Você está na página 1de 5

Como entender os limites de erro especificados pela portaria 236/94:

A portaria 236 de 1994 do INMETRO é baseada na OIML, que é uma legislação internacional
adotada pela maioria dos países. O objetivo deste documento é ajudá-lo a entender os limites de
erros das balanças, que é foco dos órgãos fiscalizadores do nosso governo (INMETRO ou IPEM). Na
portaria existem termos não corriqueiros e que devem ser conhecidos:

• Classe de exatidão (I, II, III ou IIII): classifica a exatidão da balança. A classe I é a mais
exata. As balanças produzidas pela Toledo pertencem à classe III e as balanças Ohaus
(que representamos no Brasil) pertencem às classes I e II.

• Divisão de verificação (e): é o valor de divisão que será verificada pelo órgão de
fiscalização. Nas balanças produzidas pela Toledo e = d e portanto, é a menor divisão
mostrada no display da balança.

• Divisão (d): é utilizada quando há indicação auxiliar. Em balanças que a utilizam, ela
será a menor divisão mostrada pela balança. Este tipo de indicação é utilizada na maior
parte das balanças Ohaus, então, além da divisão de verificação, existe um dígito a mais
para indicação do peso. Este dígito a mais, é o d.

• Número de incrementos da balança: é o valor obtido quando se divide a capacidade


máxima da balança, pelo valor do seu incremento. Como exemplo, podemos citar uma
balança de 50kg x 0,01kg, na qual, dividindo 50 por 0,01 obteremos 5000 incrementos.

A imagem abaixo, retirada de uma portaria de aprovação de modelo, mostra uma tabela de
balanças em que e = d. Exemplo: na balança 9094I/1 o display indicará o valor do peso em divisões
de 5 em 5g, de 0kg até a carga máxima, que é de 15kg.

A imagem abaixo, retirada de outra portaria de aprovação de modelo, mostra uma tabela de
balanças em que e = 10d. Exemplo: na balança AV64P1 o display indicará o valor do peso em
divisões de 0,0001 em 0,0001g, de 0kg até a carga máxima, que é de 65g, mas a divisão de
verificação (e) =0,001g.
A tabela abaixo mostra os erros máximos permitidos na verificação inicial em cada faixa de
pesagem. No caso da verificação em serviço, os erros são iguais ao dobro dos indicados na tabela.

Exemplos de balanças:
1- Balança de 50kg x 0,01kg, que possui 5.000 incrementos e pertence à classe III (50
dividido por 0,01 é igual a 5.000). Ela possui as seguintes faixas de pesagens e
erros possíveis:

• Entre 0 e 5kg: o valor máximo desta faixa foi obtido multiplicando o valor da
divisão de verificação 0,01kg x 500. Na verificação inicial (realizada na fábrica) e
na periódica (realizada a cada ano pelo INMETRO ou IPEM, no local em que a
balança está sendo utilizada) o erro máximo pode ser de até 0,005kg. Na
verificação em serviço, o erro máximo pode ser de até 0,01kg. Todos os erros
podem ser para mais, ou para menos.

• Entre 5,01kg e 20kg: o valor máximo desta faixa foi obtido multiplicando o
valor da divisão de verificação 0,01kg x 2000. Na verificação inicial ou periódica,
o erro máximo pode ser de até 0,01kg. Na verificação em serviço, o erro máximo
pode ser de até 0,02kg. Todos os erros podem ser para mais, ou para menos.
• Entre 20,01kg e 50kg: o valor máximo desta faixa foi obtido multiplicando
o valor da divisão de verificação 0,01kg x 5000. Esta faixa poderia ir até 10.000
incrementos, mas é limitada pela carga máxima da balança. Na verificação inicial
ou periódica, o erro máximo pode ser de até 0,015kg. Na verificação em serviço,
o erro máximo pode ser de até 0,03kg. Todos os erros podem ser para mais, ou
para menos.

2- Balança de 60.000kg x 10kg, que possui 6.000 incrementos e pertence à classe III
(60.000 dividido por 10 é igual a 6.000). Ela possui as seguintes faixas de pesagens
e erros possíveis:

• Entre 0kg e 5.000kg: o valor máximo desta faixa foi obtido multiplicando o
valor da divisão de verificação 10kg x 500. Na verificação inicial (realizada na
fábrica) e na periódica (realizada a cada ano pelo INMETRO ou IPEM, no local
em que a balança está sendo utilizada) o erro máximo pode ser de até 5kg. Na
verificação em serviço, o erro máximo pode ser de até 10kg. Todos os erros
podem ser para mais, ou para menos.

• Entre 5.010kg e 20.000kg: o valor máximo desta faixa foi obtido


multiplicando o valor da divisão de verificação 10kg x 2000. Na verificação inicial
ou periódica, o erro máximo pode ser de até 10kg. Na verificação em serviço, o
erro máximo pode ser de até 20kg. Todos os erros podem ser para mais, ou para
menos.

• Entre 20.010kg e 60.000kg: o valor máximo desta faixa foi obtido


multiplicando o valor da divisão de verificação 10kg x 6000. Esta faixa poderia ir
até 10.000 incrementos, mas é limitada pela carga máxima da balança. Na
verificação inicial ou periódica, o erro máximo pode ser de até 15kg. Na
verificação em serviço, o erro máximo pode ser de até 30kg. Todos os erros
podem ser para mais, ou para menos.

3- Balança de 210g x 0,0001g, que possui 210.000 incrementos e pertence à classe I


(210 dividido por 0,001 é igual a 210.000). Ela possui as seguintes faixas de
pesagens e erros possíveis:

• Entre 0 e 50g: o valor máximo desta faixa foi obtido multiplicando o valor da
divisão de verificação 0,001g x 50000. Na verificação inicial (realizada na fábrica)
e na periódica (realizada a cada ano pelo INMETRO ou IPEM, no local em que a
balança está sendo utilizada) o erro máximo pode ser de até 0,0005g. Na
verificação em serviço, o erro máximo pode ser de até 0,001g. Todos os erros
podem ser para mais, ou para menos.

• Entre 50,001g e 200g: o valor máximo desta faixa foi obtido multiplicando
o valor da divisão de verificação 0,001g x 200000. Na verificação inicial ou
periódica, o erro máximo pode ser de até 0,001g. Na verificação em serviço, o
erro máximo pode ser de até 0,002g. Todos os erros podem ser para mais, ou
para menos.

• Entre 200,001g e 210g: o valor máximo desta faixa foi obtido


multiplicando o valor da divisão de verificação 0,001g x 210000. O limite desta
faixa é a carga máxima da balança. Na verificação inicial ou periódica, o erro
máximo pode ser de até 0,0015g. Na verificação em serviço, o erro máximo pode
ser de até 0,003g. Todos os erros podem ser para mais, ou para menos.
Mais alguns detalhes:
É muito comum que as pessoas se perguntem, como é que se determina um erro de 0,005kg,
quando a indicação mínima da balança é de 0,01kg. É fácil: utilizam-se massas de valor igual a 1/10
da divisão de verificação, que são adicionadas uma a uma, na plataforma da balança, até que a
indicação de peso se altere. Conhecendo-se esta carga adicional, basta fazer uma conta, para que
seja determinado o valor do peso (ou da massa) que está sendo mensurado pela balança. Apesar de
todo este procedimento, os técnicos dos órgãos fiscalizadores e os de balança (que são pessoas
práticas) costumam considerar como “corretas” as balanças que não apresentam erro na primeira
faixa e no máximo de 1 incremento de erro, nas demais faixas.

Outro detalhe é que, ao escrever este texto, fiz inúmeras correções, trocando a palavra peso
pela palavra massa. Certamente, confundir peso com massa é um erro inadmissível para quem
trabalha com física ou para diversos teóricos, mas no caso específico de balanças, massa e peso
são sinônimos em muitas ocasiões, só para citar um exemplo, chamamos peso padrão a um
dispositivo que na verdade é uma massa padrão.

Massa é uma característica inerente aos corpos. Independente do local em que esteja um
determinado corpo, sua massa sempre será a mesma, sendo assim, em qualquer ponto do planeta
Terra (ou na Lua), ela se manterá.

A massa quando submetida à força da gravidade de nosso planeta (ou da Lua, por exemplo),
produz uma força que é o peso. Este valor dependerá do local em que a massa está, ou melhor, terá
seu valor alterado conforme o local em que está. Uma mesma massa terá pesos diferentes, caso
seja deslocada de um ponto a outro de nosso planeta. Exemplo: uma mesma massa terá forças de
atração diferentes (peso) quando estiver na cidade do Rio de Janeiro, de quando estiver na cidade
de La Paz. A força peso se altera em razão da alteração da distância do corpo ao centro da Terra.

A legislação estabelece que “balança é um instrumento de pesagem para determinação de


massa”, no entanto, as balanças eletrônicas são, na verdade, dinamômetros: trabalham medindo a
força peso e não a massa. Desta forma, as balanças medem peso, embora o objetivo seja medir a
massa, porém isto não constitui nenhum problema, já que ao serem calibradas em seu local de uso,
as balanças passam a medir corretamente a massa dos corpos.

Na maioria dos casos, mesmo que a balança não seja calibrada em seu local de uso, ela
indicará corretamente os valores de peso, pois apesar de existirem diferenças na força peso, estas
serão pequenas e só causarão diferenças de indicação em balanças das classes I ou II, que são
mais sensíveis. Para balanças de classe III (que são a maioria) os erros de indicação, geralmente,
não serão grandes o suficiente para fazer com que elas fiquem fora dos limites estabelecidos pela
legislação. No entanto se a balança foi calibrada a mais de 1.000km de distância ou se existe uma
diferença de altitude superior a 1.500m do local em que ela está instalada, é recomendável que seja
verificada a sua calibração.
Como definir os limites dos erros de pesagem no seu processo de qualidade
Quando se fala em erros de pesagem, existem duas questões a serem consideradas, a legal e
a técnica. A legal é representada pela legislação de balanças, que no caso brasileiro foi
regulamentada pela portaria 236 e cujos campos de aplicação foram estendidos pela portaria 166/07
(o que fará com que praticamente todas as balanças utilizadas em ambientes não domésticos
estejam sujeitas às fiscalizações do governo). A técnica é representada pelo sistema de qualidade
de sua empresa.

O sistema da qualidade, geralmente possui limites bem maiores que os especificados pela
portaria 236, mas os erros desta devem considerados. Como exemplo vamos imaginar um processo
no qual deve ser dosado um produto com peso de 4,35kg, com tolerância de mais ou menos 0,2kg e
a balança a ser utilizada possui divisão de 0,01kg. Vamos calcular os dois limites, considerando os
erros da portaria 236:

• Limite inferior: 4,35 - 0,20 = 4,15kg. No entanto, nesta faixa de pesagem a balança pode
ter um erro de mais ou menos 0,01kg (especificado pela legislação), então vamos somar
este valor ao anterior (4,15 + 0,01) e obteremos o limite inferior de 4,16kg.

• Limite superior: 4,35 + 0,20 = 4,55kg. No entanto, nesta faixa de pesagem a balança pode
ter um erro de mais ou menos 0,01kg (especificado pela legislação), então vamos subtrair
este valor do anterior (4,55 – 0,01) e obteremos o limite superior de 4,54kg.

Desta forma, poderíamos especificar os limites de peso, desta etapa do processo, entre
4,16kg e 4,54kg. A tolerância inicial do processo, que era de mais ou menos 0,2kg, foi reduzida para
mais ou menos 0,19kg, devido aos possíveis erros da balança (os quais são permitidos pela
legislação).

Espero que este texto tenha lhe ajudado a entender (um pouco) a legislação de balanças e
estamos à sua disposição para quaisquer esclarecimentos adicionais.

Atenciosamente,

Equipe de Suporte Técnico

Toledo do Brasil Industria de Balanças

Tel.: 011-4356-9182 / 0800 554211

Você também pode gostar