P. 1
IRONIA E MAIÊUTICA

IRONIA E MAIÊUTICA

|Views: 9.004|Likes:
Publicado porsgtdanilosilva

More info:

Published by: sgtdanilosilva on Dec 20, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/17/2013

pdf

text

original

IRONIA E MAIÊUTICA

Sócrates dizia que a filosofia não era possível enquanto o indivíduo não se voltasse para si próprio e reconhecesse suas limitações. "Conhece-te a ti mesmo" era seu lema. Sócrates procura o conceito. Este é alcançado através de perguntas. As perguntas têm um duplo caráter: ironia e maiêutica. Na ironia, confunde o conhecimento sensível e dogmático. Sócrates costumava iniciar uma conversação fazendo perguntas e obtendo dessa forma opiniões do interlocutor, opiniões que ele aparentemente aceitava. Depois, por meio de um interrogatório hábil, desenvolvia as opiniões originais do tal interlocutor, mostrando a tolice e os absurdos das suas opiniões superficiais, através das consequências contraditórias ou absurdas destas mesmas opiniões e a confessar o seu erro ou a sua incapacidade para alcançar uma conclusão satisfatória. Esta primeira parte do método de Sócrates, destinada a levar o indivíduo à convicção do erro, é a ironia. Na maiêutica, dá à luz um novo conhecimento, um aprofundamento que não chega ao conhecimento absoluto. Ele comparava frequentemente este método com a profissão da mãe: era possível trazer a verdade à luz. Assim, ele voltava-se para os outros,quer fossem adolescentes, militares ou sofistas consagrados como Protágoras e Górgias, e interrogavaos a respeito de assuntos que eles julgavam saber.O seu sentido de humor confundia os seus interlocutores, que acabavam por confessar a sua ignorância, da qual Sócrates extraía sabedoria. Um exemplo clássico da aplicação da maiêutica é um diálogo platónico (intitulado Mênon), no qual Sócrates leva um escravo ignorante a descobrir e formular vários teoremas de geometria.

LÓGICA ARISTOTÉLICA

A lógica aristotélica é o estudo formal mais moderno da lógica na atualidade, desenvolvido pelo filósofo grego Aristóteles, na Antigüidade. Compreende o maior desenvolvimento de teoria lógica, que foi respeitado durante séculos: Kant, que estava dez vezes mais distante

de Aristóteles do que nós, assegurou que nada de significante foi adicionado a lógica de Aristóteles durante dois milênios. No último século a reputação de Aristóteles teve duas grandes reviravoltas. O nascimento da chamada lógica moderna, através do trabalho de Gottlob Frege e Bertrand Russell, trouxeram a tona sérias limitações da lógica aristotélica. Hoje, poucos tentariam manter que é adequado como uma base da compreensão cientifica e matemática. Ao mesmo tempo alunos treinados em técnicas formais modernas começaram a ver Aristóteles com mais respeito, não só pela clareza de seus resultados, mas também pelo notável trabalho dele em lógica moderna O trabalho da lógica de Aristóteles é concentrado em seis textos que são conhecidos, de forma coletiva, como o Organon ("instrumento"). Dois desses textos, em particular, o Primeiras Analíticas e a Interpretação, contêm o mais importante pensamento de Aristóteles sobre o tratamento das sentenças e inferência formal.

ESCOLA ESTADUAL CASTELO BRANCO CRISTALINA, 04 DE NOVEMBRO DE 2009 EJA- Educação de Jovens e Adultos ALUNA: CARMELITA ARRUDA PROFESSORA:

FILOSOFIA

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->