Você está na página 1de 7
Creviogéo Vert 95 Consideragées Gerais Rampa 6 © elemento de composi¢ao arguiteténica cx jo {meco & possibiltar a circulagéo vertical énire dies oe mals pisos de diferentes niveis por meio de um plano inclinedot™ 2s rampas sGo manos econémicas do que as escadas, Por con em muito espace: porém, quando bem. pr ojetadas © corretamente dimensionadas, so mais confortavels, © uso de rampas, indispensével em ediificios icos, torna See sPaPOS AcesSTveIs a pessoas portadoras de’ ne. essidades Mase, eygesMe faclita © acesso de pessoas idosce oe de wetibes (em estadios. cinemas, teatios etc). E também Sbtigatério em edificios destinados & saude (hospital Postos de Saide etc.), ao hransito de veiculos (rampas de Garagens, acessos Ge veiculos, acesso a Greas de carga 6 descarga etc.) e para unir pisos com pequenos dest AS rampas tame compositivo, Tipos de Rampas GSM como as escadas, as rampas podem ter lango reto ou Bano (iura 85), devendo ser divididas em segmentor sow Por patamares, conforme o desnivel a vencer " RoXs Rego, Escades © saidas de emergéncie, Pe to Alegre: Sagy Werneck Barbosa de Conatho @ Luiz Femay If lH Figura 55 - Rampas de lango reto e curvo, Ress Dimensdes Largura Nos edificios de uso piibico, mesmo que de propriedade privada, @ nos Greas comuns dos edificios de uso mutiifamillar, a largura minima admissivel para as rampas 6 de 1,20 m, sendo recomendavel 1,50 m. No @ no final de cada segmento da fampa devem ser previstos patamares medindo, no minimo, 1,20 m na diregéo do movimento, sendo obtigatério 0 uso de patamares intermediérios sempre que houver mudanga de dire¢o ou quando tural a ser vencida ultrapassar 3,70 ms Para atender as pessoas portadoras de necessidades especiais, as rampas devem possuir, nas suas bordas laterais, uma guia de balzamento com altura minima de 0,05 m. Esta guia orienta 0 deficiente visual e dé seguianga aos individuos que usam Muletas ou similares. As rampas devem também possuir piso tét Para sinalizagéo, com largura minima de 0,28 m, localizado antes do inicio © apés 0 téimino de cada segmento (Figura 56), NBR 900/94, NAR 90 Coulacdo Vertical nos Falfolos. Escadas e Ramoas 7 Figura $6 - Vista superior de rampa. Declividade Maxima Recomenda-se que as rampas para pedestres tenham declividade méxima de 10% e, para veiculos, de 20%. De acordo com as normas para soidas de emergéncia, as fampos para pedestes podem ter até 12.5% de declividade. Entretanto, sempre que possivel, deve-se trabalhar com uma declividade inferior a este limite. Anorma que estabelece as condigées de acessibiidade de Pessoas portadoras de necessiades especiais a edificagdes e espagos urbanos (NBR 9050/94) 6 mais exigento quanto és declividades maximas das rampas. Neste caso, a deciividade igual @ 10% 86 6 admiticia quando o desnivel méximo a ser vencido pelo segmento da rampa for igual a 75 cm. Quando a declividade da ramps for igual a §%, podem-se prever patamares intermediarios a cada 1,50 m de desnivel. A Tabela 3 ¢ a Figura 57 ilustram as dimensdes minimas @ maximas recomendadas pela norma citada. 98 Aline Wemeck Barbosa de Carvalho ¢ Luiz Femando Reis Tabela 3 - Dimensionamento das rampas Inctinagao "| Desnivels méximos | NGmeroméximo | Comprimentos ‘acmiss'vel do cada | do cada sogmento | do sogmontos da_| méximos do cada segmenio da da rampa (¢) Tampa ‘segmento da. rampa rampa(s) go) om o im 5% ou 120 1 ; 00 25% Ons 100 14 16.00 120 12 19.20 050 10 1080) 0274 3 274 80 6 5.00 075 4 7.80 12.50% ous Os T a Fonte: NBR 9050/94. Figura §7 - Declividade recomendada para as rampas. Circulagdo Vert -olnos Fficios. Fscadas @ Rampas 99 Verifica-se, pela Tabela 3, que, se a declividade da rampa for igual ou inferior a 8%, 0 seu comprimento poderd ser de até 30 m, sem patamar intermediério Para rampas curvas admitem-se inclinagdo méxima de 8.33%, OU soja, 1:12, 6 tao minimo de 3 m, medidos no perimetro iniemo & curva. Corrimaos e Guarda-Corpos Todas as rampas localizadas em edificios publics devem ser dotadas de corimdos. E fundamental que eles sejam Continuos, sem interrup¢do nos patamares, @ instalados em duas alturas, 70 © 92 om, para serem utlizados também pelas pessoas em cadeiras de rodas. Nas rampas soltas 6 obrigatério © uso de guarda-corpos, de modo semeihante ao especificado para as escadas, De acordo com a NBR 9050/94, os corllmaos devem prolongar-se pelo menos 30 cm antes do inicio e apés o téimino da rampa, sem interferir nas Greas de circulagae ou prejudicar a vazao. Quando houver necessidade de instalagdio de corrimaos intermedidrios, deve ser respeitada a distancia minima de 1.20 m entre eles, Calculo de Uma Rampa aan el Para calcular o comprimento de uma ramps, divide-se a altura a ser vencida ou o pé-direito estrutural (pé-direito somado 4 espessura da laje do piso superior) pela declividade a ser izadal Aline Vemeck Barbosa de Carvalho € Luiz Femando Res em que Cr=comprimento da rampa, PD = pé-direito, © = espessura da laje e d = declividade a ser adotada. Assim, s@ © vG0 a ser vencido tiver 3,00 m de altura e a tampa proposta fiver uma declividade de 5%, 0 comprimento da rampa sera de 60 m. Este comprimento pode ser dlvidido em vérios segmentos separados por patamares ou pode tomar formas variadas em fungdo do espace disponivel pora a implantagéo da rampa © do efelto plastico protendiio Representagao Grafica de Uma Rampa ——— ere Na representacdo de uma rampa em planta (Figuras 58 59), deve-se: inar a deciividade da tampa: Indicar a passagem do plano de segdo horizontal por meio de inha interrompida, aproximadamente a 1,50 m do piso inferior: ~Fepresentar o plano inciinado visivel por linha continua © o situado ‘acima do plano horizontal de se¢&o da planta por linha tracejada; representar o guarda-corpo; e ~cotar 0 comprimento @ a largura de cada um dos langos da rampa, ber como dos patamares. Ctculagde Vertical nos Ealficos. Escaciose Rampas Figura §8 - Representagao gréfica de uma rampa no pavimento de origem, Guarda-corpo =10% 2 Se = - 20 5,00, 4 _500 44 st ee 14,20 +— a Figura §9 - Representagdo gréfica de uma rampa em pavimentos superiores, As Figuras 60, 61 e 62 llustram a representagao gréfica de uma rampa de lance reto em planta baixa, corte longitudinal & corte transversal Is Figura 60 - Rampa, Planta baixa, Figura 61 - Rampa. Corte longitudinal AA’ TOT NIDD 8 BIOGiDg FIELIGM SUI Sey CRUBTRT AAT Sou SOCIO 8 SOPODEY SOIIP SOU OSA OGSOMOID Mine Wemnect Bort 9 Corvetho @ Luiz Femando Reis Figuiaé2-Rampa, Core transversal B-B (esto fepresentado numa escala duas ve; das figuras 60 ¢ 61), corte esta ze8 maior do que a Nos projetos arquiteténicos, recomenda-se que os rampas Go ferminem em degraus ou soleiras, devendo ser Precedidas 6 SaSEaSS SeMPIE POF patamares planes. NGO 6 pera ida a tamence Ge, Portas em rampas: estas devern estar sitvccies ar Cada lado do vao. Ro Ponto de vista construtivo, as rampas devem fer Plso Eyeide de material antidertopante e, no caso de constituirem utes de emergéncia, devem ser constuidas oe material incombus Consideragées Finai: — — — ——_—— ox Com este breve estudo, que ndo esgota o tema, 0s autores Pretenderam contribuir com os estudantes e proflsionals de Arquitetura @ Urbanismo @ Engenharia, no cue 30 refere a Tepresentacdo grdfica de escadds @ rampos. Aspectos expect fos @ detalhes relativos ds escadas feitas de madeira, aco e concreto ® escades externas seréo objeto de out trabalho, que complementard as informagées aqui apresentadas