P. 1
apostila 1filosofia

apostila 1filosofia

|Views: 2.886|Likes:
Publicado porvianabia
ENSINO MEDIO
ENSINO MEDIO

More info:

Published by: vianabia on Jan 15, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as RTF, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/23/2013

pdf

text

original

P

Z

Z

T

R

A

J

I

A

S

X

A

G

L

P

O

A

L

E

S

M

H

G

A

J

N

O

A

L

B

X

E

R

V

N

M

C

R

L

A

U

P

E

H

E

V

O

A

M

M

A

O

T

X

K

W

G

X

Y

N

Q

U

K

X

E

G

O

A

J

H

A

Y

O

W

F

F

X

R

B

A

N

G

D

U

Z

G

E

T

N

E

Q

G

P

T

O

O

I

W

H

K

H

M

I

L

P

N

A

I

M

R

T

E

D

B

D

J

P

R

D

L

C

P

E

A

P

R

I

V

E

Y

T

E

C

D

A

B

R

S

Q

Z

B

F

L

T

S

T

D

O

M

A

T

A

L

E

S

M

H

B

C

C

Y

O

M

X

H

I

P

E

C

K

L

X

Q

Y

A

P

C

E

H

S

W

I

R

E

E

X

A

L

P

X

R

L

D

D

T

A

N

A

X

I

M

A

N

D

R

O

E

Z

C

W

D

S

E

N

E

M

I

X

A

N

A

S

H

N

W

6 – SUGESTÃO DE ATIVIDADES

A)TEXTO COMPLEMENTAR

“(...) Ora, não é difícil ver como as considerações meteorológicas podem ter
levado Tales a adotar a sua concepção. De tudo o que conhecemos, a água
parece tomar as mais variadas formas. Ela nos é familiar em uma aparência
sólida, líquida ou vaporosa, bem podendo Tales, assim, ter pensado que via o
processo do mundo a partir da água e de novo de volta à água ocorrendo diante
de seus olhos. O fenômeno da evaporação naturalmente sugere que o fogo dos
corpos celestes é mantido pela umidade que eles extraem do mar. Mesmo nos
dias presentes as pessoas falam do ‘sol extraindo água’. A água cai de novo com
a chuva e, finalmente, assim pensavam os primeiros cosmólogos, ela volta para a
terra. Isso possivelmente parecia bastante natural aos homens familiarizados com
o rio do Egito, que havia formado o delta e, com as torrentes da Ásia Menor, que
traziam rio abaixo grandes sedimentos aluviais. Hoje, o golfo de Atmo, no qual
Mileto se esguia antigamente, encheu-se por completo. Finalmente, eles
pensavam, a terra volta uma vez mais à água – idéia proveniente da observação
do orvalho, dos nevoeiros noturnos, dos mananciais subterrâneos. Pois, na
Antigüidade, não se supunha que estes últimos tivessem alguma coisa a ver com
a chuva. As ‘águas debaixo da terra’ eram consideradas uma fonte de umidade
independente”.

BURNET, John. O despertar da Filosofia Grega. Tradução de Mauro Gama, São
Paulo: Editora Siciliano, 1994, p. 52.

20

B)DINÂMICA DE GRUPO

Que tal filosofar no pátio da escola ? Com a sala dividida em dois grupos, deixe
uma bola no centro do pátio e cada um dos grupos nas linhas que demarcam o
fundo da mesma, quando o professor fizer uma das perguntas abaixo e gritar “já”,
corra até a bola e tente tocá-la com o pé antes de seu colega e responda “falso”
ou “verdadeiro” à pergunta feita. Acertando, sua equipe pontua; errando, a outra
equipe pontua.

( ) A palavra Filosofia significa amor à sabedoria.
( ) A Filosofia teve origem no ano 600 d.C.
( ) Foi na Grécia que a Filosofia nasceu.
( ) Filosofia e mito são as mesmas coisas.
( ) Perseu é um mito que narra a tentativa do homem em mudar o seu destino.
( ) O mito de Perseu não aponta porque existem muitas serpentes na Líbia.
( ) Aracne conseguiu escapar da deusa Atena e não foi punida.
( ) Cosmogonia e cosmologia são as mesmas coisas.
( ) Explicação sobre a origem do mundo pela relação ente os deuses significa
cosmogonia.
( ) Explicação racional sobre a origem do mundo significa cosmologia.
( ) As navegações em nada contribuíram para a origem da Filosofia.
( ) A moeda não contribuiu para a origem da Filosofia, apenas o calendário.
( ) A escrita contribuiu para aumentar a capacidade de abstração do homem
antigo.
( ) A política é a principal causa para a origem da Filosofia na Grécia.
( ) A Filosofia nasce no campo e não da polis.
( ) Um universo espiritual novo na polis foi fundamental para a origem da Filosofia.
( ) Para Aristóteles, o que leva uma pessoa a filosofar é a admiração.
( ) Para Aristóteles, quem está acostumado demais com o mundo também
filosofa.
( ) Para Aristóteles, filosofar não é reconhecer-se um ignorante.
( ) O primeiro filósofo da história foi Tales de Mileto.
( ) Buscar o princípio de todas as coisas é filosofar.
( ) Para Tales, o princípio de todas as coisas é o ar.
( ) Uma das coisas que ajudaram Tales a pensar que a água era a origem de
todas as coisas foram as cheias do rio Nilo.
( ) O pensamento de Tales é uma cosmologia.
( ) Fragmentos da obra de Tales resistiram ao tempo e, até hoje, podemos lê-los.

C)FILMES

- PEIXE GRANDE E SUAS HISTÓRIAS MARAVILHOSAS. Filme de John August
com direção de Tim Burton (EUA, 2003) que problematiza a relação entre mito e

21

razão: nem toda narrativa é ficção, nem toda racionalidade é correta.

- HÉRCULES. Animação feita pela Disney que ilustra os famosos trabalhos de
Hércules e a intervenção dos deuses na vida dos homens a partir da mitologia
grega.

D)ATIVIDADE EM GRUPO

Que tal cada um dos grupos da sala pesquisar o princípio de todas as coisas

nos filósofos citados no final do texto e preparar uma encenação para a sala?
Todos perceberiam como os princípios de todas as coisas mudam de acordo com
os filósofos da natureza.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ARISTÓTELES. Metafísica. Tradução de Leonel Vallandro, Porto Alegre: Editora
Globo, 1969.

BURNET, John. O despertar da Filosofia Grega. Tradução de Mauro Gama, São
Paulo: Editora Siciliano, 1994.

CHÂTELET, François. História da Filosofia – idéias, doutrinas: a Filosofia Pagã.
Tradução de Maria José de Almeida, Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973.

22

CHAUI, Marilena. Introdução à História da Filosofia: dos pré-socráticos a
Aristóteles. São Paulo: Companhia das Letras, 2° edição, 20002.

HESÍODO. Teogonia. Tradução de Jaa Torrano, São Paulo: Editora Iluminuras,
1995.

NIETZSCHE, Friedrich. “O nascimento da tragédia no espírito da música” e “A
Filosofia na época trágica dos gregos” in Os Pensadores. Tradução de Rubens
Rodrigues Torres Filho, São Paulo: Abril Cultural, 1 edição, 1974.

SCHWAB, Gustav. As mais belas histórias da Antigüidade Clássica: os mitos da
Grécia e de Roma. Tradução de Luís Krausz, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 6°
edição, 1994.

PRÉ-SOCRÁTICOS. Os Pensadores. Traduções de José Cavalcante de Souza,
Anna Lia Amaral de Almeida Prado, Ísis Lana Borges, Maria Conceição Martins
Cavalcante, Remberto Francisco Kuhnen, Rubens Rodrigues Torres Filho, Carlos
Alberto Ribeiro de Moura, Ernildo Stein, Hélio Leite de Barros, Arnildo Devigili,
Mary Amazonas Leite de Barros, Paulo Frederico Flor, Wilson Regis, São Paulo:
Abril Cultural, 1° edição, 1973.

SPINELLI, Miguel. “A noção de arché no contexto da Filosofia dos Pré-Socráticos”
in Revista Hypnos n° 8, São Paulo: Editora da PUC-SP, Edições Loyola, Editora
Triom, 2002.

VERNANT, Jean-Pierre. As origens do pensamento grego. Tradução de Ísis
Borges B. da Fonseca, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 11° edição, 2000.

______. Mito e pensamento entre os gregos: estudos de Psicologia Histórica.
Tradução de Haiganuch Sarian, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

VLASTOS, Gregory. “Equality and justice in early Greek Cosmologies” in Studies
in Greek Philosophy. Princeton/New Jersey: Princeton University Press.

WATANABE, Lygia Araújo. “Filosofia antiga” in (vários autores) Primeira Filosofia:
aspectos da História da Filosofia. São Paulo: Editora Brasiliense, 9° edição, 1991.

23

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->