P. 1
Meridiano Tendino Musculares

Meridiano Tendino Musculares

|Views: 4.142|Likes:
Publicado por_eyes_

More info:

Published by: _eyes_ on Jan 12, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/24/2013

pdf

text

original

Meridianos Tendino-Musculares

Trabalho elaborado para a disciplina de Estrutura de Meridianos e Localização de Pontos por:

Raquel Rocha

2009, Maio

3

Indice

0. 1. 2. 3.

Introdução.............................................................................................................. 5 Sistema de Meridianos .......................................................................................... 6 Meridianos Tendino-Musculares ............................................................................ 8 Zonas de Reunião, Trajectos e Sintomas dos Meridianos Tendino-Musculares... 12 3.1. Meridiano tendino-muscular da Bexiga (1º Yang do pé) ................................... 12 3.2. Meridiano tendino-muscular da Vesícula Biliar (2º Yang do pé)........................ 13 3.3. Meridiano tendino-muscular do Estômago (3º Yang do pé) .............................. 14 3.4. Meridiano tendino-muscular do Baço Pâncreas (1º Yin do pé) ......................... 15 3.5. Meridiano tendino-muscular do Fígado (2º Yin do pé) ...................................... 16 3.6. Meridiano tendino-muscular do Rim (3º Yin do pé) ........................................... 16 3.7. Meridiano tendino-muscular do Intestino Delgado (1º Yang da mão) ............... 17 3.8. Meridiano tendino-muscular do Triplo Aquecedor (2º Yang da mão) ................ 18 3.9. Meridiano tendino-muscular do Intestino Grosso (3º Yang da mão) ................. 18 3.10. Meridiano tendino-muscular do Pulmão (1º Yin da mão) ................................ 19 3.11. Meridiano tendino-muscular do Pericárdio (2º Yin da mão) ............................ 19 3.12. Meridiano tendino-muscular do Coração (3º Yin da mão) ............................... 20

4. 5. 6.

Tratamento .......................................................................................................... 21 Conclusão............................................................................................................ 22 Bibliografia ........................................................................................................... 23

4

0. Introdução Este trabalho inscreve-se no âmbito da unidade curricular de Estrutura de Meridianos e Localização de Pontos do Curso de Medicina Tradicional Chinesa. Tem como principal objectivo a aquisição de conhecimentos relativos aos Meridianos Tendino-Musculares. Neste sentido, abordo o sistema de meridianos em geral e os meridianos tendino-musculares, sua trajectória e sintomas dos mesmos.

Posteriormente, faço uma pequena introdução ao tratamento referentes às patologias associadas aos Meridianos Tendino-Musculares. Conforme os conceitos gerais das energias Yin e Yang, tudo é mais Yin ou Yang em relação com aquilo que estamos a comparar. Assim, no estudo do Wei Chi que circula pelos meridianos tendino-musculares, devemos fazer também esta comparação.

No organismo a parte interna é Yin, e a externa Yang, assim os meridianos principais e os próprios órgãos e vísceras ao qual pertencem se encontram no extremo Yin, em troca a energia dos tendino-musculares, que circula imediatamente abaixo da epiderme, é qualificada como Yang, por encontrar-se próxima ao exterior.

As energias perversas - vento, frio, calor, humidade e secura - rodeiam o indivíduo desde o momento de seu nascimento, pois faz parte do próprio meio em que se desenrola a vida animal e vegetal.

A energia que habita nos meridianos tendino-musculares, faz de malha protectora, contra a impetuosidade com que se manifestam as energias perversas, conservando desta forma a saúde do organismo.

A insuficiente irrigação do Wei Chi nos meridianos tendino-musculares é precisamente motivo de doença, pois debilita esta protecção dando lugar a enfermidade. Dentro do corpo, a energia perversa pode produzir transtornos de menor ou maior importância, dependendo sempre do grau de vazio em que se encontra a energia Wei destes meridianos, da capacidade de agressão perversa e do tempo de exposição à mesma.

5

1. Sistema de Meridianos Todo sistema de meridianos é composto por:  um meridiano principal: JING MAI.  um meridiano tendino-muscular: JING JIN.  um meridiano extraordinário: JING BIÉ.  um meridiano secundário: JING LUO.  pequenos vasos: LUO MAI.  meridianos superficiais: SOEN LUO.  uma porção de pele: Bi BAU.

Assim, quando falamos do meridiano principal (JING MAI) dos pulmões (FEI), escreveremos assim: SHU TAI YIN FEI JING MAI SHU = MÃO (meridiano da mão) TAI YIN = Qualidade YIN do meridiano FEI = PULMÃO JING MAI = Meridiano Principal

Se quisermos falar do meridiano Tendino-muscular (JING JIN) do estômago (WEI), diremos: ZU YANG MING WEI JING JIN ZU = PÉ (meridianos do pé) YANG MING = Qualidade YANG do meridiano WEI = ESTÔMAGO JING JIN Meridiano Tendino-Muscular. (JING JIN) (In Organização do Sistema de Meridianos)

A energia Qi que percorre os meridianos principais, abriga dentro de si as energias próprias da natureza (fogo, terra, metal, água e madeira). Destes temos os pontos básicos para o reequilíbrio orgânico, que se chamam de Shu Antigos e que são encarregados de aumentar ou diminuir os elementos citados dentro do organismo. Precisamente, o bom equilíbrio dessas energias dentro do próprio organismo, é o que dá lugar à tão apreciada saúde.

6

As cinco energias citadas são integradas dentro da nossa matéria através da boca e do nariz (ar e alimentos), passando a constituir o Chi que percorre nos meridianos principais.

7

2. Meridianos Tendino-Musculares No Ney King os meridianos tendino-musculares são ramificações secundárias dos próprios meridianos principais, como nos meridianos LOU e nos meridianos Extraordinários, sendo apresentado por grupos individuais devido às diferentes funções, trajectos e profundidades que percorre cada um destes grupos.

Os meridianos superficiais e os profundos conectam-se nas extremidades dos dedos dos membros. Para além desta relação encontram-se intimamente ligados no tratamento das doenças, podendo ser utilizados associadamente.

As Principais Características dos Meridianos Tendino-Musculares são: 1. Áreas externas pertencentes aos principais; 2. Trajetos semelhantes aos principais; 3. O sentido da circulação inicia-se nas extremidades, passando pelos 4 membros, em direção à cabeça; 4. Não entram nos Órgãos ou vísceras; 5. Acumulam-se nas articulações e ossos.

Têm como principais funções: • • Distribuir Qi e Xue para nutrir os músculos; Controlar e conter os ossos e os movimentos das articulações, para manter a mobilidade normal. • • • Proteger contra a energia perversa. Fazer a relação entre os músculos, articulações e ligamentos. Também tem acção no diafragma, pleura, peritoneu e pericárdio. Nas partes mais profundas eles actuam na fascia muscular.

Tal como referido anteriormente, além da energia vital, existe também outra de defesa que recebe o nome de Wei (Defensiva). Este tipo de energia percorre os meridianos que chamamos de tendino-musculares.

O Wei Chi segue uma espécie de caminho de ronda adequado à vigilância da possível agressão. Os Meridianos tendino-musculares partem todos das extremidades e seguem um percurso ascendente. Nas articulações, encontram-se e formam nós.

8

Imagem 1 – Meridianos Tendino-Musculares (In Organização do Sistema de Meridianos)

Para definir concretamente o Wei Chi podemos dizer que se trata de energia Qi (a que circula pelos meridianos principais), reforçada ou concentrada, de tal forma que cobre como uma malha protectora a parte mais superficial do organismo. Encontra-se imediatamente debaixo da epiderme e sobre os músculos, impede a penetração das energias perversas procedentes do exterior. Se faltar uma parte nesta malha protectora, qualquer elemento desequilibrante procedente do exterior (vento, calor, secura, humidade ou frio) penetra no organismo. Desta forma, a energia que no exterior é equilibradora do próprio sistema sobre o qual vivemos na terra, converte-se em perversa ao instalar-se num sistema muito distinto, provocando alterações na energia orgânica. (Fonseca, 2008)

A ausência de energia dentro de um meridiano principal, provoca deficiência do seu meridiano tendino-muscular correspondente e, quando isto acontece, o indivíduo fica exposto à penetração da energia exterior (perversa) dentro do meridiano com as consequências patológicas próprias destes casos.

Quando um meridiano tendino-muscular encontra-se afectado pela agressão de qualquer classe de energia perversa as causas podem ser duas. Por um lado, a energia perversa externa pode alcançar uma intensidade superior à da defensiva do tendino-muscular, penetrando assim nele. Pelo contrário, a energia deste meridiano poderá ser débil ao não receber energia do meridiano principal ao qual pertence, em cujo caso este último está em vazio e a penetração perversa ocorre facilmente. A solução passa por aumentar o nível energético do meridiano principal. (Fonseca, 2008)

Os tendino-musculares necessitam de pontos próprios, para poderem actuar sobre eles é necessário picar os pertencentes ao meridiano principal ao qual correspondem e outros pontos com que se conectam ao longo do trajecto, sendo ou não do seu próprio meridiano principal. Ao olharmos o trajecto destes meridianos vemos que conectam com pontos de outros meridianos principais.
9

2.1. Como se dividem?

Os meridianos tendino-musculares, como ramificações que são do meridiano principal a que pertencem, tem o seu início no ponto Ting. Situado no ângulo ungueal do dedo, de onde começa ou termina o meridiano principal. (Fonseca, 2008) Os pontos Ting, pertencentes aos Shu Antigos, são de máximo interesse por serem a saída do Wei Chi desde os meridianos principais aos tendino-musculares. Os meridianos tendino-musculares são largas ramificações de energia defensiva que partem dos pontos Ting, estendem-se por todo organismo a um nível superficialmédio, cumprindo com a função específica de proteger o organismo contra as agressões das energias perversas. (Fonseca, 2008)

Os meridianos tendino-musculares, não se ajustam às regras de transmissão energética de um meridiano Yin a outro Yang, como acontece nos meridianos principais. Estes meridianos, unem-se em grupos de três e em pontos concretos do sistema energético geral. Tão pouco observam horas de máxima energia para cada um deles individualmente ao longo do dia, porém recebem a sua energia máxima, durante a noite nos Yin e durante o dia nos Yang. (Fonseca, 2008)

Em geral, com excepção do Fígado, os meridianos tendino-musculares dirigem-se à parte anterior do tronco, as costas e a cabeça; passando antes pelas articulações do punho, do cotovelo e do ombro, nos Yin e Yang das mãos, pelos maléolos interno e externo, pelo joelho e pela anca nos Yin e Yang dos pés.

Os 12 meridianos tendino-musculares estão conectados e tem o nome do meridiano principal. Cada meridiano tendino-muscular tem a sua trajectória, que normalmente é idêntica à do meridiano principal. Contudo, e em contraste aos meridianos principais, os meridianos tendino-muscular começam sempre nas extremidades. O seu percurso começa sempre nos dedos dos pés ou das mãos e vai até ao tronco ou face ou cabeça. Cobrem um área maior que os meridianos principais, permitindo-lhes chegar onde mais nenhum meridiano principal chega. Em condições patológicas, estes meridianos manifestam-se nos pontos gatilhos. (Focks, 2008)

Como referido anteriormente, estes meridianos unem-se de três em três fazendo um total de quatro grupos. Segundo Focks (2008), reúnem-se individualmente nas quatro seguintes zonas:

10

Os três meridianos tendino-musculares Yin do pé vão dos dedos do pé ao tórax, juntam-se na região genital, e intersectam-se ou no Ren-2 (qugu) ou Ren-3 (Zhongii) dependendo do autor.

• • •

Os três meridianos tendino-musculares Yin da mão vão dos dedos da mão até ao tórax, juntando-se ao músculo torácico e intersectam o V.B. 22 (yuanye) Os três meridianos tendino-musculares Yang do pé vão dos dedos do pé até a cabeça, juntam-se na face onde intersectam o I.D. 18 (quanliao) Os três meridianos tendino-musculares Yang da mão vão da ponta dos dedos até ao ouvido onde intersectam o V.B. 13 (benshen)

Imagem 2 – Pontos dos Meridianos Tendino-Musculares (Focks, 2008)

As condições dos tecidos por onde passam os meridianos estão relacionadas directamente com a capacidade do Qi passar por estes. Ou seja, mudanças no tónus do meridiano tendino-muscular irá afectar o fluir de energia no meridiano principal e vice-versa.

11

3. Zonas de Reunião, Trajectos e Sintomas dos Meridianos TendinoMusculares As doenças nos meridianos tendino-musculares têm como principais sintomas a tensão muscular, a dor, os espasmos, a paralisia e a falta de força. Alguns dos factores que podem contribuir para doenças nos meridianos tendinomusculares são factores externos, traumatismos ou excesso de exercício.

Para avaliar se a doença de uma pessoa corresponde a um desequilíbrio dos meridianos tendino-musculares, é imprescindível conhecer bem o trajecto destes, pois dele depende a correcta avaliação energética para o posterior tratamento. Como já foi referido, nas diferentes zonas de reunião dos grupos de meridianos tendino-musculares, a cada três se encontram ao redor de um ponto acupuntural específico. Sabendo isto, para avaliar se a doença é produzida por algum tendinomuscular, devemos pressionar sobre os pontos ou zonas onde se reúnem. Se ao executar esta acção, a zona encontra-se dolorosa, é muito provável que a disfunção provenha de um dos três meridianos tendino-musculares que se reúnem neste ponto. Depois, teremos de averiguar em qual destes três meridianos está a disfunção, para o qual temos de seguir mentalmente o trajecto de cada um deles, até descobrir qual ou quais são os que passam justamente pela região sintomática. Uma vez feita esta comprovação põe-se em prática o tratamento. (Fonseca, 2008) De seguida descrevo o trajecto dos diversos meridianos e sintomas associados.

3.1. Meridiano tendino-muscular da Bexiga (1º Yang do pé) Na seguinte imagem podemos verificar os meridianos tendino-musculares da Bexiga e do Rim:

Imagem 3 – Meridianos Tendino-Musculares da Bexiga e Rim (Helms, 1995) 12

Trajecto do Meridiano Tendino-Muscular da Bexiga: Inicia-se no ângulo ungueal externo do 5º dedo do pé, continua pela face lateral alcançando o lado anterior do maléolo. Sobe pelo músculo extensor longo comum dos dedos até à patela. Volta a subir pelo bordo posterior do perónio até ao ponto V.B. 34 (Yang Ling Quan). Passa pelo gêmeo até ao nível de S2 no ponto B. 53 (Bao Huang). Aqui, aprofunda-se e sobe pela coluna para surgir na depressão localizada entre a parte inferior à protuberância occipital e o músculo trapézio no ponto V. B. 20 (Fengchi). No centro do esternocleidomastoideu nasce um ramo que se encontra com o ponto V.B. 20 e continua pelo temporal, frontal, passa pelo zigomático (I.D. 18, Quan Liao) continua pelo masséter e desce até alcançar o seu lugar de origem. Sintomas que podem apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular da Bexiga:  edema doloroso no quarto dedo do pé;  dor na face externa da perna (parte Yang) por contractura dos músculos ou acúmulo de energia perversa;  dor na região do osso poplíteo pela contractura dos músculos ou energia perversa acumulada;  fortes dores ao longo do músculo grande dorsal, que podem confundir-se com dores produzidas por problemas na coluna;  dor na face externa do pescoço;  dificuldade de mover o braço, principalmente levantá-lo;  dor na face ântero-externa do ombro;  dor de cabeça, parte superior parietal-occipital e frontal ou frontal e face. (Fonseca, 2008)

3.2. Meridiano tendino-muscular da Vesícula Biliar (2º Yang do pé) Trajecto do Meridiano Tendino-Muscular da Vesícula Biliar: Inicia-se no ângulo ungueal externo do 4º dedo do pé, sobe pelos 4º e 5º metatarso até ao maléolo externo, continua pelo extensor comum dos dedos até ao menisco onde segue pela face lateral da coxa até o glúteo. Eleva-se pela lateral, sobe o grande dorsal onde penetra e continua pelas intercostais até à articulação do úmero. Parte deste até ao crânio e passa escaleno médio e anterior, esternocleidomastoideu, temporal e frontal onde se divide em dois ramos: Um vai pelo lado da sutura frontal-parietal.

13

Outro desce pelo temporal e masséter até o queixo, volta a subir pelo lado anterior do masséter, zigomáticos e pálpebra, finalizando no ângulo interno do olho. Sintomas que podem apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular da Vesícula Biliar:  dor no quarto dedo do pé;  dor ao longo do trajecto do meridiano tendino-muscular. Esta dor é fácil de confundir com a irritação do nervo ciático. Quando a causa da dor é o nervo ciático, pode acontecer de duas formas principais. A primeira manifesta-se com a clássica dor desde a parte superior do glúteo, rodeando-o e descendo pela face posterior da perna até os gêmeos, chegando às vezes ao quarto e quinto dedos do pé. A segunda é, precisamente, a que pode dar lugar a confusão pelo seguinte motivo, é que neste caso, a dor passa pelo lado da perna, seguindo o trajecto do meridiano da Vesícula Biliar, porém ao chegar na altura do osso poplíteo, passa para a face posterior da perna (pelo trajecto do meridiano da Bexiga), diferenciando-se portanto, em dor ciática da afecção do tendinomuscular, sendo que o trajecto da dor ciática não passa no osso poplíteo, pois segue ao longo do meridiano da Vesícula;  grande dificuldade na flexão do joelho;  dor nas laterais do tronco, sobre as costelas;  dor na extremidade da mama e tórax;  dor na zona que circunda a clavícula;  dor nos lados da cabeça e / ou face. (Fonseca, 2008)

3.3. Meridiano tendino-muscular do Estômago (3º Yang do pé) Trajecto do Meridiano Tendino-muscular do Estômago: Começa nos ângulos ungueais externos do segundo e terceiro dedo do pé e no ângulo ungueal interno do quarto dedo, sobe os três ramos pelo dorso do pé para reunirem-se na prega de flexão, na metade do mesmo, entre os maléolos. A partir daí, saem dois ramos que sobem pelo lado interno e externo da parte tibial anterior. O ramo interno passa pelo centro da rótula e o externo pela tróclea femoral; continua pelo lado interno do recto anterior do músculo e alcança o tronco continuando pela face anterior-externa, sobe pelo abdómen, até à zona axilar. Vai para as costas e coluna sobre o redondo menor e trapézio até debaixo da apófise espinhosa da quinta dorsal. O outro ramo sobe pela parte interna do recto anterior do músculo, o sartório e psoas maior, desviando-se a partir da zona inguinal a um dedo acima da borda superior da púbis (V. C. 3, Zhong Ji).

14

Sobe pelo lado interno do recto anterior do abdómen até à altura da décima primeira costela; sobe sobre o peitoral até ao mamilo, continua até passar pela clavícula, no esternocleidomastoideu onde surgem vários ramos: Um vai pela zona posterior do masséter, até ao trago. Outra, sobe pela parte anterior do masséter, temporal e frontal para ramificar-se na pálpebra superior. Outro passa pelo bucinador e zigomático, até o ângulo externo do olho. Outro, percorre pelo orbicular dos lábios, sobe passando pelo zigomático menor, asa do nariz e finaliza na pálpebra inferior. Sintomas que podem apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular do Estômago:  contractura do segundo dedo do pé e/ou do terceiro e quarto;  dor na face anterior da perna, músculo extensor longo dos dedos e região anterior da tibia, devido à contractura ou acúmulo de energia perversa;  dor por contractura ou energia perversa dos músculos do abdómen;  dores sobre os músculos peitorais;  paralisia facial. Boca deformada por falta de tônus nos músculos faciais, podendo chegar aos olhos em casos extremos, deixando as pálpebras caídas por falta de força no músculo orbital das pálpebras;  dor nas primeiras dorsais, sem haver mal formação. (Fonseca, 2008)

3.4. Meridiano tendino-muscular do Baço Pâncreas (1º Yin do pé) Trajecto do Meridiano Tendino-Muscular do Baço Pâncreas: Nasce no ângulo ungueal externo do 1º dedo do pé, avança pelo lado interno do primeiro metatarso e percorre o dorso interno do pé até à depressão ventral e distal do maléolo interno (B.P. 5 Sangqiu), percorre parte anterior até à face interna da tíbia, por onde sobe até à região inferior do ponto B.P. 9 (Yinlingquan). Continua sobre o recto interno, subindo sobre o vasto interno. Atravessa a zona inguinal para encontrar-se, na linha média sagital (um dedo acima da borda superior da púbis), com o ponto V.C. 3 (Zhong Ji). Segue até a altura da décima segunda dorsal de onde partem três ramos que chegam à região peitoral:  Um na sua região esterno costal.  Outro no lado do mamilo.  Outro sobre o mamilo (E. 17 - Ruzhong), saindo na região peitoral até ao esterno, no segundo espaço intercostal (V.C. 19 - Zigong).

15

Sintomas que podem apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular do Baço Pâncreas:  contractura do primeiro dedo do pé, irradiando ou não, para face interna do joelho passando antes pelo maléolo interno;  dor na face interna da coxa, chegando às vezes a contorná-la;  dor no baixo ventre, tornando-se aguda à palpação e irradiando às vezes para a zona dorsal.  dores genitais;  dor ao longo do abdómen e tórax. (Fonseca, 2008)

3.5. Meridiano tendino-muscular do Fígado (2º Yin do pé) Trajecto do Meridiano Tendino-muscular do Fígado: Começa no ângulo ungueal interno do 1º dedo do pé, avança entre o 1º e 2º metatarsos e sobe pela face anteriorinterna da tíbia. Continua pela coxa, sobe o vasto interno, o adutor longo e vai directamente a um dedo acima do bordo superior da púbis (V.C. 3, Zhong Ji). Sintomas que podem apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular do Fígado:  dor no primeiro dedo do pé, irradiando às vezes para o maléolo interno;  dor ao longo do bordo interno da tíbia, podendo chegar ao joelho;  dor na face interna da coxa. (Fonseca, 2008) Ao existir transtornos importantes neste tendino-muscular, podem produzir-se duas classes de consequências que afectam o aparelho genital masculino. Se o desequilíbrio do meridiano tendino-muscular provém de uma notável diminuição da energia Yang, o predomínio será Yin, pelo qual, se produzirá uma erecção incompleta de acordo com maior ou menor grau de desequilíbrio entre elas. Este transtorno aumentará no inverno, devido ao predomínio da energia Yin no ambiente. Se a diminuição for de energia Yin, produz uma erecção semi-contínua, que como consequência pode produzir ejaculação nocturna. (Fonseca, 2008)

3.6. Meridiano tendino-muscular do Rim (3º Yin do pé) Trajecto do Meridiano Tendino-muscular do Rim: Começa na planta do pé, no ângulo que une os primeiros e segundos metatarsos, percorrendo a face plantar que se dirige para a tuberosidade do escafóide, passa sobre o calcâneo, maléolo e tendão de

16

Aquiles (R. 3, Taixi). Sobe pela face pósterior-interna da perna até à região posterior do joelho, até ao ponto R. 10 (Yin Gu). Sobe pela coxa sobre o recto interno até ao bordo superior da púbis (V.C. 3, Zhong Ji). Daqui alcança o glúteo ao nível do quarto buraco do sacro, a três dedos deste pela lateral (B. 54, Zhibian). Sobe pelas vértebras ao longo de toda a coluna, finalizando na sutura occipitalparietal. Sintomas que podem apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular do Rim:  dor na base do pé;  dor na face interna da perna;  Pode ocorrer dor no baixo ventre que irradie para as costas e cóccix. (Fonseca, 2008)

3.7. Meridiano tendino-muscular do Intestino Delgado (1º Yang da mão) Trajecto do Meridiano Tendino-muscular do Intestino Delgado: Começa no ângulo ungueal externo do 5º dedo da mão, sobe sobre o metacarpo deste, pela parte dorsal, e continua pela lateral interna do antebraço. Sobe até ao ponto I.D. 8 (Xiaohai). A partir deste sobe em diagonal, sobre o tríceps até ao deltóide, na altura da apófise do acrómio; sobe até ao cimo do trapézio chegando à altura da quarta cervical. Chega ao pescoço passando pelo bordo anterior do esternocleidomastoideu. A partir daqui, um ramo sobe passando pelo pescoço e chega ao trago. Outro ramo sobe desde a metade do esternocleidomastoideu, rodeia a orelha sobre o temporal e músculos auriculares e introduz-se também no trago. Deste último saem outros dois ramos:  Um em linha semi-ascendente, alcança a região orbital no lado mais posterior e sobe até o frontal (V.B. 13, Benshen).  A outra desce pelo bordo anterior do masséter e sobe à região orbital, reunindo-se com o ramo descrito anteriormente. Sintomas que podem apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular do Intestino Delgado:  dor no quinto dedo da mão;  dor na face interna do braço até a zona posterior do ombro;  dor no ombro, escápula e pescoço;  dor de ouvido, às vezes com perda da audição;

17

 dor na zona do maxilar inferior, irradiando em certas ocasiões para a parte superior. (Fonseca, 2008)

3.8. Meridiano tendino-muscular do Triplo Aquecedor (2º Yang da mão) Trajecto do Meridiano Tendino-muscular do Triplo Aquecedor: Nasce no ângulo ungueal interno do 4º dedo da mão, sobe pela face dorsal entre os 4º e 5º metacarpos até ao centro do punho. Percorre o antebraço e parte em diagonal sobre o tríceps até ao deltóide e bordo lateral superior do trapézio. Passa pela escápula,

esternocleidomastoideu, masséter e lábios, surgindo abaixo do lábio inferior. Sintomas que podem apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular do Triplo Aquecedor:  dor no quinto dedo da mão;  pode haver dores ao longo do trajecto do meridiano;  dificuldade de mover o braço, em particular ao levantá-lo;  impossibilidade de girar o pescoço. (Fonseca, 2008)

3.9. Meridiano tendino-muscular do Intestino Grosso (3º Yang da mão) Trajecto do Meridiano Tendino-muscular do Intestino Grosso: Começa no ângulo ungueal externo do 2º dedo da mão, sobe pelo segundo metacarpo alcançando a zona lateral externa do antebraço. Continua sobre o abdutor do polegar e pela região lateral externa do braço à escápula onde se divide em dois ramos:  Um, que percorre o trapézio, chegando até a apófise espinhosa da sétima cervical (V.G. 14, Dazhiu).  A outra sobe por cima do trapézio, segue até ao bordo anterior do esternocleidomastoideu, sobe até ao maxilar e divide-se em dois ramos. o Um continua pelo masséter (lado posterior), temporal e frontal surgindo na face oposta para fazer um trajecto simétrico. o A outra vai à região orbital da pálpebra inferior passando pelo bucinador e nos zigomáticos. Sintomas que podem apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular do Intestino Grosso:  dor no segundo dedo da mão que pode subir ao longo do trajecto do meridiano. (Fonseca, 2008)

18

3.10. Meridiano tendino-muscular do Pulmão (1º Yin da mão) Trajecto do Meridiano Tendino-muscular do Pulmão: Começa no ângulo ungueal externo do 1º dedo da mão, continua até alcançar o punho na região antero-lateral externa. Sobe até à prega anterior do cotovelo; seguindo em diagonal pelo braço sobre o bíceps e surge na zona subaxilar (V.B. 22, Yuanye). A partir deste ponto, sai um ramo mais profundo que alcança a zona infra-clavicular (E. 12, Quepen) e forma uma curva que rodeia a clavícula. Também desde esta zona, sai outro ramo que desce sobre o peitoral até ao esterno ao nível do 4º espaço intercostal (V.C. 17, Danzhong), onde se divide em três, alojando-se no hipocôndrio. Sintomas que podem apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular do Pulmão:  dor no primeiro dedo da mão e em todo o trajecto do meridiano;  opressão no peito e dores que vão desde o terço médio da clavícula até o ombro; se a energia perversa penetrar nos planos profundos pode afectar com facilidade os brônquios e estômago. Se este último acontecimento ocorrer, poderá ocasionar graves transtornos na energia Yin, devido à passagem da energia perversa pelo ponto V.C. 17, onde se reúnem os meridianos principais desta polaridade. (Fonseca, 2008)

3.11. Meridiano tendino-muscular do Pericárdio (2º Yin da mão) Trajecto do Meridiano Tendino-muscular do Pericárdio: Começa no ângulo ungueal externo do 3º dedo da mão, sobe pela palma sobre o 3º metacarpo até ao centro da face anterior do punho. Continua pela face anterior do antebraço e sobe pelo braço sobre o bicípite até à sua região mais alta; daqui, desvia-se para a região subaxilar (V.B. 22, Yuanye). A partir deste ponto, saem três ramos mais profundos:  Um surge no redondo maior.  Outro na parte inferior do peitoral.  O outro passa sobre o peitoral, por cima do mamilo, até ao esterno a nível do 4º espaço intercostal (V.C. 17, Danzhong), onde por sua vez se divide em três ramos: o o Um que se insere no baço. Os outros dois, vão ao Aquecedor Superior e Inferior.

Sintomas que podem apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular do Pericárdio:  dor em todo o trajecto do meridiano;
19

 dor na axila e tórax, quase sempre em simultâneo. (Fonseca, 2008) Quando afecta somente o tórax, a sensação é de opressão. Quando há opressão na parte anterior do tronco irá irradiar ao estômago e ao lado esquerdo (zona do baço).

3.12. Meridiano tendino-muscular do Coração (3º Yin da mão) Trajecto do Meridiano Tendino-Muscular do Coração: Nasce no ângulo ungueal interno do 5º dedo da mão, sobe pela palma, entre os quarto e quinto metacarpos, até à zona antero-lateral interna do punho; continua pelo antebraço sobre o músculo flexor cubital do carpo, e sobe o braço pelo bicípite braquial e dirige-se para a região subaxilar onde se divide em dois meridianos mais profundos. Um passa pelo peitoral, por cima do mamilo, até ao esterno na altura do quarto espaço intercostal (V.C. 17) descendo em linha recta até um dedo antes do umbigo. O outro surge na parte inferior do peito. Sintoma que pode apresentar os transtornos energéticos que afectam o meridiano tendino-muscular do Coração:  dor em todo o trajecto do meridiano. (Fonseca, 2008) Neste presente caso devemos ter muita precaução, pois como vemos, esta dor que somente provém do trajecto superficial do meridiano tendino-muscular, nos oferecerá os mesmos sintomas de uma dor cardíaca; é perigoso, portanto, confundir por tal semelhança, uma patologia deste tipo comum desequilíbrio do meridiano tendinomuscular. Na dúvida, é mais aconselhável nestas circunstâncias, a recomendação de um eletrocardiograma e se oferecer um resultado satisfatório, fazer o tratamento. Se a energia perversa se aprofundar dentro do tendino-muscular do coração, poderá alterar sensivelmente a energia Yin, passando pelo ponto V.C. 17, lugar onde se reúnem os meridianos principais desta polaridade. (Fonseca, 2008)

20

4. Tratamento O terapeuta deve considerar sempre a relação existente entre energias perversas e doenças. Quando a energia perversa penetra dentro das camadas superficiais do organismo exclusivamente, a inserção de uma agulha no centro da zona de penetração, faz sair parte dessa energia destrutiva, produzindo-se de imediato um alívio dos sintomas, alívio que pouco tempo depois desaparece. Isto deve-se à energia perversa que vai penetrando pelo local onde menos resistência encontrar, debilitando o nível energético da energia defensiva (Wei). A solução desse problema encontra-se, nos pontos dolorosos, no aumento do nível energético de defesa, fim que se consegue actuando sobre o meridiano principal ao qual pertence esse tendino-muscular. Uma vez alojada esta energia no tendino-muscular, pode penetrar dentro do meridiano principal ou em outro meridiano. Esta acção provoca transtornos de maior sintomatologia e piores consequências, já que o Chi fica estagnado impedindo o correcto movimento da energia principal do corpo, correndo o risco de alterar o próprio órgão ou víscera. É indispensável no tratamento das agressões perversas nos tendino-musculares, fazer uso dos pontos Shu Antigos e dos King de acção especial, também da implantação dos pontos dolorosos (pontos Ashi).

Os pontos a picar também variam consoante as estações do ano visto as energias perversas serem de diferente predominação ao longo do ano. Como exemplo podemos veririficar o caso da Primavera. Na primavera devemos picar os pontos rio especiais que se encontram na zona dos capilares congestionados pela energia perversa, picando superficialmente se a agressão é exclusivamente sobre planos superficiais. Se já se encontra nos meridianos principais (aparecem sintomas mais graves) inserir as agulhas profundamente. Se a energia perversa é de frio/humidade, picar o ponto fogo do meridiano afectado, senão, no ponto madeira correspondente a primavera. (Fonseca ,2008) Na primavera e verão a energia perversa tende a ir do interior ao exterior do corpo. No outono e inverno faz-se do exterior para o interior do mesmo. O tratamento pelos Shu Antigos, estabelece-se de acordo com as regras das estações e do tipo de agressão perversa. (Fonseca, 2008)

21

5. Conclusão Os 12 meridianos tendino-musculares estão conectados três a três e têm o nome do seu meridiano principal. Os meridianos tendino-musculares, ao contrário dos meridianos principais, começam sempre nas extremidades. O seu percurso começa sempre nos dedos dos pés ou das mãos e vai até ao tronco, face ou cabeça. Cobrem um área maior que os meridianos principais, permitindo-lhes chegar onde mais nenhum meridiano principal chega.

A energia que os percorre chama-se Wei Chi (ou energia defensiva) e protege-nos das energias perversas.

Disse Nei King: A energia perversa de frio e de humidade ataca a parte baixa do corpo. O vento, a secura e o calor na parte alta. A energia perversa é variável durante as quatro estações do ano. Essa energia pode provocar todas as enfermidades.

Este trabalho permitiu-me aprofundar este tema de uma forma consciente, tendo atingindo o principal objectivo do mesmo, a aquisição de conhecimentos.

22

6. Bibliografia • BORSARELLO, Jean F. (2008) – Tratado de Acupuntura. São Paulo: Editora Andrei. •

DIAMOND, W. John (2000) - The clinical practice of complementary, alternative, and Western medicine. Edição de CRC Press. Consultado a 9 de Maio na URL: http://books.google.pt/books?id=KECumbYp-

dkC&pg=PA117&lpg=PA117&dq=tendinomuscular&source=bl&ots=QwnU5BT OgB&sig=EJ7JPNV2iPzD7D-_JBpD0tyAR-A&hl=ptPT&ei=l0_zSfTVGuSrjAeInsXHDA&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1 #PPA118,M1 •

FOCKS, Claudia, [et al.] (2008) - Atlas of Acupuncture. Edição de Elsevier Health Sciences. Consultado a 20 de Maio de 2009 na URL:

http://books.google.pt/books?id=rpNEcr4H31cC&pg=PA21&lpg=PA21&dq=jingji ng+meridians&source=bl&ots=px7Rs5Qmn7&sig=XdYtvfSAbY1dUygqyDfYDz MjGbw&hl=ptPT&ei=jvwPSiDIkLAG152g8wc&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1#P PA22,M1 •

FONSECA, Jaqueline Gomes (2008) - Canais Tendino – Musculares, Trajetos e Sintomatologia. Consultado a 8 de Maio na URL:

http://acupunturabrasil.org/blog/media/blogs/group/Biblioteca/Acupuntura/027.p df •

HELMS, Joseph M (1995) – Acupuncture Energetics. (Pág. 90) Edição de Thieme. Consultado a 12 de Maio na URL:

http://books.google.pt/books?id=WF4xSoD8fk0C&pg=PA90&lpg=PA90&dq=ten dinomuscular&source=bl&ots=vYuDwjJz87&sig=omG6A6P7OoqroMVzMDqPz wB2l1c&hl=ptPT&ei=l0_zSfTVGuSrjAeInsXHDA&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=2 •

HELMS, Joseph M (1999) – An Overview of Medical Acupuncture. Consultado a 12 de Maio de 2009 na URL:

http://www.hmieducation.com/PDF/Helms%20Overview%20of%20Med%20Acu .pdf
23

Organização do Sistema de Meridianos. Consultado a 15 de Maio na URL: http://pwp.netcabo.pt/centrozen/artigos/meridianos.htm

24

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->