Você está na página 1de 3

Anlise do poema Ignoto Deo de Almeida Garret.

Ignoto Deo

(D. D. D.)
Creio em ti, Deus; a f viva
De minha alma a ti se eleva.
s: - o que s no sei. Deriva
Meu ser do teu: luz... e treva,
5 Em que - indistintas! - se envolve
Este esprito agitado,
De ti vm, a ti devolve.
O Nada, a que foi roubado
Pelo sopro criador
10 Tudo o mais, o h-de tragar.
S vive do eterno ardor
O que est sempre a aspirar
Ao infinito donde veio.
Beleza s tu, luz s tu,
15 Verdade s tu s. No creio
Seno em ti; o olho nu
Do homem no v na terra
Mais que a dvida, a incerteza,
A forma que engana e erra.
20 Essncia! a real beleza,
O puro amor - o prazer
Que no fatiga e no gasta...
S por ti os pode ver
O que, inspirado, se afasta,
25 Ignoto Deo, das ronceiras,
Vulgares turbas: despidos
Das coisas vs e grosseiras
Sua alma, razo, sentidos,
A ti se do, em ti vida,
30 E por ti vida tm. Eu, consagrado
A teu altar, me prostro e a combatida
Existncia aqui ponho, aqui votado
Fica este livro - confisso sincera
Da alma que a ti voou e em ti s spera.

1. Qual o tema central do texto?





2. Identifique os actantes.


3. Existem imagens associadas natureza? Quais? Como elas auxiliam no
desenvolvimento do tema do texto?

Neste poema no h imagens associadas natureza.

4. Faa um levantamento das figuras de linguagem.

No verso 4 (quatro) h presena de paradoxo devido o uso das palavras luz
e treva.
Meu ser do teu: luz... e treva,

No contexto geral do poema h anttese se analisarmos o verso 3 (trs)
onde o eu-lrico declara que no sabe o que Deus , mas nos versos 14 (quatorze) e
15 (quinze) o eu-lrico declara que Deus beleza, luz , verdade:

(...)Beleza s tu, luz s tu,
Verdade s tu s. No creio(...)

Devido o uso das palavras tudo, nada - percebe-se tambm a anttese nos
seguintes trechos (versos 8, 9 e 10):

O Nada, a que foi roubado
Pelo sopro criador
Tudo o mais, o h-de tragar.


5. Identifique as caractersticas romnticas presentes no texto.

Est presente a subjetividade, o conflito interior do eu-lrico que representa
seu estado de alma extremo e h tambm o idealismo.
Pode-se reconhecer o idealismo pelo uso das palavras no poema que
remetem o inalcanvel: Deus, f viva, alma, Beleza, luz, verdade, essncia, puro
amor, no fatiga. O conjunto das palavras: esprito agitado, aspira ao infinito, dvida,
forma, incerteza e combatida existncia denotam a realidade humana.
O verso 6 (seis) declara o conflito do eu-lrico: Este esprito agitado.
As palavras: creio, eleva, aspirar ao infinito, consagrado e votado reforam a
ideia da busca humana pela perfeio.