Você está na página 1de 9

E s c o l a S e c u n d á r i a P i n h a l d o R e i

Marinha Grande
10.º Ano - Prova de Português n.º3 (Janeiro 2014)
O que fzeres faz bem
Leia atentaente os te!tos e as "uest#es.
Texto A
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Em minha perdição se conjuraram;
Os erros e a fortuna sobejaram,
Que pera mim bastava amor somente.
Tudo passei; mas tenho tão presente
A grande dor das cousas ue passaram,
Que as magoadas iras me ensinaram
O não uerer já nunca ser contente.
Errei todo o discurso de meus anos;
!ei causa "a# ue a $ortuna castigasse
As minhas ma% fundadas esperanças.
!e amor não vi senão breves enganos.
Oh& uem tanto pudesse, ue fartasse
Este meu duro g'nio de vinganças&
Texto B
Mote
(ão sei se me engana )e%ena,
*e +aria, se ,oana,
(ão sei ua% de%as me engana.
Voltas
-ma di. ue me uer bem,
outra jura ue mo uer;
mas, em jura de mu%her
uem crerá, se e%as não creem/
(ão posso não crer a )e%ena,
a +aria, nem ,oana,
mas não sei ua% mais me engana.
-ma fa.0me juramentos
ue s1 meu amor estima;
a outra di. ue se fina,
,oana, ue bebe os ventos.
*e cuido ue mente )e%ena,
tamb'm mentirá ,oana;
mas uem mente, não me engana.
23am4es5
Grupo I A ($0 %ontos)
6. Os poemas apresentados são representativos de duas correntes em ue se insere a %7rica de
3am4es 8 a tradiciona% e a renascentista.
6.6. 9ntegre cada um de%es na respetiva corrente a ue pertence.
:. ;roceda < aná%ise forma% do soneto.
=. Atente no poema A.
=.6. Qua% ' o tema abordado/
=.:. O sujeito po'tico sente0se a%vo de perseguição. ;rove com e%ementos do te>to.
=.=. $aça a caracteri.ação do sujeito po'tico.
?. E>p%iue os dois @%timos versos do segundo terceto.
A. Leia, agora, atentamente o poema B.
A.6. Em cerca de =BC?B pa%avras, diga ua% ' o assunto da composição po'tica.
Grupo I B 2=B pontos5
DO s'cu%o EF9 vai ser marcado por duas grandes %inhas de forçaG uma, de inf%uHncia estrangeira
2contributo do Ienascimento europeu, atrav's de viajantes, muitos de%es bo%seiros5; outra, oriunda do
contacto com novas rea%idades u%tramarinas.J
Am'%ia ;into ;ais, in ;ara 3ompreender Os Kus7adas, Area% Ed.
Escreve um texto, de 80 a !0 palavras, so"re o #enascimento em $ortugal.
3
3
6
9
12
15
18
21
24
27
30
33
36
39
42
45
48
51
54
57
60
63
E s c o l a S e c u n d á r i a P i n h a l d o R e i
Marinha Grande
10.º Ano - Prova de Português n.º3 (Janeiro 2014)
O que fzeres faz bem
G#%$& II 2AB pontos5
Leia atentamente o texto.
3omo iniciar os jovens na ciHncia/ O primeiro aspeto a ter em conta ' ue essa iniciação se deve
fa.er o mais cedo poss7ve%. (a esco%a básica 2no primeiro cic%o, vu%go Lesco%a primáriaM5 ou %ogo no
jardim0de0infNncia. O certo ue na esco%a básica já e>iste uma componente curricu%ar intitu%ada Destudo
do meioJ. +as não ' menos certo ue o LmeioM ue se ensina ' muitas ve.es mais o meio socia% do
ue o meio f7sico. (ão discuto se ' uma uestão de cidadania conhecer a organi.ação da cidade e das
regras de conduta dentro de%a, mas deveria ser tamb'm uma uestão de cidadania conhecer a
organi.ação do universo em ue vivemos, a começar pe%o p%aneta ue habitamosG conhecer o ue ' a
água ue bebemos, o ar ue respiramos, a terra ue pisamos. E, no jardim0de0infNncia, por muitas
canç4es de roda e traba%hos manuais ue se façam, haverá decerto mais do ue tempo para meter na
água um peueno barco 2afunda0se ou não se afunda/5, encher um ba%ão 2o ue tem %á dentro/5 ou
pesuisar o so%o 2ue bichos há %á/5.
As crianças nascem com uma curiosidade ue conv'm satisfa.er e amp%iar. Querer saber ' uma
necessidade uase gen'tica da esp'cie humana. E uma criança começa por aprender tocando,
me>endo, e>p%orando, mesmo antes de conseguir fa%ar. Quando começa a fa%ar, %ogo pergunta Do ue
'J, D como 'J e Dporue 'J. Este ' o in7cio de toda a ciHncia. A curiosidade infanti% devia pois ser desen0
vo%vida de maneira a formar de modo irrevers7ve% aui%o ue podemos chamar Desp7rito cient7ficoJ, ue se
manifesta em e>perimentar e interpretar os resu%tados da e>periHncia.
3ar%os $io%hais, A coisa mais preciosa que temos, p.PA, Qradiva, :BB:
6. ;ara cada um dos uatro itens ue se seguem 26.6., 6.:., 6.=., 6.?.5, escreva, na sua fo%ha de
respostas, a %etra correspondente < a%ternativa correta, de acordo com o sentido do te>to.
6.6.!a %eitura do te>to depreende ue
A. a ciHncia ' ensinada <s crianças portuguesas desde a mais tenra idade.
R. se ensina bem ciHncia mas s1 ap1s o primeiro cic%o.
3. a ciHncia não interessa <s crianças.
!. a componente curricu%ar Destudo do meioJ se ocupa insuficientemente do meio f7sico.
6.:. Quando o enunciador di. ueJSno jardim0de0infNncia, por muitas canç4es de roda e traba%hos
manuais ue se façam, haverá decerto mais do ue tempo para meter na água um peueno
barco 2afunda0se ou não se afunda/5 encher um ba%ão 2o ue tem %á dentro/5 J 2%inhas 6B,665
pretende afirmar ue
A. nos jardins de infNncia se fa.em muitas atividades de carácter cient7fico.
R. os jardins de infNncia deveriam dedicar0se tanto a atividades de carácter cient7fico como a
atividades art7sticas.
3. as educadoras do jardim de infNncia não tHm tempo para ensinar canç4es de roda,
traba%hos manuais e ciHncia.
!. Dencher ba%4es e meter água em peuenos barcosJ são atividades obrigat1rias nos jardins
de infNncia.
6.=. (a oração Cfrase Due se manifesta em e>perimentar e interpretarJ 2%inhas 6T, 6U5
A. o antecedente do pronome DueJ ' ciHncia.
6
9
66
69
72
75
78
81
84
87
90
93
96
99
102
105
108
E s c o l a S e c u n d á r i a P i n h a l d o R e i
Marinha Grande
10.º Ano - Prova de Português n.º3 (Janeiro 2014)
O que fzeres faz bem
R. o antecedente ' Desp7rito cient7ficoJ.
3. o antecedente ' Dde modo irrevers7ve%J.
!. DueJ não tem antecedente.
6.?. D9rrevers7ve%J 2%inha 6T 5 ' sin1nimo de
A. indiscut7ve%.
R. irreverente.
3. definitivo2a5.
!. incongruente.
6.A. (as %inhas 6=, 6?,os verbos Dtocando, me>endo, e>p%orandoJ encontram0se no
A. infinitivo pessoa%
R. pret'rito perfeito do conjuntivo
3. ger@ndio simp%es
!. partic7pio
:. (este item, faça corresponder a cada um dos uatro e%ementos da co%una A um e%emento da co%una
R, de modo a obter informaç4es verdadeiras. Escreva, na sua fo%ha de respostas, ao %ado do n@mero
da frase, a a%7nea correspondente.
A R
6. $ormu%ando a uestão D3omo iniciar os jovens na
ciHncia/J 2%inha 65,
a5 o enunciador pretende recorrer < autoridade
de a%gu'm ue %he responda a esta uestão.
:. 3om o uso da e>pressão DO certoJ 2%inha =5
seguida de D+as não ' menos certoJ 2%inha ?5,
b5 o enunciador introdu. uma ideia de tempo.
=. 3om o uso de D(ão discuto se ' uma uestão de
cidadaniaJ 2%inha A 5,
c5 o enunciador formu%a uma pergunta ret1rica
para, em seguida, apresentar as suas ideias
sobre o assunto.
?. 3om o uso de DQuandoJ 2%inha 6? 5, d5 o enunciador introdu. uma ideia distinta da
ue referiu anteriormente.
e5 o enunciador introdu. uma ideia de
conseuHncia.
f5 o enunciador não pretende tratar, neste te>to,
a uestão da cidadania.
g5 o enunciador pretende dar um facto como
verdadeiro introdu.indo, em seguida, uma
outra ideia ue ,de a%gum modo, contraria a
primeira mas tamb'm ' verdadeira.
12
111
114
117
120
123
126
15
E s c o l a S e c u n d á r i a P i n h a l d o R e i
Marinha Grande
10.º Ano - Prova de Português n.º3 (Janeiro 2014)
O que fzeres faz bem
h5 o enunciador concorda com o princ7pio de ue
todo o cidadão deve conhecer a organi.ação
da cidade e as regras de comportamento.
FIM
Cotações
Grupo I – 100 pontos Grupo II – 50 pontos Grupo III – 50
pontos
1.1. 5 pontos 1.1 6 pontos
2. 10 pontos 1.2 6 pontos
3.1. 10 pontos 1.3 6 pontos
3.2. 10 pontos 1.4 6 pontos
3.3. 10 pontos 1.5 6 pontos
4. 15 pontos 2 20 pontos
5.
10pontos
B 30 pontos
18
129
132
135
138
141
144
147
E s c o l a S e c u n d á r i a P i n h a l d o R e i
Marinha Grande
10.º Ano - Prova de Português n.º3 (Janeiro 2014)
O que fzeres faz bem
CENÁRIOS DE RESPOSTAS
I 150 pontos!
1.1.O te"to # $orrespon%e & $orrente
renas$ent'sta( po's ) um soneto $u*os +ersos s,o
%e$ass-.abos.
O te"to B $orrespon%e & $orrente tra%'$'ona.(
porque ) um poema %e Mote e /o.tas( em
re%on%'.0a ma'or.
2.O te"to # ) um soneto( po's ) $onst'tu-%o por
%uas qua%ras e %o's ter$etos( em +erso
%e$ass'.1b'$o. O seu esquema r'm1t'$o ) abba nas
qua%ras e cde nos ter$etos( sen%o as r'mas
'nterpo.a%as e empare.0a%as nas qua%ras e
'nterpo.a%as nos ter$etos.
3. Atente no poema A.
3.1. 2este soneto( ) abor%a%a a tem1t'$a %a
'nsat'sfa3,o. 4 um te"to %e $ar1ter autob'o5r1f$o(
21
24
150
153
156
159
162
165
168
171
174
177
E s c o l a S e c u n d á r i a P i n h a l d o R e i
Marinha Grande
10.º Ano - Prova de Português n.º3 (Janeiro 2014)
O que fzeres faz bem
em que o su*e'to .-r'$o faz o ba.an3o %a sua +'%a(
.amentan%o6se.
3.2. #s e"press7es %o soneto que pro+am que o
su*e'to po)t'$o se sente +-t'ma %e perse5u'3,o
po%em ser8 9 :rros meus( m1 fortuna( amor
ar%ente ;:m m'n0a per%'3,o se $on*uraram<= 9>e'
$ausa ?a@ que a Fortuna $ast'5asse ;#s m'n0as ma.
fun%a%as esperan3as<
3.3. O su*e'to po)t'$o sente6se 'nfe.'z e +-t'ma %o
%est'no e %a m1 sorte. Ae$on0e$e que errou( e
que esses erros .0e trou"eram %or e m15oas.
Bente6se re+o.ta%o( 'ra%o e %ese*a +'n5ar6se %os
$ausa%ores %a sua m1 sorte. 4 uma persona5em
tr'ste( pess'm'sta( 'nfe.'z e $om %ese*os %e
+'n5an3a.
4.O su*e'to po)t'$o 'mp.ora para que a.5u)m pare
o seu %ese*o %e +'n5an3a( po's %ese*a paz e
sosse5o.
5. Leia a!o"a atentamente o poema #.
5.1 O poema B abor%a( %e forma .'5e'ra( a
tem1t'$a %o amor.
O su*e'to .-r'$o %'z que +1r'as mu.0eres afrmam
que o amam( mas a$res$enta que esses
*uramentos s,o fa.sos. #pesar %as *uras %e amor
%essas mu.0eres( o su*e'to po)t'$o n,o se %e'"a
en5anar.
27
180
183
186
189
192
195
198
201
204
207
210
30
E s c o l a S e c u n d á r i a P i n h a l d o R e i
Marinha Grande
10.º Ano - Prova de Português n.º3 (Janeiro 2014)
O que fzeres faz bem
# 30 pontos!
O Renascimento em Po"t$!a%.
O Aenas$'mento s)$u.o C/ e C/I! fo' um per-o%o %e
5ran%es transforma37es $u.tura's( po.-t'$as e e$onDm'$as.
Os >es$obr'mentos( a 'n+en3,o %a 9'mprensa<( a
%'+u.5a3,o %e obras %e autores 5re5os e .at'nos(
mu%aram a $u.tura e as menta.'%a%es.
O Euman'smo e o F.ass'$'smo passaram a ser
$u.t'+a%os pe.os es$r'tores – o Eomem passou a ser o
9$entro %o mun%o<( as '%e'as %e 5re5os e .at'nos
$ome3aram a ser +e'$u.a%as pe.as %'ferentes formas %e
arte8 es$u.tura( .'teratura( p'ntura G
2a .'teratura( Fam7es ) o nosso ma'or poeta %o
Aenas$'mento. Be bem que ten0a es$r'to re%on%'.0as(
tamb)m a%otou a me%'%a no+a sonetos $om +ersos
%e$ass'.1b'$os!( es$re+en%o %e a$or%o $om as no+as
tem1t'$as +'n%as %e It1.'a.
Fon$.u'n%o( o Aenas$'mento portu5uHs n,o te+e o
fu.5or %o Aenas$'mento 'ta.'ano( mas trou"e mu%an3as
nas artes e menta.'%a%es.
&'3( pa%a)"as*
2ota8 :m 1455( Gutember5 'n+entou a m1qu'na %e 'mpr'm'r 9a 'mprensa<!
+R,PO II 50 pontos!
1.1.>a .e'tura %o te"to %epreen%e que
• D a $omponente $urr'$u.ar 9estu%o %o
me'o< se o$upa 'nsuf$'entemente %o
me'o f-s'$o!
33
213
216
219
222
225
228
231
234
237
240
E s c o l a S e c u n d á r i a P i n h a l d o R e i
Marinha Grande
10.º Ano - Prova de Português n.º3 (Janeiro 2014)
O que fzeres faz bem
1.2. Iuan%o o enun$'a%or %'z que<Gno *ar%'m6
%e6'nfJn$'a( por mu'tas $an37es %e ro%a e
traba.0os manua's que se fa3am( 0a+er1
%e$erto ma's %o que tempo para meter na
15ua um pequeno bar$o afun%a6se ou n,o se
afun%aK! en$0er um ba.,o o que tem .1
%entroK! < .'n0as L(10(11! preten%e afrmar
que
• # os *ar%'ns %e 'nfJn$'a %e+er'am
%e%'$ar6se tanto a at'+'%a%es %e
$ar1$ter $'ent-f$o $omo a at'+'%a%es
art-st'$as.!
1.3. 2a ora3,o ;frase 9que se man'festa em
e"per'mentar e 'nterpretar< .'n0as 1M( 1N!
• # o ante$e%ente ) 9esp-r'to $'ent-f$o<.!
1.4. 9Irre+ers-+e.< .'n0a 1M ! ) s'nDn'mo %e
.
• C %efn't'+oa!.
.
1.5. 2a .'n0a14(os +erbos 9to$an%o( me"en%o(
e"p.oran%o< en$ontram6se no
• C. 5erOn%'o s'mp.es
36
39
243
246
249
252
255
258
261
264
E s c o l a S e c u n d á r i a P i n h a l d o R e i
Marinha Grande
10.º Ano - Prova de Português n.º3 (Janeiro 2014)
O que fzeres faz bem
-.
1 – F
2 – G
3 – E
4 6 B
42
267
270
45