Você está na página 1de 17

Instituto Português de Naturologia

Disciplina de Massagem Ocidental, Drenante e Desportiva


Ano lectivo 2007-2008

Efeitos Terapêuticos
da Massagem

“A pressão das mãos faz correr as fontes da vida”


T.Namikoshi, 1972

Maria Sofia Fonseca Santos


Curso de Massagem (turma C)
11 de Janeiro de 2008
Maria Sofia Fonseca Santos

1. Introdução
A palavra “massagem” é derivada do grego “massein” que quer dizer aproximadamente
“amassar”, e que está relacionada ao latim “manus”, mão. Todos os profissionais da massagem
devem ter mãos bem treinadas para executar cm firmeza as manobras “manipulativas” aos
tecidos moles do organismo.
Segundo o grande filósofo e cientista árabe Avicewa, "o objectivo da massagem consiste em
dispersar as matérias gastas (metabolitos) formadas no músculo e não expelidas pelo
exercício. Ela faz com que a matéria gasta se disperse, removendo assim a fadiga". Embora
a massagem dos tecidos moles (tecidos não esqueléticos, i.e., que excluem osso, ligamento,
cartilagem e tecido fibroso) tenha sido aperfeiçoada ao longo de muitos milhares de anos, existe
um número relativamente pequeno de estudos científicos sobre os seus efeitos e eficácia. A
grande maioria dos textos sobre o assunto "massagem" concentra-se mais na descrição das
técnicas e nos efeitos observados do tratamento do que nos esforços de investigações destes
efeitos sob o ponto de vista científico. É recente o interesse na avaliação objectiva dos efeitos da
massagem.
Quais os efeitos que a massagem pode ter é um tema que não está totalmente entendido nem
definido. Muita da informação baseia-se na experiência clínica, tanto em relatos objectivos como
em testemunhos subjectivos dos pacientes. Alguns relatos são racionalizações de hipóteses
baseadas no conhecimento da anatomia e da fisiologia. Outros, baseiam-se em estudos
laboratoriais controlados, e alguns ainda podem ser definitivamente descritos como sendo frutos
de pura especulação.
Os efeitos da massagem já foram descritos e classificados de diversos modos. Mennel referiu-
se aos efeitos mecânicos (pressão e tensão), químicos, reflexos e psicológicos. Outros
autores discutiram os efeitos gerais e locais. Contudo, é provável que a maioria dos tratamentos
por massagem produza os seus efeitos em decorrência de uma combinação de factores
mecânicos, fisiológicos e psicológicos.

2. Efeitos Mecânicos
O efeito principal da massagem consiste em produzir estimulação mecânica dos tecidos por
meio de uma pressão e estiramento ritmicamente aplicados.
Os movimentos de compressão, tracção, estiramento, pressão e fricção exercem evidentes
efeitos mecânicos nos tecidos. As forças mecânicas associadas a cada técnica afectam os
tecidos de diversas formas.

Efeitos Terapêuticos da Massagem - 1


Maria Sofia Fonseca Santos

A pressão comprime os tecidos moles e estimula as redes de receptores nas terminações


nervosas. O estiramento aplica tensão nos tecidos moles e estimula as terminações nervosas
receptoras. Ao aumentar o lúmen dos vasos sanguíneos e espaços intersticiais da rede linfática,
estas duas forças afectam a circulação capilar, venosa, arterial e linfática. A massagem também
pode soltar o muco e promover a drenagem do excesso de líquidos nos pulmões.

EFEITOS MECÂNICOS

Movimentos de:

 linfa;
 sangue venoso;
 secreções pulmonares;
 edema;
 conteúdo intestinal;
 conteúdo de hematomas.

Fig. 1 – Resumo dos efeitos mecânicos da Massagem

Devemos esperar, por exemplo, que as várias técnicas de amassamento e torcedura exerçam um
considerável efeito mobilizador sobre a pele, tecidos subcutâneos e músculos, graças à
alternância dos movimentos de compressão e estiramento. Em contraste, espera-se que a
pressão gradualmente crescente da effleurage "empurre" o sangue venoso e a linfa presentes
nos vasos superficiais na direcção do coração, promovendo assim uma boa circulação e a
resolução do edema e do hematoma crónico. De modo semelhante, a pressão e direcção das
técnicas de alisamento e effleurage promovem a mobilização do conteúdo intestinal.
O modo como estas forças mecânicas são aplicadas é determinado, em grande parte, pela
escolha das técnicas de massagem (alisamento, amassamento, percussão, vibração, fricção)
pelo terapeuta e pela sua habilidade em ajustar a duração, pressão, velocidade e ritmo do
estímulo. Estes efeitos também poderiam ser classificados como mecânicos, fisiológicos
(inclusive reflexos) e psicológicos. Um efeito puramente mecânico pode ser demonstrado pelo
alisamento das veias superficiais e, com uma pressão directa, a remoção do sangue que está no
interior da veia submetida ao alisamento.
Embora seja importante a identificação dos efeitos mecânicos da massagem, são os efeitos
fisiológicos que devem ser levados em consideração com certo detalhe, visto que eles dão
origem ao potencial terapêutico da massagem.

2 - Ef eitos Terapêuticos da Massagem


Maria Sofia Fonseca Santos

3. Efeitos Fisiológicos

EFEITOS FISIOLÓGICOS
 Aumento da circulação sanguínea e linfática;
 Resolução do edema e hematoma crónicos;
 Aumento do fluxo de nutrientes;
 Remoção dos produtos catabólicos e metabólicos;
 Facilitação da actividade muscular;
 Estimulação do processo de cicatrização;
 Aumento dos movimentos das articulações;
 Sono retemperador;
 Estimulação das funções autónomas;
 Alívio da dor;
 Estimulação das funções viscerais;
 Remoção das secreções pulmonares;
 Aumento da temperatura periférica da pele
 Mobilização da pele e dos tecidos subcutâneos
 Aumento da flexibilidade do tecido conjuntivo;
 Estímulo sexual;
 Promoção do relaxamento local e geral.

Fig.2 – Resumo dos Efeitos Fisiológicos da Massagem

3.1. Efeitos na Circulação Sanguínea e Linfática

Considerando que todas as técnicas de massagem envolvem a manipulação da pele e dos


tecidos subjacentes, é razoável esperar que elas exerçam um efeito considerável no fluxo
sanguíneo e linfático nestes tecidos tratados. Wakim (1955) verificou que, aumentos moderados
mas consistentes na circulação foram observados a seguir a massagens aplicadas a
extremidades paralisadas e flácidas. A massagem vigorosa e estimulante resultou em elevações
consistentes e significativas no fluxo sanguíneo médio da extremidade massajada. Os aumentos
do fluxo sanguíneo são facilmente observáveis, pela hiperemia da pele após a massagem.
O aumento do fluxo sanguíneo, em decorrência da massagem, foi demonstrado há muito
tempo, no final do século XIX (Brunton & Turmiclifle, 1894-1895).
Pemberton (1950) demonstrou que a pressão leve produz uma dilatação praticamente
instantânea, se bem que temporária, dos vasos capilares, enquanto a pressão mais intensa pode
promover uma dilatação mais prolongada. Á observação microscópica dos campos em que
apenas alguns capilares estão abertos demonstra que a pressão pode fazer com que
praticamente todos os vasos de menor calibre se tornem visíveis, por promover a circulação
sanguínea através deles.

Efeitos Terapêuticos da Massagem - 3


Maria Sofia Fonseca Santos

Pemberton (1950) afirmava também que a massagem inquestionavelmente aumenta a


hemoglobina e os valores eritrocitários no sangue circulante, e que ocorre um aumento limitado,
mas definido, na capacidade de oxigenação do sangue após a massagem.
Muitos autores afirmaram que o efeito reflexo do alisamento superficial melhora a circulação
cutânea, especialmente o fluxo sanguíneo nas veias e linfáticos superficiais, auxilia na troca de
líquidos teciduais, aumenta a nutrição dos tecidos e ajuda na remoção dos produtos da fadiga ou
inflamação.
Severini e Venerando (1967) informaram que a massagem superficial não produziu alterações
significativas, excepto na temperatura da pele. Contudo, a massagem profunda aumentou o fluxo
sanguíneo e o volume de batimento sistólico, e diminuiu a pressão arterial (max. e mín.) e a
frequência de pulso.
Bell recomendou a massagem para o tratamento do edema provocado por fracturas, devido
aos seus efeitos no fluxo venoso e linfático.
Nos capilares linfáticos e plexos cutâneos e subcutâneos, a linfa pode se movimentar em
qualquer direcção. O seu movimento depende de forças externas ao sistema linfático como por
ex. a gravidade, contracção muscular, movimento passivo e massagem. Se ocorre obstrução dos
linfáticos mais profundos em determinada parte, é possível ainda manter abertos os linfáticos
superficiais; e, se a parte é massajada ou tem a oportunidade de drenar por gravidade, a linfa
movimentar-se-á através destes outros canais, na direcção da força externa.
Experiências com animais demonstram ocorrer pouquíssimo fluxo linfático quando um músculo
está em repouso. Von Mesengeil injectou repetidamente tinta nanquim em articulações
correspondentes de coelhos. Uma articulação era massajada, e a articulação correspondente era
deixada como controle. Nas pernas sem massagem, a tendência do material colorido em avançar
na direcção do coração era muito pequena, mas nas pernas submetidas à massagem ocorreu
grande absorção da tinta acima da articulação, nos tecidos conjuntivos intermusculares e nos
nodos linfáticos. Os linfáticos aferentes aos linfonodos ficaram intensamente corados de negro,
provando que há aumento do fluxo linfático após massagem.
Drinker e Yoffey canularam os troncos linfáticos cervicais de um cão anestesiado e foram
capazes de sustentar o fluxo linfático durante todo o dia, mediante a massagem da cabeça e do
pescoço acima das cânulas. Quando a massagem era interrompida, o fluxo linfático cessava ou
tornava-se desprezível. Neste estudo, os investigadores afirmam que, no tratamento de
distúrbios inflamatórios crónicos em que é certo que ocorrerá fibrose caso o liquido tecidual e a
linfa permaneçam estagnados no local, a massagem na direcção do fluxo linfático é a principal
medida artificial para a mobilização do liquido intersticial para os linfáticos, e também para a
mobilização da linfa na direcção da corrente sanguínea.
A ideia de usar forças mecânicas para afectar a circulação sanguínea e linfática não está
limitada ás técnicas de massagem manual. Nos últimos anos, foram criados diversos dispositivos

4 - Ef eitos Terapêuticos da Massagem


Maria Sofia Fonseca Santos

pneumáticos capazes de promover uma série de alterações controladas da pressão ao longo da


superfície de um membro. Com efeito, estes aparelhos efectuam um tipo de massagem
mecânica e mostraram ser consideravelmente benéficos no tratamento de muitos distúrbios
circulatórios agudos e crónicos, mas sobretudo em casos de edema linfático (ou Linfedema).
Certamente que as técnicas da massagem manual também têm importante papel a desempenhar
no tratamento do Linfedema (Mason, 1993).

Fig. 3 – Exemplos de Edemas Linfáticos

3.2. Efeitos no Metabolismo

 Em pessoas saudáveis não há um efeito imediato sobre o consumo basal de oxigénio.


 O débito urinário fica aumentado, sobretudo após a massagem abdominal.
 A excreção de ácidos não sofre alteração, e não há mudança no equilíbrio ácido-base;.
 As taxas de excreção para a amónia (NH4+), fósforo inorgânico (P) e cloreto de sódio
(NaCl) são aumentadas.
 É importante que nos lembremos da importância crucial do sistema linfático, na remoção
das proteínas plasmáticas e outras grandes moléculas, depois de terem sido depositadas
no líquido intersticial.

3.3. Efeitos no Tecido Muscular

Há mais de 100 anos, Maggiora (1891) descreveu a acção fisiológica da massagem no tecido
muscular. Outros autores também descreveram os efeitos da massagem neste tecido. Grande
parte da literatura que trata dos efeitos da massagem contém um número relativamente grande
de declarações positivas e de implicações acerca dos efeitos da massagem sobre os músculos,
em comparação com seus efeitos noutros sistemas e tecidos do corpo.
Os efeitos principais da massagem no tecido muscular podem ser resumidos como se
segue:
 A massagem não aumenta directamente a força do músculo normal; contudo, a
massagem é mais efectiva que o repouso na promoção da recuperação da fadiga

Efeitos Terapêuticos da Massagem - 5


Maria Sofia Fonseca Santos

causada pelo exercício excessivo. Portanto, teoricamente, a massagem torna possível


praticar mais exercício, o que, por sua vez, aumenta a força e resistência musculares.
Isso é particularmente relevante na medicina desportiva.
 Em termos gerais, a massagem não aumenta o tonus muscular, mas certas manipulações
podem ser aplicadas com o objectivo de facilitar a actividade muscular (sobretudo
técnicas de percussão).
 A fibrose tende a ocorrer no músculo imobilizado, lesionado ou desnervado. O músculo,
como um todo, torna-se mais curto que seu comprimento em repouso normal,
principalmente porque o tecido fibroso perde elasticidade, e formam-se aderências entre
as camadas do tecido conjuntivo.Com o uso cuidado de várias técnicas de massagem é
possível aplicar tensão a este tecido fibroso; o objectivo consiste em impedir a formação
de aderências, e na ruptura das pequenas aderências que já se formaram. As técnicas
mais adequadas para esta finalidade são as diversas formas de petrissage
(amassamento) e de fricção profunda. Quando complementadas por regimes
apropriados de exercícios e estiramento, as técnicas de massagem são um componente
essencial na restauração do comprimento dos músculos e de seu funcionamento normal.
 Experiências demonstraram que no caso de músculos lesionados, aqueles que foram
massajados diariamente por um período médio de cerca de 7min. voltaram a apresentar
aspecto normal, não tendo ocorrido a formação de tecido fibroso (cicatricial), não
apresentaram sinais de hemorragias intersticiais e possuíam um maior volume muscular
em geral, quando comparados com os seus pares.
 O objectivo da massagem no tratamento do músculo desnervado deve ser a manutenção
dos músculos no melhor estado possível de nutrição, flexibilidade e vitalidade, de modo
que, após a recuperação (caso isso seja possível) de um traumatismo ou enfermidade, o
músculo possa funcionar no seu limite máximo.
 As cãibras derivam duma contracção muscular excessiva. Podem ser aliviadas aflorando
e massajando a região posterior da perna e solas dos pés. A massagem dos tecidos
moles e o alongamento antes do exercício físico, evitarão o aparecimento de cãibras.
 Na Fibromialgia, doença que afecta cerca de 2,5% das mulheres, mas muito poucos
homens, ocorrem dores musculares espalhadas pelo corpo e rigidez, incluindo sintomas
como intestino irritável, ansiedade, depressão e cefaleias. A massagem ajuda no
tratamento, ao reduzir a dor e a rigidez e anula sintomas como a ansiedade e a
depressão. Num estudo recente na Touch Research International, na Florida,
massajaram-se doentes deste síndrome duas vezes por semana, durante 5 semanas. As
hormonas de stress baixaram no sangue após cada massagem e os pacientes disseram
que sentiam menos dor e rigidez muscular, tendo desaparecido a insónia.

6 - Ef eitos Terapêuticos da Massagem


Maria Sofia Fonseca Santos

3.4. Efeitos nos Ossos e Articulações

No passado, a massagem era amplamente utilizada no tratamento das fracturas, sendo então
considerada benéfica por ajudar no reparo das lesões dos tecidos moles ocorridas na zona
envolvente. Não foi estabelecido se, na verdade, a massagem ajuda na consolidação óssea. A
opinião do Comitê de Fracturas do Colégio Americano de Cirurgiões era que, no processo do
reparo ósseo normal após a fractura, "a eficácia e rapidez do crescimento do tecido dependem
da circulação eficiente nas partes... Portanto, todos os esforços devem ser envidados, desde o
inicio, no sentido de ajudar a eficiência da circulação". É difícil ver como estas técnicas podem
ser aplicadas efectivamente sem causar movimento aos fragmentos ósseos num local fracturado;
contudo, se o local fracturado está estável, as técnicas de massagem podem ter muita utilidade.
Muitas das estruturas que circundam as diversas articulações do corpo, como ligamentos,
bolsas, cápsulas e tendões, são, com frequência, locais de problemas crónicos. Em muitos casos
de disfunção crónica, o tratamento objectiva a ruptura do tecido cicatricial nestas estruturas e das
aderências entre elas. Tradicionalmente, a massagem por fricção profunda tem sido a técnica de
escolha, visto que o seu vigoroso efeito mecânico no tecido cicatricial tem evidente utilidade na
restauração da amplitude de movimentos normais e indolores numa articulação afectada (Cyriax,
1984; Hammer, 1993).
A Osteoartrite, conhecida também por Doença Degenerativa das Articulações, afecta as mãos,
ancas, joelhos e coluna. Em consequência da idade, as cartilagens que unem as articulações
deterioram-se gradualmente, alargando-se e tornando-se rígidas e dolorosas. Uma massagem
suave em torno dos pontos críticos é muito tranquilizante pois melhora a circulação: estimula o
fluxo linfático e a remoção das toxinas, reduzindo a inflamação e a rigidez.

3.5. Efeitos no Sistema Nervoso

Existe pouca informação directa na literatura sobre os reais efeitos da massagem no


funcionamento do sistema nervoso humano. Apesar disso, é possível descrever alguns efeitos
prováveis, com base no que se sabe da neurobiologia do sistema. Por exemplo, sempre que a
pele é tocada, ou os tecidos subjacentes são manipulados, são activados diversos receptores
sensitivos em vários tecidos. Sinais aferentes avançam até a medula espinal, formam sinapses
com diversos neurónios espinhais e terminam "encontrando seu caminho" até ao córtex sensitivo
e outros centros cerebrais. Da espinha, podem ser disparados vários reflexos espinhais,
dependendo do tipo e profundidade da técnica de massagem e da parte do corpo que está sendo
massajada.
Obviamente, existem duas vias possíveis pelas quais a massagem dos tecidos moles pode
exercer acção no sistema nervoso: por efeitos directos e/ou indirectos.

Efeitos Terapêuticos da Massagem - 7


Maria Sofia Fonseca Santos

Diversos estudos demonstraram que, de fato, são possíveis muitos efeitos directos. Ficou
demonstrado que a massagem (amassamento) realizada directamente no músculo causa uma
diminuição significativa da amplitude da resposta do reflexo H (reflexo de Hoffmann), mas
apenas durante o período da massagem (Sullivan, Williams, Seaborne & Morelli, 1991). Goldberg
e colaboradores (1992) estudaram o efeito de duas intensidades de massagem na amplitude do
reflexo H e demonstraram que uma técnica de massagem mais profunda produziu uma redução
mais pronunciada na amplitude do reflexo H do que a massagem superficial. Estes resultados
também são importantes, porque indicam que a massagem do tecido muscular e de suas
estruturas afins (por exemplo, pele, tecidos subcutâneos) pode alterar o nível de excitabilidade
dos neurónios motores espinhais. O efeito é de natureza reflexa, sendo provável que esteja
associado a um aumento no disparo dos receptores pressossensíveis no músculo (efeitos
indirectos).
O efeito sedativo da massagem geral pode ser facilmente demonstrado, e já Mennell, em 1945,
afirmava que "há provavelmente um efeito no sistema nervoso central, bem como um efeito local
nos nervos sensitivos e, possivelmente, nos motores".
A massagem poderá ter um papel na "conversão" do sistema nervoso autónomo de um estado
de resposta simpática para parassimpática. A pressão aplicada durante a massagem poderá
estimular a actividade do nervo vago (Field, 1998) que leva a uma redução de hormonas de
stress as quais poderão estimular uma subsequente resposta parassimpática, por parte do
sistema nervoso autónomo (Hulme, Waterman, & Hillier, 1999). Ao estimular
fisiologicamente uma resposta parassimpática, a massagem poderá originar reduções ao nível da
ansiedade e depressão.
Não é nova a ideia de promover efeitos específicos no sistema nervoso, ou de facto no controle
nervoso de muitos órgãos e sistemas. A acupressão tradicional e muitas técnicas orientais de
massagem propõem-se a afectar uma série de funções do sistema nervoso (sistema de
massagem japonesa conhecido como shiatsu).
Exemplos deste princípio também podem ser encontrados nas teorias da Reflexologia, que
defendem que a estimulação manual directa de diversas áreas do corpo (principalmente, mas
não exclusivamente, os pés e mãos) produz efeitos em outros locais do corpo.

3.6. Efeitos na Dor

A dor é um mecanismo protector essencial à sobrevivência. A sensação dolorosa é transmitida


do seus receptores pela espinal medula até ao tálamo, no cérebro. Depois vai para o córtex
sensorial que localiza o problema.

8 - Ef eitos Terapêuticos da Massagem


Maria Sofia Fonseca Santos

Os receptores da dor são as terminações livres (pele, periósteo, paredes arteriais,...). A maior
parte das fibras dolorosas pode ser excitada por tipos múltiplos de estímulos (frios, alongamento
excessivo, calor,...), que são denominados nociceptores mecânicos, térmico e químico.
Aliviar a dor pela fricção é um comportamento nitidamente instintivo, praticado pelos seres
humanos e por muitos animais. A fricção da pele estimula mecanorreceptores cutâneos que, ao
receber estes sinais aferentes são capazes de bloquear a transmissão dos sinais nociceptivos
(dolorosos). Este efeito é facilmente demonstrável, e a maioria das pessoas já o experimentou.
Melzak e Wall (1965) desenvolveram a Teoria do Portal da Dor – haveria um mecanismo ou
“portal” que limitaria o número de impulsos transmitidos pela espinal medula ao cérebro, num
determinado momento. Os nervos transportadores da sensação de luz, toque e pressão enviam
impulsos mais depressa do que os que tratam da informação dos receptores da dor. A teoria
explica porque a massagem alivia a dor. Se esfregar o cotovelo, depois de ter batido com ele na
porta ajuda a abrandar a dor, porque a sensação da fricção chega primeiro ao portal da espinal
medula. O portal fecha-se ao impulso da dor porque outro impulso, o da fricção, já está a ser
recebido. Assim, a massagem como estímulo alternativo fecharia o portal a impulsos dolorosos.
Além de distrair da dor, a massagem produz relaxamento, diminui a excitação e dá bem-estar.
Temporariamente aumenta a circulação local, removendo (drenando) substâncias libertadas
pelos tecidos lesionados, os chamados "metabolitos da dor" (histamina, prostaglandinas, ácido
láctico) que sensibilizam os receptores da dor; tudo isto ajuda a reduzir a sua percepção.

Field et al. (1996) sugerem que a aplicação da massagem poderá levar a uma redução de
níveis de serotonina, que poderá inibir a transmissão de sinais nervosos ao cérebro (Field, 1998).
Outros sugerem que manipulações como a effleurage, ou a aplicação de pressão, poderá
estimular a libertação de endorfinas na corrente sanguínea (Oumeish, 1998) conduzindo ao alívio
da dor e ao bem-estar geral.
Diversos artigos sugerem que a massagem poderá acelerar a regeneração tecidular e promover
a redução de dor através de efeitos mecânicos. As manipulações e pressão aplicadas durante a
massagem poderão quebrar aderências subcutâneas e prevenir fibroses (Wilton, 2002), assim
como promover a circulação sanguínea e linfática (Fritz, 2000).

3.7. Efeitos nos Órgãos e Vísceras

 Beard e Wood defendem que a massagem do abdómen por amassamento e alisamento


profundo é efectiva na estimulação do peristaltismo (ondas de contracção do aparelho
digestivo que fazem avançar os alimentos pelo sistema) intensificando assim o
esvaziamento do intestino desde que a massagem seja realizada no sentido do
peristaltismo intestinal (sentido horário). Algumas porções do intestino grosso são bem

Efeitos Terapêuticos da Massagem - 9


Maria Sofia Fonseca Santos

constantes na sua relação com a parede abdominal, podendo ser seguida a passagem
do conteúdo do duodeno, cólon ascendente, sigmóide e descendente.
 Pesquisas na Universidade de Sheffield, Inglaterra, em doentes de síndrome de irritação
intestinal, descobriram que o stress tem um papel influente afectando as funções
intestinais de vários modos: nos propensos à prisão de ventre, a comida transita mais
devagar pelo cólon, nos propensos a diarreia, transita mais depressa. A massagem
ajuda em ambos os transtornos, por reduzir o stress, que prejudica as funções
digestivas.
 O tratamento por massagem do pâncreas foi sugerido por alguns autores. Mennell
pensava que este órgão poderia ser afectado reflexamente, mas parece provável que
este seja apenas um efeito indirecto de uma melhora generalizada do tonus vascular.
 Mennell questionava o uso da massagem para os rins.
 A massagem directa do coração é utilizada como tratamento de emergência.
Kouwenhoven et al. comunicaram uma taxa de sobrevida prolongada de 70% para
pacientes com paragem cardíaca e que foram submetidos à massagem cardíaca a peito
fechado.

3.8. Efeitos nas Secreções Pulmonares

As técnicas percussivas e vibratórias de massagem podem ser usadas em combinação com


outras medidas de fisioterapia torácica, para evitar ou tratar distúrbios pulmonares agudos e
crónicos.

3.9. Efeitos na Pele

Este é o órgão de toque, tornando-se talvez no mais importante, no que concerne à massagem.
É também o maior, com 1,5 a 2 m2 e um peso médio de 4,5 Kg. Indispensável à vida, mantém o
corpo hidratado, protege-o do meio exterior e regula-lhe a temperatura. Em cada cm2 de pele
calcula-se que haja 250 receptores nervosos sensíveis ao toque, pressão, dor e temperatura.
Pouco se sabe acerca do metabolismo da pele, e assim torna-se difícil avaliar como este tecido
pode ser afectado pela massagem.
A observação clínica demonstra que, em seguida à massagem efectuada a uma parte do corpo
previamente engessada durante algumas semanas, pode ser notada uma melhoria, definida na
textura e aspecto da pele. Se a pele ficou com aderências aos tecidos subjacentes e se ocorreu
formação de tecido cicatricial, aplicam-se movimentos de fricção e tensão com o propósito de
conseguir um afrouxamento mecânico dos tecidos aderidos, bem como para o amolecimento de
cicatrizes.

10 - E f e i t o s T e r a p ê u t i c o s d a M a s s a g e m
Maria Sofia Fonseca Santos

Como a pele se adelgaça e perde elasticidade ao longo da vida, a massagem tem duas
vantagens: aumenta a circulação, “alimentando” a pele com nutrientes orgânicos, e amacia-a,
pelo uso dos óleos. A massagem e os óleos essenciais ajudam a cicatrizar úlceras e outras
situações que podem surgir com a idade.
O uso de uma quantidade excessiva de creme de massagem ou óleo na pele, pode colmatar a
porosidade natural da pele e diminuir significativamente a sua função “respiratória”.

3.10. Efeitos no Tecido Conjuntivo

As conclusões obtidas de um estudo hospitalar com 75 mulheres sofrendo de Síndrome Pré-


Menstrual (SPM) em que estas foram submetidas a duas sessões semanais de Massagem do
Tecido Conjuntivo durante 3 ciclos menstruais, como proposta terapêutica não medicamentosa,
produziu diminuição no “score” médio de dor ao longo do tempo de tratamento e após o seu
término, além de redução da proporção de mulheres que usaram analgésicos. Assim, o estudo
atribui um efeito positivo à Massagem do Tecido Conjuntivo, como terapêutica alternativa à
medicamentosa para mulheres com dismenorréia.

3.11. Efeitos no Tecido Adiposo

Alguns pesquisadores investigaram que após aplicarem uma massagem vigorosa em certas áreas
da parede abdominal em animais, de forma tão intensa, o suficiente para causar pequenas
hemorragias, efectuaram uma análise microscópica às áreas massajadas e às áreas não tratadas,
mostrando que não há mudança no tecido adiposo de ambas.
Krusen sustentava que as tentativas de redução dos depósitos localizados de gordura são inúteis.

4. Efeitos Psicológicos
EFEITOS PSICOLÓGICOS
 Relaxamento físico
 Alívio da ansiedade e do stress
 Estimulação da actividade física
 Alívio da dor
 Estímulo Sexual
 Sensação geral de bem-estar
 Aumento da auto-estima
 Fé
 Optimização da vitalidade
 Acção harmonizante e reguladora

Fig. 4 – Resumo dos efeitos Psicológicos da Massagem

E f e i t o s T e r a p ê u t i c o s d a M a s s a g e m - 11
Maria Sofia Fonseca Santos

Muitos dos efeitos fisiológicos da massagem descritos anteriormente têm um componente


psicológico significativo.
A atenção concentrada do terapeuta para com o paciente, combinada com a sensação física
agradável, frequentemente estabelece uma relação de confiança, e o paciente sente-se à
vontade para revelar os seus problemas, preocupações, e factos sobre sua saúde que ele
pensava serem mínimos para contar ao médico.
O terapeuta deve agir como ouvinte e guardar toda a informação revelada como confidencial.
Deve ser cuidadoso em prevenir que se crie muita dependência do seu relacionamento e deve
aconselhar o paciente a revelar ao médico todos os factos sobre a sua saúde.

4.1. Relaxamento Físico

O conceito de relaxamento não é principalmente físico. É, na verdade, tanto fisiológico quanto


psicológico. Para que os músculos relaxem é necessário um esforço consciente do paciente para
"se soltar". Técnicas de massagem apropriadas podem contribuir para este processo.
A massagem faz “respirar” corpo e mente – dá-lhes tempo para se relaxarem e descontraírem.
Quem não se preocupa dorme melhor e e consegue viver a vida com mais equilíbrio, o que ajuda
a enfrentar os problemas.

4.2. Alívio da Ansiedade e do Stress

Quando o indivíduo reage a uma situação aflitiva, as hormonas do stress invadem-no, os


músculos ficam tensos, a respiração acelera-se e os batimentos cardíacos aumentam. Sem
actividade intensa para eliminar as hormonas do stress, o organismo sofre, surgindo irritabilidade,
fadiga, insónias, depressão, dores nas costas, cefaleias, ansiedade, indigestão e tensão alta.
À medida que a massagem promove relaxamento, também ajuda a reduzir a ansiedade e tensão,
porque permite um desligamento psicológico dos problemas diários.
Para diminuir a ansiedade, a massagem é melhor que a maior parte das actividades físicas. Em
1988 investigadores na North Texas State University, EUA, compararam os efeitos relaxantes de
vários desportos com 30 minutos de massagem e concluíram que só caminhadas rápidas igualam
esta.

4.3. Estimulação da Actividade Física

Certas técnicas de massagem são bastante estimulantes, produzindo uma forte sensação de
revigoramento.

12 - E f e i t o s T e r a p ê u t i c o s d a M a s s a g e m
Maria Sofia Fonseca Santos

4.4. Alívio da Dor

A percepção da dor é em grande parte um conceito psicológico. Tem importantes substratos


fisiológicos, mas há necessidade da mente consciente para que haja percepção da dor.
Ferrell-Torry & Glick (1993) investigaram que a massagem pode modificar a ansiedade e a
percepção de dor em pessoas com cancro.
Este tópico está mais desenvolvido no ponto 3.6.

4.5. Estímulo Sexual

É tanto um processo psicológico, como físico: a estimulação sexual ocorre na mente. Certamente,
a estimulação periférica ajuda, mas todo o processo não é apenas uma simples acção reflexa.

4.6. Sensação Geral de Bem-estar

Há indícios cada vez maiores de que a saúde física e mental são inseparáveis e de que a
massagem acalma o espírito, ao relaxar o corpo. Alivia o esforço duma atenção constante
induzindo uma sensação de bem-estar no paciente.
Um estudo de Weinberg & Kolodny (1988) investigou a relação entre o exercício, a massagem e o
aumento da disposição. Os pesquisadores concluíram que a massagem relacionou-se
consistentemente ao aumento de humor positivo transitório e ao bem-estar psicológico.

4.7. Aumento da Auto-Estima

A massagem ajuda também a combater a depressão. Muita gente concordará com este
testemunho: “ A massagem fortaleceu-me a confiança e deu-me o apoio que precisava. É
formidável ser tocada, acarinhada e sentir-me valorizada. Levou-me a interessar-me outra vez por
mim mesma.”

4.8. Fé Generalizada na Deposição das Mãos

A ideia de que a cura pode ser facilitada pelo toque no paciente é, certamente, muito antiga e
comum a muitas culturas antigas. Se o acto de tocar uma pessoa faz com que esta pessoa
acredite que irá ocorrer a cura, então não é demasiadamente difícil imaginar que a cura poderá,
de facto, ocorrer.

4.9. Optimização da Vitalidade

Os pacientes afirmam que depois de uma massagem se sentem mais optimistas, tranquilos e
revitalizados. Só o prazer da massagem pode ser por si só um factor de protecção, ajudando-nos

E f e i t o s T e r a p ê u t i c o s d a M a s s a g e m - 13
Maria Sofia Fonseca Santos

a “vacinar” contra as doenças. Sgundo o Dr. Warburton, Director de Psicofarmacologia na


Reading University, Inglaterra “acontecimentos agradáveis têm um efeito protector que dura dias”.
Nos EUA, investigadores avaliando a função imunitária, concluiram que pessoas com boa
disposição são mais saudáveis do que as outras.

5. Efeitos terapêuticos principais


Neste momento, já devem estar evidentes os efeitos terapêuticos da massagem, visto serem
baseados nos efeitos mecânicos, fisiológicos e psicológicos desta técnica, e descritos
anteriormente: relaxamento (local e geral), alívio da dor, aumento da amplitude dos movimentos
das articulações e membros, estimulação da circulação sanguínea e linfática e facilitação da
cura. Esta tabela indica os efeitos associados aos movimentos específicos, visto ser óbvio que
manipulações diferentes promovem efeitos diferentes.

MOVIMENTOS EFEITOS
Estimulação da circulação linfática e sanguínea
Effleurage
superficial; mobilização da pele e dos tecidos
Alisamento
subcutâneos, promoção do relaxamento local e
Rolamento da pele
geral; alívio da dor.
Amassamento Mobilização do tecido muscular; estimulação da
Torcedura circulação mais profunda; promoção do
Beliscamento relaxamento; alívio da dor.
Percussão
Cutiladas Estimulação da actividade muscular e da circulação
Pancadas profunda.
Palmadas
Vibrações
Agitações Mobilização e remoção das secreções pulmonares.
Mobilização e alívio da dor em tendões; músculos,
Fricção profunda
ligamentos e cápsulas articulares.
Fig. 5 – Quadro-Resumo dos efeitos terapêuticos dos vários tipos de movimentos
usados na massagem sueca sobre os tecidos moles

14 - E f e i t o s T e r a p ê u t i c o s d a M a s s a g e m
Maria Sofia Fonseca Santos

6. Conclusão

Pode não haver dúvida de que a massagem tem muitos efeitos mecânicos, fisiológicos e
psicológicos a oferecer, e nem pode restar qualquer dúvida de que a massagem tem muitas
aplicações terapêuticas. Apesar da tecnologia cada vez mais sofisticada, a arte antiga da
massagem provavelmente ainda terá um papel importante no século XXI e por muito tempo
depois. Parece-nos extremamente improvável que qualquer máquina venha algum dia a substituir
a sensibilidade e o poder das mãos humanas treinadas que trabalham em contacto com outros
seres humanos. A actual popularidade dos diversos conceitos da saúde holística provavelmente
também irá assegurar que a massagem continuará a ser uma prática terapêutica popular no
futuro previsível.

7. Bibliografia

BIENFAIT, M., 1989. Fisiologia da terapia manual. Editora Summus


FILHO, BLAIR, J.R., 2002. Massagem Neuromuscular. In site: www.wgate.com.br
FRITZ, S., 2000 Fundamentos da Massagem Terapêutica. Ed. Manole
http://www.fisiozone.com site de Fisioterapia e Reabilitação
MAXWELL-HUDSON, 1999. Massagem – Guia Ilustrado Completo. Livraria Civilização Editora, 168 pp.
NAMIKOSHI, T., 1992. o LIVRO COMPLETO DA Terapia Shiatsu. Ed. Manole., 269 pp.
REIS, CONCEIÇÃO A.S., 2005. O efeito da massagem do tecido conjuntivo em mulheres com
dismenorreia primaria, Faculdade de Ciencias Medicas, dissertação de mestrado.
WOOD, E.C. & DOMENICO, G.D., 1998. Massagem de Beard. Editora Manole
TAVARES, A.M., 2004. Os efeitos da Massagem. In site: http://br.geocities.com

E f e i t o s T e r a p ê u t i c o s d a M a s s a g e m - 15