Você está na página 1de 1

Formanda: Brígida de Freitas Cerqueira Pinto

Tarefa 2 - 2ª PARTE:

Comentário ao trabalho da formanda Isabel Ramos

No que diz respeito à integração do processo de auto-avaliação no


Agrupamento da sua escola faz uma abordagem bastante elucidativa e
objectiva ao plano que pretende implementar, envolvendo toda a estrutura
organizativa da escola.
Constato, tal como na minha escola, que na implementação desse
modelo depara-se com uma cultura de escola resistente à mudança de
práticas; a visão da BE ainda é vista, por alguns, como espaço que
oferece o acesso a recursos e equipamentos e pouca familiarização com o
processo.
De seguida, o plano que a Isabel apresenta pretende dar uma nova
Visão da Biblioteca Escolar à Comunidade Educativa.
Assim sendo, durante o primeiro período, o início do processo de
implementação é acompanhado de uma boa calendarização.
Inicialmente, há uma fase informativa dirigida às estruturas organizativas
da escola.
A professora bibliotecária aparece como líder de todo o processo e
revela preocupação de informar a Coordenadora dos projectos e a
Directora sobre a importância da operacionalização do modelo.
A integração dos alunos e dos pais no processo de auto-avaliação da BE
é um factor bastante positivo a ter em conta (claro não esquecendo o
valioso contributo do Director de Turma na divulgação da informação),
uma vez que o espaço pretende contribuir para o sucesso educativo dos
seus educandos.
Reforçando a ideia que referiu inicialmente, e que é do meu agrado, com
este modelo pretende-se avaliar os serviços prestados e saber o que
fazer para melhorar ? O que vamos tentar fazer? E o que vamos descobrir.
Continuação de um bom trabalho.
Brígida Pinto