Você está na página 1de 1

Fonte: http://literaturadecamoes.blogspot.com.br/2012/04/prosa-do-periodohumanista.

html

Aprosadoperodohumanista
O perodo humanista um perodo de transio o que significa que h um
progressivo abandono da mentalidade teocntrica medieval, preparando o movimento posterior,
o Classicismo. Estas grandes transformaes deste perodo, tem seu auge com o incio da
historiografia, a partir da terceira dcada do sculo. Segundo Massaud Moiss:
"A poca do Humanismo[...] fato relevante por si prprio, denuncia a mudana de
mentalidade processada em Portugal desde a ascenso de D. Joo I ao trono em 1385;
inaugurandi a dinastia de Avis, que viria a prolongar-se at 1580".
A prosa humanista tem grande relevncia para os tempos de hoje. Tudo porque os autores
daqueles perodo teriam que aperfeioar a suas escritas, sobretudo subordinao, e o sistema
de pontuao e lxico que eram precrios para a expresso de pensamentos mais complexos,
precisando ser adaptado e ampliado. Paulatinamente, a lngua adquiriu a estrutura que lhe foi
fornecida e que conserv-se at hoje.
Ferno Lopes, pai da historiografia portuguesa.

Ferno Lopes considerado o fundador da historiografia portuguesa. Este foi nomeado


guarda-mor da Torre do Tombo( lugar onde ficava os arquivos do Estado). A partir de 1434,
passou a ser cronista-mor do Reino nomeado oficialmente por D. Duarte, ento rei de
Portugal. Tal funo o fazia escrever as estrias dos Reis de Portugal que os antecederam.

Das crnicas que escreveu somente sobrou trs:


Crnica de D. Pedro;

Crnica de D. Fernando;

Crnica de D. JooI.
A figura de Ferno Lopes, este perodo muito importante, pois somente ele, apesar de seus
antecessores, d carter fictcio e literrio aos seus escritos. Massaud Moisis, confirma isto no
trecho a seguir:
"(...) Nos dois primeiros sculos da Literatura Portuguesa, a atividade historiogrficaevolui
desde o frio e o rido rol de nomes at a narrao e interpretao dos fatos. Todavia, somente
com Ferno Lopes adquire superior relevncia, graas ao sentido duplo com que praticada: o
literrio e o histrico propriamente dito(...). MOISIS, Massaud. A Literatura Portuguesa. 33.ed.
So Paulo: Cultrix, 2005.