Você está na página 1de 2

Shaken, not stirred.

E com um cheirinho a morte


Por José Vítor Malheiros

http://jornal.publico.clix.pt/noticia/20-01-2010/shaken-not-stirred-e-com-um-
cheirinho-a-morte-18623633.htm

No Haiti há um resort cercado por um muro de 3,5 metros de altura e protegido


por guardas armados

Três dias depois de o sismo de 12 de Janeiro ter arrasado o Haiti e ter deixado 200.000 mortos
sob os destroços das suas casas, um navio da companhia americana Royal Caribbean,
o Independence of the Seas, atracou na costa norte da ilha.
O navio não levava medicamentos, nem tendas para os desalojados, nem cães para detectar
sobreviventes soterrados, nem bulldozers para remover escombros, nem trabalhadores
humanitários. Trazia turistas, que participavam num cruzeiro caribenho, e que vieram gozar a
habitual paragem na praia de Labadee, um resort cercado por um muro de 3,5 metros de altura
e protegido por guardas armados, que garantem que nenhum dos miseráveis haitianos que
vivem do lado de lá perturbará o calmo mergulho nas águas cor de esmeralda ou o churrasco
servido nas areias douradas que a empresa proporciona aos seus clientes. E assim foi. Depois
de uma estadia de 24 horas, durante a qual os turistas não tiveram de ver as pilhas de corpos
em decomposição recolhidos das ruínas, nem as crianças subnutridas que aguardam
tratamento nos hospitais de campanha, nem a violência das pilhagens pelas ruas, o navio
seguiu viagem com os seus passageiros, em direcção ao paraíso tropical seguinte.
É verdade que muitos dos passageiros, conscientes do que se passava do lado de lá dos
muros - cujas imagens enchiam os noticiários das televisões dos seus camarotes -, não
quiseram sequer descer à praia. E é verdade que o navio deixou na ilha quarenta paletes de
ajuda alimentar e que a empresa de cruzeiros se comprometeu a entregar como donativo as
receitas da estadia. Mas, apesar destes leves paliativos, não se pode deixar de sentir que o
episódio contraria as mais elementares regras da decência. Como se pode beber um martini
quando há ao lado uma criança que morre por falta de água? Como podemos balançar numa
rede entre dois coqueiros quando, ali ao lado, ouvimos o grito dilacerante da rapariga de 14
anos que chora a morte do seu irmão de cinco anos, esmagado debaixo de uma casa sob
cujos escombros ela sobreviveu cinco dias? É fácil responder que o martini não pode matar a
sede à criança e que a anulação do cruzeiro iria prejudicar ainda mais a quase inexistente
economia haitiana, mas nenhum sarcasmo e nenhum cálculo conseguem disfarçar o nó nas
nossas tripas. Será tão difícil perceber que algo está profundamente errado? Será tão difícil
perceber que esta desigualdade é indecente?
A questão é que o que se passou neste cruzeiro não foi muito diferente do que se passou das
outras vezes em que o Independence of the Seas atracou em Labadee. O Haiti é desde há
muito o mais pobre país das Américas e a esmagadora maioria da sua população vive abaixo
do limiar de pobreza, com um por cento da população a arrecadar metade do produto nacional.
Do outro lado do muro de três metros e meio de altura sempre houve fome. E casas que não
oferecem qualquer garantia de protecção contra sismos. Mesmo sem uma catástrofe a mostrar
nas televisões a morte e a violência, a pobreza e a sordidez, o Haiti - que tem a glória de ser o
único Estado moderno que nasceu de uma revolta de escravos - é desde há muito um dos
caixotes de lixo do mundo, um país exportador de escravos, explorado sucessivamente pela
França e pelos EUA, que apoiaram as suas múltiplas ditaduras, condenado à miséria e à
doença (recordam-se da sida?) e esquecido do mundo. As promessas de ajuda de hoje devem-
se apenas à presença no primetime. E a escala do Independence of the Seas só nos parece
chocante hoje pela mesma razão. Há muito tempo que os passageiros doIndependence of the
Seas tomam os seus martinis sobre um fundo de cheiro de morte. Nós é que fingimos que não
o sentimos.

(jvmalheiros@gmail.com)

Interesses relacionados