P. 1
Manual Eucalipto Rildo Moreira

Manual Eucalipto Rildo Moreira

|Views: 603|Likes:
Publicado porepbraga
recomendações de manejo e plantio de eucalipto
recomendações de manejo e plantio de eucalipto

More info:

Categories:Types, Brochures
Published by: epbraga on Jan 20, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/31/2010

pdf

text

original

Plantio de Eucalipto

Marcelo de S. M. Crestana Rildo Moreira e Moreira Espécies do gênero Eucalyptus tem grande potencial de uso nas propriedades rurais. A madeira desse gênero pode ser usada na propriedade como fonte de energia - fogão à lenha, secador de grãos e para uso estrutural - serraria, mourão de cerca, madeiramento de telhado, esteio de galpão. O plantio de eucalipto pode ser uma atividade econômica variável ao produtor. As árvores das diversas espécies de Eucalyptus se desenvolvem rápido e têm madeira de boa qualidade. Como são muitas as espécies existentes, temos de escolher aquelas que melhor se adaptem à região de plantio e á finalidade de uso. Além disso, por sua rusticidade e versatilidade o plantio de eucalipto também pode ser realizado em áreas impróprias às culturas agrícolas convencionais. Escolha das espécies Existem mais de 21 espécies comerciais de eucalipto, algumas com madeira mais densa, outras com floração precoce e, ainda, as que fornecem óleo essencial para a indústria. É fácil encontrar uma espécie de eucalipto que atenda às necessidades do produtor e que seja indicada para determinada região. Espécies mais recomendadas para diversas finalidades Para mourão de cerca: E. citriodora, E. torelliana e E. cloeziana Produção de mel (pasto apicola): E. urophylla, E. camaldulensis e E. robusta. Óleo essencial: E. citriodora, E. exserta e E. staigeriana. Carvão vegetal: E. paniculata, E. cloeziana e E. citriodora. Celulose e papel: E. grandis, E. urophylla e E. saligna. Serraria e construção civil: E. grandis, E. dunnii e E. pilularis. Marcenaria: E. grandis, E. maculata e E. citriodora. As mudas devem ser sadias e homogêneas, de boa procedência e indicadas para a região, recomendando-se o plantio de uma só espécie por talhão. Preparo do solo O preparo adequado do solo depende de sua condição de umidade, do dimensionamento, da utilização correta dos equipamentos, máquinas e implementos a serem utilizados. Para o plantio de eucalipto, a melhor alternativa é o cultivo mínimo. Pode-se empregar o subsolador ou o escarificador, para o adequado preparo da linha de plantio, combinando com o herbicida aplicado em área total, O objetivo dessa etapa é preparar o solo apenas no local de plantio das mudas (linha de plantio). A profundidade de preparo da linha de plantio depende do tipo de solo. Espaçamento Dentre as várias condições, o espaçamento e a quantidade de plantas por hectare a serem adotados devem estar de acordo com o nível de tecnologia disponível. Pode-se adotar espaçamento maior (3,5 x 3,0 a 3,5m entre ruas x 3,0m entre plantas) - aproximadamente 950 plantas por hectare - quando o nível tecnológico é elevado e o índice de mortalidade de mudas plantadas é inferior a 1%.

Espaçamentos menores (93,0m x 2,0m ou 3,0m x 1,5m) - com 1.660 a 2200 plantas por hectare - devem ser adotados em plantio onde a seleção das mudas, o preparo de solo, a qualidade das operações florestais, entre outros fatores, ainda não atingiram o padrão tecnológico desejável. Outro fator importante na determinação do espaçamento é a finalidade do plantio. Na produção de madeira para celulose, mourões de cerca ou energia - lenha e carvão - pode-se utilizar espaçamento menor, com estimativa de corte da floresta ao redor de 7 anos. Na produção de madeira para serraria, ou para poste pesado, podem-se utilizar espaçamentos maiores. Para isso é necessário que o nível tecnológico seja compatível, a espécie plantada seja a indicada, que os desbastes seletivos ocorram com corte de 30 a 50% das árvores e que a estimativa de corte da floresta esteja acima de 12 anos. Adubação A floresta de eucalipto responde favoravelmente à adubação, principalmente a de plantio. O ideal é usar adubação recomendada a partir da análise do solo. Pode-se indicar uma adubação baseada na exigência da cultura. 250 a 300kg de superfosfato triplo por hectare. distribuídos na linha de plantio durante o preparo de solo ou imediatamente após o plantio, ou 350 a 400kg de adubo NPK 06-30-06, distribuídos da mesma forma que o superfosfato triplo. Além dessa adubação rica em fósforo, realizada durante o plantio, é necessária a adubação com nitrogênio e potássio, realizada de 3 a 6 meses após o plantio. Para isso podem-se usar sulfato de amônio e cloreto de potássio, ou ainda 150 a 200 kg por hectare do adubo NPK 18-06-24. Cabe destacar que a produtividade da floresta de eucalipto, entre outros fatores, está fortemente relacionada à disponibilidade de nutrientes. Controle das formigas A principal praga que afeta a floresta de eucalipto é a formiga cortadeira. Não se obtêm resultados positivos sem o seu efetivo combate, mesmo com bom preparo de solo, emprego de espaçamento adequado e adubação correta. O controle da formiga cortadeira se efetiva e é de qualidade, quando o combate é realizado antes do plantio. Uma árvore adulta de eucalipto pode suportar uma desfolha. No entanto, a desfolha por um formigueiro, numa floresta jovem, pode inviabilizar o empreendimento. Recomendações gerais de plantio As mudas para plantio devem ser padronizadas em lote homogêneo. o plantio das mudas pode ser irrigado ou ocorrer em períodos mais chuvosos. Nos casos em que a irrigação é necessária, recomenda-se irrigar com 3 a 4 litros de água/planta no dia do plantio. Somente em condições climáticas muito secas a operação é repetida uma ou duas vezes. Em geral, apenas uma irrigação bem-feita é suficiente para o desenvolvimento das mudas. Plantio A área de plantio deve estar demarcada e o plantio ser feito com o auxílio do enxadão, para as mudas embaladas em sacos plásticos, ou com o auxilio da plantadeira manual, para as mudas produzidas em tubetes. Quando se tem um bom preparo de solo, a cova poderá ter a dimensão do recipiente da muda. As mudas devem ser colocadas a prumo nas covas fazendose um coroamento ao seu redor, no nível da superfície do solo. Lembretes Adquirir sempre mudas de procedência conhecida. Deve-se controlar muito bem as ervas daninhas, principalmente durante o primeiro ano. O controle de formigas cortadeiras é obrigatório.

A reposição de falhas (replantio de mudas perdidas) deve ocorrer, no máximo até 40 dias do plantio.

Origem: Coordenadoria de Assistência Técnica Integral - CATI - www.cati.sp.gov.br
Marcelo de S. M. Crestana é Engenheiro Agrônomo do Escritório de Desenvolvimento Regional/CATI EDR de Piracicaba Contato: marcelocrestana@gmail.com Rildo Moreira é Engenheiro Florestal da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz", ESALQ/USP, Estação Experimental de Itatinga.

Reprodução autorizada desde que citado a autoria e a fonte

Dados para citação bibliográfica(ABNT): CRESTANA, M.S.M.; MOREIRA, R. Plantio de Eucalipto. 2009. Artigo <http://www.infobibos.com/Artigos/2009_3/eucalipto/index.htm>. Acesso em: 13/1/2010 em Hypertexto. Disponível em:

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->