Você está na página 1de 6

Ainda em torno d’ O Labirinto da Saudade, de Eduardo Lourenço

Ana Mendes e Land

A obra O Labirinto da Saudade (LS) (1), de Eduardo Lourenço, é constituída


por um conjunto de nove textos ensaísticos, o primeiro dos quais foi dado à estampa na
revista Raiz & Utopia, no mesmo ano da publicação da obra de que faz parte: 1978.
Chamava-se “Psicanálise Mítica do Destino Português” e o autor tê-lo-ia escolhido
como título se, à imagem de O Labirinto da Solidão, do mexicano Octávio Paz, não se
tivesse decidido por um outro labirinto, português, o da saudade. Mas, apesar de dar
nome à obra, E. Lourenço afirma não existir neste livro tematização da saudade (2),
conceito que define como “une façon de recuperer ce qui est irrecuperable. C’est un
rapport au temps passé, au temps passé heureux. Le temps malheureux ne suscite pas la
‘saudade’. C’est ce qui reste quand tout meurt. Et tout meurt.” (3)
De facto, tudo morre, difícil é aceitar a perda do tempo feliz sem nos
deixarmos envolver numa busca incessante de um passado irrecuperável. Esta foi a
obsessão secular de um povo, que se acreditou eleito e que se perdeu num labirinto de
tempos áureos, mas pretéritos: “Nas relações consigo mesmos os Portugueses
exemplificam um comportamento que só parece ter analogia com o povo judaico. Tudo
se passa como se Portugal fosse para os portugueses como a Jerusalém para o povo
judaico. Com uma diferença: Portugal não espera o Messias, o Messias é o seu próprio
passado, convertido na mais consistente e obsessiva referência do seu presente, podendo
substituir-se-lhe nos momentos de maior dúvida sobre si ou constituindo até o horizonte
mítico do seu futuro.” (4)
Quatro anos após a queda do Império, a par do fim do Estado Novo, E.
Lourenço pensou ser o momento adequado para publicar esta obra, com a intenção de:

- apelar à presença portuguesa na própria realidade (LS, p. 65), como nos diz o
autor em “Repensar Portugal”. Um apelo que perpassa todo este texto,
sobretudo dirigido à massa anónima do povo português, se não toda, pelo menos
a sua parte escolarizada, aquela que num estado democrático se espera que
exerça um papel activo, consciente e crítico na vida / realidade nacional.
- “repensar (…) a totalidade da (…) aventura histórica [portuguesa], não apenas
em função das imagens e contra-imagens mais actuantes da (…) herança
cultural [portuguesa] (…) sobretudo de origem estético-literária” (LS, p. 70),
mas também em função de campos como a sociologia, a macro e micro-
economia ou a psicologia social.

1
- questionar “as várias versões dos discursos sobre Portugal” (5), entre as quais a,
na altura ainda recente, “descolonização exemplar” (6), ou a produzida pelo
salazarismo, “uma ideologia em torno da portugalidade e da expansão
ultramarina, da família e da religião católica” (7) e que, como nos diz E.
Lourenço, “servia de justificação ideológica, histórica e política, as guerras
inconfessadas e inconfessáveis da África, tanto como ao regime que as levava a
cabo sem as assumir”. Ainda na voz do autor: “A ‘cegueira’ africana não fora
uma peripécia entre outras, tinha uma tradição e convidava a rever o nosso
presente nesse instante mágico em que com o fim do Império uma certa venda
nos caía dos olhos. Nós podíamos, pensava (…) [E. Lourenço] então, dizer-nos
a verdade sobre nós mesmos, ou pelo menos, tentar perceber como o duplo
desastre africano, militar e ético, não era apenas uma aberração ligada a uma
certa ideologia, mas a conclusão de um itinerário que merecia ser revisitado.”
(8)

Não só merecia ser revisitado, como se mostrava necessário e urgente fazê-lo


num momento de mudança histórica em que “a atmosfera e a realidade da sociedade
portuguesa iam entrar numa fase nova de ‘europeização’ ou ‘mundialização’, nas quais
a sempre viva questão da (…) imagem [portuguesa] mais do que da (…) identidade ia
sofrer uma verdadeira metamorfose” (9). A questão da imagem, e sua transformação, é
precisamente um dos principais aspectos a legitimar a emergência desta obra, como o
autor nos explica no introdutório “Breve esclarecimento”: “exumar uma boa parte das
condições deste novo livro prende-se (…) à circunstância aleatória da leitura recente de
livros de índole diversa, mas todos exprimindo uma vontade de renovação da ‘imagerie’
habitual da realidade portuguesa” (LS, p. 12).
Em torno de uma “imagologia, quer dizer, um discurso crítico sobre as
imagens que de nós mesmos temos forjado” (LS, pp. 11 e 12), se articula este livro, nas
palavras de E. Lourenço, “na linha de Oliveira Martins, o primeiro mitólogo português,
quer dizer, o primeiro que integrou a ‘História de Portugal’ o imaginário com que os
seus actores a fizeram, em suma, os mitos que incarnaram ou desejaram incarnar” (10).
Sublinhemos que estão pois em foco n’O Labirinto da Saudade, as imagens, os mitos,
os discursos identitários, não sendo intenção do autor questionar a identidade
portuguesa, mas de a pensar, tendo em vista este livro “explicita ou implicitamente os
diversos tipos de ‘discurso identitário’ que acerca de Portugal existiam” (11). Na época
em que foi publicado, “acabou por ser percebido, também, como um discurso
identitário”, leitura que segundo E. Lourenço, “mais do que paradoxal, (…) é contrária à
intenção do autor que era, quer na ordem hermenêutica, quer na ordem ideológica e
política, a de problematizar e, se possível, substituir os mais conhecidos discursos

2
identitários que têm Portugal como objecto, por um outro que os explicasse sem ter a
pretensão, por sua vez, de ser ‘a verdade’ sobre o que nós somos ou não somos”. (12)
Porquê O Labirinto da Saudade foi tomado como um discurso identitário em si,
afantando-se do propósito do autor, não o discutiremos aqui.
Com o ensaio que abre a obra, “Psicanálise Mítica do Destino Português”, E.
Lourenço começa pois a pensar os vários tipos de “discurso identitário”, à luz de
momentos decisivos para a sua formação, os chamados “traumatismos” da nossa
existência histórica: a formação do país, o domínio espanhol, o Ultimato e o fim de um
Império e de um imperialismo questionáveis. Estão aqui já reunidos grande parte dos
momentos históricos-chave e respectivos discursos identitários tratados ao longo desta
obra, necessários para realizarmos uma “autêntica psicanálise do nosso comportamento
global, um exame sem complacências que nos devolva ao nosso ser profundo ou para
ele nos encaminhe ao arrancar-nos as máscaras que nós confundimos com o rosto
verdadeiro” (LS, p. 18). Essas máscaras que nos desviaram de nós mesmos foram os
discursos que, querendo-se identitários, nem sempre contribuíram para o confronto do
povo português com a sua realidade nacional e, nesta medida, com a identidade real.
Nos séculos XIX e XX, destacamos: o patriotismo republicano, o salazarismo e o
movimento da filosofia portuguesa. Sobre este último explica-nos o autor que “a
exaltação culturalista da imagem de Portugal [feita pelos representantes daquele
movimento] só pôde ter esse perfil [“de hiperbolizar o que no regime ia no sentido do
culto patológico da ‘lusitanidade’ ”] precisamente em função da realidade e da vocação
‘imperiais’ que durante quinhentos anos fizeram parte da nossa actividade histórica, e
cuja lembrança, mais ou menos intermitente, mas nunca de todo apagada, ‘constituiu
durante esse período o núcleo da imagem de Portugal’ que interiormente nos definiu”
(LS, p. 37).
Chegamos agora a uma das ideias-chave deste livro: essa realidade e vocação
“imperiais”, Portugal associado à ideia de Império, um império-máscara que nos
distraiu de nós mesmos, portugueses, do nosso espaço continental, porque tínhamos
dificuldade em aceitarmo-nos como realmente éramos, sem os territórios que um dia
pensámos possuir (se algum dia podemos considerar, à luz da democracia e do direito à
auto-determinação dos povos, nos terem pertencido) e onde, refugiando-nos, nos
tentámos prolongar, fugindo do nosso atraso numa Europa que não conseguimos
acompanhar e que acolheu tantos dos nossos emigrantes. O tema da emigração é
abordado por E. Lorenço em “A emigração como mito e os mitos da emigração”, a
partir das comemorações na Guarda do 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões,
escritor que desde os cortejos de 1880 integraria definitivamente o imaginário nacional.
Contrapõe E. Lourenço a uma emigração que Camões simboliza, associada ao conceito
de expansão, uma outra, a moderna “emigração dolorosa” (LS, p. 125), distanciadas no

3
tempo e pelas características que assumiram, esta última seguindo a natural tendência
para se fundir no contexto em que se integrou (LS, p. 127).
Foi essa Europa não peninsular que em 1890 alimentou a insatisfação popular,
possibilitando em grande parte à patriótica causa republicana em 1910 implantar a
República, o desejo de mudança/renovação que há muito se fazia sentir. Com o
Ultimato, foi então demonstrado o nosso papel subalterno, o qual continuámos durante
tanto tempo a insistir em não ver, mesmo quando caíram todas as máscaras e fomos
deixados como somos: uma pequena faixa atlântica no NO peninsular, país católico com
um regime absolutista até ao século XIX e sérios atrasos / dificuldades nos campos da
indústria e economia. Foi contra esta imagem de um Portugal decadente povo
peninsular, fraco e impotente na sombra da Europa “civilizada”, outrora grandioso n’Os
Lusíadas, que se insurgiram, nos séculos XIX e XX, inúmeros pensadores, escritores e
movimentos literários, pertencentes à história moderna da autognose portuguesa. De
salientar a importância que, como nos diz o autor “por gosto, por vocação, mas também
por decisão intelectual fundamentada” (LS, p. 12), assumem nesta obra “as imagens de
origem literária”, especialmente as da época moderna. Não só a figura de Fernando
Pessoa inquieta aqui E. Lourenço. Vejamos que outras.
Depois do caso ímpar de Camões (cuja imagem-pátria E. Lourenço não
considera ainda “um indivíduo político-social”), o autor dá especial atenção a:

a) Alexandre Herculano e Almeida Garrett, escritores representativos do


Romantismo em Portugal, o último dos quais inicia com o seu “Camões” o
processo da autognose portuguesa, estabelecendo-se uma relação escritor-
pátria / realidade nacional. Com as obras de ambos, a ênfase é colocada na
História do próprio país, pano de fundo (real) ao serviço da ficção: “Portugal,
enquanto realidade histórico-moral, constituirá o núcleo da pulsão literária
determinante” (LS, p. 80).
b) Eça de Queirós, Antero de Quental, Teófilo Braga e Oliveira Martins, todos eles
setentistas e assinantes do programa das conferências democráticas do Casino.
Neste programa, publicado em Maio de 1871 n’A Revolução de Setembro,
manifestava-se uma preocupação com “a transformação social, moral e política
dos povos” e pretendia-se “agitar na opinião pública as grandes questões da
filosofia e da ciência moderna”, contribuindo para “ligar Portugal com o
movimento moderno, fazendo assim nutrir-se dos elementos vitais de que vive a
humanidade civilizada”
c) Fernando Pessoa e a moderna geração de Orpheu, “os novos” que desejaram
“ser não apenas invenção e recriação de uma nova sensibilidade e visão da
realidade (…), mas igualmente uma metamorfose total da imagem, ser e destino

4
de Portugal” (LS, p. 79). Com Pessoa Super-Camões e a “Mensagem” (“um
Anti-Lusíadas, epopeia elegíaca da autodissolução da nossa particularidade
histórica empírica como caminho, ascensão e transenção [sic] de todas as
particularidades, suicídio sublime da personalidade na era de uma
impersonalidade realmente universal e fraterna”; LS, p. 108) termina o processo
da autognose portuguesa, com a desnacionalização e o cosmopolitismo que
permitem a Pessoa esperar tudo do Portugal nauta de si mesmo.

Todos estes escritores, escolas, movimentos pretenderam, em certa medida e no


contexto da época, transformar e lutar contra imagens (reais) de um país (sonhado), uns
desejando recriá-lo à imagem de nações europeias fortes, outros anunciando o
renascimento do Império com a vinda de um Desejado. Os discursos identitários por
eles criados constituem o nosso património cultural, formaram aquilo que chamamos o
Ser Português e, ao tentar transformá-lo (transformar-nos), também serviram para o
(nos) definir e enriquecer o património mítico que tão bem o (nos) caracteriza. Foram
estas nossas (dos portugueses leitor e autor) imagens (reais ou ilusórias) que E.
Lourenço se propôs discutir / problematizar neste “Portugal revisitado” marcado por
uma tónica (filosófico-literária) existencialista que, como nos dizem Óscar Lopes e
António José Saraiva na sua História da Literatura Portuguesa, “aflora a ontologia
heideggeriana numa reflexão original sobre peculiaridades e os mitos diferenciais da
história e da cultura portuguesa”.
Este retrato, este “discurso crítico sobre as imagens que de nós mesmos temos
[tínhamos] forjado” foi, como nos disse o autor, um livro de emergência, mas de uma
emergência intemporal pois o “crescimento” das nações dá-se com o questionamento
incessante da identidade, de forma racional e centrada no momento presente, não com
“a reconstituição em ‘moldes análogos’ da imagem ‘camoniana’ de nós mesmos” (LS, p.
48) nem caminhando à imagem do outro, sim, aprendendo com ele a dar passos grandes
com as próprias pernas dentro de um labirinto que já não o será, muito menos o da
saudade, nem nós os mesmos.

**********************************************************************

Notas e referencias bibliograficas

(1) LOURENÇO, Eduardo, O Labirinto da Saudade – Psicanálise Mítica do


Destino Português, Publicações D. Quixote, 3a ed., Lisboa, 1988.
(2) O estudo sobre a saudade surgirá com a obra Portugal como Destino seguido de

5
Mitologia da Saudade, contando com os ensaios: Tempo Português; Melancolia
e Saudade; Da saudade como melancolia feliz; Clarimundo: simbologia
imperial e saudade; Sebastianismo: imagens e miragens; Romantismo, Camões
e a saudade; Tempo e melancolia em Fernando Pessoa; Dois Príncipes da
melancolia: Fernando Pessoa e Luís da Baviera.
(3) LOURENÇO, Eduardo, Hebdo, 26 de Abril de 2001 in
http://www.bibliomonde.net/pages/fiche-livre.php3?id_ouvrage=878
(4) LOURENÇO, Eduardo, Nós e a Europa ou as duas razões, Imprensa Nacional
– Casa da Moeda, 1990.
(5) in http://www.ciberkiosk.pt/arquivo/ciberkiosk3/entrevistas/elourenco.htm
(6) FERREIRA, José Medeiros, História de Portugal, Editorial Estampa.
(7) idem ibidem.
(8) in http://www.ciberkiosk.pt/arquivo/ciberkiosk3/entrevistas/elourenco.htm
(9) idem ibidem.
(10) in
http://www.ciberkiosk.pt/arquivo/ciberkiosk3/entrevistas/elourenco.htm
(11) idem, ibidem
(12) idem, ibidem