Você está na página 1de 2

Prontido para a alfabetizao

por Pilar Tetilla Manzano Borba

Quando se fala em prontido para a alfabetizao logo se pensa em leitura e escrita.


Prontido escolar muito mais que isso. perceber sensorialmente formas, orientar-se no
espao, perceber direes, lateralidade e ter equilbrio. orientar-se no ritmo, saber ouvir,
estar atento, ter concentrao e sobretudo conhecer o sentido do que est percebendo;
conhecer as palavras, suas relaes e seu simbolismo. poder controlar o corpo, inibir
movimentos amplos para usar motricidade fina.
Mas tudo tem seu comeo e desde o ventre materno que a criana adquire a linguagem
falada ao ouvir sua me. Depois que nasce, as cantigas de ninar, a conversao entre os
pais, e com o beb colaboram para enriquecer seu vocabulrio, assim como mais tarde os
contos de fadas, to apreciados pelas crianas ajudam a criana a aprender ouvir, e escutar
com ateno.
As brincadeiras de corpo como rolar no cho, se arrastar, engatinhar, cambalhotar, pular,
andar, correr, subir e descer escadas, pular corda colaboram para a aquisio da
coordenao motora, para o equilbrio e a percepo corporal de si e sua relao com o
espao circundante. Desta forma a criana vivenciando ativamente as trs dimenses no
espao se prepara para a aquisio da escrita e da leitura.

As habilidades motoras finas que o exerccio da escrita exige vem muito depois da criana
ter usado seu corpo todo nas brincadeiras livres e de parquinho (balano, escorregador,
trepa-trepa, gira-gira, gangorra, terra, areia e gua).
Vivemos num mundo onde letras so vistas em todo canto como nos anncios, nas
propagandas, embalagens, roupas, tapetes, cortinas, nos brinquedos e at nos utenslios de
cozinha. No entanto a criana s ir escrever, ler e entender quando neurologicamente
estiver amadurecida para isso. O caminho muito longo e requer um amadurecimento
tambm na parte emocional da criana. A entrada na escola exige: aprender a compartilhar
a ateno da professora com mais crianas, entender, compreender e aceitar as regras, lidar
com frustraes e obrigaes, esperar a vez, ter autonomia nas atividades de higiene,
vesturio e alimentao, entre tantos outros quesitos que o amadurecimento propicia.

Pilar Tetilla Manzano Borba


Terapeuta Ocupacional, Pedagoga Waldorf
Ps-graduada em Antroposofia na Sade pela UNISO
Professora no curso de fundamentao em pedagogia Waldorf
Orienta berrios, creches, maternais e jardins de infncia