P. 1
História da Contabilidade

História da Contabilidade

|Views: 6.952|Likes:
Publicado porSamuca_I
resumo da História da contabilidade
resumo da História da contabilidade

More info:

Categories:Types, Resumes & CVs
Published by: Samuca_I on Feb 03, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/17/2012

pdf

text

original

1

2

RESUMO A contabilidade desempenha um papel de fundamental importância na evolução da humanidade, pois desde os tempos mais remotos esteve presente no cotidiano dos homens ainda que de forma natural e espontânea. No inicio a contabilidade era praticada de forma rústica sem nenhuma fundamentação teórica, servia apenas para registro de posses. Com o passar do tempo essa consciência foi mudando, novas tecnologias foram surgindo e exigindo um detalhamento maior dos registros contábeis. O caminho percorrido pela contabilidade ate se tornar ciência foi longo e lento, até chegar ao ponto que estamos. Palavras Chaves: Contabilidade, Registro, Contador, Evolução, Partidas Dobradas.

3

Sumário INTRODUÇÃO.....................................................................................................................4 1. CONTABILIDADE DO MUNDO ANTIGO, 8000 a. C. à 1202 d. C...............................6 1.1 Fenícios, Sumérios e Babilônios.......................................................................................6 1.2 Egípcios.............................................................................................................................6 2. CONTABILIDADE DO MUNDO MEDIEVAL 1202 à 1494..........................................9 2.1 O Primeiro Milênio..........................................................................................................9 2.2 O Segundo Milênio...........................................................................................................9 2.2.1 O Método das Partidas Dobradas...................................................................................9 3. A CONTABILIDADE DO MUNDO MODERNO 1494 a 1840.....................................11 3.1 A Contabilidade no Brasil..............................................................................................11 4. CONTABILIDADE DO MUNDO CIENTÍFICO 1840 ATÉ OS DIAS ATUAIS .........13 4.1 O Período Cientifico no Brasil........................................................................................13 5. ESPECIALIZAÇÃO PRETENDIDA...............................................................................15 5.1 Assessória Contábil Municipal.......................................................................................15 5.2 Controlador Interno Municipal.......................................................................................16 Conclusão..............................................................................................................................18

4

INTRODUÇÃO

A contabilidade até se tornar ciência percorreu um grande caminho, e sofreu diversas evoluções, acompanhando as modificações sociais e econômicas da humanidade, adequando-se as evoluções do ambiente de produção e negócios, bem como aos conhecimentos e tecnologias disponíveis. A contabilidade surgiu da necessidade social de proteção à posse e de continuidade na interpretação dos fatos ocorridos com o objeto material de que o homem sempre se dispôs para alcançar os seus objetivos. O Prof. Federigo Melis afirma “Desde que o homem se preocupou com o amanhã, preocupou-se também, em fazer as contas, mas, em verdade, nem sempre soube, racionalmente, o que fazer com as informações que guardou”. Kenneth S. Most, afirma que arqueólogos com freqüência encontram evidências da presença de algum tipo de contabilidade na maioria das civilizações antigas. Os homens primitivos representavam seus patrimônios (rebanhos, metais e outros bens) por meio de desenhos e gravuras pintadas nas paredes das cavernas e em ossos, por meios de riscos ou sulcos. Observava-se que o objeto desenhado era aquele que eles queriam controlar e estava sempre acompanhado da quantidade existente. Pesquisadores acreditam que tanto a escrita quanto a aritmética tiveram suas origens quando o homem deixou a forma básica de subsistência de caçador, e voltou-se à organização da agricultura e do pastoreio. A organização econômica acerca do direito do uso do solo acarretou em separatividade, rompendo a vida comunitária, surgindo divisões e o senso de propriedade. Assim, cada pessoa criava sua riqueza individual. No primeiro tópico do presente artigo esta disposta à contabilidade no mundo antigo, período em que se deu o surgimento das primeiras noções de contabilidade, as principais civilizações responsáveis pelo surgimento e evolução da contabilidade e a duração desse período. O segundo tópico Trata da Contabilidade no Mundo Medieval a duração de desse período, e as principais descobertas ocorridas no campo da Contabilidade a exemplo do conceito de Zero, Sistema numérico arábico e o Método das Partidas Dobradas. O terceiro tópico apresenta um estagio mais evoluído da contabilidade é

5

o inicio da sistematização quando a contabilidade começa a se tornar uma ciência. Trata também do inicio da contabilidade no Brasil e sua evolução. O quarto tópico trata da contabilidade no mundo Moderno, sua sistematização, o inicio do ensino de contabilidade em faculdades e o reconhecimento de diplomas dos diplomas dos contadores. Comenta também a contabilidade moderna e os principais acontecimentos desse período no Brasil. No quinto tópico estão dispostos os ramos de especializações pretendidas na área contábil e discorre um pouco sobre o que faz o profissional que atua nos ramos Assessoria Contábil da Área Pública e Controlador Interno Público.

6

1. CONTABILIDADE DO MUNDO ANTIGO, 8000 a. C. à 1202 d. C. 1.1 Fenícios, Sumérios e Babilônios Alguns historiadores acreditam que foram os Fenícios os responsáveis pela evolução da Contabilidade por se tratar de um povo mercador e de a Contabilidade está ligada a necessidade de registros do comércio. Também é atribuído ao povo Fenício o Surgimento das trocas em bases monetárias e a simplificação dos registros em desenhos por símbolos, porem são apenas teorias.
Fig. 1 Alfabeto Fenício

Outros acreditam que os primeiros registros Patrimoniais com indícios de técnicas contábeis que se tem conhecimento foram encontrados entre os Sumérios e os Babilônios povos habitantes da Região da antiga mesopotâmia mais especificamente entre os Rios Tigre e Eufrates. Esses povos utilizavam fichas de barro como identificação de mercadorias, com o passar dos anos essas fichas foram sendo aperfeiçoadas e contendo mais informações das mercadorias, bem como da divida de uma pessoa para com a outra. A atividade de troca e venda dos comerciantes requeria o acompanhamento das variações de seus bens quando cada transação era efetuada. As trocas de bens e serviços eram seguidas de simples registros ou relatórios sobre o fato.
Fig. 2 Mesopotâmia

1.2 Egípcios Com o advento da agricultura nas planícies de inundação do baixo Nilo o povo egípcio deu um grande passo na evolução da contabilidade, pois a utilização do papiro1 possibilitou a elaboração de registros mais sofisticados possibilitando também seu armazenamento em folhas de livro. Os escribas representam os
1

Planta, da família das ciperáceas, é muito comum nas margens de rios da África. As folhas são longas e fibrosas, um pouco semelhantes às folhas de cana-de-açúcar.

7

primeiros contadores. Eram encarregados de registrar nas folhas de papiro, os movimentos da produção agrícola, armazenamento da produção, cobrança de impostos e taxas entre outras movimentações. Era o Surgimento do Livro Contábil. Os escribas eram focalizados pelo Fisco Real o que tornava os escriturários mais sérios e zelosos no exercício de sua profissão. Outro grande avanço dos Egípcios foi na analise do patrimônio e na distribuição das despesas por centros de aplicação. Por volta de 2000 a. C., os livros e documentos comerciais eram obrigatórios, mostrando ênfase no aspecto econômico. No decorrer do tempo os egípcios que utilizavam figuras e símbolos para escriturar seu patrimônio passaram a utilizar sinais gráficos. O que diminuiu substancialmente o tempo de elaboração de registros administrativos cada vez mais volumosos. Em suma, os egípcios legaram um riquíssimo acervo aos historiadores da Contabilidade, e seus registros remontam a 6.000 anos antes de Cristo. 1.3 Cretenses, Gregos e Romanos A Grécia é conhecida como uma das mais avançadas civilizações da antiguidade, com grandes pensadores que influencia até a bagagem conceitual da humanidade. Entre 2100 a.C. e 1580 a.C. a Grécia teve seu apogeu agrícola e industrial. O estado controlava toda a produção por meio dos registros contábeis, sistematizados, era tão apurado que possibilitava o conhecimento do patrimônio estatal2. Os gregos, baseando-se em modelos egípcios, 2.000 anos antes de Cristo, já escrituravam Contas de Custos e Receitas, procedendo, anualmente, a uma confrontação entre elas, para apuração do saldo. Os gregos aperfeiçoaram o modelo egípcio, estendendo a escrituração contábil às várias atividades, como administração pública, privada e bancária. O grande e vasto Império Romano, sucedeu os gregos, aprimoraram sistemas de administração e rica ciência jurídica. Possuíam um grande elenco de intelectuais e tinham uma estrutura social bem definida. Sabe se que deram grande contribuição na evolução da contabilidade, porém nada se pode provar, pois todos os registros contábeis da época foram destruídos durante a queda do Império romano.
2

Pertencente ou Relativo ao Estado

8

A história da Contabilidade está revestida de fatos que demonstram uma evolução muito lenta no tempo, prendendo-se em sua manifestações primeiras, exclusivamente, à própria história das Contas, ou seja, fazer daquilo que se tem ou daquilo que deverá ser entregue a terceiros. Os principais fatores responsáveis pela evolução da contabilidade são:      A preocupação com as propriedades e a riqueza; A necessidade de aperfeiçoar seu instrumento de avaliação da situação patrimonial; O anseio do homem, de por ordem nos lugares em que habita; O acompanhamento da evolução do patrimônio líquido das entidades; O desenvolvimento das teorias contábeis e de suas práticas.

9

2. CONTABILIDADE DO MUNDO MEDIEVAL 1202 à 1494

2.1 O Primeiro Milênio Entre os acontecimentos mais importantes desse período, esta a influência predominante dos Árabes, que a partir do século VII, influenciados pelos Indianos, descobridores do conceito de zero e responsáveis pelo aprimoramento das obras de Ptolomeu, difundiram o conceito do zero e toda a lógica aritmética e algébrica, bem como o sistema numérico arábico. Todos esses acontecimentos são fundamentais na evolução da contabilidade, Imagine como seria difícil somar, multiplicar e dividir com o sistema numérico Romano! Os comerciantes, matemáticos e aventureiros europeus aprenderam muito com os Árabes. Um dos mais conhecidos desses europeus é o autor Leonardo Fibonacci, que foi um dos maiores divulgadores do sistema numérico arábico no continente.

2.2 O Segundo Milênio Nesse período houve o aperfeiçoamento e o crescimento da Contabilidade foram à conseqüência natural das necessidades geradas pelo advento do capitalismo, nos séculos XII e XIII. O processo de produção na sociedade capitalista gerou a acumulação de capital, alterando-se as relações de trabalho. O trabalho escravo cedeu lugar ao trabalho assalariado, tornando os registros mais complexos. No século X, apareceram as primeiras corporações na Itália, transformando e fortalecendo a sociedade burguesa. No final do século XIII surgiu pela primeira vez a conta "Capital", representando o valor dos recursos injetados nas companhias pela família proprietária. Mas um dos acontecimentos mais importantes desse período foi a Contabilidade por Partidas Dobradas.

2.2.1 O Método das Partidas Dobradas

10

A obra de Frei Luca Pacioli, denominada "Summa de arithmetica, geometrica, proportioni et proportionalitá" era um tratado matemático que incluía uma seção denominada "Tratactus de Computis et Scripturis" (Contabilidade por Partidas Dobradas). Nessa seção, Pacioli apresentava o sistema de escrituração por partidas dobradas e o raciocínio dos lançamentos contábeis, ou seja, os débitos e os créditos. O Principio das partidas dobradas é o método, segundo o qual todo lançamento a crédito em uma conta, faz com que surja outra conta com a mesma importância a débito. Pacioli, apesar de ser considerado o pai da Contabilidade, não foi o criador das Partidas Dobradas. O método já era utilizado na Itália, principalmente em Toscana, desde o Século XIV. Frei Luca Pacioli, que viveu na Toscana, no século XV, marca o início da fase moderna da Contabilidade. A obra de Pacioli não só sistematizou a Contabilidade, como também abriu precedente que para novas obras pudessem ser escritas sobre o assunto. Pacioli tinha uma visão abrangente, e seus comentários são relevantes até hoje. Pacioli (1494) Em sua obra Contabilidade por Partidas Dobradas explana sobre o encerramento do balancete:
Para que tudo fique mais claro no encerramento mencionado, é necessário que faça esta outra comparação, a saber, somar numa folha de papel todos os débitos de Razão + e colocá-los do lado esquerdo, e somar todos os créditos e colocá-los do lado direito, e depois estas últimas somas serão ressomadas; uma das somas será o total dos débitos, e a outra será o total dos créditos. Agora, se as duas somas forem iguais, ou seja, uma for igual à outra, ou seja, as somas dos débitos e créditos, sua conclusão será a de que seu Razão terá sido bem mantido(...) e encerrado pelo motivo mencionado acima no Capítulo 14; mas, se uma das somas for maior do que outra, terá havido um erro no seu Razão, o qual, com diligência, será melhor que o controle com a inteligência que Deus lhe deu, e com os recursos de raciocínio que tiver adquirido, e que são muito necessários para o bom comerciante, como dissemos no início; caso contrário, não sendo um bom contador em seus negócios, andará como um cego, e muitas perdas poderão surgir.(...) (P. não Inforamada)

11

3. A CONTABILIDADE DO MUNDO MODERNO 1494 a 1840

O período moderno foi considerado à fase da pré-ciência. Onde a Contabilidade tornou-se uma necessidade para se estabelecer o controle das inúmeras riquezas que o Novo Mundo representava. E iniciou-se a preocupação com a teorização e a formação de doutrina que pudessem explicar e interpretar os fenômenos da riqueza. Foi definido o caminho em direção à Ciência. Buscava-se nesse período uma conceituação que se expressasse generalizando a verdade comum a cada experiência de observação particular. Oliveira, (2003, p. 13) “O conceito é o caminho da enunciação das verdades e estas, o das formações teóricas. Só um conjunto de teorias constrói a ciência”. Com o inicio da revolução industrial houve a necessidade de mais capital, o que gerou o surgimento demais bancos para suprir as necessidades financeiras das empresas comerciais, os investimentos em dinheiro determinaram o desenvolvimento de escritas especiais que refletissem os interesses dos credores e investidores e, ao mesmo tempo, fossem úteis aos comerciantes, em suas relações com os consumidores e os empregados. Os investimentos em maquinas e equipamentos e o emprego dos ativos fixos no processo de fabricação tiveram impacto significativo para a contabilidade. Tornando o conceito de depreciação muito importante. Nesse período houve uma necessidade muito grande de sistema que se adequassem ao cenário contábil, isso fez com que a contabilidade chegasse as Universidades. A Contabilidade começou a ser lecionada com a aula de comércio da corte, em 1809.

3.1 A Contabilidade no Brasil Com a instituição do governo geral, chegaram ao Brasil os provedores da fazenda que acumulavam esse cargo com o de contador, eram os primeiros contadores em solo brasileiro. Com o desenvolvimento da Colônia cartas régias passaram a regulamentar os princípios contábeis que instituíam cargos e funções da administração fazendária.

12

Em 1770 em Portugal foi baixada a lei que regulamentava o exercício da profissão contábil. A vinda da Família Real Portuguesa para o Brasil incrementou a atividade colonial, exigindo, devido ao aumento dos gastos públicos e também da renda nos Estados, um melhor aparato fiscal. Portanto, constituiu-se o Erário Régio ou o Tesouro Nacional e Público, juntamente com o Banco do Brasil (1808). As Tesourarias de Fazenda nas províncias eram compostas de um inspetor, um contador e um procurador fiscal, responsáveis por toda a arrecadação, distribuição e administração financeira e fiscal. A vinda da família real para o Brasil possibilitou também o inicio do ensino contábil em terras brasileiras, com a instalação em 1810, da aula de comercio da corte. Desde então novas escolas foram fundadas, desenvolvendo seus próprios métodos. A mais antiga instituição profissional e cultural da Ciência contábil que se tem noticia no Brasil é a associação dos Guarda Livros da Corte fundada em 18 de Abril de 1869 na cidade do Rio de Janeiro. Era o inicio da Organização da Classe contábil no Brasil.

13

4. CONTABILIDADE DO MUNDO CIENTÍFICO 1840 ATÉ OS DIAS ATUAIS Nesse período surgiram os grandes mestres da metodologia contábil como Francesco Villa, contabilista publico que escreveu “La Contabilità Applicatta alle administrazioni Private e Plubbliche” A contabilidade Aplicada a Área Publica e Privada, e o escritor veneziano Fabio Bésta. Os estudos envolvendo a Contabilidade fizeram surgir três escolas do pensamento contábil: a primeira, chefiada por Francisco Villa, foi a Escola Lombarda; a segunda, a Escola Toscana, chefiada por Giusepe Cerboni; e a terceira, a Escola Veneziana, chefiada por Fábio Bésta. Em 1923, definiu-se o patrimônio como objeto da Contabilidade. O enquadramento da Contabilidade como elemento fundamental da equação aziendalista3, desenvolvida por Vicenzo Mazi, teve, sobretudo, o mérito incontestável de chamar atenção para o fato de que a Contabilidade é muito mais do que mero registro; é um instrumento básico de gestão. Porem a escola Européia teve peso excessivo da teoria, sem demonstrações práticas, sem pesquisas fundamentais: a exploração teórica das contas e o uso exagerado das partidas dobradas, inviabilizando, em alguns casos, a flexibilidade necessária, principalmente, na Contabilidade Gerencial, preocupando-se demais em demonstrar que a Contabilidade era uma ciência ao invés de dar vazão à pesquisa séria de campo e de grupo. Com o declínio das escolas européias as escolas norte-americanas floresciam com suas teorias e práticas contábeis, favorecidas não apenas pelo apoio de uma ampla estrutura econômica e política, mas também pela pesquisa e trabalho sério dos órgãos associativos. O surgimento do Instituto Americano de Contabilistas Públicos Certield foi de fundamental importância no desenvolvimento da Contabilidade e dos princípios contábeis.

4.1 O Período Cientifico no Brasil

3

Aziendalismo é uma teoria científica italiana que define como objeto de estudo da contabilidade a azienda.

14

No Brasil esse período foi marcado por inúmeros acontecimentos dentre os quais se destacam o reconhecimento dos diplomas da Academia de comercio do Rio de Janeiro e da Escola Prática de Comércio de São Paulo em 1905. Nos anos que se seguem observa-se uma historia de lutas, com a fundação de associações Profissionais, sindicatos e institutos, processo esse Levaria mais tarde à criação dos Conselhos Federais e Regionais de Contabilidade. O primeiro congresso de contabilidade do Brasil aconteceu no Rio de Janeiro em 1924. Esse congresso teve como propósito a criação de uma lei que regulamentasse o exercício da profissão contábil. A batalha para aprovação dos projetos de Lei que regularizavam o exercício da profissão contábil foi árdua, pois, vários projetos eram apresentados e não aceitos. Até que em 1946 o presidente Eurico Gaspar Dutra aprovou o Decreto Lei nº 9295/46 que dispõe sobre a Criação do Conselho Federal de Contabilidade, define as atribuições do Contador e do Guarda-livros, e dá outras providências. No esforço para o reconhecimento da profissão, algumas personalidades atuaram para que isto ocorresse. Merecem destaque o Senador João Lyra, Francisco D’Auria, Raul Vaz, Frederico Hermann Junior, e outros que não mediram esforços para ajudar a Consolidar a Profissão.

15

5. ESPECIALIZAÇÃO PRETENDIDA

5.1 Assessória Contábil Municipal Dentre os vários ramos de atuação que a profissão de Bacharel em Ciências Contábeis possibilita, o que mais me despertou interesse foi a Acessória Contábil para Área Publica e Controladoria Interna da Área Publica. Na área publica o assessor contábil deve auxiliar a administração municipal (prefeito) no controle das finanças municipais, assim como na prestação de contas ao mais variados Órgão fiscalizadores como o TCE – MT (Tribunal de Contas do Estado do Mato Grosso). A contabilidade pública é praticamente toda regida por leis Federais, estaduais e municipais. As principais são: • Lei nº 4.320/64 de 17 de Março de 1964 que Estatui4 Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. • Lei nº 8.666/93 de 21 de Junho de 1993 que Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. • Lei Complementar nº 101/00 de 4 de Maio de 2000, que Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Alem das leis citadas acima, em 6 de Março de 2007 o TCE-MT aprovou a Resolução nº 1/2007 que Aprova o “Guia para implantação do Sistema de Controle Interno na Administração Pública”, estabelece prazos e dá outras providências. Essa Resolução possibilita a criação de um novo ramo de atividade para os contabilistas que é o cargo de Assessor de Controle Interno ou até mesmo de Controlador Interno, pois o cargo exige uma pessoa que tenha formação acadêmica ou que seja assessorado por alguém com formação acadêmica. O assessor contábil da área publica deve conhecer bem as leis acima citadas, pois, elas regulamentam todo o setor público e estabelecem datas e prazos para a elaboração de das leis municipais e prestação de contas aos órgãos de fiscalização.
4

Determina em Estatuto; Estabelece.

16

O assessor contábil deve também elaborar juntamente com a Administração pública e de acordo com as normas estabelecidas na lei 4320/64, o PPA (Plano Pluri Anual) que é a lei que estabelece todo o plano de ação para os quatro anos, ou seja, programas e projetos de longa duração. Essa lei deve ser bem detalhada citando a estimativa de quando e quanto será arrecadado em repasses do governo, impostos e taxas, e quando e quanto será gasto na execução dos programas, projetos e atividades da Administração nos quatro anos de exercício. Baseado nos valores e prazos estabelecidos no PPA o assessor contábil deve elaborar também a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) essa lei deve ser elaborada no exercício anterior a sua vigência. A LDO tem o objetivo de orientar a elaboração da orçamentária anual (LOA), e definir as Metas e prioridades do PPA para o exercício corrente. Após definidas as Metas e Prioridades deve-se elaborar a LOA (Lei Orçamentária Anual). A LOA estima as receitas que o governo espera arrecadar durante o ano e fixa os gastos a serem realizados com tais recursos. Durante o exercício o assessor contábil deve estar atento ao cumprimento do que esta disposto nas Leis PPA, LDO e LOA, pois, haverá prestação de contas mensal e anual qual quer modificação em qualquer uma das leis sem prévia alteração aprovada pelo poder legislativo acarretara no veto de repasses dos governos estaduais e federais e ainda em multas ao gestor.

5.2 Controlador Interno Municipal Com a aprovação da resolução 1/2007 do TCE-MT, pode ser criado o cargo de controlador interno. O Controlador devera desenvolver um conjunto de atividades, planos, métodos e procedimentos interligados utilizado com intenção de assegurar que o objetivo dos órgãos e entidades da administração pública sejam alcançados. de forma confiável e concreta, evidenciando eventuais desvios ao longo da gestão, até a consecução dos objetivos fixados pelo Poder Público. As irregularidades no exercício serão punidas, como comenta disposto na Resolução nº 1/2007 (2007):
Art. 6° O responsável pelo sistema de controle interno, sob pena de responsabilidade solidária, deverá representar junto ao Tribunal de Contas do Estado sobre as irregularidades e ilegalidades que evidenciem danos ou

17

prejuízos ao erário não reparados, integralmente, através das medidas adotadas pela administração. (p.3)

O interesse por essas áreas de atuação se deu devido a três anos de trabalho em uma empresa que prestadora de serviços para área publica. O conhecimento adquirido nesse período motivou-me a buscar expandir ainda mais meus conhecimentos de área publica.

18

Conclusão O objetivo do presente Artigo é apresentar de forma sintética o a origem e evolução da Ciência contábil no Brasil e no mundo, os principais agentes de sua evolução e suas contribuições para humanidade. O surgimento da escrita é uma das grandes contribuições que a contabilidade possibilitou, pois, foi devido à necessidade de escrituração patrimonial que a escrita surgiu e difundiu-se no mundo. O surgimento do sistema numérico arábico utilizado no mundo atual é uma contribuição do povo indiano e árabe para a humanidade e seu surgimento também atribuído a contabilidade. Esses são apenas algumas das grandes contribuições da contabilidade, porém no decorrer dos anos maquinas foram criadas, metodologias de ensino foram desenvolvidos, tudo para que hoje tivéssemos um sistema contábil bem fundamentado. “Conhecer o passado fornece as ferramentas ideais para construir o futuro”.

19

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CECCONELLO. Antonio Renato; BARBOSA. Claudionor Francisco; CÉLICE. Eduardo de Sousa; KAUNROUZAN. Márcia Covaciuc; GIORGI. Wanny Arantes Bongiovanni Di. Método e Técnicas de Pesquisa em contabilidade. Coordenação Antonio Benedito Silva Oliveira. Saraiva. São Paulo. 2003. DRUMOND, M. H. F. Ciências Contábeis da arte à ciência. 8.000 anos de história. Rev. Bras. Cont., v.24, n.93 junho, 1995. HENDRIKSEN, E. S.; BREDA, M. F. V. Teoria da Contabilidade. Atlas. São Paulo. 1999. IUDÍCIBUS. Sérgio. Contabilidade: Aspectos Relevantes da Epopéia de Sua Evolução. São Paulo, Ago. 2005. Disponível em: http://www.eac.fea.usp.br /cadernos/completos/cad38/sergio_eliseu_ncarvalho_pg7a19.pdf acessado em 10 de Abr. de 2009. _________, Sérgio. MARION José Carlos. Introdução a Teoria da Contabilidade. Atlas. São Paulo.2000. _________, Sérgio. Teoria da Contabilidade. 5º ed. Atlas. São Paulo.1998 PACIOLI. Luca. Contabilidade por Partidas Dobradas. Veneza. 1494. ZANLUCA. Júlio César. História da Contabilidade. Portal de Contabilidade. São Paulo. Abr. 2009. Disponível em: <http://www.portaldecontabilidade.com.br/ tematicas/historia.htm>. acessado em 5 de Abr. 2009.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->