Você está na página 1de 2

Os pequenos, mas importantes momentos.

Por Andréia Guedes

Na loucura diária em que vivemos constantemente correndo contra o relógio para


darmos conta de todas as responsabilidades que temos, seja em casa, no trabalho
ou mesmo com os estudos ou vida pessoal num geral e ao mesmo tempo tentar
conciliar a busca pelas nossas metas e sonhos, que muitas vezes, muitas mesmo,
esquecemos ou deixamos para depois pequenos detalhes.

Detalhes que mesmo que não percebamos são essenciais para nossas vidas, são o
combustível que nos dá energia para viver.

Diante da TV neste último mês, onde muitos acontecimentos trágicos como o


acidente com o avião da TAM, terremotos, enchentes, tiraram a vida de muitas
pessoas, percebi que estava torcendo pela vida daquelas pessoas e sofrendo,
mesmo sem conhecer nenhum deles, com a dor da perda que eles deixavam.

Neste momento percebi que em nossa busca louca pelo sucesso e felicidade,
deixamos escapar em nossos dias, como grãos de areia escorregando por entre os
dedos, os pequenos momentos em que podemos dizer eu te amo a alguém
importante ou olhar com ternura para nossos filhos ou abraçar sem motivo um
grande amigo.

Minha intenção com este texto não é falar que devemos deixar nossa loucura diária
e a busca de nossos ideais para depois ou simplesmente esquecê-los e viver uma
vida pacata, mas que devemos incluir nesta rotina, mesmo que com poucas
palavras ou gestos, o hábito de não deixar para depois o que podemos fazer agora.

Fico pensando em quantas pessoas que perderam a vida nestas tragédias, que
saíram de suas casas tendo a certeza que iriam voltar e mais tarde. Quantas destas
pessoas utilizaram o e-mail, assim como nós, para muitos assuntos profissionais e
decidiram que não poderiam escrever para alguém o quanto amavam porque
poderia dizer isso pessoalmente mais tarde, ou telefonar, dar abraços sem motivo,
muitos beijos inesperados ou até convite surpresa para almoçar.

O que quero dizer é para deixarmos os nossos sentimentos, nosso amor, carinho,
afeto serem demonstrados. Que de 12 horas, ou mais, de trabalho, possamos
separar no máximo 10 minutos para dizer aos nossos filhos, companheiros, amigos,
pais, familiares queridos, enfim, quem for importante, o quanto eles significam para
as nossas vidas.

A idéia não é temermos perder a vida e sim vivermos com tanta intensidade cada
momento que nos é permitido, que quando for o momento de partir, tenhamos
dentro de nós a certeza que dissemos e passamos o máximo que podíamos às
pessoas que amamos.

Que estas tristezas que passam diante dos nossos olhos nos traga algum
ensinamento, antes que a loucura dos nossos dias faça com que esqueçamos todo o
acontecido.

Vamos repensar nossa agenda e com certeza encontrar um espaço ideal reservado
com a palavra AMOR, vamos deixar mais presente o nosso sorriso, se dar ao direito
de pular para comemorar, gargalhar até chorar, abraçar, beijar, brincar, cantar,
dançar, mesmo que não saiba fazer muito bem, pois somos inteligentes, lembra? E
o que é bom nós podemos aprender muito rápido.

Como disse nosso querido Charles Chapin...


“Bom mesmo é ir a luta com determinação, abraçar a vida e viver com paixão,
perder com classe e vencer com ousadia, porque o mundo pertence a quem se
atreve e a VIDA é MUITO para ser insignificante.”

Andréia Guedes é Gerente de RH da TDS Enterprise Consulting Group e atua na área de Recursos
Humanos há 9 anos.
andréia.guedes@tds-enterprise.com / andreia.guedes@hotmail.com

Interesses relacionados