Você está na página 1de 1

A guerra dos sexos trava-se dentro dos ovários, as armas são

os genes

Por Clara Barata

http://jornal.publico.clix.pt/noticia/12-12-2009/a-guerra-dos-sexos-travase-dentro-dos-ovarios-as-
armas-sao-os-genes-18399700.htm

Se gene do cromossoma três for desactivado, mulheres começam a produzir células


como as dos testículos

Se um bebé é menino ou menina, depende do cromossoma Y, que transportava o


espermatozóide do pai que fertilizou o óvulo da mãe. Mas a resposta completa é
um bocadinho mais complicada. Já se sabia que o embrião tinha de desencadear
uma guerra hormonal para se tornar macho; agora, uma equipa de cientistas
europeus descobriu que mesmo nos ovários de fêmeas adultas decorre uma guerra
para que estes não se transformem em testículos.
Nos humanos, o sexo é determinado pelos cromossomas: as mulheres têm dois X,
e os homens têm um X e um Y. Enquanto o X é enorme, o Y é pequenino, com
poucos genes - mas com um fundamental, chamado SRY. É responsável por
desencadear o desenvolvimento dos testículos, activando outro gene, chamado
SOX9, que faz com que se desenvolvam testículos no embrião em vez dos ovários
que seriam o seu destino, se o SRY não entrasse em acção. Por isso, existia a ideia
de que o embrião era feminino por defeito.
O trabalho publicado na revista Cell esta semana, coordenado por Mathias Treier,
do Laboratório Europeu de Biologia Molecular, mostra que, nos adultos, é o
caminho para se transformar num macho que tem de ser constantemente
contrariado pelas fêmeas.
Esta descoberta pode ter importantes implicações para compreender desordens do
foro sexual em crianças e casos de menopausa prematura, sublinham os
investigadores, citados num comunicado da Cell.
Mas em termos de ciência básica, além de descobrir os mistérios fundamentais da
vida, há ainda outro ponto muito interessante nesta descoberta: o gene que
mantém o SOX9 inactivo, para que os ovários continuem a funcionar, não fica no
cromossoma X e muito menos no Y: fica no cromossoma três, chama-se FOXL2 e
não está activo apenas durante o desenvolvimento embrionário. É também
produzido em grande quantidade durante a idade adulta e actua com receptores de
estrogénio à superfície das células do ovário para reprimir a acção do SOX9.
Em experiências feitas em ratinhos, se a acção do FOXL2 for inibida, os ovários
começam a produzir linhagens celulares típicas dos testículos, como as de Sertoli e
de Leydig, e a produzir testosterona. "Como o yin e o yang, o FOXL2 e o SOX9
opõem-se à acção um do outro para garantir o estabelecimento e manutenção dos
diferentes tipos celulares femininos e masculinos", diz Treier, citado pela Cell.