Você está na página 1de 1

O templo

Lucky de Oliveira
Abra a porta. Brasília-DF
Deixe-me entrar,
As sandálias mundanas
Estão do lado de fora.
Antes o regozijo da
contemplação
Deste templo que tanto
veneras;
Depois tatear cada curva, os
eixos
E os caminhos deixando o
coração
Enxergar a beleza que irradia.
Não tranque a porta,
Pois já sou prisioneiro deste
momento.
Entretanto, não posso ficar,
Porque preciso da liberdade
Para me lembrar deste
sentimento;
E de entrar
Só quando você deixar.