Você está na página 1de 2

Livros para o sapatinho

Por Carlos Fiolhais

http://jornal.publico.clix.pt/noticia/18-12-2009/livros-para-o-sapatinho-18436988.htm

Como estamos no Natal, sugiro uma mão-cheia de livros recentes para pôr no
sapatinho

Como estamos no Natal, sugiro uma mão-cheia de livros recentes para pôr no
sapatinho (a ordem é alfabética do autor):
- Umberto Eco, A Vertigem das Listas, Difel. O famoso professor e escritor da
Universidade de Bolonha, pouco depois de ter publicado entre nós um livro em
defesa dos livros no qual refere os morcegos da Biblioteca Joanina (A Obsessão do
Fogo, com Jean-Claude Carrière, Difel), regala-nos com esta obra ilustrada sobre
listas. O estilo é claramente "Eco" e a apresentação segue a linha estética
da História do Belo e da História do Feio.
- Ben Goldacre, Ciência da Treta, Bizâncio. A pseudociência na área das
ciências da saúde - desde milagrosas desintoxicações até aos supostos perigos das
vacinas, passando pela homeopatia e outras curandices sortidas - é desmascarada
por um médico inglês que conhece bem o método científico e não tem papas na
língua a declarar onde ele está ausente.
- Luísa Costa Gomes, Ilusão (ou o que quiserem), D. Quixote. Um romance
que retrata um país e um tempo onde a escola parece sem rumo. Veja-se, por
exemplo, este trecho em que Jorge trava o seguinte diálogo com a sua mulher, a
"sotôra" Teresinha, professora de Português: "O ensino tem de ser centrado no
aluno!", ajudei. "Não vês que é exactamente o que estou a fazer?" E disse à Jes-
sica: "Fazes uma composição como se estivesses a escrever mensagens aos teus
amigos. Experimenta. E ela aceitou o desafio." A Teresinha estende-me então meia
folha, mal rasgada ao meio e muito amarrotada: "k ir ao c kumersial? tou tesa! vi
la uma caia bué! bora ao kafe! ta de xuva! Tns money? O kajo tb vai! e ka um pao!
k tu! kto custa? k? a caia! cei la! m e pra saber, fdse! tnsmoney? não! atao nao
da." "É um princípio", disse eu (...). Depois de uma negociação interessante,
comprometeu-se a ler os bilhetes de autocarro e os menus do McDonald. São
coisas da vida de todos os dias e afinal nós estamos a educar para a vida."
- David Landes, A Revolução no Tempo, Gradiva. Do economista de Harvard
autor de A Riqueza e a Pobreza das Nações, outra grande obra, que é uma
verdadeira história cultural do tempo e dos relógios, portanto, uma história da
civilização. No Cap. 3 conta como os jesuítas introduziram, no século XVI, relógios
mecânicos na China, entrando por Macau.
- A. E. Maia do Amaral (organização), Tesouros da Biblioteca Geral da
Universidade de Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra. Volume
ricamente ilustrado sobre a mais antiga das bibliotecas portuguesas, para o qual
escrevi o prefácio. Apresentam-se os seus espaços e o seu recheio, que para
muitos será surpreendente: manuscritos iluminados, tipografia quatrocentista e
quinhentista, espólios literários e científicos, fundos musicais, imprensa periódica
portuguesa, imagem fotográfica, marcas bibliográficas, etc. É uma óptima prenda
de Natal!
- Rui Ramos (coordenador) com Bernardo Vasconcelos e Sousa e Nuno
Gonçalo Monteiro, História de Portugal, Esfera dos Livros. Uma nova história
de Portugal num só volume, escrita por historiadores da nova geração. À medida
que o tempo passa, a história surge naturalmente com novos olhos e esta é, por
isso, uma síntese necessária e útil. Fundamental para entrarmos prevenidos no
futuro.
- Jorge Reis-Sá e Rui Lage (organização), Poemas Portugueses. Antologia
da Poesia Portuguesa do Séc. XIII ao Séc. XXI, Porto Editora. Somos um
país de poetas? Esta antologia de poesia portuguesa com 2152 páginas, organizada
por ordem cronológica do nascimento dos autores, desde o Pai Soares de Taveirós,
trovador do início do século XIII, até Luís Quintais, o antropólogo-poeta
contemporâneo, dá a entender que sim.
- Maria Helena da Rocha Pereira (coordenação e tradução), Hélade.
Antologia da Cultura Grega, Guimarães. Um livro actual apesar de a primeira
edição remontar aos 50. Da responsabilidade da mais consagrada das nossas
classicistas, trata-se de um clássico da cultura nacional. Esta é uma nova edição do
prelo da renovada editora Guimarães.
Boas leituras em 2010!
Professor universitário (tcarlos@teor.fis.uc.pt)