P. 1
RELATÓRIO CRÍTICO auto-avaliação

RELATÓRIO CRÍTICO auto-avaliação

|Views: 9.448|Likes:
Publicado porbiblionofre

More info:

Published by: biblionofre on Dec 20, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/20/2013

pdf

text

original

REFLEXÃO SOBRE A ACÇÃO

MOTIVAÇÃO A minha participação nesta Acção de Formação decorre da necessidade de actualização constante do conhecimento e de desenvolver competências que me permitam uma correcta aplicação do Modelo de Auto-avaliação das BEs

TRABALHO DESENVOLVIDO Esta acção de formação teve duas sessões presenciais e as restantes foram online. O trabalho que desenvolvi comportou a leitura e análise de documentos disponibilizados na plataforma Moodle da acção, a realização de trabalhos e de comentários e a sua colocação na referida plataforma. Todo o trabalho realizado, assim como a reflexão final, foram colocados num “portefólio digital” para o qual se criou um blogue. O trabalho realizado online por mim consistiu:

No preenchimento de uma tabela matriz, perspectivando a minha situação

enquanto

professora

bibliotecária,

identificando

pontos

fortes,

fraquezas, oportunidades e ameaças e desafios principais que o professor bibliotecário e a biblioteca escolar enfrentam no contexto da mudança e na realização de um comentário fundamentado à análise efectuada por um dos colegas. • No planeamento de um Workshop formativo de apresentação do Modelo de Auto-avaliação dirigido à minha escola/agrupamento e no comentário ao trabalho realizado por um dos colegas. • Na construção de um PowerPoint para apresentar no pedagógico e no comentário ao trabalho realizado por um dos colegas. • Na análise detalhada do Domínio B do Modelo de Auto-avaliação, seleccionando dois Indicadores: um de Processo - o B1 e outro de Impacto - o B3. Estabeleci também um Plano de Avaliação em profundidade daqueles dois Indicadores. Na construção de uma tabela sobre o Subdomínio D1 com indicação e análise dos instrumentos de recolha de evidências e na definição de acções a tomar em conformidade. Na elaboração de um quadro com o cruzamento da informação da autoavaliação da BE com os campos e tópicos estabelecidos pela IGE e na análise e comentário crítico à presença de referências a respeito da BE nos relatórios da IGE.

• •

Na realização de um workshop sobre a utilização da linguagem em contexto de avaliação. Para tal procedi à indicação de enunciados descritivos e avaliativos, transformando depois aqueles em avaliativos e na indicação das fragilidades de enunciados gerais e na sua transformação em específicos.

CONSTRANGIMENTOS - Ausência de divulgação, no início da acção de formação, dos conteúdos e actividades a realizar ao longo da mesma; - Ausência de um “período sabático” (1 ou 2 semanas) destinado à maturação do processo, antes do seu início concreto, evitando desabar de chofre à impaciência do trabalho a realizar; - Pouca capacidade de escuta em relação às sugestões ou críticas vindas dos formandos em relação a aspectos específicos do modo como a acção estava a ser implementada, traduzida em respostas de “nim” escudadas no regulamentado. – Péssima escolha dos local das sessões presenciais, em virtude de não se situar numa zona de centralidade relativamente às escolas de onde os formandos se deslocavam, e de não estar os recursos suficientes para a realização das tarefas de todos os formandos. - Algumas formulações das tarefas a executar geradoras de perplexidade pela sua pouca clareza, que um exercício de definição conceptual poderia evitar. - Ausência de feed-back avaliativo relativamente aos trabalhos realizados, facto que não permitiu aos formandos tomar consciência efectiva dos seus pontos fortes e fracos, necessária à melhoria da sua prática. Considero este o mais grave dos constrangimentos - Disponibilização de excessivo material de leitura obrigatória e de pouca diversificação linguística, reforçando os esforços de quem se não move com tanto à vontade na língua da sua expressão (o inglês, no caso). - Pouco tempo para a realização das tarefas, pois não atendeu à dificuldade das tarefas propostas nem à condição dos formandos, enquanto profissionais funções. COMPETÊNCIAS DESENVOLVIDAS O projecto formativo em causa potenciou ambientes de aprendizagem pouco funcionais e desadequados aos processos educativos, o que condicionou negativamente o meu desenvolvimento de competências. Após uma análise da minha intervenção nesta acção de formação, e não obstante os constrangimentos indicados, poderei afirmar que resultou, para mim, uma ligeira mais-valia de conhecimentos e de capacidades no(a): • Utilização de sistemas de formação por E-learning; • Conhecimento do Modelo de Auto-avaliação das BEs e das teorias a ele subjacentes; em exercício das suas

• Conhecimento das metodologias de operacionalização do Modelo. • Consciencialização das dificuldades inerentes ao processo de implementação da autoavaliação das BEs. • Consciencialização da distância que existe entre as representações sociais da comunidade educativa da minha escola acerca da importância e serviço prestado pela BE e das desejáveis para o seu bom funcionamento. APRECIAÇÃO GLOBAL DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Penso que os objectivos da acção foram atingidos na medida em que consegui realizar os trabalhos propostos. Contudo, não sinto ter alcançado a totalidade e profundidade da formação que desejava e necessitava ter. Pareceu-me que os temas e os conteúdos abordados foram do interesse geral, mas a metodologia utilizada foi inadequada ao bom desempenho global da Acção de Formação, sobretudo pelos constrangimentos que indiquei anteriormente. Sinto, portanto, que ainda estou longe de estar segura relativamente à aplicação do Modelo de Autoavaliação das BEs, razão pela qual gostaria de aprofundar os meus conhecimentos nesta área, daqui a algum tempo, noutro formato de acção, de modo a obter a formação requerida para a sua correcta aplicação. De uma forma geral, fiquei com a sensação de que esta acção foi concebida para quem já tinha longa experiência de trabalho na BE e tempo disponível para a leitura e análise dos documentos disponibilizados. Por isso, considero que o trabalho desenvolvido assim como a reflexão e o debate promovidos foram pouco enriquecedores, tendo constituído um fraco recurso para a minha prática, dado que me encontro a iniciar as actividades docentes na BE e não tenho ajuda de qualquer funcionário (às vezes, sou eu que faço a limpeza da BE!) Desta forma, globalmente, considero que a acção não foi bem sucedida, no formato em que decorreu. A Professora, Filomena de Jesus Pereira Rodrigues Caldas da Rainha, 17

de Dezembro de 2009

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->