P. 1
Inteligência Artificial no Game Design1

Inteligência Artificial no Game Design1

|Views: 326|Likes:
Publicado porarnaldoccn4731

More info:

Published by: arnaldoccn4731 on Jan 07, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/01/2010

pdf

text

original

Inteligência Artificial no Game Design

Arnaldo Castro Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Graduação em Tecnologia em Jogos Digitais, Brasil

Resumo
Este trabalho trata da importância da Inteligência Artificial no Game Design, abordando seus aspectos mais relevantes para este campo. O objetivo do trabalho é fazer uma análise de todo este campo, desde a noção básica do que é Inteligência Artificial para por fim oferecer uma boa noção aos desenvolvedores de como este campo pode influenciar seu trabalho e também como ele deve se desenvolver no futuro, servindo como base teórica . capacidade de adquirir e aplicar conhecimento e

Palavras-chave:
Artificial, Game, Desenvolvimento, Jogos.

Inteligência, Design,

Contado com o autor:
http://arnaldocastro.wordpress.com

habilidades copiando o modo natural como ocorrem. Tal definição está certa, mas para melhorá-la podemos usar a definição do conjunto onde se diz que inteligência artificial é o desempenho de sistemas eletrônicos realizando tarefas que normalmente requerem inteligência humana. Estabelecendo estes significados já é possível ter uma noção do que é inteligência artificial, mas resumir esse termo apenas a tais conceitos seria um erro, pois dependendo de seu uso, de seu nível ou de seu tipo, ela pode assumir diversos outros significados.

O que é?
De acordo com o site AskOxford.com, site do dicionário Oxford, inteligência significa, basicamente, a capacidade de adquirir e aplicar conhecimentos e habilidades, e artificial, como algo feito como uma cópia de algo que é natural. Com a junção dos termos temos que inteligência artificial é a

Níveis de Inteligência Artificial
De acordo com algumas correntes que estudam a inteligência artificial ¹, esta pode ser dividida em Nível Forte e Nível Fraco. A inteligência artificial de nível forte é aquela que reproduz fielmente os conhecimentos e habilidades da mente humana. Entidades com este nível de inteligência artificial gerariam uma

série de problemas éticos como os vistos em diversos filmes de ficção científica como “Artificial Intelligence: AI”, “Bicentennial Man”, “I, Robot” entre outros. A inteligência artificial de nível fraco é toda aquela que reproduz parcialmente tais conhecimentos e habilidades, geralmente feita com um propósito específico. Exemplos famosos desta categoria seriam os programas conhecidos como chatterbots, onde, através de algoritmos, os personagens conversam com seu usuário. Os mais famosos destes são o chatterbot Eliza e o Alice, ambos desenvolvidos por equipes do MIT (Massachusetts Institute of Technology). Uma maneira prática para se identificar o nível de inteligência de uma entidade é aplicar o “Teste de Turing”. Publicado pela primeira vez em 1950 por Alan Turing, esse teste tem como objetivo ver se a entidade é consciente ou não. Até hoje nenhuma máquina passou de forma plenamente satisfatória pelo teste.

tempo, interação, reação e entrada e saída de dados. A distribuída trabalha com agentes independentes que só controlam as partes que estão programadas para tratar e são capazes de interagir com os outros agentes formando um todo no final.

Agentes Inteligentes
Esses agentes, citados anteriormente, possuem uma série de características básicas (FERNANDES, 2005:91). Essas características são autonomia habilidade de se manter sem intervenção humana-, habilidade social - a capacidade de interagir com outros agentes através da mesma linguagem-, reatividade - percebe e se adapta a mudanças no ambiente e pró-atividade, o agente age com base em sua percepção ou age demonstrando certa iniciativa. Para um agente ser considerado inteligente ele deve ter todas essas características, que não precisam ser avançadas, mas deve ter todas. Estes agentes podem ser divididos em tipos em uma classificação baseada nas principais características deles e na forma como funcionam. Reativos agem de acordo com suas percepções, mas não mantém um histórico de todas elas. Cognitivos possuem meios de decisão, interação sofisticada e alto grau de iniciativa, os quais pode se subdividir em funcionais, que possuem conhecimento, objetivo e tem capacidade de percepção, comunicação e raciocínio e os baseados em estados mentais, que

Tipos de Inteligência Artificial
Existem, basicamente, dois tipos de IA, a Centralizada e a Distribuída (João Ranhel: Os game designers e a Inteligência Artificial). Esses tipos diferem no modo de funcionamento dela e dependem de qual é a finalidade dela. A centralizada possui um software onisciente que tem plena noção de todas as variáveis que estão atuando sob a inteligência, como espaço,

possuem estados a respeito de domínio de crenças, capacidade de escolha e compromisso. Agentes Híbridos são dotados de comportamentos reativos e se possuírem algum objetivo, apresentam um comportamento deliberativo. Agentes Inteligentes são agentes que possuem todas as características em nível alto, armazenam todas as ações e reagem adequadamente a tudo.

Aplicação
Existem fatores que devem ser levados em conta antes da aplicação das técnicas no game. Entre eles podemos destacar a dinâmica do games, como o jogo funcionará, comportamentos desejados aos NPCs, ambiente escolhido, a linguagem a ser utilizada e a engine e a parte da engenharia de software, como os dados serão trabalhados para os NPCs, o que eles receberão, enviarão e captarão. (João Ranhel: Os game designers e a Inteligência Artificial)

Particularidades
A caracterização da IA de modo geral, mesmo especificando seus diversos níveis, tipos e agentes, ainda sim não é suficiente para explicar a aplicada ao Game Design. Ao contrário da acadêmica, que procura imitar os comportamentos humanos, a inteligência artificial para o Game Design, antigamente conhecida como programação de jogabilidade, não possui um objetivo fixo, ela só tem que funcionar adequadamente para o que está sendo empregada. Games de gêneros diferentes não possuem as mesmas necessidades de inteligência artificial, isto pode ser concluído verificando as técnicas utilizadas.

Engines
Apesar de existirem muitas técnicas, as engines, softwares desenvolvidos para criação e desenvolvimento de games, ainda estão engatinhando e, mesmo as mais avançadas não possuem uma grande compatibilidade com todas as técnicas. Talvez uma solução para esse problema seja a criação de uma engine própria para o desenvolvimento da IA do game, e uma dedicação maior dos desenvolvedores.

Técnicas
Existem diversas técnicas para se implementar inteligência artificial nos games. Jogos como Half-Life e Unreal usam uma técnica chamada finite state machines e um sistema scripts, já um game como o The Sims usa técnicas distintas como a Artificial Life e fuzzy state machines.

Futuro
No futuro a inteligência artificial poderá se desenvolver de forma a trabalhar significativamente a narrativa do game, o que poderia gerar uma experiência inédita, histórias coerentes criadas de forma original por entidades artificiais.

Tecnicamente uma inteligência artificial forte poderia significar jogos mais desafiadores onde o jogador não só enfrentasse adversários mais difíceis, mas sim enfrentasse adversários extremamente adequados à experiência de jogo que os desenvolvedores desejaram passar.

Acessado em 11 de novembro de 2009. Inteligência artificial http://pt.wikipedia.org/wiki/Intelig %C3%AAncia_artificial, Acessado em 11 de novembro de 2009. I.A. EM JOGOS A BUSCA COMPETITIVA ENTRE O HOMEM E A MÁQUINA, escrito por ROBERTO TENGAN DE SANTANA. http://www.programadoresdejogos.c om/trab_academicos/roberto_tengan. pdf, Acessado em 11 de novembro de 2009. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL APLICADA NO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS DE COMPUTADOR, escrito por Carlos Henrique Silva Galdino. http://www.programadoresdejogos.c om/trab_academicos/carlos_galdino. pdf, Acessado em 11 de novembro de 2009. REVOLUTION AI ENGINE DESENVOLVIMENTO DE UM MOTOR DE INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL PARA A CRIAÇÃO DE JOGOS ELETRÔNICOS, escrito por Vicente Vieira Filho. http://www.cin.ufpe.br/~tg/20051/vvf.pdf, Acessado em 11 de novembro de 2009. Inteligência Artificial em Jogos Eletrônicos, escrito por André Kishimoto. http://www.programadoresdejogos.c om/trab_academicos/andre_kishimot o.pdf, Acessado em 11 de novembro de 2009. Os game designers e a Inteligência Artificial, escrito por João Ranhel .

Conclusão
A inteligência artificial ainda é um campo que pode se desenvolver muito, no game design principalmente devido às limitações que as engines de hoje em dia possuem, mas não pode ser deixada de lado no desenvolvimento de um game. Deve-se analisar bem os objetivos e trabalhar em cima de suas necessidades.

Referências
¹ Inteligência Artificial Forte, http://www.din.uem.br/~ia/maquin as/iaforte.htm, Acessado em 10 de dezembro de 2009. artificial intelligence, http://www.askoxford.com/concise_ oed/artificialintelligence?view=uk , Acessado em: 11 de novembro de 2009. Chatter Bot Actionscript 3.0 1.0 http://www.sourcecodeonline.com/d etails/chatter_bot_actionscript_3_0.ht ml, Acessado em: 11 de novembro de 2009. A.L.I.C.E Inteligence Foundation http://www.pandorabots.com/pando ra/talk?botid=f5d922d97e345aa1,

http://www.gamecultura.com.br/mi dia/textosfp/gamedesign/168/410os-game-designers-e-a-inteligenciaartificial, Acessado em 11 de novembro de 2009. FERNADES, Anita Maria da Rocha. Inteligência artificial. Florianópolis: Visual Books,2005.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->