; - Ligações químicas: Forças nas ligações químicas; Tipos de ligações químicas e suas propriedades; Princípios de coordenação; Variações na composição dos minerais; Substituições iônicas; Soluções sólidas

CARACTERIZAÇÃO TECNOLÓGICA DE MATÉRIAS PRIMAS MINERAIS
1. Revisão de conceitos de Mineralogia e Cristaloquímica
Adaptado de: Prof.Dr.Henrique Kahn

1. Métodos analíticos 2. Ligações químicas – revisão dos conceitos

CRISTAL: corpo sólido com átomos dispostos em um arranjo tridimensional angular.
Perspectiva da estrutura de um cristal de grafita (C)

Grafita: modelo de representação convencional: planar

CRISTAL
Halita (NaCl)

Halita: sistema cristalino

RETÍCULO CRISTALINO
É definido pelas três direções e pelas distâncias ao longo das quais o conjunto de átomos é repetido no espaço. Visualização espacial através dos Retículos espaciais de Bravais.

SISTEMAS CRISTALINOS
ISOMÉTRICO OU CÚBICO TETRAGONAL ORTORRÔMBICO HEXAGONAL MONOCLÍNICO TRICLÍNICO ROMBOÉDRICO OU TRIGONAL

CELA UNITÁRIA
Menor conjunto de átomos que, se transladado no espaço, gera uma estrutura infinita (retículo cristalino). Este conjunto de átomos (menor unidade do retículo cristalino) pode ser traduzido pela forma geométrica de um paralelepípedo.

MINERAL
Substância natural, sólida, homogênea, inorgânica, de composição química definida dentro de certos limites e com estrutura cristalina.

Muscovita – KAl2(AlSi3O10 )(OH)2

MINERALÓIDE
Substâncias naturais que não se enquadram perfeitamente na definição de Âmbar – mineral:
-sem composição química definida - amorfo

C40 OH64 O4

Obsidiana – SiO4

-origem orgânica

Limonita –

FeO.OH.H2O

MINÉRIO
Mineral ou agregado de minerais de interesse econômico que pode ser aproveitado técnica e economicamente.

Diamante - C

MINERAL ÚTIL
Porção do minério de interesse econômico: fração a ser aproveitada.

Calcopirita – CuFeS2 – em quartzo

MINERAL DE GANGA
Porção do minério sem interesse econômico: fração a ser rejeitada.

Quartzo –

SiO2

Métodos diretos (não destrutivos): •Petrografia óptica convencional •Microscopia eletrônica •Microssonda eletrônica Métodos indiretos (destrutivos): •Difratometria de raios X •Cromatografia líquida •Absorção atômica

Método diretos: microscópio eletrônico e microssonda

Método indireto: cromatógrafo líquido de alta pressão

FORÇAS DE LIGAÇÕES QUÍMICAS NOS CRISTAIS
As forças de ligação compreendem forças de natureza elétrica (íon/ átomos) na substância. A espécie e intensidade destas forças (tipo de ligação) definem propriedades físicas, químicas e físico-químicas dos minerais.

MAIOR DUREZA LIGAÇÃO + FORTE MAIOR P.F. MENOR COEFICIENTE DE EXPANSÃO TÉRMICA MENOR SOLUBILIDADE

LIGAÇÃO IÔNICA
Os íons da estrutura de um cristal estão unidos por forças eletrostáticas.

Fluorita –

CaF2

Halita - NaCl

Modelos de ligação iônica

Ligação iônica no mineral Halita

Transferência de elétrons na ligação iônica

PROPRIEDADES DOS COMPOSTOS IÔNICOS
→Dureza e densidade relativa moderadas →Pontos de fusão (P.F.) e ebulição (P.E.) razoavelmente elevados →Maus condutores de calor e eletricidade →Elevada simetria dos cristais

LIGAÇÃO COVALENTE
Os elétrons são compartilhados pelos elementos da ligação. É a mais forte das ligações químicas.

Diamante C

Diferenças fundamentais nas ligações do diamante e do grafite, ambos compostos de carbono.

Outros exemplos de ligações covalentes

Principais diferenças entre compostos iônicos e covalentes

PROPRIEDADES DE COMPOSTOS UNIDOS POR LIGAÇÃO COVALENTE
→Minerais insolúveis →Compostos estáveis com P.F. e P.E. muito altos →Usualmente não condutores →Apresentam simetria cristalina mais baixa que a dos compostos iônicos.

LIGAÇÃO METÁLICA
Os elétrons estão “livres”, ou seja, não estão ligados a nenhum núcleo atômico, podendo transitar livremente.

Ex. METAIS NATIVOS: Au, Ag, Pt e Cu.

PROPRIEDADES DOS COMPOSTOS METÁLICOS
→ Plasticidade → Tenacidade → Ductibilidade → Condutividades térmica e elétrica elevadas → Dureza, P.E. e P.F. elevados.

LIGAÇÃO DE VAN DER WALLS
Ligações fracas que unem moléculas e unidades através de pequenas cargas residuais.
Ex: GRAFITA (C) – ligações entre as camadas de átomos de carbono ligados covalentemente.

PROPRIEDADES CONFERIDAS AOS COMPOSTOS PELAS LIGAÇÕES DE VAN DER WALLS
→ É a mais fraca das ligações estudadas. → Quando ocorre nos minerais define uma direção de clivagem fácil e de baixa dureza.

DIFERENTES TIPOS DE LIGAÇÕES
Parcela expressiva dos minerais apresentam dois ou mais tipos de ligações com intensidade e caráter distintos.
GRAFITA: Ligações covalentes –horizontais Ligações de Van der Walls - verticais

Os minerais cristalizam-se a partir de soluções com composição química complexa e em diferentes condições de pressão e temperatura. Nestas condições, íons de naturezas similares (raio iônico e valência) podem ser substituídos. A SUBSTITUIÇÃO é controlada pela temperatura e pelo raio iônico.

SUBSTITUIÇÃO IÔNICA
Substituição de íons ou grupos iônicos por outro íon ou grupo iônico com a mesma valência.

Substituição Zn+2 → Fe+2
Substituição entre zinco e ferro na esfarelita (ZnS) em função da temperatura

S

Zn

Raios iônicos: Fe = 1,25 Å Zn = 1,17 Å

Diferença de raio iônico → condições de substituição: Diferença inferior a 15% → substituição fácil Diferença entre 15 e 30% → limitada e rara Diferença superior a 30% → escassa possibilidade

SUBSTITUIÇÃO DUPLA OU POR ACOPLAMENTO
Substituição iônica simultânea de dois íons com valências distintas e compensação da variações de carga (valência). Exemplo: série dos plagioclásios: Si+4 → Al+3 Na+1 → Ca+2 (Na(i-x) , Cax) Al [ Alx , Si(3-x) ] O8
onde 0 > x > 1

EXEMPLOS DE SUBSTITUIÇÕES COM INTERESSE ECONÔMICO
Galena – PbS
Chumbo (Pb) – 1,47Å - substituído por prata (Ag) – 1,34Å

Pirrotita – FeS
Ferro (Fe) – 1,17Å – substituído por níquel (Ni) – 1,15Å

EXEMPLOS DELETÉRIOS
Magnesita – MgCO3
Magnésio (Mg) – 1,36Å – substituído por ferro (Fe) – 1,17Å

Apatita – Ca5(PO4)3F
Fósforo (P) – 1,06Å – substituído por arsênio (As) – 1,20Å

SOLUÇÃO SÓLIDA
SUBSTITUIÇÃO IÔNICA COMPLETA EM UM GRUPO ESTRUTURAL. Exemplo: Fe+2 e Mg+2 no grupo isoestrutural da calcita:
Fe+2 → siderita : FeCO3 Mg+2 → magnesita : MgCO3

Notação: (Fe, Mg) CO3

Fundamentos de Mineralogia aplicada - Argilominerais: composição e estrutura; - ......

ARGILOMINERAIS

ESMECTITAS DIOCTAÉDRICAS • Montmorilonita •Beideleita •Nontronita ESMECTITAS TRIOCTAÉDRICAS •Stevensita •Hectorita •Saponita

Potássio total/parcialmente substituído por sódio (rubídio, césio, bário,...)

caulinita

clorita ilita

vermiculita smectita

Cargas elétricas em superfície: importante propriedade

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->