P. 1
carta para um amor perdido

carta para um amor perdido

5.0

|Views: 31.951|Likes:
Publicado pormoa sipriano
A última esperança de um homem apaixonado que luta para reencontrar um grande amor do passado é enviar uma carta ao antigo endereço do amante. História baseada em fato real.
A última esperança de um homem apaixonado que luta para reencontrar um grande amor do passado é enviar uma carta ao antigo endereço do amante. História baseada em fato real.

More info:

Published by: moa sipriano on Apr 23, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/30/2012

pdf

text

original

moa sipriano | carta para um amor perdido | 1

carta para um amor perdido
um conto da série “evangelho segundo sipriano”

Moa Sipriano
MOASIPRIANO.COM

contato: moa@moasipriano.com - www.moasipriano.com

moa sipriano | carta para um amor perdido | 2

Lovland, 9 de setembro de 2006 – dois minutos para as quatro da tarde... Timóteo, meu grande amigo, Em primeiro lugar, alimento a esperança de que esta carta chegue definitivamente em suas mãos. Aqui do outro lado está tudo em paz. Acho que não estou sendo sincero. Não posso mentir para você. Melhor dizer: “quase tudo”. Não sei como você está. Não sei onde está morando. Não sei como está a sua saúde, enfim, estou precisando desesperadamente de notícias suas! Apesar da distância física que teima em nos separar e de todos esses anos sem contato dez anos! -, quero que saiba que o carinho que sinto em relação a você jamais acabou. Pelo contrário, você não imagina as dores dos golpes em meu peito que a dona Saudade insiste em desferir, me atacando, me ferindo, me enlouquecendo. Eu sinto demasiadamente a sua falta, meu amigo. Hoje moro em uma ilha. Chama-se “Lovland”. É um lugar muito agradável e tranqüilo, perfeito para se viver uma velhice feliz - sim, Timóteo, eu já me sinto velho antes de completar quarenta anos. Nos meus amplos momentos de ócio, passo horas a caminhar pela praia, molhando os pés e parte das minhas coxas grossas e insistentemente brancas nas ondas calmas. Brinco com as águas e deixo-as purificar o que resta do meu corpo. Caminho por horas seguidas, pensando na vida, no passado, no futuro... e em você. De tempos em tempos me pego sonhando com você. E quando isso acontece, uma dor física terrível toma conta do meu peito - na verdade invade todo meu corpo. Angústia. Desolação. Passo muito mal. Quantas vezes não acordo chorando, imaginando que você está ao meu lado, e você não está. São sonhos muito realistas, onde consigo ver você, tocar em você, sentir até o perfume do seu corpo franzino. E o que me resta de consolo quando acordo é abraçar fortemente meu segundo travesseiro. Quando esses sonhos assolam minhas madrugadas, passo dias e dias matutando sobre você, tentando imaginar como você está, onde está, o que está fazendo. Eu acredito que sou capaz de sentir a sua dor e pressinto que a sua angústia é idêntica a minha. Décima quarta. Meu Deus, quantas cartas já escrevi e postei. Perdi o número de tardes que fiquei sentado na varanda de casa ansioso pelas respostas? Mas não tenho idéia se você recebeu ou não todos os meus pedidos de socorro e atenção. Sinto que uma mão sorrateira esconde minhas palavras escritas, impedindo que o meu amor chegue até você.

contato: moa@moasipriano.com - www.moasipriano.com

moa sipriano | carta para um amor perdido | 3

Há mais ou menos um mês atrás, encontrei uma moça numa comunidade da Internet (orkut) que tem o seu sobrenome e mora em Treesteps. Enviei uma mensagem, pedindo gentilmente para que ela, caso fosse sua parente ou conhecida, pedisse para você entrar em contato comigo. Mas não obtive nenhuma resposta, infelizmente. Voltando aos sonhos, recentemente tive um que me abalou fortemente, tamanha a sensação de realismo que vivi. Acordei aos prantos, nervoso, desesperado por saber alguma notícia que viesse do Sul. No sonho, eu o encontrava bebericando uma cerveja no Groove’s. Nos emocionamos ao nos vermos novamente. Ao cruzarmos nossos olhares, perdoávamos simultaneamente nossas ausências e o desejo de permanecermos unidos para todo sempre irradiou fortemente em nossos sorrisos. Queríamos estar juntos, mas algo estava nos impedindo. Ela não dava qualquer chance para a sua liberdade. Ela ainda o acorrentava nas agruras de uma união medíocre. Ela era a Dor, a Rotina, a Acomodação, a Possessividade, todas misturadas e acondicionadas no corpo d... bem, não ouso escrever aquele nome. Naquela madrugada acordei abatido pela dor da saudade e passei o dia todo com seu rosto triste povoando meus pensamentos. Nem consegui trabalhar direito. Abandonei minhas pinturas ao sabor do vento sul. Passei o dia caminhando pela praia, chorando pra caralho, implorando a qualquer um lá de cima que pudesse olhar para você, cuidar de você enquanto eu não podia fazer nada no momento. Meu Deus - penso, choro, entro em desespero -, onde você está? Timóteo, por mais que o tempo passe e por mais que ainda estejamos trilhando caminhos diferentes, nada, absolutamente nada daqueles nossos projetos fora realizado a contento. Confesso que fiz uma porção de coisas ao longo desses dez anos. Mas nada valeu a pena. Nada vale a pena sem você. Em todos os projetos que idealizamos e sonhamos juntos realizar, confesso que já tentei fazer algo com outras pessoas, outras parcerias, mas nada deu certo. Ora a “sociedade” não batia depois de algum tempo (ilusão e empolgação passageira); ora eu ficava insatisfeito e triste com os resultados obtidos, ou, na maioria das vezes, nada tinha sentido sem a sua presença única. Afinal, você sempre foi a inspiração de tudo na minha vida desde que nos conhecemos. Tudo que um dia sonhamos só terá sentido na vida se o fizermos juntos. Coloquei nossas esperanças dentro de uma gaveta lá no fundo de mim mesmo, aguardando o dia em que poderei realizar tudo aquilo que sonhei e dividir todas as conquistas com você. Ainda guardo a letra da nossa canção. Mas falta você e sua melodia perfeita!

contato: moa@moasipriano.com - www.moasipriano.com

moa sipriano | carta para um amor perdido | 4

Meu “Timóteo”, pra mim nada tem sentido sem você – vou morrer afirmando isso! Palavras clicherianas que refletem a mais pura verdade. Amado amigo, confesso que já tentei esquecer tudo o que houve entre nós, já tentei deixar você no passado, mas não consegui. Não sei se somos “almas gêmeas” (risos nervosos). Acredito que somos “almas companheiras” e que juntos temos uma chance real de mudarmos o mundo, deixarmos nossa marca, transmitirmos algo positivo para outras pessoas através da nossa arte. Sim, meu amigo, nossa música! Eu já falei um milhão de vezes sobre isso. Já escrevi tantas vezes e nunca mudei o meu discurso em relação ao que sinto por você (eu simplesmente amo!) e sobre tudo aquilo que sonhamos realizar um dia. Os seus sonhos são os meus ideais. Não sei se você também se sente assim: inquieto, ansioso e até mesmo sufocado em relação ao presente ou mesmo à falta de perspectiva no futuro. Hoje confesso para você que ainda me falta alguma coisa. Sinto-me angustiado por não conseguir progredir mais na vida, justamente porque me falta algo, e esse “algo” é você! Falta-me também energia, incentivo, motivação... não tem mais graça lutar sozinho. Tudo é só vazio. Agora choro feito um idiota, de nervoso, pois eu não tô conseguindo passar em palavras o que eu tô sentindo. Meus pensamentos sufocam meu parco vocabulário. Sabe, Timóteo, até hoje a melhor coisa que me aconteceu na vida foi ter conhecido você. Puxa, realmente não sei se era para tudo ter dado certo em Treesteps naquela época. Minha vida estava uma bagunça só. Eu tinha problemas sérios para resolver tanto em Downie (um relacionamento falido) quanto aí no Sul. A única esperança de amizade sincera que eu guardava dentro de mim era toda depositada em você. Puxa, eu literalmente me apaixonei por você quase que instantaneamente! Fiquei apaixonado pelo seu jeito de ser, pela sua honestidade, pelo seu carinho, pelo homem simples e lindo que você era. Tudo entre nós combinou imediatamente. Nossas afinidades foram instantâneas. Você se lembra, nós conseguíamos até ler os pensamentos um do outro! Só por você tudo valia a pena naquela época. Só por você eu conseguia resistir a todas as pressões que eu estava vivendo. Sei que fui um idiota, irresponsável e imaturo ao deixar a cidade subitamente; abandonar minhas coisas e nem ao menos voltar para ver você, para estar do seu lado. Você não imagina o quanto eu sofri ao partir. Voltei em prantos, desesperado, acabado. Já em Downie, nada tinha sentido. Foi difícil me recuperar. Foram anos e anos de depressão. E a dona Solidão fez morada definitiva em minha casa.

contato: moa@moasipriano.com - www.moasipriano.com

moa sipriano | carta para um amor perdido | 5

Você se lembra da quantidade de poesias que escrevi inspiradas em você e em nosso amor? Será que ainda existe alguma guardada com você? Agora escorrem soltas pelo meu rosto cansado as lágrimas de alegria ao lembrar de você musicando “Superlove”. Lembro-me também das noites frias em que caminhávamos pela cidade... nas conversas que tínhamos sentados numa mesa de bar... Porque não aproveitei ao máximo aqueles momentos? Porque não fui forte o bastante para superar os problemas e ficar definitivamente ao seu lado? Porque não lutei mais pelo nosso amor? Muitas vezes tento me consolar, acreditando que tínhamos que nos afastar e cada um tinha uma missão a cumprir junto a outras pessoas, viver outras experiências. Sei perfeitamente as barras pelas quais você passou. Eu também sofri muito, mas aprendi muita coisa boa nesses anos todos. Por isso acredito que hoje, finalmente, estou preparado para viver algo grandioso, em todos os sentidos. Mas tudo só terá gosto e sentido e razão de ser se eu puder realizar junto com você. Nunca me esqueço da última vez que nos falamos ao telefone. Foi poucos dias antes de você sair da casa dos seus pais, não é mesmo? Quase desmaiei de tanta felicidade. Meu Deus, como eu queria abraçar você, como eu queria largar tudo e ir visitá-lo naquela época. Pena que eu não podia viajar e quando viajava a trabalho, o tempo era cruel e não sobrava nem um momento de paz para mim. E o tempo se foi. Eu sei, fiz muita merda no passado. Eu sei o quanto errei e o quanto fui ausente em momentos que foram importantes para você. Mas eu juro que se agora houvesse uma chance, uma única oportunidade, eu tentaria me redimir do que errei no passado. Hoje, ao seu lado, eu seria capaz de encarar qualquer desafio para poder realizar tudo aquilo que um dia planejamos. Eu juro que não mediria esforços para fazer de você um homem feliz e completo. Bastava unir nossas forças, para que juntos pudéssemos realizar o que um dia sonhamos. Eu queria tanto abandonar meus quadros medíocres e voltar a soltar minha voz, interpretanto as nossas canções! Eu queria a alegria da sua presença. Confesso que meu coração só guarda espaço para você e mais ninguém. Sinceramente, depois de tanto me foder, não confio mais na maioria das pessoas, infelizmente. Prefiro a independência e o isolamento e realizar as coisas sozinho. Não quero nunca mais ter sócios gananciosos, falsos amigos e amantes medíocres para mais nada nessa existência. Prefiro realmente ficar sozinho. Prefiro me guardar somente para você. É só em você que posso confiar, me abrir e me expressar sem medos, sem reservas, sem traumas. Se minha intuição estiver correta e você estiver aí do outro lado se sentindo sozinho, angustiado, sufocado e sem esperanças igual ao que eu tô sentindo aqui também, acho que

contato: moa@moasipriano.com - www.moasipriano.com

moa sipriano | carta para um amor perdido | 6

finalmente chegou o tempo de nos unirmos e cumprirmos a nossa missão juntos, não é mesmo? Pense e reflita. Eu estou dando o décimo quinto passo. Se você vai querer me seguir, caminhar ao meu lado, entrar finalmente em contato, isso já é uma coisa que só você e mais ninguém poderá decidir. O mais importante é você saber que ainda tem alguém aqui que se preocupa com você. Saiba que eu também me sinto paralisado aqui. Permaneço vegetando e continuarei levando minha vidinha simples, carregando dentro de mim a esperança de estar correto em relação a tudo que eu escrevi nessa carta. Eu não tenho mais nada a perder, só a ganhar. Se por acaso você compreender o que está escrito aqui, sua intuição irá captar muito mais do que eu deixei transparecer. Algo me diz que você sabe exatamente o que eu tô tentado passar. Algo muito forte aqui dentro me diz que você também tem pensado em mim e em nossos sonhos. Algo nos une, Timóteo, eu tenho plena convicção disso. Não é por acaso que eu tô escrevendo. Não é por acaso que eu tô tomando novamente a iniciativa de um contato. Algo está escrito lá em cima. E eu sei que um dia, não importa quando e onde, nós vamos estar juntos. Sempre achei que eu era razoável com a palavra escrita, mas no nosso caso, somente quando eu poder voltar a vê-lo, a tocá-lo, a olhar bem dentro do seu olhar esmeralda, aí não vou precisar de palavras escritas ou faladas: minha alma vai se unir a sua e um simples abraço vai selar a nossa união para sempre. Timóteo, eu simplesmente... amo você. *
“Timóteo - Carta para um amor perdido” é um conto da série “Evangelho Segundo Sipriano”

contato: moa@moasipriano.com - www.moasipriano.com

O AUTOR :: MOA SIPRIANO

Nasci em Jundiaí, uma próspera cidade do interior de São Paulo. Minha mãe é uma guerreira. Tenho duas irmãs fantásticas, dois cunhados bacanas, duas sobrinhas fofas, algumas primas idolatradas e uma tia que é fora-de-série. Ah, também tenho um pai... ausente. Comecei a escrever roteiros, poesias, letras de músicas e outras bobiças aos 12 anos. Eu vivia anotando meus sonhos e minhas verdades em papéis soltos que foram se perdendo pelo caminho. Sempre escrevi histórias que de alguma maneira retratavam a homossexualidade masculina. Em 1988, após uma experiência pessoal "abalante", resolvi desabafar através de uma autoterapia forçada, escrevendo em uma noite Uma carta para Hans. Foi o primeiro conto. Em 2004, ao criar a primeira versão do meu site oficial, fiquei totalmente surpreso com a polêmica, os comentários inflamados e a repercussão positiva junto aos leitores ao publicar meus primeiros artigos na Internet: Deus x Gays, Afeminado? Tô fora e Você é Ativo ou Passivo; além da série Poltrona 47 (cinco contos que retratam as experiências sexuais de um rapaz dentro de um ônibus) e o conto Filipe ou Treze homens e um destino (história que retrata de uma maneira polêmica as atitudes de um rapaz que ao saber que pode estar contaminado com o vírus da AIDS, num momento de revolta e irresponsabilidade total resolve se vingar e transar com treze homens em um único dia). Foi este incentivo que me levou a apostar no meu tipo de literatura. Desde então, nunca mais parei de escrever, procurando aprender e evoluir a cada dia como um bom contador de histórias gays. Em 2005, por causa do sucesso do conto Filipe, busquei inspiração para desenvolver o projeto 30 dias. A história de Jägger foi realmente escrita em tempo real, conforme as datas descritas no diário do personagem. Foi um desafio enorme escrever trinta capítulos em exatos trinta dias e postar um capítulo diário, em formato de blog, em meu site. E mesmo não tendo divulgado devidamente este projeto, a repercussão foi muito promissora.

Em 2007, após editar e ampliar o conto, transformando-o em um e-book e carro-chefe na divulgação do meu trabalho, resolvi disponibilizá-lo gratuitamente em meu site. Percebendo a boa receptividade de "30 dias", acabei transformando praticamente toda minha produção literária nesse formato, tonando-me assim um pioneiro na divulgação e distribuição no Brasil de livros digitais gratuitos contendo literatura gay de qualidade. Em 2008, após mais de 20 mil downloads no Brasil de todos os meus títulos publicados e também por causa da grande quantidade de comentários incentivadores dos meus leitores é que continuo me esforçando na produção constante e divulgação permanente de uma literatura "gay" de excelente entretenimento. A homossexualidade, o amor verdadeiro, os conflitos internos, a amizade e a espiritualidade são temas recorrentes no meu trabalho literário. Espero que minhas histórias e verdades proporcionem a você momentos de agradável leitura e reflexão.

Você gostaria de investir no melhor site de literatura gay do brasil?
Se você curtiu muito o texto que acabou de ler e quiser colaborar financeiramente, apoiando o meu trabalho, faça e confirme um depósito na minha poupança (ui!) e seu nome ficará registrado em meu site – menu “colabore” – na famosa lista permanente dos leitores e fãs que apoiam o fofo do Moa! (eu me acho, né! :)

MAS, ANTES DE COLABORAR, POR FAVOR LEIA ISSO: Todo os artigos, contos e livros digitais (e-books) contidos em meu site são de minha autoria e estão disponíveis de maneira ESTRITAMENTE GRATUITA. No entanto, se você quiser CONTRIBUIR ESPONTANEAMENTE para a continuidade da produção literária exposta em moasipriano.com, poderá depositar o valor que você achar justo na seguinte contapoupança:

Caixa Econômica Federal (CEF) Agência: 2209 | Conta Poupança: 013.00034097-2 Nome: Moa Sipriano OBS: Qualquer tipo de ajuda será bem-vinda e, antes de tudo, vista como um SINAL DE GRATIDÃO E RECONHECIMENTO À PROPOSTA DESSE PROJETO. Os depósitos serão revertidos em amortização dos custos de hospedagem e manutenção do site, e também servirão na ajuda de custos de gráfica para que eu possa em breve - por conta própria lançar meu primeiro livro impresso. Por favor, jamais se sinta forçado a nada. E muito obrigado, de coração, por ser meu fã! MOA SIPRIANO.com - literatura gay de qualidade

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->