Você está na página 1de 51
BATERIA MOTORA Designa tim conjunt: de testes ou de provas utitizadas pars avabiar vari fs aspeccos uit a fotalid ice dat personatidade de um sujeito ESCALA DE DESENVOLVIMENTO. Compreende um coniunta de provas mu'ro diversificadas ¢ de diffculda- de gradvada, condusindo a uma exploracio ainuciosa de difvrentes setores do desenvolvimento, aplicagao em ui sujeies permite avaliar seu nivel de desenvolvimento motor, considerando Exitos e fracassos, tevando em conta as normas establecidas pelo autor da escala PERFIL MOTOR Consiste em uma reproduce grifica de resultados obtides em varios testes de eficiéncin mocora, a qual permite usa comparacao simples e répida de diferentes aspectos do desenvolv':ento motor, colocando em evidéncia os pontos fortes e-fracos do individtin ESCALA DE DESENVOLVIMENTO MOTOR - EDM BICHA TECNK Nome Original: | Escala de Desenvoisimenty Moor = E.D.M, Autor: | Francisco Rasa Neto Centro: | Universidade de Zaragora, Espanha (Tese Douroral) Administra Individuat Duragdo: | Varlével, entre 30.e 45 sninuos Populagéo: | Alunos matriculados no ensiao regular (pré-escola, de 14 a 44 série) ¢ educago especial Indicagio: | Criangas com dificuldades na aprendizagem esevkit; atrasos no desenvolvimento neuropsicamatar; problemas aa fal, na eseeiia em célevta; problemas de conduta (hiperatividade, ansiedade, falta de mouivagio, ete); alteragdes neuroligicas, mentais, seo Areas: | Mouicidade fina; motricidade global; equiibrio; exquema corpo sal organizacao espacial ¢ temporal e lateralidade, Varidveis: | Idades motoras; quocientes motores; escala motora e perfil motor. Profissionais: | Saride v educagio ~ medicina (pediatra, psiquiarria ¢ neurolo. sia i“until}; ensino regular e especial (pedagogia); psicologia; educagho fisica; fonoaudiologia, et. Material: | Kit EDM - Manual, folha de respostas, instrumentos para apli- cago dos testes, pcograma informities e video - VHS (opcional), ] seu Ausa Neto my motor é um complemenca indispensiivel do exame psicaldgico & vat slesento fundamental na obserwacio Jas mais variados problemas de Talia ds whiwncio que 9 erlanca pode apreseatar, £o ponto de partida para ‘edueacional, nis nos permite: i > analisar os problemas estabelecids; + GSfereneia” 9s diversos tipos de debilidade: peitar ¢, inclusive, afirmar a presenta de dificuldades escolares, as ay 0s problemas de condura; progressosda criviia durante seu desenvolvimentn evolutivo § maLY Oexame permite ensino fonoaudidiogos, ent » profissiea! espevializade mostrar aos professaces de je educacito lisica, além de psicélogos, médicos, as dificuldades particuiares, como: gular, espe Sus profess + eeanstarnos aa coordenagio motors: + trinstornos especiticns de elesenvelvimento aeuropsicomtor » hiperatividade, alceragées de conduta e diliculdades de uprendiza- gem escolar, ete Acescala FM 6 de (acll manejo para o examinadoy, j4 que, em yeral, as provas so muito esii:loates para a erianca, a gual colabora durante w trans. lecendo confinnica ¢ empatia entre examinador « exa- minando, resultando wns malor confiabilidade dos resultados. TESTES + motricidave fina (culo manual); + motriciduvte global (coordenacio). + equilibri> (postura estat: + esquema corporal Cimitacao de postura, rapid arganizacio espacial (petcepsdo do espago); * organizavio temporal (Iinguagom, estruturas temporais) * lateralidcte (maos, olhes @ pes). Para realizar essas provas, foi selecionado o aspecto diferencial de outras provas, respaldado por outros autores clissicos e por diversos testes motores © psicalégicos existentes: . Manual de Avaliosia Matura 33 + Testes motores de Querveski revisados par Guilmain so provas proc gas gue permite: anya vhservagahisctva dos elementos fundamec- als da motricidev Escala de desenvolvimente de Brunet/Lezine; Teste de imitaciia de gess de Berges ¢ Lerine. + Os crabalos de Zazzu e colaboradores facilitaram a obseevines 1 de condutas perceptivamororss, us quais nos permitem detecimin diferentes ost mento da crianga do dasenvo > Mira Stutbak toi escolhila para a prova te rapidez; ¢ considerada uma prove fe »ficiéncia mou, pois permice evidenciar precis iu, re- gularidade, fatta de coordenagéo, impulsividade e ansiedade + Aassoctagao feita por Galifret-Granjan ¢ as provas de Piaget e Head em uma mesma bataria sio um excelente eritério de orientagio diseita esquerda. Cada prova da bateria marca uma nova etapa maturativa entre 6 a 11 angs, Segunilo Piaget (1980), pode-se dizer que a bateria rem uma sensibilidade discriminativa do ponto de vista maturativo, jd ue permite situa» nivel de desenwolsimento da erianga. + Aprova de organiztcio temporal fol inspisacla em uma “reprodugaa de estruturos ritmicas", de Mira Stambak, Essa prava permite ao exa. minador dererminar, de maneira simultinea, os habitos neuromotores (sentido da visio ¢ rotagdo dos circulos), as capacidades perceive motors e memria imediata (possibilislade de aprender e reproduzir 0s elementos de uma sucessao espacial ou temporal). Além disso, a0 pecnite determinar as pessibilidades e utilizuciio de simbola:). 14 fazer o estudo de lateralidade de um sujeito, foram utilizadas as provas Il, Vile XI do Harris Testes of Lateral Dominance (20 acoes para adominancia das mios, trés agdes para a domindncia dos othos, e duas para a cominaneia dos pés) ransferéncia (compreensaia A ESCALA MOTORA Nio se pode fazer ciéncia sem ter de recorrer, em um momento ou em outta, & experimentagdo, a qual se depara cor algumas diieuldades, como: + A observagio niio pode avanger sem 0 consentimento do individuo ou do grupo. + Aobservaci, como toda relagéo humana, implica 2 comunicacdo entre 0 experimentador ¢ 0 sujeito; porém, assim mesmo, implica lucidez, 34 _Francisco Rosa Neto objetividade e aceitacéo dos comportamentos e dos resultados obser. vados. * Alnvestigacdo através da experimentacao é um trabalho de equipe de profissionais cijos papéis (observagio, participagio e agdo educati va) esti, &s vezes, separados e definidos, A escala EDM aparece com o propésito principal de colocar & disposicéo de profissionais de satide ¢ de educagao um conjunto de instruments de diag- néstico que Ihes pecmitam utilizar um método eficaz para realizar estudos transversais ¢ longitudinais através de provas construfdas sobre principios técnicos, cientificos, com critérios praticos e coerentes. Para cumprirtais obje tivos, foi preciso intcoduzir importantes modificagées nos ltimos anos, como: + Elaboragéo de um manual completo, + Confecgio de material adequado, de facil manejo, para a realizagio das provas e, 20 mesmo tempo, acessivel e atrativo para a crianca + Urilizagio de idades motoras para facilitar interpretagéo dos resultados. + Indices numéricos, através de um célculo aritmético da idade motora sobre a idade cronolégica, com 0 objetivo de facilitar as interpreta- ges dos resultados e.obter 0 quociente motor geral e especifico (mo- tricidade fina, equilforio, organizagao espacial, etc.) * Escala de quociente motor, com o objetivo de melhorar a interpreta- ‘ao dos resultados, + Grafico de desenvolvimento motor, com o objetivo de facilitar a inter- pretagao dos resultados de um ou de varios individuos obtidos atra- vvés de um estudo longitudinal. + ‘Tabelas com resultados estatfsticos de uma populacao escolar normal e patoldgica, servindo de referéncia para futuros estudos. * Video ilustrativo sobre a formia correta de aplicagiio dos testes. + Programa informético (fichas de resposta, graficos, banco de dados, etc). INSTRUGOES GERAIS DE APLICAGAO Quando as criancas recorrem a um exame motor, apresentam um grande interesse em conhecer e em realizar os testes, pois nao esto acostumadas a realizar provas estimulantes ou divertidas. No ambito de aplicacao do exame, 6 sujeitos so recebidos com enfoques diferentes se considerarmos outros testes psicométricos (inteligéncia, rendimento académico, ete.). As criancas se envolvem com o processo, jé que a bateria é muito diversificada. O estabe- lecimento de um clima adequado € um aspecto crucial ao exame, em geral melhorado quando o examinador se aproxima da clang inepiranda Ine aor | Manual de Avaliagao Motora_ 35 fianca ¢ anunciando que as atividades serao divertidas © que haverd diferen- tes propostas de trabalho (jogos, saltos, rarefas motoras, etc.) A possibilidade de obter resultados vélidos na utilizacdo do Manual de valiagao motora depende, em grande parte, do cuidado com que as instru- ges sao seguidas, tanto de aplicacdo como de correcio, as quais so determi- nadas com clareza. Qualquer modificagdo na estrucura dos testes (critérios de avaliacao, métodos para calcular as pontuacdes, idades motoras ¢ quociences motores) pode levar a observagées erréneas do desenvolvimento da crianca 0 examinador deve estai, acima de tudo, treinado (competencia, ordenagao nas provas, lugar adequado, tempo suficiente e material adequado) e aabili- tado para aplicar as provas, seguindo passo a passo todas as suas fases, de forma que possa seguir as normas e registrar as respostas sem vacilacoes, € contestar adequadamente as observacées que 0 sujeito manifeste. Na maior parte das vezes, o exame motor se realiza sem a presenga da mie ou de parente proximo, Em ocasides em que tal situagao nao ocorra, 0 parente deve permanecer em segundo plano, de preferéncia fora da vista da crianca ACRIANCA Ela permanecerd com sua roupa normal, tirando apenas aquelas vesti- mentas que podem dificultar os movimentos. Para no deslizar, e, ao mesmo tempo, para permitir uma correta observacio nas provas de coordenagéa equilibrio, deverd tirar os calcados. ORDEM DE APLICAGAO DA BATERIA Os testes podem ser aplicados de acordo com a ordem indicada a seguir: motricidade fina; motricidade global; equilfbrio; esquema corporal (imitagdo de posturas e rapidez); organizacdo espacial; organizacdo temporal (linguagem e estruturas temporais); lateralidade (méos, olhos e pés). ‘TEMPO DE APLICAGAO 0 tempo dispendido tem que ser suficiente para a administracio de todo ‘oexame, de modo que a aplicagao nao se perca precipitadamente e haja opor- 36 _ Francisco Rosa Neto unidade de estabelever ~ de manter uer wlequado cima de confianga, Pode fe comegar com uma Convers: breve e amével para buscar esse clima e, nu medida de possivel, ob « ooperici, ¢ a motivarao da crianga. O tempo timado para cada aphcacio 6, aprox:mudamente, de 30 1 45 minutos. A duracéo pade aleancar, 3 <:2es, 60 minutus, devido As diterengas individuais Todos esses dados divers ser considerate: quando o exams for programado, pois, na medida do passive. ele deve »~: calizado em uma 3! sessdio. PREPARACAO 00 LUGAR © local do exame deve ser silencioso e estar bem ilurtinado ¢ ventilado, livre de rufdos e interrupgées exteriorss. A sala de avaliawio conterd um mo- Dilidrio de proporcoes adequadas, de : rina que permita mancjar com facili dade o material de exame. Para as poo a5 de motricidade global e de equiti brio, € necessario um espaco de 5 a 6 metros de longitude, MATERIAL PARA A APLICACAO 0 material deve estar convenientemente o7 lucado, evitando, assim, con fusdo atraso no iranscurso das provas. A maior pure dele deve estar fora da vista do sujeito, Nao obstante, é preciso oculté-lo com naturalidade para evi tar reacdes desfavoriveis por parte do sujeito. MANUAL Apresenta informagées ¢ procedimento técnico para a utilizagdo correta da escala ~ EDM. FOLHA DE RESPOSTA Est formatada para facilitar o registro dos resultados e dos apontamen- tos sobre 0 sujeito durante as provas (Anexo 1). FOLHAS COMPLEMENTARES, Prova de labirintos (Anexo II) e prova de rapidez (Anexo IID). Manual de Avaliagds Motora_ 37 MATERIAL “UXILIAR © Motricifesle fina: 6 cubos tem; finha a 60; agulha ue costura Tom < ior); um cordtio de sapatos de 45 cm, cronémetro sexage Sinnal; papel de seda; bula de borracha ou bola de ténis :le campo = 6 em de dsametea eartolina hranca; lapis at 2; borracha e fothas de papel em branco. + Mocricidade globat: by 1 eldstico; 15 cm de altura; cord vie 2 suporte para saltar, uma caixa de fostorns ¢ uma cadeira de 45 cm de alturs + Equeitivio: banco de 1" em e crondmetra sexagesimal + Esquenna corporat: lays n? 2 © cronémetre sexagesittal + Organizuedo espacia’ \abuleiro cam trés formas geomvtrcas; palitos eS 6 6 «im de comperniento, 1 cerngulo e 2 tridagulos de cartolina, 5 cubos de cores diferentes e figuras de boneco esquematizaca + Orwunézagdo temporal: crondmetro sexagesimal v lapis n* 2. + Loteralidade: bola, tesoura, cartio de 15 em x 25 em com um furo no tro de 0,5 em de didimeten ¢ tubo de cartao. DEFINICAO DE TERMOS * Prova motora ~ E una prova de habilidade correspondente a uma idade motera especifica (motricidade fina, equilibrio, ete). A crianga tem de solucionar um problema proposta pelo examinador, + Idade motora (IM) ~ & um procedimento aritmético para pontuar avaliar os resultados dos testes. A pontuacdo assim obrida e expressa em meses é a idade motora, + dade cronologica (IC) ~ Se obtém através da data de nascimento de crianca, geralmente dada em anos, meses e dias. Logo, transforma-se essa idade em meses. Ex: seis anos, dois meses ¢ 15 dias, significa o mesmin que seis aitos e trés meses ou 75 meses. Quinze dias ou mais equivatem a um més. + Idade inotora geral (104G) ~ Se obtém através da soma dos resultados positivos obtidos nas provas motoras expresso em meses. Os resulta- dos positives obtidos nos testes sda representados pelo simbolo (1); 05 valores negativos (0); 08 valores parcialmente positivos so repre- sentadas pelo simbolo (1/2): inte = PATE IM RS I 98 _ Francisco Rosa Neto Manual de Avaliaggo Motora_ 39 * Idacle negativa ou positiva (IN/1P) - E a diferenca entre a idade motoca CLASSIFICAGAO DOS RESULTADOS geral ea idade cronolégica. Os valores serao positivos quando aidade motora geral apresentar valores numéricos suuperiores & idade crono- légica, geralmente expressa em meses. + Idade motora 1 (IMI) ~ obtida através da soma dos valores positivos alcangados nos testes de motricidade fina — expressa em meses. + Idacle motora 2 (IM2) - ¥. obtida através da soma dos valores positivos alcancados nos testes de coordenacao global ~ expressa em meses + Idade motora 3 (IM3) - B obtida através da sora «ios valores positivos alcancados nos testes de equilfbrio ~ expressa em meses. + Idade motora (IMA) ~ E obtida através da soma dos valores positivos alcangados nos testes de esquema corporal (controle do préprio cor 0 € rapidez) — expressa em meses. + Idade motora 5 (IMS) ~ £ obtida através da soma dos valores positives aleancados nos testes de organizacéo espacial - expressa em meses. + Idade motora 6 (IMB) - & obtida através da soma dos valores positivos 120 ou mais Muito sup 120 — 129 ‘Superior no= 18 Normal ato, 90-109 Normal mado 20-09 Normal baixa 70-79 Inferior Tou menos Tito inferior TABELA DE IDADES CRONOLOGICAS / MOTORAS aleancados nos testes de organizacdo temporal (linguagem e Anos Mazes estruturagao espaco temporal) ~ expressa em meses. Tanos Famosos * Quociente motor geral (QMG) ~ E obtida através da divisio entre a Zana 0 6 moses 30 meses idade motora geral e idade cronolégica multiplicado por 100. ai Simeses Fanos a6 maser a mesos 7 iMG ‘anos a8 meses i at anos 6 6 meses Ba meses Sano 0 meses * Quociente motor 1 (QM) ~ E obtido através da divisio entre a idade BencainG raese nese motora 1 € idade cronol6gica. O resultado é multiplicado por 100. stones 7 - * Quociente motor 2 (QM2) ~ E obtido através da diviséo entre a idade Ganos o6 meses pene motora 2 ¢ idade cronolégica, O resultado é multiplicado por 100. Teno Bt meses + Quociente motor 3 (QM3) ~ E obtido através da divisio entre idade Tanos e 6 reser SO meses motora 3 e idade cronoldgica, O resultado é multiplicado por 100, + Quociente motor 4 (Qii4) ~ E obtido através da divisdo entre idade Banoo 6 maven motora 4 e idade cronol6gica, O resultado é multiplicado por 100. * Quociente motor $ (QMS) ~ £ obtido através da divisio entre idade oe motora 5 ¢ idade cronolégica, O resultado é mulkiplicado por 100. * Quociente motor 6 (QM6) - E obtido através da divisio encre idade motora 6 e idade cronolégica. O resultado & multiplicado por 100. Hine town 40_ Francisco Rosa Neto. APLICAGAO DOS TESTES E DOS RESULTADOS *+ Os testes poderdo ser aplicados de acordo com a idade cronolégica da crianga, Um aluno poderd ser testado a partir de sua idade cronologi ca ou inferioe. * O exame motor pode ser iniciado pela seqiiéncia de provas motoras motricidade fina, motricidade global, equilibrio, ete + Sea crianca cem éxito em uma prova, o resultado sera positivo e serd registrado com o simbolo 1 + Sea prova exize Aabilidade com o lado direito ¢ esquerdo do corpo, seré registrado 1, quando houver éxito com os dois membros. + Sea prova tem resultado positivo apenas com um dos membros (di- reito ou esquerdo), 0 resultado sera registrado 1/2. + Sea prova tem resultado negativo, serd registrado 0. EXEMPLO 1 7s altel: aluno foi avaliado nas provas de motricidade fina e comegou 0 teste a partir dos 4 anos. Ele conseguiu realizar as provas de 4, 5, 6 e 7 anos, parando na prova de 6 anos. Sua idade motora fina corresponde a7 anos ou &4 meses, IMI = 84 meses jane ae ee | SE Moieidade na +[ofa EXEMPLO 2: oe Tae Pi tebter Tt © aluno foi avaliado nas provas de motricidade global e comecou os testes a partir dos 4 anos. Conseguiu realizar as provas de 4, 5, e 7 anos, parando na prova de 8 anos, mas, na prova de 6, ele obteve meio positivo. Sua idade motora global seré de 6 anos e 6 meses ou 78 meses. IM2 = 78 meses, ‘ Manual de Avaliagéo Motora 441 EXEMPLO 3 Tesesanos So] 2 no] at 4 Evin thtedle I © aluno foi avaliado nas provas de equilfbrio e conseguiu realizar as provas de 5, 6, 7 8 anos, parando na prova de 9 anos. Sua idade motora em equilibrio seré de 8 anos ou 96 meses. IM3 = 96 meses. EXEMPLO 4: Luzia, aluna matriculada no pré-escolar, tem a idade cronolégica corres- ponde a 5 anos e 6 meses, Na aplicacio da Escala de Desenvolvimento Motor (EDM), ela obteve os seguintes resultados: TESTESIANOS » IDADES MOTORAS IMI = 5 anos e 6 meses ou 66 meses IM2 = 7 anos ou 84 meses IM3 = 5 anos ou 60 meses IM4 = 6 anos ou 72 meses IMS = 6 anos'ou 72 meses IM6 = 5 anos ou 60 meses IM IM Ma + Ma + IM + IM 6 ws Idade Motora Geral (IMG) = 5 anos e 9 meses ou 69 meses Idade Cronolégica (IC) = 5 anos e 6 meses ou 66 meses 46 42 _ Francisco Rosa Nato Manual da Avalingso Matora_ 43 (dade negativa/(dacle posiciva (IN/IP) = Idade :otoea eral (IMG) ~ RESUMO DE PONTOS {dade cronotsgiea (IC) Ihde positive (1P)= +3 meses “Gade heton gor ETI Je positive (IP) nese: ‘dade rioters gora (MG [ J0rwsea | Modepasina udcichires sasrones igads eronaisoea 6) Be nesor | Moe negative Tea ‘uociente motor geral (OMG) | #3 [ Escala de desonvalvimenta | Normal baixo ‘ade Bora i Quociente Miva 1048) juociente Mocor Geral = 105 (normal médio) 5 Quuciente Mocor 1 (mocricidade fina) = 100 (normal niedio) a ae a) Quociente Motor 2 (motrisidade global) = 127 (superiur) a Qunciente Mater 3 (equitibrio) = 91 (normal médio) 7 aemeses [ime “| “somenes [awa | 67 [awe [71 Quciente Motor 4 (esquema corporal} = 109 {normal niédio) Lateraidade Destro completa aos Diroa ‘Quociente Motor $ (organizagio espacial) = 109 (normal médio) ines Dire Pea Disivo Quociente Motor 6 (organizacdo temporal) = 98 (normal médio) PERFIL MOTOR EXEMPLO 5 ome Pau oe ee - 2 i Nescimeme [14/10/1002 | Gxame | WIOION) |ldader [7 onos oases : 7 a a : ‘ Giacos dados [Coleg pilin mee : : a z ~ - ' —~ OB anos z 5 a 7 z | O7 anos = - = z ht RESULTADOS a - - - \ 15 anos : 5 zi = a 08 eros a ei = = TESTESIANGS 2] 3 0 enor ji 7 : = : 4 5 Motisidece fa vfils[a OF anos : = - : aceite bal Thorpe Idade | Motisidede | Movretdads | EquWbria | Exquama [Grganlague | Oranizayeo - med at = sronolégica | Fina | Global Corporat.|-Espacial |. Temporal « Taquema corporalRopllec tape i a ‘Orgenissio erpacsl i ce | Unaiagem/Oroanieasio temporal totes 44 __ Francisco Rosa Neto DESCRIGAO DO EXAME Motricidade fina 2 anus — consteugaa ce uma torre Material: 12 cubos vin desardem; tomam-se quit) 8, com eles, & monta ‘uma corre diante do etianga (Figura 1), “Fage vorrs ima ponte izutl" (sem Mesmontar 9 codelo). A crianea deve fazer win. teore ce quater oF mais cu bos quando be far inclicads (ela ndo deve brir sar cor os cubes antes nem depuis) Figura 1 anos ~ construgdo de uma ponte Material: 12 cubos em desordem; tomam-se trés e, com eles, s+ constrdi ‘uma ponte diante da erianga (Figura 2). “aga voc algo semelhante” (vem des- montar 0 modelo). Pode-se ensinar varias vezes a forma de fazé-lo. t suficiente que a ponte contin'ie montada, ainda que ndo esteja muito bem equilibrada. Figura 2 cH BE IEE Manual d4 Avaliagdo Motora 46 4 anos ~ entiar a linha 29 agutha Mocerial: Linha aiinero 60 e agulha megae, maos separadas a uma distancia do em 2 cm, O vomprimento total dit linha & seguncias. Fnsaios: dois a '» costuta (Lent < Into). Para co- im. A links: osssa pelos dedos 1S em (Figura 3}, Duracao: 9 LU / Material: Um par de corcldes de sapatos de 45 civ © um lipis. “Preste tengo co que fago”, Fazer um né simples em um pis (Figura 41. "Com este carddo, voce itd fazer um ad em meu dedo como eu fiz no lapis". Aceits-se qualquer tipo ue nd, desde que nao se desmanche. Figura 3 5 anos ~ fazer um nd Figura 4 AG _ Francisco Boss Noto Manual de Avalisgao Motora 47 6 anos - ‘abirinto A tignga deve estar sentada em aria mest escolar diante de um hipis © te ums folha contendo os tabirintos /Anexo IN). Tragar com um lapis tesa Hiaha &-ntiaua da entrada a6 a saida do primis’ labirinto e, imediatarvent Iniciar peéximo. Apos 30 segr-ados de eepous» comegar © mesma exercicic com a mio esquerda (Figura 31 _—! e =] =] Figura 5 Ertos: A linha ultrapassar o lebirinto mais de duas vezes com st mio dominante c mais tte crés veres coin u mao néo-dominante; o tempo maximo ser ultrapassado; levantar mais de usa vez 0 ldpis do papel. Duracdo: 1 sainu- 10 € 20 segundos paca a mio dominance (direita out esquerda) e 1 minuto e 25, segundos para a mio ndo-dominante (direita ou exquerda). Tentativas: duas tentativas vom ads mio. 7 anos ~ bolinhas de papel Fazer uma bolinha compacta cotn um pedago de papel de seda (5 em x S em) com uma s6 mao; a palma deve estar para baixo, e é proibida a ajuda da outra mao. Apés 15 segundos de repouso, “mesmo exercicio deve ser realiza do com a outra mao. Erros: 0 tempo maximo ser ultrapassado; a bolinha ser pouco compacta. Duracdo: 15 segundos para a mao dominante e 20 segundos para a mao ndo-dominante. Tentativas: duas para cada mo. Observar se ha sincinesias (movimentos involuntatios) g anos ~ ponta do polegar Cor a ponta do polegar, coca com a maxima yelovida dos da mo, umn apsy 0 NUErO, sein repeCit a seqiténcia, inicia nor pata 9 polegar, etornando novaiteas: para « menue (Fig 6432152345 (0 mesmo exercicio deve ser realizado com a outra mio, Ercos: Tocar varias vezes o mesmo dedo; tocar dois dedos ao mesmo tempo; esquecer de um dedo; ultrapassar o tempo maximo, Duragao: cinco segundos, (entativas: das para cada mao. Figura 6 ganos - langamento com uma bola ‘Arremessar uma bola (6 cm de diametro), em um alvo de 25 x 25, situa do na altura do peito, 1,50 mde distancia (langamento cotn 0 brace Hlexionado, mao préxima do ombro, pés juntos), Eros: deslocar de modo exagerado 0 braco; nao fixar 0 cotovelo wo corpo lurante o arremesso; acertar menos de dduas vezes sobre trés com « mao dominante ¢ uma sobre trés com a mao no- dominante. ‘Tentativas: trés para cada mao (Figura 7) Figura 7 AB Francisco Rus. Neto Mania! de Avaiagio Motors 40 10 anos - circulo com 0 polegar Aponta do putogar esquerdo devs estar sabre a ponta do indice dicey depois, sa consririn. O indice diteica ceixa a ponta do polegar esque e, desonaando uma sew yrréicla ao tedor do indice esyuerdo, val bicae a ponta do polegar esquerto; entretanta, permanece o contato do side: es querdo com 9 polegar cinsito, Movimentos suce sivos e regulares devem ser feitos com a maine velorlnde possvel. Em tores de LO sexuncis, a erianga fecha os alhos e covrtin sini por umn espaga de mais 1 segurhs. Feros. 9 movimento ser mal-evecutada; Raver menos de 10 efzculns; executar 0 proce- dimeauy vor os olhos abe:tos (Figura 8). Teneativas: 0 SS, LS Figura 8 11 anos ~ ayarrar uma bola Agarrar com um mao uma bola (Gem de diimetro), lancada de 3 metros de distducia, 4 erianya deve manter 0 brago relaxado ao longo do corpo até que se diga “agarre”. Apds 30 segundos de repouso, 0 mesmo exercicio deve set feito com a outra mao, Erras: agarsar menos de trés vezes sobre cinco com a mao dominante; menos de duas vezes sobre cinco com a mio néo-de.ninan- te. Tentativas: cinco para cada m&o ‘Vigura 9), Figura 9 Motticidade global 2anos ~ subir sobre um bao Subic oom apoio, em win bance de 1S ¢m de altura e-tescer. (Banco situado ao tado de uma parede) Figs2 Figure 10 3 anos — saltar sobre uma corda com os pés juntos, saltar por cima de uma corda estendida sobre o solo {sem impulso, pernas flexionadas), Figura 11, Erros: os pés estarem separa dos, werianga perder 0 equilibrio e ear Tentativas: trés (duas tentativas deve- r0 ser pasitivas) 3 Figura 11 que se diga “agarre”. Apds 30 segundos de repouso, o mesmo exercicio de ser feito com a outra mo. Erros: agarrar menos de trés vezes sobre cinco co a mao dominante; menos de duas vezes sobre cinco com a mao nao-domina te. Tentativas: cinco para cada mao (Figura 9). Figura 9 Mana de Avaliagso Motora 52 Francisoo Rosa Neto = Banas ~ saltar uma altura de 40. cm © joethy Uve estar flexiovado om ingulo reto, e us bragos relaxados a0 longo do corpo... 25 ain do pé que pousa no sole € colocada uma caixa de sions, Acrlanga dese lea imoutionamtu-a com o pe até v ponte sitwad a S niet: = Figura 18}, Fees tocar io cho (ainda que wma sé vez} om 0 outro pé ess2" Yo Moves LOM os hragos: ultrapassar com a vaixa em mais de 50 ent o ovaco fikadg; fulha ho deslocan:enco da caixa. Temarivas: irs Com os pés juntus, salear sec impulse» uma altura de 40 crs (Figura $6). Material: dois suportes vom unta Tira elistica fixada nas exteemidades deles a (Gana altura de 40cm. Eyes: tovur ro elstico; cals vapesar de no Cer tocudo nn elisticos, tocar no chan cor: as mos. Tentacius: trés no total, sendo que duas deer iy ser positivas Figura 18 1f anos ~ saltar sobre uma cadeira Figura 16 ‘a Saltar sobre uma cadeira de 45 ex 4 $0-em a uma distiincia de $0 em do mével. O encosto sera sustentado pelo examinador (Figura 19). Erros: perder 1 equilibrio e cair, agarrar-se no encoste da cadeira, Jentativas: trés. I 9 anos ~ saltar sobre 0 ar Para saltar no ar, deve-se flesion.tr os joettos par sacar as calcanhares com as mans (Figura 17), Erros: no -vcar nos caleannices. ‘entativas: ers, FX ooo Figura 19 i Figura 17 54_ Francisco Rosa Neto Equilibrio 2 anos - equilibrio estatico sobre um banco Sobre um banco de 15 em de alcura, a crianga deve manter-se imével, com 05 pés juntos, com os bragos relaxados ao longo do corpo (Figura 20). Erros: deslocar os pés, mover os bragos. Duragdo: 10 segundos. Figura 20 3 anos ~ equilibrio sobre um joelho Os bragos devem estar ao longo do corpo, os pés juntos; deve-se apoiar um joetho no chao sem mover os bracos ou o outro pé. Manter a posicZo, com © tronco ereto (sem sentar-se sobre.o calcanhar) — Figura 21. Apés 20 segun- dos de descanso, o mesmo exercicio deve ser feito com a outra perna. Erros: 0 tempo ser inferior a 10 segundos; haver destizamentos dos bragos, do pé ou do joelho; sentar-se sobre o calcanhar. Tentativas: duas para cada perna. Manual de Avaliag Motors 55. 4 anos ~ equillbrio com o tronco flexionado Com os olhos abertos, com os pés juntos e com as méos apoiadas nas costas, deve-se flexionar o tronco em Angulo reto e manter essa posico (Figu- ra 22). Erros: movimento dos pés; flexio das pernas; tempo inferior a 10 segundos. Tentativas: duas. 5 anos ~ equilibrio nas pontas dos pés igura 22 Manter-se sobre a ponia dos pés, com os olhos abertos e com os bragos a0 longo do corpo, estando pés e pernas juntos (Figura 23). Duragéo: 10 segun- dos, Tentativas: trés, Figura 23 56 _ Francisco Rosa Noto f (anval a Avatiagso Motora_ 67 = 4 i 8 anos - pé manco estaitica ganas - equity com 0 tronco tlexionado + Com os olfios sir ss, menter-se sobee a pera diteita, enquanto a outra Com 0 thos abeitus, vom as miios nas costas, 2'var-se st-bre as pont permianeceré flexion aéa eit Jagulo reto, crim a coxa paralcla a dieeita eligeira- “> jos pese lexinnar o trunvo em Anguo rete (pernas evtas) ~ Figura 26. Erros menie em abdugto € com os hagas ao longo do corge: /Bigura 24). Descansar por 30 segundos & vcr 0 mesmo axereicio com a outa perna, Eros: baixar mais de trés vezes aerna levantadu; tocar com 0 outro pé no chao; saltar; elevar-se sore a pac: do pe; balangar. Puragdo: 11) segundos, Tentativas: tes. \ 5 Fgura 26 9 anos - fazer win quatro Figura 24 Manter-se iobre o pé esquerda com a planta do pé direito apoiada 1 face interna do joelho esquerdo, com as maos fixadas nas coxas ¢ com os lttos abertes (Figtra 27). Apds urn descanso de 30 seguados, execucar 0 mesmo movimento com a oultra perna. Erros: deixar cair uma perma; perder o equili- brio; elevar-se sobre a ponta dos pés. Duragio: 15 segundos. Tentativas: duas para cada pera, flexionar as pernas mais de duas vexes; mover-se 0 lugar, tocar o cho cum inhares. Jurado: iD segundos, Tentativas. us 7 anos ~ equilibrio de eécoras Ficar de cécoras, com os bragos estendidos lateralmente, com os olhos fechados ¢ com os calcanhares e pés juntos (Figura 25). Ertos: cair; sentar-se sobre os caleanhares; tocar no chao com as mios; deslizar-se; baixar os bragos trés vezes. Duragao: 10 segundos, Tentativas: tés. rn Figura 27 Figura 25, '.anos - equilibrio na ponta das 285 ~ olhos ‘echados Manter-se sobre 4 ponea dos és coen os vibos “eciuaclos, cura as lnago do corpo @ cura pés e perms satos iFigura 28). Firvas: aw Ingae; tocar o cho com os caleanhars, balars;t¢ 0 corpo (ne wsellgio). Duracae: 15 segundos. Tenzutivas: a0 edo ese ligeira Figura 28 17 anos ~ pé manco estatico — olhos fechados Com os olhos fechados, mancer-se sobre a perma direita, com o joelhio esquerdo flexionado em Angulo reto, com a coxi esquerda paralela a direita em ligeira abdugdo e com os bragos 20 longo do compo (Figura 29). Apés 30 segundos de descanso, repetir 0 mesmo exercicio com a outra perna. Eeros: baixar mais de trés vezes a perna; tocar o chao com a perna levantada; mover se do lugar; saltar. Duracao: 10 segundos. Tentativas: duas para cada perna Figura 29 ESQUEMA CORPORAL, Controle do proprio corpe (2 @ 5 anos) Prova de imitagao dos estos simplas (movimentos vas maos) erianga, de pé diunte do exami» e dos bracos que ele realiza; 0 exan para poder pdr suas maos em pos {viguras 30 e 34). utara os movimentos das maos oe tivard sentado préximo & erlang neutra entre cada um destes gestos 1) Imitagae de gestos simples: movimentos das maos 6O_Franuis “vaga Anima! Fac 120 Rosa Neto Jomo eu, com mio etl; presse ate fadins; othe hem e repi:a a movimento. Vamos, Macertal: quadru com iranse simbolos, mina ‘suis ‘los abartaa, con as por s= pia few uo ry etna yas mags a 20 cn dg oy ____ | bode dedi vimento das maoa wo axarniwlon Tiem 10 | Pasigao inverse _ rom em ¢ | Posigia inves vanteres ~ _ Tem | Mio astueras Sa vertical, smsa dito va horizontal, © sida Angels eta. ee item 6) Pasigan inverse Tiom?) Whe exquerea am sosigho plans, com e palagar am nivel dn estema, mao. fs hiago direitos iv tinados, dstaneia We 30 om entra 2s mans, Bo direte pur cima da mba -squerda, Wem _| Posigao invorsa Wem 9 | Aa maos ostio parallas, » maa esquarda ost dantu ds man disita a uma | disteneia de 20 om, a mao naquerds esta por cima vs “reta, desvieda uns vem. Proviar rede-se A srisnga que feche 02 sInos: & profundlidace Manual de Avalisctio Motora_ 61 ~rovs de imitagio de gestos simples (movimentos dos brags) Figura 31 62__Francisco Rosa Neto Material: quadro com itens @ simbolos fem (0 axaminadar estonde 0 brace waquerdo, horizontalmente pare 8 lesquerda, com a méo aberta Them 12_| Ela faz 0 mesma movimento, mas com o braca drake, para a drei Tem 13_| Levantar 0 braga exquarda, Ttem 18 | Levantar o brago dirt Item 15 | Levantar 0 brago esquerdo o estonder 0 divaio para draita Tem 16_| Posigia invers 7 Them 17 | Estender o brago esquerdo para iante e levenia’ o diveito Item 18_| Posigso inverse. | item 19 | Com os bragas estendidos obliquamente, mao eaquerde no allo, mao direita abaixo, com o tronco erguida. Tem 20 | Posigdo inversa, PONTUACAO, Idade Cronalégica Pontos Banos 7-12 scenes 7 Fanos, Ta TB acertos Banos > W720 acertas Prova de rapidez (6 a 11 anos) Material: folha de papel quadriculado com 25 cm x 18 cm quadrados (quadro de 1 cm de lado), lépis preto n®’2 © cronémetro (Figura 32). A folha quadriculada deve estar em sentido longitudinal. "Pegue o lapis. Vocé vé estes quadrados? Faga um risco em cada um, o mais rpido que puder. Faca os riscos como desejat, mas apenas um risco em cada quadrado. Preste muita atengdo e nao salte nenhum quadrado, porque néo poderd voltar atrés.” A crianga toma 0 lépis com a méo que preferir (mao dominante) dl af la LY |~ Le — J ZA x Z1LZ7LZ Z Figura 32 - Prova de rapidee, Manual de Avaliacdo Motora_63 Iniciar 0 teste 0 mais rapido que puder até complecar o tempo deter: nado. Estimular varias vezes 9 crianca: “Mais répido”, Tempo: 1 minuto. os da prova: Repetic wma vex mais a prova caso 0s tragos sejam lentos e precisos wu estejam em forma de desenhos geométricos mostrando com clareza 08 critérios. + Observar, durante a prova, se o examinando apresenta dificuldades nia coordenacio motora, na instabilidade, na ansiedade e nas sincinesias, PONTUAGAO dade Nameros de Tracos Banos 7-73 Tanos 74-90 Banos 1-99 anos 700 106 TW anos 107 14 Teno 715 ou mals Organizacao espacial 2anos - tabuleirojposi¢ao normal Apresenta-se 0 tabuleiro & crianga, com a base do tridngulo diante dela (Figura 33). Tiram-se as pecas, posicionando-as na frente de suas respectivas perfuragdes. ‘Agora coloque vocé as pecas nos buracos”. Tentativas: duas. OF Ob UO Figura 33, 64 _Francisco Ase Neto 3 anos ~ tabuleiro/posicao invertida Utilizar 0 mesmo materjal; porém, apés retirar as pecas, deix-las alinha- das com o vértice do tridngulo posicionado para a erianga. Da-se uma volta no cabuleiro (Figura 34). Sem limite de tempo. Tentativas: duas. CE <1 Figura 34 4 anos ~ prova dos palitos Dois palitos de diferentes comprimentos: § e 6 cm. Colocar os palitos sobre ‘a mesa em sentido paralelo, separados em 2,5 cm (Figura 35) Figura 35 “Qual 6 0 palito mais longo? Coloque 0 dedo em cima do palito mais longo.” So trés provas, trocando os palitos de posicao. Se falhar em uma das trés tentativas, fazer trés mais, sempre trocando as posigSes dos palitos. 0 resultado & positivo quando a crianga acerta trés de trés centativas ou cinco de seis tentativas. Manual de Avaliagso Motora 65 5 anos ~ jogo de paciéncia Colocar um retingulo de cartolina de |4.cm x 10 cm, em sentido longitu: dinal, diante da crianga. Ao seu lado © um pouco mais préximo dela, si0 colocacias as duas metades do outro retngulo, cortalo em diagonal, com as hipotenusas para 0 exterior, separadas alguns centimecros (Figura 36) “Pegue estes tridngulos e junte-os de maneira que resuite em algo pareci- do com este retingulo”. Tentativas: trés em | minuto. Nimero de tentativas: duas, sendo que cada tentativa ndo deverd ultrapassar um minuto. Figura 36 6 anos ~ direitafesquerda — conhecimento sobre si Identificar em si mesmo a nocio de direita e esquerda (Figura 37). O examinador nao executaré nenhum movimento, apenas o examinan- do, Total de trés perguntas ~ todas deverdo ser respondidas corretamente. ©8 Francisco Rosa Neto Estes sdo os mesmos movimentos executados anteriormente (prova de 9 anos). “Voce faré os mesmos gestos, com a mesma mio do boneco squen tizado”. Exitos: seis acertos sobre oito tentativas. Boneco - Figura esquematizada desonhada em cartée de 18 cm x 10 em. 1. Méo esquerda rio alho direto 2. Mao direita na orelha direita 3. Mao dirsita no lho esquerdo 4. Miso esquerda na oreina exquerda 5, Mao dircita no alho direto 6. Mio esquerda na orelna cireita 7.Mac dieita ra orviha esquerda 8. Mao esquerda no olhe esquerdo Figura 40 11 anos - reconhecimento da posi¢éo relativa de trés objetos Sentados, frente a frente, o examinador fard algumas perguntas para 0 examinando, 6 qual permaneceré com os bragos cruzados. Material: ts cubos ligeiramente separados (15 cm) colocados da es- querda para a direita sobre a mesa, como segue: azul, amarelo, vermelho. “Veja os trés objetos (cubos) que estéo aqui na sua frente. Vocé ird res- ponder rapidamente as perguntas que irei fazer.” 0 examinando tera como orientacao espacial (ponto de referéncia) 0 examinador. Manual de aliacdo Motora_ 69 + O-cubo azul esté a direita ou esquerda do vermetho? + O-cubo azul esté A direita ou 4 esquerda do amirlo? + O-cubo amarelo esta a direita ow a esquerda do azul? + O-cubo amarelo esté a direita ou A esquerda do vermelho? + O cubo vermelho esta a dirvita ou a esquerda do antarelo? + Ocubo vermelho esté a direita ov a esquerda do azul? Exitos: cinco acertos sobre seis tentativas PONTUAGAO - ORGANIZACAO ESPACIAL © Anotar positivo CE) nas provas com bons resultados © Anotar negativo (-) nas provas com objetivos nio-atingides. AVALIAGAO - ORGANIZAGAO ESPACIAL (© Progredir, quando 0s resultados forem positivos, de acordo com o teste. © Parar, quando os resultados forem negativos, de acordo com o teste. ORGANIZAGAO TEMPORAL. Linguagem 2anos Formar frases de duas palavras, observando-se a linguagemt espontanea. * A prova é considerada bem resolvida se a crianca é capaz de expressar-se de outra forma que no seja com palayras isoladas, quer dizer, se ela sabe unir a0 menos duas palavras; por exemplo: “Mamae nio est”, “esta fora”, esses casos sao considerados éxitos. Em contrapartida, “neném bobo” nao tem valor. Ex tos: basta um s6 éxito. Sera bem-resolvida a prova em que a crianga consegue repetir a0 menos uma das frases sem erro. 3 anos Repetir ume frase de 67 sflabas: “Voc8 sabe dizer mamée?" Diga agora ‘gatinho pequeno”. Fazer, ento, a crianca repetir: a) “Eu tenho um cachorrinho pequeno” b) “O cachorro pega 0 gato”. ©) “No verdo faz calor”. 60 70 _ Francisco Rosa Neto Manual de Avaliagao Motora 71 pee © examinador e a crianga ficam sentados frente a frente, com um lépis na mio cada um, “Vocé ird escutar diferentes sons «, como lapis, ist repeti- Recorrer ts frases: “Voc8 vai repetit”: | __ Ios, Eseuce com atencéo" a) “Vamos comprar pasteis para a mamée"’ + Tempo curto: em torno de um quarto de segundo (0 0), feito com 0 b) “0 Jodo gosta de jogac bola” lépis sobre a mesa, + Tempo longo: em torno de 1 segundo (0 0 0), feito com o lépis sobre Se a crianiga vacilar, aninié-la a provar outra vez dizendo-Ihe: “Vamos, | a mesa. fale". A frase nao pode ser reperica ee eee O examinador dard golpes da primeira estrutura da prova, ¢ a crianga itd repeti-los. O examinador golpeia outras estruturas, ea erianga continua repe- tindo, Enquanto os tempos curtos e longos sio reproduzides corretamente, deve-se passar, de imediato, a prova Os movimentos (golpes com um lépis) nao poderdo ser vistos pelo exa minando. Ensaios: Se a crianga falhar, fazer nova demonstragio e novo en: saio. Deve-se parar em definitivo quando a crianca cometer trés erros conse- cutivos. Esses periodos de tempo séo dificeis de apreciar, mas 0 que importa, na realidade, é que a sucesso seja correta, S anos Lembrar as frases: “Bom, varnos continuat, vocé vai repel a) “Jodo vai fazer um castelo de areia’. b) “Luis se diverte jogando futebol com seu irmao”. ESTRUTURA ESPACO-TEMPORAL Simbolizagio (Desenho) do Estruturas Espacials, Raprodugéo por Meio de Golpes - Estruturas Temporais | i Ensaio t 00 Ensaio 2 oo Enasiot oo Ensaio? oo Tes o1 |p 000 Testo 06 200 Teste 1 000 Teste 7 00000 o 0006 Teste 07 (00000 Teate 02 00 00 Teste 12 ‘0000 eae as at aa ae Teste 03 0-00 Teste 13 00 0 00 Haat. aut oe aa Teste 06 000 Teste 14 ‘0000-00 Ts a 7 oes Teste 05 000 Teste 15 00000 “Teste 05 0-000 Teste 16 00 000 6 Tee 07 e000 Testo 17 (0000 00 Teste 08 (00 00 00 Teste 18 (00-0 0-00 Teste 09 ‘00 000 Teste 19 e000 00-0 Teste 10 oo00 Toate 20 (0-0 000 00) ‘As estruturas espacials podem ser representadas com efrculos (éiémetro de 3 cm) colados em um cartzo. “Agora, voe@ ird desenhar umas esferas — aqui vocé tem um papel e um lipis — de acordo com as figuras que irei mostrar”. Aptesenta-se, entdo, a primeira estrutura de ensaio, explicando se for ne- cessario, “Muito bem, vejo que voo8 entendeu, Agora, voce ird prestar bastante atengao as figuras que irei mostrar e ird desenhé-las o mais rapido possivel neste papel” A crianga quase sempre e espontaneamente desenha jé um circu- Jo, Tentativa: parar a prova se a crianca falhar duas estruturas sucessivas. 22 Fs ine Hoss Neto SIMBOLIZACAO DE ESTRUTURAS TEMPORAIS 4) Laitura - Raprodugao por Male de “vious 00 Ensaio? oo Dom Teste 05 on 1 00 00 Teste Da ooo 4 0 00 ba cruturas simbolizadas serao representadus exatamence da mesma as estruturas expaciais (citculos coladas sobre o caredo), “Samos fazer alge: melhor." Sio apresentaclos, ourra vez, os circutos no cartiio, &, ent ver de a “ianga desenhelos, ela «lard pequentos golpes com o lapis, Parar se howver fu... em duas estratures sucessivas 2b} Transcrigao de Estruturas Temporais ~ Ditado Ensaio t 20 Enavio 2 on Teste DT 200 est 03 ‘09 808) Te 200 0 Teste 94 oe 00 Taste 08 w00 “Pata linalizar as provas, serd cu quem dacé 05 golpes como Iépis, e voce 1 desenlr-tos.” Parar apds dois erros sucessivos RESULTADOS, Entendemos por éxitos as veproduges e as transcrigdes estruturadas com clateza, Concedemos 1 ponts por um golpe ou por desentho bem-resolvido totalizamos os pontos obtides nos diversos aspectos da prova. Em todos os casos convém anotar + mao utilizada + sentido das circunferéncias; + compreensdo do simbolismo (com ou sem explicagéo). . PONTUACAO, Manuel de Avaliayio Mowra 73 TSB aconos 19 23 araxtes 22 26 aero LATERALIDADE Lateralidade das maos Tab seonos bes .Langar wing bols | 2. Uetiarum objeto ftesaura, | 3, Leeraver yorma mia divaita nuit e8cava danval, ete! deeunher. ~ S So Eel A crianga estd em pé, sem nenhum objeto ao aleance de sta mio. wento" ir demonstrar conto realiza tal mo Lateralidade dos olhes © Cartao Purato olho por ele.” Demonstracia: 0 cartiio de 15 em x 25 cm com um furo no cent 0,5 cm (de diametro). “Fixe bem o seu olhar neste ca Wood dé |, hd um furo, cartio sustentada pelo braga es- tendido vai aproximando-se lentamente do rosto. "Faca a mesmo”, « Dee catia ; asaee site Aeatinlo finn, 25 + feesodpi (tubo longo ts cartia) -Voe® sabe pura que ierst umtéles- + RESULTADOS pio? "Serve pars vowalizac um abjeto demonstragio). Tome, sine : vous mesma” Cinicae uth Ob} efanga) Leonlanee” |i Ses fa ica) Tprovinem | america iepassasntnr tnecnntnsntanan — - - es Sie Te fade 2 atescei Tenaisaal | Savors coms] ronan 1 Tfirdetinido} ‘Tpovacona | tohutecamo PONTUACAO GERAL Destra cor Sinistro cormplera Lneraliage era Carel dainid Lateralldadie HO8 68 aE + Chutar wma bola ~ (hola de 6 cm de didmetro) “Vout urar est bola :om uma das mos, depois ini solté-la e ir4 Ihe dar um chute sem dvix.ila tocar no chdo”. Tentativas: dus, 1. Ghutar uo bola MATERIAL E METODO Eee usted atifico «iste em uma pesquisa descrit'va, diagnéstica, coma Cisitidisks Je analisar uestées relacionadas ao Desciwolvimento Mo. tor, A amostra foi constituids de dais grupos, grupo 1 (G2) ¢ grupo 2 (G2), waliacs durante o periodo «scolar, de fevereiro de: 1993 a junho de 1996, nas cidlsdes de Sevitha e Zaragoza, Espanka, com criangis de idades com preendlidas e-rte 3 ¢ 10 anos, matriculadas no ensino pré-sscolar « no ens. no de 18 a 4 cries do ensino fundamental, O grupo G2 ini diagnosticado por uma eqt:..¢ multiprofissional, canto da Unidade de slaturacao Evol. iva, do Hospital Universitario “Virgen Macarena”, cm Sevilha, como das unidades de neuropsiquiatria ¢ neurofisiologia infantil, do Hospital Unive sitirio “Mrsuel Servet”, em Zeragoxs. Os dados mencionados nesta obra 11 zem parte do banco de dadoy da tese doutoral (Rosa Neto, 1996) METODO E TRATAMENTO ESTATISTICO, © programa Epi-info, versio 6.0 (Terndndez Merino, 1996), foi utilizado para a veriticagdo de diferencas existentes entre os grupos de amostra nas va ridveis qualitativas e quantitativas. Utilizou-se a estatistica descritiva, mediante aandlise das freqiiéncias simples ¢ percentuais, a andlise de variancia, o desvio- padrio, os valares minimo e maximo, a mediana, bem como as distribuicées Percentilicas, o Chi-quadrado e sua significacdo, o T de Student para grupos homogéneos ¢ o teste de Kruskal-Wallis para valores néo-paramétricos. GRUPOS ANALISADOS Grupo - G1: + 14Lalunos de 3 a 10 anos (Tabela 1); + 68 alunos de 3 a 10 anos do sexo feminina (Tabela 2); + 73 alunos de 3 a 10 anos do sexo masculino (Tabela 3); 78 _Franciseo Rasa Ness 5 anos marrirtlados nu pré-escola (Tabela 4) mar alados na pré-escola (Tabels 5); + 6S alunos de 3 + Wealunos ue 3.01 + 16 aluars de 425 anos matriculados na pré-escola (Tabela 6) 8G alues de Sa 5 anos matriculados ro pré-escola (Tabela 7) + 75 alunos de 6 # 10 anos macriculados no ensiny de a 4 séries (labela 8); + 29 alunos de 6 a” anos matrieviados no eusino de L* série (Tabela 9); + 17 alunos de 7 a8 anos matciculados no ensino de 2 série CFabela LO); = 13. ulunosde 8 a sos matriculados ao easing de 3 série Clabela + 14alunos de 9 @ 1D anos matriculudos co ensino de 44 série (Tabela 12) Grupo - G2: * ‘Lalunos de 3 a 10 anos com dliagndstico elinico ~ “Transcornos de srendizagem”, (abela 13); + 46 alunos de 3 a 6 anos com diagnéstico clinico ~ “Transtornos de aprendizagem”, (fabela 14) + 45 alunos de 6 a 10 anos com diagnéstico dlinico - “franstornos aprendisager", (abel 15); + 95 alunos de 3'a 10 anus com diagnéstico elinico “Alto risco neurol6- -gico”, {Tabela 16); ° 34 alunos de 3 a 7 at» com diagnéstice cliaica ~ “Peso muito baxo ~ inferior « 1.500 gramas ao nascer”, CTabela 17); + 47 alunos de 3 & 9 anos com diagndstico clinico ~“Prematuros”, (Ea i bela 18); + 28 alunos de 6 a 10 anos com diagnéstica clinico 19); + 24ahunos de 5 1 10 anos com diagnéstien clinico ~“Transtorno fonold- ico”, Clabela 20; + 21 alunos de 5 a 10 anos com diagnéstico clinico ~ “Transtornes da coordenagio e transtorno por déficit de uteneéio com hiperatividade”, (bela 21). ‘Dislexia”, (Tabela Nas Iabelas 22 e 23, sii apresentados os resultados dos grupos GI ¢ G2, ; conforme classificagdo da escala motora Nas Tabelas 24 © 25, so apresentados os resultados referentes & latera- lidade dos grupos Gi e G2. Tabela 1 Desenvolvimenta motor/141 alunos de % 0 10 anos: Manust de Avalisgso Mators 79 Elelelst: elefe é s|sialels 7 alslsjelaisis|sia|s|s 3 zie |s]s z € elefelelelzle al3igiels (= (8/8 /8]5]3/2/S 1" )8 12/2 15/818 [a] s = | S| ELELEVEle| ele [ele] ei S/S /S le [Sis /s ZR afeislsislelgis/slSp8is fe lsisls RIS[S/S [sss ieprys t 2 2 gle 5) fe] Jefgld z/F/o + 2 2 1 2 < Sli i S & 3 elalel2]s) jalzlilele/é yalE 2//8/2]2/o/Elale/tls/et2/el2l Sele elle /2/sls/2lielsls e/g eyele STE Salat elalstz liz [aig io iéla]a eyelets sere] s|zletz | ele (ela leyay SlEl21S)2lelstelels SIGIEIS|é a1 =| eee [eat woes | oreo SIND erodwey opSeaUeOIG oa aorta ovee tose | _ sven SI —edeg opdonveIO S| even [en ae8 fen 01 AIO wandiog ewonbss a) __ovee oven over wee | ae EO — evans «| won ners wee were | oreos BAO A019 epeRHMNY 2) ore one a0 39 wat a TAD = 8 BRON F ewes oa | 9001 [ono ~ eno sow enonono woo ‘eee | smware Tu = eet ape | cen | weoweee wooze cornu ge. | ani rode, opbennebig ws 007 zeae | aa) —(aedey opteanetig ooee | ; cuses | taou aac a= wodiog ewonbeg | _ = are0 | wa sera ge nog oor | sem s9sow 956 21 — 166019 apepIOUION | sou 990 UAT A SP PHION fosnw 0090 D= 9 STOW eI casa oe ‘21 e2ioroU01g apepI opiped-onseg | euguen | epow stance, (ouynoseu) sous OL eg ap SUN ELOIOI NONUESEG & POGEL, | uote 161108 ono ~ jedvel onbeaUEDI9 a0'0st is sat | _earis iio = edeg oFbe210051G ova e701 nD ~ indo ean aves ar eee aw —eparba on'RbE W'GL eget 42°908 ZIND — Id01D OPEPIIOW Pet v's9 ort erie |_evvar TWD — 844 apmoIONNON, | eest ove evo | ace recor | BID™ WED smioW awweROND | wove 200 os woo | serew see Ni PAne6oN ©pePI avo ss sco | sesow er ~eanisog oper wove | wovees | “over wow | ar | sesow aoe | onl=rriodwe, onbenutio w 00°95 wi oo'zeL wt 00°09 sp'ou +0'26 sasow 65°65 Sint - [etsedsg ogdezuetio w o0'r8 wi g0'zeb w 00's £2205 5089W 2188 iil - [2od4ozy etuandsy woree | waned naa wesee | sasou eset eal on 3 8 00 ry woo wa weoei_| seseu cee za 10009 3 wort | wane wa ov'see_) aesow arse l= #0) 278 «| |_so0's wavs roe oe Dini (199 e2Ov0H ape B 1 gore 1961 ov'ise 08 ‘D1— e2189}0u049 apepL E Wiora pouped-onseg | eRURHEN a Tourney sous) © 6 op SounTe BgoIoW OwaUIIAORUBSEG & POMEL 80 ag Avaliagio Motors Mansal 1» Rosa Neto Francis 32 aoe ere eee | os0r ano - joduay oFteauibio CC seg. aveee s0'0et SW ~ levedsy ogSezuebig eon wen | eeu {HNO ding euonbe3 ov'08 we bee e08 eno —om3 ft no'88 over BS'6L1 SEE ZIND ~ I9919 9penia.row eS sre eres | aco UO ~ 845 apepm iow ooo wwe ae 1 __[_ SIND = je5 Zoom awamoND 009 ooo | rosoug0% ance ist ava | sesoweos ynnts0g 630] over aware | F800 056% | _ snl erodes oxbemRtio ar) : a ove | ses SWI = r0dsy opterroiG 10°95 1 0's Zz a9 ovat | sac aorre ~ iiodiog ewarbsq ee oC Be wo0'9e one 00's sesaur g2'eb eI rae nd cee tre oz'ss sau OS'S Zbl - E9019 apEPINOW 4 00'8r woos | wonse ove 0909 | sarowec'er Dai was elo Peer ‘won't vb eL'6L sesau 90% DWI ~ 12189 BrO;0yy opepy wou woo a5 avi | ros0w crop D1 #2910001 opr ‘ouuneen 204 | owusoreA | eeuped-onsea | eouguen | oman sone (Goue ye) eae pd ap SOUR Gl HOIOW CHOUINOUGESG § BIOTEL oust ae co 00 3901 BND Woda, ornaetig oe arn oe ee esse vier GID — DEC o¥EaTIO on ore ou 2 i F201 PND ~jrodiog ewantg oo oan oe ez eta Te ano ean ena oer oe est 552 ves 2WO— 4010 aPHPEHON 5 088 wor eae 301 (0 80) apap , O58 v6 <@ Fei | _OWO- ip sion swapeND co vu on a oF weo TM EAUEOON apept a Da oo ze va wee “aero amt 98 ore ore zet wees ant fered ovbezunbI9 eet tH ono HH war © a EL Ghul - Inonds3 onSezuetig ose er wes iil jeodleg awentsy ff oa 66 666 w zg ose ve 982 wee oe os wre oe ta ween SIAT T2099 BIOIOR PEP +5 a For v9 Dy #2500019 pI auRipa nw orn | oeiped-ovesa | emueven | earn snp i jeg F 6) FIODse-p1d Op SOUNIF HONIOIOM GIUBUNOAUOSOG & PIOGAL 385 \walagae Motora Manual 84 524 over een won| ea INO ~ Wooay onden ma. corte eae ost 99's sive | ceri SD = Pd ORSeRUEEAD 006 owe wet vv | e96 ND — fading suenbs3 ome act oc'es age wom | 06 eNO = oan aces seme sec 2H O19 PEP sz 799 694 weeaz_| 201 1D — 0) oF soe nero ore owes | aevas SIND — 9 evowy eRe vr we wo | eect 1 -enneBan ope "00 ie eee | mews «tenia apm i 3 woes est] sesow ace | _awi-rwodwey optenvetig worw | wanes sez arse [ serowerse [ani ienesa ordering © oor ww oo'e? ves | s2sow oo'es HAI reiodiog eons 0088 008 area _| sorow coos evi enanrea ane 96 pes wen | sven ces tnt Ge} aRePOLNOH, ate wanes vaee eraet | secu case ENE euy apepiouIOW, a8 wooes aoe | sesow ieee SIMI = 1289 Horo aPeRE woos : = we | mwaren 21 PB 9I040% epEpI on OIA one aan aU [rou 9 Py Boose 3p SOunJE Ge/010Ur OUR yonuaseq) 2 PjSqay owen oor 00°86 ae aaiste eo'644 en jeroduny, oeSercKBI0 eat av'ent o's ore weer | ates Sho — Re0d9 opbeiUeB:O : rm 25°66 s0'z01 ‘at = adie ewrbE lea ave 2516 ano —ovenns a5Ue ZNO — P4015 @PeEAON ora aa ear wise aio ~ way apeR=ROHN once 0028 38 289 peao | BWO-Te99 /o10H Wa! avs wae 34 el | wow ea woot 3 00°0 a wee | ssom ass ai eanis04 9961 were w 0009 ore oros | sorew oye | swt =reeduies onbwauetso wr one wove 0 u 5069 Sw repedsg 08502309610 06 w coe ws wove ti odiog ewobsg wov09 008 v8 coke | ssmw e218 i = oucpng ’ oor at ova, | soseur ora anil re9e19 @peP NEM wee woos 16 seo 2 61 88 Tal H apepromOM 5 a8 a0 0918 ‘bu 95 eHOIOW =PEPI ou 98°96 yOu0%D «PERI oseq) Len SIBAPHEA TeoUTS'o Fy vIOdES 91d ap SOUN|E S| /oTOUI GiuaUIAFOAUOSOg @ 1GEL 3 — owe g Dose eee ‘IND ~ 1/odure, OPFRNETIO a aoe ia ses | soseu pet ‘Mi -2nnetoy ope wont os on a= eaeaiae oe ave vse, | sasow rte ‘hi eredio5 euranbeg oz ae ever | eaoweres Peat lena : 0 wer | sew aes avi =A apaEINON woos | wane | mona ae eae scan ie | oun oi | 907 erpugueA, rw | = (Boum ey TUSUETUR] BRIS OP SIDE] Bp FOURS GEST STUN OMOSSG 6 UOTE ozoL ose i Bert ort IND ~ [210009 ewaNbSa |GRSEeEEE wee eB via ee IND = 12125, ‘O20 a1U9;90ND oo “oo ee ou xa “gl = eanisog ape ore 009 eo vez 908 ‘oii ~ esodway ode x wzeL | oe van i ad ele NE eed09 eusNbsz 2 aR Ton 6 get wos 98 é 1 i ce ¢ Tee fe er aide a9 motnra Manual de go Roan Neto Feo oot i've zs'919 aceon SW ~ ode] asdee ae __ wat wal e901 ‘WD ~ epedsy ontenUeH O co'coi aoe 2616 i901 IND —(iod:eg eusanbeg ea we seal ez on 188 21M = IeaEID aPEPIENION ne oso 006 LD = 845 apepRON, a fo) 8°96 IND ~ 1289 soreWy eve!DOMD ° oon w00F TM -¥ane60n pep) 7 age west Panteog ape) eae F999 wives opbeaIeES 908 oem eg osbeuseED [woos | sues wrest buat 110009 euserbeg wore ove ever 1698 00796. wo ooo 00°98 ws oo'ra ge acon 96°20 wi o0'26 ea vores wero ‘WMI 29 HHONOW APE ws owrDot ae para w seo D1 P2IB9I0u0%D pep urine, | opped-ousag | eoueven | apew SHARIA Sou BF “igus Op anoe capacihude le eampreender a lingua stom salada e que se localiza ne lobule paci) -squerde, rte da von auditiva prima Area otora: Area onde nasee 0 foe piratsl respectoivel pelas novimentos valencs Acca de Brodmann: Mapeamento funcional do eéetss cerehel [ita por Brodmann ex Assimilagio: Procesto mediante o qual um ogguiseay trinsforma usa substéneia exce em sua propria substincia; integragio de dados navos « dadas antiges v conheciles und Piaged Astercognosia: bnpossibilidats isles, de reconhecer os abjetos « parte do tu sem vista ‘Ataxia: Falta de wooruenicto na marcha, davien 8 lest We SNC. Atetose: Movimentos Involuntrios flexo-extensae on pronn-supinadar em maos & dedos es vezes, nos pss, devido a lesa do sistema exirapiramital lardo da ms leo da hase do enedfalo; putimen, coudade ¢ pide). Atonia: Estado caractertslo por falta de tone musculas: Estado de flacidey Axial: Présinnw ao cixe do corpo. Asdaio; Fibra nervosa longa que eraz ou leva os estimlles a carpe neuron Baiismos: Movimentos violentos ¢ inescrades de grandes amplitudes, Focalizadis em lum hemicorpo devidlo a uma disfungie extrapiramidal Bradicinesia: Reducio da iucensidade do mavimenta, Cerebelo: Porsdo péstero-nierior do ancéfala situada debaixo do cézebso'e em vima do Dulbo protuberaneia. & ‘acinado por um {ébulo médio vermiforme e pelos laterals. De- ‘seinpenha um importante papel no controle da etividade motora valuntéria, nto a pla rulieagdo do ato motor como nu corvegda de tal ato durante sua realizacéo, Ginestesia: Percepeéo sensors que capaci o individu pura avallar, sera conerol stl, a diregdo ea velocidade do movimiento ea posigso das extremidades edo concn, (Sentide pelo qual se percebem os mov:rn-atos musculares, 0 peso ea yosigio dos membros. Faclov em que i escimulo sisustainente newer o stimtle eae dicesaulo, etm geeal uit s pinta a cute essimula, evoeu Un -esposta, Conduta: Qualucr agi bens wads obsersivel do organi, Consciéneia: Frade de «ls que permite 6 reeanheviments desi pepsin € do aah re que crea! Contrale do prdprio corpo: (nteriorizucio vis sensaghes relat parte da catpo. Convatsdo: Ga mnanifestay + motora (ohjeriva) de um distiriio da stividade eteerica Coordenagio de movimentos: Funcisnameita haginanioss dos diferente smusculares para exccngio de mavimeates cumplexos grupos Coordenagio (ow adaptagde) sensérie-motora: Coordensgin das sev agBes @ gs tas com vistas a fealvae ura ato completo e determinado. Goréia: Movimentos bruscas, sem cooceenagao, invuluntacins geralimente dt vaiz dome bra deviels & lesa exteapirdidal Cértex cerebral: Cupst extema dos heinisférins corchrais, de eur einva, que envoive ‘essencialmence os corps colulates das neurdnios e stax ramiticagie Cortical: Arividede liguda is edlulay do edetex cerebral ‘Crescimento: Fenémena biolégico caraetexizado por aumtenta do miinero edo taisarho dlas edlulas do organinm, Grianea: Ser humano om acelerado processo de desenvolvimiente, Grianga de alto risco: Toda celanga com riseo de dano neuroldgico no peslado pré/ peri/pée-natal Crianga de alto riseo para © desenvolvimento: Crianca suscerivel a desvin no DNPM devido a causas biopsicossociais, O risco sera reproduzivel sempre qi houver 9m continuo de agdes agressivas sobre o sistema nervoso central (SNC), Crianga de risco estabelecido: Toda criange com dana neuroligice earsecortzado por sindrame ou enfermidale conhecida, Crlatividade: Fungo invenciva de imaginagEo criadora, dssociads da int'iyncia, Crise convulsiva: Manifes:agio matora (objetiva) de um distishio da ativiade elétrica neuronal através de mavimencas eldniccs/t6nieos coma uma duraciw determnada, Dano neuroldgico (lesio neuralégica/dano cerebral): Pers anilsis dererminada por agentes nocivos sobre o sistema nervoso. 120 Sivssirio Dekeico |fmparirmens bin re sleragies feacionts ts um drgio ou sista pelea sims uy uals da esteutura so cope hucsno au ¢ \neemalidude fisics au zuncionals mfr facie, abereado tr uasvieniea, Uaeito generico; esi cungénics, genesis de um mem Dror traumaciomes, = 81S 1980), Deficidncia (Disubiy, Vsabilldn!.): Lamitagdo no devenves sub das Wabibidades pectinentes 30 ser hua: (Fala, lor, andar, cantar, ote): dafiel2uets mental, sien, aud: Deficiéneia auditiv |:j.cko ma capa iade audiivs em vriter permsnonto, ms 1d [re-verivel, deuid - » Lana stsee}mieo on Fuioelonal ce erga neuraligica eat ape otha dy + dug socura sea, Defleléncia Fisica: Lunitagio na wwacidade lsiea em earseer pe irroversivel. devido a dauo anarémico ou funcional de origom neurolégiea, muscular ou ceseltica, Defieiéneta rental: [s-viagio na “spacidacl intelectual pars solucionae poss ms em cariter permanen versive,devido a dano anaisiica ox furcions, de origem eurolfgien ou psicossocia, ove ida na etapa de dese:wwolviuento cxueo da sistema nerve so contra Deficiénecia maltipla: Ocoréucis de wutiy de ums deficit Deficiéneia visual: t:mitscdo na capacidade visual em carter permanente, mas m0 iroversfvt, devido a dirs. satbmica ou funcional de origent neurol6gica no apazelho ocula: Desenvolvimento: hpresenta a aquisigfo de fungées co.a vex sais complenas. Ocupa se de fendmenos que indican a dilsrenciactio progressiva ds dingdias ede suas expecializa Ses, no amadurecinenco de sua furcdo. Atualmente, representa duplamente ecéscine lisico e funcional Desenvolvimento neurspsicomotor (DNPM): incremento organizado das fungdes nowrapsiermotoras€ ‘mais complexas. O DNPM ter substrata orsanico © depende da int scsnuragao (mielinizagao) wue dependerd de uuinea » wlaqueda, cstimulagio psicomotora ¢ att Desmielinizagio: Processo patuligico em que as fbras nervosas miolinivadas povlem sun caput de mielina e, gradativanante, sua capacidade funcional Destro: Aquele que usa com pre‘ertncia a mie dizeita, Conresponde um predaminancia ‘a9 hemviseio corebrel esquerd Diagnostico: Processo pelo qual se avatia a fator determinate de uma pacologia. bem ‘como seus sinals setts sintomas, Pracesso de avaliagdo de uma deserminada pauilogia ‘confor:me fatores predisponentes deter ninantes « suas manifestagSee clinicas. (O procesco llagndstico se compoe de: histéria clinica, antecedents pessoais.e familiares, exame fisice ‘exams complementares). Dicotomia: Divisio bindeia, em dois grupos. Disartria: Dissirbio na coordenacie motora da fala por | c. Disgeafia: Disuizbio na escrita em que se observam substirwigbes, omisabes e inversbss de letras e de slabas, assim como Funcses de palnvrss. aos Disfonia: Alteragia no timbre ou nu tom da vow Dislafia:( suicbie da pronincia das palnyens, saenedy ser ho ep 0 Distexts. siseCuhin na leioyrs cienetertzadu por ue nike! io ceien eaterior ay yt yr rovponde wo nivel de dade anedectual do and viduo. que nib seve guww ade dans, hos sett rials tiem 9 retards mental & leitous # leuta, «os pal veo equa ener aici Dispraxia: Di «urbios da capacidade dle eoundeae as moe nentas. Discord isis 4) aio desejida eu reslicado. Distal: Pere de um membeo mais seca fe saa raigg wy whe em ners Distonia. Postura snormal com sterchos stove spe yenvvinizada, thew Pomindncia hemistériea: Cusesita que 22 refere 8 lateratica To Ua Hsngihes nestarios corebrais, purticulerment: na lingvagem, localizada sobrecusin no hee cesquerde. Domindneia ocular: Maior efetividade de um ole sabre ¢ aur Ecolalia: £ a reperigie involuntiria © mecinics de tma paloura ou frase dicas pessoa. EducacSo especial: Designa taios os aspectos a educagio, escobar ou ni, cle deficien tese inadapradas, Ungloba, por uma parte, a ensiva especial com um sentido estrico tote Fido w dominio da iasceuca; ¢, por outra, a peesigogin especial ot terupcntica que cons tinul © eunjunto sistem.iricn de procedimentos ¢ sScnicas aprupriadas sie so stlizar wa edueagio especial e na base cietifiea que a susteata, Visa promover 0 dese) vinenta europsicomator de eriancas portaloeas de deficient Educagio psicomotora: Asi polagdgien psiesiigiea que utiliza o movimeato como fim de normalizar ou melhorato sumportarnento da ening Bferente: eeposts motors, siavée de wim impulse warvosn que va do SNC pars os mils culos Encéfalo: Toda SNC, com oxcusio da medola Encefulopatia; Doeuca ou niecgao do encéfale de carter agude ou exénico. Endlorfinas: Peptideos neurotransmissores de cadeia longa (15H uminodicidos). Loe lizam-se preferencisiment= na hipéfise antecios, Idbulo médio hipotisirio © a0 cedor do ricleo arqveads hipotaldmico. A principal endorfina & a betaendorfina, Possul fungio analgesia, Egocentrismo: Austneia de distingio entre 1 realidade pesssal ¢a readade objetiva, © uma atitude psicoldyica normal nos joven. Eletroencefalograma (eg): Registro das variagbes de porencial eldtrico entre os ele- todos (regiszo bipolar) ou entre nim eletrodo e outro indiferent (egistro manopela:) situados no couro cabeludo, #xame solicitado para esclarecimenta do tipo das crises Cconvulsivas ou epilépricas. Eletromiograma (emg): Registo grifico das corrantes elétricas de am mésculo, Epilepsi Epidemiologia: Escudo dos facores que determinam ums saclogla Disturbio da arividade elétiea cerebral (neuronal) 22 Glossirio Epistemologiin: Disciplina floséfiea qu vstuda us principios materials to canoe Espasmo: Contragio museular iquolunciriaque se pave por estimulo & 80 fue pad ser elénico (con:90 mento altarnidos) ov nice (ernie