Você está na página 1de 2

Iya Agba

por excelncia. Ela a me de Iroko, Obaluai Oxumar deuses e


respeitada como a me de todos os outros Orixs, neste caso, por ordem de
antiguidade. Nana o comeo, meio e fim, nascimento, vida e morte. Ela
proprietria da Axe o orix que d a vida e sobrevivncia,
IBSA senhora
permitindo o nascimento dos deuses e dos homens. As guas calmas e
pntanos lamacentos ter matado no primeiro olhar, mas no a vida das
plantas, micro-organismos, como plantas buscar no fundo dos lagos, na lama,
vidas e meios de subsistncia. Nana. Lady Death, gerando Iku, a morte.
Deusa dos pntanos e da lama. Nana o encanto da prpria morte. Suas
canes so oraes leve Iku,
morte
A distncia, o que permite que a vida ser mantida. a fora da natureza que
o homem mais teme, pois ningum quer morrer! Ela a Senhora da
passagem desta vida para a outra, sob o portal mgico, cruzando as
dimenses. Na terra de frica, Nana chamou Inie e assentamentos, objetos
sagrados, esto manchadas vermelho. Nana barrenta, terra com contato
com a gua. Nana tambm a lama do pntano, a direo principal e
regncia. Ela a chuva, a tempestade, a chuva. A chuva, por isso uma
espcie de gel de banho, que presta homenagem a Nana, lavando-se no seu
elemento. Chuva faz parte da vida, que regava a terra, se ele cai muito,
porque a fora da Natureza, Nana, no est satisfeito. Considerada a AIJ
feminino Orix
snior, foi anexada pelos rituais iorubs e seu significado. Nana a
possibilidade da morte conhecido por ter vida. bom para a morte, para
viver em paz. Nana a me, bem, querido, amor, compreenso, sensvel,
gentil, mas to irritado, no reKonhece ningum. Entre os smbolos de Nana
Ibiri, que feita com varas de leo de palma, representando a multido de
eguns seus filhos esto na terra dos homens, e Nana leva mimasse como
uma criana. As conchas que simbolizam a morte ea fertilidade esto vazias
porque se assemelham a genitlia feminina, tambm pertencem a Nana. No
entanto, o smbolo que melhor sintetiza o carter de Nana trigo, que
domina a agricultura e todo o gro tem que morrer para germinar. A morte de
Nana est no centro da vida, permitindo a reactivao