Você está na página 1de 8

Ablação por Cateter para

a Fibrilação Auricular
Entender o procedimento e
os seus benefícios
O que é a fibrilação auricular?
A fibrilação auricular (FA) é uma condição médica cardíaca
comum que faz com que as cavidades superiores do coração
(aurículas) batam rapidamente e de modo descontrolado
(fibrilação). Costuma-se tratar a FA com medicamentos,
embora estes nem sempre sejam eficazes, e sendo assim
pode ser recomendado para tratar a FA um procedimento
denominado ablação por cateter.

O que é a ablação por


Nódulo
sinusal
Veias
pulmonares cateter?
A ablação por cateter é uma técnica
Aurícula na qual se introduzem cateteres
no coração através do sistema
circulatório e se utilizam estes
cateteres para neutralizar pequenas
Ventrículo secções de tecido cardíaco que
As quatro cavidades cardíacas
geram e transmitem uma actividade
eléctrica anormal, o que dá origem
ao seu ritmo cardíaco irregular.

Razão porque lhe foi indicada a ablação


por cateter
É provável que o seu médico lhe tenha recomendado fazer
o tratamento de ablação por cateter porque os outros
tratamentos receitados para a sua FA não tenham dado os
resultados que seria de esperar. A ablação por cateter pode
constituir uma abordagem altamente eficaz para a redução
dos seus episódios de FA e sintomas associados, como por
exemplo as palpitações. Dependendo do tipo de FA que tiver
e das causas subjacentes que desencadeiam os seus
episódios de FA, a ablação por cateter pode por vezes resultar
num restabelecimento permanente do ritmo cardíaco normal.

Sobre a ablação por cateter


A ablação por cateter é levada a cabo por um electrofisiologista, ou
por um especialista em arritmias cardíacas. O procedimento pode
ser realizado num hospital ou num centro médico especializado.
A ablação por cateter utiliza uma série de fios longos e finos
(cateteres) que se inserem numa artéria ou numa veia, geralmente
na virilha ou no pescoço, e se orientam até chegarem ao coração.
Pode-se vizualizar a posição dos cateteres por fluoroscopia, uma
técnica de monitorização que emprega raios X. Para aperfeiçoar
mais ainda a orientação dos cateteres no coração, usam-se
sistemas especiais de mapeamento ou navegação, que traçam um
mapa da actividade eléctrica do coração.
Uma vez dentro do coração, os
cateteres são utilizados para localizar
a origem dos sinais eléctricos
anormais e para administrar
ondas eléctricas que neutralizam
(efectuam a ablação) das secções
anormais.
A técnica utilizada para orientar os
cateteres pelo sistema circulatório
até ao coração constitui uma
abordagem comum ao tratamento de Mapa da aurícula esquerda, ilustrando a actividade eléctrica
uma série de problemas cardíacos, a
qual é menos invasiva que as intervenções cirúrgicas, e pode ser
realizada sob anestesia local.
Antes do procedimento
O seu médico dar-lhe-á informações sobre os medicamentos que
deve tomar e os que deve parar de tomar. Cumpra cuidadosamente
as instruções especiais que receber em termos dos alimentos que
deve ingerir e outros aspectos.
No dia da intervenção, o pessoal hospitalar prepará-lo-á para
a ablação por cateter. Isto inclui a preparação da zona de pele
onde os cateteres irão ser inseridos. Por exemplo, a virilha
é limpa e o doente recebe um anestético local para adormecer
a região. É-lhe colocado um soro numa veia do braço, para lhe
poderem administrar medicamentos durante o procedimento.
Estes incluem um sedativo fraco, para relaxar o doente,
embora possa permanecer acordado durante o procedimento.
A seguir é levado para o laboratório de electrofisiologia (EEF),
que é normalmente de uma divisão do departamento de cardiologia,
onde o procedimento é executado.

Durante o procedimento
Durante o procedimento, o doente é monitorizado por meio
de equipamento especializado,
incluindo um electrocardiograma
(ECG) para registar os batimentos
do seu coração.
A seguir, os cateteres são inseridos
e o doente inicialmente pode sentir
uma certa pressão no local da
inserção. A posição dos cateteres
dentro do seu coração é então
acompanhada pelo especialista,
por meio de raios X e, regra geral,
Um ECG regista a actividade cardíaca de um sistema de mapeamento em
3D.
O procedimento em si inclui um
procedimento denominado estudo
electrofisiológico, que analisa a
actividade eléctrica dentro do seu
coração. As secções que produzem
sinais eléctricos irregulares são
então neutralizadas por meio do
cateter de ablação.
Algumas pessoas talvez sintam um
Equipamento de monitorização da electrofisiologia
certo desconforto temporário no
peito; nesse caso, deve informar
o médico e os enfermeiros, para que eles administrem um
medicamento para aliviar.
O processo de ablação concentra-se na aurícula esquerda. Embora
as secções exactas que devem ser alvo da ablação dependem das
características individuais da sua FA, o procedimento concentra-
se normalmente nas regiões em redor das veias pulmonares. O
procedimento todo costuma demorar algumas horas.

Imediatamente a seguir ao procedimento


Uma vez que se tenha concluído o procedimento, retiram-se
os cateteres e aplica-se pressão na virilha e/ou pescoço, para
minimizar e evitar hemorragias; pode também ser colocado um
penso. Durante esta fase o doente deve permanecer imóvel, sem
mexer nem dobrar a perna. Regra geral, depois do procedimento
o doente fica de cama durante umas horas, provavelmente de um
dia para o outro, em observação, antes de ter alta

O que fazer em casa e depois


É necessário reduzir as suas actividades durante alguns dias e evitar
todas as actividades físicas vigorosas. Siga cuidadosamente as
instruções do seu médico no que diz respeito aos medicamentos
receitados. Preste especial atenção às regiões onde os cateteres
tenham sido inseridos. É normal ter nessa região um pequeno
hematoma ou um caroço, mas consulte imediatamente o médico
se o local se tornar sensível, dorido, quente ou inchado. Contacte
imediatamente o médico se tiver febre, tonturas ou outros sintomas.
Não é raro continuar a ter FA durante algum tempo a seguir à
intervenção. Isto pode ser devido a vários factores. Por exemplo, as
regiões onde se efectuou a ablação têm de cicatrizar. O seu médico
dar-lhe-á mais informações sobre as consultas de acompanhamento
que deve fazer. Se não tiver problemas e o seu trabalho não incluir
esforços físicos, poderá regressar ao trabalho alguns dias depois do
procedimento. O seu médico dar-lhe-á mais informações, dependendo
da sua situação específica.
Consulte ainda o médico sobre a possibilidade de conduzir automóveis
pois, em certos casos, pode não ser aconselhável fazê-lo logo a
seguir ao procedimento.

Quais são os benefícios e os riscos


associados à ablação por cateter?
A ablação por cateter é uma técnica de tratamento da FA com sucesso.
A maioria das pessoas que recebem este tratamento tem ou uma
redução a longo prazo do número de episódios de FA e da gravidade
dos sintomas ou um retorno permanente ao ritmo cardíaco normal.
Isto quer dizer que, a seguir a uma ablação por cateter bem
sucedida, pode reduzir-se ou até interromper os medicamentos
para controlar a FA.
A ablação por cateter é considerada um procedimento seguro e
a possibilidade de haver complicações graves é baixa (cerca de
2%). Mas, tal como com qualquer outra intervenção, esta também
inclui riscos. Antes do início do procedimento, o seu médico e o
electrofisiologista discutirão quaisquer riscos específicos que o
procedimento apresente em relação a si.
Glossário dos termos mais comuns
empregados na ablação por cateter
ablação: eliminação de secções de tecido por meio de um cateter especial que
administra energia
ablação por cateter: procedimento utilizado para neutralizar tecido que está a
propagar sinais errados para o resto do coração
arritmia: anomalias que causam ritmos cardíacos anormais
aurículas: cavidades superiores do coração
cateter: fio longo e fino, introduzido por uma veia até chegar à parte interior do
coração
electrocardiograma: registo do ritmo cardíaco que monitoriza a actividade
eléctrica do coração
estudo electrofisiológico: mapeamento e localização da actividade eléctrica
do coração
fibrilação: contracção rápida e descontrolada das cavidades do coração
fluoroscopia: técnica de monitorização que permite visualizar, por meio de raios
X, os cateteres que se encontram no coração
laboratório de electrofisiologia: sala especializada onde se efectuam as
intervenções com cateteres para diagnóstico e tratamento
sistema de mapeamento em 3D: computador especializado que desenha,
através dos cateteres, um mapa do coração em 3D, de forma a ser possível
visualizar a anatomia e a actividade eléctrica
veias pulmonares: veias que transportam o sangue vindo dos pulmões para a
aurícula esquerda
4-P-800-1530-1 www.atrialfibrillation.com

Fornecido como serviço à medicina através da “Afib Alliance”SM

Consultores médicos:
Dr. Antonio Raviele
Chefe da Secção de Cardiologia e Director do Centro Arritmológico
Hospital Umberto I, Mestre - Veneza, Itália

Dr. Richard Schilling


Cardiologista Consultor
Barts and the London Hospitals
Queen Mary University of London, Londres, Reino Unido
www.londonafcentre.com